CAPÍTULO 3 TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO E ADIPOSO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 3 TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO E ADIPOSO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 3 TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO E ADIPOSO 3. 1 Características gerais O tecido conjuntivo forma a base de sustentação das partes moles do corpo, atuando como barreira de proteção aos órgãos internos e auxiliando na defesa contra microorganismos. Genericamente podemos dizer que é o tecido que recheia, envolve os órgãos internos. Assim, sua função inclui a de apoiar e ligar os outros tipos de tecidos, fazendo com que o corpo se apresente como uma unidade tridimensional harmônica e sem espaços vazios. Sua propriedade de sustentação é conseqüência das seguintes características: (1) Esse tecido possui uma grande quantidade de material intracelular (2) As células são distanciadas uma das outras porque também existe uma grande quantidade de matriz extracelular. (3) Apresenta função de difusão e fluxo de compostos metabólicos (4) É fundamental para a defesa corporal contra microorganismos, já que quando ocorrem inflamações ou infecções, as células do sistema imune deslocam-se para os tecidos atingidos via tecido conjuntivo (ou seja, as células imunes saem do sangue e vão para dentro do tecido conjuntivo no qual chegam à área em que ocorreu invasão microbiana). 3.2 Histogênese O tecido conjuntivo origina-se no MESODERMA, a partir de uma célula primordial não especializada que é denominada célula mesenquimal. Essas células são citologicamente alongadas e possuem um alto potencial de diferenciação celular. É dela que se originam outros tecidos corporais importantes como o tecido cartilaginoso, ósseo, adiposo, muscular, e sangüíneo. Por isso, dizemos que tais tecidos são tecidos conjuntivos modificados (Figura 1) 32

2 Célula Mesequimal Osteócito Condrócito Míocito Estroma Adipócito Ósseo Cartilaginoso Muscular Conjuntivo Propriamente Dito Adiposo Figura 1 Esquema geral da histogênese de tecidos derivados das células mesenquimais. O sangue também é considerado um tecido conjuntivo modificado. 3.3 Características Cito-Histológicas do Conjuntivo Uma vez que suas principais funções são o preenchimento de espaços corporais e a ligação de tecidos e órgãos, o tecido conjuntivo apresenta, além de grande quantidade de material intracelular, uma grande quantidade de matriz extracelular na qual se encontra fibras colágenas. A matriz é uma massa amorfa de aspecto gelatinoso e transparente constituída principalmente de fibras colágenas, reticulares e fibras elásticas. Do ponto de vista estrutural, os principais componentes desse tecido são: (1) Células fibroblastos (2) Fibras (colágenas, reticulares e elásticas) (3) Substância fundamental (amorfa): é um complexo viscoso e altamente hidrofílico que contém diversos tipos de moléculas que se ligam às proteínas, como as integrinas. Esse conjunto de moléculas confere rigidez à matriz e suporte ao corpo. Esses três componentes são responsáveis pela notável diversidade funcional do tecido conjuntivo e patologias a ele associadas. 33

3 3.4 Tipos de s Conjuntivos O tecido conjuntivo pode ser dividido em tecido conjuntivo propriamente dito e tecidos derivados (sangue, adiposo, cartilaginoso e ósseo). A Tabela 1 apresenta uma síntese das principais diferenças entre esses tecidos. Existem os seguintes tipos de tecidos conjuntivos propriamente ditos: tecido conjuntivo propriamente dito (denso e frouxo), tecido conjuntivo elástico, tecido conjuntivo reticular e tecido conjuntivo mucoso Conjuntivo Propriamente Dito O tecido conjuntivo propriamente dito que se divide em denso e frouxo possui as seguintes características morfofuncionais. Conjuntivo Frouxo Suporta estruturas que geralmente estão sujeitas a pressão e atritos pequenos. Esse tipo de tecido é freqüente no corpo humano, preenchendo os espaços entre as células musculares. Dá suporte as células epiteliais e forma camadas ao redor dos vasos sangüíneos. As células mais numerosas desse tecido são os fibroblastos e os macrófagos (células do sistema imunológico do corpo). O tecido conjuntivo frouxo é flexível, bem vascularizado e não muito resistente a trações. Esse tipo de tecido é encontrado na derme (que forma a pele), abaixo do epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado da traquéia e abaixo do epitélio da mucosa intestinal (Figura 2). Conjuntivo Denso Esse tipo de tecido, ao contrário do tecido conjuntivo frouxo, é adaptado a oferecer resistência e proteção aos tecidos. É formado pelos mesmos compostos do tecido frouxo, porém possui uma quantidade maior de fibras colágenas. Por esse motivo, é menos flexível. Um exemplo é o tecido que forma os tendões corporais, que são estruturas longas e cilíndricas que conectam os músculos estriados aos ossos. Por ser um tecido muito rico em fibras colágenas, sua coloração é esbranquiçada (Figura 3). Quando as fibras formam feixes de colágeno, denominamos o mesmo de tecido conjuntivo denso modelado (Figura 4). Conjuntivo Elástico Esse tecido é composto por feixes espessos e paralelos de fibras elásticas. O espaço entre as fibras é ocupado por fibras delgadas de colágeno e fibroblastos achatados. A abundância de fibras elásticas dá ao tecido uma coloração amarelada. Não é muito freqüente no organismo. Está presente nos ligamentos amarelos da coluna vertebral. 34

4 Conjuntivo Reticular Esse tecido é muito delicado e forma uma rede tridimensional que suporta as células de alguns órgãos. Fornece uma estrutura arquitetônica que cria um ambiente especial para órgãos linfóides e hematopoiéticos (medula óssea vermelha, linfonodos, nódulos linfáticos, baço). Conjuntivo Mucoso Esse tecido possui uma consistência gelatinosa que lhe é conferida pela grande quantidade de ácido hialurônico. Esse tecido possui pouca quantidade de fibras em relação aos demais tipos de tecidos conjuntivos. As principais células desse tecido são os fibroblastos. É o principal tecido que compõe o cordão umbilical (geléia de Warton). Também é encontrado na polpa jovem dos dentes. Tabela 1 s conjuntivos e tecidos derivados: síntese das principais características (Fonte: Silverthorn, 2002). Substância básica Tipos de fibras e arranjos Principais tipos de células s associados Conjuntivo Frouxo Denso e irregular Gelatinosa, mais substância básica do que células e fibras Mais fibras do que substância básica Colágeno, elástica, reticular, arranjo ao acaso Rica em colágeno, arranjo ao acaso Colágeno, Fibroblastos Fibroblastos Denso e regular Mais fibras do que Fibroblastos substância básica arranjo paralelo Adiposo Muito pouca Nenhuma Gordura marron (adipócito multilocular) e gordura branca Pele, ao redor dos vasos sangüíneos e órgãos, abaixo do epitélio Músculo e bainhas dos nervos Tendões e ligamentos Localização dependente do sexo e idade (adipócito unilocular) Sangüíneo Aquosa Nenhuma Células do sangue Vasos sangüíneos e linfáticos Cartilaginoso Firme mas Colágeno Condroblastos, Superfícies de elástica; ácido Condrócitos ligação, coluna, hialurônico nariz, laringe, Ósseo Rígida devido aos sais de cálcio Colágeno Osteoblastos, osteócitos, osteoclastos orelha Ossos 35

5 Epitélio Conjuntivo Frouxo Figura 2 conjuntivo frouxo, abaixo do epitélio da mucosa intestinal. conjuntivo denso não-modelado Figura 3 conjuntivo denso não-modelado, presente na derme profunda. 36

6 conjuntivo denso modelado Figura 4. conjuntivo denso modelado do tendão mostrando a disposição das fibras no tecido. Aspectos Funcionais do Conjuntivo Propriamente Dito de Interesse Clínico O Colágeno e patologias associadas Ao longo do desenvolvimento animal, muitas proteínas foram se modificando no sentido de auxiliar a composição de graus variados de rigidez tecidual, permitindo assim a construção dos organismos vertebrados. Entre essas proteínas, destacam-se as genericamente conhecidas como colágeno. Com certeza, o colágeno é a proteína mais abundante que existe no organismo humano, representando 30% da quantidade total de proteínas corporais. A produção do colágeno é feita por diversos tipos de células, existindo também diversas isoformas de colágenos (diversos tipos de colágenos). Conforme a sua estrutura e também a sua função, as moléculas de colágeno podem ser classificadas em diversos grupos. A Tabela 2 apresenta uma síntese dos principais tipos de colágeno (ainda que existam outros). 37

7 Tabela 2 Principais tipos de colágenos e suas características gerais (Fonte: Junqueira, 2004) Tipo de Colágeno Distribuição Célula produtora Função principal Organização molecular Tipo I Tipo II Tipo III Derme, tendões, ossos, fibrocartilagens Cartilagem hialina, disco intervertebral Músculo liso, tecido conjuntivo reticular Fibroblastos, osteoblastos, odontoblastos, condroblastos Condroblastos Células musculares lisas, células reticulares, células e Schwann Tipo IV Lâminas basais Células endoteliais, epiteliais e de Schwann Tipo V Derme, tendão, osso, fibrocartilagem Fibroblastos Resistência a trações Resistência a pressão Manutenção da estrutura de tecidos delicados e expansíveis Suporte de estruturas delicadas, filtração Participam das funções do colágeno do tipo I Tipo VII Derme Une as células ao tecido conjuntivo Tipo IX Cartilagem hialina Condroblastos Associação lateral das fibrilas Tipo XI Cartilagem hialina, disco intervertebral Condroblastos Participa das funções do colágeno do tipo II Tipo XII Tendão, ligamentos Fibroblastos Associação lateral das fibrilas Forma fibrilas Forma fibrilas Forma fibrilas Forma rede tridimensional Forma fibrilas Colágeno de ancoragem Colágeno associado as fibrilas Forma fibrilas Colágeno associado as fibrilas Os principais grupos de colágeno, de acordo com a sua estrutura e função, podem ser agrupados como se segue: (1) Colágenos que formam fibrilas: moléculas de colágeno agregam-se e formam fibrilas sem que haja gasto de energia. O colágeno do tipo 1, que pertence a esse grupo, é a molécula de colágeno mais abundante do corpo, formando estruturas tradicionalmente denominadas fibras colágenas, presentes nos ossos, dentina, tendões, cápsulas de diversos órgãos, etc. (2) Colágenos associados a fibrilas: são moléculas pequenas que se ligam a outras fibrilas de colágeno e também a componentes da matriz extracelular. Esse é o caso dos colágenos do tipo IX e XII. (3) Colágeno que forma rede: o colágeno do tipo IV tipicamente forma uma rede tridimensional, sendo um dos componentes principais da lâmina basal que une o epitélio ao tecido conjuntivo. 38

8 (4) Colágeno de ancoragem: o colágeno do tipo VII é chamado colágeno de ancoragem porque se une a outras fibrilas de colágeno do tipo I que se prendem as lâminas basais Composição química do colágeno a unidade proteica básica que forma o colágeno é o tropocolágeno, que tem cerca de 280nm de comprimento e 1,5 nm de espessura. Essa molécula é formada por três cadeias polipeptídicas de forma helicoidal. As diferenças na estrutura dessas cadeias polipeptídicas, que são geneticamente determinadas, é que origina as diferentes isoformas (os diferentes tipos) de colágeno. Nos colágenos I, II e III, as moléculas de tropocolágeno agregamse em unidades chamadas microfibrilares para formar as fibrilas. As fibrilas de colágenos são alongadas e delgadas com diâmetro variável. O colágeno do tipo IV que é característico das lâminas basais não forma fibrilas. As fibras colágenas do tipo I são as mais frequentes e a fresco possuem uma cor esbranquiçada. A coloração branca dos tendões é consequência da grande quantidade de fibras de colágeno do tipo I. Em muitos tecidos, as fibras de colágeno do tipo I aparecem sob a forma de feixes. Essas fibras em cortes histológicos corados com hematoxilina-eosina são acidófilas, ficando com uma tonalidade rosada. As fibras reticulares são compostas principalmente de colágeno do tipo III. Existem uma série de patologias relacionadas a formação insuficiente ou alterada de fibras colágenas. Entre as morbidades de origem genética podemos citar: A síndrome de Ehlers-Danlos Tipo III, em que ocorre falha na transcrição e na tradução do colágeno do tipo III, que leva a rupturas nas paredes da aorta e dos intestinos. A síndrome de Ehlers-Danlos Tipo VI, em que ocorre devido a problemas pós-tradução da proteína com falha na hidroxilação do aminoácido lisina, fazendo com que a pele apresente uma elasticidade aumentada e que possa ocorrer rupturas teciduais no globo ocular. A síndrome de Ehlers-Danlos Tipo VI é conseqüência da diminuição da atividade da função peptidase da molécula de pró-colágeno, levando a um aumento na mobilidade articular, o que tem como principal consequência luxações freqüentes nos seus portadores. Outro defeito genético que leva as alterações nas fibras colágenas é a Osteogenesis imperfecta, que ocorre devido à modificação em um peptídeo nos genes do colágeno do tipo I. Esta alteração genética leva a um conjunto grande de alterações corporais, incluindo a ocorrência espontânea de fraturas e insuficiência cardíaca. Fatores ambientais também podem levar a alterações nas fibras de colágeno, como é o caso do escorbuto, causado por deficiência nutricional da vitamina C (ácido ascórbico) que por sua vez leva a diminuição na síntese corporal de colágeno. Por conseqüência, ocorrem ulcerações na gengiva (que é feita de tecido conjuntivo frouxo) e hemorragias. Essa doença era comum durante as grandes navegações quando os navegadores ficavam muito tempo no mar comendo comida salgada e proteica, com restrição de comidas frescas, principalmente frutas e vegetais. Existem doenças cuja etiologia não é totalmente esclarecida (provavelmente ocorrem devido a alterações genético-ambientais) que podem apresentar alterações nas moléculas de colágeno, como é o caso da esclerose sistêmica progressiva. Nessa doença quase todos os órgãos apresentam acúmulo excessivo de colágeno (fibrose), principalmente na pele, sistema gastrointestinal, músculos e rins, levando a um enrijecimento que produz problemas funcionais. Outro tipo de fibrose é o quelóide, caracterizado por um espessamento localizado na pele como consequência de depósito excessivo de colágeno que se forma em cicatrizes. Quelóides são uma grande dor de cabeça em cirurgias, principalmente estéticas. 39

9 O Conjuntivo e a Ocorrência de Tumores O tecido conjuntivo também pode levar a formação de neoplasias, como é o caso dos tumores desmóides, que também são conhecidos como fibromatoses músculo-aponeuróticas. Esse tipo de tumor é caracterizado por ser uma neoplasia não encapsulada, o que o leva a um crescimento exuberante com uma prevalência muito baixa (0,03 a 0,13%). Assim, estima-se uma incidência de 2,4 a 4,3 casos novos para cada 100 mil habitantes por ano. Esse tipo de tumor tem baixo potencial metastático (de formar um tumor maligno secundário em outra região do corpo) e ocorre preferencialmente nas mulheres. 3.5 Adiposo Um tipo de célula especializada em tecido conjuntivo é a célula adiposa (adipócitos), cuja principal função é o armazenamento de energia (maior depósito de energia corporal) sob a forma de triglicerídeos (gorduras neutras). Os adipócitos podem ser encontrados no organismo isoladamente ou formando pequenos grupos celulares no tecido conjuntivo. Em um adulto jovem, o tecido adiposo corresponde a cerca de 15% do corpo, ocorrendo aumento nessa proporção com o passar dos anos. Assim, em pessoas idosas, cerca de 30% do corpo é constituído por gordura (tecido adiposo). As moléculas de triglicerídeos presentes nos adipócitos estão sendo continuamente renovadas, sendo fortemente influenciadas por estímulos neuroendócrinos. Funções Além da função de armazenamento energético, possui outras funções como: (1) por se localizar abaixo da pele, modela o corpo; (2) aumenta o isolamento térmico, já que as gorduras de modo geral são mal-condutoras de calor; (3) auxilia no preenchimento de espaços vazios do corpo; (4) auxilia na manutenção de certos órgãos na sua posição apropriada. Tipos de Adiposo Existem dois tipos de tecido adiposo no organismo: o tecido adiposo comum, amarelo ou unilocular, e o tecido adiposo pardo ou multilocular. O tecido adiposo amarelo/branco apresenta uma única grande gota de gordura no seu citoplasma quando a célula está completamente desenvolvida. A cor da gordura varia entre o branco e o amarelo conforme a dieta do individuo. No adulto, a gordura branca é a mais comum no organismo. Ele forma o chamado panículo adiposo, que é a camada de gordura que temos abaixo da pele. As células adiposas uniloculares são grandes e, quando isoladas, possuem um formato esférico. Quando agrupadas, possuem um formato poliédrico. Como na preparação histológica a gota de gordura acaba sendo removida pelo uso de xilol, observamos apenas uma delgada camada de citoplasma. No tecido adiposo unilocular, que está próximo ao tecido conjuntivo, podem ocorrer septos de tecido conjuntivo que contém vasos sangüíneos e fibras nervosas. A membrana dos adipócitos possui receptores para diversos hormônios, sendo o seu metabolismo altamente complexo. Algumas sensações como a fome e a saciedade são determinadas por rotas metabólicas neuroendócrinas que envolvem as células adiposas. 40

10 O tecido adiposo marrom apresenta uma grande quantidade de gotículas lipídicas no seu citoplasma, bem como grande quantidade de mitocôndrias. O tecido multilocular é também conhecido como tecido adiposo pardo por causa da sua coloração típica. A distribuição corporal da gordura marrom é mais localizada em algumas áreas corporais. No feto humano e no recém-nascido sua localização é bem determinada. Entretanto, esse tecido não cresce acompanhando o crescimento do ser humano, o que leva a ocorrência de baixa quantidade tecidual no adulto. As células do tecido adiposo pardo são menores do que as de gordura branca e estão histologicamente arranjadas como o epitélio (arranjo epitelióide), formando massas compactas associadas a capilares sangüíneos. A principal função do tecido adiposo marrom é a produção de calor, que é muito importante principalmente no recémnascido, auxiliando na sua termorregulação. Essa produção de calor ocorre via oxidação dos ácidos graxos, que ao invés de produzir ATP (adenosina tri-fosfato a molécula de energia do corpo), produz calor. A produção de calor ocorre porque na membrana interna das mitocôndrias do tecido pardo existe uma proteína denominada termogenina, que altera os ciclos bioquímicos que produzem ATP. O calor produzido aquece o sangue que existe na rede de capilares que o tecido possui e é distribuído pelo corpo. No ser humano essa função está restrita aos primeiros meses de vida pós-natal, protegendo o recém-nascido contra o frio excessivo. Tanto o tecido adiposo branco quando o pardo são inervados pelo sistema nervoso autônomo simpático. Entretanto, no tecido unilocular as terminações nervosas são encontradas somente nas paredes dos vasos sangüíneos, ou seja, os adipócitos não são diretamente inervados. Já no tecido adiposo pardo, a inervação ocorre diretamente nos adipócitos. Em situações em que existe a necessidade de mobilizar energia (atividade física intensa, jejuns prolongados, frio, etc.), a liberação do neurotransmissor noradrenalina ativa a enzima lípase sensível ao hormônio que irá determinar o uso da gordura. Uma vez ativada, essa enzima hidrolisa os triglicerídeos. Lipogênese As células adiposas que formam o tecido unilocular se originam embriologicamente de células mesenquimais que dão origem aos lipoblastos. Os lipoblastos por sua vez começam a acumular gotículas de gordura no interior do citpoplasma até formar uma grande e única gota de gordura que caracteriza a célula adiposa madura (adipócito). Entretanto, se o organismo precisar mobilizar energia a partir da gordura acumulada nos adipócitos, essas células podem retornar ao estado de lipoblasto. A histogênese do tecido multilocular é um pouco diferenciada. As células mesenquimais que irão formar esse tecido se tornam inicialmente epitelióides, adquirindo um aspecto glandular endócrino antes de acumularem gordura. Não existe formação desse tecido após o nascimento e nem ocorre a transformação de um tecido unilocular em multilocular e vice-versa. 41

11 Aspectos Funcionais do Adiposo de Interesse Clínico A obesidade não é um fenômeno recente, no entanto sua prevalência nunca antes atingiu proporções epidêmicas como nos dias de hoje. Em virtude da sua crescente prevalência na infância, da persistência ao longo da vida e da associação com riscos à saúde, a obesidade posiciona-se como um dos grandes problemas de saúde pública. Várias explicações têm sido dadas para o aumento da prevalência da obesidade, sendo classificadas em três categorias: as que a atribuem às mudanças das características genéticas, as que a atribuem às condições ambientais e, finalmente, aquelas para as quais as mudanças se devem à interação de fatores genéticos e ambientais. Do ponto de vista epidemiológico, tudo conduz às explicações ambientalistas, uma vez que, nas últimas décadas, não ocorreram alterações substanciais nas características genéticas das populações, ao passo que as mudanças nos seus hábitos foram enormes. Geralmente a obesidade é o resultado de diversas interações, as quais se destacam os aspectos genéticos, ambientais e comportamentais. Assim, filhos com ambos os pais obesos apresentam alto risco de obesidade, bem como determinadas mudanças sociais estimulam o aumento de peso em todo um grupo de pessoas. Apesar de que haja concordância na idéia de que fatores genéticos e ambientais influenciam o peso corpóreo, ainda não está totalmente claro como eles interagem para determinar o peso de um indivíduo. Uma explicação proposta é que o peso corpóreo é ajustado em torno de um ponto fixo, similar ao ajuste de um termostato. Um ponto fixo acima do normal pode explicar a razão pela qual alguns indivíduos são obesos e porque a perda de peso e a manutenção da perda são difíceis para eles. A predisposição genética para a obesidade é um fenômeno biológico de alta complexidade, que envolve interações de mais de 250 genes diferentes. Geralmente um indivíduo obeso possui pais ou parentes próximos obesos. A obesidade genética frequentemente aparece em vários membros de uma mesma família. Uma substância chamada Leptina tem sido responsabilizada como a causadora da obesidade, quando o organismo a produz de forma deficiente ou quando seus receptores cerebrais (hipotalâmicos) não a reconhecem. A Leptina é responsável pela sensação de saciedade (sensação de estar satisfeito com a comida ingerida) e com a termogênese (gasto de energia do corpo). A Leptina é um hormônio descoberto em 1994, que age em nível de sistema de segundo mensageiro, que requer um receptor no cérebro e que se encarrega de regular o peso corporal. Estudos em ratos identificaram um gene responsável pela obesidade (gene ob) e que todos os ratos portadores desse gene possuíam níveis elevados de um peptídeo, posteriormente denominado de Leptina. Os estudos posteriores mostraram que a Leptina regularia o peso do nosso corpo, muito além do que por apenas se comer muito ou jejuar. Assim, verificou-se que os níveis de leptina e de gordura corporal possuem uma grande correlação. Em pessoas obesas, observou-se também que na ocorrência de um defeito no receptor da Leptina no cérebro, ocorreria uma saturação dos transportadores de Leptina que circulam no sangue, o que levaria a obesidade. Esse fenômeno fisiológico ficou conhecido como síndrome de resistência a Leptina. As concentrações de leptina no líquido cerebroespinhal também estão elevadas em pacientes com excesso de gordura corporal, ainda que sejam geralmente mais baixas do que no soro. A proporção de Leptina no líquido cerebroespinhal em relação ao do soro também parece ser mais baixa nos indivíduos obesos. Sendo a Leptina um hormônio proteico específico, ela é principalmente produzida e secretada pelo tecido adiposo, que funciona como um "adipostato". Nesse sentido, existe uma teoria denominada Teoria Lipostática, que prediz que a composição e o peso corporais em humanos são determinados por interações entre fatores genéticos, ambientais, comportamentais e sociais e da resposta a um sinal 42

12 periférico produzido em quantidades proporcionais ao tecido adiposo no organismo. A existência desse fator circulante aumenta com os estoques de energia e age no cérebro para inibir a ingestão de alimentos e as reservas no tecido adiposo. A descoberta da leptina tem ajudado a esclarecer o papel dos adipócitos como sistema endócrino e de que modo ocorre a sinalização para a ingestão ou não de alimentos, bem como, a regulação do metabolismo energético. Assim, a coordenação do balanço energético e do peso corporal envolve uma regulação entre a ingestão de alimentos e o gasto de energia em resposta a sinais agudos (insulina, catecolaminas como a adrenalina) e crônicos (gravidez, desnutrição, inflamações, caquexia e Leptina). Quando a Leptina é regulada de modo equilibrado, ela pode ter papel como um hormônio antiobesidade. Essa função é proveniente principalmente de sua ação como diminuidora do apetite e estimuladora do gasto energético. A propriedade inibidora do apetite deve-se a ação da Leptina no hipotálamo. Nessa região cerebral, ela estimula a síntese de diversos neuropeptídeos anorexogênicos (antiapepite), que diminuem a ingestão dos alimentos porque produzem sensação de saciedade. Existem outras moléculas regulatórias que também são produzidas pelos adipócitos e que regulam o apetite, como é o caso da grelina. 43

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E DE FIGURAS JUNQUEIRA LC & CARNEIRO J. Histologia Básica. Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro, 2004; 2008 KERR JB. Atlas de Histologia Funcional. Artes Médicas, Porto Alegre, GARTNER Color Atlas Histology. Williams & Wilkins, Baltimore, KIERSZENBAUM AL. Histologia e biologia celular: uma introdução a patologia. Elsevier, Rio de Janeiro COCHARD LR. Atlas de embriologia humana de Netter. Artmed, Porto Alegre, DOYLE MJ. Embriologia humana, Atheneu, São Paulo, MOORE K. Embriologia Clínica, Elsevier, Rio de Janeiro, BREW MCC. Histologia geral para a odontologia, Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro, ATLAS DE HISTOLOGIA UFRGS - ATLAS DE HISTOLOGIA UERJ - ATLAS DE HISTOLOGIA CLARETIANO - ATLAS DE HISTOLOGIA UFPEL- ATLAS DE EMBRIOLOGIA HUMANA (Inglês) - MULTIDIMENSIONAL HUMAN EMBRYO (Inglês) - ATLAS OF HUMAN BIOLOGY CRONOLAB (Inglês) - fertilization.htm ATLAS DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA VIRTUAL UFSM. 44

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

C O NJUNTIVO D I C E T

C O NJUNTIVO D I C E T C NJUNTIVO TECIDO ORIGEM EMBRIONÁRIA Mesoderma OBS.: Os tecidos conjuntivos da cabeça se originam das células das cristas neurais (neuroectoderma). CARACTERISTICAS MORFOLÓGICAS Formado por inúmeros tipos

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função.

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal multicelularidade parazoários eumetazoários tecido conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal Nos vertebrados, quatro tipos principais:

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva Aula3 TECIDO CONJUNTIVO META Apresentar, de forma completa, porém didática, todos os elementos que formam o tecido conjuntivo, de forma que o aluno possa entender que as diferentes proporções destes elementos

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz.

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. Definição Tecido conjuntivo Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. 1 Células Fixas Livres Componentes Matriz Celular Fibras Colágeno Elásticas

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS Unidade IV Estudo dos tecidos. 2 Aula 13.1 Conteúdo Tecido Conjuntivo I. 3 Habilidade Conhecer as características e as funções do tecido

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Os consumidores dão maior importância no momento da compra da carne para cor, gordura visível, preço e corte da carne, entretanto com relação à

Os consumidores dão maior importância no momento da compra da carne para cor, gordura visível, preço e corte da carne, entretanto com relação à Os consumidores dão maior importância no momento da compra da carne para cor, gordura visível, preço e corte da carne, entretanto com relação à satisfação no momento de consumir o produto as características

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Anteriormente... Zigoto Mórula Blástula Gástrula Neurula Organogênese Anexos embrionários Gêmeos Dos

Leia mais

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE)

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES ALUNO (A): PROFESSOR (A): Rubiana SÉRIE: 9ºano APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) Histologia é a ciência que estuda os tecidos do corpo humano, sua anatomia microscópica e sua

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Prof. Thais Regina Silva Domingues DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Thais Regina Silva Domingues Enfermeira da Estratégia Saúde da Família Pós-Graduanda

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Considerações Gerais sobre HISTOLOGIA Professores: Ricardo, Lillian, Darléia e Clarissa UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Citologia. Estudo das células. Luceni Bortolatto

Citologia. Estudo das células. Luceni Bortolatto Citologia Estudo das células Luceni Bortolatto Propriedades da células Membrana plasmática Proteínas Citoplasma, constituído por organóides e hialoplasma (ou citosol) núcleo Membrana Plasmática Pequena

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Qual é a Menor Unidade Viva? Célula Qual é a Menor Unidade Viva? Tecidos Órgãos Aparelhos Sistemas Célula Células Tecidos Órgãos Sistemas ou Aparelhos Sistemas ou

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar Material: esôfago Técnica: HE 1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito Tecido conjuntivo frouxo areolar Observação com aumento total de 100x: Observe que o esôfago apresenta uma luz irregular

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

CITOLOGIA organelas e núcleo

CITOLOGIA organelas e núcleo Biologia CITOLOGIA organelas e núcleo Professor: Fernando Stuchi Níveis de Organização do Corpo Humano Conceitos Fundamentais População - Conjunto formado pelos organismos de determinada espécie, que vivem

Leia mais

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO www.iaci.com.br BIOLOGIA Iaci Belo EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO Células justapostas com pouco material intercelular Ausência de vasos sanguíneos ou nervos Funções de revestimento e secreção NARINAS

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014.

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA PARCIAL ORIENTAÇÃO DE ESTUDO DISCIPLINA: Biologia (2ª série) PROFESSOR: Priscila Temas/Capítulos - Cap 12 Núcleo, divisões

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

Nome: _. Turma: 1º módulo _. CEDUP Curso Técnico em Análises Clínicas Disciplina: Histologia Módulo I Professora Giseli Trento Andrade e Silva

Nome: _. Turma: 1º módulo _. CEDUP Curso Técnico em Análises Clínicas Disciplina: Histologia Módulo I Professora Giseli Trento Andrade e Silva 1 Histologia CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ABÍLIO PAULO CRICIÚMA SC CURSO: TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS DISCIPLINA: HISTOLOGIA - MÓDULO I OBJETIVO GERAL Conhecer os tecidos para estabelecer relações

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO 1- PARTICULARIDADES DO TECIDO EPITELIAL 1.1- Membrana basal 1.2- Especializações da membrana

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para as células, e a retirada do CO 2, dejeto do metabolismo celular,

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

Trabalho Online 1-6 2. ENFISEMA EM FUMANTES É PROVOCADA POR UMA ENZIMA

Trabalho Online 1-6 2. ENFISEMA EM FUMANTES É PROVOCADA POR UMA ENZIMA Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A):LEANDRO 2ª SÉRIE TURMA: 210_ 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. Faça uma comparação entre músculo esquelético e músculo liso exemplificando sua

Leia mais

Histologia Animal. Prof. Milton

Histologia Animal. Prof. Milton Histologia Animal Prof. Milton Origem: Ectoderme Tecido Epitelial Características Gerais: Células justapostas Células poliédricas Células lábeis ( E! ) Ausência de substância Intersticial ( Matriz ) Avascular

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV.

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. 1 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 31 O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. I II III IV a) Coluna vertebral

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br

Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Digestão de lipídeos A maior parte de nossa ingestão de lipídeos é feita sob a forma de triacilgliceróis Hidrólise inicia-se pela ação da lipase lingual, ativada

Leia mais

Biologia 1 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS TECIDOS CONJUNTIVOS I

Biologia 1 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS TECIDOS CONJUNTIVOS I Biologia 1 aula 11 TECIDOS CONJUNTIVOS I 1. T.C.D. modelado: fibras colágenas dispostas em feixes ordenados paralelamente, dando-lhe enorme resistência e pouca elasticidade. Esse tecido forma os tendões

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Após sua formação, a célula-ovo passa por vários processos de divisão até formar todas as células do corpo e originar um novo indivíduo. espermatozoide fecundação óvulo a célula-ovo se divide HIROE SASAKI

Leia mais

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3)

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) Profa. Dra. Nívea Macedo

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL.

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL. 11 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Partícula de LDL (Lipoproteína de baixa densidade) Receptores de LDL Endossomo

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo corresponde a um Estímulo que provoca uma resposta do sistema neurohormonal. Como funciona

Leia mais

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas Disciplina de Histologia e Embriologia VI 1º período de Medicina Professor Lúcio Henrique de Oliveira Roteiro para acompanhamento das aulas

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre ESTUDO BASE 8 ANO Prof. Alexandre FORMA E FUNÇÃO Natureza FORMA E FUNÇÃO Artificiais FORMA E FUNÇÃO Todos os objetos apresentam uma relação intíma entre sua forma e função Relação = FORMA/FUNÇÃO BIOLOGIA

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecidos conjuntivos São constituídos predominantemente por material

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecidos Conjuntivos

HISTOLOGIA. Tecidos Conjuntivos HISTOLOGIA Tecidos Conjuntivos TECIDOS CONJUNTIVOS Características: Vários tipos de células separadas por muito material intercelular. Funções diversas como: Sustentação estrutural; Preenchimento; Defesa

Leia mais

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Perfil Lipídico Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Maior reserva corporal de energia tecidos muscular e subcutâneo Proteção contra traumatismo: 4% Isolamento térmico Transportadores de vitaminas

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 3º Ano do Ensino Médio Disciplina: Biologia 1. Para os estudiosos, a manifestação de "... vida..." deve-se a características, tais como: ( ) uma composição química

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a):

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a): COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a): Trabalho de Recuperação Data: / /15 1. O sistema endócrino é formado por glândulas endócrinas e de secreção

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

- Preenchimento; - Armazenamento; - Transporte; - Defesa; Coloração depende muito de. mesoderma). genas, Elásticas, Reticulares

- Preenchimento; - Armazenamento; - Transporte; - Defesa; Coloração depende muito de. mesoderma). genas, Elásticas, Reticulares Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima; Tecido Conjuntivo FUNÇÕES conjuntivo componentes 1. Fibras;

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino-I

Fisiologia do Sistema Endócrino-I Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Fisiologia do Sistema Endócrino-I Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular Informações Técnicas VITAMINA K2 Saúde Óssea e Cardiovascular FÓRMULA MOLECULAR: C 46H 64O 2 PESO MOLECULAR: 648,99 CAS NUMBER: 2124-57-4 INTRODUÇÃO A vitamina K ocorre naturalmente em 2 formas principais:

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

CIÊNCIAS 2012 PREPARANDO A PROVA

CIÊNCIAS 2012 PREPARANDO A PROVA CIÊNCIAS 2012 PREPARANDO A PROVA ORGANIZAÇÃO DO C.H. Conceitos de: células, tecido, órgão e sistema. Célula: partes constituintes. organelas: nomes, função e identificação. Tecidos: tipos, localização,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Roberta/Marco Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Biologia Resultado

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais