PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social"

Transcrição

1 PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DE ATIVIDADES Detalhamento de ações Convênio Caixa Econômica Federal nº Convênio FUNASA / Rio Negrinho, agosto de p.1

2 PRÓLOGO Entre os desafios para a busca de sociedades sustentáveis, permeia como paradigma a sensibilização comunitária frente a sua corresponsabilidade ambiental. Neste sentido, é premente a necessidade de adoção de ações no âmbito educativo em conjunto com as medidas políticas, jurídicas, técnico-científicas, institucionais e econômicas voltadas a nortear o desenvolvimento de ações de cidadania ambiental e democrática. No âmbito das políticas públicas de saneamento, a sensibilização comunitária também constitui importante ação para possibilitar o acesso universal aos benefícios gerados pelo saneamento. Diante disso, e considerando parceria consolidada entre o Serviço autônomo municipal de água e esgoto de Rio Negrinho SAMAE/RN e instituições apoiadoras na implantação do sistema de tratamento de esgoto sanitário (Caixa Econômica Federal e a Fundação Nacional da Saúde) se apresentam ações que buscam sensibilizar a população local frente a sua corresponsabilidade ambiental como um ato de cidadania. As ações propostas visam preparar o cidadão para o entendimento, de uma forma sistêmica, do processo envolvido em ações de saneamento, especialmente no que se refere aos sistemas de tratamento de esgotos domésticos, assim como estimulá-lo à participação na mudança de sua realidade e no controle social das ações executadas. As ações de sensibilização ambiental propostas estão divididas em sete atividades, não tendo esta divisão o objetivo de segmentar as ações, que serão executadas de forma integrada, mas sim para simples divisão de grupos atendidos, caracterização de metodologias e despesas. As ações estão assim caracterizadas: 1. Sensibilização da comunidade escolar da rede pública de ensino do município de Rio Negrinho Ensino Fundamental: anos iniciais. 2. Visitas educativas à Estação de Tratamento de Esgoto pela comunidade escolar da rede pública de ensino do município de Rio Negrinho Ensino Fundamental: anos finais. 3. SAMAE itinerante. 4. Capacitação dos colaboradores do SAMAE e integrantes do Legislativo Municipal. p.2

3 5. Mostra de conhecimento Soluções sustentáveis para enfrentamento dos desafios para gestão de água, esgoto, resíduos e drenagem urbana. 6. Fortalecimento do Programa de Educação Ambiental do SAMAE e Lançamento da campanha SE LIGA NA REDE. 7. Avaliação das obras físicas e das intervenções de mobilização social. p.3

4 Projeto de Trabalho Técnico Social 1. Ação/atividade: Sensibilização da comunidade escolar da rede pública de ensino do município de Rio Negrinho Ensino Fundamental: anos iniciais 1.1 Detalhamento ação/atividade: A atividade consiste na sensibilização de docentes e discentes da rede pública, pertencentes ao nível de Educação Infantil, frente à necessidade de adesão ao sistema público de tratamento de esgoto doméstico implantado no município. As diretrizes para o desenvolvimento da ação consistem em: a 1 ) Criar conexões e horizonte de possibilidades de interação entre os participantes; b 2 ) Adotar método adequado e coerente ao público foco da ação. Já a metodologia para o desenvolvimento das atividades consiste na elaboração e aplicação de um Tapete contador de história. A história utilizada na sensibilização será relacionada à: a 2 ) Importância de se tratar o esgoto produzido nas residências; b 2 ) Prejuízos econômicos, sociais e ambientais decorrentes da ausência de tratamento de esgoto doméstico; c 2 ) O papel individual e coletivo para o tratamento dos esgotos domésticos; d 2 ) A ligação/adesão ao sistema público de tratamento de esgoto como ato de cidadania e corresponsabilidade ambiental. Posteriormente, os alunos também participarão de um jogo da memória interativo que fará referência a temas a 2 a d 2, acima mencionados. 1.2 Justificativa da ação: Para Jacobi (2003) são necessárias estratégias de educação ambiental crítica, inovadora e contemporânea nos níveis formal e não formal. O autor salienta ainda ações desenvolvidas com a população infantil e juvenil, as quais se mostram eficientes. As unidades de ensino exercem um papel essencial como multiplicadoras, onde as informações e experiências adquiridas pelos educandos chegarão até as suas famílias (FREITAS; CHRISTO, 2010). Ainda vale destacar que a inserção qualificada de temas socioambientais nos processos de formação desenvolvidos na escola, incluindo-se a problemática do saneamento, pode contribuir de forma significativa para a produção de conhecimentos que venham a se p.4

5 traduzir em mudança de atitudes e valores (KLIGERMAN; LEMOS; SEABRA, 2009). Neste sentido, executar ações junto aos Centros Municipais de Educação Infantil, para minimizar conflitos e sensibilizar a população frente à necessidade de ligação das redes coletoras de esgoto sanitário à rede coletiva de esgotamento sanitário é de extrema importância para disseminar informações ao público não formal, assim como é um instrumento para incluir noções de corresponsabilidade ambiental e de cidadania aos estudantes. 1.3 Resultado esperado: Sensibilização 100% de todos os alunos participantes do Tapete contador de história e a multiplicação das informações adquiridas às famílias. 1.4 Responsável pela ação: Capacitador externo contratado pelo SAMAE/RN 1.5 Local de Realização da ação: Escolas Municipais e Estaduais do município de Rio Negrinho. 1.6 Público: Alunos do 1º ano do Ensino Fundamental. 1.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de p.5

6 Projeto de Trabalho Técnico Social 2. Ação/atividade: Visitas educativas à Estação de Tratamento de Esgoto pela comunidade escolar da rede pública de ensino do município de Rio Negrinho Ensino Fundamental: anos finais 2.1 Detalhamento ação/atividade: A atividade consiste na sensibilização de docentes e discentes das redes pública e particular de ensino, pertencentes ao nível de Ensino Fundamental 9º ano, frente à necessidade de adesão ao sistema público de tratamento de esgoto doméstico implantado no município. As diretrizes para o desenvolvimento da ação consistem em: a 1 ) Criar conexões e horizonte de possibilidades de interação entre os participantes; b 2 ) Adotar método adequado e coerente ao público foco da ação. Já a metodologia para o desenvolvimento das atividades consiste na realização de visitas educativas à Estação de Tratamento de Esgoto ETE Vista Alegre, apresentando todo o processo envolvido na coleta, destinação e tratamento do esgoto doméstico. Focando, além desses aspectos: a 2 ) importância de se tratar o esgoto produzido nas residências; b 2 ) prejuízos econômicos, sociais e ambientais decorrentes da ausência de tratamento de esgoto doméstico; c 2 ) o papel individual e coletivo para o tratamento dos esgotos domésticos; d 2 ) a ligação/adesão ao sistema público de tratamento de esgoto como ato de cidadania e corresponsabilidade ambiental. 2.2 Justificativa da ação: É sabido que no âmbito ambiental são necessárias estratégias de sensibilização crítica, inovadora e contemporânea nos níveis formal e não formal (JACOBI, 2003). As unidades de ensino exercem um papel essencial como multiplicadoras, onde as informações e experiências adquiridas pelos educandos chegarão até as suas famílias (FREITAS; CHRISTO, 2010). Ainda vale destacar que a inserção qualificada de temas socioambientais nos processos de formação desenvolvidos na escola, incluindo-se a problemática do saneamento, pode contribuir de forma significativa para a produção de conhecimentos que venham a se traduzir em mudança de atitudes e valores (KLIGERMAN; LEMOS; SEABRA, 2009). O adolescente, por sua vez, encontra-se em etapa importante da formação do cidadão, onde há construção da identidade, descobertas e aprendizagens (PALAZZO; VOLPI, 2011). Intervenções educativas com os adolescentes se tornam importantes por serem capazes de formular questões relevantes e ações p.6

7 significativas no campo social, que reforça os princípios de cidadania e justiça (MAGRO, 2002). Diante disso, ações com adolescentes, notadamente alunos do 9º ano do ensino fundamental, que visam minimizar conflitos e sensibilizar a população frente à necessidade de ligação das redes coletoras de esgoto sanitário à rede coletiva de esgotamento sanitário é de extrema importância para disseminar informações ao público não formal, assim como é um instrumento para incluir noções de corresponsabilidade ambiental e de cidadania aos estudantes. 2.3 Resultado esperado: Sensibilização de 100% dos alunos participantes das visitas educativas e a multiplicação das informações adquiridas às famílias. 2.4 Responsável pela ação: Capacitador externo contratado pelo SAMAE/RN 2.5 Local de Realização da ação: Estação de Tratamento de Esgoto ETA/Vista Alegre 2.6 Público: Alunos do 9º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas. 2.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de p.7

8 Projeto de Trabalho Técnico Social 3.1 Detalhamento ação/atividade: 3. Ação/atividade: SAMAE itinerante A atividade consiste na sensibilização da comunidade em geral para a necessidade de adesão ao sistema público de tratamento de esgoto doméstico implantado no município, assim como frente à importância e essencialidade do tratamento para o bem estar humano. A metodologia de desenvolvimento da atividade será por meio da realização de intervenções diretamente nos bairros beneficiados com a implantação da rede coletora de esgoto, oportunizando a comunidade a aquisição de informações e elucidação de dúvidas relacionadas ao sistema de tratamento de esgoto doméstico. A atividade será realizada em dois momentos distintos. O primeiro, por meio de reuniões comunitárias, visando esclarecer dúvidas e enfatizar a importância do sistema de esgotamento sanitário. Será realizada uma reunião comunitária por bairro/região atendida. Em paralelo, para aquelas comunidades caracterizadas pela existência de maior quantidade de famílias de baixa renda, será oferecida também, capacitação intitulada: Planejando o orçamento doméstico, onde posso economizar?. Outra oportunidade para realização da ação ocorrerá juntamente com atividades desenvolvidas pelas Secretarias Municipais da Saúde e da Família e Desenvolvimento Comunitário. Nestas oportunidades, igualmente ocorrerão sensibilizações quanto à importância do sistema de esgotamento sanitário e a forma de adesão e oportunizando momento de esclarecimento de dúvidas. A ação será realizada em dia e local de fácil acesso à comunidade, visando o atendimento de parcela significativa dos moradores do bairro/região contemplada com os serviços de esgotamento sanitário. 3.2 Justificativa da ação: A criação de laços de aproximação do poder público com a comunidade é essencial a fim de minimizar conflitos, elucidar dúvidas, esclarecer ações e principalmente sensibilizar a comunidade para a necessidade de mudanças. É sabido que a implementação de sistemas de tratamento de esgotos, embora traga benefícios incontestáveis, ocasiona conflitos junto à comunidade desde a implantação até a execução do sistema. Neste viés, Kligerman, Lemos e Seabra (2009) destacam a importância da criação de vias de diálogo com a comunidade com o intuito de também incentivar a autonomia da população. Esta ação se torna importante, desta forma, por criar integração poder público-comunidade de forma p.8

9 a minimizar conflitos no que tange a gestão do sistema de esgotamento sanitário, assim como por abrir espaço para o controle social das políticas públicas, tornando o processo mais transparente. 3.3 Resultado esperado: Visitação de 10 bairros no município de Rio Negrinho. 3.4 Responsável pela ação: SAMAE/RN 3.5 Local de Realização da ação: Sedes de associações de moradores e/ou espaços disponibilizado pelas escolas do município. 3.6 Público: Comunidade em geral 3.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de p.9

10 Projeto de Trabalho Técnico Social 4. Ação/atividade: Capacitação dos colaboradores do SAMAE e integrantes do Legislativo Municipal 4.1 Detalhamento ação/atividade: A atividade consiste na capacitação de colaboradores do SAMAE frente aos serviços de esgotamento sanitário oferecidos pela autarquia e a sensibilização quanto à importância de engajamento da equipe para enfrentamento dos novos desafios. Juntamente com isso, a presente ação também objetiva a sensibilização de integrantes do legislativo municipal diante da necessidade e essencialidade de adesão ao sistema público de tratamento de esgoto doméstico implantado no município. Nesta ação, os dois grupos serão trabalhados separadamente. Será efetuada abordagem por meio de palestras educativas. Para a capacitação dos colaboradores do SAMAE as palestras serão realizadas levando em consideração os enfoques de: a) Importância de engajamento da equipe para a eficiência das políticas públicas; b) Características do sistema de esgotamento sanitário do município e possíveis mudanças na rotina de trabalho dentro da instituição; c) Benefícios econômicos, sociais e ambientais decorrentes do tratamento de esgoto doméstico. Já para a capacitação dos integrantes do Legislativo Municipal as palestras serão realizadas levando em consideração os enfoques de: a) Relação custo/benefício da implantação e operação do sistema de esgotamento sanitário; b) Custos de execução de todo o sistema de esgotamento sanitário no município de Rio Negrinho; c) Ligação/adesão ao sistema público de tratamento de esgoto como ato de cidadania e corresponsabilidade ambiental; d) Características técnicas que compõem a taxa de coleta e tratamento do esgoto doméstico no município de Rio Negrinho. Nas duas capacitações, será aberto espaço para discussão e sugestão de melhorias. 4.2 Justificativa da ação: A eficiência na execução de políticas públicas demanda de uma série de fatores. No âmbito institucional, ou seja, àquelas ações que são passíveis de serem controladas pela instituição executora da política pública, o engajamento da equipe envolvida é de suma importância. O engajamento inclui, desde p.10

11 o reconhecimento da importância da ação por toda a instituição até o esforço individual para que a política pública seja efetiva. Isso se torna ainda mais importante quando se ampliam os espaços de participação para a tomada de decisão e gestão, o que reflete dentro da instituição, uma evolução da democracia, tornando o sujeito parte da solução (ROCHA; BURSZTYN, 2005). Considerando as características locais, o engajamento na execução das políticas públicas é igualmente importante nas esferas dos poderes executivo e legislativo do município, representado, neste caso pela equipe do SAMAE/RN e integrantes do Legislativo Municipal. A ação proposta se torna importante na medida em que objetiva integrar as equipes de cada instituição a fim de levantar esforços para implantar de forma efetiva o sistema de esgotamento sanitário, enquanto política pública municipal. Justifica-se, desta forma, a execução de capacitação dos colaboradores do SAMAE e integrantes do Legislativo Municipal a fim de engajá-los quanto à importância da ação e de torna-los parte da solução das problemáticas e desafios na implantação do sistema de esgotamento sanitário. 4.3 Resultado esperado: Participação de 70% dos integrantes do Legislativo Municipal e de colaboradores do SAMAE. 4.4 Responsável pela ação: SAMAE/RN 4.5 Local de Realização da ação: SAMAE/RN e Câmara de Vereadores de Rio Negrinho 4.6 Público: Colaboradores do SAMAE/RN e integrantes do Legislativo Municipal 4.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de 2013 p.11

12 Projeto de Trabalho Técnico Social 5.1 Detalhamento ação/atividade: 5. Ação/atividade: Mostra de conhecimento A ação objetiva primariamente, fomentar, nas unidades de ensino, a criação de ações para enfrentamento dos desafios relacionados ao saneamento e na construção de sociedades sustentáveis. Complementarmente, a ação objetiva incentivar a atividade científica, o desenvolvimento da criatividade e da capacidade inventiva e investigativa, como forma de construção do conhecimento. Serão adotadas duas vertentes de trabalho para a sua execução. Primeiramente, as unidades de ensino serão incentivadas ao desenvolvimento de trabalhos científicos relacionados ao tema: Soluções sustentáveis para enfrentamento dos desafios para gestão de água, esgoto, resíduos e drenagem urbana. Os trabalhos serão desenvolvidos no âmbito escolar e apresentados a toda a comunidade em evento integrado com todas as unidades de ensino. A segunda vertente de trabalho das instituições participantes da mostra de conhecimento será atuar no desenvolvimento de ações dentro da instituição para redução do consumo de água durante período pré-estabelecido. Cada instituição receberá histórico do volume de água consumido mensalmente e deverá trabalhar na sua redução com ações envolvendo toda a comunidade escolar. As duas ações irão compor a classificação das unidades de ensino, sendo que as instituições com as duas melhores pontuações, seguindo critérios esclarecidos em regulamento específico, receberão premiação para utilização dentro do ambiente escolar. 5.2 Justificativa da ação: Diversos instrumentos são importantes para a construção do conhecimento. As atividades experimentais e de iniciação científica também constituem instrumentos de grande valia nesse processo. Galiazzi et al. (2001) destaca a importância da participação de alunos e professores em atividades de pesquisa, para que aprendam a tomar decisões, sejam colocados em situações que contrastem suas concepções sobre a construção do conhecimento, geralmente considerada como um processo linear, sem tropeços e erros, e aprendam a construir novos argumentos e contra-argumentos. Também, salienta-se que por meio de trabalhos experimentais e de pesquisa, os alunos se sentem motivados para envolvimento no próprio processo de aprendizagem (SASSERON; CARVALHO, 2008). p.12

13 É sabido que a gestão das áreas envolvidas ao saneamento básico, água, resíduos, esgoto e drenagem, são essenciais para a construção de cidades sustentáveis. Demandam de inovações na gestão, propostas tecnológicas de fácil aplicabilidade e, especialmente, necessitam envolvimento de toda a comunidade frente aos desafios a serem enfrentados. A proposta de mostra do conhecimento com a temática Soluções sustentáveis para enfrentamento dos desafios para gestão de água, esgoto e resíduos, assume papel importante no processo de educação ambiental e mobilização social suporte a implantação e operação do sistema de esgotamento sanitário. A importância se justifica pela proposta vir de encontro à superação de dois desafios: melhor gestão das temáticas envolvidas no saneamento básico, baseado em propostas reconhecidas, cientificamente, e a motivação de atividades experimentais e de pesquisa dentro do ambiente escolar, de forma a contribuir com o processo de ensino-aprendizagem. 5.3 Resultado esperado: Participação de 70% das unidades de ensino das redes estadual e municipal de ensino. 5.4 Responsável pela ação: SAMAE/RN 5.5 Local de Realização da ação: Unidades de Ensino Fundamental de Rio Negrinho (anos finais) 5.6 Público: Alunos das unidades de ensino fundamental de Rio Negrinho (anos finais) 5.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de p.13

14 Projeto de Educação em Saúde e Mobilização Social 6. Ação/atividade: Fortalecimento do Programa de Educação Ambiental do SAMAE Lançamento da campanha SE LIGA NA REDE 6.1 Detalhamento ação/atividade: A atividade consiste na sensibilização da comunidade em geral para a necessidade de adesão ao sistema público de tratamento de esgoto doméstico implantado no município, assim como frente à importância e essencialidade do tratamento para o bem estar humano. Para isso, nesta etapa, a educação ambiental assume papel permanente, como política pública, representada pelo fortalecimento de programa institucional. O programa assume a diretriz principal de despertar o cidadão para a corresponsabilidade ambiental, tendo o sujeito o papel modificador de sua realidade. A metodologia inicial para fortalecimento do programa consiste na abordagem da população alvo por meio da utilização de materiais educativos diversos a exemplo de folders e cartilhas informativas. O material educativo abordará esclarecimentos relacionados ao sistema de tratamento de esgoto doméstico, a saber: a) importância de se tratar o esgoto produzido nas residências; b) prejuízos econômicos, sociais e ambientais decorrentes da ausência de tratamento de esgoto doméstico; c) o papel individual e coletivo para o tratamento dos esgotos domésticos; d) a ligação/adesão ao sistema público de tratamento de esgoto como ato de cidadania e corresponsabilidade ambiental. Ações futuras e permanentes a serem executadas pelo programa institucional serão articuladas em parceria com as Secretarias de Educação e de Planejamento e Meio Ambiente, do município de Rio Negrinho. 6.2 Justificativa da ação: Entre os desafios para a construção de sociedades sustentáveis, destaca-se a necessidade da sensibilização de uma maior camada da população frente a sua responsabilidade na manutenção da qualidade ambiental do mundo em que habita (SORRENTINO et al., 2005). Permeia neste desafio a importância da apropriação do conhecimento para a transformação do seu status quo. Diversos instrumentos são fundamentais para que a sociedade se aproprie do conhecimento, o fornecimento de material educativo de qualidade é um deles. Devem prestar informações de maneira clara e condizente e compreensível aos mais diversos públicos a fim de disseminar conhecimentos, através da comunicação ambiental voltada para a sustentabilidade. p.14

15 Neste contexto, se justifica o fortalecimento do Programa de Educação Ambiental do SAMAE e o lançamento da campanha Se Liga através da elaboração e distribuição de material educativo e informativo, sendo este a base para despertar ações e articulações futuras para um programa contínuo e permanente de educação ambiental. 6.3 Resultado esperado: Entrega de material educativo a 100% das residências que receberam a rede coletora de esgoto doméstico. 6.4 Responsável pela ação: SAMAE/RN 6.5 Local de Realização da ação: Bairros atendidos pela rede coletora de esgoto doméstico 6.6 Público: Comunidade em geral 6.7 Período de execução da ação: Julho a Novembro de 2014 p.15

16 Projeto de Trabalho Técnico Social 7. Ação/atividade: Avaliação das obras físicas e das intervenções de mobilização social 7.1 Detalhamento ação/atividade: A ação objetiva primariamente, efetivar momento de reflexão diante dos resultados colhidos na operacionalização das atividades e abrir espaço para intervenções necessárias à obtenção dos resultados esperados. Secundariamente, e não menos importante, objetiva avaliar a satisfação dos beneficiários, diante do recebimento do sistema de esgotamento sanitário. Serão adotadas duas vertentes de trabalho para a sua execução. Primeiramente, após a realização de todas as atividades propostas, os participantes irão efetuar avaliação da ação desenvolvida, buscando, além de avaliar o nível de assertividade da ação proposta, também, permitir que os participantes efetuem a sua auto avaliação possibilitando a percepção quanto o seu grau de participação e responsabilidade no processo de mudança. A segunda vertente de trabalho irá consistir da realização de pesquisa de satisfação junto à comunidade usuária do sistema de esgotamento sanitário, utilizando como o instrumento de questionário estruturado. 7.2 Justificativa da ação O processo de avaliação constitui mecanismo de transformação com vistas à melhoria da qualidade de vida de todos os atores envolvidos, além disso, é essencial para promover e incentivar a participação dos beneficiários a fim de que identifiquem novas ações de acordo com interesses comuns. É sabido que a avaliação pode e deve ser feita concomitantemente às outras fases do ciclo das políticas públicas e desempenha um papel central no esforço de racionalização dos programas e projetos sociais (COTTA, 1998). Desta forma, justifica-se a importância das ações de avaliação, tanto das atividades de mobilização social, por intermédio do projeto técnico social, quanto da implantação das obras físicas, a fim de se identificar e possibilitar o apontamento de diretrizes de melhorias e correção de falhas no processo. 7.3 Resultado esperado: Participação de 20% dos beneficiários 7.4 Responsável pela ação: SAMAE/RN 7.5 Local de Realização da ação: Bairros/regiões beneficiados com a implantação do sistema de p.16

17 esgotamento sanitário 7.6 Público: Comunidade beneficiada com o sistema de esgotamento sanitário. 7.7 Período de execução da ação: Fevereiro a março de 2015 p.17

18 REFERRÊNCIAS COTTA, T. C. Metodologias de avaliação de programas e projetos sociais: análise de resultados e de impacto. Revista do Serviço Público, n.2, ano 49, abr./jun FREITAS, S. B.; CHRISTO, S.W. Educação ambiental na escola. In: O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, Secretaria de Educação, p. GALIAZZI, M. C.; ROCHA, J. M. B.; SCHIMITZ, L. C.; SOUZA, M. L.; GIESTA, S.; GONÇALVES, F. P. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência & Educação, v.7, n.2, p , JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p , mar KLIGERMAN, D. C.; LEMOS, G. N.; SEABRA, L. S. (org.). Caderno metodológico para ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento. Brasília: Ministério das Cidades, p. MAGRO, V. M. Adolescentes como autores de si próprios: cotidiano, educação e o hip hop. Cad. Cedes, Campinas, v. 22, n. 57, p , ago PALAZZO, L.; VOLPI, M. (coord.). O direito de ser adolescente: Oportunidade para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades. Brasília: UNICEF, p. ROCHA, J. D.; BURSZTYN, M.A. Importância da participação social na sustentabilidade do desenvolvimento local. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v.7, n.11, set SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, v.13, n.3, p , SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO-JUNIOR, L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p , maio/ago p.18

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA CAPACITAÇÃO SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PARA A POLÍCIA MILITAR E CIVIL 1) INTRODUÇÃO: O Ministério Público desempenha um papel fundamental quando colabora com a capacitação

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade Programa 1377 Educação para a Diversidade e Cidadania Objetivo Combater as desigualdades étnico-racial, de gênero, orientação sexual, geracional, regional e cultural no espaço escolar. Justificativa Público

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS FLORIANÓPOLIS, 2014 1 Identificação: Nome: AEBAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Início das Atividades: 1955 CNPJ: 83.932.608/0001-81

Leia mais

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ PROMOTORIA DE JUSTICA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE ITABIRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSIO NOVA ERA SECRETARIA MUNICIPAL DE ITABIRA PODERES EM AÇÃO PELA EDUCAÇAO II ENCONTRO INTERSETORIAL

Leia mais

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DADOS DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE Razão Social CNPJ Endereço Completo Inscrição Telefone Email Representante Legal

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE Ana Paula Cavalcanti e Renata Cristine de Sá Pedrosa Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco FACP/UPE paulacav@cnen.gov.br Introdução

Leia mais

O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO

O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO 1 O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Paulo Vitor Teodoro 1, BHERING, Marcos Jungmann 2 1 Doutorando em Educação em Ciências

Leia mais

Fornecimento de Óculos para Alunos Portadores de Deficiência Visual

Fornecimento de Óculos para Alunos Portadores de Deficiência Visual Programa 1060 Brasil Alfabetizado Objetivo Criar oportunidade de alfabetização a todos os jovens e adultos Justificativa De acordo com o Censo de 2000 do IBGE, 13,6% da população de 15 anos e mais é analfabeta.

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN

Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN Escolas Sustentáveis... Novas ações, novos hábitos, novas atitudes Escolas sustentáveis: aquelas que mantêm relação equilibrada

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Introdução As ações educativas de promoção da saúde nas escolas remontam ao século passado,

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 007/2012/PROEC DE FLUXO CONTÍNUO DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO DA - PROEC, SEM ÔNUS PARA A. Vigência 26-03-2012-31-12-2014 TÍTULO DO

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG Campo Grande MS 2011 01- JUSTIFICATIVA A Prefeitura Municipal de Campo Grande com sua Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais e a Guarda

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento

Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento Universalização e Sustentabilidade I COBESA Salvador BA - 12 de julho de 2010 PPA Programa 0052 - Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.730, DE 9 DE JANEIRO DE 2002. (publicada no DOE nº 007, de 10 de janeiro de 2002) Dispõe sobre a Educação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

CONTRIBUINDO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO E PEDAGÓGICO DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL

CONTRIBUINDO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO E PEDAGÓGICO DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL CONTRIBUINDO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO E PEDAGÓGICO DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL PUBLICO ALVO Professores do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio e Professores Coordenadores Pedagógicos

Leia mais

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios Lei Nº 1223/2014 DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS Programa ESAG Sênior Mário César Barreto Moraes Bolsistas: Vanessa Vidal Riso Danielle Cândido Vecchietti Juliana Oliveira Lima de Souza A busca pro metodologias

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 3 Vivendo com Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS BOM JESUS - SC Fevereiro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO À MOBILIZAÇÃO SOCIAL 3 2.

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Prof. Dr. Oséias Santos de Oliveira oseiass@utfpr.edu.br Departamento de Educação DEPED UTFPR/Curitiba 17/11/15 É preciso entender o conceito de

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado assumiram grande importância, especialmente a partir do

Leia mais

Escola de Administração Fazendária

Escola de Administração Fazendária O Programa Nacional de Educação Fiscal para a Cidadania PNEF Escola de Administração Fazendária http://www.esaf.fazenda.gov.br PNEF: A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCO DA CIDADANIA I CONTEXTUALIZAÇÃO 1 -

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS VIGIA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas de guarda, fiscalização e defesa do patrimônio da Prefeitura. MOTORISTA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas relacionadas ao transporte

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

PLANO DE ENSINO (2013-2016)

PLANO DE ENSINO (2013-2016) PLANO DE ENSINO (2013-2016) ENSINO RELIGIOSO Ensino Fundamental Anos (Séries) Finais BLUMENAU 2013 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS... 6 3.1. OBJETIVO GERAL... 6 3.2. OBJETIVOS

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

PROJETO EDUCAR EM DIREITO DAS MULHERES: MINISTÉRIO PÚBLICO E COMUNIDADE

PROJETO EDUCAR EM DIREITO DAS MULHERES: MINISTÉRIO PÚBLICO E COMUNIDADE PROJETO EDUCAR EM DIREITO DAS MULHERES: MINISTÉRIO PÚBLICO E COMUNIDADE Vitória, 08 de Agosto de 2013 1 Dr. Eder Pontes da Silva Procurador Geral de Justiça Drª Catarina Cecin Gazele Procuradora de Justiça

Leia mais

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Casa Civil Diretoria de Recursos Humanos Responsável: Selma Teresa de Castro Roller Quintella, Diretora de

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE GARANTIA DO PERCURSO EDUCATIVO DIGNO

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE GARANTIA DO PERCURSO EDUCATIVO DIGNO ORIENTAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE GARANTIA DO PERCURSO EDUCATIVO DIGNO O Programa de Garantia do Percurso Educativo Digno é um conjunto de medidas adotadas pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Qualidade de Vida Rural

Mostra de Projetos 2011. Qualidade de Vida Rural Mostra de Projetos 2011 Qualidade de Vida Rural Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Centro de Referencia

Leia mais

Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos

Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos Capa: Centro de Referência Esportiva (PE) Imagem: Guilherme Costa / Banco de Imagens Petrobras Ponto de

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

Objetivos. Justificativa. Tribunal de Contas do Estado Escola de Contas Publicas do Amazonas

Objetivos. Justificativa. Tribunal de Contas do Estado Escola de Contas Publicas do Amazonas N AUS, 14 DE OUTUBRO DE M A 1 95 0. Tribunal de Contas do Estado do Amazonas M A N A U S, 14 DE OUTUB R O D E 1 95 0. APRESENTAÇÃO Na Amazônia tudo é superlativo, grandioso e numeroso. Este cenário, ao

Leia mais

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL TECNOLOGIA,

Leia mais

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Equipe: -Secretária Executiva: Mônica Messemberg Guimarães Tel.: (61) 212-4806 / 212-4812 Fax: (61)

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Criar rádios e TV's comunitárias voltadas à prestação de contas das ações, programas e 1 projetos existentes nos municípios e divulgação dos serviços públicos locais,

Leia mais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais EXTENSO 2013 Eje 4: Ambiente, Educación Ambiental y Desarrollo Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais Letícia Fernanda Assis¹; Márcio Viera²; Juliana Ferrari³;

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO

CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO TABORDA, Cleuza Regina Balan 1, SILVA Rosana Christofolo 2 ; CARVALHO, Sandra Pereira 3, JESUS, Ivone Alexandre de 4 Palavras-chave: Conselho

Leia mais

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2012 Relatório de Descrição de Prática de Gestão Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes Categoria: Inovação da Gestão em Saneamento IGS Setembro

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais