ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006."

Transcrição

1 ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, Ativos Financeiros O objetivo deste capítulo é o desenvolvimento de avaliações dos principais produtos financeiros (ativos e passivos) disponíveis no mercado financeiro. 8.l Certificado/Recibo de Depósito Bancário (CDB/RDB) Os CDBs e RDBs constituem-se em títulos de renda fixa emitidos pelos Bancos Comerciais/Múltiplos e Bancos de Investimentos destinados a lastrear operações de financiamento de capital de giro. A principal direrença entre o CDB e o RDB é a possibilidade do certificado de depósito bancário ser transferido a outros investidores por endosso nominativo. O RDB é um título intransferível. Esses títulos pagam atualmente juros prefixados, sendo os rendimentos brutos taxados pelo IR em 20% por ocasião do resgate Exemplo Um banco anuncia pagar 22,6% ao ano para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% ao ano e o mercado vem trabalhando, como referencial da taxa pura de juros (taxa de juro livre de risco), os 6% ao ano pagos pela caderneta de poupança. Definir, para o período de um ano: a. taxa efetiva bruta e líquida do IR; b. taxa real de juros; c. taxa de risco embutida na remuneração do CDB. a. Remuneração bruta (i b ) i b = 22,6% a.a. Remuneração líquida (i L ) Para uma alíquota de IR de 20%, a remuneração equivale a 80% da taxa anual, ou seja: i L = i b (l -IR) i L = 22,6% (l - 0,20) i L = 18,08% b. Taxa real de juros (r) r = ( 1 + i L / l + INF) - 1 r = 10,15% a. a. c. Taxa de risco l + r Risco = - 1 l + R F onde R f é a taxa livre de risco (taxa pura de juro). Risco = 3,92% a.a. A estrutura das taxas de juros embutidas na remuneração anual de um CDB/RDB pode ser ilustrada da forma seguinte:

2 8.2 Certificado de Depósito Interfinanceiro (CDI) Os CDIs são títulos que lastreiam as operações do mercado interfinanceiro. Estão isentos de impostos (IR e IOF) e os juros são definidos pela denominada taxa over, geralmente expressa como linear mensal e capitalizada pelos dias úteis previstos na operação Exemplo - taxa efetiva e taxa over Uma taxa over está definida em 2,61% a.m. Admitindo a existência de 22 dias úteis no período, calcular a taxa efetiva da operação. EFE = [l + (OVER/300] du - l Over = 2,61%/30 = 0,087% ao dia EFE = [l + 0,00087] 22 - l = 1,93% a.m Exemplo - operação interbancária Uma operação interbancária é efetuada por três dias. Sendo as taxas over mensais definidas em cada dia de: 2,17%, 2,23% e 2,30%, determinar a taxa efetiva no período e a taxa over média da operação. Solucão: Over1 = 2,17%/30 = 0,0723% ao dia Over1 = 2,23%/30 = 0,0743% ao dia Over1 = 2,30%/30 = 0,0767% ao dia Taxa Efetiva (EFE) = [(l + 0,000723) x (l + 0,000743) x (l + 0,000767)] - l (EFE) = 0,2235% no período Taxa Média = ((l+ 0,002235)) 1/3-1 Taxa Média = 0,0744% ao dia Exemplo - CDB com taxa over Um CDB está pagando no mercado a taxa bruta de 20,6% ao ano. A alíquota de IR é de 20%, incidente sobre os rendimentos totais por ocasião do resgate. Pede-se transformar a taxa de remuneração líquida do CDB em taxa over mensal, admitindo a existência de 23 dias úteis no período. Taxa Bruta (i b ) = 20,6% a.a. Taxa Líquida (i L ) = 20,6% x (l - 0,20) = 16,48% a.a. i L = (1 + 0,1648) 1/12-1 = 1,28% a.m. Over = [(( l + EFE) 1/du -1) -1] x 30

3 Over = [(1,0128) 1/23-1)] x 30 = l, 66% a.m Taxa over efetiva As taxas apuradas no SELIC são definidas como over anual efetiva. O Banco Central fixa 252 dias úteis no ano. Exemplo - Taxa Over Anualizada A taxa SELIC apurada no mês de outubro/05 anualizada atingiu 19,25%. Pede-se calcular: a. Taxa por dia útil b. Taxa efetiva mensal, admitindo a existência de 20 dias úteis no mês. a. Taxa por dia útil i = (1,1925) 1/252 - l = 0,0699% a.du (ao dia útil) b. Taxa efetiva mensal i = (1,1925) 20/252 - l = 1,407% a.m.o (ao mês over) Exemplo - Taxa Over Anualizada A taxa SELIC efetiva mensal referente a dois meses, e seus respectivos dias úteis, são apresentados a seguir: Taxa Efetiva Dias Úteis Mês l 1,475% 21 Mês 2 1,380% 20 Pede-se determinar a taxa efetiva anual (base de 252 dias úteis) da SELIC para cada mês (1,01475) 252/21 - l = 19,21% a.a.o (ao ano over) (1,01380) 252/20 - l = 18,85% a.a.o 8.3 Hot Money São caracteristicamente operações de curtíssimo prazo (um dia), visando atender às necessidades imediatas de caixa das empresas. O hot money tem como referencial a taxa CDI, acrescida de um spread cobrado pela instituição intermediadora. A operação incorre também em IOF calculado sobre a repactuação diária da taxa de juro Exemplo Admita uma operação hot money contratada por três dias úteis no valor de $ ,00. As taxas over nominais mensais estabelecidas para cada dia são, respectivamente, de 1,90%, 2,20% e 2,16%. São computados 23 dias úteis no período da operação. O banco intermediário cobra um spread de 0,09% ao dia, incidindo também IOF de 0,0041% ao dia, descontado antecipadamente. O IOF é pago diariamente e os juros e o spread são acumulados ao montante da dívida e liquidados ao final da operação (3º dia). Determinar os valores envolvidos na operação e o custo efetivo. 1º dia: Empréstimo $ ,00 IOF: ,00 x 0,0041% 102,50 Empréstimo liberado: $ ,50

4 Juros + Spread: , 00 x [ (0,019/30) + 0,0009] 3.833,30 Saldo devedor: $ ,80 2º dia: Saldo devedor anterior ,80 IOF: ,80 x 0,0041% 102,70 Renovação do empréstimo: $ ,10 Juros + Spread: ,80x [ (0,022/30) + 0,0009] 4.089,40 Saldo devedor: $ ,50 3º dia: Saldo devedor anterior $ ,50 IOF: ,50 x 0,0041% 102,80 Renovação do empréstimo: $ ,70 Juros + Spread: ,50 x [(0,0216/30) + 0,0009] 4.062,50 Saldo devedor: $ ,20 O fluxo de caixa, sob o ponto de vista do tomador do empréstimo, apresenta-se da forma seguinte: A taxa efetiva (custo da operação) por dia útil é a taxa interna de retorno do fluxo de caixa do empréstimo, ou seja: $ ,50 = [102,70 / (1 + i)] + [102,80 / (1 + i) 2 ] + [ ,20 / (1 + i) 3 ] Com auxílio de uma calculadora financeira apura-se a taxa de 0,1596%, que representa o custo efetivo da operação por dia útil. Capitalizando-ser essa taxa para o período da operação (três dias), o custo efetivo atinge a: i = (1 + 0,001596) 3 1 = 0,4796% 8.4 Desconto de duplicatas e notas promissórias As operações bancárias de desconto costumam usar o conceito de desconto simples por fora, no qual o juro incide sobre o montante da dívida, e não sobre o principal solicitado de empréstimo. Dessa forma, é apurada uma taxa implícita na operação superior à taxa de desconto considerada. As operações de desconto costumam cobrar, além do juro antecipado, imposto sobre operações financeiras (IOF) e uma taxa de abertura de crédito (TAC) com o intuito de cobrir despesas operacionais dos bancos Exemplo Um título de $ ,00 é descontado junt: í um banco 46 dias antes de seu vencimento. A taxa de desconto cobrada é de 2,7% a.m., sendo de 0,0041% ao dia o IOF incidente sobre a operação. O banco cobra ainda uma taxa de abertura de crédito (TAC) de 1,5% sobre o valor nominal do título no ato da liberação dos recursos. Calcular os diversos valores do desconto e o custo efetivo mensal do empréstimo.

5 Valor nominal da duplicata $ ,00 Desconto: ,00 x (0,027/30) x 46 dias 2.898,00 IOF: ,00 x 0, x 46 dias 132,00 TAC: ,00 x 0, ,00 Valor líquido liberado $ ,00 Custo efetivo mensal da operação: ,00 = ,00 (1 + i) 46/30 (1 + i) 1,533 = 1,06189 Custo efetivo (i) = 3,99% ao mês 8.5 Factoring O factoring, também conhecido por faturização. é uma operação voltada sobretudo à prestação de serviços às pequenas e médias empresas, como gestão de caixa e estoques, controle de contas a pagar e a receber, negociações com fornecedores etc. Como consequência desses serviços prestados, a empresa de factoring adquire os direitos creditórios resultantes das vendas mercantis a prazo realizadas por empresasclientes. O factoring equivale, dessa forma, a uma operação de prestação de serviços e de compra de direitos mercantis. A empresa de factoring não é classificada como uma instituição financeira, sendo vedada a realização de operações de concessão de crédito. O factoring consiste em adquirir (e não descontar) os títulos de crédito provenientes da atividade empresarial de forma definitiva, assumindo todo o risco inerente ao crédito concedido pela empresa vendedora. Uma empresa de factoring não capta recursos junto aos poupadores de mercado, respondendo os empresários integralmente pelos resultados (lucros ou preiuízos) de seus negócios. O lucro de uma empresa de factoring é formado pela diferença entre o valor nominal dos créditos mercantis adquiridos e o preço pago pela compra desses títulos. Existem diversas modalidades de factoring praticadas no Brasil. O factoring tradicional envolve a aquisição a vista de direitos creditórios provenientes de vendas a prazo realizadas por uma empresacliente. A empresa vendedora de bens e serviços faz a cessão pro soluto a uma empresa de factoring de seus ativos realizáveis (títulos a receber) sacados contra empresas compradoras, repassando todo o risco do crédito e recebendo um determinado valor pela operação. Há casos, ainda, em que a empresa de factoring passa a controlar os fluxos de caixa da empresacliente, exercendo efetivamente a gestão financeira de curto prazo. Com isso, permite maior disponibilidade de tempo dos sócios para a gestão das atividades essenciais de produção, distribuição e comercialização. A operação de factoring também é praticada pela intermediação na compra de máterias-primas para empresas-clientes. Por meio da negociação direta com os fornecedores, o factoring pode conseguir melhores condições de compra, colaborando com os resultados operacionais da empresacliente. Uma outra modalidade de factoring envolve um adiantamento de recursos por conta de vendas ainda não realizadas, obrigando a empresa-cliente a resgatar a operação junto à casa de factoring em data futura, ou seja, quando da efetiva comercialização de seus produtos (ou serviços) e consequente emissão dos títulos de créditos. Na operação de factoring, são identificados três agentes que operam de forma disciplinada por um contrato: a. empresa de factoring ou factor; b. empresa-cliente ou cedente dos direitos creditórios; c. empresa compradora dos bens e serviços, também conhecida como sacada ou devedora, cuja participação na operação de factoring se dá de maneira involuntária.

6 O valor de aquisição dos títulos de crédito é apurado mediante a aplicação de um fator, o qual inclui todos os custos incorridos pela empresa de factoring: despesas operacionais, impostos, custo de oportunidade do capital investido e margem de lucro esperada Exemplo Admita que uma empresa de factoring esteja operando da forma seguinte: Custo de oportunidade do capital (taxa efetiva): 2,15% a.m. Impostos (PIS, CPMF etc.): 1,1% Despesas fixas: 0.6% Despesas bancárias: 0,3% Margem de lucro: 1,4% Valor nominal (valor de face) dos títulos: $ ,00 Prazo de vencimento: 30 dias A partir dessas informações, são efetuados os seguintes cálculos para se obter o valor do fator a ser aplicado sobre o valor dos títulos em negociação: Custo de oportunidade Também denominado de taxa de fundeamento. Equivale à remuneração mínima exigida na aplicação do capital. Efetiva (i) = 2,1% Transformação em taxa de desconto (d): d = i / (1 + i) = 0,021 / 1,021 = 2,06% Fator Custo de oportunidade 2,06% Despesas fixas 0,6% Despesas bancárias 0,3% Margem de lucro desejada 1,4% Fator (antes dos impostos) 4,36% Impostos Os impostos são incorporados na taxa do fator da forma "por dentro", sendo seu cálculo processado pelo critério "por fora", ou seja: Fator + impostos = 4,36% / (1 0,011) = 4,36% / 0,989 = 4,41% Este fator representa o custo da operação de factoring, devendo ser comparado com a taxa de desconto de duplicatas cobradas pelos bancos para se avaliar a atratividade da operação. Preço de compra dos títulos Se o fator for aplicado pelo critério "por fora", o preço de compra dos direitos creditórios atinge: Valor nominal $ ,00 ( - ) Fator (4,41%) 5.292,00 Valor de compra $ ,00 A taxa efetiva da operação atinge:

7 EFE(i) = ($ ,00 / $ ,00) 1 = 4,6% a. m. Se aplicado o critério de juros "por dentro", a taxa efetiva para um mês são os próprios 4,41%. Porém, o preço de compra eleva-se para $ ,52, ou seja: Preço de compra = $ ,00 / 1,0441 = $ , Commercial papers Commercial papers são títulos de crédito emitidos visando à captação pública de recursos para o capital de giro das empresas. O título é negociado no mercado, constituindo-se em importante mecanismo de financiamento para as companhias de capital aberto alternativamente ao sistema bancário. Costuma ter como vantagens, em relação às operações convencionais de empréstimos, o baixo custo financeiro e a maior agilidade em tomar recursos no mercado, explicados pela eliminação da intermediação bancária. Uma empresa, ao necessitar de recursos de curto prazo, pode colocar títulos de sua emissão junto a investidores no mercado. Empresas que estejam negociando empréstimos maiores e de mais longo prazo podem usar a captação mais ágil do commercial paper como um crédito-ponte. Além dos juros pagos, a empresa emitente dos títulos incorre também em despesas de emissão, tais como registro na CVM, publicações etc. Estes títulos são negociados sem garantia real, podendo oferecer garantia de fiança bancária. Commercial papers são negociados no mercado por um valor descontado (deságio), sendo recompra-dos pela empresa emitente pelo seu valor de face (valor nominal). Na negociação do título com deságio sobre seu valor nominal, fica implícita uma taxa efetiva de juros que o título paga aos investidores. A colocação de commercial papers junto a investidores de mercado pode ser efetuada também por meio de dealers. Esses agentes adquirem os títulos das sociedades emitentes e os revendem ao público em geral, auferindo uma margem de lucro (comissão). Apesar de não apresentarem um mercado secundário forte, os commercial papers costumam apresentar boa liquidez, devido principalmente à possibilidade de recompra pela própria empresa emitente ou pelos dealers Exemplos 1. Admita uma empresa que tenha decidido captar $ 9 milhões por meio da emissão e colocação de commercial papers por 90 dias. A empresa oferece aos investidores uma taxa de desconto de 2,4% no trimestre, além de incorrer em despesas de emissão, lançamento, registro etc., em percentual equivalente a 0,5% do valor de captação. Apurar o valor de negociação do título (valor descontado), valor líquido recebido pela empresa e o custo efetivo da operação. Valor de emissão: $ ,00 Desconto: 2,4% x $ , ,00 Valor descontado: $ ,00 Despesas de lançamento: 0,5% x $ , ,00 Valor líquido recebido pela empresa: $ ,00 Custo efetivo da operação: O custo efetivo mensal é calculado: $ = $ (l + i) 3

8 (l + i) 3 = 1,02987 [(l + i) 3 ] 1/3 = i = 0,986% ao mês, que equivale a 12,49% ao ano de taxa efetiva 2. Uma empresa negocia um commecial paper para 120 dias por $ 9.400,00. O valor nominal desse título é de $ Determinar a taxa de rentabilidade do aplicador. $ ,00 - $ 9.400,00 Rentabilidade (i) = $ 9.400,00 = 6,38% ao quadrimestre Rentabilidade (i) = (l + 0,0638) 1/4 = 1,56% ao mês 8.7 Recolhimentos compulsórios O recolhimento compulsório é determinado pelo Banco Central do Brasil e incide, atualmente, sobre os depósitos a vista, depósitos a prazo (poupança), fundos de investimento e recursos em trânsito. Essa prática monetária repercute diretamente sobre o custo do crédito na economia, inibindo sua expansão. O recolhimento compulsório sobre os depósitos a prazo equivale a uma porcentagem das captações efetuadas pelas instituições financeiras por meio de CDB/RDB e letras de câmbio. Uma parte desse recolhimento é processada por meio de títulos públicos, e outra parte em espécie, sem qualquer remuneração. Periodicamente, é efetuada uma avaliação do montante das exigibilidades das instituições financeiras, que servirá de base de cálculo do recolhimento compulsório, ocorrendo depósitos complementares ou saques em função das variações verificadas de um período para outro. O recolhimento compulsório sobre o Fundo de Investimento Financeiro (FIF) é calculado pela aplicação de um percentual sobre o valor total captado (patrimônio do fundo). Se o depósito no Banco Central for sem remuneração, há uma redução na rentabilidade auferida pelo fundo equivalente ao percentual do recolhimento. Para um compulsório, por exemplo, de 5% sobre o patrimônio de um fundo de investimento que rende uma taxa equivalente ao CDI, o desempenho máximo que poderia obter seria de 95% da taxa do mercado interfinanceiro. Os depósitos a vista nos bancos comerciais e múltiplos têm aplicações compulsórias bastante rígidas, restando poucos recursos para aplicações livres. Atualmente, as aplicações obedecem à seguinte composição: 17% são obrigatoriamente aplicados em crédito rural, de acordo com as resoluções expedidas pelo Banco Central; 83% são encaixes obrigatórios a serem mantidos em reservas bancárias (caixa dos bancos) ou depositados no Banco Central. Esses percentuais são calculados sobre o total dos depósitos deduzido de certo montante definido pelo Bacen. Pelos procedimentos atuais, a dedução para se chegar ao valor base de cálculo do compulsório é de R$ 2 milhões. Recursos em trânsito são todos os valores recebidos pelos bancos e não repassados imediatamente aos respectivos credores, como cobrança de duplicatas, recolhimentos de tarifas públicas e impostos. Sobre esses transitórios devem também as instituições financeiras repassar um percentual ao Banco Central, geralmente em espécie e sem auferir qualquer remuneração. Algumas operações são atualmente isentas do recolhimento compulsório, como o mercado interfinanceiro, cessões de créditos de exportação, entre outras.

9 8.7.2 Custo de captação do banco com compulsório Para ilustrar o cálculo do custo dos depósitos a prazo de uma instituição bancária, admita que o Banco Central exija um recolhimento compulsório equivalente a 20% do valor captado. Uma parcela desse depósito (17%) é efetuada em títulos públicos, e os 3% restantes em espécie, sem qualquer remuneração. Além desses custos, deve a instituição financeira, ainda, recolher o equivalente a 0,025% mensalmente para o Fundo de Garantia de Crédito (FGC) criado por resolução do Banco Central, e que tem por finalidade garantir o investidor nas aplicações em títulos de renda fixa (CDB, RDB e LC), em caso de insolvência da instituição financeira emitente. Se a instituição levantou depósito a prazo no mercado pagando a taxa de 1,8% ao mês, e estando a Selic em 1,65% ao mês, o custo total da captação para cada $ 100,00 é estruturado da seguinte forma: a. Custo da Captação (remuneraçãodo investidor) ($ 1,80) b. Rendimento do Compulsório: 1,65% x (17% x $ 100,00) $ 0,2805 c. Custo do Fundo de Garantia de Crédito (FGC) ($ 0,025) Custo de Captação $ 1,5445 que equivale a um custo mensal de: $ l,5445 / $ 100,00 - $ 20,00 = 1,93%. O FGC está definido no cálculo em 0,025% a.m. sobre o saldo da captação. Sabendo que a instituição mantém somente 80% da captação em seu caixa (20% são recolhidos ao Banco Central), o custo efetivo da operação atinge: Resolvendo-se pela formulação da matemática financeira: ($ 101,80 + $ 0,025) - $ 20,2805 = ($ 100,00 - $ 20,00) x (l + i) $ 81,5445 = $ 80,00 x (l + i) i = 1,93% a.m. 8.8 Custo da captação bancária Ao avaliar uma captação, o banco deve considerar as alternativas de aplicações dos recursos e as taxas de juros de mercado. Admita que um banco tenha uma oportunidade de colocação de $ ,00 de CDB no mercado pelo prazo de 41 dias. A taxa efetiva dessa captação está estimada em 21,4% a.a. Determinar o custo de captação do banco e o valor de resgate do CDB Valor de resgate: FV = $ ,00 x (l,214) 41/360 = $ ,55 Custo mensal: i = [( $ ,55 - $ ,00) / $ ,00] 1 = 2,23% para 41 dias equivalente a: (1,0223) 30/41 - l = 1,63% a.m. Admita que o Banco Central exija um encaixe compulsório correspondente a 15% do valor captado. Esse encaixe não tem remuneração, e deve ser recolhido no momento da captação dos recursos. Calcular o custo efetivo mensal do banco incluindo os encargos provenientes deste recolhimento. Sendo i rc o custo de captação do banco com recolhimento compulsório, tem-se:

10 Se o banco emprestar 85% da captação à taxa de 25,6% a.a., ele cobre integralmente o custo do dinheiro acrescido do compulsório. A esse percentual deve a instituição acrescentar um spread (margem de lucro) para emprestar o dinheiro. A instituição tomadora de recursos pode encontrar dificuldades para repassar os fundos da colocação dos CDBs. Nessa situação, tem a alternativa de utilizar o mercado interfinanceiro para obter um retorno aos recursos tomados no mercado. Determinar a taxa de juro que o banco deve emprestar aos recursos captados no interfinanceiro, expressa por uma taxa over mensal, de maneira que as receitas financeiras apuradas cubram as despesas de captação. Admita que no período da operação (41 dias) são previstos 28 dias úteis. Taxa over equivalente mensal do custo de captação: Over = [(1+0,0223) 1/28-1] x 30 = 2,36% a.m. Taxa over equivalente mensal do custo de captação com compulsório: Over = [(1+0,0262) 1/28 -l] x 30 = 2,77% a.m. Admitindo que a instituição bancária deseje ganhar spread de 24% a.a. (taxa efetiva) na operação, apurar a que taxa efetiva mensal deve emprestar os recursos captados Taxa efetiva (i) = [(1 + 0,0192) x (l + 0,24) 1/12 ] - l = 3,76% a.m. 8.9 Warrants O warrant constitui-se numa opção de compra, dentro de um prazo preestabelecido, de certa quantia de ações a determinado preço, definida por preço de exercício. O prazo da opção de compra é firmado nolançamento do título, e os investidores de warrants não recebem dividendos ou assumem direito de voto em assembléia de acionistas enquanto não definirem sua opção de compra das ações. O valor teórico de um warrant é calculado pela diferença entre o preço de mercado das ações e o preço da opção definido no título e multiplicada, ainda, pela quantidade estabelecida para a troca, ou

11 seja: Vw = N [Ps P E ] Onde: V w = valor teórico de um warrant; N = quantidade de ações que podem ser adquiridas com um warrant; P s = preço de mercado da ação objeto da opção de compra; P E = preço da ação definido para o exercício da opção de compra. Na hipótese do preço de opção se apresentar inferior ao preço de mercado da ação, o warrant demonstra atratividade, sendo negociado no mercado por um preço mínimo equivalente a seu valor teórico. Sendo o preço de mercado da ação menor que o preço de exercício da opção, o valor do warrant é entendido como nulo, não demonstrando nenhum interesse em seu investimento. Por exemplo, se o preço da opção for de $ 7,00 por ação e o preço de mercado atingir a $12,00 no momento do exercício da opção de compra, o investidor pode exercer seu warrant e adquirir as ações por $ 7,00, auferindo um ganho de $ 5,00 por ação na base de troca de uma ação por um warrant. Evidentemente, no caso do preço de exercício ser superior ao preço de mercado, os investidores não demonstrarão interesse em trocar seus warrants por ações, pois poderão adquirir as ações no mercado por um preço menor Exemplo a.. Se uma empresa definir uma opção de compra por três ações por warrant e um preço de exercício de $ 17,00 por ação, determinar o valor teórico do warrant quando o preço da ação no mercado atingir a $ 19,00.. V w = 3 [$ 19,00 - $ 17,00] V w = $ 6,00 O valor teórico é o preço mínimo que se espera que o título seja negociado no mercado. O warrant pode ser negociado no mercado a um preço superior a seu valor teórico, em razão de expectativas otimistas dos investidores com relação ao desempenho do preço da ação. b. Admita agora que um investidor tenha adquirido o warrant por $ 6,00 e as ações respectivas por $ 19,00, totalizando $ 25,00. Se o preço de mercado da ação após a compra eleva-se para $ 20,00, calcular o valor teórico do warrant nessas novas condições. V w = 3 [$20,00-$17,00] V w = $ 9,00 A valorizacão da ação de $ 19,00 para $ 20,00 (ou 5,26%) determina um acréscimo de 50% no preço de mercado do warrant Títulos conversíveis Um título conversível constitui-se também numa forma de opção do investidor em adquirir ações da empresa emitente, a um preço e quantidade previamente definidos. O preço a que o título pode ser convertido em ações é denominado de preço de conversão, definindo-se um prêmio ao investidor medido pela diferença entre o preço de mercado da ação e o preço de conversão do título. A empresa assume o compromisso de resgatar o título ao final do prazo de emissão pelo seu valor de face, desde que não tenha sido convertido em ações.

12 Por exemplo, se um título apresenta um preço de conversão de $ 5,00 e seu valor de face encontra-se definido em $ 1.000,00, a quantidade de ações que podem ser adquiridas com a conversão de cada título atinge 200 ações, ou seja: $ 1.000,00 Ações convertidas = = 200 ações $ 5,00 O valor de conversão de um título é obtido pelo produto das ações convertidas pelo seu preço de conversão. Assim, se o preço de mercado de cada ação atingir $ 3,50, o valor de conversão totaliza $ 700,00 (200 ações x $ 3,50). A diferença entre o valor de face do título ($ 1.000,00) e seu valor de conversão ($700,00) representa o prêmio que o investidor paga ao exercer a opção de trocar o título por ações da empresa. Em verdade, o investidor recebe $ 300,00 a menos do que pagou pelo título conversível ($ 1.000,00). Se o preço da ação, ao contrário, subir para $ 4,00, o título valoriza-se para $ 800,00 (200 ações x $ 4,00), recebendo ainda menos que o valor pago pelo título. Para o investidor é interessante converter o título somente quando as ações atingirem o preço de mercado de $ 5,00, ou mais. Tanto os warrants como os títulos conversíveis em ações são fontes adicionais de financiamento das empresas, e podem ser interpretados como opções de compras de valores de emissão das empresas (ações, por exemplo) negociados com os investidores. A administração da empresa, ao se utilizar desses instrumentos para captação de fundos, deve avaliar, efetivamente, os riscos envolvidos nas operações, motivada principalmente pela obrigação de entrega de um ativo objeto do contrato a um preço previamente estabelecido. A diferença entre o valor do título no mercado e o valor acordado entre as partes na operação é que vai determinar o ganho do comprador (fornecedor de capital) e a perda para a empresa vendedora (captadora de recursos). Para Valle (VALLE, Maurício Ribeiro do. Eurobonds: aspectos do mercado e do investimento Dissertação (Mestrado) - EAESR FGV São Paulo.), como não há limite, pelo menos teórico, para a valorização de um título, também não haveria para esta perda. Os warrants e os títulos conversíveis apresentam diferentes influências sobre os fluxos de caixa das empresas. O exercício de um warrant, conforme foi demonstrado anteriormente, envolve uma efetiva entrada de recursos em caixa; o exercício de um título conversível reflete unicamente uma troca de ativos, ou seja, um título por outro, sem reflexos sobre o caixa Exemplo Admita ilustrativamente que uma empresa tenha lançado um título conversível em ações (debênture, por exemplo). O prazo de emissão é de cinco anos. O valor de face do título é de $ 1.000,00 e paga juros semestrais de 6%, sendo o principal reembolsado ao final do prazo estabelecido. O valor do título sem a cláusula de conversibilidade é definido, geralmente, da forma seguinte: onde: K representa a taxa de retorno requerida pelo mercado para títulos de dívida não conversíveis da empresa; C, os rendimentos periódicos (semestrais, na ilustração) prometidos pelo título; P N, o valor do principal a ser reembolsado ao final do prazo de emissão do título. Para uma taxa de retorno semestral exigida pelo mercado de 8%, o valor do título para os investidores pode ser apurado segundo a seguinte expressão de cálculo: P 0 = (60,00 /1,08) + (60,00 /1,08 2 ) + (60,00 /1,08 3 ) + (60,00 /1,08 4 ) (1.060,00 /1,08 10 ) P 0 = $865,80 Este é o valor de um título não conversível da empresa, que representa o valor mínimo que seus

13 títulos conversíveis em ações podem alcançar no mercado. Se o título estiver sendo cotado a um preço superior no mercado, tem-se a cobrança de um ágio na r.egociação. Ao se admitir, ainda, que o título tenha sido lançado com conversão em 289 ações da empresa (preço de conversão de $ 3,46 por ação: $ 1.000,00/289 ações), e que o preço de mercado dessas ações alcance a $ 3,17, o valor de conversão do título atinge a S 916,13 (289 ações x $ 3,17), tornando atraente a conversão do investimento em ações da empresa. O ágio da conversão é definido em: $916,13 - $865,80 = $50,33, representando a diferença entre valor de mercado e seu valor como título de renda fixa Export note O export note é um título representativo de uma operação de cessão de créditos de exportação, sendo lastreado em negociações de vendas a importadores estrangeiros. É negociado por meio de um desconto, incorrendo o investidor em IR na fonte. Empresas com passivo em moeda estrangeira podem fazer heddge cambial adquirindo export notes. Com isso, é possível protegerem-se contra as variações nas taxas de paridade cambial Exemplo Suponha que uma empresa exportadora tenha emtitido export note no valor nominal (valor de resgate de US$ ,00. A cotação da moeda nacional em relação à moeda estrangeira (dólar) no momento da operação atingia a R$ 1,08/US$, e no dia do resgate a. paridade passou para R$1,119/US$. A export note foi emitida pelo prazo de 90 dias, sendo a taxa de desconto definida em 13,2% ao ano. Determinar os valores da operação e do custo efetivo da empresa tomadora de recursos. Calcular também a rentabilidade do investidor que tenha adquirido este título, sabendo-se que há incidência de IR na fonte pela alíquota de 20%. Em US$ Em R$ Valor nominal da emissão , ,00 Valor líquido captado US$ , , , (0,132/12) x 3 Desconto 9.583, ,44 Valor de resgate , ,00 Custo efetivo (i) = ( ,00 / ,56) 1 = 7,03% Esse cálculo embute a variação cambial de 3,61% [(R$ 1,119/R$ 1,08) - 1] e a taxa real de 3,3%. Para um investidor, o cálculo da rentabilidade efetiva deve considerar o IR retido na fonte previsto para esta operação. Considerando a alíquota de 20% incidente sobre os rendimentos brutos, tem-se: IR = 20% x (R$ ,00 - R$ ,56) = R$ 4.410,09 O valor líquido de resgate do investidor reduz-se para: Resgate (FV) = RS ,00 - RS 4.410,09 = R$ ,91

14 Logo, a rentabilidade efetiva líquida é calculada em: Rentabilidade líquida (i) = (R$ ,91 / R$ ,56) 1 = 5,62% a.t Debêntures Debêntures são títulos de longo prazo emitidos por companhias de capital aberto e destinados, geralmente, ao financiamento de projetos de investimentos (fixo e giro) ou para alongamento do perfil de endividamento das empresas. Constitui-se, em essência, num instrumento no qual o tomador de recursos (emitente do título) promete pagar ao aplicador (debenturista) o capital investido acrescido de juros em determinada data previamente acertada. As debêntures possuem geralmente prazo de vencimento determinado. Entretanto, estes títulos podem também ser emitidos com duração indeterminada. Algumas emissões de debêntures são feitas com cláusula de repactuação, em que é permitida, ao final de cada período combinado, uma livre negociação entre os debenturistas e a Sociedade emitente dos títulos com relação aos rendimentos oferecidos. Diante de modificações nas taxas de juros de mercado, essa cláusula de repactuação permite que as partes ajustem novas condições de remuneração do capital investido. Em caso de um ou mais debenturistas não aceitarem os novos termos oferecidos, a emissora é obrigada a promover o resgate obrigatório (ou recompra para posterior colocação no mercado) antecipado dos títulos adquiridos, pagando nesse ato aos investidores todos os rendimentos previstos antes da repactuação. As debêntures têm diferentes formas de garantias conforme previstas na escritura de emissão. As espécies mais comuns são comentadas a seguir: a. Garantia Real: todos os ativos da sociedade emissora são dados como garantia aos debenturistas pelo pagamento de seus direitos creditórios. Nessa espécie, a sociedade não pode negociar seus ativos em garantia até o vencimento das obrigações com os debenturistas. Em geral, a emissão de títulos com garantia real é limitada a 80% dos bens ativos da sociedade. b. Garantia Flutuante: nesse caso, os titulares das debêntures assumem uma prioridade geral sobre os ativos da sociedade emissora, sem que haja qualquer impedimento na negociação dos bens. c. Garantia Quirografária: os debenturistas não têm preferência sobre os ativos da sociedade emissora (garantia real), concorrendo em idênticas condições com os demais credores quirografários. d. Garantia Subordinada: em caso de liquidação da sociedade emissora, os investidores terão privilégios para reembolso do capital aplicado somente em relação aos acionistas. Os juros podem ser pagos periodicamente, durante todo o prazo de emissão da debênture, ou ao final, no momento do resgate. Quando o prazo de emissão do título for superior a um ano, os juros são pagos, em geral, periodicamente. Remuneração Condições Prazo mínimo para vencimento ou período de repactuação da debênture Taxas prefixadas Taxas Flutuantes As taxas flutuantes utilizadas em debêntures devem ser regularmente calculadas e de conhecimento público, devendo ser baseadas em operações contratadas a taxas prefixadas, com prazo não inferior ao período de reajuste estipulado contratualmente. Não há. 180 dias (apenas prazo mínimo de vencimento). As taxas deverão ser reajustadas em períodos fixos.

15 Índice de Preços + Taxa de juros Fixa O índice de preços deve ter série regularmente calculada e ser de conhecimento público. A periodicidade de aplicação da cláusula de atualizacão não pode ser inferior a um ano e o pagamento de seu valor somente pode ocorrer por ocasião do vencimento ou da repactuação das debêntures. Além disso, o pagamento de juros e a amortização realizados em períodos inferiores a um ano devem ter como base de cálculo o valor nominal das debêntures, sem considerar atualizacão monetária de período inferior a um ano. Um ano. Participação nos Lucros As debêntures podem remunerar os Não há (quando a debênture investidores por meio de possuir exclusivamente esta participação nos lucros, agregando forma de remuneração). características de renda variável ao papel. Fonte: Decisão Conjunta BACEN/CVM n a 07/99. É vedada a emissão de debêntures com cláusula de variação cambial ou com previsão de mais de uma base de remuneração ou mais de um índice de preços, exceto na hipótese de extinção daqueles estabelecidos. As debêntures podem também ser negociadas na subscrição com deságio em relação ao seu valor nominal, o que eleva a rentabilidade do investidor. Este deságio deve ser explicitado na escritura e no anúncio de distribuição pública do título. A estrutura de emissão de debêntures segue o seguinte influxo, bastante semelhante ao lançamento de ações: A assembleia de acionistas, mais especificamente a AGE - Assembleia Geral Extraordinária -, decide sobre todas as condições de emissão dos títulos, elaborando um documento denominado de Escritura de Emissão. Essa escritura define o montante a ser lançado, remuneração, garantias, prazo de emissão etc., devendo ser registrada em cartório. A emissão das debêntures poderá também ser feita por séries, com características próprias referentes ao prazo e remuneração dos investidores.

16 Toda emissão deve ainda ser registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), equivalendo a uma autorização de lançamento público dos títulos. Por serem normalmente emitidas sob a forma escritural (não há emissão física dos títulos), as debêntures devem também ser registradas na Cetip/SND (Sistema Nacional de Debêntures), em que são realizados os controles de transferências de titularidade por negociações e efetuadas as várias liquidações financeiras das operações. A emissão das debêntures pode ser privada, quando já existem compradores para os títulos (investidores institucionais e grandes investidores, geralmente), e mediante oferta pública, quando as debêntures serão oferecidas ao público em geral do denominado mercado primário. No caso de oferta pública de debêntures, é necessária a coordenação de uma instituição financeira, ou um pool de instituições, como Bancos de Investimento, Sociedades Corretoras etc. Os direitos dos debenturistas são defendidos junto à empresa emitente por um agente fiduciário. Suas atividades básicas são as de zelar pelo cumprimento da escritura de emissão, elaborar relatórios sobre o desempenho da empresa emitente e informações gerais sobre os títulos, relatar qualquer ato que possa prejudicar os debenturistas etc. As debêntures podem ser emitidas no tipo simples ou conversíveis em ações. As debêntures simples prometem ao aplicador somente uma remuneração sobre o valor do investimento. As debêntures conversíveis dão a opção de converter, a critério do investidor, o valor do resgate em ações da empresa emitente, segundo uma fórmula de conversão previamente definida. As emissões são, geralmente, emitidas com alguma forma de garantia, como hipoteca de bens reais ou penhor de bens imóveis. Uma emissão pode também basear-se, unicamente, no bom conceito da empresa emitente, sem oferecer qualquer garantia real. De forma a adequar a colocação das debêntures às taxas de juros vigentes no mercado no momento do lançamento, os títulos podem ser negociados com ágio ou deságio. A debênture pode prever, conforme deve constar da escritura de emissão, diversas formas de remuneração. Por exemplo, se a debênture foi emitida pagando uma taxa de 14% a.a. e posteriormente ocorre uma redução dos juros para 11% a.a., o debenturista poderá não aceitar essas novas condições, sendo a empresa emitente obrigada a resgatar os títulos emitidos à taxa original de 14% a.a Bovespa Fix O Bovespa Fix é um sistema eletrônico, apoiado na plataforma de negociação SISBEX, lançado pela Bolsa de Valores de São Paulo, que tem por objetivo negociar, liquidar e custodiar títulos de dívida corporativa em Bolsa. O Bovespa Fix foi constituído com o intuito de dar maior liquidez e transparência, com a divulgação de preços em tempo real, no mercado secundário de renda fixa, reduzir os custos de transação e dar maior eficiência aos negócios. O Bovespa Fix iniciou-se com a implantação do mercado de debêntures, e atualmente permite negociações de todos os títulos privados de renda fixa, como commercial papers e CDBs. As negociações neste novo mercado apresentam vencimento em D+l, sendo garantidas pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) Debêntures com participação nos lucros Uma sociedade também pode emitir debêntures vinculando sua remuneração como uma percentagem de seu lucro do exercício, em vez de adotar uma taxa prefixada para pagar aos investidores. As condições de emissão do título devem prever o percentual da remuneração e indicar sobre qual lucro deve incidir (lucro operacional ou lucro líquido, por exemplo). Essa forma de remuneração da debênture não deve ser considerada como se fosse um dividendo; ao contrário, deve ser interpretada como uma despesa financeira da sociedade emissora do título. O investidor deverá recolher Imposto de Renda Retido na Fonte sobre a remuneração financeira paga pela debênture Exemplos 1. Admita uma debênture emitida por três anos a uma taxa nominal de juros de 10% a.a., com capitalização semestral. O título é vendido com deságio de 3,75% sobre seu valor de face (valor ao

17 par) de $ 1.000,00 cada um. Determinar o rendimento efetivo do título. Apesar de ser negociada com deságio de 3,75%, o cupom (rendimento) de 10% a.a. incide sobre o valor ao par de $ 1.000,00. Logo, tem-se o seguinte fluxo de caixa semestral para o investidor: Expressando o fluxo de caixa na formação de cálculo da taxa interna de retorno (IRR), tem-se a seguinte rentabilidade efetiva anual: IRR (i) = 5,76% a.s., que equivale a: (1,0576) 2 - l = 11,84% a.a. O deságio de 3,75% sobre o valor do par elevou o retorno da debênture para 11,84% a.a. Se a debênture fosse negociada pelo seu valor ao par de $ 1.000,00, a rentabilidade oferecida seria exatamente igual a 5,0% a.s. (efetiva de 10,25% a.a.). Se o mercado negociar o título com ágio, por outro lado, então a taxa efetiva cai para menos de 5,0% a.s., que representa a taxa de cupom (rendimento) do título. 2. Uma empresa lança debêntures com valor ao par de $ 1.000,00 cada e rendimentos de 12% ao ano (6% ao semestre). O prazo da emissão é de quatro anos. O mercado desconta esse título à taxa de 14% ao ano (7% ao semestre). Determinar o valor de mercado da debênture.

18 PV = $ 940,29 que equivale a um deságio de 5,97% sobre o valor ao par da debênture Securitização de recebíveis A securitização de recebíveis é uma forma de captação de recursos envolvendo a emissão de títulos de crédito pelo tomador, os quais são garantidos mediante caução de recebíveis. Por meio dessa operação financeira, é possível uma empresa levantar fundos no mercado sem comprometer seus níveis atuais de endividamento de balanço. O fluxo básico de uma securitização de recebíveis é apresentado a seguir: uma empresa, com base em sua carteira de recebíveis, decide levantar recursos no mercado emitindo títulos de crédito para colocação junto a investidores; é constituída, para tanto, uma sociedade de objeto social específico, denominada de Special Purpose Company - SPC (Sociedade de Propósitos Específicos - SPE). O objetivo básico dessa sociedade é adquirir os recebíveis mediante a respectiva emissão de títulos; a SPC constituída procede à colocação dos títulos emitidos no mercado, ocorrendo continuamente a renovação dos recebíveis repassados à sociedade especial e a consequente entrega dos recursos efetivos à empresa comercial (tomadora final dos recursos); os clientes da empresa comercial realizam seus pagamentos normalmente nos locais determinados, resgatando os recebíveis; é nomeado um agente fiduciário da operação (trustee), geralmente um banco, com a responsabilidade de supervisionar a gestão da special purpose company; é efetuada auditoria externa nas operações relacionadas com a empresa comercial e a SPE, cujas avaliações são encaminhadas ao agente fiduciário. O objetivo da auditoria é preservar os interesses dos investidores nos títulos de crédito emitidos; os investidores recebem relatórios periódicos do agente fiduciário, contendo análises das demonstrações financeiras e pareceres Outras formas de securitização A securitização de exportação é uma operação de captação de recursos externos lastreada por recebíveis provenientes de contratos comerciais de exportação. Mesmo que não haja a emissão correspondente de títulos (securities), essa operação é conhecida no mercado como securitização. As receitas de exportação nessa operação são depositadas em contas remuneradas, permanecendo bloqueadas como garantia da liquidação do empréstimo. Quando do pagamento, os recursos caucionados são liberados ao exportador, acrescidos dos juros remuneratórios desses depósitos. A securitização de recebíveis imobiliários é uma operação em que são emitidos e negociados títulos no mercado que têm como lastro os contratos de créditos imobiliários realizados no âmbito do sistema financeiro imobiliário. Essa securitização é efetuada pelas companhias securitizadoras de créditos imobiliários, empresas constituídas principalmente para essa finalidade. As companhias securitizadoras podem emitir quaisquer títulos negociados no mercado financeiro nacional, além de terem exclusividade em operarem com títulos criados especialmente para essa operação, os denominados Certificados de Recebíveis Imobiliários CRIs Títulos públicos prefixados A Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) negocia títulos públicos federais, estaduais e municipais, de todos os tipos e vencimentos, de forma eletrônica. A cotação dos títulos é estabelecida com base em suas taxas de rentabilidade. Desta forma, quanto maior for a taxa de remuneração do título, menor o seu valor, e vice-versa. A fórmula adotada de precificação desses títulos adotada pela BVRJ, e recomendada pelo Banco Central (Disponível em: <www.bvrj.com.br/sistex/mtitpub1.htm>), é a seguinte: PU = 1.000/[1 + (Tx/100)] n/252

19 Exemplos: onde: PU = preço unitário do título geralmente expresso em 6 casas decimais; Tx = taxa de juro anual na base de 252 dias úteis; n = número de dias úteis verificado entre a liquidação da operação e o seu vencimento. a) Determinar o PU de uma LTN, com vencimento em 59 dias, estando cotado à taxa de 14,8% a.a.o (ao ano over). PU = 1.000/[1 + (14,8%/100)] 59/252 PU = $ 956, b) Uma instituição financeira adquiriu um lote de títulos públicos (LTN) pagando PU de $946, O prazo dos títulos é de 101 dias. Determinar: Taxa efetiva do título. Taxa over ano (% a.a.o). i (efetiva) = (1.000,00 / 946,785000) -1 i (efetiva) = 5,62% ao período (101 dias) over = (l + Tx) 252/n over = (1.0562) 252/101 - l over = 14,62% a.a.o.

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Desconto É a denominação dada a um abatimento que se faz quando um título de crédito é resgatado antes de seu vencimento. Onde: N : valor nominal; V : valor líquido; D : desconto; t : data de vencimento.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto Matemática financeira e renda fixa 1 Capítulo Matemática financeira Juros e taxa de desconto Cálculo de juros simples versus juros compostos, taxas de juros reais versus taxas de juros nominais e efeito

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Titulos de Divida Debentures 2 O que são Debêntures? Debêntures são títulos emitidos por sociedades

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas GOVERNO Instituições Financeiras EMPRESAS

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO?

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? Tiziane Machado(*) Antes de iniciarmos uma discussão sobre securitização é importante definirmos o termo: Securitização é um processo através do qual

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas ou por ações (emissoras), de capital aberto

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) Material Explicativo sobre (CRI) 1. Definições Gerais Os Certificados de Recebíveis são títulos lastreados em créditos imobiliários, representativos de parcelas de um direito creditório. O ativo permite

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos Ações Ação é a menor fração do capital

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 MATERIAL PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP, A

Leia mais

Cap. III Mercados Financeiros

Cap. III Mercados Financeiros 3. Mercados Financeiros Cap. III Mercados Financeiros Prof. Uérito Cruz 3.1 Mercado monetário 3.2 Taxas de juros no MF 3.3 Mercado de crédito 3.4 Mercado de capitais 3.5 Mercado cambial MERCADO MONETÁRIO

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança DAV Custo ZERO (IF) Não há remuneração Cliente Superavitário RENTABILIDADE Conhecimentos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Módulo V Produtos de Investimento

Módulo V Produtos de Investimento Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo V Copyright 2011 2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 15% a 25% da prova 1. Títulos Públicos 6 1.1. Conceito e Finalidade 6 1.2. Características

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1 4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1. Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Séries: 95ª e 96ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DOS CERTIFICADOS...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 FUNDO RESERVA...5 ASSEMBLÉIAS DOS TITULARES DOS

Leia mais