Dívida Pública Federal Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dívida Pública Federal Brasileira"

Transcrição

1 Dívida Pública Federal Brasileira BRASÍLIA 5 novembro, 2012

2 Dívida Pública Federal Condições Macroeconômicas Política Econômica Atividade Econômica e Destaques Administração da Dívida 2

3 dez/99 dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 dez/05 dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12* dez/13* dez/14* dez/15* dez/16* Política Econômica Responsabilidade Fiscal Resultado Fiscal do Setor Público em 12 meses (% PIB) Primário Nominal » O superávit primário do setor público consolidado alcançou em 2011 R$ 128,7 bilhões, superando a meta definida para o ano »A Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013 mantém a meta de 3,1% do PIB ao ano até Fonte: Ministério do Planejamento, Banco Central/ *Projeções realizadas com base em parâmetros de mercado (Relatório de Inflação do Banco Central Set/12) e no cumprimento integral da meta de superávit primário. 1 A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2012 fixou a meta de superávit para este ano em R$ 139,8 bilhões. Para 2013, a meta será de R$ 155,9 bilhões. Ambos os valores correspondiam a 3,1% do PIB, tendo por referência a estimativa do Governo Federal quando enviados os respectivos projetos de LDO ao Congresso. 3

4 * 2013* 2014* 2015* 2016* Política Econômica Compromisso Fiscal para Sustentabilidade da Dívida Dívida Bruta do Governo Geral e Dívida Líquida do Setor Público (% PIB) 65% 60% 62,7% 60,9% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 60,4% DBGG DLSP 45,5% 38,5% 42,1% 54,2% 57,2% 53,7% 50,9% 53,4% 48,4% 46,3% 39,2% 36,4% 35,2% 33,5% 32,2% 30,7% 28,8% Principais Créditos do Setor Público (Dez-11 / % do PIB) 15,8% Fonte: Banco Central (Relatório de Inflação Set12 / Projeções feitas com base em parâmetros de mercado). 7,3%» O forte comprometimento com as metas fiscais aliado ao crescimento do PIB garantirá a manutenção da tendência de queda nos indicadores de Créditos em Favor do BNDES Reservas Internacionais dívida pública. 4

5 Política Econômica Comparação entre países Dívida Bruta do Governo Geral /PIB 105,5 112,8 64,9 55,0 37,0 29,0 Dívida Líquida do Setor Público /PIB Brasil* Países Emergentes Países Desenvolvidos Fonte: Banco Central e FMI (Fiscal Monitor, out/12) 70,9 80,7 36,4 27,3 27,5 20, Brasil* Países Emergentes Países Desenvolvidos Fonte: Banco Central e FMI (Fiscal Monitor, out/12) 5

6 Política Econômica Compromisso Fiscal para Sustentabilidade da Dívida Déficit da Seguridade Social e Gastos com Pessoal (% PIB) 6% Déficit Seg. Social (% PIB) Gastos com Pessoal (% PIB)» Nos últimos anos, os gastos com 5% 4,3% 4,8% 4,7% 4,3% 4,2% pessoal têm sido mantidos abaixo de 5% do PIB. 4% 3% 2% 1% 0% 1,78% 0,30% 0,86% 0,94% » Como resultado da formalização no mercado de trabalho, o Déficit da Seguridade social diminui de 1,78% do PIB em 2006 para 0,86% em 2011.» Para 2012, é esperado que ambos os indicadores mostrem estabilidade. Fonte: Tesouro Nacional (dados históricos) e LOA (previsão para 2012 ). 6

7 Anexo Compromisso Fiscal para Sustentabilidade da Dívida Detalhes sobre o corte de R$ 55 bilhões no Orçamento de 2012 DISCRIMINAÇÃO CORTE Total Discricionárias Obrigatórias Créditos Extraordinários (484) Reabertura de Créditos Especiais - Judiciário e MPU (38) TOTAL GERAL » De acordo com o Relatório de Avaliação de Despesas e Receitas do 1º Bimestre, publicado pelo Ministério do Planejamento, o contingenciamento foi aumentado em R$ 368,6 milhões, fazendo com que o corte nas despesas discricionárias seja de R$ 35 bilhões. 7

8 Responsabilidade Fiscal Impacto Fiscal do Programa Brasil Maior Programa Desoneração folha Tributação sobre faturamento PIS/COFINS sobre importação IPI sobre linha branca (extensão mais 3 meses) Reporto Programa de Apoio à Atenção Oncológica Plano Nacional de Banda Larga Programa Um Computador por Aluno Total (R$ bilhões) Total (%PIB) 0.069% 0.108% 0.077%»O impacto fiscal das novas mensurações é muito baixo e não compromete a realização da meta fiscal. 8

9 Responsabilidade Fiscal Novo Regime de Previdência para Servidores Públicos(Funpresp) - Impacto Fiscal (% do PIB)» Espera-se que o FUNPRESP encoraje a poupança de longo prazo e apoie o desenvolvimento dos mercados de capitais, além de melhorar a progressividade do sistema tributário brasileiro e reduzir a discrepância entre os sistemas de aposentadorias público e privado.» O baixo custo de transição contribuirá para garantir a sustentabilidade da reforma. 9

10 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 % Inflação sob Controle Comprometimento com a estabilidade de preços Política Econômica Taxa de Juros Real de Longo Prazo Evolução da Inflação (IPCA) 8,0% 7,5% Meta para Inflação - IPCA Piso/Teto Realizado 7,0% 12 12,53 6,5% 6,0% 5,5% 5,0% 4,5% 4,0% 4,46% ,97 7,67 9,30 7,60 5,69 3,14 4,46 5,90 4,31 5,91 6,50 5,43 5,50 5, * * * Fonte: Tesouro Nacional * NTN-B (títulos indexados ao IPCA) com vencimentos em 2024, 2035 e 2045; após Jan-10, vencimentos em 2030, 2040 e Fonte: Banco Central *Expectativas de Mercado em 01/11/12 FOCUS» O compromisso com a responsabilidade fiscal e com a inflação sob controle estão abrindo caminho para a diminuição da taxa de juros real, a qual reforça a atual atratividade dos títulos públicos brasileiros e sinaliza mais crescimento econômico. 10

11 Política Econômica Redução da Vulnerabilidade Externa Evolução da Dívida Externa Conta Corrente vs. IED (US$ bi) 600% 557,1% Dívida Externa / Reservas Dívida Externa / Exportações» Baixo Crescimento» Alta exposição em Dívida Cambial» Reservas Int. (2002): US$ 38 bi» Elevado Crescimento» Baixa exposição em Dívida Cambial» Reservas Int: US$ 378,9bi (Set/12) Conta Corrente IED 400% 349% % 125% ,6% 0% * Fonte: Banco Central * 2013* Fonte: Banco Central - Expectativas de Mercado (Focus de 01/11/2012)» Dívida Externa Líquida brasileira (pública e privada) é negativa em US$ 90,8 bi (Setembro de 2012)» Déficits em conta corrente têm sido totalmente financiados pelo IED desde

12 Política Econômica Redução da Vulnerabilidade Externa Parceiros Comerciais Exportações Brasileiras maiores Países de Destino Importações Brasileiras maiores Países de Origem 17,3% 15,0% 54,7% 3,7% 5,3% 10,1% 8,9% China EUA Argetina Holanda Japão Outros 51,8% 6,7% 14,5% 7,5% EUA China Argetina Alemanha Coréia do Sul Outros 4,5% Fonte: MDIC» A diversidade da pauta de exportações garante maior resiliência contra os atuais desafios globais. As commodities, por exemplo, representam apenas 35% do total das exportações brasileiras.» A Europa é o destino de 20% das exportações brasileiras. Trata-se de uma parcela importante, mas não determinante.» A participação das exportações no PIB do Brasil foi apenas de 11% em

13 Política Econômica Redução da Vulnerabilidade Externa Investimento Externo em Carteira US$ Bi títulos de renda fixa (negociados no exterior) títulos de renda fixa (negociados no país) ADR's 48,1 1,4 20,5 67,8 15,5 46,2 14,6 10,1 5,0 7,1 ações - negociadas no país 5,1 1,9 0,1-0,2-6,6-6,2-4,8-4,0 9,1 6,7 5,4 5,9-0,5-9,7 1,6 24,6 15,3 3,3-10,8-8,5 32,1 30,6-1,0 17,5 11,9 11,3 8,0 6,8 5,3-0,4-0,1-1,0-0, * Fonte: Tesouro Nacional e * Previsão de mercado» Em 2011, a entrada líquida de investimento externo em carteira foi bem inferior à registrada no ano 13 anterior. Para 2012, espera-se que essa tendência de diminuição continue.

14 Condições Macroeconômicas Política Econômica Atividade Econômica e Destaques Administração da Dívida 14

15 Crescimento Sustentável Baseado na Demanda Doméstica Crescimento do PIB Atividade Econômica e Destaques Média = 4,2% 7,5% Média = 2,6% 5,7% 6,1% 5,2% 4,3% 4,0% 4,0% 2,7% 3,2% 2,7% 1,3% 1,2% 1,5% 0,3% -0,6% Fonte: IBGE Expectativas de Mercado em 01/11/12 FOCUS» Crescimento médio do PIB dos últimos 10 anos foi de 3,7%;» O consumo é impulsionado pela força do mercado de trabalho, aumento da renda e do crédito; 15

16 Atividade Econômica e Destaques Formação Bruta de Capital Fixo (% PIB) 18,3 16,9 17,4 17,0 15,7 16,8 17,0 16,4 15,3 16,1 15,9 16,4 17,4 19,1 18,1 19,5 19, Fonte: IBGE 16

17 set/03 mar/04 set/04 mar/05 set/05 mar/06 set/06 mar/07 set/07 mar/08 set/08 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 mar/12 set/12 % sobre o estoque de crédito Atividade Econômica e Destaques Crescimento Sustentável do Crédito Provisões X Inadimplência do SFN Índice de Basiléia dos Bancos Brasileiros 9,0 8,0 7,0 7,2 13,8 14,8 16,6 19,0 18,5 17,4 17,8 17,3 17,7 18,8 16,9 16,4 6,0 5,8 5,0 4,0 3,0 4,5 3,8 2,0 provisões inadimplência - sfn Fonte: Banco Central/ A inadimplência abrange o crédito total em atraso por mais de 90 dias. Provisões precisam ser feitas mensalmente * Índice de Basiléia dos Bancos Brasileiros Índice Regulatório no Brasil (11%) Índice Mínimo de Basiléia (8%) Fonte: Banco Central *Julho de 2011» O nível de provisões do SFN tem se mantido confortavelmente acima do nível de inadimplência em cerca de 2 pontos percentuais do estoque de crédito, desde 2002.» O Banco Central exige dos bancos brasileiros a adoção de um Patrimônio de Referência mais conservador (11%) que o de Basiléia (8%), o que facilita a adequação do SFN para os novos limites de Basiléia III (13%). 17

18 Atividade Econômica e Destaques Expectativas de Mercado Mediana das Amostras Coletadas pelo Banco Central Data Amostra Resultado Primário (% PIB) 01/11/12 2,70 2,70 2,70 2,70 Conta Corrente (US$ bilhões) 01/11/12-55,73-65,90-70,00-71,43 Câmbio - Fim de período (R$/US$) 01/11/12 2,02 2,01 2,00 2,02 Inflação (IPCA %) 01/11/12 5,44 5,40 5,40 5,00 Taxa de Juros - Fim do período (% aa) 01/11/12 7,25 7,63 9,00 8,75 Crescimento do PIB (%) 01/11/12 1,54 4,00 4,00 3,94 IED (US$ bilhões) 01/11/12 60,00 60,00 60,00 60,00 Dívida Líquida do Setor Público (% PIB) 01/11/12 35,20 34,00 32,75 31,90 Fonte: Banco Central Expectativas de Mercado (FOCUS) 18

19 Atividade Econômica e Destaques Melhora Contínua na Classificação de Risco Evolução Recente da Classificação de Risco do Brasil Grau Especulativo Grau de Investimento Perspectiva S&P D BB BB 2007 BB BBB- BBB BBB+... AAA (estável) Fitch D BB BB 2007 BB BBB- BBB BBB+... AAA (estável) Moody's C Ba Ba Ba Baa Baa2 Baa1... Aaa (positiva) DBRS D... BBL BB 2007 BBH 2008 BBBL 2011 BBB BBBH... AAA (estável) JCR D... BB- BB BB BBB- BBB BBB+... AAA (estável) R&I D BB BB 2006 BB BBB- BBB BBB+... AAA (estável) Fonte: Agências de Classificação de Risco» Em contraste com a crise que eclodiu no mercado financeiro global em 2011, o rating soberano brasileiro foi elevado pelas principais Agências Internacionais de Classificação de Risco.» A dívida de longo prazo em moeda local, que representa mais de 95% da Dívida Pública Federal, foi classificada como A- pela S&P. 19

20 Condições Macroeconômicas Administração da Dívida 20

21 Administração da Dívida Objetivos e Diretrizes da Gestão da Dívida Pública Federal 21

22 Plano Anual de Financiamento Pressupostos e Diretrizes Necessidade de Financiamento do Governo Federal (posição em 31/12/2011) Necessidade Bruta de Financiamento R$ 464,21 bilhões - Recursos Orçamentários R$ 101,87 bilhões = Necessidade Líquida de Financiamento R$ 362,34 bilhões Dívida Externa R$ 12,40 Bilhões + Dívida Interna em Mercado R$ 413,27 Bilhões + Encargos no Banco Central R$ 38,54 Bilhões O Tesouro Nacional possui dois colchões para administrar de forma eficiente o refinanciamento da DPF:» Compra antecipada de dólares: US$ 7,4 bilhões, suficiente para pagar 49% da dívida externa a vencer até 2015.» Colchão de liquidez: equivalente a cerca de seis meses de vencimentos da DPF. 22

23 Administração da Dívida Objetivos e Diretrizes da Gestão da Dívida Pública Federal Composição Ótima da Dívida Pública Federal Mínimo Máximo Prefixados 40% 50% Índices de Preços 30% 35% Taxa Flutuante 10% 20% Câmbio 5% 10% Prazo Médio 5 anos 6 anos» Essa composição é uma diretriz a ser alcançada gradualmente, sem promover pressões que resultem em custo de transição excessivo e, ao mesmo tempo, levando em conta a estratégia de alongamento do prazo médio da DPF. 23

24 Administração da Dívida Resultados e Projeções Dívida Pública Federal Indicadores ** Estoque da DPF* em Mercado (R$ bilhões) Limites para 2012 Mínimo Máximo 893, , , , , ,0 Composição da DPF (%) Prefixados 1,5% 36,6% 37,2% 38,8% 37,0% 41,0% Índices de preços 8,8% 26,6% 28,3% 33,9% 30,0% 34,0% Taxa Flutuante 42,4% 31,6% 30,1% 22,8% 22,0% 26,0% Câmbio 45,8% 5,1% 4,4% 4,5% 3,0% 5,0% Estrutura de vencimentos da DPF Prazo Médio (anos) 3,6 3,5 3,6 4,0 3,6 3,8 % Vincendo em 12 meses 34,6% 23,9% 21,9% 26,0% 22,0% 26,0% * Inclui a Dívida Doméstica (R$ bilhões - Set/12) e da Dívida Externa (R$ 88,9 bilhões - Set/12) de responsabilidade do Tesouro Nacional. ** Setembro» Percentual de títulos prefixados + índices de preços superior a 65% do estoque.» % vincendo em 12 meses se mantendo abaixo de 26% e prazo médio estável. Nota: As estatísticas da DPF e suas desagregações em DPMFi e DPFe são divulgadas no Relatório Mensal da DPF, que pode ser acessado em 24 /relatorios_divida_publica.asp.

25 set/03 mar/04 set/04 mar/05 set/05 mar/06 set/06 mar/07 set/07 mar/08 set/08 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 mar/12 set/12 Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoando a Composição da DPF Substituição dos títulos com taxa flutuante por índices de preços e prefixados 100% 90% 80% Câmbio 27,3% 6,91% 70% Taxa Flutuante 81,4% 60% 50% 40% 30% 20% Índice de preços 72,7% 34,34% 1,14 % 26,50% 18,6% 10% 0% Pré-fixado Pré-Fixado Indices de Preços Taxa Flutuante Câmbio Fonte: Tesouro Nacional. Nota: Dívida Pública Federal, inclui passivos domésticos e externos. 25

26 set/04 mar/05 set/05 mar/06 set/06 mar/07 set/07 mar/08 set/08 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 mar/12 set/12 Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoando a Composição da DPF e reduzindo os riscos Impacto de cenário de estresse sobre o estoque da DLSP* (%PIB) Indexador » O impacto de cenário de estresse de câmbio e juros na Selic 1,8% 2,1% 1,9% 1,8% 1,5% 1,6% 1,7% 2,1% 1,9% 1,9% DLSP/PIB reduziu-se em 22 pp do PIB entre 2002 e 2011, Câmbio 15,0% 11,4% 1,9% 2,1% -0,9% -4,6% -5,3% -5,0% -5,2% -7,1% devido a mudanças na composição da DLSP. Total 16,8% 13,5% 3,7% 3,9% 0,6% -3,0% -3,6% -2,9% -3,3% -5,2% Fonte: Tesouro Nacional Obs: Cenário de estresse considerado de 3 desvios-padrão sobre a média da taxa SELIC real e da desvalorização cambial real observadas em 2002, equivalente a overshooting de 56,6% no câmbio e aumento de 7,8 pp na taxa de juros. *Dívida Líquida do Setor Público Impacto na DLSP/PIB de 1% de Desvalorização Cambial 0,40% 0,30% 0,20%» A proteção criada pelo fato de o Governo possuir mais ativos atrelados a taxa de câmbio que passivos compensa o risco de variações na taxa de juros. 0,10% 0,00% -0,10% -0,20% -0,14% Fonte: Banco Central 26

27 R$ Bilhões % PIB Administração da Dívida Diretriz: Reduzindo a Necessidade de Financiamento Necessidade de Financiamento Líquida do Tesouro Nacional R$ Bilhões % PIB 18% 16% 14% % % 8% % 27

28 Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoando o perfil de vencimento da DPF Alongando e Suavizando o Perfil de Vencimentos 3,6 39,3% 3,5 3,5 3,5 36,3% 32,4% 3,3 3,0 28,2% 2,9 2,8 25,4% 23,6% 23,9% 21,9% Percentual Vencendo em 12 Meses Prazo Médio (anos) Fonte: Tesouro Nacional * O indicador de Vida Média, diferentemente do de Prazo Médio, não leva em consideração os pagamentos dos cupons intermediários. 28

29 % a. a. Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoamento da Curva de Juros Estoque em mercado e Taxas das NTN-F e BRL (01/11/12) 10 70,7 9,0 9,2 9 50,9 7,2 7,4 38,1 7,8 8,4 8,6 33,1 5,5 6,3 7, ,7 14,2 3,8 4,7 2,9 2,3 3,2 5,1 Jan-13 Jan-14 Jan-15 Jan-16 Jan-17 Jan-18 Jan-21 Jan-22 Jan-23 Jan-24 Jan Estoque (R$ bi) Taxa NTN-F Taxa BRL Fonte: Bloomberg, Andima (Taxas) e Tesouro Nacional (Estoque) Nota 1: Atualmente, apenas NTN-F com vencimento em jan/18 e jan/23 são emitidas. Nota 2.: As Taxas das NTN-F utilizam o padrão 252 dias úteis, enquanto as Taxas dos BRL utilizam o padrão 360 dias úteis. 29

30 Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoamento da Curva de Juros Interna Títulos Prefixados: Estoque(R$ Bi) e Negociação no Secundário (R$ Mi) Jul/ , ,0 677,7 676,4 61,4 69,2 564,5 68,4 391, , ,2 48,0 31,5 103,5 0 LTN Jan13 LTN Jan14 LTN Jan15 LTN Jan16 NTN-F Jan17 11,5 NTN-F Jan18 NTN-F Jan21 Estoque 2011 Acréscimo em 2012 Negociação no Secundário - Média Diária (R$ mi) 12,8 NTN-F Jan23 Fonte: Tesouro Nacional 30

31 % a.a. Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoamento da Curva de Juros Interna Estoque em mercado e Taxas das NTN-B (01/11/12) 50,5 49,5 58,4 64,8 3,2 3,5 3,8 3,9 4,0 4,0 4,0 57,8 50,5 4,5 4,0 3,5 2,6 2,8 38,9 42,6 38,9 3,0 2,5 1,9 2,2 28,6 21,7 2,0 1,5 0,9 11,2 1,0 0,5 Mai 2013 Ago 2014 Mai 2015 Ago 2016 Mai 2017 Ago 2020 Ago 2024 Ago 2030 Mai 2035 Ago 2040 Mai 2045 Ago ,0 Estoque R$ bi Taxa Fonte: Andima e Tesouro Nacional Nota 1: Atualmente, apenas NTN-B com vencimento em ago/16, ago/18, ago/22, ago/30, ago/40 e ago/50 são emitidas. Nota 2: Existem NTN-B com outros vencimentos além dos apresentados no gráfico acima. 31

32 Administração da Dívida Diretriz: Aperfeiçoamento da Curva Interna de Juros Interna Títulos Ligados a Índices de Preços: Estoque (R$ Bi) e Negociação no Secundário (R$ Mi) Jul/ , , Fonte: Tesouro Nacional 51,7 NTN-B Ago14 59,3 NTN-B Ago16 241,5 18,8 NTN-B Ago18 43,8 431,9 NTN-B Ago20 331,2 21,3 NTN-B Ago22 17,1 67,8 85,9 10,7 NTN-B Ago30 NTN-B Ago40 43,2 168,0 NTN-B Ago50 Estoque2011 Acréscimo em 2012 Negociação no Secundário - Média Diária (R$ mi) 32

33 (%) p. y. Administração da Dívida Impacto do IOF na rentabilidade dos títulos pré-fixados Taxas da NTN-F (01/11/12) 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% -2% -4% -6% -8% -10% -12% -14% -16% -18% -20% -22% -24% -26% 7,1% 7,4% 7,8% 8,4% 9,1% 9,2% 8,0% 8,3% 6,6% 4,6% 1,8% -25,8% Jan-13 Jan-14 Jan-15 Jan-17 Jan-21 Jan-23 Fonte: Tesouro Nacional Taxa Nominal Taxa líquida» O IOF contribui para o crescimento de longo prazo com estabilidade, fator fundamental por trás da taxa de juros no mercado brasileiro.» Quanto maior o prazo de vencimento do título, mais baixo é o impacto do IOF no rendimento líquido final. 33

34 Administração da Dívida Atuação do Tesouro Nacional Retorno médio dos Títulos Públicos entre 2005 e 2011 ao ano Índices de Mercado ANBIMA (IMA) IMA-Geral (IRF-M) IMA-B 22,0% 22,0% 23,9% 14,3% 14,4% 15,8% Em Reais Em Dólares Fonte: ANBIMA Nota: IRF-M considera todas as LTN e NTN-F e IMA-B todas as NTN-B. O IMA-Geral é o índice de maior agregação e é a soma do IRF-M, IMA-S (LFT), IMA-C (NTN-C) e IMA-B.» O mercado doméstico de títulos públicos apresenta boas oportunidades, tanto em títulos prefixados quanto em vinculados a índices de preços; 34

35 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 Administração da Dívida Detentores da Dívida Pública Mobiliária Federal interna - DPMFi Detentores (Setembro 2012) Seguradoras Outros 3,8% 4,3% Governo 8,0% Não-residente 13,4% Fundos de Previdência 16,2% Instituições Financeiras 30,1% Fundos de Investimento 24,3%» A melhor distribuição da dívida é resultado de uma estratégia adotada pelo Tesouro Nacional, visando diversificar sua base de investidores. Participação dos não-residentes 15% 13,42% Fonte: Tesouro Nacional Pension Funds includes both open and closed pension funds. A categoria Governo abrange todos os fundos cuja gestão é de responsabilidade do setor público, inclusive aqueles que envolvem recursos privados. 13% 11% 9% 7% IOF: 0% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro (Out/08) IOF: 6,0% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro (Out/10)» A parcela dos não residentes na Dívida Pública Mobiliária Federal tem se mantido estável. 5% 3% 1% IOF: 1,5% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro (Mar/08) IOF : 2,0% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro (Out/09) Fonte: Tesouro Nacional 35

36 Administração da Dívida Carteira de Títulos dos Detentores da Dívida Pública Mobiliária Federal interna 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% Por Indexador (Setembro ) 0% 20% 26% 53% Instituições Financeiras 29% 51% 21% 18% Fundos de Investimento 74% Prefixados Taxa Flutuante Índice de preços Outros Fonte: Tesouro Nacional 9% Fundos de Previdência» Com relação aos prazos, pode ser destacado que a carteira 56% 44% 78% em posse da previdência é a com a maior duração. 0% 19% 3% 53% 23% 24% Governo Não-residentes Seguradoras» No que tange aos detentores por tipo de título, podemos ver que, em agosto de 2012, os bancos possuíam 50% de prefixados em sua carteira. Títulos em taxas flutuante representam 54% da posição dos fundos mútuos e 73% da carteira de previdência estaria em títulos indexados à inflação. Por Prazo (Setembro ) 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 16% 18% 12% 39% 38% 27% 28% Instituições Financeiras 22% Fundos de Investimento 52% 16% 23% 10% Fundos de Previdência 18% 25% 29% 29% 20% 22% 27% 29% 45% 10% 30% 14% Não-residentes Governo Seguradoras Fonte: Tesouro Nacional Até 1 ano Entre 1 e 3 anos Entre 3 e 5 anos Mais de 5 Anos 36

37 Administração da Dívida Participação dos não-residentes na Dívida Pública Federal Evolução Recente (% da DPF) 23,61% Dez/03 12,79% Set/12 4,67% 0,50% 75,89% 82,54%» A dívida externa, em relação ao estoque da DPF, reduziu-se de 23,6% (US$ 78,0 bi) em Dez/03 para 4,7% (US$ 43,4 bi) em Set/12. Durante esse período, a participação dos não-residentes na dívida doméstica elevou-se consideravelmente de 0,5% para 12,8%.» Em 2005, o Tesouro Nacional iniciou e emissão de dívida externa expressa em reais, cujo estoque chegou a US$ 6,7 bi em Set/12. 37

38 10,25% 13 10,50% 14 7,875% 15 6,00% 17 A-Bond 8,00%* 5,875% 19 N 8,875% 19 12,75% 20 4,875% 21 2,625% 23 8,875% 24 B 8,875% 24 8,75% 25 10,125% 27 12,25% 30 8,25% 34 7,125% 37 11,00% 40 C15** 5,625% 41 Taxa % a.a. Administração da Dívida Resultados Alcançados Resultado da estratégia adotada para a Dívida Pública Federal Externa 6,0 6,0% 5,0 5,0% 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 0,0 2,7 0,0 0,8 0,0 0,0 0,0 2,5 2,3 0,3 0,6 0,7 1,1 1,0 1,1 0,7 0,4 0,0 0,4 0,4 3,0 1,4 0,1 0,7 0,0 0,0 0,3 0,5 1,7 1,6 0,0 0,8 2,5 0,0 0,4 0,6 0,6 2,2 3,0 3,4 1,5 2,9 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% -1,0% -2,0% Estoque - Setembro/12 Resgate Antecipado Emissões de Benchmarks Taxa % a.a (Set/12) Fonte: Tesouro Nacional Nota: O volume apresentado inclui operação de permuta de títulos da dívida externa por outros da dívida interna da carteira do Banco Central, no valor aproximado de US$ 676 milhões. No caso dos volumes apresentados para o A-Bond (BR 8,00 15/01/2018), a redução no estoque contempla não apenas os valores decorrentes das recompras, mas também uma parcela de US$ 184,5 milhões, referente a amortização. 38

39 mar/06 set/06 mar/07 set/07 mar/08 set/08 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 mar/12 set/12 US$ Bilhões US$ Milhões Administração da Dívida Indicadores da Dívida Pública Federal externa - DPFe Evolução do Estoque Maturação da DPFe em Setembro/ ,0 80,0 75, ,00 Amortização Juros 70,0 14, ,00 60,0 50,0 40,0 30,0 7,2 1,5 43,3 43,8 6,1 6, , , ,00 20,0 10,0 0,0 7,6 29,9 1, , ,00 0,00 Fonte: Tesouro Nacional Euro US$ BRL Dívida Reestruturada (Bradies) Dívida Contratual Fonte: Tesouro Nacional»Como resultado da estratégia de sucesso adotada pelo Tesouro Nacional ao longo dos últimos anos, o estoque da DPFe tem diminuido sistematicamente nos últimos anos, atingindo US$ 44,4 bi em 2011 (em contraste com US$ 55,0 bi em 2010), equivalente a apenas 4,4% do total da DPF. 39

40 Brasil se destaca no Relacionamento com Investidores Relatório do IIF Relacionamento com Investidores Liderança no Relacionamento com os Investidores» Brasil foi o primeiro país a satisfazer todos os critérios relacionados às práticas de relacionamento com investidores, segundo relatório do Institute of International Finance (IIF)» Avaliação de 38 países emissores de dívida em termos de Relacionamento com Investidores e Práticas de Tranparência em Brasil está no topo do ranking de RI desde o primeiro relatório do IIF, publicado em 2005 Em 2008, o Brasil tornou-se o primeiro país a atingir os 38 pontos dos 38 possíveis. Essa avaliação foi baseada nas notas conjuntas obtidas pela Gerin, operada pelo Banco Central do Brasil, e pela área de Relacionamento Institucional do Tesouro Nacional. Em 2011, ambas as gerência de relacionamento institucional atingiram 38 pontos nos critérios de avaliação da IIF, mantendo o Brasil na liderança nessa área. Dentre as práticas de RI bem-vistas pelos investidores a adotadas no Brasil podem ser destacadas: acesso à equipe de RI por meio do seu website, criação de links recíprocos entre os órgãos governamentais e possibilidade de cadastramento do investidor para recebimento de publicações do Tesouro. 40

41 Para mais informações acesse o site do Tesouro Nacional: Ou entre em contato com a Gerência de Relacionamento Institucional: Compre Tesouro Direto 41

42 ANEXO 42

43 Anexo Nível estável de dívida pública externa com perfil melhorado Operações que impactaram o Estoque da Dívida Externa do Governo Federal Operações Valor de Face 1 (US$ Bilhões) Dívida Mobiliária Externa 28,1 Call do C-Bond (Out-05) 1,1 Call dos Brady Bonds (Abr-06) 6,5 Tender Offer (Jun-06) 1,3 Programa de Resgate Antecipado 2 19, , , , , , ,3 Dívida Contratual 28,9 Pagamento FMI I (Jul-05) 4,9 Pagamento FMI II (Dez-05) 15,5 Pagamento Clube de Paris (Jan-06 3 ) 1,7 Pré Pagamento ao Banco Mundial (Dez-09) 0,9 Pré Pagamento ao Banco Mundial (Jun/Out-11) 5,9 Total 56,9 1 Mostra o impacto das operações no estoque da dívida pública. 2 O programa foi iniciado em janeiro de O valor de US$ 19,2 bi refere-se aos títulos recomprados até 31/12/2011, em valor de face. 3 Mês do anúncio 43

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Dívida Pública Federal Brasileira Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Fevereiro 2011 B R A S Í L I A D Í V I D A P Ú B L I C A F E D E R A L B R A S I L E I R A Dívida

Leia mais

Relatório Mensal da Dívida Pública Federal Junho/2014

Relatório Mensal da Dívida Pública Federal Junho/2014 Relatório Mensal da Dívida Pública Federal Junho/2014 Brasília 1 MINISTRO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL Arno Hugo Augustin Filho SUBSECRETÁRIOS DO TESOURO NACIONAL Cleber Ubiratan

Leia mais

TABELA 2.6.1.a DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO NACIONAL. Mapa Analítico - DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - CONSOLIDADO

TABELA 2.6.1.a DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO NACIONAL. Mapa Analítico - DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - CONSOLIDADO 2.6 - GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA 2.6.1. Variação do Estoque da Dívida Pública Federal A Dívida Pública Federal DPF de responsabilidade do Tesouro Nacional apresentou, no ano de 2009, crescimento nominal

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 1. Vendas e Resgates Em fevereiro, o montante financeiro vendido no Tesouro Direto foi de R$ 236,1 hões, valor 63% inferior ao mês anterior e 18% menor que o

Leia mais

Relatório Mensal Dívida Pública Federal Janeiro

Relatório Mensal Dívida Pública Federal Janeiro 2015 Relatório Mensal Dívida Pública Federal Janeiro MINISTRO DA FAZENDA Joaquim Vieira Ferreira Levy SECRETÁRIO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA Tarcísio José Massote de Godoy SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo 4ª Edição do Seminário de Renda Fixa e Derivativos de Balcão - ANBIMA Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo Paulo Fontoura

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Parte 1 Capítulo 4. Conceitos e estatísticas da dívida pública 1

Parte 1 Capítulo 4. Conceitos e estatísticas da dívida pública 1 Parte 1 Capítulo 4 Conceitos e estatísticas da dívida pública 1 Aline Dieguez B. de Meneses Silva Otavio Ladeira de Medeiros 1 Introdução Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais conceitos,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 O Programa Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por parte de pessoas físicas pela internet, foi implementado pelo Tesouro Nacional em

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Indicadores Fiscais com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Indicadores

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 23. Setembro/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 23. Setembro/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Setembro/ Cenário Tal como sugerido no último boletim, observamos durante agosto uma piora generalizada em todos os indicadores de risco, inclusive no risco de mercado, levando

Leia mais

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Visão Geral do Programa Vantagens do Programa Tesouro Direto Tributação Comprando e Vendendo Títulos Perfil do Investidor 2 O que são Títulos Públicos? Os títulos

Leia mais

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011 Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011 Mercado Primário Na quinta-feira, 15 de dezembro, foram realizados os leilões tradicionais do Tesouro para

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O gerenciamento da dívida pública e a sustentabilidade fiscal

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O gerenciamento da dívida pública e a sustentabilidade fiscal POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O gerenciamento da dívida pública e a sustentabilidade fiscal José Guilherme Silva Vieira Jedson César de Oliveira Fernando Motta Desde o início do regime de metas inflacionárias

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Informe Dívida. Redução da Vulnerabilidade Externa

Informe Dívida. Redução da Vulnerabilidade Externa Março 2008 E DESTAQUES Relação Dívida Externa/PIB atingiu 14,9% em janeiro de 2008; Fluxo de Investimentos Estrangeiros atinge patamar recorde; Mercado de capitais é o maior entre os países emergentes

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

DÍVIDA PÚBLICA F E D E R A L. Plano Anual de Financiamento

DÍVIDA PÚBLICA F E D E R A L. Plano Anual de Financiamento DÍVIDA PÚBLICA F E D E R A L Plano Anual de Financiamento 2 0 1 3 Dívida Pública Federal: Plano Anual de Financiamento 2013 Número 13 Brasília 2013 MINISTRO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO

Leia mais

Brasília Fevereiro 2011

Brasília Fevereiro 2011 Brasília Fevereiro 2011 0 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O que é Tesouro Direto? Em 07

Leia mais

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade Tesouro Direto Florianópolis Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise?

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? José Roberto R. Afonso ANBIMA 14/6/213 2 Pós-Crise Metas Fiscais: contabilidade criativa esconde mudanças mais profundas como modelo de crescente endividamento

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Setembro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101,

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO NOVEMBRO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto. Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004

Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto. Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004 Ministério da Fazenda Tesouro Nacional Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004 Remessas de Divisas Por que seria importante

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos CENÁRIOS ECONÔMICOS JUROS JUROS x INFLAÇÃO x META ATUARIAL Meta Atuarial = 6,00% + IPCA (FOCUS

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LTN Letra do Tesouro Nacional A LTN é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento da compra.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Lançamento do livro O Mapa do Tesouro Direto. São Paulo 31 de março

Lançamento do livro O Mapa do Tesouro Direto. São Paulo 31 de março Lançamento do livro O Mapa do Tesouro Direto São Paulo 31 de março 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço 1 O que fazer quando

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 5 JUNHO/JULHO DE 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 5 JUNHO/JULHO DE 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 5 JUNHO/JULHO DE 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ÍNDICE GERAL I PERFORMANCE RECENTE E EXPECTATIVAS DE ECONOMIA BRASILEIRA Resultado dos principais indicadores

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

DÍVIDA PÚBLICA PLANO ANUAL DE FINANCIAMENTO 2003

DÍVIDA PÚBLICA PLANO ANUAL DE FINANCIAMENTO 2003 DÍVIDA PÚBLICA PLANO ANUAL DE FINANCIAMENTO 2003 Brasília - DF Gestão da Dívida A gestão da dívida pública tem o objetivo de minimizar os custos de financiamento no longo prazo, assegurando a manutenção

Leia mais

Focus - Relatório de Mercado

Focus - Relatório de Mercado Inflação nos próximos 12 meses suavizada Mediana - agregado IPCA (%) 6,30 6,04 6,00 (1) IGP-DI (%) 5,80 5,66 5,61 (2) IGP-M (%) 5,79 5,79 5,68 (2) IPC-Fipe (%) 5,33 5,11 4,98 (2) * comportamento dos indicadores

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais