RELATÓRIO DAS ATIVIDADES LABORATORIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DAS ATIVIDADES LABORATORIAS"

Transcrição

1 NOME DA ATIVIDADE LABORATORIAL: 1.2. UM CICLO DE COBRE Será possível reciclar uma substância usando processos químicos com rendimento 100%? OBJETIVOS: Entender a possibilidade de reciclar um metal por processos químicos com rendimento de 100% concluindo acerca da eficácia do processo. INTRODUÇAO TEÓRICA: Face à questão problema colocada propõe-se a realização das reações que constituem o ciclo de cobre. Este ciclo inicia-se com o cobre no estado elementar e por várias reações pretendese separar os vários componentes de compostos de cobre voltando a obter cobre no estado elementar no final. E Cu A CuSO 4 Cu(NO 3 ) 2 D B CuO C Cu(HO) 2 Ao longo do trabalho experimental é fundamental reconhecer as alterações reacionais em todas as etapas do ciclo de cobre para confirmar a existência ou não de reação química que permita concluir acerca da existência de certos elementos ligados ao cobre e que reagem na presença de certas substâncias. NOTA: as reações químicas podem facilmente identificadas quando ocorre mudança de cor, variação da temperatura, libertação de gás, formação de um precipitado, formação de chama ou carbonização de uma substância.

2 Durante esta atividade laboratorial é importantíssima a identificação das espécies químicas envolvidas em cada uma das etapas de modo a concluir acerca do estado da amostra antes e depois de uma determinada etapa do ciclo de cobre. A etapa A corresponde à formação de um composto, por exemplo, uma indústria que recorre ao cobre para produzir um composto. Este composto quando deixa de ser útil poderá ser reciclado, sendo assim as etapas B, C, D e E correspondem ao processo de reciclagem do cobre de modo que se possa reutilizar esse metal. No caso apresentado corresponde à recuperação do cobre (Cu) que se encontra no nitrato de cobre (Cu (NO3)2). O objetivo será não só averiguar os processos necessários para a reciclagem mas também concluir acerca do rendimento da reação. Será portanto importante comparar a massa de cobre esperada no fim do processo com a que se obterá realmente, bem como a ponderação dos custos energéticos e de recursos necessários à reciclagem deste composto. A atividade laboratorial pressupõe a utilização de reagentes que requerem cuidados de segurança bastante importantes, daí ser da máxima importância a leitura e analise das simbologias/informações de perigo dos rótulos dos reagentes. Como o cuidado com o meio ambiente é cada vez mais considerado um problema de caráter mundial e pessoal, é necessário minimizar a utilização dos reagentes potencialmente perigosos para o meio ambiente, deste modo a realização da atividade laboratorial será em microescala, minimizando assim os custos e a utilização dos reagentes. MATERIAL: Balão volumétrico (100mL) Gobelé (250mL) Erlenmeyer com rolha (250mL) Pipetas de beral e suporte Pipetas conta-gotas Pipetas de 5mL Placa de aquecimento Tubos de ensaio e suporte Vareta de vidro Vidro de relógio

3 REAGENTES: Água desionizada Álcool etílico Ácido clorídrico (HCl) (HCl) = 3 mol dm -3 Ácido nítrico (HNO3) (HNO3) = 70% (m/m) ou 15 mol dm -3 Ácido sulfúrico (H2SO4) (H2SO4) = 6 mol dm -3 Nitrato de cobre (Cu (NO3)2) (Cu (NO3)2) = 1 mol dm.3 Hidróxido de sódio (NaHO) Fio de cobre (NaHO) = 2 mol dm -3 Zinco metálico pulverizado (Zn em pó) PROCEDIMENTO: PONTO DE PARTIDA: COBRE METÁLICO 1. Cortar um fio de cobre de modo a obter uma amostra com cerca de 0.3g, mergulhar numa solução de ácido clorídrico, lavar com álcool e secar com papel. 2. Pesar a amostra a registar o valor da massa efetivamente medida. 3. Enrolar o fio e coloca-lo no fundo de um erlenmeyer de 250ml. REAÇÃO A: Cu (s) + 2HNO3 (aq) Cu(NO3)2 (aq) + H2O (l) 1. Adicionar na hotte 4.0ml de HNO3 concentrado e tapar o erlenmeyer. 2. Agitar suavemente até à dissolução completa do fio de cobre. 3. Observar e registar as alterações. 4. Transferir a solução para um balão volumétrico de 100ml e proceder a várias lavagens do ernlenmeyer com água e perfazer o volume do balão volumétrico com água.

4 REAÇÃO B: Cu(NO3)2 (aq) + 2NaHO (aq) Cu(HO)2 (aq) + 2NaNO3 (aq) 1. Transferir com uma pipeta 5ml da solução de Cu(NO3)2 (aq) para um tubo de ensaio. 2. Adicionar, gota a gota, a solução de NaHO recorrendo a uma pipeta de berall, agitando se necessário com uma vareta de vidro, para precipitar Cu(HO)2 ate não haver formação de mais precipitado. 3. Registar todas as observações. REAÇÃO C: Cu(HO)2 (s) CuO (s) + H2O (l) 1. Aquecer, em banho-maria, quase até à ebulição, a solução contida no tubo de ensaio, agitando sempre para uniformizar o seu aquecimento Quando a reação estiver completa, retirar do aquecimento e arrefecer o tubo de ensaio em água corrente Deixar a repousar o sólido e retirar o liquido sobrenadante com o auxilio de uma pipeta ou por decantação Proceder à lavagem do solido com 3 a 4ml de água desionizada, agitar e decantar mais uma vez (ou centrifugar).

5 REAÇÃO D: CuO (s) + H2So4 CuSO4 (aq) + H2O (l) 1. Adicionar ao sólido (CuO (s)), gota a gota, a solução de H2SO4 recorrendo a uma pipeta de beral até dissolver todo o sólido. 2. Registar as alterações. 3. Transferir a solução de CuSO4 (aq)para um tubo de ensaio. REAÇÃO E: CuSo4 (aq) + Zn(s) Cu(s) + ZnSo4 (aq) 1. Adicionar de um só vez cerca de 0.3g de zinco em pó, agitando até ao líquido sobrenadante ficar incolor (se necessário adicionar um pouco mais de zinco). NOTA: Se for adicionado Zn que não reagiu adicionar, gota a gota, uma solução de HCl. 2. Registar as observações. 1. Quando não se observar mais libertação de gás, decantar o liquido. 2. Lavar o sólido com cerca de 3 a 4ml de água desionizada e decantar novamente o líquido. Repetir este procedimento pelo menos mais duas vezes. 3. Pesar o sólido e com a ajuda de uma vareta de vidro policia, transferir o sólido (Cu) para um vidro de relógio. 4. Colocar o vidro de relógio em uma estufa (secar na estuda) e controlar a temperatura. 5. Pesar novamente e registar para posterior cálculo de rendimento.

6 RESULTADOS EXPERIMENTAIS: Observações: (A): Cu(s) + 4HNO3(aq) Cu(NO3)2(aq) + 2H2O(l) + 2NO2(g) Reação de oxidação-redução: - a realização do procedimento adjacente a esta reacção foi executada na hotte, devido à libertação de vapores tóxicos (NO2); - após a adição de 4,0 ml de HNO3 concentrado, a solução adquiriu uma coloração amarela, e junto aos fios de cobre uma coloração verde. Os gases (NO2) tornaram-se castanhos. - após a dissolução, o produto resultante (Cu(NO3)2) ficou azul esverdeado (claro); - adicionámos directamente 100 ml de água desionizada ao erlenmeyer e não num balão volumétrico como diz o protocolo, para evitar ao máximo os desperdícios e para colocar como reagentes em excesso todos menos o cobre que deverá ser o nosso reagente limitante; - após esta adição de água desionizada a solução tornou-se azul mais clara (formação de um ião complexo sendo a água a responsável por este tom mais claro); Notas: Adicionou-se o ácido nítrico (HNO3) e não outro ácido porque é o único que possui poder oxidante superior ao do cobre (Cu) e por isso é o único que o consegue oxidar, sendo este o principal objectivo nesta etapa. Por outro lado ao libertar-se os gases de dióxido de azoto (NO2) provenientes da reação com este ácido, fornece-se uma maior extensão à reacção, uma vez que esta vai evoluindo, segundo o Princípio de Le Châtelier, no sentido direto (sentido da formação do produto). (B): Cu(NO3)2(aq) + 2NaOH(aq) Cu(OH)2(s) + 2NaNO3(aq) Reação de precipitação ou de permuta iónica: - não utilizámos tubo de ensaio como sugere o protocolo, continuando a conter a solução no erlenmeyer, porque assim não se iria conseguir obter uma massa de cobre final suficiente à pesagem. - adicionámos 30 ml de NaHO (reagente em excesso) com a ajuda de uma proveta, até que todo o cobre reagisse;

7 - após esta adição a solução adotou uma cor azul mais intensa; - no final da colocação dos 30 ml de NaHO na nossa solução, adicionámos mais uma gotinhas deste reagente para verificar se todo o cobre já tinha reagido, isto é, se já se tinha todo precipitado e convertido em hidróxido de cobre. Pois pela não mudança de cor da solução para azul mais escura ao caírem os iões de NaHO conclui-se que o cobre já tinha então todo reagido. (C): Cu(OH)2(s) CuO(s) + H2O(l) por aquecimento Reação de decomposição térmica: - deviamos ter realizado o banho térmico como sugere o protocolo, de modo a uniformizar o aquecimento. Mas pela falta de tempo realizámos diretamente o aquecimento, colocando o erlenmeyer sobre a manta de aquecimento; - ao longo do aquecimento para o uniformizar fomos agitando a solução com a ajuda de luvas específicas; - com este aquecimento, a solução foi adotando ao longo do tempo um tom azul mais escuro (quase negro) e numa parte mais terminal um tom esverdeado, tendo ocorrido sempre a libertação de gases; - no final do aquecimento (imediatamente antes da solução entrar em ebulição), a solução possuía uma cor aproximadamente preta; - nesta etapa do procedimento ocorreu a conversão do hidróxido de cobre II em óxido de cobre II (sólido). - para aumentar a rapidez de arrefecimento colocámos água a correr sobre o erlenmeyer e de seguida deixámos depositar o sólido; - após a deposição do sólido realizámos a decantação, extraindo o líquido sobrenadante (um pouco perigoso); seguidamente lavámos duas vezes o sólido com 30/40 ml de água destilada de cada vez, de modo a lavar as paredes do balão e a minimizar os desperdícios; - nas decantações apesar de todo o cuidado (repouso), devido à falta de tempo houve desperdício, tendo passado algum sólido para o líquido decantado, nomeadamente aquele que se encontrava em suspensão neste líquido. Isto irá afetar o rendimento.

8 (D): CuO(s) + H2SO4(aq) CuSO4(aq) + H2O(l) Reação ácido-base: - adicionámos o ácido sulfúrico com a pipeta de Beral inicialmente cheia (3mL); - agitámos e a solução adquiriu uma cor verde/incolor; - posteriormente voltámos a adicionar, agora gota a gota, um pouco mais de ácido (continuando a agitar), até a solução ficar completamente incolor e posteriormente azul clarinha. (E): CuSO4(s) + Zn(s) Cu(s) + ZnSO4(aq) Reação oxidação-redução: (Zn(s) + HCl(aq) ZnCl(aq) + H2(g)) - pesámos 0,39g de zinco pulverizado, utilizando máscara uma vez que este afeta os pulmões, e adicionámo-lo de uma só vez à solução; - fomos adicionando mais um pouco deste tipo de zinco (cerca de 1,3 g) até a solução ficar incolor, o que significa que todo o cobre já estava reduzido, sendo este o objectivo último. Massa total de zinco adicionado: 0,39+1,3=1,69g - seguidamente adicionámos na hotte gota a gota HCl concentrado à solução (foi concentrado porque na solução está presente bastante líquido sobrenadante capaz de diluir o ácido), de modo a eliminar a possível existência ainda de zinco por reagir. Pois devido aos potenciais padrão de redução do cobre e do zinco escolheu-se este ácido porque é aquele que só interfere com o zinco e não com o cobre, sendo este o objetivo. - a cada adição de gota verificámos a libertação de gás hidrogénio (H2); - deixámos de adicionar o ácido quando se deixou de visualizar a libertação de mais gás; - decantámos líquido sobrenadante e colocámos o depósito de cobre num vidro de relógio previamente pesado; Nesta decantação foi impossível não decantar o sólido em suspensão, e

9 na passagem do sólido para o vidro de relógio foi impossível evitar os desperdícios e os resíduos agarrados ao erlenmeyer. Tudo isto irá afetar o rendimento. - limpámos o sólido adicionando acetona para tentar remover o mais possível os resíduos de cobre do erlenmeyer. Esta (acetona) ao ser bastante volátil vai evaporar rapidamente facilitando a secagem na estufa e ao possuir a capacidade de agarrar a água vai arrastar essa água que ainda se encontra no sólido para fora deste. - o depósito de cobre do vidro de relógio antes de ir à estuda apresentava uma cor vermelha acastanhada (cobrial); -demos conta de que algumas partículas do depósito possuíam uma cor acinzentada, o que poderá ser zinco e o que provavelmente irá afetar o rendimento, aumentando-o.

10 CÁLCULO E TRATAMENTO DE RESUTADOS: Cálculo do rendimento

11 CONCLUSAO E AVALIAÇAO CRITICA:

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gustavo Henrique Branco VAZ¹; Vássia Carvalho SOARES²; ¹Estudante

Leia mais

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA 1. REAGENTES Reagentes - Solução

Leia mais

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

Leia mais

Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins

Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins Titulo do video: O princípio de Le Chatlier Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins Professor responsável: Dina Albino Contactos: e-mail - f188@esjd.pt

Leia mais

Preparação de Soluções

Preparação de Soluções Colégio Paulo VI Preparação de Soluções TÉCNICAS LABORATORIAIS DE QUÍMICA I Ana Filipa Sousa nº2 10ºA Abril 2002 2 ÍNDICE Nomenclatura 4 1. Introdução x 2. Teoria e Método x 3. Material x 4. Produtos x

Leia mais

Colégio João Paulo I

Colégio João Paulo I Colégio João Paulo I Laboratório de Química Roteiros de aulas práticas I Prof.: Cristiano Alfredo Rupp 1 Índice: NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Pág. 3 EQUIPAMENTOS E VIDRARIAS MAIS UTILIZADOS

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Química SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 27/11/2003 Objectivo do Trabalho O objectivo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração. Preparação 250 ml de uma solução aquosa de dicromato de

Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração. Preparação 250 ml de uma solução aquosa de dicromato de Físico Química A Relatório da actividade prático - laboratorial Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração 0,02 dm -3, cujo soluto foi dicromato de potássio e Preparação 250 ml de uma solução

Leia mais

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres 1. MÉTODO Titulométrico (Método Eynon Lane) 2. PRINCÍPIO Os açúcares redutores reagem com os íons cúpricos da solução de Fehling, reduzindo-se a íons cuprosos, sob a ação do calor em meio alcalino. Ao

Leia mais

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA SÍNTESES Francisco Roque, nº9 11ºA OBJECTIVOS A- Produzir sinteticamente sulfato de magnésio (MgSO 4 ) através da reacção entre ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) e carbonato de magnésio (MgCO 3 ). B- Sintetizar

Leia mais

Experimento 01 Testes para carboidratos

Experimento 01 Testes para carboidratos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Experimento 01 Testes para carboidratos Carboidratos são desidratados quando tratados com ácidos

Leia mais

Determinação de açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em produtos lácteos por oxidimetria

Determinação de açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em produtos lácteos por oxidimetria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em amostras de leite e derivados por titulometria de oxidação (método

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico de Laboratório / Área: Química Que massa de sulfato de cobre pentahidratado é necessária para se preparar 500 ml de uma solução 1,0 x 10-2 mol L -1 de cobre?

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES 2. SOLUÇÕES I. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas de dois ou mais componentes, sendo que estes estão misturados uniformemente em nível molecular. Em nosso cotidiano temos diversos exemplos de

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE Método de ensaio L9.226 MAR/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...1 4 Execução

Leia mais

Final 5 de Maio de 2012

Final 5 de Maio de 2012 Final 5 de Maio de 2012 Prova Prática Nome:.... Escola:....... Total Classificação prática universidade de aveiro departamento de química Síntese de um complexo de ferro(iii) com oxalato e determinação

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Camila Cheker Brandão RQ Substituta Análise crítica: Rosana Aparecida de Freitas RQ Aprovação: Zelita de Oliveira Lopes Brasil RT 1. Objetivo Descrever

Leia mais

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 0975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 9.341.583/0001-04 IE 8.846.190 Fone: (0xx1) 501-1998; Fax: (0xx1) 41-1354 www.energetica.ind.br METODO PARA A DETERMINACAO

Leia mais

SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto

SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto 1- DESCRIÇÃO O SurTec 722-B é um processo com abrilhantador especialmente formulado para produzir depósitos brilhantes e uniformes em banhos de zinco a

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais? A

Leia mais

N-1591 REV. E SET / 2004 LIGAS METÁLICAS E METAIS - IDENTIFICAÇÃO ATRAVÉS DE TESTES PELO IMÃ E POR PONTOS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27

N-1591 REV. E SET / 2004 LIGAS METÁLICAS E METAIS - IDENTIFICAÇÃO ATRAVÉS DE TESTES PELO IMÃ E POR PONTOS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27 LIGAS METÁLICAS E METAIS - IDENTIFICAÇÃO ATRAVÉS DE TESTES PELO IMÃ E POR PONTOS Método de Ensaio Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação

Leia mais

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa.

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Professor responsável: Michel Andrade Félix Pimenta Escola: Básica

Leia mais

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de cloretos ou cloretos em NaCl de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O ensaio fundamenta-se na reação do nitrato de prata com

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas 1. Introdução Propriedades Coligativas Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 1. É aconselhável o uso da bata e de sapatos fechados. 2. Mantenha o laboratório e sua bancada sempre limpa e livre

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido.

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido. Lei de Hess 1. Introdução Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 4ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2008 / 2009 ANO 2 N. º NOME: TURMA: B CLASSIFICAÇÃO Devido ao crescimento da população

Leia mais

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio.

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio. Sumário Correção do TPC. Soluto, solvente e solução. Composição qualitativa e quantitativa de soluções concentração de uma solução. saturadas. Exercícios de aplicação. Ficha de Trabalho Soluto, solvente

Leia mais

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS Escola Secundária D. Maria II Professora de Física e Química A Responsável pelos Laboratórios de Física e Química A Maria Lucinda Moreira

Leia mais

Manual de segurança no laboratório

Manual de segurança no laboratório 1 - Para iniciar os trabalhos! Deves ler atentamente as instruções das actividades experimentais antes de as relizares. Sempre que tiveres dúvidas sobre as actividades experimentais deves consultar o teu

Leia mais

Anexo II Capítulo 5. ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite)

Anexo II Capítulo 5. ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite) 80 Anexo II Capítulo 5 ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite) (Créditos: Mariza Sobreira de Mendonza Sessa) 1.1 DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ

Leia mais

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus FeSO 4.7H 2 O 278,01 06404.02-0 Fe 55,85 Sulfato ferroso heptaidratado Contém, no mínimo, 98,0% e, no máximo, 105,0% de FeSO 4.7H 2 O. DESCRIÇÃO

Leia mais

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS INTRODUÇÃO Os α-aminoácidos fundamentais utilizados pelas células para a biosíntese das proteínas apresentam características estruturais diferentes.

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica 1.Que significa dizer que a capacidade térmica mássica do alumínio é 900 Jkg 1 K 1? 2.Se fornecermos a mesma quantidade de energia

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência 1- DESCRIÇÃO Alta eficiência de corrente, larga faixa de deposição; Catalisador livre de fluoretos, não ataca o metal base; Depósitos brilhantes, duros e microfissurados

Leia mais

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1 Página : 1 Página : 2 Página : 3 Página : 4 Almofariz e Pistilo: Aparelho usado na trituração e pulverização de sólidos. Anel ou Argola: Empregado como suporte do funil de filtração simples ou do funil

Leia mais

4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes

4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes 21 4. Preparação de soluções diluídas de ácidos e bases fortes 1 Objetivos O propósito deste experimento é o da preparação de uma solução aquosa diluída de um ácido forte, pelo método da diluição de soluções

Leia mais

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Purificação do Éter Etílico Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Solventes orgânicos possuem diferentes graus de pureza; Em alguns casos, pode-se utilizar solventes com pequenas

Leia mais

Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos

Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos Unidade Curricular de Química Geral e Inorgânica Relatório do Trabalho Laboratorial n.º 6 Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos Elaborado por: Diana Patrícia Reis Cunha Jéssica Lopes Figueiredo Turma

Leia mais

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Universidade de São Paulo Instituto de Química Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Larissa Ciccotti São Paulo 2010 A disciplina Química das Águas (QFL 3201) contou com cinco aulas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE UNIVERSAL DOS GASES, R.

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE UNIVERSAL DOS GASES, R. DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE UNIVERSAL DOS GASES, R. Aula 2 META Conhecer um pouco sobre estequiometria, reatividade de metais com ácido e como utilizar desses conceitos para determinar a constante universal

Leia mais

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÕES A PARTIR DE UM SOLUTO SÓLIDO

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÕES A PARTIR DE UM SOLUTO SÓLIDO pág. 1 de 5 ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 10.º Ano PREPARAÇÃO DE SOLUÇÕES A PARTIR DE UM SOLUTO SÓLIDO O que se pretende 1 Seleccionar material adequado à preparação de uma solução. 2 Descrever o procedimento

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

Beja com Ciência Relatório 1. Beja com Ciência

Beja com Ciência Relatório 1. Beja com Ciência Relatório Tema: Iniciação à ciência Atividade Data Horas despendidas 27/0/4 2 28/0/4 3 Regras básicas de comportamento em laboratório. 29/0/4 Saber ler e identificar os rótulos presentes em 30/0/4 5 laboratório

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

12.2.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 37/3

12.2.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 37/3 12.2.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 37/3 REGULAMENTO (CE) N. o 121/2008 DA COMISSÃO de 11 de Fevereiro de 2008 que estabelece o método de análise para a determinação do teor de amido em preparações

Leia mais

Métodos Clássicos de Separação

Métodos Clássicos de Separação Analítica V: Aula 8 Métodos Clássicos de Separação ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan Plano

Leia mais

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra LISTA 1 NÍVEL 1 01. (UEMA) Das três fases de uma substância, a que possui menor energia cinética é a fase, cuja característica é apresentar. Os termos que preenchem corretamente as lacunas são: a) Sólida

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks Título do Vídeo: Blood Crystals Saramago On the Rocks Nome dos participantes: Ana Margarida Pedro Braz (E-mail: anabraz96@gmail.com) Catarina Isabel Santos Andrade (E-mail: catarina_smile@hotmail.com)

Leia mais

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1. Comportamento dos gases Ao se examinar o comportamento experimental

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Efeitos da composição em temperaturas de fusão e de ebulição Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

Guia do Professor. Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise!

Guia do Professor. Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise! Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo da Eletrólise! O vídeo Eletrólise faz parte do Programa A Química nossa de cada dia, Foi produzido

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO Método de ensaio L9.233 DEZ/90 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Sensibilidade do método...1 3 Principio do método...1

Leia mais

Principal material de laboratório e a sua função Balão de Erlenmeyer/matrás Gobelé/copo Balão de fundo plano Proveta Balão volumétrico Caixa de Petri Kitasato Balão de destilação Vidro de relógio Tubos

Leia mais

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS MISTURAS SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma mistura. Exemplos: Mistura de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA OLIMIPÍADA BARSILEIRA DE QUÍMICA JR 2011 FASE II Olimpíada Brasileira de Química Júnior Fase II QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 01 Os moradores de um bairro organizaram uma campanha sobre coleta seletiva

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR

Leia mais

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS 95 ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS Questão 01) Uma maneira de proteger estruturas metálicas da corrosão em ambientes úmidos é ligá-las eletricamente a metais com potenciais de oxidação maiores do que o do metal

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Alguns testes para identificação de enterobactérias

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Alguns testes para identificação de enterobactérias Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra MICROBIOLOGIA António Verissimo Paula Morais Alguns testes para identificação de enterobactérias A família Enterobacteriaceae inclui bactérias Gram (-),

Leia mais

UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNULLI CLÉGI E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 A glicose, C 6 6, é uma das fontes de energia mais importantes para os organismos vivos. A levedura, por exemplo, responsável

Leia mais

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda Título do Vídeo: Redox Fotogénica Nome dos participantes: João Ribeiro,12CT3 João Paulo Fernandes, 12CT3 Pedro Faria,12CT3 Sandra Durães,12CT3 Sara Neves, 12CT3 Professor responsável: Fátima Sarmento,

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido PREPARO DE SOLUÇÕES Uma solução, no sentido amplo, é uma dispersão homogênea de duas ou mais substâncias moleculares ou iônicas. No âmbito mais restrito, as dispersões que apresentam as partículas do disperso

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2007 > Prof. Agamenon Roberto 1º ANO EXPERIÊNCIAS 2 1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA OBJETIVO: Mostrar como

Leia mais

Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2.

Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2. UNESP/2011/1 Instrução: Leia o texto para responder as questões de números 1 e 2. Não basta matar a sede. Tem de ter grife Existem cerca de 3 mil marcas de água no mundo, mas só um punhado delas faz parte

Leia mais

3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico

3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico 78 3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico 3.4.1 Material Necessário 01 Calorímetro com capacidade de 230 ml 01 termômetro -10 o C a 110 o C 01 proveta de 150 ml 01 lamparina a álcool. 01 caixa de fósforos.

Leia mais

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Chemistry for Life, Chemistry for better Life Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Generalidades - Você tem 5 horas para completar o exame. Administre bem o tempo. O experimento 1 (10 pontos) deve

Leia mais

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria. 2 Fundamentos O principal objetivo

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

De acordo com as suas propriedades químicas, os hidrocarbonetos dividem-se em três sub-

De acordo com as suas propriedades químicas, os hidrocarbonetos dividem-se em três sub- TRABAL PRÁTIC Nº6 IDENTIFICAÇÃ DE GRUPS FUNCINAIS INTRDUÇÃ idrocarbonetos são compostos que contêm apenas os elementos carbono e hidrogénio. De acordo com as suas propriedades químicas, os hidrocarbonetos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

Reacções com substâncias no estado gasoso

Reacções com substâncias no estado gasoso Reacções com substâncias no estado gasoso 1 - Introdução Quando o ensino da Química não navegava em fantasias, começava-se pelo estudo das substâncias simples que nos rodeiam, o ar e a água. Preparava-se

Leia mais

Ciências Físico-Químicas. 8º Ano. Tema: Ácido-base. Actividade prática

Ciências Físico-Químicas. 8º Ano. Tema: Ácido-base. Actividade prática Ciências Físico-Químicas 8º Ano Tema: Ácido-base Actividade prática Protocolo interactivo As cores no Laboratório de Química Nome: Turma: Data: 1ªFase Qual será o carácter químico de materiais comuns?

Leia mais

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A Questão 76 O hidrogênio natural é encontrado na forma de três isótopos de números de massa, 1, 2 e 3, respectivamente: 1 1 H, 2 1 H e 3 1 H As tabelas periódicas trazem o valor 1,008 para a sua massa atômica,

Leia mais

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL O Capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, destaca os benefícios de alguns micróbios examinando diversos meios e métodos para podermos utilizá-los em nosso benefício. Através da actividade fabricar iogurte,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL TÉCNICAS ANALÍTICAS Profa. Dra. Márcia Justino Rossini Mutton FCAV/UNESP Departamento de Tecnologia 1

Leia mais