Flight Planning Manual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Flight Planning Manual"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO Flight Planning Manual PVPUCRS Formulário para Monitoramento de Navegação Aérea Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 1

2 Folha de Revisões N.º Revisão Autor Data Assinatura Original Giovane Sattler Jul/2012 REV-1 Alexandre Sganzerla Jappe Fev/2013 Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 2

3 APRESENTAÇÃO O monitoramento da navegação aérea é fator preponderante para a segurança do voo. O piloto deve possuir o controle sobre sua navegação e ter ciência de tudo que com ela esteja relacionada. Observando a necessidade de um formulário para o monitoramento de navegação aérea, a Faculdade de Ciência Aeronáuticas desenvolveu o FACA Flight Plan, o qual foi baseado no padrão internacionalmente utilizado Plano S.I.T.A. A Société Internationale de Télécommunication Aéronautiques, fundada por onze empresas aéreas em 1949, ainda é responsável pela confecção e divulgação de formulários para diversas empresas aéreas ao redor do mundo. Este manual (FLIGHT PLANNING MANUAL) tem como objetivo orientar os leitores a um correto preenchimento do FACA Flight Plan, bem como estimular os alunos a preencher o formulário em suas navegações durante os treinamentos de voo em simulador. A FACA incentiva os alunos a utilizarem esta ferramenta nos treinamentos práticos de voo realizados em aeroclubes e escolas de aviação. Bons voos e uma navegação segura a todos. Atenciosamente. Departamento de Treinamento de Voo PUCRS/FACA Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 3

4 ÍNDICE Abreviaturas... 5 Definições... 6 FACA Flight Plan... 9 Informações sobre a Rota Primeira Parte: O Planejamento Segunda Parte: O Monitoramento Bibliografia Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 4

5 ABREVIATURAS ABREVIATURAS AAcB/O: Actual Accumulated Burn Off (Consumo Real Acumulado) AB/O: Actual Burn Off (Consumo Real da Aeronave) AcB/O: Accumulated Burn Off (Consumo Estimado Acumulado) AcLTM: Accumulated Leg Time (Tempo Estimado da perna ) AFL: Actual Flight Level (Nível de Voo Real à ser voado) ALT: Alternative (Alternado) ALTM: Actual Leg Time (Tempo Real da perna ) ARMF: Actual Remaining Fuel (Combustível Remanescente Real) ATA: Actual Time of Arrival (Hora Exata de Chegada/Pouso) ATD: Actual Time of Departure (Hora Exata de Saída/Decolagem) ATO: Actual Time Over (Hora Exata de Sobrevoo) B/O: Burn Off (Consumo) CLB SPD: Climb Speed (Velocidade de Subida) CRZ SPD: Cruise Speed (Velocidade de Cruzeiro) DC SPD: Descent Speed (Velocidade de Descida) ETBFP: Estimated Time By Flight Plan (Tempo estimado pelo Plano de Voo) ETE: Estimated Time Enroute (Tempo estimado para a Rota) ETO: Estimated Time Over (Tempo estimado de Sobrevoo) FL: Flight Level (Nível de Voo) F/F: Fuel Flow (Consumo de Combustível) Gls: Gallons (Galões) GS: Ground Speed (Velocidade em Relação ao Solo) IDENT: Identification (Identificação) KIAS: Knots Indicated Airspeed (Velocidade Indicada) LTM: Leg Time (Tempo da perna ) MC: Magnetic Course (Curso Magnético) MH: Magnetic Heading (Proa Magnética) NM: Nautical Miles (Milhas Náuticas) RMF: Remaining Fuel (Combustível Remanescente) TAS: True Air Speed (Velocidade Verdadeira) T/O FUEL: Take Off Fuel (Combustível na Decolagem) Z: Zulu Time / UTC (Horário Zulu ) Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 5

6 DEFINIÇÕES Actual Accumulated Burn Off: é o consumo real acumulado. Representa a soma dos consumos reais para cada perna realizada. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em Galões. Actual Burn Off: é o consumo real da aeronave verificado para cada perna da rota. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em Galões. Accumulated Burn Off: é o consumo estimado acumulado. Representa a soma dos consumos estimados para cada perna realizada. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Galões. Accumulated Leg Time: é o tempo estimado de cada perna acumulado. Representa a soma dos tempos estimados de cada perna realizada. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em horas e minutos. Actual Flight Level: é o nível de voo que realmente está sendo utilizado durante a navegação. Poderá ser o nível de voo estimado durante o planejamento como um outro autorizado por órgãos ATC. Aircraft Identification: é a identificação da aeronave, ou seja, seu prefixo. Alternative: é o aeródromo de alternativa. Aeródromo para o qual uma aeronave poderá prosseguir, quando for impossível ou desaconselhável dirigir-se para efetuar o pouso no aeródromo de destino previsto. Actual Leg Time: é o tempo real para cada perna do voo. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em horas e minutos. Actual Remaining Fuel: é o remanescente de combustível real para cada perna do voo. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em galões (Gls). Actual Time of Arrival: é a hora do pouso. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em horas e minutos (UTC). Actual Time of Departure: é a hora de decolagem. Será expressa em horas e minutos (UTC). Actual Time Over: é a hora atual de sobrevoo. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em horas e minutos (UTC). Burn Off: é o consumo estimado para cada perna do voo. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Galões. Climb Speed: é a velocidade de subida tomada como referência para cálculos de navegação. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Kts. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 6

7 Cruise Speed: é a velocidade de cruzeiro tomada como referência para cálculos de navegação. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Kts. Descent Speed: é a velocidade de descida tomada como referência para cálculos de navegação. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Kts. Estimated Time By Flight Plan: é o tempo estimado pelo plano de voo. Este campo será preenchido durante o voo após ter-se conhecimento da hora de decolagem. Será expresso em horas e minutos (UTC). Estimated Time Enroute: é o tempo estimado em rota. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em horas e minutos (UTC). Estimated Time Over: é a hora estimada de sobrevoo. Este campo deverá ser preenchido durante o voo. Será expresso em horas e minutos (UTC). Flight Level: Superfície de pressão atmosférica constante, relacionada com uma determinada referência de pressão, hectopascais, e que está separada de outras superfícies análogas por determinados intervalos de pressão. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Poderá ser expresso em siglas. Ex: CLB (Subida), DC (Descida). Fuel Flow: é o consumo estimado para cada fase operacional da aeronave. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento da navegação. Será expresso em Galões/minuto. Gallons: unidade de medida utilizada para representar quantidade de combustível. Ground Speed: é a velocidade aerodinâmica (VA) equacionada vetorialmente com o efeito do vento sobre a aeronave. Podemos dizer que é a velocidade da SOMBRA da aeronave na superfície terrestre, também conhecida como velocidade no solo (VS). Identification: é o designador de um aeródromo, ou seja, seu código ICAO. Knots Indicated Airspeed: é a velocidade lida no velocímetro e expressada em nós (Kts). Leg Time: é o tempo gasto por uma aeronave para percorrer uma distância entre dois pontos de referência (pernas). Magnetic Course: é a direção da rota, chamado também de rumo. Esta direção será prevista sem nenhuma atuação do vento durante o planejamento da navegação. Magnetic Heading: é a direção do eixo longitudinal de uma aeronave, chamada também de proa. Esta direção será uma correção ao vento atuante durante a navegação. Este campo será preenchido em voo. Nautical Miles: é a unidade de distância mais utilizada em navegação aérea, conhecida também como Milha Náutica. Através de 1 (uma) milha náutica podemos fazer a seguinte relação: 1 NM = 1852 metros ou 1, 852 Km (Vide Apêndice para outras conversões) Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 7

8 Pilot Flying: este termo é utilizado para representar o piloto que está exercendo diretamente as funções de controle da aeronave. Pilot Monitoring: este termo é utilizado para representar o piloto que está executando as funções de monitoramento a assessoria à operação do PF. Remaining Fuel: é o combustível remanescente. Este campo deverá ser preenchido durante o planejamento tendo anteriormente anotado a quantidade total de combustível nos tanques da aeronave. Será expresso em galões (Gls). Remark: significa observação. Neste campo o piloto poderá escrever anotações que forem importantes para o voo. Startup: é a hora de acionamento dos motores. Será expressa em horas e minutos (UTC). Shutdown: é a hora de corte dos motores. Será expressa em horas e minutos (UTC). True Air Speed: é a velocidade que a aeronave desenvolve em relação ao ar e ela INDEPENDE do vento. Para efeito prático consideramos que a TAS aumenta 2% em relação à velocidade indicada para cada 1000 Ft que subirmos. Take Off Fuel: é o combustível presente nos tanques quando a aeronave estiver pronta para decolar. Será expresso em galões (Gls). Type of Aircraft: é o tipo da aeronave que estará sendo utilizada para a navegação. Zulu Time / UTC: tempo universal coordenado. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 8

9 FACA FACA FLIGHT FLIGHT PLAN PLAN Durante o treinamento de voo, estará a disposição dos alunos o FACA Flight Plan. Neste capítulo, através de um voo exemplo, explicaremos o correto preenchimento deste formulário. Abaixo segue o FACA Flight Plan em branco (ao final do documento está o modelo em branco anexo para utilização). Pilot Flying: Pilot Monitoring: Date: / / Type of Aircraft: Aircraft Identification: Nav. Data: CLB SPD: KIAS. CRZ SPD: KIAS. DSC SPD: KIAS. (Flight Plan based on) Route: Legs FL MC TAS LTM ETO B/O RMF NM ETBFP F/F AFL MH GS ALTM ATO AB/O ARMF Start Up FACA Flight Plan : ATD : T/O Fuel. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. : :.. :. : :.. AcLTM : AcB/O. AAcLTM : AAcB/O. IDENT MC FL DIST ETE B/O ALT-1 :. ATA: : ALT-2 :. Shutdown: : ALT-3 :. Remarks: Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 9

10 O FACA Flight Plan pode ser dividido em quatro partes. São elas: Identificação: Esta é a parte inicial do FACA Flight Plan. Informações genéricas sobre a navegação serão colocadas nos campos referentes a esta parte do formulário. Monitoramento da Navegação Aérea: Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 10

11 Esta é a principal parte do FACA Flight Plan. É nesta parte em que o aluno fará todo o monitoramento de sua navegação. Nesta parte do formulário encontramos um planejamento detalhado, onde o piloto deverá completá-lo com várias informações referentes à sua navegação. Devemos partir da premissa de que todos os campos em cinza deverão ser preenchidos durante o planejamento da navegação. Todos os campos em branco serão preenchidos durante o voo. Campos listrados não deverão ser preenchidos. Preenchimento durante o planejamento. Preenchimento durante o voo. É importante ressaltar que todos os campos localizados na parte superior são estimados. Os campos localizados na parte inferior são valores reais, ou seja, observados durante a navegação. NOTA: Os campos LEGS e F/F são considerados como ESTIMADOS. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 11

12 Aeródromos de Alternativa: IDENT MC FL DIST ETE B/O ALT-1 :. ALT-2 :. ALT-3 :. Este espaço será utilizado para ser completado com informações sobre os aeródromos de alternativa. Nesta parte do formulário encontramos um planejamento simplificado, onde o piloto deverá completá-lo somente com algumas informações referentes à sua navegação de alternativa. Campo para Anotações: Este espaço é reservado para anotações que o piloto queria fazer durante a navegação aérea. Aqui poderão ser colocadas autorizações de tráfego, freqüências, cálculos diversos, etc... Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 12

13 INFORMAÇÕES SOBRE A ROTA Após apresentado as quatro partes do formulário, tomamos como base as seguintes informações para o preenchimento do FACA Flight Plan: O voo consiste de uma navegação partindo de Curitiba (SBCT) para Navegantes (SBNF). A rota proposta será a seguinte: SBCT KILA1 KILA JNV SBNF O voo será realizado por uma aeronave Sêneca III (PA34 / PT-ABC) no dia 23/11/2006. A aeronave foi abastecida com 60,0 Gls. As velocidades propostas serão as seguintes: Velocidade de Subida: 120 KIAS; Velocidade de Cruzeiro: 140 Kias; Os consumos propostos serão os seguintes: Consumo de Subida: 0.5 Gls / min; Consumo de Cruzeiro: 0.4 Gls / min; Consumo de Descida: 0.3 Gls / min. Em posse destes dados começaremos a preencher o planejamento do FACA Flight Plan. Nota: Para um melhor entendimento, dividimos a explicação de preenchimento deste formulário em duas partes distintas. Nesta primeira parte iremos preencher o FACA Flight Plan conforme o planejamento da nossa navegação. Seria como se estivéssemos nos preparando para nossa navegação aérea. Após preenchermos o formulário segundo nosso planejamento, partiremos rumo à navegação, fazendo o monitoramento da mesma e assim completando todos os campos do FACA Flight Plan. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 13

14 Não utilize este exemplo em voo real Identificação: PRIMEIRA PARTE: O PLANEJAMENTO Nesta primeira parte o piloto deverá preencher os seguintes dados: Pilot Flying: piloto que está no comando do voo. Pilot Monitoring: piloto que não está nos comandos da aeronave. Date: dia / mês / ano que irá ocorrer o voo. Type of Aircraft: tipo da aeronave. Aircraft Identification: prefixo da aeronave. Navigation Data: velocidades de subida, cruzeiro e descida (KIAS). Route: rota proposta para a navegação. Monitoramento da Navegação: Aqui o piloto já poderá completar com o aeródromo de partida e a quantidade de combustível existente na aeronave. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 14

15 LEGS: As pernas da navegação serão colocadas respectivamente abaixo do campo Legs. O preenchimento deverá iniciar com o aeródromo de partida como descrito acima e após, seguir com as pernas subseqüentes. Vejamos o exemplo: Pernas da Navegação SBCT Aeródromo de Partida TOC KILA JNV TOD NVG SBNF Top of Climb Posição KILA VOR Joinville Top of Descent NDB Navegantes Aeródromo de Destino NOTA: É importante salientar que o aluno poderá utilizar referências que lhe convir. FL: Os níveis de voo serão colocados respectivamente abaixo dos campos FL. Os níveis previstos a serem utilizados deverão ser colocados no campo cinza (Campo FL). Durante a subida e descida, onde a aeronave não estiver mantendo um nível de voo, deverão ser empregadas as seguintes abreviaturas: CLB: durante a subida; DC: durante a descida. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 15

16 Vejamos a seguir o exemplo: Nível de Voo Nível de Voo Real CLB F080 Previsão da Aeronave estar em Subida Nível de Voo Previsto é F080 F080 F080 DC MC DC / MH: Nível de Voo Previsto é F080 Nível de Voo Previsto é F080 Previsão da Aeronave estar em Descida Previsão da Aeronave estar em Descida MC: O curso magnético (MC) deverá ser verificado durante o planejamento da navegação levando em consideração a declinação magnética. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 16

17 Vejamos a seguir o exemplo: SBCT TOC CLB 145 Curso Magnético entre SCBT e TOC KILA F Curso Magnético entre TOC e KILA JNV F Curso Magnético entre KILA e JNV TOD F Curso Magnético entre JNV e TOD NVG DC 189 Curso Magnético entre TOD e NVG SBNF DC Curso Magnético entre NVG e SBNF NM: Neste campo serão colocadas as distâncias (em nautical miles) entre as duas pernas. Vejamos a seguir o exemplo. SBCT TOC KILA JNV TOD NVG SBNF Distância entre SBCT e TOC Distância entre TOC e KILA Distância entre KILA e JNV Distância entre JNV e TOD Distância entre TOD e NVG Distância entre NVG e SBNF Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 17

18 TAS / GS: Neste campo serão colocadas as TAS previstas para cada etapa da rota. Vejamos o exemplo a seguir: SBCT TOC CLB 132 TAS prevista durante a subida KILA F TAS prevista no nível F080 JNV F TAS prevista no nível F080 TOD F TAS prevista no nível F080 NVG DC 155 TAS prevista durante a descida SBNF DC 120 TAS prevista durante a descida LTM / ALTM: Neste campo serão preenchidos os tempos previstos para cada perna da navegação (valores calculados previamente durante o planejamento). SBCT TOC KILA JNV TOD NVG SBNF Tempo de voo entre SBCT e TOC Tempo de voo entre TOC e KILA Tempo de voo entre KILA e JNV Tempo de voo entre JNV e TOD Tempo de voo entre TOD e NVG Tempo de voo entre NVG e SBNF Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 18

19 F/F: Neste campo serão colocados os consumos da aeronave para cada etapa do voo: subida, cruzeiro, descida. A unidade utilizada será de galões por minuto (Gls/min). Os consumos serão previamente postos no formulário durante o planejamento da navegação. CLB F080 F080 F080 DC DC Consumo de subida Consumo de cruzeiro Consumo de cruzeiro Consumo de cruzeiro Consumo de descida Consumo de descida B/O: Neste campo será colocada a quantidade de combustível gasto entre as pernas. Para termos o conhecimento do B/O deveremos multiplicar o tempo de voo entre as pernas (LTM) e o consumo (F/F). O B/O será indicado em galões (Gls). O B/O será previamente posto no formulário durante o planejamento da navegação. Exemplo: O tempo de voo (LTM) entre SBCT e o TOC é de 10 minutos. O consumo de subida (F/F) é de 0.5 galões por minuto. Neste caso o B/O será a multiplicação entre 10 minutos e 0,5 Gls/min. B/O: LTM x F/F B/O: 10 x 0,5 B/O: 5,0 Gls Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 19

20 Vejamos o exemplo abaixo: SBCT TOC KILA JNV TOD NVG SBNF x x x x x x = = = = = = Interpretação: Estima-se que a aeronave consuma 5.0 Gls de SBCT até TOC e assim por diante. RMF: Neste campo será colocado o combustível remanescente após a aeronave completar determinado trecho da navegação. A partir do T/O Fuel o piloto deverá diminuir o B/O obtendo desta maneira o RMF. O RMF será indicado em galões (Gls). O RMF será previamente posto no formulário durante o planejamento da navegação. Exemplo 01: O T/O Fuel do voo é de 60,0 galões. Estima-se que a aeronave consuma 5,0 galões entre SBCT e TOC. Neste caso o RMF em TOC será a subtração entre 60,0 Gls e 5,0 Gls. (55 Gls) Exemplo 02: O RMF estimado no TOC é de 55 Gls. Estima-se que a aeronave consuma 3.2 galões entre TOC e KILA. Neste caso o RMF em KILA será a subtração entre 55 Gls e 3.2 Gls. (51.8 Gls) Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 20

21 Vejamos o exemplo abaixo: = 55.0 Combustível remanescente em TOC 3.2 = 51.8 Combustível remanescente em KILA 4.0 = 47.8 Combustível remanescente em JNV 2.4 = 45.4 Combustível remanescente em TOD 1.5 = 43.9 Combustível remanescente em NVG 3.0 = 40.9 Combustível remanescente em SBNF Nota: O monitoramento do combustível remanescente é fundamental. É importante que o piloto tenha conhecimento da quantidade existente de combustível sobre o destino (neste caso 40,9 Gls). Devemos ressaltar que este ainda é o remanescente estimado e não o real, pois até este momento não estamos levando em consideração o vento em altitude. AcLTM: Neste campo será colocada a soma de todos LTM. Portanto, este dado representa o tempo total previsto entre o aeródromo de partida até o aeródromo de destino. O AcLTM será indicado em horas e minutos UTC (H.MM). O AcLTM será previamente posto no formulário durante o planejamento da navegação. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 21

22 Vejamos o exemplo abaixo: = 0.49 AcBO: Neste campo será colocada a soma de todos B/O. Portanto, este dado representa o estimado da quantidade de combustível gasto entre o aeródromo de partida até o aeródromo de destino. O AcBO será indicado em galões (Gls). O AcBo será previamente posto no formulário durante o planejamento da navegação. Vejamos o exemplo abaixo: = 19.1 Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 22

23 Aeródromos de Alternativa: Nesta terceira parte o piloto deverá preencher os seguintes dados: ALT 1/2/3: aeródromos apresentados como possíveis alternativas. IDENT: designador ICAO do aeródromo de alternativa. MC: curso magnético. FL: nível de voo. DIST: distância do destino original até o aeródromo de alternativa ETE: tempo estimado em rota. B/O: combustível gasto durante a rota para o aeródromo de alternativa. Nesta parte o piloto deverá colocar até 3 (três) aeródromos de alternativa. IDENT MC FL DIST ETE B/O ALT-1 SBJV 005 F : ALT-2 SBFL 188 F : ALT-3 SBCT 355 F : Desta maneira preenchemos todos os campos relacionados ao planejamento da navegação. A partir deste momento iremos proceder como se estivéssemos em voo. O objetivo agora é monitorar nossa navegação, ter controle sobre ela permitindo que a navegação proceda da forma mais segura possível. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 23

24 SEGUNDA PARTE: O MONITORAMENTO Durante o voo iremos utilizar somente a segunda parte do FACA Flight Plan: monitoramento da navegação. A ordem de preenchimento deverá ser seguida como descrita neste manual. Desta forma o piloto irá tirar o máximo de proveito de sua navegação com este formulário. Lembre-se sempre que é de suma importância a anotação pelo tripulante de horários exatos de Acionamento/Decolagem e Pouso/Corte dos Motores conforme IAC 3151 para futura anotação dos horários exatos no Diário de Bordo da Aeronave. Tomamos como base os seguintes dados: Hora do acionamento: 16:10 Z Hora da decolagem: 16:20 Z Tendo a hora de decolagem, imediatamente o piloto deverá completar o campo ETBFP. O preenchimento procederá da seguinte maneira: 16: :30 16:38 16:48 16:54 16:59 17:09 Após estar de posse da hora de decolagem, o piloto deverá ir somando com o LTM. Desta maneira terá o horário (UTC) previsto em cada perna da navegação. Este campo deverá ser preenchido logo após a decolagem para informar os estimados aos órgãos UTC o mais rápido possível. Após o piloto preencher por completo o campo ETBFP, este não deverá ser mais Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 24

25 Após obter o ETBFP no TOC (16:30z), anote ao lado o mesmo valor para começarmos a monitorar também o ETO (Estimated Time Over). Durante a subida até o TOC, observamos os seguintes dados: A aeronave prosseguiu até o TOC sem nivelar; A aeronave estava encontrou vento de cauda proveniente do setor NE. Por esta razão o piloto foi obrigado a efetuar uma proa de correção. (004º a esquerda do rumo previsto); Devido ao vento encontrado em voo, a aeronave atingiu o TOC em 09 minutos após a decolagem. A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário. Através dos dados de distância e tempo real, poderemos calcular nossa GS: Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 25

26 Podemos então verificar os seguintes fatos: 1 Como a aeronave atingiu TOC sem nivelar, repetimos a informação CLB; Por razões do vento encontrado, o piloto acrescentou uma proa de interceptação (MH = 141º); Através do cálculo visto acima, o piloto observou que está mantendo uma GS de 147 Kt; A aeronave não demorou 10 minutos como o previsto, mas sim 09 minutos; Como a aeronave atingiu em 09 minutos o TOC, o horário UTC não é mais 16:30z, mas sim 16:29z. Nota: Devemos completar o ETO da próxima linha (somando o horário real em que passamos TOC 16:29z com o LTM da posição KILA 0.08 obtendo assim 16:37z); Tendo voado 09 minutos até o TOC, seu consumo também variou. Em vez de consumir 5,0 galões (10 minutos com um consumo de 0.5 Gls/min) a aeronave consumiu 4,0 galões (09 minutos com um consumo de 0.5Gls/min); O combustível remanescente é de 56.0 galões (60 galões 4,0 galões); Entre o TOC e a posição KILA, observamos os seguintes dados: O órgão ATC autorizou F070 até posição KILA e após FL 080; A aeronave estava encontrou vento de cauda proveniente do setor NE. Por esta razão o piloto foi obrigado a efetuar uma proa de correção. (004º a esquerda do rumo previsto); Devido ao vento encontrado em voo, a aeronave atingiu o KILA em 07 minutos após o TOC. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 26

27 A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário Como a aeronave foi autorizada inicialmente a manter FL 070, devemos colocar no AFL F070; Por razões do vento encontrado, o piloto acrescentou uma proa de interceptação (MH = 141º); Através do cálculo visto acima, o piloto observou que está mantendo uma GS de 188 Kt; A aeronave não demorou 08 minutos como o previsto, mas sim 07 minutos; Como a aeronave atingiu em 07 minutos do TOC até KILA, o horário UTC não é mais 16:37z, mas sim 16:36z. Nota: Devemos completar o ETO da próxima linha (somando o horário real em que passamos KILA 16:36z com o LTM da posição JNV 0.10 obtendo assim 16:46z); 6 7 Tendo voado 07 minutos do TOC até a posição KILA, seu consumo também variou. Em vez de consumir 3,2 galões (08 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min) a aeronave consumiu 2,8 galões (07 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min); O combustível remanescente é de 52.7 galões (55.5 galões 2,8 galões); Entre a posição KILA até a posição JNV, observamos os seguintes dados: A aeronave atingiu e manteve FL 080; A aeronave encontrou vento de proa proveniente do setor SE. Por esta razão o piloto foi obrigado a efetuar uma proa de correção. (003º a esquerda do rumo previsto); Devido ao vento encontrado em voo, a aeronave atingiu a posição JNV em 12 minutos após a posição KILA. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 27

28 A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário Como a aeronave foi autorizada subir e manter FL 080, devemos colocar no AFL F080; Por razões do vento encontrado, o piloto acrescentou uma proa de interceptação (MH = 210º); Através do cálculo visto acima, o piloto observou que está mantendo uma GS de 135 Kt; A aeronave não demorou 10 minutos como o previsto, mas sim 12 minutos; Como a aeronave atingiu em 12 minutos da posição KILA até a posição JNV, o horário UTC não é mais 16:46z, mas sim 16:48z. Nota: Devemos completar o ETO da próxima linha (somando o horário real em que passamos JNV 16:48z com o LTM do TOD 0.06 obtendo assim 16:54z); Tendo voado 12 minutos da posição KILA até a posição JNV, seu consumo também variou. Em vez de consumir 4,0 galões (10 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min) a aeronave consumiu 4,8 galões (12 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min); O combustível remanescente é de 47.9 galões (52.7 galões 4,8 galões); Entre a posição JNV até o TOD, observamos os seguintes dados: A aeronave manteve o FL 080; A aeronave estava encontrou vento de cauda proveniente do setor NW. Por esta razão o piloto foi obrigado a efetuar uma proa de correção. (005º a direita do rumo previsto); Devido ao vento encontrado em voo, a aeronave atingiu o TOD em 05 minutos após a posição JNV. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 28

29 A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário. 1 Como a aeronave manteve o FL 080, devemos repetir a informação F080; Por razões do vento encontrado, o piloto acrescentou uma proa de interceptação (MH = 210º); Através do cálculo visto acima, o piloto observou que está mantendo uma GS de 192 Kt; A aeronave não demorou 06 minutos como o previsto, mas sim 05 minutos; Como a aeronave atingiu em 05 minutos da posição JNV até o TOD, o horário UTC não é mais 16:54z, mas sim 16:53z. Nota: Devemos completar o ETO da próxima linha (somando o horário real em que passamos TOD 16:53z com o LTM do NVG 0.05 obtendo assim 16:58z); Tendo voado 05 minutos da posição JNV até o TOD, seu consumo também variou. Em vez de consumir 2,4 galões (06 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min) a aeronave consumiu 2,0 galões (05 minutos com um consumo de 0.4 Gls/min); O combustível remanescente é de 45.9 galões (47.9 galões 2,0 galões); Entre o TOD até a posição NVG, observamos os seguintes dados: A aeronave iniciou a descida como previsto; A aeronave encontrou vento calmo; A aeronave atingiu o NVG em 05 minutos após o TOD. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 29

30 A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário Como a aeronave iniciou a descida como previsto, devemos repetir a informação DC; Por razões do vento encontrado, o piloto manteve a proa calculada durante o planejamento (MC = MH = 189º); Através do cálculo visto acima, o piloto observou que está mantendo uma GS de 168 Kt; A aeronave demorou 05 minutos como o previsto; Como a aeronave atingiu em 05 minutos do TOD até a posição NVG, o horário UTC confirma com o estimado 16:58z. Nota: Devemos completar o ETO da próxima linha (somando o horário real em que passamos NVG 16:58z com o LTM do SBNF 0.10 obtendo assim 17:08z); Tendo voado 05 minutos do TOD até a posição NVG, seu consumo manteve o previsto. Consumindo 1.5 galões (05 minutos com um consumo de 0.3 Gls/min); 7 O combustível remanescente é de 44.4 galões (45.9 galões 1.5 galões); Entre a posição NVG e SBNF, observamos os seguintes dados: A aeronave prosseguiu a descida como previsto; A aeronave realizou um procedimento de descida, por esta razão não sendo apresentado MC, MH, TAS, GS; A aeronave atingiu o SBNF em 15 minutos após a posição NVG. Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 30

31 A partir destes dados, prosseguimos com o preenchimento do formulário Como a aeronave iniciou a aproximação como previsto, devemos repetir a informação DC; Pelo fato da aeronave estar realizando um procedimento de pouso, não foram computados o MC e MH; Pelo fato da aeronave estar realizando um procedimento de pouso, não foram computados a TAS e GS; 4 A aeronave não demorou 10 minutos como o previsto, mas sim 15 minutos; 5 7 Como a aeronave atingiu em 15 minutos da posição NVG até SBNF, o horário UTC não é mais 17:09z, mas sim 17:13z. Tendo voado 15 minutos da posição NVG até SBNF, seu consumo também variou. Em vez de consumir 3,0 galões (10 minutos com um consumo de 0.3 Gls/min) a aeronave consumiu 4,5 galões (15 minutos com um consumo de 0.5 Gls/min); O combustível remanescente é de 39.9 galões (44.4 galões 4,5 galões); Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 31

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

1 07 Com o put u a t dor o r d e V oo o Prof. Diego Pablo

1 07 Com o put u a t dor o r d e V oo o Prof. Diego Pablo 1 07 Prof. Diego Pablo 2 Também conhecido como E6B, o é uma ferramenta usada para diversos cálculos e conversões O é capaz de calcular: Multiplicações Divisões Proporções Regra de Três Componentes de Vento

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO PLANO DE VÔO Esse manual foi adaptado a partir da versão original dos manuais da IVAO e manuais de Aviação Real. http://www.ivao.aero/training http://www.ivaobr.com/home/treino

Leia mais

Manual de Usuário - TWSACARS

Manual de Usuário - TWSACARS Manual de Usuário - TWSACARS Marcelo Pires TrueWings Virtual Airlines 01/01/2013 Conteúdo 1 - Como instalar... 3 2 - Como configurar... 5 3 - Como utilizar o TWSACARS... 6 3.1 - Guia PIREP... 6 3.1.1 -

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Prodedimento RNAV (GNSS) Autor: TCel Av SERGIO KOCH Padronizado por: Cmte. João Gabriel

Leia mais

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 11 2414-3803 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 NAVEGAÇÃO AÉREA Prof. Douglas Santarelli Navegação Aérea Navegação Aérea é a

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 -

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 - Arco DME 1 Índice Objetivo 3 Introdução 4 Interpretação do Procedimento 5 Etapas do Procedimento 5 Como calcular os Lead Points 6 Como manter o perfil do Arco DME 6 Exemplo Prático 8 Briefing da lição:

Leia mais

Departamento de Treinamento

Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Manual de Interpretação de Cartas SID ERC STAR - VAC Departamento de Treinamento - IVAOBR 1 Sumário SID 4 APRESENTAÇÃO 4 BRIEFING 5 CABEÇALHO 6 FREQÜÊNCIAS 6 PROCEDIMENTO 7

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos:

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos: Pag-1 1. Introdução A presente publicação tem por finalidade estabelecer um padrão de comunicação entre os pilotos virtuais que conduzem seus voos na VATSIM sem a presença de órgãos virtuais ATS (Air Traffic

Leia mais

Flight Simulator Portugal

Flight Simulator Portugal Flight Simulator Portugal Tutorial FSPAcars V1.0.3.3 Requesitos: -.NET Framework 4.0 - FSUIPC para FS9/FSX/P3D (actualizado) - Simuladores FS9, FSX (Acceleration ou SP2) ou P3D V1/V2 Restrições: - Não

Leia mais

Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO!

Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO! 1ª vez na IVAO? Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO! Para começar, deverá ler o manual do IVAP (disponível junto com o mesmo) e o Ipack (em http://www.ivao.org/training/tutorials/ipack.asp

Leia mais

Guia de funções e características avançadas. Português

Guia de funções e características avançadas. Português Guia de funções e características avançadas Guia de funções e características avançadas Este manual contém instruções para o usos das funções adicionais (especialmente no modelo com a régua de cálculo

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-YHA MODELO: 206L-3 DATA: 22OUT2006 ADVERTÊNCIA

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014

RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PR-MRG 525B 11NOV2012 O presente Relatório

Leia mais

NAVEGAÇÃO ÁREA. 6. Navegação eletrônica: é um método no qual o piloto determina a posição do avião através de sinais recebidos INTRODUÇÃO E CONCEITO

NAVEGAÇÃO ÁREA. 6. Navegação eletrônica: é um método no qual o piloto determina a posição do avião através de sinais recebidos INTRODUÇÃO E CONCEITO NAVEGAÇÃO ÁREA INTRODUÇÃO E CONCEITO Navegação área é a arte conduzir uma aeronave, com segurança e eficiência, um ponto a outro sobre a superfície da terra. O piloto a qualquer momento durante a realização

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Estrutura do Espaço Aéreo Brasileiro Autor: Renan Rodrigues - VID378006 Padronizado por:

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 30 JUN 1999 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS

Leia mais

Standard Operating Procedures

Standard Operating Procedures Standard Operating Procedures DATA CARDS APPENDICE 2 Setembro 2010 TAKEOFF DATA CARD ACFT TYP LANDING DATA CARD Appendice 2 set/2010 2 TAKEOFF DATA CARD INFOS DATE data; FLT. NO. número do vôo; AIRPORT

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 032/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-OID 310R 26FEV2010 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly Boing 77-600,700 e 800 ifly Neste tutorial aprenderá a navegar operar o Boing 77-800 desde o processo de inicial de acionamento até o pouso no destino. Então vamos lá... Introdução Após a instalação da

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 07/09 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 12 MAR 2009 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 030/CENIPA/2011

RELATÓRIO FINAL A - Nº 030/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 030/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-YSG MODELO: R-44 DATA: 26 JAN 2010 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles Infinity singles Estes equipamentos foram desenvolvidos com funções integradas em pequenas unidades 2¼, para que possam ser utilizadas como complemento em aeronaves que já possuam instrumentos instalados

Leia mais

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido.

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido. Navegação Aérea Navegaçao aerea é a maneira de conduzir um veículo voador de um lugar a outro em segurança, pode ser um balão, um dirigível ou qualquer artefato próprio para voar. A Navegação aérea requer

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 15 JAN 2000 COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 15 JAN 2000 Portaria DEPV

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO IVAO Brasil Academy Versão 01 / Junho 2013 Radionavegação por VOR Autor: Andre Oscar Schneider Padronizado por:

Leia mais

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL GRUPO DE TRANSPORTE ESPECIAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL Objetivo Reconhecer a importância da manutenção da Consciência Situacional elevada como aspecto básico de CRM entendendo sua

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 073/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-OAL F28MK0100 09ABR2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 17 Performance, Peso e Balanceamento Página 1/23 Índice Parte A: Generalidades 3 17.001 Aplicabilidade..3 17.003

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 NDB Radio Farol Não Direcional Autor: Desconhecido Padronizado por: Cmte. João Gabriel Faria

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-EPT E 720C DATA: 21 JUL 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros.

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. por Jerry Gibbs Revista Soaring - Julho 1980 Tradução e adaptação: Antonio Milan O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. Era uma

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 169/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PR-JCR A36 19JAN2007 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-IKM 210L DATA: 10 OUT 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 097/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-LPZ C500 18MAI2013 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow SOP VOO NOTURNO Standard Operational Procedures Tupi e Arrow Versão 1.0 FOLHA DE ATUALIZAÇÃO FOLHA DE ATUALIZAÇÃO Folhas Atualizadas Data Atualizado por: Criação 05/05/2010 GOERL 1ª Edição i ÍNDICE SOP

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO

Leia mais

SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida

SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida Documento Missão Antártica 2015 Departamento de Eventos 2 Resumo do evento antártico. A Antártica tem um papel essencial nos sistemas naturais globais. É o principal

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 014/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-EBF EMB-810C 11SET2004 ADVERTÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E P I L O T O D E L I N H A A É R E A P E R F O R M A N C E D E A V I Õ E S A J A T O P E S O & B A L A N C E A M E N T

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-60

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-60 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-60 PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DE GRANDES DESVIOS DE ALTITUDES, GRANDES DESVIOS LATERAIS E MOVIMENTO DE AERONAVES 2012 MINISTÉRIO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2010

RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2010 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2010 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-OSR MODELO: Beech Aircraft 200 DATA: 23 NOV

Leia mais

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL Figura 1 - Acidente em que a perda da Consciência Situacional foi um dos fatores contribuintes (BRASIL, 2009). A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Manual de Padronização. Simulador AATD

Manual de Padronização. Simulador AATD Manual de Padronização Simulador AATD 1ª Edição ÍNDICE SOP Standard Operational Procedures AATD ÍNDICE 1. Introdução 03 2. Níveis de Padronização e Proficiência 04 3. Rotinas Operacionais 05 3.1 Preparação

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - Nº 018/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-PSK EMB-145 15NOV2011

Leia mais

MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL

MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL Maio/2010 MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL Vôo noturno / IFR / Multimotor / Aeronaves Complexas 2ª Edição 2 INTRODUÇÃO Este manual avançado de piloto comercial tem o propósito de integrar em um único

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da teoria e aerodinâmica de voo, julgue os itens a seguir. 51 Em um avião a hélice, o alcance máximo é obtido na velocidade correspondente ao ângulo de ataque quando

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD

STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD Folha de Revisões N.º Revisão Autor Data Assinatura Original Lucas Bertelli Fogaça Guilherme Amaral Silveira Mar/2007 Éder Henriqson REV-1 André Luís Boff

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS. Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS. Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS Of 5 0 1/SCOAM/C- Anapolis-GO, y & Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA Assunto: Acionamento do Alerta Anexo : 04 (quatro) Relatórios I - Encaminho-vos

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação.

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação. Aviação agrícola Voand A aplicação aérea é uma atividade com No entanto, existem fatores que influen podendo aumentar ainda mais o des Aprodutividade do trabalho efetuado com aeronaves agrícolas assu me

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE AERONÁUTICO PT

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

MANUAL FRASEOLOGIA AERONÁUTICA MARÇO 2014 ATUALIZAÇÃO 1/2014 Português/Inglês CONHECIMENTO NÃO OCUPA ESPAÇO

MANUAL FRASEOLOGIA AERONÁUTICA MARÇO 2014 ATUALIZAÇÃO 1/2014 Português/Inglês CONHECIMENTO NÃO OCUPA ESPAÇO MANUAL FRASEOLOGIA AERONÁUTICA MARÇO 2014 ATUALIZAÇÃO 1/2014 Português/Inglês CONHECIMENTO NÃO OCUPA ESPAÇO APRESENTAÇÃO Olá, meu nome é Juliano Tavares, sou membro da IVAO - International Virtual Aviation

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO PT-SBC DESEMPENHO DE SUCESSO. Por qualquer perspectiva que você o examine, o Phenom 300 o impressionará por seu excepcional desempenho. Com motores Pratt & Whitney Canada, ele pode ser facilmente operado

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 24/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

Aeroclube de Blumenau

Aeroclube de Blumenau Aeroclube de Blumenau 70 anos de excelência em aviação MANUAL DE SEGURANÇA RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E PRÁTICAS I. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS COM AS AERONAVES DENTRO E FORA DO AERÓDROMO DE INSTRUÇÃO 1. Posicionamento

Leia mais

Standard Operating Procedures

Standard Operating Procedures Standard Operating Procedures Virtual Varig Brasil Setembro 2010 INDICE I INTRODUÇÃO 3 II REGULAMENTO GERAL 4 III INFORMAÇÕES GERAIS a) VAFS Download b) Instalação FSUIPC c) Opções VAFS 5 5 5 6 IV VAFS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos fenômenos meteorológicos e da climatologia do espaço aéreo, julgue os itens que se seguem. 51 O fenômeno de halo ocorre exclusivamente em nuvens altostratus, que consistem

Leia mais

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Paulo Marcelo Soares Curso de Vôo por Instrumentos nos Simuladores Flight-Simuleteiros de todo o mundo UNI-VOS!! Olá a todos! Meu nome é Paulo Marcelo Soares,

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS)

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (NATIONAL CIVIL AVIATION AGENCY) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) CERTIFICADO ETA Nº 2013-09-03CB-01- Parte - A PARTE A GERAL PARTE A GERAL A-1 PARTE

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais