I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil"

Transcrição

1 I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil

2 PENSAR OS CAMINHOS E DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA E AS INTERAÇÕES ENTRE ESTRUTURAS PÚBLICAS, PRIVADAS E MISTAS.

3 - PORTARIA Nº 2042 DE 11 DE OUTUBRO DE 1996 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, FOI O MARCO INICIAL REGULADOR DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS, ESTABELECENDO O REGULAMENTO TÉCNICO PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA, BEM COMO A ELABORAÇÃO DAS NORMAS PARA O CADASTRAMENTO DESSE ESTABELECIMENTO JUNTO AO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE; - PORTARIA Nº 82 DE 03 DE JANEIRO DE 2000 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, REVOGA E SUBSTITUI A ANTERIOR; - RESOLUÇÃO Nº 154 DE 15 DE JUNHO DE 2004 DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, ESTABELECE O REGULAMENTO TÉCNICO PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE DIÁLISE E SUBSTITUI A ANTERIOR. ESTA MESMA RESOLUÇÃO É REPUBLICADA EM 31 DE MAIO DE 2006, COM ALGUMAS ALTERAÇÕES; - RESOLUÇÃO Nº 11 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, ESTABELECE OS REQUISITOS DE BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO PARA OS SERVIÇOS DE DIÁLISE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS ALÉM DE REVOGAR E SUBSTITUIR A ANTERIOR.

4 OUTRAS RESOLUÇÕES DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA A SEREM APLICADAS: - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013 INSTITUI AÇÕES PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE EM SERVIÇOS DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS; - RDC Nº 63 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 DISPÕE SOBRE OS REQUISITOS DE BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO PARA OS SERVIÇOS DE SAÚDE; - RDC Nº 02 DE 25 DE JANEIRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O GERENCIAMENTO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE. Alterada pela RDC nº 20 de 26 de março de 2012; - RDC Nº 42 DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE PREPARAÇÃO ALCOÓLICA PARA FRICÇÃO ANTISSÉPTICA; - RDC Nº 306 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE; - RDC Nº 50 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2002 ESTABELECE QUE A CONSTRUÇÃO, REFORMA OU ADAPTAÇÃO NA ESTRUTURA FÍSICA DO SERVIÇO DE DIÁLISE DEVE SER PRECEDIDA DE APROVAÇÃO DO PROJETO JUNTO À AUTORIDADE SANITÁRIA LOCAL.

5 OUTRAS RESOLUÇÕES DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA A SEREM APLICADAS: - RDC Nº 8, DE 02 DE JANEIRO DE 2001 INSTITUI AS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DO CONCENTRADO POLIELETROLÍTICOS PARA HEMODIÁLISE - CPHD; - RDC Nº 33 DE 03 DE JUNHO DE 2008 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO PARA PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ELABORAÇÃO, AVALIAÇÃO E APROVAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARA HEMODIÁLISE NO SISTEMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ; - RDC Nº 45 DE 12 DE MARÇO DE 2003 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS DE UTILIZAÇÃO DAS SOLUÇÕES PARENTERAIS (SP) EM SERVIÇOS DE SAÚDE; - RDC Nº 151 DE 21 DE AGOSTO DE 2001 APROVA O REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA; - PORTARIA (MS) Nº 2712 DE 12 DE NOVEMBRO DE REDEFINE O REGULAMENTO TÉCNICO DE PROCEDIMENTOS HEMOTERÁPICOS;

6 OBJETIVOS DA AGÊNCIA PARA CONSTRUÇÃO DA RDC 11/2014 A nova proposta dá mais clareza aos pontos críticos de controle do processo dialítico e os itens que devem ser seguidos pelos serviços para a melhoria da segurança do processo. Para o paciente, a proposta dever representar a diminuição da incidência de hepatites virais e outras ocorrências que possam representar risco durante o processo dialítico. A nova resolução também pretende dar estabilidade ao regulamento, de forma que não seja necessário realizar alterações a cada mudança de parâmetro no setor. Para isso, a proposta está focada nos pontos que devem ser normatizados e não na forma como deve ser feito. Essa medida vai permitir uma facilidade para a incorporação de novas técnicas ou tecnologias que venham a ser utilizadas no processamento dialítico. Fonte: Portal da Anvisa

7 OBJETIVOS DA AGÊNCIA PARA CONSTRUÇÃO DA RDC 11/2014 A medida também traz impactos para o SUS. A transferência de temas que estão presentes na norma atual, a RDC 154/2004, para as normas do Ministério da Saúde facilitará futuras alterações de protocolos clínicos e pactuações para a construção da rede de atenção e linha de cuidado do paciente renocardiovascular. Fonte: Portal da Anvisa

8 RDC 11 - REQUISITOS DE BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO PARA OS SERVIÇOS DE DIÁLISE DESTACO OS NOVOS CRITÉRIOS RELACIONADOS AO: - REUSO EM DIÁLISE, - NÍVEIS MÁXIMOS DE CONTAMINAÇÃO DA SOLUÇÃO DE DIÁLISE (DIALISATO), - REDUÇÃO DOS NÍVEIS MÁXIMOS PERMITIDOS DE BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS E ENDOTOXINAS, - NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE, - GERENCIAMENTO DE TECNOLOGIAS.

9 A RDC 11 DE 13 DE MARÇO DE 2014 SE CONSTITUI EM UM NOVO MARCO REGULADOR DA ÁREA, EM DECORRÊNCIA DA ANVISA PASSAR A DEFINIR OS PARÂMETROS JULGADOS SEREM DE SUA COMPETÊNCIA (RISCOS E EVENTOS ADVERSOS SEGURANÇA DO PACIENTE) Comparação entre várias atividades humanas e o risco de catástrofes e mortes associadas (Adaptada). MINISTÉRIO DA SAÚDE ATRAVÉS DA PORTARIA Nº 389 DE 13 DE MARÇO DE 2014 A DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS PARA A ORGANIZAÇÃO DA LINHA DE CUIDADO DA PESSOA COM DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC).

10 ANVISA RDC Nº 11 DE 13 DE MARÇO DE 2014 ART. 8º - O SERVIÇO DE DIÁLISE DEVE CONSTITUIR UM NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE (NSP), RESPONSÁVEL POR ELABORAR E IMPLEMENTAR UM PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE (PSP), CONFORME NORMATIVA VIGENTE. MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA Nº 529 1º DE ABRIL 2013 INSTITUI O PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA DO PACIENTE ANVISA RESOLUÇÃO RDC Nº DE JULHO 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA Nº SETEMBRO 2013 INSTITUI AS AÇÕES PARA A PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE E A MELHORIA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE. ESTRUTURAR O NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE (NSP) DESENVOLVER O PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE (PSP) APROVA OS PROTOCOLOS BÁSICOS DE SEGURANÇA DO PACIENTE. ANEXOS ESPECÍFICOS (EX.: SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS)

11 SEGURANÇA DO PACIENTE OBJETIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA DO PACIENTE PNSP 1. promover e apoiar a implementação de iniciativas voltadas à segurança do paciente nos estabelecimentos de saúde; 2. envolver os pacientes e familiares nas ações de segurança do paciente; 3. ampliar o acesso da sociedade às informações relativas à segurança do paciente; 4. produzir, sistematizar e difundir conhecimentos sobre segurança do paciente; 5. fomentar a inclusão do tema segurança do paciente no ensino técnico e de graduação e pós-graduação na área da saúde. (Art. 3, PT n 529/2013)

12 SEGURANÇA DO PACIENTE ESTRATÉGIAS DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA DO PACIENTE PNSP 1. elaboração e apoio à implementação de protocolos, guias e manuais; 2. promoção de processos de capacitação; 3. inclusão, nos processos de contratualização e avaliação de serviços, de metas, indicadores e padrões de conformidade relativos à segurança do paciente; 4. implementação de campanha de comunicação social sobre segurança do paciente, voltada aos profissionais, gestores e usuários de saúde e sociedade; 5. implementação de sistemática de vigilância e monitoramento de incidentes na assistência à saúde, com garantia de retorno às unidades notificantes; 6. promoção da cultura de segurança com ênfase no aprendizado e aprimoramento organizacional, engajamento dos profissionais e dos pacientes na prevenção de incidentes; 7. articulação, com o Ministério da Educação e com o Conselho Nacional de Educação, para inclusão do tema segurança do paciente nos currículos dos cursos de formação em saúde de nível técnico, superior e de pós-graduação. (Art. 5, PT n 529/2013)

13 RISCO PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DE UM INCIDENTE. INCIDENTE CONSISTE EM UM EVENTO OU CIRCUNSTÂNCIA QUE PODERIA TER RESULTADO OU RESULTOU EM DANO DESNECESSÁRIO PARA O PACIENTE. OMS 2009

14 SEGURANÇA DO PACIENTE Incidente PODEM SER: FÍSICO, SOCIAL E PSICOLÓGICO, CAUSAR DOENÇA, LESÃO, SOFRIMENTO, INCAPACIDADE OU MORTE. Near miss Incidente que não atingiu o paciente Incidente sem dano Incidente que atingiu o paciente, mas não causou dano Incidente com dano Incidente que resulta em dano ao paciente (Evento Adverso) Incidentes relacionados ao cuidado de saúde com base na ICPS (classificação internacional de segurança do paciente). Fonte: Proqualis (2012) FATORES DE RISCO EM HD: - PROCEDIMENTOS INVASIVOS; - UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS COMPLEXOS; - PACIENTES CRÍTICOS; - ALTA ROTATIVIDADE DE PACIENTES; - ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS; - SOLUÇÕES DE GRANDE VOLUME.

15 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 63 DE DISPÕE SOBRE OS REQUISITOS DE BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO PARA OS SERVIÇOS DE SAÚDE ART. 5º O SERVIÇO DE SAÚDE DEVE DESENVOLVER AÇÕES NO SENTIDO DE ESTABELECER UMA POLÍTICA DE QUALIDADE ENVOLVENDO ESTRUTURA, PROCESSO E RESULTADO NA SUA GESTÃO DOS SERVIÇOS. PARÁGRAFO ÚNICO. O SERVIÇO DE SAÚDE DEVE UTILIZAR A GARANTIA DA QUALIDADE COMO FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO. ART 6º AS BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO (BPF) SÃO OS COMPONENTES DA GARANTIA DA QUALIDADE QUE ASSEGURAM QUE OS SERVIÇOS SÃO OFERTADOS COM PADRÕES DE QUALIDADE ADEQUADOS. 1º AS BPF SÃO ORIENTADAS PRIMEIRAMENTE À REDUÇÃO DOS RISCOS INERENTES A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. 2º OS CONCEITOS DE GARANTIA DA QUALIDADE E BOAS PRÁTICAS DE FUNCIONAMENTO (BPF) ESTÃO INTER-RELACIONADOS ESTANDO DESCRITOS NESTA RESOLUÇÃO DE FORMA A ENFATIZAR AS SUAS RELAÇÕES E SUA IMPORTÂNCIA PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE.

16 DIVISOR DE ÁGUAS Em 1999, o livro To err is Human, publicado pelo Institute of Medicine (IOM), nos Estados Unidos, foi o primeiro a focar o impacto dos erros evitáveis nos pacientes. A segurança do paciente é tema de importância internacional, que vem sendo amplamente discutida nas organizações de acreditações e instituições de saúde, visando à redução e eliminação de atos não seguros dentro do sistema de assistência. Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS, editors. To err is human: building a safer health system, 2000.

17 Insistimos em tentar impor mudanças, quando o precisamos é cultivar mudanças. Peter M. Senge

18 CULTURA DE SEGURANÇA MORAL É O CONJUNTO DE REGRAS ADQUIRIDAS ATRAVÉS DA CULTURA, DA EDUCAÇÃO, DA TRADIÇÃO E DO COTIDIANO E QUE ORIENTAM O COMPORTAMENTO HUMANO DENTRO DE UMA SOCIEDADE. MUDANÇA DE PARADIGMA OU SEJA NOVO MODÊLO, PADRÃO A SER SEGUIDO EM DETERMINADA SITUAÇÃO.

19 GERENCIAMENTO DE RISCO E SEGURANÇA DO PACIENTE INFELIZMENTE, A MAIORIA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE E OS SEUS GESTORES ESTÁ LONGE DE ENTENDER QUÃO PERIGOSA É, ATUALMENTE, A ASSISTÊNCIA À SAÚDE. NÃO SE ATENTAM PARA O NÚMERO DE AGRAVOS QUE OCORREM ANUALMENTE EM SUAS INSTITUIÇÕES POR FALHAS NA ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES. É NECESSÁRIO QUE CADA UMA DAS ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE PROMOVA UMA PROFUNDA ANÁLISE DE SUA POLÍTICA DE SEGURANÇA DO PACIENTE. PARA QUE SEJA POSSÍVEL ATINGIR OS RESULTADOS OBTIDOS NAS OUTRAS ÁREAS QUE JÁ ADOTAM ESSA CULTURA.

20 GERENCIAMENTO DE RISCO E SEGURANÇA DO PACIENTE A SEGURANÇA É O PRIMEIRO DOMÍNIO DA QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE. NÃO HÁ COMO OFERECER UMA BOA ASSISTÊNCIA MÉDICO- HOSPITALAR SE ESTA NÃO FOR FEITA COM SEGURANÇA. SÃO INÚTEIS OS ESFORÇOS DE HUMANIZAÇÃO EM QUALQUER SERVIÇO DE SAÚDE, SE ESTA NÃO INCLUIR REDUÇÃO NO RISCO... SE O SERVIÇO DE SAÚDE FOR INCAPAZ DE RESPONDER À DETERIORAÇÃO CLÍNICA DE PACIENTES QUE PODEM LEVÁ-LO A ÓBITO. SE NÃO UTILIZAR EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS PARA REDUÇÃO DAS INFECÇÕES E DEMAIS AGRAVOS À SAÚDE OU SE NÃO SEGUIR OS PROTOCOLOS PARA QUE PACIENTES NÃO SOFRAM DANOS SECUNDÁRIOS AO PROCEDIMENTO A QUE ESTÁ SENDO SUBMETIDO.

21 GERENCIAMENTO DE RISCO E SEGURANÇA DO PACIENTE NENHUM GERENCIAMENTO DE RISCO ASSISTENCIAL É EFICAZ SE A INSTITUIÇÃO NÃO FOR CAPAZ DE OLHAR SUAS FALHAS COM CLAREZA E ISENÇÃO. SEM JUÍZO DE VALOR, ENTENDENDO QUE EM SUA MAIORIA, AS FALHAS E OS ERROS NÃO SÃO POR CULPA ISOLADA DE UMA PESSOA. MAS SIM UM PROBLEMA SISTÊMICO QUE ENVOLVE OS PROCESSOS SOBRE OS QUAIS A INSTITUIÇÃO SE APOIA.

22 GERENCIAMENTO DE RISCO E SEGURANÇA DO PACIENTE O CONCEITO DE CULTURA DE SEGURANÇA SURGIU A PARTIR DE ORGANIZAÇÕES E SISTEMAS QUE EXECUTAVAM OPERAÇÕES PERIGOSAS, COMO A AVIAÇÃO CIVIL E A INDÚSTRIA QUÍMICA. ESTAS ORGANIZAÇÕES CONSEGUIRAM, EFETIVAMENTE, REDUZIR A INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS APESAR DE OPERAREM SISTEMAS COMPLEXOS. ORGANIZAÇÕES ALTAMENTE CONFIÁVEIS MANTÉM O COMPROMISSO COM A SEGURANÇA EM TODOS OS NÍVEIS, DO OPERACIONAL ÀS LIDERANÇAS E À ALTA DIREÇÃO.

23 GERENCIAMENTO DE RISCO E SEGURANÇA DO PACIENTE É ESSENCIAL HAVER UM DISCURSO ÚNICO SOBRE A POLÍTICA DE SEGURANÇA DO PACIENTE NA INSTITUIÇÃO. MUITAS VEZES, PORÉM, AS LIDERANÇAS NÃO CONTAM COM AS FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA ESTE TRABALHO. CRIANDO UM AMBIENTE CONFUSO. COM AÇÕES CONFLITANTES QUE DESORIENTAM A BUSCA DE SEGURANÇA NO NÍVEL OPERACIONAL.

24 COMO SE APROPRIAR DAS FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA ESTE TRABALHO (CONHECIMENTO INFORMAÇÃO) MELHORIA DA QUALIDADE: (1. FUNDAMENTOS DO DESENVOLVIMENTO ; 2. O MODELO DA MELHORIA; 3. MEDIR PARA MELHORAR; 4. O LADO HUMANO DA MELHORIA DA QUALIDADE; 5. FERRAMENTAS A SEREM UTILIZADAS). SEGURANÇA DO PACIENTE: (1. INTRODUÇÃO A SEGURANÇA DO PACIENTE; 2. FUNDAMENTOS EM SEGURANÇA; 3. FATORES HUMANOS E SEGURANÇA; 4. TRABALHO EM EQUIPE E COMUNICAÇÃO; 5. ANALISE DE SISTEMA E DAS CAUSAS DE RAÍZ; 6. COMUNICANDO-SE COM O PACIENTE APÓS A OCORRENCIA DE EVENTOS ADVERSOS; 7. INTRODUÇÃO A CULTURA DE SEGURANÇA). LIDERANÇA: (1. PARA SER LIDER NUM SISTEMA DE SAÚDE) 2015 Institute for Healthcare Improvement. All rights reserved. 20 University Road, Cambridge, MA 02138

25 PROBLEMAS DE TRABALHO 95% ORIUNDO DOS PROCESSOS 5% ORIUNDO DOS INDIVÍDUOS

26 OS OBJETIVOS DA POLÍTICA DA SEGURANÇA SÃO: Garantir segurança nos processos assistenciais, técnicos e administrativos; Gerenciar os riscos envolvidos nos processos assistenciais, técnicos e administrativos; Estimular a notificação de eventos adversos com vistas ao aprendizado institucional (Anvisa, Disclosure); Instituir a cultura pela segurança nos processos de trabalho de todos os níveis hierárquicos; Garantir que o paciente seja o foco em todos os processos institucionais.

27 DISCLOSURE O QUE OS PACIENTES ESPERAM APÓS A OCORRÊNCIA DE UM EVENTO? RECONHECIMENTO DA ORGANIZAÇÃO SOBRE O QUE ACONTECEU PREOCUPAÇÃO E DESCULPAS PELO OCORRIDO; A REVELAÇÃO DOS FATOS SOBRE O EVENTO; AS ETAPAS DO QUE FOI E DO QUE SERÁ FEITO PARA MINIMIZAR O DANO; QUAIS MEDIDAS ADOTADAS PARA EVITAR A OCORRÊNCIA DE EVENTOS SEMELHANTES. Claudia Laselva - Centro de Educação em Saúde Abram Szajman Canadian Safety Institute. Canadian Disclosure Guidelines: Being with patients and families. Ottawa: 2011 Canadian Medical Protective Association. Communicating with your patient about harm: disclosure of adverse events. Ottawa :2008 Portaria do Ministério da Saúde nº1286, de 26/10/93, art.8º e nº74, de 04/05/94

28 POLÍTICA DE SEGURANÇA E N G E N H A R I A C L Í N I C A PLANO DE MANUTENÇÃO DO SETOR DE ENGENHARIA OU DE GERENCIAMENTO DE TECNOLOGIA (SEÇÃO III Art 3º- Inciso VII) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS APLICADOS AO DESEMPENHO DOS EQUIPAMENTOS MÉDICOS CULTURA PARA O USO SEGURO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE GERECIAMENTO DE RISCOS RELACIONADOS AOS EQUIPAMENTOS DE TERCEIROS

29 DILEMAS NA IMPLANTAÇÃO DA CULTURA PELA SEGURANÇA NÍVEL DE MATURIDADE X TEMPO 1 PATOLÓGICA : Por que desperdiçar tempo com segurança? 2 REATIVA : Fazemos alguma coisa quando temos um incidente. 3 BUROCRÁTICA : Temos sistemas para gerenciar todos os riscos identificados? 4 PROATIVA : Estamos sempre alertas para os riscos que podem emergir? 5 GERADORA : A gestão de risco é parte de tudo que fazemos. Hudson, 2003

30 GESTÃO DE PROCESSOS

31 GESTÃO DE PROCESSOS ETAPAS DO PROCESSO (EX.: TRATAMENTO DIALÍTICO OU USO DE MEDICAMENTOS) 1 MAPEAMENTO E FLUXOGRAMA DAS ETAPAS DO PROCESSO 2 OBSERVAÇÃO DOS REQUISITOS LEGAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DOS POTENCIAIS RISCOS E CAUSAS 4 DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS MULTIDISCIPLINAR 5 MONITORAMENTO POR MEIO DE INDICADORES 6 IMPLEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS COM A EQUIPE DA SAÚDE

32 FERRAMENTAS PARA MELHORIA DOS PROCESSOS E GESTÃO DE RESULTADOS

33 FERRAMENTAS PARA MELHORIA DOS PROCESSOS E GESTÃO DOS RESULTADOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DA FERRAMENTA MASP, adaptado do ciclo PDCA

34 FERRAMENTAS PARA MELHORIA DOS PROCESSOS E GESTÃO DOS RESULTADOS P (PLAN) PLANEJAR DESCRIÇÃO FERRAMENTAS ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA FERRAMENTA MASP 1 IDENTIFICAR O PROBLEMA BRAINSTORMING 2 OBSERVAR EM GRUPO FLUXOGRAMA 3 ANALISAR CAUSA FUNDAMENTAL, UMA OU MAIS 4 AVALIAR AS ALTERNATIVAS PARA SOLUÇÃO DO PROBLEMA 5W 2H 5 ESCOLHER A MELHOR ALTERNATIVA DIAGRAMA DE CAUSA E 6 ELABORAR PLANO DE AÇÃO EFEITO (ISHIKAWA) D (DO) FAZER POP 7 EDUCAR E TREINAR OS MEMBROS DA EQUIPE 8 EXECUTAR AS TAREFAS PLANEJADAS GUT C (CHECK) VERIFICAR DIAGRAMA DE PARETO 9 VERIFICAR CHECAR OS ITENS DE CONTROLE E COMPARAR COM A META INDICADORES DE DESEMPENHO A (ACTION) ATUAR META SMART 10 ATUAR DE FORMA CORRETIVA 11 PRADRONIZAR OS PROCEDIMENTOS BENCHMARKING

35 INDICADORES DE QUALIDADE E SEGURANÇA (DESEMPENHO DOS PROCESSOS) MEDIR PARA SABER SE ESTAMOS FAZENDO UM BOM TRABALHO

36 INDICADORES DE QUALIDADE E SEGURANÇA (DESEMPENHO DOS PROCESSOS) INDICADORES DE DESEMPENHO RELAÇÃO MATEMÁTICA QUE MEDE, NUMERICAMENTE PROCESSOS RESULTADOS COMPARAR COM AS METAS NUMÉRICAS PRÉ ESTABELECIDAS

37 GESTÃO DA QUALIDADE PARA MELHORIA DOS PROCESSOS E SEGURANÇA DO PACIENTE QUALIDADE E SEGURANÇA PADRONIZAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO

38 NSP + PSP + GT + BPFss MUDANÇA DE PARADIGMA OU SEJA NOVO MODÊLO, PADRÃO A SER SEGUIDO EM DETERMINADA SITUAÇÃO. ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRABALHO; INTERAÇÃO MULTIPROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO INTERSETORIAL; ENVOLVIMENTO E COMPROMISSO DOS GESTORES E DIRETORES COM A TEMÁTICA SEGURANÇA DO PACIENTE E; AVALIAÇÃO, MONITORAMENTO E ANÁLISE CRÍTICA DOS PROCESSOS COMO FERRAMENTAS DE MELHORIA.

39

40

41

42 Rev Esc Enferm USP 2013; 47(1):76-83

43

44

45

46

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente 15 Encontro da Rede Sentinela - Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão do Risco Sanitário

Leia mais

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Seminário Nacional: redução do risco para a segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Brasília,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Gestão de Riscos RDC 36 de 2013 Aplicação sistêmica e contínua de políticas, procedimentos, condutas e recursos na identificação, análise,

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Premissas para qualidade do cuidado à saúde IOM 2001 Segurança Eficácia e

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 O erro aconteceu. O que o paciente e a família esperam de você agora? Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 1 Disclosure Uma das premissas para o alcance da cultura de segurança é a existência

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE Uberaba,MG 2014 SIGLÁRIO Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Eventos Adversos

Leia mais

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 Ministério da Saúde CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 A QUALIDADE DA ÁGUA NO ÂMBITO DA SAÚDE São Paulo,SP 31 de outubro de 2014 Por Mariângela Torchia do Nascimento Gerência de Laboratórios de Saúde Pública/GELAS/ANVISA

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

14/10/2014. Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação

14/10/2014. Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação 4/0/04 O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E O SISTEMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (SNVS) Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação Responsabilidade Autonomia federativa Diversidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES Jurema da Silva Herbas Palomo Diretora Coordenação de Enfermagem Instituto do Coração HC / FMUSP Enfermeiro Gestor Compete a responsabilidade da n Definição

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela. Brasília, 10 de dezembro de 2010.

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela. Brasília, 10 de dezembro de 2010. XII Encontro Nacional da Rede Sentinela Brasília, 10 de dezembro de 2010. Informações geradas e discussões acumuladas Pilares do Projeto Hospitais Sentinela PROJETO SENTINELA BUSCA ATIVA DE EVENTOS ADVERSOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Segurança do Paciente e Qualidade e Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Outubro / 2013 ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE Desafios Globais para a Segurança do Paciente

Leia mais

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um Renata Ariano Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Profa. Dra. Sonia Lucena Cipriano Diretora Técnica de Saúde Serviço de Farmácia Instituto do Coração do Hospital das Clínicas FMUSP. Abril 2014

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

Segurança do Paciente

Segurança do Paciente Segurança do Paciente Patricia Fernanda Toledo Barbosa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa/MS Comitê de Implementação do Programa Nacional de Segurança do Paciente - CIPNSP O CONTEXTO Segurança

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

OBJETIVO METODOLOGIA

OBJETIVO METODOLOGIA INTRODUÇÃO O movimento pela Segurança do Paciente foi desencadeado pelo relatório To Err is Human: Building a Safer Health System do Instituto de Medicina (IOM) dos Estados Unidos da América (EUA). Este

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. Institui o programa de incentivo à qualificação de prestadores de serviços na saúde suplementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Guilherme Franco

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR EVENTOS ADVERSOS (EAs) Evento Adverso pode ser definido como lesão não intencional que resultou em incapacidade temporária ou permanente e/ou prolongamento do tempo de permanência

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, COMPOSIÇÃO, DURAÇÃO E DEFINIÇÕES Artigo 1 - Este Regimento disciplina e estrutura as atividades

Leia mais

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Objetivos Conhecer o Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA) Conhecer o Manual Brasileiro de Acreditação (MBA) - 2010 Conhecer as propostas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 Assunto: Antissepsia da pele antes de vacina por via intramuscular. 1. Do fato Solicitado parecer por graduando de enfermagem sobre a antissepsia da pele antes da administração

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES

IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES IMPLEMENTAÇÃO DA PORTARIA 1.748 CASSIANA PRATES Serviço de Epidemiologia e Gerenciamento de Riscos Hospital Ernesto Dornelles Tópicos Nos próximos 25min: Hospital Ernesto Dornelles Gestão de Riscos e Segurança

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Panorama das ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Portaria N 4.283 de 30 de dezembro de 2010 - Diretrizes para ações

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais