Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 1"

Transcrição

1 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 1

2

3 Rio de Janeiro, 2007

4 SENAC Presidente do Conselho Nacional Antonio Oliveira Santos Departamento Nacional Diretor-geral Sidney Cunha Diretor da Divisão Técnica (Ditec) Luiz Carlos Santa Rosa Diretor da Divisão de Operações (Diop) Eladio Asensi Prado Diretora da Divisão de Administração e Recursos Humanos (DARH) Vera Espírito Coordenação editorial Centro de Comunicação Corporativa/DARH SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL (SENAC) DEPARTAMENTO NACIONAL Av. Ayrton Senna, Rio de Janeiro RJ Brasil CEP Tel.: (21) SENAC. DN. Relacionamento com o mercado / Ricardo Mathias. Rio de Janeiro : SENAC/DARH/CCC, p. (Referenciais de Marketing e Comunicação, 2). Inclui bibliografia. SENAC; MARKETING DE RELACIONAMENTO; RELACIONAMENTO COM O MERCADO; RELACIONAMENTO COM O CLIENTE; CRM; SATISFAÇÃO DO CLIENTE. Ficha elaborada de acordo com as normas do SICS Sistema de Informação e Conhecimento do Senac

5 Apresentação A coleção Referenciais de Marketing e Comunicação foi criada como um ponto de partida para reflexões e debates de todo o Sistema Senac sobre os principais temas que envolvem os programas do Plano Estratégico de Marketing e Comunicação do Senac , desenvolvido para colaborar no alcance do objetivo estratégico de fortalecimento da imagem institucional. Em seu segundo volume, a coleção debate um dos atuais desafios da esfera empresarial moderna: o relacionamento com o mercado, em especial o foco no cliente. E com o Senac não é diferente. De forma contínua, estamos revendo e aperfeiçoando processos na busca por uma interação cada vez maior e mais valorizada com os nossos clientes e parceiros. Uma das questões apontadas na publicação é que qualquer empresa, independentemente de tamanho, pode realizar um gerenciamento de relacionamento com o cliente, o famoso CRM. E esse gerenciamento pode acontecer desde a utilização de fichas e planilhas até a adoção de softwares mais sofisticados. Para iniciar esse debate, trazemos a visão sobre o tema do especialista Ricardo Mathias, professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing, especialista em Marketing e Estratégia, mestrando em Sistema de Gestão pela Universidade Federal Fluminense, que também integra o nosso atual time de colaboradores das Oficinas de Marketing e Comunicação desenvolvidas nos Departamentos Regionais do Senac. Boa leitura e boas idéias.

6

7 Sobre o autor do texto Ricardo Mathias possui 23 anos de experiência na direção e consultoria no desenvolvimento de negócios nas áreas de Marketing, Tecnologia e Segurança da Informação, Planejamento Estratégico, Gestão de Vendas, Gestão do Conhecimento, Mapeamento de Processos e Desenvolvimento Organizacional para empresas como Petrobras, Oi, jornal O Globo, Casas Sendas, Petróleo Ipiranga, Grupo Algar, BNDES, entre outros. Na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM/RJ) criou a Central de Relacionamento com o Mercado e atualmente coordena os programas in company na modalidade presencial e a distância para empresas como Oi, Ampla, Companhia Vale do Rio Doce, Petrobras e SulAmérica. Professor em Marketing, Gestão Estratégica de Vendas e Negociação, Organização, Sistemas e Métodos, e Balanced Scorecard (BSC), Ricardo é mestrando em Sistema de Gestão pela Universidade Federal Fluminense, analista de Sistemas com MBA em Marketing pela ESPM-RJ e especialista em BSC, certificado pelo Balanced Scorecard Collaborative.

8

9 Sumário Introdução...11 Por que tratar o cliente de forma individual?...13 O que é marketing de relacionamento?...13 Foco no cliente: qual a diferença entre satisfação e fidelização?...15 Quais são as iniciativas do marketing de relacionamento a serem desenvolvidas pela organização?...16 Como tratar os clientes in company dentro da estratégia de implantação de relacionamento com o mercado?...16 Por que estabelecer parcerias estratégicas para melhorar o relacionamento com o mercado?...17 Por que a Internet merece destaque no relacionamento com o mercado?...18 O que é CRM - Customer Relationship Management (Gerenciamento de Relacionamentos com Cliente)?...18 Quais os mecanismos necessários para implantar o CRM?...19 Como implementar o CRM?...21 Somente a área de marketing deve estar envolvida na estratégia de implemantação do CRM?...23 O que podemos concluir?...25 Cases do Sistema Senac...26 Referências...37

10

11 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 11 Introdução Nos dias de hoje, cada vez mais, precisamos estabelecer uma relação diferenciada com nossos clientes, entender suas necessidades e hábitos de consumo, construindo soluções que atendam aos diversos públicos diferentes que buscam soluções personalizadas. Para tanto, é imprescindível desenvolver um relacionamento único por meio das melhores práticas de marketing de relacionamento, utilizando a mais ampla gama de abordagens de marketing, vendas, comunicação, serviço e atendimento ao cliente. Além dessas abordagens, é importante implementar uma gestão orientada para a conquista de um relacionamento duradouro e vantajoso entre o cliente e a empresa.

12

13 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 13 Por que tratar o cliente de forma individual? Muito se pergunta por que o cliente deve ser tratado de forma individual. Na realidade, isso se dá em função de as pessoas, independentemente de classe social, hábitos e desejos, buscarem soluções em vez de produtos e serviços, para atender suas necessidades de consumo. Sobre esse aspecto, qualquer empresa precisa estar consciente de que os seus processos de serviços, a qualidade de seus produtos e a forma de atendimento têm um grande peso na decisão de compra do cliente. Em função dessa realidade, não podemos deixar de destacar que promover o desenvolvimento e a satisfação dos profissionais da linha de frente é processo chave para satisfazer e fidelizar os clientes, entendendo o modelo de valor desses clientes e definindo o conceito de serviços adequado a eles. Importante destacar também que os consumidores pensam sobre os produtos, serviços e empresas, comparando-os com outros produtos, serviços e outras empresas. O que realmente importa é que os consumidores, de forma individual, tomam decisões de compra a partir de uma definição hierárquica de valores, desejos e necessidades, com base na opinião de outras pessoas, referências obtidas por meio de propaganda e experiências anteriormente comprovadas com produtos e serviços. Mesmo a empresa sendo líder no segmento em que atua, e que seja percebida pela qualidade e confiabilidade do que passa para o mercado, isso não garante mais a decisão de compra por parte do consumidor. É preciso conhecer profundamente os desejos e necessidades dos clientes, estabelecendo um intenso relacionamento com eles. O que é marketing de relacionamento? No século passado, existia uma necessidade muito grande de as empresas levarem o maior número possível de produtos para um número inimaginável de clientes, e isso era feito pelo conceito e aplicabilidade do marketing de massa, ou seja, vender muitos produtos para muitos clientes de qualquer maneira. Mas, se nos dias de hoje o que se privilegia é a interação com o cliente, com o objetivo de desenvolver, de maneira personalizada, um conjunto de valores que levarão à satisfação e ao relacionamento de longo prazo com sua empresa e gerando benefícios mútuos, estamos falando de marketing de relacionamento. No mundo atual, não podemos deixar de destacar que esse tema é um dos mais importantes a serem tratados e que efetivamente vem auxiliando as empresas a se tornarem diferentes, próximas dos consumidores, buscando a liderança e, conseqüentemente, se tornando mais rentáveis.

14 Podemos dizer que com a globalização, os avanços tecnológicos e o advento da Internet, a forma de as pessoas se relacionarem mudou, reduzindo barreiras para que novos participantes entrassem nos mercados e oferecessem produtos e serviços a preços muito menores, independentemente do local. A concorrência foi estimulada mais ainda pela desregulamentação do ramo de telecomunicações e do crescimento do varejo, por exemplo. O cliente agora tem opções e, o que é mais importante, está ciente delas e não precisa ser fiel a empresa nenhuma. O poder passou para as mãos do cliente, isto é, ele é o tomador de decisão. Com a intensificação da concorrência, as empresas perceberam que precisam tratar os clientes de maneira diferenciada. As empresas agora estão tentando descobrir formas de gerenciar com eficiência os relacionamentos com os clientes, e não apenas adquirir novos, mas reter os que já existem. O marketing de relacionamento é considerado uma evolução do marketing tradicional, uma nova forma de fazer marketing, planejando as ações de relacionamento de fora para dentro da organização - o planejamento a partir da necessidade do cliente. Atualmente, isso se torna mais fácil de acontecer, já que o profissional que atua nessa área dispõe de ferramentas de pesquisa de mercado, serviços de atendimento, como telemarketing e call center, para a coleta de informações sobre cada consumidor, tanto individualmente como em grupo. Podemos dizer que o marketing de relacionamento é conhecido como um novo paradigma do marketing e cujo conceito foi construído a partir da evolução do conhecimento de várias áreas, passando pela produção em massa de bens de consumo, pelo marketing de serviços e pela gestão voltada à qualidade total. Esses fatores contribuíram para que as organizações estivessem voltadas a atingir, em todos os níveis hierárquicos, excelência em processos chave e que pudessem medir os resultados, por meio de indicadores de desempenho, medindo o nível de satisfação dos clientes, os resultados em vendas, o nível de qualidade dos produtos e serviços vendidos. Isso mostra que se relacionar com mercado não é fato novo e já existe há algumas décadas. Mas podemos afirmar que somente agora o relacionamento com o cliente tornou-se o centro das atenções para as empresas, em que seus produtos e serviços estão inseridos em um mercado altamente competitivo, no qual tudo parece muito igual com o que a concorrência faz, mas que, na realidade, as empresas precisam de um novo foco, visão e estratégia baseados fortemente na gestão do relacionamento com o cliente: pensar e agir a partir do cliente e a favor dele. Para a implantação eficaz do marketing de relacionamento, a empresa deve estar apta a mudar a sua atitude não somente voltada para a venda de 14 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado

15 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 15 produtos e serviços, mas trabalhar focada para um atendimento individual, atendendo as necessidades e desejos que satisfaçam o cliente e possibilitando uma relação duradoura que leve à fidelização. Foco no cliente: qual a diferença entre satisfação e fidelização? Para muitos, satisfazer e fidelizar são ações que dependem exclusivamente da empresa que vende um determinado produto e/ou serviço. Na realidade, são ações complementares, em que a satisfação é a resposta ao desejo de consumo e a fidelização é uma iniciativa de compra do consumidor em adquirir novamente um produto e/ou serviço de uma determinada empresa. Um cliente satisfeito é influenciado pela qualidade dos produtos e serviços que ele compra, levando em consideração o que a empresa consegue passar para o consumidor em relação a confiabilidade, segurança, empatia com a marca e que mexa com a sua sensibilidade. Para tanto, um cliente satisfeito amplia e promove o boca-a-boca positivo, diminuindo o esforço de aquisição de novos clientes, possibilitando o desejo de novas compras e, com isso, promovendo a fidelização e criando vantagem sustentável em relação à concorrência. A fidelização bem trabalhada torna-se uma ferramenta poderosa de marketing de relacionamento para entender detalhadamente o comportamento dos clientes e grupos de clientes, permitindo o aprimoramento constante dos processos internos das organizações com as respostas rápidas e apontando as necessidades de se diferenciar da concorrência. Isso mostra que um bom atendimento não é suficiente, mas que algo mais é necessário para fugir da discussão sobre preços e estabelecer uma relação mais forte entre o cliente e a empresa. Podemos concluir que satisfação e fidelização devem fazer parte dos desejos de qualquer empresa, pois para qualquer negócio é mais lucrativo manter os clientes atuais do que adquirir novos. Mantendo esses clientes, o nível de relacionamento aumenta, possibilitando mais ganhos para a empresa. Além disso, o cliente fiel age como um defensor da organização, ajudando a atrair novos clientes. O índice de retenção da base de clientes é muito importante para a criação do valor de uma empresa.

16 Quais são as iniciativas do marketing de relacionamento a serem desenvolvidas pela organização? A prática do marketing de relacionamento necessita de ações específicas e direcionadas, geralmente, com uma estratégia definida e que seja exercido de forma completa, por meio de seis iniciativas básicas: 1. Visão empresarial voltada para os clientes a empresa deve agir de forma integrada na busca da excelência no relacionamento com o cliente a partir da criação de valor com seus funcionários e parceiros de negócios. 2. Objetivos de marketing conectados à visão e à missão da empresa - os objetivos devem ser claros, praticados e medidos por todos os funcionários, alinhados com a visão e a missão da empresa. 3. Estratégia de marketing de relacionamento voltada para a criação de valor da empresa a partir do cliente a construção do relacionamento duradouro com o mercado parte da experiência vivida pelos clientes a partir da experimentação de produtos e serviços. 4. Implementação de ações com foco no relacionamento colaborativo com clientes essas ações devem ser apoiadas por uma infra-estrutura que gere segurança e direcionamento para os funcionários que estão na linha de frente com o cliente. 5. Benefícios mútuos entre empresa e clientes a partir de vários contatos estabelecidos com o cliente, a empresa passa a entender melhor as suas necessidades, o que possibilita a obtenção de informações e opiniões valiosas sobre o que o cliente acha a respeito da empresa, de seus produtos e serviços. 6. Direcionamento, capacitação e envolvimento dos funcionários da empresa entendendo a filosofia da empresa, a clareza dos objetivos e metas, os funcionários bem capacitados, treinados e estimulados, trabalhando de forma integrada por meio dos processos chave, passam a ser um grande diferencial competitivo no contato com o cliente. Especificamente em relação a clientes in company, como tratá-los sob a estratégia de implantação de relacionamento com o mercado? As organizações que buscam capacitação e desenvolvimento para seus funcionários em projetos de treinamento in company precisam de programas sob medida que gerem resultados específicos. A decisão e a definição de escopo 16 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado

17 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 17 do treinamento exigem da empresa prestadora de serviço um levantamento criterioso das necessidades de cada demanda que o cliente apresenta. O levantamento a ser feito exige a identificação das expectativas e objetivos desejados, a identificação dos perfis, habilidades e funções dos funcionários que irão participar das atividades de treinamento, as características do negócio e a realidade do cliente no mercado que possibilitem uma solução customizada. Além da solução customizada, as empresas exigem um excelente corpo técnico, como, por exemplo, bons professores, que entendam a realidade específica do cliente. Para isso, é importante que haja uma interação por parte do corpo técnico na definição do escopo do treinamento. Como um bom argumento de venda, outro ponto relevante que as empresas clientes levam em consideração é o nome da instituição que fará o treinamento, pois precisa passar credibilidade, segurança, qualidade e, preferencialmente, outros casos de sucesso. Dessa forma, com um programa in company bem customizado, com equipe bem preparada e as necessidades do cliente atendidas, será possível um relacionamento de confiança, aumentando a possibilidade de vendas recorrentes e, conseqüentemente, a fidelização. Por que estabelecer parcerias estratégicas para melhorar o relacionamento com o mercado? Em um mercado em constante mudança, com o aumento da concorrência e o avanço tecnológico, por muitas vezes as empresas precisam desenvolver métodos e estratégias para garantir sustentabilidade nos negócios e melhorar o relacionamento com o cliente. Em razão das necessidades por novos produtos e serviços, resultados insatisfatórios, necessidade de novas competências, a falta de recursos internos suficientes para desenvolvê-las, a limitação de investimentos e, às vezes, diante da aliança de concorrentes, torna-se necessário criar alternativas de crescimento. Com isso, estabelecer parcerias estratégicas, que propiciem às empresas expandir e desenvolver suas atividades de maneira diferenciada, passa a ser um diferencial competitivo em relação à concorrência. Para que esse processo aconteça de forma satisfatória, é importante estabelecer etapas. Primeiro, é fundamental definir claramente quais são os objetivos e metas da parceria, definir as obrigações e os direitos de cada um, identificando oportunidades de negócio a serem geradas, prevendo o impacto que a parceria pode gerar nas pessoas e definindo claramente o poder de decisão e autonomia de cada empresa.

18 Alguns erros comuns no processo devem ser evitados, como focar apenas nos seus interesses e não nos benefícios mútuos, não injetar a dose certa de confiança, acontecer falhas na comunicação entre os parceiros e com o mercado, não envolver as pessoas certas, definir objetivos e metas pouco claros e subestimar os problemas da resistência à mudança e dos choques culturais. Por que a Internet merece destaque no relacionamento com o mercado? O crescimento constante do uso da Internet como veículo de comunicação se tornou um dos mais valiosos canais de interação com o consumidor, potenciais clientes, parceiros, estudantes e comunidades em geral, permitindo às empresas divulgar para todo mundo seus produtos, serviços e informações institucionais. Os sites e portais virtuais tornaram-se o principal cartão de visitas, a cara da empresa. Hoje, é impossível não colocar a Internet dentro do plano de marketing da empresa, pois os benefícios são infinitos, aumentando a visibilidade da marca e possibilitando um contato único e personalizado com o cliente por meio das constantes atualizações de informações, como, por exemplo, oferta de cursos e treinamento à distância, que fortalecem a marca e tornam esse canal um grande e poderoso veículo de relacionamento com o mercado. O que é CRM - Customer Relationship Management (Gerenciamento de Relacionamentos com Cliente)? O CRM não deve ser definido puramente como uma solução tecnológica que permite compartilhar a informação sobre os clientes dentro da empresa, apesar de ter surgido da crescente demanda das empresas por tecnologias para integrar e automatizar os esforços de marketing e vendas - foi lançado, em meados dos anos 1990, como uma solução de sistema integrado, pela indústria de software, para auxiliar no gerenciamento do relacionamento com os clientes. O CRM é muito mais do que isso, pois as suas empresas fabricantes entenderam que essa solução poderia atender a estratégia de vendas de produtos e serviços baseando-se nos benefícios que esses poderiam gerar, concretizando as ações de marketing de relacionamento e tornando-o uma estratégia global de negócios. O CRM oferece uma visão integrada dos clientes para todas as pessoas da organização. Por exemplo, se o departamento de marketing realizar uma campanha de divulgação, todas as informações sobre os clientes e o programa deverão ser mantidas para que o pessoal de vendas possa fazer acom- 18 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado

19 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 19 panhamento, o pessoal de atendimento possa responder qualquer consulta e a retaguarda operacional possa oferecer qualquer apoio ao campo. A idéia é ter as mesmas informações disponíveis a todos da empresa, para que o cliente não tenha que se desdobrar, ele próprio, para que suas necessidades sejam atendidas. O CRM implica que todos estejam voltados para o cliente, pois a real motivação é a necessidade do consumidor atendida. O CRM é, literalmente, a gestão do relacionamento com o cliente. Mais correto é defini-lo como um processo de gestão da mudança suportado numa base tecnológica que tem como finalidade atender, reconhecer e cuidar do cliente em todo o relacionamento estabelecido com a empresa. Para ser eficaz, um projeto CRM tem que ser capaz de integrar as informações recolhidas nas várias formas e ferramentas à disposição das empresas que são utilizadas para estabelecer qualquer tipo de contato, como por exemplo, mailings (tradicional e eletrônico), cadastros de contatos estabelecidos via telemarketing, serviços de call centers, balcões de atendimento, contatos em seminários, feiras, palestras, visitas a empresas, vendas pela Internet, comunidades virtuais etc. Essas informações podem ser estruturadas desde planilhas Excel até sistemas mais sofisticados de CRM sem dúvida, ter um sistema organizado garante um melhor gerenciamento. Para esse fim, o CRM transforma dados dispersos em informações úteis e centralizadas, que devem ser utilizadas por todos em benefício, primeiro, do cliente e, em segundo lugar, da empresa. É um método, sobretudo, útil ao nível das vendas: conseguir que os clientes atuais aumentem o seu grau de satisfação, o que os levará a comprar mais e a dizer bem da empresa, o que, por sua vez, irá atrair mais clientes. O objetivo final é conseguir a lealdade do cliente visando maior lucratividade para a empresa. Destacamos que as práticas de CRM possibilitam redução dos custos de propaganda e facilitam a abordagem a clientes diferentes e a identificação da eficácia de uma determinada campanha de marketing. Isso permite melhor competitividade por serviços e não por preços, evitando gastos elevados com clientes de baixo valor ou gastos reduzidos com clientes de alto valor, aproveitando, dessa forma, o máximo de cada contato com ele. Quais os mecanismos necessários para implantar o CRM? Na construção de um modelo de CRM, o ponto principal é conhecer quem são os verdadeiros clientes e saber que todas as interações devem ser registradas, contribuindo para a construção do seu perfil individual e, quando se tratar de relacionamento com cliente corporativo, levantar informações estratégicas, gerenciais e demográficas.

20 Antes de aprofundarmos como devemos colocar em prática as funcionalidades de um CRM, vale destacar quais são os mecanismos necessários para sua implementação e os cuidados que devemos tomar para o seu efetivo funcionamento. Como a finalidade do CRM é atender as necessidades dos negócios voltadas para a melhoria contínua da gestão com o cliente, esses mecanismos possuem funcionalidades complementares, descritos a seguir. Mecanismos de análise de portfólio e gestão de campanhas auxiliam as empresas, em tempo real, na captura de informações a respeito das necessidades que o cliente apresenta e de seu comportamento de consumo. Permitem investigações a respeito do tipo de cliente, analisando os mais rentáveis, os potenciais, os com queda de compras, estabelecendo uma segmentação inteligente, possibilitando um gerenciamento de campanhas direcionadas para os diversos públicos e criando soluções customizadas. Os mecanismos de contato com o cliente são os mais críticos, por se tratarem da interação do relacionamento, pois cada contato é único e, no atendimento de qualquer insatisfação, precisa ser resolvido no momento que chamamos da hora da verdade, quando o cliente busca uma solução imediata. Para que isso seja amenizado, é importante que a empresa possua um histórico de contato armazenado de forma integrada e estruturada em banco de dados, favorecendo novos atendimentos. Outro ponto importante é a integração entre computadores e centrais de telefonia, o que permite identificar o histórico de contatos, informações sobre transações efetuadas e características do cliente. Os scripts inteligentes para o contato com o cliente também suportam os atendentes durante o contato, propiciando um melhor atendimento e minimizando os possíveis erros. Outro artifício é o gerenciamento de , que facilita o atendimento a um maior número de solicitações no menor tempo, com respostas automáticas construídas de forma a difundir as informações sobre serviços, produtos e solução de problemas. Mecanismos para controle e aprimoramento da qualidade facilitam as organizações na melhoria da qualidade de seus produtos, procedimentos operacionais, serviços e atendimento a clientes. Utilizam pesquisas, permitindo customizar perguntas e respostas por tipo de cliente e campanhas de vendas, como também a gestão e a qualidade de serviços que suportam as tomadas de decisão em momentos críticos do atendimento. Outro ponto fundamental é ter uma linha de frente de funcionários com autonomia, o que pode trazer significativa redução de custos para a organização e eliminar a insatisfação de clientes. Os mecanismos para busca de informação, envolvimento e gerenciamento do colaborador tornamse um elemento chave nesse processo, levando a um gerenciamento e perfil 20 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado

21 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado 21 de acesso de cada colaborador, de acordo com o seu nível de decisão. Além das informações, envolvimento e gerenciamento, existem duas variáveis fundamentais para o sucesso desses mecanismos: o reconhecimento e recompensa da equipe de atendimento, e o processo contínuo de treinamento e aperfeiçoamento do colaborador. Esses mecanismos bem trabalhados com certeza apoiarão na implementação do CRM, mas vale alertar que possíveis ameaças internas podem levar ao insucesso na sua efetivação. O baixo envolvimento da alta cúpula da organização com o projeto, a baixa participação dos funcionários operacionais, a sobrevalorização da tecnologia, a falta de autonomia da equipe operacional perante o cliente, a centralização excessiva das informações pelas áreas de marketing e tecnologia da informação, a organização orientada ao produto e não ao cliente, a falta de visão da equipe de implantação e de incentivo ao colaborador que esteja envolvido com esse processo podem prejudicar o planejamento para um CRM bem-sucedido. Como implementar o CRM? Para implementarmos o CRM, é necessário adotar uma metodologia que nos permita aprender com ela à medida que vamos implementando, suportando sempre os passos seguintes com resultados anteriores. Além disso, precisamos de uma metodologia que seja implementada com o comprometimento da alta administração da organização, começando pelo presidente, até o colaborador do nível operacional. No final do processo de implementação, queremos que a estratégia CRM esteja bem implementada em função das necessidades do cliente e da organização, e que garanta a maximização dos resultados por meio da satisfação do cliente. Apresentamos, a seguir, o modelo consagrado IDIP (Identificação, Diferenciação, Interação e Personalização), dos autores Don Peppers e Martha Rogers, que consiste de quatro passos: identificar clientes em todos os pontos de contato, diferenciá-los por valor e necessidades, interagir com eles e, então, personalizar produtos, serviços e a própria interação. Identificação - significa conhecer os clientes: quem são, o que fazem, onde moram, qual o histórico de consumo etc. Isto é, precisamos conhecer os clientes da organização e, nesse âmbito, conhecer significa reunir um conjunto de dados sobre cada cliente, que se agrupam em duas categorias de dados: estáticos e dinâmicos. Os primeiros caracterizam-se pelas informações, como, por exemplo, nome, sexo, moradia, nível de escolaridade e estado civil, enquanto os dados dinâmicos caracterizam-se pela constante

22 mudança, como os dados sobre necessidades que a pessoa tem em relação ao tipo de aperfeiçoamento e conhecimento que busca para o seu desenvolvimento profissional. Portanto, as definições dos dados, o que pretendemos saber sobre o cliente, devem ser bem analisadas e sobretudo registradas de forma correta pela pessoa que está em contato com o cliente, seja por meio de um atendimento de balcão, contato telefônico ou qualquer tipo de contato que servirá para o armazenamento desses dados que serão usados nas ações de relacionamento. Importante: a aquisição dos dados por si só não cria valor para a organização. Apenas quando os utilizarmos nos passos seguintes (diferenciação, interação e personalização) é que será criado valor para o relacionamento. Desse primeiro passo devemos reter as duas idéias principais, ou seja, quais os dados estáticos e dinâmicos que pretendemos de cada cliente. Essa metodologia é um processo evolutivo, e a utilização de um projeto piloto sobre segmentos de clientes, para aferir resultados, principalmente quando não existem certezas, é fundamental e aconselhada. Diferenciação - Depois de identificarmos os clientes, recolhidos os dados estáticos e dinâmicos, podemos passar à fase seguinte: diferenciar os clientes segundo um modelo de valor. Quando falamos em valor, estamos abordando três vetores de diferenciação distintos: as receitas geradas a partir do cliente, os custos que a organização tem para lhe fornecer os produtos e serviços, e finalmente o potencial que o cliente tem no futuro. Por muitas vezes, chegamos à conclusão que existem clientes na sua organização não rentáveis, como, por exemplo, os inadimplentes e para isso é importante classificá-los em, pelo menos, em classes distintas daqueles que são fundamentais a serem retidos, mesmo não gerando receitas de grande valor, mas que estão sempre utilizando os serviços da organização, como os compradores de cursos de curta duração. Além desses, temos os de maior valor, que compram serviços de longa duração com mensalidades maiores, como cursos de graduação e pós-graduação, ou seja, aqueles clientes que trarão o maior resultado, segundo a Regra de Pareto onde 20% dos melhores clientes trazem 80% dos resultados, enquanto os outros 80% produzem 20% de resultados. Temos também os de maior potencial, que compram os cursos de curta duração, com potencial de compra dos cursos de longa duração, tornando-se clientes de maior valor e, conseqüentemente, estabelecendo uma relação duradoura. Interação Com os clientes conhecidos e sabendo diferenciá-los, surge o momento de aproveitar as interações ao longo do ciclo de relacionamento para perceber as suas necessidades. Primeiro, pergunte diretamente sempre aos seus clientes, no lugar de tentar adivinhar o que eles desejam. Embora existam várias exceções a essa regra, por vezes, com a experiência 22 Coleção Referenciais de Marketing e Comunicação Vol. 2 Relacionamento com o Mercado

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Novos negócios no Ceará

Novos negócios no Ceará ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Novos negócios no Ceará No DR Ceará, as oficinas de Estratégia de

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois...

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... livro Comunicação Interpessoal Empresas investem cada vez mais no desenvolvimento de pessoas e processos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente O mundo passou por profundas e importantes transformações, sobretudo nos últimos cinco anos, impulsionadas pelo crescimento

Leia mais