GRUPO DALLAS PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL. (em Recupersçao judicial)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO DALLAS PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL. (em Recupersçao judicial)"

Transcrição

1 GRUPO DALLAS (em Recupersçao judicial) PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL Plano de Recuperação Judicial elaborado em atendimento ao artigo 53 da Lei /2005, para apresentação nos autos do processo n , em trâmite na Vara Cível de Barueri/SP. 9 de março de 2012

2 DEFINIÇÕES: Para melhor compreensão e análise deste Plano de Recuperação Judicial, os seguintes termos, quando utilizados neste documento, devem ser entendidos consoante as seguintes definições: ABG: Avis Budget Group Inc, companhia norte-americana locadora de veículos sediada em Parsippany, New Jersey detentora das marcas Avis e Budget. ABLA: Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis. Alavancagem: é a relação entre o capital de terceiros e o capital próprio de uma entidade empresarial. CDI: Certificado de Depósito Interbancário, é a taxa média de juros para empréstimos entre instituições financeiras, utilizada como indicador de rentabilidade para uma grande parcela dos fundos de investimento do mercado brasileiro. Dívida Líquida: é o montante total dos empréstimos e financiamentos menos o caixa disponível em uma data base. EBIT: "Earnings Before Interest and Taxes" em português: resultado antes de juros e impostos. É uma medida de resultado operacional de uma empresa. EBITDA: "Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization", em português: resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Trata-se da parcela do resultado operacional que resulta em aumento do caixa, e que será a fonte primária de recursos para investimentos e retorno do capital de credores e quotistas. Localiza: Grupo Localiza S.A., grupo de empresas líder no segmento de locação de veículos presente no Brasil e em países da América Latina. Master franquia: acordo pelo qual o titular de uma marca conce - direitos exclusivos da franquia para um determinado território a uma pessoa físi Plano de Recuperação Judicial; "Plano": o presente d fie l u jurídica. 2

3 Recuperanda: empresa ou grupo de empresas que requereram Recuperação Judicial. SELIC: Taxa de juros fixada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central do Brasil, que remunera investidores em títulos públicos. Tabela FIPE: é uma tabela produzida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas ("FIPE") que expressa preços médios de veículos automotores no mercado brasileiro e serve de parâmetro para negociações ou avaliações. TR: Taxa Referencial de Juros, é uma taxa básica referencial dos juros utilizada no cálculo do rendimento de vários investimentos, tais como títulos públicos e caderneta de poupança. Unidas: Unidas S.A. companhia especializada em J ões de gestão e locação de veículos e em terceirização de frotas no mercado 3

4 Sumário Executivo 5 Cláusula 1 - Apresentação do Grupo Dallas 7 Cláusula O Grupo 7 Cláusula Operações do Grupo 8 Cláusula 2 - Crise Financeira 11 Cláusula 3 - Análise e perspectivas para o setor de locação de veículos brasileiro 21 Cláusula O setor 21 Cláusula Perspectivas 22 Cláusula 4 - Informações financeiras do Grupo Dallas 23 Cláusula Evolução histórica da Receita 23 Cláusula Evolução histórica dos Custos e Despesas Gerais e Administrativas 24 Cláusula Evolução histórica do EBITDA 24 Cláusula Evolução do passivo 25 Cláusula Alavancagem 25 Cláusula 5 - Avaliação Patrimonial do Grupo Dallas 26 Cláusula 6 - Quadro geral de credores 27 Cláusula Créditos não sujeitos a Recuperação Judicial 27 Cláusula 6.2 Classe 1: Créditos Trabalhistas 27 Cláusula 6.3 Classe II: Créditos com Garantia Real 27 Cláusula 6.4 Classe III: Créditos Quirografários 28 Cláusula 7 - Meios de recuperação 29 Cláusula Ações em curso 29 Cláusula 8 - Demonstração da viabilidade econômica do Grupo Dallas 29 Cláusula Projeção da Evolução da Frota 30 Cláusula Projeção Da Receita 31 Cláusula Projeção dos Custos e Despesas Gerais 31 Cláusula Projeção da Geração de Caixa 32 Cláusula 9 - Proposta De Pagamento aos Credores 33 Cláusula Classe 1: Trabalhista 33 Cláusula Classe II: Credores com Garantia Real 33 Cláusula Classe III: Credores Quirografários 34 Cláusula 10 - Outras Considerações 35 Cláusula 11 - Considerações finais 36 Anexo 1 Projeções e análises 37 Anexo II Laudo de avaliação do ativo imobilizado 44 Anexo III Carta de Confirmação da Contratação de Se iço- sessoria em Reestruturação Financeira 47 4

5 Sumário Executivo: DALLAS RENT A CAR LTDA., sociedade empresária limitada, com sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Avenida Prefeito João Vila Lobo Quero, n. 1505, Lote 15-B, Jardim Itaquiti, CEP , inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda sob o n / ; DALLAS AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA., sociedade empresária limitada, com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Clélia, n 1.500, Lapa, CEP , inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda sob o n / ; BRC AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL LTDA., pessoa jurídica de direito privado com sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Avenida Prefeito João Vila Lobo Quero, n 1505, Lote 15B, térreo, Jardim Itaquiti, Barueri-SP, CEP , inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda sob o n / ; DRC AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL LTDA., pessoa jurídica de direito privado com sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Avenida Prefeito João Vila Lobo Quero, n 1505, Lote 15B, fundos, Jardim Itaquiti, Barueri-SP, CEP , inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda sob o n / ; doravante em litisconsórcio ativo e conjuntamente denominadas GRUPO DALLAS, representada por seus sócios AFONSO CELSO DE BARROS SANTOS, brasileiro, empresário, portador da Cédula de Identidade tipo RG n expedida pela SSP/SP, inscrito no Cadastro de Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda sob o n , casado sob o regime de Comunhão Parcial de Bens na vigência da Lei 6.515/1977 com ELAINE JANEIRO DE BARROS SANTOS, brasileira, designer de interiores, portadora da Cédula de Identidade tipo RG n expedida pela SSP/SP, inscrita no Cadastro de Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda sob o n , ambos residentes e domiciliados na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Alameda Munique, n. 347, Residencial Zero, Alphaville, CEP Este documento foi elaborado pela Recuperan artigos 53 e 54 da Lei n /2005, tendo po tendimento ao exposto nos a apresentação aos Credores 5

6 de seu Plano, demonstrando que, reestruturado, o Grupo Dallas voltará a ser viável e competitivo. O escopo do Plano inclui: 1. apresentação do Grupo Dallas; 2. informações financeiras; 3. demonstração da viabilidade econômico-financeira do Grupo Dallas. 4. proposta de pagamento do Plano de Recuperaç:. Judicial"; e 5. avaliação de bens e ativos do devedor, ada no Anexo III. 6

7 Cláusula 1 - Apresentação do Grupo Dallas Cláusula O Grupo O Grupo Dallas foi fundado em 1995 com o objeto social de prestação de serviços de aluguel de veículos para o público em geral e empresas. O Grupo Dallas é controlado e administrado pelo Sr. Afonso Celso de Barros Santos e é composto pelas seguintes empresas: 99,9% Car Trip Viagem e Turismo Ltda 0,1% 99,9% 0,1% DalliaRent a 90" eir ( va) 1 10,0% BRC Empresas sujeitas a Recuperação Judicial NU% 2,0% DALLAS RENT A CAR LTDA., tem por objeto social a locação de veículos automotores, venda de franquia empresarial e participação em outras sociedades. É detentora da master franquia da marca Avis no Brasil. DALLAS AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA., tem por objeto social principal o comércio varejista, importação e inter ediação de veículos automotores usados e acessórios, podendo ta. : exercer a atividade de compra e revenda de formulários padronizado -, pressos, mostruários,

8 cartões de apresentação visual de informações sobre a atividade de locação, anúncios impressos produzidos para serem colocados em balcão, vitrine ou assemelhados, uniformes, ou outros materiais impressos e softwares de programas de computador, tudo relacionado com o desenvolvimento da atividade de locação de veículos sob forma de franquia. BRC AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL LTDA., tem por objeto social a locação de veículos automotores e venda de franquia empresarial. É detentora da master franquia da marca Budget no Brasil. DRC AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL LTDA., tem por objeto social a locação de veículos automotores em geral com ou sem o serviço adicional de motoristas. Empresa responsável pela locação e administração de frota para o cliente Vale S.A.. CAR TRIP VIAGENS E TURISMO LTDA., tem como objetivo fomentar a locação de veículos por brasileiros e/ou turistas que saem do Brasil, para as bandeiras Avis e Budget fora do país. DALLAS HOLDING S.A., sociedade de participação sem atividade comercial. Cláusula Operações do Grupo Atualmente as operações de locação do Grupo Dallas são desenvolvidas por meio de lojas próprias e de um sistema de franquias. Adicionalmente, o Grupo Dallas desenvolve a atividade de revenda de seminovos devido à necessidade de desmobilização e renovação da frota de locação. A atividade de locação de veículos é dividida em locação ao consumidor final ("diário") e locação de frotas a grandes empresas ("terceirizado"). A atividade do diário trata da locação de veículos em atendimento às solicitações dos consumidores finais, geralmente em balcão nos aeroportos ou nas lojas Avi e Budget. Já a terceirização atende às necessidades de empresas por uma fr veículos. As receitas do Grupo Dallas na atividade "diário tidas de: 8

9 Diárias na locação de veículos automotores Royalties provenientes da rede de franqueados. Como detentor da Master Franquia das marcas Avis e Budget no Brasil, o Grupo Dallas é remunerado pelos franqueados que utilizam essas marcas em suas lojas. Receitas com reservas. O Grupo Dallas opera uma central que agenda as reservas de locação de veículos para todo o território nacional. O Grupo é remunerado pelos franqueados pela utilização desta Central. Além disso, existem receitas provenientes de reservas feitas para locação do exterior e no exterior. Estrutura para a atividade diário: 15 lojas próprias (13 em aeroportos e 2 lojas de rua); 42 lojas franqueadas; carros; 143 funcionários; Atuação em todas as regiões do país (20 estados e Distrito Federal). Já para a atividade de terceirizados, a receita é obtida por: Locação de frotas de veículos para pessoas jurídicas, regidas por contratos de longo prazo. Receita com prestação de serviços de motoristas, quando solicitados pelos locatários. E a estrutura é constituída por: 52 clientes

10 196 funcionários Atuação em todo o território nacional O grupo possui uma central de atendimento unificada, para as bandeiras Avis e Budget, robusta e capaz atender as demandas das inúmeras agên ias e operadores de turismo. O grupo Dallas vende locações no Brasil e no or, através da ABG, estabelecendo uma vantagem competitiva à Dallas frente rentes brasileiros. 1 0

11 Cláusula 2 - Crise Financeira Desde sua fundação em 1995, o Grupo Dallas optou por uma estratégia de crescimento alavancado por capital de terceiros, em escala maior do que seus principais concorrentes. Relação Dívida Líquida / Imobilizado 138% 129% 116% 109% Unidas Localiza Grupo Danas Fonte: Grupo Delias e sites das empresas Esta estratégia permitiu ao Grupo crescer a taxas superior s seus concorrentes diretos. O Grupo cresceu de 21 carros em 1995 para 4.40 m

12 Receita Bruta (R$ mil) Taxa Anual de Crescimento (até 2008) Receita = 52% Frota Média = 22 % ( S ('resciniento l;,iluranlcnlu 5o% 56% 0/ 1-1 /O Fonte: Grupo Dallas Crescimento do Faturamento no Setor (base ) Gryipo Dallas ~Unidas ~À" Localiza Setor Fonte: Grupo Danas e sites da 12

13 Em plena expansão das atividades durante o biênio , a crise financeira internacional interrompeu bruscamente o ciclo de crescimento do Grupo Dallas. A crise financeira global afetou o grupo Dallas devido (i) à estagnação do crédito bancário e (ii) à depreciação do valor de mercado da frota, com a decisão do Governo Federal de reduzir as alíquotas de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre veículos novos. Evolução do Preço de Mercado de Veículos jan/07 abri07 jult07 out107 jeftiott aba08 juv08 outã08 jant09 atir/09 juvos A redução do IPI resultou no aumento da venda de veículos novos e redução do valor de mercado dos veículos seminovos (cerca de 16% em média segundo a Molicar). Sendo assim, o principal ativo da empresa sofreu uma desvalorização, abalando o fluxo de caixa operacional e a capacidade da empresa em garantir e liquidar suas dívidas. O cenário de crise econômica mundial criou sérios problemas para ren contratação de novas linhas de crédito do Grupo Dallas, devido (i) à r \x. 13

14 temporária da liquidez do mercado financeiro nacional e (ii) à perda do valor de mercado das garantias dos contratos da Dallas com o sistema financeiro. O gráfico abaixo mostra dois momentos distintos da empresa: o primeiro, antes da crise, foi caracterizado pela tendência de convergência para 100% da relação entre o valor da frota e a dívida liquida da empresa, no período de 2005 a O segundo momento, a partir de 2009, apresentou níveis de deterioração insustentáveis. Evolução do Imobilizado, Dívida Líquida e Valor da frota % % 78% 86% 84% 76% 64% O Fonte: Grupo Deltas em Imobilizado Dívida Líquida (R$ milhões) Evolução Valor da Frota / Dívida Líquida Estes dois momentos vividos pela empresa também podem ser caracterizados pelo desempenho no crescimento das receitas do Grupo Dallas frente a seus concorrentes e ao mercado em geral. O primeiro momento, antes da crise, foi caracterizado pelo crescimento super' à concorrência. O segundo momento, a partir de 2009, apresentou deg= imo de suas receitas frente ao crescimento de seus concorrentes e do mercado 14

15 Crescimento do Faturamento no Setor (base ) Grupo Dallas Unidas Localiza Setor Fonte: Grupo Dallas e sites das empresas Como conseqüência destes fatos o desempenho econômico financeiro do Grupo Dallas se deteriorou em conseqüência de: (i) Aumento na idade média da frota: A escassez de crédito resultou em dificuldades p=ra a renovação da frota, acarretando no seu envelhecimento. Uma f ais velha representa manutenções mais freqüentes e mais disp 15

16 Médias de Quilometragem da Frota (em Km) 70,0% - 60,0% - 50,0% - 40,0% - 30,0% - mo% - mo% - Fonte: Gruoo Dallas 0,0% 1 I 1,A0(2) AOC:5 n\0 ) AOC) \''19 \'%/9 4,9 AN..A'S AN'%." \ \»%>,b.4à) tr (b.clà2 04%. 15er qg lyer -Até De Acima de Quilometragem Média da Frota (em Km) 6o.00o o 45.00o 40.00o 35.00o Fonte: Grano Danas C7N C O\ o o o o o- ri 1-1 r O O N s CD cd O mcl N O O) 42 czt t5.0 ce O nzi 16

17 (ii) Queda das receitas: o envelhecimento da frota provocou queda nas taxas de utilização dos veículos para locação diária e redução do preço dos aluguéis dos contratos para empresas, provocando queda da receitas de aluguel. Taxa de utilização da frota no aluguel diário 70,7% 69,0% 68,8% 70,0% 694% mo% Grupo Dallas Localiza Evolução da Frota (número de veículos)/ Receita de Locação (R$ mil) Início cl(> cm -clheciniento da frota ~Frota Média.74'~ Wdê "( 1"0 Fonte: Grupo Dallas (iii) Aumento no custo de renovação da frot : A combinação entre a desvalorização dos carros usados e o e ecimento da frota aumentou o valor requerido para a renovação da de R$ 3.530,00 para R$ 17

18 14.565,00 médios por carro. Como já mencionado, a empresa não encontrou linhas de crédito que cobrissem tal diferença. Preços de Compra e Venda Médios (R$ mil) 31,98 33,66 34, ~Preço médio de compra ~Preço médio de venda Fonte: Grupo Delias Custo Unitário de Renovação da Frota (R$) "Congelamento" da operação de revenda, triplicando o custo de renovação 10,817 12,366 14,565 3,5 3,930,960 2,83o 2,85o 2,83o 2,83o Fontes: Ipe a Data, Credit Suisse, a LOCALIZA trai do Brasil

19 (iv) Diminuição das margens operacionais: Os fatos descritos acima provocaram uma redução gradual da geração de caixa da empresa; Comportamento do EBITDA (R$ mil) Fonte: Grupo Deltas asai EBITDA ~ Mg EBITDA (v) aumento da despesa de juros: a diminuição da geração de caixa da operação e o aumento das taxas de juros diminuíram a capacidade do Grupo Dallas em pagar em dia suas obrigações bancárias, Custo da Dívida (% por ano) Custo total CDI Spread da dívida 19

20 Cobertura da Dívida Localiza 4 Unidas 4 Grupo Danas *EBIT e custos financeiros projetados Fonte: Grupo Dallas e sites das empresas O índice de cobertura da dívida mede a relação entre o EBIT e o custo da dívida (juros). Essa relação é uma boa indicação de solvência da empresa. Quanto menor o índice, maior a probabilidade de insolvência. É possível notar, comparando com seus principais concorrentes, que o Grupo Dall tinha, até 2008, níveis confortáveis de cobertura de dívida. E que a deteriora da situação afetou o grupo Dallas de forma muito mais intensa do que seus con 20

21 Cláusula 3 - Análise e perspectivas para o setor de locação de veículos brasileiro Cláusula O setor O setor de locação de veículos aproveitou o bom desempenho da economia brasileira na última década, crescendo a uma média de 12 % ao ano desde 2005, atingindo um faturamento total de R$ 5,11 bilhões no fim de Fonte: Grupo Delias Receita Bruta (R$ milhões) -~"" Frota O setor também apresentou um cenário de recuperação dos preços médios da indústria, de R$ 70 em 2008 para, R$ 85, em 2010, segundo dados apurados e compilados pela ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis). Em 2010 a quantidade total de veículos atingiu seu maior nível com e uma idade média de 15 meses. O segment ava pessoas em 2010, para o atendimento a 17,7 milhões d 21

22 Cláusula Perspectivas As perspectivas para o cenário macroeconômico brasileiro combinam expansão do PIB, queda das taxas de juros, controle da inflação, aumento de salários e do crédito. Estes fatores geram expansão de atividade e aumento de renda, favorecendo o mercado das empresas de locação. A tendência do setor é que o preço médio das locações seja superior a 2010 e fique em torno de R$ 86, ou aumento de 1,2%. Desta forma a indústria caminhará para recuperar as margens que estavam muito achatadas nos períodos anteriores, principalmente durante 2009, período dos efeitos da crise internacional. Os grandes eventos que o país se prepara para receber - Copa FIFA 2014 e Olimpíadas têm o potencial de atrair enorme fluxo de turistas. Dados do Ministério do Turismo mostram que se espera um fluxo cerca de 30% superior até E o setor de locação de veículos é uns dos principais beneficiados com esse incremento de demanda. Com o objetivo de atender melhor os usuários, as empresas de locação de veículos estão capacitando o seu corpo de funcionários, oferecendo cursos de capacitação em língua estrangeira bem como informática. As diversas empresas do setor têm se organizado através de associações e fundações, gerando e compartilhando o conhecimento, capacitando empresários e funcionários, melhorando a gestão, a qualidade e o desempenho das emp -sas através de seminários, palestras, fóruns, workshops e cursos presenciais tância. Seguindo o caminho para a consolidação e amadurecimento do setor c do. 22

23 Cláusula 4 - Informações financeiras do Grupo Dallas Cláusula Evolução histórica da Receita Receita Total Receita bruta Receita com locação de veículos Receita com vendas de veículos Receita com royalties Receita com reservas Propaganda cooperada Outras receitas O Grupo Dallas possui diversas atividades geradoras de recursos. A principal é a locação de veículos diária e terceirizada, seguida da venda de veículos seminovos provenientes da atividade de locação. As demais fontes de receita são os royalties pagos pelos franqueados; as reservas realizadas para os franqueados no Brasil; e as reservas realizadas para outros países. Por fim, o Grupo Dallas contabiliza como receita a parcela paga pelos franqueados em relação aos gastos com propaganda e publicidade que são realizados pelo Master Franqueador. Com a escassez de crédito, não houve disponibilidade de capital de giro para suportar o prazo entre a quitação dos veículos junto os financiadores originais, e o recebimento do valor de venda dos mesma, rejudicando o fluxo de venda dos seminovos e consequentemente a renovaç 23

24 Cláusula Evolução histórica dos Custos e Despesas Gerais e Administrativas Despesas Administrativas ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (-) Pessoal (22.814) (42.453) (35.870) (35.762) (30.060) (-) Com veículos (19.712) (38.704) (44.949) (32.919) (32.101) (-) Royalties e comissões (2.078) (2.990) (2.444) (3.926) (3.561) (-) Depredação e amortização (35.467) (20.346) (21.069) (16.800) (31_312) (-) Aluguel de imóvel (5.863) (7.657) (8.624) (8.567) (8.200) (-) Serviços prestados por terceiros (6.988) (8.241) (6.400) (5.378) (1.075) (-) Demais Despesas Administrativas (7.244) (11.505) (11_090) (9_092) (18.941) No pós crise, a empresa não conseguiu reduzir seus custos e despesas na mesma velocidade de redução de suas receitas, principalmente pelo fato de estar impossibilitada de revender sua frota de idade mais avançada, incorrendo em custos de manutenção, estocagem dos carros improdutivos em pátios, aceleração da depreciação, entre outros. Reduzindo assim, drasticamente, suas margens. Como indicado abaixo. Cláusula Evolução histórica do EBITDA Nem EBITDA TOTAL -Mg EBITDA (R$ mil) (% Receita Líquida) % 50% 40% 30% 20% 10% % Em plena fase de expansão, o Grupo Dallas sofreu um forte rev, crise financeira que acabou por estrangular o fluxo de capitais a capacidade de pagamento das dívidas assumidas para o cresci o advento da esa agravando 24

25 Cláusula Evolução do passivo Dívida Líquida (R$ MM) Passivo Total (R$ MM) A dívida, que vinha acompanhando o crescimento da frota e das receitas até 2008, começou a descolar desde então, pelos fatores já mencionados anteriormente, levando a níveis insustentáveis de alavancagem (como mostrado abaixo), culminando no pedido de recuperação judicial. Cláusula Alavancagem Dívida Líquida/EBITDA Cobertura da Dívida (EBIT/JUROS) 7,21x 3,58x 2,62x 1,42x,98x,02x Como demonstrado pelas 2 métricas de solvência acima, a relação Dívida/EBITDA passou de 1,4x em 2006, para mais de 7x em 2011, muito acima do aceitável para essa atividade, que ficaria entre 3 e 4 vezes. A o 4tra métrica que mostra a insustentabilidade de tal dívida é a relação entre serviço da dívida, onde valores menores que 1 demonstram o maior probabi ida e insolvência. 25

26 Cláusula 5 - Avaliação Patrimonial do Grupo Dallas Em atendimento ao disposto no inciso III do artigo 53 da Lei no , foi realizada a av 'ação de bens e ativos do devedor, apresentada no Anexo II. Esta avaliação foi alizada por Domingos Ferronato, CRC /0-6 SP, em 1 de dezembro de 26

27 Cláusula 6 - Quadro geral de credores O passivo total do Grupo Dallas, na data do requerimento de sua recuperação judicial somava R$ 397,6 milhões, assim distribuídos e a seguir detalhados: Créditos não sujeitos a Recuperação Judicial: R$ 126,8 milhões Créditos Trabalhistas: R$ 580,1 mil Créditos com Garantia Real: R$ 102,9 milhões Créditos Quirografários: R$ 167,3 milhões Cláusula Créditos não sujeitos a Recuperação Judicial De acordo com o artigo 49 da Lei /2005 que dispõe sobre a natureza dos créditos sujeitos à recuperação judicial, R$ 126,8 milhões do passivo da Dallas não estão sujeitos à Recuperação Judicial. Este montante é formado por contratos de alienação fiduciária e arrendamento (leasing) firmados com diversas instituições financeiras para o financiamento da frota. Cláusula 6.2 Classe I: Créditos Trabalhistas O Grupo Dallas apresenta 90 titulares de créditos trabalhistas sujeitos à Recuperação Judicial, que em conjunto totalizam R$ 580,1 mil. Cláusula 6.3 Classe II: Créditos com Garantia Real O Grupo Dallas possui os seguintes contratos de crédito com garantia real: GRUPO DALLAS - CREDORES COM GARANTIA REAL Instituição Financeira Saldo Devedor Banco industrial e Comercial S.A ,86 BPN Brasil Banco Múltiplo S.A ,05 Banco Bradesco S.A ,43 Banco Votorantim S.A ,84 Banco BVA S.A ,86 Banco Daycoval S.A ,33 Banco Safra S.A ,21 Total Geral ,58 27

28 Cláusula 6.4 Classe III: Créditos Quirografários O Grupo Dallas apresenta R$ 167,3 milhões em passivos quirografários, dos quais R$ R$ 160,2 milhões de titularidade de instituições financeiras e os restantes R$ 7,1 milhões são fornecedores e empresas não-financeiras: GRUPO DALLAS - CREDORES QUIROGRAFÁRIOS Instituição Financeira Saldo Devedor Banco ABC Brasil ,26 Banco Votorantim S.A ,47 Banco BVA S.A ,28 Banco Itaú BBA S.A ,28 Banco Panamericano S.A ,11 Banco Pine S.A ,28 Banco Safra S.A ,26 Banco Santander Brasil S.A ,64 Banco Sofisa S.A ,67 Outros Fornecedores não financeiros ,88 Total Geral ,13 Cláusula 6.5 Débitos Fiscais As demonstrações financeiras do Grupo r alias, indicam passivos de natureza fiscal de R$ 1,8 milhão, compostos por p- tos (REFIS) de Imposto de Renda e de Contribuição Social sobre o Lucro 28

29 Cláusula 7 - Meios de recuperação Cláusula Ações em curso Face às dificuldades financeiras enfrentadas pelo Grupo, algumas medidas vêm sendo tomadas para restabelecer o equilíbrio econômico financeiro. Citamos a seguir as medidas mais importantes que já foram implementadas: Rescisão dos contratos de trabalho de 167funcionários, nas áreas administrativas e operacionais, reduzindo seu quadro funcional de 651 colaboradores em dezembro de 2011 para 484 em fevereiro de 2012, o que gerou uma redução de custos mensais da ordem de R$ Reposicionamento das operações: Adoção de um novo mix de suas operações, concentrado a maior parte de sua frota no segmento de locação diário. Renovação da frota: Em face do reposicionamento das operações, o Grupo Dallas está promovendo a renovação da frota, com a consequente redução de custos operacionais. Cláusula 8 - Demonstração da viabilidade econômica do Grupo Dallas O plano de recuperação do Grupo Dallas tem como objetivo: (i) estabelecer prazos e condições de pagamentos da totalidade dos passivos sujeitos à Recuperação Judicial; (ii) preservar os bens intangíveis da empresa, tal como a marca, know-how e a rede de lojas; e (iii) a transparência do procedimento, mediante acompanhamento direto dos interessados. Em relação à viabilidade econômica do Grupo Dallas, cabe destacar os seguintes fatores: Localização estratégica: - O Grupo possui lojas estrategicamente concentração de público, facilitando a ofe adas em regiões com alta s produtos; 29

30 - As redes Avis e Budget, no Brasil, possuem 87 lojas espalhadas em 21 estados incluindo 35 lojas nos maiores aeroportos e 52 lojas nas principais cidades do país. Distribuição e Diversificação da carteira de clientes: - O Grupo Dallas possui relacionamento de longo prazo com a segunda maior empresa americana de aluguel, ABG, possibilitando a captação de locações para o público oriundo da América do Norte, Europa e Ásia. - O Grupo Dallas tem uma carteira de mais de 50 clientes em Terceirização de Frota, com veículos em operação. Cláusula Projeção da Evolução da Frota Frota Diário (milhares de veículos) A partir do crescimento esperado para o setor e dos eventos catalisadores como Copa do Mundo e Olimpíadas estimamos que a frota tenha taxas de crescimento médio de 9,6% ao ano até Este parâmetro representa aproximadamente 2 vezes o crescimento previsto para o PIB, em linha com o histórico do setor. Á partir de 2017, o crescimento da frota foi projetado em 5% ao ano. Com isso, a fro de carros em 2012, passando a em 2016 e atingindo

31 Cláusula Projeção Da Receita Receita com locação de veículos (R$milhões) As previsões de receita de locação não contemplam ganho real na precificação dos serviços, mas projetam um ganho gradual de eficiência de utilização, passando de 55% em 2012, para 60% em 2013 e 65% a partir de Portanto, o crescimento da receita é composto pela combinação de crescimento da frota, repasse da inflação e ganho de produtividade. Assim, estimamos crescimento médio das receitas de locação de 15% ao ano entre 2012 e 2016, e de 10% ao ano a partir de então. Cláusula Projeção dos Custos e Despesas Gerais Na projeção dos custos e despesas gerais e administrativas, foram incluídos os custos com o serviço da dívida referente à aquisição da frota, tratado aqui como "leasing operacional", a fim de explicitar a disponibilidade de recursos capazes de servir a dívida sujeita a recuperação. Tais custos e despesas foram projetados de aco de acordo com o nível de atividade atingido pela e nálises históricas e evoluem 31

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013

Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013 R$ milhões R$ milhões R$ milhões R$ milhões Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013 As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário e, a partir de 2011,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO LocarAlpha

PLANO DE RECUPERAÇÃO LocarAlpha PLANO DE RECUPERAÇÃO LocarAlpha Conteúdo Glossário 1. Introdução 2. Motivos da Crise 3. Análise da performance histórica i 4. Perspectivas do mercado 5. Perfil do Endividamento 6. Proposta dos meios de

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 14 de maio de 2012 - A Unidas S.A. anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário.

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 21 de março de 2003

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3.

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3. CNPJ: 30.276.570/0001-70 BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO CIRCULANTE 2014 2013 DíSPONIVEL 1.399.149,86 934.204,07 CAIXA 3.1 1.501,05

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

Apresentação dos Resultados 3T06

Apresentação dos Resultados 3T06 Apresentação dos Resultados 3T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T11

Apresentação de Resultados 2T11 Apresentação de Resultados 2T11 Aviso Legal Aviso Legal Encontra-se em curso a distribuição pública inicial primária e secundária de certificados de depósitos de ações ( Units ) de emissão da Abril Educação

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

Earnings Release 4T14

Earnings Release 4T14 Santo André, 05 de fevereiro de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo da América Latina, informa aos seus acionistas e demais participantes

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

EBITDA cresce 10,8% no 3T15 e Margem EBITDA atinge 57,9%

EBITDA cresce 10,8% no 3T15 e Margem EBITDA atinge 57,9% Resultados 3T15 EBITDA cresce 10,8% no 3T15 e Margem EBITDA atinge 57,9% Belo Horizonte, 10 de novembro de 2015 - A Companhia de Locação das Américas (Locamerica) (BM&FBOVESPA: LCAM3) divulga seus resultados

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da

Leia mais

Lucro líquido atinge R$6,4 milhões no 1T15, crescimento de 28,6%

Lucro líquido atinge R$6,4 milhões no 1T15, crescimento de 28,6% Resultados 1T15 Lucro líquido atinge R$6,4 milhões no 1T15, crescimento de 28,6% Belo Horizonte, 6 de maio de 2015 - A Companhia de Locação das Américas (Locamerica) (BM&FBOVESPA: LCAM3) divulga seus resultados

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro 2015

Apresentação Institucional. Novembro 2015 Apresentação Institucional Novembro 2015 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 3ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Earnings Release 1T15

Earnings Release 1T15 Santo André, 05 de maio de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

Apresentação Unidas. Maio 2014

Apresentação Unidas. Maio 2014 Apresentação Unidas Maio 2014 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 2ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15 Santo André, 05 de Agosto de 2015: CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial.

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial. REFRIGERAÇÃO CAPITAL LTDA. EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROCESSO Nº 001/1.12.0063163-4 CNJ: 0080710-28.2012.8.21.0001 VARA DE DIREITO EMPRESARIAL, RECUPERAÇÃO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS RECEITA LÍQUIDA 300,1 361,1 20,3% EBITDA AJUSTADO 56,5 68,7 21,6% MARGEM EBITDA AJUSTADO 1 17,9% 18,4% 0,5 p.p. LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais