Impostos sobre Veículos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impostos sobre Veículos"

Transcrição

1 Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos está sujeita ao pagamento de Imposto sobre Veículos (ISV) e IVA. Enquanto proprietário, a empresa terá de pagar anualmente o Imposto Único de Circulação (IUC). Para ambos os impostos, estão previstas isenções e reduções específicas. Imposto sobre Veículos O Imposto sobre Veículos (ISV) é devido pela matrícula dos seguintes veículos: - automóveis ligeiros de passageiros, de mercadorias ou mistos; - automóveis de passageiros (com mais de kg e até 9 lugares); - autocaravanas; - motociclos, triciclos e quadriciclos. Estes veículos só podem ser comercializados depois de pago o ISV. É também devido ISV quando: - se altere a cilindrada, o motor ou o chassis destes veículos; - se transformem veículos ligeiros de mercadorias em veículos ligeiros de passageiros; - se requeira uma nova matrícula após cancelamento da matrícula inicial junto do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT), quando tenha havido direito ao reembolso de imposto ou outra vantagem fiscal. Ou seja, só após o pagamento deste imposto, ou a verificação de condições de isenção, é que se obtém a matrícula de qualquer veículo. Este imposto é também devido por quem adquirir um automóvel, novo ou usado, fora de Portugal, e pretenda obter uma matrícula portuguesa, que é necessária para que o veículo possa circular legalmente no nosso país. 1

2 Não estão sujeitos a ISV os seguintes veículos: veículos não motorizados; veículos movidos exclusivamente a eletricidade ou a energias renováveis não combustíveis; ambulâncias; ligeiros de mercadorias com peso bruto de kg, com caixa aberta ou sem caixa e sem tração às quatro rodas; ligeiros de mercadorias com lotação máxima de três lugares incluindo o condutor (exceto os de caixa fechada com altura inferior a 120 cm e os de caixa fechada com tração às quatro rodas, que beneficiam de redução). Este imposto é ainda devido quando as características essenciais do veículo tenham sido alteradas, originando o seu enquadramento numa categoria diferente daquela com que foi inicialmente matriculado, designadamente quando: se altere a cilindrada, o motor ou o chassis destes veículos; se transformem veículos ligeiros de mercadorias em veículos ligeiros de passageiros; se requeira uma nova matrícula após cancelamento da matrícula inicial junto do IMTT, e tenha havido direito ao reembolso de imposto ou outra vantagem fiscal. O imposto a pagar é apurado por autoridades oficiais. O seu valor é calculado pela diferença entre o ISV pago inicialmente e o ISV a pagar, corrigida pelos anos de uso do veículo. O ISV a pagar depende da utilização, da cilindrada (c.c.), do combustível e do nível de emissões de dióxido de carbono da viatura, dos veículos automóveis. Nos veículos a gasóleo também é relevante o nível de emissão de partículas. O apuramento do ISV devido por cada viatura efetua-se, conforme o caso, por aplicação das seguintes tabelas: TABELA A Automóveis de passageiros e ligeiros mistos a que não se aplique a Tabela B Escalão de cilindrada (centímetros cúbicos) Componente Cilindrada (por centímetro cúbico) Parcela a abater Até ,97 EUR 718,98 EUR Mais de ,56 EUR 5.212,59 EUR 2

3 Escalão de CO2 (em gramas por quilometro) Veículos a gasolina Componente Ambiental Parcela a abater Até 115 4,03 EUR 378,98 EUR De 116 a ,81 EUR 4.156,95 EUR De 146 a ,72 EUR 5.010,87 EUR De 176 a ,59 EUR ,52 EUR Mais de ,39 EUR 23,321,94 EUR Veículos a gasóleo Até 95 19,39 EUR 1.540,30 EUR De 96 a ,49 EUR 5.023,11 EUR De 121 a ,06 EUR ,34 EUR De 141 a ,85 EUR ,57 EUR Mais de ,97 EUR ,67 EUR Beneficiam de 50% de redução sobre o valor resultante da aplicação desta tabela, os seguintes veículos: Ligeiros mistos com peso bruto superior a kg. e lotação mínima de 7 lugares, sem tração às quatro rodas; Ligeiros de passageiros movidos exclusivamente a gases de petróleo liquefeito (GPL) ou gás natural; Ligeiros de passageiros equipados com motores híbridos, preparados para consumir no seu sistema de propulsão, energia elétrica ou solar e, alternativamente, gasolina ou gasóleo. TABELA B Automóveis ligeiros de mercadorias, de caixa fechada, com 3 lugares (com caixa inferior a 120 cm ou com tração às quatro rodas) Escalão de cilindrada (centímetros cúbicos) (por centímetro cúbico) Parcela a abater Até ,34 EUR 2.799,66 EUR Mais de ,26 EUR ,16 EUR Beneficiam de redução sobre o valor resultante da aplicação desta Tabela, os seguintes veículos: Veículos fabricados antes de 1970, mediante prévia aplicação da tabela D com redução a 95%; 3

4 Ligeiros de mercadorias com caixa aberta, ou sem caixa, mais de 3 lugares e com tração às quatro rodas com redução de 30%; Ligeiros de mercadorias com ou sem caixa, sem tração às quatro rodas e, tendo caixa se esta tiver altura superior a 120 cm com redução a 10%; Ligeiros de mercadorias com caixa aberta ou sem caixa, mais de 3 lugares e tração às quatro rodas, permanente ou adaptável com redução de 50%; Ligeiros mistos com mais de kg, caixa com pelo menos 145 cm de comprimento e 130 de altura e separação inamovível entre condutor e sem tração às quatro rodas com redução a 15%; Ligeiros de mercadorias com caixa aberta ou sem caixa, mais de 3 lugares e sem tração às quatro rodas com redução a 15%; Autocaravanas com redução a 15%. TABELA C Motociclos, triciclos e quadriciclos Escalão de cilindrada (centímetros cúbicos) De 120 até 250 De 251 até 350 De 351 até 500 De 501 até 750 Mais de 750 Valor 60 EUR 75 EUR 100 EUR 150 EUR 200 EUR Tempo de uso TABELA D Veículos Usados Percentagem de redução Mais de 1 a 2 anos 20 Mais de 2 a 3 anos 28 Mais de 3 a 4 anos 35 Mais de 4 a 5 anos 43 Mais de 5 anos 52 Assim, para calcular o ISV de um veículo de passageiros ou de um ligeiro misto, além da cilindrada, veja qual o combustível e o nível de emissões de CO2, e efetue as seguintes operações utilizando a Tabela A: 4

5 ISV = Componente Cilindrada + Componente Ambiental = (cc x Taxa Parcela a abater) + (g/km x Taxa Parcela a abater) Para os veículos abrangidos pela Tabela B, o valor de ISV a pagar obtém-se pela aplicação da taxa correspondente ao escalão de cilindrada do veículo, deduzindo-se ao resultado a respetiva parcela a abater. Após determinação do ISV devido, por aplicação das Tabelas A e B, os veículos mais poluentes movidos a gasóleo terão um agravamento de 500 EUR. Porém, para os veículos ligeiros de mercadorias, com ou sem caixa, e máximo de três lugares (sem tração às quatro rodas e, tendo caixa, esta seja superior a 120 cm), que apresentem níveis de emissões de partículas inferiores a 0,003 g/km, tal agravamento é reduzido para 250. Para cálculo do ISV devido por automóveis movidos com motores Wankel, a cilindrada a considerar corresponde ao dobro da nominal. Por último, refira-se que quando os veículos não estejam isentos ou excluídos de tributação, o ISV tem sempre o valor mínimo de 100 euros, sendo este o valor a pagar quando, após a dedução da parcela abater ou da redução referente às partículas, se apure um resultado inferior a 100 euros. Benefícios Fiscais As taxas do ISV podem ser reduzidas em determinados casos, designadamente: - na aquisição de veículos usados e adquiridos fora de Portugal; - na aquisição de veículos que consumam exclusivamente Gás de Petróleo Liquefeito (GPL) ou gás natural; - na aquisição de veículos que consumam gasóleo ou gasolina, em simultâneo com GPL, gás natural ou outras energias renováveis; - na aquisição de veículos para o serviço de aluguer com condutor, como por exemplo, os táxis. Os automóveis ligeiros de mercadorias, com mais de três lugares incluindo o condutor, caixa aberta ou sem caixa, e tração às quatro rodas, permanente ou adaptável, só pagam 50% de ISV calculado a partir de tabela própria apenas com a componente cilindrada. Por último, pagam apenas 15% de ISV calculado a partir de tabela própria apenas com a componente cilindrada, os seguintes veículos: 5

6 ligeiros mistos com mais de kg., caixa com mais de 145 cm de comprimento e 130 cm de altura interior com separação inamovível entre o espaço de passageiros e o de carga, e sem tração; ligeiros de mercadorias de caixa aberta ou sem caixa, com mais de três anos e sem tração às quatro rodas; autocaravanas. Os automóveis ligeiros de passageiros que utilizam como combustível exclusivamente GPL ou gás natural, só pagam 50% do ISV. Os automóveis ligeiros equipados com motores híbridos, preparados para utilizar como combustível, energia elétrica ou solar, quer gasolina ou gasóleo, só pagam 50% do ISV. Os veículos fabricados antes de 1970 pagam 95% de ISV calculado a partir de tabela própria apenas com a componente cilindrada, sendo-lhes aplicada ainda uma tabela que pondera a sua antiguidade, independentemente da sua proveniência. Os automóveis adquiridos para serviço de aluguer com condutor, com menos de quatro anos de uso, como por exemplo, os táxis, beneficiam de uma redução de 70% do valor do imposto a pagar, desde que não tenham níveis de emissão de CO2 superiores a 175 g/km. Estes veículos podem ficar isentos de ISV se estiverem equipados com um motor de GPL, gás natural ou energia elétrica ou equipados com motores híbridos, preparados para utilizar como combustível quer GPL, gás natural, energia elétrica ou solar, quer gasolina ou gasóleo. Se o veículo adquirido estiver adaptado ao acesso e transporte de deficientes, está igualmente isento de ISV. Esta isenção mantém-se mesmo quando os veículos sejam adquiridos em leasing, e impedem o proprietário de vender o veículo nos cinco anos seguintes à sua aquisição (exceto se for vendido a quem o continue a utilizar no mesmo serviço). Já os veículos ligeiros e mistos adquiridos para serviços de aluguer sem condutor, beneficiam de uma redução de 40% do valor do imposto a pagar, desde que cumpram as seguintes condições: terem um nível de emissões de CO2 até 120 g/km; serem adquiridos por entidades licenciadas para o exercício exclusivo da atividade (rent-a-car); não serem alugados durante mais de três meses seguidos ou interpolados, por ano, à mesma pessoa; não serem cedidos ou onerados a pessoas relacionada com a empresa adquirente; circular sempre acompanhados do contrato de aluguer. 6

7 Veículos Usados A aquisição de veículos usados não determina, em princípio, o pagamento de novos impostos. No entanto, a aquisição de veículos fora de Portugal obriga à sua matrícula, o que determina o pagamento de ISV, cuja taxa varia não só em função da cilindrada do veículo, como também consoante o país onde o veículo tenha sido adquirido e o ano da sua primeira matrícula. Os veículos com mais de seis meses de uso, adquiridos em países da União Europeia, beneficiam de uma redução, em função do número de anos decorrido desde a primeira matrícula do veículo, ou seja, do seu tempo de uso, conforme consta da seguinte tabela: Tempo de uso Percentagem de redução Mais de 1 a 2 anos 20 Mais de 2 a 3 anos 28 Mais de 3 a 4 anos 35 Mais de 4 a 5 anos 43 Mais de 5 anos 52 No entanto, caso não concorde com o valor que resulte da aplicação desta tabela, o proprietário do veículo pode requerer ao Diretor da Alfândega (mediante pagamento prévio de uma taxa), no prazo de 10 dias úteis a contar da data da notificação da liquidação, a avaliação do veículo, para que o Imposto sobre Veículos seja liquidado por aplicação da seguinte fórmula: ISV = V x Y + C VR Em que, se considera que: - ISV é o montante do imposto a pagar; - V é valor comercial do veículo, tomando por base o valor médio de referência indicado nas publicações especializadas do setor, apresentadas pelo interessado, ponderado, mediante avaliação do veículo, caso se justifique, em função de determinados fatores concretos, como a quilometragem, o estado mecânico e a conservação; - VR é o preço de venda ao público de um veículo de referência no ano da primeira matrícula do veículo a tributar, apresentado pelo interessado; - Y corresponde ao imposto calculado com base na componente cilindrada, tendo em consideração a tabela e a taxa aplicável ao veículo, vigente no momento da exigibilidade do imposto; 7

8 - C é o custo de impacte ambiental, aplicável a veículos sujeitos à tabela A, vigente no momento da exigibilidade do imposto, e cujo valor corresponde à componente ambiental da referida tabela. Neste caso, o "veículo de referência" é um veículo automóvel da mesma marca, modelo e sistema de propulsão, ou, no caso de este não constar de informação disponível, um veículo similar, introduzido no mercado nacional, no mesmo ano em que o veículo a regularizar foi matriculado pela primeira vez. Os veículos adquiridos em países não pertencentes à União Europeia, não beneficiam de qualquer redução em função do tempo de uso, ao contrário do que ocorria no Imposto Automóvel que previa uma redução da taxa em 10%. IVA A aquisição de um veículo novo está sujeita a IVA. A taxa aplicada é de 23%, no Continente, ou de 16%, nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, e incide sobre o valor do veículo, acrescido do ISV e dos custos de Transporte, Preparação e Legalização. A aquisição de veículos usados não está sujeita a IVA em Portugal, desde que estejam reunidas as seguintes condições: o veículo seja adquirido num Estado-membro da União Europeia; tenham decorrido mais de 6 meses desde a data da 1ª matrícula; o veículo tenha percorrido mais de km. Por outro lado, sempre que exista uma redução do ISV, o IVA devido a final será também reduzido, por incidir sobre um valor mais baixo. O IVA que incide sobre a aquisição de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas apenas é dedutível pelas empresas cuja atividade seja a venda ou aluguer de viaturas. No entanto, o IVA suportado na aquisição de um veículo ligeiro de mercadorias ou misto com mais de nove lugares, é dedutível por qualquer empresa, independentemente da sua atividade. 8

9 Imposto Único de Circulação As empresas têm pagar anualmente o Imposto Único de Circulação (IUC) referente a cada veículo que tenham no seu ativo fixo tangível, designadamente automóveis ligeiros, motos ou barcos de recreio. O valor a pagar varia não só em função do tipo de veículo, como também da antiguidade e suas características, e é automaticamente determinado pelo sistema informático da Administração Fiscal. Este imposto tem de ser liquidado no Portal das Finanças, sendo conveniente confrontar sempre a informação disponível no sistema informático com os documentos da viatura, para corrigir qualquer erro eventualmente existente. O documento único de cobrança emitido pelo sistema acompanhado pelo comprovativo do respetivo pagamento por qualquer uma das vias habituais, deverão acompanhar os documentos do veículo para comprovar o cumprimento desta obrigação. Os veículos sujeitos a IUC estão divididos em sete categorias, identificadas pelas letras A a G, como se segue: Categoria A - Automóveis ligeiros de passageiros e automóveis ligeiros de utilização mista com peso bruto não superior a kg matriculados desde 1981 até 30 de junho de 2007; Categoria B - Automóveis de passageiros com lotação até 9 lugares e automóveis ligeiros de utilização mista com peso bruto não superior a kg matriculados após 1 de julho de 2007; Categoria C - Automóveis de mercadorias e automóveis de utilização mista com peso bruto superior a kg, afetos ao transporte particular de mercadorias, ao transporte por conta própria, ou ao aluguer sem condutor que possua essas finalidades - veículos com utilização predominantemente profissional; Categoria D - Automóveis de mercadorias e automóveis de utilização mista com peso bruto superior a kg, afetos ao transporte público de mercadorias, ao transporte por conta de outrem, ou ao aluguer sem condutor que possua essas finalidades - veículos com utilização predominantemente profissional; Categoria E - Motociclos, ciclomotores, triciclos e quadriciclos, matriculados desde 1992; Categoria F - Embarcações de recreio de uso particular com potência motriz igual ou superior a 20 kw, registados desde 1986; Categoria G - Aeronaves de uso particular. O IUC é igualmente devido pelos locatários financeiros, adquirentes com reserva de propriedade ou por outros titulares do direito de opção de compra previsto em contrato de locação, relativamente às viaturas que utilizem nessa qualidade. 9

10 Os automóveis matriculados antes de 1981, os motociclos matriculados antes de 1992 e as embarcações de recreio matriculadas até 1986, não estão sujeitos a este imposto. Ao contrário do que ocorria com o seu antecessor, o IUC é devido pelo proprietário de qualquer veículo a ele sujeito, independentemente da sua circulação ou posse. Deste modo, desde 2008, os proprietários de veículos que tenham sido destruídos ou dados de retoma, sem que tenha ocorrido a devida atualização no Registo Automóvel, serão responsáveis pelo pagamento do IUC. Para evitar esta situação, as empresas deverão verificar, no Portal das Finanças, se os veículos cuja propriedade lhes é atribuída estão corretos, e caso detetem qualquer irregularidade, deverão atualizar essa informação. O valor a pagar é calculado com base nas seguintes características dos veículos, consoante a categoria do veículo: combustível (ou voltagem, quando movidos a eletricidade); antiguidade (aferida pelo ano de matrícula ou registo do veículo); cilindrada; emissões de CO2; peso bruto; nº de eixos; tipo de suspensão As taxas do IUC são fixadas em tabelas aplicáveis a cada categoria. Atualmente aplicam-se as seguintes taxas: Categoria A Automóveis ligeiros de passageiros e automóveis ligeiros de utilização mista com peso bruto não superior a kg matriculados desde 1981 até 30 de junho de 2007; Tipo de combustível ou energia utilizada Gasolina (Cilindrada) Outros produtos (Cilindrada) Movidos a eletricidade Voltagem total Imposto anual segundo o ano de matrícula do automóvel Posterior a 1995 Entre 1990 e 1995 Entre 1981 e 1989 Até 1000 cm3 Até 1500 cm3 Até 100 v 17,25 EUR 10,87 EUR 7,63 EUR Entre 1001 e 1300 cm3 Entre 1301 e 1750 cm3 Entre 1751 e 2600 cm3 Entre 1501 e 2000 cm3 Entre 2001 e 3000 cm3 Mais de 3000 cm3 Mais de 100 v 34,61 EUR 19,45 EUR 10,87 EUR 54,06 EUR 30,22 EUR 15,16 EUR 137,17 EUR 72,35 EUR 31,26 EUR 10

11 Entre 2601 e 3500 cm3 Mais de 3500 cm3 229,39 EUR 124,92 EUR 63,61 EUR 408,68 EUR 209,94 EUR 96,46 EUR Categoria B Automóveis de passageiros com lotação até 9 lugares e automóveis ligeiros de utilização mista com peso bruto não superior a kg matriculados após 1 de julho de 2007 Cilindrada (cm3) CO2 (gr/km) Até ,51 EUR Até ,46 EUR Mais de 1251 até ,22 EUR De 121 a ,59 EUR Mais de 1751 até ,34 EUR De 181 a ,18 EUR Mais de ,74 EUR Mais de ,82 EUR O valor a pagar resulta da soma da taxa aplicável à cilindrada com a taxa aplicável às emissões de CO2. O valor obtido pela aplicação desta tabela, deverá ser corrigido em função do ano de aquisição do veículo, mediante aplicação dos seguintes coeficientes: Ano de aquisição Coeficiente , , , , ,15 Categoria E Motociclos, ciclomotores, triciclos e quadriciclos matriculados desde 1992 Cilindrada (cm3) Taxa anual Posterior a 1996 Entre 1992 e 1996 Entre 180 e 250 5,37 EUR 0 Entre 251 e 350 7,59 EUR 5,37 EUR 11

12 Entre 351 e ,34 EUR 10,85 EUR Entre 501 e ,12 EUR 32,46 EUR Mais de ,24 EUR 54,07 EUR Categoria F Embarcações de recreio de uso particular com potência motriz igual ou superior a 20 kw, registados desde ,33 euros / kw Categoria G Aeronaves de uso particular. 0,55 euros / kg Limite máximo = euros Prazo de Pagamento O IUC é pago anualmente até final do mês em que foi efetuada a matrícula ou registo do veículo. No ano de aquisição, o IUC é devido nos 30 dias seguintes ao prazo de registo. De igual modo, quando seja reativada uma matrícula cancelada, o imposto é devido nos prazo de 30 dias após a reativação. O IUC referente às embarcações de recreio e aeronaves para utilização particular é devido durante o mês de janeiro de cada ano, independentemente do respetivo mês de registo. Benefícios Fiscais Beneficiam de isenção, os seguintes veículos: - automóveis e motociclos com mais de 20 anos, que constituam peças de museus públicos e não efetuem deslocações anuais superiores a 500 km; - veículos não motorizados, exclusivamente elétricos ou movidos a energias renováveis não combustíveis; - veículos especiais de mercadorias sem capacidade de transporte; - ambulâncias, veículos funerários e tratores agrícolas; - automóveis ligeiros de passageiros para serviço de aluguer com condutor (letra «T») ou transporte de táxi. 12

13 Referências Código do ISV Código do IUC Atualizado a

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 lano Geral da Exposição 1. Aspectos estruturantes da reforma (Gonçalo Falcão) 2. Novo regime de tributação automóvel (Gonçalo Falcão)

Leia mais

Legislação citada. ANEXO I Código do Imposto Sobre Veículos. Artigo 2.º Incidência objectiva

Legislação citada. ANEXO I Código do Imposto Sobre Veículos. Artigo 2.º Incidência objectiva Lei n.º 22-A/2007, de 29 de Junho Procede à reforma global da tributação automóvel, aprovando o Código do Imposto sobre Veículos e o Código do Imposto Único de Circulação e abolindo, em simultâneo, o imposto

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS (ISV) - PERGUNTAS E RESPOSTAS

IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS (ISV) - PERGUNTAS E RESPOSTAS IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS (ISV) - PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Regularização do ISV A presente informação tem por objectivo dar a conhecer no âmbito da matéria em apreço os procedimentos relativos à regularização

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO... 9 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS E REGRAS GERAIS... 9 Artigo 1.º Princípio da equivalência... 9 Artigo 2.

CÓDIGO DO IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO... 9 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS E REGRAS GERAIS... 9 Artigo 1.º Princípio da equivalência... 9 Artigo 2. CÓDIGO DO IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO... 9 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS E REGRAS GERAIS... 9 Artigo 1.º Princípio da equivalência... 9 Artigo 2.º Incidência objectiva... 9 Artigo 3.º Incidência subjectiva...

Leia mais

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes IVA Dedução em Viaturas de turismo Passa a ser possível a dedução integral do IVA em despesas relativas à aquisição, fabrico, importação, locação e transformação em viaturas ligeiras de passageiros ou

Leia mais

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação www.pwc.pt/inforfisco Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação Aprovado pela Lei n.º 22-A/2007, de 29 de junho Última alteração pela Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro

Leia mais

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação www.pwc.pt/inforfisco Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação Aprovado pela Lei n.º 22-A/2007, de 29 de junho Última alteração pela Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV MOD 0012.01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV MOD 0012.01 MOD 0012.01 MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV ÂMBITO DE APLICAÇÃO AT e público em geral. ELABORADO Direção de Serviços dos Impostos Especiais sobre o Consumo e do VERIFICADO APROVADO 2013/04/19

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

IMPOSTO AUTOMÓVEL DIPLOMA BASE: DECRETO-LEI Nº 40/93, DE 18/02 COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS SUCESSIVAS LEIS ORÇAMENTAIS ATÉ 2007

IMPOSTO AUTOMÓVEL DIPLOMA BASE: DECRETO-LEI Nº 40/93, DE 18/02 COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS SUCESSIVAS LEIS ORÇAMENTAIS ATÉ 2007 IMPOSTO AUTOMÓVEL DIPLOMA BASE: DECRETO-LEI Nº 40/93, DE 18/02 COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS SUCESSIVAS LEIS ORÇAMENTAIS ATÉ 2007 Artigo 1º 1. O imposto automóvel (IA) é um imposto interno que incide

Leia mais

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING 7 dicas para otimizar o Aluguer Operacional de Veículos www.gestao-frotas.com AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV. Utilizador MOD 0012.01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV. Utilizador MOD 0012.01 MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIMPLIFICADO DO ISV Utilizador MOD 0012.01 ÂMBITO DE APLICAÇÃO AT e público em geral. ELABORADO Direção de Serviços dos Impostos Especiais sobre o Consumo e do VERIFICADO APROVADO

Leia mais

Código do Imposto Único de Circulação

Código do Imposto Único de Circulação Código do Imposto Único de Circulação Aprovado pela Lei n o 22-A/2007, de 29 de Junho. O presente diploma entrou em vigor em 1 de Julho de 2007. As alterações, posteriormente, aprovadas estão inseridas

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo Pela Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), foi criado um regime excecional de atribuição

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 4164-(2) ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 22-A/2007 Procede à reforma global da tributação automóvel, aprovando o Código do Imposto sobre Veículos e o Código do Imposto Único de Circulação e abolindo, em

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes I - De ordem geral: 1 - Em que consiste o incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida previsto na lei da fiscalidade verde (Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro) Consiste

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Código do Imposto sobre Veículos

Código do Imposto sobre Veículos Código do Imposto sobre Veículos Aprovado pela Lei n o 22-A/2007, de 29 de junho. O presente diploma entrou em vigor em 1 de julho de 2007. As alterações, posteriormente, aprovadas estão inseridas no próprio

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS APROVADO PELA LEI N.º 22-A/2007, DE 29 DE JUNHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º 67-A/2007, DE 31 DE DEZEMBRO - LEI N.º 44/2008, DE 27 DE AGOSTO - LEI N.º 64-A/2008,

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

Ambiente Reforma da Fiscalidade Ambiental

Ambiente Reforma da Fiscalidade Ambiental 13 de janeiro de 2015 Ambiente Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt Angela Lucas asl@vda.pt Foi publicada, a 31 de dezembro de 2014, a Lei n.º 82-D/2014, que procede à alteração das normas fiscais ambientais

Leia mais

6546-(320) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

6546-(320) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(320) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 4 Nos casos em que a sociedade dominante possua um estabelecimento estável em território português através do qual sejam detidas

Leia mais

A FISCALIDADE E O ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014. Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro

A FISCALIDADE E O ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014. Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro A FISCALIDADE E O ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro As alterações fiscais nos impostos especiais sobre o consumo IEC (1) e ISV (2) 1 harmonizado Carlos Vicente Reverificador

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1.1. Caracterização Imposto sobre o consumo (embora sejam as empresas as entidades que têm de entregar o imposto ao Estado, quem o suporta é o consumidor final);

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE 1 3 Ao nível do IRS, mantém-se a sobretaxa do IRS em 3,5%. No entanto é criado no entanto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 257/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 257/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 257/XII Exposição de Motivos A reforma da fiscalidade verde consiste na alteração, de forma transversal e integrada, das normas fiscais ambientais nos setores da energia e emissões,

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas * Nos termos da lei nº 67/98, de 26.10, a base de dados com todos os clientes desta

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

Orçamento do Estado para 2015, alterações ao Código do IRC e Reforma da Fiscalidade Verde

Orçamento do Estado para 2015, alterações ao Código do IRC e Reforma da Fiscalidade Verde Janeiro 2015 Orçamento do Estado para 2015, alterações ao Código do IRC e Reforma da Fiscalidade Verde Uma perspetiva sobre as principais alterações para 2015 Para além da Reforma do IRS (cujo alerta poderá

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

Manual da Carta de Condução

Manual da Carta de Condução Manual da Carta de Condução Ficha Técnica 2014.10.06 Ficha Técnica MANUAL DA CARTA DE CONDUÇÃO Para conduzir um veículo a motor na via pública é necessário estar legalmente habilitado. O documento que

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de Comissões e Despesas: 09-Nov-2015

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de Comissões e Despesas: 08-Abr-2014

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 2 cada sujeito passivo entrega ao Estado a diferença entre o IVA que liquida nas vendas e prestações de serviços efectuadas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio:

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio: LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS Com o apoio: ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS Index 1. Introdução

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS NELSON RODRIGUES DE BASTOS São João da Madeira, 14 de Abril de 2010 1 AGENDA 1. LINHAS GERAIS DO OE 2010 2. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTICAS (IRC) 3. IMPOSTO DO SELO (IS) 4. IMPOSTOS SOBRE

Leia mais

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Credibom, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos!

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! ALD Automotive Mobilidade sustentável As Nações Unidas prevêm que em 2050 dois terços da população viverá nas cidades, ou seja cerca de 6 biliões de

Leia mais

NOVIDADES E LEMBRANÇAS

NOVIDADES E LEMBRANÇAS NOVIDADES E LEMBRANÇAS Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 1.ª quinzena de Novembro de 2013 1 2 1 - Regime de renovação extraordinária dos contratos de trabalho: - Lei n.º

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO O Preçário completo da BMW Bank GMBH, Sucursal Portuguesa, contém o Folheto

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014) 2.º, n.º 2 3.º, n.º 2, f) 3.º, n.º 2, i) 3.º, n.º 2, m) 3.º, n.º 3, d) 3.º, n.º 4, a) 3.º, n.º 4, e) A emissão de um título de condução pelo IMT passa a determinar a revogação automática do anterior. Por

Leia mais

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GPL Euro 5 da Fiat Segurança Economia Tecnologia Ecologia A Gama Fiat GPL Bi-Fuel 1 GPL Euro 5 da Fiat A nova oferta GPL Euro 5 da Fiat

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014 Proposta de Lei de Reforma da Fiscalidade Verde No dia 23 de Outubro de 2014, foi apresentada pelo Governo,

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

O trio que constitui o título deste artigo

O trio que constitui o título deste artigo 32 Contabilidade Plano de contas, declarações electrónicas e informática O POC admite que as empresas possam criar subcontas, evidenciadas por reticências, segundo as suas necessidades. Neste trabalho

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde 16 de outubro 2014 OBJETIVOS: Reduzir a dependência energética do exterior Induzir padrões de produção e de consumo mais sustentáveis, reforçando a liberdade e responsabilidade

Leia mais

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE Pág: 14 EM CARGA INCENTIVOS PARA VE S Corte: 1 de 8 100% 1000 DEDUÇÃO DE IVA PARA EMPRESAS DESCONTO NA AQUISIÇÃO DE QUADRICICLO PESADO CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE O Orçamento de Estado

Leia mais

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança Lisboa, 16 de Abril de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação obrigatória da faturação Regime dos Bens de Circulação O paradigma em mudança 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014

ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014 ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014 José Soares Roriz 03 de março de 2015 A DECLARAÇÃO MODELO 22 1 A DECLARAÇÃO MODELO 22 3 A declaração modelo 22, a submeter até 31/05/2015, pode integrar

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 1-out-2015

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

APURAMENTO DO IVA IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO MÓDULO 3 ÂMBITO DO DIREITO À DEDUÇÃO APURAMENTO DO IVA. (artigos 19.º a 26.

APURAMENTO DO IVA IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO MÓDULO 3 ÂMBITO DO DIREITO À DEDUÇÃO APURAMENTO DO IVA. (artigos 19.º a 26. IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO APURAMENTO DO IVA MÓDULO 3 José Soares Roriz Março de 2011 APURAMENTO DO IVA Imposto apurado = Imposto a favor do Estado Imposto a favor do sujeito passivo (+) ou ( )

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Credibom, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Conteúdo. 18. Trator De Rodas... 13 19. Trator Esteiras... 13 20. Trator Misto... 13

Conteúdo. 18. Trator De Rodas... 13 19. Trator Esteiras... 13 20. Trator Misto... 13 Conteúdo 1. Automóvel... 3 1.1 Automóvel com chassi... 3 1.2 Automóvel com monobloco... 4 2. Caminhão... 4 3. Caminhão Trator... 5 4. Caminhonete... 5 4.1. Caminhonete com chassi... 5 4.2. Caminhonete

Leia mais

CÓDIGOS REGULAMENTO DA HABILITAÇÃO LEGAL PARA CONDUZIR TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGULAMENTO DA HABILITAÇÃO LEGAL PARA CONDUZIR TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGULAMENTO DA HABILITAÇÃO LEGAL PARA CONDUZIR TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.homepagejuridica.net)

Leia mais

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação Lisboa, 04 de Junho de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Preçário MERCEDES-BENZ FINANCIAL SERVICES PORTUGAL - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário MERCEDES-BENZ FINANCIAL SERVICES PORTUGAL - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário MERCEDESBENZ FINANCIAL SERVICES PORTUGAL INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Leia mais

2ii - Informática & Informação Lda - Consultores de Marketing e Estudos de Mercado Rua Ricardo Espírito Santo, 7 C/V Fte.

2ii - Informática & Informação Lda - Consultores de Marketing e Estudos de Mercado Rua Ricardo Espírito Santo, 7 C/V Fte. Mobilidade na Escola Com o estudo dos padrões de mobilidade na escola pretende-se calcular o impacto que as deslocações dos vários intervenientes na vida escolar tem na emissão de GEE. Estes cálculos tem

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO O Preçário completo da Sofinloc

Leia mais

O ano das Reformas. o,o8. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/

O ano das Reformas. o,o8. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/ Resumo dos aspetos essenciais da Reforma da Fiscalidade Verde e da Reforma do IRS 2015 o,o8 Taxa sobre os sacos de plástico. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 A Lei n.º 64-B/2011, publicada na Série I - 1º Suplemento do DR de 30.11.2011, aprovou o Orçamento do Estado para 2012 e entrou em vigor no dia 1 de Janeiro. O diploma ostenta

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Direitos do Doente Oncológico

Direitos do Doente Oncológico Direitos do Doente Oncológico Guia informativo D i r e i t o s d o D o e n t e O n c o l ó g i c o 1 Introdução Alguns doentes têm direitos e benefícios especiais acrescidos. No que diz respeito aos doentes

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014 Síntese Relevante DIPE 16 de Outubro de 2013 0. ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Principais medidas que afectam os setores da Restauração e Alojamento 3 3.. Imposto sobre o

Leia mais

Portaria n.º 629/2007 de 30/05 - Série I nº104 Regula os prazos de liquidação e pagamento do imposto municipal sobre veículos (IMV)

Portaria n.º 629/2007 de 30/05 - Série I nº104 Regula os prazos de liquidação e pagamento do imposto municipal sobre veículos (IMV) Regula os prazos de liquidação e pagamento do imposto municipal sobre veículos (IMV) A Portaria n.º 500/2006, de 31 de Maio, alterou significativamente os procedimentos de liquidação e pagamento do Imposto

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 1 Alterações legislativas na área da habilitação de condutores Legislação alterada Algumas disposições do Código da Estrada Decreto-lei 313/2009,

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais