PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL (2015-2021)"

Transcrição

1 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) PRESSÕES SOBRE MASSAS DE ÁGUA TRANSFRONTEIRIÇAS Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 1 de 27

2 Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 2 de 27

3 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO DOCUMENTO LADO INTERNACIONAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL CRITÉRIOS ESTABLECIDOS PRESSÕES IDENTIFICADAS Pressões por fontes pontuais Pressões por poluição difusa Pressões por extracção de água superficial Pressões por alteração morfológicas y regulação de fluxo Outras pressões CONCLUSÕES Anexo I: Fichas das massas de água transfronteiriças Anexo II: Fichas de pressões por massa de água superficial ÍNDICE DE TABLAS Tabela 1. Massas de água transfronteiriças correspondentes à DHMS... 5 Tabela 2. Critérios para estabelecer a significância das pressões... 9 Tabela 3. Pressões e impactos significativos associados às massas de água transfronteiriças Tabela 4. Pressões não significativas associadas às massas de água transfronteiriças Tabela 5. Pressões pontuais Tabela 6. Pressões por poluição difusa para a agricultura e a pecuária Tabela 7. Pressões por poluição difusa devido às vias de transporte Tabela 8. Pressões por poluição difusa associadas a estações de serviço Tabela 9. Extracções de água superficial Tabela 10. Pressões por alteração morfológica e regulação de fluxo Tabela 11. Outras pressões ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Massas de água transfronteiriças correspondentes à DHMS... 6 Figura 2. Características básicas da bacia internacional dos rios Minho e Limia Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 3 de 27

4 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) 1. INTRODUÇÃO Conforme ao disposto na Instrução de Planificação Hidrológica (Ordem ARM/2656/2008), as pressões sobre as massas de água superficial (rios, lagos, águas de transição e águas costeiras) incluirão em especial: A poluição originada por fontes pontuais e difusas A extracção de água A regulação do fluxo As alterações morfológicas Os usos do solo Outras afecções significativas da actividade humana. Dentro de esse inventário de pressões realizado para cumprir o referenciado nos Planos Hidrológicos estão em destaque as pressões identificadas como significativas para cada massa. A característica de pressão significativa define-se como aquela que ultrapassa o limite definido a partir do qual pode-se pôr em risco o cumprimento dos objectivos ambientais em uma massa de água. Pelo facto de que só tomaram-se em conta para a realização de este documento as massas de água transfronteiriças, assinala-se que entre as massas de água da região, são consideradas massas de água transfronteiriças da Região Hidrográfica internacional do Minho-Sil, conforme com a definição determinada no artigo 1.1. c) do Convénio sobre cooperação para a protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas hispano-portuguesas, facto ad referéndum em Albufeira no 30 de Novembro de 1998, todas as massas de água superficial que assinalam, atravessam ou encontram-se situadas nas fronteiras entre Espanha e Portugal; no caso de que a foz seja directamente no mar, o limite de ditas águas é estabelecido convencionalmente entre as Partes. 2. OBJETIVOS DO DOCUMENTO No seguinte documento detalha-se as pressões identificadas nas massas superficiais transfronteiriças geridas no lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil. A relação de massas analisadas está na Tabela 1. O documento, conforme com as instruções da Comissão Europeia para o cumprimento da Directiva Enquadre da Água (Directiva 60/20007CE), inclui uma proposta de classificação das pressões significativas, em base com a relação das pressões e dos impactos Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 4 de 27

5 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) detectados nas massas de água. Pela dificuldade do processo, requer-se-á, a partir de esta informação de base, de um estudo pormenorizado de cada massa de água e as características da sua bacia hidrográfica. O documento deve-se ampliar, para um analise completo, com a informação que proporcione Portugal, para poder recolher o analise do lado da bacia hidrográfica que está no seu território. A seguir detalha-se em uma tabela as massas de água transfronteiriças além da representação visual de cada uma delas: CÓDIGO ESPANHA CÓDIGO PORTUGAL NOME CATEGORIA ES000MAC PTCOST20 Internacional Minho Costeira ES503MAT PT01MIN0018 Foz do Miño_trecho2 Transição ES503MAT PT01MIN0016I Rio Minho X Rio Natural PT01MIN0014I Rio Minho IX Rio Natural ES505MAT PT01MIN0023 Foz do Minho_trecho1 Transição ES491MAR PT01MIN0001I Rio Trancoso Río Natural ES513MAR PT01LIM0024I Rio Laboreiro Río Natural PT01MIN0006I Rio Minho VIII Muita Modificada ES512MAR PT01LIM0060 Reservatório de Salas Muita Modificada ES511MAR PT01LIM0028 Reservatório de Lindoso Muita Modificada Tabela 1. Massas de água transfronteiriças correspondentes à DHMS Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 5 de 27

6 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Figura 1. Massas de água transfronteiriças correspondentes à DHMS Nos seguintes pontos detalham-se as pressões identificadas sobre as massas transfronteiriças e realiza-se uma diferenciação entre aquelas que são significativas e as que não são. 3. LADO INTERNACIONAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL Com a aprovação da Directiva Enquadre da Água, surge a oportunidade de abordar uma gestão integrada nas bacias hidrográficas cujos territórios estendem-se por dois estados membros da União Europeia, gestão entendida como um processo Dinâmico e flexível de participação e cooperação em todos os níveis e sectores da Administração pública e dos operadores sociais, com a finalidade de equilibrar os objectivos ambientais, económicos, sociais e culturais de cada bacias hidrográfica, em harmonia e dentro dos limites que estabelece a dinâmica natural. No Real Decreto 125/2007, de 2 de Fevereiro, pelo que é fixado o âmbito das demarcações hidrográficas, ocupa-se do caso especial das bacias partilhadas com Estados vizinhos. Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 6 de 27

7 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Conforme à informação disponível no site da Comissão para a Aplicação e desenvolvimento do Convénio de Albufeira (CADC) e à documentação do Grupo de Trabalho UNECE sobre a Monitorização e Avaliação, descrevem-se as características básicas da mesma. BACIA INTERNACIONAL DOS RIOS MINHO E LIMIA Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 7 de 27

8 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) SUB-BACIA DO RIO MINHO LADO INTERNACIONAL Área sub-bacia (km 2 ) 799,40 Longitude (km) 76 Afluentes principais Trancoso, Moro, Gadanha y Coura Povoação (hab) Densidade (hab/km 2 ) 85 Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monçao y Principais núcleos de povoação Melgaço SUB-BACIA DO RIO LIMIA LADO INTERNACIONAL Área subcuenca (km 2 ) 1.171,53 Longitud (km) 67 Afluentes principales Vez y Laboreiro Población (hab) Dendad (hab/km 2 ) 114 Principales núcleos de población Ponte de Lima, Ponte da Barca y Arcos de Valdevez Figura 2. Características básicas da bacia internacional dos rios Minho e Limia. 4. CRITÉRIOS ESTABLECIDOS No artigo 42 do Texto Refundido da Lei de Águas (TRLA) e no artigo 4 do Regulamento de Planificação Hidrológica (RPH), estabelece-se que, entre outros, o conteúdo dos planos hidrológicos de bacia devem incluir a descrição geral dos usos, pressões de incidências antrópicas significativas sobre as águas. Conforme determina a ORDEM ARM/2656/2008, de 10 de Setembro, pela que aprova-se a instrução de planificação hidrológica, foram estabelecidos os critérios relativos à significância das pressões, que podem ver-se detalhadas na seguinte tabela 2. Só se inclui aqui aqueles que tenham relação com as massas de água transfronteiriça que estão localizadas na DHMS. Código de pressão significativa Critério que estabelece a significância das pressões 1.1 Os efluentes urbanos são de magnitude superior a 250 habitantes equivalentes Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 8 de 27

9 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Código de pressão significativa 1.2 Critério que estabelece a significância das pressões Efluentes de água de tempestade significativos procedentes de povoações, zonas industriais, estradas ou outro o tipo de actividade humana, por meio de vertedouros y outras canalizações e conduções 1.4 Filtrado pelas massas que tenham algum parâmetro mal de estado químico 2.10 Fontes de poluição difusa por presença de estações de serviço 2.2 Todas aquelas fontes de poluição difusa que superem o percentual de 65 para N (2,81 kg/ha) y P (0,97 kg/ha) 3.1 Extracções de água para agricultura com um volume superior a m3/ano 3.2 Extracções de tipo abastecimento que fornecem uma media diária superior a 10 m3 o que sirvam a mais de 50 pessoas 3.3 Extracções de água para industria com um volume superior a m3/ano 3.5 Extracções de água para aquicultura com um volume superior a m3/ano 3.6 Extracções de água para uso recreativo com um volume superior a m3/ano 4.2 Presença de barragens y açudes com una altura superior a 2 metros Massas com valores de IAH acima de 1,4 (a norma de qualidade determinada no PHD estabelece um limite de estado pior que bom em 1,5) 4.5 Diques de abrigo maiores a 100 metros y espigões maiores a 50 metros exóticas y doenças 5.2 Exploração/Eliminação de plantas y animais Tabela 2. Critérios para estabelecer a significância das pressões 5. PRESSÕES IDENTIFICADAS A seguir amostram-se as pressões identificadas nas massas de água transfronteiriças, diferenciando se são ou não significativas. Na seguinte tabela amostram-se as 277 pressões significativas estabelecidas na última versão da guia de reporting da DMA, associadas às massas de água transfronteiriças da DHMS em função do impacto que produzem sobre as mesmas. Código de pressão significat iva Tipo de pressão significativa Número de pressões significativas Código de impacto significativ o Tipo de impacto significativo 1.1 Pontual - Efluentes Urbanos 15 2 Poluição Orgânica 1.2 Pontual - Águas de escoamento de chuva 5 3 Poluição Química 1.4 Pontual - Efluentes industriais não IPPC 1 3 Poluição Química 2.10 Difusas Outros Outros impactos significativos 2.2 Difusa - Agricultura 3 1 Poluição por nutrientes 3.1 Extracção - Agricultura Extracção - Abastecimento 4 7 Alteração de habitat devido a alterações hidrológicas Alteração de habitat devido a alterações hidrológicas Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 9 de 27

10 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Código de pressão significat iva Tipo de pressão significativa Número de pressões significativas Código de impacto significativ o 3.3 Extracção - Industria Extracção - Aquicultura Extracção - Outros Barragens y açudes Alteração Hidrológica - Hidroeléctrica Dique de abrigo, espigão, cais e afecção a zona entre mares exóticas y doenças Exploração/Eliminação de plantas y animais Total pressões significativas Tipo de impacto significativo Alteração de habitat devido a alterações hidrológicas Alteração de habitat devido a alterações hidrológicas Alteração de habitat devido a alterações hidrológicas Alteração de habitat devido a alterações morfológicas Alteração de habitat devido a alterações morfológicas Alteração de habitat devido a alterações morfológicas Outros impactos significativos 1 15 Outros impactos significativos Tabela 3. Pressões e impactos significativos associados às massas de água transfronteiriças Além das pressões significativas, encontramos diversas pressões catalogadas como não significativas, relacionadas com as massas de água transfronteiriças da DHMS. Podem ver-se nas seguinte tabela: Tipo de pressão Fontes pontuais Fonte de poluição difusa Extracções água superficial Alterações morfológicas e regulação de fluxo Naturaleza da pressão não significativa Número de pressões não significativas Urbanos até habitantes equivalentes 14 Viveiros 1 Difusa por agricultura 2 Difusa por estradas 8 Difusa por comboios 2 Incêndios 1 Abastecimiento 2 gadío 35 Industrial 3 Açude sem informação sobre a sua altura 20 Açude menor de 2 metros de altura 9 Exploração florestais 1 Total pressões não significativas: 98 Tabela 4. Pressões não significativas associadas às massas de água transfronteiriças. Pressões por fontes pontuais Para as massas de água transfronteiriças da DHMS foram identificadas as seguintes pressões por poluição devida a fontes pontuais: Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 10 de 27

11 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) COD EXPE- DIENTE V/32/00087B V/32/00119A-1 V/32/00119B V/32/00162G V/32/00233A V/32/00262 V/32/00305 V/36/00007 V/36/00009A NATURALEZA Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Águas de escoamento de chuva Urbanos entre e h-e Urbanos até habitantes equivalentes PRESSÃO SIGNIFICA TIVA NÃO NÃO Cód. Pressões significati vas tipificada s 1.1 NÃO NÃO NÃO TIPO DE PRESSÃO SIGNIFICATIVA Pontual - Efluentes Urbanos Pontual - Águas de escoamento de chuva significativas Pontual - Efluentes Urbanos Pontual - Efluentes Urbanos MASp ES511MAR ES491MAR ES512MAR ES511MAR ES512MAR ES491MAR V/36/ Viveiros NÃO V/36/00038D Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00060A Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00060C-1 Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00060D-1 Urbanos até habitantes equivalentes NÃO V/36/00060 Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00060 Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00060 Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00063G Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00063H Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00063I Urbanos até habitantes equivalentes NÃO V/36/00063L Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00063N Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00063P-1 Urbanos até Pontual habitantes equivalentes Efluentes Urbanos V/36/00064A Urbanos entre y Pontual h-e Efluentes Urbanos ES503MAT V/36/00148 Pontual - Águas Águas de escoamento de de escoamento de 1.2 chuva chuva significativas Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 11 de 27

12 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) COD EXPE- DIENTE NATURALEZA PRESSÃO SIGNIFICA TIVA Cód. Pressões significati vas tipificada s V/36/00151 Industrial classe V/36/00155 V/36/00155 V/36/00205 V/36/00207 V/36/00214 V/36/00216 V/36/00217 V/36/00220 V/36/00334 V/36/00443 Aguas de escorrentía de lluvia Águas de escoamento de chuva Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Urbanos até habitantes equivalentes Águas de escoamento de chuva NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO 1.2 Tabela 5. Pressões pontuais TIPO DE PRESSÃO SIGNIFICATIVA Pontual Efluentes industriais não IPPC Pontual - Águas de escoamento de chuva significativas Puntual - Aguas de escorrentía de lluvia gnificativas Pontual - Águas de escoamento de chuva significativas MASp ES503MAT ES503MAT ES503MAT ES503MAT ES503MAT ES503MAT ES503MAT ES503MAT Pressões por poluição difusa Para as massas de água transfronteiriças com pressões devidas a poluição difusa das águas, detalha-se a seguir as relativas a agricultura/pecuária, vias de transporte e estações de serviço: MASp ÁREA (km 2 ) Pressão significativa (Agricultura) Nitrogénio (N) Fósforo (P) Pressão significativa (Pecuária) Nitrogénio (N) Fósforo (P) Cód. Pressões significativas tipificadas Tipo de pressão significativa ES491MAR ES511MAR ES512MAR ES513MAR ,55 68,93 101,86 45,23 7,37 NÃO NÃO NÃO NÃO - NÃO NÃO NÃO 2.2 Difusa Agricultura NÃO NÃO NÃO NÃO - NÃO NÃO NÃO 2.2 NÃO NÃO NÃO 2.2 Difusa Agricultura Difusa Agricultura Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 12 de 27

13 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Tabela 6. Pressões por poluição difusa para a agricultura e a pecuária. MASp ÁREA (km 2 ) Tipo de pressão Percentagem da pressão na bacia hidrográfica Significativa ES491MAR ,55 Estradas 2,44% NÃO 68,93 Estradas 0,26% NÃO - Estradas 0,44% NÃO ES503MAT Estradas 0,66% NÃO ES503MAT ,74 Estradas 0,62% NÃO ES505MAT ,23 Estradas 4,13% NÃO ES511MAR ,86 Estradas 0,37% NÃO ES512MAR ,23 Estradas 1,16% NÃO 68,93 Comboios 0,04% NÃO - Comboios 0,06% NÃO Tabela 7. Pressões por poluição difusa devido às vias de transporte MASp Nombre Est. Serviço Pressão significativa Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas ES505MAT REPSOL 2.10 Difusas Outros ES503MAT CEPSA 2.10 Difusas Outros SHELL 2.10 Difusas Outros SHELL 2.10 Difusas Outros REPSOL 2.10 Difusas Outros CEPSA 2.10 Difusas Outros PETRONOR 2.10 Difusas Outros CAMPSA 2.10 Difusas Outros MELRO 2.10 Difusas Outros ES491MAR GALP 2.10 Difusas Outros Tabela 8. Pressões por poluição difusa associadas a estações de serviço 5.3. Pressões por extracção de água superficial Identifica-se a seguir aquelas massas de água transfronteiriças afectadas por extracções e consideradas por isso como pressões: COD EXP USO Q (l/s) Pressão significativ a Código pressão signific ativa Tipo de pressão significativa MASp A/32/04748 Incêndios 0,000 NÃO - - ES511MAR Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 13 de 27

14 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) COD EXP USO Q (l/s) Pressão significativ a Código pressão signific ativa Tipo de pressão significativa MASp A/32/ , Extracção - Agricultura ES511MAR A/32/08792 Abastecime Extracção - 3, nto Abastecimento ES511MAR A/32/11621 Abastecime nto 0,006 NÃO - - ES491MAR A/32/ ,103 NÃO - - ES512MAR A/32/14554 Recreativo 3, Extracção - Outros ES511MAR A/32/15908 Industrial 0,098 NÃO - - ES511MAR A/32/16389 A/36/01214 A/36/01971 A/36/ ,099 NÃO - - ES511MAR , Extracção - Abastecimento 0,030 NÃO - - ES503MAT ,150 NÃO - - A/36/02186 Acuicultura 1, Extracción - Acuicultura A/36/02203 Acuicultura 1, Extracción - Acuicultura A/36/02254 Abastecime nto 0, Extracção - Abastecimento ES503MAT A/36/02353 Industrial 3, Extracção - Industria A/36/ ,470 NÃO - - A/36/02776 Industrial 4, Extracción - Industria A/36/02890 A/36/03063 A/36/ ,660 NÃO - - 3, Extracção - Abastecimento 0,090 NÃO - - ES503MAT A/36/03826 Industrial 0,130 NÃO - - ES503MAT A/36/03954 A/36/ , Extracção - Agricultura ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT Abastecimiento Abastecimiento A/36/04382 Industrial 0,507 NÃO - - A/36/ ,125 NÃO - - ES503MAT A/36/ , Extracção - Agricultura ES503MAT A/36/05947 Abastecimiento 0,046 NÃO - - A/36/ ,022 NÃO - - A/36/T , Extracção - Agricultura A/36/T , Extracção - Agricultura A/36/T , Extracção - Agricultura A/36/T ,040 NÃO - - Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 14 de 27

15 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) COD EXP USO Q (l/s) A/36/T-0076 A/36/T-0078 A/36/T-0079 A/36/T-0080 A/36/T-0081 A/36/T-0082 A/36/T-0084 A/36/T-0127 A/36/T-0128 A/36/T-0222 A/36/T-0223 A/36/T-0224 A/36/T-0225 A/36/T-0226 A/36/T-0227 A/36/T-0228 A/36/T-0229 A/36/T-0230 A/36/T-0231 A/36/T-0232 A/36/T-0233 A/36/T-0235 A/36/T-0237 A/36/T-0240 A/36/T-0241 A/36/T-0242 A/36/T-0243 A/36/T-0244 Pressão significativ a Código pressão signific ativa Tipo de pressão significativa MASp 0,073 NÃO - - 2, Extracção - Agricultura 0,097 NÃO - - 0,244 NÃO - - 1, Extracção - Agricultura 7, Extracção - Agricultura 0,060 NÃO - - 0,070 NÃO - - ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT ,540 NÃO - - ES503MAT ,721 NÃO - - ES503MAT ,825 NÃO - - ES503MAT ,455 NÃO - - ES503MAT ,320 NÃO - - ES503MAT ,458 NÃO - - ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT ,089 NÃO - - ES503MAT ,304 NÃO - - ES503MAT ,265 NÃO - - ES503MAT ,874 NÃO - - ES503MAT ,151 NÃO - - ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT ,516 NÃO - - ES503MAT , Extracção - Agricultura ES503MAT ,460 NÃO - - ES503MAT ,260 NÃO - - ES503MAT ,460 NÃO - - ES503MAT A/36/T ,044 NÃO - - ES503MAT Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 15 de 27

16 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) COD EXP USO Q (l/s) A/36/T-0247 A/36/T-0248 A/36/T-0249 H/32/01685 T Hidroeléctric a Pressão significativ a Código pressão signific ativa Tipo de pressão significativa MASp 0,099 NÃO - - ES503MAT ,536 NÃO - - ES503MAT ,034 NÃO - - ES503MAT , Extracção - Industria ES511MAR ,006 NÃO - - Tabela 9. Extracções de água superficial 5.4. Pressões por alteração morfológicas y regulação de fluxo Identifica-se a seguir as massas de água transfronteiriças devidas a pressões por presença de obstáculos que alterem a condição de fluxo natural: Tipo de pressão Explorações florestais Explorações florestais Cód. Pressões significativas tipificadas 5.2 Pressões significativas tipificadas Explorações/Eliminação de plantas e animais MASp afectada ES511MAR ES511MAR Significativo Barragem 4.2 Barragens e açudes ES511MAR Barragem 4.2 Barragens e açudes Açude > 2 m 4.2 Barragens e açudes ES511MAR Açude > 2 m 4.2 Barragens e açudes ES503MAT Açude > 2 m 4.2 Barragens e açudes Açude > 2 m 4.2 Barragens e açudes ES491MAR Açude > 2 m 4.2 Barragens e açudes Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) ES511MAR ES511MAR Açude > 2 m ES511MAR NÃO Açude (sem info altura) ES511MAR Açude > 2 m NÃO Açude > 2 m NÃO Açude < 2 m NÃO Açude < 2 m NÃO Açude < 2 m NÃO Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 16 de 27

17 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Tipo de pressão Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Açude (sem info altura) Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas MASp afectada Significativo Açude < 2 m ES491MAR NÃO Açude < 2 m ES491MAR NÃO Açude < 2 m ES491MAR NÃO Desvios (Toma) Alteração Hidrológica - Hidroeléctrica ES511MAR NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO Desvios (Restituição) Alteração Hidrológica - Hidroeléctrica Desvios (Restituição) Alteração Hidrológica - Hidroeléctrica Espigones 4.5 Dique de abrigo, espigão, cais e afecção a zona entre mares ES505MAT Espigones 4.5 Dique de abrigo, espigão, cais e afecção a zona entre mares ES505MAT Espigones 4.5 Dique de abrigo, espigão, cais e afecção a zona entre mares ES505MAT Zona entre mares 4.5 Dique de abrigo, espigão, cais e afecção a zona entre mares ES505MAT Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 17 de 27

18 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Tabela 10. Pressões por alteração morfológica e regulação de fluxo 5.5. Outras pressões Detalham-se a seguir outras pressões não englobadas nas descritas nas secções anteriores: Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas SIGNIF ICATIC A ESPECIES Tipo MASp AFECTADA Acacia dealbata Acacia dealbata Acacia dealbata Acacia dealbata Acacia dealbata Acacia dealbata Acacia decurrens Acacia longifolia Acacia longifolia Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acacia melanoxylon Acer negundo Amaranthus deflexus Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico ES511MAR ES513MAR ES505MAT ES505MAT ES511MAR Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 18 de 27

19 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas SIGNIF ICATIC A M ESPECIES Tipo MASp AFECTADA Amaranthus hybridus Amaranthus hybridus Araujia sericifera Arctotheca calendula Arctotheca calendula Artemisia verlotiorum Artemisia verlotiorum Arundo donax Arundo donax Arundo donax Aster squamatus Aster squamatus Aster squamatus Bidens frondosa Bidens frondosa Bidens frondosa Bidens frondosa Bidens frondosa Buddleja davidii Buddleja davidii Aster lanceolatus Centranthus ruber Centranthus ruber Chenopodium am- brooi- Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico ES511MAR ES503MAT ES503MAT ES505MAT ES503MAT Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 19 de 27

20 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas SIGNIF ICATIC A ESPECIES Tipo MASp AFECTADA des Chenopodium ambrooides Chenopodium ambrooides Chenopodium ambrooides Chrysanthemum segetum Chrysanthemum segetum Cobitis paludica Coleostephus myconis Coleostephus myconis Coleostephus myconis Conyza canadensis Conyza canadensis Conyza canadensis Conyza canadensis Conyza canadensis Conyza canadensis Corbicula fluminea Corbicula fluminea Corbicula fluminea Corbicula fluminea Corbicula fluminea Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico ES511MAR ES511MAR ES503MAT ES503MAT ES503MAT Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 20 de 27

21 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas SIGNIF ICATIC A ESPECIES Tipo MASp AFECTADA Corbicula fluminea Coronopus didymus Cortaderia selloana Cotula coronopifolia Cotula coronopifolia Cotula coronopifolia Cotula coronopifolia Cotula coronopifolia Cupressus lutanica Cupressus macrocarpa Cuscuta campestris Cuscuta campestris Cuscuta campestris Cuscuta campestris Cuscuta campestris Cyperus eragrostis Cyperus eragrostis Cyperus eragrostis Cyperus eragrostis Cyperus eragrostis Cyperus eragrostis Cyperus esculentus Cyperus flavescens Dependente do meio hídrico ES505MAT ES505MAT ES505MAT ES503MAT ES503MAT ES505MAT ES511MAR ES491MAR ES511MAR Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 21 de 27

22 PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO MINHO-SIL ( ) Cód. Pressões significativas tipificadas Pressões significativas tipificadas SIGNIF ICATIC A ESPECIES Tipo MASp AFECTADA Cyperus flavescens Cyprinus carpio Digitaria debilis Digitaria sanguinalis Digitaria sanguinalis Eleocharis bonarien sims Elodea canaden sims s Eragrostis curvula Erigeron karvinskianus Erigeron karvinskianus Estrilda astrild Estrilda astrild Eucalyptus globulus Eucalyptus globulus Eucalyptus globulus Eucalyptus globulus Fraxinus ornus Galinsoga ciliata Galinsoga ciliata Galinsoga ciliata Galinsoga ciliata Galinsoga parviflora Galinsoga parviflora Galinsoga parviflora Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico Dependente do meio hídrico ES512MAR ES511MAR ES505MAT ES511MAR ES503MAT ES511MAR ES511MAR ES505MAT ES505MAT ES511MAR ES511MAR ES512MAR Plano Hidrológico do lado espanhol da Região Hidrográfica do Minho-Sil Folha. 22 de 27

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 2. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DAS QUESTÕES SIGNIFICATIVAS 3. PARTICIPAÇÃO PÚBLICA 2/37 3/37 Directiva Quadro da Água A Directiva

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras

Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras PGBH que integram a Região Hidrográfica das Ribeiras do Algarve (RH8) Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras Consórcio NEMUS HIDROMOD AGRO.GES Faro, 29 de Março de 2011

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO

PROPOSTA DE PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO PROPOSTA DE PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL DA REGIÃO DO TEJO ESQUEMA PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO AMBIENTAL ESTRATÉGICO ANEXO Nº4_ RESUMO NÃO TÉCNICO PROPOSTA DE PLANO HIDROLÓGICO DO LADO ESPANHOL

Leia mais

Escola Secundária da Maia

Escola Secundária da Maia Escola Secundária da Maia Introdução Rio Douro Rio Tejo Rio Mondego A causa da poluição dos rios Como evitar a poluição dos rios Consequências da Poluição Conclusão Este trabalho irá falar sobre a poluição

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO PARTICIPAÇÃO PÚBLICA Janeiro, 2009 Conhece a Directiva Quadro da Água e a Lei da Água? A Directiva 2000/60/CE, do Parlamento Europeu

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0209/1999 25/10/1999

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0209/1999 25/10/1999 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0209/1999 25/10/1999 ***II POSIÇÃO COMUM Assunto: Posição Comum (CE) Nº /1999 adoptada pelo Conselho em 22 de Outubro de 1999 tendo em vista a adopção

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente.

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente. ÁGUA O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008 1 Ciclo da Água 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Afonso M. P. R. BARBOSA; Eng.º Civil, Águas do Minho e Lima S.A., Ed. do Instituto dos Socorros a Náufragos, 4900-370, Viana do Castelo, 258810401,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS Bruno Miguel Meneses Raquel Saraiva Maria José Vale Rui Reis Projeto Alterações de uso e ocupação do solo

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Famalicão 14 de Julho de 2010 Jorge Cardoso Agenda Introdução ao Meio Ambiente Definição de risco e responsabilidade

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS CONVENIO DE ALBUFEIRA CONVENÇÃO DE ALBUFEIRA INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS ÍNDICE RESUMEN 1 CUENCA HIDROGRÁFICA DEL MIÑO 1 CUENCA HIDROGRÁFICA

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA. Orlando Borges

DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA. Orlando Borges DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA Orlando Borges Brasil, Senado Federal 21 de Maio 2009 A União Europeia (UE) não é uma federação como os Estados Unidos da América, nem é uma mera organização de cooperação

Leia mais

Aplicação da Legislação e Regulação na Alemanha Referente a Nutrientes

Aplicação da Legislação e Regulação na Alemanha Referente a Nutrientes Aplicação da Legislação e Regulação na Alemanha Referente a Nutrientes Daniela Neuffer Uwe Menzel Karen J. do Amaral Universität Stuttgart Institut für Siedlungswasserbau, Wassergüte- und Abfallwirtschaft

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE

O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Simone PIO Bolseira de Investigação, Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil, Campus Azurém, Guimarães,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Implementação da Directiva INSPIRE no INAG

Implementação da Directiva INSPIRE no INAG Implementação da Directiva INSPIRE no INAG Ana Catarina Mariano INTITUTO DA ÁGUA, I. P. 14-16 de Maio, Taguspark, Oeiras 1 Agenda 1. 1. INSPIRE 2. 2. WISE 3. 3. InterSIG 4. 4. Exemplos de implementação

Leia mais

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: ATIVIDADE INDUSTRIAL 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo Preâmbulo A Barragem do Azibo foi construída com o objectivo de fornecer água a vários regadios localizados no concelho de Macedo de Cavaleiros,

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório

REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório Parte 4 Cenários Prospectivos Tomo 1B Anexos t09122/03 Jun 2011; Edição de Fev 2012 (após Consulta Pública) Co-financiamento Plano de Gestão s Bacias Hidrográficas

Leia mais

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos.

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos. APLICAÇÃO DE UM MODELO DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CÁVADO AO ESTUDO DO IMPACTO DA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR José M. P. VIEIRA 1 ; António A L. S. DUARTE 2 ; José L. S. PINHO 3 RESUMO A construção

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Carcavelos

Perfil de Água Balnear de Carcavelos Perfil de Água Balnear de Carcavelos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Carcavelos Código da Água Balnear PTCQ8X Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos (Elaborado no âmbito do Protocolo de colaboração com vista à regularização das utilizações dos recursos hídricos no sector agrícola estabelecido com a CAP e CONFAGRI) Janeiro, 2010

Leia mais

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats A Mata Nacional do Buçaco :: A Mata Nacional do Buçaco (MNB) constitui um património único, na sua componente natural e arquitetónica,

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

O POTENCIAL HIDROGRÁFICO DA BACIA DO RIO ZAMBEZE Situação geográfica da Bacia do Zambeze (Moçambique) Cont. Características Físicas e Climática Bacia do Zambeze da A Bacia do rio Zambeze é a quarta maior

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

Minho Campus de Azurém, 4810 Guimarães, Tel. 253 510 560, Fax. 253 510 569, andrea.r@portugalmail.pt. antonio.correiagp@portugalmail.

Minho Campus de Azurém, 4810 Guimarães, Tel. 253 510 560, Fax. 253 510 569, andrea.r@portugalmail.pt. antonio.correiagp@portugalmail. O RIO SELHO CONTRIBUTO PARA UMA PROPOSTA DE REQUALIFICAÇÃO AMBIENTAL Andrea C. Carvalho Ribeiro, Curso de Geografia e Planeamento, Universidade do Minho Campus de Azurém, 4810 Guimarães, Tel. 253 510 560,

Leia mais

CHILE. Experiências em Manejo de Bacias na América do Sul. Prof Leandro Ribeiro Nogueira Geógrafo esp. em Manejo e Gestão de Recursos Naturais

CHILE. Experiências em Manejo de Bacias na América do Sul. Prof Leandro Ribeiro Nogueira Geógrafo esp. em Manejo e Gestão de Recursos Naturais Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais e Florestais Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas Prof PhD Ricardo Valcarcel Experiências em Manejo de

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO

PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA (QSiGA) Região Hidrográfica do Tejo e Ribeiras do Oeste Sessão de Participação Pública Alcanena, 8 de Abril de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade

Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade O que é a Biodiversidade? Área de Projecto 5ºD 2010/2011 Realizado por: Inês, Mariana, Ema, Diana e José do 5ºD Trabalho iniciado com a participação

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DA ÁGUA EM PORTUGAL. José Manuel Pereira Vieira. Universidade do Minho. Departamento de Engenharia Civil

NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DA ÁGUA EM PORTUGAL. José Manuel Pereira Vieira. Universidade do Minho. Departamento de Engenharia Civil NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DA ÁGUA EM PORTUGAL José Manuel Pereira Vieira Universidade do Minho. Departamento de Engenharia Civil Resumo A sociedade moderna vem experimentando nos últimos

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10 PORTARIA DAEE N o 1213, DE 06 DE AGOSTO DE 2004 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual n o 52.636 de 03/02/71, e à vista

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 22.12.2000 L 327/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DIRECTIVA 2000/60/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Outubro de 2000 que estabelece um quadro de acção comunitária

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [416] Com o intuito de definir uma base de referência para avaliação futura da evolução da situação do sistema de saneamento no município, recomenda-se

Leia mais

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 Nuno Miguel Ferreira CCDR-N, Comunidade de Trabalho Galiza-Norte de Portugal Localização Geográfica Galiza

Leia mais

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos.

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos. ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança pelo uso de recursos hídricos. Os seres vivos e as atividades humanas dependem da água, mas o uso inadequado e o desperdício desse

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO ELABORAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RURAL DA ÁREA DE D EXPLORAÇÃO CONSOLIDADA DE RECURSOS GEOLÓGICOS DA SERRA DA FALPERRA TERMOS

Leia mais

Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático

Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático Sessão Temática AdP Planos de Segurança da Água em Portugal: Onde estamos, para onde vamos Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático Inês Freitas Responsável pelo Sistema

Leia mais

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo O Documento Regional Europeu para o quinto Fórum Mundial da Água descreve os principais desafios que a Europa atravessa bem como as soluções desenvolvidas de modo a supera-los. O Documento foi escrito

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DAS MASSAS DE ÁGUA SUPERFICIAIS

CRITÉRIOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DAS MASSAS DE ÁGUA SUPERFICIAIS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL CRITÉRIOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DO ESTADO DAS MASSAS DE ÁGUA SUPERFICIAIS - RIOS E ALBUFEIRAS SETEMBRO 2009 ÍNDICE 1 Nota

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros IP/05/1156 Bruxelas, 19 de Setembro de 2005 LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros A Comissão Europeia

Leia mais

A energia hidroeléctrica em Portugal

A energia hidroeléctrica em Portugal A energia hidroeléctrica em Portugal António Eira Leitão Eng. António Eira Leitão Presidente do Conselho de Gerência da Hidroerg Presidente da Assembleia Geral da APREN EVOLUÇÃO HISTÓRICA A utilização

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Reuso para uso Urbano não Potável

Reuso para uso Urbano não Potável 6 Seminário sobre Tecnologias Limpas Porto Alegre, 10 de Junho de 2015 Painel :Alternativas Práticas de Reuso Reuso para uso Urbano não Potável Eng. Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

Algumas informações Comissão Europeia

Algumas informações Comissão Europeia A Directiva-quadro da Água Algumas informações Comissão Europeia A Directiva-quadro da Água A água é essencial para a vida Aágua é essencial para a vida no Planeta. A nossa existência e as nossas actividades

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais