ESTUDO DE CASO DA SITUAÇÃO ATUAL DA FROTA DE TRATORES E COLHEDORAS EM UMA USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CASO DA SITUAÇÃO ATUAL DA FROTA DE TRATORES E COLHEDORAS EM UMA USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO Elizmar Coelho Junior ESTUDO DE CASO DA SITUAÇÃO ATUAL DA FROTA DE TRATORES E COLHEDORAS EM UMA USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR Pompéia - SP Junho/2013

2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ESTUDO DE CASO DA SITUAÇÃO ATUAL DA FROTA DE TRATORES E COLHEDORAS EM UMA USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR Autor: Elizmar Coelho Junior Trabalho de graduação apresentado a Faculdade de tecnologia de Pompéia Shunji Nishimura FATEC, com requisito parcial para a conclusão do curso de Mecanização em Agricutura de Precisão. Pompéia - SP Junho/2013

3 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO Elizmar Coelho Junior ESTUDO DE CASO DA SITUAÇÃO ATUAL DA FROTA DE TRATORES E COLHEDORAS EM UMA USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR Trabalho de graduação apresentado a Faculdade de tecnologia de Pompéia Shunji Nishimura FATEC, com requisito parcial para a conclusão do curso de Mecanização em Agricutura de Precisão Orientador: Prof. Luiz Atílio Padovan Pompéia- SP Junho/2013

4 Ficha Cartográfica COELHO JUNIOR, Elizmar Estudo de caso da situação atual da frota de tratores e colhedoras em uma usina de cana-de-açúcar Pompéia, folhas. ; 30 cm Monografia - Trabalho de Graduação em Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Faculdade de Tecnologia Shunji Nishimura Pompéia, 2013 Orientador: Luiz Atílio Padovan 1. Mecanização 2. Frota. I. Padovan, Luiz Atílio. II. Faculdade de tecnologia Shunji Nishimura Pompéia, III. Titulo

5 Folha de aprovação Trabalho de Graduação de autoria de Elizmar Coelho Junior, intitulado Estudo de caso da situação atual da frota de tratores e colhedoras em uma usina de cana-de-açúcar, apresentado como requisito parcial para a obtenção do grau de Tecnólogo em Mecanização em Agricultura de Precisão da Faculdade de Tecnologia Shunji Nishimura Pompéia em 14/06/13, defendida, e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada: Professor Me. Luiz Atílio Padovan Professor. Rui Donizete Casarin Professor. José Antonio Brandão Bonadio Professora Dra. Mirian Presidente da Comissão de Pesquisa Pompeia - SP Junho/ 2013

6 Dedico à minha mãe, pelo carinho, apoio e suporte dado ao longo da minha vida para que tudo que tenho planejado possa ser realizado.

7 AGRADECIMENTOS Ao concluir este SONHO, lembro-me de muitas pessoas a quem ressalto reconhecimento, pois, esta conquista concretiza-se com a contribuição de cada uma delas, seja direta ou indiretamente. Em primeiro lugar agradeço a Deus, fonte de vida e libertação, que me embebedo todos os dias no seu amor. Sem Ele, não estaria aqui. Á minha mãe que sempre acreditou em mim e me deu forças para que eu chegasse até essa etapa da vida, meu pai mesmo no seu jeito rigoroso me ajudou, minha namorada que desde o começo esteve ao meu lado, mesmo nos momentos difíceis da faculdade sempre me ajudou e nunca deixou que eu desistisse. Aos Funcionários da empresa Terraverde que sempre ajudou no que eu precisasse além de que, se não fosse essa empresa também não estaria aqui, em especial ao André Egisto Lintkevicius pelo apoio e incentivo. Aos colaboradores a Usina Ferrari pela disponibilização dos dados em especial ao Júlio Malvestiti Ferreira que foi atencioso ao me receber na Usina. Aos Professores Luiz Atílio Padovan que teve paciência na orientação, ao José Vitor Salvi pelo incentivo, que tornaram a execução e conclusão dessa monografia. Aos meus amigos da 2º turma noturna, em especial ao Fernando Rodrigo de Azevedo que, não apenas nesse trabalho mas em outros, me apoiou e ajudou com que eu concluísse. Enfim, para todas às pessoas que contribuíram e participaram na reflexão e realização deste trabalho. Como dizia Sr. Nishimura Ninguém cresce sozinho

8 RESUMO COELHO JUNIOR, Elizmar, 19/07/1991 Estudo de caso da frota de tratores e colhedoras de cana de uma usina de cana-de-açúcar Faculdade de tecnologia Shunji Nishimura Curso de Mecanização em Agricultura de Precisão O Brasil é o maior produtor de cana de açúcar do mundo, fazendo do setor sucroalcoleiro uma das atividades agrícolas mais importantes do pais. Nos últimos anos, a mecanização agrícola tem sido espetacular onde 80% dos trabalhos são realizados através de equipamentos mecânicos. Dessa forma o objetivo do trabalho baseia-se na avaliação da frota de tratores e colhedoras de uma usina de cana-de-açúcar, através do levantamento e a avaliação dos diferentes fabricantes e modelos, potência, idade das máquinas e do número de horas trabalhadas. Para isso foram desenvolvidos tabelas e através dessas tabelas também foram gerados gráficos para mostrar detalhadamente os itens. Conclui-se que tanto para a frota de tratores agrícolas quanto para de colhedoras a idade e as horas trabalhadas, estão bastante utilizados, o que aumenta o custo de reparo e manutenção e os custos indiretos. Palavras chave: Indústria; Manutenção; Mecanização

9 ABSTRACT Brazil is the largest producer of sugarcane in the world, making the sector sugarcana one of the most important agricultural activities in the country. In recent years, agricultural mechanization has been spectacular where 80% of the work is done through mechanical equipment. Thus, the aim of the work is based on the evaluation of the fleet of tractors and harvesters of a sugar cane, through a survey and evaluation of different manufacturers and models, power, age of machines and the number of hours worked. For that were developed through these charts and tables were also generated graphs to show detail items. We conclude that both the fleet of tractors to harvesters as the age and hours worked, are widely used, which increases the cost of repair and maintenance and overhead costs. Keywords: Industry, Maintenance; Mechanization

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Esquema completo de um colhedora automotriz de cana-deaçúcar...17 Figura 2. Gráfico de dados sobre os fabricantes de tratores...25 Figura 3. Gráfico em relação às Potencias dos tratores agrícolas...26 Figura 4. Gráfico de classificação da horas trabalhadas dos tratores...27 Figura 5. Gráfico de classificação da idade dos tratores agrícolas...29 Figura 6. Classificação das colhedoras em relação a seus fabricantes...31 Figura 7. Classificação das colhedoras em relação à potência...32 Figura 8. Classificação das colhedoras com suas horas trabalhadas...33 Figura 9. Classificação das colhedoras por idade...35

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Classificação dos tratores em relação a fabricantes, modelos e quantidades...21 Tabela 2. Classificação das colhedoras em relação aos fabricantes modelos e quantidades...21 Tabela 3. Classificação dos tratores em relação a fabricantes, ano da máquina potência e horas trabalhadas...23 Tabela 4. Classificação das colhedoras em relação a Fabricantes, Ano das máquinas, Potência e horas trabalhadas...30

12 SUMÁRIO 1. Introdução Objetivo Revisão bibliográfica Colhedoras de cana-de-açúcar Tratores agrícolas Custo de reparo e manutenção Material e Métodos Material Colhedoras de cana-de-açúcar Método Resultados e discussão Tratores Fabricantes Potência dos Tratores Agrícolas Horas Trabalhadas Idade dos tratores agrícolas Colhedoras Fabricantes Potência das Colhedoras Horas Trabalhadas das colhedoras Idade das Colhedoras Conclusão Referências Bibliográficas... 38

13 1. Introdução Nos últimos anos, a produção de cana de açúcar no Brasil tem apresentado um crescimento significativo, que em parte pode ser justificado pelo aumento da demanda nacional e internacional pelo etanol, motivada pelo desenvolvimento da tecnologia dos motores flex., e em outra parte pela publicidade que se formou em torno do papel dos biocombustíveis, que poderia representar a solução possível e perfeita tanto para a crise energética, quanto para os desafios do aquecimento global e das mudanças climáticas. (OLIVEIRA, 2011). O Brasil se destaca como o maior produtor e exportador de derivados de cana-de-açúcar. O Estado de São Paulo é o principal produtor, e responsável por cerca de 60% da produção. Ronquim (2010) afirma que a área cultivada com cana-de-açúcar no estado, ocupa 26,8% do total da área agrícola. O setor sucroalcooleiro brasileiro possui grande importância econômica, social e ambiental e está em plena expansão, atraindo investimentos para a área agrícola e industrial das usinas e para a construção de novos empreendimentos, as empresas visam à expansão do mercado consumidor por meio da redução de custos e melhoria da qualidade dos processos e produtos. (SOUSA, 2010) Na agroindústria canavieira, as usinas visam garantir a competitividade investindo em novas metodologias e tecnologias, com esse propósito, a mecanização agrícola vem conquistando avanços nas últimas décadas. Ramão et. al., (2007) comenta que em todas as etapas do processo produtivo da cana de açúcar, a mecanização é uma tendência do padrão tecnológico do modelo de agricultura produtivista vigente na atualidade. O corte manual da cana-de-açúcar que foi substituído para o corte mecanizado, representa mais do que uma simples alteração de uma técnica por outra, falando em termos agrícolas, significa combinar e aperfeiçoar os elementos relacionados ao planejamento, manejo da cultura e dimensionamento dos equipamentos usados no campo. (VEIGA FILHO, 1999). Essa mudança tem ocorrido por vários fatores e dentre eles destacam-se a ausência de mão de obra para a colheita, a redução de custos e principalmente pelo protocolo agro ambiental. Esse protocolo foi assinado pelas lideranças do

14 setor canavieiro junto ao Estado de São Paulo para finalizar as queimadas em áreas mecanizáveis até 2014 e áreas não mecanizáveis até 2017 (SANTOS, 2011). O sistema de colheita mecanizada é considerado uma das operações mais importantes no processo de produção devido aos custos envolvidos, influência na qualidade da matéria prima e a necessidade de manter um fluxo constante para atender a demanda da Usina (SANTOS, 2011). O correto gerenciamento da frota canavieira tem por finalidade a melhoria continua dos indicadores de desempenho, nesse sentido pode-se dizer que os resultados desejáveis são o aumento da produtividade, qualidade e a redução de custo (BANCHI et. al, 2008)

15 2. Objetivo O estudo de caso foi conduzido com o objetivo de avaliar a frota de tratores e colhedoras da usina em relação as operações canavieiras, através do levantamento e a avaliação dos diferentes fabricantes e modelos, potência, idade das máquinas e do número de horas trabalhadas.

16 3. Revisão bibliográfica A necessidade de rendimento operacional e redução de custos o setores sucroalcooleiros buscaram alternativas na frota mecanizada da cana de açúcar como tratores e colhedoras de cana. Ramão et al (2007) afirma que o segmento canavieiro tem sido marcado, atualmente, por um cenário de crescimento e transformação. Uma das principais mudanças ocorridas é a mecanização como opção para a colheita da cana. Essa condição, somada à forte pressão mercadológica dos fabricantes de colhedoras, tem promovido o crescimento da colheita mecânica, principalmente no Estado de São Paulo. Os principais fatores que impulsionaram a mecanização da cana no Estado de São Paulo foram os problemas causados pelo fogo sobre o meio ambiente, a insatisfação popular e a consequente proliferação de ações judiciais contra a prática da queimada nas regiões produtoras. Esses fatores, associados à crescente pressão social e aos conflitos políticos, fizeram com que o governo do Estado de São Paulo regulamentasse a prática na lavoura canavieira, estabelecendo um cronograma para a total eliminação das queimadas. Após várias negociações entre os principais envolvidos, foi aprovado o Decreto Estadual nº /2003, que regulamentou a Lei nº /2002, denominada Lei das queimadas. (RAMÃO et. al, 2007) 3.1- Colhedoras de cana-de-açúcar No Brasil atualmente são utilizados com bastante frequência o uso de colhedoras automotrizes de cana picada. Nesta máquina, a cana passa por várias etapas dentro da colhedora, deste o momento do corte de base até o carregamento no veículo e transporte. Durante a colheita a máquina é posicionada em uma fileira de cana e quando se inicia o deslocamento os ponteiros são cortados pelos cortadores de pontas. O sistema de alimentação é

17 constituído pelos divisores de linhas, rolo alimentador e tombador, que direcionam a fileira de cana para o cortador de base. O corte de base é constituído por dois discos rotativos com laminas e o recolhimento e transporte interno das canas inteiras é realizado por dois rolos alimentadores e transportadores. O corte da cana é feito pelos picadores e a retirada das impurezas pelo extrator primário, em seguida os rebolos levados pelo elevador de taliscas e na parte superior antes do descarregamento ocorre uma segunda limpeza pelo extrator secundário (SALVI, 2006). Figura 1 Esquema completo de uma colhedora automotriz de cana-de-açúcar Fonte: Qualidade de corte de base de colhedoras de cana-de-açúcar - Salvi, Tratores agrícolas O avanço conseguido na Mecanização Agrícola, principalmente depois da segunda guerra mundial, tem sido espetacular, praticamente 80% dos trabalhos agrícolas são realizados através de aparelhamentos mecânicos, como por exemplo, os tratores agrícolas que vem sendo usados frequentemente sejam por pequenos ou grandes produtores. A Intensificação da mecanização na agricultura vem exigindo novos investimentos em máquinas com maior potência e tecnologia embarcada para

18 atender diversas demandas das atividades das empresas, a correta seleção de um trator agrícola, implica na análise detalhada de uma série de aspectos de natureza técnica, administrativa, organizacional e econômica. Em contrapartida ao substituir um trator por outro novo, esses mesmos aspectos devem ser observados, pois a substituição envolve um conjunto de procedimentos e princípios econômicos que indicam a viabilidade de manter ou substituir o equipamento existente (OLIVEIRA, 2000). Os equipamentos são substituídos porque se desgastam ou porque quebram. Nas condições em que eles quebram, a decisão de substituição pode estar entre substituir apenas os componentes que falham ou substituir todo o grupo a intervalos regulares, a fim de diminuir a possibilidade de falhas e, ou paradas não programadas no plano de produção. Para Oliveira (2000), o desgaste é típico dos equipamentos cuja eficiência descreve gradativamente com o tempo ou com o uso, provocando aumento nos custos operacionais e de manutenção, além de prejudicar a qualidade do serviço realizado e da diminuição da eficiência produtiva Custo de reparo e manutenção Segundo Noronhaa et al. (1991) a conservação do sistema mecanizado é definido como um conjunto de procedimentos que visam a sua confiabilidade operacional. Os custos de conservação abrangem itens como abrigo, serviços de apoio no campo (comboio) e outros custos (lubrificação, peças de reposição e serviços mecânicos). Os custos com lubrificantes, peças de reposição e serviços mecânicos podem ser calculadas por dois métodos, um pelo método objetivo e o outro pelo método subjetivo. Bowers (1970) comenta que o método subjetivo considera todos esses custos sob a rubrica manutenções e reparos e calcula o valor como uma função do valor da máquina nova, vida útil, tempo acumulado de uso e do tipo de máquina ou alternativamente, como uma porcentagem do valor inicial da máquina. O método objetivo calcula separado e detalhadamente os custos dos

19 itens lubrificantes, serviços mecânicos e peças de reposição, baseado nas recomendações do fabricante.

20 4. Material e Métodos O material utilizado para a realização do presente trabalho baseou-se em registros de informações sobre a frota mecanizada de tratores e colhedoras em uma usina de cana-de-açúcar e álcool Material Os dados recolhidos foram da Usina Ferrari situada na cidade de Pirassununga-SP, que possui uma área de aproximadamente hectares. Esta usina foi criada em meados da década de 50 como fruto do sonho e trabalho de uma família de imigrantes italianos, com a produção que naquela época exclusivamente de aguardente. Conta com grande parque industrial, estrutura com equipamento de ponta, fazendas próprias e outras parceiras para o cultivo do insumo que é a cana-deaçúcar, frota mista com equipamentos próprios e de terceiros, para a logística da entrega do insumo e também para o transporte do produto acabado para a comercialização e também exportação. Para o início da pesquisa os dados coletados baseou-se nos diferentes fabricantes e modelos, potência, idade das maquinas e do número de horas trabalhadas. Os dados recolhidos são referentes a 92 tratores e 23 colhedoras Tratores agrícolas Os tratores avaliados com seus fabricantes e modelos e quantidades dos mesmos foram:

21 Tabela 1: Classificação dos tratores em relação a fabricantes, modelos e quantidades. FABRICANTE MODELO QUANTIDADE Case 270 M 8 Ford Ford John Deere John Deere John Deere 6110 J 12 John Deere John Deere 7205 J 1 John Deere John Deere Massey Ferguson Massey Ferguson Massey Ferguson Massey Ferguson Valmet Valmet 68 1 Valmet Valtra BH Valtra BM Fonte: Autor Colhedoras de cana-de-açúcar As colhedoras avaliadas com seus fabricantes e modelos e quantidade dos mesmos foram: Tabela 2: Classificação das colhedoras em relação aos fabricantes modelos e quantidades. FABRICANTE MODELO QUANTIDADE Case Case Cameco CHT 2500 B 1 John Deere John Deere Fonte: Autor

22 4.2- Método Para atender o objetivo de avaliar a frota das maquinas da usina, o método empregado para o estudo foi a elaboração de quadros em relação aos fabricantes, potência, horas trabalhadas dos tratores e as idades das máquinas, e também colhedoras de cana-de-açúcar, através desses quadros com o desenvolvimento de gráficos de cada um dos itens avaliados. Para a determinação dos gráficos foi utilizado o software da Microsoft Excel, onde é possível gerar planilhas de dados, tabelas, gráficos etc.

23 5. Resultados e discussão Os resultados do trabalho a serem apresentados são expressos em gráficos de classificações de tratores e colhedoras em relação aos fabricantes, potência, idade das mesmas e as horas trabalhadas. Primeiro será apresentado sobre os dados dos tratores e logo depois sobre as colhedoras de cana-de-açúcar Tratores Agrícolas Os Tratores agrícolas são as principais fontes de potência na agricultura, utilizado em conjuntos com diversos equipamentos na realização de várias tarefas, deste preparo de solo, semeadura e transporte de cargas e outras. Os dados obtidos na usina para a pesquisa são os seguintes: Tabela 3 - Classificação dos tratores em relação a fabricantes, ano da máquina potência e horas trabalhadas. Fabricante Ano Pot.(CV) Horas Fabricante Ano Pot.(CV) Horas trab. trab. Case MX ,4 MF ,3 Case MX ,6 MF ,5 Case MX ,5 MF ,7 Case MX MF ,7 Case MX ,2 MF Case MX ,7 MF ,7 Case MX MF ,8 Case MX MF ,4 Ford ,2 MF Ford ,6 MF ,3 Ford ,6 MF ,2 Ford ,3 MF ,2 Ford ,8 MF Ford MF JD ,8 MF JD MF JD Valmet ,9

24 JD Valmet ,4 JD Valmet ,7 JD 6110J Valmet ,5 JD 6110J Valmet ,1 JD 6110J ,5 Valtra BH JD 6110J ,7 Valtra BH ,1 JD 6110J Valtra BH ,9 JD 6110J Valtra BH ,7 JD 6110J Valtra BH ,2 JD 6110J Valtra BH ,4 JD 6110J ,3 Valtra BH ,9 JD 6110J Valtra BH ,9 JD 6110J Valtra BH ,7 JD 6110J ,1 Valtra BH ,1 JD 7185J ,4 Valtra BH ,5 JD 7185J Valtra BH ,1 JD 7185J Valtra BH ,9 JD 7185J Valtra BM ,8 JD 7185J Valtra BM ,6 JD 7185J Valtra BM ,6 JD 7185J Valtra BM ,2 JD 7185J Valtra BM JD 7205J ,6 Valtra BM ,5 JD ,1 Valtra BM ,2 JD Valtra BM ,4 JD Valtra BM ,3 JD ,3 Valtra BM ,3 JD ,1 Valtra BM ,5 JD Valtra BM Fonte: Autor Fabricantes Atualmente no Brasil existem várias marcas oferecendo diversos e diferentes tipos de tratores de pequeno, médio e grande porte. Cada uma tem sua peculiaridade, ou seja, detalhes para sua diferenciação. A escolha mais adequada continua sendo a que melhor atende as necessidades do agricultor, como a capacidade operacional, preço, e essencialmente o serviço de pós-

25 vendas: assistência técnica, treinamento, cobertura de concessionárias, informação. A indústria brasileira de tratores agrícolas que é responsável pela produção das principais máquinas e equipamentos fornecidos ao setor agrícola e dessa forma, torna-se a mais importantes e maior fornecedora de bens de capital para a agricultura. O estudo de caso da usina Ferrari teve a seguinte distribuição quanto aos fabricantes de tratores: Figura 2 Gráfico de dados sobre os fabricantes de tratores Fabricantes 27% 9% 7% 5% 35% 17% Case Ford John Deere Massey Ferguson Valmet Valtra. Fonte: Autor O gráfico nos mostra números bastante elevado entre John Deere e Valtra, respectivamente 35 e 27% dos tratores que são os fabricantes que segundo o responsável da usina, contribui com a assistência técnica sempre a qualquer hora e qualquer dia, isso que fez a preferência por essas duas marcas, principalmente a John Deere Potência dos Tratores Agrícolas A importância da potência em maquinas agrícola está baseada em aumentar a produtividade aliadas a aumentar a eficiência do processo de produção.

26 A primeira máquina agrícola destinava-se exclusivamente a substituir os animais de tiro nas operações agrícolas. Por isso possuíam apenas a barra de tração como equipamento indispensável. Com o passar do tempo, desenvolveram-se as técnicas para a produção de acessórios que tornaram as maquinas muito mais versáteis, aproveitando com maior eficiência a potência liberada pelo motor. (Silveira, 2001) Figura 3 - Gráfico em relação às Potências dos tratores agrícolas Potência ( CV ) 16% 24% 26% 27% 7% < > 200 Fonte: Autor Vale relembrar que os dados apresentados foram de um a uma usina de cana de açúcar e álcool, fornecidos pelo supervisor de planejamento e controle de manutenções. Como resultados, a Figura 3 mostra a potência dos tratores entre os 92 modelos de tratores analisados que estão situados na faixa de potência que varia entre 90 a 200cv, os modelos que situam-se entre faixas menores ou iguais a 90cv (24%) e modelos que situam-se nas faixas maiores de potência que estão entre 180 a 200 cv (26%). Os tratores de alta potência maior ou igual a 200cv que é equivale a 15 tratores que normalmente são utilizados para o preparo de solo que são operações mais pesadas.

27 Pode-se perceber também que muitos tratores considerados de baixa potência cerca de 30% dos tratores têm entre 90 a 120cv, são os tratores mais utilizados para reboque e serviços gerais Horas Trabalhadas A horas trabalhadas de uma máquina indica a sua vida de trabalho até então. O objetivo do horímetro é também o controle das manutenções preventivas. Figura 4 - Gráfico de classificação das horas trabalhadas dos tratores Horas Trabalhadas 28% 23% 16% 19% 14% < a a a > Fonte: Autor Analisado os dados estatisticamente do gráfico da figura 3 foi possível perceber que os valores das horas trabalhadas têm em média horas trabalhadas, tendo como menor valor 1476 horas e com o máximo de horas. A elevada média de horas deve-se, sobre tudo a idade da frota que chega a mais de 15 anos de idade.

28 Exemplo de custo com reparo e manutenção em tratores agrícolas O custo de reparo e manutenção (CRM) pode ser calculada em função da tabela da American Society of Agricultural Engineers ASAE. O valor proposto foi de 100 % em relação ao custo inicial do trator. Em que CRM Custo de reparo e manutenção (R$ h); FRM Fator de reparo e manutenção, em decimal; VUh Vida útil em horas da máquina Vi Valor inicial da máquina CRM = 100/100 * , CRM = R$ 21,00 /hora O cálculo do custo operacional de um sistema mecanizado é importante não só para tomadas de decisão no momento da seleção dessas máquinas, mas também para comparação com os preços de hora/máquina praticados na região, dando subsídios no momento da decisão de comprar ou alugar algum equipamento para realizar uma determinada operação. Esse custo aumenta ao longo da vida útil das maquinas agrícolas.

29 Idade dos tratores agrícolas A idade dos tratores agrícolas e de grande importância devido ao tempo em que eles estão em operação, com isso gerando um grande gasto com manutenções. Figura 5 Gráfico de classificação da idade dos tratores agrícolas Idade (Anos) 22% 31% 13% 13% 21% < 3 3 a 7 7 a a 15 > 15 Fonte: Autor Os resultados expostos na figura 5 nos mostra como estão separados esses tratores como pode ser visto 22% dos tratores estão com a idade avançada com mais de 15 anos de existência, cotando com 20 tratores um pouco acima da idade. Popov (2012) comenta que a que a idade média da frota rural no País segue elevada, com 12 anos de idade para tratores. Isso acaba prejudicando a produção de cana-de-açúcar em vários fatores como quebra de peças, rendimento operacional, logística, manutenções entre outros fatores, por ter uma frota de tratores com 22% acima da idade ideal, para trabalho.

30 5.2- Colhedoras As colhedoras de cana-de-açúcar representa a necessidade de mão de obra, aliada à busca por rendimentos satisfatórios e menores custos de produção. Tabela 4 Classificação das colhedoras em relação a Fabricantes, Ano das máquinas, Potência e horas trabalhadas. Fabricante Ano Pot.(CV) Horas trab. Case A ,9 Case A ,9 Case A ,4 Case A ,3 Case A ,4 Case A CHT 2500 B ,7 JD ,7 JD ,1 JD JD ,7 JD ,3 JD ,8 JD JD ,4 JD ,2 JD JD JD ,6 JD ,4 JD JD JD Fonte: Autor Fabricantes O estudo de caso da Usina Ferrari teve a seguinte classificação de colhedoras em relação aos fabricantes

31 Figura 6 Classificação das colhedoras em relação a seus fabricantes Fabricantes 26% 4% 70% Case Cameco John Deere Fonte: Autor Como nos tratores as colhedoras também representa um alto número de colhedoras de fabricantes John Deere, devido a todo serviço que a revenda dispõe Potência das Colhedoras A potência nas colhedoras de cana é de grande importância devido ao esforço que ela pode realizar em um determinado tempo. Os dados obtidos na Usina em relação à potência das colhedoras foram os seguintes:

32 Figura 7 Classificação das colhedoras em relação à potência Potência ( CV ) 22% 39% 39% Fonte: Autor Os resultados referentes a figura 7, nos mostra que 39% das colhedoras está com potência entre 310 a 320 cv, que em comparação a uma colhedora com potência mais elevada ela fica mais atrás devido a ter menos força e com isso ao entrar e um canavial mais denso ou acamado a mesma terá que diminuir a velocidade para que possa colher com eficiência terá de diminuir a velocidade da máquina, já as colhedoras com potência avançadas que na figura 7 representa 22% das colhedoras, podem entrar com uma velocidade mais alta pois terá força para colher com eficiência Horas Trabalhadas das colhedoras As horas trabalhadas além de ser um indicio de informações de como e quando fazer as manutenções preventivas, também é um auxílio para o cálculo de custo de reparo e manutenção. Os dados obtidos na usina em relação às horas trabalhadas foram as seguintes:

33 Figura 8 Classificação das colhedoras com suas horas trabalhadas 30% Horas Trabalhadas 4% 44% 13% 9% < >15000 Fonte: Autor Os resultados referentes a figura 8, que representam o número de horas trabalhadas, com 30% das colhedoras com mais de horas trabalhadas, está acima da média de um vida útil de uma colhedora que é em média horas segundo Banchi et al. (2008) Essas colhedoras com as horas de trabalho acima da média de vida útil que é de horas (BANCHI et al., 2008), ficam mais tempo parado, devido a terem um maior tempo de trabalho, as peças se tornam desgastadas, sendo assim, o custo de reparo e manutenção aumenta pois não irá ter a diluição do custo, pois quando uma colhedora para seu trabalho, consequentemente dois transbordo com dois tratores e um caminhão também param e com isso, tendo a redução de toneladas de cana para a moenda da usina. O custo de reparo e manutenção (CRM) pode ser calculado em função da tabela da ASAE.

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar em São Paulo: uma reflexão a partir de dados do Protocolo

Leia mais

Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade

Seminário de Mecanização Agrícola José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Programa Agrícola - CTBE Mecanização de Baixo Impacto Específica para a Cana-de-açúcar

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Colhedora de cana A4000

Colhedora de cana A4000 Colhedora de cana A4000 Inovação sem limites. Uma marca registrada da case ih. A Case IH é referência mundial no segmento sucroenergético. Com mais de 50 anos de conhecimento e experiência no setor, a

Leia mais

SISTEMAS MECANIZADOS JOHN DEERE. COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE-AÇUCAR. José Righi Colorado Máquinas Gerente Comercial COLORADO

SISTEMAS MECANIZADOS JOHN DEERE. COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE-AÇUCAR. José Righi Colorado Máquinas Gerente Comercial COLORADO SISTEMAS MECANIZADOS JOHN DEERE. COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE-AÇUCAR José Righi Colorado Máquinas Gerente Comercial 1 2 Colorado Máquinas 3 Araraquara REVENDAS Ituverava 4 Ribeirão Preto REVENDAS Nova

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG

Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG Diogo Santos CAMPOS 1 ; Rodrigo Herman da SILVA 2 ; Ronaldo Goulart MAGNO 3 ; Gilberto Augusto SOARES

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Sistema de produção e sustentabilidade no setor sucroenergético paulista: o papel das políticas públicas

Sistema de produção e sustentabilidade no setor sucroenergético paulista: o papel das políticas públicas Sistema de produção e sustentabilidade no setor sucroenergético paulista: o papel das políticas públicas Kátia Regina E. de Jesus 1 e Sérgio Alves Torquato 2 Resumo O sistema produtivo da cana-de-açúcar

Leia mais

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO?

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? MANUTENÇÃO Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? Conceito de Manutenção segundo o dicionário Michaelis UOL 1. Ato ou efeito de manter (-se). 2. Sustento. 3. Dispêndio com a conservação

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Green Fleet Sistema de Gestão de Frota Auteq

Green Fleet Sistema de Gestão de Frota Auteq Unpublished work (2014) Deere & Company. All rights reserved worldwide. THIS MATERIAL IS THE PROPERTY OF DEERE & COMPANY. NO PORTION MAY BE USED, ALTERED, DISCLOSED AND/OR REPRODUCED WITHOUT EXPRESS WRITTEN

Leia mais

Como Evitar a Reforma de Colhedoras de Cana na Entre Safra. Eng. Bellini Bellmec Consultoria Ltda

Como Evitar a Reforma de Colhedoras de Cana na Entre Safra. Eng. Bellini Bellmec Consultoria Ltda Como Evitar a Reforma de Colhedoras de Cana na Entre Safra Como Evitar Reforma de Colhedoras na Entre Safra A colhedora de cana é um equipamento que tem um alto custo de manutenção. Chega-se a gastar,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

dicas da volvo Peças e Serviços Genuínos olá! nesta edição, vamos ver por que comprar peças e serviços genuínos volvo é um ótimo negócio!

dicas da volvo Peças e Serviços Genuínos olá! nesta edição, vamos ver por que comprar peças e serviços genuínos volvo é um ótimo negócio! 15 dicas da Peças e Serviços Genuínos olá! nesta edição, vamos ver por que comprar peças e serviços genuínos é um ótimo negócio! Lembre-se: Sempre instale suas peças genuínas em uma concessionária Volvo,

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

Sistemas mecanizados canavieiros JD

Sistemas mecanizados canavieiros JD Inovações tecnológicas Sistemas mecanizados canavieiros JD José Luís COELHO Gerente MKT Estratégico/CANA Ribeirão Preto/SP MAR10 Área Plantada Mundial de Cana de Açúcar Metricas: Fonte: LMC/CANAPLAN Os

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO;

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; FCA/UNESP BOTUCATU - SP - BRASIL gloriac@fca.unesp.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA

Leia mais

3. PLANEJAMENTO DE UM SISTEMA MECANIZADO DE COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR

3. PLANEJAMENTO DE UM SISTEMA MECANIZADO DE COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR O custo operacional é obtido pela razão entre o custo horário da máquina e a capacidade de trabalho, expressa pela capacidade operacional de campo, produção ou manipulação. No caso da operação de colheita

Leia mais

TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO. nº 1

TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO. nº 1 TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO nº 1 Treviso x John Deere Uma parceria de futuro Bom Dia! A Treviso, é um grupo composto por 10 concessionárias que representam a

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Corporação BUNGE BRASIL

Corporação BUNGE BRASIL Corporação BUNGE BRASIL Esta é uma jornada de uma grande corporação, onde trabalham aproximadamente 20 mil funcionários espalhados em 92 ( 32) unidades operacionais açúcar e bioenergia, processamento de

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Seleção Competitiva Interna 2013 MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Fabrício De Souza Alves MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE VEÍCULOS PESADOS. O que é manutenção preventiva? Trata-se

Leia mais

Soluções avançadas para cana

Soluções avançadas para cana Soluções avançadas para cana Sistema de mecanização de cana-de-açúcar Case IH AFS SOLUÇÕES COMPLETAS CASE IH PARA CANA-DE-AÇÚCAR. TRATOS CULTURAIS Com o objetivo de sempre oferecer soluções agrícolas eficientes,

Leia mais

O EMPREGO RURAL NO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR danton@iea.sp.gov.br

O EMPREGO RURAL NO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR danton@iea.sp.gov.br O EMPREGO RURAL NO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR danton@iea.sp.gov.br APRESENTACAO ORAL-Desenvolvimento Rural, Territorial e regional DANTON LEONEL DE CAMARGO BINI. INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA (IEA) DA

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

COLHEDORAS DE GRÃOS CLASSIFICAÇÃO CONVENCIONAL CONVENCIONAL AXIAL TRANSVERSAL AXIAL LONGITUDINAL SISTEMA HÍBRIDO PLATAFORMAS PLATAFORMA FLEXÍVEL PLATAFORMA DRAPER DETALHE DRAPER PLATAFORMA COMBINADA

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

CERIPA "Nós Trabalhamos com Energia"

CERIPA Nós Trabalhamos com Energia CERIPA "Nós Trabalhamos com Energia" 2 O sistema elétrico e o canavial O sistema elétrico e o canavial Esta mensagem é para você, que trabalha com o cultivo da cana-de-açúcar, já que o seu papel é muito

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RELATÓRIO PARCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RELATÓRIO PARCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSIUO DE ECNOLOGIA DEPARAMENO DE ENGENHARIA RELAÓRIO PARCIAL IMPLEMENAÇÃO DE UM ALGORIMO DE ANÁLISE ECONÔMICA NO MÓDULO DE CUSOS DO PROGRAMA COMPUACIONAL SOMA

Leia mais

GESTÃO REMOTA DE VEÍCULOS, ATIVIDADES E OPERAÇÕES AGRÍCOLAS

GESTÃO REMOTA DE VEÍCULOS, ATIVIDADES E OPERAÇÕES AGRÍCOLAS AGRICULTURA GESTÃO REMOTA DE VEÍCULOS, ATIVIDADES E OPERAÇÕES AGRÍCOLAS Eng. Agr. Franz Arthur Pavlu Ribeirão Preto Setembro/2010 Introdução O principal foco de todas as nossas iniciativas é em como tornar

Leia mais

Gestão de Projetos com foco em Resultados. Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho

Gestão de Projetos com foco em Resultados. Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho Gestão de Projetos com foco em Resultados Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho Foco em Resultados Para quem não sabe onde quer ir qualquer caminho serve. Charles Lutwidge Dodgson

Leia mais

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Professor: Carlos Alberto Alves Varella Doutor em Engenharia Agrícola E-mail: varella.caa@gmail.com

Leia mais

Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL

Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL Trator - dicionário de Oxford - motor de tração Trator - patente norte-americana de 1890, para um motor de tração

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Palavras-chave: equipamentos; processo; competitividade; plano de manutenção.

Palavras-chave: equipamentos; processo; competitividade; plano de manutenção. Elaboração de um plano de manutenção em uma padaria localizada na região Centro-Oeste de Minas Gerais Valdevan da Silva MORAIS 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Luciana MENDONÇA 1 ; Natália Daniele

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS Tertuliano de Andrade Silveira; Renato José de Melo; Eduardo Carvalho Dias; Priscila Magalhães de Carli

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição

Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição Manuela Coelho dos Passos Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

4 - Como faço para convidar pessoas? Todo consultor independente tem acesso a um escritório virtual (BackOffice)

4 - Como faço para convidar pessoas? Todo consultor independente tem acesso a um escritório virtual (BackOffice) PERGUNTAS FREQUENTES 1 - Recebo os produtos em casa ou preciso buscar em algum lugar? Para toda compra efetuada, o cliente ou consultor poderá escolher receber os produtos em casa ou retirar no CD (Centro

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba

Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba Empresas Eba Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba Caros senhores A Eba Consultoria Empresarial é uma empresa versátil, comprometida com os resultados e pronta para atender os clientes

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1

DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1 DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1 DREBES, Laila Mayara 2 ; SILVA, Tuane Araldi da 3 ; ORTIGARA, Cícero

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais