UMA DECISÃO EM TRANSPORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA DECISÃO EM TRANSPORTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UMA DECISÃO EM TRANSPORTE Débora Duarte de Campos Cruz Orientador: Celso Sanchez Abril 2005

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UMA DECISÃO EM TRANSPORTE Objetivos: Levantar informações que possam auxiliar os profissionais na decisão pela opção mais vantajosa entre a utilização de frota própria ou a terceirização de serviço de transporte logístico.

3 3 AGRADECIMENTOS Aos professores do Curso de Pós-graduação em Logística (Projeto A Vez do Mestre ) da UNICAM e especialmente, ao professor César Lima que através de suas aulas mostrou a importância da gestão de transportes para as empresas, despertando assim para a escolha do tema pesquisado.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho a minha família e de forma especial, ao meu marido Andremar, que sempre me incentivaram ao aprimoramento profissional, através do desenvolvimento constante do conhecimento.

5 5 RESUMO Diante da observação do crescimento de empresas prestadoras de serviços de transporte e do impacto dessas atividades nos custos logísticos e no nível de serviço houve o interesse em pesquisar sobre o assunto. Dentre todas as decisões envolvidas na gestão de transporte, o estudo concentrou-se naquela que talvez seja a primeira e mais importante a ser tomada: utilizar frota própria ou contratar serviços de transporte de terceiros. Após a pesquisa bibliográfica, constatou-se que vários são os fatores de influência para que a empresa opte por uma das duas alternativas. No entanto, o trabalho aborda aqueles parâmetros considerados como indispensáveis a decisão: custo, tempo de espera e segurança. Foram feitas também, algumas considerações sobre a administração do transporte próprio e do serviço contratado de terceiros.

6 6 METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido através de pesquisa bibliográfica, a autores com amplo conhecimento na área de logística e que abordaram em suas obras o tema em estudo. A proposta do trabalho é apresentar parâmetros, considerados na bibliografia estudada, que auxiliem os profissionais no processo de escolha pela propriedade da frota ou uso de serviços terceirizados. Visa-se principalmente, estimular o leitor a baseado na realidade de sua empresa, avaliar as duas alternativas de forma criteriosa. Como há diferenças entre os aspectos definidos como parâmetros para essa decisão entre os autores pesquisados, o trabalho concentrou-se nos três avaliados como indispensáveis para a escolha.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 8 CAPÍTULO I:... 9 UMA VISÃO GERAL SOBRE TRANSPORTE... 9 CAPÍTULO II:...17 UTILIZAÇÃO DE FROTA PRÓPRIA...17 CAPÍTULO III:...30 CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS...30 CONCLUSÃO...39 ANEXO:...41 ATIVIDADES CULTURAIS...41 BIBLIOGRAFIA...42 ÍNDICE...43 FOLHA DE AVALIAÇÃO...45

8 8 INTRODUÇÃO Hoje, já entende-se a logística como um grupo de atividades que deve garantir o atendimento ao cliente com o produto certo, no lugar certo e no momento certo, fazendo-se necessário incluir também o custo a esses aspectos. O serviço de transporte tem boa parte da responsabilidade sob essas quatro considerações e, baseando-se nesse argumento, o estudo realizado e apresentado neste trabalho tem o objetivo de levantar informações que possam auxiliar os profissionais em uma das principais decisões em relação a transporte: utilizar frota própria ou a terceirização de serviço de transporte logístico? Qual das opções é a mais vantajosa? É possível observar um crescimento das empresas que oferecem serviços de transporte logístico, mas para optar pela utilização de serviços de terceiros é necessário que haja uma avaliação estruturada baseada em parâmetros pré-definidos, considerados nos capítulos dois e três como: custo, segurança e tempo de entrega. Essa decisão tem grande impacto para as atividades da organização e por isso, deve ser tomada no nível estratégico. A escolha entre as duas alternativas se dará apenas para o transporte rodoviário, que representa o maior percentual entre os modais de transporte, segundo mostra Bertaglia, em seu livro Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento, Os capítulos tratam, primeiramente, da visão geral sobre transporte com as modificações sofridas no tempo, depois, apresentam respectivamente, o transporte realizado com frota própria e serviços terceirizados e por último, têm-se as considerações finais sobre as duas formas de executar o transporte, visando determinar a melhor opção.

9 9 CAPÍTULO I: 1. UMA VISÃO GERAL SOBRE TRANSPORTE Antes de decidir-se entre a utilização de frota própria ou de serviços terceirizados é preciso entender em que contexto as atividades de transporte estão inseridas. Muitas mudanças ocorreram no mercado e o transporte também foi afetado por essas mudanças. Seu principal objetivo não mudou. De acordo com Bowersox 2001, este é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino minimizando ao mesmo tempo os custos financeiros, temporais e ambientais. Além disse, o autor complementa que as despesas de perdas e danos também devem ser minimizadas. Após essa preocupação em minimizar custos, que aparece como questão fundamental para as empresas, outro fator muito importante é avaliado, o nível de serviço, e hoje muitas organizações dão maior importância a este fato. O nível de serviço como veremos em definição adiante, refere-se a atender às expectativas de clientes em relação ao desempenho de entregas, à disponibilidade de informações relativas às cargas transportadas etc. Conforme proposto por Bertaglia 2003, vamos abordar os fatores que afetam os transportes considerando: - As mudanças nos modelos das organizações. - A demanda e serviço ao cliente. - A globalização. Por estes itens pode-se concluir que a gestão de transporte tornou-se mais complexa exigindo que profissionais de logística estejam a frente das

10 10 atividades desta área e que decisão entre a utilização de frota própria e os serviços de terceiros é estratégica, influindo fortemente nos resultados do negócio Fatores que afetam os transportes a) Mudanças nos modelos das organizações A mudança no contexto industrial, passando de um modelo que enfocava a produtividade para um modelo de competitividade, exige que as organizações adotem formas diferentes de administração empresarial, com o foco voltado para o serviço ao cliente. Essa mudança de paradigma afeta também as empresas de transporte e o relacionamento delas com os seus clientes. A cadeia de abastecimento desempenha um papel fundamental a fim de proporcionar às empresas a vantagem competitiva por meio de velocidade nos processos e redução de custos, por estar diretamente ligada ao transporte. O tão comentado processo de terceirização exige mais das empresas cujo enfoque estava nos transportes. O processo logístico, hoje muito mais evidente, traz oportunidades importantes para aquelas companhias capazes não só de movimentar cargas, mas de armazenar, consolidar e distribuir no momento em que se exige. Os fabricantes preferem concentrar seus esforços nas atividades que sabem fazer bem, como catalisar o mercado, produzir bons produtos e conquistar clientes. Procedimentos de just-in-time e de abastecimento contínuo obrigam as empresas a serem mais profissionais e terem funcionários com perfil diferenciado. O motorista do caminhão não é apenas alguém que movimenta um veículo, mas seu relacionamento se estende ao fornecedor do material e ao recebedor desse material. Ele pode ser também o elemento que conecta o estoque a ser consumido com o produtor do material. A visão de distribuição é mais ampla, mais estratégica, com a diversidade de serviços a serem oferecidos.

11 11 b) Demanda e Serviço ao cliente A variação e a diversificação na demanda têm sofrido grandes modificações, obrigando as organizações a fornecerem uma variedade maior de produtos. Os clientes, um dos principais elementos da cadeia, estão exigindo maior freqüência de entrega, com quantidades reduzidas e maior variedade de produtos. Para satisfazer essa demanda, as organizações precisam ser mais velozes e apresentar um alto grau de qualidade nos seus produtos para evitar devoluções. Nesse contexto, a área de transportes é fortemente afetada e necessidades adicionais lhe são impostas. Os clientes não só exigem qualidade e velocidade de serviço, como também preços competitivos, uma vez que existem compromissos com metas de desempenho estabelecidas na relação cliente e fornecedor. Com o processo de terceirização cada vez mais em evidência, essas empresas esperam que as transportadoras sejam vistas como uma extensão de si próprias. Naturalmente, essa extensão passa a ter características cada vez mais importantes: o motorista deixa de ser um mero condutor de veículo para ser alguém que representa a empresa fornecedora de mercadoria e, para isso, deve agir de acordo com as regras preestabelecidas. A relação transportadora e contratante passa a ter um vínculo mais sólido. Contratar transporte já não é mais um processo de efetuar cotações de fretes, mas uma aliança na qual as partes estabelecem as suas responsabilidades para alcançar um relacionamento duradouro de prestação de serviços.

12 12 c) Globalização A globalização da economia traz grandes oportunidades para vários setores, incluindo o de transportes. No entanto, as práticas gerenciais variam nas diferentes partes do mundo, e o entendimento das necessidades dos clientes e do ambiente é uma condição fundamental para que se possa obter sucesso. A criação dos blocos econômicos e a globalização exigem movimentação em larga escala de mercadorias. O transporte vem tendo um papel relevante no processo uma vez que possibilita o movimento da carga no espaço geográfico e na velocidade desejada. Com a globalização, as exigências tornam-se maiores, pois a competição é acirrada e o atendimento ao cliente é a meta principal. O setor de transporte deve obedecer a certas exigências impostas pelo modelo: Velocidade Com as empresas buscando a redução nos seus níveis de estoque, aumentam as exigências para que as entregas sejam mais freqüentes e com uma velocidade maior, sem perder de vista a manutenção da qualidade do produto a ser entregue. Confiabilidade O serviço precisa ser confiável para atender à demanda e à necessidade de entregar o produto no momento certo, na quantidade certa e no local certo. Flexibilidade O transportador deve adequar-se às exigências do cliente, adaptando o veículo se necessário, mas, mais que isso, adaptando-se ao conceito logístico do modelo atual de negócio em que a atividade de transporte é mais que somente movimentar cargas de um ponto a outro.

13 Fatores que afetam a economia de transporte Transporte utiliza recursos financeiros, porque são necessários gastos internos para manter uma frota própria ou gastos externos para contratação de terceiros. Os custos que afetam a economia de transporte são relacionados a sete fatores conforme relaciona Bowersox, 2001: 1. Distância É um dos principais fatores no custo de transporte, porque afeta diretamente os custos variáveis: - Combustível - Manutenção - Mão-de-obra (algumas vezes) As viagens intermunicipais (mais longas) são menos dispendiosas, pois cobrem distâncias maiores com as mesmas despesas de combustível e de mão-de-obra, como resultado de velocidades mais altas, e não têm paradas intermediárias freqüentes, as quais aumentam os custos de carga e descarga, típicos de serviços urbanos. 2. Volume O custo de transporte por unidade de peso diminui à medida que o volume de carga aumenta. Isso acontece porque os custos fixos de coleta e de entrega, bem como os custos administrativos, são diluídos num volume de carga maior. A relação é limitada ao espaço máximo do veículo, como, por exemplo, uma carreta. Uma vez lotado o veículo, a relação repete-se para um segundo veículo. Um pormenor importante para um bom gerenciamento é o cuidado de consolidar pequenas cargas em cargas maiores, a fim de se obter vantagem da economia de escala.

14 14 3. Densidade (relação entre peso e espaço) É importante porque o custo de transporte é normalmente cotado por unidade porque o custo de peso, por tonelada, ou pó quilograma. No tocante a peso e espaço, geralmente um veículo tem mais limitações de espaço do que de peso. Uma vez lotado o veículo, não é possível aumentar a quantidade a ser transportada, ainda que a carga seja leve. Como as despesas de mão-de-obra e de combustível do veículo não são substancialmente afetadas pelo peso, cargas de maior densidade permitem que custos relativamente fixos de transporte sejam diluídos por pesos maiores. Como resultado, essas cargas incorrem em custos mais baixos de transporte por unidade de peso. 4. Acondicionamento A facilidade de acondicionamento depende das dimensões das unidades da carga e da forma como elas afetam a utilização de espaço no veículo. Embora densidade e facilidade de acondicionamento tenham o mesmo efeito, há cargas da mesma densidade que se acomodam de maneira diferente. A facilidade de acondicionamento também é influenciada pela quantidade de unidades da carga. Às vezes podem ser acondicionadas mais satisfatoriamente grandes quantidades de uma carga do que quantidades menores dela.

15 15 5. Manuseio Para carregar e descarregar caminhões, carretas ou navios, pode ser necessário equipamento especial de manuseio. A maneira pela qual as mercadorias são agrupadas fisicamente (amarradas, encaixotadas, paletizadas) para transporte e armazenagem também afeta o custo de manuseio. 6. Responsabilidade O grau de responsabilidade inclui algumas características, relacionadas com a carga, que afetam principalmente o risco de danos e a incidência de reclamações. Essas características são: - Suscetibilidade de dano - Dano ocasionado pelo veículo - Possibilidade de deterioração - Suscetibilidade de roubo - Suscetibilidade de combustão espontânea ou de explosão - Valor por unidade de peso As transportadoras necessitam contratar seguro para se proteger contra possíveis reclamações, ou assumir a responsabilidade por qualquer dano. Os embarcadores podem reduzir o risco e até o custo de transporte por meio de melhor embalagem, proteção adicional ou pela redução de suscetibilidade de perda ou dano.

16 16 7. Mercado Os fatores de mercado como intensidade e facilidade de tráfego, afetam o custo de transporte. destino. Uma rota de transporte é um itinerário entre os pontos de origem e de Como os veículos e seus motoristas têm de retornar à origem, é necessário conseguir uma carga de retorno, para evitar que o veículo volte vazio. Quando ocorrem viagens de retorno, os custos de mão-de-obra, combustível e manutenção devem ser apropriados à viagem inicial. Portanto, a situação ideal é a de viagens balanceadas, nas quais volumes são iguais em ambas as direções. Isso, porém, raramente acontece, em virtude dos desequilíbrios locais entre produção e a demanda. O direcionamento e a sazonalidade da demanda afetam as taxas de frete. Projetos de sistemas logísticos devem levar em conta fatores como estes e incluir esforços de contratação de viagens de retorno, sempre que possível.

17 17 CAPÍTULO II: 2. UTILIZAÇÃO DE FROTA PRÓPRIA Uma das opções para a empresa distribuir seus produtos é a através da propriedade da frota. Para utilizar esse tipo de serviço a empresa precisa utilizar parâmetros que indiquem que essa escolha irá garantir a eficiência dos serviços de transporte. Atualmente, manter transporte próprio é muito mais do que investir em caminhões. As atividades envolvidas em operar o transporte vão desde a compra do caminhão e sua manutenção, passam pela seleção do motorista, de tecnologias que possam auxiliar no processo, no monitoramento da carga etc. Empresas possuidoras de frotas de veículos destinadas à utilização interna necessitam seguir importantes práticas de negócio para se manterem competitivas no mercado. A gestão de frotas é um componente importante no processo de administração dos transportes, já que a movimentação de carga tem peso significativo na formação dos custos logísticos e na qualidade do serviço, uma vez que é atividade final da cadeia de abastecimento. No decorrer dos anos, muitas organizações que começaram com poucos veículos crescerem e, depois, passaram a ter frotas maiores compostas de cavalos mecânicos e carretas. No entanto, aumentar o tamanho da frota não significa que a operação esteja sendo realizada de maneira mais eficiente, pode ser que a empresa esteja incorrendo em custos excessivos e desnecessários ou apresentando baixa qualidade de serviço.

18 18 Normalmente, o entendimento da situação global da organização envolve uma série de passos importantes na definição dos processos e das estratégias da empresa, como considera Bertaglia, Alguns deles são: analisar a atual situação da organização, com a finalidade de identificar potencial redução de custos e eventuais oportunidades de melhoria na prestação de serviços; identificar custos muitas vezes não visíveis, denominados custos escondidos ; controlar efetivamente os custos de manutenção; ter indicadores que meçam a eficiência da frota; utilizar aplicações em computadores para auxiliar nas diversas tarefas da área de transporte; determinar a frota ótima dentro da conjuntura de trabalho e serviço prestado. Mesmo diante da complexidade de operar uma frota e todo o serviço de transporte, algumas empresas preferem manter essas atividades sob a sua total responsabilidade. Ballou, 1993, justifica dizendo que uma das principais razões para possuir ou alugar (leasing) uma frota de veículos é obter menores custos e melhor desempenho na entrega do que seria possível através do uso de transportadoras convencionais. Pela justificativa acima, para decidir sobre a utilização de frota própria pode-se levar em consideração, principalmente, o custo, o tempo de entrega e a segurança, que também interfere no desempenho da entrega. Esses são os três parâmetros adotados por Ballou 1993, e considerados no estudo como indispensáveis para a decisão em questão, como veremos a seguir.

19 Custo do serviço No caso de transporte próprio, o custo será a soma de todos os custos relevantes ao carregamento em questão. Os custos relevantes incluem itens como combustível, mão-de-obra, manutenção, depreciação do equipamento e custos administrativos. (Ballou, 1993, p.121) De acordo com uma pesquisa realizada em 248 frotas privadas de caminhão, como relata Ballou 2001, a as razões para possuir frota eram: 1. Confiabilidade do serviço 2. Ciclo de tempo de pedido mais curto 3. Capacidade de reação à emergência 4. Contato melhorado com o cliente Obter um custo mais baixo do que transporte contratado não foi um fator motivador, embora isso possa ser obtido se houver uma utilização suficientemente elevada do equipamento de transporte. Mas, as organizações que preferem manter veículos internos para efetuar suas movimentações necessitam reduzir custos logísticos uma vez que eles influenciam diretamente o preço final dos produtos. Estrutura de custos Considere uma frota própria de caminhão. Os custos são agrupados tipicamente em três categorias amplas, conforme indicações de Bowersox, 2001: P Custos fixos: São aqueles que não variam com a distância que o veículo viaja durante um período de tempo. Incluem: Seguro do veículo Despesas de juros sobre capital investido no veículo Despesas de licenças

20 20 Amortização de equipamento Despesas associadas com o abrigo dos veículos P Custos variáveis: - Custo do operador: Resultam da remuneração do condutor. As despesas comuns são: Salários Contribuições aos planos de saúde e de pensão Despesas quando na estrada (refeições, hotel etc) Contribuição à seguridade social Contribuição ao seguro desemprego Despesas variadas (telefone etc) - Custos operacionais: São aqueles incorridos em manter o veículo na estrada. As despesas típicas são: Combustível Pneus Manutenção etc Segundo Ballou 2001, todos esses custos são divididos, então, pela milhagem total da frota e pelo número de veículos na frota para dar o custo médio por milha por veículo. Por causa dos vários custos fixos, o custo por milha é sensível à roteirização e à programação que afetam as milhas totais. Estes custos por milha multiplicados pelas distâncias entre os pontos de origem e destino podem então, ser comparados com as taxas oferecidas pelos transportadores ou contratados. Em geral, os caminhões de propriedade privada precisam alcançar cerca de 80% das milhas com carga completa para serem menos dispendiosos dos que os transportadores contratados.

21 Tempo para a entrega Não existem muitas estatísticas sobre o desempenho de transportadoras. O tempo gasto para as entregas pode ser obtido a partir dos seguintes dados: quilometragem entre os pontos quilometragem/hora do veículo Tempo de parada Tempo gasto para carregar/descarregar Além desses dados facilmente levantados é preciso estabelecer uma margem de segurança para eventuais fatores como variações climáticas e congestionamento de tráfego, que não são possíveis prever antecipadamente, mas que caso ocorram podem comprometer a entrega junto ao cliente. Outro fator que deve ser considerado é as condições das estradas. Apesar de todos essas situações que podem interferir no transporte da carga da origem para o destino, o transporte rodoviário é apontado como o mais confiável Segurança (perdas e danos) Quando a empresa mantém frota própria ela sofre todas as conseqüências de qualquer perda ou dano que ocorra com sua mercadoria. Entretanto, ela tem um controle muito maior sobre os funcionários que movimentam a carga e o veículo utilizado. Além disso, por estar mais envolvida no transporte preocupa-se com meios para prevenir possíveis acidentes com a carga, dando maior atenção as embalagens e ao treinamento de seus funcionários que irão conduzir os veículos e cuidar da carga/descarga do caminhão.

22 22 Nesse caso a empresa não tem outro jeito se não assumir todas as perdas ou danos, não há com quem dividir o prejuízo, nem com quem dividir a culpa perante o cliente, a não ser que se trate de algo que fuja ao controle de qualquer empresa. Hoje, é muito comum também a perda, por roubo de carga. Para minimizar esse problema as empresas têm investido em sistemas de segurança como: caminhões em comboios; carros de escolta com segurança, vigilância via satélite entre outros. Tudo isso, torna os custos com transporte ainda maiores Administração do transporte próprio Alguns aspectos relevantes do gerenciamento da frota, abordados por Ballou 1993 e Bertaglia 2003, são apresentados a seguir. Esses reforçam a complexidade da gestão de transporte e apresentam alguns assuntos importantes na administração da frota própria. a) Rota ou plano de viagem A montagem da rota ou plano de viagem é o problema encontrado para direcionar veículos através de uma rede de vias, no caso do transporte rodoviário. O movimento pode ser feito pela mínima distância, mínimo tempo ou por combinação destes. Embora possam-se testar manualmente várias combinações de trechos vários, caso o problema envolva muitas rotas viáveis ou deva ser resolvido freqüentemente, técnicas matemáticas programáveis em computadores podem ser bastante atrativas. Um método bem conhecido é o caminho mais curto, de acordo com Hiller e Lieberman, que pode ser calculado tanto manualmente com por meio de computadores. Um problema de rota também pode envolver múltiplas origens e destinos. Deve ser resolvido considerando-se as restrições das capacidades de suprimento nos pontos de origem (fontes) e das necessidades de

23 23 produtos nos pontos de destino (demanda), assim como os custos associados aos diversos caminhos possíveis. É um problema comum, que ocorre ao roteirizar bens: - de fornecedores às fábricas, - de fábricas aos depósitos e - de depósitos aos clientes, sendo um subproblema da maioria dos problemas de localização industrial. Ele é freqüentemente resolvido mediante procedimentos matemáticos populares, como programação linear. Esses procedimentos estão facilmente disponíveis em muitos softwares comerciais. b) Roteirização e programação de veículos Quando uma firma possui frota própria, ela freqüentemente encontra o problema de despachar um veículo a partir de uma base central para uma série de paradas intermediárias, devendo o veículo retornar então à base central. O problema de programação pode ser resolvido pela utilização de métodos matemáticos, como é o caso do Método de Clarke e Wright. Atualmente, programas de computadores auxiliam a determinação dos roteiros, principalmente aqueles com múltiplas entregas. Os problemas de roteirização são bastante complexos, uma vez que apresentam uma quantidade grande de variáveis, como: - tempo de entrega, - quantidade a ser entregue, - número de clientes, - diferentes produtos e embalagens, - diferentes pesos, - restrições de entrega, - restrições físicas no roteiro para determinados veículos, - necessidade de equipamentos especiais, - diferentes formas de recebimento, com elevadores ou plataformas.

24 24 A composição do roteiro deve considerar, além dos aspectos já mencionados: - o Tempo de serviço do condutor, - a coleta de produtos em vários pontos, - a combinação de outros produtos diferentes etc A utilização de um sistema de computador traz vantagens ao processo, pois permite simulações de quantidade de entregas e diferentes capacidades de veículos. c) Despacho de veículos Despachar caminhões para apanhar ou entregar mercadorias poderia ser considerado como um problema semelhante ao da roteirização de veículos. A principal diferença com a roteirização é que, nesta última, assume-se que os de carga e as paradas são conhecidas antes de determinar a programação. Na prática, isto não ocorre sempre. A demanda por transporte pode acontecer enquanto os veículos percorrem suas rotas. A chave para este tipo de problema é a capacidade de direcionar os veículos à medida que a demanda ocorre, de forma à utilizá-los eficientemente. Uma maneira da fazê-lo é dirigir os veículos à parada mais próxima adequada às suas capacidades. Caso o responsável pelo despacho conheça antecipadamente os volumes e as paradas, o método para solução do problema de roteirização pode ser utilizado. d) Seqüenciação de roteiros Por vezes o gerente de transporte pode estar menos interessado no projeto dos roteiros e mais na minimização da quantidade de caminhões necessários para atender uma dada programação. Isto exige a seqüenciação dos roteiros de maneira a minimizar o tempo ocioso no programa e, portanto, a quantidade de caminhões necessária.

25 25 e) Balanceamento de viagens com e sem carga Uma preocupação comum no gerenciamento de uma frota é o balanceamento das perdas de ida e de retorno. Um caminhão pode partir do seu depósito totalmente carregado para realizar uma entrega e, após executá-la retornar completamente vazio. Para melhor utilizar seu equipamento, os gerentes de tráfego conscientizaram-se do uso da viagem de retorno para transportar mercadorias para o depósito, geralmente a partir dos fornecedores da própria companhia. Portanto, a programação de veículos tornou-se também um problema de integrar fretes de retorno com a distribuição de produtos. f) Administração dos ativos A fim de medir a produtividade dos ativos é necessário controlar não só os gastos de manutenção, mas também as movimentações da cargas efetuadas, considerando-se peso e valor. Um ativo subtilizado tem seus custos fixos elevados. O melhor uso dos ativos ocorre quando são utilizados na ida e na volta, o aproveitamento é superior, e a frota torna-se eficiente. g) Mão-de-obra A qualidade da mão-de-obra diretamente empregada é fundamental para se obter os principais objetivos operacionais e estratégicos da empresa. O condutor de um veículo deve ser rigorosamente selecionado, devido às seguintes razões: compromisso ambiental e social, uma vez que sua responsabilidade e seu comportamento podem colocar em evidência a imagem da empresa; nível de serviço de seu desempenho nas viagens a realizar; manuseio de um ativo extremamente valoroso visando evitar acidentes e infrações; os mecânicos, por sua vez, têm a responsabilidade de manter os ativos em bom estado, para que o nível e a qualidade dos serviços comprometidos possam ser alcançados;

26 26 na área administrativa, responsáveis por tráfego e programação de veículos devem ser competentes para atender às necessidades básicas, objetivando a relação ótima entre custo e qualidade de serviço. A produtividade dos condutores pode ser superior quando existem políticas que incentivam a eficiência e produtividade. h) Consumo de combustível O combustível, como componente importante na estrutura de custos, deve ser rigorosamente monitorado. Todos os abastecimentos devem ser registrados considerando: data, número de litros e quilometragem do veículo. Acordos com os postos de combustível em caso de transporte rodoviário é uma prática importante de negócio. Dessa forma, é possível medir a produtividade da frota considerando cada veículo. Em caso de existência de posto de abastecimento interno, os recebimentos e saídas devem ser controlados. i) Manutenção As despesas com manutenção representam uma fração importante dos custos operacionais. A contratação de mecânicos ou a utilização de terceiros na manutenção é uma decisão importante no processo de redução dos custos de manutenção da frota. A utilização de aplicativos para computadores existentes no mercado contribui na administração dos gastos operacionais, de mão-de-obra utilizada para reparar os defeitos ou efetuar a manutenção e também nos custos dos materiais. Outras sugestões importantes são: dimensionar o quadro de mecânicos em termos de quantidade e qualidade; determinar quais os conhecimentos necessários para manter a frota e o perfil ideal dos mecânicos; medir o desempenho dos mecânicos;

27 27 investir em treinamento, a fim de reciclar o conhecimento e entendimento; possuir um local adequado para efetuar os reparos de manutenção, com oficinas e equipamentos específicos; manter peças de reposição em estoque que comumente são consumidas e eliminar aquelas que são demasiadamente caras; definir quais reparos deveriam ser efetuados internamente; considerar a terceirização da manutenção ou das peças de reposição, avaliando quando pode fazer sentido essa prática; controlar atividades de suporte à manutenção, como, veículos para buscar peças, ferramentas e administrativos; Manter controle de gastos por veículo com seu histórico de manutenção e não apenas os gastos globais. j) Estoque de peças de reposição Apenas os itens que sejam extremamente necessários e cujo consumo seja muito grande devem ser mantidos em estoque. As peças que apresentam alto valor não devem ser mantidas em estoque. Mesmo os componentes de uso constante podem ser negociados com fornecedores, e a compra pode ser efetuada em consignação, ou seja, somente será paga no momento em que o material for efetivamente consumido. A diferença é que o estoque estaria disponível para uso dentro da organização. A utilização de um sistema para controlar o estoque dos itens existentes na empresa, considerando quantidade e valor, é fundamental. Muitas empresas não dão o devido valor a esse controle e no momento que mais necessitam do componente podem não encontrá-lo ou dar margens para que as ações desonestas ocorram.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha A VH2C adota como principio básico de gestão a simplificação dos processos, para que as pessoas os entendam e executem com maior precisão e satisfação.

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais