O FOMENTO MERCANTIL E AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O FOMENTO MERCANTIL E AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS"

Transcrição

1 O FOMENTO MERCANTIL E AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 46ª Reunião do Comitê Temático Formação Capacitação Empreendedora Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Brasília - DF LUIZ LEMOS LEITE Presidente da ANFAC

2 ORIGENS HISTÓRICAS 2

3 1. Origens Históricas do Factoring Império Romano O termo factoring tem suas raízes latinas, uma vez que, em Roma, o factor designava a pessoa que exercia o comércio por conta de um terceiro, um intermediário. FACTOR, IS substantivo da 3ª declinação latina que, para os romanos, era o agente mercantil. Tem sua origem no verbo facere agir, fazer, desenvolver e fomentar. Traduzimos, para o português, como fomento mercantil. Portanto, por suas origens etimológicas, é um étimo anglolatino. 3

4 Colonização da América cotton factor e textile factor 1808 constituição da 1ª empresa de factoring em Nova Iorque William Iselin & Co papel desempenhado pela empresa Walter Heller & Co de Chicago na disseminação do factoring pela Europa. 4

5 2. Factoring no Brasil 1968 BC Primeira fiscalização em um banco de investimentos (Lei nº 4.728/65) fundação da ANFAC Circular BC nº 703, de Instrução Normativa nº 16, de , do DNRC Circular BC nº 1359, de Resolução CMN nº 2144, de Circular BC nº 2715, de

6 3. Convenção Diplomática de Ottawa maio de 1988 Promovida pelo UNIDROIT (Institut International Pour l Unification Du Droit Privé) Com o objetivo de elaborar um projeto de legislação uniforme em matéria de factoring, o UNIDROIT executou um profundo trabalho confiado a uma comissão de empresários, técnicos e juristas realizado durante 14 anos (1974/1987). O documento final é extremamente importante, ainda que se ocupe do comércio internacional, porque trouxe elementos e considerações oportunos e compatíveis com a realidade do factoring doméstico. 6

7 Dentre suas conclusões convém ressaltar aquela que estabelece que a operação de factoring deve ter como característica a continuidadee a conjugação de alguns desses serviços ou atividades: I. prestação de serviços a pequenas e médias empresas do setor produtivo, a saber: a) acompanhamento comercial e das contas a receber e a pagar; b) exame da situação creditícia da empresa compradora dos produtos; c) seleção e avaliação de fornecedores; d) cobrança; e) outros serviços 7

8 II. suprimento de recursos: a empresa-cliente poderá ceder, no todo ou em parte, à empresa de factoring direitos (créditos) decorrentes de contratos de venda de seus produtos (venda mercantil), excluídas as transações de consumo. III. proteção contra a falta de pagamento pelos devedores. 8

9 SERVIÇOS DE FACTORING 9

10 4. Os Serviços de Factoring Toda espécie de serviço ou trabalho lícito, material ou imaterial, pode ser contratada mediante retribuição (Art.594 do Código Civil) É uma atividade mercantil mista atípica que, por definição, abrange duas modalidades operacionais de negócios bem distintas e inconfundíveis: a prestação de serviços, os mais variados e abrangentes, e a compra de direitos creditórios originados de recebíveis mercantis. Dessa forma, de um lado, a sociedade de fomento mercantil (contratada) é credora de um valor a receber pelos serviços que presta, desenvolve ou vende, e de outro, devedora de um valor a pagar decorrente da compra dos créditos, objeto da operação de factoring, realizada com suas empresas clientes (contratantes). O FACTORING é, portanto, uma atividade dicotômica, que compreende prestação de serviços e compra de créditos, ou seja, direitos creditórios originários de vendas mercantis realizadas por suas empresasclientes, ou seja: 10

11 Prestação de Serviços A empresa de fomento mercantil, pela prestação de serviços, é credora de um valor correspondente à remuneração pelos serviços de apoio prestados à empresa-cliente, de pequeno e médio porte, com o objetivo de otimizar a sua capacidade gerencial e reduzir seus custos de gestão tanto os de caráter administrativo como os operacionais e contábeis. A base cálculo é o valor dos serviços prestados excluída a parcela do diferencial entre a compra dos direitos creditórios e a sua realização pela empresa de fomento. A receita decorre da cobrança da aplicação de mão-de-obra, seja qual for sua natureza, que, contabilmente, proporciona, um Fator Modificativo, no patrimônio da empresa, mediante entrada de um valor financeiro a ser adicionado, sem que, em contrapartida, haja a saída de outro bem ativo. Pela prestação é cobrada uma comissão ad valorem, portanto não é pro rata temporis. 11

12 Compra dos direitos creditórios Na compra dos direitos creditórios, a empresa de fomento mercantil é devedora pelo pagamento do preço pelo qual são negociados os créditos derivados única e exclusivamente da atividade empresarial exercida por sua cliente na relação com os compradores de seus produtos, sacados devedores. Esta receita decorre de uma legítima transação de venda e compra de um bem móvel, operação que proporciona contabilmente e inicialmente, apenas, um Fator Permutativo, ou seja, a entrada de um bem móvel, representado pelo título de crédito adquirido, a ser incorporado ao patrimônio da empresa de fomento mercantil, em contrapartida à saída de um valor financeiro para pagamento do bem adquirido. Como a transação é onerosa, o diferencial obtido também resulta em um Fator Modificativo, contribuindo para aumento do patrimônio da empresa de fomento, porém de origem diversa do que ocorre na prestação de serviços. Na compra dos direitos creditórios é praticado o fator de compra calculado pro rata temporis. 12

13 O factoring é um mecanismo complexo de serviços, variados e abrangentes, que se instaura mediante um contrato celebrado entre as empresas-clientes e a empresa de fomento mercantil. A empresa de fomento mercantil se compromete a prestar serviços, em caráter contínuo, que vão desde o acompanhamento das atividades básicas de suas empresas-clientes até a compra de direitos creditórios, representados por títulos de crédito gerados geneticamente das vendas mercantis por elas realizadas. De ressaltar que a empresa de fomento não negocia qualquer tipo de crédito, apenas aqueles gerados de vendas mercantis efetuadas por suas empresas-clientes. A empresa-cliente, de pequeno é médio porte, recorre ao fomento mercantil pela necessidade de racionalizar alguns aspectos organizacionais e administrativos de sua gestão e, de outro lado, para satisfazer as necessidades de seu ciclo operacional. O factoring existe para suprir as lacunas da pequena e média empresa. 13

14 O fomento mercantil, pelo seu caráter de multisserviços, oferece às suas empresas-clientes alguns benefícios, como, por exemplo: a) parceria, aconselhamento nas suas decisões importantes e estratégicas; b) menor envolvimento e preocupação do empresário com as atividades rotineiras, liberando-o para melhor gestão empresarial: novos produtos e mercados; c) aprimoramento da produção e venda: redução dos custos operacionais melhorando a competitividade do seu negócio; d) equalização do fluxo de caixa, transformando vendas a prazo em vendas à vista; e) melhores condições de negociação com fornecedores; f) limite concedido também em relação ao sacado. Análise do padrão creditício do sacado-devedor. 14

15 A empresa de fomento mercantil tem de conhecer com profundidade suas empresas-clientes, de estreitar o relacionamento com sua clientela e ser sua parceira. Entendo que o fomento mercantil é técnica de otimização dos meios de gestão de suas empresas-clientes. A realidade da economia brasileira, com o elevado nível de liquidez atual, sinaliza que as empresas de fomento têm a necessidade de estreitar cada vez a sua parceria com as empresasclientes, ampliando... Nos outros países, particularmente na Europa, as empresas de factoring alavancam seus lucros com a prestação de serviços, que lá representa 80% a 90% de suas receitas e operam com um ad valorem de 1% e um fator de compra baixo. 15

16 No Brasil hoje nossas empresas auferem uma receita da ordem de 30% oriunda da prestação de serviços e 70% do diferencial na compra dos direitos creditórios. Insisto em que o elemento diferenciador das atividades de fomento mercantil é a prestação de serviços. Hoje em dia a concorrência é acirrada no mercado de fomento e no sistema bancário. As empresas de fomento mercantil não podem prescindir de uma estrutura de serviços eficientes e cada vez mais abrangentes de assistência a suas empresas-clientes. 16

17 CONTRATO DE FOMENTO MERCANTIL 17

18 CONTRATO DE FOMENTO MERCANTIL Todos os negócios realizados pela empresa de fomento mercantil devem ser consolidados na celebração do contrato. É o contrato de fomento mercantil, que é uma inovação por nós idealizada e colocada em prática, a partir de agosto de 1989, que se destina a abrigar os negócios efetuados entre as empresasclientes e a empresa de fomento. Portanto, o fim do contrato de fomento mercantil consiste em colocar à disposição das empresas-clientes uma gama de serviços para suprir suas deficiências na área administrativa, organizacional e mercadológica, bem como para propiciar-lhe os recursos necessários a atender ao seu processo produtivo e a suas necessidades financeiras. 18

19 OPERAÇÃO DE FOMENTO MERCANTIL Cliente: Insumos Industriais Ltda Data da Operação: Prazo: 45 dias Valor: R$ ,00 Ad Valorem: 1,00% Fator: 3,00% 19

20 Valor de Face dos Títulos Ad Valorem Diferencial na Compra dos Títulos Desembolso Líquido/Contratante IOF Normal (0,0041% ao dia)* IOF Adicional (038%) Total do IOF Desembolso Líquido ,00 100,00 450, ,67 17,66 36,29 53, ,05 Receita Operacional Receita Operacional Impostos PIS COFINS IR CSLL ISS *ADIn 1763/1998 (%) Carga Tributária 550,00 362,13 9,08 41,80 82,50 49,50 5,00 34,16 20

21 FACTORING EXPORTAÇÃO 21

22 FACTORING EXPORTAÇÃO No âmbito internacional, a operação de factoring prevê a presença de 4 agentes comerciais: 1. a empresa-cliente exportadora; 2. a empresa de fomento mercantil export factoring; 3. a empresa importadora; 4. a empresa de fomento mercantil import factoring 22

23 No caso específico do factoring exportação, o exportador pode beneficiar-se com os seguintes serviços: a) proteção contra o não-pagamento: b) o import factoring assume o risco no caso de insolvência e falta de pagamento pelo importador por causa de dificuldades financeiras. Em países da Europa e da Ásia já se eliminou a carta de crédito; c) capital de giro: o export factoring paga até 80% do valor do negócio ao exportador, possibilitando uma fonte permanente de recursos, que vai facilitar o crescimento das vendas e um planejamento mais eficiente do seu cash flow; 23

24 d) cobrança: os problemas de cobrança de difícil solução nos processos de crédito documentário são removidos com a utilização do factoring. Como na outra ponta da operação deve atuar o factoring importação, representando o importador, a cobrança é executada por pessoal experimentado e conhecedor da situação do país do importador. Da atuação do factoring nas duas pontas, resulta pronta solução das pendências que surgirem; e) hedge contra flutuação do câmbio: o factoring exportação pode providenciar uma cobertura antecipada do câmbio para proteção contra flutuações de câmbio; f) identificação do cliente: o factoring oferece um serviço de apoio de grande valia ao exportador que deseja expandir suas vendas no exterior, apoiando-se nas informações sempre atualizadas levantadas pelo factoring importação. 24

25 FUNCIONAMENTO O funcionamento do export factoring obedece aos seguintes passos: 1. o exportador já deve ser cliente de uma companhia de factoring; 2. o exportador solicita um limite de crédito à companhia de factoring em função de seu importador; 3. o factoring exportação contacta uma congênere sua no país do importador; 4. o factoring importação procede a uma análise de crédito do importador. Aprovado o crédito, assume o factoring importação o risco até o limite que foi fixado; 25

26 5. aprovado o crédito pelas duas pontas (o factoring exportação e o factoring importação), e pronta a importação, o factoring paga 80% do valor da exportação; 6. o exportador embarca a mercadoria e notifica o importador que todos os direitos relativos àquela transação foram cedidos e devem ser pagos à factoring importação; 7. uma vez embarcadas as mercadorias, a factoring exportação envia uma cópia da documentação à factoring importação; 8. de posse da cópia da documentação, a factoring importação efetua a conferência, contabiliza o montante das vendas efetuadas e passa a administrar sua cobrança; 9. a factoring importação remete para a factoring exportação 100% do valor da transação, menos as comissões acertadas, e vai receber do importador. 26

27 Como no factoring doméstico, também no factoring exportação há dois elementos de custo: 1. service fee: O service fee é calculado com uma porcentagem do valor bruto da exportação que está sendo efetuada. É cobrado para fazer face aos serviços administrativos a cargo da companhia de factoring, assim como para a proteção de crédito. Varia de 0,75% a 2,05%; 2. preço de negociação dos direitos cambiais: Até 80% do valor bruto da transação negociado entre as partes. 27

28 O factoring exportação é acessível a todas as empresas que vendem para o exterior. Indústrias, tradings e empresas de serviços podem utilizar-se dos serviços prestados pela factoring exportação. Há, entretanto, algumas atividades que não se ajustam ao factoring, como, por exemplo: a) vendas efetuadas em consignação ou cláusulas restritivas; b) vendas com prazo superior a 180 dias; c) vendas a entidades governamentais e d) vendas a empresas coligadas. Essas são as condições e os procedimentos observados nos negócios internacionais do factoring realizados na América do Norte, Europa e Ásia. Entendemos ser o factoring exportação mais uma alternativa válida e eficiente para incrementar nossas vendas ao exterior, bem como atrair e dar apoio ao segmento ponderável de pequenos e médios empresários até agora impossibilitados de entrar no comércio exterior. 28

29 No caso específico do Brasil, temos a ponderar que: a) do ponto de vista legal e administrativo parece não haver qualquer óbice; b) deve ser permitida a inclusão do service fee nos custos, que deverá ser reembolsado pelo importador e consignado na guia de exportação; c) à companhia de factoring caberão os serviços de: 1. fundeamento dos recursos necessários; 2. aprovação do cadastro do importador; 3. negociação no mercado de câmbio brasileiro das condições de fechamento da exportação; 4. assessoria ao exportador: 5. no despacho aduaneiro; - na obtenção da guia de exportação; - na contratação de embarque; - no fechamento do câmbio junto à corretora e - no recebimento do valor total da exportação. 29

30 VANTAGENS O factoring, mecanismo genuinamente da iniciativa privada, só poderá acarretar vantagens à nossa economia. Sem necessidade da intervenção governamental, sem subsídios ou qualquer outra espécie de recursos do governo, vem para facilitar, aumentar, agilizar e privatizar todo o nosso processo de exportação, tornando mais competitivos os preços dos nossos produtos no mercado internacional, sem necessidade do aporte de recursos do governo, como muitas vezes acontece. Esse ponto, na realidade, tem sensibilizado nossas autoridades e vários empresários já interessados em entrar no mercado internacional. O factoring internacional (o de exportação e importação) ajusta-se a todas as medidas governamentais específicas baixadas, propiciando melhoria do grau de liquidez da economia interna, hoje praticamente estancada pela escassez de linhas externas para o Brasil. 30

31 Finalmente, entendemos ser de extrema importância enfatizar que, por meio do factoring internacional, pode o empresário brasileiro produzir e vender mais, porque vai praticamente receber a vista o valor dos seus créditos, oferecendo, sobretudo ao pequeno e médio empresário, uma opção concreta de atender a todas as suas necessidades e suas aspirações de expandir para fora do país as suas vendas. Urge implantar o factoring no Brasil, que só acarretará vantagens a nossa economia, principalmente agora, quando o Governo decidiu abolir subsídios e estímulos e não tem recursos disponíveis em montante suficiente a atender aos nossos exportadores, que vivem num terrível dilema: não sabem se trabalham para sobreviver ou se sobrevivem para trabalhar, sem qualquer perspectiva de lucro. O pequeno industrial nem pode pensar em exportar. 31

32 O factoring tem todas as condições para viabilizar o sucesso na política brasileira do comércio exterior, suprindo as deficiências de capital, ampliando o mercado interno e garantindo a lucratividade dos negócios, sem criar, em contrapartida, a exigibilidade de ônus para o Tesouro Nacional e a exacerbação do processo inflacionário. Não é fazendo dívidas que se constrói uma nação. É desenvolvendo as suas potencialidades comerciais sem os excessivos controles governamentais. Vendendo, comprando e lucrando se resolvem todos os problemas e se superam as dificuldades. 32

33 33

34 PROJETO DE LEI 34

35 PLC Nº13/2008 Este projeto de lei, oriundo da Câmara dos Deputados, e lá aprovado em dezembro de 2006, foi encaminhado ao Senado Federal em março de Em abril de 2008, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, tendo por relatora a Senadora Serys Slhessarenko. No momento, encontra-se na CAE Comissão de Assuntos Econômicos do Senado fase final do processo legislativo. O projeto é composto de 17 artigos que buscam regulamentar a atividade de fomento mercantil, desde a definição até as penalidades. 35

36 Seu artigo 2º define fomento mercantil: Art. 2º Entende-se por fomento mercantil para os efeitos desta Lei a prestação contínua por sociedade de fomento mercantil de um ou mais das seguintes modalidades operacionais de negócios a sociedades que tenham por objetivo o exercício das atividades mercantis ou de prestação de serviços, bem como a pessoas que exerçam atividade econômica em nome próprio e de forma organizada: I. acompanhamento de processo produtivo ou mercadológico; II. III. IV. acompanhamento de contas a receber e a pagar; seleção e avaliação de clientes, devedores ou fornecedores; compra, à vista, total ou parcial, pela sociedade de fomento mercantil de direitos creditórios no mercado nacional ou internacional. 36

37 Parágrafo único. Por direitos creditórios entendem-se os direitos e títulos representativos de crédito, originários de operações realizadas nos segmentos comercial, de agronegócio, industrial, imobiliário, de prestação de serviços e de warrants; contratos mercantis de compra e venda de produtos, mercadorias e/ou serviços para entrega ou prestação futura; bem como títulos ou certificados representativos desses contratos. 37

38 Em seu artigo 3º o projeto prevê que as operações deverão ser objeto de contrato específico. O artigo 4º indica as partes do contrato. O artigo 5º estabelece que as operações realizadas com títulos de crédito deverão conter o endosso em preto. O artigo 6º trata do objeto social exclusivo das sociedades de fomento mercantil. O artigo 7º cuida do nome empresarial que deve conter a expressão fomento mercantil, sendo vedada a utilização do vocábulo banco ou qualquer outra expressão que possa a vir a identificar estas sociedades como instituição financeira. 38

39 O artigo 8º define como componentes da receita a comissão de prestação de serviços cobrada ad valorem e o diferencial na aquisição de créditos e outras operações que não sejam típicas de instituições financeiras. Dos artigos 10 a 15 o projeto traz as penalidades e disposições que visam disciplinar a atividade de fomento mercantil, que deverá ser da competência de um órgão supervisor a ser designado pelo Poder Executivo. O artigo 16 fixa o prazo de 180 dias para adaptação das sociedades de fomento mercantil já estabelecidas a partir da data de entrada em vigor da lei. 39

40 DADOS ESTATÍSTICOS 40

41 DIRECIONAMENTO DAS OPERAÇÕES Segmento Empresarial Metalurgia 25,00% 25,75% 26,00% 26,50% 25,50% 26,00% Outras Indústrias 31,00% 20,00% 19,50% 18,50% 19,50% 20,50% Têxtil e Confecção 8,00% 10,75% 10,50% 9,00% 8,00% 7,50% Química 4,00% 4,75% 5,00% 5,25% 6,00% 5,50% Gráfica 3,50% 4,00% 3,50% 3,75% 4,00% 3,00% Transportes 1,00% 1,75% 1,50% 1,25% 1,50% 1,75% Sucro-Alcooleiro 1,50% 2,50% 3,50% 4,75% 4,50% 4,75% Prestação de Serviços 11,00% 14,00% 13,50% 13,75% 14,00% 13,75% Empresas Comerciais 15,00% 16,50% 17,00% 17,25% 17,00% 17,25% 41

42 FATOR ANFAC a 2008 FATOR DE COMPRA % Jan 28,07 30,67 8,36 6,64 4,55 4,79 4,52 4,20 3,80 3,89 4,42 4,24 4,55 4,52 3,96 3,96 Fev 25,64 32,96 8,32 6,73 4,43 4,75 4,85 4,16 3,77 3,88 4,40 4,40 4,57 4,51 3,95 3,95 Mar 24,73 34,56 8,90 6,61 4,28 4,64 5,10 4,12 3,83 3,82 4,40 4,40 4,60 4,51 3,94 3,95 Abr 27,00 36,80 9,29 6,51 4,25 4,55 4,92 4,01 3,89 3,83 4,40 4,39 4,62 4,42 3,92 3,98 Mai 26,64 35,30 9,07 6,23 4,24 4,50 4,82 3,99 3,89 3,81 4,43 4,41 4,63 4,35 3,91 3,99 Jun 27,09 35,40 9,00 5,89 4,20 4,42 4,79 3,97 3,93 4,10 4,39 4,40 4,64 4,31 3,90 4,01 Jul 27,42 9,85 9,02 5,60 4,20 4,33 4,75 3,91 4,10 4,04 4,36 4,42 4,63 4,29 3,90 4,02 Ago 28,22 10,40 8,49 5,44 4,15 4,20 4,70 3,88 4,04 4,04 4,34 4,43 4,63 4,24 3,91 4,03 Set 28,83 8,58 8,11 5,25 4,13 4,50 4,56 3,87 4,03 4,01 4,33 4,45 4,62 4,13 3,92 4,00 Out 28,55 8,46 7,85 5,02 4,10 4,55 4,40 3,85 3,97 4,25 4,28 4,46 4,61 4,06 3,93 Nov 29,47 8,71 7,72 4,78 4,96 4,50 4,39 3,87 3,95 4,37 4,25 4,49 4,58 3,99 3,94 Dez 31,26 8,36 7,28 4,70 4,80 4,49 4,35 3,83 3,90 4,38 4,24 4,51 4,55 3,96 3,96 42

43 CARTEIRA (R$ bilhões) 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 8,60 6,10 3,46 2,11 0,60 1,50 0,0025 0,

44 80,00 75,00 70,00 71,00 65,00 60,00 60,00 55,00 50,00 50,00 45,00 42,50 40,00 35,00 30,00 25,00 24,32 27,40 30,06 34,50 20,00 15,00 11,40 13,35 16,22 18,76 10,00 5,00 0,

45 COMPOSIÇÃO DO FUNDING 83,43% 81,17% 81,10% 12,12% 14,01% 12,15% 4,45% 4,82% 6,75% Capital Próprio Mútuo de Sócios Linhas de Crédito Bancário 45

46 Perfil do empresário rio filiado à ANFAC outros profissionais 5% contadores 10% economistas 28% engenheiros 15% advogados 20% administradores 22% 46

47 Perfil do empresário rio filiado à ANFAC Administradores 22% Advogados 20% Contadores 10% Economistas 28% Engenheiros 15% 700 empresas filiadas Do total de empresários: - 50% oriundos de bancos; - 60% com idade superior a 40 anos. outros profissionais 5% 47

48 RELEVANTES FUNÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO FOMENTO MERCANTIL Sociedades de fomento mercantil: Filiadas à ANFAC 700 Giro de carteira anual R$ 60 (2006) e R$ 71 bilhões (2007) empresas clientes de pequeno e médio porte. 2 milhões de empregos diretos e indiretos. Tributos recolhidos diretamente pelas sociedades de fomento mercantil, R$ 350 milhões. Estimativa dos tributos recolhidos pelas empresas-clientes, aproximadamente, R$ 150 milhões. 48

49 CONGRESSOS BRASILEIROS DE FOMENTO MERCANTIL I 06 a São Paulo SP II 09 a Fortaleza CE III 04 a São Paulo SP IV 06 e São Paulo SP V 14 a São Paulo SP VI 10 a São Paulo SP VII 19 a Rio de Janeiro RJ VIII a Porto Alegre RS IX 18 a São Paulo - SP X 2010 Recife/PE 49

50 WORKSHOPS - REUNIÕES TÉCNICAS 1. Workshop Regional junho/2006 Cuiabá/MT 2. Workshop Regional agosto/2006 Bauru/SP 3. Workshop Regional agosto/2006 Rio de Janeiro/RJ 4. Workshop Regional outubro/2006 São José do Rio Preto/SP 5. Lançamento da TV ANFAC fevereiro/ Encontro Técnico SERASA janeiro/2007 São Paulo 7. Encontro de Secretários Exec. dos SINFACs fev/2007 SP 8. Encontro Técnico de Fomento Mercantil maio/2007 RJ 50

51 9. Encontro Técnico SERASA agosto/2007 São Paulo 10.Palestra IBRACON setembro/2008 São Paulo 11.Reunião Técnica Equifax outubro/2007 São Paulo 12.Palestra CRC outubro de 2007 São Paulo 13.Workshop Regional março/2008 Bauru/SP 14.Fórum Técnico Operacional abril/2008 Vitória/ES 15. Reunião Técnica do Fomento Mercantil maio/2008 Salvador/BA 16.Reunião Técnica do Fomento Mercantil junho/2008 Recife/PE 17.Reunião Técnica do Fomento Mercantil junho/2008 Rib. Preto/SP 51

52 ENCONTROS JURÍDICOS 1. EMERJ junho/ Itaipava/RJ 2. Tribunal de Justiça outubro/2004 Recife/PE 3. Santa Catarina outubro/ Florianópolis/SC 4. Fomentando Direito fevereiro/2005 Vitória/ES 5. Fomentando Direito APAMAGIS setembro/2005 SP 6. Encontro Nacional dos Advogados março/2006 Brasília/DF 7. Encontro Paranaense de Advogados abril/2006 Curitiba/PR 8. Fomentando o Direito junho/2006 Cuiabá/MT 9. Fórum Jurídico Amazônico setembro/2006 Belém/PA 10.Encontro Jurídico setembro/2006 Belo Horizonte/MG 52

53 11. Encontro de Magistrados outubro/2006 Curitiba/PR 12. Encontro Nacional dos Advogados - maio/2007 Rio de Janeiro/RJ 13. Encontro Jurídico TJ Goiás junho de 2007 Goiânia/GO 14. Encontro dos Advogados julho de 2007 Porto Alegre/RS 15. Fórum Jurídico Nacional outubro de 2007 Jarinu/SP 16. Encontro Jurídico da Magistratura Cearense outubro de 2007 Fortaleza/CE 17. I Curso de Reciclagem ANFAC/Escola Paulista de Magistratura mar/2008 São Paulo 18. Encontro Nacional dos Advogados maio/2008 Curitiba/PR 19. Jornada Jurídica do Fomento Mercantil julho/2008 Recife/PE 53

54 GEOGRAFIA DO FACTORING Américas 150,3 11,6% Europa 929,8 71,6,% África 10,7 0,82% Ásia 174,6 13,4% Oceania 33,7 2,6% TOTAL : 1, trilhão em 2007 (Fonte: FCI) 54

55 R.Mário Amaral, º andar São Paulo - SP Tel: (11)

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados, especializado em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A1-AB98 6/1/2010 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL PORTFÓLIO INSTITUCIONAL Fundada em 01/08/2006 a PILLAR ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA - ME é uma empresa formada por profissionais capacitados, com o objetivo de prestar assessoria em serviços técnicos e

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio

Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio 1 2 WWW.HEDGE.COM.BR Grupo Hedge Fundado em 1996, o Grupo Hedge é formado pelas empresas Hedge Recuperação de Crédito, Hedge Participações e Hedge Representações.

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados Crédito Imobiliário O Crédito Imobiliário é uma modalidade de financiamento que viabiliza a compra de um imóvel usado

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou Prestação de serviços entre empresas Proteção para o Ativo

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL Capítulo VII Fomento Comercial OUTUBRO 2013 O fomento mercantil consiste na prestação de serviços com as seguintes características: I O prestador dos

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes.

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. FORMAS DE PAGAMENTO E SEGUROS (ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. 1. Na modalidade denominada carta de crédito,

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA EXPORTAR? Já participou de feiras internacionais do setor? Você pode adequar/modificar seu produto? Seu site e catálogos

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU:

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU: CIRCULAR N 2.722 Estabelece condições para remessa de juros a titular, sócios ou acionistas estrangeiros, a título de remuneração do capital próprio, calculado sobre as contas do patrimônio líquido, bem

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO?

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? Tiziane Machado(*) Antes de iniciarmos uma discussão sobre securitização é importante definirmos o termo: Securitização é um processo através do qual

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda OPERAÇÕES DE CÂMBIO CÂMBIO Câmbio é toda compra, venda ou troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou papéis que o representem ou vice-versa. No Brasil em decorrência da atual legislação, sempre uma

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

Prezados (as) senhores (as), Esclarecemos que:

Prezados (as) senhores (as), Esclarecemos que: Prezados (as) senhores (as), Esclarecemos que: Cada uma das Juntas Comerciais tem um porte relacionado ao movimento da prestação de serviços na respectiva unidade da federação e, portanto, uma estrutura

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Ana Carolina Rovida de Oliveira Especialista em Direito da Economia e Empresarial I INTRODUÇÃO A estabilização

Leia mais