Pasteur Ottoni de Miranda Junior. Alguns Padrões de Projeto Gamma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pasteur Ottoni de Miranda Junior. Alguns Padrões de Projeto Gamma"

Transcrição

1 Pasteur Ottoni de Miranda Junior Alguns Padrões de Projeto Gamma

2 Padrões Gamma de Projeto(ou Gang-of-Four, gof) Os padrões gof foram publicados por Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John Vlissides em 1998 [GAM98] e têm se constituído em uma referência universal quando se deseja aplicar a projetos de software estruturas padronizadas que privilegiem principalmente a reutilização. 1-Definição: Padrões de Projeto Segundo [GAM98] um padrão de projeto é uma solução padronizada para um problema que se repete muitas vezes dentro de um determinado contexto. Um padrão de projeto abstrai e identifica aspectos comuns de estruturas de projeto, tornando-as reutilizáveis. Portanto, cada padrão trata de um problema de projeto em particular, que em última análise determina quando utilizar tal padrão. Cada problema tem uma solução proposta que é um gabarito a ser aplicado às mais diversas situações. 2-Padrões de criação Estes padrões abstraem o processo de instanciação. Ajudam a tornar o sistema independente de como seus objetos são criados, compostos e representados. 2.1-O padrão abstract factory (fábrica abstrata) Objetivo: Prover uma interface para criação de famílias de objetos relacionados ou dependentes sem que se especifiquem suas classes concretas. Problema típico : Seja uma classe cliente que utiliza um conjunto de classes através de seus métodos. Suponha que cada uma destas classes deva trabalhar em ambientes distintos,devendo ter, portanto, versões diferentes para cada um destes ambientes. A questão é: como fazer com que o cliente possa utilizar alternativamente estas versões, sem que a forma como as classes são acessadas sofra alterações em função destas versões? Solução: Figura 1

3 Exemplos de aplicação: -Criar interfaces comuns para bancos de dados diferentes. Criam-se fábricas abstratas específicas para cada banco de dados. -Criar interfaces comuns para bibliotecas de interface diferentes, que usam os mesmos objetos. FabricaAbstrata CriarProdutoA() CriarProdutoB() ProdutoAbstratoA Cliente FabricaConcret a1 CriarProdutoA() CriarProdutoB() FabricaConcret a2 CriarProdutoA() CriarProdutoB() ProdutoA2 ProdutoA1 ProdutoAbstratoB ProdutoB2 ProdutoB1 Figura 1-Padrão abstract factory (Extraído de [GAM1998]) 2.2-O padrão factory method Objetivo :Permitir a definição de uma interface (o factory method) em uma classe mãe abstrata que, em suas subclasses, especializa-se para criar vários tipos de objetos. Problema típico: Suponha que uma determinada classe utiliza diversos tipos de objetos. Mas no ponto em que utiliza estes objetos, ela não pode determinar a classe de tais objetos. Como fazer com que esta classe possa utilizar estes objetos independentemente da classe à qual pertençam?

4 Solução: Criar uma classe abstrata que contenha um factory method, que é a interface pela qual classes derivadas criam os objetos específicos. A classe base implementa um método que acessa a criação de tais objetos através da interface do factory method. Na Figura 2 abaixo temos: Produto Criadora FactoryMethod() Operacao() produto=fact orymethod ProdutoConcreto CriadoraConcret a FactoryMethod() return new ProdutoConcreto Figura 2-Padrão factory method (Extraído de [GAM1998]) Exemplos de aplicação: -Uma aplicação possui um método que deve abrir e exibir diversos tipos de documento. Este método não sabe qual tipo de documento vai ser exibido e deve abri-los corretamente. -Uma ferramenta CASE deve mover e redimensionar objetos de tipos diferentes. Estas operações não sabem que tipo de objeto vai ser manipulado. 2.3-O padrão Singleton Objetivo: Garantir que uma classe possua uma e somente uma instância. Problema típico:não faz sentido no contexto de uma aplicação a existência de mais de uma instância de uma determinada classe. O problema é: como fazer com que o desenvolvedor não tenha acesso a métodos construtores que criem mais de uma instância da classe, mantendo-se fácil acesso à instância? Solução: A própria classe mantém controle sobre sua instância única, tornando público um método para acesso a esta instância, que impede a criação de outra instância. Na Figura 3 temos o método Instancia() que é estático e na verdade é

5 um factory method que retorna InstanciaUnica e garante que não será criada mais que uma instância de Singleton. Singleton static InstanciaUnica Dados static Instancia() Operacao() ObterDados() Instancia retorna InstanciaUnica Figura 3-Padrão Singleton (Extraído de [GAM1998]) Exemplos típicos: -Em uma aplicação, deve haver um único spool de impressão para determinada impressora. -Classes de controle e de gerência (por exemplo, gerenciadoras de janelas e de arquivos) devem ter uma única instância em determinada sessão. 2.4-O padrão Prototype (Protótipo) Objetivo: Prover uma abordagem diferente para criação de objetos, através da clonagem de uma instância denominada protótipo. Problema típico: Suponha uma classe A que manipula um certo número de tipos de objetos pertencentes a classes especializadas de uma classe base B. A classe A não sabe como criar instâncias de subclasses de B. Uma solução seria criar uma subclasse de A para cada subclasse de B, cada uma delas especializada para lidar com uma subclasse de B. Porém isto poderia gerar um grande número de subclasses de A, algo pouco elegante, principalmente se as subclasses de B diferirem entre si por detalhes. Como fazer, então, com que a classe A consiga manipular as subclasses de B? Solução: Fazer com que a classe A crie cópias ou clones de instâncias já definidas das subclasses de B. Estas instâncias são os protótipos.

6 Cliente Operacao() Prototipo clone() p=prototype.clone() PrototipoCo ncreto1 clone() PrototipoCo ncreto2 clone() Retornam uma cópia de si mesmos. Figura 4- Padrão prototype (Extraído de [GAM1998]) Exemplos de utilização: -Apesar de semelhante ao abstractfactory, este padrão permite a instância de novas classes em tempo de execução. Por exemplo, uma aplicação que permita ao usuário exibir documentos, pode dar ao mesmo o recurso de inserir novos tipos de documentos e exibi-los sem necessidade de recompilação de código. -Uma ferramenta CASE que trabalhe com frameworks de projeto define protótipos para os mesmos, que serão clonados quando o cliente deles necessitar. 3-Padrões estruturais Os padrões estruturais estão relacionados a como classes e objetos são compostos de forma a gerar estruturas maiores e mais complexas.

7 3.1- O padrão adaptador (adapter) Objetivo: Converter a interface de uma classe em outra, permitindo que classes com interfaces incompatíveis possam trabalhar em conjunto. Problema típico: Suponha que uma aplicação utilize um recurso de uma classe específica A. Este recurso é acessado via métodos da classe A. Entretanto, descobriu-se no mercado uma nova alternativa para realizar as atribuições da classe A, que possui métodos de acesso completamente diferentes dos de A. A questão é: como introduzir esta nova classe na aplicação, sem alterar a interface de acesso na aplicação, ou ainda, como permitir que novas classes possam ser acessadas pela aplicação sem modificar esta interface de acesso? Solução: Criar uma classe abstrata comum para a classe A e a nova alternativa, que terá sua interface acessada pelo cliente. Esta classe será particularizada para a classe A e para a classe alternativa e é denominada adaptadora. Cliente Alvo Requisicao() Adaptada RequisicaoEspecifica() Adaptadora Requisicao() adptada.requisicaoespecifica Figura 5-Padrão Adapter (Extraído de [GAM1998]) Exemplos de utização: -Uma aplicação que utiliza diversos dispositivos pode acessar uma interface comum, que será particularizada para cada novo dispositivo inserido, via classe adptadora. Esta classe adaptadora tornar-se-á um plug-in para o novo dispositivo na aplicação.

8 -Uma aplicação utiliza uma interface comum para imprimir, que é adaptada por meio de subclasses adaptadoras a qualquer tipo de impressora O padrão flyweight ( peso-mosca ) Objetivo: Prover uma estrutura para a representação de classes que possuam um grande número de instâncias com características que se repetem com muita frequência. Problema típico: Uma classe de objetos possui um grande número de instâncias com características comuns. Como conseguir economia de utilização de memória, fazendo com que características comuns não se repitam com freqüência? Solução proposta: Criar um tipo de objeto, o flyweight, que tem a característica de poder ser compartilhado, e utilizado em múltiplos contextos simultaneamente. O flyweight encapsula o chamado estado intrínseco dos objetos que represeta, ou seja, o estado que é comum a todos eles. Dependendo do contexto em que é utilizado, o flyweight assume estados que variam com este contexto, os chamados estados extrínsecos. Estes estados não são compartilhados e os clientes que utilizam os flyweights detêem a responsabilidade por passá-los a eles. Esta estrutura proporciona considerável economia de memória. Retorna um flyweight, se existir ou cria um flyweight e retorna FabricaFlyweights RetornarFlyweight(chave) Flyweight Cliente FlyweightConcreto EstadoIntrinseco Operacao(EstadoExtrinseco) Figura 6-Padrão flyweight (Extraído de [GAM1998])

9 Exemplos de utilização: -Editores de texto podem manter flyweights contendo estados intrínsecos de caracteres (o código ascii, por exemplo). -Editores de figuras, podem manter flyweights contendo pontos comuns (por exemplo, o formato) O padrão proxy Objetivo: prover uma forma rápida e leve de acesso a um objeto, que vai substituí-lo enquanto não for necessário acessar sua instância diretamente. Problema típico: Suponha que um determinado objeto seja grande e por conseguinte ocupe muito espaço de memória. A questão é: como fazer para manter uma referência a este objeto, que não ocupe tanta memória, contendo apenas sua estrutura básica, de tal forma que o objeto somente seja criado e realmente acessado quando realmente for necessário? Solução: a idéia é criar uma classe, o Proxy, que contém exatamente a mesma estrutura do objeto real, porém mais leve, sem a informação que realmente carrega a memória. Este Proxy somente acessará o objeto real quando ele for demandado na aplicação. Na verdade, o Proxy e o objeto real derivam de uma mesma classe-mãe, e é isto que garante que terão exatamente a mesma estrutura. Assunto Requisicao() AssuntoReal Requisicao() Proxy Requisicao() acessa operacao Requisicao de AssuntoReal Figura 7-Padrão Proxy (Extraído de [GAM1998])

10 Exemplos de utilização: -Um editor de imagens pode manipular somente um Proxy da imagem enquanto ela não for carregada. Quando isto acontecer, via abertura de um arquivo, por exemplo, o Proxy passa a manipular a imagem diretamente, mas enquanto isto não ocorre, manipula apenas informações básicas, com tamanho, nome de arquivo, etc. -No exemplo do sistema Revista Digital, pode ser criado um Proxy do documento, que vai manipular apenas informações básicas do mesmo (tamanho, nome, data de criação, etc) enquanto não houver necessidade de visualizá-lo. Quando isto for necessário, cria-se a instância real, abrindo seu arquivo e carregando-o na memória O padrão façade (Fachada) Objetivo: Produzir uma interface mais simples para que um cliente possa acessar diversos métodos de um grupo de classes. Problema Típico: Suponha que uma determinada classe necessite da colaboração de diversas outras através do acesso a seus métodos. Chamadas a diversos destes métodos são muito freqüentes e repetitivas, fazendo com que determinadas operações se tornem longas, demandando muita escrita de código. A questão é: como racionalizar e diminuir o acesso direto da classe cliente aos métodos destas classes? Solução: Criar uma classe, a classe de Fachada, que vai possuir operações que chamam os métodos que são utilizados freqüente e repetidamente. O cliente passa a acessar estas operações, ao invés de acessar várias classes e várias chamadas de classes.

11 Operações de Fachada instanciam objetos das classes 1,2..n, invocando seus métodos Fachada Operacao1() Operacao2() Cliente Classe1 Oper11() Oper12() Oper1n() Classe2 Oper21() Oper22() Oper2n() Classen Opern1() Opern2() Opernn() Figura 8-O padrão Façade (Extraído de [GAM1998]) Exemplo de Utilização: As classes de controle constituem o exemplo mais típico de classes de fachada O padrão composite Objetivo: Prover uma estrutura de árvore para representação eficiente de relações todo-parte. Problema típico: Suponha uma estrutura de objetos relacionados a outros na forma de relações todo parte. A questão é: como fazer com que todos os objetos, tanto os todos como as partes, possam ser manipulados de maneira idêntica por classes clientes, através de uma interface única? Solução: O padrão Composite propõe uma classe abstrata comum para objetos todo e parte, contendo operações comuns a eles. Os objetos todo contêm listas de objetos partes. Classes clientes acessam a mesma interface (a definida pela classe abstrata) tanto para objetos todo como para objetos parte.

12 Cliente Componente Operacao() AdicionarComponente() RemoverComponente() RetornarFilho() Folha Operacao() Composite Operacao() AdicionarComponente() RemoverComponente() RetornarFilho() Para cada filho chamar Operacao() Figura 9-O padrão Composite. (Extraído de [GAM1998]) Exemplos de utilização: -Em uma interface gráfica é comum a composição de objetos mais simples em estruturas complexas. A aplicação cliente manipula tais objetos através de uma interface única. -Extruturas de hiperdocumentos (como páginas HTML) envolvem documentosfolhas (que não têm link a outros documentos) e documentos compostos (que têm link a outros documentos). 4-Padrões Comportamentais Estão relacionados ao comportamento dos objetos, ou seja, com o estabelecimento de padrões de comunicação entre eles. 4.1-Padrão cadeia de responsabilidade (chain of responsibility) Objetivo: Evitar o acoplamento entre o emissor e o receptor de uma requisição, de forma que mais de um objeto possa manusear esta requisição. Problema típico: Suponha uma situação em que um objeto envia uma mensagem e esta mensagem não tem um destinatário fixo, ou seja este deve

13 ser definido em determinado contexto. A requisição pode passar por diversos objetos. A questão é: como permitir que esta mensagem seja capturada pelo objeto correto? Solução: Cada classe de objetos pelos quais a requisição vai passar é derivada de uma classe manipuladora, que possui um método que vai verificar se o objeto em questão é o destinatário. Se não for, a requisição é passada a outro objeto na cadeia, até que se encontre o destinatário. Sucessor Cliente Manipulador ManipularRequisicao() ManipuladorConcreto1 ManipularRequisicao() ManipuladorConcreto2 ManipularRequisicao() Figura 10-Padrão chain of responsibility (Extraído de [GAM1998]) Exemplos de utilização: -Sistemas de ajuda sensível ao contexto utilizam este padrão para determinar qual objeto está sendo referenciado. -Sistemas de correio eletrônico podem utilizar este padrão para determinar uma cadeia de comunicação, transmitindo uma mensagem endereço por endereço até um manipulador final da mesma.

14 REFERÊNCIAS [GAM98} GAMMA, E, et al. Design Patterns-Elements of Reusable Object- Oriented Software 1a Edição, Addison Wesley, 1998.

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Padrões GoF Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução Padrões de Criação Padrões de Estrutura Padrões de comportamento Leonardo Murta Padrões GoF 2 Introdução Os padrões GoF (Gamma

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Ricardo Argenton Ramos [Baseado nos slides do professor Fabio Kon - USP] 1 Padrões de Projeto de Software OO Também conhecidos como Padrões de Desenho

Leia mais

Alguns Padrões de Projeto Gamma e Suas Implementações. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.

Alguns Padrões de Projeto Gamma e Suas Implementações. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot. Alguns Padrões de Projeto Gamma e Suas Implementações Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com Padrões Gamma de Projeto(ou Gang-of-Four, gof) Os padrões gof foram

Leia mais

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires Introdução à Padrões de Projeto Glauber Magalhães Pires Agenda O que são padrões de projeto? Para que servem e por que utilizá-los? Elementos constituintes Como escolher o padrão a ser usado? Como são

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Testes com Design Patterns

Testes com Design Patterns Helder da Rocha (helder.darocha@gmail.com) 31 de março de 2005 71. Que padrão de design pode ser usado para permitir que uma implementação específica e uma hierarquia de abstrações possa variar independentemente?

Leia mais

Prototype, um Design Patterns de Criação

Prototype, um Design Patterns de Criação Prototype, um Design Patterns de Criação José Anízio Pantoja Maia Este artigo tem como finalidade compreender o funcionamento do padrão de projeto prototype, serão abordados os participantes que compõe

Leia mais

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Programação Avançada Padrões de Projeto de Software 1 Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Introdução Projetar software OO reusável e de boa qualidade é uma tarefa difícil; Para realizar essa tarefa

Leia mais

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Padrões de J930 Projeto Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Design Patterns Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Sumário Reuso de Software Introdução Benefícios e Desvantagens Visão do Reuso Padrões de Projeto

Leia mais

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro "Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de Padrões de Projeto Disciplina: Engenharia de Software - 2009.1 Professora: Rossana Maria de Castro Andrade Assistente da disciplina: Ricardo Fernandes de Almeida 1 O que é um Padrão? Um padrão descreve

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação

Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Histórico Sobre Design Patterns A origem dos Design Patterns (Padrões de Desenho ou ainda Padrões de Projeto) vem do trabalho de um arquiteto

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO FAÇADE, FLYWEIGHT E VISITOR

PADRÕES DE PROJETO FAÇADE, FLYWEIGHT E VISITOR FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GUSTAVO ANDRÉ DE FREITAS RILIANE ALPOIM PARIS RODRIGO SILVA DE SOUZA PADRÕES

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva UML & Padrões Aula 7 UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva Divisão das classes do Modelo de Análise Jacobson propõe a divisão das classes do Modelo de Análise de acordo com os seguintes estereótipos: entidades

Leia mais

Prof.ª Esp. Talita Pagani

Prof.ª Esp. Talita Pagani Especialização em Engenharia de Software Prof.ª Esp. Talita Pagani talita.cpb@gmail.com @talitapagani 21/02/2014 Design Patterns Aula 1 Prof.ª Esp. Talita Pagani 1 Informações gerais 1. Definição de Design

Leia mais

Padrões de Desenho (Design Patterns)

Padrões de Desenho (Design Patterns) Padrões de Desenho (Design Patterns) O que são padrões de desenho Porque são úteis Conhecer alguns padrões 1 Padrões (Patterns) Design Patterns Explained: A New Perspective on Object-Oriented Design, Alan

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Apresentação da Disciplina Edirlei Soares de Lima Objetivos da Disciplina Apresentar e discutir técnicas avançadas de Análise e Projeto de

Leia mais

Factory Method. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Factory Method. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Factory Method Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Resumo Quando Usar Participantes Colaborações Conseqüências Exemplo Estrutura Genérica Exercício 2 Resumo Ao invés do cliente instanciar objetos

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto?

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Um Padrão de Projeto descreve uma solução comprovada para um problema recorrente e conhecido no desenvolvimento de software orientado a objetos. Mas afinal, porque

Leia mais

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto?

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Um Padrão de Projeto descreve uma solução comprovada para um problema recorrente e conhecido no desenvolvimento de software orientado a objetos. Mas afinal, porque

Leia mais

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto?

Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Mas o que é mesmo Padrão de Projeto? Um Padrão de Projeto descreve uma solução comprovada para um problema recorrente e conhecido no desenvolvimento de software orientado a objetos. Mas afinal, porque

Leia mais

Uma Introdução aos Padrões de Projeto com Java. Roberto Willrich INE-CTC-UFSC

Uma Introdução aos Padrões de Projeto com Java. Roberto Willrich INE-CTC-UFSC Uma Introdução aos Padrões de Projeto com Java Roberto Willrich INE-CTC-UFSC 1 Introdução aos Padrões de Projeto Programação Introdução Motivação, Definição, Características, Histórico Descrição de um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Padrões de Projeto. Singleton

Padrões de Projeto. Singleton Padrões de Projeto Padrões de Criação Singleton Singleton Assegura que uma classe tenha apenas uma instância e provê um ponto de acesso global a ela 2 Livro Texto: Design Pattern - Elements 1 Motivação

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação-IESTI PCO203 Tópicos Especiais em Programação

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação-IESTI PCO203 Tópicos Especiais em Programação UNIFEI Disciplina Professor Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação-IESTI PCO203 Tópicos Especiais em Programação Enzo Seraphim 1 Padrões de Projeto

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Padrões de Projeto WEB e o MVC

Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC O que são padrões? "Cada padrão descreve um problema que ocorre freqüentemente em seu ambiente, e então descreve o cerne da solução para aquele

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Especialização em web com interfaces ricas. Padrões de Projeto - Estruturais

Especialização em web com interfaces ricas. Padrões de Projeto - Estruturais Especialização em web com interfaces ricas Padrões de Projeto - Estruturais Prof. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares fabrizzio@inf.ufg.br professor.fabrizzio@gmail.com Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 07 Padrões GoF (Command e Template Method) Edirlei Soares de Lima Padrões GoF Criação: Abstract Factory Builder Factory Method Prototype

Leia mais

Padrões de Software (Software Patterns)

Padrões de Software (Software Patterns) Padrões de Software (Software Patterns) Cleidson de Souza - cdesouza@ufpa.br Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda! Definição! Histórico! Motivação! Exemplo Estratégia MVC! Forma

Leia mais

Padrões de Projeto. Parte 1. Prof. Fellipe Aleixo

Padrões de Projeto. Parte 1. Prof. Fellipe Aleixo Padrões de Projeto Parte 1 Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Padrões de Projeto de Software OO Também conhecidos como Padrões de Projeto de Software OO ou simplesmente como Padrões A Inspiração

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais Curso de Java Orientação a objetos e a Linguagem JAVA Roteiro A linguagem Java e a máquina virtual Objetos e Classes Encapsulamento, Herança e Polimorfismo Primeiro Exemplo A Linguagem JAVA Principais

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 8 Modelagem de classes de projeto A perfeição (no projeto) é alcançada, não quando não há

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos ORIENTAÇÃO A OBJETOS COM PROTOTIPAÇÃO CAPÍTULO 02 CONCEITOS FUNDAMENTAIS OBJETIVOS Definiremos alguns conceitos fundamentais de forma a não deixar dúvidas básicas ou interpretações que nos coloquem em

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA CÓD. 11

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA CÓD. 11 15 PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA CÓD. 11 QUESTÃO 41 Para se imprimir no ambiente do Microsoft Windows, é necessário que a impressora esteja cadastrada no sistema. Na configuração padrão do sistema, o

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Design Pattern Implementation in Java and AspectJ

Design Pattern Implementation in Java and AspectJ Design Pattern Implementation in Java and AspectJ Jan Hannemann Gregor Kiczales In Proceedings of 2002 ACM SIGPLAN conference on OOPSLA. NY, USA. Introdução 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes Pág 50 Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes 10 CORREÇÃO DE QUESTÕES DE AVALIAÇÃO 1 PARTE I - AVALIAÇÃO TEÓRICA 11 RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: A) Qual a diferença entre

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Programação Orientada por Objetos

Programação Orientada por Objetos PPROG Paradigmas da Programação Programação Orientada por Objetos Relações entre Dependência Agregação Composição Associação (Livro Big Java, Late Objects Capítulo 12) Nelson Freire (ISEP DEI-PPROG 2014/15)

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Padrões de Projeto em PHP

Padrões de Projeto em PHP Aprendendo Padrões de Projeto em PHP William Sanders Novatec Authorized Portuguese translation of the English edition of titled Learning PHP Design Patterns ISBN 9781449344917 2013 William B. Sanders.

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso Sistema de Locadora de Filmes Sistema de Vídeo Locadora Você foi contratado para desenvolver

Leia mais

Temas para a Primeira Avalição

Temas para a Primeira Avalição Temas 1. Envio de E-Mail Anônimo Quando um usuário deseja enviar uma mensagem de correio eletrônico pela Internet, ele utiliza um programa cliente Simple Mail Transfer Protocol (SMTP), tal como o Thunderbird,

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

ATRIBUTOS PRIVADOS 6. ENCAPSULAMENTO MÉTODOS PRIVADOS MÉTODOS PRIVADOS

ATRIBUTOS PRIVADOS 6. ENCAPSULAMENTO MÉTODOS PRIVADOS MÉTODOS PRIVADOS ATRIBUTOS PRIVADOS Podemos usar o modificador private, para tornar um atributo privado, obtendo um controle centralizado Definimos métodos para implementar todas as lógicas que utilizam ou modificam o

Leia mais

INF011 Padrões de Projeto. 02 Creational Patterns

INF011 Padrões de Projeto. 02 Creational Patterns INF011 Padrões de Projeto 02 Creational Patterns Sandro Santos Andrade sandroandrade@ifba.edu.br Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Departamento de Tecnologia Eletro-Eletrônica

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Padrões de Projeto (design patterns) Fernando Vanini IC - UNICAMP

Programação Orientada a Objetos Padrões de Projeto (design patterns) Fernando Vanini IC - UNICAMP Programação Orientada a Objetos Padrões de Projeto (design patterns) Fernando Vanini IC - UNICAMP Padrões de Projeto (design patterns) Apresentação do conceito de design pattern Classificação dos design

Leia mais

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani Manual de Operações Básicas Thiago Passamani 1 - Entrando e saindo do sistema O Zimbra Suíte de Colaboração é um software de correio eletrônico open source com suporte para e-mail, contatos, calendário

Leia mais

Categorias de Padrões

Categorias de Padrões Categorias de Padrões Padrão Arquitetural ou Estilo Arquitetural Padrão de Design (Design Patterns) Idiomas Categorias de Padrões ESTILOS ARQUITETURAIS PADRÕES DE DESIGN IDIOMAS Padrões de Design Os subsistemas

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br QUESTÕES TRE / TJ FCC 2007 CARGO: TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA QUESTÃO 11 -. Com relação a hardware, é correto afirmar que: (A) Computadores com placas-mãe alimentadas por fontes ATX suportam o uso do comando

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento PHP Profissional APRENDA A DESENVOLVER SISTEMAS PROFISSIONAIS ORIENTADOS A OBJETOS COM PADRÕES DE PROJETO Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre os

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ VERSÃO 9.0.1.5 SARA - PC Scanner com Voz Freedom Scientific 1 Sumário SARA PC Scanner com Voz... 3 Botões do Scanner... 3 Software do Scanner:...

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Orientação à Objetos. Aécio Costa

Orientação à Objetos. Aécio Costa Aécio Costa O paradigma da orientação à objetos Paradigma? Um paradigma é uma forma de abordar um problema. No contexto da modelagem de um sistema de software, um paradigma tem a ver com a forma pela qual

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Daniel Gondim. Informática

Daniel Gondim. Informática Daniel Gondim Informática Microsoft Windows Sistema Operacional criado pela Microsoft, empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen. Sistema Operacional Programa ou um conjunto de programas cuja função

Leia mais

Sumário. Conteúdo Certificação OFFICE 2010

Sumário. Conteúdo Certificação OFFICE 2010 Conteúdo Certificação OFFICE 2010 Sumário Access 2010... 2 Excel Core 2010... 3 Excel Expert 2010... 4 Outlook 2010... 5 PowerPoint 2010... 8 Word Core 2010... 9 Word Expert 2010... 10 Access 2010 1. Gerenciando

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS INTRODUÇÃO PHP AULA 8 ORIENTAÇÃO A OBJETOS Professor: Leonardo Pereira E-mail: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si A orientação a objetos ou OO é o paradigma

Leia mais

Padrões de Desenho. ---------Engenharia de Software---------

Padrões de Desenho. ---------Engenharia de Software--------- Padrões de Desenho Objectivos: Compreender o que são os padrões de desenho? Vantagens e desvantagens em usar os padrões de desenho? Qual o formato de um padrão de desenho? Conhecer as varias secções de

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Informática DCC/IM Arquitetura de Computadores II Sistemas de Troca de Mensagens O Sistema de Comunicação provê tipicamente os seguintes serviços para as aplicações:

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais