Empresas exportadoras optam por soluções de factoring

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas exportadoras optam por soluções de factoring"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5627 DE 07 DE MARÇO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Gestão, Recuperação de Créditos e Factoring Empresas exportadoras optam por soluções de factoring Ana Brigida Portugal é o segundo país da Europa com maior procura de factoring Gestoras de créditos com mais dificuldades em cobrar Bancos vendem dívidas de crédito ao consumo PUB

2 II Diário Económico Quinta-feira 7 Março 2013 GESTÃO, RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS E FACTORING OS BANCOS são, desde o inicio do ano, obrigados a acompanhar os processos de crédito dos clientes e a prever eventuais riscos de incumprimento. A iniciativa coloca algumas dúvidas à APERC É uma panaceia, afirma António Gaspar. Também a Deco tem dúvidas, nomeadamente na legitimidade em aceder a informaçãoes de carácter judicial e a relevância dos dados apurados. Situação económica dificulta recuperação de créditos Em 2011, as 29 associadas da APERC recuperaram um montante de mais de 620 milhões de euros. E tinham sob gestão 3,8 mil milhões. IRINA MARCELINO Estenãovaiserumanobom.A economia está em queda, o desemprego não pára de subir. Os cortes salariais e impostos extra já se sentem nas carteiras dos portugueses. Com as alterações nos orçamentos familiares, muitas vezes não se consegue pagar o que se deve.esenãosepagaoquesedeve,asempresas - e a economia - ficam em dificuldades. Temos mais solicitações mas também mais dificuldade na recuperação, conta António Gaspar, director executivo da Associação Portuguesa de Empresas de Empresas de Gestão e Recuperação de Créditos (APERC). Há cada vez mais pedidos de ajuda por parte de empresas credoras. A conjuntura potencia isto. Com os cortes do 13º e 14º mês, com a subida dos impostos, as pessoas, que se tinham endividado contando com um certo valor, entram em incumprimento. As empresas contactadas pelo Diário Económico concordam: Em 2012, apesar de termos registado um aumento significativo das empresas que solicitaram os serviços de gestão de cobranças, a actividade foi condicionada pela incapacidade financeira dos devedores em fazer face aos seus compromissos para com os seus credores, diz a Coface Serviços Portugal, que actuanaáreadagestãodecobranças.aintrum Justitia, através do seu director para Portugal e Espanha, também confirma: Na actual con- Com os cortes salariais e a subida de impostos, quem tem dívidas entra em incuprimento. Para as empresas que recuperam créditos, este trabalho está a ser mais difícil, apesardeserem mais procuradas pelas empresas credoras. juntura económica, existem mais empresas que querem e procuram conhecer soluções que o mercado tem para lhes oferecer. No entanto, o sucesso das empresas no nosso sector de actividade depende da eficácia da recuperação dos créditos, ou seja, da capacidade dos devedores liquidarem as suas dívidas. O sucesso e consequente crescimento das empresas na área da Recuperação de Crédito está directamente associado à liquidez no mercado particulares e empresas, considera Luís Salvaterra. A situação económica do País está a ser um grande constrangimento para a actividade destas empresas. Paralelamente, diz a Coface, sentimos que as empresas reajustaram as suas políticas de crédito no sentido de as limitar a valores menores, ou mesmo a não conceder crédito a todos os clientes, optando pelo pronto pagamento. Estas medidas impactaram, naturalmente, a actividade de cobranças. Apesar da previsão de negócio não ser de grande crescimento - apesar de uma ou outra excepção (ver texto da página 4) -, os números do crédito recuperado pelas empresas associadas da APERC têm vindo sempre a crescer. E se em 2005, altura em que tinham 19 associados, conseguiram recuperar 350 milhões de euros, em 2011 (ano dos últimos dados disponíveis), os agora 29 associados recuperaram mais de 620 milhões. O montante sob gestão nesteanoerade3,8milmilhõesdeeuros. RECUPERAÇÕES O valor dos créditos recuperados em 2011 pelas 29 associadas daapercultrapassouos620 milhões de euros. A maioria dos créditos que deixam de ser pagos são créditos ao consumo. 620 milhões de euros PERDAS PARA EMPRESAS 69% das empresas inquiridas pela Intrum Justitia preveem perdas de rendimentos devido aos atrasos ou ao não pagamento. 69% ATRASOS IMPEDITIVOS 81% dos empresários inquiridos pela Intrum Justitia receiam pela liquidez das suas empresas. E 66% dizem que os pagamentos em atraso impedem o crescimento das suas empresas. 66% INCOBRÁVEIS A percentagem de incobráveis aumentou, em Portugal, de 3,2% para 3,6%. Na Europa, apercentagemmédia de incobráveis cresceu de 2,7% para 2.8%. 3,6% Empresas que não cumprem são minoria Bastonário dos Advogados reclama que a actividade é para estes profissionais. O mercado de recuperação de crédito não está legislado e o bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, defende uma regulamentação da actividade e uma clarificação por parte da Assembleia da República que permitisse saber de facto o que fazem essas empresas. Na sua opinião, estas empresas são uma selva e estão a violar a lei dos actos próprios dos advogados. Garante que a recuperação de créditos é uma tarefa jurídica que só compete a advogados, e que as empresas não têm condições nem conhecimentos jurídicas para fazer esse trabalho. Marinho Pinto não tem dúvidas que a cobrança de dívidas deve ser feito através de advogados, porque é preciso conhecimento jurídico para que a própria negociação possa ser feita em segurança. O bastonário frisa que os advogados negoceiam de maneira a poderem chegar a uma solução, como renegociar a dívida, perdoar juros ou fazer um plano de pagamentos, informando de forma cordial o devedor que se não pagar dentro de um determinado prazo é desencadeado um processo em tribunal. Já as empresas de recuperação de crédito usam métodos pouco ortodoxos e utilizam mesmo parte da dívida para fazer valer o pagamento do serviço, afirma. António Gaspar, presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Recuperação de Crédito (APERC), garante que as empresas que não cumprem com as regras são uma minoria e sublinha que existe uma lei de Agosto de 2004 que define que a negociação da dívida do cliente só deve ser feita por um advogado ou alguém mandatado por ele. Apesar de já haver alguns advogados contratados para fazer isso, a fase extra-judicial é feita pela empresa por via do diálogo, explica. E se o extra-judicial resolve o problema de forma eficaz e eficiente, entrando na justiça, o diferendo pode demorar três, a quatro anos. R.C. TonyGentile/Reuters

3 Quinta-feira 7 Março 2013 Diário Económico III O VALOR DA CONCESSÃO DE CRÉDITOà habitação caiu 2,97% de Dezembro de 2011 a Dezembro de A cobrança duvidosa de créditos hipotecários subiu, por seu turno, 7,34%. A cobrança duvidosa de crédito ao consumo cresceu 6,97% e a de crédito para outros fins subiu 15,66%, de acordo com o Banco de Portugal citado pela associação representativa das empresas de recuperação de créditos. NO ANO DE 2011 mais pessoas trabalhavam nas 29 empresas associadas da APERC. Em 2006, ano em que apenas tinha 19 empresas associadas, o número de trabalhadores era de 614. Os gastos com combustíveis ultrapassaram 1,5 milhões de euros. OPINIÃO: Com telecomunicações,??????????????????? as 29 empresas gastaram 1,3 milhões de euros em 2011.????????????????????????????? Dificuldades de liquidez por atrasos nos pagamentos Empresas acusam recessão por queda nas vendas. O Índice de Pagamentos Europeu 2012 da Intrum Justitia revela que 57% das empresas europeias afirmam ter problemas de liquidez devido a atrasos nos pagamentos. O aumento foi de 10% face ao ano passado. 55% das 7800 empresas inquiridas pela Intrum Justitia dizem que a justificação para estes problemas de liquidez é a situação de recessão económica. O problema da dificuldade das vendas devido à recessão é especialmente intenso na Grécia, onde 96% das empresas assumiram a crise e a recessão como razão para a queda das vendas. Em Portugal responderam também assim 81% das empresas inquiridas e em Espanha 80%. A maioria das empresas diz ainda que a principal razão para os atrasos nos pagamentos é o facto dos devedores terem ficado com problemas económicos. A segunda razão mais evocada é, curiosamente, o pagamento tardio intencional. O retrato tirado aos países europeus revela ainda duas velocidades diferentes no que respeita aos tempos de pagamento entre os países do Norte da Europa, como os nórdicos, a Suiça,aAlemanhaeaÁustria e os países do Sul, como Portugal, Espanha, Itália e Grécia. E exemplificam: em Portugal uma empresa demora em, média 90 dias a pagar a outra empresa. Na Grécia a média é de 80 dias. Já na Suécia e na Alemanha as empresas demoram, porseuturno,35diasaefectuarumpagamento. No que respeita ao acesso ao financiamentro bancário, 47% dos inquiridos assumem não ter apoio suficiente dos bancos (em 2011 este valor era de 32%) para alavancar os seus negócios. De acordo com a Intrum justitia, os incobráveis aumentaram 4% face a 2011, o que significa que 2,8% do total de dívidas na Europa não se consegue cobrar. I.M. PUB

4 IV Diário Económico Quinta-feira 7 Março 2013 GESTÃO, RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS E FACTORING O crédito hipotecário é a área menos importante na recuperação de créditos. A maioria das empresas trabalham com o crédito ao consumo. O que compram as empresas LUÍS SALVATERRA Managing director para Portugal e Espanha Os nossos principais clientes são empresas do sector financeiro. SusanaVera/Reuters BRUNO CARNEIRO Chefe executivo da Servdebt Apenas adquirimos carteiras de créditos a bancos e instituições financeiras. Bancos vendem carteiras de crédito ao consumo Empresas que compram créditos antecipam novos negócios nas telecomunicações e em utilities. ANTÓNIO DE ALBUQUERQUE As empresas de recuperação de créditos e que também compram activos têm os bancos como principais clientes. Só no ano passado três das empresas líderes do sector compraram mais de mil milhões de euros, na esmagadora maioria créditos ao consumo. Para este ano estimam um crescimento da actividade com mais compras ao sistema financeiro mas também com a entrada das empresas de telecomunicações e de utilities. Bruno Carneiro, chefe executivo da empresa Servdebt, afirma que são os bancos e instituições financeiras os seus únicos clientes e quando questionado sobre os montantes envolvidos abre o jogo: no ano de 2012 conseguimos concluir com sucesso operações que totalizaram mais de 500 milhões de euros de créditos. O grupo sueco Intrum Justitia, que tem um português, Luís Salvaterra, a liderar as operações da empresa para o mercado nacional e espanhol, também não esconde que os principais clientes são empresas do sector financeiro, nomeadamente empresas de crédito ao consumo e bancos. Quanto questionado sobre o montante adquirido no ano passado assume que adquiriu créditos no valor 500 milhões de euros a mais de uma dezena de entidades. Só no ano passado três das empresas líderes do sector compraram activos de mais de mil milhões de euros, na esmagadora maioria créditos ao consumo. A empresa portuguesa Gesphone, liderada por Carlos Medeiros, acrescenta que já está a comprar activos a empresas de telecomunicações, quando questionado sobre os seus principais clientes. Os principais sectores são o financeiro e o de telecomunicações, afirmou o responsável em declarações ao Diário Económico. Em 2012, a empresa, que se dedica em exclusivo a crédito não hipotecário, terá contratado três cessões de créditos. Aliás, os responsáveis das empresas assumem que para este ano as empresas de telecomunicações e utilities vão começar a vender créditos, o que não deixa de reflectir a crise que se instalou em Portugal. Luís Salvaterra, managing director da Intrum Justitia para Portugal e Espanha, confirma esta tendência. Temos verificado um crescente interesse na venda de carteiras por parte de outros sectores de actividade nomeadamente, telecomunicações e utilities. Todososgestoresconfirmamqueasituação económica do país está a afectar o sector. O esforço de recuperação revela-se muito superior ao exigido em ciclos económicos estáveis ou em desenvolvimento, esclarece o responsável da empresa sueca que este ano espera um crescimento da empresa na casa dos dois dígitos. Carlos Madeiros, CEO da Gesphone, adianta mesmo que a crise actual atrasa a predisposição dos clientes em ceder as carteiras de créditos vencidos. O responsável explica que a redução de actividade propicia que se internalizem serviços que anteriormente eram contratados a terceiros, como forma de rendibilizar as estruturas existentes. Ou seja, para Carlos Medeiros as empresas têm menos apetência para a venda de carteiras de dívidas, ainda que estas aumentem de volume. Bruno Carneiro, chefe executivo da Servdebt, reconhece que o aumento dos rácios de crédito em incumprimento crescem em momentos de crise e por isso a médio/longo prazo isso terá um impacto no nosso crescimento. Mas também afirma que o sucesso das empresas no nosso sector de actividade depende da capacidade dos devedores liquidarem as suas dívidas. No ano passado, a Servdebt contratou mais 100 colaboradores e a facturação cresceu 66% relativamente ao ano de E para este ano, Bruno Carneiro espera um forte ano. Apesar das vantagens destas empresas em permitir injecção de dinheiro fresco, redução de custos administrativos e recursos, aumento de lucros passando a resultados extraordinários o valor de venda, eliminando dos balanços estes créditos, todos dos gestores reconhecem, confrontados com a maior limitação das empresas do sector, a influência da crise económica.

5 PUB

6 VI Diário Económico Quinta-feira 7 Março 2013 GESTÃO, RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS E FACTORING ENTREVISTA ANTÓNIO GASPAR, DIRECTOR EXECUTIVO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS DE GESTÃO E RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS Existem dois tipos de empresas: as com boas práticas e as que condenamos Associação defende uma lei que regule o sector para distinguir as boas empresas das outras. ANTÓNIO DE ALBUQERQUE Para António Gaspar, director executivo da Associação das Ampresas de Gestão e Recuperação de Crédito (APERC) o Estado necessita de regular o sector para separa o trigo do joio - ou seja, as empresas de recuperação de crédito que seguem um código de conduta das outras cujos métodos muitas vezes aproximam-se da ilegalidade. Como avalia o sector e como o perspectiva? O sector está sólido, consistente e pronto para se moldar aos desafios constantes e permanentes que lhe são colocados pelos clientes e demais stakeholders do sector. Gostava de referenciar e sublinhar os fortes investimentos feitos em novas tecnologias e formação de colaboradores, verdadeiras apostas destas empresas, sempre a pensar na melhor forma de servir os seus clientes, na eficácia e na eficiência do serviço prestado, não perdendo de vista acréscimos de produtividade, que vão permitindo adequar a estrutura de custos ao pricing praticado. Em termos futuros, acredito que este sector terá ainda muito por onde se expandir, particularmente num vasto mercado que compagina a economia real. É verdade que as empresas do sector ganham quando existem crises? Essaéclaramenteumafalsaquestão.Num momento de crise, como aquela que vivemos, ninguém ganha todos perdem! Pelo facto das empresas terem no seu core business a recuperação de crédito vencido, desenganem-se os que pensam que uma situação de crise as favorece. Uma situação de crise potencia e exponencia a existência dum número crescente de cidadãos que deixam de cumprir as suas responsabilidades creditícias assumidas para com terceiros. E também é verdade que a dificuldade em recuperar os montantes vencidos é muito maior. Daí a falsa questão. Como avalia o sector em Portugal quando comparado com outros países europeus? A comparação não é fácil de fazer. Não existem muitos dados internacionais para comparação; e depois, porque cada país é diferente e por essa via, temos realidades muito distintas. Podemos, no entanto, ver o que se passa com os nossos vizinhos espanhóis, que não estão tão avançados como nós estamos nesta área. Quais as consequências da nova directiva de protecção de dados para as empresas do sector? Temos acompanhado com muita preocupação. O conteúdo que foi colocado para discussão pública do projecto do que poderá vir a ser a nova directiva de protecção de dados, compagina e configura custos brutais para todas as empresas que gerem dados de cidadãos. Obviamente que não são só as empresas que fa- O conteúdo que foi colocado para discussão pública do projecto da nova directiva de protecção de dados, compagina e configura custos brutais para todas as empresas que gerem dados de cidadãos. As principais regras de conduta >> Métodos As empresas não deverá nunca usar métodos de recuperação que sejam opressivos ou de intrusão >> Acção em público A empresa nunca deverá agir em público, de forma intencional a embaraçar os devedores >> Total a ser pago A empresa deverá apresentar sob forma clara o total a ser pago pelos devedores ( quantia em débito, juros, compensações, custo de recuperação), na primeira cartaoucontacto >> Autorização CNPD Aempresadeverátera sua base de dados reconhecida e autorizada pela Comissão Nacional de Protecção de Dados. A clarificação legal do sector era proveitosa para todos: empresas e clientes, afirma António Gaspar. zem a recuperação extrajudicial e amigável de créditos que poderão vir a sofrer com uma aprovação que não leve em conta custos e factores operacionais por demais irracionais. Através da nossa Federação Europeia, têm vindo a ser apresentados no Parlamento Europeu vários argumentos e propostas alternativas, ressalvando os legítimos interesses de quem manuseia dados de cidadãos, sendo que em algum momento foi apresentada alguma proposta desvinculadora do interesse dos cidadãos. Pensamos é que o normativo a ser aprovado deve ser equilibrado e que leve em conta os esforços das empresas, a operacionalidade e a racionalidade no seu trabalho. A regulamentação de dados tem mais de 20 anos. Desde aí muito se passou, sobretudo a nível de transmissão de dados via net. Naturalmente que tem que haver uma norma. Mas não ser pode passar de extremo a extremo. Defende uma clarificação do sector que permita regular as empresas. Porquê? DesdeafundaçãodaAPERCqueumdosgrandes leitmotivs foi a clarificação legal da actividade da recuperação extrajudicial de crédito. Cedo nos apercebemos que existem dois tipos de empresas neste sector: as que actuam com boas práticas e as que actuam com práticas que sempre temos condenado com toda a veemência e acutilância. Uma clarificação legal era proveitosa para todos: empresas e clientes. PauloAlexandre Coelho

7 PUB

8 VIII Diário Económico Quinta-feira 7 Março 2013 GESTÃO, RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS E FACTORING >> Novidades em 2013 Os principais bancos nacionais têm departamentos dedicados ao mercado de factoring e estão empenhados em melhorar e diversificar a oferta. A CGD tem um produto novo este ano, o Maistesouraria, uma solução que integra a gestão de recebimentos e de pagamentos. O banco prepara ainda melhorias de utilização dos serviços com recurso às novas tecnologias. O Santander Totta continuará a apostar na colocação dos produtos de factoring junto das empresas, tanto para o mercado doméstico como no apoio às empresas exportadoras. Já o Montepio diversificou o mercado alvo, estando em sectores menos tradicinais e mais focado para a contratação de operações com recurso ao mercado doméstico. O BES quer reforçar a ferramenta Express Bill e o Millenniumbcp estará focado no apoio às PME que apresentem capacidade de adaptação ao actual complexo enquadramento económico. Quanto ao Banif, as novidades passarão por variantes de produtos, associados quer à antecipação de receitas quer ao pagamento a fornecedores por parte dos clientes. Santander com quebra No Santander Totta, a actividade de factoring caiu 7,7%. O banco tem cerca de 1200 contratos activos, sendo que em 2012 verificou um acréscimo de 10% relativamente ao ano anterior, diz fonte oficial. O banco oferece factoring com e sem recurso, e factoring de exportação, que se encontra em fase de expansão. Paula Nunes BES com quota de 19,6% O factoring no BES registou em 2012 um ligeiro acréscimo, traduzindo-se no final do ano numa quota de mercado de 19,6% contra os 16% verificados em O banco antecipa para 2013 um aumento de 10 a 15% nos produtos deste segmento de negócio, onde se incluiu também a ferramenta BES Express Bill. João Manuel Ribeiro CGD com menos clientes Recorreram ao Grupo CGD 1056 empresas em 2012, um número menor do que em 2011, mas que o banco espera ver crescer em 2013, dado o impulso observado na vertente de factoring de exportação, diz fonte oficial. Aliás, nestavertente,obancoregistoumesmo um crescimento na procura. Paulo Alexandre Coelho Portugal é o segundo país europeu com maior procura de factoring Apesar do factoring doméstico ter decrescido, empresas estão mais conscientes da sua importância. RAQUEL CARVALHO O factoring é um instrumento financeiro que tem tido um papel importante no apoio à economia nacional, garante Beja Amaro, presidente da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF). O responsável informaqueem2012asempresasde factoring receberam um total de 23 mil milhões de euros em facturas. Mesmo assim, o balanço no último ano no que toca o factoring doméstico não é o melhor, com Beja Amaro a afirmar que ao contrário do que se passou em anos anteriores, em 2012 esta actividade registou uma quebra de 16,7%. Por outro lado, o factoring de exportação cresceu 19,9%, com créditos tomados que atingiram os 2,2 mil milhões de euros. Beja Amaro salienta ainda que Portugaléopaíseuropeucomasegunda maior taxa de penetração deste produto. Para Rui Esteves, director-geral da Eurofactor, a tendência é que se continue a assistir a uma redução dos créditos tomados no mercado doméstico e crescimentos significativos na exportação, diz, acreditando que a falta de Oqueéo factoring O factoring é a aquisição de créditos a curto prazo que resultaram da venda de produtos ou da prestação de serviços nos mercados interno e externo. Quem oferece produtos de factoring financia e faz adiantamento sobre facturas, serviços de cobrança, serviços de informações, apoio jurídico, estudos de riscos de crédito e atribuição de limites de crédito ao devedor. Este serviço tem como grande vantagem a capacidade de intervenção de um conjunto de serviços associados e complementares ao financiamento e que são a cobertura de risco de crédito dos clientes das empresas, o serviço especializado de cobrança e ainda a desconsolidação. liquidez das empresas e a redução de financiamento da banca têm levado as empresas a recorrer mais ao factoring. No Millenniumbcp, as soluções de tesouraria disponibilizadas destinam-se quer ao mercado nacional quer a apoiar empresas exportadoras no âmbito da sua actividade internacional, diz fonte oficial. O banco acredita que o factoring de exportação terá tendência para crescer, mas assevera que a actividade a nível nacional continua a representar a maior fatia do negócio de factoring, para apoio às operações de importação e exportação. O banco salienta ainda o volume de actividade registada ao nível do negócio de Confirming, solução em que a empresa faz o outsourcing da gestão dos seus pagamentos, e em que o Millennium bcp assumiu uma quota de mercado de 31% garantindo pagamentos a fornecedores de mais de dois mil milhões de euros, diz a mesma fonte. Segundo fonte oficial do BES, tratando-se o factoring de um produto gerador de liquidez, e consequentemente facilitador de tesouraria, aprocuraaumentounãosóporpartedosjá habituais clientes como também de outros que historicamente não utilizavam o produto mas que viram nele o instrumento financeiro adequado aos tempos actuais. Neste segmento, o BES disponibiliza, além do tradicional factoring, a ferramenta BES Express Bill. No caso do Santander Totta, que disponibiliza a solução exportação, que inclui, entre outros produtos, os de factoring e de cessão de créditos, a intenção é alargar a oferta, apostando na inovação e no comprometimento com o cliente, disse fonte oficial do banco ao Diário Económico. É uma óptima ferramenta de gestão de tesouraria e que é contabilisticamente muito eficiente, acrescenta. O banco explica o sucesso do factoring com o facto das empresas terem as suas necessidades de financiamento indexadas às vendas efectivas e o banco assumir a insolvência dos clientes, o que lhes permite que o financiamento da tesouraria seja comerciale,comotal,nãopesenoendividamento da empresa. O Montepio acrescenta como justificação para um aumento na procura desta solução, a quebra de vendas, da facturação e o crescimento dos níveis de incumprimento, diz fonte do banco.

9 Quinta-feira 7 Março 2013 Diário Económico IX Paula nunes Paulo Alexandre Coelho Paulo Alexandre Coelho Paula Nunes Millennium regista queda A actividade de factoring no Millennium bcp em 2012 atingiu perto de 1,5 mil milhões de euros em créditos, o que reflecte uma queda. Para 2013, o banco espera um crescimento moderado da actividade num cenário de escassez de liquidez moderada e custo de financiamento elevado. Banif apoia PME O Banif apoia as PME com operações de crédito que antecipem receitas firmes e operações de crédito associadas ao ciclo de pagamento a fornecedores. Factoring de exportação, créditos documentários, remessas documentarias e financiamentos externos são os produtos mais procurados. Montepio com -23% O factoring no Montepio registou em 2012 uma quebra de 23% no volume de créditos cedidos, um valor que contrasta comofortecrescimentode43% registado em 2011, refere fonte oficial. O crédito concedido correspondia, no final do ano, a 0,7% do crédito total do banco, que espera que 2013 seja igual a Eurofactor cresce 11% O volume de créditos tomados da Eurofactor Portugal cresceu cerca de 11% em Com 36% de quota de mercado no factoring de exportação, a empresa registou neste segmento um aumento de mais de 60% comparado com 2011, e representando já 65% do total do factoring da empresa. PUB

10 X Diário Económico Quinta-feira 7 Março 2013 GESTÃO, RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS E FACTORING Exportadoras apostam em soluções de crédito inovadoras Fonte alternativa ao crédito bancário tradicional, o factoring é competitivo e inclui serviços de gestão de cobrança. Õ factoring instrumento permite gerir melhor as cobranças e garantir recebimentos. RAQUEL CARVALHO Já se sabe que existem empresas em queacriseésinónimodenovas oportunidades de negócios e novos voos, sobretudo no exterior. Talvez por isso se explique o crescimento do factoring de exportação em 19,9% o ano passado, de acordo com dados da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF). Os créditos tomados em exportação foram mesmo responsáveis pela gestão de cobranças de uma crescente percentagem de trocas comerciais com o exterior, atingindo os 2,1 mil milhões de euros. Muitas empresas têm, de facto, vindo a recorrer ao factoring, para apostar nas exportações. É o caso da Aquinos, empresa que actuanaáreadoimobiliário,equeestápresente em Espanha, França, no Norte de África e nos PALOP. A empresa já tinha utilizado o factoring no mercado nacional, tendo decididoháquatroanos estendê-laaomercado exportação, diz Jorge Aquino, administrador. O responsável informa terem sido equacinadas várias formas e produtos financeiros para financiamento da actividade operacional, garantindo que o factoring revelou-se uma forma muito competitiva de financiamento. Admite que este produto ajudou a empresa na concretização de parcerias comerciais de longo prazo com grandes cadeias de distribuição, sem descurar o ciclo da tesouraria e as necessidades de fundo de maneio. Já para a Solidal, Condutores Eléctricos, que recorre ao factoring para exportação desde 2005, este produto permitiu o enfoque nos aspectos comerciais quando nos relacionamos com novos clientes e abordamos geografias mais distantes, revela o presidente da empresa. Pedro Lima caracteriza o factoring como uma fonte de financiamento alternativa ao crédito bancário tradicional, competitiva em preço, incorporando serviços de gestão de cobrança e cobrindo o risco do crédito concedido a clientes. Actualmente, a carteira de factoring de exportação da Solidal excede os oito milhões de euros. Presente nos cinco continentes, a Artlant, empresa do sector químico, recorreu ao factoring por ser um instrumento financeiro eficaz que permite garantir os recebimentos e a antecipação de um fluxo financeiro, diz Rui Toscano, director-geral. O responsável garanteaindaqueesteproduto permitegerir melhor o processo produtivo. Dados das empresas 1 Aquinos Em 2012, a Aquinos facturou 42,1 milhões de euros,comumpesono mercado de exportação de cerca de 87,7%, mais do que em Solidal O volume de negócios da Solidal em 2012 ascendeu a 105 milhões de euros, tendo as exportações passado a representar 70% desse volume, mais 2% do que em Actualmente a carteira de factoring de exportação da empresa excede os oito milhões de euros. 3 Artlant A laborar há um ano, a Artlant exporta 95% do que produz. A empresa tem um volume de negócios potencial de cerca de 700 milhões de euros. Bruno Barbosa

11 Quinta-feira 7 Março 2013 Diário Económico XI 3 PERGUNTAS A BEJA AMARO, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LEASING, FACTORING E RENTING - ALF Antevemos uma diminuição na actividade Em 2012, quase sete mil milhões de euros em pagamentos a fornecedores, foram efectuados através de factoring, O presidente da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) frisa, em entrevista ao Económico, que o crescimento do factoring em tempos de crise, mas antecipa uma diminuição da actividade este ano. Qual tem sido a evolução desta actividade? Qual é o peso médio deste segmento, no volume de negócios total da actividade bancária? O factoring é um produto que tem vindo a crescer, com o total de créditos tomados a registar uma variação média anual positiva de 18,5% nos últimos 12 anos. Mesmo em épocas passadas de crise registou crescimentos, uma vez que permite às empresas uma gestão de recebimentos mais eficiente, que resulta num melhor equilíbrio financeiro, para além de permitir o financiamento à tesouraria. Igualmente, diminuem os seus custos fixos do sistema de cobranças e evitam eventuais problemas com clientes, na altura do recebimento. Comparando o crédito concedido através de factoring, com o resto da actividade bancária comparável, crédito de curto-prazo, este pro- Os sectores económicos que mais relações têm com o factoring são o da construção, comércio grossista e retalhista, o sector das utilities e o da indústria alimentar. duto tem vindo a ganhar representatividade, tendo estabilizado desde 2010, com uma média decréditoconcedidoacurtoprazode21%. Quais as principais tendências que tem sentido? Quais as soluções mais procuradas? Sem dúvida que a solução com maior aumento de procura está a ser o factoring à exportação, que cresceu mesmo a uma taxa bastante superior à registada nas exportações nacionais, tendo sido responsável pela gestão de cobranças de uma crescente percentagem das trocas comerciais com o exterior, totalizando quase 2,2 mil milhões de euros. Curiosamente a vertente que recua mais é a de importação, naturalmente ligado à redução das importações nacionais. A vertente que menos recua é o Confirming, que consiste na empresa entregar a gestão de pagamento aos seus fornecedores, a uma factoring. Em 2012, quase sete mil milhões de euros em pagamentos a fornecedores, foram efectuados através de factoring, o que revela bem a importância deste segmento e do pagamento atempado entre empresas. Por outro lado, o factoring tem sido muito utilizado pelas emprsas para internamente fazerem face às suas dificuldades imediatas de tesouraria. Existem ainda empresas a recorrer ao factoring por decisão de outsourcing das cobranças bem como pela informação de risco que as factorings fornecem sobre os clientes dos seus aderentes. Quantas empresas recorreram a este produto em 2012? Qual a perspectiva para 2013? Não existem estatísticas, mas o desenvolvimento do produto e dos sistemas informáticos de suporte eocrescenteinteresseporparte das empresas, tem resultado numa grande difusão do produto e na possibilidade de um cada vez mais alargado leque de empresas, estar em condições de aceder ao factoring. Em 2013, antevemos uma actividade que poderá vir a registar uma diminuição. Por outro lado, a ALF irá continuar o trabalho para que em colaboração com todas as entidades públicas, se tente ultrapassar alguns obstáculos ainda existentes, o que obsta a que a sua utilização seja mais intensa por parte do mercado. PUB

12 PUB

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

FACTORING Instrumento de recebimentos e de pagamentos

FACTORING Instrumento de recebimentos e de pagamentos FACTORING Instrumento de recebimentos e de pagamentos ALF Margarida Ferreira 26 de Novembro 2013 ÍNDICE O que é o factoring Modalidades Serviços associados Benefícios do factoring Pagamento a fornecedores

Leia mais

CRÉDITOS FACTORING. Gestão e Recuperação de

CRÉDITOS FACTORING. Gestão e Recuperação de ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6156 DE 21 DE ABRIL DE 2015 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Gestão e Recuperação de CRÉDITOS Crise económica tem aumentado endividamento

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME ESTE É O SEU MILLENNIUM. www.millenniumbcp.pt SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME TUDO O QUE PRECISA DE SABER ÍNDICE 01. CASH ON

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus. Conta Nova Vida

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus. Conta Nova Vida PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Ordenado

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

TTULO. Seminário sobre Financiamento

TTULO. Seminário sobre Financiamento TTULO 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Definição Descrição dos movimentos Modalidades do Factoring Perfil do Cliente de Factoring Segmentação por tipo de actividade O FACTORING Exemplo de Algumas condições

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril O quadro jurídico-legal Geral das Instituições Financeiras, aprovado pela Lei n.º 13/05, de

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda.

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda. Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal do Judicial de Vila Nova de Famalicão 2º Juízo Cível Processo nº 1805/12.5TJVNF V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS Tem meio ano para pedir insolvência Nem sempre é fácil perceber quando se entra em insolvência. Raul Gonzalez dá um

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO SOBRE A CONCESSÃO DE GARANTIAS PESSOAIS PELO ESTADO PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS O presente Relatório é elaborado nos termos

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

A importância económica do factoring

A importância económica do factoring A importância económica do factoring P o r A n t ó n i o C i p r i a n o S i l v a O factoring pode ser definido com uma contrato de prestação de serviços que visa a cessão de créditos a curto prazo, derivados

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 822/XII/4.ª ELIMINA AS COMISSÕES POR REEMBOLSO ANTECIPADO E DE TERMO DO CONTRATO, INSTITUINDO AINDA A OBRIGATORIEDADE E GRATUITIDADE DE EMISSÃO DO DISTRATE E DE DECLARAÇÃO

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Literacia Financeira junto dos Estudantes do Ensino Superior e Empresários (ou falta dela?)

Literacia Financeira junto dos Estudantes do Ensino Superior e Empresários (ou falta dela?) Literacia Financeira junto dos Estudantes do Ensino Superior e Empresários (ou falta dela?) ALF Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting 25.10.2013 4ª Conferência Internacional de Educação

Leia mais

Seminário BPI-Primavera

Seminário BPI-Primavera Seminário BPI-Primavera Relevância da qualidade da informação na gestão 12 de Março de 2013 ÍNDICE 1. Empresas vs. Informação 2. Como BPI acompanha o risco das Empresas 3. Consequências 2 EMPRESAS VS.

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing 1 Enquadramento e Experiência Internacional Leasing Leasing como factor de Crescimento Económico Importância Leasing no Mundo Factores de sucesso Vantagens utilização Sector Público 2 O Mercado Leasing

Leia mais

Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise. Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões

Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise. Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões dos serviços associados às contas à ordem. Em média,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Seminário sobre Financiamento

Seminário sobre Financiamento ÍNDICE 1. Formas de financiamento e limitações à sua utilização 2. Evolução recente do setor bancário 3. O financiamento generalista 4. O financiamento especializado 5. Outras formas de financiamento 6.

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Quase metade dos pagamentos são feitos depois do prazo

Quase metade dos pagamentos são feitos depois do prazo ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5893 DE 31 DE MARÇO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE PUB Gestão e Recuperação de Créditos + Factoring Infografia: Susana Lopes susana.lopes@economico.pt

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

PME Investe VI Aditamento

PME Investe VI Aditamento PME Investe VI Aditamento O apoio do FINOVA às empresas Fundo gerido pela PME Investimentos No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe,

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Exposição de motivos São conhecidas as dificuldades económicas que parte das empresas agrícolas

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos

Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos CEO Briefing Angola 2015 The Economist Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos 2 CEO Briefing Angola 2015 Perspectivas económicas e estratégias dos executivos angolados Índice 4

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL (1ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 5/2012, DE 9 DE NOVEMBRO) Exposição de motivos

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais