EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DO ÁCIDO CLORÍDRICO NA ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ARGILA BENTONÍTICA BRASGEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DO ÁCIDO CLORÍDRICO NA ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ARGILA BENTONÍTICA BRASGEL"

Transcrição

1 EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DO ÁCIDO CLORÍDRICO NA ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ARGILA BENTONÍTICA BRASGEL Guilherme C. de Oliveira¹*, Caio H. F. de Andrade¹, Marcílio Máximo Silva¹, Herve M. Laborde¹, Meiry G. F. Rodrigues¹ ¹UFCG/CCT/UAEQ/LABNOV Av. Aprígio Veloso, 882, Bodocongó, CEP , Campina Grande PB, Brasil. Resumo Nesse trabalho a argila bentonítica Brasgel passou pelo processo de ativação ácida, utilizando o ácido clorídrico. A argila foi tratada com três concentrações diferentes de ácido clorídrico: 3, 4,5 e 6M por 30min à 90ºC. Os resultados da difração de raio X indicaram que não houve modificações siginifcativa na estrutura da argila, sendo decorrente do curto tempo de exposição da argila ao ácido clorídrico e as propriedades estruturais da mesma. Palavras chave: argila, ativação ácida, ácido clorídrico. Introdução Argilas têm sido usadas pela humanidade desde a antiguidade para a fabricação de objetos cerâmicos, como tijolos e telhas e, mais recentemente, em diversas aplicações tecnológicas. As argilas são usadas como adsorventes em processos de clareamento na indústria têxtil e de alimentos, em processos de remediação de solos e em aterros sanitários. São usadas para ajustar as propriedades reológicas de fluidos de perfuração de petróleo e de tintas, como carreadoras de moléculas orgânicas em cosméticos e fármacos e como suporte para catalisadores. O interesse em seu uso vem ganhando força devido à busca por materiais que não agridem o meio ambiente quando descartados, à abundância das reservas mundiais e ao seu baixo preço. A possibilidade de modificação química das argilas permite o desenvolvimento do seu uso para diversos tipos de aplicações tecnológicas, agregando valor a esse abundante recurso natural (TEIXEIRA-NETO & TEIXEIRA-NETO, 2009; BERGAYA, et al., 2006). O tratamento com ácidos serve para três objetivos: dissolver alguma impureza da argila (como: calcita ou gipsita); substituir o cálcio e outros cátions intercalados por cátions hidroxônio H3O + ; dissolver, nas folhas octaédricas das camadas 2:1 (próximo à superfície dos empilhamentos ou em suas bordas), alguns cátions Mg 2+, Al 3+, Fe 3+ ou Fe 2+. Alterações morfológicas muito importantes acontecem na estrutura cristalina da montmorilonita durante e após a ativação ácida. Os extremos e as arestas das camadas 2:1 lamelares dos cristais desorientam-se, separam-se e ficam como em um leque aberto (são constituídos por folhas flexíveis e moles de ácido silícico); entretanto, o centro do cristal não se altera e mantém a distância interplanar original. Os cátions trocáveis originais são substituídos por Al 3+ e H + hidratados. Os diâmetros dos poros aumentam e o seu volume interno fica mais facilmente acessível a líquidos e gases. Tanto a área específica dos cristais quanto o seu poder descorante ( bleaching performance ) aumentam até atingir valores máximos (que são dependentes da argila original) e, depois, ambos diminuem com o tempo de ataque por ácido (COELHO, et al., 2007). Desse modo, a intensidade do tratamento ácido deve ser escolhida de acordo com a aplicação do material, para que as propriedades mais importantes sejam ajustadas da melhor maneira. Em catálise, por exemplo, pode haver a necessidade de um material com alta acidez de Brønsted. O tratamento ácido moderado aumenta o número de sítios ácidos na superfície, mas um tratamento mais longo pode levar à diminuição desses sítios, devido à destruição parcial da estrutura cristalina (BISIO, et al,. 2008).

2 Este estudo objetivou a avaliar os efeitos da variação da concentração de ácido clorídrico no processo de ativação ácida da argila Brasgel. Material e Métodos Ativação ácida da argila Reagentes: Argila Brasgel natural; ácido clorídrico P.A. Inicialmente foram preparadas soluções aquosas de 3, 4,5 e 6 molares de ácido clorídrico, as quais foram adicionadas sobres as amostras secas. Em seguida, as misturas foram agitadas manualmente e as dispersões foram levadas à estufa, a 90 ºC ± 5 ºC. Após o tempo de reação (30 min), as misturas obtidas foram filtradas e lavadas com água destilada até que o ph dos filtrados ficasse em torno de 6. Os materiais obtidos foram secos em estufa a 60 ºC ± 5 ºC e após 48 horas foram desagregados em almofariz manual e passados em peneira malha 200 mesh. Difração de Raios-X Foi utilizado o método do pó empregando-se um difratômetro Shimadzu XRD-6000 com radiação CuKα, tensão de 40 KV, corrente de 30 ma, tamanho do passo de 0,020 2θ e tempo por passo de 1,000s, com velocidade de varredura de 2º(2θ)/min, com ângulo 2θ percorrido de 2 a 50º. Resultados e Discussão Difração de Raios-X O difratograma da argila Brasgel natural está representado na Figura 1. Figura 1 Difratograma da argila Brasgel natural.

3 No difratograma de raios X da argila Brasgel sem tratamento (Figura 1), observa-se o pico característico correspondente ao argilomineral da esmectita (d= 1,300 nm), além disso, observase também a presença de picos característicos a uma distância interplanar de d=0,424 nm e d=0,334 nm, que corresponde a presença do quartzo como impureza, conforme a literatura (Rodrigues, 2010). Os difratogramas das argilas Brasgel ativadas estão representados nas Figuras 2, 3 e 4. Figura 2 - Difratograma da argila Brasgel ativada com HCl. (condições: 3,0M/ 90ºC/ t = 30min) Figura 3 - Difratograma da argila Brasgel ativada com HCl. (condições: 4,5M/ 90ºC/ t = 30min)

4 Figura 4 - Difratograma da argila Brasgel ativada com HCl. (condições: 6,0M/ 90ºC/ t = 30min) Ao comparar os difratogramas das argilas ativadas (Gráficos 2, 3 e 4) com o difratograma da argila sem tratamento, verifica-se que não houve nenhuma mudança significativa, conforme era esperado. Este fato, possivelmente foi em função do tempo de ativação ter sido muito curto, uma vez que a literatura mostra tempos mais longos (Pereira, 2003). Entretanto, Rodrigues (2003) mostrou que um tratamento com ácido clorídrico, nas condições de 30 minutos e 90ºC, houve modificações na estrutura. Então, podemos provavelmente explicar este fato pela diferença nas características (propriedades) da argila. Conclusões Baseado nos resultados de DRX é possível afirmar que a ativação ácida (HCl) nas condições de 30 minutos e 90ºC, independente da concentração (3,0 M / 4,5 M / 6,0 M) não houve alteração significativa da estrutura da argila Brasgel. Agradecimentos A Capes e à Petrobras pelos auxílios financeiros. Referências Bibliográficas BERGAYA, F.; THENG, B. K. G.; LAGALY, G. Handbook of Clay Science, p.550, Elsevier: Amsterdam, BISIO, C.; GATTI, G.; BOCCALERI, E.; MARCHESE, L.; On the Acidity of Saponite Materials: A Combined HRTEM, FTIR, and Solid-State NMR Study, Langmuir, 24, 2808, 2008.

5 COELHO, A. C. V.; SANTOS, P. S.; SANTOS, H. S. Argilas especiais: argilas quimicamente modificadas: uma revisão. Quím. Nova, 30, 5, , PEREIRA, K. R. O. Ativação ácida e preparação de argilas organofílicas partindo-se de argila esmectítica proveniente do estado da Paraíba. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande - PB, RODRIGUES, S. C. G.; QUEIROZ, M. B.; PEREIRA, K. R. O.; RODRIGUES, M. G. F.; VALENZUELA-DIAZ, F. R. Comparative Study of Organophilic Clays to be Used in the Gas & Petrol Industry. Materials Science Forum, v , p , RODRIGUES, M. G. F. Physical and Catalytic characterization of smectites from Boa-Vista, Paraiba, Brazil. Cerâmica 49, , TEIXEIRA-NETO, E.; TEIXEIRA-NETO, A. A. Modificação química de argilas: desafios científicos e tecnológicos para obtenção de novos produtos com maior valor agregado. Quim. Nova, 32, 3, , 2009.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE Henryli Alecrim Sobreira¹, Thaise Gomes Pereira¹, Pedro Augusto de Silva Freitas¹,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E PROCESSO DE PURIFICAÇÃO DE ARGILA MONTMORILONITICA DA CIDADE DE PARELHAS/RN

CARACTERIZAÇÃO E PROCESSO DE PURIFICAÇÃO DE ARGILA MONTMORILONITICA DA CIDADE DE PARELHAS/RN 19º Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos ateriais CBECiat, 21 a 25 de novembro de 2010, Campos do Jordão, SP, Brasil CARACTERIZAÇÃO E PROCESSO E PURIFICAÇÃO E ARGILA ONTORILONITICA A CIAE E

Leia mais

Síntese e caracterização da Peneira molecular SBA-15 sintetizada a partir da casca de arroz

Síntese e caracterização da Peneira molecular SBA-15 sintetizada a partir da casca de arroz Síntese e caracterização da Peneira molecular SBA-15 sintetizada a partir da casca de arroz Liliane Andrade Lima*, Ângela da Costa Nogueira, Meiry Gláucia Freire Rodrigues*. UFCG/CCT/UAEQ/LABNOV. Av. Aprígio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TEMPO DE DECANTAÇÃO NO FRACIONAMENTO DE ARGILAS BENTONITAS

AVALIAÇÃO DO TEMPO DE DECANTAÇÃO NO FRACIONAMENTO DE ARGILAS BENTONITAS AVALIAÇÃO DO TMPO D DANTAÇÃO NO FRAIONAMNTO D ARGILAS BNTONITAS Gomes, J., Menezes, R. R., Neves, G. A.; Lira,H.L;. Santana, L. N. L. Departamento de ngenharia de Materiais, Universidade Federal de ampina

Leia mais

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE E. C. RODRIGUES¹, H. S. ALMEIDA², J. C. F. REIS JR 1, A. C. P. A. SANTOS 1, P. R. O. BRITO 1 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do

Leia mais

Estudo do Tratamento Mecanoquímico da Bauxita do Nordeste do Pará

Estudo do Tratamento Mecanoquímico da Bauxita do Nordeste do Pará Estudo do Tratamento Mecanoquímico da Bauxita do Nordeste do Pará Rachel Dias dos Santos Estagiária de Nível Superior, Instituto de Química, UFRJ. João Alves Sampaio Orientador, Eng. Minas, D. Sc. Fernanda

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE SÍNTESE DA SBA-15 NA PRESENÇA DE CO-SOLVENTE

OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE SÍNTESE DA SBA-15 NA PRESENÇA DE CO-SOLVENTE OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE SÍNTESE DA SBA-15 NA PRESENÇA DE CO-SOLVENTE C. G. A. MISAEL 1, J. S. B. SANTOS 1, COSTA, F. O. 1 e B. V. SOUSA 1 1 Universidade Federal de Campina Grande, Departamento de Engenharia

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

PURIFICAÇÃO DE UMA ARGILA BENTONITA USANDO A LEI DE STOKES

PURIFICAÇÃO DE UMA ARGILA BENTONITA USANDO A LEI DE STOKES PURIFICAÇÃO DE UA ARGILA BENTONITA USANDO A LEI DE STOKES Ariel E. Zanini 1, arcelo Embiruçu 1, Patrícia C. Fernandes 2, Suédina.L. Silva 2,Laura H. Carvalho 2 * 1 UFBA - arielzanini@yahoo.com.br; 1 UFBA

Leia mais

ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS

ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS ESTUDO DE ATIVAÇÃO ÁCIDA DA ATAPULGITA DO PIAUÍ PARA USO NA CLARIFICAÇÃO DE ÓLEOS Filipe de Santana Guedes Programa de capacitação Institucional, PCI. Luiz Carlos Bertolino Orientador, Geólogo, D.Sc. lcbertolino@cetem.gov.br

Leia mais

Exercícios de Revisão

Exercícios de Revisão Exercícios de Revisão (UESC-BA) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído pelo NO

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22 SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA ZEÓLITA MCM-22 1 Pedro dos Santos Dias de Pinho, 2 Maria Isabel Pais da Silva 1 Química Aluno de Engenharia Química, PUC-Rio, Departamento de Química 2 Professora, Doutora do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE ARGILAS DO RN QUANDO SUBMETIDAS A ELEVADAS TAXAS DE AQUECIMENTO Filgueira, R. L.; Pereira, L.M.; Dutra, R.P.S.; Nascimento, R.M. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Leia mais

ORGANOFILIZAÇÃO DE ARGILA BRASILEIRA VISANDO SEU USO NA REMOÇÃO ÓLEO/ÁGUA.

ORGANOFILIZAÇÃO DE ARGILA BRASILEIRA VISANDO SEU USO NA REMOÇÃO ÓLEO/ÁGUA. ORGANOFILIZAÇÃO DE ARGILA BRASILEIRA VISANDO SEU USO NA REMOÇÃO ÓLEO/ÁGUA. Mota, M. F.; Lima, W. S.; Oliveira, G. C.; Silva, M. M.; Rodrigues, M. G. F. Universidade Federal de Campina Grande, Centro de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS Miguel Adriano Inácio 1, a, José Vitor Cândido de Souza 1, b, Maria do Carmo de Andrade Nono 1, c e

Leia mais

Artigos científicos / Scientific articles

Artigos científicos / Scientific articles Artigos científicos / Scientific articles Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 1, p. 20-25, jan./jun. 2011 Obtenção e caracterização de artefatos de cimento com adição de cinzas pesadas de carvão mineral Cláudia

Leia mais

II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil

II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil DESENVOLVIMENTO DE ARGAMASSAS PARA REVESTIMENTO UTILIZANDO RESÍDUOS DE CERÂMICA VERMELHA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DA ARGILA ORGANOFILICA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DA ARGILA ORGANOFILICA AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DA ARGILA ORGANOFILICA Aline Cadigena L. Patrício¹*, Mariaugusta F. Mota¹, Meiry G. F. Rodrigues¹ ¹UFCG/CCT/UAEQ/LABNOV Av. Aprígio Veloso, 882, Bodocongó, CEP 58.109-970,

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE Método de ensaio L9.226 MAR/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...1 4 Execução

Leia mais

Aproveitamento de resíduos oriundos do beneficiamento de quartzito na produção de vidros e cerâmica

Aproveitamento de resíduos oriundos do beneficiamento de quartzito na produção de vidros e cerâmica Aproveitamento de resíduos oriundos do beneficiamento de quartzito na produção de vidros e cerâmica Michelle Pereira Babisk Bolsista do Programa de Capacitação Interna, Física, M. Sc. Francisco Wilson

Leia mais

USO DE UMA ARGILA PARAIBANA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO VEGETAL RESIDENCIAL PÓS-CONSUMO

USO DE UMA ARGILA PARAIBANA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO VEGETAL RESIDENCIAL PÓS-CONSUMO USO DE UMA ARGILA PARAIBANA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO VEGETAL RESIDENCIAL PÓS-CONSUMO Elaine Patrícia ARAÚJO 1, Libânia da Silva RIBEIRO, Alessandra dos Santos SILVA, Flaviano de Souza ALVES, Edcleide Maria

Leia mais

PREPARAÇÃO DE ARGILAS ORGANOFÍLICAS E DE NANOCOMPÓSITOS DE POLIPROPILENO

PREPARAÇÃO DE ARGILAS ORGANOFÍLICAS E DE NANOCOMPÓSITOS DE POLIPROPILENO PREPARAÇÃO DE ARGILAS ORGANOFÍLICAS E DE NANOCOMPÓSITOS DE POLIPROPILENO Martha Fogliato S. Lima 1*, Vinicius G. do Nascimento 1, Denise M. Lenz 1, Flavia Schenato 1 1 - Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA DIFRAÇÃO DE RAIOS X NA CARACTERIZAÇÃO DE ARGILAS

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA DIFRAÇÃO DE RAIOS X NA CARACTERIZAÇÃO DE ARGILAS A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA DIFRAÇÃO DE RAIOS X NA CARACTERIZAÇÃO DE ARGILAS PICCOLI, R. (1) (3); NASCIMENTO, G.C. (1) (2); PERDONÁ, C. R. (1) (3) ; PERUCCHI, P. (1) (2); VITORETTI, P.P (1); WERNCK,

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTES (CORANTE REATIVO AZUL BF-5G) UTILIZANDO ARGILA BRASGEL COMO ADSORVENTE

TRATAMENTO DE EFLUENTES (CORANTE REATIVO AZUL BF-5G) UTILIZANDO ARGILA BRASGEL COMO ADSORVENTE TRATAMENTO DE EFLUENTES (CORANTE REATIVO AZUL BF-5G) UTILIZANDO ARGILA BRASGEL COMO ADSORVENTE Fernanda Siqueira Lima; Antonielly dos Santos Barbosa; Meiry Gláucia Freire Rodrigues Universidade Federal

Leia mais

Desenvolvimento e Caracterização de Filme Zeolítico Y Sobre α-alumina

Desenvolvimento e Caracterização de Filme Zeolítico Y Sobre α-alumina Desenvolvimento e Caracterização de Filme Zeolítico Y Sobre α-alumina Ana Paula Araújo a*, Valmir José da Silva a, Aline Cadígena Lima Patricio a, Savana Barbosa de Brito Lélis Villar a, Meiry Glaúcia

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Camila Cheker Brandão RQ Substituta Análise crítica: Rosana Aparecida de Freitas RQ Aprovação: Zelita de Oliveira Lopes Brasil RT 1. Objetivo Descrever

Leia mais

UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNULLI CLÉGI E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 A glicose, C 6 6, é uma das fontes de energia mais importantes para os organismos vivos. A levedura, por exemplo, responsável

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA Petrus Ferreira de Souza Orientadora: Elba Gomes dos Santos Resumo A presença de óleos em efluentes, pode se bastante

Leia mais

Preparação da Acetanilida. Fernando Cesar Ferreira Cauduro Leonardo Augusto Menis Vinicius Perez Pavinato

Preparação da Acetanilida. Fernando Cesar Ferreira Cauduro Leonardo Augusto Menis Vinicius Perez Pavinato Preparação da Acetanilida Fernando Cesar Ferreira Cauduro Leonardo Augusto Menis Vinicius Perez Pavinato O que é Acetanilida? É um analgésico, ou seja, uma droga usada para aliviar as dores sem causar

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 4ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2008 / 2009 ANO 2 N. º NOME: TURMA: B CLASSIFICAÇÃO Devido ao crescimento da população

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CINÉTICA DE ADSORÇÃO DE POLUENTES ORGÂNICOS POR BIOADSORVENTES E. G. Santos, O. L. S. Alsina, F. L. H. Silva Bolsista PRH-/ANP Universidade Federal de Campina

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA BENTONITICA POR DRX, MEV, BET, ADSORÇÃO FISICA DE NITROGÊNIO, POROSIMETRIA DE MERCÚRIO

CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA BENTONITICA POR DRX, MEV, BET, ADSORÇÃO FISICA DE NITROGÊNIO, POROSIMETRIA DE MERCÚRIO CARACTERIZAÇÃO DA ARGILA BENTONITICA POR DRX, MEV, BET, ADSORÇÃO FISICA DE NITROGÊNIO, POROSIMETRIA DE MERCÚRIO 1 M. G. F. Rodrigues, 2 G. A. Zambon, 2 M. G. C. Silva 1 UFPB/CCT/DEQ/PPGEQ Av. Aprígio Veloso,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FOLHELHOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CAPACIDADE DE EXPANSÃO

CARACTERIZAÇÃO DE FOLHELHOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CAPACIDADE DE EXPANSÃO http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2013.048 CARACTERIZAÇÃO DE FOLHELHOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CAPACIDADE DE EXPANSÃO Danielly Vieira de Lucena 1 Hélio de Lucena Lira 2 Luciana Viana Amorim 3 Resumo Todas as

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE GESSOS ODONTOLOGICOS

Leia mais

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 653, de 16 de maio de 1985 Publicado no DOERJ de 10 de junho de

Leia mais

Aula Prática 1. Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

Aula Prática 1. Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Aula Prática 1 Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Raios-X Raios-X são uma forma de radiação eletromagnética com alta energia e pequeno comprimento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO DE PÓ DE MÁRMORE PARA APLICAÇÃO EM MATERIAIS CERÂMICOS Thiago de F. Almeida 1* (D), Flaviane H. G. Leite 1 (D) José N. F. de Holanda 1 1-Universidade Estadual do Norte Fluminense

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO

INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO Di Bernardo Luiz (*),Paes Conceição Rogéria Aparecida, Di Bernardo Angela S Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade

Leia mais

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gustavo Henrique Branco VAZ¹; Vássia Carvalho SOARES²; ¹Estudante

Leia mais

EFICIÊNCIA DE DIFERENTES REAGENTES NA DEGRADAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DE EFLUENTES LÍQUIDOS

EFICIÊNCIA DE DIFERENTES REAGENTES NA DEGRADAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DE EFLUENTES LÍQUIDOS Eixo Temático: Ciências Ambientais e da Terra EFICIÊNCIA DE DIFERENTES REAGENTES NA DEGRADAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DE EFLUENTES LÍQUIDOS Tiago José da Silva 1 Ana Clara de Barros 2 Daiane de Moura Costa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DE MATERIAL ARGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA PA RESUMO

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DE MATERIAL ARGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA PA RESUMO CRCTERIZÇÃO MINERLÓGIC DE MTERIL RGILOSO PROVENIENTE DO MUNICÍPIO DE SNT BÁRBR P E.. Hildebrando(1); T. Sheller(2); R. S. ngélica, (2); R. F. Neves(3) Folha 17, uadra 04, Lote Especial, Nova Marabá, Marabá-P

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 5

Balanço de Massa e Energia Aula 5 Balanço de Massa e Energia Aula 5 Solubilidade, Saturação e Cristalização. Solubilidade: A solubilidade de um sólido (soluto) em uma solução é a quantidade máxima desta substância que pode ser dissolvida

Leia mais

Química. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Química. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Química baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE QUÍMICA High School 2 9 th Grade Alguns materiais usados no dia-a-dia: obtenção e usos Transformações

Leia mais

ESTUDO DA ATIVAÇÃO ÁCIDA DE UMA ARGILA BENTONITA

ESTUDO DA ATIVAÇÃO ÁCIDA DE UMA ARGILA BENTONITA ESTUDO DA ATIVAÇÃO ÁCIDA DE UMA ARGILA BENTONITA ESTUDO DA ATIVAÇÃO ÁCIDA DE UMA ARGILA BENTONITA Study on the acid activation of a bentonite clay Recebimento: 12/08/2010 - Aceite: 27/10/2010 BERTELLA,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MICROPARTÍCULAS DE POLICAPROLACTONA

DESENVOLVIMENTO DE MICROPARTÍCULAS DE POLICAPROLACTONA DESENVOLVIMENTO DE MICROPARTÍCULAS DE POLICAPROLACTONA Mariana S de S de B Monteiro 1 *, Jean P de Araújo 2, Maria Inês B 1-3* - Instituto de Macromoléculas Eloisa Mano (IMA)/Universidade Federal do Rio

Leia mais

Efeito da temperatura de calcinação na atividade fotocatalítica do TiO 2 na degradação do fenol.

Efeito da temperatura de calcinação na atividade fotocatalítica do TiO 2 na degradação do fenol. Efeito da temperatura de calcinação na atividade fotocatalítica do TiO 2 na degradação do fenol. Gislaine Cristina Alves, (FATEB) E-mail: gislainecristina.90@hotmail.com PallomaAmaressa, (FATEB) E-mail:amaressa@msn.com

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO Joseane Damasceno Mota (1) Graduanda em Química Industrial na UEPB Djane de Fátima

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO 17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO Autor(es) ANDRESSA AMBROSIO DE CAMPOS Orientador(es)

Leia mais

PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS HÍBRIDOS A PARTIR DA CRISOTILA NATURAL.

PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS HÍBRIDOS A PARTIR DA CRISOTILA NATURAL. PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS HÍBRIDOS A PARTIR DA CRISOTILA NATURAL. Giraldelli, M.G.; Silva, M.L.C.P. Estrada do campinho s/n,lorena,são Paulo,Brasil.CP-116, CEP 12600-000 marciogiraldelli@hotmail.com

Leia mais

Caracterização de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Cinzas de Carvão Visando sua Utilização na Manufatura de Tijolo

Caracterização de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Cinzas de Carvão Visando sua Utilização na Manufatura de Tijolo Caracterização de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Cinzas de Carvão Visando sua Utilização na Manufatura de Tijolo M. V. da Silva a, D. A. Fungaro b a. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIO X. Daiane Bueno Martins

DIFRAÇÃO DE RAIO X. Daiane Bueno Martins DIFRAÇÃO DE RAIO X Daiane Bueno Martins Descoberta e Produção de Raios-X Em 1895 Wilhen Konrad von Röntgen (pronúncia: rêntguen) investigando a produção de ultravioleta descobriu uma radiação nova. Descobriu

Leia mais

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs.

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs. FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2 R. M. Silva a, M. A. Macêdo a, F. C. Cunha a, J. M. Sasaki b G. S. Pimenta c, F. A. C. Oliveira d a Universidade

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Página 1 de 6 COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Unidade Osasco. Processo Avaliativo Trabalho Bimestral 2º Bimestre/2014 Disciplina: Matemática - 2º Ano Período: Manhã Nome do aluno: Nº: Turma: O trabalho bimestral

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MODIFICAÇÃO SUPERFICIAL DE CERÂMICAS ZrO 2(1-X) -MgO (x) (0 X Mg 1) SINTETIZADAS PELO MÉTODO PECHINI P. J. B. Marcos * e D. Gouvêa ** * Mestre em Engenharia de Materiais pelo Departamento de Engenharia

Leia mais

Influência da Gipsita no Surgimento de Eflorescência em Telhas Cerâmicas

Influência da Gipsita no Surgimento de Eflorescência em Telhas Cerâmicas Influência da Gipsita no Surgimento de Eflorescência em Telhas Cerâmicas C.M.O.L. Monteiro a *, R.M. Nascimento b, A.E. Martinelli b a Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, Av. Ministro Petrônio

Leia mais

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES A. S. ALMAGRO 1*, A P. MENEGUELO 1, A. N. F. MENDES 2 S. M. S. ROCHA 3 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS. Ensino Médio 3º ano. Cinética Química Equilíbrio Químico Equilíbrio Iônico

LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS. Ensino Médio 3º ano. Cinética Química Equilíbrio Químico Equilíbrio Iônico LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS Ensino Médio 3º ano Cinética Química Equilíbrio Químico Equilíbrio Iônico Prof. Ricardo Finkler 2011 1) A velocidade de uma reação química depende: I. Do número de colisões

Leia mais

Catalisador NiMoP suportado em Alumina para o Refino de Petróleo

Catalisador NiMoP suportado em Alumina para o Refino de Petróleo Catalisador NiMoP suportado em Alumina para o Refino de Petróleo Caio Henrique Pinheiro, Camila Rocha Lima, Jorge D. de Souza, Amanda C. de Souza e Daniela C. S. Duarte Universidade do Vale do Paraíba/Laboratório

Leia mais

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução?

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução? 1. O que é uma solução? 2. Como podemos classificar as soluções? 3. O que você entende por concentração comum? 4. O que você entende por molaridade? 5. O que você entende por título percentual? 6. O que

Leia mais

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA 1. REAGENTES Reagentes - Solução

Leia mais

III-139 - AVALIAÇÃO DA CARGA TÓXICA DO LODO GALVÂNICO ORIUNDO DO PROCESSO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LIVRES DE CIANETO

III-139 - AVALIAÇÃO DA CARGA TÓXICA DO LODO GALVÂNICO ORIUNDO DO PROCESSO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LIVRES DE CIANETO III-139 - AVALIAÇÃO DA CARGA TÓXICA DO LODO GALVÂNICO ORIUNDO DO PROCESSO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LIVRES DE CIANETO Ludmila Esteves de Oliveira Costalonga (1) Graduanda de Bacharelado em Química da

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO A cal hidratada é o principal agente alcalino, utilizado em larga escala para o tratamento de águas e de efluentes; devido as suas excelentes características físico-químicas, aliadas ao baixo custo e facilidade

Leia mais

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão 5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão Considerando o tamanho nanométrico dos produtos de síntese e que a caracterização por DRX e MEV não permitiram uma identificação da alumina dispersa

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 13 Coagulação e Floculação Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

PREPARAÇÃO DO ÓXIDO DE GRAFENO PARA PRODUÇÃO DE ELETRODOS

PREPARAÇÃO DO ÓXIDO DE GRAFENO PARA PRODUÇÃO DE ELETRODOS PREPRÇÃO DO ÓXIDO DE GRFENO PR PRODUÇÃO DE ELETRODOS Nome dos autores: Oto L. R. Gomes 1* (M), Lilian F. Senna 1 e Deborah V. Cesar 1 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ, Rio de Janeiro RJ,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE ARGILAS BENTONÍTICAS DESTINADAS À REMOÇÃO DE METAIS A.F. de Almeida Neto (1), M.G.A. Vieira (2), M.G.C. da Silva (1) Av. Albert Einstein, 500, Cidade Universitária Zeferino Vaz,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: adsorção; sistema de banho finito; argila organofílica; óleo diesel; óleo lubrificante.

PALAVRAS-CHAVE: adsorção; sistema de banho finito; argila organofílica; óleo diesel; óleo lubrificante. SÍNTESE, CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL E APLICAÇÃO DE ARGILA ORGANOFÍLICA NA REMOÇÃO DE ÓLEO LUBRIFICANTE E ÓLEO DIESEL NO PROCESSO DE ADSORÇÃO EM SISTEMA DE BANHO FINITO. R. S. S. Cunha *1 ; J. D. Mota 1

Leia mais

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s)

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s) ITA 2001 DADOS CONSTANTES Constante de Avogadro = 6,02 x 10 23 mol 1 Constante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 Cmol 1 Volume molar de gás ideal = 22,4L (CNTP) Carga Elementar = 1,602 x 10 19 C Constante dos

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DAS PROPRIEDADES TERMOLUMINESCENTES DO ALUMINATO DE LANTÂNIO (LaAlO 3 ) DOPADO COM CARBONO PARA APLICAÇÃO EM DOSIMETRIA DAS RADIAÇÕES

INVESTIGAÇÃO DAS PROPRIEDADES TERMOLUMINESCENTES DO ALUMINATO DE LANTÂNIO (LaAlO 3 ) DOPADO COM CARBONO PARA APLICAÇÃO EM DOSIMETRIA DAS RADIAÇÕES IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR INVESTIGAÇÃO DAS

Leia mais

Box 2. Estado da solução Estado do solvente Estado do soluto Exemplos

Box 2. Estado da solução Estado do solvente Estado do soluto Exemplos MISTURA E SOLUBILIDADE Box 2 Grande parte das substancias encontradas no dia-a-dia são misturas que sob o aspecto macroscópico apresentam-se com o aspecto homogêneo (uma única fase) ou heterogêneo (mais

Leia mais

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido.

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido. Lei de Hess 1. Introdução Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI)

Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI) Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI) 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental, deseja-se que o aluno seja capaz de: - Reconhecer a importância do tratamento e deposição correta

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS POLIPROPILENO/GRAFITE OBTIDOS PELA POLIMERIZAÇÃO IN SITU

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS POLIPROPILENO/GRAFITE OBTIDOS PELA POLIMERIZAÇÃO IN SITU SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS POLIPROPILENO/GRAFITE OBTIDOS PELA POLIMERIZAÇÃO IN SITU L. S. Montagna 1, F. de C. Fim 1, G. B. Galland 1, N. R. S. Basso 2* * Av. Ipiranga, 6681, Porto Alegre/RS,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO BASE DE ÁGUA

BOLETIM TÉCNICO BASE DE ÁGUA Restac Do Brasil Fone.: 55-11 - 6107-2525 / Fax: 55-11 - 6107-6107 Site: www.restac.com.br Email: restac@restac.com.br BOLETIM TÉCNICO BASE DE ÁGUA PEROLADO NOBRE - Pasta formulada a partir da dispersão

Leia mais

Órion MARATONA UFG QUÍMICA. (Sidão) NOME: Lista 02. Questão 04: O gráfico a seguir representa o estudo cinético de uma reação R P.

Órion MARATONA UFG QUÍMICA. (Sidão) NOME: Lista 02. Questão 04: O gráfico a seguir representa o estudo cinético de uma reação R P. Órion MARATONA UFG QUÍMICA (Sidão) NOME: Lista 02 Questão 04: O gráfico a seguir representa o estudo cinético de uma reação R P. Questão 01: Diodos são componentes eletrônicos, comumente representados,

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DE ARGILA CONTAMINADA COM HIDROCARBONETOS NA OBTENÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS.

REAPROVEITAMENTO DE ARGILA CONTAMINADA COM HIDROCARBONETOS NA OBTENÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS. REAPROVEITAMENTO DE ARGILA CONTAMINADA COM HIDROCARBONETOS NA OBTENÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS. P. L. B. da Silva (1) ; T. M. Basegio (2) ; D. L.Villanova (2) ; C. P. Bergmann (2) R. M. C. Tubino.(1) (1)

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL Édio Damásio da Silva Junior (1) Graduando em Engenharia Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Isac

Leia mais

QUÍMICA. 4. Um professor, utilizando comprimidos de antiácido efervescente à base de NaHCO 3, realizou quatro procedimentos, ilustrados a seguir:

QUÍMICA. 4. Um professor, utilizando comprimidos de antiácido efervescente à base de NaHCO 3, realizou quatro procedimentos, ilustrados a seguir: QUÍMICA Prof. Rodrigo Rocha 1. Alguns fatores podem alterar a rapidez das reações químicas. A seguir, destacam-se três exemplos no contexto da preparação e da conservação de alimentos: 1) A maioria dos

Leia mais

4. MATERIAIS E MÉTODOS ROCHAS

4. MATERIAIS E MÉTODOS ROCHAS 4. MATERIAIS E MÉTODOS ROCHAS 4.1. MATERIAIS As amostras de filito sericítico e rocha básica intrusiva para caracterização geotécnica e realização do presente estudo, foram coletadas nas minas do Pico

Leia mais

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus FeSO 4.7H 2 O 278,01 06404.02-0 Fe 55,85 Sulfato ferroso heptaidratado Contém, no mínimo, 98,0% e, no máximo, 105,0% de FeSO 4.7H 2 O. DESCRIÇÃO

Leia mais

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Carbono é um elemento cujos átomos podem se organizar sob a forma de diferentes alótropos. Alótropos H de combustão a 25

Leia mais

Reciclagem de Rejeitos de Cerâmica Vermelha e da Construção Civil para Obtenção de Aglomerantes Alternativos

Reciclagem de Rejeitos de Cerâmica Vermelha e da Construção Civil para Obtenção de Aglomerantes Alternativos Reciclagem de Rejeitos de Cerâmica Vermelha e da Construção Civil para Obtenção de Aglomerantes Alternativos L.V. Amorim, A.S.G. Pereira, G.A. Neves e H.C. Ferreira Universidade Federal da Paraíba, Centro

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Universidade de São Paulo Instituto de Química Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Larissa Ciccotti São Paulo 2010 A disciplina Química das Águas (QFL 3201) contou com cinco aulas

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

Sabendo-se que a substancia em questão é composta de apenas Carbono, Hidrogênio e Oxigênio, podemos esquematizar a seguinte equação:

Sabendo-se que a substancia em questão é composta de apenas Carbono, Hidrogênio e Oxigênio, podemos esquematizar a seguinte equação: QUíMICA Alan, Kaires e Neuzimar Dados que poderão ser utilizados nas questões da prova de Química: Número atômico: H = 1; C = 6; N = 7; 0= 8; F = 9; Na :: 11; Si = 14; S = 16 e Ca :: 20. Massa atômica:

Leia mais

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico Organização Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Gerência da Unidade de Naviraí Coordenação do Curso de Química Coordenação do Curso de Tecnologia em Alimentos Coordenação Prof. Dr. Alberto Adriano

Leia mais

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 0975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 9.341.583/0001-04 IE 8.846.190 Fone: (0xx1) 501-1998; Fax: (0xx1) 41-1354 www.energetica.ind.br METODO PARA A DETERMINACAO

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA Aluna: Marcella Golini Pires Orientadores: Eduardo Brocchi e Ludy Margarita Cáceres Montero Introdução A metalurgia é a ciência que estuda

Leia mais

ARGILA BSN 02 MODIFICADA ORGANICAMENTE UTILIZADA NA SEPARAÇÃO EMULSÃO ÓLEO/ÁGUA EM SISTEMA DE BANHO FINITO

ARGILA BSN 02 MODIFICADA ORGANICAMENTE UTILIZADA NA SEPARAÇÃO EMULSÃO ÓLEO/ÁGUA EM SISTEMA DE BANHO FINITO ARGILA BSN 02 MODIFICADA ORGANICAMENTE UTILIZADA NA SEPARAÇÃO EMULSÃO ÓLEO/ÁGUA EM SISTEMA DE BANHO FINITO I. N. Araújo 1* ; E. L. Silva 2 ; M. G. F. Rodrigues 1 1- Unidade Acadêmica de Engenharia Química

Leia mais

Química Analítica INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA E QUANTITATIVA 3/9/2012. Teoria e Prática

Química Analítica INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA E QUANTITATIVA 3/9/2012. Teoria e Prática Química Analítica Teoria e Prática Primeiro semestre/2012 Curso: Farmácia Prof. Wendell Coltro wendell@quimica.ufg.br http://www.quimica.ufg.br/docentes/wendellcoltro/ 1 Bloco IQ 1 Sala 220 Telefone: 3521-1097

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 12/11/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Ref 0785

Leia mais

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa)

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa) www.enasaeng.com.br enasaeng@enasaeng.com.br Tel: (011) 5585-9100 Fax: (011) 5589-6911 São Paulo - SP - Brasil CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA ÁGUA 1. COR 2. TURBIDEZ 3. SÓLIDOS EM ÁGUA 4. TEMPERATURA 5. SABOR

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO SUPERFICIAL DA MONTMORILONITA NA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO INDUZIDA POR FLUXO DE NANOCOMPÓSITOS DE HDPE

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO SUPERFICIAL DA MONTMORILONITA NA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO INDUZIDA POR FLUXO DE NANOCOMPÓSITOS DE HDPE INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO SUPERFICIAL DA MONTMORILONITA NA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO INDUZIDA POR FLUXO DE NANOCOMPÓSITOS DE HDPE A. B. Bonel (1), C. A. G. Beatrice (2), J. Marini (2) e R. E. S. Bretas

Leia mais