Infrastructure in Brazil Tax Aspects

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infrastructure in Brazil Tax Aspects"

Transcrição

1 Infrastructure in Brazil Tax Aspects Luiz Felipe Ferraz Glaucia Frascino

2 ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS ADMINISTRADAS PELA RFB ACUMULADA DE 12 MESES (A PREÇOS DE JULHO/10 - IPCA) R$ BILHÕES jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 Source: Brazilian Federal Revenue Service

3 UNIDADE: R$ MILHÕES ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS PERÍODO: JANEIRO A JULHO /2009 (A PREÇOS DE JULHO/10 - IPCA) RECEITAS 2010 [A] 2009 [B] [A]-[B] [A]/[B] TOTAL ,22% COFINS / PIS-PASEP ,76% RECEITA PREVIDENCIÁRIA ,17% IOF ,06% IPI (Exceto Vinculado) ,70% I.I./IPI-Vinculado ,87% CIDE-COMBUSTÍVEIS ,70% IRPF ,32% IRPJ /CSLL (643) -0,79% DEMAIS RECEITAS ADMINISTRADAS PELA RFB ,14% ADMINISTRADAS POR OUTROS ÓRGÃOS ,72% Source: Brazilian Federal Revenue Service

4 Source: Brazilian Federal Revenue Service

5 Tax Collection (No SSecurity) Decreases per Sector (A PREÇOS DE DEZEMBRO/09 - IPCA) UNIDADE: R$ MILHÕES SETOR ECONÔMICO JAN-DEZ/09 [A] ARRECADAÇÃO JAN-DEZ/08 [B] [A]-[B] DIFERENÇAS [A]/[B]% PART. % NA VARIAÇÃO TOTAL. FABR. COMÉRCIO E REPAR. DE VEÍC. AUTOMOT (10.223) (26,65) 30,84. COMBUSTÍVEIS (7.313) (18,54) 22,06. METALURGIA (5.234) (33,87) 15,79. COMÉRCIO ATACADISTA (2.590) (7,31) 7,81. FABRIC. DE EQUIP. DE INFORMÁTICA E ELETRÔNICOS (2.428) (26,98) 7,32. FABRICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS (1.919) (12,88) 5,79. FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS (1.594) (19,98) 4,81. ATIV. DE SEDES DE EMPRESAS, CONSULT. EM GESTÃO (1.059) (24,58) 3,19. TELECOMUNICAÇÕES (977) (8,44) 2,95. FABRICAÇÃO DE CELULOSE, PAPEL E PROD. DE PAPEL (909) (22,32) 2,74 SUBTOTAL [A] DEMAIS [B] TOTAL [C]=[A]+[B] (34.245) (18,97) 103, ,33 (3,30) (33.150) (6,47) 100,00 Source: Brazilian Federal Revenue Service

6 Tax Collection (No SSecurity) Increases per Sector (A PREÇOS DE DEZEMBRO/09 - IPCA) UNIDADE: R$ MILHÕES SETOR ECONÔMICO JAN-DEZ/09 [A] ARRECADAÇÃO JAN-DEZ/08 [B] [A]-[B] DIFERENÇAS [A]/[B]% PART. % NA VARIAÇÃO TOTAL. ADMIN. PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL ,55 (11,71). SEGUROS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ,91 (3,84). FABRICAÇÃO DE BEBIDAS ,22 (1,90). FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DO FUMO ,40 (1,79). OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA ,07 (1,30). ATIVIDADES DE APOIO À EXTRAÇÃO DE MINERAIS ,14 (1,09). ATIVIDADES DE RÁDIO E DE TELEVISÃO ,92 (1,05). CAPTAÇÃO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ,76 (0,90). SERV. DE ARQUIT. E ENGENHARIA ,62 (0,87). ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS ,07 (0,81) SUBTOTAL [A] DEMAIS [B] TOTAL [C]=[A]+[B] ,23 (25,27) (41.526) (9,16) 125, (33.150) (6,47) 100,00 Source: Brazilian Federal Revenue Service

7 Corporate Taxes Corporate Activity PIS 0.65% or 1.65% Cofins 3.0% or 7.6% Corporate Income Tax (IRPJ) 25% Social Contribution Tax (CSLL) 9% Transactional IPI table of rates ICMS 18% (general) ISS 2% to 5% Overall 74 taxes

8 Tax Levies Gross Revenues 100 (-) Costs (60) (=) Net Revenues 40 PIS, Cofins ICMS, IPI, ISS (+) Financial Revenues 50 (-) Financial Expenses (30) (+/-) Other revenues and expenses (20) (+/-) Non-Operating Results 10 (=) Net Profit 50 IRPJ, CSLL

9 Tax Chain Seller Abroad PIS, COFINS, II, IPI Seller Brazil PIS, COFINS, IPI Industry Customer

10 Transportation, port, energy, basic sanitation and irrigation REIDI Special Regime with Incentives for the Development of Infrastructure in Brazil Law 11,488/07 Decree 6,759/09 Normative Instruction 758/07 PIS/COFINS and PIS/COFINS-Import suspension in importation of services and new machinery, utensils, equipment and construction materials to be utilized in works in fixed assets PIS/COFINS and PIS/COFINS suspension in domestic sales of goods and services rendered in connection with such infrastructure works, for inclusion in fixed assets.

11 Ports REPORTO Tax Regime with Incentives for Modernizing and Amplifying the Port Structure Law 11,033/04 Decree 6,759/09 Normative Instruction 879/08 II, IPI, PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS Suspension in domestic sales and import of machinery, equipments, spare parts and other goods for inclusion in fixed assets, to be utilized exclusively in activities in connection with port services (e.g., load and unload services, transporting goods and dredging, and in employees training programs)

12 Aeronautical Industry RETAERO Special Regime for Brazilian Aeronautical Industry Law /10 II, IPI, PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS suspension in domestic sales or import of input to be applied in production of pieces, utensils, component parties, equipments, systems and subsystems, inputs and raw material in connection with maintenance, conservation, modernization, repairing, revision, conversion and industrialization of some types of airplanes PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS suspension in sale or import of basic industrial technology, development and technology innovation, assistance and transfer of technology destined to enterprises that are beneficiary from RETAERO

13 Oil and Natural Gas Goods for Exploitation Researches Special Regime for Exporting and Importing Goods for Exploitation Researches of Oil and Gas Decree 6.759/09 Normative Instruction 844/08 II, IPI and PIS/COFINS-Import suspension in import of some products in connection with the exploitation of oil and gas (embarkation, machinery, equipments, instruments and structures to support platforms)

14 Oil Regional Infrastructure REPENEC Special Regime of Incentives for Development of Infrastructure in the Oil Industry located in North, Midwest and Northeast Regions Law 12,249/10 II, IPI, PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS suspension in domestic sales or import of new machinery, equipments and construction materials for application in infrastructure works in North, Northeast and Midwest Regions, in petrochemical, refining oil, production of ammonia and urea from gas, for inclusion in fixed assets PIS/COFINS and PIS/COFINS-Import suspension in domestic sales or import of services destined to the above mentioned projects

15 Oil Importation REPEX Special Regime for Importing Crude Oil and Oil Products Decree 6,759/09 Normative Instruction 05/01 Federal Taxes and PIS/COFINS-Import suspension in import of crude oil and crude oil products for further exportation

16 FIFA 2014 World Cup RECOM Special Regime for Building, Amplifying, Reforming or Modernizing Soccer Fields Provisional Measure 497/10 II, IPI, PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS suspension in domestic sales or import of new machinery, instruments, equipments and construction materials to be utilized in soccer fields that will host the official soccer games of FIFA Confederations Cup 2013 and FIFA World Cup 2014 PIS/COFINS-Import and PIS/COFINS suspension in sale or import of services destined to the works in connection with such soccer fields

17 Other Incentives RECOF Regime of Industrial Warehouse Under Computerized Customs Control Taxes (legal wording) - Import of goods to be processed by domestic industry and then exported RECAP Special Regime for Acquiring Capital Assets Directed to Exporter Legal Entities Suspension of PIS/COFINS and PIS/COFINS-Import on sales or import new machine, instruments and equipments for inclusion in fixed assets REPES Special Tax Regime for Exporting Information Technology Services Suspension of PIS/COFINS and PIS/COFINS-Import in sales or import of services and new goods destined to the development of software and information technology services in the country

18

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Junho de 2014

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Junho de 2014 Junho/2014 MINISTRO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR

Leia mais

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Dezembro de 2014

Análise da Arrecadação das Receitas Federais Dezembro de 2014 Dezembro/2014 MINISTRO DA FAZENDA Joaquim Vieira Ferreira Levy SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Jorge Antonio Deher Rachid CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. CENÁRIO ATUAL DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL; 2. ENTRAVES E PROBLEMAS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO RELACIONADOS

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002

ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE 2002 MF-SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICA TRIBUTÁRIA COORDENAÇÃO DE PREVISÃO E ANÁLISE DAS RECEITAS ANÁLISE DA ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS SETEMBRO DE I. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 Objetivos da criação da RFB Financiamento do Estado e da Previdência Social Aumento da percepção de risco pelo descumprimento Estímulo ao cumprimento espontâneo

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) February 2014 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Dez

Leia mais

Em 2014, IED registra queda de 2,3%

Em 2014, IED registra queda de 2,3% São Paulo, 04 de fevereiro de 2015. Dezembro de 2014 Em 2014, IED registra queda de 2,3% O total de investimentos estrangeiros diretos (IED) que ingressou no Brasil em 2014 foi de US$ 62,5 bilhões, uma

Leia mais

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi São Paulo, 04 de novembro de 2015 SETEMBRO DE 2015 Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi Ao final do terceiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das

I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN SERVICES BALANCE* - US$ Billion I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das Microempresas e Empresas 2010

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS Pis/Pasep INSS ICMS IPI

Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS Pis/Pasep INSS ICMS IPI Anexo II Partilha do Simples Nacional - Indústria Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

SECTOR OF ACTIVIITY FOOD ENERGY COTTON BIODIESEL SOYA VEGETAL OIL CORN ETHANOL

SECTOR OF ACTIVIITY FOOD ENERGY COTTON BIODIESEL SOYA VEGETAL OIL CORN ETHANOL Results 08/15/2011 SECTOR OF ACTIVIITY FOOD ENERGY COTTON SOYA CORN BIODIESEL VEGETAL OIL ETHANOL BRAZILIAN BIODIESEL MARKET 2005 2007 Blend: up to 2% 1st Sem/08 Blend: min. 2% Jul/08 Jun/09 Blend: min.

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Raio-X dos Investimentos

Raio-X dos Investimentos Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior: Investimento líquido brasileiro no exterior foi negativo: No mês de abril de 2010 os investidores brasileiros internalizaram US$ 365 milhões. Entretanto,

Leia mais

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun 1 UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL Maria Helena Zockun Resumo O trabalho estima a parcela da atividade econômica que não declarou seu faturamento à tributação em 1996, por setor. A

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Ministro da Fazenda Guido Mantega 27 de fevereiro de 2008 1 Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

Foreign Investments and Brazilian Tax Regime

Foreign Investments and Brazilian Tax Regime Foreign Investments and Brazilian Tax Regime André Ricardo Passos May/2010 1 Agenda 1 Brazilian Macroeconomics 2 Legal Regime 3 Taxation Regime 2 Agenda 1 Brazilian Macroeconomics 3 Direct Foreign Investment

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Relatório da Receita Tributária

Relatório da Receita Tributária Relatório da Receita Tributária DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Janeiro de 2004 1 APRESENTAÇÃO E NOTAS 2 ANÁLISE DA RECEITA TRIBUTÁRIA TOTAL 4 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE

Leia mais

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP?

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP? Exercício 1 Objeto Social da Empresa "A": Elaboração de programas de computador (softwares), consultoria em tecnologia da informação, representação comercial de softwares de terceiros prontos para uso,

Leia mais

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED*

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* São Paulo, 29 de abril de 2015 Março de 2015 Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* No primeiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total

Leia mais

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Coordenadoria da Administração Tributária - CAT janeiro-2014 APRESENTAÇÃO E NOTAS ANÁLISE DA RECEITA

Leia mais

Desonerações Instituídas em 2012. RETAERO - ampliação para a indústria aeroespacial. A partir de 01/01/2013.

Desonerações Instituídas em 2012. RETAERO - ampliação para a indústria aeroespacial. A partir de 01/01/2013. 29/02/2012 Decreto 7.683 IOF 15/03/2012 Decreto 7.699 IOF 22/03/2012 Lei 12.598 544) 16 IPI, PIS, COFINS Desonerações Instituídas em 2012 Redução a zero da alíquota do IOF incidente sobre operações de

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) May 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Abr

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) September 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Ago

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2012 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) March 2014 Celulose / Pulp Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons 2013*

Leia mais

Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05)

Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05) Universidade de Brasília Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05) Rafael Henrique Rodrigues Moreira BRASÍLIA 2014 Universidade

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO O cálculo do valor devido do Simples Nacional deverá ser efetuado por meio de aplicativo específico disponível na internet. O documento único de arrecadação para

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas

Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) QUADRO I - LDO 2015 GASTOS TRIBUTÁRIOS - PROJEÇÕES 2016 - POR FUNÇÃO

Leia mais

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica Anexo I Comércio A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25 A e Anexo I) Art. 25 A. O valor devido mensalmente pela ME ou

Leia mais

www.pwc.com.br The PECEX Method

www.pwc.com.br The PECEX Method www.pwc.com.br The PECEX Method Comparison between Brazil and OECD approach Main aspects of Brazilian TP rules as compared with OCDE Guidelines: Sixth Method Few countries adopt the Sixth Method for commodities,

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA BRASILEIRA

PANORAMA DA ECONOMIA BRASILEIRA 1 PANORAMA DA ECONOMIA BRASILEIRA Guido Mantega Outubro de 2007 1 2 Novo Ciclo de Desenvolvimento Ciclo de crescimento mais sustentável que os anteriores Ciclos anteriores acumulavam: -Desequilíbrios -Distorções

Leia mais

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement Porto, 18th April 2007 Outline 1. Presentation of CEIIA

Leia mais

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Março de 2012 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Retorno do Investimento Brasileiro Direto Líquido se acentua no ano: Os dados apurados no mês de março, de US$ 5,0 bilhões, acentuaram

Leia mais

Services IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY IMPORT EXPORT UNDER ORDER IMPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS

Services IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY IMPORT EXPORT UNDER ORDER IMPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS Services IMPORT IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY UNDER ORDER IMPORT EXPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS OUTSOURCING, PROCUREMENT, PURCHASING AGENT, Import: 7 TRADEX is updated to current

Leia mais

Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01. Emenda Constitucional nº 42-19/12/03. I ENAT Salvador - 17/07/04. II ENAT São Paulo - 27/08/05

Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01. Emenda Constitucional nº 42-19/12/03. I ENAT Salvador - 17/07/04. II ENAT São Paulo - 27/08/05 SEPRORJ Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 2009 Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01 Emenda Constitucional nº 42-19/12/03 I ENAT Salvador - 17/07/04 II ENAT São Paulo - 27/08/05 III ENAT Fortaleza

Leia mais

Av. New Jersey, 279 - Arujá - SP - CEP 07400-000 Tel: +55 11 3681-0962 / Fax: +55 11 3683 4471 comercial@brasillaurent.com.br

Av. New Jersey, 279 - Arujá - SP - CEP 07400-000 Tel: +55 11 3681-0962 / Fax: +55 11 3683 4471 comercial@brasillaurent.com.br Av. New Jersey, 279 - Arujá - SP - CEP 07400-000 Tel: +55 11 3681-0962 / Fax: +55 11 3683 4471 comercial@brasillaurent.com.br A EMPRESA The Company A BRASIL LAU RENT, com um moderno parque de máquinas

Leia mais

Tabelas sinóticas. Tabela 20 - Receita tributária, por esferas de governo - 2005-2009

Tabelas sinóticas. Tabela 20 - Receita tributária, por esferas de governo - 2005-2009 (continua) 2005 726 348 489 259 195 108 41 982 Impostos ligados à produção e à importação 334 521 153 389 161 427 19 705 Impostos sobre produtos 306 544 138 987 154 111 13 447 Impostos sobre o valor adicionado

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia

Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia Reforma Tributária A Visão do Consumidor de Energia Brasília, 02 de abril de 2008 1 Visão Estratégica da Energia O papel da energia elétrica na sociedade pós-industrial é fundamental. A pressão pela redução

Leia mais

DESONERAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TAX RELIEF AIMING TO DEVELOP THE TELECOMMUNICATION SECTOR IN

DESONERAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TAX RELIEF AIMING TO DEVELOP THE TELECOMMUNICATION SECTOR IN DESONERAÇÃO TRIBUTÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL 85 TAX RELIEF AIMING TO DEVELOP THE TELECOMMUNICATION SECTOR IN BRAZIL Lucimara dos Santos D Ávila Doutoranda em Direito

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA Presidente: Ruy Martins Altenfelder Silva Vice-Presidente: Ivette Senise Ferreira FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Leia mais

5 - PARAMETROS 5A - RECEITA ARRECADADA X INDICE DE PRECOS MES ARRECADADO VARIACAO VARIACAO REESTIMATIVA 2005 REAL DE PRECO 2006

5 - PARAMETROS 5A - RECEITA ARRECADADA X INDICE DE PRECOS MES ARRECADADO VARIACAO VARIACAO REESTIMATIVA 2005 REAL DE PRECO 2006 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENACAO GERAL SUPERINTENDENCIA DE POLITICAS PUBLICAS METODOLOGIA DA RECEITA - MR EXERCICIO: 2007/2009 1 - IDENTIFICACAO DO ORGAO

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/07/2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/07/2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 06/07/2011 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de JUNHO/2011 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. Dia 07/07/2011 FGTS - Recolhimento do mês de JUNHO/2011

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5)

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5) Pension Fund Investment Strategy in Brazil Ms. Solange Vieira (Room Document N 28, Session 5) System Overview Public % Private % Total Assets ( R$ milhões) 116.895 63 68.182 37 185.077 Workers 601.514

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento. Bruno Pahl, Associate Director

E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento. Bruno Pahl, Associate Director E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento Bruno Pahl, Associate Director Agenda Panorama Geral: Porfolio de ratings da Fitch Produção real vs. Cenários da Fitch Perfomance financeira

Leia mais

2014 World Cup FIFA Brazil

2014 World Cup FIFA Brazil Copa do Mundo da FIFA 2014 Brasil 2014 World Cup FIFA Brazil JORNADAS TÉCNICAS BRASIL AS INFRAESTRUTURAS NAS CIDADES SEDE DA COPA DE FUTEBOL Evoluçãosócio-econômicado Brasil Entre as dez maiores economias

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

LOCAL Clique para CAPACITY editar os estilos OF THE do texto mestre. Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

LOCAL Clique para CAPACITY editar os estilos OF THE do texto mestre. Terceiro nível Quarto nível Quinto nível BRASIL ROUND 4 LEGAL/TAX SEMINAR AND TECHNICAL WORKSHOP LOCAL Clique para CAPACITY editar os estilos OF THE do texto mestre OIL & GAS SUPPLY-CHAIN Terceiro nível INDUSTRY - Eduardo Rappel - ONIP RIO DE

Leia mais

GERDAU. 1 o Trim. 2001

GERDAU. 1 o Trim. 2001 GERDAU Informações Relevantes 2 o Trimestre de Senhores Acionistas: O ano de iniciou-se movido pelo bom desempenho econômico brasileiro do ano anterior: forte crescimento industrial, inflação sob controle,

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS 1ª PARTE

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS 1ª PARTE OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS 1ª PARTE OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE AGOSTO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 03.08 03.08 05.08

Leia mais

Plano de Gestão Administrativa - PGA

Plano de Gestão Administrativa - PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Período: Jan/09 - Mai/15 (R$ Mil) 43.000 42.000 41.000 40.000 39.000 38.000 37.000 36.000 35.000 34.000 33.000 32.000 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO TABELAS 1) ARRECADAÇÃO MENSAL DOS TRIBUTOS (2006): Em R$ Bilhões TRIBUTOS JAN FEV MAR IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO 0,82 0,66 0,79 IPI 2,25 2,05 2,04 IMPOSTO SOBRE A RENDA 10,89

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO 4Q08 Results Conference Call Friday: March 13, 2008 Time: 12:00 p.m (Brazil) 11:00 a.m (US EDT) Phone: +1 (888) 700.0802 (USA) +1 (786) 924.6977 (other countries)

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

GANHOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE ESTOQUE POR NÍVEL DE SERVIÇO - CASE DA GE TRANSPORTATION

GANHOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE ESTOQUE POR NÍVEL DE SERVIÇO - CASE DA GE TRANSPORTATION São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 GANHOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE ESTOQUE POR NÍVEL DE SERVIÇO - CASE DA GE TRANSPORTATION Alexandre Oliveira Maria Tereza Diniz Carneiro 1 Organização Patrocínio

Leia mais

Junho/ 2013. São Paulo. Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul. Federal. São Paulo. Federal. Federal. Federal

Junho/ 2013. São Paulo. Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul. Federal. São Paulo. Federal. Federal. Federal 02 03 Junho/ 2013 ICMS Scanc Transportador Revendedor Retalhista (TRR); ICMS Scanc Importador; ICMS Scanc TRR; 04 05 06 07 10 GIA/Água Natural; IRRF; IOF; APRENDIZAGEM - NÚMERO DE MATRÍCULAS NOVAS; CPR

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15 Horários 13h30 às 15h30 11.11.15 13h30 às 15h30 SESSÃO 1: APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Sala 1 Painel Estratégias e Horários Sala 2 - Painel Políticas Públicas e Práticas Sustentáveis P1 Consumo e Produção

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Bens de consumo duradouro. Bens de consumo (100.00%) (2.58%) (80.53%) (15.69%) (1.20%) (30.20%) (4.00%) (26.20%) (35.90%) (14.90%) (17.80%) (1.

Bens de consumo duradouro. Bens de consumo (100.00%) (2.58%) (80.53%) (15.69%) (1.20%) (30.20%) (4.00%) (26.20%) (35.90%) (14.90%) (17.80%) (1. Outubro 2015 273 H.1.1 Índices de produção industrial (1) Industrial production indices (1) Corrigido dos efeitos de calendário, base 2010=100 Calendar adjusted, 2010=100 Fonte/Source: Instituto Nacional

Leia mais

Competitividade do Agronegócio Soja. Desafio da Agregação de Valor

Competitividade do Agronegócio Soja. Desafio da Agregação de Valor Competitividade do Agronegócio Soja Desafio da Agregação de Valor Reunião das Câmara Setoriais Agosto de 2013 Fabio Trigueirinho Importância do Agronegócio Soja Ano comercial 2013/2014 Safra 81,6 Processamento

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Climate Change - Coal Overview

Climate Change - Coal Overview CSLF : Capacity Building Climate Change - Coal Overview Fernando Luiz Zancan President - Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Salvador - 08 September 2008 BRAZILIAN COAL INDUSTRY Resources: 31,7

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL (SRF e INSS)

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL (SRF e INSS) AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 06/12/2011 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de NOVEMBRO/2011 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. Dia 07/12/2011 FGTS - Recolhimento do mês de NOVEMBRO/2011

Leia mais

Dimensão do Setor* O tabaco brasileiro. Sector's Dimension* 186.000. 376.000 Brazilian tobacco 739.000. R$ 4,4 bilhões* 30.000

Dimensão do Setor* O tabaco brasileiro. Sector's Dimension* 186.000. 376.000 Brazilian tobacco 739.000. R$ 4,4 bilhões* 30.000 O tabaco brasileiro A importância sócio-econômica do tabaco para a região Sul do Brasil é indiscutível. Os números do setor demonstram claramente porque o Brasil se destaca no cenário mundial, ocupando

Leia mais

Venda de tecidos tem destaque em setembro

Venda de tecidos tem destaque em setembro Venda de tecidos tem destaque em setembro setembro / 2009 Temos avaliado, mês a mês, um ritmo favorável nas vendas e no faturamento do comércio que, em alguns segmentos, assume patamares pré-crise. Neste

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil Foreign Trade Promotion for German (SMEs) in Brazil Vice-President of Marketing and Sales, German-Brazilian Chamber of Industry and Commerce Blumenau, November 20, 2007 Worldwide German Chambers Network

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais