CIDADANIA: PRESSUPOSTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO AMAZONAS CITIZENSHIP: A PLAN FOR THE SUSTAINABLE DEVELOPMENT OF AMAZONAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIDADANIA: PRESSUPOSTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO AMAZONAS CITIZENSHIP: A PLAN FOR THE SUSTAINABLE DEVELOPMENT OF AMAZONAS"

Transcrição

1 Revista Eletrônica Aboré - Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo Manaus Edição 03/2007 ISSN CIDADANIA: PRESSUPOSTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO AMAZONAS Romanir Augusto Barbosa Corrêa Lima 1 Lileane Praia Portela de Aguiar 2 RESUMO A cidadania deve ser um pressuposto, um propósito, um plano indispensável para o desenvolvimento sustentável no Amazonas. Fruto de um conceito que ainda está em evolução, amplia-se na medida em que as sociedades democráticas amadurecem a idéia de que o desenvolvimento econômico deve vir acompanhado do desenvolvimento social, que se realiza através de políticas públicas e privadas, baseadas no respeito às leis, aos direitos humanos, civis, políticos e sociais, à diversidade cultural dos povos e ao meio ambiente, que dela façam parte, fundamentais na busca da sustentabilidade. Palavras-Chave: Direitos Humanos Cidadania Desenvolvimento sustentável. CITIZENSHIP: A PLAN FOR THE SUSTAINABLE DEVELOPMENT OF AMAZONAS ABSTRACT Citizenship should be a purpose, an essencial plan for the sustainable development of Amazonas. It is a result of a concept that is still in evolution, as long as democratic societies recognize that economic development should be followed by social development, which takes place throught public and private policies, based on respect to laws, human and constitutionalist rights, and finally, to the cultural diversity of people and environment. Citizenship should be a fundamental part of continuous search for sustainability. Key words: Human Rights Citizenship Sustainable development. 1 Pós-graduando em Turismo e Desenvolvimento Local (UEA), Especialista em Direito Aeronáutico (UESA) e graduado em Direito (UFF). 2 Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia, Especialista em Psicopedagogia e Graduada em Filosofia (UFAM). Docente da Universidade do Estado do Amazonas UEA.

2 1. INTRODUÇÃO A cidadania deve ser um propósito, um plano indispensável para o desenvolvimento sustentável no Amazonas. Como decorre de um conceito que ainda evolui, deve ampliar-se na mesma medida em que a sociedade brasileira, democrática, começa a perceber que o desenvolvimento econômico deve vir acompanhado do desenvolvimento social. Este se realiza através de políticas públicas e privadas baseadas no respeito às leis, aos direitos humanos, civis, políticos e sociais, à diversidade cultural dos povos e ao meio ambiente e são fundamentais na busca das sustentabilidade. Desde os tempos mais antigos, encontram-se registros históricos que apontam conflitos sociais, muitos que resultaram em guerras, contra a opressão dos que detinham o poder, a favor de uma participação mais efetiva da sociedade e na busca do reconhecimento de direitos individuais e coletivos. Sendo assim, a cidadania tem uma profunda ligação com a luta pelos direitos humanos. Atualmente, ser cidadão é ter acesso a direitos: civis, políticos, econômicos, culturais e sociais, mas também é ter deveres, para com a família, o Estado e para com a sociedade, mas nem sempre foi assim. 2. CIDADANIA NA ANTIGÜIDADE Na Antigüidade, a atividade política era exercida pelos reis, imperadores, faraós e tiranos. Os povos ocidentais: egípcios, babilônicos, persas, incas e astecas, pouco conheciam seus direitos e deveres, que eram restritos aos seus governantes. Todavia, dois povos muito contribuíram para a idéia de cidadania: os gregos, que influenciaram os modernos ideais políticos, como os da liberdade, justiça e respeito às leis e os romanos, que embora não admitisse a igualdade entre os homens, protegeram as liberdades individuais e a família. 3. CIDADANIA NA IDADE MÉDIA (século V ao XV) Na Idade Média, com a desintegração do Império Romano no Ocidente e o fim do Império Romano no Oriente (Queda de Constantinopla), houve o desmoronamento das instituições políticas romanas e o enfraquecimento da idéia de cidadania. Surge um novo sistema econômico, político e social; o feudalismo. Esta sociedade era composta pelo clero (poder religiosos), a nobreza (senhores feudais) e os camponeses,

3 que trabalhavam para os nobres, senhores das terras, pagavam-lhes tributos e os serviam, em troca de proteção às suas famílias e do uso destas terras, em que trabalhavam (vassalagem). 4. CIDADANIA NA IDADE MODERNA (século XV ao XVIII) A Idade Moderna é um período de transição, que se iniciou em 1453, com a Tomada de Constantinopla pelos turcos e se estendeu até o término da Revolução Francesa, em Na Inglaterra, os barões e o clero inglês impuseram ao rei João Sem Terra, o reconhecimento de um conjunto de garantias individuais: A Magna Carta Libertatum, que foi reiterada em 1628, com a Petition of Rights, que limitava o poder real. Em 1679 surge o Habeas Corpus Acta, suprindo as prisões arbitrárias e em 1688, a Bill of Rights, ou Declaração dos Direitos, que previa uma forma de separação dos poderes, o princípio da legalidade, o direito de petição e a imunidade parlamentar. A Revolução Inglesa do século XVII, decorrente da Revolução Puritana (1640) e da Revolução Gloriosa (1688) afastou definitivamente a influência do catolicismo na Inglaterra e limitou o poder monárquico e absolutista e criou condições indispensáveis à Revolução Industrial do século XVIII e ao avanço do capitalismo. 5. CIDADANIA NA IDADE CONTEMPORÂNEA A Idade Contemporânea, que se inicia no final do século XVIII, que ficou conhecido como o século das luzes foi importante para a construção do atual conceito de cidadania. O Iluminismo, movimento surgido na Europa na metade do século XVIII, enfatizava a razão e a ciência como formas de explicar o universo e valorizava o ser humano e impulsionou o capitalismo e influenciou toda a Europa e a independência dos Estados Unidos. Pensadores como Rousseau, Montesquieu, Diderot e Voltaire defendiam a participação popular e os ideais de liberdade e igualdade, na França, ensejando os novos ideais de Estado e de cidadania.

4 Na Alemanha destacaram-se Imannuel Kant, Mendelssohn e Lessing. No Reino Unido, John Locke, David Hume, Edward Gibbon e Adam Smith, exerceram a liberdade de expressão e desenvolveram seu pensamento, sem o controle da igreja católica. A Declaração de Independência dos Estados Unidos (1776), estabelece princípios democráticos e a soberania popular: limita o poder estatal, divide os poderes do Estado e protege diversos direitos humanos, tais como: a liberdade religiosa, a ampla defesa, o tribunal de júri, e defende a igualdade de todos perante a lei. A Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789), trouxe ao mundo os ideais universais (liberdade, igualdade, fraternidade) que não ficaram restritos ao seu território, mas contagiaram a Europa, Ásia e América, diferente da Declaração de Independência dos Estados Unidos, que estavam mais interessados em afirmar sua própria independência que difundir seus ideais pelo mundo. Nos séculos XVII, XVIII e XIX, a proteção dos direitos humanos estava mais ou menos restrita às legislações internas de alguns países, como na Inglaterra, na França e nos Estados Unidos, mas as questões humanitárias só tinham repercussão internacional quando ocorria determinada guerra, ou conflito, mas as discussões logo se arrefeciam, quando se mencionava o problema da ingerência interna em um Estado soberano. 6. CIDADANIA NO SÉCULO XIX E XX No início do século XIX, dá-se o início dos movimentos de independência das colônias nas Américas, influenciados pelas idéias liberais trazidas pela Revolução Francesa. Em 1838, na Inglaterra, surgem os primeiros sindicatos, influenciados pelo aparecimento das idéias socialistas e das revoluções liberais; em 1845, o parlamento britânico aprova a Bill Aberdeen, lei que proíbe o tráfico negreiro no mundo. Entre , nos Estados Unidos, os estados latifundiários, aristocratas e escravagistas do sul e os estados industrializados e abolicionistas do norte provocam a Guerra Civil Americana, ou a Guerra de Secessão, com um saldo de 600 mil mortos e a vitória do norte. O século XX é marcado por décadas de grandes conflitos expansionistas e revoluções, nas Américas, Europa, África e Ásia, quando eclodem a Primeira ( ) e a Segunda Grande Guerra Mundial ( ), tendo a Europa como palco. Terminada

5 a Segunda Guerra Mundial, o mundo soube das terríveis atrocidades cometidas pelos nazistas, que vitimaram milhões de seres humanos da maneira mais cruel imaginável. Indignados, os principais chefes de Estado constituíram um Tribunal Internacional, em Nuremberg, com o objetivo de julgar os autores destes crimes. 7. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (ONU, 1948) Com a Declaração Universal, cidadãos não são somente aqueles detentores dos direitos civis e políticos, mas sim, todos aqueles que estão no âmbito da soberania de um Estado e dele recebem direitos e deveres, civis, políticos, sociais, econômicos e culturais. Cidadãos não são mais aqueles detentores de direitos civis e políticos, mas todos aqueles que estão no âmbito da soberania de um Estado e dele recebam direitos e deveres, sociais, econômicos e culturais. Tanto a primeira Conferência dos Direitos Humanos (Teerã, 1968) quanto a Segunda (Viena, 1993) reiteraram os princípios da Declaração Universal de 1948 e consagraram os direitos humanos como um tema universal, ratificando os princípios da universalidade, indivisibilidade e interdependências. 8. ATUAL CONCEITO DE CIDADANIA Sobre o atual conceito de cidadania, o que há, na verdade, é um conceito histórico, e não uma definição estática, o que significa que seu sentido varia no tempo e no espaço, como adverte, sabiamente, o historiador Jaime Pinsky (2005, p.10): não se pode imaginar, portanto, uma seqüência única, determinista e necessária para a evolução da cidadania em todos os países.... Para o jurista Dalmo Dallari (1998, p.14) é um conjunto de direitos que dá à pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de seu povo, enquanto o historiador Jaime Pinsky (2005, p.9) nos ensina que: Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei: é, em resumo, ter direitos civis. É também participar do destino da sociedade, votar, ser votado, ter direitos políticos. Os direitos civis e políticos não asseguram a democracia sem os direitos sociais, aqueles que garantem a participação do indivíduo na riqueza coletiva: o direito à educação, ao trabalho, ao salário justo, à saúde, a uma velhice tranqüila. Exercer a cidadania plena é ter direitos civis, políticos e sociais.

6 9. CIDADANIA NO BRASIL O processo de internacionalização dos direitos humanos, cujo marco inicial foi a Declaração Universal dos Direitos Humanos, influenciou positivamente a nova concepção de cidadania introduzida pela Constituição Federal Brasileira de 1988, que passou a comungar os direitos humanos internacionalmente consagrados com a atual concepção de cidadania. A atual Constituição instituiu novos instrumentos legais que foram colocados à disposição dos cidadãos: o Código de Defesa do Consumidor, o novo Código de Trânsito; o novo Código Civil e o Estatuto da Criança e do Adolescente, entre outros ordenamentos jurídicos, que ampliaram direitos. A nova Carta assegurou a todos os cidadãos a Ação Popular, a Ação Civil Pública, o Mandado de Injunção, o Mandado de Segurança entre outros, além da instituição do Ministério Público, importante instrumento na defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Com a volta da democracia e do estado de direito, em 1985, parte da sociedade brasileira, a mais politizada, passou a se organizar e reivindicar direitos, embora timidamente: novos partidos políticos surgiram, e aos poucos, o eleitor passou a participar mais diretamente da vida política do país, ao eleger por via direta, candidatos a cargos executivos, uma vez que no regime militar, a participação era limitada. Fato semelhante ocorreu com a classe trabalhadora, quando parte dela, como a dos metalúrgicos da região metropolitana de São Paulo, por exemplo, mais organizados, passaram a exigir melhores condições de trabalho e melhores salários, exercendo inclusive o direito de greve. Surgiram, também, as Organizações Não-governamentais (ONGs), que passaram a atuar principalmente na área social e a desenvolver importantes trabalhos e projetos sustentáveis, de construção da cidadania e inclusão social. Contudo, espera-se uma participação mais efetiva da sociedade brasileira, embora se reconheça que os anos de chumbo da ditadura militar, que se estenderam de 1964 a 1985, tenham deixado profundas marcas na memória coletiva nacional. Neste período, que durou 21 anos, foram inibidas e reprimidas várias lideranças: populares, estudantis, sindicais, políticas, sociais e intelectuais, tidas como subversivas. O povo brasileiro foi privado da participação política e não pôde cobrar dos governantes ações efetivas que

7 pudessem garantir melhores condições de vida. Mas este capítulo da histórica nacional deve ser superado. Embora traumático, não justifica, de forma alguma, a verdadeira apatia de grande parte da sociedade, quando é chamada a participar, individual ou coletivamente. Não se pode esperar que os governos façam tudo. A sociedade deve ser mais atuante e interferir mais nos destinos do país. A participação política, social, econômica e cultural, antes de um direito, é um dever de todos. Mas falar de cidadania no Brasil ainda é um grande desafio. Em 2005, segundo estudo divulgado pela ONU, o Brasil é o oitavo país socialmente mais injusto do mundo, à frente apenas da Guatemala e dos africanos Suazilândia, República Centro-Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia. Sobre a corrupção no Brasil, de acordo com estudo realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o custo médio anual é de R$ 26 bilhões, o equivalente a 1,35% do Produto Interno Bruto (PIB). Somados os gastos previstos para 2007 de sete Ministérios (MC, Mtur e MMA), chega-se ao valor de R$ 25,6 bilhões. Em outro estudo, divulgado pelo Banco Mundial (Bird), em julho de 2007, o nível de corrupção no Brasil é o pior em dez anos. Foram analisados 122 países e territórios e avaliados vários itens relacionados à prestação de contas, administração, violência, entre outros. A informalidade é outro grave problema no Brasil: estima-se que o país tenha mais de 32 milhões de trabalhadores sem proteção social, que não têm acesso a benefícios previdenciários ou assistência social, de acordo com o Ministério da Previdência Social. De acordo com o Ministério, estes benefícios contribuem para a redução da pobreza e sem estes mecanismos de proteção social, o país teria 21 milhões de brasileiros a mais, abaixo da linha de pobreza: ganhando menos de um salário mínimo por mês. A Previdência Social é um seguro que garante a renda do contribuinte e de sua família, em casos de doença, acidente, gravidez, prisão, morte e velhice (08), mas faz-se necessária a inscrição e uma contribuição mínima, o que nem sempre é possível para as classes mais pobres. O Brasil enfrenta dezenas de problemas sociais, políticos e econômicos, que são históricos: ligados à pobreza, à injustiça social e à concentração de riquezas, que são

8 óbices, impeditivos ao pleno exercício da cidadania e do desenvolvimento sustentável, que ocorrem, principalmente, nas camadas menos favorecidas da sociedade. Tais problemas, seriíssimos, devem ser enfrentados, minimizados e se possível superados, não somente pelo governo federal, o que mais dispõe de recursos - já que os governos estaduais e municipais estão praticamente falidos-, mas, também, por todas as instituições públicas e privadas, militares e civis: igrejas, escolas, universidades, sindicatos, associações de classe, organizações não-governamentais, empresas, enfim: por toda sociedade organizada. O desafio é este: o de levar a plena cidadania aos excluídos. 10. CIDADANIA NO AMAZONAS No estado do Amazonas, a realidade não é muito diferente. Após o ciclo econômico da Borracha e do seu apogeu ( ), o estado enfrentou a concorrência asiática e sua economia entrou em declínio, fazendo surgir sérios problemas, como o desemprego e a exclusão social, de milhares de seringueiros que extraíam o látex da floresta. Com o advento da Segunda Guerra Mundial, entre , em pleno Estado Novo de Getúlio Vargas e a entrada no Brasil na guerra, o governo brasileiro firmou contrato com o americano, em 1942, esperando obter empréstimos para implantar um parque siderúrgico e comprar material bélico, conforme relatou a Revista ÉPOCA, em sua edição de junho deste ano: o país deveria permitir a instalação de uma base americana em Natal e garantir o fornecimento de produtos como alumínio, cobre, café e borracha, uma vez que os seringais da Malásia, controlados pelos ingleses, estavam bloqueados pelo Japão. Foi assim que o governo recrutou e enviou para a região mais de 100 mil homens, totalmente desprovidos de direitos e garantias, sem a mínima noção de cidadania, formada principalmente por nordestinos, sertanejos, vítimas de mais uma Seca, para fazer com que a produção de látex saltasse de 18 para 45 mil toneladas. Este episódio ficou conhecido como A Batalha da Borracha e estima-se que tenham morrido mais de 31 mil homens (soldados da borracha), de malária, febre amarela, hepatite e onça (10). Terminada a guerra, em 1945, os sobreviventes foram entregues à própria sorte, ou retornaram para suas cidades e até hoje, em 2007, lutam pelo reconhecimento dos seus direitos e por indenização.

9 Apesar de tudo, os antigos moradores de Manaus contam que nas décadas de 1950, 60 e 70, vivia-se modestamente, mas vivia-se bem. A educação pública era de boa qualidade e os professores respeitados. Os hospitais públicos eram suficientes para atender as demandas básicas da população. A cidade era pequena, andava-se a pé, sobre largas e arborizadas calçadas (hoje ocupadas por trabalhadores informais, que vendem toda sorte de quinquilharias e quitutes de procedência duvidosa). 11. CIDADANIA, MIGRAÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E PROBLEMAS SOCIAIS A partir do final da década de 1960, e nas seguintes, após a criação da Zona Franca e da posterior instalação do Pólo Industrial de Manaus, tanto o estado do Amazonas, quanto sua Capital, Manaus, passaram a receber milhares de imigrantes de todas as regiões do Brasil. O Pólo Industrial, atualmente, tem mais de 450 empresas instaladas, faturamento de US$ 22 bilhões (2006), gera aproximadamente cem mil empregos diretos e quatrocentos mil indiretos. É um dos mais prósperos modelos de desenvolvimento econômico, incentivados pelo governo federal, que deram certo na região Amazônica. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Censos de ), o crescimento demográfico do Amazonas foi de 3,3% ao ano: um dos maiores do país. A população do estado que era de (1970), saltou para (2000). Conforme a última estimativa, a população de Manaus era cerca de (2006) e do Amazonas habitantes (13) e continua crescendo, por causa ela intensa imigração. Nas décadas de 1980/1990, os problemas sócio-ambientais enfrentados por outras cidades e estados mais populosos do país pouco eram sentidos no Amazonas, ou em Manaus. Sabia-se da existência dos mesmos, mas não eram tão numerosos ou não ocorriam com tanta intensidade, se comparados às cidades e estados vizinhos, embora distantes, ou de outras regiões, como acontecem nos dias atuais. Lia-se pelos jornais e ouvia-se pela televisão. Hoje, a realidade é outra, bem parecida com a dos grandes centros. Estaria o Amazonas, ou Manaus, ou qualquer outro lugar no Brasil, preparados para receber centenas de milhares de novos habitantes por ano, aumentando suas demandas por emprego, habitação, transportes, infra-estrutura, dentre outras, se mal conseguem resolver seus próprios problemas sociais, políticos e econômicos?

10 O Programa federal Luz para todos, por exemplo, que deveria atender 81 mil famílias no interior do Amazonas até 2008, está atrasado e só atendeu 14 mil. O dado foi apontado no relatório do Ministério de Minas e Energia (16), divulgado em 19 de junho de Dá para se falar de cidadania, ou de inclusão social, para brasileiros que, em pleno século XXI, ainda vivem à luz de velas e candeeiros? A partir da década de 1990, no sul e sudoeste do Amazonas, aumentaram os casos de desmatamento, garimpo ilegal e conflitos de terras, além de doenças tropicais, como a malária e febre amarela que são relacionadas ao avanço humano sobre as florestas primárias. Em Manaus, agravaram-se os problemas, tais como: invasões de terras públicas e privadas e de áreas protegidas em seu entorno, déficit de moradias, especulação imobiliária, poluição de mananciais e igarapés, desemprego, aumento da informalidade, ocupação desordenada do espaço urbano (terrenos, ruas, calçadas e praças), principalmente em áreas comerciais, exploração do trabalho infantil, mendicância, prostituição e criminalidade. A população da capital e do interior está cada vez mais preocupada com o aumento da criminalidade e começa a percebê-la, da pior forma possível, quando dela é vítima. Esta sensação não é psicológica, mas um fato, amplamente reconhecido pela sociedade. Infelizmente, esta realidade é minimizada por algumas autoridades (que parecem se sentir seguras), enquanto a população sofre as conseqüências. Cidadania é ter acesso a serviços públicos de qualidade, que visem a melhoria de vida da população. No entanto, o que ocorreu no Amazonas, nestes últimos 20 anos é que, na mesma proporção do aumento populacional, aumentaram as demandas da população por todos os tipos de serviços públicos, tais como: a necessidade por novas moradias, a melhoria do transporte público, hospitais, escolas, saneamento básico, limpeza urbana, segurança pública, justiça, dentre outros, sem que o estado tenha recebido por parte dos governos municipal, estadual e federal os investimentos necessários para a sua ampliação e modernização. Tais necessidades, comuns à maioria das grandes cidades brasileiras, acabaram por agravar, ainda mais, os antigos problemas, já existentes, tanto no interior quanto na Capital do estado do Amazonas. Como se falar em cidadania para os milhares de migrantes que se destinam anualmente para a periferia de Manaus, que chegam em busca de melhores condições de vida e não as encontram, pelo contrário, ajudam a aumentar as estatísticas dos excluídos

11 sociais? Ou para os ribeirinhos e caboclos que vivem às margens dos rios no interior do estado, que muitas vezes contam mais com a ajuda das Organizações Não-governamentais, estrangeiras, que a do governo brasileiro? E a questão do índio? Como falar em cidadania para os povos indígenas que estão cada vez mais urbanizados? 12. CIDADANIA E INCLUSÃO SOCIAL NO AMAZONAS O Amazonas tem a maior população indígena do Brasil, com cerca de indígenas: metade da região Norte ( ), um terço da Amazônia Legal ( ) e um quarto do Brasil ( ). É uma importante questão a ser resolvida, que envolve cidadania, inclusão social, questões ambientais e manutenção de valores culturais (18). Um bom exemplo de inclusão social e cidadania: a Prefeitura de Manaus em 2006, deu posse aos doze primeiros professores indígenas bilíngües, que irão atuar em comunidades da zona urbana e rural da capital amazonense. Foi o primeiro passo para a educação indígena na cidade, que atendeu as etnias que vivem ali vivem. A cidade se tornou a pioneira no país a trabalhar a educação diferenciada dos índios urbanos, que precisam dela para que preservar suas culturas, o que é muito positivo. Apesar disso, a falta de planejamento urbano, de investimentos em infra-estrutura e de políticas públicas descentralizadas em muito têm dificultado o pleno acesso à cidadania e gerado enormes conflitos sociais, culturais, ambientais e políticos no Amazonas. É necessário e indispensável o planejamento de políticas capazes de levar o desenvolvimento também para o interior do Estado e de atender uma demanda crescente por serviços públicos de qualidade, ocasionada por um alto fluxo migratório, superior à capacidade de investimento dos governos e à média nacional. 13. DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL NO AMAZONAS E A BUSCA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Nota-se um grande conflito entre o desenvolvimento econômico e o desenvolvimento social no Amazonas, uma vez que o primeiro parece não ter sido capaz de suprir todas as novas demandas por serviços públicos e privados e não ter contribuído o

12 suficiente para a geração de emprego, renda e melhoria da qualidade de vida, tanto dos antigos quanto dos novos habitantes, que não podem se considerar, embora o sejam, partícipes do desenvolvimento econômico, como empreendedores, trabalhadores, consumidores, contribuintes, e, acima de tudo: cidadãos. Segundo estudo do IBGE sobre as Contas Regionais (2006), o Amazonas ocupava o 2º lugar no país, no resultado acumulado do PIB entre 1985 a 2004, com uma expansão de 314%. Se analisado apenas o período entre 2003/2004, a pesquisa aponta o estado em 1º lugar, com crescimento do PIB de 11,5%, enquanto a média nacional foi menor que 5%. Em relação à renda per capita, o Estado manteve o 6º lugar em 2004 (R$ ). Entre 1994 e 2004, o Amazonas se manteve no 1º lugar, com crescimento de 138% e média de 9% ao ano. A renda per capita do Amazonas ultrapassa em 17,52% a média nacional (R$ 9.729) e em 75% a da região Norte (R$ 6.500). Na mesma época da divulgação deste estudo, a Revista EXAME, de grande circulação nacional, em seu anuário de infraestrutura, classifica Manaus em 29º lugar. Mas, se a economia do Amazonas é tão próspera, para onde vão tantas riquezas? O governo federal, principal arrecadador de impostos, não deveria olhar para a cidade de Manaus e para o Amazonas com mais atenção? Garantir os benefícios fiscais do Pólo Industrial, cuja garantia é Constitucional (até 2023), não é, definitivamente, o suficiente. De acordo com a Universidade de Brasília (UnB), desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades: é o desenvolvimento econômico, social, científico e cultural das sociedades, garantindo mais saúde, conforto e conhecimento, sem exaurir os recursos naturais do planeta e é sob este princípio que as ações voltadas ao desenvolvimento econômico e social do Amazonas devem ser executadas. Por certo, as sociedades industriais não se manterão com os atuais padrões de produção e consumo, se permitirem o esbanjamento de energia, a degradação ambiental e a marginalização social. Como não há consenso em relação ao termo desenvolvimento sustentável, nem deve haver, o ideal seria que as sociedades democráticas, fundamentadas em princípios, de fato, sustentáveis, elaborassem seus próprios conceitos, para que possam deixar um legado melhor às gerações futuras que aquele herdado dos países industrializados, ricos e tidos como desenvolvidos.

13 Não há, portanto, como se falar em projetos de desenvolvimento econômico no Amazonas, sem se falar em desenvolvimento social e sustentável. Não se pode prescindir da cidadania, da inclusão social das comunidades que ali residam e do respeito à diversidade cultural e ambiental, onde os projetos desejam se instalar. Há muito a se fazer no Amazonas para que se possa mudar a triste realidade social em que se encontra. Dos governantes ouvem-se muitas promessas, mas a sociedade organizada não pode esperar, todavia, que os governos façam tudo e tem que se mobilizar, exigir seus direitos, que não são favores, e cumprir seus deveres, individuais e coletivos. O desenvolvimento econômico do estado deve caminhar ao lado do desenvolvimento social. Os projetos devem ser elaborados e executados pelas lideranças políticas, pela sociedade organizada e por todos os cidadãos, sem esquecer as peculiaridades regionais, a cultura local e o meio ambiente natural e humano, dos povos formadores da sua população. CONCLUSÃO É dever, portanto, das lideranças políticas, empresariais, sociais, culturais, religiosas e estudantis do Amazonas, juntamente com toda sociedade, buscar soluções para a superação de seus problemas, em diversas áreas e planejar alternativas viáveis ao seu desenvolvimento, através da elaboração de políticas públicas e privadas na área econômica, social, cultural e ambiental. Tais políticas devem acompanhar o crescimento populacional e econômico do estado, superiores aos índices regionais e nacionais, que possam mitigar os problemas relacionados com a pobreza, a injustiça e concentração de riquezas, como ocorre em quase todo Brasil, incentivando as práticas da cidadania e da inclusão social. Ações voltadas à melhoria da educação pública, baseada no pensamento crítico e na efetiva participação da comunidade, que busquem a qualidade de vida e o bem-estar social são positivas e necessárias, assim como a melhoria de todos os serviços públicos, em todas as áreas. Por isso, o cidadão-eleitor deve entender que as obras públicas, sejam financiadas pelos contribuintes ou através de empréstimos internacionais não são um favor, mas um direito do cidadão, garantido na Constituição Federal. É, por outro lado, uma obrigação, um dever dos governos democráticos, que respeitam os direitos humanos, sociais e culturais e

14 que foram eleitos para representar, e bem, os interesses da população em busca da melhoria da qualidade de vida. Daí a importância do voto consciente e da cobrança, por parte dos eleitores, das promessas de campanha, que geralmente não passam de promessas. Cidadania é ação, é participação. Exige a união de todos em prol do bem-comum: trabalhadores, motoristas, donas de casa, pais, religiosos, consumidores, contribuintes, políticos, eleitores. Enfim, de todos os cidadãos, éticos, que não desejam para outros, aquilo que não querem para si. De acordo com a lei vigente, cidadão é o indivíduo a quem a Constituição Federal confere direitos civis, políticos, sociais, econômicos e culturais, assegurados por um amplo ordenamento jurídico nacional e internacional. A cidadania deve ser encarada por todos como um direito, protegido pelo Estado, que foi conquistado a duras penas e deve ser praticado por todos os cidadãos cientes de que a manutenção da democracia é fundamental para a prática da cidadania. Ser cidadão é ter o direito de votar e ser votado; à liberdade de expressão; de professar uma religião; de se reunir; direito à vida; à propriedade; direito ao acesso à educação; à saúde; à habitação e à segurança, dentre outros, que são direitos humanos, constitucionais, brasileiros e universais. O cidadão consciente é aquele que respeita as leis, sejam civis, penais, ou de trânsito e o que respeita as minorias: sociais, étnicas ou religiosas. É aquele que participa do processo democrático, como candidato ou eleitor e reivindica seus direitos, lutando por sua manutenção ou por melhorias, dentro da legalidade. Por fim, o cidadão consciente é, acima de tudo, sujeito de direitos e deveres e deve ter pleno conhecimento da responsabilidade que tem em participar, individual ou coletivamente, para a construção da plena cidadania, condição indispensável para o desenvolvimento sustentável no Amazonas. REFERÊNCIAS: BARROS-PLATIAU, A. Flávia e GÓIS, A. César Lins de. Direito internacional e globalização. p. 35. BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, p

15 COMPARATO, Fábio Konder. Fundamentos dos direitos humanos. In MARCÍLIO, Maria Luiza e outros (Coord.) Cultura dos direitos humanos. São Paulo: LTr, p DALLARI, D. A. Direitos Humanos e Cidadania. 1.ed. São Paulo: Moderna, p.14 MONTORO, André Franco. Cultura dos Direitos Humanos. In: Direitos humanos: legislação e jurisprudência (Série Estudos, n.º 12), Volume I. São Paulo: Centro de Estudos da Procuradoria Geral do Estado, 1999, p.23. MOSSE, Claude. O cidadão na Grécia antiga. Lisboa: Edições 70, p.51. PINSKY, Jaime. História da Cidadania/Jaime Pinsky, Carla Bassanezi Pinsky, (orgs.). 3. ed. São Paulo: Contexto, p QUINTÃO, S.M.L. Teoria do Estado. 1. ed. Belo Horizonte: Del Rey, p.230. SCHMIDT, Dora. Historiar: Contando e Narrando a História. São Paulo: Scipione, p.110.

16 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja,

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, por intermédio da CNBB, com a Campanha da Fraternidade de

Leia mais

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado;

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Utiliza-se para designar uma dada entidade políticoadministrativa;

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E OUVIDORIAS Prof. Carlos Guimarães Professor da Universidade Estadual da Paraíba Doutorando e Mestre em Ética e Filosofia Política Ex-Ouvidor Público da Assembléia Legislativa -PB O que

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo Ciências Humanas Material de apoio para Aula ao Vivo 1. A charge expressa enfaticamente uma característica do processo histórico de urbanização da sociedade brasileira. A crítica contida na charge refere-se

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE Definições de sustentabilidade sustentar - suster 1. Impedir que caia; suportar; apoiar; resistir a;

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Ambiente destruído...

Ambiente destruído... Voluntariado Ambiente destruído... A qualidade do ar e o aquecimento global ameaçam a vida no planeta Ritmo acelerado Violência nas ruas... Pobreza... MILHÕES DE CRIANÇAS ESTÃO FORA DA ESCOLA Um bilhão

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e das últimas décadas, uma significativa mudança na sua composição populacional. O povo brasileiro está

seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e das últimas décadas, uma significativa mudança na sua composição populacional. O povo brasileiro está O Sr. LUIZ BITTENCOURT (PMDB-GO) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o Brasil vem apresentando, ao longo das últimas décadas, uma significativa mudança na sua

Leia mais

O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT.

O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT. O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT. EXCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL 1% dos brasileiros é dono de 53% das riquezas do país. Nos países capitalistas centrais,

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR ARTIGO 1 o - O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis - MNCR, trabalha pela auto-gestão e organização 1 dos catadores através da constituição

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS ALGUNS MECANISMOS JURÍDICOS A PARTIR DA PERPECTIVA DA VULNERABILIDADE E RESILIÊNCIA DOS POVOS TRADICIONAIS SANDRA AKEMI SHIMADA KISHI skishi@prr3.mpf.gov.br

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de APRESENTAÇÃO A Conferência Mundial sobre Direitos Humanos afirma que a pobreza extrema e a exclusão social constituem uma violação da dignidade humana e que devem ser tomadas medidas urgentes para se ter

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais