Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO"

Transcrição

1

2 Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

3 O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL?

4 O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL? Variação na Temperatura da Superfície da Terra nos Últimos 140 anos Fonte: Intergovernamental Panel on Climate Change - IPCC

5 CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL Causas naturais + antropogênicas

6 IPCC, Primeiro Relatório de Avaliação (1990): "O tamanho desse aquecimento é amplamente consistente com previsões de modelos climáticos, mas também é da mesma magnitude que a variabilidade climática natural. Portanto, a elevação observada pode ser, largamente, devida a esta variabilidade natural; alternativamente, essa variabilidade e outros fatores humanos podem ter compensado um efeito estufa, ainda maior, induzido pelo ser humano. A detecção inequívoca de um efeito estufa intensificado não será provável antes de uma década, ou mais".

7 IPCC, Quarto Relatório de Avaliação (2007): O aquecimento do sistema climático é inequívoco, pois é evidente em observações do aumentos nas temperaturas globais do ar e do oceano, derretimento da neve e gelo e aumento do nível médio do mar

8 IPCC, Quarto Relatório de Avaliação (2007): "A maior parte da elevação observada nas temperaturas médias globais desde meados do século 20, é muito provavelmente devida à elevação antropogênica (causada pelo homem) observada nas concentrações de gases do efeito estufa (...). O amplo aquecimento observado na Virtualmente certo > 99% Extremamente provável > 95% Muito provável> 90% Provável> 66% Mais provável que não> 50% Improvável< 33% Muito improvável< 10% Extremamente improvável < 5% atmosfera e oceano, juntamente com a perda da massa de gelo, apóia a conclusão de que é extremamente improvável que a mudança climática global nos últimos 50 anos possa ser explicada sem uma força externa, e muito provavelmente isso não se deve, apenas, a causas naturais".

9 GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE S) ATIVIDADES ANTRÓPICAS GÁS CAUSADOR DE EFEITO ESTUFA POTENCIAL DE AQUECIMENTO GLOBAL CO 2 1 CH 4 21 GERAÇÃO DE ENERGIA AGRICULTURA PROCESSOS INDUSTRIAIS RESÍDUOS N 2 O 310 HFC VPCF SF

10 IMPACTOS DO AQUECIMENTO GLOBAL Custos de eventos climáticos extremos Fonte: IPCC, Climate Change 2001

11 PRINCIPAIS PAÍSES EMISSORES DE GEE Emissão de GEE em Tg de CO 2 equivalente, sem atividades florestais TOTAL: EUA CE China Japão India Fonte: UNFCCC

12 PRINCIPAIS PAÍSES EMISSORES DE GEE Emissão de GEE em Tg de CO2 equivalente, com atividades florestais EUA CE China BRASIL Japão Fonte: UNFCCC

13 Fonte: MCT - CIMC PERFIL DAS EMISSÕES DE CO2 NO BRASIL (1994)

14 Fonte: MCT - CIMC PERFIL DAS EMISSÕES DE CH 4 NO BRASIL (1994)

15 Fonte: MCT - CIMC PERFIL DAS EMISSÕES DE N 2 O NO BRASIL (1994)

16 A RESPOSTA INTERNACIONAL

17 PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS - IPCC Criação: 1988, PNUMA (Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente) e OMM (Organização Mundial de Metereologia). Objetivo: Levantamento das informações disponíveis relacionadas à mudança do clima; Assessoria científica, técnica e sócio-econômica à Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, quando solicitada.

18 CONVENÇÃO-QUADRO DA ONU SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Criação: 1992, Convenção mundial da ONU sobre meio ambiente e desenvolvimento, Rio de Janeiro, Brasil. Objetivo: Estabilizar a emissão de gases causadores de efeito estufa a um nível que previna a interferência humana danosa na estabilidade do sistema climático do planeta. Princípio: Responsabilidade comum, porém diferenciada.

19

20 CONVENÇÃO-QUADRO DA ONU SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Mecanismo jurídico de atuação: Tratados-quadro: instrumentos jurídicos conexos que, articulados, são capazes de atender um corpo definido de direitos e obrigações; Conferência das Partes (COP): COP 3 KYOTO/1997 COP 6 Haia/2000 COP 7 Marrakesh/2001 Acordo de Marrakesh COP 8 Nova Déli/2002 COP 9 Milão/2003: definições de regras para florestamento e reflorestamento COP 10 Argentina / 2004 COP 11, COP/MOP 1 Montreal / 2005 COP 12, COP/MOP 2 Nairóbi / 2006 COP 13 Bali / 2007

21 PROTOCOLO DE KYOTO COP 3, KYOTO, Japão, Dezembro de 1997: Acordo que estabelece meta de redução na emissão de gases causadores de efeito estufa para os países desenvolvidos em 5,2% abaixo do nível observado no ano-base (1990): 55 países e 55% do total de emissões (Anexo I) Primeiro período de compromisso: Em vigor desde 16 de fevereiro de 2005 Mecanismos de flexibilização: Comércio de emissões (Emission trade) Particular compra de Particular Implementação conjunta (Join implementation) Estado/Estado Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL (ANEXO I p/ Não ANEXO I)

22 O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO - MDL

23 OBJETIVO Assistir aos países desenvolvidos para que atendam seus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões, de acordo com a meta estipulada no próprio Protocolo. Assistir os países em desenvolvimento na busca do desenvolvimento sustentável FUNCIONAMENTO O MDL permite o desenvolvimento de projetos localizados em países em desenvolvimento que resultem em reduções de emissão. Essas reduções serão transformadas em reduções certificadas de emissão RCE ( créditos de carbono ) que podem ser utilizados pelos países anexo I para o cumprimento de suas obrigações de redução de emissões

24 DURAÇÃO O primeiro período de compromisso é de 2008 a Nesse período os países participantes devem comprovar a redução no nível de geração de GEE a 5,2% do nível observado no ano base (1990) Segundo período de compromisso (pós 2012): possível POTENCIAL PARA PROJETOS Basicamente, é possível desenvolver um projeto de MDL em todos os setores onde for possível determinar uma ATIVIDADE que reduza ou remova gases causadores de efeito estufa ATIVIDADE DE PROJETO Atividade integrante de um empreendimento candidato ao MDL que proporcione redução da emissão de gases de efeito estufa ou o aumento da remoção de CO2

25 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO SETORES DE ATUAÇÃO DO MDL: Setor 1. Geração de energia (renovável e não-renovável) Setor 2. Distribuição de energia Setor 3. Demanda de energia (projetos de eficiência e conservação de energia) Setor 4. Indústrias de produção Setor 5. Indústrias químicas Setor 6. Construção Setor 7. Transporte Setor 8. Mineração e produção de minerais Setor 9. Produção de metais Setor 10. Emissões de gases fugitivos de combustíveis Setor 11. Emisões de gases fugitivos na produção e consumo de halocarbonos e hexafluorido de enxofre Setor 12. Uso de solventes Setor 13. Gestão e tratamento de resíduos Setor 14. Reflorestamento e florestamento Setor 15. Agricultura

26 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO ELIGIBILIDADE O projeto é elegível para o MDL quando atender aos requisitos listados pelo protocolo de Kyoto: Gerar benefícios reais, mensuráveis, de longo prazo e relacionados à mitigação da mudança do clima; Contribuir para o desenvolvimento sustentável do país no qual a atividade venha a ser implementada; Reduções adicionais às que ocorreriam na ausência da atividade do projeto. (ADICIONALIDADE)

27 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO ADICIONALIDADE Diferença na concentração atmosférica de CO 2 quando comparado à linha de base; que a atividade de projeto irá gerar, Linha de base Cenário que representa, de forma razoável, as emissões antrópicas de gases de efeito estufa que ocorreriam na ausência da atividade de projeto proposta É o principal critério para determinação da elegibilidade de um projeto de MDL, representa o próprio conceito de funcionamento do Mecanismo; Deve ser objeto de uma verificação detalhada para sua determinação, imprescindível para a continuidade do projeto.

28 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO ADICIONALIDADE Remoções de CO 2 no projeto RCE 500 Remoções de CO 2 na linha de base

29 ADICIONALIDADE Onde: ADICIONALIDADE = RR LB - F RR = Concentração de gases causadores de efeito estufa decorrente da implantação da atividade de projeto LB = Concentração de gases causadores de efeito estufa na linha de base F = Fugas: aumento da emissão de gases fora dos limites do projeto Fuga (leakage) Aumento de emissões de gases efeito estufa que ocorre fora do limite da atividade de projeto de MDL que, ao mesmo tempo, seja mensurável e atribuível à essa atividade de projeto

30 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CATEGORIAS: Redução no nível de emissões de gases causadores de efeito estufa: Atividades que tem mostrado viabilidade no BRASIL: a) Energia de Biomassa; b) Captura e queima de metano em aterros sanitários; c) Substituição de coque mineral por carvão vegetal na siderurgia; d) Geração de energia elétrica a partir de fontes alternativas; e) Pequenas centrais hidrelétricas. Período de crédito: a) 7 anos, com possibilidade de duas renovações; ou b) 10 anos.

31 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CATEGORIAS: Remoção e fixação do CO2 atmosférico ( seqüestro de carbono ): Atividades elegíveis: para o primeiro período de compromisso, apenas atividades de florestamento e reflorestamento; Período de crédito: a) 20 anos, com possibilidade de duas renovações; ou b) 30 anos. Perspectiva da inclusão de novas atividades nos demais períodos de compromisso; (FLORESTAS NATIVAS)

32 DECISÃO 11 da COP 7 Florestamento Conversão de terreno que não foi floresta, por um período de pelo menos 50 anos, para floresta, através da plantação, semeadura, ou promoção induzida pelo homem de fontes naturais de sementes. Reflorestamento Conversão de terreno não florestal para terreno florestal, em terrenos outrora cobertos por florestas, que não continham floresta desde 31 de dezembro Floresta Área mínima de 0,05 1,0 ha, com cobertura de copa de mais de por cento, com árvores com potencial de altura mínima de 2 5 metros.

33 O CICLO DE PROJETOS DE MDL

34 INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS CONF. DAS PARTES Estabelece regras e decisões aplicáveis COMITÊ EXECUTIVO DO MDL - Supervisão do MDL - Credencia as EOD - Registro dos Projetos - Emissão das RCE s - Metodologias - Validação - Verificação - Certificação ENTIDADE OPERACIONA L DESIGNADA COMISSÃO INTERMINIST. DE MUDANÇA GLOBAL DO CLIMA Aprovação no Brasil PROJETO DE MDL

35 FASES, ATIVIDADES, INSTITUIÇÕES (5) Monitoramento VOCÊS!! (1) Elaboração do Doc. de Concepção do Projeto (2) Validação ENTIDADE OPERACIONAL DESIGNADA (6) Verificação / Certificação (3) Aprovação GOVERNO NACIONAL (4) Registro COMITÊ EXECUTIVO (7) Emissão ATIVIDADE REGISTRADA JUNTO AO CE RCE s Fonte: UNFCCC

36 CUSTOS E CRONOGRAMA DE CADA FASE Fim da implementação Preparação e análise prévia Análise de viabilidade técnica e econômica: R$ 25 mil (1) PDD, etc R$ 130 mil Auditoria de Verificação R$ 10 mil/ano (2) Auditoria de validação R$ 25 mil (3) Aprovação nacional Início do Crédito Monitoramento: R$ 15 mil/ano Fonte: Banco Mundial, adaptado. ATIVIDADE REGISTRADA JUNTO AO CE (4) Registro Custos diversos durante 1-4: Consultas, viagens, contatos, elaboração da documentação legal: R$ 50 mil

37 AUDITORIA DE VALIDAÇÃO FASE 1: REV. DOCUMENTACIONAL FASE 2: ENTREVISTAS FASE 3: RELAT. PRELIMINAR FASE 4: RELAT. FINAL PROPONENTE DO PROJETO ENVIO DOCUMENTAÇÃO DA ESCLARECIMENTOS LOGÍSTICA ESCLARECIMENTOS AÇÕES CORRETIVAS EOD VERIF. PRELIM. IDENTIF. RISCOS ASSOCIADOS COM OS PARÂMETROS E DADOS USADOS LISTA DE QUESTÕES A SEREM AVALIDAS DURANTE AS ENTREVISTAS ENTREVISTAS COM STAKEHOLDERS RELEVANTES VERSÃO PRELIMINAR DO RELATÓRIO PADRÃO PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE VALIDAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE REGISTRO STAKEHOLDERS COMENTÁRIOS DOS STAKEHOLDERS, PERÍODO DE 30 DIAS APROVAÇÃO DO PAÍS SEDE PAÍS SEDE E PAÍSES DO ANEXO 1 PODEM SOLICITAR REVISÃO POR 8 SEMANAS SEMANA 1 SEMANA 6 SEMANA 8 SEMANA 13

38 IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES DE PROJETO E ESTUDO PRÉVIO DE VIABILIDADE

39 Setores de atividade de projetos qualificáveis para o MDL São INELEGÍVEIS as seguintes atividades: A - Conservação florestal e qualquer mudança no uso da terra e floresta que não seja florestamento e reflorestamento; B Energia nuclear; C - Geração não sustentável de energia proveniente de recursos de biomassa; D - Centrais Hidrelétricas de capacidade instalada superior a 30 MW ou com reservatórios de dimensões superiores a 3,0 km2. Excepcionalmente, serão considerados elegíveis os projetos de centrais hidrelétricas que apresentarem densidade de potência instalada igual ou superior a 10 W /m2.

40 São ELEGÍVEIS prioritariamente: - eficiência energética no uso final (conservação de energia), em suas diversas formas e nos diversos setores, como o de transportes, a indústria, etc.; - eficiência energética na expansão da oferta de energia, incluindo a redução de perdas na cadeia de produção, transporte e armazenamento de energia (por exemplo, a redução de emissões fugitivas na produção e transporte de gás natural); - suprimento de serviços energéticos através de energia renovável ou do uso de gás natural em substituição de combustíveis fósseis com maior teor de carbono; - aproveitamento energético das emissões de metano (CH4) provenientes da disposição de resíduos;

41 - redução nas emissões de GEE no setor industrial (por exemplo, redução de N2O das indústrias químicas ou de PFC s na produção de alumínio); - florestamento e reflorestamento a longo-prazo, objetivando a expansão da base florestal para o fornecimento de insumos industriais, o florestamento urbano ou a recuperação de áreas degradadas, abandonadas ou desmatadas. A garantia de sustentabilidade destes setores de atividades deve ser assegurada por órgãos certificadores nacionais ou estrangeiros de reputação internacional, favorecendo assim, a biodiversidade e a definição de uma proporção de floresta nativa por área de floresta plantada. - redução nas emissões de GEE provenientes da fermentação entérica de rebanhos.

42 AS ATIVIDADES PROPOSTAS SÃO DE PLANTIO? SIM NÃO NÃO ELEGÍVEL A VEGETAÇÃO DAS ÁREAS É CONSIDERADA FLORESTA PELA AND? NÃO ELEGÍVEL SIM SIM DESDE QUE ANO AS ÁREAS NÃO CONTINHAM FLORESTAS? REFLORESTAMENTO: 31/12/1989 NÃO ELEGÍVEL CONTINHAM FLORESTAS APÓS 31/12/1989? FLORESTAMENTO A PELO MENOS 50 ANOS NÃO CONTINHAM FLORESTAS APÓS 31/12/1989 ATIVIDADE É ADICIONAL? NÃO NÃO ELEGÍVEL SIM O PROJETO ATENDE AO DESENLV. SUST. DA REGIÃO? NÃO ELEGÍVEL SIM ELEGÍVEL

43 Passo 0. Classificação preliminar referente à data de início da atividade de projeto. Passo 1. Identificação de alternativas para as atividades de projeto consistentes com a legislação corrente e regulamentação local. Passo 2. Análise de investimento Passo 3. Análise de Barreiras Passo 4. Análise de Práticas Comuns Passo 5. Impacto do registro do MDL A ATIVIDADE DE PROJETO É ADICIONAL

44 O ciclo do projeto de MDL, desde a elaboração do documento até a geração das Reduções Certificadas de Emissão, envolve diversas fases e a participação de algumas instituições, como a aprovação por parte do governo federal, as auditorias feitas por empresas especializadas, além da análise pública. CUSTO X BENEFÍCIO DA EXPOSIÇÃO PÚBLICA DA EMPRESA

45 MERCADO DE CARBONO

46 Segundo dados do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), em 7 de abril de 2008, um total de 3219 projetos encontrava-se em alguma fase do ciclo de projetos, sendo que 982 registrados pelo Conselho Executivo do MDL e em outras fases do ciclo. O Brasil ocupa o 3º lugar em número de atividades de projetos, com 280 projetos (9%), sendo que 127 estão registrados pelo Conselho Executivo do MDL. China e Índia, são os primeiros com 1110 e 901 projetos, respectivamente. Total de Atividades de Projeto do MDL no Mundo (Total: 3219 projetos) Fonte: MCT - abril de 2008

47 Em termos de reduções de emissões projetadas o Brasil também ocupa o 3º lugar, sendo responsável pela redução de aproximadamente 281 milhões de t CO2e (6% do total mundial). A China ocupa o 1º lugar com 49% do total mundial, seguida pela Índia com 23%. Reduções de Emissões para o Primeiro Período de Obtenção de Créditos (Total: milhões de t CO2e)

48 A figura 3 apresenta a contribuição global dos gases de efeito estufa reduzidos pelas atividades de projeto no âmbito do MDL desenvolvidas no Brasil. Nota-se que o gás carbônico (CO2) é atualmente o mais relevante, seguido pelo metano (CH4) e pelo óxido nitroso (N2O), respectivamente. Figura 3: Distribuição das atividades de projeto brasileiros por tipo de gás de efeito estufa (Total: 280 projetos)

49 Os escopos setoriais que mais atraem o interesse dos participantes de projetos. A predominância das atividades de projeto está no setor energético. Figura:distribuição das atividades de projeto no Brasil por escopo setorial (Total: 280 projetos)

50 A figura apresenta a capacidade total instalada das atividades de projetos no âmbito do MDL aprovadas pela Comissão Interministerial (CIMGC). Mostra também, a distribuição dessas áreas energéticas. Figura: Capacidade instalada (MW) das atividades de projeto de MDL aprovados na CIMGC

51 A figura apresenta a distribuição por Estado das atividades de projeto no âmbito do MDL. A figura mostra que a região Sudeste predomina em número de projetos devido à posição dos Estados de São Paulo e Minas Gerais, com 22% e 13%, respectivamente. Figura : Distribuição das atividades de projeto no Brasil por Estado (Total: 280 projetos

52 NEGOCIAÇÃO DOS CRÉDITOS Circular do Banco Central nº 3.291/2005; Previsão de um Código para a realização de operações de câmbio com natureza de Serviços Diversos Créditos de Carbono Podem as operações serem cursadas diretamente junto aos bancos autorizados a operar no mercado de câmbio; Registro de Projetos de MDL em Bancos de Projetos: BM&F no Brasil; Bancos de Projetos de Países do ANEXO I.

53 CHICAGO CLIMATE EXCHANGE CCX O QUE É A CCX? A Bolsa do Clima de Chicago (Chicago Climate Exchange - CCX) é uma instituição auto-regulamentada, responsável pela administração de um programa de redução e negociação de emissões de gases de efeito estufa na América do Norte, com a participação de fornecedores de créditos (offset providers) do Brasil. QUEM PARTICIPA? Empresas interessadas em participar da CCX devem ter sua aprovação previamente autorizada pela Bolsa. Em geral, exigese que a empresa candidata seja uma empresa de larga escala, de tradição no mercado e com uma política de atuação definida face a critérios de sustentabilidade ambiental.

54 Fonte: CCX CHICAGO CLIMATE EXCHANGE - CCX

55 CHICAGO CLIMATE EXCHANGE - CCX OBRIGAÇÕES DOS MEMBROS PRIMEIRA FASE ( ) Reduzir as emissões de GEE em 1% ao ano em relação à média de ; Aqueles que reduzem suas emissões além da meta podem vender o crédito excedente dentro da bolsa para aqueles que não atingiram as metas. SEGUNDA FASE ( ) Reduzir as emissões de GEE em 1,2% ao ano.

56 CHICAGO CLIMATE EXCHANGE - CCX CATEGORIAS DE PROJETOS ELEGÍVEIS i. Destruição de metano; ii. iii. iv. Práticas agrícolas; Práticas florestais; Outras formas de mitigação da emissão de GEE no Brasil; v. Energia renovável; vi. Projetos elegíveis ao MDL.

57 CHICAGO CLIMATE EXCHANGE - CCX OUTRAS CARACTERÍSTICAS Independe de aprovação governamental; Ciclo dos projetos é simples: 120 dias entre a apresentação e aprovação; Preço da tonelada de carbono pago pela CCX é inferior ao valor pago pelo MDL. Porém, nos últimos meses, esse valor, que até pouco tempo oscilava entre US$ 1,0 e US$ 1,5, cresceu bastante e atualmente está em US$ 4,0.

58 ALGUNS SITES ÚTEIS

59 Não nos iludamos: se o modelo de desenvolvimento global não for repensado, crescem os riscos de uma catástrofe ambiental e humana sem precedentes Extraído do discurso do Presidente Lula na ONU, no dia 24/09/2007.

60 Apresentação GUILHERME DALLACOSTA Advogado OAB/SC Especialista em Direito do Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela UFCG/PB

61

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO-

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Magno Castelo Branco magno@iniciativaverde.org.br As florestas no âmbito do MDL -Definição das Modalidades e Procedimentos relacionados

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC

Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 2014 1 2 Sobre a CIMGC Em 09 de maio de 1992, na cidade de Nova York, a Organização das Nações Unidas aprovou o texto

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA

MUDANÇA DO CLIMA INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA MUDANÇA DO CLIMA Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA O efeito estufa constitui um fenômeno natural pelo qual parte da energia solar que incide sobre o

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS 5º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA Curitiba, PR, Agosto de 2010 Marcelo Schmid NOVEMBRO / 2008 marcelo@ideiaambiental.org.br MERCADO DE

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO

RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO RELATÓRIO AMBIENTAL DE NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO Descrição Emissões de CO2 Evento: C3 Drive and Fun Experience Local: Aldeia da Serra - São Paulo Data: 31 de agosto de 2013 Inventário de Emissões de GEE**

Leia mais

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Visão Global da ArcelorMittal A M Planos Longos Inox

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Política Internacional de Mudanças Climáticas

Política Internacional de Mudanças Climáticas Política Internacional de Mudanças Climáticas Olaf Zerbock Com materiais de: Laura Ledwith Pennypacker (CI Center for Conservation in Government-CCG) Conteúdo - Estrutura da UNFCCC (Convenção- Quadro das

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões Carlos Alberto Widonsck O Protocolo de Quioto (1997) Define diretrizes para estimular a redução de emissões de gases de efeito estufa; Países Desenvolvidos (Anexo

Leia mais

FIESP MUDANÇA DO CLIMA

FIESP MUDANÇA DO CLIMA MUDANÇA DO CLIMA Posicionamento FIESP Posicionamento FIESP para a COP16 A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), representante do maior parque industrial brasileiro, tem acompanhado atentamente

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

Thelma Krug thelma@dir.iai.int. Workshop: Propostas Metodológicas para Projetos de Sequestro de Carbono por Florestas Nativas

Thelma Krug thelma@dir.iai.int. Workshop: Propostas Metodológicas para Projetos de Sequestro de Carbono por Florestas Nativas Resoluções e Decisões Técnicas com Relação ao Uso da Terra, Mudança no Uso da Terra Florestamento/Reflorestamento no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Thelma Krug thelma@dir.iai.int Workshop: Propostas

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

METODOLOGIAS A CAMPANHA INTERNACIONAL DO ICLEI - CIDADES PELA PROTEÇÃO DO CLIMA TM - CCP. Ação Local. Ação Local

METODOLOGIAS A CAMPANHA INTERNACIONAL DO ICLEI - CIDADES PELA PROTEÇÃO DO CLIMA TM - CCP. Ação Local. Ação Local METODOLOGIAS A CAMPANHA INTERNACIONAL DO ICLEI - CIDADES PELA PROTEÇÃO DO CLIMA TM - CCP Laura Valente S. de Macedo Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade laura.valente@iclei.org

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

BRA/07/002 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

BRA/07/002 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO-GERAL DE MUDANÇAS GLOBAIS DE CLIMA PROCESSO SELETIVO 23/2014 Projeto PNUD BRA/07/002

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS

GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS Thiago Roque Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Global Environment Department Junho 2010 1 CONTEÚDO Mercado Global de carbono Drivers de mercado Governança

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA 1 FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA O BRASIL E AS PERSPECTIVAS NO MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO STÉFANE RIBEIRO DE MOURA Monografia de Conclusão do Curso apresentada à Faculdade

Leia mais

A Floresta no Fundo Português de Carbono

A Floresta no Fundo Português de Carbono A Floresta no Fundo Português de Carbono Paulo Canaveira Workshop Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais Contributos para uma Economia Verde em Portugal 29 de Fevereiro de 2012 MAMAOT Sala Polivalente,

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA

ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA UMA DISCUSSÃO SOBRE A ESTRUTURA DA NORMA ISO 14064 E SUA APLICAÇÃO GLOBAL PARA INVENTÁRIOS E PROJETOS DE GEE Agosto de 2011

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T12 Energia e Ambiente Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Dr. Eng. João Parente Efeito de estufa Aula # T12: Energia e ambiente Slide 2 of 53 Efeito de estufa

Leia mais

V Seminário Ética Sustentabilidade e Energia MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Maio/2015 08/06/2016 1

V Seminário Ética Sustentabilidade e Energia MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Maio/2015 08/06/2016 1 V Seminário Ética Sustentabilidade e Energia MUDANÇAS CLIMÁTICAS Maio/2015 1 Alícia Amancio"A COP 21 simbolizou um momento histórico para a humanidade, mas a sociedade civil será a responsável pela grande

Leia mais

A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima

A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima Workshop de Adaptação às Mudanças Climáticas e os desafios da gestão

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

1) Mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e o mercado de carbono

1) Mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e o mercado de carbono Experiências do Setor Privado no Reflorestamento Ambiental e na Obtenção de Crédito de Carbono O caso PLANTAR PLANTAR CARBON Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Guarapari, 16 de setembro

Leia mais

Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM Artigos 9 ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM MARCELO THEOTO ROCHA Engenheiro Agrônomo Doutor

Leia mais

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

Relatório de Validação

Relatório de Validação Relatório de Validação AgCert International PLC VALIDAÇÃO DO PROJETO - MDL: PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE METANO SMDA BR07- S -34, BAHIA, ESPIRITO SANTO, MINAS GERAIS e SÃO PAULO, BRASIL RELATÓRIO N. 949525

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável FBDS

Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável FBDS Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável FBDS F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L FBDS Um Diferencial na Abordagem do Desenvolvimento

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

- Resultados da COP 21 - indc brasileira

- Resultados da COP 21 - indc brasileira - Resultados da COP 21 - indc brasileira Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Resultados

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009 Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro Enase 2009 Objetivo: agregar todos segmentos do setor elétrico, geradores de todas fontes, transmissores, distribuidores e consumidores para discutir e apresentar

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau Proposta de investimento em Inovação e Sustentabilidade: Planta Piloto de Bio-refinaria Jirau Soluções para uso de madeira de SVA 8 de junho de 2016 CONTEÚDO Capítulo 1 YPIRA: Integração dos setores de

Leia mais

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Relatório Final Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Maio 2010 FBDS-Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Eng. Álvaro

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008 SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável São Paulo, 04 de junho de 2008 SUSTENTABILIDADE X DEMANDAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO 2 Matriz Energética

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

BIOGÁS: FONTE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E POTENCIAL ENERGÉTICO. O mundo está em constante movimento. Chegamos ao século XXI a pleno vapor e

BIOGÁS: FONTE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E POTENCIAL ENERGÉTICO. O mundo está em constante movimento. Chegamos ao século XXI a pleno vapor e BIOGÁS: FONTE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E POTENCIAL ENERGÉTICO Danielle Limiro Advogada e Consultora Ambiental da Renaldo Limiro Advogados Associados S/S; Mestranda em Ecologia e Produção Sustentável

Leia mais

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO ALMEIDA, Ana Jéssica Rodrigues 1 BARBOSA, José Carlos 2 CASSIN, Elisangela

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

Seção 1: Solicitação de registro

Seção 1: Solicitação de registro U K. A R 6. C D M. V a l i d a t i o n Q u e s t ã o 1 Seção 1: Solicitação de registro F-MDL-REG Registro de Atividade de Projeto de MDL e Formulário do Relatório de Validação (Ao enviar este formulário,

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Política de mudanças climáticas. Versão resumida

Política de mudanças climáticas. Versão resumida Política de mudanças climáticas Versão resumida 29/06/2015 objetivo A política de Mudanças Climáticas da Oi visa estabelecer o direcionamento estratégico e orientar as decisões relativas à temática da

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson

Leia mais

Mudanças Climáticas e a atuação dos Organismos Internacionais

Mudanças Climáticas e a atuação dos Organismos Internacionais Responsabilidade Social e Meio Ambiente Tema 2: Panorama mundial e nacional - mudanças climáticas e a atuação dos organismos internacionais Autores: João Luiz de Moraes Hoëffel e Nayra de Moraes Gonçalves

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Nº I Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Comunicado Técnico GEMUC/DPED/FEAM Os Comunicados Técnicos da Gerência de Energia

Leia mais

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Apresentação 1 Aquecimento Global 2 Controle

Leia mais

Seção 1: Solicitação de registro

Seção 1: Solicitação de registro Registro de Atividade de Projeto de MDL e Formulário do Relatório de Validação (Ao enviar este formulário, a Entidade Operacional Designada confirma que a atividade de projeto de MDL proposta atende a

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Cosmeticos SA 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 20/04/2010

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2011 (Do Sr. SANDES JUNIOR)

PROJETO DE LEI No, DE 2011 (Do Sr. SANDES JUNIOR) PROJETO DE LEI No, DE 2011 (Do Sr. SANDES JUNIOR) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal, que tem como objetivo reduzir as emissões

Leia mais

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D.

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Sales Estiveram reunidos nas duas últimas semanas em Paris,

Leia mais

Fontes energéticas e impacto ambiental

Fontes energéticas e impacto ambiental Fontes energéticas e impacto ambiental 1- INTRODUÇÃO: Aquecimento global - Projeção + 1 1990-2035 + 2 2035-2100 + 2,5-3 C em 110 anos Era do gelo até hoje: + 6 C Ano CONSEQÜÊNCIAS do AUMENTO do EFEITO

Leia mais

Desenvolvendo o componente de carbono: atividades do projeto, linhas de base e monitoramento

Desenvolvendo o componente de carbono: atividades do projeto, linhas de base e monitoramento Desenvolvendo o componente de carbono: atividades do projeto, linhas de base e monitoramento Celia A. Harvey e Olaf Zerbock Climate Change Initiatives, RPD Carbon (t C/ha) 125 100 75 50 Com materiais adaptados

Leia mais