A intertextualidade que permeia o fantástico: uma realidade da

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A intertextualidade que permeia o fantástico: uma realidade da"

Transcrição

1 A intertextualidade que permeia o fantástico: uma realidade da Erêndira de Garcia Márquez Elilson Gomes do Nascimento; Renato Mendonça Neves 1 Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Um texto apresenta relações dialógicas materializadas, implícitas ou explícitas, com outros textos e autores, com fatos históricos, sociais e, ainda, pode estabelecer um diálogo dentro de si mesmo, na obra de um mesmo autor. O objetivo deste trabalho é analisar os processos de intertextualidade e intratextualidade que demarcam o realismo fantástico de Gabriel García Márquez, utilizando para tal, trechos do conto A Incrível e Triste História da Cândida Erêndira e sua Avó Desalmada, construídos a partir dessas estratégias textuais-discursivas, partindo das leituras de Brait (2006), Barros e Fiorin (2005), Koch (2004) e Fiorin (2006), principais referenciais teóricos neste estudo. Palavras-chave: intertextualidade; intratextualidade; Erêndira; realismo fantástico. Abstract: A text presents materialized dialogical relations, implicit or explicit, with other texts and authors, with historical or social facts, and it can even establish a dialogue with itself, within the work of the same author. This article aims to analyse the processes of inter and intratextuality that appear in Garcia Marquez s magic realism. To do so, we will use excepts of his short story A Incrível e Triste História da Cândida Erêndira e sua Avó Desalmada, analysing them based on Brait (2006), Barros and Fiorin (2005), Koch (2004) and Fiorin (2006), our main theoretical references for this study. Keywords: intertextuality; intratextuality; Erêndira; magic realism. 1. Este artigo foi parte da avaliação das disciplinas de Linguística I e Leitura e Produção de Texto Acadêmico, ministradas, respectivamente, pela Profª Drª Karina Falcone e pela Profª Drª Siane Góis, no curso de graduação em Letras, 1 período, , da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

2 Introdução Neste trabalho, discorreremos acerca da intertextualidade e intratextualidade que permeiam a obra de Gabriel García Márquez, tomando como objeto de análise o conto A Incrível e Triste História da Cândida Erêndira e sua Avó Desalmada, que intitula uma coletânea de contos do autor. Márquez é reconhecido mundialmente pelo realismo fantástico que apresenta nos textos. Seu modo narrativo tem inspiração em sua infância, no modo como os avós compartilhavam fatos e narravam estórias. O escritor colombiano incorporou, pois, um jeito distinto de retratar a realidade: através do fantástico. Assim, embora afirme que um romance é uma representação cifrada do real, parte da ideia de que a realidade textual se apoia na realidade da vida. Sua escrita é caracterizada pelos processos de inter e intratextualidade; num mesmo universo fantástico paralelo à realidade, obras e personagens se interligam através de um fio condutor meticulosamente estruturado. O conceito de intertextualidade foi impulsionado pelos estudos bakhtinianos sobre as relações constitutivas entre textos. O termo, contudo, nunca foi utilizado pelo próprio Bakhtin. Foi Júlia Kristeva, uma semioticista que traduziu Bakhtin para o francês, quem atribuiu o termo ao autor russo, em Dada a importância dos estudos do filósofo da linguagem, desde então vários estudiosos passaram a abordar a questão da intertextualidade. É o caso de Koch (2004), Barros e Fiorin (2005), além de Brait (2006) e Fiorin (2006), que foram utilizados para a construção deste artigo. A partir de tais leituras, procuramos observar a aplicabilidade dos conceitos na escrita do colombiano Gabriel García Márquez, particularmente no conto da Erêndira, verificando o quão são fundamentais na observação do estilo do autor, que articula de maneira bem urdida as suas obras, além de manter diálogos com textos universais, como a Bíblia, e 50 l Revista Ao pé da Letra Volume

3 incorporar elementos e personalidades da história e cultura colombianas no desenrolar dos textos. Fundamentação teórica Para chegar ao conceito de intertextualidade, é preciso antes definir dialogismo, conceito-base em Bakhtin. Fiorin (2006) o trata como o modo fundamental de funcionamento da linguagem, seu princípio constitutivo. Para Bakhtin, não se pode realmente ter a experiência do dado puro (1993, apud FIORIN, 2006), uma vez que todo fato da realidade encontra-se envolto em linguagem. Logo, o acesso que temos à realidade não é direto, mas ocorre mediante a linguagem. Dessa forma, o que temos são discursos da realidade, manifestados em enunciados. Quando se é considerado seu sentido, esses enunciados estabelecem uma relação dialógica entre si (BAKHTIN, 2003), seja por confronto ou complementação. Nenhum enunciado ou discurso está isolado, pois é através da ligação entre eles que a realidade se materializa. Em Bakhtin, os conceitos de enunciado, texto e discurso não foram firmemente definidos, mantendo-se inacabados (BRAIT, 2006). Enunciado e texto, para o autor, mantém-se muito semelhantes: ambos são únicos e irreproduzíveis; ambos têm acabamento; ambos têm autor. O que os difere, então? Segundo o autor russo, o texto é a manifestação concreta do enunciado. O enunciado é o puro dialogismo, formando uma relação de sentido. Ele não existe fora da relação dialógica, pois este é seu princípio constitutivo. Já o texto pode ser visto fora do dialogismo, desde que não se lhe atribua sentido, uma vez que o sentido só existe nas relações dialógicas. Enquanto isso, o discurso é visto como uma posição social considerada fora das relações dialógicas, vista como uma identidade (FIORIN, 2006:181). A intertextualidade, por sua vez, é um processo dialógico que se configura a partir da relação estabelecida entre dois textos distintos. Contudo, ocorreu Revista Ao pé da Letra Volume l 51

4 um entendimento hermético quanto ao tema, pois acabou se afirmando que qualquer relação dialógica seria intertextualidade. Isto se deu através da mistura entre os conceitos de texto e enunciado nas traduções, embora o próprio Bakhtin diferenciava-os como duas ideias particulares. Toda relação de sentido é intrinsecamente interdiscursiva (FIORIN, 2006:181). A intertextualidade, contudo, é apenas a relação de discursos que se manifesta em texto. Logo, toda intertextualidade é também interdiscursividade: o intertexto pode ser definido como o interdiscurso que se materializou textualmente. Fato é que a intertextualidade trata-se de um fenômeno em que um texto mostra, no fio de sua composição, a voz, o discurso de outro texto. Em outras palavras, a intertextualidade ocorre a partir da presença, em um texto, de um intertexto anteriormente produzido e que compreende a memória sócio-discursiva dos interlocutores (KOCH, 2004). Ainda de acordo com Koch (2004), deve-se tratar de dois tipos de intertextualidade: explícita e implícita. A intertextualidade é de caráter explícito quando, dentro do texto, é efetivada uma menção direta a outro texto, como ocorre em resenhas, resumos e citações, para citar alguns exemplos. Já a intertextualidade implícita se caracteriza quando a fonte não é mencionada de forma direta, esperando-se que o leitor possa reconhecer o diálogo mediante seu conhecimento de mundo. É importante salientar ainda que Bakhtin (1993 apud FIORIN, 2006) também nos fala das relações que existem dentro dos textos, de quando duas vozes são exaltadas no interior do texto. Tal processo se intitula intratextualidade. Em linhas gerais, a intertextualidade trata da relação em que um autor A estabelece em seu texto com outro texto de um autor B, enquanto o processo de intratextualidade descreve a relação que um autor A estabelece consigo. Porém, torna-se necessário que relembremos os conceitos fundamentais do dialogismo, quando Bakhtin afirma que a voz de um mesmo autor, quando transposta em obras diferentes, sofre modi- 52 l Revista Ao pé da Letra Volume

5 ficações de ordem enunciativa. Segundo tal ponto de análise, fica evidente que a intratextualidade é inerente à intertextualidade, está inserida nela. Tal fundamentação pode ser exemplificada considerando-se a estrutura textual de García Márquez. No conto da Erêndira, que será analisado a seguir, nota-se que o autor apresenta, em rápidas passagens, personagens que aparecem em outros textos de sua autoria, como também incorpora elementos históricos, culturais e outras obras no desenrolar da trama. Na maior parte, esses elementos intertextuais nem se confrontam diretamente com as personagens do conto, mas pertencem ao mesmo lugar da narrativa, ao mesmo universo realista-fantástico. Verifica-se, pois, um círculo intratextual que rege as obras do escritor colombiano somado à constante intertextualidade, que constituem uma evidência estilística. Análise dos dados Buscamos observar, no conto A Incrível e Triste História da Cândida Erêndira e sua Avó Desalmada, como a intertextualidade é fundamental na construção e análise da obra de Gabriel García Márquez. Márquez desenvolve sua literatura a partir de uma forma peculiar em que consegue constituir uma continuidade a cada obra escrita. Em seus textos, o cenário é, muitas vezes, semelhante, onde as personagens, seja na cidade fictícia de Macondo ou em seus entornos, estão envoltas pelo deserto, pelos lamaçais ao sul, pelo mar ao norte, pelos charcos de salitre. Macondo é uma reinvenção que o autor colombiano fez de sua própria cidade natal, Aracataca, que apresenta localização e características geográficas semelhantes à cidade fantástica. Fato é que, inúmeras vezes, o deserto promove o encontro das personagens em distintas obras. Vejamos, pois, como isso ocorre em passagens do conto da Erêndira que exemplificam nossa análise. Revista Ao pé da Letra Volume l 53

6 Um importante exemplo da intratextualidade presente no conto é a constante menção ao Senador Onésimo Sanchez, personagem que representa o poder local. Trata-se de uma personagem central de outro conto de García Márquez intitulado Morte Constante para Além do Amor. No conto analisado, o Senador é citado ao longo da saga de Erêndira e sua avó pelo deserto. Uma dessas alusões ocorre quando Ulisses, personagem do conto que mantém um romance com Erêndira, percorre o deserto em busca de notícias da jovem. Exemplo 1: Viajou pelo deserto o resto da noite, e ao amanhecer perguntou, nos povoados e rancharias, qual era o rumo de Erêndira, mas ninguém lhe dava informação. Por fim, informaram-no de que andava atrás da comitiva eleitoral do Senador Onésimo Sanchez, e que este deva estar, naquele dia, em Nova Castela. (MÁRQUEZ, 1998:131). Outro ponto essencial para a observação do cruzamento de personagens e cenas em diferentes trechos na Erêndira é quando o autor se coloca em primeira pessoa. Gabriel García Márquez, narrador onisciente, mergulha na estória como uma personagem que observa e descreve. Ao chegar ao povoado e assistir às festividades promovidas pelo turismo sexual de Erêndira no deserto, ele reconhece a multidão. Exemplo 2: Entre a multidão de apátridas e espertalhões estava Blacaman, o Bom, trepado em uma mesa, pedindo uma cobra de verdade para experimentar, na própria carne, um antídoto de sua invenção. Estava a mulher, que se convertera em aranha por desobedecer a seus pais, e que por cinqüenta centavos se deixava tocar para que vissem que não era logro, e respondia às perguntas que quisessem fazer sobre sua desgraça (MÁRQUEZ, 1998:142). 54 l Revista Ao pé da Letra Volume

7 Blacaman, o bom vendedor de Milagres é um conto de García Márquez em que a cena descrita acima aparece de forma idêntica. A mulher que se converteu em aranha é uma personagem que surge no livro Cem Anos de Solidão, obra de 1967, e reaparece no conto da Erêndira e da mesma maneira no conto Um Senhor muito Velho com umas asas enormes, ambos lançados em 1972 num único livro. É como se o tempo das obras estivesse em suspensão, ocorresse simultaneamente. Erêndira, aliás, também é citada implicitamente no livro Cem Anos de Solidão quando a personagem Aureliano deita-se com uma mulata adolescente com tetazinhas de cadela que está se prostituindo numa caravana pelo deserto. Exemplo 3 Dois anos antes, muito longe dali, havia adormecido sem apagar a vela e tinha acordado rodeada pelo fogo. A casa onde vivia com a avó, que a havia criado, ficou reduzida a cinzas. Desde então, a avó a levava de povoado em povoado, deitando-a por vinte centavos, a pagar o valor da casa incendiada. (MÁRQUEZ, 2002:33). Vale salientar que a personagem Erêndira é descrita de maneira equivalente nas duas obras: Não disse uma palavra enquanto não calculou seu valor. Ainda é muito verde - disse então, tem tetinhas de cadela (grifo nosso. MÁRQUEZ, 1998:100). Esse diálogo interdiscursivo entre as duas obras, Cem Anos de Solidão e A Incrível e triste história da Cândida Erêndira e sua Avó desalmada é comprovado pela seguinte passagem do conto da Erêndira, que constitui o seguinte exemplo. Exemplo 4 Cansada pelos rudes trabalhos do dia, Erêndira não teve ânimo para despir-se e se atirou na cama. Pouco depois, o vento de sua desgraça meteu no quarto como uma matilha de cães e derrubou Revista Ao pé da Letra Volume l 55

8 o candelabro contra as cortinas. Ao amanhecer, quando afinal o vento acabou, começaram a cair umas gotas grossas e espaçadas de chuva, que apagaram as últimas brasas e endureceram as cinzas fumegantes da mansão. (...) Quando a avó se convenceu de que muita pouca coisa ficara intacta entre os escombros, olhou a neta com pena sincera. Minha pobre pequena suspirou. Você não terá vida bastante para me pagar este prejuízo. (MÁRQUEZ, 1998:99-100). No conto da Erêndira, aparece uma marca intertextual de Márquez que surge pela assimilação que o autor faz da cultura de seu país, conjugando personagens fictícios com personalidades reais, partindo do pressuposto de que a realidade textual tem apoio na realidade da vida. Isso ocorre quando, em dado momento do conto, coloca-se instantaneamente em primeira pessoa: Eu as conheci por essa época, que foi a de maior esplendor, embora não tivesse de pesquisar os pormenores de sua vida senão muitos anos depois, quando Rafael Escalona revelou, em uma canção, o fim terrível do drama e achei bom para contá-lo (MÁRQUEZ, 1998:141). Mergulhando no conto como um andarilho do deserto, o escritor nos fala do momento em que se deparou com Erêndira e sua avó, suas próprias criações, adicionando a informação de que só escrevera sobre a história das duas em outros tempos, quando soubera de seu trágico fim a partir de uma canção de Rafael Escalona. Trata-se de um dos maiores compositores da música popular colombiana e que sempre foi uma figura presente na vida de García Márquez, fato que pode ser comprovado em sua autobiografia intitulada Viver para Contá-la. Sendo assim, o autor nos dá pistas de que o pré-texto do conto da Erêndira pode ser uma canção de Escalona, ou seja, a gênese desta criação literária pode ter seu lugar na cultura oral. Ao mesmo tempo, outra hipótese é a alusão a Rafael Escalona pode ser apenas uma recriação da realidade. 56 l Revista Ao pé da Letra Volume

9 Márquez também efetiva a transformação de figuras reais da história em personagens literários. É o caso de Francis Drake, um corsário inglês que, no século XVI, saqueava a região do Caribe, a qual coincide com a geografia dos textos. Há uma passagem no conto em que Erêndira e seu amante, Ulisses, estão fugindo da avó numa camioneta. Enquanto são perseguidos, a menina apanha uma arma que está no porta-luvas com o intuito de disparar, quando Ulisses diz: Não atira. (...) Era de Francis Drake (MÁRQUEZ, 1998:140), denotando assim o valor simbólico do objeto, guardado por uma tradição. Drake é amplamente citado na obra Cem Anos de Solidão, nesse caso, diretamente relacionado com a história das personagens. É importante, também, ilustrar com trechos do conto analisado a relação dialógica que Márquez estreita com textos de valor universal, como a Bíblia, comumente aludida em sua literatura. No conto, o Holandês, pai da personagem Ulisses, é descrito como um leitor do Livro Sagrado: O holandês apareceu na porta da oficina acendendo o cachimbo de marinheiro, e com a Bíblia descosturada em baixo do braço. (...) Depois, abriu a Bíblia ao acaso e recitou trechos salteados (MÁRQUEZ, 1998:130). Numa de suas falas, Ulisses tenta explicar à Erêndira como é o mar, comparando-o em sua imensidade ao deserto, mas ressaltando que, em vez de areia, é constituído por água. Então, a menina conclui que não se pode caminhar, quando Ulisses complementa: Meu pai conheceu um homem que podia, mas faz muito tempo (MÁRQUEZ, 1998:115). Com a informação de que o pai de Ulisses é leitor da Bíblia, podemos perceber que o autor estabelece uma tríade intertextual na voz do garoto, em que também aparece, implicitamente, a voz do pai (que lhe repassou a estória) e a própria Bíblia, já que se pode inferir que o menino menciona a passagem em que Jesus Cristo anda sobre as águas. Um segundo texto religioso também recebe destaque no conto. Há uma parte em que a avó, prostituindo a neta em territórios comandados Revista Ao pé da Letra Volume l 57

10 por missionários, perde a tutela da menina para os católicos. Assim, tenta resgatá-la a todo custo e, ao pedir auxílio ao prefeito da cidade, ouve: Eu não posso fazer nada (...), os padrezinhos, de acordo com a Concordata, têm direito de ficar com a menina até que seja maior de idade (grifo nosso. MÁRQUEZ, 1998:120). Uma concordata designa um acordo entre a Igreja Católica e um Estado. Na Colômbia, a primeira concordata data de 1887, havendo outras posteriores que não alteram o texto original significativamente. Segundo Fernán González (2005), pela concordata de 1887 se reconoce luego la libertad de la Iglesia frente al poder civil, que se expresa en la posibilidad de libre ejercicio de su autoridad espiritual y de su jurisdicción eclesiástica 2. Em outras palavras, a Igreja católica tinha pleno domínio em suas terras, e o Estado não poderia interferir. Então, verificase, na voz do autor, um paralelo bem traçado com a realidade histórica, utilizando o documento na narrativa com o valor que de fato possuiu na vida real. Nesse ponto, pode estar ressaltando uma discussão quanto ao poder que a religião exerce sobre a sociedade, já que não se desprende do contexto social, mas tem na realidade do meio que o cerca um dos pilares para sua (re)criação fantástica. Somado a esse vínculo constante traçado entre a literatura e o mundo real, está o círculo intratextual que conduz sua obra além dos diálogos com outros textos que compõem um efeito de individualização literária, uma de suas marcas de estilo. Considerações finais A análise do conto da Erêndira nos permite demonstrar a importância dos processos intertextuais na construção literária de Gabriel García Márquez. Os exemplos citados representam não só o diálogo constante 2. Traduzindo livremente: se reconhece logo a liberdade da Igreja frente ao poder civil, que se expressa na possibilidade de livre exercício de sua autoridade espiritual e de sua jurisdição eclesiástica. 58 l Revista Ao pé da Letra Volume

11 que o autor trava com sua própria obra, mas também um vínculo entre as verdades sociais (a política, a história e a cultura), tendo em vista que Márquez recria a realidade, mas não se desprende dela por completo. Onésimo Sanchez como o poder local, Francis Drake aludindo à história do país, a Concordata como a influência da religião: todos são exemplos intertextuais através dos quais o autor mantém-se atrelado ao seu contexto social. Enquanto isso, a passagem de personagens como Blacaman e a própria Erêndira por outros títulos do autor demonstra como cada obra está intimamente ligada às demais. Através da intertextualidade, Márquez cria um universo coeso entre a realidade literária e a realidade da vida. Infere-se, assim, que os conceitos de intertextualidade são pilares básicos da estrutura de Márquez e que o conto da Erêndira constitui um ótimo exemplo de como o processo intertextual molda a literatura do escritor colombiano. Por fim, percebe-se o quanto a aplicação dos conceitos dialógicos de inter e intratextualidade são relevantes na análise da obra, para que se possa compreender a estrutura do conto em suas sutilezas, bem como as marcas de estilo do escritor. Desse modo, a análise deve ser o ponto de partida para uma pesquisa que pode ser continuada nas demais obras de Márquez, explorando outros aspectos composicionais e, ampliada a obras de outros autores, possibilitando perceber como os mesmos podem manter diálogos com o autor da Erêndira. Referências bibliográficas BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz (orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade em torno de Bakhtin. São Paulo: Edusp, BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, Revista Ao pé da Letra Volume l 59

12 FIORIN, José Luiz. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, GONZALEZ, Fernán E. El concordado de 1887: los antecedentes, las negociaciones y el contenido del Tratado con la Santa Sede. Credencial Historia, Bogotá, n. 41, maio Disponível em: < Acessado em: 04 abr KOCH, Ingedore G. Villaça. Introdução à lingüística textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, MÁRQUEZ, Gabriel García. Cem anos de solidão. Rio de Janeiro: Record, A incrível e triste história da cândida Erêndira e sua avó desalmada. Rio de Janeiro: Record, Viver para contá-la. Lisboa: Publicações Dom Quixote, RAMOS JUNIOR, Dernival Venancio. Narrativa e Geografia no Caribe colombiano ( ) f. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, Disponível em: <http://hdl. handle.net/10482/4251>. Acesso em: 05 dez Data de recebimento: 29/04/2011 Data de aprovação: 24/06/ l Revista Ao pé da Letra Volume

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

IV CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares 05, 06 e 07 de junho de 2013 ISSN: 1981-8211

IV CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares 05, 06 e 07 de junho de 2013 ISSN: 1981-8211 A SUSTENTABILIDADE EKOS-LÓGICA DA NATURA: DISCURSO PUBLICITÁRIO DE SI Bárbara SANTANA 1 (UNESP) Introdução A proposta deste artigo fundamenta-se no estudo da configuração discursiva da peça publicitária

Leia mais

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 Dylia LYSARDO-DIAS 2 Resumo: Considerando que toda comunicação verbal comporta a interação entre discursos sobre o mundo, este trabalho tem por objetivo

Leia mais

CINDERELA, CINDERELA, JOGUE SEUS CABELOS! : AS MARCAS DE INTERTEXTUALIDADE EM NARRATIVAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

CINDERELA, CINDERELA, JOGUE SEUS CABELOS! : AS MARCAS DE INTERTEXTUALIDADE EM NARRATIVAS DO ENSINO FUNDAMENTAL CINDERELA, CINDERELA, JOGUE SEUS CABELOS! : AS MARCAS DE INTERTEXTUALIDADE EM NARRATIVAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Gabriela Kloth (PPGE/FURB) gabikloth@hotmail.com Otilia Lizete de Oliveira Martins Heinig

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO Cristiane Lisandra Danna (FURB) crisdanna@gmail.com RESUMO O teste piloto é um momento em que o pesquisador

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

A INTERAÇÃO NAS AULAS DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE ASPECTOS CONSTITUTIVOS DO PROCESSO INTERATIVO E SUAS IMPLICAÇÕES NA APRENDIZAGEM

A INTERAÇÃO NAS AULAS DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE ASPECTOS CONSTITUTIVOS DO PROCESSO INTERATIVO E SUAS IMPLICAÇÕES NA APRENDIZAGEM A INTERAÇÃO NAS AULAS DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE ASPECTOS CONSTITUTIVOS DO PROCESSO INTERATIVO E SUAS IMPLICAÇÕES NA APRENDIZAGEM Sueli Fanizzi Universidade de São Paulo suelifani@uol.com.br Resumo:

Leia mais

Lucilha de Oliveira Magalhães *

Lucilha de Oliveira Magalhães * Lucilha de Oliveira Magalhães Introdução ao pensamento de Lucilha de Oliveira Magalhães * FIORIN: José Luiz de. Introdução ao pensamento de. São Paulo: Ática, 2006. 210 Mikhail Mikhailovitch (1895-1975)

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 184p. / M. Bakhtin.

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS

A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS ROCHA, Wanessa Cristina Manhente 1 ; NASCIMENTO, Juliana Barbosa 2 ; COSTA, Keila Matida de Melo 3 ; ELIAS, Carime Rossi 4 Palavras-chaves: Linguagem.

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

As relações híbridas entre Cristianismo e Islamismo em Lavoura Arcaica

As relações híbridas entre Cristianismo e Islamismo em Lavoura Arcaica As relações híbridas entre Cristianismo e Islamismo em Lavoura Arcaica Cristiane Fernandes da SILVA (PG/FL crisfernandes.letras@gmail.com) 1 Jorge Alves SANTANA (D/FL jasantana1@uol.com.br) Palavras-chave:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Allison Guimarães Andrade 1, Profª MSc. Regiane Magalhães Boainain 2 1 UNITAU/FCSL,

Leia mais

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À Resumo LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA SOUZA, Maiara Ferreira de 1 - UFJF LEITE, Ariane Rodrigues Gomes 2 - UFJF BERTOLDO,

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 ESTUDOS PARTILHADOS SOBRE LINGUAGEM A PARTIR DA TEORIA BAKHTINIANA

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 ESTUDOS PARTILHADOS SOBRE LINGUAGEM A PARTIR DA TEORIA BAKHTINIANA ESTUDOS PARTILHADOS SOBRE LINGUAGEM A PARTIR DA TEORIA BAKHTINIANA Keila Matida de Melo Costa i Carime Rossi Elias ii RESUMO: Esta comunicação objetiva apresentar, inicialmente, o subprojeto sobre linguagem

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA

O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA Viviane Letícia Silva Carrijo (PUC-SP) (UFMT) RESUMO: Neste artigo, apresentamos um recorte de nossa pesquisa sobre o desenvolvimento

Leia mais

Formação. Edição 234 Agosto 2010 Título original: Nunca é tarde para gostar de ler

Formação. Edição 234 Agosto 2010 Título original: Nunca é tarde para gostar de ler Page 1 of 5 Formação Formação continuada Professores Prática Edição 234 Agosto 2010 Título original: Nunca é tarde para gostar de ler Muitos professores brasileiros não tiveram a chance de construir uma

Leia mais

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM 1 A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM Keila de Quadros Schermack Universidade de Passo Fundo/UPF keila.quadros@terra.com.br Mestrado em Letras RESUMO:

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES Atualmente pode-se afirmar que a Língua Espanhola é a segunda língua mais importante do território nacional se considerarmos

Leia mais

ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA

ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA Estrutura do Texto Dissertativo A estrutura de um texto dissertativo está baseada em três momentos: 1. Introdução: Também chamada de "Tese", nesse momento, o mais importante

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Várias vozes em Rubem Alves - Um estudo dialógico do ser

Várias vozes em Rubem Alves - Um estudo dialógico do ser Várias vozes em Rubem Alves - Um estudo dialógico do ser GRAVA, Mateus dos Santos RESUMO Tendo como base a leitura de duas crônicas Escutatória e Se eu fosse você, e do livro Variações sobre o prazer,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

MUDAR O MUNDO COM UM TOQUE: A PERSONAGEM QUE CONSCIENTIZA EM O MENINO DO DEDO VERDE.

MUDAR O MUNDO COM UM TOQUE: A PERSONAGEM QUE CONSCIENTIZA EM O MENINO DO DEDO VERDE. MUDAR O MUNDO COM UM TOQUE: A PERSONAGEM QUE CONSCIENTIZA EM O MENINO DO DEDO VERDE. Annie Tarsis de Morais FIGUEIREDO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA) Mylena de Lima QUEIROZ (UNIVERSIDADE ESTADUAL DA

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com. II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br O TEXTO LITERÁRIO COMO OBJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: A INTERTEXTUALIDADE

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES Gabriela Silva 1 A questão da verossimilhança tem sido discutida desde Aristóteles, que a definiu na Poética, como

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 Emanoel Barbosa de Sousa - UFC Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMG Resumo: Considerando os elementos responsáveis pela interpretação

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 ANÁLISE DA CANÇÃO PAIS E FILHOS SOB A ÓTICA DA ANÁLISE DO DISCURSO DE DOMINIQUE MAINGUENEAU Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 1. Introdução O presente estudo

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO Adriana de Alcântara Oliveira* RESUMO: A Análise do Discurso (AD) é uma corrente de estudos que oferece um campo bastante fértil para

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO PROGRAMA PARFOR: PERSPECTIVAS EM MEIO ÀS TEORIAS DO CURRÍCULO

ANÁLISE DO DISCURSO DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO PROGRAMA PARFOR: PERSPECTIVAS EM MEIO ÀS TEORIAS DO CURRÍCULO ANÁLISE DO DISCURSO DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO PROGRAMA PARFOR: PERSPECTIVAS EM MEIO ÀS TEORIAS DO CURRÍCULO Luiza Gabriela Razêra de Souza Moisés Alves de Oliveira Resumo Numa perspectiva bakhtiniana

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO Janaína Fernandes Possati Faculdade de Letras Centro de Linguagem e Comunicação janainapossati@bol.com.br Resumo: Objetivamos analisar, sob o

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Luciana Maria Crestani i () As avaliações do MEC (Saeb e Prova Brasil) apontam que os alunos têm déficits de aprendizagem no

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA ANA LUCIA CORREIA DE CERQUEIRA A INTERTEXTUALIDADE NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA Patrícia Cristina de Oliveira (UEM UENP/Jacarezinho) Vera Maria Ramos Pinto (UEL UENP/Jacarezinho) Introdução

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos INTERTEXTUALIDADE E OS TEXTOS PUBLICITÁRIOS Vanessa Nogueira Maia de Sousa (UNIGRANRIO) vanessousa@yahoo.com.br RESUMO Este artigo debate a relação entre a Intertextualidade e os textos publicitários.

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE

OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE 2007 Patrícia M. F. Coelho (PUC-SP) patriciafariascoelho@gmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho pretende examinar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE COLEGIO ESTADUAL DARIO VELLOZO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL Rua Haroldo Hamilton, 271 Centro - CEP 85905-390 Fone/Fax 45 3378-5343 - Email: colegiodariovellozo@yahoo.com.br www.toodariovellozo.seed.pr.gov.br

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo UMESP Programa de Pós-Graduação em Educação Doutorado

Universidade Metodista de São Paulo UMESP Programa de Pós-Graduação em Educação Doutorado Universidade Metodista de São Paulo UMESP Programa de Pós-Graduação em Educação Doutorado Pesquisa: A FORMAÇÃO E O COTIDIANO PROFISSIONAL DE EGRESSOS DE UM CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA, MEDIADOS PELA

Leia mais

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Trabalho Individual Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Destinatários Alunos com idades entre os cinco, seis anos a frequentar o Ensino Pré-Escolar pela terceira vez. Local da Sessão de leitura

Leia mais

A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE

A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE 82 A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE CHARGE AND ENGLISH LANGUAGE TEACHING IN HIGH SCHOOL INTEGRATED TO ENVIRONMENT Veralúcia Guimarães de Souza 1

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES

UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES 214 UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES Elizabeth da Silva 1 EE Sebastião Pereira Machado Unipac Itajubá RESUMO.

Leia mais

O USO DE GÊNEROS DO DISCURSO EM LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA (LDP) PALAVRAS-CHAVE: livro didático; produção textual; gêneros do discurso

O USO DE GÊNEROS DO DISCURSO EM LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA (LDP) PALAVRAS-CHAVE: livro didático; produção textual; gêneros do discurso O USO DE GÊNEROS DO DISCURSO EM LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA (LDP) BERNARDES, Janima 1 FABIANO, Sulemi 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo verificar a abordagem feita a cerca da produção

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS

INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS Introdução Graziela Frainer Knoll 1 Vera Lúcia Pires 2 Este trabalho visa a analisar a linguagem em anúncios publicitários

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Apresentação/Presentation

Apresentação/Presentation Apresentação/Presentation Desde a publicação da tese de doutorado de Lorenza Mondada, em 1994, intitulada Verbalisation de l espace et fabrication du savoir: Approche linguistique de la construction des

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

NOTÍCIA E REPORTAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE GÊNEROS DA ESFERA JORNALÍSTICA

NOTÍCIA E REPORTAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE GÊNEROS DA ESFERA JORNALÍSTICA NOTÍCIA E REPORTAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE GÊNEROS DA ESFERA JORNALÍSTICA COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição (UNIOESTE) FEDUMENTI, Tatiana Fasolo Bilhar (G - UNIOESTE) RESUMO: O ser humano se

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE LILIAN DE PINHO BOTELHO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUCSP). Resumo INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE Lilian de Pinho BOTELHO

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO DE INTERTEXTUALIDADE

O DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO DE INTERTEXTUALIDADE O DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO DE INTERTEXTUALIDADE RESUMO Antonio Carlos Rodrigues de Freitas Intertextualidade é um conceito muito aplicado na atualidade para fazer referência aos textos que estabelecem

Leia mais

O texto teatral enquanto gênero discursivo

O texto teatral enquanto gênero discursivo O texto teatral enquanto gênero discursivo Jocelaine Oliveira dos Santos 1 1 INTRODUÇÃO O foco de interesse deste ensaio volta-se para uma reflexão acerca do texto teatral enquanto gênero discursivo 2.

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM Simone Maria Rossetto i () A temática deste trabalho baseia-se no estudo da organização tópica, através da análise de uma das redações do Enem (Exame

Leia mais