O PAPEL DO PLANO DE CARGA DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES NO FLUXO LOGÍSTICO DO COMÉRCIO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO PLANO DE CARGA DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES NO FLUXO LOGÍSTICO DO COMÉRCIO EXTERIOR"

Transcrição

1 O PAPEL DO PLANO DE CARGA DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES NO FLUXO LOGÍSTICO DO COMÉRCIO EXTERIOR Paulo Rogério Fermino Aluno do Curso de Tecnologia em Logística - Fatec Jahu Guilherme Bondezan Aluno do Curso de Tecnologia em Logística - Fatec Jahu Lucas Mantovanini Aluno do Curso de Tecnologia em Logística - Fatec Jahu Curso de Tecnologia em Logística FATEC-JAHU Jaú, 23 de março de 2012 RESUMO Com o grande número de contêineres utilizados no comercio exterior, sendo movimentados através de navios e terminais especializados nestes tipos de operações, é necessário que estas operações ocorram de maneira eficiente a fim de se reduzir o custo destas. Por isso faz-se necessário a elaboração do Plano de Carga de Navios Porta Contêineres, que é de suma importância para que se aumente a eficiência dos Terminais de Contêineres, garantindo um fluxo eficaz da logística envolvida no comercio exterior, reduzindo tempo, movimentações desnecessárias e consequentemente seu custo. Este artigo explica de maneira simplificada os fatores que influenciam a elaboração do Plano de Carga, destacando sua importância para garantir uma viagem segura e aumentando a eficiência das operações de carga e descarga do navio. PALAVRAS CHAVES Plano de carga, contêiner, carregamento, descarregamento. ABSTRACT With the large number of containers used in foreign trade, being moved by ship and terminal specialized in these types of operations, it is necessary that these operations occur efficiently in order to reduce the cost of these. Therefore it is necessary to the drafting of Cargo Ship Container Port, which is critical to driving up the efficiency of Container Terminals, ensuring an efficient flow of logistics involved in foreign trade, reducing time and unnecessary movements hence its cost. This article explains in simple terms the factors that influence the development of the Plan Charge, highlighting its importance to ensure a safe journey and increasing the efficiency of loading and unloading of the ship. KEYWORDS Plan cargo, container, loading, unloading.

2 INTRODUÇÃO Em 2009 cerca de toneladas de mercadorias foram movimentadas através de contêineres nos portos e terminais brasileiros, equivalente a 64,10% da carga geral total movimentada, sendo que as principais mercadorias foram plásticos e suas obras, toneladas, carnes de aves congeladas, toneladas, e café, com toneladas, sendo unidades o total de contêineres movimentados durante o ano de 2009 (ANTAQ, 2009). Com as informações apresentadas, pode-se perceber a importância dos contêineres no fluxo logístico do comercio exterior, pelo fato de mais de 50% das cargas gerais movimentadas nos portos e terminais brasileiros serem transportadas em contêineres. No comercio exterior o principal modal utilizado é o transporte marítimo, levando em conta o grande número de mercadorias movimentadas através de contêineres, faz-se necessário a utilização de terminais e navios especializados no transporte desse tipo de carga, para aumentar a eficiências neste tipo de operação. Os Terminais de Contêineres são especializados na movimentação destas cargas, tendo em sua composição maquinas e equipamentos necessários para este tipo de operação, organizados de modo a facilitar o fluxo de carga e descarga dos navios. Os navios utilizados para o transporte de contêineres são chamados de Navios Porta Contêineres, são navios que possuem uma estrutura que facilita a movimentação de contêineres de carga, pois em todos os portos ao longo de uma viagem, contêineres são descarregados e contêineres adicionais são destinados aos portos subsequentes, os Navios Porta Contêineres dispõem de espaços celulares, destinados ao empilhamento dos contêineres, que são movimentados, tanto nas células como no convés, com equipamentos de bordo ou de terra (RIBEIRO e AZEVEDO, 2009). Para uma melhor acomodação dos contêineres nas células dos navios e também com o intuito de melhorar a eficiências no carregamento e descarregamento dos contêineres nos terminais, é necessária a elaboração do Plano de Carga, que determina a alocação de cada contêiner em sua respectiva baia, isto é planejar o layount do carregamento e descarregamento dos Navios Porta Contêineres, otimizando a relação custo eficácia destas operações reduzindo o número de movimentações desnecessárias de contêineres ao longo de uma viagem. O responsável pela elaboração deste planejamento é o profissional conhecido como Ship Planner (planejador de navios). Neste artigo será feito um levantamento bibliográfico com o intuito de identificar os métodos utilizados na elaboração do Plano de Carga e sua finalidade, para se ter uma visão geral de seu papel dentro da cadeia logística do comercio exterior. CONTÊINER Visando facilitar o transbordo das mercadorias entre os diversos tipos de modais utilizados até a chegada das mercadorias a seus destinos finais, foram desenvolvidos sistemas contentores destas mercadorias conhecidos como contêineres, a fim de uma redução do tempo gasto com estas operações consequentemente reduzindo seus custos operacionais. Contêineres são grandes caixa retangulares com uma entrada (dependendo do tipo) para o carregamento e descarregamento de mercadorias, paletizadas ou não, com a finalidade de proteger e facilitar o transporte. Existem contêineres de 20 pés (dimensões em metros: 6,06x2,44x2,6) com

3 capacidade de carga aproximadamente até 18 toneladas, ou 40 pés (dimensões em metros: 12,19x2,44x2,6) com capacidade de carga de aproximadamente 26 toneladas. A unidade de medida utilizada na contagem de contêineres é expressa em TEU, que corresponde a um contêiner de 20 pés (site: NOVA ERA ADUANEIRA, 2012). NAVIO PORTA CONTÊINER O transporte de contêineres, que começou no convés dos navios de carga geral convencionais, vem apresentando um desenvolvimento extraordinário nas últimas décadas, pelas vantagens que proporciona, ocupando, atualmente, papel majoritário no transporte de carga geral. Este desenvolvimento refletiu-se nos navios de contêineres que vêm crescendo de porte para abrigar um número maior de contêineres a bordo. (GÓES, 2002). Os Navios Porta Contêineres são navios que possuem uma estrutura que facilita a movimentação de contêineres de carga, pois em todos os portos ao longo de uma viagem, contêineres são descarregados e contêineres adicionais são destinados aos portos subsequentes, os Navios Porta Contêineres dispõem de espaços celulares, destinados ao empilhamento dos contêineres, que são movimentados, tanto nas células como no convés, com equipamentos de bordo ou de terra (RIBEIRO e AZEVEDO, 2009). São navios semelhantes aos navios de carga geral, mas normalmente não possuem além de um ou dois mastros simples sem paus de carga. As escotilhas de carga abrangem praticamente toda a área do convés e são providas de guias para encaixar os contêineres nos porões. Alguns desses navios apresentam guindastes especiais (Site: ABRETI, 2012). Existem hoje navios com capacidade de transportar mais de TEU's, variando sua velocidade entre 18 e 23 nós. TERMINAL CONTÊINER Um moderno terminal de contêiner é um empreendimento industrial onde uma grande variedade de atividades acontece ao mesmo tempo. Grandes máquinas movimentando-se em todas as direções, equipamentos levantando e movimentando cargas, navios e veículos chegando e partindo. O principal propósito de toda esta atividade é transferir mercadorias em contêineres, o mais rápido e eficientemente possível, entre o interior e o transporte marítimo. O terminal de contêiner tem uma participação central no transporte internacional de mercadorias, é um elo essencial na cadeia do transporte. A eficiência com a qual o terminal executa sua função tem impacto significativo na velocidade, uniformidade e custo do transporte de carga do exportador para o importador (TECON, 2002). Com o aumento do consumo de produtos globalizados, necessidade de entrega nos prazos e portos cada vez mais defasados, os terminais de contêineres cada vez mais mostram sua importância no processo de transporte marítimo e intermodal. Este também pode ser subdividido em três, os terminais regionais ou alimentadores, os de transbordo e os concentrados, que são classificados por sua quantidade de contêiner movimentados e sua importância na região ou pais. Tendo a função de receber e entregar contêineres para vários modais os terminais tem um grande problema, que é a escolha da disposição dos contêineres no seu pátio de acordo com a ordem dos carregamento do navio, este pode agregar tempo a movimentação, utilização ineficiente de maquinas e aumento no custo operacional. A solução em parte para este problema vêm sendo cada vez mais

4 atribuídas a uma boa elaboração do Plano de Carga tal como equipamentos cada vez mais potentes e modernos, como guindastes, trator reboque e empilhadeira, que tentam diminuir tempo e numero de movimentações, de maneira que os contêineres sejam arranjados no patio para facilitar o carregamento do navio. Com os investimentos e avanços tecnológicos a tendência é que os terminais se tornem cada vez mais rápidos e eficazes ao passar do tempo, aumentando sua importância no cenário do comercio exterior. O PLANO DE CARGA O Plano de Carga dos Navios Porta Contêineres é elaborado para facilitar as operações de carregamento e descarregamento destes navios, afim de reduzir o tempo necessário para estas operações, diminuindo ao máximo o número de remanejamentos de contêineres nos portos posteriores, com o objetivo de reduzir os custos referentes a estas operações, onde serão retirados ou adicionados novos contêineres, também outro motivo para a elaboração deste plano, é garantir a estabilidade do navio ao longo da viagem, pois os contêineres são carregados com diversos tipos de mercadorias com fator estiva divergentes, para que a viagem possa ser feita de maneira segura, é necessário garantir o equilíbrio entre o peso das cargas distribuídas ao longo do navio. O Plano de Carga consiste na representação gráfica da distribuição dos contêineres nas baias do navio. Normalmente este plano segue o sistema bays-row-tier para determinar as coordenadas em que cada contêiner deverá ser alocado, estas coordenadas indicam o bloco na direção transversal do navio (bays) iniciando-se o sequenciamento numérico a partir da proa, sendo as células para contêineres de 20 pés números impares e para contêineres de 40 pés números pares, as fileiras longitudinais (row) são numeradas a partir do centro, sendo que a bombordo se localizam os números pares e a boreste os números impares, as camadas verticais (tier) são numeradas de baixo para cima somente com números pares, no convés geralmente está numeração se inicia no número 80 (BOGOSSIAN, 2011). Para a elaboração do Plano de Carga é vital receber com antecedência as informações referentes à sequência de desembarque dos contêineres, para que se possa fazer um melhor planejamento da alocação dos contêineres que deveram ser embarcados no navio, levando em consideração a sequência dos posteriores carregamentos e descarregamentos, sendo muitas vezes necessário o remanejo dos contêineres já alocados nos navios, para se otimizar o tempo gasto nas operações de embarque e desembarque posteriores, diminuindo ao máximo o número de remanejamentos efetuados em cada porto. A redução do tempo gasto nas operações de carregamento e descarregamento de contêineres, tem importância significativa para redução dos custos do fluxo logístico do comercio exterior, pelo fato dos custos com navios ociosos serem muito altos, devendo-se manter um fluxo constante na utilização destes navios. Na figura a seguir é mostrado a representação gráfica da localização dos contêineres de acordo com suas coordenadas bays-row-tier.

5 Figura 01 Mapa do Navio (fonte: INCATEP, 2008) Segundo o Manual do Aluno, INCATEP (2004); Na representação de contêineres, existem basicamente 03 modelos: 1. General Arrangement: Plano de linha geral de um navio mostrando em escala pequena o perfil do navio, na forma de corte vertical na seção longitudinal através da linha do centro, visto de boreste, também conhecido pro plano geral de estivagem. 2. Outline Plan / Letter Plan: Plano de estiva de carga mostrando as pilhas de contêineres em todo o navio na forma de uma serie de Bays Plan, vistos a partir da Popa; normalmente, com arranjo geral em menor escala localizado na parte superior. 3. Bay Plan: Plano de estivagem de um Navio Porta Contêineres, mostrando uma vista detalhada de uma bay, conforme o plano de linhas gerais. Cortes transversais sucessivos ao longo de eixo longitudinal, de modo a retratar as diferentes estruturas de estivagem. Cada diagrama tem boreste representado sempre à direita da pagina e bombordo sempre à esquerda. 4. Plano de Amarração (Lashing Plan): Desenho mostrando o padrão de segurança dos contêineres a ser obedecido em um navio particular, bay por bay, assinado ao termino da peação pelo oficial do navio e pelo supervisor do navio. ELABORAÇÃO DO PLANO DE CARGA Ao elaborar o Plano de Carga é necessário verificar a necessidade de segregar

6 (separar) os contêineres em seus diferentes tipos de cargas, no qual cada um deste está levando mercadorias com características especificas, podendo muitas vezes terem características que propiciam ricos de acidentes (exemplo: produtos químicos reagentes). O IMDG Code da IMO, estabelece as normas para a segregação a bordo dos navios das cargas perigosas, porém na prática, a tabela de segregação, é aplicada inclusive nas áreas portuárias, pátios e armazéns, já que seu cumprimento implica em uma segurança maior na movimentação destas cargas (INCATEP, 2004). Definição de carga perigosa segundo o IMDG Code da IMO: Qualquer substância que sob condições normais tenha alguma instabilidade inerente, que sozinha ou combinada com outras cargas, que possa causar incêndio, explosão, corrosão de outros materiais, ou ainda, que seja suficientemente tóxica para ameaçar a vida ou a saúde pública se não for adequadamente controlada. Também visando uma maior segurança das viagens, deve-se elaborar o Plano de Carga de modo a distribuir o peso das cargas ao longo do navio, para que se possa garantir um alto nível de estabilidade durante a viagem. Segundo, BOGASSIAN (2011); Os processos de carga e descarga, como esperado, exercem afeito significativo na estabilidade da embarcação. Por exemplo, levantar uma carga pesada causa efeito no centro de gravidade do navio, como se o peso fosse localizado na ponta da lança. Em consequência, o navio tende a adernar. O centro de gravidade de uma embarcação se move quando há: movimentação de pesos (remoção): o centro de gravidade se movimenta paralelamente ao movimento do peso movido a bordo, reduzindo a estabilidade e provocando trim. (gangorra com pivô na centro de flutuação); embarque de cargas: o centro de gravidade se movimenta em direção ao peso embarcado. O navio tende a adernar na direção do embarque; desembarque de cargas: o centro de gravidade se movimenta em direção contraria ao peso desembarcado; elevação de pesos (içamento vertical): mesma situação da remoção da carga, na qual o centro de gravidade se desloca paralelamente ao movimento da carga, com alteração da cota do centro de gravidade. No caso, o navio sobe com a colocação de pesos (vertical). Deste modo tendo em vista não somente as operações de carga e descarga do navio, mas sim toda a jornada que este fará, deve-se fazer a distribuição do peso, de modo a evitar desvios do centro de gravidade do navio, distribuindo o peso de forma proporcional ao longo dos eixos, longitudinal e transversal do navio, desta forma reduzindo trim (inclinação longitudinal do navio). A distribuição do peso das cargas nas fileiras longitudinais (row), também devem seguir estas mesmas regras, afim de reduzir o risco de tombamento do navio.

7 A figura a seguir mostra um exemplo de carregamento de uma bay do navio levando em conta o peso dos contêineres a serem transportados. Figura 02 Fonte: BOGOSSIAN (2011) Mas não apenas o peso e a segregação das cargas perigosas devem ser levados em conta no momento da elaboração do Plano de Carga, outro fator importante é a ordem em que o descarregamento dos contêineres deverá ocorrer nos portos posteriores, onde serão descarregados e adicionados novos contêineres, que seguiram para os destinos subsequentes na rota do navio. Aplicando este conceito, no memento da elaboração do Plano de Carga tem-se em mente que a ordem de descarregamento dos contêineres será feita através do método L.I.F.O. (ultimo a entrar, primeiro a sair), pelo fato de que os contêineres podem ser movimentados no navio apenas pela parte superior. Com isso os contêineres que deveram ficar nas células superiores do navio, devem ser aqueles que serão descarregados nos primeiros pontos de descarga da rota do navio após seu carregamento. Naturalmente no momento do carregamento dos contêineres, existiram já alocados nas células do navio, contêineres que serão descarregados em portos anteriores aos que os contêineres que devem ser adicionados serão descarregados. Por isso faz-se necessário receber com antecedência as informações sobre o Plano de Carga elaborado no terminal anterior, visando evitar que os contêineres que serão carregados no navio, sejam alocados de maneira que dificulte o descarregamento do navio nos destinos posteriores. Ao receber as informações sobre o destinos dos contêineres já alocados no navio, o ship planner deve elaborar o plano de carga de modo a facilitar o descarregamento dos contêineres nos portos posteriores, sendo muitas vezes necessário o remanejamento dos contêineres já alocado nas células do navio, está operação por sua vez deve evitar um número excessivo de remanejamentos com o intuito de reduzir os custos destas operações. Para que estas operações ocorram de maneira eficiente, são necessários sistemas de informações de alto nível, para que o fluxo de informação seja processado de

8 maneira que facilite sua compreensão, para que se possa elaborar o Plano de Carga de maneira eficaz, a fim de reduzir o tempo e os custos das operações realizadas nos terminais de contêineres. A figura a seguir mostra um exemplo de carregamento de uma bay, levando em conta a sequência de descarregamento dos contêineres, de acordo com seus respectivos pontos de descarga. CONSIDERAÇÕES FINAIS Figura 03 Analisando as informações apresentadas, sobre, a elaboração e funções do Plano de Carga, pode-se concluir que seu papel é de vital importância no fluxo logístico do comercio exterior, considerando que uma vez elaborado de forma ineficaz, compromete não apenas as questões de segurança do navio, mas também os custos gerados pelas operações de carga e descarga do navio, aumentando o tempo total gasto com a viagem. Deste modo deve-se elaborar este planejamento baseando-se em informações como, tipo de carga a ser transportada, destino dos contêineres já alocados no navio e dos que viram a ser carregados no terminal, mantendo-se sempre um equilíbrio entre o peso das cargas dispostas ao longo do navio, com o objetivo de elevar a eficiência destas operações, relacionadas com o fluxo logístico do comercio exterior. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional. (acessado em março de 2012). 2. Nova Era Consultoria Aduaneira. (acessado em março de 2012).

9 3. GÓES, H. de A. Planejamento Portuário. Rio de Janeiro, Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 4. BOGOSSIAN, M. P. Entraves Operacionais Portuários: Plataforma de Analise Comparativa, 2011 Universidade de Brasília. 5. RIBEIRO, C. M.; AZEVEDO, A. T. Resolução do Problema de Carregamento e Descarregamento de Contêineres em Terminais Portuários Via Beam Search, 2009 UNESP Guaratinguetá. 6. ANTAQ. Analise da Movimentação de Cargas nos Portos Organizados e Terminais de Uso Privativo, VENÂNCIO, A. L.; NASCIMENTO, N. Atividade de Planner e sua Importância nas Operações Portuárias. 8. BERTOLANI, A. D.; LEME, F. L. Carregamento de Contêineres em Navios, Universidade Presbiteriana Mackenzie Higienópolis. 9. CURSO BÁSICO DE CONFERÊNCIA DE CARGA (CBCC),2006.Marinha do Brasil, Diretoria dos Portos e Costas. 10. MARINHA DO BRASIL. Curso de Extensão de Conferencia de Carga, Diretoria dos Portos e Costas. 11. PROTEP Programa de Treinamento Portuários, INCATEP Instituto de Capacitação Técnico Portuária. 12. Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE, 2004.

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

4 MÉTODO HEURÍSTICO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE ESTIVAGEM DE PLACA DE AÇO

4 MÉTODO HEURÍSTICO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE ESTIVAGEM DE PLACA DE AÇO 4 MÉTODO HEURÍSTICO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE ESTIVAGEM DE PLACA DE AÇO O método proposto para elaboração de Planos de Estivagem de placas de aço em navios foi desenvolvido com base nos conhecimentos

Leia mais

Facilitador Carlos Roberto dos Santos

Facilitador Carlos Roberto dos Santos BÁSICO DE SHIPPING NOÇÕES OPERACIONAIS DOS NAVIOS CELULARES Facilitador Carlos Roberto dos Santos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Introdução ao Transporte Marítimo Operador Portuário, Armadores, Clientes, Linhas

Leia mais

CARREGAMENTO DE CONTÊINERES EM NAVIOS

CARREGAMENTO DE CONTÊINERES EM NAVIOS CARREGAMENTO DE CONTÊINERES EM NAVIOS Andréa Dias Bertolani e Francisco Louzano Leme Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Itambé, 45 Higienópolis 01239-902 - São Paulo Brasil andreabertolani@terra.com.br

Leia mais

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS Definição e Responsabilidades Em conformidade com a LEI nº 14.072 de 18 de outubro de 2005, qualquer EVENTO somente poderá ser iniciado após

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO DE TRATOR E DE PÁ-CARREGADEIRA SIGLA: COTPC SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 2 SEMANAS CARGA HORÁRIA TOTAL:

Leia mais

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$)

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$) Tabela de preços pag 1 TABELA A Utilização Instalação e Acostamento Preço (R$) Atracação *Por metro Linear/Navio per de 12h ; A taxa mínima a cobrar será de 60 metros por periodo, por embarcação 5,00 TABELA

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Secretaria Especial de Portos da Presidência da República O Porto como Elo Fundamental de uma Cadeia Logística Segura Luis Claudio Santana Montenegro Secretaria Especial de Portos / Presidência da República

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

5. Estudo de Caso. 5.1. Redex

5. Estudo de Caso. 5.1. Redex 69 5. Estudo de Caso 5.1. Redex Em setembro de 2007, foi inaugurado o Redex. A área, que anteriormente funcionava como um terminal de contêineres vazios, passou a ter como principal negócio a unitização

Leia mais

DEFINIÇÕES. Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal

DEFINIÇÕES. Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal GEOMETRIA DO NAVIO DEFINIÇÕES Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal Linha de flutuação: interseção da superfície da água com o contorno exterior do

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS 18 a Reunião Ordinária da Comissão Permanente Nacional Portuária Itajaí/SC Abril de 2010 Eng. Ricardo Freire INTERFACE ENTRE OS MODAIS TERRESTRE E AQUAVIÁRIO Harmonização no Transporte de Produtos Perigosos

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO Esta tabela remunerará as facilidades portuárias constituídas pelos molhes, quebramares, canal de acesso

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Tabela I. Tabela II. Tabela V

Tabela I. Tabela II. Tabela V TARIFÁRIO DO PORTO DE NATAL Tabela I Tabela II Utilização da Infraestrutura de Proteção e Acesso Aquaviário; Taxas Devidas pelo Armador ou Seu Agente Marítimo; Utilização da Infraestrutura de Acostagem;

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

Portos e Hidrovias. Extensão da costa brasileira: 7.400 Km. Extensão hidroviária 47.882 Km. Fonte: DNIT

Portos e Hidrovias. Extensão da costa brasileira: 7.400 Km. Extensão hidroviária 47.882 Km. Fonte: DNIT 1 Portos e Hidrovias Extensão da costa brasileira: 7.400 Km Extensão hidroviária 47.882 Km Fonte: DNIT 2 Ferrovias Extensão da malha ferroviária: 29.283 Km Fonte: DNIT 3 Rodovias Extensão da malha rodoviária:

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 25/02/2014 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISIONAL MARÍTIMO MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 CURSO DISCIPLINA

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS

REGULAMENTO DE TARIFAS REGULAMENTO DE TARIFAS CAPITULO I Contentores Artigo 1º Tarifas máximas a aplicar 1 Nas operações de embarque e desembarque de contentores no porto de Leixões, aplicar-se-á uma tarifa máxima por contentor

Leia mais

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR (VWXGRGH&DVR,QWURGXomR O objetivo do estudo é determinar os custos para operação de movimentação interna de diversos tipos de contêineres utilizados para armazenamento e transporte de produtos químicos.

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SINOPSE GERAL DO CURSO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SINOPSE GERAL DO CURSO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SIGLA: CORE SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO MÍNIMA: 7 dias MÁXIMA: 17 dias CARGA HORÁRIA

Leia mais

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO)

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) A HISTÓRICO. O TUP do Estaleiro Brasa Ltda foi o primeiro Terminal de Uso Privado autorizado pela Secretaria de Portos da Presidência da Republica (SEP/PR) com a interveniência

Leia mais

TERMINAL DE VILA VELHA TVV ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS Válida a partir de 18/02/2013 Versão 01.2013

TERMINAL DE VILA VELHA TVV ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS Válida a partir de 18/02/2013 Versão 01.2013 A. SERVIÇOS INTEGRADOS DE MOVIMENTAÇÃO DE CONTÊINERES BOX RATE Este serviço inclui todos os custos envolvidos para a operação básica de contêineres de importação ou exportação, em navios full container,

Leia mais

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 REGULA A MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E TRÂNSITO DE MERCADORIAS CLASSIFICADAS PELO CÓDIGO MARÍTIMO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS PERIGOSAS (IMDG CODE), DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Para todos os efeitos do presente CONTRATO, e para maior precisão e clareza dos termos nele utilizados, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Para todos os efeitos do presente CONTRATO, e para maior precisão e clareza dos termos nele utilizados, ficam estabelecidas as seguintes definições: Os presentes Termos e Condições Gerais, doravante denominados CONTRATO, que estarão sempre disponíveis na página internet da Santos-Brasil S.A., são válidos para a prestação de serviços para as Linhas

Leia mais

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Dados preliminares sujeitos a alterações Roteiro de Apresentação Definição de Transporte Intemodal

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1.

A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1. A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1. Operação a bordo Pág. 2 B.2. Operação em terra Pág. 3 B.3. Utilização

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1. ARMAZENAGEM Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1.1. ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO 1.1.1 CONTÊINERES MUDANÇA DE REGIME/CARGA LCL Pelo

Leia mais

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY A C A D E M Y #QueroSerConferente O SETOR Exportações Brasileiras Em 2015 a produção agropecuária do Brasil atingiu um volume recorde, chegando a

Leia mais

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja Tipo: Artigo Produto: Grãos de Soja 3ª Parte: TPR Rosário Publicação / Sulamericana Data: Abril 2015 Ref: 160415ARGrain Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja O terminal argentino

Leia mais

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1 8 () Diploma Ministerial n. / de de Agosto A Política Pesqueira e a respectiva Estratégia de Implementação, aprovada pela Resolução n. /, de 8 de Maio e o Plano Director das Pescas, definem a propriedade

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO DE VEÍCULOS LEVES SIGLA: COVL SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 1 SEMANA CARGA HORÁRIA TOTAL: 20 HORAS 1 - PRÓPOSITO

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO DE EMPILHADEIRA DE GRANDE PORTE SIGLA: COEGP SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 2,5 SEMANAS CARGA HORÁRIA TOTAL:

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

Fica Prorrogado as inscrições até 26 de Março de 2015. No Anexo I, Página 5 do Edital nº 013/2014, onde se lê: ANEXO I CRONOGRAMA

Fica Prorrogado as inscrições até 26 de Março de 2015. No Anexo I, Página 5 do Edital nº 013/2014, onde se lê: ANEXO I CRONOGRAMA O ORGÃO DE GESTÃO DE MÃO-DE-OBRA DO TRABALHO PORTO ALEGRE OGMO POA, torna público a RETIFICAÇÃO Nº 001/2015 que retifica o EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 001/2014 passando a ser assim definido:

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log Trabalho de Estagiário Júnior Gargalos Logísticos no Uso de Containeres

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Flávia Barbosa Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) flaflabarbosa0@gmail.com Antônio Carlos Moretti Universidade

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II

Leia mais

SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS

SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS O PULSO VITAL DA ATIVIDADE PORTUÁRIA Cerca de 80% de todo o comércio mundial é despachado por contêineres, de modo que o gerenciamento

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE GESTÃO OPERACIONAL EM TERMINAIS ROLL-ON/ROLL-OFF SIGLA: CGTRR SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 1 SEMANA CARGA HORÁRIA

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE GESTÃO OPERACIONAL EM TERMINAIS DE CARGA GERAL SIGLA: CGTCG SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 4 SEMANAS CARGA HORÁRIA

Leia mais

SIMULADOR DE GUINDASTE PORTA CONTAINER. Modelo computacional com interface gráfica, de um simulador em tempo real de um guindaste porta container.

SIMULADOR DE GUINDASTE PORTA CONTAINER. Modelo computacional com interface gráfica, de um simulador em tempo real de um guindaste porta container. SIMULADOR DE GUINDASTE PORTA CONTAINER Modelo computacional com interface gráfica, de um simulador em tempo real de um guindaste porta container. Prof. Arthur Vieira Netto Junior Prof. Thiago Ragozo Contim

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº 14.2014, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. ESTABELECE REGRAMENTO PARA O ACESSO TERRESTRE AO PORTO DE SANTOS O DIRETOR PRESIDENTE da COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP, na qualidade

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF 1º período de 7 dias ou fração

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO 2007 MR13 LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO 16 de Agosto de 2007 Fabiano Bardauil

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 08

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 08 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 EMBARCAÇÕES MARÍTIMAS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 08 NAVIO

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

Meios de Movimentação de Carga. Arquitectura Naval

Meios de Movimentação de Carga. Arquitectura Naval Meios de Movimentação de Carga Sistemas do Convés Os sistemas do convés são: Meios de movimentação da carga, Equipamento de salvação. Meios para combate a incêndios. Meios de amarração. Equipamento para

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais