UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Economia Doméstica Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica ANAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Economia Doméstica Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica ANAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Economia Doméstica Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica ANAIS IV Simpósio do Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica: EXTENSÃO RURAL E URBANA: UMA BREVE DISCUSSÃO

2 COMISSÃO ORGANIZADORA Alessandra Vieira de Almeida Angélica Ribeiro Daniela do Carmo de Lara Dyjane dos Passos Edna Miranda Lopes Eliziana Roberta dos Santos Lopes Janaína Soares Vilela Leilane Rigoni Bossatto Leiliane Cristina Gomes da Silva Lima Nathalí Amaral de Souza Natália Calais Vaz de Melo Patrícia Ferraz do Nascimento Regiani Teixeira Capistrano Simone Caldas Tavares Mafra Sharinna Venturim Zanuncio Vanessa Aparecida Moreira de Barros COMISSÃO TÉCNICO-CIENTÍFICO Ângela Maria Sores Ferreira Elza Maria Vidigal Guimarães Maria das Dores Saraiva de Loreto

3 ÍNDICE Editorial...6 ARTIGOS: 1- O UNIFORME DAS PROFISSIONAIS DE BELEZA DO SALÃO CARISMA: UM ESTUDO ERGONÔMICO PLANEJAMENTO DE INTERIORES PARA DIFERENTES ESPAÇOS FÍSICOS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG FAMÍLA EM CRISE: PRINCIPAIS PROBLEMAS DO PONTO DE VISTA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E DO SABER POPULAR OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR: A APLICAÇÃO DO MÉTODO COACHING PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE VALORIZAÇÃO E RESSOCIALIZAÇÃO DOS RECUPERANDOS DA APAC-VIÇOSA/MG: O USO DE METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM COZINHA INSTITUCIONAL COMO FORMA DE PROPORCIONAR SATISFAÇÃO E PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO: A VIOLÊNCIA URBANA NAS PÁGINAS POLÍCIAIS DE VIÇOSA: PROGRAMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PAA - PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS- SÃO MIGUEL DO ANTA MG: MULHER, DONA DE CASA E TRABALHADORA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO ENTRE FAMÍLIAS DE SÃO PAULO E MINAS GERAIS LIDERADAS POR MULHERES: CONDIÇÕES SOCIOECÔNOMICAS DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO VIVA JUVENTUDE: PREPARAÇÃO DE TRÊS QUALIDADES DE ARROZ POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COCÇÃO: O PROFISSIONAL DE ECONOMIA DOMÉSTICA E SUA ATUAÇÃO NO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA: OS IMPACTOS DO ECOTURISMO NO PARQUE ESTADUAL SERRA DO BRIGADEIRO, MUNICÍPIO DE ARAPONGA-MG:

4 15-IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES DE RISCOS: O CASO DE UMA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE ROUPAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DA ZONA DA MATA MINEIRA: A FERRAMENTA MAPA TÁTIL COMO AUXÍLIO AO DEFICIENTE VISUAL: PERFIL HISTÓRICO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA UFV, VIÇOSA, MG: GERANDO RENDA E RESGATANDO A CULTURA: A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA ATRAVÉS DO TRABALHO COLETIVO: ANÁLISE DA ADMINISTRAÇÃO DA RENDA, UM DOS RECURSOS DA FAMÍLIA: PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM UNIDADES DE PROCESSAMENTO DE ROUPAS: CASO DE SEGURANÇA NO TRABALHO: A PRESENÇA DOS CORTIÇOS NA FORMAÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL: A ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AOS CONDENADOS (APAC) COMO UMA ALTERNATIVA DE EXECUÇÃO PENAL: A MODA FEMININA NO CONTEXTO SÓCIO, HISTÓRICO E CULTURAL: UMA BREVE REFLEXÃO: AVALIAÇÃO DO AMBIENTE FÍSICO ESTRUTURAL DE UMA LAVANDERIA DE INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL: UM ESTUDO DE CASO: ÉTICA PARA AS PROFISSIONAIS DE ECONOMIA DOMÉSTICA DA CIDADE DE VIÇOSA-MG: ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS NA FAMÍLIA E OS CICLOS DE VIDA FAMILIAR: HIGIENE SOCIAL: EDUCAÇÃO NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS: A BUSCA PELA ECONOMIA DOMÉSTICA NO EVENTO A GRADUAÇÃO NA UFV : BREVE HISTÓRICO DO PLANEJAMENTO FAMILIAR NO BRASIL:

5 30- PROCESSAMENTO DE ROUPAS HOSPITALARES: MUDANÇA NA TERMINOLOGIA ADMINISTRAÇÃO PARA GESTÃO UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE VIÇOSA MG: PADRÕES DE CONSUMO E SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DE CASO: PROSTITUIÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE VIÇOSA-MG: A FERRAMENTA ERGOSHOW NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS QUANTO ÀS QUESTÕES DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO: COOPERAR: A COOPERAÇÃO COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL: O DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA COOPERATIVA AGROPECUÁRIA VALE DO RIO DOCE: CRISES FAMÍLIARES E SUAS IMPLICAÇÕES NO ALCANCE DA CIDADANIA

6 Editorial No ano de 2009 o PET Economia Doméstica realizou o IV SIMPOPET, cujo tema decidido coletivamente no Grupo, teve como premissa básica, permitir a comunidade ufeviana e local discutir, mesmo que seja somente em um dia, o que estamos fazendo e o que podemos fazer ou apoiar aqueles que estão implementando projetos em prol de uma sociedade justa e socialmente responsável, a partir das ações de extensão rural e urbana. Por isso O IV Simpósio do Programa de Educação Tutorial trouxe como temática a Extensão Urbana e a Extensão Rural para uma breve discussão. Foi isso que nos motivou. Pois para todos nós, existe a crença de que a comunidade viável é aquela que está construída e constituída por famílias bem-sucedidas, com escolas, habitações decentes, agricultura sustentável e trabalho dignificante que, reforçamos, deverão estar associados a uma comunidade integrada em seus objetivos comuns. Essa breve apresentação reforça a importância de se fazer uma incursão no tema Extensão Urbana e Rural, buscando que essa discussão possa sensibilizar a todos para uma reflexão de que talvez seja possível modificar a atitude dos envolvidos frente ao seu Oikos. No entanto para que essa relação de contrapartida se efetive e possa ser revertida em melhoria ou maior beneficio aos envolvidos, seja individualmente ou ao meio ambiente social nos quais os diferentes atores sociais estão inseridos, faz-se necessário haver comprometimento de todos para ampliar as ações de extensão em nosso município.

7 Os trabalhos que foram submetidos ao evento encontram-se abaixo apresentados. Nesse sentido só nos resta desejar a todos, uma agradável leitura, e que possam a partir dela, colaborar com a ampliação dessa discussão.

8 O UNIFORME DAS PROFISSIONAIS DE BELEZA DO SALÃO CARISMA: UM ESTUDO ERGONÔMICO LIMA, A. C.; LOPES, C. I.; LELIS, M. G.; SOUZA, C. N. DE. Universidade Federal de Viçosa INTRODUÇÃO Proteção e segurança sempre foram prioridades do ser humano. Com a necessidade de caçar, o Homo sapiens passou a utilizar uma série de elementos para sua proteção, tais como tangas, capas, escudos, faixas para a cabeça, entre muitos outros elementos, que representaram um marco na evolução dos grupos sociais, bem como, um marco na evolução do próprio ser humano (CÂMARA, 2008). Dessa forma, logo se nota o vestuário como um dos pontos que mais contribuíram para a segurança pessoal no trabalho. O vestuário identificado como uniforme é uma tendência mundial e as vantagens da uniformização, principalmente no que diz respeito às características, como praticidade, conforto, durabilidade e segurança, além da imagem corporativa da empresa são vastas (MERLINO, 2001). Diante dessa realidade, levantou-se o seguinte questionamento: Visando à ergonomia no trabalho e valorização da imagem do Salão, qual o uniforme mais indicado para as atividades desenvolvidas pelos Profissionais de Beleza do Cabelo. Esta pesquisa teve como objetivo geral analisar as atividades desenvolvidas pelos Profissionais de Beleza do Cabelo do Salão de Beleza Carisma de Viçosa, MG, visando indicar um uniforme que contribua para a qualidade de vida dos mesmos nesse ambiente de trabalho. Especificamente, objetivou-se: caracterizar socioeconomicamente sujeitos da pesquisa; caracterizar os aspectos físicos do Salão de Beleza; verificar os serviços oferecidos pelo Salão de Beleza, no que se refere ao tratamento do cabelo; observar e relatar as atividades desenvolvidas pelos Profissionais de Beleza do Cabelo, de acordo com as necessidades do grupo; analisar o uniforme utilizado pelas Profissionais, de acordo com suas necessidades; identificar qual a fibra,

9 tecido e modelagem para a elaboração do uniforme, em função das atividades desenvolvidas; indicar os Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs), considerando as atividades desenvolvidas no ambiente. METODOLOGIA A pesquisa foi desenvolvida na cidade de Viçosa, Minas Gerais, que está situada na região da Zona da Mata. Segundo o site do IBGE (2007), a contagem da população fixa viçosense, em 2007, foi de habitantes, além disso, possuía uma parte da população flutuante, representada principalmente pela classe universitária. A cidade de Viçosa possui, em média, 57 Salões de Beleza, sendo o estudado o Salão Carisma. Os serviços oferecidos são cuidados e tratamentos para cabelo, mãos e pés. O Salão era composto por uma manicure e duas cabeleleiras. Para a caracterização da amostra, foram selecionadas duas Profissionais de Beleza do Salão Carisma, que trabalhavam com o cabelo, há quatro anos e meio. As informações sobre estas foram coletadas por meio de observação não participante e questionário com perguntas objetivas e subjetivas. A partir daí, tendo como base os dados coletados e tabulados, procurou-se verificar as possibilidades da melhor indicação de um uniforme que trouxesse segurança, praticidade, durabilidade, bem-estar e conforto no ambiente de trabalho das Profissionais de Beleza do Cabelo do Salão Carisma. RESULTADOS E DISCUSSÃO De fato, o uniforme é a vestimenta com a qual as pessoas se sentem seguras por estarem vestidas iguais aos membros dos grupos de que fazem parte e, ao mesmo tempo, preserva as diferenças de cada indivíduo, em função da própria personalidade que está impressa em cada ser humano e dos acessórios pessoais, que complementam tais vestimentas (HOLLANDRE, 1996). Sem contar que a uniformização pode refletir a imagem que a empresa deseja transmitir ao mercado, aos seus clientes e aos fornecedores, além de proporcionar segurança, organização e modernidade (EL SARRAF, 2004). Segundo Almeida (2008), os uniformes ou vestimentas de trabalho são tratados, de modo geral, com negligência: miscelânea de cores, modelos e

10 materiais inadequados, emergindo na desconfiança do usuário e, até mesmo, do seu desuso. Para que o uniforme possua praticidade é necessário usar roupas com modelagens corretas em atividades variadas, confeccionadas com tecidos adequados. Pode-se considerar que o tecido adequado sozinho não consegue satisfazer a necessidade do sistema orgânico na execução do movimento e sim a integração das linhas na modelagem (GRAVE, 2003). Seguindo o modelo da hierarquia de Maslow em relação às necessidades do vestuário, Rocha (2008) coloca que, promover a liberação de perigo físico, através da proteção do corpo, seria a função de segurança das roupas. Essa necessidade seria atingida com a adequação da escolha da roupa à atividade que se vai executar. O modelo de um uniforme reflete diretamente na qualidade de vida do seu usuário, uma vez que, para Huse e Cummeing (1985, p. 202), a qualidade de vida no Trabalho pode ser definida como uma forma de pensamento envolvendo pessoas, trabalho e organização, onde se destacam dois aspectos distintos: a) a preocupação com o bem-estar do trabalhador e com a eficiência organizacional; b) a participação dos trabalhadores nas decisões e problemas do trabalho. Ao definir qualidade de vida, Amartya Sem (1995), parte de dois conceitos: capacitação, que representa as possíveis combinações de coisas que uma pessoa está apta a fazer ou ser, e funcionalidades, que representa partes do estado de uma pessoa as várias coisas que ela faz ou é. Compuseram a amostra analisada, duas Profissionais da Beleza do Cabelo, do sexo feminino, que desempenham a função de cabeleleiras, com idade de 25 e 27 anos. A PBC 01 era proprietária do Salão e a PBC 02 trabalhava há dez meses no Salão. No que se refere ao questionário aplicado, com relação aos seus uniformes, a Profissional 01 respondeu as perguntas de acordo com o seu modelo de uniforme utilizado: camisetas de tecido de malha denominado visco lycra. O uniforme da Profissional 02 era um avental de tecido oxford na cor preta, de comprimento até os joelhos, que cobria só a parte frontal do corpo sendo cruzado nas costas, com um bolso na frente abaixo do busto. As duas PBC mencionaram não considerar essas peças citadas acima como uniforme de trabalho e sim uma forma provisória de sanar suas necessidades.

11 O Ambiente de Trabalho analisado foi um dos setores de atividades do Salão Carisma, composto por: sala de manicure; sala de lavagem dos cabelos e depósito de produtos de beleza e toalhas; sala de depilação; e a sala de cuidado com o cabelo. O setor em análise era composto por três bancadas de trabalho, uma base para secador fixa e uma cadeira giratória. Embaixo de cada bancada haviam tomadas. Na parede onde se encontrava apenas uma bancada maior existia um interfone, um interruptor para lâmpadas, um ponto de tomada, um ponto de telefone e uma prateleira menor onde ficava o telefone, agendas e canetas. A sala possuía apenas uma janela. Os serviços oferecidos eram: cauterização; cristalização; coloração e descoloração; reestruturação capilar; linha relaxamento; tratamento e finalização; complexo capilar; lyzzo sistema de transformação; além de serviços como: lavagem de cabelos; corte; tinturas; baby lise; dentre outros. CONCLUSÃO Conclui-se que de acordo com o ambiente de trabalho das PBC, materiais químicos utilizados, atividades desenvolvidas, ambiente físico e equipamentos usados, o uniforme mais adequado para o PBC do Salão Carisma, seria um vestido tipo trapézio, branco, de Spandex de comprimento até o joelho, com manga romântica curta, gola chinesa (mão) do mesmo tecido, mas de cor vermelho cereja, abotoamento de cima para baixo e bolsos frontais (localizados abaixo da cintura). Outra opção sugerida seria uma camiseta de tricoline com lycra branca, com abotoamento frontal, gola e mangas do mesmo modelo do vestido, para ser usada com bermuda tipo alfaiate, de Spandex vermelho cereja, cintura na altura do quadril (Saint-Tropez), bolsos frontais, e uma opção para o frio seria a calça de comprimento padrão no mesmo modelo, cor e tecido da bermuda. Este uniforme reflete às características necessárias às Profissionais, como praticidade, conforto, durabilidade, segurança, estima, estética, de forma a contribuir para a imagem do estabelecimento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

12 ALMEIDA, A, V. Mapeamento dos riscos da vestimenta profissional. Disponível em: ALEX_-_Mapeamento_dos_riscos_vestimenta.pdf. Acesso em: 16 set CÂMARA, J.J.D. Moda Corporativa: uma análise pelo design, materiais e ergonomia. Disponível em: s/actas_diseno/articulos_pdf/a116.pdf. Acesso em: 16 set EL SARRAF, R. A. Aspectos ergonômicos em uniformes de trabalho. Porto Alegre. 149p. Tese em Engenharia de Produção. Universidade Federal do Rio Grande do Sul GRAVE, M. F. A Modelagem sob a ótica da Ergonomia. ed. São Paulo: Zennez Publishing, HOLLANDER, A. O sexo e as roupas. A Evolução do Traje Moderno. Rio de Janeiro: Rocco, p. ROCHA, M. A. V. Planejamento de Produto para a Indústria do Vestuário Brasileira: uma abordagem segundo Maslow. Disponível em: Acesso em: 16 set

13 PLANEJAMENTO DE INTERIORES PARA DIFERENTES ESPAÇOS FÍSICOS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG SODRÉ, L. R. N.; MELO, N. C. V.; RIBEIRO DE GOICOCHEA, A.; LUDWIG, M. P. Universidade Federal de Viçosa INTRODUÇÃO O curso de Economia Doméstica abrange um conjunto de conhecimentos multidisciplinares que objetiva uma profissionalização comprometida com a ação educativa e a melhoria da qualidade de vida de indivíduos, de famílias e de demais grupos sociais em seu ambiente físico, social e cultural. Visa também à formação de um profissional generalista, com sólida formação multidisciplinar, humanista e crítica, voltada para a reflexão do cotidiano de indivíduos, de famílias e de demais grupos sociais (DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DOMÉSTICA, s.d.). Dentre a área de atuação Habitação e Planejamento de Interiores - do Economista Doméstico destaca-se a elaboração de projetos de interiores, que procura sempre a melhor utilização dos espaços físicos, ventilação, iluminação, circulação, de acordo com os aspectos psicológicos, sociais, culturais, econômicos e estéticos, para assim proporcionar conforto, praticidade, funcionalidade, conforme a disponibilidade de recursos e preferências do indivíduo ou de uma coletividade. Na área de Habitação e projetos de interiores, trabalha-se com diferentes elementos de uma ambientação, no sentido de melhorar a utilização dos espaços físicos, visando proporcionar conforto, praticidade, funcionalidade, aos usuários respeitando-se suas particularidades, em termos de necessidades, interesses e possibilidades. Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo relatar as experiências vivenciadas em um estágio de planejamento de interiores, quando

14 buscou-se aprofundar conhecimentos relacionados aos métodos para elaboração de projetos, colocando-os em prática de acordo com as necessidades específicas de cada situação trabalhada. Especificamente pretendeu-se: Analisar a perspectiva do usuário sobre o significado e a importância do espaço a ser planejado; Construir o projeto do espaço, baseando-se em normas técnicas, padrões de medidas e métodos construtivos; Discutir as diferentes propostas existentes para o local a ser planejado; Expor as propostas do ambiente a ser planejado tanto para o orientador como para o usuário; Executar os projetos de interiores em diferentes espaços e para diversos públicos; Elaborar materiais para a realização de mini cursos, com o intuito de sociabilizar conceitos referentes à ambientação de espaços, inspirados em cores da natureza. METODOLOGIA O estágio foi desenvolvido a partir de demandas ligadas a área de habitação e projetos de interiores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da cidade de Viçosa-MG, que está localizada na Zona da Mata Leste do estado de Minas. Durante a realização do mesmo não existiu uma amostra definida a priori. Esta foi se construindo gradativamente no decorrer do período. Pode-se dizer que os trabalhos foram resultantes de dois tipos de demandas, a saber: trabalhos especificamente ligados a projeto de interiores e trabalhos relativos à elaboração de mini-curso, ministrado em diferentes momentos. No que se refere ao trabalho ligado aos projetos de interiores propriamente dito, várias estratégias foram utilizadas: reuniões semanais com a orientador/supervisora para definição dos trabalhos, discussão de propostas e aprofundamento de conhecimentos; visitas aos locais para os quais os trabalhos seriam desenvolvidos, no sentido de observar as atividades realizadas naquele espaço, a fim de facilitar o planejamento e obter resultados coerentes a expectativa do usuário final; contato com clientes/usuários, demandantes dos projetos.

15 Com relação ao trabalho ligado à elaboração do mini-curso, recorreu-se ao levantamento bibliográfico, levantamento de imagens, preparo de folder, slides e vídeo além de projeto de maquetes. RESULTADOS E DISCUSSÕES O primeiro projeto desenvolvido no estágio tratava-se de um gabinete de uma professora do Departamento de Bioquímica, localizado no prédio Instituto de Biotecnologia Aplicada a Agropecuária - BIOAGRO (UFV). Para realização deste, foi realizada uma visita ao local pelas estagiárias e orientadora/supervisora para a observação do espaço físico (onde foram feitas medições do mobiliário, dos objetos existentes e estrutura física do local, como pé direito, dimensões da janela, peitoril, localização de pontos elétricos, além de registro fotográfico) e contato com a interessada. Esta primeira fase do projeto levou em consideração as observações de Gurgel (s.d.), segundo o qual é necessário que o projeto de interiores contemple as diferentes necessidades de cada tipo de estabelecimento, procurando criar ambientes onde forma e função, isto é, estética e funcionalidade, convivam de maneira que atendam aos objetivos do indivíduo. De posse das informações e dados coletados sobre o espaço, considerando as necessidades da professora interessada, discutiram-se as possibilidades e os limites do espaço no sentido de visualizar soluções. Na seqüência, as estagiárias desenvolveram os layouts e apresentaram à professora interessada. Assim, foi o detalhamento do mobiliário e especificação de materiais, visando encaminhar para a marcenaria um projeto detalhado para execução. O segundo e terceiro projetos, planejados e executados, foram relacionados ao Auditório Fernando Sabino (UFV). O primeiro deles relacionado a um dos camarins existentes e o segundo relativo à sala de projeções. Inicialmente foi realizada uma visita aos locais, onde foram feitos os contatos com os espaços físicos e com o interessado. Nesse momento, foram feitas as anotações a respeito das características do espaço para o qual seria desenvolvido o projeto. De posse das informações e dados coletados sobre o espaço, bem como das necessidades do usuário, discutiram-se as possibilidades e os limites do espaço no sentido de visualizar soluções,

16 desenvolvendo assim os layouts. Em seguida, estes foram apresentados à cliente com o intuito de mostrar e explicar a proposta da sala de projeção e do camarim. Além disso, foi elaborado o orçamento dos projetos, através de pesquisa no mercado de Viçosa-MG e Ponte Nova-MG, que foi entregue à cliente, para análise. O quarto projeto tratou-se de uma sala de estudos para dois adolescentes em uma casa localizada na cidade de Viçosa-MG. Para este projeto foi elaborado a planta baixa, a partir de um pré-layout disponibilizado em sketchup. Dessa forma, foi elaborado o detalhamento de todo o mobiliário, que foi anexado ao projeto e encaminhado ao cliente. É importante ressaltar que o reduzido espaço disponibilizado para esta sala de estudo foi um fator que condicionou a disposição do mobiliário. Esta redução de espaço é um ponto muito recorrente nos dias de hoje, como afirma Guimarães (2007) quando diz que um dos grandes desafios, que o projetista se depara é conseguir adequar às necessidades do usuário aos espaços cada vez mais reduzido das residências. Além dos projetos relatados acima,foi elaborado um material para o mini curso intitulado Natureza, Cores e Interiores que seria ministrado na 80ª Semana do Fazendeiro da UFV e em outros momentos em que este se fizer pertinente. Esse mini-curso se faz importante, pois como afirma Rapôso et al. (2007) as funções de um projetista não consistem somente em ações contínuas no desenvolvimento dos projetos de interiores, eles devem também saber utilizar e combinar cores, materiais, texturas e disposição de móveis e acessórios. CONCLUSÕES Conclui-se que o estágio na referida área foi de grande valia no processo de formação acadêmica, visto que proporcionou confrontar a teoria com a prática, além de promover a oportunidade de realizar projetos para clientes específicos, de acordo com a perspectiva do usuário sobre o espaço a ser planejado, pensando em diversas propostas existentes para o local, como também gerou experiência na elaboração de materiais para a realização de

17 mini-curso referente à ambientação de espaços, inspirados em cores da natureza. No decorrer deste estágio, houveram algumas limitações, como a dificuldade de encontrar horário em comum entre as estagiárias e os usuários dos espaços que seriam planejados, além da falta de tempo em acompanhar a execução dos projetos realizados. Assim, recomenda-se que os futuros estágios na área de habitação e projetos de interiores tenham um tempo hábil para o acompanhamento dos projetos desde seu início até a sua implantação final. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DOMÉSTICA. Disponível em: <http://www.ded.ufv.br/?area=apresentacao>. Acesso dia 22 jun GUIMARÃES, Elza Maria Vidigal. Desenho e Detalhamento de Móveis. Notas de aula da disciplina Desenho e Detalhamento de Móveis. Viçosa, MG GURGEL, Miriam. Projetando Espaços: Guia Arquitetônico de Interiores para Áreas Comerciais. Disponível em: <http://books.google.com/books?hl=pt- BR&lr=&id=t5Jt_kB8fpwC&oi=fnd&pg=PA7&dq=projeto+de+interiores&ots=Qd1 syw1z73&sig=zo78hyp17uebahsjsfy4gqdp0e8#ppa5,m1>. Acesso dia 22 jun RAPÔSO, Áurea; CHAGAS, Maria Lêda; LIMA, Renata. Exposições Temáticas: Educar, Interiorizar Conceitos, Praticar o Design Disponível em:<http://www.redenet.edu.br/publicacoes/arquivos/ _102255_desg -008.pdf>. Acesso dia 22 jun

18 FAMÍLA EM CRISE: PRINCIPAIS PROBLEMAS DO PONTO DE VISTA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E DO SABER POPULAR GUIMARÃES, E. P.; LORETO, M. D. S. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA INTRODUÇÃO Em pleno século XXI, nossa sociedade se vê diante de um movimento de constantes alterações, sob o efeito de macro-variáveis, como a urbanização crescente, o avanço das ciências e da tecnologia e das necessidades educacionais, tendo como pano de fundo a economia globalizada. E, segundo Araújo e Scalon (2005), nos países em desenvolvimento, uma das características mais evidentes da modernidade está na oposição entre presente e passado, marcada pela acentuada procura pelo novo e a conseqüente rejeição pelo antigo. como parte inerente dessa sociedade, a instituição familiar vem sofrendo grandes modificações, interpretadas por muitos como uma crise. De acordo com Prado (1986), essas mudanças deixaram as famílias brasileiras vulneráveis a vários problemas, com reflexos sobre a sua estrutura e funções. Contudo, a família como toda instituição social apresenta aspectos positivos, enquanto núcleo afetivo, de apoio e solidariedade, ainda que apresente ao lado destes, aspectos negativos; tornando-se, muitas vezes, um elemento de coação social, geradora de conflitos e ambigüidades. A importância de analisar tais crises está no fato de poder descrever e quantificar os diversos problemas pelos quais as famílias brasileiras estão sujeitas bem como apontar estratégias, que têm sido adotadas para atenuá-las; verificando-se assim, como as famílias se comportam diante de situações de crise. OBJETIVOS

19 Neste contexto, este trabalho tem como objetivo geral analisar as mudanças e os principais problemas enfrentados pela família brasileira. E, ainda, como objetivos específicos pretende-se: identificar as causas das crises vivenciadas pelas famílias; verificar as estratégias adotadas pelas famílias para atenuação desses problemas. METODOLOGIA O presente estudo foi realizado na cidade de Viçosa, localizada na região da Zona da Mata do estado de Minas Gerais. Para caracterização da amostra foram selecionadas 10 famílias viçosenses, de diferentes condições econômicas e sociais e das mais variadas formação e ocupação. As informações referentes ás famílias foram coletadas por meio de uma entrevista semi-estruturada. RESULTADOS Os resultados mostraram que 50% dos entrevistados eram do sexo masculino e 50% do sexo feminino, na faixa etária de 27 a 69 anos de idade. Em relação à profissão, todos os entrevistados possuíam diferentes cargos. No que se refere ao rendimento familiar, 30% dos entrevistados tinham um rendimento acima de dez salários mínimos e 10% dos entrevistados com rendimento familiar entre 1 e 5 salários mínimos. Referente aos problemas enfrentados pelas famílias brasileiras que impedem o alcance da cidadania, cerca de 20% dos entrevistados salientou que os problemas vivenciados pela maioria das famílias era a falta de escolas públicas de boa qualidade, enquanto 80% dos entrevistados julgam que os principais problemas são devido à precariedade dos serviços públicos, nas áreas de segurança, saúde, lazeres, acesso a moradias e, também, à falta de conhecimentos sobre seus direitos como cidadão. Quando perguntados sobre o significado de cidadania, todos os entrevistados tiveram, basicamente, a mesma concepção, considerando a questão dos seus direitos e deveres como cidadão. Contudo, Dallari (1998) enfatiza apenas os direitos, que devem ser respeitados para que uma pessoa possa exercer sua cidadania, não abordando os deveres que as pessoas têm dentro de uma sociedade como cidadão.

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO Janelene Freire Diniz, Adeilton Padre de Paz, Hellen Regina Guimarães da Silva, Verônica Evangelista de Lima RESUMO Departamento de Química, Universidade

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário

Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário Cecília Galvani* Colaboração: Coletivo Pontos de Encontro A Terapia Comunitária (TC) Há cerca de 20 anos, em Fortaleza (CE), na Favela

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro.

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. E.E. Prof. José Pereira Éboli Sala 12 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Meire Regina de Almeida Siqueira Maria Regina Nunes de Campos Realização:

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Projeto Barro Preto em Ação

Projeto Barro Preto em Ação Projeto Barro Preto em Ação Mirian de Sousa SILVA 1 ; André Luis RIBEIRO 2 ; 1ªTurma de Meio Ambiente 3 1 Professora orientadora do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Bambuí/Extensão Oliveira-MG. 2

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL?

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? Marilia Borges 1 INTRODUÇÃO Pretende-se apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que teve como perspectiva compreender se as medidas de proteção

Leia mais

TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB

TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB Autoria: Islany Costa Alencar¹, Renata Duarte Moreira¹,

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe ARTICULAÇÃO DE REDES

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais