Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE EMPREGO DE SOFTWARES DE RETROANÁLISE DE BACIAS OBTIDAS VIA FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER (FWD) CONSIDERANDO CASOS DE CARREGAMENTO COM EIXO PADRÃO Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, João Rodrigo G. Mattos Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, Diego Skolaude Treichel Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, Jorge Augusto Pereira Ceratti Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, RESUMO: Este trabalho descreve uma metodologia para o emprego de softwares para retroanálise de bacias obtidas via FWD em pavimentos submetidos ao carregamento de eixo padrão de 82 kn. Considerou-se comportamento elástico-linear dos materiais em pavimentos de quatro camadas, viabilizando a aplicação do princípio da sobreposição de efeitos de duas cargas circulares uniformes. Um banco de dados de 63 bacias foi produzido utilizando-se o programa EVERSTRESS, posteriormente executando-se retroanálise das mesmas através do programa EVERCALC de duas maneiras: considerando a carga de semi-eixo como uma placa circular e aplicando-se a metodologia proposta. Os resultados mostram que o não uso da metodologia proposta resulta em acréscimo médio de 79% no Módulo de Resiliência do revestimento e de 153% na razão entre os módulos do revestimento e da base, enquanto que os mesmos valores aplicando-se a metodologia foram -0,8% e 1,2%. Um dimensionamento de reforço em função de bacias reais levantadas com FWD é demonstrado comparando-se as duas metodologias, onde se constata que a metodologia proposta implica uma economia de 10 m 3 de mistura asfáltica por km por m de largura de pista. PALAVRAS CHAVE: Retroanálise de Pavimentos, Dimensionamento de Reforço, Sobreposição de Efeitos. 1 INTRODUÇÃO A retroanálise de bacias de deflexões é um método bastante empregado atualmente para avaliação e dimensionamento de pavimentos flexíveis. Trata-se de um método nãodestrutivo, ou seja, as propriedades dos materiais são estimadas a partir de procedimentos analíticos sem a necessidade de coleta de amostras em campo (Pereira, 2007). A determinação dos módulos de resiliência das camadas que compõem a estrutura do pavimento é feita a partir das bacias deflectométricas que o pavimento apresenta quando submetido ao carregamento externo, simulado através de ensaios não-destrutivos, podendo-se utilizar equipamentos como a viga Benkelman (padrão ou eletrônica) ou Falling Weight Deflectometer (FWD), instrumento mais sofisticado capaz de obter valores mais precisos (Villela e Marcon, 2001). Obtidas as bacias deflectométricas, os módulos de resiliência são estimados através do uso de softwares específicos para retroanálise de bacias. Geralmente, estes softwares são adaptados para a condição imposta pela solicitação do FWD, isto é, uma placa circular atuando no pavimento; ou

2 baseados em um banco de dados de bacias retroanalisadas ou calculadas previamente. No caso de bacias levantadas sob a atuação da carga de eixo simples de rodas duplas, que é o caso do eixo padrão de 82 kn, os softwares adaptados para FWD não simulam a condição de carregamento real no pavimento, pois agora tratam-se de duas cargas (pneus) atuando simultaneamente no pavimento. Os softwares baseados em banco de dados são dependentes do número de bacias que integram o seu banco de dados, o que faz o usuário desta categoria de softwares dependente da sorte de que uma das bacias do banco de dados possa representar adequadamente o que ocorre em campo. Tal sorte vai depender do tamanho do banco de dados, que no caso de banco de dados limitados, compromete a acurácia da retroanálise. Posto isto, o presente trabalho objetiva apresentar uma metodologia simples de uso de programas para retroanálises de bacias de FWD para bacias oriundas de cargas de eixo padrão, aliando o número de dados ilimitado que pode ser gerado nestes programas e a simulação da condição de duas cargas atuando simultaneamente. A base para a metodologia é o principio da sobreposição de efeitos: notavelmente simples de aplicar, mas que apresenta resultados significativamente importantes, conforme constatado ao longo do trabalho. 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE RETROANÁLISE Segundo documento do Washington State Department of Transportation (WSDT, 2005), retroanálise é essencialmente uma avaliação mecanística, geralmente análises lineares elásticas de deflexões na superfície do pavimento, gerada por vários mecanismos de deflexão de pavimentos. Deflexões são medidas em campo via mecanismos quaisquer e calculadas, de forma que as deflexões calculadas se aproximem das medidas em campo considerando um determinado erro. Os módulos necessários para obter esta aproximação são determinados, caracterizando o processo de retroanálise. As bacias em campo geralmente são medidas com equipamentos tipo viga Benkelman ou FWD. Segundo Nóbrega (2003), estes são os equipamentos para retroanálise mais utilizados no Brasil. As bacias deflectométricas são obtidas através de análises mecanísticas ou extraídas de um banco de dados de bacias previamente calculadas ou retroanalisadas. Segundo Harichandran et al. (1993), o método que utiliza os artifícios anteriormente citados para retroanálise são chamados de Métodos iterativos, que buscam os módulos individuais para cada uma das camadas, diferentemente dos métodos simplificados, que buscam apenas o módulo do pavimento (todas as camadas acima do subleito) e do subleito, podendo-se citar o método de Albernaz (1997). 2.1 Métodos Iterativos Segundo Nóbrega (2003), os métodos iterativos são aqueles onde a determinação das características elásticas e geométricas das camadas do pavimento são realizadas através da comparação entre a bacia deflectométrica obtida em campo e a teórica de uma série de estruturas, até que as deflexões de campo sejam as mesmas que as obtidas para a bacia teórica, ou apresente um resíduo admissível, que é definido no início do processo. A Figura 1 mostra um fluxograma típico para uso do método iterativo de Retroanálise: Figura 1. Fluxograma para Retroanálise através de métodos iterativos (adaptado de WSDT, 2005)

3 Os resultados são obtidos em função de várias comparações entre bacias calculadas com as bacias medidas em campo ao longo das iterações do processo. No caso de métodos baseados na Teoria da Elasticidade, cada iteração representa a análise de uma estrutura de pavimento com determinados módulos de resiliência, espessuras e coeficientes de Poisson. Sendo assim, alguns programas de Retroanálise têm associado a si um programa de análise mecanística. Cita-se como exemplos o EVERSTRESS para o programa EVERCALC e o FLAPS2 para o programa LAYMOD4. Dada a necessidade do cálculo de muitas bacias, este processo deve ser o mais simples possível de forma a minimizar o esforço computacional durante a Retroanálise. O tipo de carga imposta pelo FWD no pavimento permite uma simplificação na geometria do problema de análise mecanística, eliminando muitos graus de liberdade na solução do problema, conforme explicado em Consideração da Axissimetria na geometria do problema De maneira simplificada, a atuação da carga de um FWD em um pavimento pode ser representada como uma placa circular com pressão constante atuando na superfície do pavimento. Esta condição implica respostas estruturais (tensões, deformações e deslocamentos) iguais para qualquer ponto distante de um raio r do eixo z na estrutura. Assim, simplifica-se o problema de uma condição tridimensional para bidimensional, como mostrado na Figura 2. Figura 2. Axissimetria na solução de análises mecanísticas A simplificação diminui drasticamente o tempo de solução das equações que regem o problema. Entretanto, esta simplificação tornase impossível ao incluir mais cargas na superfície do pavimento, tornando o problema novamente tridimensional. Assim, a alternativa para superar este problema seria a utilização dos métodos baseados em bancos de dados. Nóbrega (2003) afirma que o procedimento baseado em banco de dados é mais rápido, mas pode perder em acurácia se o banco de dados não for relativamente grande, que contemple uma sorte de estruturas adequadas. 3 DESCRIÇÃO DA METODOLOGIA PROPOSTA Posto o descrito em 2.2, a partir do princípio da sobreposição de efeitos é possível utilizar a solução axissimétrica para um caso com várias cargas atuantes na estrutura. No caso específico do presente trabalho, o enfoque será dado para carga de eixo simples de rodas duplas. As hipóteses adotadas para validade da metodologia proposta são as seguintes: As camadas do pavimento são consideradas horizontalmente infinitas e de espessura constante; Os materiais são considerados como lineares elásticos, homogêneos e isotrópicos, ou seja, possuem apenas um módulo de Elasticidade e um coeficiente de Poisson, ambos constantes; O carregamento é composto de duas placas circulares de pressão uniforme, de iguais pressões e raios; Os centros geométricos das placas carregadas estão igualmente distantes dos pontos de medida de deflexões na superfície do pavimento, ou seja, o carregamento é simétrico. As hipóteses citadas acima permitem adotar a seguinte simplificação: cada uma das cargas é responsável por metade da deflexão do pavimento. Assim, pode-se considerar na Retroanálise a atuação de apenas uma das cargas, caindo no caso mostrado na Figura 2. Entretanto, novas distâncias X com relação

4 ao centro geométrico da carga em questão devem ser calculadas em função das distâncias x obtidas no levantamento deflectométrico, conforme pode ser visto na Figura 3. Figura 3. Cálculo das distâncias X em função das distâncias x de C1, considera que a carga de semi eixo é distribuída apenas em uma placa circular de pressão uniforme de 560 kpa, conforme mostrado na Figura 4, condição proposta com o intuito de representar a simplificação que se adotaria ao aplicar um determinado software adaptado para bacias de FWD na condição de carga de eixo padrão; a segunda, denominada de C2, considera a atuação das duas rodas do semi eixo, com os mesmos 560 kpa, distância entre os centros geométricos das cargas de 30 cm, porém analisando-se o efeito de apenas uma delas a partir do plano de simetria, como visto na Figura 4. A condição C2 é a aplicação do método descrito na seção 3. As distâncias X são calculadas em função das distâncias x utilizando-se o Teorema de Pitágoras, conforme mostrado pela Equação 1: (1) onde dcg é a distância entre o centro geométrico das placas carregadas. Desta maneira, se para cada x i há uma deflexão associada D i, o método simplesmente se trata da substituição de x i por X i e de D i por 0,5D i na Retroanálise de um dado conjunto de bacias deflectométricas, considerando apenas a atuação de uma das rodas do eixo padrão e assim não havendo a necessidade de uma análise em três dimensões do problema em questão. 4 APLICAÇÕES DA METODOLOGIA Esta seção demonstra a aplicação da metodologia proposta em dois casos: na Retroanálise de bacias deflectométricas previamente calculadas utilizando-se o programa EVERSTRESS e em um exemplo de dimensionamento de reforço de um trecho homogêneo de um determinado pavimento, nos quais bacias deflectométricas foram levantadas. Os resultados das Retroanálises considerando que a carga do semi eixo (41 kn) é distribuída de duas maneiras: a primeira, aqui denominada Figura 4. Condições de retroanálise utilizadas no trabalho

5 4.1 Retroanálise de bacias geradas no EVERSTRESS Um banco de dados de 63 bacias foi gerado a partir de análises mecanísticas com o programa EVERSTRESS. Considerou-se nas análises uma estrutura padrão de pavimento com 4 camadas (revestimento, base, sub-base e subleito), onde os coeficientes de Poisson adotados foram 0,30; 0,35; 0,40 e 0,45 para as camadas citadas. Considerou-se a camada de subleito com espessura infinita (semi-finita). As espessuras e os módulos de resiliência de todas as camadas foram arbitrados de forma a tentar cobrir a maior variedade possível de tipos de estruturas de pavimentos. A tabela 1 apresenta os valores médios de módulos e espessuras adotados na análise, bem como os desvios padrão e coeficientes de variação. Tabela 1. Médias, desvios padrão, mínimos e máximos dos módulos e espessuras arbitrados Módulos de resiliência (MPa) Camada Média Desvio Padrão Mín. Máx. Revestimento Base Sub-base Subleito Camada Espessuras (cm) Média Desvio Padrão Mín. Máx. Revestimento 10,9 3,7 5,0 20,0 Base 24,1 11,8 10,0 65,0 Sub-base 36,7 16,1 10,0 80,0 Calculadas as bacias, executou-se para cada uma delas a Retroanálise através do uso do programa EVERCALC. Foram simuladas as duas condições descritas na seção 4 (C1 e C2), após calculando-se o erro percentual médio (EPM), conforme a Equação 2. A Figura 5 mostra o comparativo dos módulos do revestimento obtidos nas duas condições com os módulos reais do revestimento. Reais=Retr o- Figura 5. Comparativo dos módulos retroanalisados do revestimento para as condições C1 e C2 Nota-se na Figura 5 que os módulos para C1 são claramente maiores do que os módulos reais do revestimento. O erro médio percentual na comparação entre os módulos é de 79%. Comparando-se os módulos de C2 e os módulos reais, nota-se uma quase coincidência de valores, com erro médio percentual de - 0,8%. As Figuras 6, 7 e 8 mostram a comparação feita na Figura 5 para as camadas de base, sub-base e subleito, respectivamente: Reais=Retr o- Figura 6. Comparativo dos módulos retroanalisados da base para as condições C1 e C2 Reais=Retr o- (2) Figura 7. Comparativo dos módulos retroanalisados da sub-base para as condições C1 e C2

6 Reais=Retr o- Reais=Retr o- Figura 8. Comparativo dos módulos retroanalisados do subleito para as condições C1 e C2 Observando-se as Figuras 6 a 8, nota-se que a dispersão de módulos obtidos na condição C1 é notável para as camadas de base e sub-base. Para a camada de subleito, houve uma boa resposta nos valores obtidos, talvez devido ao fato de que as deflexões mais distantes do centro geométrico do carregamento sejam semelhantes nas condições C1 e C2, sendo tais deflexões afetadas essencialmente pelo módulo de resiliência do subleito. Em números, os erros percentuais médios dos módulos reais para a condição C1 são 35, 55 e 1,4% para as camadas de base, sub-base e subleito, respectivamente. Para a condição C2, os mesmos erros valem 5,3; 4,0 e 0,1%, provando a eficiência do método na Retroanálise das bacias em questão. A Figura 5 mostra que todos os módulos do revestimento calculados na condição C1 são maiores que os reais. Já a Figura 6 mostra que os módulos da base podem ser tanto maiores ou menores que os reais. Isto leva a crer que a determinação de módulos na condição C1 pode elevar notavelmente a razão entre os módulos do revestimento e a base, o que influi severamente na estimativa de vida de fadiga do revestimento. Posto isto, uma comparação entre a razão dos módulos de resiliência do revestimento e da base para ambas as condições de Retroanálise foi realizada, cujo resultado é visto na Figura 9. Figura 9. Comparativo das razões entre módulos retroanalisados do revestimento e base para as condições C1 e C2 A Figura 9 mostra um visível aumento da razão entre os módulos do revestimento e da base com relação às razões reais. Em números, a condição C1 resultou em um erro percentual médio de 153% na estimativa da referida razão de módulos. Entretanto, para o caso da condição C2, o erro obtido foi de apenas 1,2%. A superestimativa da razão entre os módulos do revestimento e base pode ser significativa no momento que os módulos retroanalisados forem utilizados no dimensionamento de reforço de revestimento. Um exemplo, aplicando-se as metodologias empregadas, é apresentado na próxima subseção. 4.2 Dimensionamento de Reforço de Pavimento Neste exemplo, utilizaram-se bacias deflectométricas obtidas via levantamentos com FWD para um dimensionamento de reforço para o pavimento em questão. A suposição é de um trecho homogêneo de quatro camadas (revestimento, base, sub-base e subleito) com espessuras de 8, 24, 43 cm e infinita, respectivamente. Os coeficientes de Poisson serão os mesmos adotados em 4.1. O reforço terá as seguintes características: Será composto de uma mistura asfáltica cujo módulo de resiliência vale 7000 MPa, adotando-se coeficiente de Poisson de 0,3 para a mesma; Sua função será reduzir a tensão de tração na base do revestimento corrente para 1 MPa.

7 As bacias deflectométricas levantadas em campo são vistas da Tabela 2. Tabela 2. Deflexões (em micra) levantadas via FWD Estaca D 0 D 20 D 30 D 45 D 65 D 90 D onde D i é a deflexão medida a i cm do centro da placa. Retroanálises com o programa EVERCALC foram realizadas para as condições C1 e C2, obtendo-se os módulos de resiliência mostrados na Tabela 3. Tabela 3. Módulos de resiliência obtidos para as bacias levantadas por FWD Módulos C1 (MPa) Estaca Rev. Base Subl. Rev/Base , , , , , ,8 Tabela 3. continuação Estaca Rev. Base Módulos C1 (MPa) Subl. Rev/Base , , , , , , , , , , , , , ,9 Estaca Rev. Base Módulos C2 (MPa) Subbase Subbase Subbase Subl. Rev/Base , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 Observando-se os módulos da Tabela 3, nota-se que as estacas 100 e 500 possuem as maiores razões de módulos e provavelmente

8 provocam as maiores tensões de tração na base do revestimento. Assumindo-se tal afirmação como certa, calculou-se através de análises com o programa EVERSTRESS a tensão de tração na base do revestimento para as estacas 100 e 500 nas condições C1 e C2, resultando nos valores mostrados na Tabela 4. Tabela 4. Tensões de tração na base do revestimento para dimensionamento de reforço Estaca Condicao C1 Condicao C ,87 MPa 2,60 MPa 500 2,93 MPa 2,68 MPa Os valores na Tabela 4 mostram que a pior condição está presente na Estaca 500, devido aos maiores valores de tensão de tração. Assim o reforço será dimensionado para a estaca 500 e utilizado para todo o trecho. Sucessivas análises com o programa EVERSTRESS foram realizadas para as duas condições, de modo a determinar a espessura de reforço para que a tensão de tração atuante na base do revestimento existente fosse de 1 MPa. A Figura 10 mostra os resultados destas análises, bem como as espessuras obtidas para cada uma das condições assumidas. 8,5 9,6 Figura 10. Dimensionamento de reforço para as condições C1 e C2 A Figura 10 mostra que a espessura de reforço necessária para a condição C1 é de 9,6 cm, enquanto que para a condição C2 é de 8,5 cm. Em termos práticos, pode-se considerar como espessuras 10 cm e 9 cm, respectivamente. Esta diferença de apenas 1 cm representa muito se for considerado o km de rodovia onde o reforço será executado. Considerando-se 1 km de rodovia e 1 m de largura de pista, a economia de material considerando a condição C2 é de 10 m 3, o que pode ser significativo considerando-se o alto custo do m 3 de mistura asfáltica e a largura de uma rodovia de considerável tráfego, que facilmente supera 6 m. Neste sentido, a aplicação da metodologia proposta neste trabalho torna-se bastante atraente. 5 CONCLUSÕES E COMENTÁRIOS FINAIS Analisando os resultados do presente trabalho, conclui-se que: É possível aplicar o princípio da sobreposição de efeitos com a finalidade de utilizar sofwares para retroanalisar bacias produzidas por FWD para a Retroanálise de bacias de carga de eixo padrão de 82 kn. A adaptação dos dados de campo para uso da metodologia é bastante simples e fácil de ser implementada; Os resultados de Retroanálises de bacias produzidas com análises mecanísticas através do programa EVERSTRESS mostraram que a metodologia realmente retorna módulos muito próximos aos módulos reais, tomando-se como base para isto Retroanálises com o programa EVERCALC. Adotar a simplificação considerando uma placa carregada para a carga de eixo padrão resulta em estimativas notavelmente sem sucesso dos módulos do revestimento e da razão entre os módulos do revestimento e da base; O exemplo de dimensionamento de reforço demostrou que na prática a simplificação da modelagem da carga do eixo padrão pode acarretar, além de resultar módulos do revestimento mais elevados, razões entre módulos do revestimento e base mais elevados e tensões de tração na base do revestimento mais elevadas, um reforço projetado mas espesso do que a aplicação do método proposto. No

9 exemplo mostrado da subseção 4.2, o revestimento projetado seguindo a condição C1 foi 1 cm mais espesso, o que torna a metodologia proposta mais atraente para aplicação, já que a economia de 1 cm de reforço por km de rodovia é bastante considerável. Por fim, demonstrou-se com este trabalho que a utilização de softwares tradicionais é simples para outras condições de carregamento em pavimentos através de pequenas adaptações, que podem resultar em maior acurácia dos resultados de Retroanálises, bem como resultar uma economia em termos de projeto e reforço de pavimentos. REFERÊNCIAS Albernaz, C.A.V. (1997). Método Simplificado de Retroanálise de Módulos de Resiliência de Pavimentos Flexíveis a Partir da Bacia de Deflexão. Tese de Mestrado, COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro. Harichandran, T.M.; Raab, A.R.; Baladi, G.Y. (1993) Modified Newton Algorithm for Backcalculation of Pavement Layer Properties. Transportation Research Record, n. 1196, p Nóbrega, E.S. (2003). Comparação entre métodos de retroanálise em pavimentos asfálticos. Tese - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, 365 p. Pereira, J.M.B. (2007) Um procedimento de Retroanálise de pavimentos flexíveis baseado na teoria do ponto inerte e em modelagem matemática. Dissertação (mestrado) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos. Villela, A.R.A., Marcon, A.F. (2001). Avaliação Estrutural de Pavimentos Utilizando um Método Simplificado de Retroanálise Retran-2CL. In: 33a Reunião Anual de Pavimentação. pp , Florianópolis, SC, Brasil. Washington State Department of Transportation WSDT (2005). EVERSERIES USER S GUIDE. Pavement Analysis Computer Software and Case Studies. Environmental and Engineering Programs Materials Laboratory - Pavements Division, Washington, DC.

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG Luiz Henrique Costa Gomes Universidade Federal de Ouro Preto Cláudio Ângelo

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS RELAÇÃO ENTRE DEFLEXÕES MEDIDAS COM VIGA BENKELMAN E FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER: ESTUDO DE CASO DURANTE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS DO DER-SP Dario Ramos Coordenador de Projetos

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS.

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. Ana Machado 1, Simona Fontul 2 e Ana Cristina Freire 3 1 Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade

Leia mais

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Ana Carolina da Cruz Reis Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, anakkrol@gmail.com

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE RESULTADOS DE MÓDULO DE RESILIÊNCIA OBTIDOS POR RETROANÁLISE DE BACIAS DEFLECTOMÉTRICAS DE FWD E POR ENSAIOS DE LABORATÓRIO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE RESULTADOS DE MÓDULO DE RESILIÊNCIA OBTIDOS POR RETROANÁLISE DE BACIAS DEFLECTOMÉTRICAS DE FWD E POR ENSAIOS DE LABORATÓRIO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE RESULTADOS DE MÓDULO DE RESILIÊNCIA OBTIDOS POR RETROANÁLISE DE BACIAS DEFLECTOMÉTRICAS DE FWD E POR ENSAIOS DE LABORATÓRIO Gessyca Menezes Costa 1 ; Fernando Silva Albuquerque

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

Rodoanel Metropolitano de São Paulo: Estudo de Caso Empregando Critério de Dimensionamento Desenvolvido no Brasil

Rodoanel Metropolitano de São Paulo: Estudo de Caso Empregando Critério de Dimensionamento Desenvolvido no Brasil Rodoanel Metropolitano de São Paulo: Estudo de Caso Empregando Critério de Dimensionamento Desenvolvido no Brasil Tatiana Cureau Cervo* José Tadeu Balbo** Resumo O Brasil tem adotado o método de dimensionamento

Leia mais

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Heliana Barbosa Fontenele (FAG Faculdade Assis Gurgacz) E-mail: heliana@fag.edu.br Leandro Martins Kalinoski (CCL

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES DE PAVIMENTO FERROVIÁRIO SUBMETIDO A CARREGAMENTO ESTÁTICO

ANÁLISE DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES DE PAVIMENTO FERROVIÁRIO SUBMETIDO A CARREGAMENTO ESTÁTICO ANÁLISE DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES DE PAVIMENTO FERROVIÁRIO SUBMETIDO A CARREGAMENTO ESTÁTICO RÔMULO FERREIRA DA SILVA 1 & ANTONIO CARLOS RODRIGUES GUIMARÃES 2 RESUMO O transporte ferroviário desempenha

Leia mais

ISAP Fortaleza, 06/10/08

ISAP Fortaleza, 06/10/08 Visão do DNIT sobre métodos de projetos de pavimentos ISAP Fortaleza, 06/10/08 ISAP Fortaleza, 06/10/08 A VISÃO DO DNIT SOBRE O PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO NÃO É CONSIDERADA EM SI, APENAS EM FUNÇÃO DA SUA

Leia mais

CAPÍTULO 04 NÚMERO N

CAPÍTULO 04 NÚMERO N CAPÍTULO 04 NÚMERO N Um dos fatores que influem no dimensionamento dos pavimentos flexíveis é o trafego que solicitará determinada via durante sua vida útil de serviço. As cargas que solicitam a estrutura

Leia mais

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil.

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil. A análise aqui executada permite, com base nos exemplos aqui apresentados, recomendar que o dimensionamento das lajes lisas de concreto, com índice de esbeltez usuais, obedeça aos seguintes critérios:

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Pavimentos de Infraestruturas de Transportes Dimensionamento expedito 1/14 1 Acções (tráfego)

Leia mais

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV &RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV A eficiência do modelo analítico, desenvolvido no presente trabalho para vigas reforçadas à flexão, é verificada através da comparação dos resultados numéricos obtidos com

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA Amanda Helena Marcandali da Silva José Mario Chaves arteris Ana Luisa Aranha Liedi Legi Bariani Bernucci Kamilla

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 32 2 Revisão Bibliográfica A revisão bibliográfica do presente trabalho abrange vários tópicos tendo em vista que a pesquisa envolveu assuntos diversos, materiais distintos, equipamentos e instrumentações

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE MEDIDAS DE DEFLEXÃO COM VIGA BENKELMAN E FWD EM PAVIMENTOS DA MALHA RODOVIÁRIA ESTADUAL DE SANTA CATARINA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE MEDIDAS DE DEFLEXÃO COM VIGA BENKELMAN E FWD EM PAVIMENTOS DA MALHA RODOVIÁRIA ESTADUAL DE SANTA CATARINA i UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO ENTRE MEDIDAS DE DEFLEXÃO COM VIGA BENKELMAN E FWD EM PAVIMENTOS DA MALHA RODOVIÁRIA ESTADUAL DE

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS EM RETROANÁLISE DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS EM RETROANÁLISE DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS EM RETROANÁLISE DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS Samuel de Almeida Torquato e Silva Jorge Barbosa Soares Áurea Silva de Holanda Jardel Andrade de Oliveira UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

O número N pode ser calculado pela seguinte expressão:

O número N pode ser calculado pela seguinte expressão: O CÁLCULO DO NÚMERO N Um dos fatores que influem no dimensionamento dos pavimentos flexíveis é o trafego que solicitará determinada via durante sua vida útil de serviço. As cargas que solicitam a estrutura

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ JONAS HENRIQUE TEIXEIRA ALGUMAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS DE BAIXO VOLUME DE TRÁFEGO Guaratinguetá 2012

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS Isaac Eduardo Pinto MONITORAMENTO DA RECICLAGEM COM ESPUMA DE ASFALTO NA RODOVIA BA-535, CAMAÇARI - BAHIA Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil em Infra-estrutura de Engenharia de Transportes -

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Jober Luiz Gonçalves Resenes

Jober Luiz Gonçalves Resenes UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Jober Luiz Gonçalves Resenes Metodologias de Dimensionamento da Reabilitação e Estudo Comparativo com o Catálogo

Leia mais

Pavimentos Permeáveis

Pavimentos Permeáveis PRÁTICA RECOMENDADA PR- Sistemas construtivos Pavimentos Permeáveis Conceitos e Requisitos para Pavimentos Intertravado Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

Engº Pery C. G. de Castro Setembro/2009 1. INTRODUÇÃO

Engº Pery C. G. de Castro Setembro/2009 1. INTRODUÇÃO Engº Pery C. G. de Castro Setembro/009. INTROUÇÃO Quando sobre um pavimento existente se coloca uma camada de concreto asfáltico, prémisturado ou macadame asfáltico, além de melhorar as condições da superfície

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA Curso de Engenharia Civil Jeancarlo Ribas AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM TRECHO EXPERIMENTAL DE PAVIMENTO FLEXÍVEL

Leia mais

trabalhos técnicos Thiago Vitorello, Fábio Hirsch, Fernando Cronst, Rogério Cezimbra Concessionária da Rodovia Osório-Porto Alegre CONCEPA

trabalhos técnicos Thiago Vitorello, Fábio Hirsch, Fernando Cronst, Rogério Cezimbra Concessionária da Rodovia Osório-Porto Alegre CONCEPA trabalhos técnicos Implantação de um sistema de pesagem em movimento em alta velocidade na rodovia BR-290/RS, Free Way, para estudo de espectro de cargas comerciais rodantes Lélio A. T. Brito, Jorge A.

Leia mais

DESEMPENHO DE BASE DE BRITA GRADUADA TRATADA COM CIMENTO EM TRECHO MONITORADO DE SERGIPE

DESEMPENHO DE BASE DE BRITA GRADUADA TRATADA COM CIMENTO EM TRECHO MONITORADO DE SERGIPE 44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA ISSN 1807-5568 RAPv Foz do Iguaçu, PR de 18 a 21 de Agosto de 2015. DESEMPENHO DE BASE DE BRITA GRADUADA

Leia mais

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO RECICLAGEM DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS A FRIO IN SITU RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Reciclagem a Frio in situ do Revestimento Asfáltico RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Concessionária INTERVIAS Poder

Leia mais

Pavimentação - base de macadame hidráulico

Pavimentação - base de macadame hidráulico MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 Centro Rodoviário, Parada de Lucas Rio de

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO Hidekasu Matsumoto 1 1 (autor para correspondência) Unesp/Ilha Solteira/Departamento de engenharia

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE CAE PARA A OTIMIZAÇÃO DE VÁLVULAS DE ALTÍSSIMA QUEDA. Voith Hydro Ltda.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE CAE PARA A OTIMIZAÇÃO DE VÁLVULAS DE ALTÍSSIMA QUEDA. Voith Hydro Ltda. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE CAE PARA A OTIMIZAÇÃO DE VÁLVULAS DE ALTÍSSIMA QUEDA Leandro Alcinei Paladim Bernardes Fernando Mattavo de Almeida Voith Hydro Ltda. RESUMO Válvulas esféricas são elementos

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

NOVO PROJETO GRÁFICO DO FATOS & ASFALTOS. Obra em Destaque: Micro Revestimento na Rodovia Presidente Dutra

NOVO PROJETO GRÁFICO DO FATOS & ASFALTOS. Obra em Destaque: Micro Revestimento na Rodovia Presidente Dutra Frota GRECA de cara nova Em 2008 os caminhões da GRECA Transportes começaram a ganhar uma nova identidade visual. Os cavalos mecânicos foram completamente adesivados com o símbolo da GRECA ASFALTOS, e

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO:

DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO: DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO: É a distancia, em projeção horizontal, entre o centro de massa de uma camada do pavimento e o(s) centro(s) de massa da(s) jazidas(s) que fornecerá(ão) materiais

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

CAPÍTULO 7 CONCLUSÃO

CAPÍTULO 7 CONCLUSÃO CAPÍTULO 7 CONCLUSÃO 236 Os dados apresentados no capítulo 1 demonstram que o Governo Federal tem investido significativamente mais no setor habitacional, através de várias linhas de crédito disponibilizadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES EVALUATION OF STRUCTURAL STEEL DESIGN USING STRUCTURAL ANALYSIS IN TWO AND THREE DIMENSIONS Ricardo Fabeane

Leia mais

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R.

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO 1. Guilherme Fleith

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS Adalberto Leandro Faxina Manoel Henrique Alba Sória

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Teixeira, A.H. Teixeira, A.A.H. A H Teixeira Consultoria e Projetos S/C Ltda Souza, G.J.T. Pitta, C.A. Zirlis, A.C. Dechen, M. Solotrat Engenharia Geotécnica

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado 1 de 6 01/11/2010 22:15 Como Construir Whitetopping Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado Owhitetopping é uma técnica de recuperação de pavimentos asfálticos deteriorados (foto 1). A superfície recebe

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO

DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO Artigo Submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO RESUMO Cláudia Borges Fenali (1), Adailton

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves AGOSTO 1997

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Marcos Roberto de Souza (1), Alexandre

Leia mais

O SISTEMA GERENCIAL DE PAVIMENTOS DO DNER

O SISTEMA GERENCIAL DE PAVIMENTOS DO DNER DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS DIVISÃO DE APOIO TECNOLÓGICO O SISTEMA GERENCIAL DE PAVIMENTOS DO DNER Eng Tobias S. Visconti Dezembro de 2.000 - 2 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra Gustavo de Souza Veríssimo José Carlos Lopes Ribeiro José Luiz Rangel Paes UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

ESTRADAS E TRANSPORTES 2

ESTRADAS E TRANSPORTES 2 MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS ESTRADAS E TRANSPORTES 2 Adaptado de Pavimentação Asfáltica Bernucci, L.B., Motta, L.M.G., Ceratti, J.A.P.,Soares, J. B. 1. Conceitos O desempenho adequado do conjunto de camadas

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA DE CARVALHO

PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA DE CARVALHO Pavimentos de Concreto nas Cidades: A solução para as vias de tráfego intenso, em especial os corredores de ônibus PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO DA OBRA Neste projecto é proposta a ligação entre o bloco de aulas da Faculdade de Engenharia do Porto (FEUP), e o novo edifício da Associação de Estudantes

Leia mais

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE E AREIA ASFALTO USINADO A QUENTE A CUSTOS DE MACAPÁ Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com

Leia mais

O Desempenho dos Pavimentos Flexíveis. Prof. Fernando Pugliero Gonçalves

O Desempenho dos Pavimentos Flexíveis. Prof. Fernando Pugliero Gonçalves O Desempenho dos Pavimentos Flexíveis Prof. Fernando Pugliero Gonçalves Novembro de 1999 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...4 2 - EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA APLICADA À PAVIMENTAÇÃO...6 3 - PROJETO DE PAVIMENTOS...8

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais