PROPOSTA DE UM PLANO CICLOVIÁRIO PARA MEDIANEIRA-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM PLANO CICLOVIÁRIO PARA MEDIANEIRA-PR"

Transcrição

1 PROPOSTA DE UM PLANO CICLOVIÁRIO PARA MEDIANEIRA-PR Alessandra Algeri Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR Rua Londrina, nº 1985 CEP Medianeira PR Bruna Mayer Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR Jéssica Gimenez Reolon Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR Elias Lara dos Santos Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR Resumo: Meios de transporte alternativo são uma das melhores saídas para a melhoria da mobilidade urbana de muitos municípios, e a bicicleta se apresenta como um meio eficiente e muito vantajoso de se locomover em áreas urbanas. Neste contexto, o presente estudo elaborou um plano para a construção de várias vias cicláveis no município de Medianeira-PR, tendo como principal referência uma ferramenta elaborada pelo ministério das Cidades, trata-se do Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades de 2007 (CREMB). Foram propostas para o município cerca de 14,7 km de vias cicláveis, sendo que 7,75 km são de ciclofaixas, 3,75 km de ciclovias e 3,20 km de passeios compartilhados. A proposta feita foi baseada em um estudo qualitativo das ruas mais movimentas e dos destinos mais desejados pelos habitantes, principalmente pontos de estudo e trabalho, e objetiva o menor custo monetário e maior adaptação às condições viárias já existentes, para que Medianeira se torne uma cidade mais sustentável. Palavras-chave: Ciclovia. Ciclofaixa. Mobilidade. Bicicleta. Transporte. PROPOSITION THE PLAN OF MANY BIKE FOR CITY OF MEDIANEIRA-PR Abstract: Alternative means of transportation are one of the best ways to improve urban mobility in many towns, and cycling shows itself as a very efficient and advantageous way to move around urban areas. Upon this subject, the present study made up with a construction planning of many bike lanes through the city of Medianeira-PR, having as the main reference a tool developed by the Ministry of Cities, the Reference Notebook, targeting the Town Cycling Mobility Plan along the cities in 2007 (RNCMP).The city was offered with about 14,7km of cycling ways, which 7,75km are bike lanes, 3,75km cycling ways and 3,20km are shared-used sidewalks. The proposition was made based upon a qualitative study of the busiest streets and the resident's most preferred destinations, especially studying and working sites, aiming the lowest cost and largest adaptation to the already operated runways, looking forward a more sustainable city of Medianeira. Keywords: Cycling way. Bike lane. Mobility. Bicycle. Transport.

2 1. INTRODUÇÃO Medianeira situa-se na região oeste do Paraná, sua localização geográfica é de Latitude e Longitude (Mineropar, 2006). Possui uma área de 328,732 km 2 e uma população de habitantes. O bioma predominante é a mata atlântica e o clima é subtropical. O município de Medianeira foi fundado em 1961 e sua renda bruta é proveniente tanto da produção agrícola quanto industrial (IBGE, 2010). Segundo dados do DETRAN, a frota de carros em Medianeira no mês de outubro de 2013 era de aproximadamente veículos, um número expressivamente alto, levando em consideração que a cidade possui pouco mais de 40 mil habitantes. Desta maneira faz-se necessário a existência de meios de transporte alternativos que venham a melhorar a mobilidade urbana do município. A Lei /2012 estabelece que municípios com mais de 20 mil habitantes elaborem um Plano de Mobilidade Urbana em até três anos após a data de promulgação desta Lei, ou seja, até o ano de As cidades que não cumprirem essa determinação podem ter suspensos os repasses federais destinados a políticas de mobilidade urbana. Segundo o coordenador do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade, Nazareno Stanislau Affonso, a nova legislação, coloca o Brasil dentro da visão de mobilidade sustentável, atualmente, a política de mobilidade do país dá prioridade ao uso do automóvel, que é uma proposta excludente. O que essa lei fala é que agora a prioridade deve ser dada a veículos não motorizados, a calçadas, ciclovias, ao transporte público e à integração do automóvel a um sistema de mobilidade sustentável (ADJUTO, 2012). O programa Bicicleta Brasil, que teve inicio em 2004, traz a bicicleta como um meio de transporte alternativo, como uma forma de inclusão social, de redução e eliminação de agentes poluentes e melhoria da saúde da população. Segundo o Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades de 2007 (CREMB), a bicicleta é considerada transparente ou invisível na circulação, devido ao pequeno espaço requerido para o seu tráfego e estacionamento, e pela ausência de ruídos e de emissão de gases. Por essas e outras razões a Organização das Nações Unidas (ONU) elegeu a bicicleta como o transporte ecologicamente mais sustentável do planeta. Diante de tantas vantagens apresentadas em relação ao uso da bicicleta, este estudo visa propor a instalação de uma rede cicloviária para Medianeira, objetivando além do cumprimento ao que propõe as legislações vigentes, uma melhoria nas condições de tráfego e mobilidade urbana e propiciando assim uma cidade mais sustentável para todos os seus habitantes. 2. METODOLOGIA Foi realizada uma pesquisa em Medianeira, com a finalidade de saber sobre a utilização da bicicleta na área urbana do município e também quais os principais riscos e dificuldades enfrentados pelos ciclistas, os entrevistados também foram questionados sobre sugestões para melhorar a situação do tráfego de bicicletas. Essa pesquisa foi realizada de duas maneiras: um questionário online, divulgado através das redes sociais, e outro feito através de entrevista pessoal. O questionário foi elaborado de acordo com as recomendações do CREMB, contudo este questionário fora usado para a população em geral, sem a necessidade de o entrevistado ser usuário de bicicleta, visto que a real intenção era saber quantos cidadãos utilizam este meio de transporte, e quantos estariam dispostos a utilizar mediante resoluções de problemas relatados. Foram entrevistadas 20 pessoas de forma pessoal e mais 72 através do questionário online Indicações para a elaboração do plano cicloviário O presente plano seguiu as medidas e padrões do Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades (CREMB), do Ministério das Cidades, lançado em 2007, para elaborar a proposta de construção de vias cicláveis na área urbana do município de Medianeira. Essas vias serão basicamente de três tipos distintos: Ciclovias; Ciclofaixas;

3 Passeios compartilhados. As ciclovias terão largura unidirecional de 1,5 m e bidirecional de 2,5 m. Já as ciclofaixas terão largura de 1,2 m para pistas unidirecionais e 2,5 m para bidirecionais. Os passeios compartilhados serão de 1,5 m. As ciclofaixas serão diferenciadas da pista automotiva por coloração, e as ciclovias, quando segregadas da calçada, apresentarão uma pavimentação diferente destas. Todas as medidas de segurança bem como a infraestrutura cicloviária deverão seguir as recomendações do CREMB. 3. ANÁLISE DOS RESULTADOS No questionário realizado foram obtidos os resultados que estão descritos no Perfil do Tabela 1 abaixo. Pode-se observar uma pequena discrepância entre os resultados, principalmente em relação à condição funcional, uma vez que no questionário online a porcentagem de estudantes foi grande, enquanto o questionário pessoal apresentou uma maior quantidade de empregados. Quanto ao uso de bicicleta constatou-se que mais da metade dos entrevistados, tanto pelo questionário online quanto pelo pessoal, utiliza a bicicleta. Sexo Idade Estado civil Condição Funcional Renda Usa Bicicleta Tabela 1 - Perfil dos entrevistados Questionário pessoal Questionário Internet Nº de indivíduos Porcentagem Nº de indivíduos Porcentagem Feminino 10 50% 36 50% Masculino 10 50% 36 50% Até 12 anos a 20 anos 4 20% 31 43% 21 a 35 anos 6 30% 36 50% 35 a 50 anos 7 35% 4 5,50% Mais de 50 anos 3 15% 1 1,50% Casado 12 60% 2 2,70% Solteiro 5 25% 8 11,10% Outro 3 15% 62 86,10% Autônomo 5 25% 5 7% Empregado 10 50% 10 13,80% Estudante 2 10% 56 77,70% Sem emprego 3 15% 1 1,50% Sem Renda 5 10% 11 15,30% 1 SM 2 25% 7 9,70% 2 SM 5 35% 10 13,90% De 3 até 5 SM 7 5% 5 7% Mais de 5 SM 1 25% 39 54,10% Sim 12 60% 34 52,70% Não 8 40% 38 42,30% Durante a aplicação do Questionário pessoal pode-se perceber uma incerteza inicial dos entrevistados para a colaboração com o mesmo, contudo após o esclarecimento do tema, estes se mostraram muito interessados em responder e ajudar na pesquisa, dando ideias, sugestões e demonstrando uma grande expectativa em relação ao estudo. A maioria dos entrevistados, tanto no questionário online quanto no questionário pessoal, acreditam que a maior dificuldade enfrentada pelos ciclistas em Medianeira é a falta de pistas cicláveis pela cidade. Seguido desta reclamação,

4 vieram a disputa de espaço com os carros e a falta de segurança existente. Os resultados podem ser observados na Figura 1 abaixo. Figura 1: Principal dificuldade enfrentada pelos ciclistas Através da análise da Figura 2, é possível identificar que a solução mais indicada pelos entrevistados de ambos os meios, foi a construção de ciclovias, seguida da conscientização de motoristas e pedestres. Existe uma maior diversidade de respostas no questionário online, que pode estar associada ao maior tempo para responder o questionário e consequentemente melhor análise das respostas.

5 Figura 2: Soluções Indicadas pelos entrevistados Quando perguntados se as condições propícias para o tráfego de bicicletas fossem oferecidas em Medianeira os entrevistados estariam dispostos a utilizar a bicicleta como meio de transporte, 90% dos entrevistados pessoalmente e 95% dos entrevistados online, demonstraram-se favoráveis. Diante dessa pesquisa pode-se perceber a real necessidade, sentida pelos habitantes de Medianeira, da implantação de pistas propícias ao tráfego de bicicletas no perímetro urbano do município. 4. PLANO DE AÇÕES O município de Medianeira possui uma pequena via para a passagem de ciclistas localizada na Avenida Brasil, que tem início na Rua Bahia e tem término na frente do Campus da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR, sendo que o trajeto tem aproximadamente um quilômetro de extensão. Contudo essa ciclovia atual apresenta uma série de problemas, uma vez que não fora bem projetada, sua largura de aproximadamente 1 m é insuficiente para permitir o tráfego de duas bicicletas, dando a este trecho a característica de via de sentido único, além do fato da pista apresentar uma sinuosidade acentuada. Planeja-se a instalação de várias ciclovias, ciclofaixas e passeios compartilhados nas ruas e avenidas com maior fluxo de veículos e pedestres, visando uma maior mobilidade para o município, levando em consideração as aptidões do relevo para cada localidade da área urbana, uma vez que a cidade apresenta um relevo levemente acidentado com presença de algumas ruas com declividade moderada, que acaba limitando a construção de vias para ciclistas em alguns trechos. Apesar da existência de um pequeno espaço com ciclovia na cidade, a instalação de novas vias e faixas não exigirá demasiados investimentos e mudanças nas estruturas de vias de tráfego motorizado, uma vez que esta proposta é pautada na praticidade e na adaptação das vias já existentes. Em um primeiro momento foram escolhidas as Avenidas de maior circulação de pessoas e que levam a destinos úteis para a população como um todo, sendo estas: partes da Avenida Brasil, um trecho da Avenida Pedro Soccol e a Avenida José Callegari, também serão propostas pistas cicláveis em uma parte da Rua Piauí, e nas ruas Argentina e Paraguai que são paralelas a principal Avenida de Medianeira, a Brasília, onde se situa grande parte do comércio da cidade, sendo então o principal ponto de convergência de pessoas e veículos de diversas localidades, além de um longo trecho na marginal da BR- 277 que integra a cidade a área industrial. Um dos objetivos deste plano é dar mais mobilidade para o tráfego, descentralizando o grande fluxo de veículos que acontece no centro da cidade, principalmente na Avenida Brasília.

6 4.1. Avenida Brasil Essa avenida é uma importante rota para os estudantes, pois liga o centro ao campus da UTFPR. O campus possui aproximadamente 2050 alunos, sendo que muitos deles percorrem o trajeto centro/utfpr diariamente, a construção de uma via ciclável adequada auxiliaria não só na mobilidade desses estudantes como beneficiaria também os moradores desta região. Nesta avenida pretende-se construir ciclofaixas unidirecionais nas laterais da direita, no sentido do tráfego dos veículos motorizados, entre a avenida e a calçada. O trecho da construção será de aproximadamente 2,3 km com início na Rua Argentina até a frente da instituição federal-utfpr. A proposta nos canteiros centrais é a abertura de estacionamentos para veículos automotores, como já existem em alguns pontos desse trecho. Essa medida será adotada porque a construção da ciclofaixa nas laterais da via impedirá o estacionamento dos carros na mesma, uma vez que a rua não é larga suficiente Avenida Pedro Soccol Esta avenida foi escolhida devido ao fato desta ser uma das Avenidas que cortam a cidade, além de que este caminho leva até uma das grandes agroindústrias de Medianeira. A extensão do trajeto das vias cicláveis será de aproximadamente 1,1 km. Da Rua Argentina até a Rua Rio de Janeiro será construída uma ciclovia unidirecional sobre ambas as calçadas, no mesmo sentido do fluxo de veículos automotores. A partir da Rua Rio de Janeiro até a Marginal da BR-277, a pista ciclável será uma ciclofaixa também unidirecional no mesmo sentido e nas laterais da calçada, semelhante a que será construída na Avenida Brasil. Também serão propostos estacionamentos nos canteiros centrais. Ao final da ciclofaixa, na Marginal da BR-277, pretende-se construir uma passarela para a travessia da rodovia, esta medida é imprescindível já que esta é muito movimentada e apresenta um alto risco aos ciclistas e pedestres Avenida José Callegari Nesta Avenida serão construídas tanto ciclovias quanto ciclofaixas. A necessidade de construção de vias cicláveis neste trecho está na ligação entre o centro e a marginal, que leva a área industrial de Medianeira, bem como o fato desta avenida cruzar a cidade. O trecho onde será construída a ciclovia é um tanto quanto íngreme, entretanto é a saída mais viável para ligar à área urbana a área industrial. O trecho com ciclofaixa terá uma distância aproximada de 1,1 km e será da Rua Piauí até a Rua Argentina. A ciclofaixa será unidirecional em ambos os lados da Avenida, na lateral das calçadas e no mesmo sentido dos veículos. Serão propostos estacionamentos para os veículos nos canteiros centrais, assim como nas outras Avenidas. A distância aproximada de ciclovia também será de 1,1 km, da Rua Paraguai até a Marginal da BR-277. A ciclovia proposta será pelo canteiro central. Entre a Rua Pará e a Avenida João XXIII, há o rio Alegria que corta a Avenida José Callegari, assim, no local deverá ser construída uma pequena ponte para a passagem dos ciclistas, com proteções laterais e sinalização adequada Rua Argentina e Rua Paraguai Estas ruas são as mais movimentadas de Medianeira, já que são paralelas à Avenida Brasília, para facilitar e agilizar o tráfego será proposto uma mudança no sentido destas vias, elas deixarão de ser duplo sentido e passarão a ter um sentido único. A Rua Paraguai terá o sentido do Centro para a Marginal da BR-277, ao passo que a Rua Argentina terá sentido da Marginal para o Centro. A mudança de sentido destas ruas facilitará também a construção de ciclofaixas, que serão bidirecionais localizadas ao lado esquerdo das Ruas no sentido do tráfego, na lateral das calçadas. Os estacionamentos serão mantidos em apenas um lado das Ruas, sendo em lado oposto ao das ciclofaixas. Os trechos de ciclofaixa serão de aproximadamente 1,8 km em cada uma das ruas.

7 4.5. Rua Piauí Esta Rua foi escolhida para a construção de vias cicláveis porque é uma das melhores formas de ligar um dos bairros mais tradicionais de Medianeira ao Centro da cidade, já que a Avenida Pedro Soccol, depois da Praça Ângelo Darolt, no sentido do Bairro Nazaré, apresenta uma grande declividade, tornando-a inviável ao uso da bicicleta. Neste trecho será feito um passeio compartilhado com aproximadamente 1,8 km, devido à falta de espaço e o pequeno fluxo de pessoas nas calçadas Marginal Na marginal a via ciclável terá aproximadamente 3,3 km de extensão, ela será composta por um trecho de 1 km de passeio compartilhado que parte do fim da Avenida José Callegari até o viaduto da marginal. Na sequência haverá uma ciclovia bidirecional que vai até a área industrial onde há outro viaduto que faz a ligação entre os dois lados da área industrial. É importante dizer que o trecho onde será feita a ciclovia não apresenta camada asfáltica, contudo a revitalização e cobertura deste trecho se fazem necessárias. Todas as vias cicláveis que foram detalhadas uma a uma nos tópicos acima estão representadas no mapa da Figura 3 abaixo, indicando também qual o tipo de via ciclável para cada trecho: a ciclovia, ciclofaixa ou passeio compartilhado. Também estão discriminados os pontos de travessia da BR-277. Figura 3 Vias Cicláveis propostas para Medianeira Fonte: Adaptado do Open Street Map, 2014.

8 4.7. Paraciclos e Bicicletários Pretende-se construir paraciclos em praças próximas ao centro da cidade, suas localizações estão demonstradas no mapa da Figura 4. O número de vagas dos paraciclos deve ser de 15 a 20, é importante salientar que os paraciclos devem ter uma sinalização adequada e não devem ser um empecilho para a passagem de pedestres, onde quer que estejam localizados. Todos os paraciclos foram propostos em locais estratégicos de modo a atender o maior número de vias cicláveis possível. Figura 4: Paraciclos e bicicletário Fonte: Google Earth (Adaptado), O bicicletário será construído em uma área que um dia foi utilizada para o estacionamento de táxis e atualmente encontra-se em desuso, este terá capacidade para pelo menos 50 veículos, é importante salientar que ele deverá ser coberto e vigiado. Para que as vias cicláveis sejam bem aproveitadas é imprescindível o apoio e colaboração das empresas, comércio local e instituições públicas. Existem três pontos onde a prefeitura poderia propor um convênio com empresas próximas, dois deles tem um grande fluxo de funcionários e se localizam respectivamente ao final da ciclofaixa da Avenida Pedro Soccol, após a Passarela que deverá ser colocada, e também ao término da ciclovia da Marginal. Nestes pontos deverá ser construído um bicicletário com uma grande capacidade, a fim de atender o número de funcionários que trabalham nestes locais. O terceiro ponto trata-se da Universidade Tecnológica Federal do Paraná- UTFPR, contudo esta já apresenta um pequeno paraciclo que pode ser ampliado e tornar-se um bicicletário. Os três pontos estão demarcados na Figura 5.

9 Figura 5: Bicicletários conveniados com empresas e instituições. Fonte: Google Earth (Adaptado), Cronograma e custos Para que a implantação das vias cicláveis seja realizada de maneira prática e eficiente, um cronograma com a ordem de implantação destas foi elaborado, como pode ser visualizado no Quadro 1. Para isto foi estipulado como sendo curto prazo um período de 1 a 2 anos, médio prazo de 2 a 3 anos e longo prazo, de 3 a 5 anos. Quadro 1 Ruas e avenidas segundo a ordem de implantação das vias. Ruas e Avenidas segundo a ordem de implantação das vias cicláveis Tipo de via ciclável Prazo para a aplicação Avenida Brasil Ciclofaixa Curto prazo Avenida José Callegari Ciclovia e ciclofaixa Médio prazo Avenida Pedro Soccol Ciclovia e ciclofaixa Médio prazo Rua Argentina Ciclofaixa Longo prazo Rua Paraguai Ciclofaixa Longo prazo Rua Piauí Passeio compartilhado Longo prazo Marginal da BR-277 Passeio compartilhado Longo prazo Estima-se que para a implantação destas vias serão gastos menos de 260 mil reais. Os cálculos foram realizados utilizando como base o orçamento da construção de um corredor ciclístico na Avenida Comendador Franco Curitiba, PR, e publicado no Jornal Gazeta do Povo. O orçamento utilizado teve como base a construção de ciclofaixas, dessa maneira estimou-se que o custo para a construção de uma ciclovia fosse o dobro em relação à ciclofaixa, e o triplo para a construção dos passeios compartilhados. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente plano cicloviário propõe a construção de 7,75 km de ciclofaixas, 3,75 km de ciclovias e 3,20 km de passeios compartilhados, contabilizando 14,7 km de vias cicláveis espalhadas por grande parte da área urbana do município.

10 O estudo apresentado é apenas um projeto, passível de mudanças, tanto em relação as ruas onde foram propostas as vias cicláveis, posição de bicicletários e paraciclos, quanto sentido e o tipo de via ciclável indicado para cada trecho. Uma importante ação seria a consulta junto a população, através de audiências públicas, para a sugestão de possíveis mudanças. Quanto à mudança de sentido nas Ruas Argentina e Paraguai é importante que sejam feitos estudos para analisar qual o melhor sentido proposto para cada via, de acordo com o fluxo de veículos, uma vez que o sentido adotado neste estudo foi meramente qualitativo. Para que o uso das vias cicláveis seja frequente é fundamental que a haja uma campanha de incentivo ao uso das bicicletas como principal meio de transporte, enfocando os vários benefícios provenientes desta prática. Cabe a prefeitura do município, em parceria com empresas e organizações, realizar essa campanha, além disso, deve ser feita uma conscientização de ciclistas, pedestres e motoristas para que exista uma harmonização no trânsito. Também seria interessante se fossem disponibilizadas bicicletas para aluguel, com um preço viável, e localizadas junto aos bicicletários e paraciclos. Há tempos a população medianeirense vem reclamando das condições do trânsito, da falta de espaço para estacionar, a falta da segurança nos cruzamentos e a existência de vias muito conturbadas na cidade, que aumentam o tempo de permanência dentro do veículo. O atual número de veículos também é alarmante, Medianeira está se tornando um local inviável para transitar com veículos automotores e se nenhum meio de transporte alternativo for proposto, a situação só tende a piorar. Mediante a todos os fatos apresentados a construção de vias cicláveis em Medianeira não é somente uma medida paisagística, mas sim uma real necessidade sentida e relatada pelos seus moradores para a melhora da mobilidade urbana, sendo que este seria o primeiro passo para a construção de uma cidade mais sustentável. REFERÊNCIAS DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO. Frota de veículos. Disponível em <http://www.denatran.gov.br/frota.htm>. Acesso em Jan. de GAZETA DO POVO, Ciclofaixa na Av. das Torres custa menos de R$ 150 mil. Disponível em <http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/ir-e-vir-de-bike/ciclofaixa-na-av-das-torres-custa-menos-de-r-150-mil/>. Acesso em Jan. de GRAÇA, Adjuto. Começa a valer nova legislação para melhorar mobilidade urbana nas grandes cidades. Disponível em <http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/ /comeca-valer-nova-legislacao-para-melhorarmobilidade-urbana-nas-grandes-cidades>. Acesso em Jan. de IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Disponível em: <www.ipardes.gov.br>. Acesso em 12 de junho de MINISTÉRIO DAS CIDADES. Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Brasília, 2007.

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA Porto Alegre Junho/2012 1 TESTE DE PONTOS CRÍTICOS PARA IMPLANTAÇÃO DA FUTURA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA, EM PORTO ALEGRE O Laboratório de Políticas Públicas e Sociais (Lappus),

Leia mais

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon: O Leblon, passa por uma fase de intensas mudanças, com as obras da linha 4 do Metrô o trânsito do bairro sofreu e sofrerá várias alterações

Leia mais

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Av. Eliseu de Almeida Projeto de Restauração do Pavimento Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Índice Introdução Objetivo Projeto de Restauração Projeto de Ciclovia Sinalização

Leia mais

A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES

A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES dossiê MOBILIDADE A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES 1 2 Introdução - 1 Curso de Arquitetura e Urbanismo; Universidade Estadual de Goiás (UEG). E-mail:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais

11 ideias para ciclovias mais seguras

11 ideias para ciclovias mais seguras 11 ideias para ciclovias mais seguras Legislação Política Nacional de Mobilidade Urbana A Política Nacional de Mobilidade Urbana é orientada pelas seguintes diretrizes: II prioridade dos modos de transportes

Leia mais

O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA

O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA Tamara Mendes de Camargo ( Mestranda da UFSCar) tamara_mendesc@hotmail.com RESUMO A prioridade dada ao uso do automóvel nas cidades tem gerado,

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA DIURB - Diretoria de Equipamentos e Qualificação Urbanística SUDEN - Superintendência de Desenvolvimento Urbanístico COISP - Coordenação de

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Eng. Jeroen Buis I-ce, Interface for Cycling Expertise (www.cycling.nl) buis_j@yahoo.com Curso Planejamento Cicloviário Dia 1 Rio de Janeiro, 26 de Novembro

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente Fundação João Pinheiro Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho Gerência de Capacitação de Treinamento Curso: Introdução à Elaboração de Projetos Projetos de Mobilidade Urbana Natalia Mol Conteúdo

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de Yes, Zaqueu Proença Sonho de consumo 92 nós temos ciclovias nelson toledo Aos poucos, as bikes começam a ganhar um espaço nas políticas de trânsito de diversas cidades brasileiras. Saiba onde você pode

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012

RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012 RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012 ÍNDICE: I. APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS DO PROJETO II. METODOLOGIA DAS RESPOSTAS III. UNIVERSO DA PESQUISA IV.

Leia mais

considerações ciclocidade: 400 km de ciclovias, projeto piloto e eliseu de almeida jun/2014

considerações ciclocidade: 400 km de ciclovias, projeto piloto e eliseu de almeida jun/2014 1 CONSIDERAÇÕES DA CICLOCIDADE A RESPEITO DO PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DE 400 KM DE CICLOVIAS, O PROJETO PILOTO NO CENTRO DE SÃO PAULO E A CICLOVIA DA ELISEU DE ALMEIDA No dia 04 de Junho de 2014 a Prefeitura

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio:

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta BH tem espaço para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: Índice Quando você estiver pedalando. 04 Quando você estiver dirigindo. 10 Algumas

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP)

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP) AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP) M. C. G. De Paula, R. C. Magagnin RESUMO Esta pesquisa tem como

Leia mais

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS FICHA TÉCNICA DE SISTEMATIZAÇÃO DO PROJETO REALIZAÇÃO: ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland Programa Soluções para Cidades COORDENAÇÃO GERAL: Érika Mota EQUIPE: Fernando

Leia mais

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Bicicletas e ciclovias João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs O veículo Um prisma com: Largura: 1,0m Comprimento: 1,75m Altura: 2,25m Vantagens para saúde Ciclismo é um dos esportes aeróbicos

Leia mais

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova York, presente

Leia mais

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver?

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? Eliezé Bulhões de Carvalho 1, 2 Michelle Andrade 1 1 - Programa de Pós Graduação em Transportes UnB 2 - GPIT Grupo

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO MOBILIDADE INICIATIVAS INSPIRADORAS PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 PERFIL DO BAIRRO 3 PRINCIPAIS ENVOLVIDOS NO PLANEJAMENTO DA REDE CICLOVIÁRIA DA TIJUCA

Leia mais

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos Diretrizes para a construção de ciclovias Arq. Cristiane Bastos Contextualização Planejamento da rede Projeto básico Projeto executivo Execução CONTEXTUALIZAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO POLÍTICA NAC.DE MOBILIDADE

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES DO PROJETO DE PESQUISA DO USO CICLOVIÁRIO EM JOINVILLE E EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO USO DA BICILCETA NO TRÂNSITO

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES DO PROJETO DE PESQUISA DO USO CICLOVIÁRIO EM JOINVILLE E EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO USO DA BICILCETA NO TRÂNSITO CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES DO PROJETO DE PESQUISA DO USO CICLOVIÁRIO EM JOINVILLE E EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO USO DA BICILCETA NO TRÂNSITO Área Temática: Educação Ana Mirthes Hackenberg 1 (Coordenador

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA Boletim Nº SETEMBRO 2015 Mobilidade Urbana NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA www.observatoriopiracicaba.org.br Mobilidade Urbana e

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ O projeto de ciclorota do Grajaú integra escolas, áreas de lazer, pontos de ônibus e comércio e permeia bem o bairro. Possui soluções inovadoras para a cidade do Rio de Janeiro como as bicicletas pintadas

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado Lista de leis: - Lei Orgânica do Distrito Federal capítulo sobre transporte - Lei n 3.639/2005 - Lei n 3.721/2005

Leia mais

Avaliação do sistema cicloviário de Copacabana

Avaliação do sistema cicloviário de Copacabana Avaliação do sistema cicloviário de Copacabana Gabriel Stumpf Duarte de Carvalho (gabrielcarvalho@pet.coppe.ufrj.br) Marcello Victorino Junqueira de Souza (mvictorino@pet.coppe.ufrj.br) PET - COPPE, Rua

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo) NOME: RENATO SILVA JUNIOR ÓRGÃO/ENTIDADE/EMPRESA: PREFEITURA SANTA LUZIA DO ITANHY Como no trecho do Rio Piaui que liga a zona urbana a zona rural do Município de Estância, logo há um grande fluxo de veiculo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos. Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO

PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos. Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO RIO DE JANEIRO 10/08/2014 DIAGNÓSTICO DAS CICLOVIAS EXISTENTES NA BARRA DA TIJUCA E

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Mobilidade no Campus Faixa Exclusiva de Ônibus e Ciclofaixa na CUASO

Mobilidade no Campus Faixa Exclusiva de Ônibus e Ciclofaixa na CUASO Mobilidade no Campus Faixa Exclusiva de Ônibus e Ciclofaixa na CUASO A Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira (CUASO), no Butantã, tem uma média de circulação de 40 mil veículos por dia. Inserida

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada Prefeitura Municipal de Rio Branco Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito RBTRANS II Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Programa Cidades Sustentáveis Melhor Mobilidade,

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS LEI MUNICIPAL N 4.066/2015 DE 27 DE MAIO DE 2015 INSTITUI O PLANO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE PANAMBI, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Panambi, no uso das atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

O POTENCIAL DA BICICLETA PARA O CAMPUS I DA UFPB

O POTENCIAL DA BICICLETA PARA O CAMPUS I DA UFPB O POTENCIAL DA BICICLETA PARA O CAMPUS I DA UFPB Caroline Munoz Cevada Angelina Dias Leão Costa O POTENCIAL DA BICICLETA PARA O CAMPUS I DA UFPB Caroline Muñoz Cevada Programa de Pós-Graduação em Arquitetura

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade Ana Paula Beszczynski (*) Resumo O presente trabalho mostra que precisamos mudar

Leia mais

1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO

1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO de Mobilidade 1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO MAPEAMENTO DAS CICLOVIAS EXISTENTES MAIO. 2015 OBJETIVOS OBJETIVO PRINCIPAL CRIAÇÃO DE UM MAPA CICLOVIÁRIO UNIFICADO DO DISTRITO FEDERAL OBJETIVOS

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Políticas Públicas da UTFPR PETPP

Políticas Públicas da UTFPR PETPP IX Semana de Políticas Públicas Programa de Educação Tutorial em Políticas Públicas da UTFPR PETPP 10h 40min Mobilidade Urbana e as Políticas de Ciclomobilidade por Antonio C. M. Miranda Ações da de Curitiba

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS. Janeiro de 2014

CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS. Janeiro de 2014 CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS Janeiro de 2014 Apresentação São Paulo possui cerca de 17.000 km de vias que, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, são consideradas cicláveis

Leia mais

145 - A bicicleta no campus da USP/SP: proposta de ciclorede e mobiliário urbano.

145 - A bicicleta no campus da USP/SP: proposta de ciclorede e mobiliário urbano. 145 - A bicicleta no campus da USP/SP: proposta de ciclorede e mobiliário urbano. PAOLI, Mariana (1); ROSA, Marina (2), KRONKA, Roberta C. Mülfarth (3) Universidade de São Paulo/Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário

A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário Por Ana Paula dos Santos Cunha Araújo e Eudes Santana Araújo* *O texto

Leia mais

Mobilidade Urbana. Plano Diretor Urbano. Vitória, 29 de setembro de 2015

Mobilidade Urbana. Plano Diretor Urbano. Vitória, 29 de setembro de 2015 Mobilidade Urbana Plano Diretor Urbano Vitória, 29 de setembro de 2015 Diretrizes Plano Diretor Urbano Melhorar a qualidade da vida ambiental e urbana nos bairros Incentivo ao transporte público coletivo

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

Centro Vivo e com Mobilidade.

Centro Vivo e com Mobilidade. Centro Vivo e com Mobilidade. Débora Redondo 1 ; Bárbara de Azevedo Martins; Lívia Louzada de Toledo Pugliese 2. ¹Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Departamento de Serviços

Leia mais

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro.

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro. Barueri, 21 de Setembro de 2009. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan PREFEITO DE BARUERI Ref: Projetos do 1 Conselho Gestor de Segurança da Aldeia de Barueri Venho à presença de Vossa Excelência apresentar

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS Angelica Meireles de Oliveira Antônio Nélson Rodrigues da Silva PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14. Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14. Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14 Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo Mirian Voss (*) Resumo Curitiba possui um sistema de transporte coletivo

Leia mais

PROJETO CICLOROTA ANEL DA ILHA

PROJETO CICLOROTA ANEL DA ILHA PROJETO CICLOROTA ANEL DA ILHA O projeto ciclorota da Anel da Ilha do Governador integra o conjunto de ciclovias definidas como METAS do Programa Estratégico da Prefeitura Rio, Capital da Bicicleta, para

Leia mais

CICLOVIAS EXISTENTES NA REGIÃO ADMINISTRATIVA DE SAMAMBAIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O USO DE OUTROS MODAIS DE TRANSPORTE

CICLOVIAS EXISTENTES NA REGIÃO ADMINISTRATIVA DE SAMAMBAIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O USO DE OUTROS MODAIS DE TRANSPORTE ISSN 1984-9354 CICLOVIAS EXISTENTES NA REGIÃO ADMINISTRATIVA DE SAMAMBAIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O USO DE OUTROS MODAIS DE TRANSPORTE Cesar Eduardo Leite, Thiago Soares Teixeira, Belmiro Cardoso de

Leia mais

As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las.

As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las. As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las. Bicicleta 1818 cartilha com os novos procedimentos de acesso ao estacionamento. INTRODUÇÃO Pensar na qualidade de vida de

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Mobilidade Urbana Palestrantes: Marta Cruz Engenheira Civil Universidade Federal do Espírito Santo Gesiane Silveira Engenheira Civil Universidade

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx Proposta de ciclovias para Goiânia cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbn

Leia mais

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Dados existentes Dados da Pesquisa Origem

Leia mais

Governo Estadual RS 509

Governo Estadual RS 509 1 - RODOVIAS / TRAVESSIA URBANA Governo Federal BR 158, BR 287 e BR 392 Governo Estadual RS 509 Governo Municipal Av. Helvio Basso 2 - MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade Urbana TR está pronto.

Leia mais

Guia de Utilização. Mapa Cicloviário Unificado de São José dos Campos. Autor: Eric Sousa. Data de criação: 14/02/15

Guia de Utilização. Mapa Cicloviário Unificado de São José dos Campos. Autor: Eric Sousa. Data de criação: 14/02/15 Guia de Utilização Mapa Cicloviário Unificado de São José dos Campos Autor: Eric Sousa Data de criação: 14/02/15 Sumário Símbolos & Legendas... 3 Símbolos... 3 Legendas... 3 Ciclovia... 3 Ciclofaixa...

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA Duplicação e reabilitação da pista existente, implantação de Ruas Laterais e Restauração/Construção de Obra-de-Arte Especiais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013 Mobilidade Suave Humanização de Cidades outubro 2013 Estratégias Urbanas Planos de Revitalização Planos de Mobilidade Planos Cicloviários e Pedonais Espaços Públicos Projetos Viários e Cicloviários Parques

Leia mais

Manual Prêmio Mobilidade

Manual Prêmio Mobilidade Manual Prêmio Mobilidade 1. Qual o objetivo do Prêmio Mobilidade? O Prêmio Cidades Sustentáveis, categoria "Mobilidade", pretende reconhecer políticas públicas sustentáveis e bem sucedidas de melhoria

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO INTEGRADO DE PORTO ALEGRE A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO

PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO INTEGRADO DE PORTO ALEGRE A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO INTEGRADO DE PORTO ALEGRE A QUESTÃO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO RESUMO Este texto relata a experiência de elaboração de um Plano Diretor Cicloviário para a cidade de Porto Alegre,

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CICLOVIDA. Área Temática: Meio Ambiente José Carlos Assunção Belotto 1 Silvana Nakamori 2

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CICLOVIDA. Área Temática: Meio Ambiente José Carlos Assunção Belotto 1 Silvana Nakamori 2 PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CICLOVIDA Área Temática: Meio Ambiente José Carlos Assunção Belotto 1 Silvana Nakamori 2 PALAVRAS CHAVE: BICICLETA, MOBILIDADE, QUALIDADE DE VIDA. RESUMO O Programa Ciclovida

Leia mais

Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras

Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras CICLOVIAS AN P Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras Marcos Feder Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre - EPTC E-mail: mfeder@eptc.prefpoa.com.br Por esse motivo,

Leia mais

INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO

INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO Proposta para criação de infraestrutura na Região... Apresentação Assim como as pessoas que as povoam, as cidades e seus elementos tem vida própria,

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS

MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS ARTIGO Manoel Reis Coordenador de projetos da FGV Projetos Manoel Reis é engenheiro naval, mestre em engenharia pela Escola Politécnica da USP e tem

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Plano de melhorias e incentivo para pedestres e ciclistas

Plano de melhorias e incentivo para pedestres e ciclistas Plano de melhorias e incentivo para pedestres e ciclistas Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 76 SUMÁRIO 2.3. Plano de melhorias

Leia mais

Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994).

Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994). 6 1. APRESENTAÇÃO Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994). 1.1 Tema Cada região do planeta tem suas peculiaridades,

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais