Diagnóstico e Diretrizes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico e Diretrizes"

Transcrição

1 Inovar para competir. Competir para crescer. Coordenação Sistêmica de Condições e Relações do Trabalho Diagnóstico e Diretrizes Setembro de

2 2

3 Inovar para competir. Competir para crescer. Diagnóstico e Diretrizes Coordenação Sistêmica de Condições e Relações do Trabalho Setembro de

4 Coordenador da Comissão: José Lopes Feijóo Assessora: Márcia Moraes Blanck Coordenação ABDI: Otávio Camargo Ricardo Amorim Roberto Pedreira Rogério D. Araújo Marina Guimarães Bancada de Governo Carlos Eduardo Gabas Cid Cunha Edilson Urbano Eva Pires Fabiano Cordeiro Gianna Sagazio Marina Guimarães Rodrigues Nilton Fraiberg Otávio Camargo Paulo Gustavo Paiva Paulo Rogério A. Oliveira Rafael Luis Giacomin Ricardo Amorim Rinaldo Marinho Lima Roberto Pedreira Rogério D. Araujo Thiago Amoras MPS ABDI MDIC MTE MPOG BNDES ABDI MTE ABDI MTE MPS MPOG ABDI MTE ABDI ABDI ABDI

5 Bancada de Trabalhadores Membros da bancada Antônio Lopes de Carvalho CTB Carlos Alberto de O. Pereira CGTB Francisco Canindé Pegado do Nascimento UGT João Carlos Gonçalves José Reginaldo Inácio Manoel Messias Melo Norton Ribeiro Hummel Osvaldo Mafra Pedro Mesquita Fortes Quintino Severo Ricardo Patah Ubiraci Dantas de Oliveira Assessoria técnica Clóvis Roberto Scherer José Silvestre Prado Maria Silvia Portela de Castro Força Sindical NCST CUT NCST Força Sindical CTB CUT UGT CGTB DIEESE DIEESE CUT Bancada de Empregadores Coordenador da bancada Emerson Casali Assessor técnico Pablo Rolim Carneiro Membros da bancada Alain Mac Gregor CNC Antonio Lisboa Cardoso CNC Aretha Corrêa CNI Fernando Garcia CNS Gabriel Gontijo CNI José Osório Mongelo CNI Luigi Nese CNS Osvaldo Oliveira Filho CNI

6 Supervisão de Publicação Oswaldo Buarim Jr. Diagramação e revisão G3 Comunicação ABDI Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Setor Bancário Norte, Quadra 1 - Bloco B Ed. CNC / Brasília DF Tel.: (61)

7 República Federativa do Brasil Dilma Rousseff Presidenta Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Ministro Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI Mauro Borges Lemos Presidente Clayton Campanhola Diretor Maria Luisa Campos Machado Leal Diretora Otávio Silva Camargo Chefe de Gabinete

8 8

9 SUMÁRIO Apresentação Mercado de Trabalho Modernização Trabalhista Custos de Produção Contrapartidas Sociais e Responsabilidade Social Segurança e Saúde no Trabalho

10 10

11 Apresentação As relações do trabalho permeiam a estrutura da sociedade. Qualquer produção material ou imaterial depende da utilização de trabalho humano em maior ou menor grau. Um país forte e capaz de obter acelerado desenvolvimento depende de relações do trabalho que sejam instrumentos de competitividade para as empresas e propiciem melhorias crescentes nas oportunidades de empregos, nas condições de trabalho e na qualidade de vida de todos. Dessa forma, as relações do trabalho bem reguladas são instrumentos de ganhos e de proteção aos trabalhadores, às empresas e, portanto, a toda a sociedade. Uma política industrial precisa enxergar as relações do trabalho como elemento importante para promover a produtividade empresarial e garantir a distribuição aos trabalhadores dos ganhos obtidos neste processo, por meio da geração de mais e melhores empregos. Não discutir a questão pode significar a manutenção de gargalos comprometedores da competitividade e dos ganhos deste processo para a sociedade. A composição de uma Agenda Sistêmica de Relações do Trabalho demanda esforço conjunto dos atores sociais que direta e tradicionalmente estabelecem as estratégias e as políticas de relações do trabalho: trabalhadores, empregadores e governo. O exercício do diálogo tripartite, com explicitação de posições, e a busca de entendimentos reforçam a capacidade de análise da situação atual do trabalho no Brasil, bem como melhor qualificam as políticas públicas propostas. Por meio desse diálogo tripartite, buscou-se estabelecer o máximo de consensos possíveis, sem se furtar a explicitar posições unilaterais sobre determinada questão quando havia um dissenso insuperável 11

12 no momento. Assim, agregou-se legitimidade social e política às soluções consensuais obtidas, o que deve se traduzir em melhores possibilidades de concretizar uma visão de futuro desejado. Os cinco eixos temáticos foram consenso para serem tratados pela Agenda Sistêmica de Relações do Trabalho. São eles: Mercado de Trabalho; Modernização Trabalhista; Custos de Produção; Responsabilidade Social e Contrapartidas Sociais; e Segurança e Saúde no Trabalho (SST). Cabe ressaltar que o documento foi discutido pelas bancadas representativas na Coordenação Sistêmica de Relações do Trabalho do Plano Brasil Maior, mas ainda tem caráter preliminar, no sentido de que está sujeito a revisão e aperfeiçoamento em instâncias mais elevadas de diálogo social tripartite. 12

13

14 14

15 1. MERCADO DE TRABALHO Diagnóstico Qualidade, quantidade e diversidade do emprego (setores, regiões e grupos populacionais) O mercado de trabalho no Brasil é bastante heterogêneo, existindo um desafio permanente de aproveitar oportunidades para ampliação da quantidade de empregos formais e melhoria da qualidade dos postos de trabalho, devendo o país ter foco especial em setores, regiões e grupos populacionais que não se beneficiam plenamente da positiva dinâmica recente do mercado de trabalho. Para alcançar o desenvolvimento do mercado de trabalho, é necessário que haja um ambiente macroeconômico, social e institucional propício e indutor dos aspectos quantitativos e qualitativos desejados. Para entender questões importantes do mercado de trabalho no Brasil, destacam-se a seguir os consensos e as observações de parte de cada bancada. As posições das bancadas são apresentadas a seguir: O crescimento do consumo não foi acompanhado pela geração de vagas na indústria de transformação: Bancadas entendem que: a indústria brasileira enfrenta uma concorrência desleal de importados, especialmente provenientes de países com baixos padrões laborais. Na visão dos empregadores: contribuem para essa situação o elevado custo de produção no país, sem uma 15

16 política de desoneração do trabalho e de incentivos à geração de empregos, em especial para setores intensivos em mão de obra; e os constrangimentos do sistema trabalhista à competitividade. O país não captura demanda por empregos em tecnologia da informação (TI) e serviços comercializáveis: Bancadas entendem que: o país não tem política de formação e qualificação focadas nessas oportunidades de emprego com potencial de atendimento internacional. Na visão dos empregadores: contribui para essa situação a legislação trabalhista rígida, pouco compatível com atividades intensivas em conhecimento e realizadas a distância por trabalhadores em geral mais jovens, com anseios de trabalho em sistemas mais flexíveis. Crescimento desigual do emprego e renda entre regiões e setores: Bancadas entendem que: há insuficiência de programas para o desenvolvimento regional equilibrado do emprego. Persistência de altos índices de informalidade: Bancadas entendem que: as regras burocráticas inadequadas ao porte da empresa (pequena e microempresa) inibem a atividade formal. 16 Na visão dos trabalhadores: contribui para essa situação a insuficiência da fiscalização do trabalho.

17 Na visão dos empregadores: contribuem para essa situação o elevado custo do trabalho formal; o elevado risco de empregar em razão de insegurança jurídica; e as modalidades rígidas de contratação. Existência de setores com alta taxa de rotatividade: Bancadas entendem que: a rotatividade é influenciada pela sazonalidade das atividades e pelos tipos de atividades econômicas desenvolvidas, atingindo principalmente postos de trabalho de menor qualificação profissional. Na visão dos trabalhadores: contribuem para essa situação o uso regular de contratos com prazo determinado; e a facilidade para demissão imotivada. Na visão dos empregadores: contribui para essa situação a existência de um excesso de estímulos para que o trabalhador queira ser demitido. Qualificação da mão de obra tem sido insuficiente para atender às necessidades para o crescimento do emprego: Bancadas entendem que: há certo descompasso entre a formação e a qualificação da mão de obra e os requerimentos dos postos de trabalho, existindo postos sem pessoal qualificado para ocupá-los e grande contingente de pessoal em áreas que não têm demanda equivalente. Em geral, a oferta de programas de formação e qualificação não acompanham as necessidades dos trabalhadores e das empresas. Adicionalmente, constatam 17

18 a ausência de políticas de qualificação profissional focadas em trabalhadores sem experiência prévia. Na visão dos trabalhadores: contribui para essa situação a baixa qualidade dos postos de trabalho, que não incentiva o trabalhador a se qualificar. Na visão dos empregadores: contribuem para essa situação a baixa qualidade da educação básica; a educação pública pouco conectada à realidade; e os desestímulos para investimentos pelas empresas em formação, em virtude de insegurança jurídica (Receita Federal considerando bolsas de estudos como salário indireto, tributando-as), bem como pelo risco do trabalhador de trocar de emprego, com perda do investimento. Alto índice de desemprego entre os jovens (especialmente os mais pobres, os negros e do sexo feminino): Bancadas entendem que: há dificuldade para acessar o primeiro emprego, há deficiências na escolarização e há deficiências na intermediação de mão de obra. Na visão dos empregadores: contribui para essa situação a ausência de estímulos efetivos à contratação e aos investimentos nos jovens. Ausência de políticas públicas para profissionais com idade próxima à aposentadoria: 18 Bancadas entendem que: profissionais com idade mais avançada, próximos à aposentadoria, em especial aqueles com

19 menor nível de qualificação, têm dificuldade para se recolocar no mercado, ao mesmo tempo em que não há políticas públicas que incentivem a manutenção de tais profissionais no emprego ou na sua contratação pelas empresas até a data da aposentadoria. Os TRABALHADORES também destacaram como pontos importantes do mercado de trabalho no Brasil: Baixos salários (70% dos novos empregos recebem até 2 salários-mínimos): Na visão dos trabalhadores: contribuem para essa situação o predomínio de atividades econômicas de baixo valor agregado; a oferta de postos de trabalho de baixa qualificação; a alta rotatividade dos empregos; o processo histórico de desvalorização dos salários; e os elevados índices de desigualdade salarial. Instabilidade dos empregos: Na visão dos trabalhadores: contribuem para essa situação o predomínio de empregos de curta duração; e a facilidade para a demissão imotivada. Terceirização usada como forma de precarizar as condições de trabalho. Os EMPREGADORES também destacaram como pontos importantes do mercado de trabalho no Brasil: 19

20 O país tem dificuldade de ampliar a produtividade: Na visão dos empregadores: contribuem para essa situação as dificuldades e riscos jurídicos em premiar o mérito e a produtividade, o que nivela por baixo as possibilidades de ganhos dos trabalhadores e reduz o engajamento em um processo de melhorias das bases de produção; as restrições da legislação trabalhista e a insegurança jurídica (como, por exemplo, a ausência de marco regulatório da terceirização); e os problemas de qualificação. Baixo estímulo ao empreendedorismo: Na visão dos empregadores: contribuem para essa situação as dificuldades enfrentadas pelo empreendedor, especialmente o pequeno, que não tem tutela ; a crescente desconsideração da personalidade jurídica; e a inibição de investimentos pela complexidade legal e burocrática. 20

21 Diretriz Estímulo à geração de empregos de qualidade e em quantidade, contemplando os diferentes setores, as regiões e os grupos populacionais DESDOBRAMENTOS: 1. Promoção da formalização das atividades econômicas e dos empregos. 2. Promoção da melhoria da qualidade dos empregos. 3. Redução das taxas de rotatividade nos empregos. 4. Elevação da qualificação profissional. 5. Desenvolvimento do marco regulatório relativo à terceirização. 6. Aproveitamento das oportunidades de geração de empregos. 7. Estímulo à geração de empregos, focando regiões mais carentes de dinamização. 8. Promoção de programas focados na inserção ocupacional de grupos em desvantagem no mercado de trabalho. 9. Estímulo ao empreendedorismo. 21

22 22

23 Diagnóstico 2. MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA Papel e estruturas limitadas da negociação coletiva de trabalho O Brasil possui um modelo de relações do trabalho com base na regulamentação legislativa que, se estabelece padrões mínimos, também limita as possibilidades de negociação coletiva e, consequentemente, de se alcançar adequações às diferentes realidades. No atual modelo, há pouco espaço e segurança para que se desenvolvam os processos de negociação coletiva como instrumento de modernização e ganhos para empresas e trabalhadores. Para entender questões importantes da modernização trabalhista, destacam-se a seguir os consensos e as observações de parte de cada bancada. Foi consenso tripartite: Não há um ambiente que favoreça o avanço da negociação coletiva em diversos níveis. Há heterogeneidade nos níveis de representatividade das entidades sindicais tanto laborais quanto patronais. Falta sistema ágil de resolução de conflitos. Há muito desrespeito ao que foi acordado em negociações coletivas (insegurança jurídica para ambos os lados), e por vezes os poderes públicos do trabalho não ratificam o acordado. Os instrumentos de negociação coletiva têm curta validade 23

24 (máximo de dois anos), dificultando políticas de longo prazo. Os TRABALHADORES também destacaram como pontos importantes para a modernização trabalhista no Brasil: O sistema de relações do trabalho não favorece a negociação coletiva em todos os níveis (local de trabalho, setorial e nacional). Falta proteção contra práticas antissindicais. Os EMPREGADORES também destacaram como pontos importantes para a modernização trabalhista no Brasil: Há pouco espaço para negociar diante da pouca flexibilidade das leis trabalhistas. O sistema atual é indutor do contencioso e estimula o conflito trabalhista. Não há espaço para negociações individuais e modelos flexíveis nas relações com trabalhadores altamente qualificados. 24

25 Diretriz Fortalecimento da negociação coletiva como instrumento para modernização das relações do trabalho DESDOBRAMENTOS: 1. Estímulo ao diálogo social nos diversos níveis. 2. Aprimoramento dos marcos jurídicos trabalhistas para valorização das negociações coletivas em todos os níveis. 3. Fortalecimento da representatividade das entidades sindicais de trabalhadores e de empregadores. 4. Criação de um ambiente propício e seguro para desenvolvimento das atividades de representação e de negociação coletiva. 5. Promoção do respeito às normas pactuadas nas negociações. 6. Desestímulo ao conflito trabalhista pela promoção da busca de consenso e soluções a partir da negociação coletiva e do desenvolvimento de mecanismos de resolução de conflitos trabalhistas. Para atingir a diretriz, os empregadores propõem ainda: 1. Aprimoramento do marco jurídico trabalhista para valorização de negociações individuais e modelos mais flexíveis para profissionais altamente qualificados e de maior grau de remuneração. 25

26 26

27 Diagnóstico 3. CUSTOS DE PRODUÇÃO Custos de produção e oneração excessiva do trabalho prejudicam a competitividade dos produtos brasileiros As empresas brasileiras sofrem com elevados custos de produção derivados de diversas questões sistêmicas que terminam por prejudicar sua competitividade. Entre os problemas encontra-se um conjunto de encargos e de obrigações associados ao trabalho que, muitas vezes, afeta as empresas e os empregos sem que se traduza em ganhos para o trabalhador, ainda que parte esteja associada a importantes políticas públicas que precisam ser preservadas e demandam soluções seguras de financiamento. Para entender questões importantes acerca dos custos de produção, destacam-se a seguir os consensos e as observações de parte de cada bancada. Foi consenso entre as partes: Altas taxas de juros e sobrevalorização do câmbio têm sido fatores decisivos para a perda da competitividade de produtos e serviços nacionais. Existência de distorções na estrutura tributária. Existência de deficiências e custos da infraestrutura. Utilização da folha de salários como base de incidência para financiamento da seguridade gera repercussões trabalhistas, previdenciárias e fiscais. Procedimentos burocráticos são excessivos e inadequados e oneram a gestão do contrato de trabalho. 27

28 Benefícios e/ou estímulos (transporte, qualificação, plano de saúde etc.) são desencorajados pela atual legislação. Os TRABALHADORES também destacaram como elementos importantes do custo de produção no Brasil: Não existe mecanismo de avaliação e partilha dos ganhos de produtividade. Os EMPREGADORES também destacaram como elementos importantes do custo de produção no Brasil: Obrigações acessórias ao ato de empregar, como cotas de aprendizes e de deficientes, são onerosas e, por vezes, de difícil cumprimento. Existência de um excesso de encargos sobre o trabalho formal. Insegurança jurídica modifica o passado e gera enormes passivos trabalhistas. Aspectos legais criam restrições à produtividade. Ganhos de remuneração têm sido desvinculados de ganhos de produtividade. Crescimento dos custos do trabalho é bem superior ao da produtividade. 28

29 Diretriz Adequação do sistema de custos de produção à busca de maior competitividade desdobramentos: 1. Redução dos encargos sobre o trabalho formal com preservação dos direitos trabalhistas e manutenção do equilíbrio no financiamento de políticas sociais. 2. Redução do custo de capital (taxa de juros) e adequação das taxas de câmbio. 3. Estímulo à concessão de benefícios negociados em favor dos trabalhadores. 4. Redução da burocracia na gestão do contrato de trabalho. 5. Promoção de maior segurança jurídica para evitar a geração de passivos trabalhistas. 6. Eliminação de restrições legais à produtividade, preservando a proteção ao trabalhador. 7. Adequação da infraestrutura: elevação da eficiência e redução dos custos. 8. Eliminação de distorções tributárias que comprometam a competitividade de produtos e serviços nacionais. Para atingir a diretriz, os EMPREGADORES propõem ainda: 1. Revisão das obrigações acessórias, visando ao seu efetivo cumprimento. 2. Estabelecimento de uma forma de modulação dos efeitos das decisões do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em especial em relação à mudança de jurisprudências consolidadas e seguidas pela sociedade. 29

30 30

31 Diagnóstico 4. CONTRAPARTIDAS SOCIAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL O país não potencializa o retorno social dos recursos públicos destinados às atividades econômicas por meio das contrapartidas e da promoção da responsabilidade social empresarial O desenvolvimento de políticas públicas ativas de apoio ao desenvolvimento do setor produtivo, com incentivos financeiros concretos, devem considerar seus impactos econômicos, sociais e ambientais. Para tanto, considera-se necessário estimular comportamentos empresariais responsáveis que se baseiem na ética e no compromisso com as partes interessadas, aliado a um direcionamento que busque contrapartida social da aplicação dos recursos públicos. Os participantes reconhecem, entretanto, que as responsabilidades do Estado nos campos de educação, saúde, transporte, lazer e segurança não devem ser substituídas pela provisão por parte das empresas por meio de ações de responsabilidade social. São pontos levantados pelos TRABALHADORES como importantes elementos para o tema das contrapartidas sociais e responsabilidade social no Brasil: Falta de metas, exigências e monitoramento da geração de empregos, liberdade sindical e negociação coletiva, boas condições de trabalho, entre outros, em programas e políticas públicas de estímulo às empresas. Falta de metas e compromissos em relação aos impactos 31

32 para a comunidade local antes, durante e depois dos empreendimentos. Alta incidência de problemas trabalhistas, sociais e ambientais nas cadeias produtivas. São pontos levantados pelos EMPREGADORES como importantes elementos para o tema das contrapartidas sociais e responsabilidade social no Brasil: As empresas estão sobrecarregadas por obrigações do Estado (saúde, educação, segurança, transporte etc.). A visão assistencialista ainda se sobrepõe à de relações éticas no campo da responsabilidade social. As empresas com baixa sustentabilidade financeira têm dificuldades de ser socialmente responsáveis. Diretriz Garantia do retorno social das políticas públicas e busca da atuação empresarial socialmente responsável DESDOBRAMENTOS: 1. Inclusão de critérios ou metas econômicas e sociais em políticas e programas de incentivo e estímulo a atividades econômicas/produtivas. 2. Estímulo à pactuação de compromissos de tratamento 32

33 conjunto dos impactos dos empreendimentos no desenvolvimento territorial. 3. Desestímulo às importações de produtos e serviços em cuja produção não sejam respeitados os direitos sociais, trabalhistas e ambientais aceitos internacionalmente. 4. Estímulo à aplicação da ISO Para atingir as diretrizes, os TRABALHADORES propõem ainda: 1. Estímulo à implementação das diretrizes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e à aplicação de outras referências reconhecidas internacionalmente. 2. Estímulo à gestão socialmente responsável das cadeias produtivas. 3. Aprimoramento da cláusula social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), inclusive quanto à sua aplicação. 4. Estabelecimento de condicionamentos para o acesso a financiamento público tais como cumprimento da legislação trabalhista nacional, respeito à organização sindical, garantia da negociação coletiva, geração de empregos de qualidade, entre outras metas sociais e laborais,, bem como priorização das empresas nacionais. 33

34 34

35 Diagnóstico 5. SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Custos sociais e econômicos dos acidentes e das doenças do trabalho As doenças e os acidentes de trabalho causam uma série de problemas para o trabalhador, bem como geram perversos efeitos sociais e prejuízos para as empresas e a sociedade. Por essa razão, a promoção da segurança e saúde no trabalho (SST) é uma estratégia importante para o país e necessita de adequada regulamentação e políticas para melhorar as condições de trabalho e melhorar a qualidade de vida, reduzir os elevados custos sociais e econômicos e, ao mesmo tempo, garantir segurança jurídica e contribuir para a produtividade empresarial. O Brasil tem avançado nesse campo, mas os desafios ainda são grandes e o tema merece atenção crescente. Foi consenso tripartite que são pontos que merecem destaque para entender questões importantes da segurança e saúde no trabalho no Brasil: Há redução nos índices, mas ainda é grande o número de acidentes e doenças no trabalho. Alta incidência de acidentes e doença no trabalho informal e nas micro e pequenas empresas (MPEs). Ausência de cultura preventiva em práticas de segurança e saúde no trabalho (SST). Existência de problemas na atuação da fiscalização. 35

36 Distorções nos processos previdenciários geram judicialização. Pouco estímulo a investimentos em SST. Insegurança jurídica no campo da SST. Insuficiência no acesso aos procedimentos de reabilitação. Micro e pequenas empresas têm dificuldade de conhecer e cumprir as normas de SST. Baixa efetividade da participação dos trabalhadores na gestão de SST e enfraquecimento de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipas). São pontos que também foram levantados pelos TRABALHADORES como importantes para a segurança e saúde no trabalho no Brasil: Subnotificação de acidentes e doenças no trabalho. São pontos que também foram levantados pelos EMPREGADORES como importantes para a segurança e saúde no trabalho no Brasil: Complexidade normativa prejudica a execução de práticas de SST, em especial nas MPEs. Presença de distorções no marco legal geram insegurança jurídica e custos indevidos para todos. Existência de conceito distorcido de que todo acidente é culpa da empresa. 36

37 Diretriz Promoção da segurança e saúde no trabalho como valor essencial à sociedade e elemento fundamental para elevação da produtividade DETALHAMENTO: 1. Implementação do Plano Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho (Plansat). 2. Articulação das ações do Plano Brasil Maior com o Plansat. 3. Criação de uma cultura preventiva em práticas de SST. 4. Harmonização da legislação e articulação das ações de promoção, proteção, prevenção, assistência, reabilitação e reparação da saúde do trabalhador. 5. Inclusão de todos os trabalhadores brasileiros no sistema nacional de promoção e proteção da saúde, com especial atenção às micro e pequenas empresas e ao trabalho informal. 6. Promoção da implantação de sistemas e programas de gestão da segurança e saúde nos locais de trabalho, com revisão e fortalecimento da atuação das Cipas. Para atingir as diretrizes, os EMPREGADORES propõem ainda: 1. Revisão da legislação e normas para reduzir a insegurança jurídica das partes e racionalizar os procedimentos burocráticos. 37

38 Inovar para competir. Competir para crescer. 38

39 39

40 Inovar para competir. Competir para crescer.

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia Inovação e Tecnologia INOVAÇA O E TECNOLOGIA ALTERNATIVAS PARA APOIAR A CIÊNCIA, A INOVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO RS Em uma época identificada como a era do conhecimento e da informação, é

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015 Análise das Medidas Provisórias 664 e 665 Análise de Conjuntura Janeiro 2015 Medidas Sociais Seguro Desemprego Abono Salarial Pensão por Morte Seguro Defeso Auxílio doença Impacto das medidas R$ + de 18

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Visão estratégica e projetos futuros

Visão estratégica e projetos futuros Visão estratégica e projetos futuros 4 Encontro de Secretários Executivos de Sindicatos - FIESC 15 de setembro de 2010 PDA Visão Estratégica Panorama SC Projetos 2011 Objetivos Visão Estratégica 1/9 Mapa

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013 Aprovado na 11ª Reunião Plenária. Brasília/DF, 04 de outubro de 2012. CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL CAU/BR SCN Quadra 01, BL. E, Ed. Central

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Dezembro -2012 2012 - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI Relatório de Pesquisa de monitoramento

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA?

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? SEMINÁRIO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA - RS PORTO ALEGRE 08 DE NOVEMBRO DE 2012 Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas Sindicado dos Arquitetos do Rio Grande

Leia mais

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Profª Dolores Sanches Wünsch NEST/UFRGS 1 Questões Iniciais Papel das

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Histórico e Momento Atual A NR 12 teve sua redação substancialmente alterada pela Portaria MTE nº 197/2010 e encontra-se em

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Política Nacional de Empreendedorismo

Política Nacional de Empreendedorismo Política Nacional de Empreendedorismo Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comercio Exterior Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Universidade de Brasília Ednalva F.C. de Morais Vice-Diretora

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA Hosana Gaspar dos Santos II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 55: Gestão do meio ambiente A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Idec, organização sem fins lucrativos e independente de empresas,

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Relatório de conclusão do GT criado pela Portaria nº. 836/2013 (DOU seção 2, páginas 66 e 67) Ponto eletrônico

Relatório de conclusão do GT criado pela Portaria nº. 836/2013 (DOU seção 2, páginas 66 e 67) Ponto eletrônico Relatório de conclusão do GT criado pela Portaria nº. 836/2013 (DOU seção 2, páginas 66 e 67) Ponto eletrônico No dia 05 de junho de 2013, o Ministro do Trabalho e Emprego Manoel Dias assinou o despacho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016.

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. O Ministério do Trabalho e Emprego, o Tribunal Regional do Trabalho,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DOS CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS DA GESTÃO FISCAL SUBNACIONAL BRASILEIRA. Ministério da Fazenda

CONSOLIDAÇÃO DOS CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS DA GESTÃO FISCAL SUBNACIONAL BRASILEIRA. Ministério da Fazenda CONSOLIDAÇÃO DOS CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS DA GESTÃO FISCAL SUBNACIONAL BRASILEIRA SEMINÁRIO DE CONSOLIDAÇÃO CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS DA GESTÃO FISCAL SUBNACIONAL BRASILEIRA 1. Abertura 2.

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais