PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO"

Transcrição

1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO De acordo com o IBGE, em maio, a produção industrial brasileira manteve-se praticamente no mesmo patamar de abril de 2003, com variação de 0,1% na série com ajuste sazonal. Na comparação com o maio de 2002, houve uma retração na indústria geral (-0,3%) e na indústria de transformação (-0,6%), refletindo a fraca demanda do mercado doméstico. Na análise do desempenho industrial por categoria de uso, observa-se, pelo segundo mês consecutivo, uma queda em todos os setores em relação a Em retração desde o mês de março, o segmento de bens de duráveis foi o que registrou o pior desempenho (-7,7%). Nos cinco primeiro meses de 2003, este setor acumula uma queda de 4,9% na comparação com o mesmo período do O Desempenho da Produção Industrial em Maio Em maio, a produção industrial brasileira permaneceu praticamente estagnada em relação ao mês de abril, na série com ajuste sazonal, com variação positiva de 0,1 da indústria geral. Na comparação com o mesmo mês de 2002, a retração foi de 0,3% da indústria geral e de 0,6% da indústria de transformação enquanto a indústria extrativa cresceu 1,6%. Na variação acumulada de janeiro a maio, a indústria geral apresentou crescimento de 0,6% (contra 0,8% até abril), sustentada pelo desempenho da indústria extrativa mineral, cuja expansão no período foi 3,9%. Este resultado indica uma trajetória declinante, fruto da fraca demanda doméstica. Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 1

2 Variação da Produção Industrial Brasileira (%) 7,4 3,9 2,7 2,2 1,6 0,1 0,7 0,6 0,1 0,0-0,3-0,6 Mai/03/Abr03 (com ajuste) Mai03/Mai02 Em 12 meses No Ano Indústria Geral Extrativa Mineral Indústria de Transformação A análise do desempenho da indústria por categoria de uso revela que em maio, na comparação com abril, descontadas as influências sazonais, o segmento de bens duráveis e o de bens intermediários apresentaram queda de produção de, respectivamente, -3,8% e -0,5%, enquanto em bens de capitais (0,2%) e em bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (1,8%) houve expansão. A contração do setor intermediário é resultado da menor demanda do setor de bens de consumo finais, que face à retração de sua atividade industrial, no contexto de queda das vendas no mercado interno, reduz encomendas. Indicadores Conjunturais da Indústria em Maio de 2003 Variação % Segmentos Mai/03/Abr03 Acumulado Acumulado Mai03/Mai02 (com ajuste) no Ano em 12 Meses Classe de Indústria Indústria Geral 0,1-0,3 0,6 2,7 Indústria Extrativa Mineral 0,7 1,6 3,9 7,4 Indústria de Transformação 0,0-0,6 0,1 2,2 Categorias de Uso Bens de Capital 0,2-0,8-1,3-1,2 Bens Intermediários -0,5-0,2 2,2 4,1 Bens de Consumo -0,1-2,5-4,0-0,5 Duráveis -3,8-7,7-4,9 3,1 Semiduráveis e não Duráveis 1,8-1,0-3,8-1,5 Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 2

3 Este movimento de arrefecimento intersetorial torna-se ainda mais evidente na comparação entre maio de 2003 e maio de 2002, quando o resultado da indústria por categoria de uso foi negativo em todos os setores pela segunda vez consecutiva no ano. A queda na produção do setor de bens de capital foi de 0,8% enquanto nos setores de bens intermediários e de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis foi, respectivamente, de 0,2% e de 1%. O declínio mais acentuado foi registrado no segmento de bens de consumo duráveis (-7,7%). Voltado, sobretudo, ao mercado interno, este setor vem sofrendo influência da queda da renda real da população e das altas taxas de juros praticadas no segmento de crédito ao consumo, com retração contínua da produção desde o mês de março (-14,8% em março e -13,1% em abril, em relação ao mesmo mês de 2002). O menor poder aquisitivo da população e a ausência de mecanismos de ampliação e barateamento do crédito têm implicado na diminuição demanda interna por automóveis e por aparelhos de tevê e outros eletrodomésticos, levando à redução da produção, respectivamente, em (7,4%) e (18,8%) na comparação com maio de No resultado acumulado no ano (janeiro a maio), o setor de bens duráveis registra uma queda de 4,9%. A perspectiva é que nos próximos meses, a produção deste e dos demais setores da atividade industrial, agrupados por categoria de uso, mantenha uma trajetória descendente. A superação do quadro recessivo da indústria somente será possível se o governo promover uma efetiva redução das taxas de juros combinada com a adoção de políticas cambial e creditícia ativas. Variação da Produção Industrial por Categoria de Uso (%) 4,1 2,2 3,1 1,8 0,2-0,8-1,2-1,3-0,5-0,2-0,1-0,5-2,5-1,0-1,5-4,0-3,8-4,9-3,8-7,7 Bens de capital Bens intermediários Bens de consumo Bens de consumo duráveis Semiduráveis e não duráveis Mai/03/Abr03 (com ajuste) Mai03/Mai02 12 meses No Ano Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 3

4 O Resultado dos Gêneros e Ramos da Indústria de Transformação Em maio, a indústria de transformação permaneceu estagnada, com variação nula na comparação com o mês de abril, descontadas as influências sazonais. Dentre os gêneros industriais que contribuíram positivamente para o resultado final da indústria de transformação se destacam a indústria de perfumaria (12,3%), bebidas (11,9%) e borracha (7,0%). Já as influências negativas para o desempenho desta classe de indústria originaram-se da indústria do fumo (-4,8%) e da indústria de material elétrico e de telecomunicações (-4,6%). Gêneros de Indústrias Selecionados Variação em Relação ao Mês Anterior com Ajuste Sazonal (%) Fumo -4,8 Material elétrico e de comunicação -4,6 Mobiliário -2,2 Material de transporte -1,7 Madeira -1,4 Papel e papelão -0,7 Mecânica 1,3 Produtos alimentares 3,3 Couros e peles 4,1 Borracha 7,0 Bebidas 11,9 Perfumaria, sabões e velas 12,3 Na comparação com maio de 2002, a retração da produção na indústria de transformação foi de -0,6%. Este resultado é em parte explicado pela forte contração da produção nos seguintes gêneros industriais: farmacêutica (-18,1%), vestuários, calcados e artefatos (-16,2%), matérias plásticas (-14,5%) e material elétrico e de comunicação (-13,4%). Dentre aqueles gêneros que apresentaram desempenho positivo se destacam: mecânica (13,5%), couros e peles (9,9%) e metalúrgica (6,2%). Contribuiu para atenuar o declínio da indústria de transformação o bom resultado dos ramos industriais vinculados à indústria naval (71,2%), à agropecuária, com destaque para beneficiamento de café (37,8%), tratores (27,5%), destilação de álcool (15,3%), máquinas e equipamentos agrícolas (17%), adubos e fertilizantes (10,3%) e, e às exportações, como celulose (19,6%), fundidos e forjados de aço (12,7%) e siderurgia (9,5%). Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 4

5 Já os ramos industriais vinculados à evolução dos investimentos e ao mercado de consumo doméstico pressionaram negativamente o desempenho desta classe de indústria, dentre outros: equipamento para a produção e distribuição de energia elétrica (-36,7%) e peças e estruturas de concreto (-12,1%), aparelhos de televisão e rádio (-27,7%), vestuário (-20%), farmacêutica (-18,1%), artigo de material plástico (-16,6%), e calçados (10,1%). Gêneros de Indústrias Selecionados Variação em Relação a Igual Mês do Ano Anterior (%) Farmacêutica Vestuários, calçados e artefatos de tecidos Produtos de matérias plásticas Material Elétrico e de Comunicação -18,1-16,2-14,5-13,4 Têxtil -8,3 Fumo -6,4 Indústrial de Transformação Indústria Geral -0,6-0,3 Perfumaria, sabões e velas Produtos Alimentares Borracha 2,4 3,2 4,4 Metalúrgica 6,2 Couros e peles 9,9 Mecânica 13,5 Entre janeiro e maio, os indicadores mostram que a indústria de transformação permaneceu praticamente parada, com variação acumulada de apenas 0,1% em relação aos cinco primeiros meses de Para este resultado, as influências positivas originaram-se, sobretudo, da indústria mecânica (11,1%), da indústria de couros e peles (9,5%) e da indústria metalúrgica (6,3%). As principais pressões negativas foram: indústria farmacêutica (-18,7%), indústrias de vestuário, calçados e artefatos de tecidos (-14,9%) e as indústrias de matérias plásticas (-12,5%). Ainda em termos da variação acumulada no ano, destacam-se, dentre os ramos industriais, o bom desempenho da indústria naval (64,4%), da indústria de celulose (20,5%), beneficiamento de café (21,7%), destilação de álcool (19,6%), fundidos e forjados de aço (18,7%), da fabricação de outros veículos (15,6%) e tratores (13%). As quedas mais acentuadas foram registradas nas indústrias de equipamento para produção e distribuição de energia elétrica (33,7%), aparelhos de áudio e vídeo (22%), vestuário (19,8%), indústria de conservas alimentares (19,6%) e indústria farmacêutica (18,7). Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 5

6 Classes e Gêneros de Indústrias Selecionados Variação Acumulada no Ano (%) Farmacêutica -18,7 Vestuários, calçados e artefatos de tecidos -14,9 Produtos de matérias plásticas -12,5 Mobiliário Têxtil Material elétrico e de comunicação -9,6-8,2-6,6 Transformação de produtos de minerais não-metálicos Bebidas -4,5-4,0 Indústria Geral Indústrial de Transformação 0,6 0,1 Fumo Papel e papelão Borracha Madeira 2,8 3,3 3,9 4,6 Metalúrgica Couros e peles 6,6 7,1 Mecânica 11,1 Indústria Geral e Setores Selecionados Variação Acumulada no Ano (%) Equipamentos para produção e distribuição de energia elétrica Aparelhos receptores de TV, rádio e equipamentos de som Artigos do vestuário e acessórios Conservação de frutas e legumes - inclusive sucos e condimentos Indústria farmacêutica Artigos de material plástico Cimento e Clínquer Beneficiamento, fiação e tecelagem de fibras têxteis naturais Indústria do mobiliário Peças e estruturas de concreto, cimento e fibrocimento Indústria ferroviária - inclusive reparação Laminados plásticos Calçados Petroquímica básica e intermediária Aparelhos e equip. elétricos - inclusive eletrodomésticos, máquinas de escritório Extração de minerais metálicos Adubos, fertilizantes e corretivos para o solo Máquinas, equipamentos e instalações - inclusive peças e acessórios Siderurgia Tratores e máquinas rodoviárias - inclusive peças e acessórios Fabricação de outros veículos Fundidos e forjados de aço Destilação de álcool Celulose e pasta mecânica Indústria do café Indústria naval - inclusive reparação Indústria Geral -33,7-22,0-19,8-19,6-18,7-14,3-11,9-10,0-9,6-9,3-9,3-7,5-7,2 0,6 8,0 8,7 10,0 10,9 11,1 12,2 13,0 15,6 18,7 19,6 20,5 21,7 64,4 Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho 6

7 Variação em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior (%) Média 1991=100 Segmentos mai/01 jun/01 jul/01 ago/01 set/01 out/01 nov/01 dez/01 jan/02 fev/02 mar/02 abr/02 mai/02 jun/02 jul/02 ago/02 set/02 out/02 nov/02 dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 Classe de Indústria Indústria Geral 4,8-0,9 1,5 0,0-1,4-3,0-1,7-6,4-1,2-1,2-3,5 6,3-0,8 0,8 3,4 1,0 5,6 8,9 4,8 5,2 2,8 4,2 0,7-3,7-0,3 Indústria Extrativa Mineral 4,0 5,5 7,4 4,7-0,9-10,0-2,4-1,1 7,1 5,1 13,2 13,7 18,8 13,4 10,4 14,7 11,4 22,3 4,4-4,0 4,2 6,7 3,8 3,5 1,6 Indústria de Transformação 4,9-1,6 0,9-0,5-1,5-2,2-1,6-7,2-2,3-2,0-5,4 5,4-2,9-0,6 2,6-0,5 4,9 7,5 4,8 6,6 2,6 3,8 0,3-4,7-0,6 Categorias de Uso Bens de Capital 19,0 10,6 18,6 16,1 5,0 9,5 0,0-2,6-3,8 4,4-5,3 6,9-5,6-1,3-1,1-11,0-0,8 2,4 5,3 0,5 2,9 0,8-1,9-6,7-0,8 Bens Intermediários 2,5-2,2-0,1-2,1-3,0-5,3-3,8-7,0-1,8-1,3-2,9 5,0 0,7 2,3 3,5 2,9 6,3 9,9 6,9 6,8 5,0 4,5 3,6-1,5-0,2 Bens de Consumo 5,4-1,9-0,1-0,9-0,3-2,0 1,6-5,7 1,2-2,7-4,8 9,1-4,1-3,1 3,4-0,3 4,2 6,5-1,0 2,3-3,4 3,5-6,1-10,4-2,5 Duráveis 13,2-2,5-6,7-14,8-10,3-8,1-7,1-19,2-3,9-10,6-10,7 10,0-10,1-5,4 9,0 6,3 17,7 17,4 9,0 9,0 5,6 10,3-14,8-13,1-7,7 Semiduráveis e não Duráveis 3,1-1,7 1,6 3,0 2,4-0,4 4,1-1,8 2,6-0,2-2,8 8,8-2,1-2,5 2,1-1,9 1,0 3,7-3,5 0,7-5,8 1,6-3,5-9,5-1,0 Gêneros da Indústria de Transformação Transf. prod. de min. não-metálicos 0,7-4,4-2,1-2,1-6,1-2,4-4,0-2,9-5,7-4,5-3,7 3,3-3,9-0,8-0,8-3,4 3,1 4,1 6,1 0,8 1,7 0,8-6,9-10,8-6,2 Metalúrgica 4,7-5,5-3,4-3,4-2,8-0,2-4,5-4,4-1,5-2,8-7,1 1,0-5,4 2,1 4,3 5,1 7,6 10,0 11,8 16,0 11,0 6,4 7,7 1,8 6,2 Mecânica 7,6 1,9 13,3 6,3-1,9 1,6-4,9-7,9-2,6 1,8-1,6 9,8 2,2 6,0 6,8 5,7 19,0 20,1 20,2 18,5 11,7 12,8 9,3 8,4 13,5 Material elétrico e de comunicação 18,2 1,9 6,4 2,5 0,4-6,9-0,2-13,7-3,0-15,7-20,8-5,6-16,6-10,4-9,3-17,5-10,2-9,0-16,1-2,8-10,8 7,1-1,2-12,6-13,4 Material de transporte 19,5 5,1 2,2-6,2-3,9-7,3-1,4-14,0 2,2-4,1-12,8 3,3-12,9-8,4 2,3-3,1 10,3 20,8 15,1 16,5 10,5 11,3-4,2-10,8-2,9 Madeira -0,7-3,0-2,6 1,3 4,1 8,2 3,7-1,0-4,7-0,2-5,0 3,1-4,9-4,6-2,8-4,8 1,6 0,4-2,2-0,8 9,0 7,3 8,9-1,7 0,3 Mobiliário -2,4-4,7 0,3-3,1-6,1 4,2-0,8-6,2-0,1 6,4 2,7 20,7-9,0-7,8 0,2-3,9 5,4 2,8-4,3-2,0-4,1 4,3-20,2-20,0-3,6 Papel e papelão 0,4-1,5-2,4-0,6-0,2-1,5-0,8-1,8 1,3 0,9-1,4 2,4-0,8 1,5-1,2 5,1 1,5 5,6 4,9 4,7 2,5 5,3 3,2 2,6 2,9 Borracha 1,6-9,7-6,4-6,9-9,1-3,9-8,0-10,1-6,3-4,4-7,7 5,7-4,6-0,3 4,4-3,4 7,6 10,5 16,2 27,1 6,5 5,9 4,7-1,5 4,4 Couros e peles -9,7-14,0-12,9-14,1-9,0-4,8-2,8-5,4-8,1-11,6-14,7-2,8-8,5-11,3 7,5-0,2-3,7 2,7 1,5 5,3 11,4 11,5 1,3 1,9 9,9 Química 0,0-2,5-0,9 1,1 1,5-5,9 1,0-7,3-1,1-1,9-2,3 3,1 4,2 0,3 4,2-0,1-0,1 4,9 3,6 1,4-0,2-1,3 3,6 1,7-1,4 Farmacêutica -3,4-1,9-4,6 5,1-3,1-6,5-2,6 25,5 14,9 20,9 16,4 18,5-0,7-6,6 7,8-13,4-1,8 4,3-5,3-16,8-14,4-6,5-27,1-24,2-18,1 Perfumaria, sabões e velas 9,3-7,1 5,1-4,7-5,7-5,3-12,3-17,5-10,0 0,4-5,8 0,6-9,2 2,6-6,9 4,8 10,1 14,6 16,6 14,2 2,7 2,4-6,0-8,0 2,4 Produtos de matérias plásticas 7,0-3,7-4,5-12,1-12,6-8,4-6,7-9,9-5,4-1,9-6,9 7,1-10,8-4,8-6,5-4,6 2,3 7,9 4,5 4,3-5,8-3,5-16,0-21,1-14,5 Têxtil -5,1-6,7-10,7-7,1-9,5-4,0-5,0-9,8-1,7-3,3-8,5 5,2-4,7-1,7 2,4-1,8 3,7-1,5 0,7 4,3-4,4-5,0-7,1-15,2-8,3 Vestuários, calçados e art. de tecidos -6,5-11,7-5,5-5,7-11,8-6,5-9,8-9,6-6,1-6,4-1,9 15,5-2,6-5,3 3,2-4,9 5,4-3,3-2,1-2,3-8,4-3,5-18,8-24,0-16,2 Produtos alimentares 4,7 2,6 8,4 6,7 6,6 7,5 6,1-5,9-5,5 4,8-0,7 14,4 5,2 4,9 5,9 4,9 8,7 9,5-0,1 5,2 2,2-0,5 0,0-5,1 3,2 Bebidas -2,9 8,4 2,5-4,1-2,4-2,6-3,8-1,4-10,9-2,2-6,8-2,3-2,7-2,2 4,9 9,7 0,6 10,8 9,1 0,0 3,9 3,8-7,3-15,6-0,2 Fumo 9,6-8,8-25,3-69,2-6,6 2,8-5,0 3,8 18,6 44,6 32,8 42,9 17,7 8,7 9,4 58,2 4,3 0,1 2,1-8,0-8,8 13,2 17,7-3,7-6,4 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria. Produção Industrial em Maio de 2003: O Setor de Bens de Consumo Duráveis Tem o Pior Desempenho. 7

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira cresceu 1,5% em agosto na comparação com o mês de julho, na série com ajuste sazonal. Em

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA A produção industrial brasileira contraiu-se 4,2% em abril de 2003 em relação ao mesmo mês do ano anterior e com março caiu

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira cresceu 0,8% em comparação com o mês de dezembro, descontadas as influências sazonais. Em

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira voltou a crescer em janeiro de 2003 ainda que a uma taxa modesta: 0,7% em relação ao mês anterior,

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 De acordo com os dados da pesquisa industrial mensal do IBGE, a produção industrial brasileira terminou o ano de 2002 com um crescimento médio de 2,4%. Na comparação

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira permaneceu virtualmente estagnada, com variação positiva de 0,1% em abril na comparação com o

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO A decisão do Banco Central em interromper a redução da taxa de juros básica em janeiro funcionou como balde de água-fria na expectativa dos

Leia mais

Resultados do 2º trimestre de 2012

Resultados do 2º trimestre de 2012 4º T 2007 1º T 2008 2º T 2008 3º T 2008 4º T 2008 1º T 2009 2º T 2009 3º T 2009 4º T 2009 1º T 2010 2º T 2010 3º T 2010 4º T 2010 1º T 2011 2º T 2011 3º T 2011 4º T 2011 1º T 2012 2º T 2012 4º Tri/2007=100

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de ereiro de 2017 Data: 04/04/2017 Resumo ereiro/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos ereiro 2017/eiro

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 1 Pressão Inflacionária DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 PIB Potencial e Hiato do Produto 2 Conceitos: PIB Potencial: é a quantidade máxima de bens e serviços que uma economia é capaz de produzir considerando

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de o de 2017 Data: 04/07/2017 Resumo o/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos o 2017/il 2017* o 2017/o 2016

Leia mais

Resultados do 3º trimestre de 2012

Resultados do 3º trimestre de 2012 4º T 07 1º T 08 2º T 08 3º T 08 4º T 08 1º T 09 2º T 09 3º T 09 4º T 09 1º T 10 2º T 10 3º T 10 4º T 10 1º T 11 2º T 11 3º T 11 4º T 11 1º T 12 2º T 12 3º T 12 São Paulo, 12 de novembro de 2012 Resultados

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Jan-Jul Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 25/08/16

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Jan-Jul Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 25/08/16 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Jan-Jul 2016 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 25/08/16 Estoque de Empregos RAIS Brasil Estoque de emprego, setor de atividade - Brasil Setores

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2012

Resultados do 1º trimestre de 2012 Resultados do 1º trimestre de 2012 São Paulo, 14 de maio de 2012 Contextualização Após a forte contração de 1,6% da produção industrial no último trimestre de 2011 frente ao período imediatamente anterior

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Janeiro de 2017 Data: 14/03/2017 RESUMO (Janeiro/2017) Variação (%) Locais Acumulado nos Janeiro 2017/Dezembro 2016* Janeiro

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Agosto de 2017 Resumo - Agosto/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Agosto 2017/Julho 2017* Agosto 2017/Agosto 2016 Acumulado

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Agosto/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL Indicadores da Industria Mensal Jan-Mar/2017 ECONÔMICA Conjuntura NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018, PRODUÇÃO INDUSTRIAL AVANÇA 4,5, FATURAMENTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL ATINGE 6,9% Em abril de 2018, a produção

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Julho de 2017 Resumo - Julho/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Julho 2017/Junho 2017* Julho 2017/Julho 2016 Acumulado

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Outubro/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL ABRIL DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL ABRIL DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL ABRIL DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM ABRIL. O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 0,7%

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SETEMBRO DE 2012 SUMÁRIO EXECUTIVO A indústria de transformação é o setor de maior geração de emprego em Santa Catarina, em 2012, em termos absolutos. O número de assalariados com carteira

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Julho/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai16/Abr16 (%) dessaz. Mai16/Mai15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015 Saldo (Admissão - Desligamentos) Saldo (Admissão - Desligamentos) GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho volta a Demitir O Ministério do Trabalho

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 29/09/2010 1 1 INA Total da Indústria Divulgado 26/08/2010 Com ajuste sazonal Jul/10 Jun/10 INA Total da Indústria

Leia mais

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 Resumo * Em maio com relação a abril a produção industrial cresceu 1,3%, livre de efeitos

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Agosto/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

ano XIX n 3 Março de 2015

ano XIX n 3 Março de 2015 ano XIX n 3 EM FOCO O Índice de preços das exportações totais apresentou acentuada queda de 17,6% em fevereiro, na comparação com fevereiro de 2014, em função das variações negativas registradas em todas

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai18/Abr18 (%) dessaz. Mai18/Mai17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A produção industrial de cresceu 4,9% em outubro, em relação ao mesmo mês do ano anterior. É a quinta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

Leia mais

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Novembro/2017 1 1. Economia Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Evolução do PIB Trimestral Variação (%) trimestre contra o trimestre imediatamente

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Maio/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%.

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%. ABRIL/2016 Sumário Executivo Produção Industrial - Fevereiro 2016 Variação percentual mensal (Base: mês anterior): A indústria catarinense diminuiu a produção em 3,3%, ante uma contração da indústria nacional

Leia mais

Rio Grande do Sul. Região Metropolitana de Porto Alegre

Rio Grande do Sul. Região Metropolitana de Porto Alegre Rio Grande do Sul O comércio do Rio Grande do Sul apresentou, no mês de outubro de 9, uma variação positiva de,4% no seu volume de vendas, considerando-se como período de comparação o mesmo mês de 8 (Tabela

Leia mais

ano XV, n 9, setembro de 2011

ano XV, n 9, setembro de 2011 ,, EM FOCO O crescimento das exportações no mês de agosto foi, mais uma vez, determinado pelos ganhos de preços, com variação de 24,2%. O quantum teve aumento de 9,4% no período. O crescimento do quantum

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL FEVEREIRO DE 2013 FEVEREIRO DE 2013 Eego industrial SUMÁRIO EXECUTIVO O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 1,50% em fevereiro

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Destaques do Emprego Consolidado Ano Variação mensal Variação Variação interanual (Abr-17/Mar-17) acumulada

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a

Leia mais

Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas

Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Informativo Mensal Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Setembro / 2018 N o 2 Edição 1 /2018 PROFESSOR EXTENSIONISTA (): Profa. Dra. Eliane Navarro Rosandiski Destaques: 1. Em agosto

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 10 novembro 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Outubro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

ano XIX n 2, Fevereiro de 2015

ano XIX n 2, Fevereiro de 2015 ano XIX n 2, EM FOCO O Índice de preços de exportação apresentou redução acentuada de 16,8% no mês de janeiro de 2015 comparado ao mesmo mês do ano anterior (Tabela 1). O declínio nos preços das exportações

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 4,5 5,2 Abate de reses, exceto suínos 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 5,7 10,0 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -3,7 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 5,0 Abate de reses, exceto suínos 0,1 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 6,9 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 12,2-19,0-0,9-1,6 0,7-1,3 1,1-1,5-7,8 2,5 7,6-2,5 1,9 Abate de reses, exceto suínos 27,7-10,5 10,3 6,6 10,1 7,2 8,7 4,6-4,7 3,8 10,3-4,7-1,2 Abate de suínos, aves

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,5 4,7 5,4 1,1 5,7 Abate de reses, exceto suínos -9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 5,0-19,7-1,6 6,1 11,3 3,4 6,2 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Maio/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,2 0,0 3,8-3,8-3,4 12,2-19,1 1,3-1,6 0,7-1,3 1,4-0,5 Abate de reses, exceto suínos 10,8 12,7 7,0-4,0 1,0 27,7-10,5 10,2 6,6 10,1 7,2 8,7 6,3 Abate de suínos, aves

Leia mais

ano XV, n 10, outubro de 2011

ano XV, n 10, outubro de 2011 ,, EM FOCO Em setembro, o aumento das exportações baseou-se novamente na variação positiva dos preços, que tiveram alta de 21,2% em relação a setembro de 2010, acumulando no ano variação de 26,2%. O quantum

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - NOVEMBRO/2017

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - NOVEMBRO/2017 1. Brasil segue Gerando novos Empregos GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - NOVEMBRO/217 O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do mês

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

SÍNTESE AGOSTO DE 2015

SÍNTESE AGOSTO DE 2015 Em Bilhões US$ ano V, n 53 Setembro de 2015 SÍNTESE AGOSTO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Agosto 15.485 12.796 2.689 Variação em relação a agosto de 2014-24,3 % -33,7 % 1.530

Leia mais

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DESEMPENHO EM MAIO DE : BRASIL E PAÍSES SELECIONADOS Os dados divulgados no dia 8 de julho pelo IGBE relativos ao desempenho da produção industrial no mês de maio revelam uma queda

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 23 número11 j aneiro 2009 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Novembro de 2008 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Outubro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Ago18/Jul18 (%) dessaz. Ago18/Ago17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Agosto/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jun18/Mai18 (%) dessaz. Jun18/Jun17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até junho

Leia mais

Produção Industrial Julho de 2014

Produção Industrial Julho de 2014 Produção Industrial Julho de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA EM JULHO/14 A produção da indústria catarinense recuou 2,7% em julho, enquanto a produção brasileira teve queda de 3,6%, ambos sobre

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - OUTUBRO/2017

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - OUTUBRO/2017 Saldo de Emprego (admissão - desligamentos) 1. Brasil segue Gerando novos Empregos GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - OUTUBRO/217 O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional. Abril de 2018 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional. Abril de 2018 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Abril de 2018 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou alta de 0,2%, em fevereiro de 2018, no acumulado de 12 meses, ocupando a décima

Leia mais

Atividade industrial acentua queda em dezembro

Atividade industrial acentua queda em dezembro Destaques 2 3 4 Faturamento real Efeito acomodação leva faturamento a crescer em dezembro no dado dessazonalizado Horas trabalhadas na produção Horas trabalhadas recuam fortemente, no indicador dessazonalizado,

Leia mais

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12 Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de 2013 Luiz Dias Bahia Nº 12 Brasília, julho de 2013 ASPECTOS DO COMPORTAMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

índices da produção física da indústria no Brasil 1908/89 MINERAIS NflO-METALICOS 125,91 120,68 121,07 100,38 96,64 93,26

índices da produção física da indústria no Brasil 1908/89 MINERAIS NflO-METALICOS 125,91 120,68 121,07 100,38 96,64 93,26 índices da produção física da indústria no Brasil 18/89 INDÚSTRIA GERAL EXTRATIVA MINERAL TRANSFORMAÇÃO MINERAIS NflO-METALICOS METALÚRGICA 8ÍSICA OUTROS METALURGIA ELÉTRICO E COMUNICAÇÕES Nov. 3an..3un...

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - DEZEMBRO/2017

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - DEZEMBRO/2017 Saldo de Emprego (admissão - desligamentos) GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - DEZEMBRO/217 1. Brasil termina o ano de 217 com fechamento de Postos de Trabalho O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Novembro de 2013

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Novembro de 2013 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Novembro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou -3,2% em novembro em relação ao mesmo mês do ano anterior e cresceu 0,7% no acumulado

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set16/Ago16 (%) dessaz. Set16/Set15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

ano XVII, n 10, outubro de 2013

ano XVII, n 10, outubro de 2013 ano XVII, n 10, outubro de 2013 EM FOCO O índice de preços das exportações registrou alta de 2,3% em setembro na comparação com o mês de agosto. A elevação dos preços mostra-se discreta, mas generalizada,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul16/Jun16 (%) dessaz. Jul16/Jul15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Comércio Internacional: Impactos no Emprego Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Ganhos do Comércio Internacional: Fonte geradora de empregos no Brasil. 1. Possibilita aumento da produção nacional,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Janeiro de 2014 Em janeiro de 2014, a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia cresceu 3,3%, abaixo da registrada em dezembro

Leia mais

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Resultado de julho de 2017 12/09/2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Mensal do Comércio Objetivo Produzir indicadores que permitam

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 Emprego industrial 02 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O SEGUNDO MELHOR

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out17/Set17 (%) dessaz. Out17/Out16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul17/Jun17 (%) dessaz. Jul17/Jul16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Julho

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez18/Nov18 (%) dessaz. Dez18/Dez17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Abril/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Fev19/Jan19 (%) dessaz. Fev19/Fev18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Fevereiro

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul18/Jun18 (%) dessaz. Jul18/Jul17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Maio/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mar19/Fev19 (%) dessaz. Mar19/Mar18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Março

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO 1º TRIMESTRE Exportações Das 24 categorias da indústria, apenas 4 apresentaram crescimento em

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set18/Ago18 (%) dessaz. Set18/Set17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Produção Industrial Fevereiro de 2014

Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial mantém ritmo moderado de crescimento A produção industrial de Santa Catarina cresceu 1,8% em fevereiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Leia mais