GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1"

Transcrição

1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1

2 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço e a Demonstração de Resultados 3. Enquadramento dos Conceitos Contabilísticos 4. Análise Económico-Financeira através de Indicadores de Gestão 5. Análise custo-volume-lucro 6. A Informação financeira 2

3 6.1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos O Papel da Contabilidade A Contabilidade Pessoal A Criação de uma Empresa O Balanço e a Demonstração de Resultados 6. A Informação financeira 3

4 6.1.1 O Papel da Contabilidade Processo formal de identificar, medir e comunicar informação económica da empresa para os decisores Instrumento de gestão indispensável para qualquer organização 6. A Informação financeira 4

5 Decisores e Ambiente Externo Investidores AMBIENTE EXTERNO Clientes Sociedade Governo Reguladores Actividade económica AMBIENTE INTERNO EMPRESA GESTORES Tomada de decisão a nível estratégico, táctico e operacional AMBIENTE EXTERNO Fornecedores Bancos Accionistas Empregados 6. A Informação financeira 5

6 Contabilidade Geral vs. Contabilidade Analítica Contabilidade Geral (ou Financeira, ou Externa) Gera informação para os elementos externos à empresa (clientes, fornecedores, sócios, bancos, etc) Segue os padrões e regras definidas no Plano Oficial de Contabilidade (POC) e tem que produzir relatórios financeiros para divulgação (obrigatória) Apura resultados gerais (globais) Apura resultados anuais 6. A Informação financeira 6

7 Contabilidade Geral vs. Contabilidade Analítica Contabilidade Analítica (ou de Gestão, ou Interna) Gera informação específica para apoiar os gestores da empresa. É mais desagregada que a Contabilidade Geral. Engloba essencialmente duas áreas: Estudo de custos resultantes da actividade Orçamentação e análise de desvios de custos e proveitos em relação à programação da actividade empresarial Procura captar o que se passa nas diversas áreas da empresa (de produção, administrativa, financeira, comercial, etc) Apura resultados por produtos, regiões, mercados, actividades, etc. Apura resultados em períodos curtos (por ex. mensais). 6. A Informação financeira 7

8 6.1.2 A Contabilidade Pessoal Qual o meu património líquido? Como varia o meu património líquido? 6. A Informação financeira 8

9 Qual o meu Património Líquido? Hoje: Tenho uma casa que vale Tenho um carro que vale Tenho depósitos bancários no valor de Tenho uma nota no bolso de 50 Devo ao banco relativos a um empréstimo à habitação 6. A Informação financeira 9

10 Património Líquido =? BENS E DIREITOS Casa OBRIGAÇÕES Património líquido = A Informação financeira 10

11 Qual o meu Património Líquido? Hoje: Tenho uma casa que vale Tenho um carro que vale Tenho depósitos bancários no valor de Tenho uma nota no bolso de 50 Devo ao banco relativos a um empréstimo à habitação 6. A Informação financeira 11

12 Património Líquido =? BENS E DIREITOS Casa OBRIGAÇÕES Carro Património líquido = = A Informação financeira 12

13 Qual o meu Património Líquido? Hoje: Tenho uma casa que vale Tenho um carro que vale Tenho depósitos bancários no valor de Tenho uma nota no bolso de 50 Devo ao banco relativos a um empréstimo à habitação 6. A Informação financeira 13

14 Património Líquido =? BENS E DIREITOS Casa Carro OBRIGAÇÕES Depósitos bancários 2000 Património líquido = = A Informação financeira 14

15 Qual o meu Património Líquido? Hoje: Tenho uma casa que vale Tenho um carro que vale Tenho depósitos bancários no valor de Tenho uma nota no bolso de 50 Devo ao banco relativos a um empréstimo à habitação 6. A Informação financeira 15

16 Património Líquido =? BENS E DIREITOS Casa Carro OBRIGAÇÕES Depósitos bancários 2000 Nota 50 Património líquido = = A Informação financeira 16

17 Qual o meu Património Líquido? Hoje: Tenho uma casa que vale Tenho um carro que vale Tenho depósitos bancários no valor de Tenho uma nota no bolso de 50 Devo ao banco relativos a um empréstimo à habitação 6. A Informação financeira 17

18 Património Líquido =? BENS E DIREITOS Casa Carro Depósitos bancários 2000 OBRIGAÇÕES Empréstimo à habitação Nota 50 Património líquido = = A Informação financeira 18

19 Património Líquido =? = Bens + Direitos - Obrigações 6. A Informação financeira 19

20 Como varia o meu Património Líquido (no próximo mês)? No próximo mês vou: Receber salário de Pagar mensalidade relativa ao crédito à habitação de 600 Gastar em alimentação 400 Ter outros gastos de 300 Alterações: Depósitos bancários Valor em dívida do empréstimo Variação líquida dos depósitos =? = = 200 Variação do empréstimo =? = A Informação financeira 20

21 Qual o Património Líquido (no final do próximo mês)? BENS E DIREITOS Casa Carro Depósitos bancários OBRIGAÇÕES Empréstimo à habitação Nota em euros 50 Património líquido = = A Informação financeira 21

22 6.1.3 A Criação de uma Empresa Como calculo o património de uma nova empresa com as seguintes ocorrências de vida? 1. 5 sócios criam empresa de consultoria, investindo na empresa A empresa compra a pronto pagamento portáteis no valor de A empresa presta serviço de consultoria e recebe de um cliente A empresa pede ao banco para financiar a sua actividade inicial 5. A empresa paga renda de aluguer de escritório no montante de A Informação financeira 22

23 Ocorrência 1: 5 sócios criam empresa, investindo na empresa BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES Depósitos Bancários Património líquido = A Informação financeira 23

24 Ocorrência 2: A empresa compra a pronto pagamento portáteis no valor de 3000 BENS E DIREITOS Depósitos Bancários OBRIGAÇÕES Portáteis Depósitos Bancários Património líquido = = A Informação financeira 24

25 Ocorrência 3: A empresa presta serviço de consultoria e recebe de um cliente 5000 BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES Portáteis 3000 Depósitos Bancários Depósitos Bancários Património líquido = = A Informação financeira 25

26 Ocorrência 4: A empresa pede ao banco para financiar a sua actividade inicial BENS E DIREITOS Portáteis 3000 Depósitos Bancários OBRIGAÇÕES Empréstimo Bancário Depósitos Bancários Património líquido = = A Informação financeira 26

27 Ocorrência 5: A empresa paga renda de aluguer de escritório no montante de 1000 BENS E DIREITOS Portáteis 3000 Depósitos Bancários OBRIGAÇÕES Empréstimo Bancário Depósitos Bancários Património líquido = = A Informação financeira 27

28 6.1.4 O Balanço e a Demonstração de Resultados 6. A Informação financeira 28

29 O Balanço = BENS E DIREITOS = OBRIGAÇÕES + PATRIMÓNIO LÍQUIDO Porque, como vimos, Património Líquido = Bens e Direitos - Obrigações 6. A Informação financeira 29

30 Documentos Contabilísticos BALANÇO fotografia de todos os elementos do património na data a que se reporta DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS - mostra a diferença entre proveitos e custos gerados na actividade da empresa no período a que se reporta 6. A Informação financeira 30

31 Demonstração de Resultados OCORRÊNCIAS anteriormente analisadas 5 sócios criam empresa de consultoria, investindo na empresa A empresa compra a pronto pagamento portáteis no valor de 3000 A empresa presta serviço de consultoria e recebe de um cliente 5000 A empresa pede ao banco para financiar a sua actividade inicial A empresa paga renda de aluguer de escritório no montante de 1000 VARIAÇÃO DO PATRIMÓNIO ATRAVÉS DA GERAÇÃO DE RESULTADOS DECORRENTES DA ACTIVIDADE DA EMPRESA? Não Não Sim VENDA / PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Não Sim CUSTOS OPERACIONAIS 6. A Informação financeira 31

32 A linguagem do Balanço e da Demonstração de Resultados B A L A N Ç O O que a empresa tem O que a empresa deve a terceiros Sócios/Accionistas com direitos sobre a empresa Activo Responsabilidades /Capitais Alheios /Passivo Capitais próprios D. R. Entradas decorrentes da actividade da empresa Recursos económicos utilizados na actividade da empresa Receitas Despesas 6. A Informação financeira 32

33 6.2 Apresentação do Balanço e da Demonstração de Resultados 2.1 Rubricas do Balanço 2.2 A Equação Fundamental da Contabilidade 2.3 Rubricas da Demonstração de Resultados 6. A Informação financeira 33

34 6.2.1 Rubricas do Balanço ACTIVO conjunto dos valores que se possui ou se tem a receber CAPITAL PRÓPRIO (situação líquida) CAPITAL ALHEIO (passivo) conjunto dos valores a pagar Detido pelos accionistas ou proprietários da empresa (caso Activo maior que Passivo) APLICAÇÕES DE FUNDOS = ORIGENS DE FUNDOS INVESTIMENTO = FINANCIAMENTO 6. A Informação financeira 34

35 6.2.1 Rubricas do Balanço Activo: conjunto de valores que a empresa possui ou tem direito a receber. Inclui valores físicos, valores intangíveis (marcas e patentes), e valores monetários (dinheiro, depósitos, títulos financeiros) Capital Alheio: Soma das responsabilidades da empresa perante terceiros Se Activo > Capital Alheio Capital Próprio >0 Se Activo < Capital Alheio Capital Próprio <0 (situação de falência técnica) 6. A Informação financeira 35

36 Rubricas do Balanço Fonte: Plano Oficial de Contabilidade ACTIVO IMOBILIZAÇÕES Incorpóreas Corpóreas Financeiras AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS EXISTÊNCIAS DÍVIDAS DE TERCEIROS De Médio e Longo Prazo De Curto Prazo TÍTULOS NEGOCIÁVEIS DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA CAPITAIS PRÓPRIOS E ALHEIOS CAPITAIS PRÓPRIOS Capital social Reserva legal Outras reservas Resultados transitados Resultados líquidos do exercício CAPITAIS ALHEIOS PROVISÕES DÍVIDAS A TERCEIROS De Médio e Longo Prazo De Curto Prazo Liquidez crescente Exigibilidade crescente 6. A Informação financeira 36

37 6.2.2 A Equação Fundamental da Contabilidade ACTIVO CAPITAL PRÓPRIO (situação líquida) CAPITAL ALHEIO (passivo) ACTIVO=CAPITAIS ALHEIOS + CAPITAIS PRÓPRIOS ACTIVO-CAPITAIS ALHEIOS = CAPITAIS PRÓPRIOS 6. A Informação financeira 37

38 A Equação Fundamental da Contabilidade ACTIVO = CAPITAIS ALHEIOS + CAPITAIS PRÓPRIOS ACTIVO = CAPITAIS ALHEIOS + CAPITAIS PRÓPRIOS Os CAPITAIS PRÓPRIOS traduzem o valor (contabilístico) da empresa num determinado momento, isto é, o valor que o proprietário receberia se cessasse a actividade, liquidando todo o património aos preços aí registados. Ao longo do tempo, qualquer variação no Activo deverá ser compensada por igual variação nos Capitais Próprios ou nos Capitais Alheios 6. A Informação financeira 38

39 Equação Fundamental da Contabilidade Sistema de Transacções Cada alteração em elementos do Balanço é causada por uma transacção com duas partes: o sistema de transacções chama-se de DUPLA ENTRADA (podem existir alterações só em elementos do Activo, ou em elementos do Activo e Capitais Próprios, ou só em elementos dos Capitais Próprios, ou ) Exemplos 6. A Informação financeira 39

40 ACTIVO Disponibilidades (1) Disponibilidades (2) Imobilizado Corpóreo (2) Existências (3) CAPITAIS PRÓPRIOS Capital Social (1) CAPITAIS ALHEIOS Fornecedores (3) Exemplos de operações com aplicação da dupla entrada: (1) Constituição da empresa e entrada de dinheiro dos sócios de (2) Compra de equipamento a pronto pagamento no valor de (3) A empresa compra mercadoria a crédito no valor de A Informação financeira 40

41 Balanço: Património Lucro Início de actividade Capital Social Dinheiro investido formalmente pelos sócios para suportar as necessidades financeiras da empresa Lucro Resultados Líquidos Remuneração aos Capitais Próprios dos investidores Fluxo financeiro anual que corresponde ao fluxo de produto (diferença entre proveitos e custos) Património a cada momento Capitais Próprios Diferença entre o que a empresa detém (Activo) e os Capitais Alheios Os Resultados Líquidos são uma componente dos Capitais Próprios! (ver slide 36) 6. A Informação financeira 41

42 6.2.3 Demonstração de Resultados ACTIVO IMOBILIZAÇÕES Incorpóreas Corpóreas Financeiras AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS EXISTÊNCIAS DÍVIDAS DE TERCEIROS De Médio e Longo Prazo De Curto Prazo TÍTULOS NEGOCIÁVEIS DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA CAPITAIS PRÓPRIOS E ALHEIOS CAPITAIS PRÓPRIOS Capital social Reserva legal Outras reservas Resultados transitados Resultados líquidos do exercício CAPITAIS ALHEIOS PROVISÕES DÍV A TERCEIROS De Médio Longo Prazo De Curto Prazo DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS PROVEITOS - CUSTOS = RESULTADOS LÍQUIDOS Rentabilidade do exercício! 6. A Informação financeira 42

43 Demonstração de Resultados por Funções Vendas e prestações de serviços...x Custo das vendas e serviços..-x Resultado BRUTO X Out. proveitos e ganhos operacionais Custos de distribuição Custos administrativos Outros custos e perdas operacionais Resultados OPERACIONAIS...X..-X..-X..-X...X Custo líquido do financiamento..-x Ganhos (perdas) em filiais e associadas...+/-x Ganhos (perdas) em outros investimentos...+/-x Juros e Custos afins..-x Resultados CORRENTES...X Impostos sobre os resultados correntes..-x Resultados CORRENTES após impostos...x Resultados extraordinários..+/-x Imposto s/ os resultados extraordinários..-x Resultados LÍQUIDOS...X Fonte: Plano Oficial de Contabilidade 6. A Informação financeira 43

44 Demonstração de Resultados Alguns conceitos Resultados Operacionais: Dependem somente da actividade no período em análise Resultados Correntes: Resultam da soma dos Resultados Operacionais com os Resultados Financeiros (estes resultam dos custos do financiamento da empresa e dos proveitos com aplicações e investimentos financeiros) Resultados Extraordinários: Não resultam da actividade normal da empresa Nota: Como veremos no ponto 9, os Resultados Operacionais correspondem aproximadamente aos Resultados antes de Juros e Impostos (EBIT). 6. A Informação financeira 44

45 ACTIVO Disponibilidades (1) Clientes (2) Existências (2) Disponibilidades (3) -500 BALANÇO CAP. PRÓPRIOS Resultados (1) (2) (2) (3) -500 CAP. ALHEIOS DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS POR FUNÇÕES Vendas (2) Custo das vendas (2) Out. Cust. Operac. (1) Custos Financeiros (3) -500 Exemplos de operações: (1) Pagamento de rendas de aluguer de um escritório de 2000 (2) Venda de uma mercadoria a crédito por que custou 7000 (3) A empresa pagou juros de um empréstimo no valor de A Informação financeira 45

46 DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS POR FUNÇÕES Vendas (2) Custo das vendas (2) Out. Cust. Operac. (1) Custos Financeiros (3) -500 DEMONSTRAÇÃO de RESULTADOS Vendas Custo das vendas Resultados Brutos = 3000 Out. Cust. Operac Resultados Operacionais = = = 1000 Custos Financeiros -500 Resultados Correntes = = = 500 O Resultado Líquido das operações é de? 500 A Demonstração de Resultados indica como é que o resultado foi gerado!!!! 6. A Informação financeira 46

47 6.3. Enquadramento dos Conceitos Contabilísticos Custo/Despesa/Pagamento vs. Proveito/Receita/Recebimento Depreciação do Valor do Imobilizado Óptica de Exercício vs. Óptica de Caixa Custos do Período vs. Custos do Produto Outros conceitos 6. A Informação financeira 47

48 6.3.1 Custo/Despesa/Pagamento vs. Proveito/Receita/Recebimento Custo, consumo de recursos Despesa, obrigação de pagar um bem ou serviço (i.e. constituição de uma dívida do próprio a terceiros) Pagamento, liquidação da despesa e anulação da dívida a terceiros Proveito, geração de recursos Receita, reconhecimento do direito de receber um valor por um bem ou serviço cedido (i.e. constituição de uma dívida de terceiros) Recebimento da receita e anulação da dívida de terceiros 6. A Informação financeira 48

49 Uma empresa recebe a factura da electricidade com referência ao mês passado. É um custo? É uma despesa? É um pagamento? 6. A Informação financeira 49

50 6.3.2 Depreciação do Valor do Imobilizado Amortizações: captam a quebra de valor (depreciação) dos bens do imobilizado, como contrapartida do desgaste. Amortizações do Exercício: quebra do valor do imobilizado durante um período contabilístico São consideradas um custo do período Amortizações Acumuladas: quebra de valor do imobilizado durante a vida do imobilizado São contabilizadas numa rubrica do Balanço que corrige o valor total do imobilizado Imobilizado Líquido = = Imobilizado Bruto Amortizações Acumuladas Nota: Como veremos nos exercícios, as amortizações são um custo que não dá origem a pagamento; e as amortizações têm impactos fiscais. 6. A Informação financeira 50

51 ACTIVO Imobilizado Bruto (1) Amortizações acumuladas (2) BALANÇO CAP. PRÓPRIOS Resultados (2) CAP. ALHEIOS Dívidas médio e longo prazo (1) DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS Out. Custos e Perdas Operacionais (Amortizações do exercício) (2) Exemplos de operações: (1) A empresa comprou novas instalações por 30000, tendo pedido um empréstimo bancário para financiar a compra. Terá que pagar esse empréstimo ao fim de 10 anos (2) Espera-se que as instalações sejam utilizadas durante 20 anos. Face ao uso das instalações, ao fim do ano as instalações valem menos. A lei fiscal permite à empresa contabilizar um decréscimo de valor de 5% Ao fim de um ano, o valor contabilístico do imobilizado é de 28500, ou seja: Imobilizado Líquido (28500) = Imobilizado Bruto (30000) Amortizações Acumuladas (1500) 6. A Informação financeira 51

52 6.3.3 Óptica de Exercício vs. Óptica de Caixa Óptica de Caixa: As disponibilidades da empresa são adequadas para assegurar a actividade da empresa? Óptica de Exercício: A empresa gera resultados líquidos positivos? A empresa tem sido rentável em vários anos? 6. A Informação financeira 52

53 ÓPTICA DE CAIXA Óptica de Exercício vs. Óptica de Caixa BALANÇO O A 31/12/XX Imobilizado Líquido Existências Dívidas de terceiros DISPONIBI- LIDADES Capitais próprios (Inclui RES LÍQ) Capitais Alheios de Médio e Longo Prazo Capitais Alheios de Curto Prazo DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS PROVEITOS - CUSTOS = RESULTADOS LÍQUIDOS ÓPTICA DE EXERCÍCIO 6. A Informação financeira 53

54 6.3.4 Custos do Período vs. Custos do Produto Custos do PRODUTO: Englobam os custos com: MATÉRIAS PRIMAS + MÃO DE OBRA DIRECTA + GASTOS GERAIS DE FABRICO São todos os custos directa ou indirectamente relacionados com a fabricação dos produtos. Custos do PERÍODO: Restantes custos incorridos no período contabilístico. Incluem-se nesta afectação de custos todos os custos provenientes das outras funções da empresa: vendas, distribuição, administrativa,... A repartição de custos pelos objectos de custo (produtos ou departamentos) constitui o principal problema no processo de imputação de custos 6. A Informação financeira 54

55 Custos do Produto vs Custos do Período Empresa Comercial BALANÇO D.R. Custos do Produto Custos do Período Compra de Mercadorias Existências de Mercadorias*,** Como veremos nos exercícios práticos: * - Existências que a empresa detém num dado momento ** - Contabilização da Saída das Existências no momento da venda Vendas - Custo dos Produtos Vendidos** = Resultados Brutos - Custos de Distribuição e Administrativos = Resultado Operacional 6. A Informação financeira 55

56 Custos do Período vs. Custos do Produto Empresa Industrial Balanço DR Custos do Produto Custos do Período Compra de Matérias- Primas Mão-de-Obra Directa Gastos Gerais de Fabrico Existências de MP Existências de Produtos em Vias de Fabrico Existências de Produtos Acabados Vendas - Custo dos Produtos Vendidos = Resultados Brutos - Custos de Distribuição e Administrativos = Resultado Operacional 6. A Informação financeira 56

57 6.3.5 Outros conceitos Dividendos São os lucros pagos aos accionistas Resultados Líquidos retidos = Resultados Líquidos Dividendos Capital Social Dotação inicial dos capitais colocados na empresa pelos sócios Pode ser aumentado através de incorporação de reservas, reforço da dotação inicial pelos sócios, 6. A Informação financeira 57

58 Nota: As normas contabilísticas estão a ser estruturalmente alteradas no sentido de harmonização com as normas da União Europeia. Para mais informação sobre as novas normas em análise, poderão consultar o site 6. A Informação financeira 58

59 6.4. Análise Económico-Financeira através de Indicadores de Gestão Princípios do Equilíbrio Financeiro Papel dos Rácios Rácios Económico-Financeiros Limitações dos Rácios 6. A Informação financeira 59

60 6.4.1 Princípios do Equilíbrio Financeiro Princípios orientadores para o equilíbrio financeiro: 1. Maior equilíbrio financeiro quanto maior o capital próprio e menor o alheio. Se capital alheio estiver a médio e longo prazo, melhor. 2. Maior equilíbrio financeiro quanto mais os capitais permanentes (i.e. capitais próprios e passivo de médio e longo prazo) cobrirem os imobilizados e outros activos de carácter permanente. 3. Maior equilíbrio financeiro a prazo quanto maior a rentabilidade do capital total em relação ao juro a pagar ao capital alheio. 6. A Informação financeira 60

61 6.4.1 Princípios do Equilíbrio Financeiro Quanto ao segundo princípio (maior equilíbrio financeiro quanto mais os capitais permanentes cobrirem os imobilizados e outros activos de carácter permanente) e tendo: Capitais Permanentes= Capitais Próprios + Passivo de Médio e Longo Prazo Activo Circulante= Activo de Curto Prazo Corresponde às seguintes regras: Se o activo é um imobilizado, o passivo que o financia deve ser de médio e longo prazo Se o activo é circulante (ex: matéria-prima), deverá ser financiado por um passivo de curto prazo pelo que se conclui que o financiamento deve ter em conta a maturidade e: Activo Médio e Longo Prazo <= Capitais Permanentes Activo Circulante >= Passivo de Curto Prazo 6. A Informação financeira 61

62 6.4.2 Papel dos Rácios RÁCIOS são Indicadores de Gestão que exprimem uma relação entre elementos dos documentos contabilísticos (Balanço, DR) e a partir dos quais é possível tirar ilações sobre a situação económica e financeira da empresa. 6. A Informação financeira 62

63 6.4.3 Rácios Económico-Financeiros Rácios de Rentabilidade: indicam o grau de eficiência com que a empresa utilizou os recursos à sua disposição, nomeadamente a eficiência dos recursos capitais próprios e vendas Rácios de Actividade ou Funcionamento: indicam o grau de utilização dos recursos da empresa Rácios de Solvabilidade: indicam a capacidade da empresa responder aos compromissos de médio e longo prazo Rácios de Liquidez: indicam a capacidade da empresa satisfazer os compromissos de curto prazo 6. A Informação financeira 63

64 Vamos calcular cada um destes rácios para uma empresa industrial de calçado e analisar o seu significado 6. A Informação financeira 64

65 Balanço 6. A Informação financeira 65

66 Demonstração de Resultados 6. A Informação financeira 66

67 Rácios de Rentabilidade Rentabilidade: relação entre os resultados obtidos e os meios postos à disposição Rentabilidade dos Capitais Próprios = Resultados Líquidos / Capitais Próprios Rentabilidade das Vendas = Resultados Operacionais / Vendas 6. A Informação financeira 67

68 Rácios de Rentabilidade Interpretando, Por cada 100 euros detido pelos sócios na empresa, a empresa gerou no último ano 11.3 euros de resultados líquidos de imposto para os sócios. 6. A Informação financeira 68

69 Rácios de Actividade ou de Funcionamento Prazo Médio de Recebimento (em dias) = (Dívidas de clientes/vendas)*365 (dias) Prazo Médio de Pagamento (em dias) = (Dívidas a fornecedores/compras)*365 (dias) Rotação de Stocks = Custo das vendas/existências 6. A Informação financeira 69

70 Rácios de Actividade ou de Funcionamento Interpretando, Em média, os clientes pagam à empresa 91 dias após a venda dos produtos. Nota: O valor de compras foi directamente fornecido pela empresa. 6. A Informação financeira 70

71 Rácios de Solvabilidade Solvabilidade: capacidade da empresa para responder aos seus compromissos a médio e longo prazo. Solvabilidade Total ou Autonomia Financeira = Capital Próprio / Activo > 1/3 Boa solvabilidade Solvabilidade Reduzida = Capital Próprio / Capital Alheio > 1/2 Boa solvabilidade 6. A Informação financeira 71

72 Rácios de Solvabilidade Interpretando, Os activos da empresa são financiados em 25,1% por capitais dos sócios. 6. A Informação financeira 72

73 Rácios de Liquidez Liquidez: capacidade da empresa solver os seus compromissos de curto prazo. Através do: FUNDO DE MANEIO = Existências + Clientes + Disponibilidades Fornecedores Outras dívidas curto prazo Podemos avaliar o grau de liquidez da empresa. Este é função de : política de crédito a clientes ( > clientes > risco) política de stocks ( > existências produtos > risco) política de aprovisionamento ( > existências matérias primas > risco) Existe um Fundo de Maneio Esperado para o nível de actividade da empresa: Se Fundo Maneio < Fundo Maneio Esperado Problemas de caixa na empresa 6. A Informação financeira 73

74 Rácios de Liquidez Liquidez geral = Activo circulante / Passivo Curto Prazo = (Disponibilidades+Clientes+Existências)/Passivo Curto Prazo Liquidez reduzida (= acidtest) = (Activo circulante-existências) / Passivo Curto Prazo = (Disponibilidades + Clientes) / Passivo Curto Prazo Estes indicadores são influenciados por: Prazo Médio de Recebimentos, Prazo Médio de Pagamentos, Rotação de Stocks 6. A Informação financeira 74

75 Rácios de Liquidez Interpretando, os activos de carácter de curto prazo na empresa excedem os passivos de curto prazo no montante de aprox. 1,8 milhões de euros. 6. A Informação financeira 75

76 6.4.4 Limitações dos Rácios São apenas um utensílio, exigindo a escolha de indicadores adequada Quantificam e indicam equilíbrio ou desequilíbrio mas não são auto-explicativos Devem ser comparados com dados de outras empresas do sector Dada a variabilidade dos valores contabilísticos, podem fornecer informação distorcida 6. A Informação financeira 76

77 6.5. Análise custo-volume-lucro: o modelo do ponto crítico (BreakEven) Relembrar conceitos de custos fixos e custos variáveis. Custos fixos: custos em que a empresa incorre, independentemente da quantidade produzida (ex: custos de instalação). Custos variáveis: crescentes com a quantidade produzida (ex: matéria-prima). 6. A Informação financeira 77

78 6.5. Análise custo-volume-lucro: o modelo do ponto crítico (BreakEven) Considere-se o seguinte caso: Uma empresa têxtil produz camisas para o mercado nacional, que vende com uma marca própria. Tem prejuízo. Labora a 50% da sua capacidade produtiva, vende camisas por ano a um preço unitário de 40, tendo estas um custo médio (i.e. unitário) superior: de 45. Um cliente estrangeiro procura a empresa, visando contratar a fabricação de mais camisas, a vender para o mercado externo, com a marca dessa empresa. Contudo, devido nomeadamente à concorrência chinesa, só está disposto a pagar 38 por cada camisa. 6. A Informação financeira 78

79 6.5. Análise custo-volume-lucro: o modelo do ponto crítico (BreakEven) O que aconselha a empresa portuguesa a fazer? Rejeitar ou aceitar a proposta? Porquê? E se no exemplo anterior lhe disserem que há custos fixos totais de , e que o custo variável unitário é constante? Acha que é de aceitar ou não? E se a empresa se restringisse ao mercado nacional, quanto teria que vender para sair do vermelho - ter lucro zero? Vejamos como saber! 6. A Informação financeira 79

80 6.5. Análise custo-volume-lucro: o modelo do ponto crítico (BreakEven) Ponto Crítico = Nível de actividade a partir do qual a empresa passa a ter lucro, a ser rentável. Assenta na divisão dos Custos em Fixos e Variáveis. 6. A Informação financeira 80

81 Lucro = 0 <=> p * Q - CV - CF = 0 <=> p * Q cvu * Q - CF = 0 <=> (p -cvu) * Q - CF = 0 <=> mcu * Q = CF Com: Q p cvu mcu CF CV - Quantidades produzidas e vendidas - Preço de venda unitário - Custo variável unitário - Margem de contribuição unitária - Total dos Custos Fixos - Total dos Custos Variáveis 6. A Informação financeira 81

82 O Ponto Crítico de Vendas A) em Quantidades Qc = CF p-cvu mcu = Total dos Custos Fixos Margem de contribuição unitária B) em Valor (receita crítica) Rc = P*Qc = p * CF p-cvu mcu = CF p-cvu p = CF mcu % 6. A Informação financeira 82

83 Análise Gráfica do Ponto Crítico de Vendas $ Rc Vendas ( P*Q) Total dos Custos (CF+cvu*Q) Custos Variáveis (cvu*q) Custos Fixos Qc Q Zona de Prejuízo Zona de Lucro 6. A Informação financeira 83

84 6.5. Análise custo-volume-lucro: o modelo do ponto crítico (BreakEven) Hipóteses simplificadoras: Custos variáveis directamente proporcionais às vendas, i.e. preços das matérias-primas e fornecimentos e serviços externos insensíveis às quantidades compradas, e não há ganhos nem perdas de produtividade cvu constantes não se aplica ao caso de economias de escala Não se considera stocks de Matéria Prima e Produtos Acabados (i.e. tudo o que é comprado é consumido e o que é produzido é vendido). 6. A Informação financeira 84

85 Ponto Crítico de Vendas Medida de Risco : Ponto crítico em ano cruzeiro Capacidade instalada Interpretação: Quanto maior o ponto crítico em relação à capacidade instalada, menor o espaço para a empresa aumentar a produção e gerar lucro, e maior a probabilidade de a empresa assumir prejuízo! Noutra óptica (ainda para o cálculo do breakeven): Para Q fixada posso determinar o preço mínimo para que: M. Contribuição Total = Custos Fixos Q * ( p-cvu) = CF p = CF / Q + cvu NOTA: Dependendo da informação disponível, podemos calcular cvu, CF, p, 6. A Informação financeira 85

86 Ponto Crítico de Vendas exemplo para a hotelaria Considere um hotel com 50 quartos, que opera 365 dias por ano. Este hotel tem custos fixos e custos variáveis unitários como indicado abaixo. Cada cliente consome produtos que dão uma margem de 2 por quarto/noite. Qual o PREÇO CRÍTICO por quarto/noite? 6. A Informação financeira 86

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira GLOSSÁRIO Capítulo 5 Informação Financeira Este Glossário foi elaborado unicamente para apoiar os slides do Cap.5 da disciplina de Gestão e destina-se a ser utilizado exclusivamente pelos alunos de Gestão

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 Contabilidade II II. Demonstração dos Fluxos de Caixa Introdução CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 2004 2005 2004 ACTIVO AB AA AL AL CAP. PRÓPRIO E PASSIVO Imobilizado Capital próprio Imob.

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904 Escola Superior de Tecnologia e de Beja Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Marques Nº 11904 Paulo Martins Nº 11918 Ruben Estrela Nº 11905 Leonel Fontes Nº 11908 Miguel Baia Nº 11915

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES UNIVERSIDADE DOS AÇORES 2013 RELATÓRIO DE CONTAS RELATÓRIO DE CONTAS 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------4 2 SALDO DE GERÊNCIA-----------------------------------------------------------5

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Parecer do Conselho Fiscal sobre as Contas do Clube dos Galitos relativas ao exercício económico de 2014 1. Introdução O presente parecer do Conselho Fiscal do Clube

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Rui Baptista Financial Issues and Operations in New Venture Development

Leia mais

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS Directores financeiros, Directores Comerciais responsáveis de controlo de crédito, membros de equipas de cobranças, credit managers. Prevenir a cobrança

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 Helder Joaquim Gomes Correia

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS José António Vale josevale @iscap.ipp.pt PROGRAMA PARTE I: ASPECTOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Uma abordagem contextual e sistémica da empresa

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos Curso: Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

Disciplina de Mercado

Disciplina de Mercado Disciplina de Mercado Abril de 2014 GGH PARTNERS PORTUGAL SOCIEDADE GESTORA DE PATRIMÓNIOS, S.A. RUA BARATA SALGUEIRO, 30 7º ESQ./8º 1250-044 LISBOA TEL: +351 21 359 21 80 FAX: +351 21 359 21 89 CAPITAL

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações da análise tradicional e

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Exercícios de Análise Financeira 1. Considere o inventário

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS

Leia mais

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento?

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento? USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 2. (BP) Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do tópico... - Reconhecer os componentes e os grupos

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015

5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 ANEXO 11 BALANÇO (INDIVIDUAL ou CONSOLIDADO) EM XX DE YYYYYYY DE 20NN UNIDADE MONETÁRIA (1) RUBRICAS NOTAS DATAS XX YY N XX YY N-1 ATIVO

Leia mais

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014 PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014 ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS 2011 "Edifícios e Outras Construções": Remodelação das instalações afectas ao serviço de manutenção da frota.

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos).

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos). Controlo de Gestão é o conjunto de instrumentos que visam motivar os gestores a atingir os objectivos estratégicos da empresa, privilegiando a acção e a tomada de decisão em tempo útil e favorecendo a

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Anexo à Instrução nº 16/96

Anexo à Instrução nº 16/96 Anexo à Instrução nº 16/96 SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA SITUAÇÃO ANALÍTICA CONTAS COM SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES

Leia mais

Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço

Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço Isabel Lourenço Professora Associada ISCTE-IUL 1 Aulas Teóricas nº 3 e 4 Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço Financial Accounting, Cap. 1 Short, Short, Libby, McGraw Hill

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

Manual Técnico de Relato Financeiro em XML

Manual Técnico de Relato Financeiro em XML Manual Técnico de Relato Financeiro em XML Ficheiros de Reporte Periódico em Referencial SNC Ver. 1.0 30 dezembro 2013 www.acss.min-saude.pt www.acss.min-saude.pt 1 Página 1 de 82 ÍNDICE 1. FICHA TÉCNICA...

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC Sumário 1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC... 1 1.1 Base Normativa... 1 1.2 Balanço Patrimonial... 2 1.3 Demonstração do Resultado, e do Resultado Abrangente... 4

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010 Ainda Mais Próximo dos Clientes O acesso ao crédito pelas Empresas 10 de Novembro de 2010 Agenda 1. Introdução 1.1. Basileia II. O que é? 1.2. Consequências para as PME s 2. Análise de Risco 2.1. Avaliação

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

Contabilidade II (LEC110)

Contabilidade II (LEC110) Contabilidade II (LEC110) IV. Consolidação de contas III. Consolidação de Contas 1. Perímetro de consolidação 1º ANO ANO LECTIVO 7/8 1. Perímetro de Consolidação A definição do perímetro de consolidação

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 O presente relatório analisa a actividade desenvolvida pelo OPART no primeiro trimestre de 2008 e enquadrada na temporada 2007/08.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional 2009 A Estrutura de Plano de Contas no Mundo Plano de Contas do Reino Unido 1 Ativo 1.1 Ativo Fixo Intangível 1.3 Ativo Fixo Tangível 1.4 Equipamento

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais