Factoring uma proposta de tratamento contabilístico na óptica da empresa aderente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Factoring uma proposta de tratamento contabilístico na óptica da empresa aderente"

Transcrição

1 Fctoring um propost de trtmento contbilístico n óptic d empres derente MIGUEL GONÇALVES* O fctoring pode interpretr-se como um sistem perfeiçodo de cobrnçs. Vulgr n gestão de tesourri ds empress, present-se como um ctividde que ssegur o seu funcionmento corrente trvés d tomd dos créditos sobre terceiros, substituindo o crédito de tesourri com grnde vntgem do fctor tempo. Este rtigo vis dr conhecer ctividde de fctoring ou cessão finnceir e contribuir com um propost de resolução de um cso prático de fctoring, tão rel qunto possível, que poss de lgum mneir judr todos queles que por necessiddes profissionis lidm com este instrumento de gestão, um vez que o ctul modelo SNC não permite dr respost cbl à su contbilizção. 1. INTRODUÇÃO A litertur tinente o fctoring não é, em Portugl, muito generos. Com efeito, est é um mtéri pouco privilegid pelos utores ncionis. Não obstnte, Vlle (1965), Almeid (1988), Mchdo (1998), Silv, Pereir e Rodrigues (2006) e Silv (2009) dedicrm-lhe tenção sob o ponto de vist económico e contbilístico. Num outr óptic, Uv (1991), Sntn (1993), Monteiro (1996) e Cordeiro (1997), optrm ntes por um bordgem de estilo jurídico-normtivo. Em sede do presente rtigo, o nosso enqudrmento, sem descurr os spectos legis do contrto, será eminentemente contbilístico, porque motivção será de contribuir com um propost de resolução de um cso prático de fctoring, sbendo-se priori que o novo Sistem de Normlizção Contbilístic (SNC) é completmente omisso no que respeit o fctoring como instrumento finnceiro de curto przo, nomedmente Norm Contbilístic e de Relto Finnceiro 27 Instrumentos Finnceiros, que o não contempl. Em noss opinião, este ssunto reveste-se ssim de prticulr ctulidde, té porque no nterior normtivo ncionl (vulgo POC/89, Directrizes Contbilístics e Interpretções Técnics), form de contbilizção do fctoring tmbém creci de um modelo legl. 2. CARACTERÍSTICAS E ELEMENTOS DEFINIDORES DO CONTRATO Apresentdo-se como um contrto de prestção de serviços que procur cessão de créditos breve przo, o fctoring pode revelr-se um instrumento de gestão eficz, num époc em que miori ds micro, pequens e médis empress se confront com problems de liquidez (Silv, 2009). Gerlmente o processo tem o seu início n nálise feit pel empres de fctoring à crteir de clientes do possível derente, relizndo um vlição do risco de cd um dos seus clientes, de form negocir-se quis os que ficm fectos um contrto de fctoring (Silv, 2009: p. 51). Em termos globis, o fctoring consiste n tomd por um intermediário finnceiro (o fctor) dos créditos curto przo que os fornecedores de bens ou serviços (os derentes um contrto de fctoring) constituem sobre os seus clientes (os devedores). A relção entre ests entiddes pode ser representd no seguinte digrm: ADERENTE DEVEDORES FACTOR Figur I: Esquem do Fctoring Fonte: Cost e Alves (2005, p. 645) Legend: 1. Vend de bens e serviços e fcturção correspondente; 2. Remess ds cópis ds fcturs; 3. Pgmentos à empres de fctoring; 4. Entregs efectuds à empres derente, s quis podem ser feits no vencimento ou ntecipds medinte o pgmento de um juro. As principis vntgens do fctoring residem n cobrnç e gestão dos créditos concedidos, livindo empres derente d sobrecrg dministrtiv e d mobilizção ntecipd dos fundos. A Associção Portugues de Lesing e Fctoring (ALF) destc tmbém no seu sítio electrónico segurnç ds vends crédito e o umento d eficáci d áre comercil (dedicção exclusiv trefs técnics e comerciis) (ALF, 2010). Num contrto de fctoring, que é sempre celebrdo por 3 19

2 escrito (rt.º 7.º do Decreto-Lei n.º 171/95), devem estr especificdos os seguintes itens: durção do contrto; comissão de fctoring; periodicidde ds cessões (remess o fctor ds cópis ds fcturs emitids); os clientes incluídos no contrto e tx de juro dos dintmentos efectudos pelo fctor. A celebrção do contrto deve ser comunicd os clientes d empres derente, pssndo s fcturs incluir indicção de que devem ser pgs o fctor no vencimento e ns condições té então prticds. 1 O custo do fctoring englobrá, fundmentlmente um comissão de cobrnç, qul será contbilizd como Fornecimentos e Serviços Externos Trblhos Especilizdos 2 (Cost e Alves, 2005; Silv, Pereir e Rodrigues, 2006), e os juros do finncimento contrído, contbilizdos como Gstos e Perds de Finncimento Juros de Finncimento Obtidos. A opção pelo fctoring permitirá à empres derente receber os seus créditos n dt de vencimento de cd fctur, n dt de um vencimento médio presumido estipuldo em contrto ou num dt nterior o vencimento, o que pode trduzir-se num trnsformção de vends przo em vends dinheiro (Cost e Alves, 2005). A gestão e cobrnç dos créditos pode ser feit ns seguintes modliddes: Sem recurso: o fctor ssume os riscos inerentes à quisição de créditos não podendo reclmr junto d empres derente flt de pgmento do devedor. Com recurso: o fctor não ssume o risco de crédito, ficndo com direito de regresso sobre empres derente, no cso do crédito se tornr incobrável. N cessão sem recurso (cessões pro solvendo), empres derente vende s dívids receber como quisquer outros ctivos, trnsmitindo todos os riscos e recompenss o fctor, com excepção de eventuis devoluções ou descontos corddos com o devedor. N cessão com recurso (cessões pro soluto), empres derente mntém o risco pel não cobrnç do crédito, pelo que se pode inferir não existir qulquer vend de ctivos, devendo o vlor ntecipdo ser trtdo como um operção de finncimento, mntendo-se no ctivo s dívids receber dos clientes. 1 Pr um explicção mis pormenorizd ds crcterístics do contrto jurídico de cessão finnceir ou fctoring, observe-se Almeid (1999). 2 De cordo com Borges, Rodrigues e Rodrigues (2005, p. 634), englob-se nest cont um conjunto de serviços subcontrtdos terceiros, não directmente relciondos com o objecto principl d empres. Cremos que est filosofi de pensmento mntém-se válid no recente SNC (Sistem de Normlizção Contbilístic). 3. ENQUADRAMENTO LEGAL E ASPECTOS FISCAIS Em Portugl ctividde de fctoring é legisld pelo Decreto-Lei n.º 171/95, de 18 de Julho, que regul s socieddes de fctoring e o contrto de fctoring. O Regime Gerl ds Instituições de Crédito e Socieddes Finnceirs, provdo pelo Decreto-Lei n.º 289/92, de 31 de Dezembro, ctulizdo pelo Decreto-Lei n.º 285/2001 de 3 de Novembro, incluiu s socieddes de fctoring entre s instituições de crédito, motivo pelo qul devem orgnizr su contbilidde de cordo com o Plno de Conts pr o Sector Bncário (Silv, Pereir e Rodrigues, 2006: p. 292). As operções de fctoring estão sujeits imposto de selo, como segue: - imposto de selo de contrto (ctulmente 0,5%) - imposto de selo de 4% sobre juros e comissões cobrdos pelo fctor (cessionário). 4. RELAÇÕES FACTOR-ADERENTE 3 Normlmente o processo inici-se com formulção de um propost de desão por prte do derente, fornecendo pr o efeito o fctor informções contbilístics sobre su posição finnceir e desempenho económico. Em prlelo, submete o consentimento d sociedde de fctoring su crteir de clientes, dndo conhecer em termos individulizdos os ddos de cd um, designdmente o volume hbitul de comprs nuis, os limites de crédito e s condições de recebimento, de form que o fctor poss estimr os vlores dentro dos quis ssume o risco ds operções. Especificdo este limite e depois do exme do histórico d empres derente, o contrto é celebrdo, nele se indicndo, como trás se expôs, respectiv durção, comissão 4 de fctoring, tx de juro do (eventul) dintmento e os clientes provdos. Simultnemente, os devedores do derente são informdos d existênci do contrto, por crt registd com viso de recepção, pr que n dt de vencimento ds fcturs estes sibm que s devem pgr à sociedde de fctoring. 3 Est secção, em prticulr, inspir-se em Silv, Pereir e Rodrigues (2006: pp ). 4 N opinião de Silv, Pereir e Rodrigues (2006: p. 292), remunerção dos serviços prestdos pelo fctor depende d crg dministrtiv que resultr d gestão dos clientes e operções de cobrnç, [oscilndo] n prátic contrtul portugues entre 0,5% e 2,5% sobre o montnte dos créditos cedidos, embor poss ser superior. 20

3 5. PROPOSTA DE TRATAMENTO CONTABILÍSTICO Reproduzimos bixo os principis lnçmentos reltivos est temátic 5, sem prejuízo de outros reconhecimentos contbilísticos específicos de cd contrto, como oportunmente dremos cont. Assim, em sede de plno de conts do SNC, virá: Cont Descrição Débito Crédito A 211yy Clientes c/c - Fctor com Créditos Tomdos Clientes c/c - Empress Devedors ( individulizr) [1] [1] [1] Cessão de créditos (fcturs + nots de débito - nots de crédito) Cont Descrição Débito Crédito x Depósitos à Ordem - Bnco X [2] Finncimentos Obtidos - Socieddes de Fctoring [2] [2] Adintmento recebido do fctor (sujeito à tx de juro convenciond) Cont Descrição Débito Crédito x Depósitos à Ordem - Bnco X [3] Clientes c/c - Fctor com Créditos Tomdos [3] Recebimento dos créditos cedidos [3] Cont Descrição Débito Crédito Gstos e Perds de Fin. - Juros de Finncimentos Obtidos Finncimentos Obtidos - Socieddes de Fctoring Fctor k [4] x Depósitos à Ordem - Bnco X [4] [4] Pg.to de juros e do dintmento à empres finncidor (fctor) Cont Título Débito Crédito 6221 Fornecimentos e Serviços Externos - Trblhos Especilizdos [5] x Depósitos à Ordem - Bnco X [5] [5] Pg.to ds comissões de cobrnç debitds pel empres de fctoring 5 A noss nálise excluirá o trtmento fiscl do imposto de selo. 6. CASO PRÁTICO A Frmed, S.A. é um empres do sector frmcêutico com sede em Coimbr cujo volume de negócios se centr essencilmente no fornecimento hospitlr de medicmentos. Três dos seus clientes Hospitl Súde, do Porto; Hospitl Ri-Mr, de Aveiro e Hospitl Trdição, em Coimbr são devedores d Frmed, S.A. num totl globl de ,00 (IVA incluído), vlor este respeitnte 18 fcturs (6 por cd hospitl), tods com dt de vencimento 0 dis contr do di 1 de Fevereiro de Nest mesm dt, o Director Finnceiro d Frmed, S.A., em virtude de um dificuldde momentâne de tesourri, e sbendo ntecipdmente que os hospitis em questão é sistemticmente concedid um diltção do przo de pgmento, decide contctr Keller Fctoring, S.A., com o objectivo de obter liquidez de um form expedit e finnceirmente competitiv, sob form de um dintmento, tentndo tmbém evitr os constrngimentos ssocidos cobrnçs e gestão de créditos dest nturez. As etps pr celebrção do contrto e notificção dos devedores decorrerm cronologicmente como segue: 2 de Fevereiro - Preenchimento forml d propost de fctoring à Keller Fctoring. 4 de Fevereiro - Pedido de informções finnceirs e contbilístics pel empres de fctoring, concretmente: Demonstrções Finnceirs dos dois últimos exercícios contbilísticos (Blnço e Demonstrção dos Resultdos por Nturezs), blncete de clientes, e os dois últimos Reltórios e Conts d Frmed, S.A.. 6 de Fevereiro - Respost fvorável d Keller Fctoring, S.A., um vez nlisdos os prâmetros de negócio, o risco d empres proponente e crg dministrtiv inerente à cobrnç ds 18 fcturs. 7 de Fevereiro - Emissão e celebrção do contrto de fctoring, reconhecido notrilmente, e no qul ficou especificdo o seguinte clusuldo: Durção do contrto: 4 meses. Início do contrto: de Fevereiro; Tx de comissão: 0,5% {liquidd no finl do contrto}; Adintmento: 80% do vlor globl ds fcturs { entregr no di de Fevereiro e liquiddo pel Frmed, S.A. no finl do contrto}; Tx de juro nul de 5% {euribor mis spred de 3,25%}; Juros clculdos o di. 6 6 A Frmed, S.A. reconhecerá os juros postecipdmente no finl de cd mês. 21

4 Juros liquiddos pel empres derente no finl do contrto; Clientes incluídos: Hospitl Súde, Hospitl Ri- Mr e Hospitl Trdição e Cedênci dos créditos reltivos às 18 fcturs em questão { prtir do di de Fevereiro de 2010). 11 de Fevereiro - Envio pel Keller Fctoring, S.A. em ppel timbrdo d empres derente, d crt de notificção os devedores supr, os quis ficrm informdos nest dt d cedênci de créditos por prte d Frmed, S.A. à Keller, S.A., entidde quem deverão efectur os respectivos pgmentos n dt de vencimento ds sus dívids. Pedido: Releve, em Diário d empres derente, s operções que entender relevntes, sbendo que em 1 de Junho de 2010 os devedores menciondos liquidrm s sus dívids à sociedde de fctoring, tendo est 14 dis depois procedido o pgmento à Frmed S.A. dos créditos por si tomdos com cheque à ordem sobre Cix Gerl de Depósitos. 7. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Com bse nos ddos cim expostos, vnçmos com seguinte propost de contbilizção, em lingugem SNC: DIA Mr. 30 Abr. 31 Mi. HISTÓRICO Cessão de créditos Reconhecimento d comissão liquidr no finl do contrto (NOTA 1) Adintmento efectudo pel sociedde de fctoring (NOTA 3) Reconhecimento dos juros do mês de Fevereiro liquidr no finl do contrto (NOTA 4) Mrço liquidr no finl do contrto Abril liquidr no finl do contrto Mio liquidr no finl do contrto CONTAS VALOR ( ) DÉBITO CRÉDITO DÉBITO CRÉDITO 211yy Hospitl Súde Sociedde de Fctoring Keller Hospitl Ri-Mr , ,00 Hospitl Trdição FSE Trb. Especilizdos y D/O Bnco y Credores Diversos Soc. Fct. Keller (NOTA 2) Finncim. Obtidos Keller Credores Diversos Soc. Fct.Keller Credores Diversos Soc. Fct.Keller Credores Diversos Soc. Fct. Keller Credores Diversos Soc. Fct.Keller 4.725, , , , , , , , , , , ,00 Jun. Reconhecimento dos juros do mês de Junho liquidr no finl do contrto Credores Diversos Soc. Fct. Keller 1.243, ,00 14 Jun. Regulrizção do dintmento, juros e comissão (NOTA 5) Finncim. Obtidos Keller x D/O - CGD Credores Diversos Soc. Fct. Keller Sociedde de Fctoring Keller , , , ,00 NOTA 1: A comissão é registd no cto de cedênci ds fcturs, tnto n empres derente como no fctor. Neste cso é de 0,5% do vlor globl ds fcturs cedids. NOTA 2: Em lterntiv à cont 278 poderi ser utilizd 2722x Credores por Acréscimos de Gstos. Opção válid tmbém pr o reconhecimento dos juros. NOTA 3: O dintmento é de 80% sobre o vlor ds fcturs e é registdo de Fevereiro. NOTA 4: Juros clculdos o di (16 dis no mês de Fevereiro, 31 dis em Mrço, 30 em Abril, 31 em Mio e em Junho). Como os juros só são liquiddos no finl do contrto, cont 278 ou 2722 é qui trnsitóri. J=c*n*i. Juro simples. Vlores rredonddos à unidde por defeito ou por excesso, conforme os csos. No cálculo do juro foi considerdo o no civil: 365 dis. NOTA 5: Juros = 1.657, , , , ,00 =.427,00 Comissão = 4.725,00.427, ,00 = ,00 Nest dt, cont 2514 tem que vir sldd, bem como trnsitóri 278 e ind nturlmente Sociedde de Fctoring, Keller, S.A.. Reltivmente à dívid dest últim pr com Frmed ( 945,000,00), regulrizção ou liquidção d mesm terá que entrr em linh de cont com o dintmento, os juros e comissão que são pgos no finl do contrto. Dí que, em 14 de Junho, reltivmente à fcturção cedid tenhmos que deduzir o vlor dos juros, comissão e dintmento, pelo que em Depósitos à 0rdem só entrrá o vlor correspondente o remnescente. 22

5 8. CONCLUSÃO Prece-nos que o fctoring e o respectivo trtmento contbilístico não são n relidde mtéris muito grts os conteúdos progrmáticos dos cursos superiores de Contbilidde em Portugl. Num ltur em que se colocm novos desfios às empress e os Técnicos Oficiis de Conts (TOC), inerentes à dinâmic, o vnço e o prestígio de um economi em mudnç, o conselhmento à Gestão por prte dos profissionis de Contbilidde pssrá tmbém pel considerção de instrumentos lterntivos de cobrnç, sempre que os meios trdicionis não se figurem possíveis. Neste ponto de vist, exigir-se-á tmbém o TOC que domine o impcto n Contbilidde e no resultdo ds operções d empres ds polítics que Gestão decide implementr em ordem à dopção ds cções mis dequds o objectivo de cobrnç, porque, como vnç Silv (2009: p. 52), o fctoring é utilizdo hoje em Portugl por qulquer tipo de empres, independentemente d su dimensão. Referêncis ALF (2010) Associção Portugues de Lesing e Fctoring. Disponível em Consult. em ALMEIDA, Luiz Chves de (1988) O que é o fctoring. Jornl do Técnico de Conts e d Empres, n.º 278, Outubro. p ALMEIDA, Pulo Jorge Frde de (1999) O fctoring como lterntiv de finncimento o sector empresril em Portugl. Dissertção de Mestrdo em Gestão. Disponível n bibliotec d Universidde Lusíd. Lisbo. BORGES, António; RODRIGUES, Azevedo; RODRI- GUES, Rogério (2005) Elementos de Contbilidde Gerl. 22.ª ed.. Lisbo: Áres Editor. CORDEIRO, António M. (1997) D cessão finnceir (fctoring). Lisbo: Lex Edições Jurídics. COSTA, Crlos Bptist d; ALVES, Gbriel Correi (2005) Contbilidde Finnceir. 5.ª ed.. Lisbo: Publisher Tem. MACHADO, António José Crdão (1998) Fctoring. Euroconts, n.º 34, Jneiro. pp MONTEIRO, Mfld O. (1996) O contrto de fctoring em Portugl. Porto: Elcl Editor. SANTANA, João C. (1993) O contrto de fctoring. 1.ª ed.. Lisbo: Edições Cosmos. SILVA, António Ciprino d (2009) A importânci económic do fctoring. Revist d Câmr dos Técnicos Oficiis de Conts, n.º 1, Julho. pp SILVA, F. V. Gonçlves d; PEREIRA, J. M. Esteves; RODRIGUES, Lúci Lim (2006) Contbilidde ds Socieddes..ª ed.. Lisbo: Plátno Editor. UVA, João S. (1991) Fctoring, um instrumento de Gestão. 1.ª ed.. Lisbo : Texto Editor. VALLE, Frncisco (1969) O fctoring. Jornl do Técnico de Conts e d Empres, n.º 28, Agosto. pp *Professor no Instituto Superior de Contbilidde e Administrção de Coimbr (ISCAC); Licencitur em Orgnizção e Gestão de Empress pel Universidde de Coimbr; Pós-Grdução em Economi pel Universidde de Coimbr; Mestrdo em Contbilidde e Auditori pel Universidde de Aveiro; Doutorndo em Contbilidde pel Universidde do Minho e Universidde de Aveiro. AFP ssin cordo com Ordem dos Economists A Associção Fiscl Portugues (AFP) e Ordem dos Economists ssinrm um protocolo de cooperção. O principl objectivo é desenvolver forms de colborção mútu, no sentido de poir os membros de mbs s entiddes. Trt-se de conjugr esforços n divulgção ds respectivs áres de interesses, conhecimentos e inicitivs, trvés d relizção de congressos, colóquios, debtes e outrs inicitivs conjunts de divulgção d cultur e do conhecimento finnceiro e tributário. O que permitirá reforçr s competêncis de mbs s prtes. A AFP cont com perto de mil ssocidos e tem reveldo preocupção de ssinr vários cordos de cooperção com s mis vrids entiddes. O seu interesse é contribuir de form decisiv pr o progresso d fisclidde ncionl, comunitári e interncionl. É representnte portugues d IFA (Interntionl Fiscl Assocition) e do ILADT (Instituto Ltinomericno de Derecho Tributário). 23

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES E FUNDOS PENSÕES o O Gui de Seguros e tem como objectivo principl esclrecer o leitor, em lingugem simples e cessível, cerc dos conceitos, tipos de contrtos e procedimentos n áre dos seguros e fundos de

Leia mais

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs individuis e consolidds Aos Administrdores e

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS

A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS A CONTABILIDADE DOS DERIVADOS José Tomé (equip. Professor Adjunto) Sndr Rebelo (equip. Assistente do 1º triénio) Resumo Vivemos num mbiente em constnte mutção em que é imprescindível tomd rápid e tempestiv

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2 Divulgção nos reltórios dos bncos públicos brsileiros: nálise ds recomendções do Pilr 3 do Acordo de Bsilei 2 Andrei d Silv Britto Universidde Federl do Rio de Jneiro Adrino Rodrigues Universidde Federl

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade 17 LEADERSHIP AGENDA gnhr o futuro trvés d lidernç, gestão e inovção O sector ferroviário definiu um modelo estruturdo e inovdor pr umentr su competitividde O sector ferroviário português definiu um progrm

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 81/VIII/2015 de 8 de Jneiro Por mndto do Povo, Assemblei Ncionl decret, nos termos d líne b) do rtigo

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA) NO MERCADO FINANCEIRO CABOVERDEANO PORTO ALEGRE 2010 ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p)

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p) CB RICHARD ELLIS MrketView Residencil Lisbo e Porto Agosto 2011 SUMÁRIO Indicdores Geris Nº de Licencimentos Tx de Juro Vlor dos Imóveis Indicdores de Lisbo Vrição d Ofert Tendêncis A ctul crise d dívid

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais Abril Educção S.A. Informções Trimestris ITR em 30 de junho de 2013 e reltório sobre revisão de informções trimestris ABRIL EDUCAÇÃO S.A. INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR em 30 de junho de 2013 e Reltório

Leia mais

USEBENS SEGUROS S.A. CNPJ nº 09.180.505/0001-50

USEBENS SEGUROS S.A. CNPJ nº 09.180.505/0001-50 398 São Pulo, 125 (38) Diário Oficil Empresril sext-feir, 27 de fevereiro de 2015 Submetemos à precição de V. Ss. s Demonstrções Contábeis d, reltivos o exercício findo em 31 de dezembro de, elbords n

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011 m² CB RICHARD ELLIS MrketView Escritórios Lisbo e Porto Setembro SUMÁRIO 1º SEMESTRE Indicdores de Lisbo vs. Stock Novo Disponibilidde Absorção Brut Rends Prime Yields Prime Indicdores do Porto vs. Tendêncis

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais