ESTATUTO!SOCIAL! ) TÍTULO)I) )DA)CONSTITUIÇÃO) CAPITULO)I) )DA)DENOMINAÇÃO,)SEDE,)NATUREZA)E)DURAÇÃO) ) ) )

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO!SOCIAL! ) TÍTULO)I) )DA)CONSTITUIÇÃO) CAPITULO)I) )DA)DENOMINAÇÃO,)SEDE,)NATUREZA)E)DURAÇÃO) ) ) )"

Transcrição

1 ESTATUTOSOCIAL TÍTULOI DACONSTITUIÇÃO CAPITULOI DADENOMINAÇÃO,SEDE,NATUREZAEDURAÇÃO Art. 1º Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,comsedeàRuaBuenosAires,2 sala1702,centro RiodeJaneiro RJ,CEP:20070G 022,ficaconstituídaumaassociaçãocivilcompersonalidadejurídicadedireitoprivado,semfins lucrativos,filantrópica,decaráterassistencial,científico,esportivo,cultural,educacional,social, tecnológicoededesenvolvimentoinstitucional,comautonomiaadministrativaefinanceira. ParágrafoÚnico AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHtem duração por tempo indeterminado e regergsegá nos termos desse Estatuto, seus atos complementaresepelasdisposiçõeslegaisquelhesãoaplicáveis. Art.2º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHéconstituídapor umnúmeroilimitadodeassociadosquesedisponhamaatuarnaassociação,emproldobem comumedocumprimentodeseusobjetivosestatutários. ParágrafoÚnico AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHnão temcaráterpolíticogpartidário,éisentadequaisquerpreconceitosoudiscriminaçõesrelativos ànacionalidade,cor,raça,credoreligioso,classesocial,concepçãofilosófica,orientaçãosexual ou identidade de gênero, tanto em suas atividades quanto em suas dependências e em seu quadrosocial. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 1

2 ESTATUTOSOCIAL CAPÍTULOII DOFOROEÁREADEATUAÇÃO. Art.3º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,pordeliberação do Conselho Diretor, poderá abrir, manter ou encerrar filiais, escritórios, agências e outras dependênciasemqualquerpartedoterritórionacional,fixando,parafinsdeefeitoslegais,o respectivopatrimôniosocialalocadonasedeadministrativa. Art.4º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHtemcomoforo jurídicoacidadedoriodejaneiro,noestadodoriodejaneiro,comexclusãodequalqueroutro, pormaisprivilegiadoquesejaparaoexercíciodeseusdireitoseobrigações. Art.5º AsiniciativasdaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH serão definidas a partir de demandas da sociedade e de seus associados e serão operacionalizadas em zonas territoriais municipais ou estaduais, sempre com foco nas necessidadessociaisdetectadas,podendoatuaremtodooterritórionacional. TÍTULOII DOSOBJETIVOS CAPÍTULOI DASFINALIDADESEOBJETOSOCIAL Art. 6º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH tem por finalidade: I Defenderosinteressesmoraisemateriaisdasfamíliashomoafetivas; II Serumcentrodeestudos,dereflexãoedepesquisassobreasdiferentesformasde homoafetividadeetornargseumcentrodereferêncianoassunto; III Desenvolver atividades sociais, educativas e culturais, constituindo uma rede de solidariedade, de convivência e de ações pedagógicas, sempre voltadas à defesa dos AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 2

3 ESTATUTOSOCIAL direitos e interesse das famílias homoafetivas e das crianças e adolescentes em lares homoafetivos; IV Combater a homofobia, a transfobia, os preconceitos e as discriminações, sem perderdevistaseubemmaiortutelado:asfamíliashomoafetivas; V Apoiaraspessoasemsuaindividualidadeoucomomembrodeumafamília,noque concerneàhomoafetividade; VI Defenderosdireitosdascriançaseadolescentesemlaresdefamíliashomoafetivas, inclusiveodetersuafamíliajuridicamenteesocialmentereconhecida; VII Apoiaredefenderaigualdadededireitosedeveresdetodosospaishomossexuais edosrespectivosfamiliaresemrelaçãoaosfilhosemlaresdefamíliashomoafetivas; VIII Assistirseusmembrosouqualquercidadãoqueassimnecessiteperantequalquer esfera administrativa ou judicial na defesa da família homoafetivas e dos respectivos filhosemlaresdefamíliashomoafetivas; IX Criar,viabilizar,sistematizar,desenvolverefomentaraçõesparaoaprimoramento dosmembrosdasfamíliashomoafetivasnocampoprofissional,naeducação,nacultura, no esporte, na ciência e pesquisa, na inovação tecnológica, na preservação do meiog ambiente,naqualidadedevidaenasaúde; X Promoverotrabalhoconjuntodeseusassociados,dosórgãospúblicos,empresas privadasedasociedadecivilorganizada;conjugarosesforçoseproverosmeios,dentro dosmelhoresprincípiosdaresponsabilidadesocialedaética,eassim,contribuirparaa soluçãoouminoraçãodosproblemassociaisdefamíliashomoafetivas; XI Capacitarosmembrosdasfamíliashomoafetivas crianças,adolescentes,adultos, idososepessoascomdeficiência proporcionandosuainclusãonomercadodetrabalho ouamelhoriadassuasfunçõesprofissionais; XII Promover e executar projetos de consultorias e assessorias em áreas de conhecimentoeatuaçãodaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH; XIII Desenvolver,viabilizar,executar,apoiarefomentarprojetosassistenciais,culturais e sociais que visem à melhoria da qualidade de vida dos membros de famílias homoafetivas; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 3

4 ESTATUTOSOCIAL XIV Promover estudos e propor soluções para os problemas atinentes ao desenvolvimento e à valorização das ações em cada área de atuação específica de membrosdefamíliashomoafetivas; XV Promover a Ética, a Paz, a Cidadania, os Direitos Humanos, a Democracia, o Respeito,aDiversidade,aSolidariedadeeoutrosvaloresuniversais; XVI Postular, judicial ou extrajudicialmente, na defesa dos direitos e interesses individuais,difusosecoletivosdecriançaseadolescentes,nosmoldesdoart.210,inc. III,doEstatutodaCriançaedoAdolescente,dispensadaaautorizaçãodeAssembleia; XVII Representaredefenderosinteressesdifusos,individuaisecoletivos,emespecial de seus associados, perante as autoridades judiciárias e administrativas em todos os níveisdafederação. TÍTULOIII DOSRECURSOSEDOPATRIMÔNIO CAPÍTULOI DOSRECURSOS Art.7º Paraviabilizarosseusobjetivoseasuamanutenção,aASSOCIAÇÃOBRASILEIRADE FAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHpoderárealizarasseguintesoperações: I Obterdoações,repasseseempréstimosorigináriosde: a Instituiçõesfinanceirasnacionaiseestrangeiras; b Entidades nacionais e estrangeiras voltadas para ações de fomento e desenvolvimentoedaáreadedireitoshumanos; c Instituiçõesnãogovernamentais; d Fundosoficiaisbrasileirosouestrangeiros; e EmpresasPrivadaseFundaçõesNacionaiseInternacionais; f PessoasFísicasbrasileirasouestrangeiras. II Realizaracaptaçãoderecursosjuntoainstituiçõesfinanceiras,empresasprivadas nacionaiseinternacionais,entidadesdefomentoefundosoficiais; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 4

5 ESTATUTOSOCIAL III TodaequalqueroperaçãofinanceirapermitidaporLei; IV Prestarserviçosdeelaboraçãodeprojetos,assessoria,consultoria,capacitaçãode recursoshumanoseensino; V Comercializarprodutoscomasuamarcadevidamenteregistrada,prestarserviços, venderespaçosdepublicidadeemsuahome%page; VI Firmarcontratos,acordos,ajustes,convênioseparceriascomentidadespúblicasou privadas,nacionaisouestrangeiras; VII Arrecadar recursos provenientes de contribuições de seus associados, frutos naturaisecivisdeimóveis,taxasdeadministração,auxílios,doações,dotações,legados eusufrutosdepessoasfísicasejurídicas,inclusiveasrendasporelesgeradas. CAPÍTULOII DOPATRIMONIOSOCIAL Art. 8º O patrimônio social da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFHéilimitado,oriundodosrecursosobtidosnaformadoartigoanterior. ParágrafoPrimeiro ÉvedadaaremessadequalquerquantiadedinheiroparaforadoPaís.A ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHaplicaráintegralmenteno territórionacionalsuasrendas,eventuaissuperávitseosseusrecursosnamanutençãoeno desenvolvimentodeseusobjetivosinstitucionais. ParágrafoSegundo AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHnão distribuirá aos associados e colaboradores qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas receitasatítulodelucro,participaçãodosresultadossociaisouqualqueroutradenominação. ParágrafoTerceiro AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHnão poderá receber qualquer tipo de doação ou subvenção que possa comprometer sua independênciaeautonomiaperanteoseventuaisdoadoresousubventores. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 5

6 ESTATUTOSOCIAL TÍTULOIV DOSASSOCIADOSEFUNCIONAMENTO CAPÍTULOI DASCATEGORIASDEMEMBROS Art.9º Osintegrantesdoquadrosocial,emquantidadeilimitada,sãoformadosporpessoas físicasejurídicasquesedividemeseagrupamnasseguintescategorias: I Fundadores II Efetivos III Beneméritos IV Colaboradores Art.10º SãoMembrosFundadores,aquelesqueassinaramaatadefundaçãodaASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,comdireitoavotareservotadoemtodos osníveisouinstâncias. Art.11º SãoMembrosEfetivos,todosaquelesque,apresentadospelosMembrosFundadores eefetivos,dispõemgseaexecutar,defenderevivenciarosfinssociais,ingressamcomopedido de filiação, são aprovados pelo Conselho Diretor e ratificados pela Assembleia Geral para ingressoemseuquadrosocial;após6(seismeses,possuemdireitoavotaremtodososníveis ouinstânciasdaassociaçãoepodemservotadosparaoconselhofiscaleconselhodiretor. Art. 12º São Membros Beneméritos, as pessoas físicas ou jurídicas que prestam serviços relevantesàassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH,contribuindo, significativamente, para que sejam alcançados os seus ideais e o bem comum, recebendo a aprovaçãodoconselhodiretoresendoratificadospelaassembleiageral. Art.13º SãoMembrosColaboradores,todosaquelesquesedispõemaexecutar,defendere vivenciarosfinssociaisdaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH, ingressam com o pedido de afiliação, são aprovados pelo Conselho Diretor, ratificados pela AssembleiaGeralparaingressonoquadrosocialecolaboramregularmenteparaaInstituição. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 6

7 ESTATUTOSOCIAL Art.14º Osassociadosnãorespondememhipótesealguma,nemmesmosubsidiariamente, pelasobrigaçõessociaisdaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH, nem percebem qualquer remuneração direta ou indireta por prestação de serviços ou pelo exercício de cargo que ocupem no Conselho Diretor e no Conselho Fiscal, sendo vedada a distribuiçãodelucrose/oudividendosaqualquertítulo. ParágrafoÚnico Todo membro que assumir a coordenação de projeto ou qualquer outra funçãoremuneradanaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFHterá, automaticamente,suspensosseusdireitosdevotaredeservotado,enquantoestiverocupando talcargoouperceberremuneração. CAPÍTULOII DAADMISSÃO Art.15º ParaassociarGseàASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH deverãoseratendidasasseguintescondições: I Preencherapropostadeadmissão; II SubmeterGseàsNormasEstatutáriaseaoRegimentoInternodaAssociaçãoenquanto estivercomsuaafiliaçãoativa; III TerseupedidodeafiliaçãoaceitopeloConselhoDiretor. Art. 16º Os Membros Fundadores e Efetivos ficam sujeitos à contribuição de valor a ser definido pelo Conselho Diretor e anualmente ratificado pela Assembleia Geral, a título de mensalidade,alémdequantiasespecíficaseventualmentedestinadasabenefíciosquevenham asercriadoseaosquaisespontaneamentepoderãodarasuaadesão. ParágrafoPrimeiro CabeaoConselhoDiretoradecisãodomomentodeiníciodacontribuição preceituadanocaputparacadaassociado,podendo,atémesmo,definirporsuaisenção. ParágrafoSegundo OsMembrosBeneméritoseColaboradoresficamisentosdamensalidade. Contudo,poderãoestipularovaloreaperiodicidadedesuascontribuições. CAPITULOIII AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 7

8 ESTATUTOSOCIAL DOSDIREITOSDOSASSOCIADOS Art.17º SãoDireitosdosAssociados: I Comparecereparticipardoseventos,solenidadesecomemoraçõesrelacionadosà ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,naformaquefor estabelecida noregimentointernoeoutrosregulamentosinstituídos; II UtilizarGsedosserviços,produtosebenefíciosdasiniciativaspromovidas,apoiadas ouoferecidaspelaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH, desdequesejamrespeitadasasprimaziaseprerrogativasdopúblicogalvo; III DesligarGsedaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH quandolheconvier,bastando,paraisso,comunicarformalmenteàassociação,poreg mailoucartacomavisoderecebimento; IV Portar o documento de identificação de membro, usar emblemas exclusivos da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH e suas marcas, ficandoproibidaaconfecçãodequalquerprodutocomalogomarcadaabrafh,queé exclusivadaassociação; V ParticipardosprojetoseprogramasdesenvolvidospelaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, auxiliando as equipes e utilizando os meios necessáriosparaoplenosucessodasações; VI Ser assistido pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH nas ações oriundas de sua participação na militância e defesa dos ideais estatutários. CAPÍTULOIV DOSDEVERESDOSASSOCIADOS Art.18º SãodeveresdosAssociados: I Respeitar e fazer respeitar o estabelecido neste Estatuto, nos Regulamentos, RegimentosInternosenasResoluçõesdasAssembleiasedoConselhoDiretor; II Comunicartodasasalteraçõesemseucadastro,mantendoGosempreatualizado; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 8

9 ESTATUTOSOCIAL III Solicitar, por escrito, quando o desejar, sua exclusão do Quadro Social, devolvendooseudocumentodeidentificaçãodemembro; IV Colaborar, por todos os meios ao seu alcance, para o correto funcionamento da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, cooperando com seus dirigentes e com a administração e tudo fazer para preservar e elevar o bom nomedainstituição; V Esgotar todos os meios e recursos administrativos disponíveis antes de recorrer ao judiciário para a solução de seus problemas e pretensões junto à ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH. CAPÍTULOV DAEXCLUSÃO Art.19º AexclusãodosAssociadosseráfeita: I Apedido; II Porincapacidadecivilnãosuprida; III Pordissoluçãodapessoajurídica; IV Por deixar de atender aos requisitos estatutários de ingresso e permanência na instituição; V PorpraticarqualqueratolesivoaosideaisdaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,terposiçõeshomofóbicas,transfóbicas,racistas,xenófobas, antissemitas,sexistas,misóginas,pedófilas,difamatórias,oumacularsuacredibilidade oupundonor; VI Falar publicamente em nome da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,semautorizaçãopréviadoConselhoDiretor. Art.20º AexclusãodeAssociadosdeacordocomositensIV,VeVIseráemdecorrênciade processo disciplinar integralmente concluído, com apreciação do Conselho Diretor e pela deliberação da maioria absoluta dos componentes da Assembleia Geral, especialmente AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 9

10 ESTATUTOSOCIAL convocados para este fim, processo que conterá, necessariamente, os motivos e os fundamentosdadecisão;tudoemconformidadecomoart.57docódigocivil. Art. 21º A retirada voluntária de qualquer Associado, que não pode ser negada, dágse unicamente a seu pedido, requerida e encaminhada ao Presidente do Conselho Diretor da ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHporescrito,epassaráater efeitoapartirdadatadotermoderecebimentodopedido. Parágrafo Único Os deveres dos Associados da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,retirantesouexcluídos,perduramatéquesejamaprovadaspelo ConselhoFiscalascontasdoexercícioemqueocorramseusdesligamentos,nãoeximindoesses membrosdequitarseuscompromissossociaisedemaisdébitosemaberto,inclusiveparcelas pendentes de rateios de despesas determinadas pelo Conselho Diretor da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH. CAPÍTULOVI DASDISCIPLINASEDASPENALIDADES Art.22º OsAssociadossesujeitamaosprocessosdisciplinares,poraçãoouomissãoquando: I Não cumprirem com os respectivos deveres, definidos no presente Estatuto, RegimentoInternoerespectivosAtosComplementares; II Provocarem, no exercício dos respectivos direitos, perda ou dano à ASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,aseusparceiros,aosassociados eaosquecontrataremouconveniaremcomainstituição; III AjuizaremaçãocontraaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,seusÓrgãosdeAdministração,seusdirigentesouseusfuncionários,quetenha comoobjetoosatosefatosdainstituição,semqueantestenhamsidoesgotadastodas asinstânciasinternasdesoluçãodeconflitosependências; IV RecusaremGseacumprirouafazercumprirasdeliberaçõesdosÓrgãosdaEstrutura AdministrativadaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 10

11 ESTATUTOSOCIAL Art.23º Anteaevidênciadeatoquejustifiqueainstauraçãodeprocessodisciplinar,incumbe, exclusivamente,aoconselhodiretornomearcomissãoespecialparaadotarosprocedimentos pertinentes,assegurando: I Sigilonasapurações; II Proteçãoaobomnomeeàreputaçãodosenvolvidosatéquetodosos fatos tenhamsidocabalmenteapuradoseosqueparticipemdosprocessos tenham formado juízodevalorsobreeventuaisculpasoudolos; III Amplaoportunidadedeacessoaocontraditórioeàampladefesadosindiciados. Art.24º OConselhoDiretor,diantedosfatossubmetidospelaComissãoEspecialdesignada e zelando pela proporcionalidade entre o delito e a pena, após a conclusão do processo disciplinar,deliberará,podendoaplicarasseguintespenalidades: I Advertência; II Multa; III Suspensãodedireitosportempodeterminado; IV ExclusãodoQuadroSocial. ParágrafoPrimeiro NotocanteàspenalidadesexpressasnositensIIIeIV,oConselhoDiretor encaminharáadeliberaçãoàassembleiageral,aquemcaberáaprovágla. ParágrafoSegundo OvalordapenalidadeexpressanoitemIIserádefinidopeloConselho Diretor,quedeverágraduáGlasegundooscritériosdarazoabilidadeedaproporcionalidade, visandoaoatingimentodeseucarátersancionadoredisciplinador. ParágrafoTerceiro Emqualquercaso,ovalordamultanãopoderáultrapassaromontante deumsaláriomínimo,podendoserrevistoperiodicamentepelaassembleiageralresponsável pelaaprovaçãodascontas. TÍTULOV AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 11

12 ESTATUTOSOCIAL DAESTRUTURAORGANIZACIONAL CAPÍTULOI DOSÓRGÃOSADMINISTRATIVOS Art. 25º A Administração da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH se fará através de um Conselho Diretor eleito pela Assembleia Geral com a competênciaexpressanesteestatuto. Art. 26º Para exercer suas atividades, a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFHdispõedaseguinteEstruturaAdministrativa: I AssembleiaGeral; II ConselhodeAdministração; III ConselhoDiretor; IV SuperintendênciaExecutiva; V ConselhoFiscal; VI ConselhoJurídico. ParágrafoÚnico AcriaçãodeoutrosÓrgãosparaviabilizaçãodosobjetivosestatutários,assim comosuasrespectivasfunçõeseatribuiçõesseráobjetodeatosnormativos,elaboradospela SuperintendênciaExecutivaeaprovadospeloConselhoDiretor,efarGseGánamedidaemqueo vultodasatividadesatinjaograudecomplexidadequejustifiqueeaconselhesuaimplantação. CAPÍTULOII DAASSEMBLEIAGERAL Art.27º AAssembleiaGeraléoórgãoestatutáriomáximodaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADE FAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,compoderesdeliberativosenormativos,bemcomoas atribuiçõesepoderesquelhesãoconferidosporlei,particularmentepara: AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 12

13 ESTATUTOSOCIAL I Estabelecer a orientação geral para atuação e funcionamento da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, definindoglhe as normas de funcionamento; II ElegeroConselhoDiretorparaummandatode02(doisanoseoConselhoFiscal paraummandatode02(doisanos; III Apreciar sobre o relatório anual da administração, o balanço patrimonial e financeiro,eosdemaisrelatórioscontábeisdaassociaçãobrasileiradefamílias HOMOAFETIVAS ABRAFH; IV DeliberarsobreosassuntosencaminhadosparaapreciaçãopeloConselhoDiretor; V Alterar o presente Estatuto, mediante Edital de Convocação específico, com a aprovaçãodamaioriaabsolutadosassociados; VI Deliberar sobre a dissolução e a liquidação da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,respeitandoodispostonopresenteEstatuto. ParágrafoÚnico CompeteaindaàAssembleiaGeraldestituirosmembrosdoConselhoDiretor pormotivosplenamentejustificadosmedianteaaprovaçãodamaioriaabsolutadosassociados. Art. 28º A Assembleia Geral reunirgsegá, anualmente em caráter Ordinário, e Extraordinariamente,semprequeconvocadapeloConselhoDiretor,ouarequerimentodeum quinto(1/5dosmembrosfundadoreseefetivos. ParágrafoÚnico AAssembleiaGeralseráconvocadamediantecarta,fax,correioeletrônico ou qualquer outro meio de comunicação, com aviso de recebimento, enviado a todos os membros,ouaindaatravésdeeditalpublicadoemperiódicodegrandecirculaçãodascapitais dosestadosemquehajaassociadoscomdireitoavoto,comprazomínimode10(dezdiasde antecedência e se instalará com o quorum mínimo de 1/3 (um terço dos membros fundadoreseefetivos,emprimeiraconvocação,ecomqualquernúmero,30(trintaminutos depoisemsegundaconvocação. CAPÍTULOIII DOCONSELHODEADMINISTRAÇÃO AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 13

14 ESTATUTOSOCIAL Art.29º OConselhodeAdministraçãoéoórgãoconsultivodaadministraçãodaASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, composto de até 11(onze membros, pessoasfísicasdeilibadareputaçãoereconhecidoprestígio,cujosnomespoderãoserpropostos porqualquerassociadoedeverãoseraprovadosemassembleiageral. Parágrafo Único O Regimento Interno definirá a forma de atuação do Conselho de Administração. CAPÍTULOIV DOCONSELHODIRETOR Art. 30º O Conselho Diretor é o órgão de administração da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, eleito em Assembleia Geral, para um mandato de 02 (doisanos,admitindogseareeleição.éumórgãocolegiado,constituídopor6(seismembros: Presidente ViceGPresidente DiretordeComunicação DiretordeRelaçõesInstitucionais DiretorAdministrativo DiretorFinanceiro, subordinados à Assembleia Geral, encarregados da gestão da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH. ParágrafoÚnico ÉvedadoaqualquermembrodoConselhoDiretorouaqualquerassociado praticaratosdeliberalidadeàcustadaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH. Art.31º CompeteaoConselhoDiretor,porvotaçãoemmaioriasimples: a Definirasdiretrizesorçamentáriaseaprogramaçãoanualdaentidade; b Administrar,gerenciarecoordenaroplanodetrabalhodefinidoparaoexercício; c Admitir,supervisionaredemitirmembro(sdoquadrodefuncionários; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 14

15 ESTATUTOSOCIAL d Instituiroucancelarprogramas,projetosouserviços; e Apresentar as prestações de contas anuais da gestão, encaminhadas pela Superintendência Executiva, após exame do Conselho Fiscal, para serem encaminhadasàassembleiageraldainstituição,paradevidaanáliseeaprovação; f Deliberaredefinirsobreaproposituradeações,aparticipaçãodaAssociaçãoem congressos, seminários, audiências públicas, processos judiciais, inclusive seu ingressocomoassistente,litisconsorte,amicus%curiaeououtrafiguraassistenteque houveresemprequehajaanecessidadedesuaatuaçãoparaplenoatingimentode suasfinalidades. ParágrafoPrimeiro Emcasodeempate,prevaleceráovotodoPresidente;nasuaausência, maioriasimples. ParágrafoSegundo OConselhoDiretorreunirGseGápelomenosde3(trêsem3(trêsmeses para a avaliação da execução dos programas do exercício, bem como dos recursos orçamentários. ParágrafoTerceiro CabeaoConselhoDiretorresolveroscasosomissosnoEstatuto,atéquea AssembleiaGeraldelibereemdefinitivo. ParágrafoQuarto AparticipaçãodosmembrosemreuniõesdoConselhoDiretorpoderáser presencialouporvideoconferência. Art. 32º O (A Presidente da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,visandoimprimirmaioroperacionalidadeàsaçõesdaAssociação,deveráassumiras seguintesatribuiçõesoutransferiglasexpressamente,paraoutromembrodoconselhodiretor ouparao(smembro(sdasuperintendênciaexecutiva: I coordenaredirigirasatividadesgeraiseespecíficasdaassociaçãobrasileirade FAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH; II celebrar convênios, termos de parceria e realizar a filiação da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH a instituições, organizações ou redes; III representaraassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH emeventos,campanhas ereuniões,edemaisatividadesdointeressedaentidade; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 15

16 ESTATUTOSOCIAL IV encaminhar anualmente à Assembleia Geral, relatórios de atividades e demonstraçõescontábeis,bemcomoobalançosocialeospareceresdoconselhofiscal edeauditoresindependentes,secouber; V contratar, nomear, licenciar, suspender e demitir funcionários administrativos e técnicosdaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH; VI elaboraresubmeteràassembleiageraloorçamentoeplanodetrabalhosanuais; VII proporàassembleiageralreformasoualteraçõesdopresenteestatuto; VIII propor à Assembleia Geral a fusão, incorporação e extinção da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH observandogse o presente Estatutoquantoaodestinodeseupatrimônio; IX adquirir, alienar ou gravar os bens imóveis da entidade, mediante autorização expressadaassembleiageral; X elaborar o Regimento Interno e o Organograma Funcional da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, e submetêglo à apreciação e aprovaçãodoconselhodiretoredaassembleiageral; XI abriremovimentarcontasbancárias,emitircheques,requisitartalõesdecheques, autorizaraplicaçõesfinanceirasderecursosdisponíveis,endossarchequeseordensde pagamentopordepósitobancário,juntocomodiretorfinanceiro; XII exerceroutrasatribuiçõesinerentesaocargo,enãoprevistasexpressamenteneste Estatuto. Art. 33º Compete ao ViceGPresidente substituir o Presidente em suas ausências ou impedimentoseauxiliáglonaexecuçãodetarefasquesejamatribuídaspeloconselhodiretor, alémdedarprovimento,acompanharesistematizarofuncionamentodosconselhoscriadosa partirdoestabelecidonoparágrafoúnicodoart.26º. Art. 34º Compete ao Diretor de Comunicação supervisionar e coordenar os trabalhos de comunicação e marketing da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFHesubstituiroDiretordeRelaçõesInstitucionaisemsuasausênciasouimpedimentos. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 16

17 ESTATUTOSOCIAL Art.35º CompeteaoDiretordeRelaçõesInstitucionaissupervisionarecoordenarosprojetos e ações da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, o relacionamentocomoutrasentidadesesubstituirodiretordecomunicaçãoemsuasausências ouimpedimentos Art. 36º Compete ao Diretor Administrativo supervisionar e coordenar os trabalhos de secretaria e organização administrativa da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH e substituir o Diretor Financeiro em suas ausências ou impedimentos. Art.37º CompeteaoDiretorFinanceirosupervisionarecoordenarasfinançasdaASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHesubstituiroDiretorAdministrativoem suasausênciasouimpedimentos. CAPÍTULOV DASUPERINTÊNDENCIAEXECUTIVA Art. 38º A Superintendência Executiva é o órgão de execução da gestão administrativa da ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH. Art. 39 A gestão administrativa, financeira, executiva e operacional da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHseráempreendidapelaSuperintendência Executiva, a partir de funcionário(s contratado(s para essa função, sempre de forma subordinadaevinculadaàsdeliberaçõesedecisõesdoconselhodiretor. Art. 40º A Superintendência Executiva poderá assumir funções dos membros do Conselho Diretor,queexpressamenteeindividualmenteassimautorizarem,pormeiodeinstrumentode mandato expresso e específico, com prazo determinado, podendo ser público ou particular, desde que, neste segundo caso, tenha a firma do outorgante devidamente reconhecida em cartório. ParágrafoÚnico Havendo demissão do outorgado, o instrumento de mandato deverá ser imediatamente revogado, sob pena de o outorgante responder pessoalmente por eventuais danos que o outorgado venha a causar à ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 17

18 ESTATUTOSOCIAL Art.41º Competemao(smembro(sdaSuperintendênciaExecutiva,semprejuízodosatos inerentesàgestãoplenadainstituiçãoedadiscricionariedadeadministrativa,osseguintesatos: I Representar, ativa e passivamente, a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, em juízo e fora dele, podendo constituir procuradores, gerentes de áreas e coordenadores de projetos, outorgandoglhes poderes para fins específicos,desdequelimitadosnotempoenaalçadaconcedida,observados,paratodos osfins,oobjetoeofimsocialdaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH,asdeliberações,decisõeseorientaçõesdoConselhoDiretor; II Assinartodososdocumentoscomprobatóriosdorecebimentodehaveresequitação dedespesas,bemcomo,todososdocumentosqueconstituam direitos ou gerem obrigações para a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH; podendodelegaraosgerentesdeáreaparaexerceremasresponsabilidadescontábeis, orçamentárias,financeiras,administrativas,patrimoniaiseinstitucionais,sendotodosos atospreviamenteautorizadosedeliberadospeloconselhodiretor; III Criar e extinguir vagas no quadro de funcionários daassociação BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, assim como, admitir e demitir empregados, praticar os atos de sua designação e estabelecer salários e demais formas de remuneração,vinculandogos,sempre,aimplementaçãodoplanoanualdeoperações e docorrespondenteorçamento programa; IV DesignarresponsabilidadesedelegarpoderesaosGerentesdeÁreaeCoordenadores egestoresdeprojetos; V Proceder à aquisição ou alienação de bens, valores e direitos pertencentes ao ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH, conforme o estabelecidoedeliberadodoconselhodiretoreahomologaçãoefetivadapelaassembleia Geral; VI Promover e pleitear a liberação e o recebimento junto aos poderes públicos, autarquias,estatais,paragestatais,deeconomiamistaeparticularesdeverbas,auxílios, doações, subvenções e legados, com ou sem encargos em favor da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH; VII Definir,comaprovaçãodoConselhoDiretor,prioridadesdeaçãoparaalocaçãode recursosdaassociaçãobrasileiradefamíliashomoafetivas ABRAFH; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 18

19 ESTATUTOSOCIAL VIII Promoveracaptaçãoderecursosdefontesnacionaisouinternacionais; IX PlanejareavaliaroplanoanualdetrabalhodaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,repassandoaoConselhoDiretorsuasproposições. X Prestar contas de todos os aportes financeiros percebidos, das despesas de toda naturezaedetodasasaçõesempreendidas. Art.42º O(smembro(sdaSuperintendênciaExecutivaserá(ãocontratado(speloConselho Diretore,sendoassociado(s,enquantoestiver(emnoexercíciodocargo,terá(ãoseusdireitos demembrossuspensos. CAPÍTULOVI DOCONSELHOFISCAL Art.43º OConselhoFiscaléoórgãofiscalizadordaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH.Constituídopor03(trêsconselheirosefetivose02(doissuplentes paracumpriremmandatode02(doisanos,semdireitoàreeleição,cabendoglhesapreciartodos osdocumentosfiscaise,quandoforocaso,solicitararealizaçãodeauditoriaexterna. ParágrafoÚnico O Conselho Fiscal será escolhido entre membros dos diversos setores da sociedade,deilibadareputação,sendoseusintegrantespertencentesaoquadrodemembros dainstituição,eleitospelaassembleiageral. CAPÍTULOVII DOCONSELHOJURÍDICO Art.44º OConselhoJurídicoéoórgãoconsultivodaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH,constituídoporconselheirosadvogados,comnotóriosabere/ou participaçãoativaemassuntosrelacionadosaosobjetivosefinalidadesdaabrafh,deilibada reputação,sendoseusintegrantespertencentesounãoaoquadrodemembrosdainstituição. ParágrafoÚnico OsmembrosdoConselhoJurídicoterãoseusnomesaprovadospeloConselho DiretorehomologadospelaAssembleiaGeral. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 19

20 ESTATUTOSOCIAL CAPITULOVIII DOPROCESSOELEITORAL Art.45º AvotaçãoparaopreenchimentodoConselhoDiretoredoConselhoFiscalserápor coleta aberta de votos, escolhidos pela Assembleia Geral, dentre os Membros Fundadores e Efetivoshabilitados,quitescomaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHeemplenogozodeseusdireitosestatutários,civisecriminais,pormaioriasimplesde votos,paracumprirmandatode2(doisanos,permitidaarecondução. TÍTULOVI DOFUNCIONAMENTO CAPÍTULOI DASDIRETRIZESPARAOFUNCIONAMENTO Art. 46º A gestão da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH deverá obedecer, sempre, a adoção de práticas administrativas, necessárias e suficientes a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios ou vantagens pessoais, em decorrênciadaparticipaçãonorespectivoprocessodecisório. Art.47º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHobservaráainda emseufuncionamentoasseguintesdiretrizes: I Aestruturaoperacionalteráomenornúmeropossíveldeórgãosedecargos; II As operações, atividades e eventos, inclusive projetos e empreendimentos da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH serão, preferencialmente,realizadosatravésde: a Parceriascomorganizaçõesnãogovernamentaisvoltadasparaovoluntariado; b Parceriascomempresaspreocupadasemmelhoriasnaqualidadedevidaenobem comum; c ParceriascomInstituiçõesPúblicasouPrivadasdeatividadesespecíficas; AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 20

21 ESTATUTOSOCIAL d ParceriascomUniversidades,ÓrgãosdePesquisas,Institutos,Fundações,Gruposde Estudos, Especialistas, Governos Estaduais e Municipais, bem como entidades nacionaiseinternacionaisdedefesadedireitoshumanos; e ParceriascomAssociaçõessemfinslucrativos; f Contrataçãodeserviços. CAPÍTULOII DOSEMPREENDIMENTOS Art.48º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH,paracumprir suas finalidades e seus objetivos estatutários, bem como obter recursos financeiros, poderá, individualmente ou em parcerias com outras associações similares, planejar, viabilizar e gerenciarempreendimentoscomerciais,industriaisedeprestaçãodeserviços,devendoarenda auferidaserplenamenteutilizadaparaamanutençãodeseusobjetivosefinalidadessociais. TÍTULOVII DASDISPOSIÇÕESGERAISEFINAIS CAPÍTULOI DASDISPOSIÇÕESTRANSITÓRIAS Art. 49º Em caso de dissolução da Instituição, aprovada a extinção pela Assembleia Geral, convocadaespecialmenteparaestefim,procedergsegáimediatamenteaeleição,pelamesma Assembleia Geral, de uma comissão liquidante de associados que, juntamente com algum membro da Superintendência Executiva, ficarão encarregados da liquidação. Os liquidantes procederão ao levantamento patrimonial e destinarão o patrimônio da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH obrigatoriamente a instituições congêneres,registradasnocnas ConselhoNacionaldeAssistênciaSocial,ouentidadepública legalmenteconstituída,semfinslucrativos,quetenhamobjetivossociaissemelhantes. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 21

22 ESTATUTOSOCIAL ParágrafoÚnico A eleição da comissão liquidante põe termo aos poderes deliberativos da SuperintendênciaExecutiva. CAPÍTULOII DASDISPOSIÇÕESGERAIS Art.50º OexercíciofinanceirodaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHencerrarGseGánodia31dedezembrodecadaano. Art. 51º As demonstrações contábeis anuais serão encaminhadas dentro dos primeiros sessentadiasdoanoseguinteàassembleiageral,paraanáliseeaprovação,apósapreciaçãodo ConselhoFiscal. Art.52º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHnãodistribuirá, entreseusmembros,associados,conselheiros,diretores,empregadosoudoadores,eventuais excedentesoperacionais,brutosoulíquidos,dividendos,bonificações,participaçõesouparcelas doseupatrimônio. Art. 53º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FAMÍLIAS HOMOAFETIVAS ABRAFH aplicará integralmente suas rendas, recursos e eventual resultado operacional na manutenção e desenvolvimentodosobjetivosinstitucionaisnoterritórionacional. Art.54º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHemobservância dos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência, adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e suficientes a coibir a obtenção,deformaindividualoucoletiva,debenefíciosouvantagenspessoais,emdecorrência daparticipaçãonorespectivoprocessodecisório. Art.55º OConselhoFiscalterácompetênciaparaopinarsobreosrelatóriosdedesempenho financeiroecontábil,esobreasoperaçõespatrimoniaisrealizadas,emitindopareceresparaos organismossuperioresdaentidade. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 22

23 ESTATUTOSOCIAL Art.56º AASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHobservaráas normasdeprestaçãodecontas,quedeterminarão,nomínimo: I a observância dos Princípios Fundamentais de Contabilidade e das Normas BrasileirasdeContabilidade; II quesedêpublicidadeporqualquermeioeficaz,noencerramentodoexercíciofiscal, aorelatóriodeatividadesedasdemonstraçõesfinanceirasdaentidade,incluindogseas certidõesnegativasdedébitosjuntoàreceitafederaldobrasileaofgts,colocandog osàdisposiçãoparaexamedequalquercidadão; III arealizaçãodeauditoria,inclusiveporauditoresexternosindependentesseforo caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de termos de parcerias conforme previstoemregulamento; IV aprestaçãodecontasdetodososrecursosebensdeorigempúblicaserá realizada conforme determina o parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal. Art. 57º É expressamente proibido o uso da denominação social em atos que envolvam a ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFHemobrigaçõesrelativasa negócios estranhos aos seus objetivos estatutários, especialmente a prestação de avais, endossos,fiançasecauçãodefavor. Art.58º TodomembrodaASSOCIAÇÃOBRASILEIRADEFAMÍLIASHOMOAFETIVAS ABRAFH queassumirqualquercargonaassociaçãodeverádeclarar,sobaspenasdalei,quenãosão impedidos por lei especial, ou condenados à pena que vede, ainda que temporariamente, o acessoacargospúblicos;ouporcrimefalimentar,deprevaricação,peitaousuborno,concussão, peculato;oucontraaeconomiapopular,contraosistemafinanceironacional,contraasnormas dedefesadaconcorrência,contraasrelaçõesdeconsumo,afépúblicaouapropriedade. Art. 59º O presente Estatuto foi aprovado pela Assembleia Geral realizada em 18 de setembrode2015àruabuenosaires,2 sala1702,centro RiodeJaneiro RJ,CEP:20070G 022, e, para efeito de personalidade jurídica, foi registrado no Cartório do Registro Civil de PessoasJurídicasdaCidadedoRiodeJaneiro,sobamatrículanº266845,tendoainscriçãono CNPJsobonº /0001q32. AssociaçãoBrasileiradeFamíliasHomoafetivas abrafh.org.br 23

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito, duração, objeto e princípios ARTIGO 1.º

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL Título I Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. Art. 1º - A Associação brasileira para Educação Ambiental em Áreas de Manguezal,

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS PUBLICADO NO DOMP Nº 756 DE: 08/05/2013 PÁG. 1/4 PREFEITURA DE PALMAS LEI N o 1.966, DE 8 DE MAIO DE 2013. (Alterada pela Lei nº 2.198, de 03/12/2015). (Alterada pela Lei nº 2.097 de. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 Aprova o Estatuto da Fundação Caixa Beneficente dos Servidores da Universidade de Taubaté (Funcabes). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº FUNCABES-

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE BÁSICA DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA FINALIDADE BÁSICA DO CONSELHO LEI N 128/2014. Cria o Conselho Municipal de Esporte e Lazer, o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, faz saber

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a associação civil denominada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA

ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA CAPÍTULO I NOME, SEDE E FORO. ARTIGO l.º - Com o nome de CENA - COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA, é constituída esta entidade eclesiástica, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Capítulo I - Da Entidade Art. 1 - O Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental, sob a denominação de C.A.E.A. Mariana Braga, entidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º. A União Estudantil do Instituto Federal de Goiás, Campus Uruaçu denominar-se-á

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMIDOURO GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMIDOURO GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL Nº 1034, DE 10 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre o Conselho Municipal do Idoso (CMI) e o Fundo Municipal do Idoso (FMI) e dá outras publicações. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMIDOURO DO ESTADO

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004.

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. 1 LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. Dá nova redação à Lei nº 5.249/99, oriunda da aprovação do Projeto de Lei nº 114/99, de autoria do Vereador Vanderlei Martins Tristão, que criou o Conselho Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO. Natal/Rn

FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO. Natal/Rn FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO Natal/Rn Fórum Potiguar de Educação de Jovens e Adultos Regimento Interno Capítulo I Do Fórum Art. 1º. O Fórum Potiguar de Educação de Jovens e

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Artigo 1º: O CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL doravante denominado CBCS, fundado

Leia mais

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Estatutos Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (APDM) é uma Sociedade Cientifica

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 41/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 41/2011 RESOLUÇÃO Nº 41/2011 Aprova o Regimento do Centro Cultural Pró-Música. O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, considerando o que consta do Processo 23071.008731/2009-10

Leia mais

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso:

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o Conselho Estadual dos Direitos do Idoso - CEI/SC - e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço saber a todos os habitantes deste Estado

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, REGULAMENTAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL E VENCIMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO CARLOS, ESTADO DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTO DA CONVENÇÃO DAS IGREJAS BATISTAS UNIDAS DO CEARÁ CIBUC (reformado e aprovado em 02/07/2004)

ESTATUTO DA CONVENÇÃO DAS IGREJAS BATISTAS UNIDAS DO CEARÁ CIBUC (reformado e aprovado em 02/07/2004) ESTATUTO DA CONVENÇÃO DAS IGREJAS BATISTAS UNIDAS DO CEARÁ CIBUC (reformado e aprovado em 02/07/2004) CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO E NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, FORO E FINALIDADE. Art. 1 - A Convenção das Igrejas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste.

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. - REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. REGIMENTO INTERNO PREMISSAS BÁSICAS: Considerando a grande responsabilidade que compreende a execução do objeto social da

Leia mais

ATO PGJ N.º 230/2010

ATO PGJ N.º 230/2010 ATO PGJ N.º 230/2010 REGULAMENTA AS ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.310, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. (publicada no DOE n.º 189, de 1º de outubro de 2013) Institui o Sistema

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA RUI VALDIR OTTO BRIZOLARA, Prefeito Municipal de Morro Redondo, Estado do Rio

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992

LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 Cria a Secretaria de Estado do Meio Ambiente SEMA, a entidade autárquica Instituto Ambiental do Paraná IAP e adota outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO

Leia mais

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE:

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE: 1 REGIMENTO DA FAZENDA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-FEPE ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008, RESOLUÇÃO UNESP-40, DE 11-10-2011 E PORTARIA UNESP-469, DE 25-7- 2012 Do Conceito

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO TÍTULO I Da Natureza e da Missão Institucional Art. 1º. O Memorial da República Presidente Itamar Franco, órgão suplementar vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), tem por

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

Instituto Federal de Brasília

Instituto Federal de Brasília Instituto Federal de Brasília PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE ÉTICA NO USO ANIMAL (CEUA) CAPITULO 1 Das Finalidades Artigo 1º - O Comitê de Ética no Uso Animal CEUA do Instituto Federal de Brasília

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR Estatuto Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR é uma associação civil sem fins lucrativos, com fins educativos,

Leia mais

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Autoria: Poder Executivo LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Conselho Municipal de Turismo COMTUR e cria o Fundo Municipal do Turismo de Lucas do Rio Verde e da outras providências. O Prefeito

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Convenção de Condomínio. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com

Convenção de Condomínio. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Convenção de Condomínio Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Conceito A convenção de condomínio é documento escrito que A convenção de condomínio é documento escrito que estabelece as regras de convivência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 014, DE 29 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA LIMPA E RENOVÁVEL ABRAGEL REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Da Finalidade

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA LIMPA E RENOVÁVEL ABRAGEL REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Da Finalidade ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA LIMPA E RENOVÁVEL ABRAGEL REGIMENTO INTERNO Capítulo I Da Finalidade Artigo 1º - O Regimento Interno da Associação Brasileira dos Geradores de Energia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES ARTIGO 1º As atividades socioeducativas desenvolvidas pela Associação Projeto Cuidado- APJ,reger-se-ão pelas normas baixadas nesse Regimento e pelas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais