Plano de texto, conforme a Análise Textual dos Discursos (ATD), e organização retórica, de acordo com a RST: uma relação possível?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de texto, conforme a Análise Textual dos Discursos (ATD), e organização retórica, de acordo com a RST: uma relação possível?"

Transcrição

1 Plano de texto, conforme a Análise Textual dos Discursos (ATD), e organização retórica, de acordo com a RST: uma relação possível? Maria Eduarda Giering 1, Elizabet Beatriz Follmann 2, Êrica Ehlers Iracet 3 1 Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 2 Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 3 Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Abstract. In this study we intend to establish a connection between RST rhetorical relations (MANN; THOMPSON, 1988) and segments of text plan (ADAM, 2011) in articles of media scientific diffusion for children. We aim to highlight that the rhetorical macrostructural relations match with the text plan segmentation and allow to identify rhetorical functions that are established between the parts and their role for the construction of the macro speech acts. For this purpose, we analyze 30 segmented articles in their text plans, according to Adam (2011) proposal, considering the hierarchical structure of the speech acts. We study the same texts from the perspective of Rhetorical Structure Theory establishing the rhetorical relations between the segments. Keywords: text plan, rhetorical relations, hierarchical structure, macro speech act, media scientific diffusion Resumo. Procura-se estabelecer conexão entre relações retóricas da RST (MANN; THOMPSON, 1988) e segmentos do plano de texto (ADAM, 2011) em artigos de divulgação científica midiática para crianças. Objetiva-se evidenciar que as relações retóricas macroestruturais coincidem com a segmentação do plano de texto dos artigos e permitem identificar as funções retóricas que se estabelecem entre as partes e seu papel para a construção do macroato de discurso dos textos. Para isso, analisam-se 30 artigos já segmentados em seus planos de textos, conforme proposto por Adam (2011), levando-se em consideração a estrutura hierárquica dos atos de discurso. Estudam-se os mesmos textos na perspectiva da Teoria da Estrutura Retórica, estabelecendo-se as relações retóricas entre os segmentos. Palavras-chave: plano de texto, relações retóricas, estrutura hierárquica, macroato de discurso, divulgação científica midiática. 6 Anais do IV Workshop A RST e os Estudos do Texto, páginas 6 10, Fortaleza, CE, Brasil, Outubro 21 23, c 2013 Sociedade Brasileira de Computação

2 1. Introdução Este trabalho faz parte de um estudo que procura relacionar as investigações da Análise Textual dos Discursos doravante ATD (ADAM, 1999; 2011) com as do Funcionalismo, aqui focado na Rethorical Structure Theory - doravante RST - (MANN; THOMPSON, 1988; Mann, Matthiessen & Thompson, 1992). Trata-se de uma iniciativa de estabelecer estudos conjuntos no âmbito dos Grupos de Pesquisa (GP) da ANPOLL (Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação). Participam das investigações membros do GP Linguística Textual e Análise da Conversação e do GP Descrição do Português. A RST, segundo Mann &Thompson (1988), ao analisar as relações retóricas existentes entre segmentos textuais, investiga como o produtor estabelece tais relações e como faz para atingir os objetivos comunicativos a que se propõe. Para isso, as ligações entre as partes do texto devem de ser descritas. Já a ATD, conforme Adam (2011), ao observar como se estabelecem encadeamentos periódicos e sequenciais, estuda a estrutura composicional global dos textos, que é ordenada por um plano de texto, o que permite construir (na produção) e reconstruir (na leitura ou na escuta) a organização global de um texto, prescrita por um gênero (ADAM, 2011, p. 257). No trabalho atual, partimos da hipótese de que é possível aproximar as relações retóricas que articulam segmentos macroestruturais de um texto, da macrossegmentação do plano de texto proposta pela ATD. Objetiva-se evidenciar que os segmentos macroestruturais pertinentes às relações retóricas coincidem frequentemente com a macrossegmentação do plano de texto dos artigos e que a identificação das relações retóricas facilita a compreensão das funções dos segmentos do plano de texto para a construção do fim discursivo dos artigos. Tanto a ATD quanto a RST propõem segmentações em unidades de análise cuja extensão pode ser a de uma sentença ou período ou até de macrossegmentos compostos de mais de um ou mais parágrafos. Neste estudo, focamos nas unidades macroestruturais de composição textual. 2. Fundamentação Teórica A ATD considera que as unidades textuais organizam-se em níveis crescentes de complexidade e que sua configuração permite unir as proposições em macroproposições e em feixes de proposições que formam os períodos, as sequências e as partes que compõem um plano de texto. Adam (2011, p. 204) propõe que sejam considerados os períodos, que são unidades que entram diretamente na composição de partes de um plano de texto, e as sequências, que são unidades textuais complexas, compostas de um número limitado de conjuntos de proposições-enunciados: as macroproposições. O autor postula que haja um continuum de complexidade crescente entre o período e a sequência, sendo uma questão de grau estabelecer a diferença entre eles, uma vez que os períodos são menos tipificados e as sequências são estruturas que têm uma organização interna que lhes é própria, estabelecendo-se uma relação de dependênciaindependência das sequências com o texto como um todo. Adam postula a existência de cinco tipos de sequências de base, as quais correspondem a tipos de relações macrossemânticas memorizadas por impregnação cultural (pela leitura, escuta e produção de textos) e transformadas em esquema de reconhecimento e de estruturação da informação textual (ADAM, 2011, p. 205); são elas as sequências narrativa, descritiva, argumentativa, dialogal e explicativa. 7

3 Apesar da importância das sequências prototípicas na composição textual, para Adam (2011), não é o encadeamento de sequências de um tipo ou de outro que faz com que saibamos quando estamos diante de um texto e não de um amontoado de frases, mas, sim, os planos de texto. De acordo com Adam (2004, p. 377), eles desempenham um papel capital na composição macrotextual do sentido, uma vez que os planos de texto abarcam blocos de texto formados pelas sequências e estabelecem a organização global prescrita por um gênero. Os planos de texto são, dessa forma, o principal fato unificador da estrutura composicional (ADAM, 2011, p. 258). Segundo Adam (2011), existem planos de texto fixos, que correspondem às constantes composicionais de gêneros discursivos como, por exemplo, artigos acadêmicos, verbetes de dicionário, receitas culinárias. Mais recorrentemente, porém, ocorrem os planos de texto ocasionais, deslocados em relação aos gêneros de discurso e, por isso, dependentes em maior grau de decisões do produtor textual no momento da escrita. Adam (2004, p. 378) lembra que o plano é inventado e descoberto durante o evento. De acordo com o autor, A (re)construção de partes ou segmentos que correspondem ou ultrapassam os níveis do período e da sequência é uma atividade cognitiva fundamental que permite a compreensão de um texto e, para isso, mobiliza todas as informações linguísticas de superfície disponíveis [...]. (ADAM, 2011, p. 263). Para o linguista, os planos de texto podem ser mais ou menos marcados, mais ou menos visíveis e legíveis, seja pela segmentação, pelos anúncios de temas e subtemas, pelas mudanças de tópico e reformulações, pela articulação dos organizadores textuais. Planos de textos permitem reunir partes multiperiódicas ou multisequenciais mais complexas, na medida em que possuem uma homogeneidade semântica interna. Focalizando as unidades textuais da RST, conforme Mann e Thompson (1988) e Taboada e Habel (2013), elas são denominadas períodos [sequências, segmentos], os quais podem ser atômicos [uma cláusula ou uma frase], ou compostos de outros períodos ou unidades textuais maiores. A noção da estrutura de um texto inteiro é definida em termos de composições de esquemas. Alguns dos critérios para a identificação das relações retóricas entre as unidades textuais são o julgamento de plausibilidade, o reconhecimento das restrições que o satélite impõe ao núcleo enquanto estratégias ou movimentos recursivos para alcançar determinados objetivos, a necessidade de provocar efeitos pragmáticos; além disso, a situação de comunicação e as intenções presumíveis ou declaradas da instância de produção são levadas em consideração (TABOADA; HABEL, 2013, p. 69). Para a RST, as partes ou unidades textuais se organizam em núcleo e satélite, pressupondo que um texto é formado por dois níveis básicos de informação: o que contém a informação mais importante proporcionada pelo produtor, e o que encerra a informação secundária, ou seja, a informação que auxilia na compreensão, na aceitação da informação principal. As relações postuladas pela RST são: (a) de Apresentação - Antítese, Capacitação, Concessão, Evidência, Fundo, Justificativa, Motivação, Preparação, Reformulação, Resumo; (b) de Conteúdo - Alternativa, Causalidade, Circunstância, Condição, Elaboração, Avaliação, Método, Não-condicional, Propósito, Resultado, Solução, Comentário; (c) Multinucleares - Contraste, Lista, Reformulação, 8

4 Sequência, União. A coerência é entendida como a ausência de sequências ilógicas e lacunas. É comum, tanto à RST quanto à teoria de Adam, a atenção aos efeitos pragmáticos das relações entre as unidades textuais, uma vez que as informações apresentadas nos textos são, de certo modo, planejadas para atingir determinados efeitos sobre o locutor. Na ATD, o texto é uma estrutura hierárquica de atos, conforme postula Adam (2011, p. 196). Ele considera o texto como uma estrutura de atos ilocucionários ligados entre si, mas destaca que atos de discurso pontuais só assumem sentido pela sua inserção em estruturas hierárquicas de níveis de complexidade superiores. RST e ATD parecem ambas se relacionarem com a ideia expressa por Adam (2011, p. 202) de que o sentido de um enunciado reside, fundamentalmente, na continuidade do discurso que ele torna possível, dessa forma, o importante, na análise do texto, é considerar o movimento textual ou estratégia discursiva em que os atos de discurso se realizam. 3. Metodologia Para estudar a relação entre as teorias, analisamos um corpus composto por 30 artigos de divulgação científica, publicados na seção Você sabia... da revista Ciência Hoje das Crianças, no qual, em pesquisa anterior (Características Linguístico-Discursivas de Textos de Divulgação Científica Midiática para Crianças Projeto Universal/ Capes 2010), já foram identificadas as estruturas do plano de texto. Verificou-se, na ocasião, a existência de macroações discursivas marcadas pelas sequências prototípicas. O objetivo foi observar a relação que se estabelecia entre as macroproposições que compõem a estrutura do plano de texto e o macroato de discurso (ato de discurso dominante), que permitiu determinar a coerência semântico-pragmática global do texto. Sob a perspectiva da RST, na pesquisa atual, verificamos, no mesmo corpus, a relação entre a estrutura do plano de texto e as macrounidades retóricas, identificando os tipos de relações (núcleo/satélite) que se estabelecem entre as partes. O propósito dessa análise é compreender a relação entre os critérios de identificação das unidades do plano e das unidades retóricas, acompanhando o movimento textual-discursivo que permite identificar um macroato discursivo dominante. 4. Resultados preliminares Análises preliminares mostram que há coincidência entre os segmentos do plano de texto e as unidades da estrutura retórica que formam os artigos; além disso, observou-se que a atribuição de uma função retórica entre os segmentos possibilita/facilita identificar o papel de cada parte na construção do ato discursivo dominante, especialmente o papel das relações retóricas situadas na parte final dos textos em estudo. Referências ADAM, Jean-Michel. (2011). A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. 2. ed. rev. aum. São Paulo: Cortez.. (1999). Linguistique textuelle: des genres de discours aux textes. Paris, Nathan. 9

5 . (2004). Plano de texto. In: CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto. MANN, W.C.; THOMPSON, S.A. (1988). Rhethorical Structure Theory: toward a functional theory of text organization. Text, 8 (3), p MANN, W.C.; MATTHIESSEN, C.M.I.M.; THOMPSON, S.A. (1992). Rhetorical Structure Theory and Text Analysis. In: MANN, W.C.; THOMPSON, S.A. Discourse description: diverse linguistic analyses of a fund-raising text. Amsterdam: John Benjamins, p TABOADA, Maite. (2013). Relation definitions. Disponível em: <http://www.sfu.ca/rst/08spanish/definitions.html >. Acesso em: 18. mar TABOADA, Maite; MANN, William C. (2006).Rhetorical Structure Theory: looking back and moving ahead. 24 jan Disponível em: <ttp://www.sfu.ca/~mtaboada/docs/taboada_mann_rst_part1.pdf >. Acesso em: 05 set TABOADA, Maite; HABEL, Christopher. (2013). Rhetorical relations in multimodal documents. Discourse Studies 15 (1):

AMIGOS, AMIGOS, NEGÓCIOS À PARTE: UMA ANÁLISE DA ESTRUTURA RETÓRICA. Palavras-chave: Oração; frases nominais; Teoria da Estrutura Retórica do Texto.

AMIGOS, AMIGOS, NEGÓCIOS À PARTE: UMA ANÁLISE DA ESTRUTURA RETÓRICA. Palavras-chave: Oração; frases nominais; Teoria da Estrutura Retórica do Texto. 1 AMIGOS, AMIGOS, NEGÓCIOS À PARTE: UMA ANÁLISE DA ESTRUTURA RETÓRICA MEIRA, Ana Clara Gonçalves Alves (Universidade Federal de Minas Gerais) (anaclarameira@hotmail.com) Resumo: Em estudos tradicionais,

Leia mais

A organização retórica de artigos de divulgação científica midiática e a organização sequencial do texto: fatores ascendentes e descendentes

A organização retórica de artigos de divulgação científica midiática e a organização sequencial do texto: fatores ascendentes e descendentes A organização retórica de artigos de divulgação científica midiática e a organização sequencial do texto: fatores ascendentes e descendentes Maria Eduarda Giering * Resumo O artigo trata dos fatores descendentes

Leia mais

A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA PARA CRIANÇAS E OS FINS DISCURSIVOS

A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA PARA CRIANÇAS E OS FINS DISCURSIVOS A divulgação científica midiática para crianças e os fins discursivos A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA PARA CRIANÇAS E OS FINS DISCURSIVOS Maria Eduarda GIERING 1 RESUMO: O artigo trata dos diferentes

Leia mais

A organização retórica do artigo de divulgação científica midiático: a relação de Elaboração e os contextos científico e midiático

A organização retórica do artigo de divulgação científica midiático: a relação de Elaboração e os contextos científico e midiático A organização retórica do artigo de divulgação científica midiático: a relação de Elaboração e os contextos Maria Helena Albé 1 Maria Eduarda Giering 2 Paula Elise Päetzhold 3 Tatiane Kaspari 4 Valquíria

Leia mais

KEYWORDS: Comment; Evaluation; informative units; make-believe; make-know.

KEYWORDS: Comment; Evaluation; informative units; make-believe; make-know. 1 O DISCURSO MIDIÁTICO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA (DC): UM GÊNERO DO FAZER-SABER Prof. a Ms Juliana Alles de Camargo de SOUZA (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) Prof. a Dr. a Maria Eduarda GIERING (Universidade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: INFLUÊNCIAS EXTERNAS SOBRE ESCOLHAS DO PRODUTOR

A ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: INFLUÊNCIAS EXTERNAS SOBRE ESCOLHAS DO PRODUTOR A ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: INFLUÊNCIAS EXTERNAS SOBRE ESCOLHAS DO PRODUTOR Maria Eduarda Giering (Doutora, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, eduardag@unisinos.br)

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Apresentação/Presentation

Apresentação/Presentation Apresentação/Presentation Desde a publicação da tese de doutorado de Lorenza Mondada, em 1994, intitulada Verbalisation de l espace et fabrication du savoir: Approche linguistique de la construction des

Leia mais

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS*

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* 287 ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* Sulemi Fabiano 1 Resumo: A questão que norteia a pesquisa é: como um aluno em formação, ao se apropriar de uma teoria, utiliza os conectores

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE LILIAN DE PINHO BOTELHO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUCSP). Resumo INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE Lilian de Pinho BOTELHO

Leia mais

O PROCESSO DE ARTICULAÇÃO DE CLÁUSULAS EM INTERFACE COM A TEORIA DA ESTRUTURA RETÓRICA DO TEXTO

O PROCESSO DE ARTICULAÇÃO DE CLÁUSULAS EM INTERFACE COM A TEORIA DA ESTRUTURA RETÓRICA DO TEXTO O PROCESSO DE ARTICULAÇÃO DE CLÁUSULAS EM INTERFACE COM A TEORIA DA ESTRUTURA RETÓRICA DO TEXTO Arlete Ribeiro Nepomuceno 1, Maria Ieda Almeida Muniz 2 e Ana Clara Gonçalves Alves de Meira 3 1. Professora

Leia mais

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL FATIMA APARECIDA DE SOUZA MARUCI (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA - SÃO PAULO). Resumo A presente pesquisa objetiva

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback)

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto 185 Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto alexandrapinto@net.sapo.pt Faculdade de Letras

Leia mais

A organização retórico-argumentativa da seção de justificativa no gênero textual projeto de dissertação

A organização retórico-argumentativa da seção de justificativa no gênero textual projeto de dissertação UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA A organização retórico-argumentativa da seção de justificativa no gênero textual projeto de dissertação Autor:

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional de 12º H Português Planificação Anual - Módulos: 10,11 e 12 Ano Letivo: 2015/2016 Módulos Compreensão Âmbito dos Conteúdos Avaliação Leitura/descrição / Expressão de imagens oral Testes

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO - 160568 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês 10º/11º

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LINGUAGEM E TRABALHO: UM OLHAR PERSPECTIVO SOBRE A SELEÇÃO DE PROFESSORES Fabio Sampaio de Almeida (UERJ) Maria Cristina Giorgi (Cefet-RJ) cristinagiorgi@terra.com.br INTRODUÇÃO Neste trabalho, temos como

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU

GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU Mônica Santos de Souza MELO (UFV) monicamelo@ufv.br O Grupo de Estudos

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Modelo de Planejamento de Projeto orientado pelo Escopo

Modelo de Planejamento de Projeto orientado pelo Escopo www.tecnologiadeprojetos.com.br Modelo de Planejamento de Projeto orientado pelo Escopo Extraído do livro Trabalhando com Projetos - Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais - Moura, D. G e Barbosa,

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO CONTEXTO MIDIÁTICO NA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

A INFLUÊNCIA DO CONTEXTO MIDIÁTICO NA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA A INFLUÊNCIA DO CONTEXTO MIDIÁTICO NA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA Juliana Thiesen FUCHS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) ABSTRACT: This paper approaches the rhetorical organization

Leia mais

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas Sumário Prefácio à 2 a edição, revista e atualizada Apresentação XVII XXI Parte I As exigências básicas das provas discursivas Introdução 2 I. Itens mais gerais estipulados pelas bancas 2 II. Dois editais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA Introdução Com o objetivo de que as universidades se tornem instituições-guia para a construção de cenários sociais

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E(OU) GÊNEROS DISCURSIVOS: UMA QUESTÃO DE NOMENCLATURA?

GÊNEROS TEXTUAIS E(OU) GÊNEROS DISCURSIVOS: UMA QUESTÃO DE NOMENCLATURA? INTERACÇÕES NO. 19, PP. 142-155 (2011) GÊNEROS TEXTUAIS E(OU) GÊNEROS DISCURSIVOS: UMA QUESTÃO DE NOMENCLATURA? Resumo Eliana Dias ILEEL/UFU elianadias@uber.com.br Elisete Maria de Carvalho Mesquita ILEEL/UFU

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT HELENA DE CARVALHO SICSÚ 1 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura de um artigo

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDÁTICOS PARA JOVENS: MARCAS LINGUÍSTICAS DA RELAÇÃO DE SOLUÇÃO

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDÁTICOS PARA JOVENS: MARCAS LINGUÍSTICAS DA RELAÇÃO DE SOLUÇÃO TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDÁTICOS PARA JOVENS: MARCAS LINGUÍSTICAS DA RELAÇÃO DE SOLUÇÃO Janaína Pimenta Lemos Becker (Mestre / UNISINOS / janainab@unisinos.br) e Maria Eduarda Giering (Doutora

Leia mais

JULIANO DESIDERATO ANTONIO ESTRUTURA RETÓRICA E ARTICULAÇÃO DE ORAÇÕES EM NARRATIVAS ORAIS E EM NARRATIVAS ESCRITAS DO PORTUGUÊS

JULIANO DESIDERATO ANTONIO ESTRUTURA RETÓRICA E ARTICULAÇÃO DE ORAÇÕES EM NARRATIVAS ORAIS E EM NARRATIVAS ESCRITAS DO PORTUGUÊS JULIANO DESIDERATO ANTONIO ESTRUTURA RETÓRICA E ARTICULAÇÃO DE ORAÇÕES EM NARRATIVAS ORAIS E EM NARRATIVAS ESCRITAS DO PORTUGUÊS Araraquara 2004 JULIANO DESIDERATO ANTONIO ESTRUTURA RETÓRICA E ARTICULAÇÃO

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

O PROJETO PASSO A PASSO

O PROJETO PASSO A PASSO O PROJETO PASSO A PASSO 4ª ETAPA: Elaboração do Texto Ao concluir a Etapa 3, você já reúne todas as informações necessárias para elaborar seu projeto de pesquisa. O texto do projeto terá a mesma estrutura

Leia mais

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE NOTÍCIAS DE POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIA NO JORNAL ZERO HORA

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE NOTÍCIAS DE POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIA NO JORNAL ZERO HORA ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DE NOTÍCIAS DE POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIA NO JORNAL ZERO HORA ANALYSIS OF THE RHETORICAL ORGANIZATION OF SCIENCE POPULARIZATION NEWS IN THE NEWSPAPER ZERO HORA Tânia Maria

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Introdução Gabriela Fontana Abs da Cruz 1 Teoria e prática de ensino parecem estar muito distantes uma da outra, principalmente

Leia mais

FABIANO DIDIO MEDEIROS MAFALDA: UMA ANÁLISE TEXTUAL

FABIANO DIDIO MEDEIROS MAFALDA: UMA ANÁLISE TEXTUAL FABIANO DIDIO MEDEIROS MAFALDA: UMA ANÁLISE TEXTUAL PORTO ALEGRE 2007 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ÁREA: ESTUDOS DA LINGUAGEM ESPECIALIDADE:

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para a pesquisa

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL II

GÊNEROS TEXTUAIS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL II GÊNEROS TEXTUAIS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL II ANGELO, Débora M.P - Universidade Anhembi Morumbi AGUIAR, Eliane - FEUSP Escrever é necessário para aprender a escrever, mas não é suficiente.

Leia mais

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 Dylia LYSARDO-DIAS 2 Resumo: Considerando que toda comunicação verbal comporta a interação entre discursos sobre o mundo, este trabalho tem por objetivo

Leia mais

O Que é Um Seminário. O que é um seminário

O Que é Um Seminário. O que é um seminário O Que é Um Seminário O que é um seminário O processo de transmissão/aquisição da cultura, apesar de todo o avanço tecnológico observado na área científica, ainda é fundamentalmente realizado através da

Leia mais

CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS.

CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS. CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS. SILVA, Odair Vieira da. Docente dos cursos de Pedagogia e Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA A À FREQUÊNCIA INGLÊS Cont. Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

A POLIDEZ LINGUÍSTICA NOS TEXTOS DOS CONTRATOS DE PLANOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE MANIPULAÇÃO DO ENUNCIATÁRIO

A POLIDEZ LINGUÍSTICA NOS TEXTOS DOS CONTRATOS DE PLANOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE MANIPULAÇÃO DO ENUNCIATÁRIO A POLIDEZ LINGUÍSTICA NOS TEXTOS DOS CONTRATOS DE PLANOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE MANIPULAÇÃO DO ENUNCIATÁRIO Hilma Ribeiro de Mendonça Ferreira (Doutoranda, UERJ) hilmaribeirorj@yahoo.com.br RESUMO:

Leia mais

Ao pé da letra,7:73-80, 2005 DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL. Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE

Ao pé da letra,7:73-80, 2005 DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL. Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE Desenho anatômico: uma análise multimodal DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE Resumo: Este trabalho tem por finalidade analisar

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança

Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança Revista de Linguística e Teoria Literária ISSN 2176-6800 Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança Markers in monitoring in the enunciation of child language Marlete Sandra Diedrich

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL Ederson Henrique de Souza Machado 1 Introdução Os fenômenos textuais ingressam essencialmente no âmbito epistemológico

Leia mais

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Maria Angela da Silva INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Letras

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB

MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB (The Interlocutor Presence In Letters Produced By Students At Pss 2008 At Ufpb) Erivaldo Pereira Do Nascimento UFPB

Leia mais

RESUMO. -Não resumir antes de ler, compreender, sublinhar e fazer breves anotações à margem do texto;

RESUMO. -Não resumir antes de ler, compreender, sublinhar e fazer breves anotações à margem do texto; RESUMO Léa Monteiro Rocha Luciana Cristina Andrade Costa Franco Zuleida Cardoso Leite Conceito: Apresentação ordenada das principais ideias (centrais, secundárias e pormenores importantes) contidas no

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE LEITURA EM UM LIVRO DIDÁTICO DA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE LEITURA EM UM LIVRO DIDÁTICO DA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE LEITURA EM UM LIVRO DIDÁTICO DA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ANA PAULA CAMPOS CAVALCANTI SOARES Faculdade de Letras /Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos,

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

O discurso relatado em textos de divulgação científica midiática constituídos pela relação de Solução

O discurso relatado em textos de divulgação científica midiática constituídos pela relação de Solução 27 Revista Signos 2010 / 43 Número Especial Monográfico Nº 1 27-44 O discurso relatado em textos de divulgação científica midiática constituídos pela relação de Solução Janaína Becker Maria Eduarda Giering

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa.

NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa. NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa.br 112 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A formação do professor de língua

Leia mais

6. Discussão sobre as análises

6. Discussão sobre as análises 6. Discussão sobre as análises Meu objetivo neste capítulo é rever as questões de pesquisa propostas no trabalho e procurar respondê-las com base nas análises dos textos dos aprendizes, associadas aos

Leia mais

ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO. Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes **

ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO. Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes ** ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes ** Resumo O presente trabalho discute os estudos realizados para utilização de analogias

Leia mais

A Linguagem dos E mails: um caso de inferências Pragmáticas

A Linguagem dos E mails: um caso de inferências Pragmáticas A Linguagem dos E mails: um caso de inferências Pragmáticas Luiz Carlos Carvalho de CASTRO. 1 (SEDUC PE) Resumo: Este artigo caracteriza a linguagem dos E mails num percurso que vai da estrutura composicional

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês (Prova escrita e oral) 1.ª e 2.ª Fases 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) As informações

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

A constituição do ethos em fôlderes bancários

A constituição do ethos em fôlderes bancários A constituição do ethos em fôlderes bancários Acir Mário Karwoski UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro Uberaba MG Av. Frei Paulino, 30 CEA/UFTM CEP 38.025-180 Bairro Abadia Uberaba - MG Endereço

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais