ORÇAMENTO PLANEJAMENTO CONTROLE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORÇAMENTO PLANEJAMENTO CONTROLE"

Transcrição

1 ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO ORÇAMENTO PLANEJAMENTO CONTROLE P R O M O Ç Ã O

2 ORÇAMENTO / PLANEJAMENTO / CONTROLE? Fiz o orçamento da obra com muito critério! Executei o planejamento de acordo com as minhas necessidades! Dei atenção especial aos suprimentos! O fluxo de caixa do empreendimento estava sendo obedecido! Por que, depois da obra estar quase concluída, eles me dizem que não terminarão no prazo e estourarão o custo?

3 QUESTÕES ATUAIS Grande parte dos diagnósticos da construção civil, indicam que muitos problemas do setor - baixa produtividade, incidência de perdas, ocorrência de acidentes, têm Não entredeixe as principais o planejamento causas a falta de planejamento. de um empreendimento para ser resolvido no canteiro. Os profissionais de obras nunca terão informações, recursos, tempo e subsídios suficientes para escolher a melhor solução.

4 CONCEITOS: Orçamento / Planejamento / Controle ORÇAMENTO PLANEJAMENTO CONTROLE

5 ORÇAMENTO Tentativa de estimar o custo real. Instrumento balizador, que procura evitar que as decisões de caráter tecnológico fiquem mascaradas por uma decisão orientada pela ênfase na comparação de custos.

6 PLANEJAMENTO Instrumento que visa orientar o emprego dos recursos físicos, de forma coerente com o fluxo de recursos financeiros, e com os próprios compromissos do empreendimento frente aos seus clientes.

7 PLANEJAR É... estabelecer uma equação de meios para atingir metas

8 CONTROLE Instrumento de aferição das outras ferramentas. Sua função é monitorar e acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos. Fundamental para inferir e projetar resultados futuros.

9 FUNÇÕES COMUNS Flexibilidade Retroalimentação Instrumentos Executivos Banco de Dados

10 ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO ORÇAMENTO

11 ORÇAMENTO... é uma ferramenta de gestão. é a determinação do custo do empreendimento antes da sua realização. Salvador Giamusso

12 ORÇAMENTO Os fantasmas Falta de organização das informações Ausência de elementos de custo Desatualização de quantidades e preços Distância da realidade de execução

13 ESTRUTURA DO ORÇAMENTO Obedecimento à lógica de NÍVEIS. INSUMOS COMPOSIÇÕES ORÇAMENTO RELATÓRIOS

14 ESTRUTURA DO ORÇAMENTO RELATÓRIOS ESPECÍFICOS Orçamento Sintético Orçamento Analítico Orçamento de etapa específica Curva ABC de insumos Curva ABC de serviços Gastos com impostos Gastos exclusivos com m.o. Simulações de BDI

15 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS E S T R U T U R A CONCRETO AÇO FÔRMAS E CIMBRAMENTOS EQUIPAMENTOS MÃO DE OBRA DEMAIS CUSTOS...

16 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CONCRETO Desperdício durante a concretagem PERDAS Diferenças de volume pedido x entregue Sobras Aumento de dimensões de peças - Lajes

17 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CONCRETO Área de laje = 500 m2 Espessura de projeto = 10 cm PERDAS Volume PERDA Teórico = 10% = 50 m3 Espessura média real = 11 cm Volume Real = 55 m3

18 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CONCRETO DISCRIMINAÇÃO DO MATERIAL - resistência, - slump - forma de lançamento CONTROLE TECNOLÓGICO

19 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS AÇO SOLTO E TELAS SOLDADAS Corte e dobra no canteiro PERDAS Corte e dobra terceirizados Telas soldadas

20 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS AÇO SOLTO E TELAS SOLDADAS PREÇO UNITÁRIO : BITOLAS OUTRAS PEÇAS (2%) DIVERSOS ESTOQUE DE APOIO ARAME CONTROLE TECNOLÓGICO

21 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS FÔRMAS E CIMBRAMENTOS Dimensionamento das fôrmas Planejamento / Ciclos / Plano de Ataque Jogos extras Reutilizações Potencial = f (tecnologia; materiais; uso)

22 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS FÔRMAS E CIMBRAMENTOS Acessórios e Complementos Desmoldante Prego comum Prego de aço Espaçadores Distanciadores Barras e porcas de ancoragem Tubo de PVC Isopor Madeiras Cunhas Pranchão Graxa

23 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS FÔRMAS E CIMBRAMENTOS Reescoramento Cimbramento Metálico Verba de indenização Conferência Inventário Fretes

24 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE Gruas, Guinchos, Elevadores Transporte ida e volta Montagem e desmontagem Blocos de apoio Custos com operador Ascensão Estaiamento Manutenção

25 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS OUTROS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS Furadeira Serra Serrote Martelo Trena WC Móvel Escadas Almoxarifado móvel Carrinhos Cimento Areia Discos de corte Madeiras Entulho*

26 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS MÃO DE OBRA DIRETA - Própria Custo e quantidade de HN Custo e quantidade de HE Premiação Encargos Sociais Férias Benefícios EPI Dissídio durante a obra

27 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS MÃO DE OBRA DIRETA - Empreiteiro Importância do contrato Verbas para serviços extras Valores compatíveis com os métodos e processos adotados

28 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CUSTOS INDIRETOS M.O. INDIRETA Engenheiros Mestres Estagiários Encarregados Administrativos Apontadores Almoxarifes Segurança

29 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CUSTOS INDIRETOS CONSUMOS Água Luz Telefone Dados SEGUROS IMPOSTOS ALUGUÉIS

30 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CUSTOS REFERENTES À SEGURANÇA EPI BANDEJA DE PROTEÇÃO FIXA BANDEJAS DE PROTEÇÃO MÓVEIS SINALIZAÇÃO FITAS, CORDAS, CABOS, TELAS, E OUTROS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA COLETIVA SEGURANÇA PATRIMONIAL HIGIENE DO TRABALHO

31 ORÇAMENTO: PRINCIPAIS ITENS CUSTOS DE NÃO CONFORMIDADE Desaprumo de pilares Desnivelamento de lajes Desaprumo, desnivelamento e desalinhamento de vigas Bicheiras Exposição de armaduras Retrabalhos de maneira geral

32 SUPRIMENTOS CLIENTES FORNECEDORES

33 SUPRIMENTOS CLIENTES FORNECEDORES - Interferem nos resultados; - Têm metas comuns; - Podem participar juntos dos resultados.

34 SUPRIMENTOS PRÁTICAS DE RELACIONAMENTO - Rede de fornecedores ; - Centralização de compras ; - Tipologias de entregas ; - Política de preços ; - Adaptação dos produtos ; - Conformidade, qualidade e garantia.

35 ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO PLANEJAMENTO

36 DEFINIÇÃO PLANEJAMENTO É o processo gerencial que envolve o estabelecimento - com antecedência - das ações, dos recursos, dos métodos e dos meios necessários para a execução de um projeto.

37 PLANEJAMENTO DEIXAR ACONTECER FAZER ACONTECER

38 PLANEJAMENTO TIPOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO EXECUTIVO OU OPERACIONAL

39 PLANEJAMENTO PRINCIPAIS ETAPAS a) PREPARAÇÃO DO PROCESSO procedimentos e padrões de execução; níveis hierárquicos, principais responsáveis, técnicas a serem utilizadas,etc.

40 PLANEJAMENTO PRINCIPAIS ETAPAS a) PREPARAÇÃO DO PROCESSO b) COLETA DE INFORMAÇÕES coleta sistemática de dados sobre a produção; intervenientes do processo: cliente, projetistas, sub-empreiteiros e etc.

41 PLANEJAMENTO PRINCIPAIS ETAPAS a) PREPARAÇÃO DO PROCESSO b) COLETA DE INFORMAÇÕES c) ELABORAÇÃO DOS PLANOS etapa onde é gerado o plano de obra, utilizandose técnicas de planejamento; * muitas vezes confundida com o próprio conceito de planejamento.

42 PLANEJAMENTO PRINCIPAIS ETAPAS a) PREPARAÇÃO DO PROCESSO b) COLETA DE INFORMAÇÕES c) ELABORAÇÃO DOS PLANOS d) DIFUSÃO DAS INFORMAÇÕES Importante: definição da natureza da informação, sua periodicidade, o formato, e o ciclo de retroalimentação.

43 PLANEJAMENTO PRINCIPAIS ETAPAS a) PREPARAÇÃO DO PROCESSO b) COLETA DE INFORMAÇÕES c) ELABORAÇÃO DOS PLANOS d) DIFUSÃO DAS INFORMAÇÕES e) AVALIAÇÃO DO PROCESSO possibilidade de melhoria do processo para empreendimentos futuros.

44 PLANEJAMENTO PROBLEMA TÍPICO DEMORA EXCESSIVA NA RETROALIMENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES, IMPEDINDO QUE AS AÇÕES CORRETIVAS SEJAM REALIZADAS NO TEMPO ADEQUADO.

45 PLANEJAMENTO NÍVEIS HIERÁRQUICOS LONGO PRAZO MÉDIO PRAZO CURTO PRAZO

46 LONGO PRAZO => Plano Mestre tem caráter tático PLANEJAMENTO NÍVEIS HIERÁRQUICOS definidas as principais datas da obra técnicas utilizadas para gerar o plano mestre: redes de precedência, cronograma de barras e linha de balanço plano mestre => forte vínculo => cronograma financeiro programação dos recursos mais importantes da obra planejamento do canteiro - principais decisões

47 NÍVEIS HIERÁRQUICOS MÉDIO PRAZO => look ahead planning segundo nível de planejamento tático definições do plano mestre são detalhadas e segmentadas PLANEJAMENTO obras de incorporação => replanejamento feito trimestralmente plano mestre => adaptação => cronograma financeiro programação dos recursos da obra - ciclo de compra 30 dias - frações da quantidade total responsabilidade da gerência da obra

48 PLANEJAMENTO NÍVEIS HIERÁRQUICOS CURTO PRAZO => commitment planning planejamento operacional - orienta a execução da obra detalha atividades do plano de médio prazo tarefas realizados em ciclos semanais programação dos recursos da obra - controle de estoque da obra ou do almoxarifado central elaborado pelo mestre - revisado pelo chefe de canteiro

49 FERRAMENTAS PLANEJAMENTO Redes de precedências Cronogramas de Barras Linha de Balanço Formulários contendo normas e instruções Mapas e gráficos Projetos e croquis

50 FERRAMENTAS PLANEJAMENTO Redes de precedências Cronogramas de Barras Linha de Balanço Formulários contendo normas e instruções Mapas e gráficos Projetos e croquis

51 REDE DE PRECEDÊNCIAS DIAGRAMAS DE BLOCOS Incorporam técnicas de PERT (Program Evaluation and Review Tecnique) e CPM (Critical Path Method). ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA O ESTABELECIMENTO DE UMA REDE Relação de atividades Interdependência entre as atividades Duração de cada atividade

52 REDE DE PRECEDÊNCIAS Projeção da Torre Periferia

53 REDE DE PRECEDÊNCIAS

54 CRONOGRAMA DE BARRAS GRÁFICO DE GANTT Gráfico em que no eixo vertical estão listadas as atividades a serem desenvolvidas e, no eixo horizontal, é lançado o tempo. Vantagens da utilização do Cronograma de Barras: Pode ser utilizado para representar atividades físicas e recursos: humanos, materiais e serviços Facilidade de revisão ou modificação Elaboração de cronograma inverso

55 CRONOGRAMA DE BARRAS Projeção da Torre Periferia

56 CRONOGRAMA DE BARRAS Id Atividade Duração Início Fim 1 1º SS 80 dias Qua 14/6/00 Ter 3/10/00 Jun Jul Ago Set Out 11/ 18/625/ 2/7 9/716/ 23/730/ 6/813/ 20/827/ 3/910/ 17/ 24/91/1 8/105/1 2 Projeção 1º SS 16 dias Qua 14/6/00 Qua 5/7/00 3 Etapa 1-1º SS 10 dias Qua 14/6/00 Ter 27/6/00 4 Etapa 2-1º SS 8 dias Qua 12/7/00 Sex 21/7/00 5 Etapa 3-1º SS 15 dias Qua 2/8/00 Ter 22/8/00 6 Etapa 4-1º SS 15 dias Qua 13/9/00 Ter 3/10/00 7 Térreo 85 dias Qua 28/6/00 Ter 24/10/00 8 Projeção Térreo 16 dias Qui 6/7/00 Qui 27/7/00 9 Etapa 1 - Térreo 10 dias Qua 28/6/00 Ter 11/7/00 10 Etapa 2 - Térreo 7 dias Seg 24/7/00 Ter 1/8/00 11 Etapa 3 - Térreo 15 dias Qua 23/8/00 Ter 12/9/00 12 Etapa 4 - Térreo 15 dias Qua 4/10/00 Ter 24/10/ º Pavimento 30 dias Sex 28/7/00 Qui 7/9/ º Pavimento 30 dias Sex 28/7/00 Qui 7/9/00

57 LINHA DE BALANÇO Gráfico em que no eixo vertical estão listadas as etapas da obra e, no eixo horizontal, é lançado o tempo. As faixas constantes no gráfico demostram o desenvolvimento das atividades. Vantagens da utilização da Linha de Balanço: Apresentar o fluxo de trabalho das diferentes equipes da obra Facilidade na definição do ritmo do trabalho

58 LINHA DE BALANÇO Pavimentos Folga Estrutura Revestimento Alvenaria Folga Tempo Total Folga Dias

59 PLANEJAMENTO OUTRAS FERRAMENTAS Formulários Planilhas Mapas e gráficos Projetos e croquis

60 PLANEJAMENTO SUBSISTEMA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DEMAIS SUBSISTEMAS DO PROJETO EMPREENDIMENTO

61 PLANEJAMENTO FÍSICO DEFINIÇÃO É o processo de estabelecer a seqüência física das atividades dentro de um canteiro de obras. IMPORTANTE: Deve ser desenvolvido levando em consideração o fluxo de caixa e o planejamento financeiro do empreendimento.

62 PLANEJAMENTO FÍSICO SETORIZAÇÃO DA OBRA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS

63 SETORIZAÇÃO DA OBRA Projeção da Torre Periferia

64 SETORIZAÇÃO DA OBRA ALTERNATIVA 1 executamos as lajes inferiores (subsolos e térreo) na região da torre, e posteriormente, tocamos a torre e periferia em paralelo CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA

65 SETORIZAÇÃO DA OBRA

66 SETORIZAÇÃO DA OBRA ALTERNATIVA 2: executamos todas as lajes de subsolo e térreo, inclusive periferia, e depois trabalhamos no pavimento tipo LAJES DE SUBSOLOS E TÉRREO PAVIMENTOS TIPO

67 SETORIZAÇÃO DA OBRA PRAZO EXECUTIVO ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) A execução do pavimento tipo determina o ritmo das demais tarefas ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Viável somente se existir tempo suficiente para a execução de toda periferia, antes de iniciar o pavimento tipo

68 SETORIZAÇÃO DA OBRA PLANEJAMENTO FINANCEIRO ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Os desembolsos são maiores, pois executamos a torre e a periferia em paralelo ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) O fluxo de caixa no início da execução é mais baixo

69 SETORIZAÇÃO DA OBRA CUSTOS ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Lajes e vigas fora de padrão, sem repetitividade e com panos pequenos ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Estrutura de periferia e projeção da torre uniformes; utiliza-se novo jogo de fôrmas para a torre

70 SETORIZAÇÃO DA OBRA CUSTOS ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Lajes e vigas fora de padrão, sem repetitividade e com panos pequenos É interessante fazermos uma equalização de custos das duas alternativas quanto à utilização de fôrmas e mão de obra. ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Estrutura de periferia e projeção da torre uniformes; utiliza-se novo jogo de fôrmas para a torre

71 SETORIZAÇÃO DA OBRA MÃO DE OBRA E EQUIPAMENTOS ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Viável na contratação de subempreiteiros, ou disponibilidade de mão de obra e equipamentos ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Mais viável nas limitações de recursos de mão de obra

72 SETORIZAÇÃO DA OBRA QUALIDADE ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Quando a periferia é executada nas folgas ou com as sobras de material, a qualidade fica prejudicada; a possibilidade de se deixar rabos é grande ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Os resultados são melhores quando executada toda periferia antes do início do pavimento tipo

73 SETORIZAÇÃO DA OBRA ESTRATÉGIA COMERCIAL ALTERNATIVA 1 (CORPO DO PRÉDIO PERIFERIA) Influi na tomada de decisão; prioriza-se a execução da estrutura e acabamento ALTERNATIVA 2 (LAJES SS E TÉRREO PAV. TIPO) Peso menor na tomada de decisão com empreendimentos sob preço de custo ou financiados

74 SETORIZAÇÃO DA OBRA Soluções técnicas adotadas na torre nem sempre são as mesmas adotadas na periferia A logística e a metodologia de concretagem também podem ser diferentes Aspectos técnicos podem induzir a tomada de decisão em favor de determinada alternativa

75 SETORIZAÇÃO DA OBRA Edifício Internacional Plaza São Paulo (Método Engenharia)

76 PLANEJAMENTO FINANCEIRO DEFINIÇÃO É o processo de estabelecer o volume de aporte financeiro do empreendimento ao longo do tempo. VARIÁVEIS Fluxo de investimento do empreendedor Características de comercialização das unidades Planejamento físico

77 PLANEJAMENTO FINANCEIRO IMPORTANTE: A comercialização do empreendimento é fator fundamental na definição do fluxo financeiro de uma obra e, portanto, na determinação do ritmo de execução.

78 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ,00 GRÁFICO FLUXO FINANCEIRO , ,00 VA L O R (R $) , , , , ,00 0,00 d ez/9 8 jan /99 fe v/99 m ar/99 a br/99 m a i/99 jun /9 9 jul/99 MÊS ago /9 9 set/9 9 out/99 no v/99 d ez /9 9 jan/00 fev /0 0 m ar/00

79 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ,00 HISTOGRAMA FINANCEIRO , , ,00 R $ , , , ,00 0,00 dez /98 ja n/99 fev /99 m ar/99 abr/99 m ai/99 ju n/99 ju l/99 meses ago/9 9 s et/99 out/99 nov /99 dez /99 ja n/00 fev /00

80 PLANEJAMENTO FINANCEIRO PLANILHA FINANCEIRA

81 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ANÁLISE FINANCEIRA ANÁLISE ECONÔMICA

82 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ANÁLISE FINANCEIRA Fluxo de desembolso de dinheiro, mês a mês, distribuídos nos subsistemas da obra, determinados pelos planejamento físico e orçamento.

83 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ANÁLISE FINANCEIRA DIMENSIONAMENTO DO CAIXA DA OBRA COMPARATIVO DE CUSTOS REAL X ORÇADO FINAL DA ATIVIDADE

84 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ANÁLISE ECONÔMICA Fluxo de gastos dos insumos e materiais, distribuídos no tempo de sua execução; é uma análise dos custos reais das etapas construtivas.

85 PLANEJAMENTO FINANCEIRO ANÁLISE ECONÔMICA CONTROLE DE CUSTOS COMPARATIVO DE CUSTOS REAL X ORÇADO AO LONGO DA ATIVIDADE

86 ANÁLISE FINANCEIRA X ANÁLISE ECONÔMICA EDIFÍCIO RESIDENCIAL Número de Pavimentos Subsolo, Térreo e 12 pavimentos tipo Cronograma Executivo concretagem das lajes a cada 15 dias = duas lajes / mês Volume de concreto 52,0 m 3 Área de Fôrma 624,0 m 2 Quantidade de Aço 5.200, Kg Concretagem do 5º pavimento tipo no dia 20 de maio de 2008

87 ANÁLISE FINANCEIRA X ANÁLISE ECONÔMICA ATIVIDADE CUSTO UNITÁRIO CUSTO TOTAL AÇO (Material): Kg R$ 1,35 / Kg R$ 7.020,00 CONCRETO (Material): 52 m 3 R$ 160,00 / m 3 R$ 8.320,00 FÔRMA (Material): 624 m 2 R$ 18,50 / m 2 R$ ,00 CIMBRAMENTO (Material): aluguel de equipamentos R$ 332,80 / mês MÃO DE OBRA (fôrma, armação e concreto): 52 m 3 Empreiteira global R$ 205,00/m 3 R$ ,00

88 ANÁLISE FINANCEIRA X ANÁLISE ECONÔMICA Concretagem do 5º Pav. Tipo = 20 / maio / 2008 ATIVIDADE AÇO: recebido na obra 30 dias antes da aplicação CONCRETO (Material): FÔRMA: entregue 1º março p/ execução primeiro pav. CIMBRAMENTO: aluguel com medições mensais MÃO DE OBRA: medições quinzenais FATURA- MENTO 30 dias após entrega 20 dias fora quinzena 30 dias após recebimento 10º dia do mês subsequente 5 dias após a medição DATA PAGAMENTO 20 / maio 20 / junho 01 / abril 10 / junho 05 / junho

89 ANÁLISE FINANCEIRA X ANÁLISE ECONÔMICA ANÁLISE FINANCEIRA INSUMO CUSTO (R$) ABRIL / 02 MAIO / 02 JUNHO / 02 AÇO 7.020, ,00 CONCRETO 8.320, ,00 FÔRMA , ,00 CIMBRAMENTO 332,80 332,80 MÃO DE OBRA , ,00 TOTAL (R$) , , , ,80

90 ANÁLISE FINANCEIRA X ANÁLISE ECONÔMICA ANÁLISE ECONÔMICA INSUMO CUSTO (R$) ABRIL / 02 MAIO / 02 JUNHO / 02 AÇO 7.020, ,00 CONCRETO 8.320, ,00 FÔRMA ,00 962,00 CIMBRAMENTO 332,80 166,40 MÃO DE OBRA , ,00 TOTAL (R$) ,80 0, ,40 0,00 Custo do 5º Pav. Tipo = R$ ,40 / 52,0 = R$ 521,70 / m 3

91 DEFINIÇÃO PLANEJAMENTO PLANO DE ATAQUE É a fase do Planejamento executivo em que detalhamos todos os aspectos técnicos da obra: Ciclo Dimensionamento de equipamentos Dimensionamento de equipe INFORMAÇÃO BÁSICA MÉDIA DE M 3 / DIA

92 PLANO DE ATAQUE PILARES SOLTEIROS X SISTEMA INTEGRADO PILARES SOLTEIROS o ciclo é articulado de maneira que os pilares sejam concretados e desformados antes da realização de qualquer outro serviço

93 CARACTERÍSTICAS PLANO DE ATAQUE PILARES SOLTEIROS Exige grua Dependência do planejamento e de equipamentos Não permite sobreposições de tarefas Possibilita economia de fôrmas de pilares Estrutura de lajes planas ou somente com vigas de borda Pilares de grandes dimensões e vigas de grande comprimento

94 PLANO DE ATAQUE PILARES SOLTEIROS

95 PLANO DE ATAQUE PILARES SOLTEIROS X SISTEMA INTEGRADO SISTEMA INTEGRADO sistema em que a montagem das fôrmas de pilares, vigas e lajes são feitas simultaneamente.

96 SISTEMA INTEGRADO CARACTERÍSTICAS PLANO DE ATAQUE Dependência da qualidade e produtividade dos operários Exige demais do sistema de fôrma e cimbramento Estruturas vigadas Pilares de dimensões médias ou pequenas e baixos volumes de concreto

97 PLANO DE ATAQUE SISTEMA INTEGRADO

98 PLANO DE ATAQUE REPETITIVIDADE PLANEJAMENTO SITEMATIZADO CICLO

99 DIA CICLO ATIVIDADE NO 4º PAVIMENTO Desforma dos pilares Desforma dos pilares Retirada do cimbramento Execução do reescoramento Desforma de vigas Retirada do cimbramento Execução do reescoramento Desforma de vigas e lajes Execução do reescoramento Desforma de vigas e lajes Desforma da escada Execução do reescoramento ATIVIDADE NO 5º PAVIMENTO Transferência de eixos e locação de gastalhos Locação e execução dos colarinhos de pilares Pré montagem das armações dos pilares Montagem das fôrmas dos pilares Montagem das armações dos pilares Montagem das fôrmas dos pilares Montagem das armações dos pilares Montagem de escoramento Montagem de fôrma de vigas Montagem de escoramento Montagem de fôrma de vigas e lajes Montagem de fôrma de vigas e lajes Montagem das armações de vigas Montagem de fôrma de vigas, lajes e escada Montagem das armações de vigas Concretagem dos pilares Montagem da fôrma de escada Arremates, alinhamento e nivelamento (vigas e lajes) Montagem das armações de lajes Execução das instalações Arremates, alinhamento e nivelamento (vigas, lajes e escada) Montagem das armações de lajes Execução das instalações Concretagem de vigas, lajes e escada

100 CICLO GRUA Identificar os recursos necessários a cada operação de construção RECURSOS EMPREGADOS RECURSOS QUANTIDADE 1 unidade FÔRMA DE PILARES FÔRMA DE VIGAS E LAJES * JOGO DE CIMBRAMENTO JOGO DE REESCORAMENTO EQUIPE DE CARPINTARIA EQUIPE DE ARMAÇÃO EQUIPE DE CONCRETAGEM 1 jogo 1 jogo 1 jogo 2,5 jogos 1 equipe 1 equipe 1 equipe * considerando dois fundos de vigas e tiras de reescoramento de lajes.

101 CICLO Identificar as tarefas elementares, suas seqüências e relações DIAGRAMA DE OCUPAÇÃO TAREFA GRUA Eq. Carpintaria Eq. Armação Eq. Concreto Desforma e subida dos pilares Locação e subida dos eixos Subida do aço dos pilares Montagem da armação dos pilares Subida da fôrma dos pilares Montagem da fôrma dos pilares Desforma de vigas, lajes e escada Subida das fôrmas (V / L / Esc.) Montagem das fôrmas (V/L/Esc.) Reescoramento do pav. anterior Concretagem dos pilares Subida do aço (V/L/Esc.) Montagem da armação (V/L/Esc.) Limpeza, verificações Concretagem de V / L / Esc.

102 CICLO Identificar o encaminhamento dos recursos pelas tarefas Representar graficamente o ciclo

103 DIMENSIONAMENTO DE EQUIPAMENTOS O dimensionamento de equipamentos: - movimentação vertical - movimentação horizontal - demais equipamentos

104 DIMENSIONAMENTO DE EQUIPE ÍNDICES ORÇAMENTÁRIOS DIMENSIONAMENTO DA EQUIPE ORÇAMENTO (EQUIPE DE CARPINTARIA): área de fôrmas (pilar + viga + laje + escada) = 624,0 m 2 índice trabalhado de montagem e desforma (P+V+L+Esc.) = 1,40 Hh/m 2 ciclo de produção = 1 laje/10 dias

105 DIMENSIONAMENTO DE EQUIPE ÍNDICES ORÇAMENTÁRIOS DIMENSIONAMENTO DA EQUIPE CÁLCULO DO NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS: Nº Funcionários = Índice trab. x área de fôrma nº dias trab. x horas trab./dia Nº Funcionários = 1,40 Hh / m 2 x 624,0 m 2 10 dias x 8,8 h / dia Nº Funcionários = 9,93 H ~ 10 funcionários

106 DIMENSIONAMENTO DE EQUIPE Estudar o ciclo de trabalho e entender exatamente QUEM FAZ O QUE E QUANDO

107 ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO

108 PLANEJAMENTO FÍSICO Setorização da Obra FINANCEIRO Análise Financeira Análise Econômica Ciclo PLANO DE ATAQUE Dimensionamento de Equipamentos Dimensionamento de Equipe PLANEJAMENTO LOGÍSTICO

109 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DEFINIÇÃO É o estudo da movimentação horizontal e vertical de materiais, do dimensionamento de estoques, da administração do fluxo de insumos dentro de um canteiro, bem como do arranjo físico e a sua evolução com a obra.

110 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ESTUDO LOGÍSTICO PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DOS MATERIAIS E INSUMOS DIMINUIÇÃO DO DESPERDÍCIO DE MATERIAIS, GASTOS COM EQUIPAMENTOS, REDUÇÃO DE EQUIPES DE MÃO DE OBRA

111 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO RESULTADOS dimensionamento de equipamentos dimensionamento da equipe projeto do canteiro os custos envolvidos nesta operação

112 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA Definição dos materiais a serem estudados: CURVA ABC DE PESO CURVA ABC DE CUSTOS INSUMOS DO CAMINHO CRÍTICO ENTULHO

113 CURVA ABC DE MATERIAIS EM PESO INSUMOS Concreto f ck 25,0 MPa Areia Lavada Bl. Cerâmico 11,5x19x39 cm Cimento Portland Entulho Bl. Cerâmico 9x19x39 cm Aço CA 50/60 Cal Hidratada Azulejo Incepa 20 x 33 Bl. Cerâmico 19x19x39 cm Gesso Cimento Colante Cerâmica 33x33 cm Pastilha 10x10 cm Forma/Cimbramento (pav. tipo) Porta Lisa 80x210 Mogno UNID. M 3 PESO TOT. % PESO % ACUM ,00 35,72 35,72 M ,00 32,87 68,59 unid ,75 9,87 78,46 Kg ,13 4,53 82,99 M ,00 4,13 87,12 unid ,50 2,67 89,79 Kg ,53 2,39 92,18 Kg ,99 1,76 93,95 M ,25 1,60 95,54 unid ,50 0,94 96,48 Kg ,26 0,69 97,17 Kg ,76 0,67 97,84 M ,00 0,35 98,20 M ,51 0,33 98,53 Kg ,00 0,32 98,85 unid ,00 0,30 99,15 PESO TOTAL (Kg) ,37 100,00%

114 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA 2ª ETAPA Histograma de Cargas

115 HISTOGRAMA DE CARGAS HISTOGRAMA DE CARGAS 500,00 450,00 400,00 350,00 300,00 250,00 toneladas 200,00 150,00 100,00 50,00 0,00 dez/99 jan/00 fev/00 mar/00 abr/00 mai/00 jun/00 jul/00 ago/00 set/00 out/00 nov/00 dez/00 jan/01 fev/01 mar/01 abr/01 mai/01 jun/01 jul/01 ago/01 set/01 out/01 nov/01 dez/01 jan/02 fev/02 mar/02 meses Concreto fck 25,0 MPa Bloco Cerâmico 11,5x19x39 cm Entulho Bloco Cerâmico 9x19x39 cm Aço CA 50/60 Azulejo Incepa 20 x 33 Argamassa Batida na Obra

116 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA 2ª ETAPA 3ª ETAPA Escolha do método de movimentação dos materiais no mês crítico

117 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO MÉTODOS DE MOVIMENTAÇÃO MATERIAIS CRÍTICOS CONCRETO AÇO MÉTODOS CANDIDATOS DE MOVIMENTAÇÃO GRUA GUINCHO OUTROS Bomba 2 caçambas 6 giricas (concreto + + bombeável) 3 serventes 8 serventes + 4 serventes cabo de aço cabo de aço serventes 6 serventes

118 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO MÉTODOS DE MOVIMENTAÇÃO Determinação do tempo de cada ciclo distâncias percorridas horizontais e verticais velocidades dos equipamentos capacidade de carga de cada equipamento

119 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO MÉTODOS DE MOVIMENTAÇÃO Determinação dos custos de cada método de movimentação mão de obra envolvida locação e/ou compra de equipamentos mobilização, desmobilização, manutenção e operação dos equipamentos

120 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO MÉTODOS DE MOVIMENTAÇÃO CUSTOS DE TRANSPORTE DOS MATERIAIS PARA CADA MÉTODO DE MOVIMENTAÇÃO

121 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA 2ª ETAPA 3ª ETAPA 4ª ETAPA Definição Técnica dos Equipamentos de Movimentação

122 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DEFINIÇÃO TÉCNICA CUSTOS DOS MÉTODOS (Horas de Servente) MATERIAIS CRÍTICOS Concreto Bl. Cerâmico(11,5) Bl. Cerâmico (9,0) Entulho Aço Argamassa Azulejo TOTAL (Hhs) CUSTO DOS EQUIPAMENTOS (Hhs) GRUA GUINCHO GUINCHO+OUTRO 217,99 300,40 273,42 => BOMBA 122,17 98,20 98,20 37,95 30,50 30,50 90,28 81,56 54,43 = COLETOR 12,61 21,50 21,50 396,99 424,62 424, ,99 956,78 902,67

123 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DEFINIÇÃO TÉCNICA CONSUMO DE HORAS DE TRANSPORTE MATERIAIS CRÍTICOS Concreto Bl. Cerâmico(11,5) Bl. Cerâmico (9,0) Entulho Aço Argamassa Azulejo TOTAL (horas) HORAS DOS EQUIPAMENTOS GRUA GUINCHO GUINCHO+OUTRO 12,70 29,30 7,30 + BOMBA 7,40 13,90 13,90 5,40 8,50 8,50 2,30 4,30 COLETOR 2,80 2,30 2,30 57,50 131,30 131, ,10 189,60 159,10

124 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DEFINIÇÃO TÉCNICA DIMENSIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE a. Horas normais consumidas b. Fator de rendimento Fr = 0,80 (manutenção, chuvas) c. Horas trabalhadas (disponíveis no mês) d. Número de equipamentos (b/c) DIMENSIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS GRUA 88,10 110,13 180,0 0,61 UMA GRUA GUINCHO 189,60 237,00 180,0 1,32 DOIS GUINCHOS GUINCHO+OUTRO 159,10 198,88 180,0 1,10 DOIS GUINCHOS + BOMBA + COLETOR ENTULHO

125 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA 2ª ETAPA 3ª ETAPA 4ª ETAPA 5ª ETAPA Definição Econômica dos Equipamentos de Movimentação

126 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DEFINIÇÃO ECONÔMICA Determinação do cronograma dos equipamentos mobilização e desmobilização ascensão dos equipamentos custos fixos custos variáveis

127 DEFINIÇÃO ECONÔMICA GRUA DOIS GUINCHOS GRUA GUINCHO GUINCHO MOBILIZAÇÃO maio/00 fevereiro/00 maio/00 DESMOBILIZAÇÃO agosto/01 dezembro/01 abril/01 MÊS CUSTO R$ GRUA GUINCHO GUINCHO FEV/00 OPERACIONAL PONTUAL 3.400,00 MAR/00 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 320,00 ABR/00 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 1.439,00 MAI/00 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 6.150, , ,00 JUN/00 OPERACIONAL 7.000, , ,00 PONTUAL 1.439, ,00 JUL/01 OPERACIONAL 7.000, ,00 PONTUAL 320,00 AGO/01 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 5.400,00 320,00 SET/01 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 320,00 OUT/01 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 320,00 NOV/01 OPERACIONAL 1.697,00 PONTUAL 320,00 DEZ/01 OPERACIONAL PONTUAL 1.380,00 Sub-Total por Equip , , ,00 ADICIONAL CONCRETO BOMBEÁVEL ,75 TOTAL (R$) , ,75

128 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO METODOLOGIA DE TRABALHO 1ª ETAPA 2ª ETAPA 3ª ETAPA 4ª ETAPA 5ª ETAPA 6ª ETAPA Projeto Logístico do Canteiro

129 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO PROJETO LOGÍSTICO Determinado até o momento equipamentos de transporte horizontal e vertical mobilização e desmobilização dos equipamentos equipe de movimentação de materiais e insumos

130 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO PROJETO LOGÍSTICO Desenvolver o Projeto de Canteiro locação dos equipamentos de transporte vertical (guincho, grua) locação dos equipamentos auxiliares de transporte (bomba) vias de acesso ao canteiro (portões de entrada de materiais e pessoas) vias de circulação interna de materiais e pessoas áreas de estoques intermediários (painéis de fôrma, aço pré montado) áreas de estoques de matéria-prima (madeira, compensado, vergalhões) áreas de trabalho (pré montagem de aço, fabricação de fôrmas)

131 PROJETO LOGÍSTICO Arranjo Físico de Canteiro Fase 1 - Estrutura

132 PROJETO LOGÍSTICO Arranjo Físico de Canteiro Fase 5 - Revestimento / Acabamento

133 ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO CONTROLES

134 REFLEXÃO As pessoas espertas são as que aprendem com seus erros. Uma empresa competitiva não é a que erra menos, mas sim a que aprende mais rapidamente a corrigir desvios em seus processos de produção.

135 CONTROLES FUNÇÕES BÁSICAS MONITORAR COMPROMISSOS DE PRAZOS, CUSTOS E QUALIDADE FORNECER SUBSÍDIOS PARA A MELHORIA CONTÍNUA DA PERFORMANCE DA OPERAÇÃO PLANIFICAÇÃO

136 CONTROLES EFICIÊNCIA: uso racional dos recursos Relação entre o valor do produto gerado e o custo dos recursos utilizados => Ex. : área construída / quantidade de homens-hora gastos. EFICÁCIA: atendimento das metas estabelecidas É expressa na forma de prazos e de sequência de execução relacionados a diferentes etapas da obra.

137 CONTROLES melhorar a forma como os recursos são utilizados CONTROLE QUANTO À EFICIÊNCIA CONTROLE QUANTO À EFICÁCIA aumentar a previsibilidade, corrigindo ou impedindo desvios entre o planejado e o real.

138 CONTROLES É interessante observar que a função CONTROLE diferencia-se do simples monitoramento da produção, pelo fato de que o controle pressupõe a realização de ações corretivas, enquanto o monitoramento restringe-se à coleta de dados.

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO MARCOS HESKETH / ROBERTO BARELLA FILHO ASSESSORIA TÉCNICA PROJETOS; ORÇAMENTO; PLANEJ. FÍSICO;

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países

ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países ODEBRECHT HOLDING 190 mil integrantes Atuação em 27 países TERRENO ÁREA DO TERRENO 80.000 m² ÁREA MÁX. UTILIZADA (4x) 320.000 m² ÁREA CONSTRUÍDA TOTAL 595.000 m² 23 37 22 S 46 42 07 W CONCEITO CIDADE COMPACTA

Leia mais

de planejamento: Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS

de planejamento: Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Técnicas de planejamento: papéis e critérios rios para seleção Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Técnicas de OBRA : Pôr do Sul Engenheiro Responsável: Carlos Eduardo Mestre: Osmar

Leia mais

Cronograma Físico e de Custo

Cronograma Físico e de Custo Capítulo 6 Cronograma Físico e de Custo 6.1 Introdução Até a lição 5 anterior, estivemos envolvidos na fase do orçamento que, na figura 1.1 da primeira lição, foi denominada fundamentos, e na qual fizemos

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Parede de Concreto 29/04/2015 1 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVO - reduzir o déficit habitacional 2009 MCMV Início do Programa 2010 MCMV I 1.000.000 de unid. contratadas 2011/14 MCMV II 2.400.000

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Conceitos básicos b Planejamento e Controle da Produção (PCP)

Conceitos básicos b Planejamento e Controle da Produção (PCP) Conceitos básicos b de Planejamento e Controle da Produção (PCP) Carlos T. Formoso Sumário Por que o planejamento é importante? Por que o planejamento é ineficaz? O que é planejamento? Quem deve realizar

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE Esta inovação faz nascer a técnica industrial aplicada a construção no Brasil SISTEMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A Construção Sustentável Premiere representa uma

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA RS OBJETIVO Demonstrar as características do Sistema Construtivo de paredes de concreto com forma de Alumínio, pontuando as vantagens e desvantagens desse método de construção. ÍNDICE 1. DADOS DO EMPREENDIMENTO

Leia mais

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS CICLO 2 TUTORIAL: PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS PAREDE DE CONCRETO ALVENARIA ESTRUTURAL ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Marcos Hesketh GMO Engenharia Versão 1

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO 9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO Instrução de trabalho de concretagem de peça estrutural Fonte: Modelos elaborados e cedidos pela Construtora Giacomazzi Ltda., de Curitiba-PR. 1. OBJETIVO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Gestão Integrada Conteúdo Gestão Integrada Getsão de Fluxos Físicos Gestão

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE PREÇO UNITÁRIO Cliente: Edificações Obra: CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL DO PARI Local: VÁRZEA GRANDE - MT 1 Estaca raiz diâmetro de 200mm M 1 0102015 Ferreiro (sgsp) H 0,847272

Leia mais

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica 182 6 RESULTADOS OBTIDOS 6.1 Sistematização do SHTM 6.1.1 Modelagem sistêmica A tarefa de se construir prédios depende de um sistema organizado que funcione. Para que um prédio seja erguido, é necessário,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO. Serviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado

ESTUDO COMPARATIVO. Serviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado ETUDO COMPARATIVO erviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado OBJETIVO Determinar os custos de aplicação do CAA, na execução de lajes e vigas de uma estrutura de concreto armado

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Marco Moschini CSG Engineering Local: UNIDAVI - Rio do Sul / SC BIM ( Building Information Modeling ) ( Modelagem da Informação da Construção )

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.1. Cronogramas de barras Cronograma é uma representação gráfica da execução de um projeto, indicando

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE LOGÍSTICA DE OBRAS Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE Integração Sistêmica GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO CONSTRUTIVO NA EMPRESA Parede Controles, Indicadores de desempenho Laje Organização lay-out, fluxo

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Id Nome da tarefa Duração %

Id Nome da tarefa Duração % 1 PONTE SOBRE O RIO TOCANTINS - Projeto de Reforço Estrutural 1667 dias 6% Qui 01/12/11 2 PRODUTOS FEL 3 797 dias 51% Qui 01/12/11 3 Escopo do projeto 390 dias 100% Qui 01/12/11 4 FCE 5 dias 100% Qui 01/12/11

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura Sistemas de mecanização Engª Elza Nakakura Etapas de serviços de revestimento Etapas Convencional Projetado Recebimento/armazenagem Dosagem da argamassa 3 produtos Baias Peneirar areia Quantificação dos

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CÉSAR RODIGHERI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO Como garan4r um bom detalhamento de custos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Set/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009 ANEXO I-D ORÇAMENTO ESTIMATIVO ANALÍTICO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PELOTAS/RS ORÇAMENTO - PLANILHA ANALÍTICA BDI = 19,57% e LS = 176,82% DATA: JULHO/2009 CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE COEF. PREÇO(R$) TOTAL

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo Disciplina: EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO professor: Manuel Vitor critério de avaliação: (P1 + P2)/2 + 0,2xSemin. Programa: - leitura, interpretação

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade)

Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade) Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade) //2 ISO 9:2 (Baseado no Manual da da empresa) Visão inicial: Indicadores do SGQ com detalhamento dos gráficos anuais dos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Introdução Contexto da indústria da construção civil

Introdução Contexto da indústria da construção civil LOGÍSTICA EM OBRAS Introdução Contexto da indústria da construção civil Ausência de indicadores confiáveis de produtividade/consumo Projetos despadronizados ( artesanais ) Mão-de-obra escassa, cara, baixa

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais