ALL - América Latina Logística S. A.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALL - América Latina Logística S. A."

Transcrição

1 ALL - América Latina Logística S. A. A América Latina Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sul da RFFSA em 13 de dezembro de 1996 iniciou suas atividades como Ferrovia Sul Atlântico no dia 1 de março de 1997, constituída pelas linhas de bitola métrica das antigas Rede de Viação Paraná - Santa Catarina e Viação Férrea Rio Grande do Sul: Rede de Viação Paraná - Santa Catarina - RVPSC: Em 10 de janeiro de 1871 foi concedido o privilégio inicial a um grupo de engenheiros liderados por Antônio Pereira Rebouças para construção de uma ferrovia entre Antonina e Curitiba. A construção da então Estrada de Ferro do Paraná iniciou-se efetivamente em 5 de junho de 1880 a partir de Paranaguá, cuja concessão na época pertencia à Compagnie Génerale des Chemins de Fer Brésiliens. A linha até Curitiba foi inaugurada em 5 de fevereiro de 1885, e até hoje impressiona pelo arrojo na travessia da serra do Mar, pelas dificuldades vencidas pela equipe de obras do engenheiro João Teixeira Soares, constituindo-se num monumento à engenharia brasileira,. A ampliação da ferrovia prosseguiu, alcançando Ponta Grossa em 1894 e Rio Negro em 1895, sendo encampada pelo Governo Federal em 1904 e arrendada ao engenheiro Carlos Frojd Westerman, que em 5 de abril de 1910 transferiu o contrato para a Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande. A Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande por sua vez tinha como origem o privilégio concedido a João Teixeira Soares para construção de uma ferrovia entre Itaraé, SP, e Santa Maria da Boca do Monte, RS, em 9 de novembro de Diversas concessões foram autorizadas, reformuladas e unificadas ao longo dos anos seguintes, resultando na construção de extensa malha nos estados do Paraná e Santa Catarina, incluindo a construção da linha em Santa Catarina de São Francisco a Porto União entre 1901 e Em 8 de março de 1940 a E. F. São Paulo - Rio Grande foi encampada pelo governo federal, transformando-a em 25 de setembro de 1942 na RVPSC - Rede de Viação Paraná - Santa Catarina. Trem de carga da Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande em Presidente Castilhos, PR, na linha tronco de Itararé a Marcelino Ramos, com a locomotiva Mallet Henschel 601, na década de 1920 (foto Arthur Wischral) À RVPSC também foram incorporadas em 10 de abril de 1944 a Estrada de Ferro Norte do Paraná, inaugurada em seu primeiro e único trecho de Curitiba a Rio Branco do Sul em 1 de março de 1909, e a Estrada de Ferro São Paulo - Paraná, construída a partir de Ourinhos, SP, em direção ao oeste do Paraná, com o primeiro trecho inaugurado em 1 de julho de A Rede de Viação Paraná - Santa Catarina integrou as ferrovias formadoras e deu prosseguimento à modernização e ampliação da malha, destacando-se o trecho do Tronco Sul a partir de Rio Negro em direção a Lages, SC, para constituir uma segunda interligação com as linhas da VFRGS muitos anos depois.

2 Viação Férrea Rio Grande do Sul - VFRGS: A história ferroviária no Rio Grande do Sul iniciou-se em 1866, com discussões e propostas para construção no vale dos Sinos, sendo inaugurado o primeiro trecho entre Porto Alegre e São Leopoldo com 33 km em abril de A construção da The Porto Alegre & New Hamburg Brazilian Railway Company prosseguiu adiante, passando por Novo Hamburgo e chegando finalmente a Canela em A Estrada de Ferro Porto Alegre - Uruguaiana tinha como principal objetivo garantir a fronteira oeste, sendo inaugurado o primeiro trecho até Cachoeira em outubro de 1884 e a chegada a Uruguaiana em 24 de dezembro de Praticamente ao mesmo tempo era construída na fronteira oeste a Estrada de Ferro Barra do Quaraí - Itaqui, depois estendida até São Borja e concluída em 1887, administrada pela The Brazil Great Southern Railway Company Ltd., mais conhecida como BGS. A Estrada de Ferro Rio Grande - Bagé teve o trecho até Bagé inaugurado em 1884, sendo prolongada em direção a Cacequi, interligando-se com a linha Porto Alegre - Uruguaiana. A ligação entre Santa Maria e Marcelino Ramos, na divisa norte com Santa Catarina, somente foi concluída em 25 de outubro de 1910, passando por Cruz Alta e Passo Fundo, e interligando as ferrovias do Rio Grande do Sul com a Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande. Em 15 de março de 1898 foi assinado o contrato de arrendamento das ferrovias federais no Rio Grande do Sul com a empresa de capitais belgas Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Bresil. Posteriormente outros trechos de concessões estatuais foram sendo acrescentados ao arrendamento original, como também construídas novas linhas. Locomotivas a vapor da Viação Férrea Rio Grande do Sul no depósito de Passo Fundo, SR, em 1949 (foto Carlheinz Hahmann) No entanto diversas dificuldades enfrentadas pela Auxiliaire levaram o governo estadual a encampar a ferrovia, surgindo em 29 de junho de 1920 a VFRGS - Viação Férrea Rio Grande do Sul, que iniciou uma série de modernizações de linhas, destacando-se a introdução dos famosos trens "Minuanos" e as locomotivas diesel hidráulicas na década de Da RFFSA à América Latina Logística: Desde o início da década de 1950 estudos realizados pelo governo federal e também a Comissão Mista Brasil - Estados Unidos recomendavam a unificação das ferrovias administradas pela União em uma empresa de economia mista. Finalmente foi sancionada pelo presidente Juscelino Kubitschek a lei número de 16 de março de 1957, criando a RFFSA - Rede Ferroviária Federal S. A., que entrou em funcionamento no dia 30 de setembro do mesmo ano. Com a criação da RFFSA foram reunidas 22 ferrovias, dentre elas a Rede de Viação Paraná - Santa Catarina, com sede em Curitiba, PR, e km de extensão, e a Viação

3 Férrea Rio Grande do Sul, com sede em Porto Alegre, RS, e km, que por ser estadual na época somente seria incorporada no sistema em Mesmo mantendo uma relativa autonomia das ferrovias afiliadas, tanto assim que mantinham suas denominações originais, a RFFSA deu início a uma série de melhorias, especialmente na área administrativa e de padronização de equipamentos, unificando os sistemas de engates e freios, além de adquirir grande quantidade de material rodante e de tração. Os déficits diminuíram, aumentando o transporte, embora não na velocidade que o país necessitava para atender ao desenvolvimento. Em 1969 a RFFSA agrupou suas ferrovias em sistemas regionais, sendo a Rede de Viação Paraná - Santa Catarina renomeada 11ª Divisão Paraná - Santa Catarina, e a Viação Férrea Rio Grande do Sul 13ª Divisão Rio Grande do Sul, ambas vinculadas ao Sistema Regional Sul, com sede em Porto Alegre, RS. Em 1976 ocorreu nova importante reorganização, sendo a 11ª Divisão transformada na SR 5 - Superintendência Regional Curitiba e a 13ª Divisão na SR 6 - Superintendência Regional Porto Alegre. Trem de derivados de petróleo da Superintendência Regional Curitiba em Araucária, PR, na década de 1980 (acervo RFFSA) Trem da Superintendência Regional Porto Alegre no trecho Roca Sales - Passo Fundo, RS, na década de 1980 (acervo RFFSA) Quando no início da década de 1990 o governo federal incluiu a RFFSA no processo de desestatização, dividindo-a em malhas, as SR 5 e SR 6 passaram a constituir a Malha Sul, sendo leiloada no dia 13 de dezembro de A vencedora do leilão foi a Ferrovia Sul Atlântico S. A., que iniciou sua operação em 1 de março do ano seguinte. Em 1998 a FSA passou a operar experimentalmente os trechos da Ferroban entre Botucatú, Ourinhos e Presidente Epitácio e entre Iperó e Pinhalzinho com 874 quilômetros, sendo autorizada formalmente pelo Ministério dos Transportes em abril de Em agosto de 1999 a FSA adquiriu as concessões de duas ferrovias argentinas, a MESO - Ferrocarril Mesopotámico General Urquiza e a BAP - Ferrocarril Buenos Aires al Pacífico General San Martín, São Paulo a Buenos Aires e Mendoza ao oceano Pacífico. No dia 30 de agosto alterou a denominação para ALL - América Latina Logística S. A.

4 Trem de derivados de petróleo da América Latina Logística no trecho Curitiba - Paranaguá (divulgação ALL) Trem com produtos agrícolas da América Latina Logística, com tração distribuída (divulgação ALL) Em 2000 a ALL criou a Unidade de Transporte Rodoviário para o gerenciamento direto do transporte "porta-a-porta", e em 2001 integrou suas operações com a empresa de transportes rodoviários Delara Brasil. Cronologia: 1866: Início das discussões e propostas para construção das primeiras ferrovias no Rio Grande do Sul; 1871: Concessão do privilégio para construção de uma ferrovia entre Antonina e Curitiba, em 10 de janeiro; 1874: Inauguração do primeiro trecho da The Porto Alegre & New Hamburg Brazilian Railway Company entre Porto Alegre e São Leopoldo em abril de 1874; 1880: Início da construção da Estrada de Ferro do Paraná em Paranaguá, em 5 de junho; 1884: Inauguração do primeiro trecho da Estrada de Ferro Porto Alegre - Uruguaiana até Cachoeira em outubro, e inauguração do trecho até Bagé da Estrada de Ferro Rio Grande - Bagé; 1885: Inauguração do trecho de Paranaguá até Curitiba, em 5 de fevereiro; 1887: Conclusão da Estrada de Ferro Barra do Quaraí - Itaqui, administrada pela The Brazil Great Southern Railway Company Ltd. na fronteira oeste; 1889: Concessão do privilégio para construção da ferrovia entre Itaraé, SP, e Santa Maria da Boca do Monte, RS, em 9 de novembro de 1889, dando início à Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande; 1898: Assinatura do contrato de arrendamento das ferrovias federais no Rio Grande do Sul com a Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Bresil, em 15 de março; 1901: Construção da linha em Santa Catarina de São Francisco a Porto União, concluída em 1917; 1907: Chegada da linha da Estrada de Ferro Porto Alegre - Uruguaiana a Uruguaiana em 24 de dezembro; 1909: Inauguração do trecho da Estrada de Ferro Norte do Paraná entre Curitiba e Rio Branco do Sul em 1 de março; 1910: Transferência da concessão da Estrada de Ferro do Paraná para a Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande, em 5 de abril, e conclusão da ligação entre Santa Maria e Marcelino Ramos em 25 de outubro; 1920: Encampação da Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Bresil em 29 de junho, dando início à VFRGS - Viação Férrea Rio Grande do Sul 1925: Inauguração do primeiro trecho da Estrada de Ferro São Paulo - Paraná a partir de Ourinhos, SP, em 1 de julho; 1940: Encampação da E. F. São Paulo - Rio Grande pelo governo federal em 8 de março; 1942: Transformação da E. F. São Paulo - Rio Grande na RVPSC - Rede de Viação Paraná - Santa Catarina em 25 de setembro;

5 1944: Incorporação à RVPSC das Estradas de Ferro Norte do Paraná e São Paulo - Paraná em 10 de abril; 1957: Fundação da RFFSA - Rede Ferroviária Federal S. A., no dia 30 de setembro, sendo a ela incorporada a RVPSC, então com km; 1959: Incorporação da VFRGS à RFFSA, então com km; 1969: Agrupamento das ferrovias da RFFSA em sistemas regionais, sendo a RVPSC renomeada como 11ª Divisão Paraná - Santa Catarina e a VFRGS como 13ª Divisão Rio Grande do Sul, ambas vinculadas ao Sistema Regional Sul, com sede em Porto Alegre, RS; 1976: Reorganização da RFFSA, sendo a 11ª Divisão transformada em SR 5 - Superintendência Regional Curitiba, e a 13ª Divisão transformada em SR 6 - Superintendência regional Porto Alegre; 1996: Leilão de desestatização da Malha Sul pela RFFSA no dia 13 de dezembro; 1997: Início de operação da Ferrovia Sul Atlântico S. A., vencedora do leilão, no dia 1 de março; 1999: Aquisição das concessões da MESO e BAP argentinas, e alteração da denominação para ALL - América Latina Logística S. A., em agosto; 2000: Criação da Unidade de Transporte Rodoviário na ALL; 2001: Integração das operações da ALL com a Delara Brasil e incorporação oficial de trechos de bitola métrica da Ferroban.

MRS - MRS Logística S. A.

MRS - MRS Logística S. A. MRS - MRS Logística S. A. A MRS Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sudeste da RFFSA em 20 de setembro de 1996, iniciou suas atividades no dia 1 de dezembro de 1996, constituída

Leia mais

RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira

RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira Exposição de Renate Aguiar e Claiton Nazar relembra os tempos em que o trem passava no centro da cidade. Claiton Nazar e Renate Aguiar com os painéis fotográficos

Leia mais

Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná São Paulo Bitola 1,00 m 1,0m / 1,44 m Total. AFE Administracion de Ferrocarriles del Estado - Uruguai

Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná São Paulo Bitola 1,00 m 1,0m / 1,44 m Total. AFE Administracion de Ferrocarriles del Estado - Uruguai 3.1 ALL América Latina Logística do Brasil S.A. 3.1.1 Informações Gerais da Ferrovia A ALL - América Latina Logística do Brasil S.A., anteriormente denominada Ferrovia Sul Atlântico S.A. obteve a concessão

Leia mais

7 ALL América Latina Logística S.A.

7 ALL América Latina Logística S.A. 7 ALL América Latina Logística S.A. Este capítulo irá abordar as características operacionais da Empresa ALL América Latina Logística S.A., cujas principais atividades encontram-se na região do Sul de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de Fevereiro de 2011 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - Coletiva de Imprensa ANTF - Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários

Leia mais

PROJETO DE TRENS TURÍSTICOS

PROJETO DE TRENS TURÍSTICOS ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL e ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O FOMENTO DAS FERROVÍAS LATINO-AMERICANAS A.I.F.F.L.A. PROJETO DE TRENS TURÍSTICOS PRIMEIRAS ANÁLISES E CONCLUSÕES Elaborado por A.I.F.F.L.A.

Leia mais

A FERROVIA DO CONTESTADO

A FERROVIA DO CONTESTADO A FERROVIA DO CONTESTADO HISTÓRICO A Ferrovia do Contestado tem mais de um século de história. O resumo histórico da Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande, no Vale do Rio do Peixe, tem marcos relevantes,

Leia mais

Fazenda Dumont (Dumont, SP) Fazenda Dumont

Fazenda Dumont (Dumont, SP) Fazenda Dumont Fazenda Dumont (Dumont, SP) Fazenda Dumont A E. F. Dumont percorria diversas seções da fazenda Dumont com sua linha principal e três ramais, no meio dos cafeeiros. Suprimida em 1940, apenas restam dela

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E PERSPECTIVAS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE MERCADORIAS NO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E PERSPECTIVAS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE MERCADORIAS NO RIO GRANDE DO SUL UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DE COMUNICAÇÃO CURSO DE ECONOMIA CAMPUS IJUI MILTON RUPPENTHAL

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: SC Nome do programa de trabalho: Melhoria da segurança do transporte ferroviário

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

PROJETO CENTRAL ACELERAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO NO RIO DE JANEIRO

PROJETO CENTRAL ACELERAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO NO RIO DE JANEIRO PROJETO CENTRAL ACELERAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO NO RIO DE JANEIRO Custo Econômico Implantação Manutenção Operação $ CUSTO SOCIAL Externalidades Poluição Acidentes Ocupação do solo Ruído Congestionamento

Leia mais

Introdução UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D58 Superestrutura Ferroviária. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Introdução UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D58 Superestrutura Ferroviária. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D58 Introdução Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2014 Impasse no Causey Arch em Tanfield Wagonway, County Durham,

Leia mais

LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE

LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE copyright Seminário de Mobilidade Inteligente - Business França Setembro 2015 1 INDICE 1 BREVE APRESENTAÇÃO DO GRUPO 2 PROJETO LINHA 13 - CPTM 3

Leia mais

Artigo publicado. na edição 47. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. Julho e Agosto de 2015

Artigo publicado. na edição 47. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. Julho e Agosto de 2015 Artigo publicado na edição 47 Assine a revista através do nosso site Julho e Agosto de 2015 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Panorama do transporte ferroviário no Brasil Desafios e oportunidades

Leia mais

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística ESTUDOS E PESQUISAS Nº 636 Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística Maurício Muniz, Ian Guerriero e Renato Rosenberg * Fórum Nacional (Sessão

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: PR Nome do programa de trabalho: Construção de Contornos Ferroviários no Corredor Mercosul -

Leia mais

ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI

ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI 1 FERNANDO DA MATTA MACHADO ORGANIZADOR (Organização, introdução e notas) ESTRADA DE FERRO BAHIA E MINAS RELATÓRIOS DE PEDRO VERSIANI Fotografia de Pedro Versiani, com retoques de Ivens Guida Copyright

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

PROJETO: TRENS TURÍSTICOS 3) HORÁRIOS FICTIVOS: SÃO FRANCISCO DO SUL - MAFRA ÍDA VOLTA

PROJETO: TRENS TURÍSTICOS 3) HORÁRIOS FICTIVOS: SÃO FRANCISCO DO SUL - MAFRA ÍDA VOLTA PROJETO: TRENS TURÍSTICOS (Tabela 3) HORÁRIOS FICTIVOS: SÃO FRANCISCO DO SUL - MAFRA Carga Carga Tur Tur Tur Carga Tur Carga Tipo de trem Tur Carga Tur Tur Carga Tur Carga Carga ALL ALL 1 3 4 ALL 5 ALL

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL Prof. Clésio 1 MOBILIDADE DAS FORNTEIRAS Tratado de Tordesilhas (1494) 2.800.000 km² Trecho oriental da América do Sul Brasil atual 8.514.876,5 km² 47,3% da superfície

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003

AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003 AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003 AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO DA ANUT I

Leia mais

Grãos Combustíve is - 420 285,26 679 6.214 1.861,91 300 2.297 1.231,66 536 - - 2.035 689,06 339 - - 3.262 1.269,48 389 4.981 1.

Grãos Combustíve is - 420 285,26 679 6.214 1.861,91 300 2.297 1.231,66 536 - - 2.035 689,06 339 - - 3.262 1.269,48 389 4.981 1. INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MAIO/99 Nº 34 Ferrovias: Privatização e Regulação A implantação das ferrovias no Brasil foi iniciada em meados do século passado pelo Barão de

Leia mais

Categoria: Construção de Ferrovia

Categoria: Construção de Ferrovia Projeto 015 : Construção do contorno ferroviário de São Francisco do Sul E2 Ferroviária LOCALIZAÇÃO: São Francisco do Sul - SC INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

N O V E E S C O L H A S

N O V E E S C O L H A S comissão turismo Brasil Sul NOVE ESCOLHAS Nove escolhas. Um destino encantador em cada roteiro no sul do Brasil. Escolha um mar azul, um cânion, uma cidade de outro tempo ou as capitais mais modernas da

Leia mais

EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157

EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157 EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157 10 EFVM ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS 10.1 Informações Gerais da Ferrovia A Companhia Vale do Rio Doce - CVRD recebeu em 27/06/97, por meio de contrato firmado

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica )

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Simulação de Manutenção de Material Rodante e Via Permanente Simulação de CCO e Condução de Trens e Locomotivas

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste 1 APRESENTAÇÃO O objetivo deste pequeno texto é fornecer alguma informação sobre locomotivas

Leia mais

A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010

A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010 A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010 Agenda Ferrovia Centro-Atlântica Visão Geral da FCA FCA na Bahia: - Transporte - Estações de Alagoinhas - Imóveis e áreas em Juazeiro - Iniciativas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ASSINATURA DO EDITAL DA LINHA VERMELHA

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS O TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS Sander Magalhães Lacerda 1 1. INTRODUÇÃO O primeiro contrato de financiamento realizado pelo BNDES, em 1952, destinou recursos para a Estrada de Ferro Central do Brasil,

Leia mais

Oficina de vagões em Sorocaba

Oficina de vagões em Sorocaba Oficina de vagões em Sorocaba (SP) é tombada pelo patrimônio histórico Imóveis podem se tornar pontos turísticos, como a estação ferroviária. Empresa que administra a ferrovia desativou complexo para reestruturação.

Leia mais

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS MRS Logística Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio Famasul SENAR Claudenildo dos Santos Chaves 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS A MRS e sua malha 2 2 MRS Uma Visão Geral Alguns fatos

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA INDÚSTRIA CATARINENSE Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES Agência Reguladora de Transportes Terrestres Áreas de Atuação da ANTT Exploração da infraestrutura ferroviária Transporte ferroviário de cargas e passageiros

Leia mais

Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira

Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira «BANCO DA BEIRA» Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira A cidade da Beira, capital da província de Sofala, em Moçambique, celebrou no dia 20 de agosto o seu aniversário de ser elevada

Leia mais

Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA

Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA Logística da Vale Pilares estratégicos Investimentos Sistema Logístico Vale A CVRD oferece serviços de logística integrada

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Inventariança da extinta Rede Ferroviária Federal S.A

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Inventariança da extinta Rede Ferroviária Federal S.A Comissão de Inventário Portaria nº 09/2007 TERMO DE TRANSFERÊNCIA - BENS MÓVEIS E IMÓVEIS OPERACIONAIS - DNIT 009. Bens Móveis e Imóveis - documental e demais informações relativas ao inventário ALL Of.

Leia mais

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS 114 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho teve como escopo o estudo da eficiência energética na EFC. Analisar a eficiência energética em uma ferrovia traz muitos benefícios, já que se trata de um

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

Belo Horizonte, 30 de novembro de 2012

Belo Horizonte, 30 de novembro de 2012 Belo Horizonte, 30 de novembro de 2012 JUSTIFICATIVA AUMENTO DA CIDADE SEM PLANEJAMENTO (ESPALHAMENTO URBANO) USO QUASE EXCLUSIVO DO MODO RODOVIÁRIO PARA O TRANSPORTE PÚBLICO AUMENTO DA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução?

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Secretaria dos Transportes Planejamento de Transportes SECRETARIA DOS TRANSPORTES set/2008 Tráfego de Carga e Passageiros na Malha

Leia mais

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases Agenda Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases 1 Logística no no Brasil EUA Market Share Market Share 16% 14% 30% 40% Rodoviário Ferroviário Hidroviário Outros Argentina

Leia mais

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11 TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E Em atenção à solicitação de autorização para construção de Travessia Subterrânea ou Apoio, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 4 de abril de 2013 ABIFER, há 35 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes DNIT Investimentos do Governo Federal no Estado do Rio Grande do Sul Rodovias Palestrante: Hideraldo Luiz Caron Diretor de Infra-estrutura Rodoviária do DNIT Outubro/2008 2 PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO 6 Prêmio ANTF de Fotografia - 2011

REGULAMENTO 6 Prêmio ANTF de Fotografia - 2011 REGULAMENTO 6 Prêmio ANTF de Fotografia - 2011 1. Objetivo: O 6º Prêmio ANTF de Fotografia tem como objetivo mostrar o desenvolvimento do setor ferroviário de carga brasileiro através de imagens expressivas

Leia mais

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Paraná

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Paraná Ministério dos s Curitiba/ (Bacacheri) - Infraero Curitiba/ (Bacacheri) - Infraero Construção/Melhorias Planejado 1.269 N.A. Pós 2015 Curitiba/ (Internacional Afonso Pena) - Infraero Curitiba/ (Internacional

Leia mais

EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA

EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA EE-T4 OGUM O BLINDADO LEVE DA ENGESA Na segunda metade dos anos 80 a ENGESA Engenheiros Especializados S/A apresentou um veículo blindado leve, sobre lagartas, projetado para possuir grande flexibilidade

Leia mais

SISTEMA FERROVIÁRIO DE SANTA CATARINA FERROVIA LITORÂNEA e CORREDOR FERROVIÁRIO DE SC

SISTEMA FERROVIÁRIO DE SANTA CATARINA FERROVIA LITORÂNEA e CORREDOR FERROVIÁRIO DE SC SISTEMA FERROVIÁRIO DE SANTA CATARINA FERROVIA LITORÂNEA e CORREDOR FERROVIÁRIO DE SC FASES DOS PROJETOS O PROJETO Nas últimas décadas, diversas foram as iniciativas de implantação de um sistema ferroviário

Leia mais

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em:

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em: Modal Dutoviário O modal dutoviário é o único dos modais existentes que transporta exclusivamente cargas. Ele é composto por dutos, (uma espécie de tubulação) que são as vias por onde são movimentadas

Leia mais

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Apesar da pompa dos dizeres Patrimônio Histórico Cultural, prédio parece, na verdade, um imóvel abandonado ao tempo. (Foto: Celso Ribeiro)

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4525/2005-6 Ano Orçamento: 2005 UF: PR Nome do PT: Recuperação de Trechos Rodoviários - Divisa

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA RESTAURAÇÃO/RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA NAS RODOVIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 06 de novembro de 2012

Leia mais

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC ARTIGO Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC Cassio Miranda¹, Eggo Pinheiro¹, Francinaldo Santos¹, Joel Saraiva², Theo Laguna³ 1 Departamento de Automação e Telecomunicações,

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA:

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA: Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 08 de julho de 2008. TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA: Inovação Tecnológica e a Importância da Infra-Estrutura Câmara dos Deputados: Seminário Propostas

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Introdução A Vale é a empresa que mais investe em logística no Brasil. Ao longo dos anos, temos trabalhado para aprimorar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 1 TRANSPORTE NO BRASIL Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 2 1 ROTEIRO GERAL DA PALESTRA 1) Função Transporte e Eficiência; 2) Considerações

Leia mais

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires A Recuperação de Empresas e a Falência no Brasil Mirella da Costa Andreola Diretora

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) O Patrimônio Líquido PL é composto pelos subgrupos Capital Social,

Leia mais

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Sede Monárquica Água e Esgoto As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Em 12 de agosto de 1834, o Rio de Janeiro foi designado município neutro, por ato adicional à Constituição

Leia mais

O METRÔ DO SÉCULO XXI

O METRÔ DO SÉCULO XXI O METRÔ DO SÉCULO XXI setembro / 2006 Histórico I nício de atividade: março de 1979 Privatização da operação: abril de 1998 Principais dados operacionais Linha 1: Extensão de 13,9 km, 16 trens de 6 carros

Leia mais

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1. RESULTADOS GERAIS No novo ciclo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entre 2015 e 2018, serão investidos de R$ 1,05 trilhão. Nesse período,

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL Eixo Mercosul Chile Eixo Brasil Paraguai Bolívia Peru - Chile IIRSA Integração da Infra-estrutura Regional na

Leia mais

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 1 GASES DE EFEITO ESTUFA Fonte: Cetesb / Fiesp 2 GEE POR SETOR Fonte: Cetesb / Fiesp 3 EMISSÕES

Leia mais

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006 17 nov 2006 Nº 20 Os rumos dos investimentos em infra-estrutura Por Ernani Teixeira Torres Filho e Fernando Pimentel Puga Superintendente da Secr. Assuntos Econômicos e assessor da presidência A pesquisa

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 Pela 1ª vez o setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 20% no número de

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: SP Nome do programa de trabalho: Implantação do Sistema de Trens Urbanos no Estado de São Paulo

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3.1.1. SÍNTESE DO PROJETO AÇÃO METRÓPOLE Como o 1.º projeto do sistema

Leia mais

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG Curitiba, 21 de novembro de 2011 ESTRUTURA DESTA APRESENTAÇÃO background referencial teórico para a precificação

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 25 Programa de Auditoria Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 25.1 INTRODUÇÃO O presente programa consolida-se como instrumento para aferição

Leia mais

Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas do Transporte Ferroviário de Cargas Relatório Final

Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas do Transporte Ferroviário de Cargas Relatório Final Superintendência de Estudos e Pesquisas Núcleo de Meio Ambiente 1º Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas do Transporte Ferroviário de Cargas Relatório Final Agência Nacional de Transportes Terrestres

Leia mais

Perspectivas de projetos de túneis, na malha federal de

Perspectivas de projetos de túneis, na malha federal de Perspectivas de projetos de túneis, na malha federal de infraestrutura de transportes Eloi Angelo Palma Filho Engº Civil, M. Eng. Coordenador-Geral de Construção Rodoviária DNIT eloi.palma@dnit.gov.br

Leia mais

A roda: a maior invenção tecnológica

A roda: a maior invenção tecnológica A roda: a maior invenção tecnológica A roda parece ter sido inventada, há cerca de 6000 anos, na Mesopotâmia. Foi uma invenção de importância extraordinária, não só porque promoveu uma revolução no campo

Leia mais

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO SUMÁRIO DO PROJETO Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção

Leia mais

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 PALESTRA TÉCNICA Superestrutura Ferroviária Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO II - A MALHA FERROVIÁRIA DO BRASIL III - MANUAL BÁSICO DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA IV - SUPERESTRUTURA

Leia mais

Demanda de túneis no projeto do TAV - Trem de Alta Velocidade Rio de Janeiro/RJ - Campinas/SP

Demanda de túneis no projeto do TAV - Trem de Alta Velocidade Rio de Janeiro/RJ - Campinas/SP Demanda de túneis no projeto do TAV - Trem de Alta Velocidade Rio de Janeiro/RJ - Campinas/SP Eloi Angelo Palma Filho Engº Civil, M. Eng. eloi.palma@epl.gov.br www.epl.gov.br/tav TAV Trem de Alta Velocidade

Leia mais

Pesquisa Rodoviária CNT 2002. Relatório Gerencial

Pesquisa Rodoviária CNT 2002. Relatório Gerencial Pesquisa Rodoviária CNT 2002 Relatório Gerencial APRESENTAÇÃO A Pesquisa Rodoviária CNT que este ano entra em sua sétima edição é o mais importante balizador da sociedade brasileira para planejar, investir,

Leia mais

Ministério dos Transportes A INFRAESTRUTURA PARA GRANDES EVENTOS NO BRASIL: RIO + 20 COPA DO MUNDO EM 2014 JOGOS OLÍMPICOS EM 2016

Ministério dos Transportes A INFRAESTRUTURA PARA GRANDES EVENTOS NO BRASIL: RIO + 20 COPA DO MUNDO EM 2014 JOGOS OLÍMPICOS EM 2016 Ministério dos Transportes A INFRAESTRUTURA PARA GRANDES EVENTOS NO BRASIL: RIO + 20 COPA DO MUNDO EM 2014 JOGOS OLÍMPICOS EM 2016 Brasília/DF, 2 de dezembro de 2010 Ligações entre as cidades-sede Rodovias

Leia mais

Mercado Brasileiro de Vagões de Carga

Mercado Brasileiro de Vagões de Carga Mercado Brasileiro de Vagões de Carga Investimentos Usiminas Mecânica A) Modernização e Ampliação da Fundição ü Investimento de R$ 53 milhões; ü Instalação de moderna linha de moldagem automatizada; ü

Leia mais

Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti

Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti PONTES TRENS TIPO DE PROJETO AP-02 Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti Abril/2004 TREM TIPO DE PROJETO (EVOLUÇÃO DOS TRENS TIPO DE PROJETO DAS NORMAS BRASILEIRAS).1. PERÍODO DE 1943 a 1960 No período

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras Hotel das Paineiras - Varanda Hotel das Paineiras Em janeiro de 1882, o Imperador D. Pedro II Unidos. Nesse dia, o imperador Pedro II e da Estrada de Ferro do Corcovado. O prédio concedeu aos engenheiros

Leia mais