TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DO OBJETIVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DO OBJETIVO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA, ESGOTO PRESTADOS PELO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ITABIRITO/MG, A QUE SE REFERE O DECRETO MUNICIPAL Nº 9219, de 07 de abril de TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regulamento dispõe sobre a prestação dos serviços públicos de água e esgotos sanitários, pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Itabirito/MG SAAE, e estabelece as normas que regulamentam as relações decorrentes de tais serviços, entre o SAAE e os clientes/usuários. Parágrafo Único - Para efeitos deste Regulamento entende-se água a água potável ou bruta, e como esgotos os esgotos sanitários. Art. 2º - Ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto caberá o exercício do Poder de Polícia e a aplicação das penalidades previstas neste Regulamento, bem como denúncias às autoridades competentes às agressões aos mananciais que abastecem o Município de Itabirito/MG. CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Art. 3º - Compete ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto - SAAE, autarquia municipal criada pela Lei nº 1.016, de 11 de julho de 1978, exercer, com exclusividade, todas as atividades administrativas e técnicas que se relacionam com os serviços públicos de abastecimento de água e esgotos sanitários, no município de Itabirito/MG. Parágrafo Único - Além dessas atividades, compete ao SAAE participar de campanhas educativas, atividades de preservação dos mananciais e outras atividades correlatas, no município de Itabirito MG. Art. 4º - O assentamento de redes adutoras e de distribuição de água e respectivos ramais, redes coletoras e ramais de esgotos, instalação de equipamentos e outras obras correlatas, serão efetuados pelo SAAE, ou por terceiros devidamente autorizados por este, sem prejuízo do que dispõe as posturas municipais e as legislações aplicáveis.

2 1º - Quando executadas por terceiros devidamente autorizados, as obras serão fiscalizadas pelo SAAE, mesmo que delas o SAAE não participe financeiramente. 2º - Excetuados os casos previstos neste regulamento, é vedada a intermediação de serviços entre o SAAE e os clientes/usuários. Art. 5º - Os efluentes industriais, ou comerciais com características impróprias ao meio ambiente poderão ser coletados pelo SAAE, mediante contrato específico, que fixará as características físico-químicas e biológicas dos respectivos efluentes. Art. 6º - Na ocorrência de incêndio, o Corpo de Bombeiros/Guarda Municipal terá competência para operar os hidrantes e permissão para operar os registros da rede de abastecimento de água. CAPÍTULO III DAS TERMINOLOGIAS Art. 7º - Adota-se neste Regulamento as terminologias consagradas, as previstas nas normas técnicas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, e as que se seguem: 1 - MULTA: Pagamento adicional, devido pelo cliente/usuário, previsto neste Regulamento, como punição à inobservância das condições nele estabelecidas e/ou decorrentes do poder de polícia da Autarquia. 2 - AFERIÇÃO DE HIDRÔMETRO: Processo de conferência do sistema de medição do hidrômetro para verificação de erro de indicação em relação aos limites estabelecidos pelos órgãos competentes. 3 - AGRUPAMENTO DE EDIFICAÇÕES: Conjunto de duas ou mais edificações em um lote de terreno. 4 - CADASTRO DE CLIENTE/USUÁRIO: Conjunto de registros atualizados pelo SAAE, necessários ao faturamento, cobrança de serviços prestados e apoio ao planejamento e controle operacional. 5 - CATEGORIA DE CLIENTE/USUÁRIO: Classificação do cliente/usuário, por economia, para o fim de enquadramento na estrutura tarifária do SAAE. 6 - CICLO DE FATURAMENTO: Período compreendido entre a data da leitura faturada e a data do vencimento da respectiva conta.

3 7 - CLIENTE/USUÁRIO OU CONSUMIDOR: Toda pessoa física ou jurídica, responsável pela utilização dos serviços de água e/ou esgotos sanitários, proprietária ou detentora, a qualquer título, da posse do imóvel beneficiado por esses serviços. 8 - COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA: Tabela de valores que compõem a tarifa do SAAE. 9 - CONSUMO DE ÁGUA: Volume de água utilizado em um imóvel, fornecido pelo SAAE CONSUMO MÉDIO: Cobrança feita com base na média das doze últimas leituras realizadas CONTA: Documento hábil para pagamento e cobrança de débito contraído pelo cliente/usuário e que corresponde à fatura de prestação de serviços CORTE DA LIGAÇÃO: Interrupção, por parte do SAAE, do fornecimento de água e coleta de esgoto ao cliente/usuário, pelo não pagamento da tarifa e/ou inobservância das normas estabelecidas neste Regulamento DERIVAÇÃO OU RAMAL PREDIAL DE ÁGUA: a) INTERNA - É a canalização compreendida entre o medidor do SAAE e a bóia do reservatório do imóvel. b) EXTERNA - É a canalização compreendida entre o medidor do SAAE e a rede pública de água DERIVAÇÃO OU RAMAL PREDIAL DE ESGOTO: a) INTERNA - É a canalização compreendida entre a última inserção do imóvel e a caixa de passagem situada no passeio. b) EXTERNA - É a canalização compreendida entre a caixa de passagem situada no passeio e a rede pública de esgotos DESPEJOS INDUSTRIAIS: Refugo líquido decorrente do uso da água para fins industriais e serviços diversos DISTRIBUIDOR: Canalização pública de distribuição de água ECONOMIA: É todo prédio, parte de prédio ou terreno, ocupado ou usado independentemente, que utiliza água através de instalações privativas ou coletivas, para uma determinada finalidade lucrativa ou não.

4 18 - ESGOTOS OU DESPEJO: Refugo líquido que deve ser conduzido a um destino final ESGOTOS SANITÁRIOS: Refugo líquido proveniente do uso da água para fins higiênicos EXCESSO DE CONSUMO Todo consumo de água que exceder o consumo médio dos últimos 12 (doze) meses EXTRAVASOR: É a canalização destinada a escoar eventuais excessos de água ou de esgotos FAIXA DE CONSUMO: Intervalo de volume de consumo, num determinado período de tempo, estabelecido para fins de tarifação FATURA MENSAL: Documento emitido pelo SAAE para cobrança pelos serviços prestados ao cliente/usuário FATURAMENTO: Documento hábil que contabiliza os valores devidos pelo cliente/usuário referente a serviços prestados pelo SAAE GREIDE: Corte transversal mostrando o perfil (inclinação) da rua INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA: Conjunto de tubulações, conexões, aparelhos e equipamentos e peças especiais localizados a jusante do hidrômetro ou do tubete INSTALAÇÃO PREDIAL DE ESGOTOS: Conjunto de tubulações, conexões, aparelhos e equipamentos e peças especiais localizados a montante do poço lumiar HIDRANTE: É o aparelho de utilização apropriado à tomada de água para extinção de incêndio. água HIDRÔMETRO: É o aparelho destinado a medir o consumo de 30 - LIGAÇÃO CLANDESTINA: É a ligação de imóvel às redes distribuidoras de água e/ou coletoras de esgotos, sem autorização do SAAE LIGAÇÃO DE ÁGUA: Tomada de água da rede de distribuição interligada ao ramal de alimentação do imóvel; 32 - LIGAÇÃO DE ESGOTO: Interligação do ramal de lançamento do imóvel à rede coletora de esgotos.

5 33 - LIGAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA E/OU ESGOTOS SANITÁRIOS: É o ato de ligar a derivação predial à rede distribuidora de água ou coletora de esgotos LIGAÇÃO PROVISÓRIA: Ligação de água ou esgoto para utilização em caráter temporário METROS DE COLUNA DE ÁGUA (MCA): Unidade usada para medição de pressão NÍVEL PIEZOMÉTRICO: Entende-se pela carga hidráulica em um ponto, considerando desnível, comprimento e perda de carga no trecho PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA: Forma de apresentação do conjunto de conexões, registro e dispositivo de controle ou medição do consumo. 38- POÇO LUMINAR (TIL): Ponto de interligação do ramal domiciliar de esgoto interno com o ramal externo PEÇA DE DERIVAÇÃO: Dispositivo aplicado no distribuidor para derivação do ramal predial. 40- RAMAL PREDIAL: Ligação dos sistemas de água e esgoto da edificação (imóvel) às redes públicas REDE DISTRIBUIDORA E COLETORA: É o conjunto de canalizações e de peças que compõem os sistemas de distribuição de água e de coleta de esgotos sanitários. 42 REDUTOR DE VAZÃO: Dispositivo colocado na tubulação de descarga, que reduz o diâmetro. 43- REGISTRO DO SAAE OU REGISTRO EXTERNO: É o registro de uso de propriedade do SAAE destinado à interrupção do abastecimento de água e situado no ramal predial externo RESERVATÓRIO PREDIAL: Reservatório de uso exclusivo de um imóvel. 45- SEGUNDA VIA DE CONTA: Documento hábil para pagamento, correspondente à fatura de prestação de serviços emitida pela segunda vez SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: Conjunto de canalizações, estações de tratamento, reservatórios, elevatórias e demais instalações, destinadas ao abastecimento de água.

6 47 - SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS: Conjunto de canalizações, estações de tratamento, elevatórias e demais instalações, destinadas ao esgotamento dos refugos líquidos TARIFAS: Conjunto de preços estabelecidos pelo SAAE referente à cobrança dos serviços de abastecimento de água e/ou de coleta de esgotos sanitários TARIFA BÁSICA OPERACIONAL (TBO): Valor que representa os custos administrativos de leitura, processamento, entrega de contas, bem como os custos operacionais de manutenção fixos dos sistemas de abastecimento de água e de coleta de esgotos sanitários, de serviços à disposição, que por falta de consumo do usuário, não são cobertos pela produção industrial TARIFA DE LIGAÇÃO OU RELIGAÇÃO: Valor estipulado pelo SAAE para cobrança ao usuário, pela ligação de água e/ou esgoto ou pela religação VÁLVULA DE FLUTUADOR OU BÓIA: É a válvula destinada a interromper a entrada de água nos reservatórios dos imóveis quando atingido o nível máximo de água VÁLVULA DE RETENÇÃO: Destina a proteção das instalações hidráulicas e direcionamento do fluxo de água e eliminação de retorno do fluxo de esgoto. 53 UPFI: Unidade Padrão Fiscal de Itabirito, instituída pela lei 1816/93 (Código Tributário Municipal) e atualizada através de decretos, utilizada na composição dos preços de serviços e multas previstos neste Regulamento. TÍTULO II DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTOS SANITÁRIOS CAPÍTULO I DAS REDES DISTRIBUIDORAS E COLETORAS Art. 8º - Nenhuma construção relativa a sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotos sanitários, situada na área de atuação do SAAE, poderá ser executada sem que o respectivo projeto tenha sido por ele elaborado e/ou aprovado, condicionada à apresentação prévia pelo interessado, de cálculo de demanda de água e a contribuição do volume de esgotos que demonstram a capacidade do sistema público para suportar o acréscimo da demanda pretendida.

7 1º - Caberá ao SAAE decidir quanto à viabilidade de extensão das redes distribuidora e coletora, com base em critérios técnicos, econômicos e sociais. 2º - As canalizações, reservatórios, elevatórias e demais estruturas que compõem o sistema de que trata este artigo passarão, depois de instaladas, vistoriadas e aprovadas pelo SAAE, a integrar o patrimônio do SAAE, sem ônus ou encargos financeiros para o mesmo, sendo de sua responsabilidade a operação, manutenção e tarifação das ligações nelas contidas. 3º - A critério e interesse do SAAE, este poderá fornecer água bruta para atividades industriais. 4º - No ato do requerimento de ligações, o cliente/usuário deverá apresentar o projeto executivo da obra para as construções com área acima de 300 m² (trezentos metros quadrados), dependendo de estudo de condições de atendimento em abastecimento de água e coleta de esgotos sanitários. Art. 9º - Os órgãos da administração direta e indireta federais, estaduais e municipais, custearão as despesas para remoção, relocação ou modificação de canalizações, coletores e outras instalações dos sistemas de água e de esgotos, em decorrência de obras que executarem ou forem executadas por terceiros sem autorização. Parágrafo Único - No caso de interesse de proprietários particulares, as despesas referidas neste artigo serão custeadas pelos interessados. Art Os danos causados em canalizações, coletores ou em outras instalações dos serviços públicos de água e de esgotos sanitários, serão reparados pelo SAAE às expensas do autor dos danos, que os tiver causado por dolo ou culpa. 1º - O SAAE realizará o levantamento da ocorrência dos danos bem como do seu valor, ato que terá presunção de legitimidade. 2º - A responsabilidade civil pela reparação dos danos é independente da responsabilidade penal e daquela referente à cobrança de multas pelas condutas infracionais tipificadas neste Regulamento, cujos valores iniciais se encontram previstos no Anexo III, as quais poderão ser demandadas cumulativamente. Art Os custos com as obras de ampliação ou extensão das redes distribuidoras de água e das redes coletoras de esgotos sanitários correrão por conta dos interessados.

8 Art A critério do SAAE, poderão ser implantadas redes distribuidoras de água potável ou bruta em logradouros cujos greides não estejam definidos, sendo que, quando se tratar de redes coletoras de esgotos sanitários, a sua implantação dependerá da definição do greide por parte da municipalidade. Art Serão custeados pelos interessados os serviços destinados a rebaixamento e/ou calçamento de redes de distribuição e/ou coletoras de esgotos sanitários, quando ocasionados por alteração de greides, construção de qualquer outro equipamento urbano e construção de ligações de esgoto em prédios para a qual seja necessária a modificação da rede coletora. Art. 14 O SAAE poderá realizar fiscalização nas instalações sanitárias internas para verificação de possíveis lançamentos clandestinos, através de equipamentos e instrumentos apropriados. CAPÍTULO II DAS REDES DE ÁGUA E ESGOTOS DOS CONDOMÍNIOS, CONJUNTOS HABITACIONAIS, LOTEAMENTOS, VILAS E OUTROS Art Em todos os projetos de condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros, o SAAE deverá ser formalmente consultado sobre a possibilidade e viabilidade de prestação dos serviços de água e esgoto, sem prejuízo do que dispõem as posturas municipais e normas vigentes. 1º - Os projetos deverão demonstrar capacidade de abastecimento de água e coleta, afastamento e tratamento dos esgotos sanitários. 2º - Os projetos deverão incluir todas as especificações técnicas, contidas no Manual SAAE - Procedimentos para Aprovação de Projetos de Abastecimento de Água e Coleta de Esgotos, inclusive as relativas a combate a incêndios, não podendo ser alterado no decurso da obra, sem a prévia aprovação do SAAE. Art Os sistemas de água e de esgotos dos condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros, serão construídos e custeados pelos interessados, de acordo com os projetos previamente aprovados pelo SAAE. 1º - A execução das obras será vistoriada pelo SAAE. 2º - O Cliente/Usuário é obrigado a reparar ou substituir, dentro do prazo que for fixado, qualquer serviço ou material inadequado ou que tenha sido alterado no decorrer das obras.

9 3º - Concluídas as obras, o interessado solicitará ao SAAE a sua aceitação, juntando obrigatoriamente o cadastro técnico dos serviços executados. Art Os prédios dos condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros, situados em cota: a) superior ao nível piezométrico da rede de distribuição de água, deverão ser abastecidos através de reservatórios e instalação elevatória individual ou comum; b) inferior ao nível da rede de esgotamento sanitário, havendo interesse do Cliente/Usuário, poderão ser esgotados através de instalação elevatória individual ou comum. Parágrafo Único - As instalações elevatórias de que trata este artigo deverão pertencer ao Condomínio, ficando a operação e manutenção destas a cargo do mesmo. Art As obras de ampliações das redes públicas de água e esgotos até à entrada dos condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros, serão custeadas pelos proprietários e/ou interessados, respeitados os estudos de viabilidade técnico-econômica. Art A interligação das redes dos condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros às redes públicas de distribuição de água e/ou de esgotamento sanitário, será executada exclusivamente pelo SAAE, desde que as obras estejam totalmente concluídas e aceitas. Parágrafo Único - O serviço de interligação das redes dos condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros à rede pública de água e/ou esgoto da SAAE, será cobrado do interessado conforme Tabela de Preços contida no Anexo II. Art As áreas, instalações e equipamentos destinados aos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário a que se refere este capítulo, ou seja, que venham a ser operados e mantidos pela SAAE, serão cedidos e incorporados, sem ônus, ao patrimônio do mesmo, mediante Termo de Doação e Escritura Pública de Doação, com posterior registro no Cartório competente. Parágrafo Único - O proprietário e/ou interessado arcará com os custos decorrentes do procedimento de doação, tais como escritura, registro, tributos e demais despesas. Art. 21 O SAAE só assumirá a operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário de condomínios,

10 conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros quando tiver disponibilidade técnica, econômica e financeira para prestar os serviços. 1º - A simples análise e aprovação do Projeto não obrigam o SAAE a prestar imediatamente os serviços de que trata este artigo. 2º - A Convenção dos condomínios deverá obedecer as regras constantes deste Regulamento e conter previsão expressa da possibilidade de prestação de serviço pelo SAAE. Art Sempre que forem ampliados os condomínios, conjuntos habitacionais, loteamentos, vilas e outros, ou agrupamento de edificações, as despesas decorrentes de melhoria ou expansão dos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, correrão por conta do proprietário ou incorporador interessado. Parágrafo Único - As obras de melhorias ou expansão dos sistemas de água e/ou esgoto deverão obedecer ao disposto no Capítulo anterior. Art A operação e manutenção das instalações internas de água ou esgoto dos prédios de agrupamento de edificações, vilas, loteamentos e outros, ficarão a cargo do condomínio e serão incentivadas pelo SAAE as ligações de água individual. Art O SAAE não aprovará projetos de abastecimento de água ou de esgotamento sanitário para condomínios, loteamentos, conjuntos habitacionais, vilas e outros que estejam em desacordo com a Legislação Federal, Estadual e Municipal reguladora da matéria. CAPÍTULO IV DOS PRÉDIOS SEÇÃO I DO RAMAL E DOS COLETORES PREDIAIS Art O ramal predial externo de água e/ou esgotos será assentado exclusivamente pelo SAAE, bem como a interligação na rede mestra, mediante requerimento do cliente/usuário. Art O abastecimento de água e/ou coleta de esgotos sanitários serão feitos por meio de um só ramal predial de água e/ou de esgotos sanitários, conectado respectivamente às redes distribuidoras e coletoras existentes, instalados na testada do imóvel, sendo que o esgoto deve passar obrigatoriamente por um Poço Luminar (Til).

11 1º - O abastecimento de água e/ou esgotamento sanitário poderão ser feitos por meio de mais de um ramal predial de água ou de esgotos sanitários, quando houver conveniência de ordem técnica, a critério exclusivo do SAAE. 2º - Dois ou mais prédios construídos no mesmo lote poderão ser esgotados pelo mesmo ramal predial de esgotos sanitários, desde que seja definido e autorizado pelo SAAE. 3º - O assentamento de ramais prediais de esgotos sanitários através de terreno de outra propriedade situado em cota inferior, somente poderá ser feito quando houver conveniência técnica e servidão de passagem legalmente estabelecida, ficando a critério exclusivo do SAAE a sua definição de trechos e percursos. 4º - A distância entre a ligação do ramal predial de esgotos sanitários com a rede coletora e a caixa ou peça de inspeção mais próxima, situadas neste ramal predial, não deverá ser superior a 1,5 m (um metro e meio), ressalvado os casos especiais, ficando a critério exclusivo do SAAE sua definição e autorização. 5º - Em casos especiais, a critério exclusivo do SAAE, os ramais prediais de água e de esgotos sanitários poderão ser derivados da rede distribuidora ou coletora, existente em logradouros situados ao lado ou nos fundos do imóvel. 6º - Quando o prédio não estiver ligado às redes públicas de abastecimento de água e coletora de esgotos sanitários, caberá ao proprietário requerer a instalação dos respectivos ramais, bem como arcar com os custos dos serviços. 7º - Serão requeridos simultaneamente os serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário para os imóveis, situados em logradouros públicos dotados de ambas as redes. Art É vedado ao cliente/usuário intervir no ramal predial externo de água ou de esgotos sanitários, mesmo com o objetivo de melhorar suas condições de funcionamento. Art Os ramais prediais de água e de esgotos sanitários serão dimensionados de modo a assegurar ao imóvel o abastecimento de água e a coleta de esgotos sanitários adequados, observando os respectivos padrões de ligação. 1º - Os ramais prediais de água e de esgotos sanitários poderão ser substituídos a critério do SAAE, sendo que, quando solicitada pelo cliente/usuário, as respectivas despesas correrão por conta do mesmo.

12 2º - As despesas com a reparação de ramais prediais de água ou de esgotos sanitários correrão por conta do cliente/usuário. SEÇÃO II DA INSTALAÇÃO PREDIAL Art As instalações prediais internas de água e de esgotos sanitários serão definidas e projetadas conforme as normas da ABNT e do SAAE, sem prejuízo do disposto no Código de Postura Municipal vigente. Art Todas as instalações pertencentes aos ramais prediais internos de água e de esgotos sanitários serão executadas às expensas do proprietário, de acordo com o Manual SAAE Procedimentos para Instalação de Ramal Predial de Ligação de Água e com o Manual SAAE Procedimentos para Instalação de Ramal Predial de Coleta de Esgotos. 1º - A conservação das instalações prediais ficará a cargo exclusivo do cliente/usuário, podendo o SAAE fiscalizá-las quando julgar necessário. 2º - O cliente/usuário, após notificação, se obriga a reparar ou substituir, dentro dos prazos estabelecidos pelo SAAE, todas as instalações internas defeituosas. Art Serão de responsabilidade dos interessados as obras e instalações necessárias aos serviços de esgotos sanitários dos imóveis, ou parte dos imóveis, situados abaixo do nível do logradouro público, bem como, daqueles que não puderem ser ligados à rede coletora do SAAE. 1º - Nos casos previstos no caput deste artigo, o esgotamento sanitário poderá ser feito mecanicamente para o coletor do logradouro situado na frente do prédio, ou através de terrenos vizinhos, buscado interligar no coletor do logradouro em cotas mais baixas do terreno, desde que, os proprietários o permitam através de documento hábil, constitutivo de servidão. 2º - Havendo despesas, estas correrão por conta exclusivas do cliente/usuário. Art É vedada a ligação de ejetor ou bomba, ao ramal ou ao alimentador predial, ficando o infrator sujeito às penalidades, multas e sanções civil e criminal. Art É proibida, qualquer extensão do ramal predial interno para servir outras economias, ainda que localizadas no mesmo terreno, mesmo que, pertencentes ao mesmo proprietário.

13 Art As instalações dos ramais prediais de água do sistema público, não deverão permitir a intercomunicação com outras canalizações internas abastecidas por águas de poços ou quaisquer fontes próprias. Art São vedados: I O despejo de águas pluviais em derivações prediais de esgotamento sanitário, sob pena de aplicação de multa e sanções, conforme o art. 97, alínea h deste Regulamento. II O lançamento de águas servidas, provenientes de cozinha e tanque diretamente nas redes coletoras de esgoto, sem passagem por caixa de gordura sifonada, sob pena de aplicação de multa e sanções, conforme o art. 97, alínea j deste Regulamento. SEÇÃO III DOS RESERVATÓRIOS Art Os reservatórios de água dos imóveis serão dimensionados e construídos de acordo com as normas e diretrizes da ABNT e do SAAE, obedecendo ao disposto no art. 38 deste Regulamento, sem prejuízo do que estabelece o Código de Postura Municipal vigente. Art Os projetos e a execução dos reservatórios deverão atender, no mínimo, aos seguintes requisitos de ordem hidrossanitária: a) Assegurar perfeita estanqueidade; b) Utilizar em sua construção materiais que não causem prejuízos à potabilidade da água; c) Permitir inspeção e reparos, através de aberturas dotadas de bordas salientes e tampas herméticas. As bordas, no caso de reservatórios enterrados, terão altura mínima de 0,15m (Quinze centímetros) do solo; d) Possuir válvula de flutuador (bóia), que vede a entrada de água quando os reservatórios estiverem cheios e, extravasor descarregado visivelmente em área livre, dotado de dispositivo de fechamento/vedação, que impeçam a entrada no reservatório de materiais ou elementos que possam contaminar ou mudar as características da água; e) Possuir canalização de descarga de fundo, que permita a limpeza interna do reservatório; f) Ter capacidade de reservação mínima capaz de abastecer o(s) imóvel(is) durante, pelo menos, 24 (vinte e quatro) horas. Art É vedada a passagem de canalizações de esgotos sanitários ou pluviais pela cobertura ou pelo interior dos reservatórios. Art. 40 Os imóveis com três ou mais pavimentos ou aqueles cuja pressão dinâmica disponível da rede, junto à ligação, seja insuficiente para

14 alimentar o reservatório superior, deverão possuir reservatório inferior e instalação elevatória conjugada. 1º - As instalações elevatórias serão projetadas e construídas em conformidade com as normas e diretrizes da ABNT e do SAAE, as expensas dos interessados. 2º - Nenhuma edificação poderá ser construída sobre os reservatórios de água, ou ainda, sobre os mesmos não poderão armazenar materiais, principalmente contaminantes. 3º - São vedadas ligações de água efetuadas diretamente dos sistemas de distribuição pública do SAAE. SEÇÃO IV DAS PISCINAS Art As instalações de água de piscinas deverão obedecer ao disposto nesta Seção. Art As piscinas poderão ser abastecidas preferencialmente por encanamento derivado do reservatório predial, ou por meio de ramal privativo, desde que, obrigatoriamente seja instalada válvula de fluxo direcionado (válvula de retenção). Parágrafo Único - Não é permitida em hipótese alguma a ligação direta do hidrômetro aos sistemas de filtração, sob pena de força negativa e contaminação na rede pública de distribuição, ficando o infrator sujeito às multas e penalidades, bem com as sanções civis e criminais. Art Não serão permitidas interconexões entre as ligações prediais de água e de esgotos com as ligações das piscinas. Art A coleta de água proveniente de piscinas deverá ser realizada nas redes públicas coletoras de esgotos, mediante a colocação de um redutor de vazão na respectiva tubulação, após aprovação pelo SAAE. Parágrafo Único - Somente será permitido o lançamento de água proveniente de piscinas na rede pluvial quando tecnicamente justificável e a critério exclusivo do SAAE. Art Somente será concedida ligação de água para piscinas se não houver prejuízo para o abastecimento normal das áreas a serem abastecidas pelo mesmo sistema.

15 SEÇÃO V DAS IRRIGAÇÕES Art Considerando o uso preponderante da água para abastecimento humano e dessedentação animal, o interessado deverá apresentar projeto específico para irrigação, que será submetido para avaliação e aprovação do SAAE. 1º - As irrigações deverão ser abastecidas por meio de um único ramal privativo ou de encanamento derivado do reservatório predial, desde que, obedeça ao disposto neste artigo. 2º - Somente será disponibilizada água para irrigações, se não houver prejuízos para o abastecimento público das áreas abastecidas pelo mesmo sistema. CAPÍTULO V DOS HIDRANTES Art O SAAE orientará e autorizará a instalação, pelo Corpo de Bombeiros, de hidrantes em logradouros públicos onde existir rede de abastecimento de água compatível com as especificações técnicas pertinentes. 1º - No caso de instalação de hidrantes por exigência do Corpo de Bombeiros feita a terceiros, estes deverão requerer ao SAAE mediante solicitação formal. 2º - Após análise do requerimento e vistoria do local, sendo autorizada a instalação do hidrante, o SAAE indicará o local onde deverá ser instalado, cabendo ao interessado o pagamento prévio do valor orçado pelo SAAE. 3º - Só serão instalados hidrantes do tipo aprovado pelo SAAE e pelo Corpo de Bombeiros, observadas as normas específicas da ABNT. 4º - A instalação dos hidrantes será feita pelo SAAE ou por terceiros autorizados. Art A operação dos registros e dos hidrantes da rede pública distribuidora somente poderá ser efetuada pelo Corpo de Bombeiros ou pelo SAAE. 1º - O Corpo de Bombeiros deverá comunicar ao SAAE no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, as operações referidas no caput deste artigo. 2º - O SAAE fornecerá ao Corpo de Bombeiros, por solicitação deste, informações sobre o sistema de abastecimento de água e o seu regime de operação.

16 3º - Compete ao Corpo de Bombeiros inspecionar com regularidade as condições de funcionamento dos hidrantes e dos registros de fechamento dos mesmos e, solicitar ao SAAE reparos porventura necessários. Art As manutenções preventiva e preditiva dos hidrantes serão feitas pelo SAAE, às suas expensas. Parágrafo Único - Os danos causados aos registros e aos hidrantes serão reparados pelo SAAE, a expensas de quem lhes der causa, sem prejuízo das sanções previstas neste regulamento e das penas civil e criminal aplicáveis. CAPÍTULO VI DOS DESPEJOS Art É obrigatório o lançamento dos efluentes líquidos, com características domésticas, nas redes públicas de esgotamento sanitário. Parágrafo Único - O tratamento prévio dos líquidos residuais que por suas características, não puderem ser lançados in natura na rede de esgotos sanitários, será realizado às expensas do cliente/usuário, devendo o projeto ser previamente aprovado pelo SAAE. Art O estabelecimento industrial ou de prestação de serviços situado em logradouro dotado de coletor público, ficará obrigado a lançar os seus efluentes líquidos, após tratamento, ao coletor público, em condições tais que não causem danos de qualquer espécie às obras ou às instalações dos sistemas de esgotamento sanitários. Art Os efluentes líquidos industriais a serem lançados na rede coletora de esgotos sanitários deverão atender no mínimo os requisitos legais nas esferas Federal, Estadual e Municipal. 1 - O SAAE aprovará em conjunto com os órgãos am bientais licenciadores do município, o plano de amostragem dos efluentes industriais ou de serviços, cujos efluentes líquidos após tratamento serão lançados nas redes públicas e, caberá ao cliente/usuário, o seu encaminhado mensalmente ao SAAE. 2 - Os efluentes industriais ou de serviços deve rão apresentar as características de efluentes domésticos para que seja autorizado pelo SAAE o seu lançamento na rede pública, cuja veracidade deverá será comprovada mensalmente, através de relatório técnico, assinado pelo responsável técnico do cliente/usuário, bem como, sua credencial junto ao CREA Conselho Regional de Engenharia.

17 3 - O SAAE poderá a qualquer tempo solicitar a a nálise do efluente em tempo real, bem como, de fiscalizar e inspecionar os sistemas de tratabilidade dos efluentes industriais ou de serviços, podendo suspender o seu lançamento, caso ocorra irregularidade, podendo ainda, aplicar multas ou penas ao estabelecimento, sem prejuízo das sanções civil ou criminal. Art Não se admitirão nas redes coletoras de esgotos sanitários, efluentes não domésticos que contenham substâncias que, por sua natureza, possam danificá-la, ou que interfiram nos processos de depuração da estação de tratamento de esgoto, ou que possam causar dano ao meio ambiente, ao patrimônio público, ou a terceiros, tais como: a) Gases tóxicos ou substâncias capazes de produzi-los; b) Substâncias inflamáveis ou que produzem gases inflamáveis; c) Resíduos e corpos capazes de produzir obstruções (trapos, lã, estopa, pêlo, dentre outros); d) Substâncias que, por seus produtos de decomposição ou combinação, possam produzir obstruções ou incrustações nas canalizações de esgotos sanitários; e) Resíduos provenientes da depuração dos despejos industriais; f) Substância que por sua natureza interfiram com os processos de depuração da estação de tratamento de esgotos sanitários do sistema público, ou g) Substâncias que provenham de criações, ou seja, de origem animal. Art Conforme a natureza e o volume dos despejos industriais ou de serviços, antes do lançamento dos efluentes líquidos na rede pública coletora de esgotos sanitários, os clientes/usuários deverão adotar dispositivos de condicionamento apropriados e aprovados pelo SAAE. Parágrafo Único O cliente/usuário ainda deverá obedecer as seguintes condições para o lançamento dos efluentes líquidos na rede pública coletora de esgotos sanitários: I - Os despejos cuja temperatura seja superior a 40º C deverão ser acondicionados em caixa que permitam o seu resfriamento; II - Os despejos que contiverem sólidos pesados em suspensão ou os que provenham de estábulos, canis, cocheiras ou estrumeiras, deverão passar por caixa retentora especial, devendo ter o seu lançamento aprovado pelo SAAE e órgão licenciador do Município; III - Os despejos ácidos deverão ser diluídos ou neutralizados, conforme concentração e volume, em caixas apropriadas; IV - Os despejos provenientes de postos de gasolina ou garagem, onde haja lubrificação e lavagem de veículo, terão que passar em caixas que permitam a deposição de areia e a separação de óleos e graxas.

18 Art. 55 Em locais desprovidos de redes públicas coletoras, os esgotos sanitários dos imóveis deverão ser encaminhados a uma unidade de tratamento adequado. Parágrafo Único - O dispositivo de tratamento, de que trata o caput deste artigo, deverá ser aprovado pelo SAAE e, construído, mantido e operado pelo(s) proprietário(s) cliente(s)/usuário(s), ou ainda, pelos responsáveis pelo empreendimento ou seus terceirizados, até que seja possível ou viável a operação pelo SAAE, que poderá assumi-la a qualquer tempo, repassando os custos dos serviços aos seus clientes/usuários. TÍTULO III DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA E DE ESGOTOS SANITÁRIOS Art As ligações de água e de esgotos sanitários serão realizadas exclusivamente pelo SAAE ou por seus terceirizados, devidamente credenciados e identificados, e poderão ser definitivas ou provisórias. CAPÍTULO I DAS LIGAÇÕES PROVISÓRIAS Art São provisórias as ligações a título precário. Art As ligações a título precário são as destinadas ao fornecimento de água e/ou esgotamento sanitário de estabelecimento de caráter temporário, tais como: exposições, feiras, circos, parques de diversão e obras em logradouros públicos. 1º - Além de atender aos requisitos estipulados neste regulamento, o postulante de ligação provisória deverá depositar, antecipadamente, o valor, das ligações e das tarifas, de acordo com o Anexo II deste regulamento, em volume estimado para o período solicitado pelo cliente/usuário, facultando-se, para esse efeito, a divisão em sub-períodos não superiores há um mês. 2º - O Cálculo da cobrança diária para parques de diversão, circos, feiras e exposições será efetuado da seguinte forma: 150 (cento e cinquenta) litros por pessoa, multiplicados pelo número de funcionários, sendo o resultado multiplicado por 30 (trinta) dias. O Valor calculado será cobrado como categoria comercial e também somará o valor da ligação provisória. O valor a ser calculado será baseado nas informações fornecidas pelo solicitante. Contudo, ao final de sete dias, será realizada uma leitura para confirmação da média de consumo. Se o volume projetado considerado na cobrança estiver abaixo ou acima do valor de consumo estimado, será emitida uma nova fatura, considerando a média real do período analisado, para que se efetue o pagamento imediato.

19 3º - Será facultado ao SAAE a hidrometração das ligações provisórias, que não poderá ser superior a 30 (trinta) dias, não isentando ao cliente/usuário o que se refere no parágrafo anterior. Art. 59- As ligações de água e de esgotos sanitários, a título precário, serão solicitadas pelo interessado, que deverá declarar o prazo desejado para o serviço, não podendo ultrapassar 30 (trinta) dias, bem como, o consumo de água provável, incumbindo-se ainda, se necessário, requerer a prorrogação do aludido prazo. Art As ligações de água e de esgotos sanitários a título precário serão concedidas em nome do interessado, mediante apresentação dos seguintes documentos: a) Licença ou autorização de funcionamento expedida pelo Município; b) Plantas ou esboços cotados das instalações provisórias, indicando o local das ligações; c) Declaração de uso dos sistemas, observado o prazo máximo determinado nos artigos 58 e 59, deste Regulamento. Art As ligações de água e de esgotos sanitários serão executadas pelo SAAE, após o cumprimento mínimo das seguintes exigências, a saber: a) Instalações de acordo com os padrões estabelecidos pelo SAAE; b) Pagamento dos respectivos orçamentos elaborados pelo SAAE; c) Pagamento da tarifa de consumo mínimo estipulado para o evento. 1º - O SAAE, a seu exclusivo critério, poderá exigir que as ligações provisórias de água sejam hidrometradas, responsabilizando-se o cliente/usuário pelo pagamento antecipado e ainda do que exceder ao consumo estimado para o evento. 2º - O cliente/usuário responsável pela ligação provisória ficará obrigado pelo pagamento dos excessos comprovados por medições realizadas, conforme preconiza o 2º do art. 58, deste regulamento. CAPÍTULO II DAS LIGAÇÕES DEFINITIVAS Art As ligações de água e esgoto serão realizadas mediante requerimento firmado em impresso apropriado para esse fim, preenchido e assinado pelo proprietário do imóvel ou em nome de quem estiver cadastrado na Prefeitura Municipal de Itabirito, mediante a apresentação dos seguintes documentos: a) Cópia CPF e/ou CNPJ e identidade do proprietário;

20 b) Cópia dos atos constitutivos de pessoa jurídica ou cópia do Registro Comercial, tratando-se de empresário individual; c) Cópia da certidão registro de imóvel, ou similar; d) Certidão de numeração fornecida pelo setor de Cadastro da Prefeitura ou outro documento que vier a substituí-lo. 1º - Mediante anuência escrita do proprietário do imóvel ou de quem estiver cadastrado na Prefeitura Municipal de Itabirito, com firma reconhecida e acompanhado dos documentos acima descritos, qualquer pessoa poderá requerer as ligações de água e esgoto. 2º - Se atendido o requerimento na forma do parágrafo anterior, o cadastro perante o SAAE figurará em nome do proprietário ou em nome de quem estiver cadastrado na Prefeitura Municipal de Itabirito. 3º - O SAAE terá até 30 (trinta) dias úteis para efetuar as ligações de água e/ou esgotos, após o cliente/usuário ter efetuado às instalações de seu imóvel, em conformidade com as normas e instruções do SAAE e, após a inspeção, vistoria e aprovação pelo mesmo. 4º - Para as ligações de água superiores a ¾, o prazo estipulado no parágrafo anterior poderá ser dilatado em até 45 (quarenta e cinco) dias úteis. 5º - Caso ocorra atraso no fornecimento do material para as ligações, extensões de redes, ou ainda, por inviabilidade técnica, os prazos estipulados nos parágrafos anteriores serão ampliados e, o cliente/usuário será formalmente avisado da nova data em que será efetuada a ligação requerida, ou ainda, da inviabilidade técnica de sua execução. Art O SAAE não se obriga a conceder ligação de esgoto quando a profundidade do ramal predial, medida a partir da soleira do meio fio até a geratriz interna inferior da tubulação do ramal predial, for superior a um metro. Parágrafo Único - Havendo condições técnicas, poderão ser concedidas ligações com profundidade superior à mencionada no caput, mas em nenhuma hipótese a profundidade poderá exceder três metros e meio. Art Além dos requisitos previstos neste Regulamento, as ligações de água e de esgotos sanitários estarão sujeitas aos pagamentos do valor inicial constante na tabela do Anexo II deste Regulamento, e da planilha de custo elaborada pelo SAAE, contendo os respectivos custos dos materiais e serviços, acrescidos do percentual de 20% (vinte por cento) a título de serviços administrativos do SAAE ou dos seus terceirizados, como orçamento prévio, que deverá ser autorizado pelo cliente/usuário para ser executado. Parágrafo Único - A critério do SAAE, o pagamento dos preços estimados no caput deste artigo poderá ser desdobrado em parcelas e

21 reajustado monetariamente pelo IGPM ou outro indexador que vier a ser adotado pelo SAAE. Art As ligações de água e de esgotos sanitários para usos domésticos e higiênicos têm prioridade sobre as destinadas a outros usos, cuja concessão ficará condicionada à capacidade dos respectivos sistemas e às possibilidades de sua ampliação. Parágrafo Único - As ligações de água e de esgotos de chafarizes, lavanderias públicas, praças, escolas, associações, unidades e instituições públicas, jardins e correlatos, serão realizadas pelo SAAE através de requerimento apropriado, assinado pelo órgão interessado, autorizando e se responsabilizando pelo pagamento do valor das ligações e tarifas para a utilização dos serviços. Art A ligação de água destina-se apenas à própria serventia do cliente/usuário, a quem cabe evitar desperdício e contaminação. 1º - É vedada ao cliente/usuário a derivação de ramais coletores ou instalações prediais de água ou esgoto de sua serventia a outros imóveis (terceiros), ainda que de sua propriedade, salvo excepcionalidades autorizadas pelo SAAE. Art O desmembramento das ligações de água e/ou de esgotos será executada após satisfeitas, no mínimo, as seguintes exigências: a) Instalação da nova unidade de acordo com as normas e padrões definidos pelo SAAE; b) Pagamento do valor do desmembramento e/ou dos respectivos valores orçados pelo SAAE; c) Pagamento dos débitos, se existentes; e d) Apresentação da certidão numérica do imóvel. Art O proprietário do imóvel, através de formulário próprio fornecido pelo SAAE, com CPF, RG e documento de registro de imóvel, ou similar, poderá requerer o desmembramento das ligações do imóvel, que possua mais de uma unidade para ser abastecida, desde que atendidas as exigências previstas no art. 67 deste Regulamento. Parágrafo Único - O cliente/usuário munido de CPF e RG, formalmente autorizado, através de formulário próprio fornecido pelo SAAE, assinado pelo proprietário do imóvel, com firma reconhecida em cartório, poderá requerer o desmembramento das ligações do imóvel, que possua mais de uma unidade para ser abastecida desde que atendidas as exigências previstas no art. 67 deste regulamento.

22 CAPÍTULO III DOS HIDRÔMETROS Art O consumo de água será medido através de hidrômetro, instalado pelo SAAE. Parágrafo Único - Na ausência do hidrômetro, o consumo será cobrado por estimativa. Art O hidrômetro será adquirido e instalado exclusivamente pelo SAAE ou autorizado, e fará parte do valor de composição de preço da ligação de água, sendo o mesmo incorporado ao patrimônio da Autarquia. Art Os hidrômetros serão instalados na parte frontal do imóvel, sempre externamente e o abastecimento do ramal será feito na rede de distribuição do logradouro. 1º - O livre acesso ao padrão de ligação da água (hidrômetro) deverá ser assegurado pelo cliente/usuário ao SAAE e seus autorizados, sendo vedado atravancar o padrão com qualquer obstáculo ou instalação que dificulte o acesso para remoção, ou ainda, a sua leitura e fiscalização. 2º - O cliente/usuário responderá pela guarda e, arcará com as despesas consequentes da falta de proteção e guarda dos hidrômetros instalados para atender seu imóvel. Art O cliente/usuário poderá solicitar ao SAAE a aferição do hidrômetro instalado no seu imóvel, devendo assumir todas as a despesas da aferição se ficar constatado o funcionamento normal do aparelho. 1º - Considera-se como funcionamento normal o estabelecido em consonância com as normas técnicas da ABNT. 2º - O SAAE, detectando em sua banca de teste (aferição) alteração da mediação do volume de água causada por defeitos do medidor, que não seja por adulteração ou intervenção executada pelo cliente/usuário, providenciará a substituição do hidrômetro, sem ônus para o cliente/usuário, e corrigirá o valor da última fatura pela média dos últimos 12 (doze) meses de consumo real, ou a seu critério, observadas as peculiaridades do caso. Art O hidrômetro poderá ser substituído ou retirado pelo SAAE a qualquer tempo, em casos de manutenção, pesquisa, ou modificação do sistema de medição. Art Será de inteira responsabilidade do cliente/usuário a aquisição e instalação da caixa de proteção do hidrômetro, quando não optar pelo cavalete, seguindo as orientações e especificações do SAAE.

23 1º - Por solicitação do cliente, poderá ser efetuado o remanejamento do hidrômetro, desde que seja viável tecnicamente, ficando o mesmo sujeito ao pagamento pelo respectivo serviço, conforme Anexo II. 2º - Se no ato da ligação de água for verificado pelo SAAE que o padrão de instalação não estiver em conformidade com as orientações e normas técnicas do SAAE, será cobrado taxa de expediente de retorno, conforme Anexo II. CAPÍTULO IV DA INTERRUPÇÃO DO FORNECIMENTO DOS SERVIÇOS Art O fornecimento dos serviços de abastecimento de água ou coleta, afastamento ou tratamento dos esgotos do imóvel poderá ser interrompido nos seguintes casos, sem prejuízo da aplicação das sanções previstas neste regulamento: a) Impontualidade no pagamento da fatura; b) Interdição judicial ou administrativa; c) Instalação de ejetores ou bombas de sucção diretamente na rede ou no ramal predial; d) Ligação clandestina ou abusiva; e) Retirada do hidrômetro e/ou intervenção abusiva do mesmo; f) Intervenção no ramal predial externo; g) A pedido do cliente/usuário, através de preenchimento de formulário apropriado, disponibilizado pelo SAAE; h) Falta de pagamento de tarifa de religação e/ou outros débitos; i) Impedir o livre acesso ao padrão de ligação da água pelos servidores do SAAE; j) Impedimento da leitura por parte do cliente/usuário, no quarto mês consecutivo; k) Falta de cumprimento de outras exigências deste Regulamento. 1º - A interrupção decorrente das situações supracitadas dar-se-á, em regra, no prazo de 01 (um) dia útil após a notificação. Nos casos das alíneas a e h, este prazo será de 03 (três) dias úteis após a notificação. 2º - Nos demais casos, tão logo seja feita a sua constatação ou solicitação ao SAAE e após notificação, a interrupção dos serviços poderá ser efetuada de imediato. 3º - A notificação por impontualidade no pagamento da fatura referida na alínea b do 1º será encaminhada ao cliente/usuário em 25 (vinte e cinco) dias corridos após o vencimento do débito.

24 4º - Cessados os motivos que determinaram a interrupção, ou, se for o caso, satisfeitas as exigências estipuladas para a ligação, será restabelecido o fornecimento de água e/ou esgoto, mediante pagamento do preço do serviço correspondente, ou ainda, o valor de multa ou sanções previstas neste Regulamento. Art A retirada da derivação predial externa de água e/ou esgoto poderá ocorrer nos seguintes casos: a) Demolição ou ruína do imóvel; b) Restabelecimento irregular da ligação por parte do cliente/usuário. c) Quando ultrapassar os prazos concedidos no Art. 75, 1º. Art Os hidrômetros dos ramais retirados serão identificados e depositados no almoxarifado do SAAE. Parágrafo Único - Caso o cliente/usuário não regularize, no prazo de 2 (dois) meses da retirada, a situação que lhe deu causa, esses hidrômetros poderão ser reutilizados a critério do SAAE. TÍTULO IV DA CLASSIFICAÇÃO E DA COBRANÇA DOS SERVIÇOS CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS Art Os serviços de água e esgotos sanitários são classificados em 05 (cinco) categorias, obedecendo aos seguintes critérios: a) Categoria A (Residencial) Economia ocupada exclusivamente para o fim de moradia. Estão incluídos nesta categoria aqueles que consomem pequenas quantidades de água e outras que não enquadram no exercício de atividades de categorias comercial, Industrial, Pública ou Social; b) Categoria B (Comercial) - Quando a água é usada em estabelecimento comercial ou prestador de serviços ou por profissionais liberais, como: hotéis, pensões, pousadas, lojas comerciais, bares, armazéns, restaurantes, farmácia, verdureiros (sacolões), oficinas mecânicas e elétricas, depósitos de bebidas, cinema, teatros escolas particulares, circos, parques de diversões, confecções, escritórios (advocacia, engenharia, assessorias e outros), consultórios (médico, dentista e outros), laboratórios, estéticas, salões de beleza, entre outros estabelecimentos considerados pela Prefeitura ou pelo SAAE como comerciais;

25 c) Categoria C (Industrial) - Quando a água é usada em estabelecimentos industriais como: postos de combustíveis, sorveterias, padarias, lavanderias, cerâmicas, marmoarias, indústrias em geral, fábricas em geral, ou ainda, fábrica de bebidas, frigoríficos, granjas, pocilgas, minerações, lavanderias, clubes de recreações aquáticas e outros estabelecimentos industriais que utilizam a água como parte ou insumo do processo industrial; d) Categoria D (Pública) Economia ocupada para o exercício de atividade de órgãos de administração direta ou indireta do poder público. São ainda incluídos nesta categoria repartições/unidades públicas como: hospitais e unidades de saúde, escolas, creches, albergues, praças/jardins, prédios públicos, entre outros em que sua utilização não vise lucros comerciais ou industriais; e) Categoria E (Social) - Quando a água é usada para fins domésticos em residências ocupadas por famílias enquadradas no Programa Social do Governo Federal - Bolsa Família, ou outro que venha substituí-lo. O SAAE usará o cadastro sócio-econômico do Programa Bolsa Família, ou o que o substituirá e, será atualizado no máximo a cada 06 (seis) meses. Art Classifica-se o consumo de água em: a) Consumo medido: o apurado por aparelho de medição (hidrômetro). b) Consumo estimado: o estipulado com base em norma estabelecida pelo SAAE, conforme Anexo I. 1º - O volume faturado será calculado pela diferença entre as leituras faturadas, atual e anterior. 2º - O período de consumo poderá variar, a cada mês, em função da ocorrência de feriado e fim-de-semana e de acordo com o calendário de faturamento do SAAE. 3º - A duração dos períodos de consumo é fixada de maneira que seja mantido o número de 12 (doze) faturas por ano. 4º - O SAAE poderá fazer projeção da leitura real para fixação da leitura faturada, em função de ajustes ou otimização do ciclo de faturamento, compensando-se os valores nas contas subsequentes. 5º - Ocorrendo substituição de hidrômetro, inicia-se novo histórico para efeito de cálculo de consumo médio.

DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998

DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998 DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998 Alterações: Decretos 2001 de 24 de Novembro de 1999 Decreto 2.154 de 01 de Junho de 2001 Decreto 2. 605 de 17/03/2005 Decreto 2.651/05 de 13/07/2005 Decreto 2961/07

Leia mais

DECRETO Nº 4.364 TÍTULO I - DO OBJETO

DECRETO Nº 4.364 TÍTULO I - DO OBJETO DECRETO Nº 4.364 Regulamenta a prestação dos serviços de água e esgotos pelo Departamento Municipal de Água, Esgoto e Saneamento - DMAES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ponte Nova, no

Leia mais

TÍTULO I DO OBJETIVO TÍTULO II DA TERMINOLOGIA

TÍTULO I DO OBJETIVO TÍTULO II DA TERMINOLOGIA DECRETO N. 5.405 - DE 15 DE ABRIL DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba - SAE, e dá outras providências. O Prefeito de Ituiutaba no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996

DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996 DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996 APROVA O REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, A CARGO DAS CONCESSIONÁRIAS OU PERMISSIONÁRIAS.

Leia mais

REGULAMENTO DA CONCESSÃO. Título I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DA CONCESSÃO. Título I DO OBJETIVO REGULAMENTO DA CONCESSÃO Título I ANEXO I DO OBJETIVO Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário do Município de Cachoeiro do Itapemirim,

Leia mais

DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004 Regulamenta a prestação de serviços públicos de água e esgoto pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO 02/2006 CAPÍTULO I DO OBJETIVO

RESOLUÇÃO 02/2006 CAPÍTULO I DO OBJETIVO RESOLUÇÃO 02/2006 Estabelece as condições gerais na prestação e utilização dos serviços públicos de abastecimento de água tratada e esgotamento sanitário do Município de Fortaleza. CAPÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006.

LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006. LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006. Regulamenta os serviços públicos de água e esgoto operados pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto de Monte Carmelo DMAE, e dá outras providências. O povo do

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO 1 REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO 2 0 0 1 2 Í N D I C E pag. CAPITULO I - DO OBJETIVO... 04 CAPITULO II - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 04 CAPITULO III - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ATENDIMENTO...

Leia mais

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012.

LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. LEI N 5.252, DE 02 DE JANEIRO DE 2012. INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA, RECICLAGEM DE ÓLEOS E GORDURAS USADAS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL. RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008.

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL. RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008. AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008. Estabelece as condições gerais na prestação dos serviços públicos de abastecimento

Leia mais

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. DECRETO Nº 5.746, DE 5 DE ABRIL DE 2006 Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR DECRETO Nº 4876, DE 08 DE MARÇO DE 2012. FIXA NOVA TABELA PARA TARIFAS E SERVIÇOS DIVERSOS DO SAMAE, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO CELSO ZUCHI, Prefeito Municipal de Gaspar, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

O Conselho de Gestão da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos - AGR, no uso de suas atribuições legais e,

O Conselho de Gestão da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos - AGR, no uso de suas atribuições legais e, RESOLUÇÃO N 247 /2009 - CG. 1 Estabelece as condições gerais na prestação e utilização dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário, conforme processo n.º 200900029008579. O Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010 Altera o Decreto nº 28.002, de 30 de maio de 2007 e dá outras providencias. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: Art.

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO.

O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO. Resolução N. 004/68 O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO. Artigo 1 - Fica aprovado o Regulamento

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ATOS DO PODER EXECUTIVO Decreto nº 7.499, de 16 de junho de 2011 Regulamenta dispositivos da Lei no 11.977, de 7 de julho de 2009, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, e dá outras providências.

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.714, DE 25 DE ABRIL DE 2011 Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo pago, nas vias e logradouros públicos denominado Zona Azul São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais,

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1 OBJETO: ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1.1 Contratação de empresa de engenharia para fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 063/2013-GP. Regulamenta e implementa a Lei Complementar Federal n 123 de 14 de Dezembro de 2006 e a Lei Geral Municipal da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte n 216, de 18 de dezembro

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 EMENTA: Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo Pago nas vias e logradouros públicos ora denominados ZONA AZUL no âmbito deste Município da Vitória de Santo

Leia mais

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 Autoria: Poder Legislativo Institui e regulamenta o uso do Vale-Transporte no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do Rio Verde,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) Dispõe sobre a construção e reforma de postos revendedores de combustíveis, estabelece a obrigatoriedade na execução de medidas preventivas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta o Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana no âmbito do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 Estabelece diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres em estabelecimentos, edificações e áreas de reunião de público;

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 036/2015 CONVITE Nº 007/2015 CONTRATO CONTRATO QUE FAZEM ENTRE SI A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE, COM RESULT ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA, PARA A CESSÃO DE USO, NA FORMA DE

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS Autor: Poder Executivo LEI COMPLEMENTAR Nº 343, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2008 - D.O. 24.12.08. Cria o Programa Mato-grossense de Regularização Ambiental Rural MT LEGAL, disciplina as etapas do Processo de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

CONTRATO Nº 002/15. Parágrafo Único a presente contratação não gera qualquer vínculo empregatício da

CONTRATO Nº 002/15. Parágrafo Único a presente contratação não gera qualquer vínculo empregatício da CONTRATO Nº 002/15 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA ÁREA DE INFORMÁTICA PARA LOCAÇÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 002/2015 - PREGÃO PRESENCIAL Nº 002/2015.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário - 2 - RESOLUÇÕES DA ACFOR PARA OS SERVIÇOS DELEGADOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 2.2 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE LICENÇA ONEROSA DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Martiniano de Carvalho, n.º

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre loteamento urbano fechado, condomínio horizontal fechado, responsabilidade do incorporador e loteador, concessão de uso e dá outras providências. O

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

DICAS PARA CONDÔMINOS

DICAS PARA CONDÔMINOS DICAS PARA CONDÔMINOS Área Privativa: É a unidade de cada proprietário incluindo a vaga de garagem. Áreas Comuns: São utilizadas por todos os moradores, como playground, jardins, elevadores, corredores,

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008;

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008; Dispõe sobre os critérios e valores para pagamento de Gratificações por Encargo de Cursos ou Concursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS). A COORDENADORA-GERAL

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008.

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Estabelece normas complementares necessárias à aplicação da Lei nº 3.914, de 05 de dezembro de 2006, regulamentada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 023/14 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO

PROJETO DE LEI Nº 023/14 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO PROJETO DE LEI Nº 023/14 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO CUMPRE O DISPOSTO NO PARAGRAFO ÚNICO, DO ART. 265, DO CTM NO QUE TRATA DA CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA CM, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

SPU 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

SPU 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE MP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: ART. 67 DO DECRETO LEI Nº 9.760, DE 5 DE SETEMBRO DE 1946 SPU SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2

Leia mais

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e ALTERADA PELO DECRETO SP N 48.919/2004 DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Regulamenta dispositivos da Lei Estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento ambiental,

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 Pelo presente instrumento particular, a TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX ANEXO IX CONTRATO Nº -----/2015 CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONSULTAS MÉDICAS, S.A.D.T. E CIRURGIAS DOS SERVIDORES DO MUNICIPIO DE SENADOR CANEDO CELEBRADO ENTRE O IAMESC E A

Leia mais

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Objetivo Art. 1. Este Regulamento tem como

Leia mais

PROJETO BÁSICO PARA RECARGA DE GÁS E REMANEJAMENTO DE CONDICIONADORES DE AR TIPO SPLIT E JANELA

PROJETO BÁSICO PARA RECARGA DE GÁS E REMANEJAMENTO DE CONDICIONADORES DE AR TIPO SPLIT E JANELA PROJETO BÁSICO PARA RECARGA DE GÁS E REMANEJAMENTO DE CONDICIONADORES DE AR TIPO SPLIT E JANELA Janeiro/2013 Página 1 de 6 1. DO OBJETO 1.1 Contratação de empresa(s) especializada(s) em manutenção e instalação

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 8678/2012 PREGÃO Nº. 111/2012 CONTRATANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE TELÊMACO BORBA CONTRATADA: NILZA MARA FERREIRA COITO Aos dois dias do mês de agosto

Leia mais

LEI Nº 1.982, DE 30 DE AGOSTO DE 2010

LEI Nº 1.982, DE 30 DE AGOSTO DE 2010 LEI Nº 1.982, DE 30 DE AGOSTO DE 2010 DISCIPLINA O CORTE E A PODA DE VEGETAÇÃO DE PORTE ARBÓREO EXISTENTE NO MUNICÍPIO DE BARUERI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri,

Leia mais

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 LEI N 2.295 DE 19 DE OUTUBRO DE 1999. Dispõe sobre o Incentivo Fiscal para a cultura, cria o Fundo Municipal da Cultura - FMC no Município de Dourados - MS e dá

Leia mais

O Povo de Florianópolis, por seus representantes, aprova e eu sanciono a seguinte Lei:

O Povo de Florianópolis, por seus representantes, aprova e eu sanciono a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 7692, de 21 de agosto de 2008. DISPÕE SOBRE FINANCIAMENTOS E PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL, ESTABELECE NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIOS, REGULAMENTA AS TRANSAÇÕES COM MORADIAS

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011

MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011 MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA MONITORADA, INCLUINDO A INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS, PARA A SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO, QUE ENTRE

Leia mais