UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS RECURSOS HUMANOS EM UMA EMPRESA DE FACTORING Por: Ana Lucia Monteiro de Souza Orientador Profº Antonio Fernando Vieira Ney Rio de Janeiro 2004

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM UMA EMPRESA DE FACTORING Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior. Por: Ana Lucia Monteiro de Souza

3 3 AGRADECIMENTOS...em especial ao meu marido e filho que por muitos sábados foram companhia mútua, em virtude de minha ausência, sem contar com as horas dedicadas ao estudo e a elaboração da monografia. E também aos amigos deixados de lado, mas que, com compreensão, sempre estiveram presentes...

4 4 DEDICATÓRIA... como uma singela homenagem ofereço à minha mãe, que sempre me incentivou a continuar...

5 5 SUMÁRIO RESUMO METODOLOGIA INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - O que é Factoring 1.1 Conceito de Factoring 1.2 Mercado Histórico do Mercado Definição Legal 1.3 Histórico da Empresa CAPÍTULO II - Recursos Humanos 2.1 Organograma Funcional Gerencial 2.2 Principais Funções 2.3 Política de Carreira 2.4 Política Salarial e de Benefícios CAPÍTULO III A Proposta 3.1 Proposta para a Formação dos Recursos Humanos 3.2 Política de Carreira Proposta 3.3 Política de Treinamento Proposta CONCLUSÃO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

6 6 RESUMO O desenvolvimento dos recursos humanos de uma empresa é um fator de grande importância para seu desenvolvimento e crescimento. O capital humano é hoje em dia um dos mais caros e complexos nas estruturas organizacionais brasileiras. Capacita-lo e aprimora-lo torna-se imprescindível para o sucesso de qualquer empreendimento. Não seria diferente em uma empresa que atua na área financeira e de serviços, como as factorings. Exatamente por este motivo, por serem pessoas trabalhando para pessoas que este trabalho foi proposto. Destina-se a desenvolver uma proposta pedagógica em que a gestão seja focada com as pessoas, longe do distanciamento normalmente existente entre gerentes e gerenciados. O que se pretende é uma reformulação de suas relações. Para isso a capacitação dos empregados é uma ferramenta que visa associar pessoas em torno de uma atividade com fins específicos (Ribeiro,2003:142). Em uma sociedade com multiplicidade culturas, intermediar a coexistências de diferenças e compartilhar valores faz com que a empresa se renove e traduz a necessidade de um estudo profundo, pois o conhecimento produzido pelas novas tecnologias requer multifunções onde a força de trabalho tenha habilidade para conviver com a diversidade de pensamentos sem que isso gere choques ou traumas ocasionados por conflitos, que fazem parte da vida organizacional, mas que, habilmente gerenciado, transforma-se em fator de sucesso. Reconhecer que cada funcionário é um ser complexo e possui dentro de si todo um universo de experiências e possuidor de um potencial único em cada ser, e encontrar mecanismos que o desenvolva em sua plenitude é uma função que exige muito de ouvir e observar e muito menos do questionar.

7 7 METODOLOGIA O diagnóstico das necessidades de formação e treinamento tem por objetivo identificar as carências de indivíduos e grupos na execução de tarefas necessárias à obtenção dos objetivos da empresa. Este deve considerar as potencialidades do empregado como indivíduo e como grupo. A pesquisa do diagnóstico é concebida em três níveis: Análise organizacional: identificação dos graus de eficiência e eficácia da organização, com o intuito de determinar as formas de treinamento que podem contribuir para sua promoção; Análise das Tarefas: identificação das atividades que compõem as tarefas bem como dos requisitos pessoais necessários para seu desempenho eficaz; Análise dos Recursos Humanos: identificação, junto aos empregados, dos níveis de conhecimento, habilidades e atitudes requeridas para a execução das tarefas que executam. A análise organizacional deve envolver toda a empresa e tem por objetivo identificar as áreas em que o treinamento é necessário. Naturalmente que, ao envolver a empresa com um todo, essa análise necessita de muitas informações, como, objetivos, produtos, tecnologia que utiliza, quem e quantos são os recursos humanos etc. A obtenção destes itens não possui uma forma padronizada, sendo que esta análise é realizada de acordo com as possibilidades e conveniências dos profissionais envolvidos, o que, às vezes, torna a tarefa um pouco mais demorada. Ao se analisar as tarefas, o objetivo é a capacitação das pessoas para o desempenho das atribuições inerentes ao seu cargo, o

8 8 que é, no momento, o foco deste trabalho. Estes são constituídos por tarefas que precisam ser desempenhadas de acordo com parâmetros determinados. A análise das tarefas consiste em estudos que determinem o tipo de comportamento que os empregados devem apresentar para o desempenho adequado das suas tarefas, e também, os conhecimentos, habilidades e atividades exigidas. Quanto à análise das pessoas, faz-se necessário a verificação de seus conhecimentos, habilidades e aptidões requeridas ao desempenho das tarefas exigidas para o pleno desenvolvimento da empresa. O confronto entre a análise dos recursos humanos com a análise das tarefas é o que identifica as necessidades de treinamento (Chiavenato, 1991).

9 9 INTRODUÇÃO Este trabalho tomou por base uma empresa de factoring localizada na cidade do Rio do Janeiro. Destina-se a analisar seus recursos humanos e a partir daí formular uma proposta pedagógica para a formação profissional desses recursos, visando o incremento de sua atividade no mercado em que atua. A princípio serão analisados a sua disponibilidade de recursos humanos e sua estrutura organizacional, bem como sua política de carreira para, em seguida, proceder a análise, diagnosticar e finalmente desenvolver uma proposta pedagógica para seus empregados. Houve a preocupação na obtenção de dados rigorosos, disponíveis dentro e fora da empresa, para que o trabalho possa ser de plena utilidade para gestão dos recursos humanos da empresa. Este trabalho foi proposto em virtude do aumento do mercado das factorings e da necessidade de aumentar a produtividade em um espaço de tempo cada vez menor em um macroambiente mais agressivo em seu segmento de negócios. Esse objetivo decorre da necessidade de permanente ampliação da clientela da empresa, em especial daquela que demanda prestação de serviços em área de conhecimento de empresas parceiras. A criação de novos serviços, implementado em Plano de Estratégico de Marketing, iniciado em junho de 2002 e ainda em andamento, constitui forma de captar e reter novos clientes, devendo a empresa tocar, especialmente, serviços destinados a um tipo de clientela com situação econômico-financeira capaz de suportar os custos pertinentes. Significa dizer que seus recursos humanos precisam estar ajustados ao desenvolvimento desses novos serviços e que cabe à empresa incrementar um ambiente de trabalho que

10 10 estimule a produtividade e satisfação dos funcionários, além de compartilhar os seus resultados como os mesmos, implantar programas de treinamento e qualificação permanentes e estimular a produtividade e a criatividade através de uma estrutura organizacional efetiva.

11 11 CAPÍTULO I O QUE É FACTORING 1.1 Conceito de Factoring Como se trata de um tipo desconhecido de negócio, cujo conceito tem sido deturpado por alguns que usam de factoring para desenvolver outro tipo de atividade, é importante, inicialmente, conceituar a atividade. Os pontos que serão levantados referem-se à legitimidade do sistema de factoring, à diferenciação entre ele e o sistema bancário e à errônea visão da atividade de factoring como agiotagem e sua utilização atual como fonte de receita para um sistema que sempre foi baseado em aquisição de crédito (Leite,2001). O factoring não é financiamento, desconto de duplicatas, consultoria, adiantamento de valores, empréstimos, refúgio para empresas insolventes ou quebradas e nem modos alternativos de empresários sonegarem impostos fiscais. Não é agiotagem legalizada,não

12 12 funciona como um banco, nem como instituição financeira. O factoring deve ser entendido como um mecanismo economicamente útil, produtivo e legítimo para auxiliar a gestão das empresas-clientes. A empresa de factoring presta uma gama de serviços, conjugada à aquisição de créditos resultantes de vendas mercantis. Os serviços prestados são de natureza variada, dependendo da empresa-cliente, do setor de atividade de sua clientela compradora e, até, da vocação da própria factoring. Geralmente trabalha com seleção de riscos e depuração, em termos de crédito, da carteira das empresas compradoras.além disso, pode fazer o gerenciamento de toda a vida financeira da empresa-cliente (fluxo de caixa, contas a pagar e a receber, contabilidade e custos). Portanto, pode-se considerá-la: uma atividade mercantil: operação de compra e venda de mercadorias, realizada por um cliente da empresa de factoring, com emissão de nota fiscal, fatura e duplicata; uma atividade mista: compreende a prestação de serviços acrescida da compra de créditos; uma atividade contínua: acompanhamento e assessoramento nas atividades da empresa-cliente. Após a operação de compra de faturamento, a empresa-cliente pode utilizar vários serviços da empresa de factoring, que refletirão mais tarde em outras aquisições de crédito; uma atividade em parceira: trabalho junto à empresa-cliente promovendo o crescimento do negócio e selecionando os riscos;

13 13 uma atividade bilateral: para a celebração do negócio é necessário o comprometimento tanto da empresa de factoring quanto da empresa-cliente para que as obrigações sejam cumpridas e os objetivos alcançados; uma atividade atípica: o factoring não compra produtos como as outras e sim fornece créditos. A clientela é, historicamente, o segmento das pequenas e médias indústrias em expansão e crescimento e com reduzida capacidade econômica. Atualmente no Brasil, as empresas filiada à Associação Nacional de Factorings (ANFAC), segundo o presidente da organização, Luiz Lemos Leite, possuem 65% dos seus clientes no setor produtivo industrial, 20% no comércio e 15% no setor de serviços. A empresa estudada é uma empresa de factoring no sentido convencional, ou seja, compra direitos ou ativos, oriundos de vendas a prazo. Esta cessão de direitos chamada de pró-soluto deve ser documentada e notificada pelo empresário (vendedor) ao consumidor (sacado-devedor). 1.2 Mercado Histórico do Mercado Buscando reunir elementos que contribuam para melhor compreensão do trabalho, destacou-se a seguir um referencial histórico sobre o sistema de factoring. Tomando como base registros históricos, o comércio existe desde o início dos tempos. O que ocorreu foi uma evolução da humanidade que desencadeou diferenças na prática do comércio, porem com base naquele realizado na Antiguidade.

14 14 Remontam ao tempo do Império Romano os primeiros sinais de comércio. Quando da necessidade de venda de mercadorias e de se contornar dificuldades encontradas nessa comercialização, foi criada a figura do factor (agente mercantil). Era um agente intermediário, com boa reputação e que tinha com função prestar serviços, ajudando comerciantes da região ou mesmo de lugares mais distantes, no fornecimento de informações d um comerciante para outro, realizando cobranças, recebendo, guardando e vendendo as mercadorias de propriedade desses comerciantes. E, pela prestação desses serviços, recebia uma remuneração (Leite, 2001). A partir da década de 60, é marcante a rápida evolução do factoring. Estimulados com os bons resultados que as empresas de factoring estavam obtendo nesse negócio surge muito interesse nesse ramo de atuação. Numerosos bancos comerciais começaram atuar nesse mercado, tornando a concorrência por carteiras de clientes muito acirrada. No Brasil, a idéia do factoring surgiu em 1968, através de um relatório de inspeção feito pelo Bacen (Banco Central), em um banco de investimento de São Paulo. Desde 1976, a utilização desse sistema visa a atender ás pequenas e medias empresas na obtenção de capital de giro, complementarmente á deficiente atuação dos bancos no atendimento á demanda por credito destas empresas. Com a fundação da Anfac (Associação Nacional de Factoring) em 1982, começa a luta pela auto-regulamentação do factoring no Brasil, com o objetivo principal, no início, de evitar as duvidas a respeito da legalidade e origem do sistema, buscando esclarecer que o factoring é um mecanismo que de modo algum se confunde com operações financeiras.

15 15 Em 1989 ocorreu definitivamente a consolidação do sistema no Brasil, quando a Anfac e suas associadas receberam o total apoio das autoridades, bancos e outras empresas. Houve um aumento considerável a partir daquele ano, ampliandose os recursos disponíveis para as pequenas de pequeno e médio porte, com dificuldades de acesso ao credito bancário Definição Legal O fomento mercantil factoring- é uma atividade atípica, cujos fundamentos são regidos basicamente pelos princípios dos direitos mercantis, garantindo: Seu suporte legal: Pela Circular BC (Banco Central) nº 1.359/88 reconhece ser o factoring uma atividade mercantil mista atípica mediante o compromisso assumido pela Anfac de: não fazer qualquer tipo de intermediação de recursos de terceiros no mercado, comprar efetivamente créditos e só operar com pessoas jurídicas; Pelo disposto na Lei nº 8.981/95, ratificada pela Resolução nº 2.144/95, do CMN (Conselho Monetário nacional) e pelas Leis nºs 9.249/95 e 0.430/96 reconhece, pela sua atipicidade jurídica própria e nitidamente delimitada, a área de atuação da sociedade de fomento mercantil, que não pode ser confundida com a das instituições financeiras. Seu suporte operacional: Pelo Código Civil artigo prestação de serviços;

16 16 Pelo Código Comercial artigos 191 a 220 vendas mercantis subsidiados pelos artigos a do Código Civil cessão de crédito; Pelo Decreto Federal nº /68 título de crédito (Convenção de Genebra); Pela Lei nº 5.474/68 venda mercantil; Pelo Ato Declacaratório nº 51, de 28/09/94, da Receita Federal a real finalidade desse normativo foi descaracterizar a natureza financeira da operação de compra de créditos (direitos) resultante de vendas mercantis realizada pela sociedade de fomento mercantil, reconhecendo tratar-se de operação puramente comercial, que tem fulcro nos artigos 191 a 220 do Código Comercial, ratificando, portanto, o entendimento de operação própria de uma empresa mercantil. A atividade de factoring foi inicialmente definida pelo artigo 28, 1º alínea C-4 DA Lei nº 8.981/95, como sendo a prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring). Referido conceito foi posteriormente confirmado, em seus termos exatos, pelo artigo 58 da Lei nº 9.430/96.

17 Histórico da empresa Dados e Fatos Marcantes da Empresa Analisada Localizada na Ilha do Governador, no Município do Rio de Janeiro, no Estado do Rio de Janeiro, existe há sete anos e é uma empresa e pequeno porte com apenas dois sócios-diretores. O primeiro vindo da área de crédito/financeira atuou no antigo Banco Nacional da Habitação BNH e atualmente atua intensamente na empresa. O outro diretor é contador, atuando na área financeira e possui paralelamente outras empresas no ramo de contabilidade, oferecendo consultorias, não chegando a ser muito atuante na empresa. Como a maioria das empresas de factoring brasileiras, a empresa trabalha muito focada na compra da carteira de títulos de seus títulos de seus clientes e, diferentemente do que ocorre no mercado internacional, opera menos com a prestação serviços. Desde o início de 2002, no entanto, a empresa vem passando por um gradativo processo de reformulação, buscando prestar serviços de qualidade e implementar o conceito de parceria no seu relacionamento com os clientes, pretendo aprofundar seu conhecimento sobre as necessidades da clientela e reduzir o grau de risco a que está sujeita como mera compradora de papel. A empresa vem buscando aperfeiçoar-se, sem perder o foco estratégico do negócio que desenvolve, visado o crescimento e o desenvolvimento sem perder de vista o objetivo de gerar valor para os sócios.

18 Mercados de Atuação A empresa atua com pequenas e médias empresas. Sua clientela se concentra em alguns bairros do rio de Janeiro, em especial na Ilha do Governador, Bonsucesso, Penha, Méier, Olaria, Irajá e Bangu, além dos municípios de Nova Iguaçu, Duque de Caxias São João de Meriti na Baixada Fluminense.

19 19 CAPÍTULO 2 Recursos Humanos 2.1 Organograma Funcional Gerencial DIRETORIA COMITE DE CRÉDITO SECRETARIA E APOIO ADMINISTRATIVO GERENTE FINANCEIRO GERENTE OPERACIONAL GERENTE COMERCIAL Figura 1 Organograma da Empresa

20 Principais Funções Diretoria Geral Coordenação e supervisão de toda a equipe e do Comitê de crédito concessão de credito, e funcionamento dos bancos Comitê de Crédito Formado pelos gerentes, com a função de decidir sobre a aceitação do cadastro de clientes, definição dos limites de credito e sobre as operações que apresentarem alguma atipicidade ou fugirem dos parâmetros gerais Gerente Administrativo-Financeiro Coordenação e supervisão dos funcionários de sua área de responsabilidade, orçamento, captação de recursos para funding das operações; solução de problemas de rotina (não complexos) nos equipamentos e softwares Gerente Operacional Coordenação e supervisão dos funcionários da área operacional; análise de solicitações de credito Gerente Comercial Coordenação e supervisão dos funcionários da área comercial; captação de clientes, propaganda e publicidade e análise de solicitações de crédito.

21 Secretaria Secretaria e arquivos, recepção, atendimento de telefone e alguns serviços gerais.

22 Política de Carreira Admissões Não existe política de admissão de funcionários. Estes são admitidos mediante a necessidade e são buscados junto à pessoas conhecidas de outros empregados Demissões Somente em último caso. Normalmente para redução de custos Promoções Não existe plano de promoções, inexistindo um Plano de Cargos e Salários formal. 2.4 Política Salarial e de Benefícios O salário segue a média do mercado e o único beneficio atualmente é o vale-transporte.

23 23 CAPÍTULO 3 A PROPOSTA Experiência não é o que acontece com o ser humano: é o que o ser humano faz com o que lhe acontece. (Aldous Huxley) 3.1 Proposta para a Formação dos Recursos Humanos Diretoria Geral Formação escolar desejada: superior completo cm boa formação na área financeira. Experiência mínima desejada: coordenação e supervisão de equipe e concessão de crédito e conhecimento do funcionamento dos bancos.

24 Gerente Administrativo-Financeiro Formação escola desejada: superior, com boa formação em matemática financeira e contabilidade. Experiência mínima desejada: coordenação e supervisão de equipe e concessão de crédito e conhecimento do funcionamento dos bancos. Outros requisitos desejados: experiência de suporte na área de informática Gerente Operacional Formação escolar desejada: Superior com boa formação de matemática financeira. Experiência mínima deseja: coordenação e supervisão de equipe e concessão de crédito Gerente Comercial Formação escolar desejada: superior com boa formação de matemática financeira. Experiência mínima desejada: coordenação e supervisão de equipe e concessão de crédito e conhecimento do funcionamento dos bancos Secretaria Formação escolar desejada: no mínimo 2º grau completo. Experiência desejada: uso de computador (editor de texto e planilha) Outros requisitos essenciais: boa apresentação e boa capacidade de comunicação.

25 Política de Carreira Proposta Admissões: Somente quando forem identificadas as habilidades e competências necessárias para a função, com contratação por experiência no prazo máximo legal e se confirmada, ao final, pelo superior imediato. Após esse período de experiência o empregado deverá passar algum tempo nas diversas áreas da empresa, para poder apreender todo seu funcionamento interno. Buscar antes promover funcionários internos possuidores das habilidades necessárias ao cargo Demissões: Somente em último caso. Antes buscar desenvolver o funcionário através de treinamento e suporte. Caso o motivo da demissão seja redução de custos, procurar os funcionários mais recentes e novos, nessa ordem Promoções: De acordo com a necessidade da empresa, as habilidades e o comprometimento do funcionário Política Salarial O salário deve seguir, no mínimo, a média do mercado.

26 Participação nos Lucros Seria interessante para a motivação dos recursos humanos a adoção de uma política de participação de lucros anual que gere interesse e comprometimento com os resultados alcançados Política de Benefícios Além do vale-transporte seria concedido aos funcionários o valerefeição e, posteriormente, um plano de assistência médica. Esses são benefícios básicos que suprir necessidades básicas. 3.3 Política de Treinamento A qualidade dos serviços da empresa é função da qualidade de serviços de seus funcionários, a qual deverá estar permanentemente reciclada e aprimorada, tendo em vista a função que desempenham. Todos os funcionários deverão receber treinamento análogo ao curso de Operador de Factoring ministrado pela Associação Nacional das Empresas de Factoring ANFAC, generalizando o conhecimento referente a: princípios, normas e regulamentos relativos às empresas de factoring; a ANFAC e o Sindicato das Factorings (SINFAC); ambientes interno e externo às factorings; concorrência com o negócio das factorings; matemática financeira, cálculo do fator de compra 1, custo do factoring para o cliente e custo do funding 2 da empresa de factoring; 1 É o preço adotado pelas sociedades de fomento mercantil para compra de ativos, de acordo com a metodologia de formação de preços adotada pela ANFAC.

27 27 produtos da empresa (factoring e serviços) e políticas da empresa. específicas: Além destes, para os funcionários que operam em áreas técnicas de análise de solicitação de credito; técnicas de cobrança; técnicas de divulgação do produto e captação e manutenção dos clientes; técnicas e negociação; impostos taxas e contribuições a que se sujeitam as empresas de factoring; leis e regulamentos sobre o cheque, a duplicata e a nota promissora; protesto e execução judicial; contabilização das operações de factoring e rotinas operacionais da factoring. 2 Custo de fundeamento = ponderação dos custos de oportunidade e dos financiamentos.

28 28 CONCLUSÃO Este trabalho não esgota toda a possibilidade de formação, treinamento e desenvolvimento dos recursos humanos de uma empresa de factoring. Como o objetivo da maioria das organizações é aumentar a produtividade e com isso gerar valor monetário para seu(s) proprietário(s), os recursos humanos são o foco organizacional principal (Ribeiro, 2003). Mesmo sendo esta uma empresa de pequeno porte onde, até o momento, não havia sido formulada uma proposta para seus recursos humanos, foi efetivada a possibilidade de desenvolvimento desses recursos. Com as transformações do conceito de trabalho (físico para intelectual) torna-se necessário e preponderante uma boa percepção em gerenciar pessoas, pois o atual contexto das demandas da sociedade, globalizada e com a competitividade ampliada, a exigência pelos profissionais mais competentes e por que não dizer multitarefas exige uma gestão altamente eficaz com as pessoas envolvidas no processo. A idéia de parceria entre as pessoas e as organizações implica que estas sejam efetivamente envolvidas na melhoria e aperfeiçoamento do que hoje fazem com a criação do que farão no futuro. A adoção de medidas fáceis e rápidas de serem implementadas e apreendidas trará, com certeza, benefícios para a empresa e seus empregados. Medidas estas que já foram destacadas no início do trabalho, mas que valem a pena serem retomadas por sua imperiosa urgência em serem adotadas. Tais como:

29 29 desenvolver ambiente de trabalho que estimule a produtividade e satisfação dos funcionários; dotar sistema de remuneração que compartilhe com os funcionários os resultados obtidos pela empresa; implantar programas de treinamento e qualificação permanentes dos funcionários; adequar a estrutura organizacional (funções, responsabilidades, máquinas, equipamentos, softwares, etc.), garantindo aos funcionários ambiente de trabalho que estimule a criatividade e produtividade; treinamento em processo e abordagem de clientes novos e fidelização de clientes antigos e, ainda, aconselha-se um programa de parcerias estratégicas, como por exemplo, com o Senac e entidades de classes para a formatação de cursos específicos e a disponibilidade de equipamento e de pessoal para ministrar aulas.

30 30 BIBLIOGRAFIA BOOG, Gustavo G. (Org.), Manual de Treinamento: ABTD. São Paulo: Makron Books, CHIAVENATO, Idalberto, Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal. 4. ed. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos. 4. ed. São Paulo: Atlas, LEMOS, Luiz Lemos, Factoring no Brasil. 7. ed. São Paulo: Atlas, MOTTA, Fernando C. Prestes e Caldas, Miguel P. (Orgs). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, RIBEIRO, Amélia Escotto do Amaral, Pedagogia Empresarial; atuação do pedagogo na empresa. Rio de Janeiro: Wak, 2003.

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 Fomento Mercantil 57 Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em 7 de outubro último, o II Encontro Jurídico de Fomento Mercantil, contando

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS GUIA DE ORIENTAÇÃO QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS 1 ÁREA DE COMÉRCIO EXTERIOR Advogados Advogados podem atuar na área de direito aduaneiro e poderão ser muito bem remunerados pelos

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente GLEISON CORTINA BENASSI Estado Civil Casado, com filhos. Telefone (62) 8141-9485 - (62) 9693-2773 Natural Erechim - RS E-mail benassirs@gmail.com Redes Sociais Facebook: Gleison Benassi Linkedin: Gleison

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais.

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. FACTORING: UM INSTRUMENTO POUCO CONHECIDO WARGAFTIG, Sérgio Nougués Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. RESUMO A atividade de factoring

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring)

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) 162 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 A atividade de fomento

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU REENGENHARIA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO.

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. Fixa normas de capacitação para o pessoal técnicoadministrativo. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing.

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing. : Técnico em Administração Descrição do Perfil Profissional: Identificar, interpretar, analisar fundamentos, conteúdos, sentidos e importância do planejamento na Gestão Mercadológica, Administrativo-Financeira,

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A1-AB98 6/1/2010 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC PA

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC PA REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC PA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: 1 Cópia do Contrato Social ou Estatuto, registrado na Junta Comercial; 2 Cartão do CNPJ atualizado; 3 Formulários de Dados Cadastrais preenchidos

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe voltadas para ter e exercer esses valores diariamente.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) ALTERA os dispositivos da Lei Municipal nº 199, de 24 de junho de 1993, que criou o Fundo Municipal de Fomento à Micro e Pequena Empresa

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco.

A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. A OPERACIONALIZAÇÃO E A CONTABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL: foco em análise de risco. Adílio Rodrigues de Souza RESUMO O principal objetivo deste trabalho foi demonstrar e apresentar a forma

Leia mais

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: 1- Cópia do Contrato Social ou Estatuto, registrado na Junta Comercial; 2- Cartão do CNPJ atualizado; 3- Formulários de Dados Cadastrais preenchidos

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 11/2015-BNDES Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

ANALISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

ANALISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL Indústria de Médio Porte do Noroeste do RS contrata: ANALISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL Formação superior completa, preferencialmente em Contabilidade; Disponibilidade de fixar residência no Noroeste

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL MARCELO EMERICK Discente do Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS MARCELA RIBEIRO

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Vendas e Faturamento

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Vendas e Faturamento Módulo Comercial Vendas e Faturamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Comercial Vendas e Faturamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

CBA. Gestão de Negócios PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Gestão de Negócios

CBA. Gestão de Negócios PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Gestão de Negócios CBA Gestão de Negócios Gestão de Negócios O curso desenvolve a capacidade de compreender, de forma ampla e sistêmica, a interação entre as diversas áreas funcionais de uma empresa, além dos aspectos externos

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.:

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.: Vendedor Externo - Chapecó/SC Fixo de 900,00, ajuda de custo, comissão de 8% sobre as vendas, diária de 70,00. Descrição: Vendedor externo. Fará viagens para o interior de São Paulo e interior de Minas

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.

RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail. PORTFÓLIO MARCA CONSULTORIA & TREINAMENTOS RUA TERCEIRA DO PARQUE, 08, 1 ANDAR, SALA 02, GLEBA B. CAMAÇARI-BA. FONE: + 55 (71) 8846-0196 (Aparecida). E-MAIL: consultoria.marca@gmail.com SUMÁRIO 1 QUEM

Leia mais