FACT'ORING G FABIO KONDER COMPARATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACT'ORING G FABIO KONDER COMPARATO"

Transcrição

1 FACT'ORING G FABIO KONDER COMPARATO 1. Num momento em que o fator tempo coineqa a perder a sua conotaqiio de duraqiio, para assumir exclusivamente a de niovimento; nun1 tip de sociedade ji fundamente transformada, em sua estrutura e psicologia, pelo impact0 do futuro, constitui lugar comum o reconheciliiento de que a organizaqiio da empresa C submetida a um process0 acelerado e ilimitado de transformaq6es, em funq50 da inovaqiio permanente nas tccnicas de produqiio, e nos hibitos de consumo. 0 empresario atilado ji se conformou com a id6a de que nada mais tl definitivo em matcria de organizaqio e administraqiio de uma empresa, salvo o carjter efemero de toda e qualquer organizaqiio. A noqiio de contingente, ligada ao humano, parece, afinal, ter descido concretamente das especulaq6es filos6ficas e das explicaq6es religiosas para o cotidiano de todos n6s. Nessas condiqges, parece 6bvi0, se a 16gica n5o erra, que uma das conclus6es primordiais a se tirar das premissas postas, no que tange A administra- $50 das empresas,,c a necessidade de se proteger e reforqar sempre mais o capital de giro. A alta flexibilidade organizacional constitui, de fato, a tinica vacina contra o envelhecimento precoce, verdadeira epidemia dos tempos de mgdanqa; e a administraqiio dessa vacina P dosada em termos de ativo liquid0 disponivel ou realizivel. A liq5o ji foi aprendida no setor das macro-empresas, com a tkcnica da conglomeraqiio, cujo objetivo declarado C a autogeraqiio de uma massa de recursos financeiros em continua expansho, atravb da dispersho dos riscos empresariais nos mais diferentes setores do mercado. Existiri tambcm, nessa perspectiva, ulna liqiio a ser aprendida pelas pequenas e mcdias empresas? fl 6bvio que a sua sobrevivtncia esti condicionada i sua capacidade de regular expansiio..& simples maiiutenqiio do mesmo volume de negbcios, ou da nlesma taxa de rentabilidade, deixou de ser um objetivo realista, numa economia que f unciona coil1 motor acelerado. B 6bvi0, igualmente, que a preservaqiio ou o incremento do capital de giro C imposiqzo ainda mais categ6rica para esse, tipo de empresa do que para as demais. Ora, o reforqo ou acriscimo do capital de giro C, em grande parte, funqiio do ativo realizivel, e singularmente, dos crcditos contra terceiros. B indispendvel, portanto, obter a sua regular mobilizaqso financeira, e tambcm preservi-10s contra o risco de inadimplemento. At6 hi pouco tempo, esses objetivos eram atirigidos por meio do recurso a tkcnicas distintas, nas quais se especializaram instituiq6es tradicionais : o financiamento bancirio e o seguro de cridito. A operaqiio de factoring se destaca pel0 fato de englobar ambas essas tccnicas, alcm de compreender tambrim urn serviqo de gestho de criditos. 2. Trata-se, fuudamentalmente, cia venda do faturameiito de ulna empres?. Poderianios, pois, denomini-la faturiza- ~iio em portugucs, recorrendo a urn neologism~ cgmodo. Hi, em primeiro lugar, na operaq50, um serviqo de gestiio de crkditos. Efetuadas as vendas, ou executados os serviqos (se se trata de empresa de presiqiio de serviqos), a empresa de fattsrizaqiio se encarrega das demais tarefas : faturamento, emissiio dos titulos de crcdito correspondentes, controle 'de riscas, cobranqa normal, recuperaqiio pela via judicial ou extrajudicial. HA, tambim, urna garantia contra *o risco de irndimplementc, dos crcditos transferidos, quer se trate de simples impontualidade dos devedores, qner,lhm

2 60 XEVISTA DE DIREITO RIERCANTIL - 6 sobrevenha a insolvabilidade, reconhecirla em Juizo pela concordata ou pela falincia. Com efeito, a transferincia de - crc ditos-je ~noclo defigiiivo, set: direito de regrgsso. Basta que os crkdi tos sejam certos quanto a sua existincia, licitos quanto a sua origem e regulares quanto is suas formalidades. Mas o factor, como o segurador de crcdito, nb assume obviamente a garantia dos chamados riscos tkcnicos, isto 6, a ocorrincia de eventos que configurem urn inadimplemento por parte da empresa cedente dos crpditos perante o seu cliente tal como estatuido no art. 8.O da Lei n , de : I - avaria ou n50 recebimento das illercadorias vendidas, quando nlo expedidas ou n5o entregues por conta e risco do comprador, ou falta de prestaq5o do serviqo contratado; I1 - vicios, clefeitos e diferegas na qualidade ou na quantidade das mercadorias vendidas, ou nos serviqos executados; I11 - divergincia nos prazus ou nos preqos ajustados. Por irltimo, a operaqso de faturizaqiir, pode comportar LI~I financiamento, se os crcditos cedidos s5o liquidados no momento da cesslo (conve?ztional factoring), e nlo apenas nas kpocas dos vencimentos respectivos (unaturity factoring). Mas trata-se sempre de financiamento de crkditos a curto prazo (seis, meses no mixinlo). 3. Sua origem relnota se prende i atividade de certos comissirios de comerciantes anglo-saxbnicos, encarregados do armazenamento e da venda de mercadorias nos dois lados do Atl2ntic0, e, que praticavam largamente o star del credere. Mas em sua atual configuraqio, o factoring surge neste sgculo, nos Estados Unidos da Amkrica, conhecenda. desde logo apreciivel desenvolvimento : o volume de neg6cios assim praticados naquele pais passou de 200 milh6es de dhlares, em 1917, a milh6es em 1960, e milh6es em De 16 expandiu-se ao Canadi, a todos os paises da Europa Ocidental, aos paises escandinavos, AustrAlia, Africa do Sul, MPsico, Filipinas e Jamaica. 4. Tal como no seguro de crcdito, a tccnica operacional cla daturizaqlo se funda no principio da globalidade dos crkditos que constituem o seu objeto. I2 todo o faturalnento da empresa, ou todo urn ranlo do seu faturainento (con10 acluele proveniente do conjunto de suas por exemplo), clue deve ser cediclo ao factor. Assirn se procede, n5o s6 para se evitar a seleqlo dos riscos pela empresa faturizada - que seria inclinada a ceder apenas os maus crkdi-- tos - con10.tambcrn de forma a se operar a sua pulverizaqlo, estabelecendo-se, con1 base na lei dos grandes nhmeros, a mais ampla cornpensaqlo entre bons e maus crcditos, fora da qual, aliis, C impossivel o tratainento atuarial dos riscos. Quem seleciona os crkditos, na verdade, C o faturizador, inclependentemente de sua cess5o global. Con1 efeito, se a elnpresa faturizada esti obrigada a transferir ao factor todos os seus crkditos, este Cltimo n5o se obriga, pelo contrato, a aceitar todos eles sob a forma de cessio definitiva, sen1 regresso. Pode reseber alguns deles pro solvesdo, coil1 ou sen1 financiamento. Dai o costume de muitas empresas faturizaclas de consultarem o seu factor, antes de aceitarem pedidos de clientes novos. Colno se vi, o contrato de faturizaqlo, de trato sucessivo, comporta apenas uma definiqio dos crcditos que serio objeto de cessio. Periodican~ente, a empresa faturizada ipresenta a consideraq50 do factor a relaqlo de suas vendas, ou seriiqos execktados, que serio transferidos. Sob esse aspecto, de conseguinte, pode-se reproduzir, em relaqlo ao contrato, a mesma anilise juridica aplichvel As afilices globais de seguro, tambkm cha-

3 DOUTRINA 61 madas apblices de averbaq50. (Cf. o nosso estudo 0 Seguro de C'ridito, Ed. Revista dos Tribunais, SSo Paulo, 1968, ). N5o se trata de uin contrato preliminar OLI normativo, ulna vez que as sucessivas relaq6es de crkditos a ierem transferidos n5o constituem novas manifestagdes de vontade, tendentes A criaqso de novos laqos contratuais, inas sin1 o acertalnento do contehdo especifico do contrato, ji definitivamente concluido. TainbCm 1150 ha multiplicidade de negbcios, Lima vez que a ulterior especificag50 dos crcditos cedidos constitui tso-s6 a fixaqso do conteildo contratual j5 predeterininado genericainente A - transferincia dos crcditos B empresa fafurizadora C acolnpanhada da -A- ' correspondente _- - noi3i~fs~ aosdesdores. Nos Direitos romano-germinicos. colno o nosso, essa formacdade C essential a fim de tornar a cess5o eficaz em relaqso ao devedor (CC, art ). Mas desde que os crcditos transferidos se tnaterializein ein titulos cambiais, ou cambiariformes, colno duplicatas, basta o endosso para tornar o factor legitimado a cobri-10s. No Direito norte-americano, deseuvolveu-se a tccnica do non notification factoring, em razso do preconceito li vigellte de qque a empresa que cede os seus crcditos a terceiro encontra-se em ini situaqso financeira. Neste caso, nso obstante a cessiio, compete ao cedeme faturar os seus crcditos e cobri-los, transferindo em seguida o produto (la cohranga ao factor. preciso, no entanto, atentar para o fato de que a pritica financeira norte-americana desconhece o inecai~ismo do desconto bancirio de titulos de crcdito. Etn paises como o Brasil, onde este hltimo 6 largamente praticado, esse preconceito C inexistente. 6. A remuneraqso da einpresa fa- turiza~~ti~ixa. - sobre o montante global dos crkditos transferidos, e mais juros sobre as quatltias financiadas. A comiss5o representa a contraprestag50 da 'garant- fornecida contra o risco de inadimplemento, bem como a remuneraqiio do serviqo de ges: ts~_do~_ crkditos. Se a cessiio se perfaz pro solvendo, C bbvio que essa comissiio 6. reduzida. Por outro lado, no nzaturity fachoriny, isto 6, na faturizaqgo sem iinanciamento, n5ol hi juros, pois o factor se limita a liquidar os crkditos nos vencimentos respectivos. 7. Pelo seu triplice objeto - garantia, gestso de crkditos, financiamento - a de factoring oferece incontestiveis vantagens As empresas. No que se refere B garantia, C bem de ver que ela supera normalinente a do seguro de crcdito. El11 primeiro lugar, porque este illtimo s6 excepcionalmente tem por objeto o risco de impontualidade do devedor do segurado. Em regra geral, o risco coberto pelo seguro de crcdito C a insolvabilidade do devedor, reconhecida judicialinente pela instauras50 de urn process0 de execuqzo coletiva (concordata, falincia, concurso de credores), ou presumida de determinadas circunstincias (a celebraq50 de uma morat6ria particular 'do devedor com os seus credores, a inexistincia ou insuficiincia de bens a penhorar ou arrestar). 0 risco de inlpontualidade P garantido, entre n6s, no seguro 'de crcdito Q exportagso, "quando o devedor for 6rgSo da administrag50 pilblica estrangeira ou entidade vinculada ao mesmo, ou quando for uln particular con1 a operaqgo garantida por urn destes 6rgSos ou entidades" (Lei n , de , art. 4.O, n. VII). Ji na operaq50 de faturiza- 550, a garaniia prestada pelo factor C a 'I~cuidaqSo dos~criditoscedidos, pel0 menos no vencimento, podendo ainda haver '=antecipagso no conventional factoring. Ademais, as apblices de seguro de crcdito imp6em senlpre um descoberto obrigatbrio, da ordem de 10 a 2075 dos ris-

4 62 REVISTA DE DIREITO MERCANTIL - 6 cos assumidos, enquanto que a garantia da faturizaq50 C sempre dada pelo valor total dos criditos cedidos. Por outro lado, a empresa faturizada, cujos crcditos passaram a ser geridos pel0 facltor, simplifica ao extremo cis seus serviqos administrativos e contibeis, con1 uma correspondente reduqfo de custos. Ela suprime todo o seu serviqo de faturamento e emiss50 dos titulos correspondentes, todo o seu serviqo de cobranqa e de contencioso. A sua prrocupaq5o passa a ser apenas a venda; o resto fica por conta do faturizador. Quanto ao f inanciamento, enf im, a operaqfo de faturizaqiio tambcin podr: oferecer algo que as instituiq6es financeiras convencionais niio oferecem. I3 que o financiamento convencional C concedido em funqfo do financiado, dos seus recursos patrimoniais, do seu indice de liquidez. Em conseqiiincia, as pequcnas e medias empresas, muito embora apresentem boa capacidade de expansiio, disp6em de uin iinanciamenio forqosamente limitado As suas pr6pri:ls dimensdes. Da lnesma forma, a institui- $50 financeira n5o pode concentrar seus emprcstimos a determinada empresa alim de certos limites. No factoring, 34) contririo, o financiamezo leva em conta sohretudo os devedores da empresa f3- turizada. For conseguinte, Lima empre - sa de porte mkdio ou pequeno, malgrado a limitaq50 de seus recursos patrimoniais, pode gozar de uma tnargem de cridito muito superior Aquela norinalmente oferecida pelos Bancos, se a sua clientela C de prin~eira or den^. Como den~onstra a experiencia norte-americana e europcia neste particular, trata-se de uma vantagem apreciivel, sobretudo para os pequenos e mpdios exportadores. 8. Esse conjunto de vantagens, que perinite ao empresirio concentrar-se mais eficazmente na organizaqlo da produq5o e da comercializaqiio, potencializando portanto a capacidade de expan- siio de sua empresa, justifica piena1nente, em certos casos, o custo relativamente elevado da operaq de factorilrg. Ela 6, por isso mesmo, indicada como soluqiio ideal para as pequenas e midias empresas, com limitadas possibilidades de autof inanciamento ou de f inanciamento convencional, e de clientela numerosa. A Cimara Na.ciona1 dos 'Conselheiros Financeiros, na Franqa, indicou, num estudo publicado ein 1966, as empresas para as quais a faturizaqfo C particularmente indicada: 1) empresas cuja situaqiio financeira 6 gravada por elevado montante de criditos n5o mobiliziveis junto ao sistema bancirio; 2) elnpresas de constituiqfo recente; 3) Smpresas de clientela dispersa, continuamente renovada e pouco conhecida pelo empresirio (C o caso, por exemplo, das empresas de exportaqfo, clevendo-se frisar que o factor disp6e geralmente de melhores informaqdes comerciais sobre o conjunto do mercado estrangeiro do que a empresa faturizada) ; 4) empresas em fase de expansiio, e que niio disp6em da necess6ria liquidez para fazer face a demanda crescente: 5) enmesas aue tra- ' ' --..I balham. con1._=, elevadas margens de hcro unitario (lndustrias cle produtos de lexo, 'ou de aparelhos de precis~o, por exemplo) ; 6) empresas de atividade sazonal... Em ~ompensaqfo~ a faturizaqiio 6 dificilmente aconselhadanas seguintes hip6teses : 1) industrias que fabricam produtos pouco elaborados, vendidos com haixa margein de lucro unitirio (siderurgia, mecinica pesada, indcstrias petroliferas, produtos agricolas e agropecuirios) ; 2) e m y e s a w - - tamente ao consumidor; - 3) empresas em situaqso cle oligop6t0, OLI cle monophlio de fato; 4) einpresas con1 reduzida clientela, ou de escasso 9. Tudo isto nos anilna a indagar : C viivel a operaqlo de' faturizaqgo entre n6s?

5 DOUTRINA 63 Deixando para os mais competentes a discuss50 da quest50 no terreno puramente econgmico, gostariamos de trazer A baila algumas consideraq6es de ordem juridica sobre pontos de importincia para um eventual desenvolvimento dessa atividade em nosso pais. Em primeiro lugar, quanto a anilise juridica da operaq50. A cess5o de crcditos, que constitui I_._-- - essencla da faturizaq50, n% - pareclg., sii~~ilivelti~dcono bjncirio. A obse~a<~o-~-beif5cmat&ia de maturity factoriirg, na qual n5o existe qualquer adiantamento do valor dos crcditos cedidos, tnuito embora exista em doutrina quell1 sustente a possibilidade juridica do desconto de titulos vencidos (cf. Raul Cervantes Ahumada, Titulos y Oieraciones de Crbdito, 5." ed., Mkxico, pig. 246, n. 2). Na verdade, a diferenqa nio ie encontra no fato de que o desconto bancirio ten1 gerallnente por objeto titulos cambiais, ou cambiariformes, con10 a duplicata, enquanto que a faturizaqzo pode incidir s'obre qualquer tipo de crcdito 'a hrto prazo, ainda que nlrepresentado por titulo -de -<FCdito. A pritica =_ --._-_- bancrir~a, tanto aqui conlo alhures, n5o desconhece o desconto de crkditos representado por simples titulos de ou lneros documentos probatbrios (~01110, entre nbs, as chamadas ''wedi- ~O"ES') de obras phblicas assinaclas pelo empreiteiro e o fiscal do ~Poder Publico), n50 havendo en1 Direito nenhum obsticulo a que assim se proceda (cf. Gijcomo Molle, I Contratti Bancaui, Milso, 1966, pig No MCxico a "Lei Geial de Titulos e OperaqBes :le CrCdito", de 1932, chega a regular urn desconto de crkditos lanqados nos livros de um comerciante, arts. 255 e segs. Mas a sua aplicaq5o pritica C nenhuma, coino informa Raul Cervantes Ahumada, ob. cit., pig. 250). A diferenqa especifica se encontra no fato de clue o desconto C sempre operado pro solvendo, enquanto que a cess5o de crcditos faturizados C feita sem direito de regresso do factor contra o cedente. N5o obstante, como vimos, nem sempre a empresa de factoring aceita os crkditos cedidos sem direito regressivo. Em tais hipbteses, 5e tiver havido adiantamento do seu valor ao cedente, ter-se-i uma autentica operaq50 de desconto. A assimilaq5o C perfeita com o chamado desconto a forfait no qual justamente o descontador abre In50 do regresso. contra o descontirio. Mas con10, la se salientou virias vezes em doutrina, essa operas50 6 impropriamente drnominada de desconto, tratando-se na verdade de uma aquisiq5o onerosa de crcdito, ou compra e venda de titulo de crcdito (cf. Molle, op. cit., pig. 323; Gustavo Miiiervini, Sconto Bancario, Nipoles, 1949, pig. 9s). N5o hi, assim, mera estipulaqzo de garantia, aincla que cot11 a cliusula del c,redere, na atividade do faturizador, pois ele n50 4 inero garante do pagamento dos.crcditos fat~~kizados, mas seu adquirente. A parantia banciria del cfedere u n5o substitui o devedor pelo Banco garante. mas torna este Gltinlo devedor so- - lid6ri0,.= - sen~-i;firessoipei-ant< op gagn- -=- -._-a = - tldo. Por lsso inesmo. vindo opba6co a Y = cluebirar, o garantido iontinua coin o direito de agir diretamente contra o devedor primitive. A atividade da empresa de factoring n5o se confunde, destarte, corn aquela prbpria das Confirming Houses britiinicas, que operam no conicrcio exportaclor, e que se liinitam a prestar garantia cle pagamento das exportaqdes. 10. TambCm 1150 hi confundir a faturiza~so con1 os contratos de abertura de crcdito documentirio confirmado. En1 primeiro lugar, porque eles representam um financiaillento do conlprador e n50, do vendedor, na compra e venda h distincia. Ademais, e sobretudo, por,que o Banco creditador, ou confirmador, n60 aparece con10 sucessor a titulo singular,

6 64 DOUTRINA ou subrogado, do seu financiado, perante a outra parte, illas con10 simples delegatirio para pagamento. A compra e venda continua a subsistir nas relaqdes entre o financiado e seu credor, podendo se n~anifestar, por exemplo, nas reclainaqbes quailto A qualidade das mercadorias vendidas e i existincia de vicios redibithrios. Ji no factoring, ulna vs cedidos os crkditos, a-_empress faturic- --- zadora assuiif'-a integral posiq5o juridica do cedente perante o cedido, n5o 'obstante possa se reservar-o direito :le em iegresso contri-aquele. A rela- 50 juridica permanece bilateral, n5o assumindo nunca a trilateralidade tipica.la abertura de crkdito confirmado fulcro da operaqgo C, portanto, a cess5o de crcdito a titulo oneroso. En1 nosso Direito: "n5o vale. em relacgo a terceiro, a transmissio de um crcdito, se se n5o celebrar mediante instrtlmento ptiblico, ou instruinento particular revestido das solenidades do art. 135", isto 6, subscrito pelas partes e por duaj testemunhas (CC, art ) ; e "saliro estipulaq50 em contririo, o cedente n5o responde pela solvincia do devedor" (mesmo Chdigo, art ). Mas quando hi emiss50 de titulos d_e crkdito, a sua transferincia obedece n regras prbprias. Assim, nos titulos h order~~, hi necessiclade de endosso. Ora, a regra do art do C6digo Civil brasileiro 6 compativel coil1 o endosso? El11 outras palavras, admite-se a cliusula "sen? garantia" no endosso cambial? fi sabido clue no regime do Decreto n , de 1908, a doutrina sen1 discrepincia ten1 lhe negado validacle cambial, interpretando a maior parte dos autores o disposto en1 seu art. 44, n. IV, con10 proibitivo dessa cliusula, (cf. Carvalho de Mendonqa, Tratado de Direifo Co~ercial Brasileiro, vol. V, 2." parte, 5." ed., n. 686; Jo5o Eunipio Borges, Titz~los de Cridito, 1971, n. 82; Pontes de Miranda, Tratado de Direito Priva- do, 3." ed., totno XXXIV, pig. 332). i-\ Lei Unifornle de Genebra, ao contririo, adn~ite-a expressalnente (art. 15). Se esta lei entrou em vigor em nosso pais, como decidiu o Supremo Tribunal Federal, deve-se reconhecer, por via de conseqiiincia, que ao endosso de duplicatas tambiru se aplica a cliusula "sem garantia", por iorqa da norina remissiva contida no art. 25 da Lei n , tlc No entanto, ainda que se n5o admita a sua validade para efeitos cambiais, e bem de ver que ela produz todos os seus efeitos entre as partes que a pactuaram, constituindo ulna defesa de mcrito na eventual aq5o de regress0 que o endossatirio intente contra aquele que Ihe endossou o titulo. 12. Outra quest5.0 juridica de importincia, para a admissibilidade das operaqdes de factoring entre nhs, C a que diz respeito i qualificaqio da einpresa faturizadora. Resultando essa qualifica- ~5o da natureza da atividade por ela exercida, a quest50 se torna delicada 110 caso, dada a coinplexidade dessa atividade. Com efeito, o contecdo normal das operaqdes de faturizaq50 consiste, como vimos, no trinbmio "garantia - gest5o de crcditos - financiamento". No azatzrrity factori.llg, essa tiltinla opera550 C eliminada, limitando-se o factor h gestso dos criditos e ao seu pagalllent0 no vencimento. A einpresa que se dedicasse, portanto, exclusivainente a esse tip0 deaiaturiziq50 ;I~-O poderia ser considerada instit~~igso finailceira Acontece, porim, clue o factoring nunca se implanta ein uill pais sen1 financiamento, coino a experi6ncia tell1 demonstrado at6 agora. Para vencer as naturais resisdncias psicol6gicas do empresariado, e enfrentar a concorrit~cia, torna-se indispensivel a pritica do conventional fnctoring, pelo menos 110s primeiros tempos.

7 REVISTA DE DIREITO MERCANTIL Na Franqa, o Conselho Nacional do CrCdito decidiu que todas as sociedades que desejasseil~ desempenhar essa atividade deveriam adotar o estatuto de "estabelecimento f inanceiro", o que implica a adesiio a Associaq50 Profissional dos Estabelecimentos Financeiros, a submiss50?i fiscalizaqiio do Conselho Nacional do CrCdito, a proibiq5o de receher dep6sitos do pgblico, e a manutens50 constante de uma percentagein fixa entre o montante de seus emprcstimos e o dos seus recursos pr6prios. No entanto, ao que parece, n5o estiio os Rancos iinpedidos de operar conlo factors (cf. Louis E. Sussfeld, Le Factoring, Paris, 1968, pig. 24). Na Itilia, a Lei banciria de considera azienda di credit0 aquela que recebe depbsitos do phblico, restringindo sua atividade ao crcdito a curto prazo. Ao seu lado, porcm, t6m proliferado "sociedades f ilzanceiras", que trabalham unicamente com capitais pr6prios. As empresas faturizadoras seriam assimiladas a estas (cf. Renzo Bianchi, I1 Factoring e i problevtzi gestionali che conzporta, Turim, 1970, pig. 96). Em nosso pais, diante do texto ainplissinio do art. 17 da Lei n , de 1964, n5o hi a menor dhvida de ques empresas que praticassem o conventiofiol fa_cto~nz A serial11 consideradas institui q6es financeii, e por coliseguinte dependeiites de prkvia autoriza~iio do Banco Central do Brasil para seu regu- * lar f uncionarnento. Todo o uroblem:~ consiste en1 saber se haveria necessidacle de se criar u111 novo tipo de instituiqso financeira para o exercicio da faturizaqiio, ou se algum dos ji existentes pocleria desempenhi-la. Excluidas as cooperativas de crcd~to, as sociedades de credit0 imobiliirio, e os Bancos de investii~lento ou de desenvol-. vimento, cujo campo operacional 6 incompativel com o exercicio do factoring, restariam os Bancos coinerciais e as so- ciedades de crcdito e financiamento. A rigor, norma algunia do Direito legislado ou regulamentar impede os primeiros de deseinpenhar o papel de factors; e o trinbn~io "garantia - gest5o de crkditos - financiamento" niio lhes C absolutamente estranho, tanto n~ais que tudo se compde,. af inal con10 procuramos demonstrar, no mecanismo de uma cesse~ onerosa de criditos a curto prazo, ou conlpra e venda de titulos de crkdito (e nlo de valores mobiliirios). 55 o mesmo n5o se poder6 dizer clas sociedades de crkdito, financiamento e investimento, produto hibrido do sistema financeiro anterior a 1964, e que a partir de ent5o foi sendo paulatinamente reduzido i c6ngrua dos Bancos comerciais. Hoje ell1 dia, por forqa do disposto na Resoluqio n. 103, de , do Banco Central, as financeiras devem concentrar a totalidade dos recursos recebidos do phblico, atravcs da negociaqiio de letras de ciimbio de seu aceite, no crcdito ao consumidor oa usuirio final. 0 Governo n5o lhes tirotl ainda a possibilidade de financiar, com recursos pr6prios, a produq5o ou o comkrcio, mas a rigor n5o precisa faz6-lo: o baixo nivel de capitalizaq50 dessas SOciedades, e a elevada percentagem dos crcditos em liquidaq5o que mantcn1, ell1 geral, em suas carteiras, n5o as aninla evidentemente a fazer concorrtncia aos Bancos. E ainda hi pouco vimos as autoridades oferecer ulll Banco cle Inves- timento a quell1 levasse do n~ercado cinco financeiras em clificuldades, o que tornou de imediato, pela inc6inoda lei da oferta e cla procura, lnais elevado o valor da carta-patente de uma financeira ell1 situaq5o de iliquidez patrin~ollial do que a de uma outra absolutamente limpa Por outro lado, n5o se pode confundir a garautia prestada pela empresa faturizadora com uma atividade seguradcra do crcdito. A operaq5o de seguro C essencialtllente de ressar,cimento,

8 66 DOUTRINA ou de reparaq5o das conseqiiencias da criar a Sociktk Frarigaise de Factorinq. realizaqso de un~ risco determinado. A Bancos e companhias de seguro verso garantia do segurador se concretiza sem- nisto a vantagem de obter a rnesma dispre numa indenizaqso, o que sup6e a persso de riscos com uina maior conprcvia ocorrcncia do sinistro. Como de- centraq50 de negbcios, o que representa senvolvemos em nossa tese sobre o se- apreciivel fator de reduqzo de custos, guro - de crpdito (Ed. Revista dos Tri- em sua atividade operacional. bunais, SSo Paulo, 1968, pigs. 98 e De nossa parte, pensamos que a introsegs.), esse tip0 de seguro difere nitida- dug20 de uina ticnica operacional nova mente dos neghcios bancirios de garantia pela sua estrutura e pela sua causa juridica. Pela sua estrutura, porque o Banco fidejussor responde pela dividn do seu cliente, enquanto que o segurador do crcdito tem responsabilidade por dp- bit0 prbprio. Quanto?i causa, porque a obrigaq5o do segurador C de indenizaqiio, ao passo que a obrigaq50 do garante bancirio C de adimplemento (a Evf iillungspflicht da dogmitica alem5). NSo cremos, portanto, que as compinhias seguradoras sintam invadida a sua seara pel0 exercicio do factoring. Aliis, o que a experiincia estrangeira esta a indicar C que faturizaqzo e seguro de cridito s50, na verdade, atividades complementares. 8, assim, freqiiente que o factor cubra os seus negbcios, no todo ou em parte, com o seguro de crcdito. Conlo C normal recorrer ele prbprio, em lugar das empresas faturizadas, ao crcdito bancirio. Na Franqa, a principal companhia de seguro de credit0 interno - a SociBti Frangaise d'dssurance pour Favoriser le CrBdit - associou-se em 1964 a um grupo de quatro Bancos para e. audaciosa como a faturizaqb, qualquer que seja a soluq50 a ser adotada, nso deveria ser perinitida a n5o ser a instituiq6es financeiras que n5o captern recursos do pilblico, ou a Bancos comerciais que apresentenl um montante de recursos prbprios e um indice de liquidez patrimonial em niveis btimos, a serem periodicamente definidos pelo Conselho Monetirio Nacional. 14. Seja como for, tima coisa C certa: se se quiser nlodernizar a economia brasileira, potencializando os sells recursos materiais e humanos, n50 basta apostar tudo na grande empresa. 8 imperioso, qualquer que 'seja a politica adotada (e esperamos que o seja democraticamente), estabelecer condiq6es para o desenvolvimento das pequenas e mcdias atividades empresariais, nos setores em que elas disp6em de elevada capacidade concorrencial. 0 factoring pode se revelar uma dessas condiq6es. Seria leviano descarti-lo antes de iniciado o jogo. ' BIBLIOGRAFIA Christian Gavalda e Jean Stoufflet, Le Conlrui dit de factoril~g, em "Juris Classeoz~r Pkriodique", Paris n. 51, dezembro de 1966; Gisbert ICnopik, Factorit~g. Ein neuer Weg der Absatzfinatzsierung z~nd der Kreditsicltcrung, Ed. Fritz Verlag, Frankfurt, 1960; Faus G. Monroe, verbetes Factor e ifacforiny, na The Encyclojaedia Awzericana, vol. 10, pig. 697; Leonardo S. Petix, Aspetti Tecnici del Factoring Gujdo Pestana Editore, Roma : Louis E. Sussfeld; LC Factoring, Presses Universitaires de France, Paris, 1968 ; Renzo Bianchi, 'li Factoring e i Prob/effai gestiottali che colr~poria, G. Giappichelli Editore, Turim, 1970; Sergio Terzani, Aspetti Ecoicot~zici e Finaftziari dell'attivttd di Factorirtg, Editore Colombo Cursi, Pisa, 1969; e, William Clyde Phelps, The role of Factoring in nzoderit business finances, Commercial Cre dit Co., Baltimore, 1956.

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1 128 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Fomento Mercantil Mariana Moreira Tangari Baptista 1 O contrato de faturização, fomento mercantil ou factoring é um contrato

Leia mais

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING)

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) ELAINY MORAIS GONÇALVES* Pós-Graduada em Direito Público 1. Introdução Em face da estreita faixa de sobrevivência imposta às pequenas

Leia mais

DÉCIO XAVIER GAMA Desembargador aposentado

DÉCIO XAVIER GAMA Desembargador aposentado DÉCIO XAVIER GAMA Desembargador aposentado 1) É o contrato de câmbio simples pacto de compra e venda de coisa trato é a moeda estrangeira, e o seu preço se apura pela indicação da taxa de câmbio do dia,

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring 114 O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring Leonardo Cardoso e Silva 1 O factoring é uma atividade comercial, mista e atípica, que

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA FÍSICA)

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA FÍSICA) 1 (PESSOA FÍSICA) Os signatários assumem plena responsabilidade pelas informações ora prestadas, esclarecendo, ainda, que os documentos comprobatórios de sua veracidade se encontram em poder da CORRETORA.

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS

FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS COMO SE ENQUADRA A FUNÇÃO FINANCEIRA NA EMPRESA? A função financeira abrange as tarefas relacionadas com a gestão dos recursos financeiros, nomeadamente, a obtenção

Leia mais

Capítulo III DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Capítulo III DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL Sumário Capítulo I EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO COMERCIAL 1. Origens do direito comercial 2. Da definição do regime jurídico dos atos de comércio 2.1. Definição e descrição dos atos de comércio e sua

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA JURÍDICA)

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA JURÍDICA) 1 (PESSOA JURÍDICA) FDR CORRETORA DE MERCADORIAS LTDA., com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua São Bento, 470 11º andar, CEP: 01010-001, inscrita no CNPJ sob o nº: 03.249.263/0001-27,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Espera-se que o(a) examinando(a) elabore ação revocatória, com fulcro no art. 130 e ss. da Lei n. o 11.101/2005: São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores,

Leia mais

O devedor originário responde se o novo devedor for insolvente e esta insolvência não for de conhecimento do credor.

O devedor originário responde se o novo devedor for insolvente e esta insolvência não for de conhecimento do credor. 3.2 Cessão de Débito ou Assunção de Dívida A cessão de débito traduz um negócio jurídico bilateral pelo qual o devedor, COM EXPRESSA AUTORIZAÇÃO DO CREDOR (CC, art. 299), transfere a um terceiro a sua

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

EMPRESARIAL III REVISÃO AV2

EMPRESARIAL III REVISÃO AV2 REVISÃO AV2 DIREITO OLHA AÍ, GENTE... HOJE É DIA DE REVISÃO!!!! APROVEITEM!!!! DE REVISÃO AV2 DIREITO REVISÃO PARA AV2 10: NOTA PROMISSÓRIA 11 : DUPLICATA 12 : CHEQUE PARTE I 13: CHEQUE PARTE II 14 : CONTRATOS

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I EMITENTE e assim doravante designado(a): CNPJ/CPF n : II AVALISTA(S) e assim doravante designado(s): 1. CNPJ/CPF n : 2. CNPJ/CPF n : 3. CNPJ/CPF n : III GARANTIDOR(A) e assim doravante designado(a):

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal:

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal: 1 PONTO 1: Cláusula Penal PONTO 2: Formação dos contratos PONTO 3: Arras PONTO 4: Extinção PONTO 5: Classificação dos contratos PONTO 6: Vícios redibitórios 1. Cláusula Penal: Estrutura da cláusula penal:

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

Nº 70007931553 COMARCA DE PORTO ALEGRE ACÓRDÃO

Nº 70007931553 COMARCA DE PORTO ALEGRE ACÓRDÃO FACTORING. REVISÃO CONTRATUAL. DUPLICATAS. DESÁGIO. JUROS. RECOMPRA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. ENDOSSO. CESSÃO DE CRÉDITO. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. DESCABIMENTO. 1 - O contrato de factoring não constitui negócio

Leia mais

X CONGRESSO DE DIREITO DO SEGURO E PREVIDÊNCIA Vitória, 04 a 05 de março de 2016. Reunião do GNT Garantia

X CONGRESSO DE DIREITO DO SEGURO E PREVIDÊNCIA Vitória, 04 a 05 de março de 2016. Reunião do GNT Garantia X CONGRESSO DE DIREITO DO SEGURO E PREVIDÊNCIA Vitória, 04 a 05 de março de 2016 Reunião do GNT Garantia MARÇO DE 2016 Reunião do GNT Garantia Comparativo do seguro garantia entre o Brasil e alguns países

Leia mais

TTULO. Seminário sobre Financiamento

TTULO. Seminário sobre Financiamento TTULO 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Definição Descrição dos movimentos Modalidades do Factoring Perfil do Cliente de Factoring Segmentação por tipo de actividade O FACTORING Exemplo de Algumas condições

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

Número do processo: 1.0378.01.002540-1/001(1)

Número do processo: 1.0378.01.002540-1/001(1) Número do processo: 1.0378.01.002540-1/001(1) Relator: WAGNER WILSON Relator do Acordão: WAGNER WILSON Data do acordão: 19/10/2006 Data da publicação: 29/11/2006 Inteiro Teor: EMENTA: PRECLUSÃO DA MATÉRIA

Leia mais

AULA 04 SFN: GARANTIAS PESSOAIS

AULA 04 SFN: GARANTIAS PESSOAIS 1 2 1. Compreender Aval, Fiança e Endosso; 2. Conceituar Carta de Crédito; 3. Diferenciar Aval de Endosso; 4. Diferenciar Aval de Fiança. 3 I INTRODUÇÃO II - DESENVOLVIMENTO 1. CONCEITO DE DIREITOS DE

Leia mais

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO Renato Braz Mehanna Khamis Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professor do

Leia mais

Se gostar, deixe um comentário, marque os amigos, compartilhe! Sigam o nosso Periscope para aulas diárias: @gabrielrabelo87 RESUMO DIREITO SOCIETÁRIO

Se gostar, deixe um comentário, marque os amigos, compartilhe! Sigam o nosso Periscope para aulas diárias: @gabrielrabelo87 RESUMO DIREITO SOCIETÁRIO Olá, pessoal! Tudo bem? A seguir, um pequeno resumo da parte de direito societário! Servirá para aqueles que estão estudando para Exame da OAB, concurso da área jurídica, fiscal, policial, etc. Se gostar,

Leia mais

CRÉDITO FUNDIÁRIO MINUTA A SER UTILIZADA PARA FORMALIZAÇÃO DE INDIVIDUALIZAÇÃO COMPRA E VENDA DESMEMBRAMENTO

CRÉDITO FUNDIÁRIO MINUTA A SER UTILIZADA PARA FORMALIZAÇÃO DE INDIVIDUALIZAÇÃO COMPRA E VENDA DESMEMBRAMENTO CRÉDITO FUNDIÁRIO MINUTA A SER UTILIZADA PARA FORMALIZAÇÃO DE INDIVIDUALIZAÇÃO COMPRA E VENDA DESMEMBRAMENTO INSTRUMENTO PARTICULAR COM FORÇA DE ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL, DE ASSUNÇÃO

Leia mais

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring)

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) 162 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 A atividade de fomento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vícios Da Execução Fundada Em Nota Promissória[1] Waldemir Banja[2] Sabemos todos que a nota promissória, possivelmente o mais popular e o mais utilizado dos títulos de crédito entre

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

Fomento mercantil (factoring) e duplicata no Direito brasileiro

Fomento mercantil (factoring) e duplicata no Direito brasileiro Fomento mercantil (factoring) e duplicata no Direito brasileiro Fernando Gomes Schettini 1, fmiradouro@yahoo.com.br 1. Especialista em Direito Civil e Processual Civil pela Universidade Veiga de Almeida

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1 CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA I PARTES: a) Sócia 2, doravante denominada simplesmente PROMITENTE VENDEDOR CEDENTE;

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

CAPíTULO 3 CLASSIFICAÇÃODOS TíTULOS DE CRÉDITO

CAPíTULO 3 CLASSIFICAÇÃODOS TíTULOS DE CRÉDITO CAPíTULO 3 CLASSIFICAÇÃODOS TíTULOS DE CRÉDITO Podemos classificar os títulos de crédito quanto: ao modelo, à estrutura,,)5 hipóteses de emissão e à circulação: 1. QUANTO AO MODELO Os títulos poderão 1.1.

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum.

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum. NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum. Na sequência da aprovação e publicação do Novo Código de Processo Civil, muito

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes CNPJ nº 16.975.644/0001-35 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40) Demonstrações Financeiras Referentes ao Período de 08 de Julho de

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 166 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL VENDA DE VEÍCULOS USADOS. CONTA PRÓPRIA. INTERMEDIAÇÃO.

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

Código Civil. Parte Especial - Arts. 304 a 420. TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações. CAPÍTULO I Do Pagamento

Código Civil. Parte Especial - Arts. 304 a 420. TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações. CAPÍTULO I Do Pagamento Código Civil Parte Especial - Arts. 304 a 420 TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações CAPÍTULO I Do Pagamento Seção I De Quem Deve Pagar Art. 304. Qualquer interessado na extinção da dívida

Leia mais

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL Capítulo VII Fomento Comercial OUTUBRO 2013 O fomento mercantil consiste na prestação de serviços com as seguintes características: I O prestador dos

Leia mais

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME ESTE É O SEU MILLENNIUM. www.millenniumbcp.pt SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME TUDO O QUE PRECISA DE SABER ÍNDICE 01. CASH ON

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Natureza e Requisitos

Natureza e Requisitos ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Natureza e Requisitos 001 O que são sociedades cooperativas? As sociedades cooperativas em geral estão reguladas pela Lei nº 5.764, de 1971 que definiu a Política Nacional

Leia mais

ebook Grátis - Limpe seu nome passo a passo

ebook Grátis - Limpe seu nome passo a passo www.consultacpfonline.com.br ebook Grátis - Limpe seu nome passo a passo 2 1 - Cheque sem fundo O que é? O cheque é um título de crédito e também uma ordem de pagamento à vista. É considerado um título

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A base de cálculo do ICMS nas vendas à vista, a prazo e financiada. Jacque Damasceno Pereira Júnior * Sumário: 1 - Introdução; 2 Da Base de Cálculo do ICMS; 3 Da Base de Cálculo

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social Legislação Decreto-Lei n.º 411/91, de 17 de Outubro Publicado no D.R. n.º 239, série I-A, de 17 de Outubro de 1991 SUMÁRIO : Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo 1 Contrato de Fiança. 1 Geli de Moraes Santos M. Araújo Sumário: Resumo. 1. Introdução. 2. Natureza jurídica da fiança. 3. Espécies de fiança. 4. Requisitos subjetivos e objetivos. 5. Efeitos da fiança.

Leia mais

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA

CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA CLÁUSULA 1 De comum acordo, as PARTES CONTRATANTES abaixo definidas, celebram o presente CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA, doravante apenas CONTRATO, na forma

Leia mais

QUANTO AO SEU VÍNCULO

QUANTO AO SEU VÍNCULO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO GUSTAVO GUSMÃO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO 1. INTRODUÇÃO Dentre as diferentes modalidades das obrigações, encontramos as obrigações atinentes ao vínculo que liga seus

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio.

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio. DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa data futura, é normal que entregue ao credor um título de crédito, que é o comprovante dessa dívida. Todo título de crédito tem uma data

Leia mais

LOTEAMENTO E AS POSSIBILIDADES DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PELO EMPREENDEDOR

LOTEAMENTO E AS POSSIBILIDADES DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PELO EMPREENDEDOR LOTEAMENTO E AS POSSIBILIDADES DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PELO EMPREENDEDOR Sumário: 1. Os loteamentos 2. A cessão, caução e alienação fiduciária 3. A securitização de recebíveis 4. Conclusão Rénan Kfuri

Leia mais

NOVA LEI DE FALÊNCIAS: RECUPERAÇÃO JUDICIAL

NOVA LEI DE FALÊNCIAS: RECUPERAÇÃO JUDICIAL NOVA LEI DE FALÊNCIAS: RECUPERAÇÃO JUDICIAL Iran Santos Nunes a Iran Santos Nunes Júnior b Márcio Medeiros Oliveira c Mariana Pirkel Tsukahara d RESUMO A Lei nº 11.101/2005, apelidada de Nova Lei de Falências,

Leia mais

O consulente não juntou outros documentos aos autos.

O consulente não juntou outros documentos aos autos. PROCESSO Nº : 24.482-1/2015 INTERESSADO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA HELENA ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO JOSÉ CARLOS NOVELLI PARECER Nº : 072/2015 Excelentíssimo Senhor Conselheiro:

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

A importância económica do factoring

A importância económica do factoring A importância económica do factoring P o r A n t ó n i o C i p r i a n o S i l v a O factoring pode ser definido com uma contrato de prestação de serviços que visa a cessão de créditos a curto prazo, derivados

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2003 A COIMPPA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2003 A COIMPPA A COIMPPA A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Integrantes do Ministério Público e do Poder Judiciário do Estado do Pará Ltda - COIMPPA, foi criada em 23/11/1994. NOSSA MISSÃO Como sistema de

Leia mais

O PERFIL DAS EMPRESAS DE FACTORING NA CIDADE DE TOLEDO (PR)

O PERFIL DAS EMPRESAS DE FACTORING NA CIDADE DE TOLEDO (PR) ROTTA, B. L.; LIMA, J. F. 185 O PERFIL DAS EMPRESAS DE FACTORING NA CIDADE DE TOLEDO (PR) Balnei Lourenço Rotta 1 Jandir Ferreira de Lima 2 ROTTA, B. L.; LIMA, J. F. O perfil das empresas de factoring

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Alteração REGULAMENTO (CE) Nº 40/94 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 1993 sobre a marca comunitária O CONSELHO

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ESTATÍSTICA - 1ª REGIÃO DF, AC, AM, AP, GO, PA, RO, RR NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012.

CONSELHO REGIONAL DE ESTATÍSTICA - 1ª REGIÃO DF, AC, AM, AP, GO, PA, RO, RR NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012. NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012. Trata dos procedimentos nos termos da legislação tributária vigente relacionada a anuidade, juros, multa, isenção, dívida ativa, execução fiscal e outras providências. 1. Na

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Nesta data, faço os autos conclusos ao MM. Dr. Juiz Leonardo de Castro Gomes. Em 08/05/2013. Sentença

Nesta data, faço os autos conclusos ao MM. Dr. Juiz Leonardo de Castro Gomes. Em 08/05/2013. Sentença Fls. Processo: 0482611-20.2012.8.19.0001 Classe/Assunto: Procedimento Sumário - Dano Moral Outros - Cdc; Cobrança de Quantia Indevida E/ou Repetição de Indébito - Cdc; Promessa de Compra e Venda / Coisas

Leia mais

Condições Contratuais Gerais

Condições Contratuais Gerais Condições Contratuais Gerais (Phoron do Brasil Ltda.) 1. 1. Fundamentos gerais / área de aplicação 1.1. Para todas as transações legais entre o Contratante e nossa empresa (Contratada; Phoron) aplicamse

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS! Alternativa de financiamento para as empresas e segregação de risco para os investidores! Principais elementos! A Estruturação da operação! Vantagens / Desvantagens Autora:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO ANEXO VI MINUTA DO CONTRATO PROCESSO Nº 23346.003113/2015-46 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 31/2015

Leia mais

2o O estatuto e o regulamento do FGCN deverão ser examinados previamente pelo CPFGCN antes de sua aprovação na assembléia de cotistas.

2o O estatuto e o regulamento do FGCN deverão ser examinados previamente pelo CPFGCN antes de sua aprovação na assembléia de cotistas. MEDIDA PROVISÓRIA - 462, DE 14 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre a prestação de apoio financeiro pela União aos entes federados que recebem recursos do Fundo de Participação dos Municípios - FPM, no exercício

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 281 - Data 14 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO, CÂMBIO E SEGUROS OU RELATIVAS

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova os Pronunciamentos Técnicos CPC 38, 39 e 40, do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que tratam do reconhecimento e mensuração, da apresentação e da evidenciação de instrumentos financeiros. A PRESIDENTE

Leia mais

FACULDADE UNIÃO DE CAMPO MOURÃO UNICAMPO CLÁUSULA PRIMEIRA

FACULDADE UNIÃO DE CAMPO MOURÃO UNICAMPO CLÁUSULA PRIMEIRA Página 1 de 6 Eu, cujos dados estão supracitados, doravante denominado(a) de ALUNO(A), venho por meio deste instrumento contratar o Instituto Makro União de Pós-Graduação e Extensão Ltda., pessoa jurídica

Leia mais