UNIVERSIDADE PAULISTA SEPI SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL INTERATIVO WILSON NADIM FILHO. Projeto Integrado Multidisciplinar I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA SEPI SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL INTERATIVO WILSON NADIM FILHO. Projeto Integrado Multidisciplinar I"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE PAULISTA SEPI SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL INTERATIVO WILSON NADIM FILHO Projeto Integrado Multidisciplinar I São Paulo 2007

2 2 Wilson Nadim Filho Projeto Integrado Multidisciplinar I SEPI 2007

3 3 WILSON NADIM FILHO Projeto Integrado Multidisciplinar I Projeto Integrado Multidisciplinar entregue a Universidade Paulista- SEPI no curso de Tecnologia em Gestão de Sistemas de Informação. São Paulo 2007

4 4 Wilson Nadim Filho Projeto Integrado Multidisciplinar I Trabalho apresentada à Universidade Paulista UNIP-SEPI, como parte dos requisitos necessários à conclusao do semestre. Área de Concentração: Economia e Mercado,Matemática Aplicada e Estrutura de Sistemas de Informação. Banca Examinadora Presidente Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Aprovada em: / /

5 5 Dedico aos meus pais, Wilson e Fatima, que incondicionalmente não mediram esforços para a minha formação, sempre me incentivando a estudar e correr atrás dos meus ideais.

6 6 AGRADECIMENTOS Ao meu tio e Jose Arruda Santos por permitir realizar esse trabalho dentro de sua empresa. As minhas tias Rita e Sandra que demonstraram muita paciência ao explicar detalhadamente as rotinas administrativas da empresa. Ao meu filho,que mesmo estando longe,sempre penso nele.

7 7 Marketing e meramente uma forma civilizada de guerra,em que a maioria das batalhas e vencidas com palavras,idéias e pensamentos disciplinados Albert W Embry

8 8 RESUMO O objetivo deste projeto foi selecionar uma empresa no mercado e aplicar os conhecimentos adquiridos nas aulas na pratica.as disciplinas contempladas foram Economia e Mercado: que consistiu em avaliar a empresa no enfoque micro e macroeconômico,bem como classificar seus bens e os fatores de produção.matemática Aplicada: que consistiu em analisar um case que foi de suma importância para o crescimento econômico da organização e na capacitação do diretor nas funções básicas da HP12C.E por fim Estrutura de Sistemas de Informação,onde foi feito um estudo detalhado do fluxo de sistemas de informação da empresa,fazendo o levantamento dos pontos positivos e negativos.

9 9 SUMÁRIO Capa Lombada Folha de Rosto Ficha de Avaliação Dedicatória Agradecimento Epigrafe Resumo Introdução Matemática Aplicada Analise de Investimentos Financiamento Economia e Mercados A Empresa situada no mercado global Mercado de Assentos Sanitários A classificação dos Bens da empresa Bens Intermediários Bens de Capital Bens Finais Case: A lei dos rendimentos decrescentes na pratica Perspectivas a Longo Prazo Estrutura de Sistemas de Informação Infra Estrutura Tecnológica e classificação do Sistema de Informação Planejamento e Projeto de Implantação da Infra Estrutura de Dados Aplicaçao da teoria de Gestao do Conhecimento Benchmarking ERP e CRM Conclusao Glossario

10 Introdução Foi analisado minuciosamente juntamente com o diretor executivo da empresa, Sr. Jose Arruda Santos 3 aspectos de suma importância para uma organização: econômico,financeiro e tecnológico. Durante nossas reuniões fui informado por ele que a empresa esta passando por um problema no que diz respeito a controle de informações gerenciais.as informações gerenciais da empresa estao concentradas apenas em duas pessoas,que são as assistentes administrativas.muitas vezes a informação não chega com clareza a ele pelo fato de a empresa não possuir um ERP. O gerenciamento e feito com planilhas do Excel separadamente, o que torna mais vulnerável a erros. Outra questão e o planejamento a curto e longo prazo. O próprio Diretor confessou que não possui conhecimento de Matemática Financeira o que dificulta um pouco nas tomadas de decisões de investimento. Diante a esses dois problemas foquei o objetivo em gerar resultado para empresa tanto a curto como a longo prazo.

11 1. Matemática Aplicada 1.1 Analise de Investimentos Na primeira reunião nos discutimos a respeito de retorno de investimentos.a empresa tem parte da sua linha de produção própria e parte terceirizada. Para chegar a decisão de deixar de terceirizar parte do processo produtivo, o diretor levou em conta alguns fatores. Por exemplo, a marcenaria antes era terceirizada:todo corte de madeira,moldes,desenhos e projetos eram feitos por uma marcenaria especializada, hoje esse processo e realizado dentro da empresa. Os principais aspectos para essa tomada de decisão foram: Aumento do preço do fornecedor, Falta de comprometimento; Atrasos de pedidos; Clientes insatisfeitos; Falta de conformidade; Diminuição da margem de lucro; Devido a esses problemas,o diretor decidiu contratar um consultor do SEBRAE que através de cálculos apresentou que ao montar uma marcenaria a principio teria um custo alto pois deveria contratar mais funcionários,aumentar a instalação predial.alem disso os custos de energia,manutenção corretiva e preventiva iam crescer significativamente. Também foi levado em conta os fatores positivos como: maior eficiência,controle de qualidade rigoroso, pedidos atendidos prontamente,ampliação do ativo fixo da empresa, entre outros. O consultor fez um calculo utilizando como base a matemática financeira, para a aquisição do equipamento e a função de primeiro grau para calcular o retorno do investimento. Conclusão: Se fosse montado a marcenaria de acordo com o planejado e as vendas permanecerem crescente como nos últimos meses, o retorno do investimento

12 seria no prazo de 20 meses. Segue abaixo uma das ferramentas utilizadas para a tomada da decisão. Volume de Vendas Souza Flex 2003 Mês Volume de Venda (R$) janeiro ,87 fevereiro ,90 março ,65 abril ,44 maio ,66 junho ,44 julho ,21 agosto ,85 setembro ,32 outubro ,21 novembro ,01 dezembro ,87 Fonte: Diretoria Executiva SouzaFlex , , , ,00 Seqüência , ,00 - janeiro março maio julho setembro novembro Hoje,passado 3 anos e 2 meses depois da tomada desta decisão, o diretor afirma que foi a decisão mais importante que tomou e a que trouxe maior retorno para a empresa. O retorno do investimento foi em apenas 13 meses. As vendas permaneceram subindo ao longo do ano de 2004 o que justifica o retorno tão rápido. 1.2 Financiamento Como a empresa vem crescendo muito nos últimos anos em função de seu produto diferenciado e competitivo, o diretor necessita ampliar o capital investindo em bens intermediários e duráveis.

13 No começo de 2007, foi adquirido veiculo para fazer entregas para os clientes localizados na cidade de São Paulo. O bem a vista custava ,00. Na aquisição foi dada uma entrada de ,00 e financiado o restante em 36 parcelas de R$ 2.088,65.Questionei a ele sobre o quanto era a taxa de juros, e fique surpreso que ele disse que não sabia qual era.então,realizamos um calculo na HP12C para verificar de quanto era taxa. O calculo acusou uma taxa de 3% a.m que esta acima da que e praticada no mercado de financiamento de veiculo. Informei a ele que se ele tivesse financiado a uma taxa de 2 %(mais comum na compra de veiculo) a prestação seria de R$ 1.789,02, que daria uma receita de R$ 299,63 em caixa a mais por mês. Foi dado a ele um treinamento basico sobre as principais funções da HP12C,de forma que,ao se deparar a uma situação similar a essa,ele terá a ferramenta e o conhecimento necessário para avaliar a oportunidade Com essa analise ele ficou surpreso e chegou a conclusão de como e importante a aplicação da matemática financeira. Se falarmos na variação de 1 ou 2 % achamos insignificante, mas no caso analisado vimos que faz uma grande diferença. A quantia de R$ 299,63 a mais no caixa faria uma grande diferença. Ele poderia usar esse dinheiro para dar um aumento de salário aos funcionários, ou então abastecer a empresa com alimento para um cha da tarde para motivar os funcionários. Conclui-se com a analise destes casos que a matemática e uma ferramenta de gestão indispensável para qual organização,principalmente a matemática financeira, que devido a falta de conhecimento da população em geral,os bancos e financiadores lucram absurdamente. 2. Economia e Mercados 2.1 A Empresa situada no mercado global O grande diferencial da Souza Flex em relação aos seus concorrentes e o design inovador e a forma de produção,que boa parte dela e artesanal. A linha de assentos Laqueados e almofadados foi inspirada em uma tendência européia.

14 Segundo o diretor,essa linha de assento não e muito difundida aqui no Brasil, por se tratar de um produto de alto padrão, focando a classe alta.grande parte destes assentos vem da Europa,ou então,produzidas pelos próprios designers de interiores, que desenham a peça e repassam o serviço para alguma marcenaria. Grande parte dos concorrentes diretos da Souza Flex estão localizados no exterior,principalmente em Paris e Milão e por isso ele esta sempre antenado nas novas tendências e nos concorrentes externos. Pelo fato de ser uma empresa nacional,e pelo cenário econômico atual, o custo de um assento sanitário da SouzaFlex e muito inferior ao da Gianini ou da Letour, e por isso leva vantagem. 2.2 Mercado de Assentos Sanitários E um mercado competitivo em que grande parte dos produtos são homogêneos,pouco são as empresas que conseguem diferencia-los.e um mercado que e movimentado pela construção civil. Como os assentos da Souza Flex são muito indicados pelos Designers de interiores,podemos dizer que a empresa e condicionada a esse mercado também.no começo do ano, houve um grande impacto positivo nas vendas dos assentos e lixeiras depois que começaram a construir diversos edifícios residenciais no jardim Avelino,bairro de alto padrão da zona leste. Nesse período a empresa teve um aumento de 15 % nas vendas em relação ao mesmo período do ano passado. O interessante e que quando há construção em bairros como São Miguel Paulista,Cidade Tiradentes,Ermelino Matarazzo entre outros, não há grande impacto, o que reforça a idéia do publico-alvo da Souza Flex. Segue abaixo uma tabela do volume de produção de janeiro ate maio de 2007 comparada como mesmo período do ano passado.

15 Volume de Vendas-Souza Flex 2006 Mês Volume de Produçao (q) Janeiro 943 Fevereiro 876 Março 912 Abril 1011 Maio 987 fonte:souzaflex Volume de Vendas-Souza Flex 2007 Volume de Produçao Mês (q) Janeiro 1034 Fevereiro 1013 Março 1098 Abril 1123 Maio 1232 fonte:souzaflex Temos que levar em consideração outros fatores também,mas o principal de acordo com o diretor, foi o aumento significativo de construções naquela região. 2.3 A classificação dos Bens da empresa A Souza Flex e classificada como industria. Ela recebe desde a matéria-prima,no caso a madeira ate o assento pronto.segue abaixo a classificação dos bens utilizados na produção Bens Intermediários

16 2.3.2 Bens de Capital Bens Finais 2.4 Case: A lei dos rendimentos decrescentes na pratica. A Souza Flex no inicio de 2002 tinha apenas 5 funcionarios,de modo que o escritório ficava anexo a fabrica,sem nenhum tipo de problema.com o passar do tempo,a produçao foi aumentando o que demandou mais mão-de-obra e aos poucos foram adquiridos novos maquinários. Chegou a um ponto que era impossível falar ao telefone no escritório, em função do ruído emitido pelas maquinas e pelos trabalhadores. A poeira era tamanha que acabou danificando um dos microcomputadores. Conclusão: A empresa teve que expandir seu capital a medida que expandia seus outros fatores de produção como tecnologia e mão-de-obra.foi alugada a casa ao lado da empresa para servir como escritório.esse caso ressalta bem o conceito da lei dos

17 Rendimentos decrescentes em que conforme a produção aumenta, a mão-de-obra do escritório perde a sua produtividade.os investimentos tem que ser em ambos os sentidos. 2.5 Perspectivas a Longo Prazo Pelo fato dos consumidores da Souza Flex serem diferenciados, ele e distribuído no Brasil,exceto em alguns estados. Segundo o diretor, se ele fosse focar sua distribuição apenas no estado de São Paulo,ele estaria perdendo mercado e conseqüentemente diminuição do volume do produto total.uma estratégia a longo prazo e exportar o produto para Europa,onde o mercado e muito maior e mais competitivo. Esse plano so não foi posto em ação ainda devido a desvalorização constante do Real. 3. Estrutura de Sistemas de Informação 3.1 Infra Estrutura Tecnológica e classificação do Sistema de Informação O escritório administrativo possui dois microcomputadores rodando o Sistema Operacional Windows XP Professional interligados em rede ponto-a-ponto.esse dois computadores compartilham conexão com a Internet utilizando a tipologia Cliente x Servidor, onde um computador faz a conexão e atribui o IP as outras maquinas. Na fabrica não possui nenhum computador para consulta de estoque de materiais. Essa consulta e feita via requerimento por escrito ao escritório,que imediatamente devolve o requerimento preenchido com o saldo de estoque atual. Os sistemas de informações gerenciais são monotarefas,pois grande maioria deles e realizado por meio de Planilhas do Excel 2003.A desvantagem e que não se pode inserir dados simultaneamente. 3.2 Planejamento e Projeto de Implantação da Infra Estrutura de Dados Ao selecionar os equipamentos e a topologia da Rede foram levados em conta alguns aspectos:

18 Baixo trafego de Dados: Como não haveria grande trafego de Dados entre os dois computadores foi escolhido a topologia anel,que consiste em interligar dois computadores por meio de placas de redes,sem a necessidade de um roteador ou um switch, que já diminui significativamente o custo da rede. Compatibilidade do Software: O Windows XP foi selecionado por ser um Sistema Operativo flexível e estável e compatível com todos os aplicativos existentes no mercado. Custo do hardware : As duas maquinas foram compradas simultaneamente. São maquinas relativamente simples com 40 GB,256 de RAM e 1,2 GHz,porem atende plenamente as necessidades da empresa. Suporte Técnico Eficiente: As maquinas são da HP,empresa que possui credibilidade no mercado de tecnologia por ter um Suporte Eficiente. 3.3 Aplicaçao da teoria de Gestao do Conhecimento Após a analise feita na infra estrutura de TI não foi constatado que não ha nenhum aplicativo de Gestão de Conhecimento.Porem ao discutir o conceito com o diretor,fui informado que essa pratica existe dentro da organização porem não e formalizada através de software ou documentação. Sempre que possível,ele escuta as idéias dos funcionários operacionais e procura debater com os demais se a idéia pode realmente gerar resultados satisfatórios para empresa. Com essa descrição,conclui-se que ele exclui algumas etapas importante do processo de Gestão do Conhecimento como a de Armazenagem e Organização. 3.4 Benchmarking Essa técnica e aplicada na área de produção da empresa.segundo o diretor o principal mercado focado por ele são as marcenarias de grande porte que apresentam tecnologia de moldagem de madeira extremamente eficaz o que aumenta a produção da empresa. Lay-out de produção também e um fator muito observado por ele.

19 Como a Souza Flex possui grande parceria com seus fornecedores de madeira, esporadicamente vai ate a empresa um engenheiro da Leo Madeiras e da Fiel Madeiras analisar a linha de de Armazenagem e Organização. Outra área que e empregado o conceito de Benchmarking e na política de benefícios aos funcionários.como a empresa e de porte pequeno, o salário e insatisfatório para grande parte dos funcionários. Certa vez um proprietário de uma marcenaria disse ao diretor que depois que ele começou a dar café da manha para os funcionários,houve um aumento na produtividade dos mesmo e a diminuição do índice de rotatividade do pessoal e absenteísmo. 3.5 ERP e CRM O que foi constatado durante a analise do Sistema de Informação Gerencial e que não há integração entre os diferentes setores da empresa.o controle destas informações são feitas através de planilhas no Excel e essas não estão interligadas. Exemplo disso e o lançamento de pedidos: quando chega uma nota fiscal na empresa juntamente com as mercadorias, primeiro a nota e lançada na Planilha de Controle de Estoque, depois e lançada na de Contas a Pagar e por fim em um protocolo de envio de documentação ao escritório de contabilidade. Essa falta de integração de processo diminui a previsibilidade e fica mais vulnerável a erros,alem de consumir um tempo do pessoal do escritório. O conceito de CRM não foi disseminado na empresa.o diretor foca o negocio para direcionar os produtos para os distribuidores e não para o cliente final.isso implica na falta de conhecimento dos clientes e quais suas preferencias.uma sugestão dada à ele para resolver o conflito de falta de informação dos cliente é que fosse desenvolvido uma ficha que contenha dados essenciais dos cliente e o motivo do contato,haja visto que a empresa atualmente nao dispõe de infra-estrutura de TI para empregar um software especifico.

20 Conclusao Embora sendo uma empresa nova no mercado que esta dando os primeiros passos para firmar seu nome, a SouzaFlex apresentou uma estrutura organizacional madura,com pessoas competentes e empreendedoras na direção. Eles possuem visão futurista e estão sempre antenados as novas tendências de Design de Interiores,acompanhando revistas,sites europeus de concorrentes e novos tecnologias de produção. O que chama bastante atenção na estratégia da empresa e o foco. Eles direcionam todos as suas competências para Design de Banheiro. Em uma empresa de pequeno porte e de suma importância você ter um foco concentrado em determinada área, pois quem quer se especializar em tudo acaba não realizando nada direito.pude constatar também grande comprometimento com a qualidade por parte dos funcionários de produção. Os investimentos em maquinas e processos de produção sempre são tomados com o apoio de um especialista para analisar a situação e ajudar na escolha da melhor decisão. Um fator negativo na empresa e a falta de um Sistema Integrado de Gestão.Acompanhando o trabalho de uma analista administrativa, percebi como e trabalhoso lançar um documento em tantas planilhas diferentes, sendo que,se tivesse algum sistema integrado,o trabalho se reduziria muito e a margem de erro era quase zero. O investimento em um ERP e relativamente elevado, pois para desenvolver um software simples com as funcionalidades que a empresa necessita,não sai por menos de R$ 5.000,00. O diretor atualmente esta focando seus investimentos na linha de produção esquecendo outras áreas importantes da empresa como a de RH e SI. O pátio da empresa e reduzido e constatei que os funcionários trabalham um pouco apertados. Se a empresa continuar com novos investimentos em maquinas sem ampliar o pátio,cairemos na lei dos rendimentos decrescentes. No meu ponto de vista ele deveria balancear seus investimentos aplicando um pouco dos recursos na criação de uma identidade visual para empresa, pois não possui

21 slogan,logotipo e o website e amador e não cria vinculo com o cliente. Outro ponto que merece atenção especial e o ERP.Com a implantação de um sistema eficaz,personalizado,flexível,intuitivo e robusto aumentara a capacidade das analistas administrativas e as informações gerenciais será muito mais fácil de se fazer o levantamento. Em relação ao CRM,discordo plenamente do conceito adotado pelo material impresso,dizendo que CRM e um software. Há outras maneiras de você adotar a filosofia CRM sem utilizar de recursos de informática.pode-se adotar a pratica utilizando recursos como um simples formulário cadastral impresso e uma caneta,fazendo todos os registros necessários. Por outro lado existem softwares baseados no conceito de CRM.

22 Glossário Benchmarking Arte de descobrir como algumas empresas conseguem desempenhar determinadas tarefas melhor que as outras. Bens de capital- São bens que são utilizados na fabricação de produtos e não se desgastam totalmente Bens finais- Produto acabado pronto para ser consumido Bens intermediários- Matérias-Primas utilizadas no processo de produção de um bem. Case- Exemplo de um fato relavante em uma determinada organização que serve para analise critica. CRM- Gerenciamento de relacionamento com o cliente. Método de individualizar cada cliente. ERP- Sistema de gerenciamento de informação que abrange todas as áreas da empresa Estoque- Acumulo de bens. Excel- Planilha de calculo. HP 12C Calculadora financeira. IP Internet Protocol. Endereço de um computador na Internet ou rede local. Lay Out Desenho de um determinado sistema Monousuario- Programa que não permite o uso de mais de uma pessoa simultaneamente Placa de Rede Dispositivo de computador que serve para interligar hosts RH- Recursos Humanos Roteador- Dispositivo utilizado em redes de computadores que tem por função interligar redes distintas e encaminhar pacotes para os hosts SEBRAE- Órgão de apoio a micro e pequena empresa Servidor- Computador central onde as informações são centralizadas e armazenadas SI- Sistemas de Informação Switch Dispositivo utilizado em redes de computadores que tem por função

23 criar um canal de comunicação direto entre os computadores interligados a ele TI- Tecnologia de Informação Windows Sistema Operacional

24

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR SIGNATURE STORE WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR Sucesso é quando criamos algo de que podemos ter orgulho. Richard Branson - Fundador do grupo Virgin 2 A História da MOM Há muitos anos venho trabalhando com

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Sistemas de informação Gerencial

Sistemas de informação Gerencial + Sistemas de informação Gerencial Referência: LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de información gerencial. 12. ed. México: Pearson Educación, 2012. + Componentes de um sistema de informações n (LAUDON;LAUDON,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos.

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. O papel de um servidor Introdução à rede básica Sua empresa tem muitas necessidades recorrentes, tais como organizar

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes O que muda no reconhecimento contábil Agenda IFRS Breve Histórico Receitas Normas Vigentes IFRS 15 Introdução IFRS 15 Princípio Fundamental IFRS 15 Etapas IFRS

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

Obrigado por adquirir o FOCUS 10!

Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Somos do setor de apoio à implantação do software de Gestão Óptica - Focus 10. Daremos todo o suporte remoto, para os primeiros dos muito importantes passos a serem dados

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Negócios e Informações informatizar para competir. jairolm@sebraesp.com.br

Negócios e Informações informatizar para competir. jairolm@sebraesp.com.br Negócios e Informações informatizar para competir jairolm@sebraesp.com.br O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

Planejamento Financeiro Pessoal

Planejamento Financeiro Pessoal Administração Profa Ms. Elaine Silvia Pasquini Planejamento Financeiro Pessoal e Empresarial Planejamento Financeiro Pessoal Inúmeras pesquisas revelam que profissionais desorganizados financeiramente

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Documento de Visão. Compras. T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Versão 2.

Documento de Visão. Compras. T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Versão 2. Documento de Visão Compras Versão 2.0 09/11/2010 Introdução Este documento abordará as questões pertinentes ao desenvolvimento do módulo Compras para o sistema T2Ti ERP. Breve descrição do produto O produto

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais