Business Process Management (BPM): uma nova solução de software para integração de cadeias colaborativas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Business Process Management (BPM): uma nova solução de software para integração de cadeias colaborativas."

Transcrição

1 Business Process Management (BPM): uma nova solução de software para integração de cadeias colaborativas. Autoria: José Osvaldo De Sordi, Norberto Antonio Torres Resumo: A solução de gestão de processos empresariais, ou Business Process Management (BPM), é uma solução de negócios fundamentada em tecnologia da informação. Aprimorando e integrando as facilidades oferecidas pelas soluções de integração de sistemas e de automação de fluxo de trabalho, a solução BPM visa atender todo o ciclo de gestão do processo: descoberta, projeto, distribuição, execução, interação, operação, manutenção, otimização e análise do processo. O objetivo é prover maior flexibilidade e agilidade aos processos, fator preponderante de competitividade. As características técnicas da solução BPM são particularmente inovadoras para atividades, que ocorrem além das fronteiras organizacionais, com envolvimento de parceiros, fornecedores e clientes. Os processos relacionados com cadeias colaborativas são os de maior potencial para solução BPM. Neste artigo, são discutidas as origens da solução BPM, os desafios tecnológicos para sua completa implementação, as iniciativas em andamento na indústria de software, o impacto de sua implementação nas organizações e, como conclusão, recomendações às empresas, que pretendam dar os primeiros passos para implementação da solução BPM. Origens da Solução BPM Paradigmas administrativos surgem de tempos em tempos, motivados por uma nova proposta ou concepção de administração de negócios, que passa a ser praticada pelo universo empresarial. Entre os principais desafios das empresas de softwares está a detecção destes movimentos, disponibilizando novas soluções de sistemas de informação, que habilitam e facilitam a incorporação destes novos paradigmas. O aprimoramento constante das cadeias colaborativas entre empresas é um dos paradigmas administrativos a que a indústria de software tem se dedicado fortemente nas últimas décadas; as primeiras soluções de troca eletrônica de documentos surgiram ainda na década de 70. O dinamismo dos negócios requer das redes colaborativas fronteiras organizacionais imperceptíveis do ponto de vista de processos. Para tanto, são necessários constância, acuracidade e velocidade nos fluxos de mensagem, controle e informações, que tramitam entre as organizações da cadeia colaborativa. Dentro das redes colaborativas, uma empresa A pode, por exemplo, estar acionando ou verificando o estado de um processo na empresa B. Os processos colaborativos podem ser os mais variados possíveis, desde processos da cadeia de produção até processos de desenvolvimento conjunto de novos produtos. Um processo de negócio significa uma completa e coordenada linha de atividades, ocorrendo serialmente e em paralelo, com geração de valor ao cliente. Os processos de negócios se caracterizam por serem (SMITH): 1

2 Extensos e complexos: envolvem grande diversidade e quantidade de fluxos de materiais, de informação e de comprometimento entre as empresas; Extremamente dinâmicos: requerem muita agilidade para responder às demandas de clientes e às mudanças de mercado; Distribuídos e segmentados: são executados dentro dos limites de uma ou mais empresas, através de diversas aplicações, ou sistemas de informações, operando em diferentes plataformas tecnológicas e com diferentes configurações e especificações; Duração longa: a execução de uma transação simples, por exemplo, uma solicitação de dinheiro, pode levar meses para ser efetivada; Automatizados: pelo menos em parte. Atividades rotineiras são executadas por computadores, quando possível, visando obter velocidade e confiabilidade; Dependentes de pessoas: o julgamento e a inteligência de pessoas são constantemente requeridos, devido ao fato das atividades não serem estruturadas o suficiente para se delegar a um sistema de informação, ou por requererem a interação de clientes; Difícil compreensão: em muitas empresas os processos não são mentalmente percebidos e explicitados; são organizações que trabalham sem documentação de processos. Num ambiente de rede colaborativa, estas características dos processos de negócio mostramse ainda mais críticas. A necessidade de se buscar meios que eliminem ou reduzam estas características, torna o software empresarial, mais especificamente softwares para gestão de processos, como sendo uma das principais ferramentas para a busca da eficiência das redes colaborativas. Utilizar softwares para auxiliar na gestão de processos significa disponibilizar um ambiente de trabalho colaborativo, que considere e trate todas estas realidades dos processos de negócios. O conjunto de software utilizado atualmente pelas empresas não é capaz de lidar com estas realidades dos processos de negócio. Falham em não permitirem flexibilidade na interação de pessoas durante a execução do processo, em não permitirem integrar ao seu fluxo de trabalho aplicações já existentes, por não visualizarem o processo além do limite da empresa, apenas exemplificando algumas das inúmeras deficiências. Atualmente as principais soluções de software, que as empresas utilizam para tratar seus processos são: Integração de aplicações ou Enterprise Application Integration (EAI): há três tipos prioritários de soluções para integração de dados, especializadas na integração entre sistemas de um mesmo ambiente/empresa, denominada de Application-to-Application (A- 2-A), especializadas na integração entre sistemas de diferentes ambientes/empresas via Internet, denominada Business-to-Business (B-2-B), e entre diferentes ambientes/empresas mas via link dedicado não Internet, Eletronic Data Interchange (EDI). Estes softwares são especializados exclusivamente na troca de dados entre sistemas, estes centrados em tecnologia, cujaa principal vantagem é prover comunicação de dados, independente de complexidade tecnológica de plataformas operacionais e de padrões de armazenamento de dados; Automação do fluxo de trabalho ou Workflow: é uma categoria de sistemas, que conjuga facilidades de automação do fluxo de trabalho e do fluxo de controle. Através dele é possível que sejam definidas regras, ações para tratamento de exceções, estabelecer pontos de controle para acionamento de ações, a partir da detecção de eventos. Workflows mais 2

3 atuais permitem simulações de processos com testes do tipo what if e permitem interação humana no fluxo; Gestão integrada ou Enterprise Resource Planning (ERP): são os sistemas que dão automação a diversas transações de negócios, que ocorrem dentro do âmbito da empresa; atendem prioritariamente os processos de back-office. São sistemas pouco flexíveis, em termos de incorporar alterações de processo. Sistemas ERP tratam transações de negócio de forma estruturada e previsível. Estudos das transações executadas pelas empresas mostram que apenas ¼ (um quarto) das transações são previsíveis e estruturadas, sendo que a grande maioria ocorre sem previsão (ad hoc) e seu tratamento é pouco estruturado, requerendo bastante interação humana. Embora em termos logísticos seja um problema, em termos de negócios significa que há oportunidades de melhorias em ¾ (três quartos) do total de negócios realizados pela empresa (DELPHI GROUP). Uma nova concepção de softwares para gestão de processos está sendo concebida. Trata-se da solução de Business Process Management, ou simplesmente BPM. Soluções BPM apresentam funcionalidades, que suportam diversas necessidades, ao longo do ciclo de vida do processo. Descrevemos, a seguir, as principais fases do ciclo de vida do processo e as características desejáveis numa solução de software BPM (SMITH): Descoberta do processo: significa tornar evidente como o processo funciona hoje, identificando sistemas de informação e processos manuais envolvidos no processo. Os atores do processo também necessitam ser descritos na lógica do processo: profissionais, parceiros, clientes e fornecedores. A automação da descoberta da lógica dos sistemas de informação envolvidos no processo será uma característica importante para as soluções BPM; Projeto do processo: significa realizar uma modelagem explícita do processo, alterações do projeto precedidas por simulações, permitem à empresa analisar e aprender sobre as possibilidades do processo, remodelando-o, quando conveniente. O analista de negócios necessita reestruturar rapidamente os processos em resposta à pressão competitiva e às oportunidades de negócio. Composição e decomposição de processos serão uma das características chave da solução BPM, assim como a capacidade de reutilização de processos, através de estruturas de generalização e especialização; Distribuição do processo: significa entregar rapidamente e de forma fácil o novo processo para todos os envolvidos, pessoas, aplicações e outros processos. Bons sistemas BPM serão capazes de entregar o novo processo, com pouca ou nenhuma necessidade de programação atrelada; Execução do processo: significa assegurar que o novo processo é executado por todos os participantes pessoas, outras organizações, sistemas e outros processos. Envolve o gerenciamento das transações distribuídas, utilizando-se de novos e antigos sistemas de informação, através de processos complexos e encadeados. Neste contexto, considerando as aplicações existentes como parte de um grande processo. A execução não deve ser afetada por distúrbios ocorridos em aplicações complementares ou em tecnologias adjacentes. O processamento distribuído deve ocorrer independente de ambiente tecnológico das aplicações; Interação com o processo: deve permitir que as pessoas gerenciem a interface entre os processos manuais e automáticos. Interfaces para os usuários devem ser facilmente 3

4 criadas, a partir da definição do projeto do processo, onde se definem pontos para interação humana; Operação e Manutenção do processo: uma das principais características da operação é a capacidade de intervenção para o tratamento de exceções do processo. Em termos de manutenção é fundamental permitir alterações dos limites do processo, quanto ao que se considera sub-processo público ou privado, permitindo alterar o escopo de interação das pessoas dentro do escopo do processo. As manutenções do processo devem ocorrer de forma transparente para os usuários, sem interrupções no fluxo normal de trabalho; Otimização do processo: significa identificar pontos de melhoria no processo, olhar para o processo em toda sua extensão, inclusive a que extrapola os limites da empresa, apontando gargalos, situações conflitantes e inconsistências do processo; Análise do processo: significa realizar as medições do processo, identificando o seu desempenho. A análise provê uma visão ampla dos recursos envolvidos nos processos da empresa. Ferramentas analíticas podem indicar oportunidades de melhoria do processo. O histórico da evolução de softwares para a gestão de processos está representado na Figura 1: do lado esquerdo temos a evolução do tratamento de processos internamente à empresa (com muita preocupação em atividades e só recentemente com a integração de dados entre aplicações através da solução de EAI). Do lado direito é representada a solução para troca de dados entre empresas. Note-se que a proposta da solução BPM é tratar dados e atividadess tanto do ponto de vista interno quanto do externo à empresa. INTERNO À EMPRESA Integração entre aplicações da empresa (A-2-Ai) EXTERNO À EMPRESA (B-2-Bi) Integração entre aplicações de empresas ERP SCM collaborative commerce e-business EDI CRM BPMS B-2-B e-commerce WorkFlow EAI Figura 1 Evolução das soluções para gestão de processos Desafios tecnológicos para implementação da solução BPM A solução BPM requer a integração entre dados e atividades do processo, independente de sistemas ou aplicações, que estejam envolvidas no escopo do processo, bem como da independência de plataforma tecnológica, uma vez que estes sistemas ou aplicações podem estar em diversas empresas, operando sobre diferentes plataformas tecnológicas. Para evoluir na proposta de gestão de processo, a solução BPM não pode deixar de contemplar o legado de sistemas de informações existentes nas empresas. Para tal, ela incorpora tanto um conjunto de softwares para integração de aplicações internas (A-2Ai), 4

5 quanto para aplicações externas (B-2Bi), conforme descrito na Figura 1. Para novos desenvolvimentos de software a solução de BPM recomenda novas tecnologias, mais apropriadas aos requisitos dos processos atuais. De todas as novas tecnologias, a mais apropriada à proposta do BPM é o conceito de Web Services. Os web services representam um novo modelo computacional, fundamentado na sindicalização de objetos de trabalho, que são rotinas executáveis com padrões de entradas e saídas requeridos. Os web services estão disponíveis via Internet; comunicam-se entre si, executam transações ou acionam outros web services, para a realização de alguma parte complexa do fluxo de trabalho da transação (SEYBOLD). Os web services estão compondo uma nova geração de solução de TI para os negócios empresariais. Os sistemas baseados em Internet foram os precursores da concepção da solução de web services. Listamos na Tabela 1 as principais características, que diferenciam as soluções baseadas em Internet das soluções web services. Os web services são aplicações autocontidas, que desempenham funções bem definidas, e que estão disponíveis na Internet. Os web services são capazes não apenas de executar suas tarefas, mas também de identificar outros web services, capazes de complementar uma transação de negócio mais ampla. Após a identificação dos web services, a escolha recai sobre o que melhor atender aos requerimentos do cliente, o que é realizado através da leitura dos atributos de cada web service (BORCK). Para que estes serviços digitais operem no contexto apresentado, é necessário que o ambiente tecnológico dos web services permita que eles: entendam-se, ou seja, que haja um vocabulário comum e padronizado entre eles; sejam identificados, ou melhor, localizados pelos demais web services. Para isto é necessário que o web service seja registrado em diretórios públicos; negociem entre si, devendo conter estruturas de dados que descrevam seus principais atributos, como custo, performance, nível de segurança e disponibilidade, especificações de input e output; tenham capacidade dinâmica de corretagem; eles devem pesquisar, localizar, e negociar com outros web services independente do ambiente tecnológico, em que eles residam. Para se viabilizar este novo ambiente tecnológico, há uma iniciativa de empresas do setor de TI que merece ser destacada: o esforço conjunto entre IBM, Microsoft e Ariba para definir padrões, que acelerem o desenvolvimento do comércio eletrônico entre empresas, iniciativa denominada Universal Description, Discovery and Integration (UDDI). O desenvolvimento da UDDI foi anunciado pelas três empresas co-fundadoras do projeto. em setembro de 2000, sendo que em novembro já havia mais de 130 empresas participantes do projeto e outras 100 querendo se juntar ao grupo. O grupo desenvolvedor definiu UDDI como sendo um padrão de especificação de serviço digital, que permite que estes se descrevam a si mesmos e que indiquem os meios preferidos, para conduzirem a transação eletrônica, independente das plataformas tecnológicas existentes. O objetivo do projeto UDDI é oferecer infra-estrutura básica para integração automática e dinâmica de todos os serviços digitais (HANNON). 5

6 No centro das iniciativas do projeto de UDDI está o UDDI Business Registry, que são diretórios públicos distribuídos globalmente, onde as empresas catalogam seus produtos e serviços, digitais ou não. Os atributos da estrutura de dados do diretório não somente descrevem os serviços e produtos, como também informam como realizar essa conexão. Não há custos, para que as empresas usem estes diretórios, seja para realizar pesquisas ou para registrar seus produtos e serviços. Em novembro de 2000 foi disponibilizado o primeiro diretório UDDI para testes. Solução Internet Acionado pelo homem: há a necessidade de intervenção humana específica; a pessoa precisa acionar um site e solicitar o serviço desejado Interação via web sites: toda interação entre a solução e usuário é realizada através de web sites utilizando computadores Comunicação através de fios: dispositivos computacionais conectados por fios, seja de redes locais ou de telefonia, para localidades pré-determinadas Aplicações monolíticas: uma aplicação completa é desenvolvida para atender a uma finalidade específica dos usuários do site. Há diversas atividades de programação e construção de software envolvidas Executor pré-definido: há um software específico, pré-definido, para cada atividade possível de ser solicitada. O software a ser executado para cada atividade é totalmente conhecido dos desenvolvedores da solução Aplicações para usos específicos: cada software desenvolvido atende a uma necessidade específica, num contexto bem específico Solução web-services Serve ao homem: as aplicações estão ativas na Internet ou em dispositivos conectados a ela, que são acionados por diferentes tipos de eventos do cotidiano das pessoas, sem a necessidade de intervenção humana específica para tal Interação via diferentes meios: um serviço é acionado ou entregue por intermédio de diversos dispositivos, qualquer objeto que tenha um microchip embutido, como veículos, eletrodomésticos, sensores, telefone, relógios, pagers, handhelds, Comunicação sem fio: uso intensivo de tecnologias sem fio, permitindo atender aos requisitos de mobilidade Aplicações compostas: os web services são modulares e acessíveis via Internet. Eles funcionam como recursos de outros web services no atendimento de uma transação ou serviço. Uma aplicação web services é composta por um conjunto de web services genéricos (turn-key) que estão disponíveis Executor definido no momento (on-the-fly): os web services são capazes de descobrir, negociar e transacionar com outro para completar uma transação ou parte dela. Disponibilidade, níveis de segurança e preço são alguns dos atributos que podem definir os web services a serem utilizados para uma transação Módulos intercambiáveis: os web services são autodescritivos, cada um informa quais as funções eles são capazes de desenvolver, dados de entrada necessários, dados de saída, custo, níveis de segurança disponíveis, etc. Eles podem ser monitorados por aplicações externas de gerenciamento e fluxo de trabalho, que lêem os atributos e status de cada web service Tabela 1 Diferenças entre soluções Internet e soluções Web Services A especificação atual do projeto UDDI utiliza-se de diferentes tecnologias para sua implementação, conforme podemos observar na Figura 2. A solução está fundamentada no troca de informações pela Internet, tendo como camada básica para as demais os protocolos de comunicação para Internet, o Hyper Text Transfer Protocol (HTTP) e o Transmission Control Protocol (TCP/IP). Para o transporte de dados estruturados, através de arquivo-texto emprega-se a linguagem Extensible Markup Language (XML). A camada de Simple Object 6

7 Access Protocol (SOAP) é um protocolo muito simples, que oferece facilidade de comunicações entre nós remotos, permitindo ativar objetos remotos e transmitir de volta resultados gerados por estes objetos (UDDI). O protocolo SOAP, desenvolvido pela Microsoft, provê o mínimo denominador comum para as aplicações que transmitem mensagens, convertendo as informações do ponto solicitante, por exemplo, os dados de argumentação e o identificador da transação, em formato XML, e encapsulando-as em padrão HTTP ou TCP/IP. Na seqüência, estes pacotes de informações são encaminhados ao destinatário, normalmente um servidor; este último extrai os dados em SOAP, executa o processamento requisitado e retorna o resultado também em protocolo SOAP (LOSHIN). Universal Description, Discovery Integration (UDDI) Simple Object Access Protocol (SOAP) Extensible Markup Language (XML) Common Internet Protocols (HTTP, TCP/IP) Figura 2 Camadas tecnológicas para solução UDDI A proposta da solução BPM é bastante inovadora, tanto tecnologicamente, quanto nos conceitos administrativos. Ela disponibilizará às empresas um ambiente totalmente dinâmico e eficaz para oferta (publicação) e contratação de serviços digitais via Internet. Processos colaborativos entre empresas passam a ocorrer nos diversos níveis organizacionais, com diferentes finalidades, desde processos complexos e críticos à organização até atividades de menor valor estratégico que ocorrem no dia-a-dia das organizações. As atividades de corretagem dos web services e os atributos, que os especificam, são fundamentais para análise da oferta de web services, contratação e composição, dos que desenvolverão determinada atividade. Iniciativas da indústria de software para evolução da Solução BPM Nos últimos 24 meses presenciamos um forte movimento de fusões e aquisições de empresas do setor de informática, principalmente entre empresas de nicho, especializadas em soluções de integração de aplicações e de automação de fluxo de trabalho. Descrevemos, a seguir, os principais investimentos realizados por algumas das grandes empresas destes segmentos: Em dezembro de 1999, a empresa Tibco, especialista em soluções EAI, adquiriu a solução de workflow desenvolvida pela Xerox, denominada InConcert; Em outubro de 2000 a empresa Hewlett Packard adquiriu a solução de EAI BlueStone, incorporando-a a sua plataforma de software NetAction (OHLSON); Em novembro de 2001 a empresa IBM adquiriu a solução de EAI CrossWorlds, incorporando-a a sua plataforma de software WebSphere (MEEHAN). Além dos processos de aquisição de produtos, as empresas estão ampliando suas ofertas de soluções, através do desenvolvimento de seus produtos. Empresas especializadas em soluções 7

8 EAI, como WebMethods, BEA e SeeBeyond anunciaram recentemente novas versões de seus produtos, incluindo funcionalidades de workflow e de gerenciamento de infra-estrutura (HARRELD). A discussão e desenvolvimento de padrões dos diversos componentes tecnológicos, envolvidos na solução BPM ocorre através de organizações sem fins lucrativos, que envolvem a participação de empresas usuárias, empresas desenvolvedoras de componentes e pesquisadores. Entre as diversas organizações, que colaboram para o desenvolvimento da solução BPM, encontram-se: BPMI.org (Business Process Management Initiative) envolve empresas de todos os tamanhos dos diversos segmentos de indústria, que desenvolvem e operam processos de negócios, através de diferentes parceiros e de múltiplas aplicações, sejam elas internas ou externas à organização. A missão do BPMI.org é promover e desenvolver o uso do BPM, estabelecendo padrões para projeto, distribuição, execução, manutenção e otimização dos processos. O BPMI.org desenvolve especificações abertas, dá assistência às empresas desenvolvedoras da área de tecnologia da informação e promove o uso da tecnologia BPM nos negócios; XML.org (Extensible Markup Language) fundada em 1999, o principal objetivo desta organização é minimizar a sobreposição e duplicação de linguagens XML, bem como de iniciativas diversas de padronização. Para isto, a XML.org provê acesso público às informações e esquemas XML; OAG.org (Open Applications Group) é um consórcio, cujo principal objetivo é o estudo de processos baseados em conteúdo XML, e suas melhores práticas para integração de aplicações internas e externas à organização. Esta organização atua fortemente na geração do consenso empresarial para interoperabilidade dos softwares empresariais. Sendo assim, tem desenvolvido processos repetitivos para o desenvolvimento rápido de conteúdo de negócio de alta qualidade e a representação XML destes conteúdos; OASIS.org (Organization for the Advancement of Structured Information Standards) é um consórcio mundial, que direciona o desenvolvimento, convergência e adoção de padrões para e-business. A OASIS tem uma agenda técnica e uma metodologia de trabalho, que favorece o desenvolvimento de trabalhos conjuntos, como também a obtenção de consenso. A entidade produz padrões mundiais para segurança, web services, conformidade XML, transações de negócio e interoperabilidade entre e dentro de marketplaces; RosettaNet consórcio envolvendo mais de 400 grandes empresas mundiais de tecnologia da informação, trabalhando na criação, implementação e promoção de padrões abertos de processos via Internet (e-business); WfMC.org (Workflow Management Coalition) coalizão que envolve empresas desenvolveras de solução workflow, usuários, analistas e pesquisadores. Sua missão é promover e desenvolver o uso do workflow, através do estabelecimento de padrões para interoperabilidade, conectividade e de terminologia entre os softwares workflow. Abrangência da solução BPM nas organizações A solução BPM apresenta um amplo escopo de utilização nas organizações, podendo ser aplicada a qualquer processo da empresa, independente da área em que atue. As principais iniciativas empresariais relacionadas à gestão de processos, e diretamente relacionadas à 8

9 solução BPM estão descritas na Figura 3. Estes iniciativas podem abranger as seguintes atividades: DNP Descrição e Normatização de Processos: estudos e aplicação de ferramentas relacionadas à descrição e normatização de processos, inclui desenhos de fluxos, atribuições de responsabilidades e indicadores de desempenho em processos; BPO Business Process Optimization e BPR Business Process Reegineering: estudos e aplicação de ferramentas relacionadas à otimização de processos, baseada em métodos de alto impacto, como a busca do processo ideal, a orientação para a visão essencial do processo, a desfragmentação de processos através da incorporação de inteligência embutida nos mesmos. Envolve, também, aspectos como: simulação, avaliação de tempos de resposta, melhoria contínua, métricas, benchmark e outsourcing de processos; BPA Business Process Automation: estudos e aplicação de ferramentas que visam à introdução de recursos de automação, das mais diversas naturezas, objetivando a otimização do processo. Envolve a automação de fluxos de trabalho, automação comercial e automação logística; BPI Business Process Integration: estudos e aplicação de ferramentas para o projeto de integração de processos, através de soluções de integração de processos e sistemas relacionados. Envolve soluções de workflow e de integração de sistemas (EAI Enterprise Application Integration); Estratégias e processos: estudos e aplicação de ferramentas para o projeto de integração de processos às estratégias da empresa, ou a objetivos de áreas/unidades de negócios específicas, identificando-se os elementos essenciais de processos que contribuem de forma direta para as estratégias estabelecidas, confirmando, assim, o valor estratégico do processo focalizado; Qualidade e processos: estudo e aplicação de ferramentas para a análise das relações entre processos e os impactos na qualidade dos produtos e serviços da organização; Recursos humanos, cultura e processos: estudo e aplicação de ferramentas para análise das relações entre processos, e as características culturais e de recursos humanos da empresa, de forma a garantir que tais aspectos atuem de forma sinérgica sobre os processos. BPA Business Process Automation DNP Descrição e Normatização de Processos BPO/BPR Business Process Optimization / Reengineering BPI Business Process BPM Integration Business Process Management Qualidade e Processos Estratégia e Recursos Humanos, Processos Cultura e Processos Figura 3 - Principais aplicações da solução BPM na organização Da análise das principais iniciativas relacionadas a solução BPM, pode-se concluir que entre as áreas mais envolvidas pela solução BPM estão: organização & métodos, qualidade, infraestrutura tecnológica, sistemas de informação, planejamento e estratégia, controladoria, custos 9

10 e recursos humanos. Nestas áreas, a solução BPM se aplica não apenas na automação e gerenciamento de seus processos, mas sobretudo no suporte direto as suas atividades fins. Soluções BPM criam um ambiente integrado de modelagem, abrangendo diferentes objetos, que descrevem de forma estruturada e completa os processos de negócio. Dividindo os objetos por assuntos de interesse administrativo temos: Objetos relativos à estratégia empresarial: missão, objetivos, fatores críticos de sucesso, problemas, hipóteses, indicadores de performance,... Objetos relativos à organização: unidades organizacionais, sites da organização, relacionamento entre as unidades, responsáveis pelas unidades,... Objetos relativos aos recursos humanos: competências, cargos, grupos de trabalho, conhecimento,... Objetos relativos aos processos: processo, atividade, fluxos e hierarquias, dentre os quais, regras e normas,... Objetos relativos ao suporte tecnológico: sistema, aplicações, rotinas, centros de processamento,... Estes objetos estão representados no repositório de dados da solução BPM, isto é, possuem descrição específica como metadados. Além da representação de diferentes objetos, o repositório de dados também registra as propriedades e associações dos objetos. Como exemplo de associação estão os registros das competências necessárias para uma determinada atividade, ou as unidades organizacionais e seus correspondentes objetivos/metas/desafios. Além de associar objetos, o repositório prevê atributos específicos (propriedades) para cada objeto ou associação. Por exemplo, para o objeto processo podemos ter a descrição das propriedades: freqüência, tempo, custo, entre outros. O uso da solução BPM com método de trabalho e com conhecimento das técnicas implementadas em seus softwares, permite a criação de um repositório de dados bastante completo e íntegro sobre o ciclo de vida do processo. Há diversas oportunidades de aplicação deste repositório na gestão efetiva dos processos. Citamos algumas: na área de controladoria e custos: para apuração direta de resultados, por exemplo através da metodologia de custos baseada em atividades. As diversas atividades da empresa, independente da tecnologia empregada (web services, sistemas tradicionais,...) passam a operar e ter seu gerenciamento integrado; na área de organização & métodos: para identificação e gerenciamento de fluxos entre áreas e entre empresas, no reconhecimento da geração e uso de informação pelas áreas, e demais atividades deste setor, que passam a ser totalmente suportadas pela solução BPM; na área de qualidade: para documentação e normatização de processos; na área de sistemas de informação: para o suporte para todo o ciclo de desenvolvimento do sistema, desde sua concepção na análise do sistema, seu projeto lógico, manutenção e evolução de sistemas. Com o surgimento dos web services a construção e entrega do sistema são totalmente inovadas, as trilhas de execução são definidas em tempo de execução (vide Tabela 1); na área de tecnologia da informação: para o gerenciamento e entendimento do impacto dos diversos recursos tecnológicos na gestão de cada processo; na área de recursos humanos: para melhor compreensão da análise qualitativa e quantitativa dos recursos humanos requeridos em cada processo; 10

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com.

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com. SOA Porque adotar SOA (Service Oriented Architecture) Por Ricardo de Castro Barbosa Publicado Setembro/2008 Ricardo de Castro Barbosa é sócio da SOA- Savoir Faire (www.soa-savoirfaire.com.br) empresa dedicada

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

IBM Software. Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011

IBM Software. Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011 IBM Software Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011 2 Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Destaques Amplie os serviços de negócios

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Com a Informatica, a Vale potencializa as relações de parceria

Com a Informatica, a Vale potencializa as relações de parceria Caso de Sucesso Com a Informatica, a Vale potencializa as relações de parceria As inovações na forma como integramos e gerenciamos a relação com parceiros estão ajudando a reduzir o custo dos relacionamentos

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc. DAS5316 BPM e BPMN Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPM Introdução Definição Características Ciclo de vida Integração com

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Utilizar o processo de desenvolvimento de sistemas delineado neste capítulo e o modelo de componentes de SI, do Capítulo 1, como estrutura de solução de problemas de sistemas de informação.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP GESTÃO DAS INFORMAÇÕES EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMAÇÃO EXPOSIÇÃO DA DISCIPLINA Cultura da informação Informação estratégica Conceito ampliado de informação

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO João Felipe D Assenção Faria Arquiteto JEE Especialista SOA/BPM JOÃO FELIPE D ASSENÇÃO FARIA Arquiteto JEE (12 anos) Especialista SOA/BPM (aprox. 4 anos)

Leia mais

Disciplina: Automação de Processos de Negócio

Disciplina: Automação de Processos de Negócio Disciplina: Automação de Processos de Negócio PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Eros Viggiano Ementa da disciplina Viabilização da otimização de processo através da

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

BPM Social: Novas formas de se trabalhar

BPM Social: Novas formas de se trabalhar BPM Social: Novas formas de se trabalhar BPM Global Trends Brasília, Novembro 2013 Sandy Kemsley www.column2.com @skemsley Agenda A Organização Social Tecnologias para BPM Social: BPM Social Gerenciamento

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

CA Network Automation

CA Network Automation FOLHA DE PRODUTOS: CA Network Automation agility made possible CA Network Automation Ajude a reduzir o risco e aprimore a eficiência da TI automatizando o gerenciamento de mudança e da configuração de

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

IBM Rational Requirements Composer

IBM Rational Requirements Composer IBM Requirements Composer Aprimore os resultados do projeto por meio da melhor definição e gerenciamento de requisitos Destaques Obter maior agilidade, foco no cliente, qualidade e menor tempo de lançamento

Leia mais

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS Departamento de Automação e Sistemas UFSC Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO Conceitos

Leia mais

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug & Play Options Integrating Systems Flávio De Nadai Desenvolvimento de Negócios Utilities & Telecom

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais