Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor"

Transcrição

1 Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor JORGE ALMEIDA DEBATES & DISCURSOS 06 de Junho de 2014 Hotel Novotel LISBOA

2 Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor Apresentação dos formadores e formandos Motivações para a inscrição na formação Expetativas quanto ao output da formação DEBATES & DISCURSOS 14 de Abril de 2014 Hotel Novotel LISBOA

3 Sumário A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 1. Como prevenir situações de incobráveis a. Recolha de dados e informações essenciais a recolher ou obter sobre o cliente b. Definição contratual, nomeadamente a importância do contrato/título escrito e cláusulas de salvaguarda do credor c. A relevância das garantias contratuais d. Medidas jurídicas sancionatórias e. Medidas financeiras sancionatórias

4 Sumário A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 2. A origem dos atrasos no pagamento e dos incobráveis e os diferentes tipos de devedores 3. As diferentes táticas utilizadas pelos credores 4. A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças 5. Cuidados a ter com a insatisfação / reclamações de clientes

5 Sumário A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 6. Formas de actuação proactiva e extrajudicial do incobrável a. Cobrança telefónica b. Cobrança postal c. Cobrança pessoal 7. O factor tempo no tratamento dos incobráveis 8. Os pontos-chave essenciais para uma gestão de cobranças eficaz

6 Sumário B. Gerir os créditos e diminuir o risco de incobrabilidade 1. Instrumentos de gestão de riscos incobráveis a. Cessão de créditos b. Seguro de créditos c. Factoring

7 Sumário C. Usar o direito e as leis para diminuir riscos ou recuperar créditos 1. Recuperação judicial de créditos (breves notas) a. A injunção b. A acção executiva c. PER e Insolvência e recuperação de Empresas 2. Os custos e as custas da acção executiva

8 Sumário C. Usar o direito e as leis para diminuir riscos ou recuperar créditos 3. Como usar os novos mecanismos em benefício do escritório de mandatários a. A diferença entre mandatário e agente de execução b. A definição de objectivos com o cliente c. A coordenação de objectivos com o agente de execução d. O respeito pelos direitos fundamentais do executado 4. As implicações fiscais dos créditos incobráveis a. Recuperação do IVA b. IRC

9 Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso

10 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 1. Como prevenir situações de incobráveis

11 Recolha de dados e informações essenciais do cliente Recolher dados do cliente ajuda a conhecer cada cliente mais individualmente e tratá-los de forma mais adequada ao seu perfil. Básico a) Nomes de clientes e endereços para correspondência e . b) Idade, profissão e sexo. Essencial a) Detalhes sobre sua personalidade, valores e estilos de vida. b) Gravação e analisar o histórico de transações de cada cliente

12 Recolha de dados e informações essenciais do cliente Organização de dados recolhidos a) Folha de cálculo (é o básico). b) Soluções de software standard (permite a realização de planos de pagamentos e alarmes) c) Soluções de software personalizado (atenção à necessidade de obtenção de permissão para recolha de dados pessoais à salvaguarda de dados pessoais e à segurança necessária para a manutenção dos sistemas informáticos)

13 Definição contratual e cláusulas de salvaguarda do credor 1. Reduzir sempre a escrito os contratos/ acordos 2. Garantias reais a) Hipoteca b) Penhor c) Caução d) Consignação de rendimentos 3. Garantias pessoais (dos potenciais consortes para evitar transferência de bens) a) Fiança b) Aval

14 Definição contratual e cláusulas de salvaguarda do credor 4. Constituição de título executivo a) Letras/Livranças/Cheques b) Documento autenticado 5. Reserva de propriedade do bem 6. Foro Convencionado

15 Definição contratual e cláusulas de salvaguarda do credor 1. Medidas jurídicas sancionatórias a) Sanção pecuniária compulsória b) Juros de mora legais/convencionais 2. Medidas financeiras sancionatórias a) Cláusula penal b) Definição de custos (cláusula antecipatória dos danos emergentes)

16 Origem dos atrasos no pagamento e dos incobráveis 1. Não pagamento de créditos ao nosso devedor (dívidas em cadeia) (Em regra, pelo Estado, (Central, Local, Empresas Públicas, etc) por clientes dos nossos devedores, ) 2. Dificuldade na obtenção de crédito (Muitas vezes os bancos não têm em consideração o potencial da carteira de clientes e não concedem crédito por falta de garantias tangíveis bens ou fianças/avales) 3. Despesas ocasionais inesperadas (Nos devedores singulares normalmente associadas a doenças pessoais ou de familiares chegados ou multas/coimas ou acidentes, nas pessoas coletivas normalmente associadas a indemnizações a trabalhadores ou acidentes não cobertos pelos seguros obrigatórios).

17 Origem dos atrasos no pagamento e dos incobráveis 4. Situações de rutura ou no emprego/clientela dominante ou na família (divórcio/viuvez) 5. Processos judiciais em que houve penhora ou apreensão de bens 6. Insolvência

18 Diferentes tipos de devedores 6 tipos 1. Devedor compulsivo É aquele que compra por impulso e se endivida além da sua capacidade de pagamento, sem considerar outros compromissos financeiros já assumidos. 2. Devedor mau pagador Também conhecido como caloteiro. É o consumidor que compra ciente de que não terá como pagar, faz de tudo para obter créditos e, quando é cobrado, se recusa a pagar as suas dívidas. 3. Devedor negligente É aquele que sempre precisa ser lembrado de suas responsabilidades, pois assume compromissos e não agenda as datas de vencimento, atrasando o pagamento.

19 Diferentes tipos de devedores 6 tipos 4. Devedor ocasional É o consumidor que, por não estar acostumado a dever, envergonha-se da situação. Costuma esclarecer por que não pagou e procura uma alternativa para pagar o seu débito. 5. Devedor profissional É aquele que é difícil de ser encontrado. Embora não se negue a pagar a dívida, nunca paga efetivamente. 6. Devedor sazonal É o consumidor que atua em segmentos em que a renda oscila de um período a outro, por exemplo, os setores agrícola e têxtil.

20 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) É fundamental termos à mão recursos tecnológicos, softwares, bases de dados, histórico dos devedores, bem como procedimentos claramente definidos sobre a forma de cobrar consoante o tipo de devedor. Esses recursos servem para recolher dados e adaptar estratégias e abordagens ao perfil de devedor a quem estamos cobrando para que nossa forma de abordagem seja a mais produtiva possível. Ex: O DEVEDOR OCASIONAL Quando é cobrado mostra-se inseguro, constrangido e desculpase muito. É frequente que ele tome a iniciativa de avisar que vai haver atraso por uma determinada razão.

21 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) (Aplicável sempre quando não se tem informação de que o devedor pertence a outro tipo que não o de devedor ocasional) Não há necessidade de pressão O discurso de cobrança deve estar, na perceção do devedor, mais focado no interesse em entender a razão do atraso muito mais do que cobrar. Caso se tenha uma abordagem dura sem tentar perceber a causa do atraso no pagamento pode até haver ira e revolta do devedor (dado que na perspetiva dele é injusta a abordagem dura a um devedor que só não cumpriu uma ou duas vezes por razões fundamentadas) e o contato que poderia terminar cordial, termina com a possibilidade da recuperação de crédito afetada negativamente. A conversa deve ter tom cordial e seguro, sem ser dura ou incisiva.

22 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) É importante, com toda a delicadeza, enfatizar que espera-se que isto não ocorra novamente. Deixe claro que entendemos que essas coisas acontecem e que fazemos votos que não ocorram novamente. Ele precisa entender que, se houve uma facilidade, ela foi pontual. Só valeu para aquele momento. Muitos devedores ocasionais, quando percebem que foi muito fácil atrasar e não pagar encargos acabam por pensar que conseguem ter mais oportunidades iguais em prestações futuras.

23 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) Ex: O DEVEDOR PROFISSIONAL e o MAU PAGADOR Quando é cobrado mostra conhecimento apurado sobre os vários mecanismos de cobrança. Apresenta uma história coerente mas que nos registos deve aparecer como já tendo sido apresentada uma ou várias vezes. A pressão de cobrança deve ser a mais elevada possível. O objetivo deve ser obter um qualquer pagamento imediato ou uma qualquer garantia patrimonial. Qualquer falha na obtenção de pagamento ou garantia deve ser comunicada ao devedor como impondo um recurso imediato à via judicial. Envio imediato para o departamento de cobrança judicial.

24 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) Ex: O DEVEDOR COMPULSIVO Às perguntas relativas a outras dívidas ou se fecha em copas ou se demora na lista exaustiva dos vários créditos em dívida. É necessária uma abordagem holística e uma tentativa de ou vender o crédito ou assumir outros do devedor com um plano de pagamentos adequado à capacidade de cumprimento do devedor.

25 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) Ex: O DEVEDOR SAZONAL A análise dos ciclos de incumprimento permite identificar este tipo de devedor. Após identificação deve-se propor um plano de pagamentos adequado à atividade sazonal do devedor.

26 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) Ex: O DEVEDOR SAZONAL A análise dos ciclos de incumprimento permite identificar este tipo de devedor. Após identificação deve-se propor um plano de pagamentos adequado à atividade sazonal do devedor.

27 Diferentes táticas dos devedores (pressupondo contato telefónico ou pessoal) Ex: O DEVEDOR NEGLIGENTE Identifica-se pelo cumprimento quase imediato após contato. A principal tática deve ser a de tentar obter meios de pagamento automáticos ou investir num sistema de alarme (telefónico/sms/ postal) adequado ao perfil do devedor.

28 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 4. A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças

29 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças 1. Recolha de informação pelo setor comercial direcionada às necessidades do setor de cobrança a) Ficha cadastral adequada b) Análise prévia do risco de crédito 1. Consulta das bases de dados públicas 2. Análise do risco pessoal do credor

30 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças A análise e recolha prévia destas informações pelo sector comercial permitirá que a empresa: possa mais rapidamente a) Avaliar o nível de crédito a ser concedido e adequá-lo ao fator de risco do cliente b) Identifique se existe necessidade de garantias c) Contacte o cliente para cobrança (em caso de necessidade) com informação suficiente para a definir o tipo de devedor e encaminhar corretamente o processo

31 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças Uma boa ficha de cadastro deve conter informações nas seguintes áreas: a) Identificação do cliente - Além do nome completo e data de nascimento, o cadastro deve conter dados sobre a filiação, assim como o número e uma cópia dos principais documentos do cliente; b) Localização do cliente e dados de contato. (CP -7) c) Atividades do cliente (Em que sector atua, de que forma ele atua - contratado, sócio, profissional liberal, etc.); d) Informações sobre cônjuge (= ao cliente) / sobre os gerentes e) Informações patrimoniais Lista de bens, uma lista das contas bancárias (limite, vencimento e tempo de uso) e dos cartões de crédito que o cliente possui. f) Referências comerciais e pessoais - por exemplo, uma lista de empresas com as quais o cliente compra frequentemente.

32 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças 2. Critérios harmonizados na escolha do cliente/potencial devedor A análise de crédito consiste em atribuir valores a um conjunto de factores que permitam a emissão de um parecer sobre determinada operação de crédito. Analisando os factores envolvidos é possível emitir um parecer que possibilite ter uma ideia do provável comportamento do cliente, através da análise do seu passado projectar o seu comportamento no futuro, tentando desta forma conceder crédito aos que demonstram condições de honrar seus compromissos.

33 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças 3. Análise de crédito Análise de crédito tradicional A Análise de crédito tradicional está fortemente centrada no julgamento humano e tem como base uma decisão pessoal. Cada executivo de crédito deve exercer seu bom senso e julgamento sobre as condições do potencial devedor.

34 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças 5 C s do crédito Carácter é o histórico do solicitante quanto ao cumprimento de suas obrigações financeiras, contratuais e morais. Os dados históricos de pagamento e quaisquer causas judiciais pendentes ou concluídas contra o cliente seriam utilizados na avaliação do seu carácter. Em suma, o carácter é determinado pela intenção da empresa em cumprir seus compromissos e pode ser medido por sua análise histórica. Capacidade é o potencial do cliente para cumprir o crédito solicitado. Análises dos demonstrativos financeiros, com ênfase especial nos índices de liquidez e de endividamento, são geralmente utilizadas para avaliar a capacidade do solicitante de crédito. A capacidade, aqui vista, pode e deve ser entendida como sendo a possibilidade de geração de caixa da empresa e dentro deste contexto, é importante sabermos seu nível tecnológico, seu limite de produtividade e, principalmente, a qualificação dos seus administradores.

35 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças Capital é a solidez financeira do solicitante, conforme indicada pelo património líquido da empresa. O total de exigíveis em relação ao património líquido, bem como os índices de lucratividade são, frequentemente, usados para avaliar o capital do demandante de crédito. Analisando os balanços das pessoas jurídicas, pode-se ter a exacta dimensão de como está se comportando seu capital. Colaterais são o montante de activos colocados à disposição pelo solicitante para garantir o crédito. Naturalmente, quanto maior esse montante, maior será a possibilidade de se recuperar o valor creditado, no caso de incumprimento. O exame do balanço patrimonial e a avaliação de activos em conjunto com o levantamento de pendências judiciais podem ser usados para estimar os colaterais. Condições refere ao cenário económico empresarial actual, bem como circunstâncias particulares que possam afectar qualquer das partes envolvidas na negociação de crédito

36 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças A gestão de risco é fundamental para que a empresa compreenda os riscos assumidos, dimensionando-os e adequando-os aos seus objectivos relacionados ao risco-retorno. Sem a identificação, mensuração e controle destes riscos a empresa acaba pondo em dúvida sua própria continuidade, além de não prover adequadamente a demanda por crédito de seus clientes.

37 A conexão entre os comerciais e o sector das cobranças Limites de crédito O apuramento de limites de crédito tem por finalidade definir o valor máximo que a empresa admite emprestar para um cliente, estipulando a exposição máxima ao risco do cliente admitida pela empresa. Dimensiona o crédito à histórica capacidade de geração de recursos por parte do proponente, aumentando a probabilidade de retorno dos capitais emprestados. O limite de crédito atribuído a um determinado cliente é o risco máximo que a empresa está disposta a correr com aquele cliente. Esse limite é quantificado por um prazo de validade limitado e a actuação do cliente deve ser acompanhada de forma que o limite de crédito seja tempestiva e periodicamente reavaliado.

38 Plano de cobrança Um Plano de Cobrança é um grupo de regras e procedimentos a serem seguidos logo que a situação de incumprimento se confirma com vista a conseguir recuperar uma parcela maior do valor devido. O plano deve relatar a forma como a empresa pretende agir quando existe incumprimento e nos vários estágios de evolução das negociações entre as partes: Proposta de plano de cobrança 1. Primeiro contato telefónico (visando obter informações sobre o incumprimento e dar opções para o cumprimento imediato ou estabelecer um plano padrão de pagamento faseado) 2. Carta registrada notificando o devedor do atraso e concedendo um prazo para o cumprimento 3. Segundo contato telefónico ou contacto pessoal

39 Plano de cobrança 4. Analise a necessidade de cortar o fornecimento do produto imediatamente (dependendo dos montantes envolvidos, das razões apresentadas e do relacionamento com o cliente, pode ser necessário cortar qualquer fornecimento até a regularização da situação) 5. Contacto do fiador e as pessoas que deram garantias sobre o cliente informando-o sobre o atraso e a possibilidade de vir a exercer as garantias em caso de nova ocorrência; 6. Peça ao seu advogado para entrar em contacto com o cliente, informando dos procedimentos. 7. Requerimento de injunção/execução com execução das garantias.

40 Plano de cobrança Para cada etapa deve ser determinado um período de tempo máximo Se adequado ao perfil do devedor, em cada etapa é possível propor um plano de pagamentos.

41 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 5. Cuidados a ter com a insatisfação/reclamações dos devedores

42 Cuidados a ter com a insatisfação/reclamações dos clientes Na cobrança é essencial: Verificar a razoabilidade das queixas do devedor a) Saber diferenciar um incumprimento baseado em fundamento de resolução do contrato por incumprimento do credor b) Custos potenciais c) Direcionar a cobrança para o setor de reclamações

43 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 6. Formas de atuação proativa do incobrável

44 Cobranças por telefone Um primeiro contato telefónico tem 2 vantagens: a) Liquidação imediata da dívida / plano de pagamentos b) Obtenção de informações complementares sobre o perfil do devedor O telefonema é o primeiro elo de ligação da empresa com o exterior. É a primeira impressão que o cliente possui da empresa e, por vezes, a mais duradoura. Seja qual for a política ou método de atendimento adotados, este deve transmitir uma imagem profissional, de eficácia e capacidade de organização.

45 Cobranças por telefone Quando o cobrador usa o telefone, tudo o que vem para o ouvinte é sua voz. Para ser eficaz, não deve ter ao telefone uma voz fraca, que o faça soar hesitante, afetado, desinteressado ou pessimista. O cobrador deve cultivar uma aproximação positiva; ficar longe de palavras que não soem naturais, ou de expressões extremamente formais, ou ainda de um tom que soe fraco. Deve, ainda, falar firme e claramente, mas não gritar ao telefone na convicção equivocada de que será mais forte deste modo. O cobrador pode prejudicar o relacionamento com o cliente, pode endurecer a resistência e pode diminuir suas chances de sucesso.

46 Cobranças por telefone Seja qual for o sistema, há certas exigências básicas que são essenciais para tornar a cobrança de telefone eficaz. Algumas delas: a) Estar preparado Ter, à mão, a lista de faturas vencidas para pagamento, os cálculos dos valores em dívida e seu fundamento, e deve estar atento a qualquer questão existente que esteja causando a demora, assim, pode responder a qualquer questão pertinente colocada pelo devedor, nomeadamente, sabendo se o pagamento já foi consumado, ou se já foi negociado por pagamento parcial ou por um parcelamento, por exemplo. b) Ser cortês O cobrador deve lembrar-se de que todo contacto que sua empresa estabelece com seu cliente pode agregar valor à relação já existente, e uma cobrança por telefone, se realizada agradavelmente e corretamente, pode agregar valor a este processo. c) Até mesmo quando lidando com questões, reclamações ou desculpas é possível adoptar um padrão, uma rotina bem ensaiada, para parecer completamente profissional a toda hora, ganhando assim o respeito de seu cliente e em última instância a lealdade dele.

47 Cobranças por telefone Argumentação telefónica 1ª Saudação / Motivo do telefonema (só especificar se for o próprio). 2ª Questionar, educadamente, qual o motivo do atraso. 3ª Convidar o cliente a fazer um pagamento amigável. 4ª Ajustar o acordo (valor) ás capacidades do cliente. a) Qual a melhor data de pagamento. Porquê? b) Qual o modo de pagamento? c) Quanto (valor). Porquê? Quando existem planos de pagamento é essencial acompanhar os acordos. Caso o cliente não cumpra um prazo deverá ser efectuado um relance telefónico de forma a apurar as causas e acordar nova data.

48 O Plano de liquidação Não são raros os casos em que o cliente não tem condições de efetuar o pagamento de uma só vez. Termos a ter em conta na negociação do plano de negociação: a) Definição ou reajuste realista do valor das parcelas face à situação financeira do devedor. b) Não aplicar juros/sanções excessivas para compensar o atraso, pois isso aumenta as chances do plano fracassar. c) Caso se trate de cliente frequente, cortar novas vendas até o pagamento dos atrasados estar num nível abaixo ao do limite de crédito do cliente.

49 Organização do sector de cobrança Nas empresas de menor porte, o mais recomendável é investir na adoção de uma política de crédito eficaz, que minimize o risco de incumprimento, do que na montagem de um departamento de cobrança. Afinal, o sucesso ou fracasso desta política de crédito vai acabar se refletindo diretamente nas necessidades de cobrança. É preciso identificar uma pessoa, dentro do departamento financeiro e administrativo, que ficará encarregada do controle dos pagamentos e possível identificação de clientes incumpridores (concentra-se o controlo da política de crédito e da de cobrança). Em outras situações, o processo de cobrança é terceirizado e deixado a cargo de bancos ou empresas especializadas.

50 Organização do sector de cobrança Principais funções: a) Auxiliar de cobrança Fica encarregado de registrar todos os acontecimentos relacionados com o processo de cobrança, o que inclui desde registro de pagamentos, envio de correspondência, encaminhamento de documentos para cartório, empresas de proteção ao crédito e, se preciso, suporte ao cobrador. b) Cobrador Profissional encarregado pela cobrança do cliente. Dependendo da sua forma de autuação, a imagem da empresa pode acabar sendo prejudicada. Portanto, é importante que este profissional mantenha postura educada e cortês junto aos clientes. Cabe ao cobrador obedecer às regras previstas na política de cobrança da empresa, assim como a legislação vigente com relação aos direitos do consumidor. O seu comportamento é fundamental na determinação da rapidez e eficácia com que o crédito atrasado é recuperado.

51 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 7. O factor tempo no tratamento dos incobráveis

52 O Fator tempo na gestão dos incobráveis Artigo 36.º CIRC - Perdas por imparidade em créditos 1 - Para efeitos da constituição da provisão prevista na alínea a) do nº 1 do artigo anterior, são créditos de cobrança duvidosa aqueles em que o risco de incobrabilidade se considere devidamente justificado, o que se verifica nos seguintes casos: a) O devedor tenha pendente processo especial de recuperação de empresa e proteção de credores ou processo de execução, falência ou insolvência; b) Os créditos tenham sido reclamados judicialmente; c) Os créditos estejam em mora há mais de seis meses desde a data do respetivo vencimento e existam provas de terem sido efetuadas diligências para o seu recebimento.

53 O Fator tempo na gestão dos incobráveis 2 - O montante anual acumulado da provisão para cobertura de créditos referidos na alínea c) do número anterior não pode ser superior às seguintes percentagens dos créditos em mora: a) 25% para créditos em mora há mais de 6 meses e até 12 meses; b) 50% para créditos em mora há mais de 12 meses e até 18 meses; c) 75% para créditos em mora há mais de 18 meses e até 24 meses; d) 100% para créditos em mora há mais de 24 meses.

54 O Fator tempo na gestão dos incobráveis 3 - Não são considerados de cobrança duvidosa: a) Os créditos sobre o Estado, Regiões Autónomas e autarquias locais ou aqueles em que estas entidades tenham prestado aval; b) Os créditos cobertos por seguro, com exceção da importância correspondente à percentagem de descoberto obrigatório, ou por qualquer espécie de garantia real; c) Os créditos sobre pessoas singulares ou coletivas que detenham mais de 10% do capital da empresa ou sobre membros dos seus órgãos sociais, salvo nos casos previstos nas alíneas a) e b) do n.º 1; d) Os créditos sobre empresas participadas em mais de 10% do capital, salvo nos casos previstos nas alíneas a) e b) do n.º 1.

55 A. Conhecer o devedor e técnicas e táticas de cobrança com sucesso 8. Os pontos-chave essenciais para uma gestão de cobranças eficaz

56 Pontos-chave para uma gestão de cobranças Avaliação prévia do cliente/devedor Definição adequada dos limites de crédito Controlo dos prazos de pagamento Adoção de um plano de cobrança adequado Privilegiar a negociação de plano de pagamento Encaminhamento atempado para cobrança judicial com análise prévia de viabilidade Estratégias de recuperação parcial de valor por via indireta em caso de incobrabilidade

57 Recuperar e gerir dívidas: técnicas, táticas e leis que favorecem o credor 2. Gerir os créditos e diminuir o risco de incobrabilidade

58 a) Cessão de créditos REQUISITOS: Em regra, todos os créditos comerciais podem ser objeto de cessão, constem de título ou não, vencidos ou por vencer, salvo, em regra, se tal tenha sido afastado por vontade das partes. A cessão pode ser total ou parcial, e abrange todas as obrigações acessórias do crédito, como os juros e os direitos de garantia. Assim, por exemplo, se o pagamento da dívida é garantido por hipoteca, o cessionário torna-se credor hipotecário; se por penhor, o cedente é obrigado a entregar o objeto empenhado ao cessionário.

59 Cessão de créditos A cessão de créditos não depende do consentimento do devedor, porém, só produz efeitos quanto a este quando lhe for notificada, ainda que extrajudicialmente, ou desde que ele a aceite. Assim, o cessionário (adquirente do crédito) tem de comunicar a cessão ao devedor para que esta lhe possa ser oponível. Na cessão de crédito litigioso, (crédito cuja existência/pagamento se encontra a ser discutida/ exigido em juízo) torna-se necessário legitimar a participação em juízo deste novo interveniente,. É necessária uma habilitação de adquirente ou cessionário, que pode ser feita por termo de cessão lavrado no processo ou por requerimento de habilitação.

60 Cessão de créditos O devedor pode impugnar a validade do acto ou alegar que a transmissão foi feita para tornar mais difícil a sua posição no processo. A habilitação de cessionário corre por apenso aos autos principais e não suspende a acção. Em juízo, na falta de contestação, o juiz verifica se o documento prova a cessão e, em caso afirmativo, declara que o cessionário está habilitado. Se houver contestação, o juiz decide após apresentadas as provas pelas partes, fundamentando a decisão ou aderindo aos fundamentos invocados. Uma vez declarada a habilitação de cessionário, o novo detentor do crédito pode agir como parte no processo judicial, o que lhe permitirá salvaguardar os seus direitos.

61 Seguro de Crédito O seguro de crédito é um instrumento disponível às empresas para cobrir o risco de não pagamento. O seguro de crédito tem, em regra, três características: 1. Prevenção de risco Análise da carteira de clientes, e identificação dos vários riscos. 2. Recuperação das quantias não pagas Transferência para a seguradora dos mecanismos de cobrança 3. Indemnização A seguradora assume, em regra, o não pagamento, numa percentagem contratada que depende do risco da carteira de clientes e do mercado em que se opera.

62 Seguro de Crédito Em regra, a seguradora analisa a idoneidade creditícia e a estabilidade financeira dos clientes atribuindo um limite de crédito específico a cada um que, dependendo do contrato, pode ser, também, o valor em que a empresa é indemnizada em caso de incumprimento. Existe, também em regra, a possibilidade de solicitar cobertura adicional para transações específicas. Vantagens: a) Transferência do custo da análise da idoneidade creditícia dos clientes para um operador especializado (análise de um conjunto variado de fontes, incluindo visitas, registros públicos, informações fornecidas por outros segurados que vendem para o mesmo comprador e relatórios sobre dívidas vencidas). b) Diminuição do risco de incobrabilidade Desvantagens: a) Custo elevado b) Dificuldade da compreensão e verificação dos elementos do preço

63 Factoring O Factoring é uma atividade que consiste na tomada de créditos a curto prazo por uma instituição financeira (Factor), mediante um adiantamento do valor em dívida, que os fornecedores de bens ou serviços (Aderentes) constituem sobre os seus clientes (Devedores). O Factoring é um mecanismo financeiro que permite às empresas um melhor financiamento do seu ciclo de exploração, uma vez que através da sua utilização é possível obter uma antecipação dos recebimentos dos seus clientes.

64 Factoring 1. O Aderente apresenta uma proposta de adesão à Factor, à qual junta informação económico financeira relativa aos dois ou três últimos anos de actividade. 2. O Aderente fornece à Factor uma relação dos Devedores (clientes) cujos créditos pretende ceder. 3. A Factor define, o limite global de crédito a conceder ao Aderente, o limite que aceita para cada Devedor (cliente do Aderente) que pode ser 0 -, bem como as condições de remuneração pretendidas. 4. A Aderente envia à Factor proposta de cedência de créditos, a qual inclui cópias das facturas relativas às vendas efectuadas pela Aderente aos Devedores englobados no contrato com a Factor. 5. A Factor efetua um adiantamento sobre o valor dos mesmos, nos termos contratuais. 6. O diferencial entre o valor da factura e o valor de adiantamento, habitualmente apelidado de provisão financeira, é retido pela Factor.

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência.

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência. Guia prático de procedimentos para os Administradores de Insolvência. Índice Introdução 1. Requerimentos 2. Apreensão de bens 2.1. Autos de apreensão de bens 2.2. Apreensão de vencimento 2.3. Apreensão

Leia mais

Curso: Direito Processual Civil-Executivo.

Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Formadora: Luísa Maria Pinto Teixeira. Licenciatura em Direito. Mestrado em Direito Judiciário (Direitos Processuais e Organização Judiciária). 1 Módulo: Os sujeitos

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril O quadro jurídico-legal Geral das Instituições Financeiras, aprovado pela Lei n.º 13/05, de

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Para assegurar os direitos dos consumidores relativos à informação dos produtos e identidade do vendedor, as empresas têm de cumprir regras sobre

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Acção executiva, meios extra-judiciais e recuperação do IVA - Fundação Francisco Manuel dos Santos 13 de Maio de 2013 Base Comunitária

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial Tortosendo, DEZEMBRO de 2012 Pág. 1 / 28 Pág. 2 / 28 MOU celebrado entre o Governo Português, FMI, BCE e Comissão Europeia, Capítulo 2; Resolução

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Procedimento por Ajuste Directo n.º DSTD/01/2009 Cláusula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

como a salvaguarda do interesse público de cobrança dos créditos tributários.

como a salvaguarda do interesse público de cobrança dos créditos tributários. Classificação: DIRECÇÃO DE SERViÇOS DE GESTÃO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS Of.Circulado n. o : 60.076 de 2010-07-29 Processo: 5580/2009 DGPCT Entrada Geral: N.o Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.a: EX.mos

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 15-10-2013 12:35 Número de Simulação: 13892037 Resumo Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor) Seguro de Vida

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN 1. DEFINIÇÕES CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN Abaixo Recreahome B.V. será referida como "vendedor". Cada pessoa singular ou entidade legal que adquire bens e/ou serviços

Leia mais

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações 9 de fevereiro de 2015 Foi publicado no passado dia 6 de fevereiro o Decreto-Lei n.º 26/2015, que introduz alter ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial (SIREVE), ao Código da Insolvência

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Um investimento responsável exige que conheça todas as suas implicações. Certifique-se de que conhece essas implicações e que está disposto a

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência CONFERÊNCIA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência 1. Indicação da Modalidade de Venda 2. Venda por propostas em carta fechada 3. Adjudicação e seus efeitos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO A CURTO PRAZO NA MODALIDADE DE CONTA CORRENTE Entre: 1º BANCO SANTANDER TOTTA, S.A., com sede na Rua Áurea, nº 88, 1100-063 Lisboa e com o Capital Social de 656.723.284,00,

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

FIADORES: CONHEÇA AS SUAS REAIS RESPONSABILIDADES

FIADORES: CONHEÇA AS SUAS REAIS RESPONSABILIDADES PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2012 POR FIADORES: CONHEÇA AS SUAS REAIS RESPONSABILIDADES Porque muitos consumidores têm procurado, ultimamente, este Serviço, apresentando questões

Leia mais

EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO

EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO INFORMAÇÃO PADRÃO EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO 1 IDENTIDADE E DADOS DE CONTATO DA ENTIDADE FORNECEDORA DO CRÉDITO Entidade fornecedora do crédito: DEGIRO B.V. Endereço: Rembrandt Tower

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu 1- O que é o Certificado Sucessório Europeu (CSE)? 2- Que instrumento jurídico criou o CSE? 3- Quem pode pedir o CSE? 4- Um credor pode pedir

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Insolvências e Revitalizações Boutique law firm geral@dlas.pt www.dlas.com.pt 217816010 961277028 Av. Republica n 50 7 - A 1050-196 Lisboa

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014 Volvidos 9 meses da entrada em vigor do comunicado de seleção de Mediadores de 2 de maio de 2013, coube avaliar e analisar o mesmo, de modo a identificar situações que criaram alguns entraves ao expectável

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

CURSO GESTÃO DO CRÉDITO A CLIENTES E COBRANÇAS

CURSO GESTÃO DO CRÉDITO A CLIENTES E COBRANÇAS CURSO GESTÃO DO CRÉDITO A CLIENTES E COBRANÇAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 03-08-2010 1. INSOLVENTE:

Leia mais

Contrato de Intermediação Financeira

Contrato de Intermediação Financeira Contrato de Intermediação Financeira Condições Gerais do Contrato de Intermediação Financeira Entre a Caixa Geral de Depósitos, SA com sede em Lisboa na Av. João XXI n.º 63, com capital social de 5 900

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas Paulo Valério ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros nº43/2011; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

Regimes de Custas desde 15/09/2003

Regimes de Custas desde 15/09/2003 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador Regimes de Custas desde 15/09/2003 15 de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000

Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000 Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000 Assunto: Transpõe para a ordem jurídica interna, apenas no que aos sistemas de pagamento diz respeito, a Diretiva n.º 98/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais