A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL ANA PAULA WLOCH A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO. TUBARÃO, JULHO DE 2006

2 ANA PAULA WLOCH A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO. Monografia apresentada à Diretoria de Pósgraduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, para a obtenção do título de especialista em MBA Gestão Empresarial. Orientador: Prof.(Dr). Jailson Coelho TUBARÃO, JULHO DE 2006.

3 RESUMO Com o presente trabalho pretendemos colocar a realidade das empresas de factoring em nosso país, visto que ainda é um segmento novo e pouco difundido, gerando interpretações e conceitos errôneos. Pretendemos ainda analisar como tal segmento pode contribuir para auxiliar seus potenciais clientes: as micro e pequenas empresas, através dos variados serviços prestados pela atividade do fomento mercantil. Para isso, daremos uma visão panorâmica desse novo segmento que ainda consolida-se em nosso país, utilizando-se, para tanto, da pesquisa bibliográfica e de um estudo de caso de uma empresa de fomento mercantil. Palavras-chave: Factoring; fomento mercantil; fomento comercial; micro e pequenas empresas.

4 LISTAS DE TABELAS Tabela 1 - Modalidades de factoring praticadas no Brasil...23 Tabela 2 - Classificação das empresas por pessoas empregadas...36 Tabela 3 - Classificações de micro e pequenas empresas...36 Tabela 4 - Taxa de mortalidade brasileira, distribuidas por regiões...43 Tabela 5 - Funcionários da Factoring AA...52 Tabela 6 - Clientes da Factoring AA...53 Tabela 7 - Faturamento dos clientes da Factoring AA...54

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FACTORING Origens Históricas Modalidades Factoring Convencional Factoring Trustee Factoring Maturity Factoring Matéria-Prima Factoring Exportação Benefícios e Vantagens Prestação de Serviços MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Classificação Características Importância Econômica Dificuldades Enfrentadas A Falta de Capital de Giro METODOLOGIA APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS CONCLUSÃO...58 REFERÊNCIAS...61

6 5 1 INTRODUÇÃO Representando aproximadamente noventa e nove por cento do número total de empresas existentes no Brasil, as micro e pequenas empresas exercem papel incontestável na economia do país, como geradoras de empregos, riquezas e elevada participação no PIB (Produto Interno Brasileiro), assim contribuindo para o desenvolvimento econômico e também social do país. Por representar tamanha importância em nosso país, deveriam encontrar maiores incentivos governamentais. Porém, o que se observa, é a altíssima taxa de mortalidade encontrada nesse segmento de pequenas empresas, fato que se explica basicamente pelas dificuldades em se conseguir créditos e elevadas taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras. Faz-se necessário ás micro e pequenas empresas a busca por alternativas mais rentáveis para concessão do capital de giro, imprescindível para incrementar, desenvolver e fortalecer o segmento. Nesse cenário, surge uma alternativa: as sociedades de fomento mercantil (factorings). A atividade de fomento mercantil é caracterizada pela prestação contínua de variados serviços, os quais resultam na aquisição dos créditos de sua empresa-cliente, oriundos exclusivamente das vendas mercantis ou de prestação de serviços a prazo. Entretanto, tal alternativa ainda é pouco conhecida e difundida entre as micro e pequenas empresas, deixando assim de auxiliar, beneficiar e expandir esse importante segmento. O presente trabalho tem como objetivo identificar quais são os variados e abrangentes serviços que uma empresa de factoring pode oferecer a seu mercado

7 6 alvo, além de analisar como tais serviços podem auxiliar e desenvolver seus clientes, gerando maior lucratividade para ambas empresas. Para isso, faz-se necessário conhecer o funcionamento de uma empresa de factoring, analisando os serviços prestados, bem como identificar e relacionar seus clientes. Para tal, utilizamos uma pesquisa bibliográfica, um estudo de caso analisando uma empresa de factoring e da experiência prática vivenciada nesses sete anos de contato direto com o mercado de factoring.

8 7 2 FACTORING O termo factoring é uma expressão inglesa, atualmente universal, bastante difundida e praticada em mais de cinqüenta países. Segundo Donini (2002, p. 04), sua derivação vem do latim factor, cujo radical origina-se do verbo facere, que significa agir, fazer, desenvolver e fomentar. Diversos autores conceituam factoring como atos que envolvem a cessão de créditos, antecipação de recursos não financeiros e a prestação de serviços (que podem ser convencionais ou diferenciados, conjugados ou separados) entre duas partes: a empresa de factoring (que no Brasil também são conhecidas como sociedades de fomento comercial ou fomento mercantil) e a empresa-cliente. Donini (2002), Rizzardo (2000) e Markusons (1997) utilizam também as expressões faturizadora e faturizada, para denominar, respectivamente, empresas de factoring e empresas-cliente. Atualmente, o factoring é caracterizado como uma atividade comercial ou mercantil, um mecanismo de livre iniciativa empresarial, baseado na prestação contínua dos mais variados e abrangentes serviços, oferecidos para as micro, pequenas e médias empresas, seu mercado-alvo, sendo conjugado pela compra de bens ou serviços produzidos pelas mesmas. Leite (2005, p. 4) utiliza uma definição simples e que projeta um maior entendimento sobre o significado da atividade: factoring é uma atividade comercial mista atípica = serviços + compras de créditos (direitos creditórios) resultante de vendas mercantis. Rizzardo (2000, p. 09) define as atividades de factoring como a aquisição ou compra do crédito ou dos ativos financeiros das empresas comerciais ou

9 8 industriais, com expansão para o fomento mercantil e outros setores, como a assessoria empresarial, a gestão dos créditos, a administração de contas a receber e o planejamento da política creditícia (considerados os serviços oferecidos pelas empresas de factoring). Observa-se que a definição utilizada atualmente por diversos países do termo factoring foi aprovada na Convenção Diplomática de Ottawa, em maio de 1988, da qual participou o Brasil com mais cinqüenta e três nações, segundo dados retirados do site da ANFAC (Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring). Na Convenção Diplomática de Ottawa foram discutidos variados aspectos relativos ao tema factoring, baseados em estudos desenvolvidos por vários países ao longo de quatorze anos. Aprovou-se através dessa convenção, o texto de um contrato de factoring destinado a negócios entre os países então participantes, além da constituição de um acordo internacional, em que foram signatários cinqüenta e três países, inclusive o Brasil. Portanto, a empresa que realiza a atividade de factoring é uma sociedade mercantil, tanto limitada quanto anônima, cuja existência legal nasce com o arquivamento de seus atos constitutivos através da Junta Comercial, não sendo necessária a prévia autorização do BACEN (Banco Central do Brasil) para funcionar, pelo fato de não ser enquadrada como instituição financeira. Não é uma atividade financeira porque não pode fazer captação de recursos de terceiros, nem intermediar para emprestar estes recursos como fazem os bancos. Rizzardo (2000, p. 26) explica: (...) a finalidade que leva a constituir uma empresa de factoring nunca será a coleta de recursos monetários e a intermediação o que é característica dos bancos.(...) Verdade que sua maior finalidade consiste na aplicação de

10 9 recursos, mas de recursos próprios e não de terceiros. Não se lhes permite a captação de dinheiro, sob pena de passar a desempenhar uma atividade específica de bancos. A partir disso, percebe-se que o objetivo do fomento mercantil não é descontar títulos ou cheques, muito menos fazer financiamentos. Sua finalidade é o fomento mercantil, fomentar, assessorar e promover o desenvolvimento e parceria com o micro e pequeno empresário. As empresas de factoring são comerciais e desenvolvem atividades bastante complexas, onde se conjuga prestação de serviços com a compra de direitos creditórios resultante de vendas mercantis de suas empresas-clientes, dependendo, como já visto, fundamentalmente de recursos próprios. É uma atividade bastante complexa, embasada na prestação de serviços, amplos e abrangentes, que necessitam de sólidos conhecimentos de mercado, de gerência, de matemática financeira, estratégia operacional e contabilidade, para assim exercer uma relação de parceria com seus clientes e promover o desenvolvimento nacional, conforme Markusons (1997, p. 39) explica: O factoring constitui uma atividade de fomento mercantil que se destina a ajudar, sobretudo, o segmento das pequenas e médias empresas a expandir seus ativos e aumentar suas vendas. É uma atividade ampla e complexa, que exige conhecimentos de mercado, matemático-financeiro de estratégia empresarial, com sentido de parceria. No Brasil, essa atividade existe oficialmente desde 1982, quando foi fundada a ANFAC (Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring), entidade civil que presta apoio técnico e operacional as empresas de factoring a ela filiadas. De acordo com dados da ANFAC, as empresas de factoring brasileiras, atualmente, atendem mais de setenta mil micro, pequenas e médias

11 10 empresas brasileiras, movimentando cerca de R$: 2,5 bilhões a R$: 3 bilhões por mês, representando anualmente um giro de R$: 29,8 bilhões, aquecendo assim a economia do país. O ciclo operacional do factoring compreende dois estágios distintos: iniciase com a prestação de serviços contínuos de apoio a empresa-cliente (que serão descritos posteriormente), indispensáveis para a realização do factoring, e conclui-se com a compra de créditos gerados pelas vendas mercantis da empresa cliente. Leite (2005, p. 16) explica esse ciclo: (...) o factoring compreende uma relação complexa, de múltiplas funções. Só se opera com factoring se ocorrer a combinação de funções e serviços executados de forma continua, que pode ter por conseqüência a compra de bens ou serviços produzidos por uma empresa comercial ou industrial, representados pelos direitos creditórios decorrentes de suas vendas mercantis a prazo. Esse encadeamento é essencial. Infelizmente, em nosso país, essa atividade ainda é pouco conhecida e difundida pela sociedade e pelo mercado em geral. Tal fato pode ser explicado pela sua complexidade e também pelo pouco tempo de sua existência, como já visto, o factoring iniciou-se suas atividades no Brasil apenas no ano de 1982, com a fundação da ANFAC. Como conseqüência da pouca difusão e desconhecimento, gera uma série de conceitos, desvios e percepções errôneos, classificando-a como mera troca de cheques e duplicatas, ou simplesmente uma agiotagem legalizada, contribuindo para o desencadeamento de empresas que praticam ilegalmente a agiotagem. Rizzardo (2002, p. 117) explica: Ocorre que muitas empresas têm apenas a denominação ou a fachada de factoring, dedicando-se, no entanto, a concessão de crédito, ou de pequenos empréstimos pessoais, numa típica atividade bancária. Embora

12 11 camuflando o exercício de assessoramento financeiro, ou de compra de ativos, na verdade atua com o crédito, cobrando altos juros, numa verdadeira prática de agiotagem. Ao contrário disso, factoring é uma atividade extremamente importante para a economia do país e também para auxiliar mais de três milhões de micro, pequenas e médias empresas existentes no Brasil, segundo dados do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Por isso, faz-se necessário o esclarecimento e divulgação da atividade de fomento mercantil. Domini (2004, p. 5) explica: Alternativa de crédito e de sobrevivência às micro, pequenas e médias empresas, a factoring ainda é vista, por puro desconhecimento, como uma agiotagem ou operação bancária disfarçada. A ignorância sobre essa importante atividade, de extrema função social e fundamental relevância na economia do país, necessita urgentemente de esclarecimentos, a fim de separar o joio do trigo. Portanto, factoring não desconta títulos, nem cheques, não é instituição financeira, não faz empréstimos, não adianta recursos, não opera crédito pessoal, não capta recursos de terceiros em real ou dólar. Factoring é uma atividade comercial bastante complexa e que deve ser realizada por profissionais capacitados a fim de assessorar e orientar seus clientes. É uma atividade mista atípica, resumindo-se na equação de prestação de serviços contínuos + compra de créditos (direitos creditórios) resultantes das vendas mercantis de suas empresas clientes, com isso expande os ativos da empresa-cliente, aumenta-lhes as vendas, elimina seu endividamento e transforma suas vendas à prazo em vendas à vista. Sendo assim, o factoring caracteriza-se como mais um mecanismo de apoio à expansão dos ativos, ao aumento das vendas e à redução dos custos das empresas de pequeno e médio porte, mercado-alvo.

13 12 A atividade é legalmente permitida no Brasil, baseada nas normas do direito legislado no país, embora ainda não disponha de uma legislação específica e mais abrangente. Sendo uma atividade relativamente nova, tem gerado muitas distorções também na prática comercial. Leite (2005, p.21) esclarece: As atividades de factoring no Brasil são regidas pelas normas do direito legislado vigente no País (Código Civil, Código Comercial, Lei das Vendas Mercantis e toda legislação aplicável às transações mercantis). Em outras palavras, o factoring, praticado como factoring, é legalmente permitido, representado por empresas mercantis, criadas de acordo com os preceitos constitucionais e arquivadas na Juntas Comerciais. A atividade do fomento mercantil é um mecanismo de suma importância e que vem suprindo uma grande lacuna no sistema econômico brasileiro, auxiliando as micro, pequenas e média empresas excluídas dos tradicionais sistemas de fornecimento de capital, tão necessário ao bom funcionamento das mesmas. Além disso, auxilia as empresas com restrições cadastrais ou concordatárias, como explica Markusons (1997, p. 21): Ocorre que muitas empresas concordatárias, ou aquelas com restrições cadastrais para operarem com bancos, têm nas empresas factoring a possibilidade de suprimento de capital, à medida que o nível de exigência e burocracia em nada se assemelham aos bancos, que exigem dos empresários e demais clientes, saldo médio, reciprocidades, seguros e outros encargos. As empresas de factoring trabalham com rapidez, agilidade e flexibilidade, justamente para facilitar o desenvolvimento de seu mercado-alvo, pelo fato de terem um menor nível de exigência, comparado aos bancos. Simplificação nas providências de conseguir capital de giro para suas empresas-cliente, sem a necessidade de um cadastro rigoroso e demorado, independente da situação econômica da empresa e sem exigências de garantias. Além disso, o recebimento

14 13 dos créditos gerados pelas vendas mercantis das empresas-cliente representa uma alternativa de socorro nos momentos de grande apuro, de baixa produção ou de recessão econômica. Fomentar, assessorar, promover o desenvolvimento e o progresso financeiro, auxiliar o micro e pequeno empresário a solucionar seus problemas diários, através dos amplos serviços oferecidos, terminando com a concessão de créditos através de suas vendas mercantis, sem a conhecida burocracia bancária, são as principais funções das empresas de factoring. Leite (2005, p. 22) faz uma caracterização do factoring: O factoring é a execução contínua I de prestação de serviços: a) ou de alavancagem mercadológica (busca de novos clientes, produtos e mercados; b) ou pesquisa cadastral; c) ou de seleção compradores sacados ou fornecedores; d) ou de acompanhamento de contas a receber e a pagar; e) conjugada com: II a compra de créditos (direitos) resultantes das vendas mercantis realizadas a prazo pela empresa-cliente. A seguir serão abordadas as origens históricas da atividade de fomento mercantil. 2.1 Origens Históricas Diversos autores explicam que é extremamente difícil situar o exato momento do aparecimento da atividade do fomento mercantil, ou melhor, da atividade dos factors. Rizzardo (2000, p.34) utiliza duas divisões para explicar as origens da atividade: o velho factoring e o moderno factoring, entretanto é preciso observar que são atividades atualmente distintas, pois ao longo dos séculos evoluíram e adaptaram-se aos padrões atuais. Donini (2002, p. 13) considera exagero buscar

15 14 antecedente histórico tão distante para justificar o factoring praticado na atualidade, e não considera o período denominado velho factoring. Observa-se nos registros históricos que no Ocidente, o rei da Babilônia, de nome Hamurabi, gravou num bloco de pedras, algumas normas que regiam as atividades comerciais daquele tempo. Essas normas ficaram historicamente conhecidas como o Código de Hamurabi. Leite (2005, p. 01) descreve sobre o acontecimento: Nos primórdios da História do Ocidente, há mais de dois mil anos antes de nossa era, Hamurabi, Rei da Babilônia, fez gravar num bloco de pedra, como parte do chamado Código de Hamurabi, fórmulas de gestão comercial e normas que regulamentavam os procedimentos do comércio daquela época. Comércio pressupunha confiança (crédito). Naqueles primórdios da civilização, a forma de obter e transferir recursos a terceiros surgia como necessidade do tráfico de mercadorias e foi utilizada pelos povos antigos, caldeus, babilônios, fenícios, etruscos, gregos e romanos, entre outros que faziam comércio no Oriente Médio e no Mediterrâneo. Desse modo, pesquisadores acreditam que as origens históricas das atividades comerciais relacionadas ao crédito tenham surgido com o mencionado código. Com o surgimento do comércio, havia a necessidade de transportar e comercializar as mercadorias produzidas para distantes regiões. Fez-se necessário então, nomear pessoas específicas para realizar tais tarefas, surgindo assim os denominados agentes mercantis, conforme explica Leite (2005, p. 01): a figura do agente mercantil nasceu com a civilização para facilitar e incrementar o comércio, que era, naqueles longínquos tempos, baseado nas trocas de mercadorias o escambo pois não existia moeda. Como conseqüência, para enfrentar as dificuldades encontradas na comercialização de suas mercadorias, os comerciantes da Babilônia já trocavam as

16 15 mercadorias ou os ativos, a fim de obter recursos necessários para capitalizar seu negócio, caracterizando uma compra de créditos comerciais. Sendo assim, autores afirmam que as operações de factoring tiveram suas origens nos séculos XIV e XV, na Europa. Os romanos e gregos difundiram a figura do factor caracterizado como um comerciante renomeado da região, que inspirava confiança e tinha como profissão vender e guardar as mercadorias em outras regiões, além de coletar informações sobre os pagamentos dos comerciantes com os quais tinha negócios. Para o factor, pagavam-se comissões pela prestação de seus serviços, os quais eram inclusos venda e cobrança de créditos, inclusive para prestar informações sobre outros comerciantes, a fim de verificar o real risco da realização de negócios. Assim nasceu a figura do agente mercantil ou factor, que eram representantes de exportadores que conheciam muito bem as novas colônias, custodiando as mercadorias e prestando contas a seus proprietários. Com o passar dos anos, as atividades do factor foram evoluindo e prosperando, passando a antecipar o pagamento das mercadorias dos seus fornecedores, cobrando posteriormente dos compradores. Essa situação beneficiava e auxiliava os fornecedores e vendedores, visto que os factors eram profundos conhecedores dos comerciantes locais e conheciam perfeitamente sua liquidez creditícia. Sendo assim, no factoring antigo, o factor era considerado um comissário do vendedor, que recebia do mesmo as mercadorias e tinha o comprometimento de vendê-las e receber o valor pago por elas. Cobrava por isso uma comissão ou um percentual sobre o preço da mercadoria. Era largamente utilizado na Europa e nos Estados Unidos. Para Donini (2002, p.14), a origem do factoring como é praticado atualmente remota a partir do século XVI, na Inglaterra, onde era utilizado

17 16 exclusivamente no mercado têxtil, conforme explica Leonis (vol. 253 apud Donini, 2002, p. 14): O moderno factoring tem seu antecedente mais remoto no século XIV, na Inglaterra, quando foi utilizado ali exclusivamente no mercado têxtil, no setor da lã. As peças de lã confeccionadas pelos fabricantes, eram aceitas em regime de consignação por determinados comerciantes que vendiam a outros e por alguma razão especial os consignatários garantiam aos fabricantes a cobrança de seus créditos comerciais contra os adquirentes. A dificuldade encontrada em relação as grandes distâncias, os precários meios de transportes da época e os riscos comerciais foram fatores que contribuíram para nomeação de representantes-depositários, que recebiam e comercializavam as mercadorias, providenciavam a entrega, armazenagem e vendas da mesmas, além de verificar o comportamento creditício dos compradores. Sendo assim, o factoring foi uma conseqüência direta da forma de comercializar as mercadorias. O factor foi o intermediário encarregado pelas vendas, uma espécie de representante comercial comissionado, como conseqüência, como lembra Luz (1999 apud Donini, 2002, p. 16) factoring era o nome da coisa que o factor fazia; dito em outras palavras, era a corretagem comercial, a intermediação na compra e venda mercantil e na prestação de diversos serviços. Essa simples corretagem comercial sofreu grandes evoluções ao longo da história, ditadas pela alteração das condições do mercado em que operava. Por factoring moderno entende-se como a atividade de vendas de créditos, que passou a ser utilizado largamente a partir do século XX, e com isso, surgiu o sentido do factoring atual, conforme comenta Leite (2005, p. 03): Assim, surgiu o sentido moderno do factoring, ou seja, com a venda dos créditos oriundos da venda dos bens, pelos produtores ou fornecedores, os factors adquiriam o direito de cobrá-los, como seus legítimos proprietários.

18 17 O factor, que no seu sentido primitivo prestava serviços de comercialização, distribuição e administração, agregou a função de fornecedor de recursos. A partir de 1960, o êxito do factoring tornou-se tão marcante que as empresas atuantes no setor passaram a ter concorrência de numerosos bancos comerciais, que estimulados pelos bons negócios daquelas firmas, partiram para constituir suas próprias carteiras de factoring. Desde então, o factoring difundiu-se por mais de cinqüenta países, entre eles destacam-se os Estados Unidos, Inglaterra, Suécia, Noruega, Holanda, Espanha, Itália, França e Bélgica, países economicamente expressivos. Nos países da América Latina que utilizam o factoring, destacam-se Brasil, México, Colômbia, Peru e Equador. No Brasil, a atividade de factoring foi trazida oficialmente no dia 11 de fevereiro de 1982, através da fundação da ANFAC, órgão que teve notória participação e disseminação dos conceitos de factoring. Entretanto, por se tratar de uma atividade relativamente nova, atípica, totalmente desconhecida e sem legislação específica, houve resistências e restrições à atividade, retardando assim seu crescimento e difusão. A circular de número 703, datada de Junho de 1982, proibiu o exercício da atividade de factoring em nosso país. Essa proibição foi gerada pelo Banco Central do Brasil, órgão que regulamenta as instituições financeiras em nosso país, pelo fato de entender que o fomento mercantil invadia a área de atuação específica de instituição financeira. Conceitos absolutamente incorretos sobre o tema foram relevantes para tal decisão, pelo motivo da atividade ser desconhecida e atípica no país.

19 18 Sendo assim, as empresas que desobedecessem tal circular estavam sujeitas à multa, além da detenção de seus diretores, conforme explica Rizzardo (2000, p. 55): Os infratores do ordenado acima incorriam nas graves sanções cominadas no 7 do art. 44, também da Lei em menção: Quaisquer pessoas físicas ou jurídicas que atuem como instituição financeira, sem estar devidamente autorizadas pelo Banco Central do Brasil, ficam sujeiras à multa referida nesse artigo e detenção de 1 (um) a 2 (dois) anos, ficando a esta sujeitos, quando pessoas jurídicas, seus diretores administradores. A partir de então, trava-se uma luta constante e incansável para a regulamentação da atividade por parte da ANFAC e suas onze empresas então filiadas, com o incentivo de que a atividade já utilizada e regulamentada em alguns países estrangeiros, com imenso sucesso. Somente no dia trinta de Setembro de 1988, após várias circulares e debates, o Banco Central revogou a edição da circular de proibição, regulamentando as sociedades de fomento comercial em nosso país, embora com regulamentos e leis especiais, desvinculando totalmente o factoring do sistema financeiro, conforme corrobora Leite (2005, p. 53): (...) é vedado à empresa de factoring praticar qualquer operação com as características privativas das instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central. E a principal atividade de uma instituição financeira é a captação de recursos no mercado (intermediação), que os mutua a terceiros. Percebe-se que o fomento mercantil nada tem a ver com empréstimos, financiamentos ou agiotagem. É um negócio sério e totalmente amparado pela legislação brasileira, embora não possua uma legislação especifica para a atividade. É um importante mecanismo de alavancagem dos negócios, que desempenha um

20 19 relevante e importante papel sócio econômico, de inestimável valor para a produção e fundamental para a sobrevivência dos micro e pequenos empresários deste país. 2.2 Modalidades Leite e Donini dividem as atividades do factoring no Brasil em quatro tipos, de acordo com sua função e o setor de atuação da empresa-cliente. Também é preciso considerar que a origem do factoring é inglesa, portanto, seu maior desenvolvimento, aprimoramento e difusão encontram-se no país de seu nascimento, no caso, os Estados Unidos. As quatro modalidades observadas pelos autores são as seguintes: convencional, trustee, maturity e compra de matéria-prima. Leite (2005, p.315) ainda observa uma quinta modalidade de factoring, ainda pouco conhecida e utilizada no país, mas que compreende um grande nicho de mercado: o factoring exportação. Rizzardo (2000, p. 35) vai mais longe e acrescenta as seguintes modalidades praticadas por outros países e inexistente no Brasil: Colletion type factoring agreement: modalidade de factoring que representa apenas serviços de cobrança; undisclosed factoring: traduzido como factoring encoberto, modalidade utilizada pelos ingleses, onde o factor adquire as mercadorias e as vende; non notification factoring: nessa modalidade não há a notificação da cessão ao devedor, onde o próprio cliente se encarrega da cobrança e do respectivo pagamento ao factor; new style factoring: modalidade onde se observam variados serviços prestados aos clientes conjugado com a compra e venda do ativo financeiro.

21 20 A seguir, serão apresentadas as modalidades praticadas no Brasil Factoring Convencional É a modalidade de factoring mais praticada e difundida no Brasil, sendo classificada como a operação de factoring propriamente dita. Essa modalidade consiste na prestação de serviços de caráter contínuo realizada pela factoring, conjugada com a compra dos direitos creditórios oriundos de vendas a prazo da empresa-cliente. Pela prestação de serviços é cobrada uma comissão ad valorem 1 e pela compra dos direitos creditórios a factoring cobra um deságio nos créditos, correspondente a sua remuneração que é denominado fator. Leite (2005, p. 33) define fator como a precificação da compra de créditos, que se compõem pelo custo de oportunidade de recursos, custos operacionais, tributos e expectativa de lucro e de risco. Resumindo, o factoring convencional envolve e desempenha duas funções distintas: a cessão de créditos e a prestação de serviços convencionais Factoring Trustee Leite (2005, p. 07) define o trustee factoring como a operação de prestação de serviços de tesouraria, acompanhamento de contas a receber e a pagar no qual a sociedade de fomento mercantil é mandatária da sua empresacliente contratante para gerenciar suas contas e receber e/ou a pagar. 1 Ad Valorem é a comissão pelos serviços prestados, que segundo Leite (2005, p. 277) oscila de 0,5% a 3%, acertada e pactuada a cada negócio.

22 21 Sendo assim, na modalidade trustee a factoring presta assessoria administrativa e financeira às empresas fomentadas, como assessoria de crédito, mercadológica, análise de risco, contas a pagar e a receber e outros serviços variados, além de efetuar a compra de seus direitos creditórios e a cobrança de seus títulos. Por esse motivo, essa modalidade envolve confiança (trustee em inglês) e parceria entre a empresa de fomento comercial e seus clientes Factoring Maturity Segundo Donini (2002, p. 39), a palavra inglesa maturity significa no vencimento. Nessa modalidade, a empresa de factoring apenas adquire os títulos de seus clientes e somente efetua o pagamento dos títulos negociados em seu vencimento. Caracteriza-se somente pela compra dos créditos, sem antecipação do pagamento a empresa-cliente. Somente há repasse dos créditos se houver o pagamento dos títulos dos sacados no vencimento. É uma modalidade ainda pouco utilizada no Brasil Factoring Matéria-Prima De acordo com Donini (2002, p. 13), nessa modalidade a empresa-cliente não terá como fomento recursos financeiros, mas sim matéria-prima, insumos e estoques para sua produção, manufaturação e industrialização. Sendo assim, a factoring transforma-se em intermediaria entre a empresa fomentada e seus fornecedores de matéria-prima, comprando-a a vista. Como pagamento, a empresa-

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 Fomento Mercantil 57 Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em 7 de outubro último, o II Encontro Jurídico de Fomento Mercantil, contando

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

História e Natureza Jurídica do Factoring

História e Natureza Jurídica do Factoring Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring História e Natureza Jurídica do Factoring 145 Rose Marie Pimentel Martins 1 A palavra FACTORING é formada pela radical FACTOR,

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo

A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo Trata-se de uma abordagem descritiva sobre a atividade de factoring e sua relevância para o fomento das pequenas e médias empresas. Tem

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais.

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. FACTORING: UM INSTRUMENTO POUCO CONHECIDO WARGAFTIG, Sérgio Nougués Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. RESUMO A atividade de factoring

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA

FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA A MUND UNIÂO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL UNIPLAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC Aprovadas pela Portaria SESU/MEC Nº 368/08 (DOU 20/05/2008) Curso de Administração

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES Muitos associados não dão importância à prestação de serviços de sua entidade de classe, considerando-a como um local para encontros, intercâmbio de opiniões e uma espécie de clube para discussão das últimas

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco.

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. Adílio Rodrigues de Souza RESUMO O principal objetivo deste trabalho foi demonstrar e apresentar a forma

Leia mais

O PROCESSO DE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE FACTORING DO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

O PROCESSO DE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE FACTORING DO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CRIS SORATTO DE BRIDA O PROCESSO DE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE FACTORING DO MUNICÍPIO DE URUSSANGA

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG

Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG Amanda Prado Fernandes (UFV) - amanda_pradofernandes@yahoo.com.br Simone Martins (UFV) - simonemartins_2005@yahoo.com.br

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC Camila de Pellegrin Dondossola 1 - UNESC camilapellegrin@yahoo.com.br Kristian Madeira

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

FACTORING NO BRASIL: OBJETIVOS E VANTAGENS DO FACTORING PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

FACTORING NO BRASIL: OBJETIVOS E VANTAGENS DO FACTORING PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FANESE Faculdade de Administrações e Negócios de Sergipe Núcleo de Pós-Graduação e Extensão NPGE MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL ANDRÉ SILVEIRA MELO FACTORING NO BRASIL: OBJETIVOS

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond.

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond. O SISTEMA AUTO-FACTORING JOSÉ CARLOS CAROTA 1, SEBASTIÃO DO CARMO E. VIEIRA 2 Sumário: 1. Introdução; 2. Receitas Financeiras; 3. Factoring e Auto-Factoring; 4. Apuração de Tributos; 5. Hipótese de Aplicação

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

UM DIAGNÓSTICO DO SETOR DE FOMENTO MERCANTIL DO SUL CATARINENSE

UM DIAGNÓSTICO DO SETOR DE FOMENTO MERCANTIL DO SUL CATARINENSE UM DIAGNÓSTICO DO SETOR DE FOMENTO MERCANTIL DO SUL CATARINENSE ZAVARISE, Nilane. Universidade do Extremo Sul Catarinense. QUEIROZ, Fernanda Cristina Barbosa Pereira; QUEIROZ, Jamerson Viegas; VASCONCELOS,

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS RECURSOS HUMANOS EM UMA EMPRESA DE FACTORING Por: Ana Lucia Monteiro de Souza Orientador Profº Antonio

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) ALTERA os dispositivos da Lei Municipal nº 199, de 24 de junho de 1993, que criou o Fundo Municipal de Fomento à Micro e Pequena Empresa

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO Coordenação Acadêmica Prof. Carlos Alberto dos Santos Silva OBJETIVO: O MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA

Leia mais

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito CREDIAMIGO - A experiência de Microfinanças do Banco do Nordeste II Encontro Internacional sobre regulação e supervisão em Microfinanças

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais