Avaliação do índice de massa corpórea em mulheres atendidas em ambulatório geral de ginecologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do índice de massa corpórea em mulheres atendidas em ambulatório geral de ginecologia"

Transcrição

1 Avaliação do ídice de massa corpórea em mulheres atedidas em ambulatório geral de giecologia 6 Artigos Origiais Evaluatio of body mass idex of wome from a outpatiet gyecological geeral cliic Arlete Maria dos Satos Ferades 1, Larissa Capochi Paes Leme 2, Elza Mitiko Yamada 2,3, Celia de Azevedo Sollero 2,4 RESUMO Objetivo: verificar a freqüêcia de sobrepeso, obesidade e fatores associados etre mulheres de ambulatório de giecologia geral em hospital secudário de erêcia. Métodos: as variáveis estudadas foram idade, raça, escolaridade, reda familiar, trabalho com reda exercido pela mulher, tipo de trabalho da mulher, compaheiro atual, característica do ciclo mestrual o mometo da etrevista e ídice de massa corpórea (IMC). Para aálise as mulheres foram distribuídas em três grupos coforme o valor de IMC: <25 kg/m 2 (adequado), 25-2 kg/m 2 (sobrepeso) e >30 kg/m 2 (obesidade). Para os grupos de sobrepeso e obesidade foram calculados odds ratio e respectivo itervalo de cofiaça a 5% (IC 5%) em cada variável, e posteriormete calculado OR ajustado. Resultados: das 676 mulheres icluídas, 8,8% tiham até 8 aos de escolaridade, 83,0% tiham compaheiro, 77,6% eram bracas, 61,4% eriram reda de até cico salários míimos e 36,0% estavam meopausadas. A freqüêcia de sobrepeso foi 35,6% e de obesidade 24,3%. O sobrepeso foi associado à faixa etária de 50-5 aos (OR: 3,22; IC 5%: 1,67-6,20) e à meopausa (OR: 1,52; IC 5%: 1,03-2,26); a obesidade foi associada à meopausa (OR: 2,57; IC 5%: 1,66-4,00) e às faixas etárias maiores de 40 aos (OR: 2,5; IC 5%: 1,37-6,37). Após aálise de regressão múltipla, a obesidade mateve-se associada às faixas etárias de mais de 40 aos (OR: 2,51; IC 5%: 1,05-6,00). Coclusões: esta amostra de mulheres com baixa escolaridade e ível socioecoômico, a prevalêcia de sobrepeso e obesidade foi alta. A obesidade foi associada a mulheres com mais de 40 aos. Esforços devem ser realizados para dimiuir a freqüêcia de sobrepeso e obesidade etre mulheres. PALAVRAS-CHAVE: Obesidade; Ateção primária; Climatério; Meopausa ABSTRACT Purpose: to determie the prevalece of overweight, obesity, ad associated factors amog wome who visited a geeral gyecologic cliic i a secodary hospital of erece. Methods: the followig variables were studied: age, race, educatioal level, family icome, job (paid work doe by the wome), type of the wome s job, curret parter, mestrual cycle characteristics at the time of iterview, ad body mass idex (BMI). The patiets were divided ito three groups, accordig to their BMI values: <25 kg/m 2 (ormal), betwee 25-2 kg/m 2 (overweight) ad >30 kg/m 2 (obesity). The odds ratio (OR) ad respective 5% cofidece iterval (5% CI) were calculated i the overweight ad obese groups. Subsequetly, the OR was calculated ad adjusted for other variables. Results: amog the 676 studied wome, 8.8% had received up to 8 years of formal educatio, 83.0% had a parter, 77.6% were Caucasia, 61.4% eared less tha 5 miimum wages, ad 36.0% of these wome were meopausal. The prevalece of overweight was 35.6% ad of obesity 24.6%. Overweight was related to age ragig from 50 to 5 years (OR: 3.22; 5% CI: ) ad meopause (OR: 1.52; 5% CI: ), ad obesity was related to meopause (OR: 2.57; 5% CI: ) ad to age rage above 40 years (OR: 2.5; 5% CI: ). Accordig to the multiple regressio aalysis, oly obesity was associated with age rage above 40 years (OR: 2,51; 5% CI: ). Coclusio: the prevalece rates of overweight ad obesity were high i our sample of low-icome wome ad those with less educatio. Obesity was associated with wome aged over 40. Attempts should be made to reduce the prevalece of overweight ad obesity i wome. KEYWORDS: Obesity; Primary care; Meopause 1 Departameto de Tocogiecologia, Faculdade de Ciêcias Médicas da Uiversidade Estadual de Campias 2 Faculdade de Ciêcias Médicas da Potifícia Uiversidade Católica de Campias, PUC-Campias 3 Professora Assistete da Área de Tocogiecologia, Faculdade de Ciêcias Médicas, Potifícia Uiversidade Católica de Campias, PUC-Campias. 4 Professora Titular da Área de Tocogiecologia, Faculdade de Ciêcias Médicas, Potifícia Uiversidade Católica de Campias, PUC-Campias Correspodêcia: Arlete Maria dos Satos Ferades Caixa postal Campias SP Tel: (1) ; Fax: (1) Recebido em: 27//2004 Aceito com modificações em: 7/2/2005

2 70 Ferades AMS, Leme LCP, Yamada EM, Sollero CA Itrodução A obesidade tem sido recohecida etre os dez problemas de saúde pública global pela Orgaização Mudial de Saúde 1. A tedêcia ao gaho de peso relacioada à mudaça do hábito alimetar e de comportameto, e ao avaço do processo de idustrialização, tem sido relatada tato os países desevolvidos quato os em desevolvimeto, com coseqüete elevação as taxas de sobrepeso e obesidade. No somatório desses países, mais de um bilhão de adultos têm sobrepeso e mais de 300 milhões são obesos 2. Os iquéritos acioais orte-americaos coduzidos pelo Natioal Ceter of Health Statistics observaram que a prevalêcia de obesidade de 176 a 2000 aumetou de 15 para 31% e o sobrepeso de 47 para 64% 2,3. Particularmete, a prevalêcia de obesidade tem aumetado etre mulheres. Na América Latia a taxa de obesidade observada etre mulheres é de 25% o México, 35,7% o Paraguai e 25,4% a Argetia 4. No Brasil, 35% da população apreseta ídice de massa corpórea (IMC) maior que 25 (kg/ m 2 ) e 12,5% são mulheres com IMC maior de 30 (kg/m 2 ) 5,6. O excesso de peso está associado a doeças crôicas como a hipertesão arterial, o diabete melito e a doeça cardiovascular (DCV). Além disso, evidêcias sugerem que o sobrepeso e a obesidade elevam o risco para eoplasia de esôfago, cólo, reto, mama, edométrio e rim 7,8. Tem sido recomedado, etre os cuidados da ateção primária, o estímulo à mauteção do peso detro da variação do IMC etre 18,5 e 25 (kg/m 2 ) 8. Além dos hábitos alimetares e da quatidade de atividade física, outros fatores têm sido relacioados ao gaho de peso as mulheres, como fatores geéticos, éticos, situação cojugal, tabagismo, experiêcia reprodutiva e uso de métodos aticocepcioais hormoais 1,. Os objetivos deste estudo foram determiar a freqüêcia de sobrepeso e obesidade etre mulheres que cosultam um serviço secudário de giecologia e determiar a possível associação etre algumas características já cohecidas e o excesso de peso. Idivíduos e Método Foi realizado estudo de prevalêcia. As mulheres foram etrevistadas equato aguardavam atedimeto em ambulatório de giecologia geral, o período de fevereiro a outubro de Foram estudadas as características sociodemográficas, giecológicas e obstétricas. As medidas de peso foram feitas com o uso de balaça de escala mecâica graduada em 100 g e de altura por meio de escala metálica graduada em cetímetros. O peso e altura foram cosiderados para o cálculo do IMC (kg/m 2 ), idicador próprio para avaliação do estado utricioal de adultos 10. Todas as mulheres foram pesadas sem sapatos e com roupas leves. As variáveis estudadas foram idade e raça da mulher (braca e ão braca); escolaridade (<8 aos e >8 aos de estudo formal); reda familiar <2 salários míimos (SM), de 2 a 5 SM ou >5 SM; exercício de trabalho com reda; tipo de trabalho da mulher; se tiha ou ão compaheiro o mometo da etrevista e o cálculo do IMC (kg/m 2 ). Quato à caracterização do ciclo mestrual, para mulheres o meacme foram cosiderados ciclos regulares (itervalo maior de 21 dias e meor ou igual a 35 dias) e irregulares (outros itervalos). Foram cosideradas meopausadas se o tempo de ameorréia fosse maior de 12 meses após os 40 aos e/ou se a dosagem de FSH apresetasse valores iguais a 25 ou superiores a 40 mui/ml. Para aálise, as mulheres foram distribuídas em três grupos coforme o valor de IMC: <25 (peso adequado), etre 25-2 (sobrepeso) e >30 (obesidade). Com fialidade de mesurar a magitude da chace de sobrepeso e da chace de obesidade para cada variável categórica, calcularamse o odds ratio (OR) e seu respectivo itervalo de cofiaça a 5% (IC 5%), cosiderado como cotrole o grupo com peso adequado. Ao fial, foi realizada aálise de regressão logística múltipla, com o cálculo do OR ajustado, para avaliar quais variáveis idepedetes (fatores de risco) poderiam estar associadas ao sobrepeso e à obesidade. Para a aálise dos dados, utilizou-se o programa SAS, versão O estudo teve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da FCM/PUC-Campias. Resultados Do total de 676 mulheres que participaram do estudo, 40,1% foram cosideradas a faixa de peso adequado, 35,6% estavam com sobrepeso e 24,3% estavam obesas (Tabela 1). Quato à idade, pouco mais de metade das mulheres (53,4%) estavam as faixas etárias de 30-3 e 40-4 aos, ao passo que 64,0% das mulheres obesas se cocetraram as faixas etárias etre 40-4 e 50-5 aos. Com relação às outras características sociodemográficas da amostra, 77,6% das mulheres eram bracas, 8,8% tiham até 8 aos de escolaridade e 83,0% das mulheres tiham compaheiro o mometo da etrevista (Tabela 1).

3 Avaliação do ídice de massa corpórea em mulheres atedidas em ambulatório geral de giecologia 71 Tabela 1 - Distribuição das mulheres segudo o ídice de massa corpórea e algumas características sociodemográficas Características Idade (aos) < >70 Raça Braca Não braca Escolaridade <8 aos >8 aos Compaheiro Não Sim Total (%) < (40,1) Grupos de IMC Odds ratio (IC 5%) 25-2 >30 IMC (35,6) (24,3) 3,22 (1,67-6,20) : ão sigificativo;.: idade < 2 aos, raça braca, escolaridade < 8 aos, ão ter compaheiro; IC 5%: itervalo de cofiaça a 5%. Odds ratio (IC 5%) IMC >30 2,5 (1,37-6,37) 7,63 (3,36-17,33) 3,34 (1,35-8,30) 4,40 (1,3-13,1) 676 (100,0) O cálculo do OR etre as mulheres com sobrepeso e obesidade, tomado como erêcia o grupo com peso adequado, mostrou que as mulheres a faixa etária de 50 a 5 aos tiveram três vezes maior chace de estar com sobrepeso e sete vezes maior chace de serem obesas que as mulheres com idade até 2 aos. A obesidade foi associada às mulheres com mais de 40 aos. As demais características estudadas ão estiveram associadas à elevação do peso (Tabela 1). A Tabela 2 mostra a distribuição das mulheres em relação às variáveis de reda familiar e trabalho. A reda familiar de 61,3% das mulheres etrevistadas foi de até cico SM, para 34,% foi superior a cico SM e 3,7% eriram ão saber iformar a reda da família. Do total de mulheres, 30,6% exerciam trabalho remuerado fora do lar. Etre as que trabalhavam, 45,% exerciam atividades domésticas em casas de família. O trabalho e a reda familiar ão estiveram associados a ter sobrepeso ou obesidade (Tabela 2). Mais da metade das mulheres tiham atecedete de mais de três gestações e três filhos vivos ou mais. Não foi possível detectar qualquer associação etre úmero de gestações e filhos vivos e ter peso elevado (Tabela 3). Quato à característica do ciclo mestrual, 36% das mulheres estavam meopausadas e as demais estavam o meacme. Etre as últimas, a maior parte apresetava ritmo mestrual regular. A característica de ser meopausada esteve associada tato ao sobrepeso quato à obesidade (Tabela 3), etretato, essas associações desapareceram a aálise multivariada. A úica variável que mateve associação com a obesidade, após o cálculo do OR ajustado, foi a idade da mulher com mais de 40 aos (Tabela 4). Discussão Apesar de esta amostra ser costituída por mulheres em cosulta o ambiete hospitalar, o atedimeto ambulatorial de giecologia geral caracteriza-se pela ateção ao pré e pós-operatório de doeças beigas, resultados de exames e para detecção precoce do câcer giecológico aquelas mulheres que, por diferetes motivos, permaeceram o serviço recebedo ateção primária. Apesar disso, tato a prevalêcia de mulheres com sobrepeso e obesidade, respectivamete 35,6% e 24,3%, quato a associação etre obesidade e o aumeto da idade da mulher foram resultados próximos aos descritos em estudos populacioais realizados o Brasil. Em dados da região sul do país, etre adultos pesquisados em 600 domicílios, quase 40,0% tiham sobrepeso e, etre as 580 mulheres do estudo, 25,0% eram obesas 12. A obesidade foi mais freqüete etre mulheres e com o aumeto da idade, especialmete após os 40 aos, quado a prevalêcia dobrou em relação às mulheres de meor idade 12. Esses resultados levam a pesar a possibilidade de que o gaho de peso teha aumetado de forma abragete etre a população, devido a fatores comportametais como o hábito da dieta alimetar hipercalórica e dimiuição o exercício físico, o que leva à detecção de perfil epidemiológico similar mesmo em pequeas amostras, como esta de mulheres em ambulatório de giecologia ão especializado.

4 72 Ferades AMS, Leme LCP, Yamada EM, Sollero CA Tabela 2 - Distribuição das mulheres os diferetes grupos de ídice de massa corpórea em relação a reda familiar e trabalho da mulher. Características Reda Até 2 SM 3 a 5 SM >5 SM ão sabe Trabalho da mulher Não Sim Tipo de trabalho* Doméstica/diarista Comércio Setor têxtil Outros Total (%) Grupos de IMC Odds ratio (IC 5%) < >30 IMC (40,1) (35,6) (24,3) Odds ratio (IC 5%) IMC > (100,0) : ão sigificativo; IC 5%: itervalo de cofiaça a 5%;.: reda de até 2 salários-míimos; ão-trabalho da mulher; trabalho em casas de família. SM= Salário míimo, correspodia a R$ 137,00. *Somete mulheres que trabalham. Tabela 3 - Distribuição das mulheres os diferetes grupos de ídice de massa corpórea em relação aos atecedetes obstétricos e características do ciclo mestrual. Características Grupos de IMC Odds ratio (IC 5%) Odds ratio (IC 5%) < >30 IMC 25-2 IMC >30 N o de gestações 2-3 >3 N o filhos vivos <2 >3 Ciclo mestrual Regular Irregular Meopausa Total (%) (40,1) (35,6) (24,3) 1,52 (1,03-2,26) 2,57 (1,66-4,00) 676 (100,0) : ão sigificativo; IC 5%: itervalo de cofiaça a 5%;.: 2-3 gestações; < 2 filhos vivos; ciclo mestrual regular. Tabela 4 - Características relacioadas à obesidade após aálise de regressão múltipla. Idade (aos) OR ajustado (IC 5%) 40-4 aos 2,51 (1,05-6,00) 50-5 aos 8,38 (2,3-23,) 60-6 aos 3,32 (1,03-10,74) >70 aos 4,0 (1,02-16,35) OR: odds ratio; IC 5%: itervalo de cofiaça a 5%. Os iquéritos utricioais de 175, 18 e 17 mostraram crescimeto da prevalêcia de obesidade e sobrepeso o Brasil, em todos os es- tratos sociais, idepedete da classe socioecoômica. Etretato, a partir de 17 o aumeto foi maior as regiões mais pobres, etre as classes meos favorecidas e, pricipalmete, etre as mulheres 5,6. Em outro estudo utilizado dados de pessoas das regiões sudeste e ordeste, coletados pelo Istituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a prevalêcia de sobrepeso etre criaças, adolescetes e adultos foi de 10,8,,% e 28,3% e de obesidade foi de 7,3, 1,8% e,7%, respectivamete 13. Etre os adultos, essas prevalêcias foram maiores a população femiia, sedo que metade das mu-

5 Avaliação do ídice de massa corpórea em mulheres atedidas em ambulatório geral de giecologia 73 lheres com idades etre 40 e 7 aos tiham sobrepeso ou obesidade 13. Esta mudaça o perfil epidemiológico da população foi coseqüêcia do processo deomiado de trasição utricioal, o qual ocorreram mudaças o padrão alimetar dos brasileiros que adquiriram poder aquisitivo para comprar mais alimetos, especialmete aqueles mais ricos em gordura e carboidratos 6,14. A urbaização acompahada pela expasão a oferta de serviços determiou modificações também os padrões de atividade física da população, com os idivíduos torado-se mais sedetários. O estudo acioal sobre obesidade e reda descreveu que a prática de atividades físicas exercida pelas mulheres foi iversamete proporcioal à sua reda familiar, e realizavam exercícios físicos regulares somete 2,1, 3,8 e 27,0% daquelas que perteciam às classes sociais baixa, média e alta, respectivamete 5. Nesta amostra, dois terços das mulheres proviham de famílias com reda de até cico SM, ão exerciam trabalho fora do lar e a maioria tiha até oito aos de escolaridade. Apesar de este estudo ão ter o objetivo de estudar o tipo de alimetação e a atividade física, é possível supor que as mulheres com mais de 40 aos e com as características de baixa reda e escolaridade desta amostra ão teham o exercício físico como atividade de lazer. Pode-se supor também que ão teham, em geral, hábito de exercício físico regular seja em academia ou ao ar livre, mesmo porque a região ode vivem, a periferia do serviço estudado, ão possui áreas preparadas para tais atividades. Com relação à ifluêcia do fator racial o peso corporal, apesar de estudo orte-americao ter observado tedêcia ao gaho de peso em mulheres egras 3, esta amostra ão houve difereça etre peso elevado e raça da mulher. Também ão foi possível detectar qualquer correlação etre peso elevado e reda familiar ou situação cojugal. O estudo de Gigate et al. 12 verificou aumeto da prevalêcia de sobrepeso e obesidade com o aumeto de reda para homes, mas ão etre mulheres. Nesta amostra, a característica do predomíio de mulheres com até oito aos de estudo provavelmete impediu verificar associação etre peso e escolaridade da mulher. O estudo de Gigate et al. 12 verificou associação iversa etre peso e escolaridade, mas ão detectou difereça de peso etre mulheres que exerciam trabalho remuerado. Nesta amostra, em relação ao trabalho da mulher, ão existiu difereça etre exercêlo ou ão, bem como ão houve relação etre o tipo de trabalho e gaho de peso. Somete 30% das mulheres exerciam trabalho remuerado o mometo da etrevista e, etre essas, 46% o faziam em atividade com exercício físico, pelo meos moderado, já que trabalhavam em atividades domésticas e/ou como diaristas. Mesmo etre essas mulheres ão foi possível detectar difereça de peso, o esperado era que, etre elas, a percetagem de mulheres com peso adequado fosse maior, já que são mulheres que matêm atividade física regular. O gaho de peso e a história reprodutiva das mulheres têm associação aida ão muito clara. Estudos têm relatado que o gaho poderal poderia estar diretamete associado ao úmero de filhos 15,16. Um desses estudos, com mulheres filadesas, cocluiu que o IMC aumetava sigificativamete com o aumeto do úmero de filhos, sedo que as mulheres de elevada paridade apresetavam média de peso 2,3 kg maior que as ulíparas 16. Em estudos acioais, o gaho de peso etre mulheres durate a vida reprodutiva esteve associado diretamete ao IMC prévio a cada gestação, sem estabelecer qualquer correlação com a paridade 17,18. Neste estudo, pela característica de todas as mulheres terem atecedetes gestacioais e filhos vivos, a úica comparação possível foi etre os grupos de maior ou meor paridade/filhos vivos e essa ão detectou qualquer difereça. Após a aálise de regressão múltipla, a variável associada à obesidade foi a idade maior de 40 aos. Na visão dos profissioais de saúde que trabalham com mulheres, estes resultados toram-se importates, já que são as faixas de idade que coicidem com o climatério e pós-meopausa, períodos em que as mulheres passam a ter maior risco para DCV 1. Tem sido descrito que, a mulher, existe a elevação de risco para DCV com o aumeto de peso e o hábito de fumar, sedo recomedadas iterveções direcioadas às mulheres, com o objetivo de que adquiram como hábito de vida a dieta saudável e parem de fumar 20. Algus autores têm chamado ateção para a falta de diagóstico do sobrepeso e obesidade por parte dos médicos e profissioais de saúde, especialmete aqueles que fazem o atedimeto de ível primário, propodo que estes profissioais estejam atetos ao diagóstico idividual do sobrepeso 21,22. Por outro lado, faltam iterveções práticas e eficazes, a ateção primária, para estimular as pessoas a perder ou mater o próprio peso 22. Além disso, a falta de tratameto cosistete para pessoas com ecessidade de dimiuir peso tem limitado o atedimeto diário o setor básico. Vários estudos têm mostrado que a orietação, as dietas e os diferetes medicametos idicados para o tratameto da obesidade em adul-

6 74 Ferades AMS, Leme LCP, Yamada EM, Sollero CA tos levam à perda pequea ou moderada de peso, cerca de 3 a 5 kg/ao em estudos com seguimeto de até dois aos, com elevado úmero de recidivas após o tratameto 23,24. Diate da freqüêcia do problema a população, é imprescidível que as mulheres recebam, durate qualquer atedimeto à saúde, seja a clíica privada ou o setor público, este último mais especialmete o ível primário, orietação para evitar o aumeto de peso. Isto pode ser coseguido as uidades básicas de saúde com as medidas de peso e altura a primeira cosulta e medidas de peso os retoros auais, que são em geral já realizadas. O objetivo será detectar elevações iiciais, chamado ateção da mulher para o problema e orietar medidas de preveção ao gaho progressivo. Essa medida soma qualidade à ateção prestada e deve repercutir também em mudaças o ambiete da alimetação familiar, o que é desejado, uma vez que a obesidade é uma epidemia com potecial de agravo para a saúde da população. Referêcias 1. World Health Orgaizatio. Obesity. Obesity epidemic puts millios at risk from related diseases. Geeva: World Health Orgaizatio; Hill JO, Wyatt HR, Reed GW, Peters JC. Obesity ad the eviromet: where do we go from here? Sciece. 2003; 2: Kuczmarski RJ, Flegal KM, Campbell SM, Johso CL. Icreasig prevalece of overweight amog US adults: The Natioal Health ad Nutritio Examiatio Surveys, 160 to 11. JAMA. 14; 272: Filozof C, Gozalez C, Sereday M, Mazza C, Braguisky J. Obesity prevalece ad treds i Lati-America coutries. Obes Rev. 2001; 2: Moteiro CA, Code WL. A tedêcia secular da obesidade segudo estratos sociais: ordeste e sudeste do Brasil, Arq Bras Edocriol Metab. 1; 43: Moteiro CA, D A Beício MH, Code WL, Popki BM. Shiftig obesity treds i Brazil. Eur J Cli Nutr. 2000; 54: Vaiio H, Kaaks R, Biachii F. Weight cotrol ad physical activity i cacer prevetio: iteratioal evaluatio of the evidece. Eur J Cacer Prev. 2002; 11 (Suppl 2):S Key TJ, Schatzki A, Willett WC, Alle NE, Specer EA, Travis RC. Diet, utritio ad prevetio of cacer. Public Health Nutr. 2004; 7: Bjorkelud C, Lisser L, Adersso S, Lapidus L, Begtsso C. Reproductive history i relatio to relative weight ad fat distributio. It J Obes Relat Metab Disord. 16; 20: World Health Orgaizatio. Diet, utritio ad prevetio of chroic diseases. Geeva; 10. (WHO- Techical Report Series, 77). 11.SAS Istitute Ic. SAS/STAT software chages ad ehacemets though [computer program]. Release 8.2. Cary: SAS Istitute; Gigate DP, Barros FC, Post CLA, Olito MTA. Prevalêcia de obesidade em adultos e seus fatores de risco. Rev Saúde Pública. 17; 31: Abrates MM, Lamouier JA, Coloismo EA. Prevalêcia de sobrepeso e obesidade as regiões ordeste e sudeste do Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2003; 4: Modii L, Moteiro CA. Mudaças o padrão de alimetação da população brasileira ( ). Rev Saúde Pública. 14; 28: Greee GW, Smiciklas-Wright H, Scholl TO, Karp RJ. Postpartum weight chage: how much of the weight gaied i pregacy will be lost after delivery? Obstet Gyecol. 188; 71: Heliovaara W, Aromaa A. Parity ad obesity. J Epidemiol Commuity Health. 181; 35: Coitiho DC, Sichieri R, D Aquio Beicio MH. Obesity ad weight chage related to parity ad breast feedig amog parous wome i Brazil. Public Health Nutr. 2001; 4: Kac G, Velásquez-Melédez G, Coelho MASC. Fatores associados à obesidade abdomial em mulheres em idade reprodutiva. Rev Saúde Pública. 2001; 35: Weger NK. Coroary heart disease: the female heart is vulerable. Prog Cardiovasc Dis. 2003; 46: Whitlock EP, Williams SB. The primary prevetio of heart disease i wome through health behavior chage promotio i primary care. Womes Health Issues. 2003; 13: Pi-Suyer X. A cliical view of the obesity problem. Sciece. 2003; 2: Va Bisberge JJ, Delaey BC, Va Weel C. Nutritio i primary care: scope ad relevace of output from the Cochrae Collaboratio. Am J Cli Nutr. 2003; 77 Suppl:1083S-1088S. 23.McTigue KM, Harris R, Hemphill B, et al. Screeig ad itervetios for obesity i adults: summary of the evidece for the U.S. Prevetive Task Force. A Iter Med. 2003; 13: Padwal R, Li SK, Lau DC. Log-term pharmacotherapy for overweight ad obesity: a systematic review ad meta-aalysis of radomized cotrolled trials. It J Obes Relat Metab Disord. 2003; 27: