Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³"

Transcrição

1 Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão de Porto Alegre conhecido como Ilha das Flores. Contar essa história com fotos e imagens do local seria fácil, mas Jorge Furtado, diretor, fez diferente. Com uma montagem inteligente e com um tom bem humorado chama a atenção do público infantil ao adulto. Este trabalho mostra os aspectos do Cinema Documentário e faz uma análise da construção do Curta. PALAVRAS-CHAVE: Documentário, Curta Metragem, Filme, Lixo. INTRODUÇÃO 1. Cinema Documentário A definição de "documentário" não é mais fácil do que a de "amor" ou de "cultura". Seu significado não pode ser reduzido a um verbete de dicionário, como "temperatura" ou "sal de cozinha". Não é uma definição completa em si mesma, que possa ser abarcada por um enunciado que, no caso do "sal de cozinha", por exemplo, diga tratar-se do composto químico de um átomo de sódio e um de cloro (NaCl). A definição de "documentário" é sempre relativa ou comparativa. Assim como amor adquire significado em comparação com indiferença ou ódio, e cultura adquire significado quando contrastada com barbárie ou caos, o documentário define-se pelo contraste com filme de ficção ou filme experimental e de vanguarda. (NICHOLS, 2009, p.47) Essa complexidade expressa por Nichols poderia não ter esse grau de dificuldade se o Documentário fosse a reprodução da realidade, mas isso não ocorre porque este não é uma imitação do que existe, mas uma representação de onde vivemos. Reflete uma ideia que não paramos para analisar, pela correria do dia a dia. Mesmo com alguns elementos em comum o documentário não adota técnicas fixas, não trata das mesmas questões, não tem uma forma definida na sua construção; ou seja; tudo pode variar. Todo filme é um documentário. Mesmo a mais extravagante das ficções evidencia a cultura que a produziu e reproduz a aparência das pessoas que fazem parte dela. Na verdade, poderíamos dizer que existem dois tipos de filme: documentários de satisfação de desejos e documentários de representação social. Cada tipo conta uma história, mas essas histórias, ou narrativas são de espécies diferentes. (NICHOLS, 2009, p.26) 1. Trabalho submetido ao XII Encontro dos Grupos de Pesquisa em Comunicação, na categoria de Comunicação Audiovisual, modalidade Cinema. 2. Estudante de graduação do 8º semestre do Curso de Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda da Universidade Federal do Ceará, 3. Orientador do trabalho. Professor do Curso de Publicidade e Propaganda da UFC. 1

2 De acordo com o autor todo o filme é um documentário, embora saibamos que o contrário nem sempre acontece. Para ele temos dois tipos de documentários o de Satisfação e de Representação Social. O documentário de Satisfação de Desejos ou Ficção mostra de forma concreta os desejos, sonhos, aspirações, medos, pesadelos do Ser Humano. Neles tudo que era encontrado somente nos pensamentos, sonhos se tornam reais, pois expressam através das imagens o que tanto desejamos, tememos, podendo ser possível ou não. Neste tipo de documentário tudo depende do expectador que pode ou não ter como verdade os acontecimentos presentes na história. Normalmente criam universos paralelos distantes do real, mundos utópicos que podem ser experimentados, podendo o público deixar-se levar ou não. Já o Documentário de Representação Social não é ligado à ficção. Ao contrário deste registra momentos do mundo em que vivemos de forma real, mostrando a realidade social da forma como ela é e destacando pontos importantes de cunho social. Evidencia a concepção de realidade como ela foi, é e será, exibindo verdades. Esse tipo de filme revela novos entendimentos sobre o mundo e como ele acontece no seu dia a dia. Os dois tipos de Documentários, mesmo um deles não sendo totalmente real, carecem da nossa credibilidade, pois tudo depende das crenças e valores que estes carregam. Dessa forma podemos acreditar nas Ficções ou nas Representações Sociais. I. Documentário de Representação Social Os documentários dão-nos a capacidade de ver questões oportunas que necessitam de atenção. Vemos visões fílmicas do mundo. Essas visões colocam diante de nós questões sociais e atualidades, problemas recorrentes e soluções possíveis. O vínculo entre o documentário e o mundo histórico é forte e profundo. (NICHOLS, 2009, p.27) Esse tipo de filme nos leva a uma viagem pelo nosso mundo, mostrando seus principais elementos e dando importância a situações cotidianas, fazendo com que o expectador reconheça essas circunstâncias como algo não tão distante da realidade. As cenas são compostas de pessoas, lugares em situações normais que poderíamos ver fora das telas. Essa propriedade dá realismo ao filme aumentando a crença dos espectadores sobre aquele assunto debatido. O principal objetivo do documentário é mostrar através de histórias, argumentos, um mundo novo, escondido, não percebido. Os equipamentos que o cinema dispõe atualmente facilitam a construção de imagens e cenas que mostram a realidade, facilitando 2

3 o processo de aceitabilidade do expectador. Outra situação possível é quando o filme representa interesses de outros retratando um determinado público, seja os sujeitos do filme ou patrocinador da película. Outro propósito que este pode ter é levantar um ponto de vista e defendê-lo, mostrando provas e circunstancias para dar veracidade aos fatos expostos. Para isso mostra a origem do assunto e expõe detalhes que não eram conhecidos ou compreendidos pelos espectadores, influenciado as opiniões. Outra característica importante é o sentimento de pertencimento ao gênero predominante no filme. Um filme de terror possui elementos que determinam que ele seja assim denominado, bem como um drama possui os mesmos que designam seu gênero.no documentário isso também acontece, pois existem normas e convenções que caracterizam cada tipo de filme. Dessa forma, temos alguns elementos presentes no Documentário: Entrevistas, cortes para introduzir imagens, uso de atores sociais, pessoas em papeis cotidianos e uma história que gira em torno do mundo como nós o vivemos. O objetivo principal desse gênero é sustentar um argumento, afirmação, alegação sobre o mundo. Dentro do Gênero Documentário temos os subgêneros que são modelos de representação deste gênero. A ordem de apresentação desses seis modos corresponde, aproximadamente, à cronologia do seu surgimento. Portanto, pode parecer fazer uma história do documentário, mas imperfeitamente. A identificação de um filme com certo modo não precisa ser total. Um documentário reflexivo pode conter porções bem grandes de tomadas observativas ou participativas; um documentário expositivo incluir segmentos poéticos ou performáticos. As características de um dado modo funcionam como dominantes num dado filme: elas dão estrutura ao todo do filme, mas não ditam ou determinam todos os aspectos de sua organização. Resta uma considerável margem de liberdade. (NICHOLS, 2009, p.137) O modo Poético deixa as convenções de lado e as especificidades do lugar e tempo tem um segundo plano. Nesse modelo temos formas alternativas de conhecimento para transferir informações, enfatizando os sentimentos, estados e retórica pouco desenvolvida. No modo Expositivo temos o mundo expresso de forma mais retórica, argumentativa do que estética ou poética. Ele depende muito de uma lógica informativa que normalmente é transmitida verbalmente. 3

4 No modo Observatório ao contrário dos modelos anteriores temos a valorização de filmes em que pessoas com suas vidas cotidianas com o objetivo de convencer o expectador, dando realismo ao filme. No modelo Participativo temos uma concepção particular do cineasta, pois é a partir da sua percepção de determinada situação que o filme será construído. Nesse tipo não temos um observador, mas alguém que é atuante na situação. No modo Reflexivo existe uma proximidade entre o cineasta e participante do filme, no caso do modo reflexivo as atenções são para os espectadores. Nesse momento damos importância ao que o cineasta fala para nós. O modo Performático desperta questões sobre o que é conhecimento e provoca vários questionamentos sobre isso. Aproxima-se do cinema experimental, vanguardistas, embora sua abordagem mostre um mundo é mais do que a soma das evidências visíveis que deduzimos dele. O Documentário estudado neste trabalho se chama Ilha das Flores, se enquadra no Documentário de Representação Social por não se tratar de ficção e tem um pouco dos modelos Poético, Observativo e Performático, destacando os problemas causados pelo lixo de uma forma diferente, mas sempre com o objetivo de conscientizar. 2. Análise Curta Metragem Ilha das Flores. O Documentário Ilha das Flores foi produzido em 1989, finalizado em 35 mm e tem duração aproximada de 13 minutos. É um Docudrama e o Diretor é Jorge Furtado. Foi gravado no Rio Grande do Sul, Produção: Giba Assis Brasil, Mônica Schmiedt, Nôra Gulart, Fotografia: Roberto Henkin, Sérgio Amon, Roteiro: Jorge Furtado, Edição: Giba Assis Brasil, Direção de Arte: Fiapo Barth, Trilha original: Geraldo Flach, Empresa(s) produtora(s): Casa de Cinema de Porto Alegre, Narração: Paulo José. O documentário conta a história de um lixão na Cidade de Porto Alegre chamado Ilha das Flores. Neste lugar existe muita miséria e pobreza. As pessoas buscam no lixo o que comer para sobreviver. Existem muitas formas de contar essa história real, mas Jorge Furtado preferiu inovar e ao contrário de coleta de entrevistas e imagens do Lixão de vário ângulos diferentes ele preferiu criar uma história que tinha como fim a vida diária do deste. A História conta a vida do Senhor Suzuki, seguindo pelo dia a dia de Dona Anete e por fim o Dono do Porco. Tudo é explicado através de uma Locução Off. A primeira 4

5 informação dada é o lugar em que o Senhor Suzuki, um ser humano, planta tomates. Depois começa a explicação sobre o Ser Humano, que fundamenta os motivos dele se diferenciar de outros animais: A presença de um Tele Encéfalo desenvolvido e um Polegar Opositor. E isso os possibilitou criarem muitas invenções interessantes. Depois o tomate é levado para o supermercado para ser trocado por dinheiro. É então que Dona Anete aparece, vendedora de produtos de beleza, ganha dinheiro com a venda destes produtos e compra os tomates fornecidos ao supermercado pelo Senhor Suzuki para cozinhar a carne de Porco. Um destes está, segundo o julgamento de Dona Anete, inapropriado para consumo é então que ele vai para o lixo que atrai muitas doenças e por isso que este é levado para bem longe. Em Porto Alegre o lixo que é recolhido das casas como o da Dona Anete vai pra Ilha das Flores. Nesta Ilha não existe muitas flores. O tomate, que ela julgou impróprio e foi para o lixo tem grande utilidade para os Porcos que vivem na Ilha, pois para eles o tomate que veio da casa da vendedora é apropriado para o consumo. O Dono do Porco, Dono também, de um terreno na Ilha, recebe o lixo orgânico que vem da cidade e separa o que serve para o Porco e o que não serve. O que é ruim para o porco é colocado à disposição dos seres humanos desprovidos de dinheiro e com liberdade que moram na Ilha pelo tempo de 5 minutos, pois existem muitos e pouca comida que para o Porco não foi apropriada. O tomate / plantado pelo senhor Suzuki, / trocado por dinheiro com o supermercado, / trocado pelo dinheiro que dona Anete trocou por perfumes extraídos das flores, / recusado para o molho do porco, / jogado no lixo / e recusado pelos porcos como alimento / está agora disponível para os seres humanos da Ilha das Flores. (Furtado, 1989) É dessa forma que a história é contada, temos um problema social em meio a um dia cotidiano da Cidade de Porto Alegre. Durante os diálogos existe a passagem de imagens, muitas vezes chocantes como a do Olocausto quando o narrador se refere aos Judeus, a Bomba Atomica quando se refere ao que o Ser Humano é capaz de produzir com o Polegar Opositor. O texto é construido em explicações de significados e de marcação do tempo, um exemplo de significado: Ilha é uma porção de terra cercada de água por todos os lados. A água é uma substância inodora, insípida e incolor formada por dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio. Marcação do Tempo: Cinco minutos são trezentos segundos, Meio dia / é a hora do almoço. Outra grande preocupação é retomar sempre o que foi dito e ligar as informações: Há poucas flores na Ilha das Flores. Há, no entanto, muito lixo e, 5

6 no meio dele, o tomate que dona Anete julgou inadequado para o molho da carne de porco. As imagens presentes enfatizam o que é dito pelo narrador, principalmente, quando se trata da Ilha e de como as mulheres e crianças comem. Algumas Observações são pertinentes para esse momento. Será que somente mulheres e crianças estão presentes nos lixões? Com certeza a figura da mulher e da criança foi usada para chamar mais atenção e se aproximar emotivamente do espectador. Outra informação importante é perceber que a introdução não foi produzido em computação gráfica pois quando o planeta está girando e a câmera faz Zoom In percebemos claramente que ele está a frente do letreiro e depois a fumaça é usada em cima. Muitas características e detalhes estão presentes no texto, mesmo que as imagens não existissem o espectador imaginaria as situações como a Dona Anete no Supermercado comprando Tomates ou Dona Anete é um bípede, mamífero, católico, apostólico, romano. Possui o telencéfalo altamente desenvolvido e o polegar opositor. é, portanto, um ser humano.. Temos ainda o toque religioso presente com a frase: Deus não Existe bem no inicio do Documentário instigando mais ainda o espectador a acreditar que não existe esperança. E o toque sutil do Porco que come melhor do que os Seres Humanos porque pertencem a alguém. REFERÊNCIAS NICHOLS, Bill. Introdução ao Documentário. 4 Edição São Paulo: Papirus, AUMONT, Jacques. A Imagem. 13 Edição São Paulo: Papirus, JOLY, Martine. A Imagem. 2 Edição São Paulo: Papirus, ALEGRE, Casa de Cinema de Porto. Ilha das Flores. Disponível em: <http://www.casacinepoa.com.br/os-filmes/produ%c3%a7%c3%a3o/curtas/ilha-dasflores>. Acesso em: 22 jun CURTAS, Porta. Ilha das Flores. Disponível em: <http://www.portacurtas.com.br/filme/?name=ilha_das_flores>. Acesso em: 22 jun

Estudo de caso do filme Ilha das Flores de Jorge Furtado: A relação entre a narrativa e o tema 1

Estudo de caso do filme Ilha das Flores de Jorge Furtado: A relação entre a narrativa e o tema 1 Estudo de caso do filme Ilha das Flores de Jorge Furtado: A relação entre a narrativa e o tema 1 Resumo Cecília Pinto Santos 2 Luciene Tófoli 3 Universidade Federal de São João del-rei, São João del-rei,

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; Inglês; Projeto Interdisciplinar;

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

Cigarro, mais um prego no seu caixão 1. Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC

Cigarro, mais um prego no seu caixão 1. Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC Cigarro, mais um prego no seu caixão 1 Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC RESUMO Uma das maiores causas de morte no mundo que poderia

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Centelhas sem telhas: um documentário sobre quem vive nas ruas de Guarapuava/PR 1

Centelhas sem telhas: um documentário sobre quem vive nas ruas de Guarapuava/PR 1 Centelhas sem telhas: um documentário sobre quem vive nas ruas de Guarapuava/PR 1 Luna Soares MARQUES 2 Angelo Crystovam MACAGNAM 3 Any Mary Ossak CORDEIRO 4 Walquiria de LIMA 5 Gilson Aparecido BOSCHIERO

Leia mais

Mundaú: além da margem 1

Mundaú: além da margem 1 Mundaú: além da margem 1 Eduardo Leite VASCONCELOS 2 Rhamayana Barros BARRETO 3 Amanda Régia Amorim Morais dos SANTOS 4 Almir GUILHERMINO 5 Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL RESUMO Reportagem

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA Endereço: Rua 1 Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA RESUMO: O presente trabalho foi apresentado à disciplina Fotojornalismo II e consistiu na produção de um ensaio fotodocumental.

Leia mais

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Anthony Andrade NOBRE² Edmilson da Silva GUSMÃO³ Marla Eglaea da Silva FREIRE 4 Rakel de Araripe Bastos CAMINHA 5 Rodolfo Carlos MARQUES 6 Claúdia Adriane SOUZA 7

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

RÁDIONOVELA ALÉM DA PRODUTORA 1

RÁDIONOVELA ALÉM DA PRODUTORA 1 RESUMO RÁDIONOVELA ALÉM DA PRODUTORA 1 Felipe Montejano da SILVA 2 Juliana de Carvalho CRAVO 3 Melina Sampaio MANFRINATTI 4 Roberta POMPERMAYER 5 Stéfani Bilibio PARNO 6 Luiz VELOSO 7 Universidade Metodista

Leia mais

Spot Casas Bahia Os Namorados 1

Spot Casas Bahia Os Namorados 1 Spot Casas Bahia Os Namorados 1 Anna Carolina M. do AMARAL 2 Carlos Rafael CABRAL 3 Gabriel GARCIA 4 João Paulo ANDREAZZA 5 Josiane Aparecida PAUVELS 6 Priscila Vanessa NONES 7 Rosana BALDO 8 Deivi Eduardo

Leia mais

Sistema de Recuperação

Sistema de Recuperação Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I - 2º ano 2011 Sistema de Recuperação ATIVIDADES EXTRAS DE RECUPERAÇÃO PARALELA E CONTÍNUA FAÇA UMA CAPA PERSONALIZADA PARA SUA APOSTILA DE ESTUDOS Nome: Classe:

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Publicidade: Ensaio Fotográfico Abrigo Bezerra de Menezes #ExperimenteDoar 1

Publicidade: Ensaio Fotográfico Abrigo Bezerra de Menezes #ExperimenteDoar 1 Publicidade: Ensaio Fotográfico Abrigo Bezerra de Menezes #ExperimenteDoar 1 Gustavo SILVA 2 Daniela NATHALI 3 Danielle DORNELLES 4 Karina PAMELA 5 Larissa MACEDO 6 Nivea ALVES 7 Thais BISPO 8 Débora CARVALHO

Leia mais

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos:

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: 3 Metodologia O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: A questão da pesquisa O tipo da pesquisa e metodologia utilizada A coleta dos dados e tratamento

Leia mais

Energético Burn 1. PALAVRAS CHAVE: Fotografia; Fotografia Publicitária, Energético.

Energético Burn 1. PALAVRAS CHAVE: Fotografia; Fotografia Publicitária, Energético. Energético Burn 1 Humberto Leopoldo P. CARDOSO FILHO 2 Tainá Claudino dos SANTOS 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, SC RESUMO A fotografia aqui apresentada foi concebida

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

Aceite Amar 1. Ed Carlos dos Santos SILVA 2 Thalysa DONATO 3 Lamounier LUCAS 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Aceite Amar 1. Ed Carlos dos Santos SILVA 2 Thalysa DONATO 3 Lamounier LUCAS 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG Aceite Amar 1 Ed Carlos dos Santos SILVA 2 Thalysa DONATO 3 Lamounier LUCAS 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG RESUMO O presente trabalho acadêmico refere-se à ONG GPH (Grupo de Pais

Leia mais

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT A Identidade do Anjo 1 Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT RESUMO Documentário expositivo de 10 minutos que aborda

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem

O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem PACC / UAB / UFABC O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem Por Lilian Menezes Como dito anteriormente, na linguagem audiovisual as imagens ocupam lugar de destaque e quando começamos a trabalhar

Leia mais

No quadro abaixo, transcreva sua resenha, organizando-a conforme solicitado:

No quadro abaixo, transcreva sua resenha, organizando-a conforme solicitado: Colégio Pedro II Unidade Escolar Realengo II Informática Educativa 2014 Professores: Simone Lima e Alexandra Alves (informática educativa) Raquel Cristina, Reni Nogueira e Marcos Ponciano (Língua Portuguesa)

Leia mais

Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1

Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1 Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1 Najara Magali KREUSCH 2 Fernando Rodrigues DAMACENO 3 Adriane Rodrigues DAMACENO 4 Aline Beatriz da SILVA 5 Bruna de Oliveira CARVALHO 6 Anderson SACHETTI

Leia mais

Varal da Mamãe 1. PALAVRA-CHAVE: fotografia publicitária; mãe; moda infantil; Chicletaria.

Varal da Mamãe 1. PALAVRA-CHAVE: fotografia publicitária; mãe; moda infantil; Chicletaria. Varal da Mamãe 1 Lucelaine Lima de SOUZA 2 Elizandra DUARTE 3 Larissa Neves de Jonas BASTOS 4 Nícolas Carrelo CABRAL 5 Elton Tamiozzo de OLIVEIRA 6 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS. RESUMO

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES NÍVEL: FUNDAMENTAL TURNO: MANHÃ GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES SUPLETIVO 2013 QUADRO DE PROVAS PORTUGUÊS PRÉDIO: SALA: NOME COMPLETO: RG: Nº DE INSCRIÇÃO:

Leia mais

Modalidade Fotografia Publicitária - Nativa Spa 1

Modalidade Fotografia Publicitária - Nativa Spa 1 Modalidade Fotografia Publicitária - Nativa Spa 1 Andressa Cristina Souza Silva 2 Douglas de Oliveira Silveira 3 Gabriella Ornella de Sá Leal 4 Ingrid Silva Albino 5 Larissa Amorim Silva 6 Nathalia Silva

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO MENDES, C. A, IFMG - Campus Ouro Preto, c.arcanjomendes@gmail.com; CÂNDIDO, T. F, IFMG - Campus Ouro Preto, thiagoferreira750@yahoo.com.br; SILVA, C.

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Gênero Documentário Diretor Roberto Berliner Elenco Conceição, Maria, Regina Ano 1998 Duração 6 min Cor Colorido Bitola 35mm País Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=1010

Leia mais

Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1. Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3

Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1. Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3 Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1 Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3 Faculdade Martha Falcão DeVry, Manaus, AM RESUMO As populações ribeirinhas do Amazonas convivem

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

Ilha Das Flores - Roteiro Consolidado

Ilha Das Flores - Roteiro Consolidado Faculdade Cásper Libero Jornalismo 3º Ano Disciplina: Administração de Produtos Editoriais Prof. Renato Delmanto Aula: Roteiro de documentário 2 texto de apoio Ilha Das Flores - Roteiro Consolidado OBSERVAÇÃO:

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0761 A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE JORNALISMO DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Guia Básico para Produção Audiovisual

Guia Básico para Produção Audiovisual Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/b/98/ca/mnemocine/public_html/libraries/gantry/core/gantrytemplate.class.php on line 645 Warning: array_key_exists() [function.array-key-exists]:

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º: O I Democracine Festival Internacional

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

3.1 Poderão participar realizadores de todo Território Nacional e produções internacionais.

3.1 Poderão participar realizadores de todo Território Nacional e produções internacionais. Apresentação O IIII Festival de Cinema de Mogi Mirim será realizado de 13 a 22 de outubro 2013, momento onde vamos promover a produção de filmes de curta metragem, incentivar as discussões, a formação

Leia mais

Leitura de textos não verbais e de quadrinhos

Leitura de textos não verbais e de quadrinhos Nome: Nº: Turma: Português 3º ano Análise de textos não verbais Wilton Jun/10 Leitura de textos não verbais e de quadrinhos Analisaremos um texto não-verbal e três tirinhas. O primeiro texto é um quadro

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Eco-Mundi 1. PALAVRAS-CHAVE: game; remake; PacMan; natureza; sustentabilidade.

Eco-Mundi 1. PALAVRAS-CHAVE: game; remake; PacMan; natureza; sustentabilidade. Eco-Mundi 1 Gabriela Cardoso LEITÃO 2 Amanda Lorraine Teles RODRIGUES 3 Bruno Andrew Furtado de SOUSA 4 Luisa Pinto ALMEIDA 5 Lamounier Lucas PEREIRA JUNIOR 6 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Videoclipe: Só sei dançar com você 1

Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Bruno Olhero BOTAS 2 Gabriela dos Santos SILVA 3 Grazielli FERRACCIOLLI 4 Guilherme Henrique de SOUZA 5 Isa Dias Colombo SANTOS 6 Rahessa da Silva VITÓRIO 7 Yasmin

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA

SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA 1 SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA Bruna Carreira Barcaroli Jéssica Gonçalves Evangelista¹ Orientadora: Profª. Drª. Sheila F. P. de Oliveira Resumo:

Leia mais

Dia do Publicitário 1. Desirée Jéssica dos SANTOS 2 Fábio Augusto da SILVA 3 Renata Aparecida FRIGERI 4 Faculdade Pitágoras, Londrina, PR

Dia do Publicitário 1. Desirée Jéssica dos SANTOS 2 Fábio Augusto da SILVA 3 Renata Aparecida FRIGERI 4 Faculdade Pitágoras, Londrina, PR Dia do Publicitário 1 Desirée Jéssica dos SANTOS 2 Fábio Augusto da SILVA 3 Renata Aparecida FRIGERI 4 Faculdade Pitágoras, Londrina, PR RESUMO Este paper tem como objetivo homenagear e valorizar o Profissional

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

Juízes 17-18 (Um Grande Perigo)

Juízes 17-18 (Um Grande Perigo) Juízes 17-18 (Um Grande Perigo) O povo prestou culto ao Senhor durante toda a vida de Josué e dos líderes que sobreviveram a Josué e que tinham visto todos os grandes feitos do Senhor em favor de Israel.

Leia mais

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4 Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹ Marcela Lorenzoni² Camila Costa Toppel³ Camila Petry Feiler 4 Francielle Ferrari 5 Cícero Lira 6 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Anjos e carrascos CONCEITOS A EXPLORAR. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. H istória. Identidade social e diversidade. Ideologia.

Anjos e carrascos CONCEITOS A EXPLORAR. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. H istória. Identidade social e diversidade. Ideologia. CONCEITOS A EXPLORAR H istória Identidade social e diversidade Ideologia. Permanências e mudanças históricas. Relações políticas, sociais e de poder. Religião e religiosidade. Semelhanças e diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET CURITIBA 2014 MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET Monografia

Leia mais

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 COSTA 2 Daiane dos Santos; FONSECA 3 Aurea Evelise dos Santos; ZUCOLO 4 Rosana Cabral 1 Trabalho submetido ao SEPE 2011 Simpósio

Leia mais

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL Kelly Cristina Costa de Lima, UEPA Aline Marques Sousa, UEPA Cassia Regina Rosa

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

COBERTURA ESTADUAL REDE MASSA

COBERTURA ESTADUAL REDE MASSA COBERTURA ESTADUAL REDE MASSA TV IGUAÇU CURITIBA 32 3.713.674 2,4178 1.179.457 TV TIBAGI MARINGÁ 174 2.512.755 1,3142 808.474 TV NAIPI FOZ DO IGUAÇU 60 1.426.724 0,7393 456.222 TV CIDADE LONDRINA 54 1.480.558

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Luz, Câmera, 41ª Edição! 1

Luz, Câmera, 41ª Edição! 1 Luz, Câmera, 41ª Edição! 1 Martin D Estefani MARTINELLI 2 Yasmin Rezende SARAIVA 3 Eduardo Perotto BIAGI 4 Elton Tamiozzo de OLIVEIRA 5 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: O presente

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

1.2.1. O Concurso é aberto a todos os participantes inscritos no Congresso Eventos Brasil, sem limite de idade.

1.2.1. O Concurso é aberto a todos os participantes inscritos no Congresso Eventos Brasil, sem limite de idade. CONCURSO DE FOTOGRAFIA REGULAMENTO Tema do Concurso: A Vida é um Evento 1. O CONCURSO 1.1. DA REALIZAÇÃO 1.1.1 O Concurso de Fotografias da ABEOC Brasil tem caráter exclusivamente cultural, sem qualquer

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio A exploração é caracterizada pela relação sexual de criança ou adolescente com adultos, mediada por

Leia mais

Internacionalização da Amazônia

Internacionalização da Amazônia Internacionalização da Amazônia Cristovam Buarque A partir dos anos 1970, o planeta deixou de ser um conceito abstrato apenas dos geógrafos e astrônomos e começou adquirir uma dimensão concreta para os

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 3 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 3 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio mbiente 3 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando, identificando-se

Leia mais

Uma volta no tempo de Atlântida

Uma volta no tempo de Atlântida Cristais mestres Esse curso, tratar-se de conhecimentos sagrados deixados por mestres antigos e passados adiante por aqueles que acreditavam que os que descobrissem zelariam por ele. Há muitos anos atrás,

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar:

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: Meditação Crianças de 7 a 9 anos NOME:DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4) 2-

Leia mais

Raízes Manauaras 1. Nicolas Tien-Yun da Silva THAINER 2 Synde Libório dos SANTOS 3 Andriella Paluzza Evelyn dos SANTOS 4 Joana Frota REBOUÇAS 5

Raízes Manauaras 1. Nicolas Tien-Yun da Silva THAINER 2 Synde Libório dos SANTOS 3 Andriella Paluzza Evelyn dos SANTOS 4 Joana Frota REBOUÇAS 5 Raízes Manauaras 1 Nicolas Tien-Yun da Silva THAINER 2 Synde Libório dos SANTOS 3 Andriella Paluzza Evelyn dos SANTOS 4 Joana Frota REBOUÇAS 5 Marcela Medeiros de LEIROS 6 Allan Soljenítisin Barreto RODRIGUES

Leia mais

Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1

Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1 Publicidade para Arrecadação de Fundos para Associação AMEV AMEV: Sonhando com os Pés no Chão 1 Gustavo PELLA 2 Isabeli da Silva GUIRELLI 3 Jessé Florentino BENTO 4 Marlon Cine de LIMA 5 Rodolfo MIRANDA

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

Largue a rotina e suma do mapa 1. Natália Rios Godoy 2 Edgar Tavares da Silva 3 Faculdade Estácio de Sá, Campo Grande, MS

Largue a rotina e suma do mapa 1. Natália Rios Godoy 2 Edgar Tavares da Silva 3 Faculdade Estácio de Sá, Campo Grande, MS Largue a rotina e suma do mapa 1 Natália Rios Godoy 2 Edgar Tavares da Silva 3 Faculdade Estácio de Sá, Campo Grande, MS RESUMO Largue a rotina e suma do mapa é o título do anúncio impresso de uma campanha

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

ARTE EGÍPCIA. c) ( ) Ao observar uma obra já se define o autor, pois suas características estão expressas na obra.

ARTE EGÍPCIA. c) ( ) Ao observar uma obra já se define o autor, pois suas características estão expressas na obra. ARTE EGÍPCIA Questão 01 A Religião é fator predominante na cultura egípcia, o que é óbvio, reflete imediatamente na produção artística deste povo. Assinale a alternativa que indica uma característica dessa

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais