MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO DAS PARCERIAS ENTRE O FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR, NO ÂMBITO DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR BRASÍLIA-DF

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA DO OBJETIVO DAS PARCERIAS DAS DEFINIÇÕES DA COMPOSIÇÃO DAS PARCERIAS DAS COMPETÊNCIAS DOS MEMBROS DAS PARCERIAS COMPETE AO FNDE COMPETE À CGPAE COMPETE ÀS IFES DO PROCEDIMENTO DE HABILITAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DA HABILITAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DO TERMO DE HABILITAÇÃO E ACORDO DE COLABORAÇÃO DO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR DOS DEVERES DO CECANE DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Coordenador de Gestão Subcoordenador Assessoria Técnico-Administrativa Agentes do CECANE DA UNIDADE ACADÊMICA ESPECIALIZADA DEVERES DA UAE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA SELEÇÃO DA INSTITUIÇÃO PARCEIRA DAS LINHAS DE COLABORAÇÃO DAS ÁREAS DE INTERESSE PRIORITÁRIO DO FNDE DAS FORMAS DE ATUAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PLANOS DE TRABALHO

3 16 DO TERMO DE COOPERAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA ALTERAÇÃO DE PRODUTOS E PRORROGAÇÃO DE PRAZO DO NÃO CUMPRIMENTO DO PROJETO DAS PUBLICAÇÕES BASE LEGAL

4 1 INTRODUÇÃO O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é o mais antigo programa do governo brasileiro na área de alimentação escolar e o maior e mais abrangente do mundo no que se refere ao atendimento universal e de direito humano à alimentação adequada e saudável para os estudantes. Este Programa, gerenciado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação do Ministério da Educação (FNDE/MEC), atende, de forma gratuita, a todos os alunos matriculados na educação básica das escolas públicas, escolas filantrópicas, comunitárias e confessionais do país, segundo os princípios do direito humano à alimentação adequada e saudável e da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN). As primeiras ações governamentais direcionadas à alimentação e nutrição no Brasil datam da década de Foi apenas nessa época que a subnutrição foi reconhecida como um grave problema de saúde pública no país. O Programa, de um ponto de vista embrionário, teve sua origem no início da década de 1940, quando o então Instituto de Nutrição defendia a proposta de o Governo Federal oferecer alimentação ao escolar. Entretanto, a proposta não se concretizou por indisponibilidade de recursos financeiros. Na década de 1950, surgiu o abrangente Plano Nacional de Alimentação e Nutrição, denominado Conjuntura Alimentar e o Problema da Nutrição no Brasil. Foi no interior desse Plano Nacional que, pela primeira vez, estruturou-se um Programa de Merenda Escolar, em âmbito nacional, sob a responsabilidade pública. Desde sua criação até 1993, a execução do Programa deu-se de forma centralizada: o órgão gerenciador planejava os cardápios, adquiria os gêneros por processo licitatório, contratava laboratórios especializados para efetuar o controle de qualidade e, ainda, responsabilizava-se pela distribuição dos alimentos em todo o território nacional. A descentralização dos recursos do PNAE, principalmente após a edição da Medida Provisória nº /2001, trouxe mudanças significativas em sua operacionalização: alterações na sistemática de compras, implantação de produção alternativa de alimentos, utilização de maior volume de alimentos básicos, in natura e regionais, propiciando uma maior aceitação das preparações. Além do incentivo ao incremento da vocação agrícola, a possibilidade de redução dos custos por meio da aquisição de produtos locais e 4

5 regionalização do cardápio e, ainda, o fortalecimento de Estados, Municípios e do Distrito Federal gerado pelo desenvolvimento das economias locais, foram alguns dos avanços verificados, especialmente na última década. Em 2009, a edição da Medida Provisória nº 455/2009, convertida na Lei nº , de 16 de junho de 2009, promoveu avanços em vários aspectos, estabelecendo a Política de Alimentação Escolar e consolidando o Programa, que atualmente é considerado referência internacional. Para regulamentar sua aplicação, o FNDE editou, no mesmo ano, a Resolução CD/FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, a qual dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do PNAE. Com isso, ampliou-se o atendimento para o ensino médio, a Educação de Jovens e Adultos e para as escolas comunitárias. Com o advento da Resolução FNDE nº 26, de 17 de junho de 2013, fortaleceu-se a importância da educação alimentar e nutricional e ampliou-se o atendimento para escolas de regime integral e de Educação de Jovens e Adultos semipresencial. O Programa é de responsabilidade constitucional compartilhada de todos os entes federados e envolve um grande número de atores sociais como gestores públicos, professores, pais de alunos, sociedade civil, técnicos em alimentação e nutrição e, em especial, os manipuladores de alimentos. As diretrizes norteadoras da alimentação escolar são: a alimentação saudável e adequada, a inclusão da educação alimentar e nutricional no processo de ensino e aprendizagem, a universalidade do atendimento, a participação da comunidade no controle social, o desenvolvimento sustentável, o direito à alimentação escolar e a segurança alimentar e nutricional. Nesse sentido, o PNAE: 1. beneficia todos os alunos matriculados na educação básica da rede pública e escolas filantrópicas e comunitárias, independentemente da condição social, raça, cor e etnia; 2. busca o tratamento igual para os alunos sadios e o tratamento diferenciado para os alunos com necessidades nutricionais especiais, a exemplo dos celíacos, dos fenilcetonúricos e dos diabéticos, os quais devem receber uma alimentação adequada à sua condição, por intermédio de cardápio elaborado por nutricionista habilitado; 3. garante o atendimento durante todo o ano letivo; 4. atua com repasse de recursos federais aos demais entes da Federação responsáveis pela oferta da alimentação aos alunos e; 5. favorece uma real participação da sociedade civil quanto ao acompanhamento e ao 5

6 controle da execução, por meio de ações voltadas ao fortalecimento e à instrumentalização dos Conselhos de Alimentação Escolar (CAE), instituídos pela Medida Provisória nº , de 2 de junho de JUSTIFICATIVA Nos últimos dez anos, a abrangência do atendimento do PNAE aumentou substancialmente, de pouco mais de 36 milhões em 2003 para próximo de 46 milhões de escolares em Além disso, foi incluído o atendimento aos alunos do ensino médio, da Educação de Jovens e Adultos, do Programa Mais Educação, do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e das escolas filantrópicas, comunitárias e confessionais. Vale ressaltar ainda que, a partir de 2013, o Programa passará a atender também os alunos matriculados em escolas de tempo integral e da Educação de Jovens e Adultos semipresencial. A importância dessa ampliação do atendimento do PNAE deve ser analisada não somente em termos da quantidade de recursos ou do número de alunos atendidos, mas, sobretudo, pelo potencial do Programa em integrar diversos saberes expressos nas atividades educativas que contribuem para a formação de hábitos alimentares saudáveis fomentados pela escola. Nesse sentido, para garantir a eficácia e a efetividade do Programa, o FNDE tem ampliado paulatinamente as ações de controle, tanto no que tange ao acompanhamento e fiscalização da aplicação dos recursos, quanto à capacitação dos agentes do controle social membros dos Conselhos de Alimentação Escolar e outros agentes envolvidos na execução do PNAE. O FNDE busca, desta forma, desempenhar o seu papel atendendo aos interesses da sociedade, consoante às recomendações do Tribunal de Contas da União, observando o contido no item 6.23 do Acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) nº 158/2003, que define a necessidade de reforçar as orientações aos conselheiros, para ampliar e aprofundar o acompanhamento dos diferentes aspectos da execução do PNAE e garantir melhor embasamento para o parecer conclusivo encaminhado ao FNDE. Os Conselhos hoje estão constituídos nos municípios brasileiros e em 27 estados, totalizando, aproximadamente, conselheiros. Diante desse elevado número 6

7 de conselheiros, da rotatividade e do mandato quadrianual, é necessário que as atividades de formação sejam continuadas. O FNDE não tem poupado esforços no sentido de promover visitas técnicas às Entidades Executoras do Programa com a finalidade de orientá-las quanto à forma correta e eficiente de execução do PNAE e de realizar atividades formativas buscando o aprimoramento da atuação do CAE. Evidencia-se a necessidade de estabelecer parceria efetiva com instituições que tenham experiência reconhecida em pesquisa e atividades de apoio à gestão para que o trabalho de formação, controle e avaliação do PNAE possa alcançar a abrangência necessária e a efetividade e eficiência que se espera de um programa desse porte. Desta forma, a parceria com Instituições Federais de Ensino Superior é de fundamental importância para a consecução conjunta de todas as atividades que envolvem a operacionalização do PNAE. Além disso, para garantir que sejam atingidas as Metas do Milênio para a Educação e a Saúde e atender às diretrizes da Estratégia Fome Zero, o Governo Federal, por meio da Portaria Interministerial Ministério da Saúde emec nº 1.010, de 8 de maio de 2006, instituiu as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas de educação básica, das redes pública e privada, em âmbito nacional, favorecendo o desenvolvimento de ações que promovam a adoção de práticas alimentares mais saudáveis no ambiente escolar. A Resolução do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) nº 465, de 23 de agosto de2010, estabeleceu parâmetros numéricos mínimos de referência de nutricionistas por aluno no âmbito do Programa de Alimentação Escolar, definiu conceitualmente os termos utilizados na área da alimentação escolar, bem como as atribuições do nutricionista responsável técnico. Em 2010, a Emenda Constitucional nº 64, 4 de fevereiro de 2010, alterou a redação do art. 6º da Constituição Federal, para introduzir a alimentação como direito social. Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. A inclusão dessa Emenda consolidou as ações do PNAE como Programa suplementar às ações educativas para promoção da saúde e da Segurança Alimentar e Nutricional. 7

8 Nesse sentido, o FNDE propõe a promoção de parcerias com Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), para que sejam constituídos Centros Colaboradores em Alimentação e Nutrição Escolar (CECANE) e Unidades Acadêmicas Especializadas (UAE). Esses centros e unidades formam uma rede interinstitucional que deverão contribuir para a efetivação e consolidação da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (PNSAN) no ambiente escolar, haja vista que podem prestar apoio técnico e operacional aos Estados e Municípios na implementação da alimentação saudável nas escolas; capacitar profissionais de saúde e de educação, merendeiras, conselheiros de alimentação escolar e outros profissionais interessados; e realizar estudos e pesquisas que contribuam para atingir as Metas do Milênio para Educação e a Saúde e o atendimento das diretrizes da Estratégia Fome Zero. 3 DO OBJETIVO DAS PARCERIAS Prestar apoio técnico, acadêmico e operacional na implementação da alimentação saudável nas escolas, bem como desenvolver outras ações pertinentes à boa execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar, de modo a contribuir para a efetivação e consolidação da Política de Segurança Alimentar e Nutricional no ambiente escolar. 4 DAS DEFINIÇÕES Para os efeitos deste Manual, aplicam-se as seguintes definições: Acordo de Colaboração: documento que tem por objeto estabelecer o resultado da parceria firmada entre o FNDE e as IFES após a emissão do termo de habilitação e determinar as responsabilidades na execução dos projetos que poderão vir a ser implementados mediante celebração de Termo de Cooperação. Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar (CECANE): unidade de referência e apoio constituída para desenvolver ações e projetos no âmbito do PNAE, com estrutura e equipe para execução das atividades nas áreas de interesse prioritário e nas formas de atuação previstas. Gestor do Projeto: Coordenação Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE/FNDE) - unidade responsável pela análise e aprovação da proposta e pelo acompanhamento dos projetos. 8

9 Plano de Trabalho: é o documento de planejamento da execução das ações a ser apresentado pelas IFES no momento oportuno, devendo conter: justificativa para a celebração do instrumento, a descrição completa do projeto a ser executado, a descrição das metas a serem atingidas, a definição das etapas ou fases da execução, o cronograma de execução e o plano de aplicação dos recursos a serem desembolsados pela Unidade Gestora (UG) Concedente e a indicação do responsável técnico Produto: atividade ou conjunto de atividades demandadas pelo FNDE, que integram o plano de trabalho. Termo de Cooperação: instrumento por meio do qual é ajustada a transferência de crédito de órgão da administração pública federal direta, autarquia, fundação pública, ou empresa estatal dependente, para outro órgão ou entidade federal da mesma natureza. Termo de Habilitação: documento expedido pela Comissão Especial de Habilitação, como condição prévia à firmação de acordo de colaboração. UG Concedente: FNDE órgão ou entidade da administração pública federal, direta ou indireta, responsável pela transferência dos recursos financeiros e pela descentralização dos créditos orçamentários. UG Proponente: IFES órgão ou entidade da Administração Pública Federal, direta ou indireta, que manifesta interesse em firmar termo de cooperação mediante transferência de créditos orçamentários e liberação de recursos financeiros. Unidade Acadêmica Especializada (UAE): estrutura específica das IFES voltada para um projeto nas áreas de interesse prioritário e nas formas de atuação previstas. 5 DA COMPOSIÇÃO DAS PARCERIAS As parcerias serão instituídas entre o FNDE e as IFES, a fim de desenvolver ações de ensino e/ou pesquisa e/ou extensão para atuar nas cinco regiões do país, mediante celebração de termos de cooperação. Compõem as parcerias: I. O FNDE Autarquia Federal, vinculada ao MEC, responsável pela transferência dos recursos financeiros e pela descentralização dos créditos orçamentários, denominada, neste caso, UG Concedente. 9

10 II. As IFES entidades da Administração Pública Federal que manifestarem interesse em firmar termo de cooperação mediante transferência de créditos orçamentários e transferência de recursos financeiros, denominadas, neste caso, de UG Proponentes. 6 DAS COMPETÊNCIAS DOS MEMBROS DAS PARCERIAS 6.1 COMPETE AO FNDE I. disponibilizar acesso dos gestores dos projetos aos sistemas corporativos pertinentes; II. receber a documentação e abrir processo das propostas por meio de sistema informatizado disponibilizado; III. informar aos gestores dos projetos acerca do surgimento de algum impedimento para a formalização da descentralização orçamentária; IV. orientar e cooperar com a implantação das ações objeto do termo de cooperação a ser celebrado; V. efetuar a descentralização de crédito orçamentário e a transferência dos recursos financeiros aprovados para execução do termo de cooperação, na forma estabelecida no cronograma de desembolso nele constante; VI. celebrar e publicar o termo de cooperação; VII. dar publicidade ao termo de cooperação no portal do FNDE. 6.2 COMPETE À CGPAE I. fornecer login e senha de acesso ao Sistema de Assistência a Programas e Projetos Educacionais (SAPEnet) ou outro sistema informatizado destinado às descentralizações às UG Proponentes; II. III. IV. orientar as UG Proponentes quanto ao correto preenchimento da proposta de termo de cooperação no sistema SAPENET ou outro sistema informatizado específico; orientar as UG proponentes quanto à execução do projeto; analisar os projetos encaminhados pelas UG Proponentes; 10

11 V. emitir parecer, de forma clara e objetiva, quanto à proposta apresentada no SAPENET ou outro sistema informatizado disponibilizado; VI. VII. VIII. emitir parecer, em caso de solicitação, de prorrogação de vigência da execução técnica do projeto. acompanhar e monitorar o projeto, efetuando a avaliação técnica quanto ao cumprimento do objeto proposto; pronunciar-se sobre o relatório de cumprimento do objeto, parcial e/ou final, enviado pela UG Proponente, e emitir parecer quanto ao cumprimento da execução do objeto da descentralização de crédito orçamentário. 6.3 COMPETE ÀS IFES I. desenvolver ações de pesquisa e/ou ensino, e/ou extensão no âmbito do PNAE, mediante a celebração de termo de cooperação conforme plano de trabalho aprovado pelo FNDE, com a elaboração de relatórios parciais e finais das atividades desenvolvidas; II. solicitar ao gestor do projeto senha e login do SAPENET ou outro sistema informatizado disponibilizado; III. promover a execução do objeto do termo de cooperação na forma e prazos nele estabelecidos; IV. aplicar os recursos exclusivamente na consecução do objeto do termo; V. permitir e facilitar ao FNDE o acesso a toda documentação, dependências e locais atinentes à execução do termo; VI. cumprir as normas específicas que regem o Programa e a forma de execução da ação a que os créditos estiverem vinculados; VII. manter o gestor do projeto informado sobre quaisquer eventos que dificultem ou interrompam o curso normal da execução do termo; VIII. devolver os saldos dos créditos orçamentários descentralizados e não empenhados, bem como os recursos financeiros não utilizados conforme norma de encerramento do correspondente exercício financeiro; IX. emitir o relatório descritivo de cumprimento do objeto do termo; 11

12 X. assumir todas as obrigações legais decorrentes de contratações necessárias à execução do objeto do termo; XI. XII. XIII. XIV. solicitar ao gestor do projeto CGPAE, quando for o caso, a prorrogação do prazo para cumprimento do objeto em até 15 (quinze) dias antes do término previsto no termo de cooperação, ficando tal prorrogação condicionada à aprovação por aquele; comprovar o bom e regular emprego dos recursos recebidos, bem como dos resultados alcançados; prestar contas dos créditos descentralizados aos órgãos de controle interno e externo, os quais passam a integrar as contas anuais da UG Proponente a serem apresentadas conforme normas vigentes; apresentar relatório de cumprimento do objeto pactuado até 60 (sessenta) dias após o término do prazo estabelecido no termo para execução das ações. 7 DO PROCEDIMENTO DE HABILITAÇÃO 7.1 DA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS I. As instituições interessadas em participar do processo de habilitação deverão enviar, em um dos períodos especificados em edital, o termo de apresentação para a CGPAE. II. O termo de apresentação deverá ser assinado pelo representante legal da IFES. III. O termo de apresentação deverá ser acompanhado de proposta técnica que deverá conter os seguintes itens: a) histórico das atividades (pesquisa, ensino e extensão) relacionadas às áreas de interesse prioritário e afinidades potenciais com o PNAE; b) formas de atuação a serem desenvolvidas; e c) descrição e qualificação da equipe. 7.2 DA HABILITAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES As IFES deverão: possuir pesquisas e atividades de formação e extensão já realizadas ou em andamento, vinculadas às áreas de interesse prioritário do PNAE; dispor de corpo técnico com experiência nas áreas do item 12 deste Manual e dispor de instalações necessárias para o desenvolvimento dos projetos. 12

13 As propostas apresentadas pelas instituições interessadas serão analisadas por uma Comissão Especial de Habilitação, constituída para essa finalidade, integrada por servidores do FNDE. Para o detalhamento das propostas apresentadas, a CGPAE poderá agendar reuniões com representantes das instituições interessadas e também realizar visitas às unidades a fim de verificar as condições para o desenvolvimento do projeto. A análise das propostas apresentadas dar-se-á por meio de análise documental para verificar se a documentação entregue pela IFES foi preenchida integral e corretamente com todos os dados solicitados. Serão consideradas habilitadas as instituições que atenderem às condições especificadas no Edital nº 01 CGPAE. 7.3 DO TERMO DE HABILITAÇÃO E ACORDO DE COLABORAÇÃO O termo de habilitação será expedido pela Comissão Especial de Habilitação como condição prévia indispensável para firmação de acordo de colaboração e não envolverá descentralização de recursos. O acordo de colaboração será a homologação de parceria firmada entre o FNDE e as IFES após a emissão do termo de habilitação. O acordo de colaboração não envolve recursos e terá validade de até 3 anos. Cada acordo de colaboração será implementado a partir de termos de cooperação vinculados a planos de trabalho descrevendo os produtos especificados para as parcerias com o FNDE. A habilitação da instituição e o acordo de colaboração não implicam obrigatoriedade de firmar termo de cooperação, cuja celebração dependerá da necessidade e da conveniência da CGPAE/FNDE. 8 DO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR O Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar (CECANE) é uma unidade de referência e apoio constituída para desenvolver ações e projetos no âmbito do PNAE, com estrutura e equipe para execução das atividades nas áreas de interesse prioritário do Programa e nas formas de atuação previstas. 13

14 8.1 DOS DEVERES DO CECANE O CECANE deverá: I. encaminhar ao FNDE, para aprovação, o plano de trabalho, conforme modelo estabelecido por este; II. manter as metodologias definidas pelo FNDE e cumprir os objetivos e as metas definidos no plano de trabalho; III. enviar relatório parcial ao FNDE, a cada seis meses a contar do recebimento do crédito orçamentário, e o relatório final, até 60 (sessenta) dias após o término do prazo estabelecido no termo para execução das ações. IV. encaminhar informações adicionais, durante a execução das atividades ou após o seu término, quando solicitado pelo FNDE, com vistas ao acompanhamento das parcerias desenvolvidas e das ações implementadas; V. garantir a segurança e a guarda de toda a documentação pertinente ao CECANE; e VI. garantir a qualidade dos dados coletados/produzidos pelo CECANE. 8.2 DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL O CECANE contará com a seguinte estrutura: I. Equipe de Gestão: composta pelo Coordenador de Gestão; e, caso necessário, pelo subcoordenador de pesquisa; subcoordenador de extensão e subcoordenador de ensino, definidos no plano de trabalho. II. Equipe técnica: composta por assistente técnico-administrativo e agentes do PNAE. O CECANE poderá contratar estagiários para o apoio das atividades e para o auxílio técnico-administrativo. De acordo com a complexidade do produto e, caso seja necessário, poderá haver alteração da estrutura mediante análise dos planos de trabalho e justificativa do Centro Colaborador. 14

15 8.2.1 Coordenador de Gestão O Coordenador de Gestão será professor pertencente ao quadro da instituição de ensino e terá como competência coordenar, acompanhar e supervisionar todas as atividades do CECANE e terá as seguintes atribuições: I. planejar, coordenar, controlar e prestar contas ao FNDE das atividades referentes aos produtos constantes do plano de trabalho; II. constituir a equipe do CECANE com base no plano de trabalho a ser executado; III. coordenar os projetos aprovados pelo FNDE; IV. promover a interlocução com o FNDE e demais parceiros; V. participar, representar ou delegar a participação em reuniões quando solicitado pela CGPAE/FNDE; VI. acompanhar a execução dos produtos acordados em termos de cooperação com as instâncias responsáveis; VII. responsabilizar-se pelo envio dos produtos ao FNDE; VIII. definir um subcoordenador ou representante para substituí-lo em sua ausência; e IX. participar da divulgação do PNAE nacional e/ou internacionalmente e apoiar a execução do programa em outros países, desde que designado pela CGPAE/FNDE Subcoordenador O Subcoordenador, quando houver, será substituto do Coordenador de Gestão e professor pertencente ao quadro da instituição de ensino e terá como competência coordenar, acompanhar e supervisionar o desenvolvimento de todos os projetos sob sua coordenação, com as seguintes atribuições: I. apoiar técnica e administrativamente a coordenação de gestão no desenvolvimento do plano de trabalho; II. apresentar projetos sob sua responsabilidade para apreciação da equipe do Centro Colaborador; III. gerenciar planos de trabalho e ações no âmbito de sua subcoordenação; IV. apoiar o coordenador no planejamento dos produtos; V. coordenar a sua equipe no planejamento e execução dos produtos; 15

16 VI. responsabilizar-se pela execução dos produtos e prestar contas, por meio de relatórios, ao Coordenador-Geral; e VII. responsabilizar-se pela equipe sob sua coordenação Assessoria Técnico-Administrativa A Assessoria Técnico-Administrativa será designada pela Coordenação de Gestão do CECANE e terá as seguintes atribuições: I. assessorar técnica e administrativamente a equipe do CECANE e a coordenação de gestão no desenvolvimento do plano de trabalho; II. administrar a operacionalização e a execução do plano de trabalho e projetos deliberados e definidos pela equipe do CECANE; III. apoiar o planejamento, o desenvolvimento e todo o trâmite administrativo dos produtos junto à equipe do CECANE; IV. participar das atividades de formação propostas pelas Instituições Parceiras; V. responsabilizar-se, junto ao Coordenador de Gestão, pela prestação de contas; VI. articular e administrar a relação com a coexecutora(s), quando houver; VII. promover a interlocução entre o Coordenador de Gestão e os Agentes do CECANE; e VIII. planejar, organizar e executar os serviços administrativos, bem como responsabilizar-se pela documentação Agentes do CECANE Os Agentes do CECANE deverão participar das atividades de ensino, pesquisa e extensão, podendo ter, dentre outras, as seguintes atribuições: I. planejar, organizar e executar os projetos de capacitação dos diversos atores envolvidos com o PNAE, sob a coordenação do coordenador de gestão/subcoordenador; II. elaborar os materiais didático-pedagógicos para o desenvolvimento dos projetos; III. elaborar estudos, notas e pareceres técnicos, quando solicitados; IV. desenvolver pesquisas nas áreas de interesse prioritário do PNAE; 16

17 V. apoiar e acompanhar a organização de eventos que envolvam as áreas de interesse prioritário do PNAE nas formas de atuação previstas; VI. acompanhar e/ou desenvolver metodologias nas linhas de colaboração previstas no item 11 deste Manual; e VII. supervisionar, orientar e avaliar as atividades de estagiários. 9 DA UNIDADE ACADÊMICA ESPECIALIZADA A Unidade Acadêmica Especializada (UAE) consiste em uma estrutura específica das IFES voltada para um projeto nas áreas de interesse prioritário do PNAE nas formas de atuação previstas. 9.1 DEVERES DA UAE A UAE deverá: I. encaminhar ao FNDE, para aprovação, o plano de trabalho, conforme modelo estabelecido por este; II. manter as metodologias definidas pelo FNDE e cumprir os objetivos e as metas definidos no plano de trabalho; III. enviar relatório parcial ao FNDE, a cada seis meses a contar do recebimento do crédito orçamentário, e o relatório final, até 60 (sessenta) dias após o término do prazo estabelecido no termo para execução das ações; IV. encaminhar informações adicionais, durante a execução das atividades ou após o seu término, quando solicitado pelo FNDE, com vistas ao acompanhamento das parcerias desenvolvidas e das ações implementadas; V. garantir a segurança e a guarda de toda a documentação pertinente à UAE; e VI. garantir a qualidade dos dados coletados/produzidos pela UAE. 9.2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A UAE contará obrigatoriamente com o Coordenador de Gestão, com as mesmas atribuições do Coordenador de Gestão do CECANE, e sua estrutura organizacional será constituída de acordo com a complexidade do projeto, sujeita à aprovação do FNDE. 17

18 10 DA SELEÇÃO DA INSTITUIÇÃO PARCEIRA O FNDE selecionará as IFES habilitadas de acordo com a sua necessidade e com as demandas das suas áreas internas, não estando obrigado, portanto, a firmar termo de cooperação com todas as IFES habilitadas. Demais critérios de seleção serão descritos em Notas Técnicas, quando necessário. 11 DAS LINHAS DE COLABORAÇÃO As instituições deverão apresentar manifestação de interesse em pelo menos uma das seguintes linhas de colaboração: pesquisa, ensino e extensão. 12 DAS ÁREAS DE INTERESSE PRIORITÁRIO DO FNDE As áreas de interesse prioritário do FNDE para as parcerias, sem prejuízo de outras que venham a ser incluídas, são as seguintes: a) segurança alimentar e nutricional; b) educação alimentar e nutricional; c) agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento rural sustentável; d) integração de políticas públicas de saúde, alimentação e nutrição, agricultura, educação e segurança alimentar e nutricional; e) gestão da política pública de alimentação do escolar; f) monitoramento e avaliação da alimentação escolar; g) controle social da política pública de alimentação escolar; h) alimentação escolar para povos indígenas e comunidades quilombolas; i) direito humano à alimentação adequada. 13 DAS FORMAS DE ATUAÇÃO As formas de atuação consideradas prioritárias para a colaboração, sem prejuízo das demais áreas relacionadas ao PNAE, são as seguintes: I. formação de gestores, conselheiros, nutricionistas, coordenadores pedagógicos, professores, agricultores familiares e outros agentes; II. assessoria a municípios e estados sobre a execução e prestação de contas; III. estudos e pesquisas de âmbito regional e/ou nacional; 18

19 IV. apoio técnico ao FNDE; V. cooperação internacional. 14 DO PLANO DE TRABALHO Os planos de trabalho serão submetidos à aprovação da CGPAE e deverão estar em conformidade com o acordo de colaboração. Cada produto especificado no plano de trabalho deverá apresentar descrição e justificativa, objetivos geral e específicos, metas, metodologia, cronograma, plano de aplicação de recursos financeiros e indicar o responsável técnico da instituição parceira. Os planos de trabalho devem informar o coordenador de gestão e especificar as despesas administrativas e os demais custos para o desenvolvimento das atividades. Os recursos serão oriundos do FNDE, sujeitos à disponibilidade orçamentária e financeira do órgão. 15 DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PLANOS DE TRABALHO As propostas de planos de trabalho serão avaliadas pelas áreas demandantes da CGPAE, que poderão solicitar auxilio de um Comitê ad hoc, constituído por professores com atuação em ensino, extensão e pesquisa. 16 DO TERMO DE COOPERAÇÃO Após a seleção dos planos de trabalho das IFES, o FNDE publicará quais Instituições poderão firmar a parceria, por meio da assinatura do termo de cooperação, cuja formalização estará condicionada à conveniência e necessidade do FNDE. 17 DO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Os produtos desenvolvidos no âmbito das parcerias serão acompanhados pela CGPAE à distância e por visitas. As instituições deverão apresentar à CGPAE relatórios parciais e finais para acompanhamento e aprovação dos produtos executados. Após o início da execução dos planos de trabalho, as instituições deverão encaminhar semestralmente os relatórios parciais dos trabalhos desenvolvidos. 19

20 No caso de execução inferior a um ano, o relatório parcial deverá ser encaminhado na metade da execução do projeto. As Instituições deverão apresentar relatório final de cumprimento do projeto, até sessenta dias após o término de prazo estabelecido no termo para a execução das ações. 18 DA ALTERAÇÃO DE PRODUTOS E PRORROGAÇÃO DE PRAZO A solicitação de prorrogação de prazo deverá ser encaminhada à CGPAE, em até quinze dias antes do término previsto no termo de cooperação, e, caso seja aprovada, será emitido parecer de prorrogação. Considera-se alteração dos produtos aquela que possa descaracterizar e comprometer o alcance dos objetivos inicialmente planejados. É vedada a alteração dos produtos pactuados em plano de trabalho, bem como os métodos de sua execução, salvo situações extremas que inviabilizem a execução do projeto. Nesse caso, o CECANE deverá encaminhar à CGPAE uma solicitação de alteração com a justificativa da inviabilidade do projeto original e a nova proposta que deverá observar o planejamento orçamentário. O FNDE poderá solicitar ao CECANE, de comum acordo entre as partes e respeitando a forma de execução adotada, que elabore pareceres técnicos, execute serviços e/ou elabore produtos não previstos no plano de trabalho. 19 DO NÃO CUMPRIMENTO DO PROJETO O projeto proposto deverá ser cumprido de acordo com o objeto, o objetivo, a meta e a metodologia, período e abrangência definidos no termo de cooperação e no plano de trabalho. Nos casos de cumprimento parcial ou descumprimento do objeto, caberá à CGPAE: I. notificar a IFES solicitando justificativa quanto ao cumprimento parcial ou descumprimento; II. solicitar devolução de recursos caso a justificativa não seja aceita; e III. a UG concedente poderá recusar futuras propostas advindas da UG proponente cuja execução de projeto anterior tenha sido realizado em desconformidade com o estabelecido no termo de cooperação. 20

Conselho de Alimentação Escolar

Conselho de Alimentação Escolar Conselho de Alimentação Escolar Controle Social no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Ana Luiza Scarparo Nutricionista Agente do PNAE Porto Alegre, 30 de setembro de 2014 Centros Colaboradores

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR GOIÁS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO O CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO DO ESCOLAR DA UFG (CECANE-UFG) informa que estão abertas as inscrições para processo seletivo interno para consultores com as seguintes especificações.

Leia mais

RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 125, de 29 de Junho de 2012 (sexta-feira) Seção 1 Págs.19_25 Ministério da Educação FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre adequação da Lei nº 1.253, de 12 de abril de 1996 que instituiu o Conselho de Alimentação Escolar do Município de Ananindeua, e dá outras providências.

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Fortaleza, 22 e 23 de março de 2012 História recente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.007, DE 9 DE OUTUBRO DE 2013. Altera a Portaria MEC nº 168, de 07 de março de 2013, que dispõe sobre a oferta da Bolsa-Formação no âmbito do Programa Nacional de Acesso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009.

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. Consolida a Legislação Municipal sobre Alimentação Escolar, no Município de Chapadão do Sul-MS, como um direito Constitucional dos Escolares e Dever do Estado, e

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR FNDE MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Atendimento universal Território de 8,5 milhões de km2 27 estados 5.569 municípios 170.000 escolas 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS ACORDO JUDICIAL Firmado entre o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, através da Promotoria de Justiça de Defesa da Educação, e o Distrito Federal, por sua Secretaria de Estado de Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 19 DE 24 DE ABRIL DE 2009 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal Artigos 205, 206, 208

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 140, DE 1º DE JULHO DE 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Atualizações com base na Lei 11.947/2009 Alaíde Oliveira do Nascimento Coordenadora de fomento ao Controle Social

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DAS LICENCIATURAS MEC/SESu/DEPEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu EDITAL Nº 05/2007 Brasília, 20 junho de 2007

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para apoio financeiro para

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE LEI 2510 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE JUNHO DE. DOWNLOAD PARA IMPRESSÃO Lei 2510 ***** TEXTO COMPLETO *****

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Presidência da República Controladoria-Geral da União MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) MERENDA ESCOLAR O Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, conhecido como Merenda

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

Programa Escola Aberta

Programa Escola Aberta Programa Escola Aberta O Programa Escola Aberta foi criado a partir de um acordo de cooperação técnica entre Ministério da Educação e a Unesco, implantado em 2004. No Estado do Paraná tem seu início no

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE. Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE

Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE. Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE POPULAÇÃO 180 Milhões de Habitantes Extensão Territorial 8.514.876,599 km2 MUNICÍPIOS 5.560

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social Missão: Contribuir para a melhoria da educação por meio de ações educativas de alimentação e nutrição

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais