REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de h o m e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013. h o m e"

Transcrição

1 REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013 h o m e b a c k n e x t

2 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS h o m e b a c k n e x t DRA. CRISTINA BOGADO MENEZES

3 CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Cristina Bogado Menezes

4 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS [ ] a insolvência é resultado, e não causa, que tem por génese graves dificuldades económico-financeiras verificadas na vida da empresa, que podem e devem ser solucionadas antes que a situação se torne irreversível. [ ]. (p. 23 e 24. Guia Prático da Recuperação e Revitalização de Empresas) IDENTIFICAÇÃO atempada dos sintomas ANÁLISE racional DIAGONÓSTICO rigoroso Da situação de debilidade económico-financeira da empresa Actos essenciais à VIABILIZAÇÃO DA EMPRESA

5 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Algumas vicissitudes na vida da empresa: Acontecimento económico desfavorável Tesouraria liquida negativa Falta de liquidez Insuficiência de fundo de maneio REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS / DÍVIDAS Insolvência

6 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS IDENTIFICAÇÃO atempada dos SINTOMAS Realização de DUE DILIGENCE Financeira Societária Tributária Laboral Para : Apurar causas subjacentes às dificuldades da empresa Conhecer a realidade jurídica, económico-financeira e/ou laboral da empresa Identificar fragilidades e/ou contingências, bem como oportunidades a considerar A fim de elaborar DIAGNÓSTICO que permita: Tomada de decisão sobre instrumento de viabilização da empresa Esboçar, atempadamente e com proficiência, as medidas a adoptar

7 Conceito: Reestruturação de Créditos: Processo negocial eminentemente extrajudicial, mediante o qual uma empresa, ou grupo de empresas, enfrentando problemas decorrentes do: - volume de endividamento perante um ou mais credores - e da pressão exercida para o cumprimento das suas obrigações, inicia os contactos com os seus principais credores que, normalmente, culmina com a celebração de um Acordo de Reestruturação de Créditos / Dívidas Cerne: Vicissitudes relacionadas com: Financiamentos em curso Necessidade de obtenção de novos financiamentos

8 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Principais Objectivos DEVEDORES: Prevenir ou regularizar a situação de incumprimento (actual ou iminente) de obrigações Aumentar os níveis de solvabilidade da empresa (aliviar a tesouraria) Evitar que a empresa sofra múltiplos processos judiciais de execução Evitar que venha a ser decretada a sua insolvência CREDORES: Em suma: criar meios para manter a sua actividade e alcançar a sua recuperação Regularizar incumprimentos ( levantar provisões e imparidades) Reforço das garantias Aumentar a expectativa de recuperação futura dos respectivos créditos (vencidos ou em vias de ) Em suma: viabilizar a recuperação dos seus créditos

9 FASES FUNDAMENTAIS DO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS (*) Designação de técnicos, colaboradores externos e eventual comité de crédito ORGANIZAÇÃO NEGOCIAÇÃO Assinatura de acordos de confidencialidade e realização de Due Diligence Elaboração e apresentação do Plano de Reestruturação APRESENTAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO Assinatura dos instrumentos contratuais e Execução supervisionada do Acordo de Reestruturação e instrumentos contratuais conexos (*) Não só os processos de reestruturação, mas a generalidade dos demais processos que têm por objectivo a viabilização da empresa percorrem quatro fases fundamentais, que se sucedem: organização, negociação, apresentação de um plano e implementação do plano.

10 MODELOS DE REESTRUTURAÇÃO/ MODELOS DE REESTRUTURAÇÃO RECUPERAÇÃO DE INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO CLÁUSULAS ATÍPICAS CRÉDITOS ACORDOS ESPECÍFICOS Inexistência de modelo único Modelo depende de análise casuística e contextualizada (necessidades da empresa e análise de risco de crédito) Passivo a Reestruturar Capital Juros Amortização antecipada Afectação de receitas Prazo Carência Condições Robustecimento de Declarações Obrigações específicas A considerar: Fiscalidade Cláusulas especiais de garantia Resolução e vencimento antecipado Garantias Constituição de veículo Liquidação de dívidas Transmissão/assumpção de dívidas Sub-rogação Solidariedade Acordos conexos Etc.

11 MODELOS POSSIVEIS DE REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Reestruturação: Reveste formas e níveis de complexidade diversos Modelos: Consolidação individual ou grupada (empresas em relação de grupo) do passivo existente Alteração de financiamento em curso Contratação de novos financiamentos Liquidação parcial das dívidas Prestação de novas garantias Reescalonamento de dívidas e de garantias Etc.

12 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITO RELAÇÃO NEGOCIAL CREDOR (es) INTERESSADO (s) PROVISÕES! IMPARIDADES! CAPITAL JUROS Valor Valor CONTRATO (+ -) DEVEDOR (es) INTERESSADO (s) PAGAMENTO? INSOLVÊNCIA? AUMENTO DOS PRAZOS ALTERAÇÃO DAS TAXAS PERDÃO DE DÍVIDA OBJECTO / MONTANTES PRAZOS / CARÊNCIA TAXAS / ENCARGOS DENÚNCIA / RESOLUÇÃO TIPO DE GARANTIAS GARANTIAS ADICIONAIS PAGAMENTO PARCIAL NOVAS CONDIÇÕES ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSOLIDAÇÃO DE CRÉDITOS REFORÇO DE GARANTIAS NOVA ESTRUTURA CONTRATUAL LIQUIDAÇÃO PARCIAL

13 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS CREDOR( ES) INTERESSADOS NOVA ESTRUTURA CONTRATUAL NOVA ESTRUTURA CONTRATUAL Alteração das condições de financiamento (prazos, taxas, garantias, etc). Consolidação de créditos individuais e/ou grupados (não novação). Concentração de responsabilidades (solidariedade). Reescalonamento das dívidas (planos de pagamento). Reforço de financiamento e/ou novas garantias (grau de cobertura). Liquidação parcial das dívidas ( dação em pagamento). DEVEDOR (ES) INTERESSADOS GARANTIAS PESSOAIS CLÁUSULAS ESPECIAIS DE GARANTIA GARANTIAS REAIS CROSS DEFAULT / OWNERSHIP / NEGATIVE PLEDGE / PARI PASSU / STAND STILL / VENCIMENTO ANTECIPADO / REGIME DA SOLIDARIEDADE EXCLUSÃO DA NOVAÇÃO / GARANTIAS ESPECÍFICAS/ NOVA TITULAÇÃO DUE DILIGENCE SOCIETÁRIA, FINANCEIRA, FISCAL JURÍDICA

14 ACORDO DE REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS/DÍVIDAS CLÁUSULAS TÍPICAS Princípio da Liberdade Contratual (art. 405.º, n.º 1 do CC) Limites legais aos negócios jurídicos Objecto Natureza da Reestruturação Efeitos da Reestruturação Prazo da Reestruturação Declarações Forma de reestruturação dos créditos englobados Causas especiais de incumprimento e efeitos Condições/ pressupostos Resolução e vencimento antecipado Obrigações específicas Se for o caso, forma(s) de extinção de parte das dívidas existentes Clausula Penal Cláusulas especiais de garantia Reforço de Garantias Encargos e despesas Agenciamento e regras de sindicação Etc.

15 REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS PONTOS CRÍTICOS A existência de pontos críticos exige: ponderação prévia e adopção de cautelas OBJECTIVO PONTOS CRÍTICOS: Novação [ art. 857.º e ss CC] - Principais problemas: existência de ónus posteriores à garantia inicial e período de suspeição à luz do CIRE, caso venha a ser declarada a insolvência da empresa (por interpretação dos arts. 97.º, 120.º e 121.º do CIRE). Fiscalidade evitar contingências futuras - Concessão de novos financiamentos (incluindo reforço), prorrogação do prazo dos financiamentos em curso e a constituição de garantias sem que se verifique os requisitos de simultaneidade e acessoriedade. Existência de dívidas à Segurança Social - Concessão de novo financiamento, a médio ou longo prazos, em montante superior a ,00 (n.ºs 4 e 6 do art. 198.º do CRCSPSS) : Instituições de crédito obrigadas a exigir declaração da situação contributiva da empresa perante a SS. Havendo dívida retenção obrigatória do montante em débito, até ao limite de 25 % do valor do financiamento. - E no caso de financiamento sob a forma de abertura de crédito? Quid Juris?

16 OBRIGADA! Cristina Bogado Menezes

17 REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS AO ESTADO h o m e b a c k n e x t DR. JOSÉ MOTA GOMES (INST. GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL)

18 IGFSS Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, IP Regularização da dívida à Segurança Social 18

19 Regularização da Dívida à Segurança Social Agenda 1. Apresentação do IGFSS 2. Incumprimento 3. Modalidades de regularização da dívida 19

20 Regularização da Dívida à Segurança Social Apresentação do IGFSS Missão e Atribuições O IGFSS tem por objetivo a gestão financeira unificada dos recursos económicos consignados no orçamento da Segurança Social. As suas atribuições distribuem-se pelas áreas do orçamento e conta e da gestão financeira, do património imobiliário e da gestão da dívida à segurança social. Competências em matéria de Gestão da Dívida Acompanhar e controlar a atuação das instituições de SS em matéria de regularização da dívida Assegurar a cobrança coerciva da dívida à Segurança Social Adotar medidas extraordinárias de regularização da dívida 20

21 Regularização da Dívida à Segurança Social Agenda 1. Apresentação do IGFSS 2. Incumprimento 3. Modalidades de regularização da dívida 21

22 Regularização da Dívida à Segurança Social Incumprimento Dívida Todas as dívidas contraídas perante as instituições do sistema de Segurança Social pelas pessoas singulares, pelas pessoas coletivas e outras entidades a estas legalmente equiparadas, designadamente as relativas às contribuições, quotizações, taxas, incluindo as adicionais, os juros, as coimas e outras sanções pecuniárias relativas a contra-ordenações, custos e outros encargos legais 22

23 Regularização da Dívida à Segurança Social Incumprimento 23

24 Regularização da Dívida à Segurança Social Agenda 1. Apresentação do IGFSS 2. Incumprimento 3. Modalidades de regularização da dívida 24

25 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Pagamento voluntário Execução Cível Execução Fiscal Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial Processo de Insolvência Processo Especial de Revitalização Dação em pagamento Compensação de créditos Retenções Conversão em participações sociais Alienação de créditos 25

26 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores RCM 43/2011, de 25/10 1. O procedimento extrajudicial corresponde a um compromisso assumido entre o devedor e os credores envolvidos, e não a um direito; 2. As partes devem actuar de boa-fé; 3. Os credores envolvidos podem criar comissões e ou designar um ou mais representantes para negociar com o devedor; 4. Os credores envolvidos devem cooperar entre si e com o devedor de modo a concederem a este um período de suspensão; 5. Durante o período de suspensão, os credores envolvidos não devem agir contra o devedor; 6. Durante o período de suspensão, o devedor compromete-se a não praticar qualquer acto que prejudique os direitos e as garantias dos credores; 26

27 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores RCM 43/2011, de 25/10 7. O devedor deve adoptar uma postura de absoluta transparência durante o período de suspensão, partilhando toda a informação relevante; 8. Toda a informação partilhada pelo devedor deve ser tida como confidencial; 9. As propostas apresentadas devem refletir a lei vigente e a posição relativa de cada credor; 10. As propostas de recuperação do devedor devem basear-se num plano de negócios viável e credível; 11. Se durante o período de suspensão ou no âmbito da reestruturação da dívida for concedido financiamento adicional ao devedor, o crédito resultante deve ser considerado pelas partes como garantido. 27

28 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores RCM 11/2012, de 03/02 Cria o Programa Revitalizar Estabele os objetivos prioritários do Programa Revitalizar: Desenvolvimento de mecanismos céleres e eficazes na articulação das empresas com o Estado, em particular com a Segurança Social e a Administração Tributária, tendo em vista o desenho de soluções que promovam a viabilização daquelas 28

29 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades SIREVE, de PIRE, Regularização PER: Posicionamento da Dívida da Segurança Social Posicionamento da Segurança Social Pagamento das contribuições desde entrada do procedimento/processo Exigibilidade de garantias Plano da dívida até 150 prestações mensais Possibilidade de prestações progressivas Juros vencidos (cálculo de renúncia de créditos) Juros vincendos consoante garantia apresentada Ações executivas pendentes mantêm-se suspensas após assinatura da Ata Final do SIREVE/aprovação e homologação do plano de recuperação até integral cumprimento do plano de pagamentos que venha a ser autorizado Pagamento das custas 30 dias após a assinatura da Ata Final do SIREVE/trânsito em julgado do plano de recuperação 29

30 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades SIREVE, de PIRE, Regularização PER: Progressividade Dívida no pagamento prestacional Em planos prestacionais a autorizar com um número mínimo de prestações equivalente a 120, e sempre que o contribuinte solicite a progressividade das prestações do acordo prestacional, a mesma é autorizada de acordo com o quadro infra 30

31 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades SIREVE, de PIRE, Regularização PER: Progressividade Dívida no pagamento prestacional Garantia do acordo prestacional Prestações do acordo prestacional Valor da prestação mensal Garantia Bancária Da 1ª à 18ª 25% VP Da 19ª à 36ª 50% VP Da 37ª à 54ª 75% VP A partir da 55ª 100% VPR Hipoteca Da 1ª à 12ª 25% VP Da 13ª à 24ª 50% VP Da 25ª à 36ª 75% VP VP = Valor em dívida / nº de meses autorizado VPR = (Valor em dívida Valor pago em progressividade) / nº de meses remanescentes (sem progressividade) A partir da 36ª 100% VPR Penhor Da 1ª à 6ª 25% VP Da 7ª à 12ª 50% VP Da 12ª à 24ª 75% VP A partir da 25ª 100% VPR 31

32 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades SIREVE, de PIRE, Regularização PER: Progressividade Dívida no pagamento prestacional A diferença de valor das prestações progressivas é distribuída equitativamente no valor das prestações sem progressividade. A concessão de progressividade é autorizada apenas uma vez para cada contribuinte, eliminando situações de repetido incumprimento, concorrência desleal e aumento de risco financeiro para a Segurança Social. 32

33 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Dação em pagamento Dação em pagamento para regularização da totalidade da dívida Dação em pagamento para regularização de parte da dívida, sendo o remanescente regularizado em regime prestacional no âmbito das SPE Dação em pagamento para regularização de parte da dívida, sendo o remanescente regularizado em regime prestacional no âmbito de PER, PIRE ou SIREVE Possibilidade de recompra dos bens oferecidos em dação em pagamento num prazo até 10 anos 33

34 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Dação em pagamento Vantagens Desvantagens Regularização imediata da dívida Possibilidade de recompra Celeridade 34

35 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Alienação de créditos A Segurança Social pode, excecionalmente, alienar os créditos de que seja titular correspondentes a dívidas de contribuições, quotizações e juros Pode ser efectuada pelo valor nominal ou pelo valor de mercado dos créditos A alienação de créditos pelo valor de mercado segue um dos procedimentos previstos no Código dos Contratos Públicos 35

36 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida Alienação de créditos Não pode fazer-se a favor a) Do contribuinte devedor; b) Dos membros dos órgãos sociais do contribuinte devedor, quando respeite ao período de exercício do seu cargo; c) De entidades com interesse patrimonial equiparável 36

37 Regularização da Dívida à Segurança Social Modalidades de Regularização da Dívida»»» SAIVE Apresentação do Serviço Modelo de intermediação Devedores Consultores Parceiros Institucionais Necessidades de apoio técnico/financeiro IGFSS Oportunidades de investimento e de viabilização empresarial IAPMEI Investidores IEFP Associações Sectoriais Associações Regionais 37

38 IGFSS Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, IP Obrigado! 38

39 REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013 h o m e b a c k n e x t

40 O PROGRAMA REVITALIZAR E O SIREVE h o m e b a c k n e x t DR. AMADEU BOLEIXA (ECONOMISTA)

41 O PER COMO INSTRUMENTO PARAJUDICIAL DE RECUPERAÇÃO h o m e b a c k n e x t DR. PAULO VALÉRIO

42 CONFERÊNCIA O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGOS 17º-A A 17º-I Decreto-lei nº53/2004, de 18 de março (alterado pela Lei nº16/2012, de 20 de abril) Paulo Valério

43 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros nº43/2011; Resolução do Conselho de Ministros nº11/2012.

44 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGOS 17º-A A 17º-I Decreto-lei nº53/2004, de 18 de março (alterado pela Lei nº16/2012, de 20 de abril)

45 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 1.º Finalidade do processo de insolvência 1.O processo de insolvência é um processo de execução universal que tem como finalidade a satisfação dos credores pela forma prevista num plano de insolvência, baseado, nomeadamente, na recuperação da empresa compreendida na massa insolvente, ou, quando tal não se afigure possível, na liquidação do património do devedor insolvente e a repartição do produto obtido pelos credores. 2.Estando em situação económica difícil, ou em situação de insolvência meramente iminente, o devedor pode requerer ao tribunal a instauração de processo especial de revitalização, de acordo com o previsto nos artigos 17.º-A a 17.º-I. Redacção dada pelo artigo 2.º da Lei n.º 16/2012, de

46 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-A O que é e quem pode requer? O devedor que se encontre em situação económica difícil ou em situação de insolvência meramente iminente, mas que ainda seja susceptível de recuperação. Visa um acordo com os credores conducente à revitalização do devedor.

47 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-B O que é a situação económica difícil? Dificuldade séria para cumprir pontualmente as suas obrigações, designadamente por ter falta de liquidez ou por não conseguir obter crédito.

48 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-C Como se requer? Declaração escrita do devedor e de, pelo menos, um credor, manifestando a vontade de encetar negociações. Munido da declaração, o devedor deve comunicar ao tribunal competente para declarar a sua insolvência que pretende iniciar negociações e remeter cópias dos documentos legalmente requeridos para a petição, de acordo com o nº1, do artigo 24º. O tribunal nomeia, imediatamente, administrador judicial provisório, logo notificando o devedor.

49 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-D Há lugar a reclamação e verificação de créditos? Após notificação da nomeação do administrador judicial provisório, o devedor fica obrigado a comunicar a todos os credores que não tenham subscrito a declaração inicial o início das negociações, convidando-os a participar e informando da docu mentação patente na secretaria do Tribunal. Os credores dispõem de 20 dias para a reclamação de créditos junto do administrador judicial provisório, após publicação do despacho de nomeação deste no portal Citius, que deverá elaborar lista provisória no prazo de cinco dias.

50 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-D Há lugar a reclamação e verificação de créditos? A lista provisória pode ser impugnada no prazo de cinco dias úteis, após publicitação, devendo as impugnações ser decididas pelo juiz no mesmo prazo. As negociações deverão seguir os princípios orientadores aprovados pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 43/2011, de 25 de outubro. As negociações deverão ser concluídas no prazo de dois meses, prorrogável um mês.

51 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-E O devedor fica protegido dos credores? E os credores? Consagra-se um período de Stand Still. O processo obsta à instauração de quaisquer acções para cobrança de dívidas contra o devedor e suspende, quanto a este, as acções em curso com idêntica finalidade, extinguindo-se aquelas logo que seja aprovado e homologado plano de recuperação, salvo quando este preveja a sua continuação. Suspendem-se, igualmente, os processos em que tenha sido requerida a insolvência do devedor na data de publicação no portal Citius do despacho de nomeação do administrador judicial provisório, desde que não tenha sido proferida sentença declaratória da insolvência, extinguindo-se aqueles logo que seja aprovado e homologado plano de recuperação. Caso o juiz nomeie administrador judicial provisório, o devedor fica impedido de praticar actos de especial relevo sem que previamente obtenha autorização para a realização da operação pretendida por parte do administrador judicial provisório.

52 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-F Como se obtém a aprovação do plano? Aprovado unanimemente o plano de recuperação em que intervenham todos os credores, o juiz procede à sua homologação ou pode recusá-la. Não havendo aprovação unânime, o plano é remetido para o tribunal considerando-se aprovado pela maioria dos votos prevista no n.º 1 do artigo 212.º, podendo o juiz computar os créditos que tenham sido impugnados se considerar que há probabilidade séria de tais créditos deverem ser reconhecidos, caso a questão ainda não se encontre decidida. A votação efectua-se por escrito. O juiz pode ou não proceder à homologação, aplicando-se em especial os artigos 215º e 216º do CIRE.

53 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-G É possível interromper o processo negocial? Quais as consequências? O devedor, a todo o tempo e independentemente de causa, ou a maioria dos credores necessária para a aprovação do plano, se concluírem, antecipadamente, não ser possível alcançar o acordo, poderão dar por findo o processo negocial. O processo poderá, igualmente, findar pelo decurso do prazo previsto para as negociações. Caso o devedor se encontre em situação de insolvência, o que deverá ser atestado pelo administrador provisório, o encerramento do processo acarreta a insolvência do devedor. O termo do processo impede o devedor de recorrer ao mesmo durante os dois anos posteriores.

54 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-H E se o devedor precisar de financiamento para a revitalização? Como se protegem os financiadores? Os credores que proporcionem financiamento ao devedor durante o processo, gozam de especial protecção no tocante às respectivas garantias (que se mantêm ainda que o devedor seja declarado insolvente no prazo de dois anos) e na graduação dos créditos respectivos (privilégio creditório mobiliário geral, graduado com prioridade perante o privilégio creditório mobiliário geral concedido aos trabalhadores).

55 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO ARTIGO 17.º-I E se o devedor tiver, previamente, celebrado um PEC? O processo especial de revitalização poderá iniciar-se mediante a apresentação pelo devedor de acordo extrajudicial de recuperação, previamente celebrado.

56 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO Fonte: Ministério da Economia e do Emprego

57 INSOLVÊNCIA LIQUIDAÇÃO UNIVERSAL

58 PER RECUPERAÇÃO DA EMPRESA

59 ENTRE O BEM E O MAL?

60 DUAS FACES DA MESMA MOEDA Dados estatísticos apontam para uma maior recuperação de créditos nos casos de recuperação extrajudicial de empresas, quando comparada com os casos de insolvência e liquidação do património do devedor. Resolução do Conselho de Ministros n.º 43/2011

61 RECUPERAR CRÉDITOS, RECUPERANDO O DEVEDOR A reestruturação da dívida, quando associada à aprovação conjunta de medidas de gestão que tornem o devedor viável, a prazo, pode ser, em alguns casos, uma solução mais célere e eficiente do que o recurso aos tribunais, com efeitos económicos e sociais positivos.

62 Obrigado. Paulo Valério

63 A INSOLVÊNCIA E O PLANO DE RECUPERAÇÃO h o m e b a c k n e x t DRA. MARGARIDA ALMEIDA

64

65 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Administração de Grupo Económico ligado ao turismo, imobiliário, construção, indústria com activos em Portugal, Angola, Brasil e Argentina 2005 a 2011; Apresentação de diversas sociedades à insolvência como administradora 2011; Gestão dos activos das sociedades insolventes durante e após aprovação de planos de insolvência (recuperação e liquidação controlada) 2011 a 2013;

66 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Processo de tomada de decisão de apresentação à insolvência : a) Da verificação da situação de insolvência (diagnóstico interno da empresa) b) Da racionalidade e emotividade (a insolvência como uma acto de gestão adequado e não como significado de fracasso)

67 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Processo de tomada de decisão de apresentação à insolvência (cont). c) Equilíbrios internos e externos (relacionamento com accionistas, administradores, trabalhadores e credores) d) Qual o momento de apresentação à insolvência? A importância da existência de um fundo de maneio para a preparação e aprovação de um plano de recuperação de modo a suportar os custos operacionais da empresa no pós insolvência

68 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Da apresentação à insolvência e da importância da comunicação, para a continuidade das operações da empresa e elaboração do respectivo plano de recuperação: (a) Aos colaboradores; (b) Aos parceiros (fornecedores, instituições de crédito, sócios) (c) Ao mercado

69 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Da elaboração do plano de recuperação e respectivos pressupostos: (a) Importância do compromisso da administração na elaboração e execução do plano de recuperação (b) Importância da presença e comunicação da administração junto dos credores (c) Importância da consultoria jurídica e económica na elaboração do plano de recuperação

70 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Exemplo de planos de insolvência - Aldeamento Turístico Monte Santo - : (i) Continuidade da exploração (ii) Impacto da insolvência na exploração (iii) Definição do plano de recuperação: a) Plano elaborado pela empresa b) Plano elaborado por Administrador de Insolvência c) Da importância da comunicação entre credores, administrador de insolvência e empresa (iv) Vicissitudes da aprovação e homologação do plano de recuperação (v) Resultados do pós-insolvência do Aldeamento Turístico Monte Santo: fresh start

71 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Exemplo de planos de insolvência (cont): Conclusão de empreitada de construção de um empreendimento turístico Liquidaçao Controlada: (i) Cumprimento do contrato de empreitada e defesa dos interesses da massa e respectivos credores; (ii) Impacto da insolvência nos colaboradores e fornecedores (iii) Garantia de obra (a)- Despedimentos colectivos (b)- Aquisições de créditos (c) - Meios e formas de pagamento (iv) Liquidação parcial de activos não afectos à empreitada em curso

72 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA Potenciais Ensinamentos para o Futuro: (a) Manter as sociedades pertencentes a Grupos Económicos independentes (sem possibilidade de contaminar as demais) (b) Apresentação à insolvência como acto de gestão (c) Aumento de capitais próprios (fusões, alternext, parcerias a questão cultural) (d) Estruturas de custos espartanas (e.g. eliminação de estruturas intermédias e proximidade da administração à operação, administrações mais executivas)

73 INSOLVÊNCIA E PLANO DE RECUPERAÇÃO PERSPECTIVA PRÁTICA OBRIGADA Margarida Almeida

74 REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013 h o m e b a c k n e x t

75 REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013 h o m e b a c k n e x t

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas Paulo Valério ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros nº43/2011; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Cristina Bogado Menezes REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS [ ] a insolvência é resultado, e não causa, que tem por génese graves dificuldades económico-financeiras verificadas

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA 1. Concessão de Crédito 2. Reestruturação de Crédito 3. Recuperação de Crédito 3.1. Acção executiva 3.2. Insolvência BANCO CONCESSÃO DE CRÉDITO RELAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 4082 Diário da República, 1.ª série N.º 150 3 de agosto de 2012 2 Os serviços dependentes agrupados nas subalíneas ii) e iv) da alínea a) e nas subalíneas ii) e iii) da alínea b) do número anterior são

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA

O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA CONFERÊNCIA O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA 1. Concessão de Crédito 2. Reestruturação de Crédito 3. Recuperação de Crédito 3.1. Acção executiva 3.2. Insolvência 4. Recuperação

Leia mais

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social Legislação Decreto-Lei n.º 411/91, de 17 de Outubro Publicado no D.R. n.º 239, série I-A, de 17 de Outubro de 1991 SUMÁRIO : Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Leia mais

Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores

Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores 1 Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores O procedimento extrajudicial de recuperação de devedores permite que,

Leia mais

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial Tortosendo, DEZEMBRO de 2012 Pág. 1 / 28 Pág. 2 / 28 MOU celebrado entre o Governo Português, FMI, BCE e Comissão Europeia, Capítulo 2; Resolução

Leia mais

Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise

Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise andre.marco@niapmei.pt Faro, 2 de Agosto de 2012 O Programa REVITALIZAR Contribuir para dar novo fôlego a projetos empresariais operacionalmente

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S I. I N T R O D U Ç Ã O No Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, encontra-se prevista a adopção de um conjunto

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

OPEC está regulado no Decreto-Lei

OPEC está regulado no Decreto-Lei 50 Gestão Procedimento extrajudicial de conciliação Pretende-se com este artigo elucidar os TOC, gestores, contabilistas, auditores, jurisconsultos, advogados e outros profissionais ligados às empresas,

Leia mais

Enquadramento Geral (I)

Enquadramento Geral (I) Enquadramento Geral (I) A crise económica e financeira do País tem causado significativos danos no tecido empresarial, com especial incidência nas PME; As dificuldades económicas, a par das dificuldades

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Regularização de Dívidas (2018 v4.11) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido

Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido Maio 2012 Nota prévia No presente Guia procura dar-se resposta a um conjunto de questões sobre o novo Processo Especial de Revitalização (PER), instrumento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de Maio de 2009 2829 Artigo 8.º Garantias do Estado 1 Os créditos concedidos pelo Estado ao abrigo da presente linha de crédito gozam de privilégio imobiliário

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto Proposta de Lei n.o.... Anteprojecto de Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. [...] Foi ouvido, a título facultativo, Banco de Portugal. Assim: No uso da autorização legislativa concedida pelos artigos [...] da

Leia mais

LIDERANÇA E NEGOCIAÇÃO NO IMOBILIÁRIO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO

LIDERANÇA E NEGOCIAÇÃO NO IMOBILIÁRIO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO DE QUE SE TRATA AFINAL? 1. É um Processo Extrajudicial de Negociação? Processo Negocial conduzido no quadro de um Processo Judicial? 2. É uma Negociação Compulsiva? 3. É

Leia mais

A INTERVENÇÃO DO ADVOGADO, NA EMPRESA, FACE À IMPLEMENTAÇÃO DO MEMORANDO DA TROIKA Lisboa, 2 de Junho de 2012 Daniel Proença de Carvalho Índice 1. O Memorando 2. As alterações à lei laboral e os seus reflexos

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL

REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL andre.marco@iapmei.pt manuel.arsenio@iapmei.pt Tortosendo, 4 Dez 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 1 2 3 4 5 O Programa REVITALIZAR PER - Processo Especial de Revitalização)

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

É celebrado o presente protocolo de colaboração que se rege pelas cláusulas seguintes: Cláusula Primeira

É celebrado o presente protocolo de colaboração que se rege pelas cláusulas seguintes: Cláusula Primeira PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO INSTITUCIONAL ENTRE O IAPMEI E A AHETA PARA A DIVULGAÇÃO E PROMOÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL (SIREVE) E DO PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES

Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES Agosto 2012 INTRODUÇÃO No âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, acordado com a União Europeia,

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações 9 de fevereiro de 2015 Foi publicado no passado dia 6 de fevereiro o Decreto-Lei n.º 26/2015, que introduz alter ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial (SIREVE), ao Código da Insolvência

Leia mais

FREGUESIA DE PORTO JUDEU Pessoa Colectiva N.º 512 042 926 JUNTA DE FREGUESIA Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs

FREGUESIA DE PORTO JUDEU Pessoa Colectiva N.º 512 042 926 JUNTA DE FREGUESIA Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 24 de Fevereiro Salão Nobre da Câmara Municipal de Amares Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva 24-02-2012 1 DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

PARECER N.º 175/CITE/2009

PARECER N.º 175/CITE/2009 PARECER N.º 175/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento colectivo

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo 1 Índice de Conteúdos Enquadramento Mensagem de Apresentação do Serviço de Apoio ao Investidor e à Viabilização Empresarial (SAIVE) Mensagem do Senhor Presidente

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 1203/12.0TYVNG Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia 2º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE)

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 238/XII

PROJECTO DE LEI Nº 238/XII PROJECTO DE LEI Nº 238/XII Cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação, procedendo à 10ª alteração ao Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro Exposição de motivos Nas últimas décadas o

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS RERD Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS Nota: As questões e respostas aqui indicadas destinam-se a exemplificar a aplicação prática do regime excecional de

Leia mais

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares A parte da imagem com o ID de relação rid4 não foi encontrada no ficheiro. O novo regime de protecção de clientes bancários particulares Cristina Catarino Enquadramento legal Decreto-Lei 227/2012, de 25

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda.

Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda. Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda. Plano de Recuperação (Art.º 192º e segs. do CIRE) Tribunal Judicial de Porto de Mós 2º Juízo Proc.º 142/14.5TBPMS Junho de 2014 Índice 1. Enquadramento...

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

Separata BTE, n.º 6, 5/12/2014 SEPARATA. N. o 6 5 dezembro 201

Separata BTE, n.º 6, 5/12/2014 SEPARATA. N. o 6 5 dezembro 201 SEPARATA N. o 6 5 dezembro 201 Propriedade Ministério d Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação Proposta de decreto-lei que altera o Fundo de Garantia Salarial,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos)

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) 1. Pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela Direcção dos serviços Técnicos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração ESTATUTOS Artigo Primeiro Denominação, natureza jurídica, sede e duração 1. É constituída a contar da data de hoje e por tempo indeterminado uma associação privada denominada de "LusNIC Associação de Registries

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

CAPITULO I Do Provedor do Cliente

CAPITULO I Do Provedor do Cliente REGULAMENTO E ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA, SUCURSAL EM PORTUGAL (De acordo com a Norma Regulamentar n. 0 10/2009-R de 25 de Junho) Para efeitos do presente Regulamento, entende-se

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO

PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO (Dec. Lei n.º 316/98 de 20 de Outubro, alterado pelo Dec. Lei 201/04 de 18 de Agosto) REQUERIMENTO 1. Identificação do(a) requerente a) Nome b) Sede i. Morada

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.)

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias : RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 28.02.2011 Reunião realizada

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Insolvências e Revitalizações Boutique law firm geral@dlas.pt www.dlas.com.pt 217816010 961277028 Av. Republica n 50 7 - A 1050-196 Lisboa

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais