Projeto Esplanada Sustentável

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Esplanada Sustentável"

Transcrição

1 CAPA Projeto Esplanada Sustentável

2 POR QUE BUSCAR QUALIDADE? (1) - A legislaçã ção o nacional regra. Exs: CF 88, art. 37 (Eficiência lato,, um dos princípios) pios) LRF (utilizaçã ção o racional e equilibrada dos recursos públicos) - As atribuiçõ ções institucionais também m... Exs: política e diretrizes para modernizaçã ção o da administraçã ção pública federal (uma das atribuiçõ ções do MP Dec , de 2012) acompanhar e avaliar o comportamento da despesa pública e de suas fontes de financiamento (uma( das atribuiçõ ções da SOF Dec , de 2012)

3 POR QUE BUSCAR QUALIDADE? (2) Estabilidade econômica ( teto( teto para endividamento e tributaçã ção); Governos NÃO N O devem apenas funcionar (pressão o da sociedade por melhores resultados públicos); p e Demandas Crescentes Respostas, freios e subsídios ao ciclo político. Limitação de Recursos X

4 Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo, Técnico e Operacional Serviços de Processamento de Dados Manutenção de Bens Imóveis Serviços de Telecomunicações Limpeza e Conservação Material de Consumo Diárias e Passagens Energia Elétrica Água e Esgoto Vigilância

5 Despesas Administrativas Valores Nominais R$ Bilhões 25 Aplicações Diretas Contextualização 20 16,6 14, ,3 12,4 9,8 10 7,1 7,4 7,7 5 20,8 21,8 18,2 21,8 Exe 90% Jud 6% Leg 3% MPU 1% Fonte: Siafi Despesas Liquidadas Nota: Excluindo-se as despesas com medicamentos Crescimento Médio Anual: 11,9% 11

6 Contextualização Desperdício de Energia Elétrica Do consumo total do país em 2009 (426 TWh), os prédios públicos representam 2,8% (12 TWh). O Procel estima potencial de redução de consumo de 20% nos Prédios Públicos. Nos Ministérios (Administração Direta), equivale a uma economia aproximada de R$ 25 milhões por ano. Fontes: Procel/MME e Siafi

7 Contextualização Desperdício de papel Desperdício Anual médio com papel folhas por servidor. A Administração Direta no DF conta com aproximadamente 50 mil servidores civis ativos. Desperdício Total Anual com papel chega a 200 milhões de folhas. Equivale a 400 mil resmas; Quase 20 mil árvores; e Aproximadamente a R$ 4 milhões. Fonte: A3P/MMA e SEGEP/MP

8 Contextualização Copos descartáveis Desperdício Anual médio com copos descartáveis 500 copos por servidor. A Administração Direta no DF conta com aproximadamente 50 mil servidores. Desperdício Total Anual chega a 25 milhões de copinhos. Equivale a aproximadamente R$ 1 milhão anual; A natureza leva de 200 a 450 anos para decompor os copos plásticos. Fonte: A3P/MMA e SEGEP/MP

9 Finalidade: Avaliar em que medidas as ações adotadas pela Administração Pública na redução do consumo de papel, energia elétrica e água atingiram os objetivos propostos. Conclusões es: Acórdão TCU 1.752/2011 Há oportunidades de melhoria na atuação do Governo Federal; Baixa adesão aos programas governamentais existentes, pela ausência de um direcionamento claro do Governo no uso dos recursos naturais; Sobreposição de iniciativas (dispersão de recursos públicos) com dificuldades para uma ampla disseminação; Determinaçã ção: Que o MP incentive os órgãos a adotarem um modelo de gestão para a implementação de ações voltadas ao uso racional de recursos naturais. Recomendaçã ção: Que o MP, MME e MMA retomem o Projeto Esplanada Sustentável.

10 Projeto Esplanada Sustentável Integraçã ção entre programas e ações em curso no Poder Executivo Federal: Coordenação do PES Programa Nacional de Conservaçã ção de Energia Elétrica Agenda Ambiental na Administraçã ção Pública Coleta Seletiva Solidária

11 Objetivos do PES ARIAL BLACK 23 I - promover a sustentabilidade ambiental, econômica e social na Administração Pública Federal; (objetivo geral) II - melhorar a qualidade do gasto público pela eliminação do desperdício e pela melhoria contínua da gestão dos processos; III - incentivar a implementação de ações de eficiência energética nas edificações públicas; IV - estimular ações para o consumo racional dos recursos naturais e bens públicos; V - garantir a gestão integrada de resíduos pós-consumo, inclusive a destinação ambientalmente correta; VI - melhorar a qualidade de vida no ambiente do trabalho; e VII - reconhecer e premiar as melhores práticas de eficiência na utilização dos recursos públicos, nas dimensões de economicidade e socioambientais.

12 Perspectivas de Mudança com o PES ARIAL BLACK 23 Nova visão de gestão Execução eficiente da despesa mediante a pactuação de resultados com os Ministérios, mediante o estabelecimento de metas de redução de despesas; Nova cultura do gasto Execução das despesas de forma sustentável por meio da introdução da variável socioambiental. Valorização do Órgão - Reconhecimento (financeiro) às economias obtidas pelos Ministérios, por meio da devolução de até 50% do resultado alcançado a ser aplicada na melhoria da qualidade do gasto; Valorização do Gestor Reconhecimento (não financeiro) aos melhores gestores, mediante a entrega de certificado de bom desempenho; Valorização das boas práticas Haverá trocas de boas práticas dos Ministérios por meio da REDE ESPLANADA SUSTENTÁVEL, além de orientações de especialistas nas diversas áreas; Combate ao Desperdício Por meio do projeto espera-se criar consciência junto ao servidores, quanto a eficiência do gasto por meio do combate ao desperdício de recursos.

13 Etapa 1 (curto prazo) Etapas do PES Etapa 2 (médio prazo) Etapa 3 ARIAL BLACK 23 (longo prazo) Órgãos: Prédio dos Ministérios ADERENTES localizados na Esplanada no DF. Despesas: Água e Esgoto; Energia Elétrica; Telefonia; Vigilância; e Limpeza e Conservação. Meta para redução do consumo de papel e copos descartáveis e coleta seletiva do lixo na esplanada; Realizar diagnóstico de eficiência energética nos prédios da esplanada Órgãos: Órgãos do Poder Executivo em todo Brasil. Despesas: Água e Esgoto; Energia Elétrica; Telefonia; Vigilância; e Limpeza e Conservação. Meta para redução do consumo de papel e copos descartáveis e coleta seletiva do lixo na esplanada e incorporar metas do A3P para os órgãos; estabelecer critérios de certificação para etiquetagem dos prédios da Esplanada Órgãos: Órgãos do Poder Executivo em todo Brasil. Despesas: Todas Despesas Administrativas. Implantar a A3P nos órgãos

14 21 Órgãos Participantes da Etapa 1 ARIAL BLACK 23 AGU Agricultura Ciência, Tecnologia e Inovação CGU Comunicações Cultura Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Desenvolvimento Social Defesa Educação Esporte Fazenda Integração Nacional IPEA Justiça Meio Ambiente Minas e Energia Planejamento Previdência Social Relações Exteriores Transportes

15 Governança do Projeto Comitê Geral (MP/MMA/MME/MDS + Min.) Reuniões Semestrais Comitês s Internos do PES (CIPES) (SE, SPOA, Líder L do projeto) Comitê de Coordenaçã ção o do PES (SE s, Representante da SOF/MP, MME, MMA e MDS) Reuniões Periódicas Grupo de trabalho do CIPES (Técnicos dos ministérios aderentes) Grupo de trabalho do CCPES (Técnicos da SOF/MP, MME, MMA e MDS) Reuniões Periódicas Previsto na Portaria Interministerial Nº 244, de 6 de Junho de 2012

16 Metodologia Correção dos Desvios Padronização das Boas Práticas Coleta dos Dados Análise dos Dados Pactuação das Metas Elaboração dos Planos de Ação Meta x Realizado Plano de Ação Reuniões de Acompanhamento Metodologia Execução dos Planos de Ação

17 Metodologia - Indicadores O que é? (definição): É uma medida usada para quantificar determinada realidade, possibilitando o seu acompanhamento. Propriedades: Validade: quantificar a realidade; Confiabilidade; Sensível a mudanças; Inteligível para os envolvidos; Atualizável periodicamente a custos factíveis; Historicidade: possibilitar comparações no tempo.

18 Metodologia - Indicadores Dificuldade de obter dados físicos nos sistemas estruturantes atuais Servem de parâmetro para a comparação entre os órgãos Subsídio para a pactuação das metas Ex: I - Água e Esgoto: Valor total da conta / pessoal total; II Energia Elétrica: Valor total da conta / m² ; III Telefonia Fixa: Valor total da conta / (nº ramais+ nº linhas); IV Telefonia Móvel: Valor total da conta / nº linhas ; V Vigilância: Valor total anual do contrato / nº total postos VI Limpeza e Conservação: Preço unitário da área interna (em R$ por metro quadrado)

19 Treinamento da Equipe do Projeto para Órgãos aderentes; (02 semanas) Coleta dos dados no SisPEG (sistema já em produção); (05 semanas) Análise da coleta e elaboração de indicadores pela Equipe do Projeto, por meio de Business Intelligence (BI) já desenvolvido; (02 semanas) Cadastro dos Planos de Ações (MP, MME, MMA e MDS) e Metas; (05 semanas) Reuniões mensais para Acompanhamento da execução das despesas; (12 meses) Análise do acompanhamento e elaboração de indicadores pela Equipe do Projeto; Apresentação de Resultados. Modus Operandi

20 Status Atual ARIAL BLACK 23 Metas Financeiras Pactuadas na 1ª Fase do Projeto (redução média de 9%) Metas de gasto já pactuadas (Etapa 1) Possíveis Metas de economia: Etapa 2 R$ 440 milhões Etapa 3 R$ 2 bilhões 0 Gasto em reais em 2011 Meta de gasto (jul/12 a jun/13) Redução de aproximadamente R$ 12 milhões. Se a redução pactuada de 9% fosse aplicada para TODO O EXECUTIVO, para TODAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS a economia potencial seria da ordem de R$ 2 bilhões.

21 Status Atual ARIAL BLACK 23 Metas Ambientais Pactuadas (redução de 15%) Papel Clorado na Esplanada Copos descartáveis na Esplanada (200ml + 50ml) Consumo em 2011 Meta (jul/12 a jun/13) 0 Consumo em 2011 Meta (jul/12 a jun/13) Fonte: MMA Redução de mais de 1 milhão de folhas ano; e Redução de 8 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera. Fonte: MMA Redução de 280 mil copos / ano.

22 Órgão Metas Pactuadas por Órgão Etapa 1 Energia Vigilância ia Elétric a Meta Financ eira (R$) Meta Física (unidade) Telefonia Telefonia Fixa Móvel Água e Limpeza e Es goto Conservação Copos Papel Descartáveis (folha) Advoc acia-geral da União Controladoria-Geral da União Instituto de Pesquisa Econômic a Aplic ada Minis tério da Agric ultura, Pecuária e Abastecimento Minis tério da Ciênc ia e Tecnologia Minis tério da Fazenda Minis tério da Educ ação Minis tério do Desenvolvimento, Indús tria e Comérc io Exterior Minis tério da Justiça a Minis tério de Minas e Energia Minis tério da Prev idência ia Social Minis tério das Relaç ões Ex teriores Minis tério dos Trans portes Minis tério das Comunicações Minis tério da Cultura Minis tério do Meio Ambiente Minis tério do Planejamento, Orçamento e Gestão Minis tério do Esporte Minis tério da Defesaa Minis tério da Integração Nacional Minis tério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

23 Contato:

Qualidade do Gasto no Setor Público. Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável

Qualidade do Gasto no Setor Público. Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável Qualidade do Gasto no Setor Público Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável Isabella Amaral da Silva POR QUE BUSCAR QUALIDADE? (1) - A legislação nacional regra. Exs: CF 88, art. 37 (Eficiência

Leia mais

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento CAPA Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo, Técnico e Operacional Serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos CONTEXTUALIZAÇÃO Demandas Crescentes Limitação de Recursos X CONTEXTUALIZAÇÃO Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas.

Leia mais

Treinamento dos CIPES

Treinamento dos CIPES Treinamento dos CIPES Brasília, 9 de abril de 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: O que é o Projeto Contextualização Objetivos Escopo Metodologia Cronograma Integração entre Programas PROCEL Programa Nacional

Leia mais

Atribuições do Líder de projeto

Atribuições do Líder de projeto Atribuições do Líder de projeto Brasília, 9 de abril de 2012 Governança do Projeto Comitê Geral (MP/MMA/MME/MDS + Min. s) Reuniões Semestrais Comitês s Internos do PES (CIPES) (SE, SPOA, Líder L de projeto)

Leia mais

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES S PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES Iniciativa conjunta Ministério do Planejamento Meio Ambiente Minas e Energia

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente

Leia mais

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO A presentar uma visão sobre a necessidade de aplicação de conceitos de eficiência energética nos prédios públicos brasileiros bem como apresentar

Leia mais

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009 IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público Brasília, 01º de dezembro de 2009 Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira Coordenador-Geral de

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS LNCC 2013 Petrópolis, 05 de agosto de 2013 Pedro Leite da Silva Dias Diretor Alexandre Grosjgold

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Seminário Produção e Consumo Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Elenis Bazácas Corrêa Auditora Pública Externa Parte I - Atuação do Tribunal de Contas - gestão socioambiental. Parte II - Compras

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre a criação e competências das unidades ou núcleos socioambientais nos órgãos e conselhos do Poder Judiciário e

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

PROJETO RESSANEAR SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS EM PAUTA

PROJETO RESSANEAR SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS EM PAUTA PROJETO RESSANEAR SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS EM PAUTA POLÍTICA NACIONAL DE SANEAMENTO JOHNNY FERREIRA DOS SANTOS Diretor de Água e Esgoto - Porto Alegre, 01 de Setembro de 2011 MARCOS LEGAIS E POLÍTICO-INSTITUCIONAIS

Leia mais

COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS E INFORMAÇÕES GERENCIAIS Sandra Helena Caresia Gustavo

COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS E INFORMAÇÕES GERENCIAIS Sandra Helena Caresia Gustavo PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO Paulo Bernado Silva SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Machado SECRETÁRIO DE RECURSOS HUMANOS Sérgio Eduardo Arbulu Mendonça COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189335 UCI EXECUTORA : 170965 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº

Leia mais

O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e

O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Parceria: O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a RIO/92, assinaram a Agenda 21, que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão CNPJ/MF Endereço Cidade UF CEP DDD/Telefone Nome do Responsável CPF CI/Órgão Exp. Endereço CEP 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Planejamento Estratégico Depex

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Planejamento Estratégico Depex MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Planejamento Estratégico Depex Financeira Processos internos Clientes MP/SE/Departamento MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO de Órgãos Extintos Mapa Estratégico Contribuir com propostas

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

PALESTRA. Projetos especiais inovadores da SOF

PALESTRA. Projetos especiais inovadores da SOF PALESTRA Projetos especiais inovadores da SOF Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira (Coordenador-Geral de Inovações, Assuntos Orçamentários e Federativos da SOF) 08 de fevereiro de 2012 Secretaria Secretaria

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental. Comece por você - Seja um Modelo de Educação e Ação Ambiental

Projeto de Educação Ambiental. Comece por você - Seja um Modelo de Educação e Ação Ambiental Projeto de Educação Ambiental Comece por você - Seja um Modelo de Educação e Ação Ambiental Objetivos do Projeto Objetivo principal: Implantar projeto de educação ambiental para a gestão institucional

Leia mais

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Programa 0360 Gestão da Política Agropecuária Numero de Ações 11 Ações Orçamentárias 10HD Implantação do Projeto de Melhoria da Infra-estrutura da Sede do MAPA Produto: Projeto implantado Unidade de Medida:

Leia mais

RELATÓRIO DE AÇÕES/ATIVIDADES DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A3P

RELATÓRIO DE AÇÕES/ATIVIDADES DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A3P RELATÓRIO DE AÇÕES/ATIVIDADES DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A3P Ação no PPA (2B35): Assistência Técnica para a Implementação da Agenda Ambiental na Administração Pública Programa 052: Educação

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Agenda Ambiental na Administração Pública Brasília/DF agosto/2014 Agenda Ambiental Administração Pública Agenda para promoção da Responsabilidade Socioambiental - RSA; Ferramenta de gestão institucional

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA

PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA RAFAEL SETÚBAL ARANTES ANA MARIA

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Participantes: Antônio Othon Rolim (Sinaenco); Augusto Jucá (CNI); Carlos Alberto

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

METAS PROAD. META: Aumentar a frota dos veículos oficiais em função da expansão da Universidade e conseqüentes demandas por diversos serviços.

METAS PROAD. META: Aumentar a frota dos veículos oficiais em função da expansão da Universidade e conseqüentes demandas por diversos serviços. 1 de 9 30/09/2011 16:41 Metas para o PDI 2011-2020 UNIRIO Imprimir Dados Institucionais Unidade Organizacional: Pró-Reitoria de Administração Nome do responsável pelo preenchimento: Núria Mendes Sánchez

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental DCRS Agenda Ambiental na Administração Pública Um novo

Leia mais

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015)

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Secretária Executiva Dezembro de 2015 Resultado da Gestão Janeiro à Dezembro de 2015 Gestão Voltada para Resultados Secretaria Executiva Z Resultado da Gestão Janeiro

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (tarde)

Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Brasília, 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DO Estrutura PLANEJAMENTO de um PLS 1.1.Informações Básicas 1.2.Apresentação 1.4.1.1.1.Geral 1.Identificação 1.4.1.1.Objetivos

Leia mais

EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014. Jhéssica Ribeiro Cardoso

EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014. Jhéssica Ribeiro Cardoso EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014 Jhéssica Ribeiro Cardoso Agenda: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contratações Públicas Sustentáveis Instrução Normativa nº 1/2010; Instrução

Leia mais

Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI PLS - Plano de Logística Sustentável 2013 PLS Agosto 2013 Página 1 ÍNDICE Conteúdo Sumário... 3 Comissão Gestora... 3 Para os fins deste documento,

Leia mais

Levantamento das ações de redução de gastos desenvolvidas no Programa de Eficiência do Gasto (PEG) na UFSJ

Levantamento das ações de redução de gastos desenvolvidas no Programa de Eficiência do Gasto (PEG) na UFSJ Levantamento das ações de redução de gastos desenvolvidas no Programa de Eficiência do Gasto (PEG) na UFSJ Pró Reitoria de Planejamento - PPLAN São João del Rei, 20 de novembro de 2013 Em atendimento ao

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015

Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015 Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015 ÍNDICE 1. Introdução...03 2. Objetivos...04 3. Diretrizes...05 4. Implementação, Monitoramento

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social Descrição da Despesa ASPS Assist. Social Outros Base Legal Subsídio do Secretário da Saúde, Assistência e Meio Ambiente. X 1 1 Casos em que a Secretaria da Saúde abranja outras áreas de atuação, deverá

Leia mais

Implantação do Sistema Nacional de Aprovação Técnica

Implantação do Sistema Nacional de Aprovação Técnica Programa 0810 Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H Objetivo Elevar os patamares da qualidade e produtividade da construção civil, por meio da criação e implantação de mecanismos de modernização

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1 Oficina 62 Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 Roteiro da Apresentação APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

Sustentabilidade na Administração Pública

Sustentabilidade na Administração Pública Sustentabilidade na Administração Pública B823s Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP Bibliotecária Cristine C. Marcial Pinheiro CRB1-1159 Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de

Leia mais

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social Nosso ponto de partida Responsabilidade Social: conceito em evolução e práticas em difusão, sendo incorporadas ao cotidiano dos empresários

Leia mais

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios Lei Nº 1223/2014 DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org.

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido.

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. Seção II Aspectos da Proposta Comercial... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis 1º Diálogo Finanças e Meio Ambiente: Seminário Internacional Gastos Sustentáveis e Eficiência Energética Compras Públicas Sustentáveis Jhéssica Ribeiro Cardoso Brasília, Outubro/2013 Conteúdo Programático

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 149 AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial

Leia mais

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC.

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Decreto 5.940/06 Brasília, 13 de abril de 2012 Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Casa Civil da Presidência da República

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2014 Aprovado

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL ANTECEDENTES, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL ANTECEDENTES, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL ANTECEDENTES, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS ANTECEDENTES ANTECEDENTES 1982 - Criação do Ministério Extraordinário para Assuntos Fundiários (MEAF), regulamentado pelo

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA O mar humildemente coloca-se abaixo do nível dos rios para receber, eternamente,

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016 1 NÚMERO E TÍTULO DO PROJETO Projeto OEI/BRA/14/001 - Desenvolvimento de Metodologias Institucionais destinadas à Consolidação

Leia mais

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as TEXTO 4 PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ACESSO AO MUNDO DO TRABALHO - ACESSUAS TRABALHO GESTÃO. No texto anterior vimos o fluxo do ACESSUAS TRABALHO a partir se seus três eixos de ação: articulação, mobilização

Leia mais

Impacto da terceirização nas IFES. FORPLAD Aracajú Comissão de Administração Março/2015

Impacto da terceirização nas IFES. FORPLAD Aracajú Comissão de Administração Março/2015 Impacto da terceirização nas IFES FORPLAD Aracajú Comissão de Administração Março/2015 PRESSUPOSTOS / METODOLOGIA 1. As análises orçamentárias foram realizadas a partir dos valores liquidados base UBC

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO Vera Ruth de Carvalho Fidalgo Luiz Frederico Franco Pacheco Ruy Martini Santos Filho Rosirayna Maria Rodrigues Remor 2

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS)

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente APRESENTAÇÃO Processo de Marrakech planos nacionais produção

Leia mais

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável 4. es de desenvolvimento sustentável para o Município de Fronteira 1. Os indicadores de desenvolvimento sustentável são instrumentos de monitorização do caminho que é percorrido desde a situação existente,

Leia mais

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção1) Segunda a sexta 9h às 21h Sábado 9h às 13h candidato@espm.br www.espm.br

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Nina Gonçalves e Rosângela Neri Nereu Brasília, 20 de novembro de 2012 Fórum Governamental de Responsabilidade Social AGENDA Sustentabilidade Comissão Interministerial de

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2014

Levantamento de Governança de TI 2014 Levantamento de Governança de TI 2014 Resultado individual: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Segmento: Executivo - Sisp Tipo: Autarquia A classificação deste documento é de responsabilidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável PLS

Plano de Gestão de Logística Sustentável PLS Empresa de Pesquisa Energética EPE Plano de Gestão de Logística Sustentável PLS 1º Relatório de Acompanhamento Ministério de Minas e Energia (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS Instrutora: Adelaide Bittencourt P. Coelho Participação: Paula Romano TCEMG Novembro/2009 IMPORTÂNCIA DO TEMA As obras são a parte mais aparente das

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Nancy de Araujo Vieira Maria Leila Casagrande Dayan Margon Carolina Kaizer Alessandro dos Santos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25106.000.849/2007-19 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UFRPE RECIFE - 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

A carta de serviços da Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Maranhão SAMF/MA foi desenvolvida com a finalidade de apresentar os serviços prestados por este órgão às suas unidades

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 16/07/2014 11:10:14 Endereço IP: 200.139.16.10 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

RESUMO DOS ATENDIMENTOS - VALOR ATENDIDO POR GRUPO DE AUTORES - VALOR ATENDIDO POR ÓRGÃO/GRUPO DE AUTORES - QUANTIDADE DE EMENDAS POR TIPO DE PARECER

RESUMO DOS ATENDIMENTOS - VALOR ATENDIDO POR GRUPO DE AUTORES - VALOR ATENDIDO POR ÓRGÃO/GRUPO DE AUTORES - QUANTIDADE DE EMENDAS POR TIPO DE PARECER RESUMO DOS ATENDIMENTOS - VALOR ATENDIDO POR GRUPO DE AUTORES - VALOR ATENDIDO POR ÓRGÃO/GRUPO DE AUTORES - QUANTIDADE DE EMENDAS POR TIPO DE PARECER 01 Transporte 55 6 5 66 1.910.915.209 110.247.345 5.750.000

Leia mais

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997.

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. I Introdução O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. 1 II O PNAFE e o processo de descentralização fiscal no Brasil: II.1 Descentralização Fiscal no Brasil Características

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015345/2011-39

Leia mais