Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013

2 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2 Dados relativos ao Curso...2 Génese e evolução do Curso Resultados de sucesso escolar (agregados por ano curricular e para o curso no seu todo). Reflexão crítica....3 Resultados finais de avaliação 2012/ Capítulo II. Resultados sobre abandono escolar e sobre a empregabilidade Abandono Escolar...19 Capítulo III. Resultados agregados dos inquéritos aos estudantes...19 Capítulo IV. Identificação de unidades curriculares problemáticas, reflexão sobre as possíveis causas e sugestões de medidas corretivas a introduzir Identificação das Unidades Problemáticas Sugestão de medidas corretivas...23 Capítulo V. Destaque de boas práticas pedagógicas...24 Capítulo VI. Pontos fortes e fracos do Curso...25 Capítulo VII. Sugestões de recomendações (planos de retroação para melhoria) CONCLUSÃO...29

3 INTRODUÇÃO Na sua estrutura, o presente Relatório de Autoavaliação (RAA) procura compilar com o máximo rigor possível a informação atualizada do RAA previamente redigido. Embora os cursos de Licenciatura professados no apresentem, naturalmente, características individualizadas, cuja comparação é por vezes difícil, entendeu a Direção de Curso da Licenciatura em Fisioterapia do basear a estrutura do seu relatório nos seguintes aspectos: a. Resultados de sucesso escolar (agregados por ano curricular e para o curso no seu todo). Reflexão crítica. b. Resultados sobre abandonos c. Resultados agregados dos inquéritos aos estudantes e docentes d. Identificação de unidades curriculares problemáticas, reflexão sobre as possíveis causas e sugestões de medidas corretivas a introduzir; e. Destaque de boas práticas pedagógicas; f. Pontos fortes e fracos do Curso; g. Sugestões de recomendações (planos de retroação para melhoria). Sempre que possível, a Direção do curso de Licenciatura em Fisioterapia do optou por assentar a sua análise nas diferentes diretrizes, que compõem Curso de Licenciatura, e que engloba elementos objetivos e dados quantitativos, fornecidos ao longo do presente relatório e/ou anexos. A Comissão de Autoavaliação do Curso de Licenciatura em Fisioterapia do agradece o empenho das várias partes envolvidas no curso (Alunos, Docentes e Serviços).

4 CAPÍTULO 1. ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO A Comissão de Autoavaliação é formada pela direção do Curso da Licenciatura em Fisioterapia do. O presente relatório de Autoavaliação foi remetido à Comissão Coordenadora do Conselho Científico do para respetiva homologação. DADOS RELATIVOS AO CURSO GÉNESE E EVOLUÇÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO A Licenciatura em Fisioterapia procura proporcionar uma formação científica básica, sólida e atualizada; desenvolver as atitudes e as competências necessárias para a formação ao longo da vida; e oferecer oportunidades e meios para a qualificação cultural e o empenhamento cívico dos alunos que a frequentam. Mais ainda a formação académica visa a formação de técnicos superiores na área da Fisioterapia com habilitações para exercer a sua atividade profissional nos Serviços de Fisioterapia de hospitais e clínicas, clubes desportivos entre outros. Devem ainda estar aptos para desenvolver projetos de investigação EVOLUÇÃO DO CURSO NO PERÍODO EM ANÁLISE, COM A CORRESPONDENTE JUSTIFICAÇÃO

5 As linhas básicas de orientação do curso não mudaram para o período de análise estipulado. Esta ausência de alterações de fundo fica a dever se a três ordens de razões. Primeiro, por se entender que na ausência de transformações consequentes nos ambientes institucionais, científicos ou de mercado, se deve privilegiar a estabilidade curricular. Em segundo lugar, porque uma vez que o atual plano de estudos contempla a existência de cadeiras de opção, é de facto possível efetivar vários pequenos ajustamentos, suscetíveis de dar resposta a novas necessidades de formação que possam vir a surgir. Em terceiro lugar, os próprios conteúdos das disciplinas obrigatórias vão sendo regularmente adaptados à evolução do conhecimento científico, bem como às solicitações do ambiente externo RESULTADOS DE SUCESSO ESCOLAR (AGREGADOS POR ANO CURRICULAR E PARA O CURSO NO SEU TODO). REFLEXÃO CRÍTICA. Os dados que se apresentam de seguida relativos ao aproveitamento escolar nas diversas unidades curriculares, fornecem informação individualizada para cada uma das disciplinas obrigatórias e de opção livre oferecidas no ano letivo de Esta distribuição foi realizada por anos curriculares (Tabelas 1 4). Essas informações dizem respeito a vários aspectos do funcionamento das disciplinas (número de alunos inscritos e avaliados, número de alunos aprovados e sucesso escolar). Após cada tabela, realizou se a compilação dos dados em suporte gráfico do número de alunos aprovados e reprovados, bem como, da distribuição das classificações obtidas para cada unidade curricular (Figuras de 1 a 8).

6 Fisioterapia 1º ano RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO 2012/2013 TABELA 1. RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO POR DISCIPLINA RELATIVOS AO PRIMEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Unidades Curriculares Aprovados Reprovados Distribuição das Classificações Alunos Inscritos Avaliados Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Anatomofisiologia I Psicologia I Introdução à Profissão Antropologia Social Opçao1: Línguagem Gestual Estudos do Movimento Humano Introdução à Fisioterapia

7 Anatomofisiologia II Biologia Celular e Molecular Psicologia II Bioquímica Geral Saúde Pública e Epidemiologia Patologia Geral Anatomia de Superfície Total

8 DISCIPLINAS DO 1º ANO FIGURA 1. GRAU DE APROVAÇÃO EM PERCENTAGEM DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA POR DISCIPLINA.

9 FIGURA 2. DISTRIBUIÇÃO EM PERCENTAGEM DOS RESULTADOS OBTIDOS PELOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA POR DISCIPLINA

10 Fisioterapia 2º ano RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO 2012/2013 TABELA 2. RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO POR DISCIPLINA RELATIVOS AO SEGUNDO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Unidades Curriculares Aprovados Reprovados Distribuição das Classificações Alunos Inscritos Avaliados Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Microbiologia Geral Terapia pelo Movimento I Mobilização e Avaliação de Tecidos Moles Abordagem Funcional e Tecnológica em Fisioterapia Avaliação Funcional Fisioterapia no Meio

11 Aquático Fisioterapia em Condições Musculo-Esqueléticas I Fisioterapia em Condições Pediátricas I Introdução à Investigação Farmacologia I Biofísica Eletrotermoterapia Terapia pelo Movimento II Fisiopatologia Clínica I Fisioterapia em Condições Musculo-Esqueléticas II Fisioterapia em Condições Neurológicas I Total

12 DISCIPLINAS DO 2º ANO FIGURA 3. GRAU DE APROVAÇÃO EM PERCENTAGEM DOS ALUNOS DO SEGUNDO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA, POR DISCIPLINA.

13 FIGURA 4. DISTRIBUIÇÃO EM PERCENTAGEM DOS RESULTADOS OBTIDOS PELOS ALUNOS DO SEGUNDO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA POR DISCIPLINA

14 Fisioterapia 3º ano RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO 2012/2013 TABELA 3. RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO POR DISCIPLINA RELATIVOS AO TERCEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Unidades curriculares Alunos Inscritos Avaliados Aprovados Reprovados Distribuição das Classificações Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Bioestatística Fisioterapia em Condições Neurológicas II Fisioterapia em Condições Respiratórias Meios Complementares de Diagnóstico Fisioterapia em Condições

15 Músculo-esqueléticas III Fisiopatologia Clínica II Educação Clínica I Fisioterapia em Condições Específicas I Administração em Saúde Investigação Aplicada Estudos Clínicos Fisioterapia em Condições Cárdio-Respiratórias Fisioterapia em Condições Pediátricas II Fisioterapia em Condições Músculo-Esqueléticas IV Fisioterapia em Condições Específicas II Total

16 DISCIPLINAS DO 3º ANO FIGURA 5. GRAU DE APROVAÇÃO EM PERCENTAGEM DOS ALUNOS DO TERCEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA, POR DISCIPLINA.

17 FIGURA 6. DISTRIBUIÇÃO EM PERCENTAGEM DOS RESULTADOS OBTIDOS PELOS ALUNOS DO TERCEIRO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA POR DISCIPLINA.

18 Fisioterapia 4º ano RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO 2012/2013 TABELA 4. RESULTADOS FINAIS DE AVALIAÇÃO POR DISCIPLINA RELATIVOS AO QUARTO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Unidades Curriculares Aprovados Reprovados Distribuição das Classificações Alunos inscritos Avaliados Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Educação Clínica II Educação Clínica III Total

19 FIGURA 7 E 8. DISTRIBUIÇÃO EM PERCENTAGEM DOS RESULTADOS OBTIDOS PELOS ALUNOS DO QUARTO ANO DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA NO ESTÁGIO DE APRENDIZAGEM.

20 Há que ter presente a existência de um número de alunos inscritos que faltam a avaliação em consequência da ação de duas variáveis. Primeiro, e sobretudo, tal situação resulta da tentativa que os alunos fazem no sentido de encurtar o período de tempo necessário à conclusão da Licenciatura, aproveitando para tal a possibilidade que lhes é oferecida pelo regime de unidades de crédito, e inscrevendo se simultaneamente em disciplinas pertencentes a dois ou mais anos. Em bastantes casos, esta atitude acaba por se revelar excessivamente otimista, pelo que esses alunos não se apresentam a avaliação. Em segundo lugar, este diferencial resulta também da existência de solicitações do mercado de trabalho, levando a que os alunos vejam a sua disponibilidade escolar ser reduzida para níveis incompatíveis com uma progressão normal. Estas situações não constituem insucesso escolar. Por isso mesmo, consideramos que a verdadeira taxa de sucesso escolar deve ser medida através dos resultados obtidos pelos alunos que se apresentam efetivamente a exame. Um segundo comentário diz respeito às classificações médias obtidas pelos alunos da Licenciatura. Conforme se pode ver nas tabelas supra, apesar das médias obtidas serem ainda baixas, há que registar uma melhora considerável das classificações, nos três primeiros anos, em relação ao ano letivo passado e uma assinalável progressão das classificações médias obtidas nos estágios de aprendizagem no quarto ano do curso. Outro ponto digno de registo está relacionado com um menor número de reprovações. Estes fenómenos estão naturalmente ligados aos padrões de exigência adotados por esta instituição, mas também se encontra correlacionado com o processo de aprendizagem dos próprios alunos, que vão reajustando as suas expectativas e adotam gradualmente um ritmo de trabalho mais consentâneo com a dificuldade do curso. Verifica se que existem algumas unidades curriculares cujo aproveitamento é de 100%. Contudo dever se á ter em atenção que os resultados descritos correspondem à avaliação global da disciplina, onde se incluem as diferentes épocas de avaliação, contribuindo desta forma para o aparecimento de resultados mais favoráveis. Os resultados das unidades curriculares específicas podem ser justificados pelo facto de as mesmas serem mais concretas do curso, acoplado a um maior grau de complexidade dos seus conteúdos e a um maior grau de exigência por parte dos docentes. De salientar também que pelos dados apresentados e por informações da coordenação de Curso, a grande maioria dos alunos finaliza o seu curso no número de anos

21 previsto (4 anos). Este acontecimento pode dever se ao facto de que os alunos inscritos selecionaram a Licenciatura em Fisioterapia como primeira escolha de curso. Nota se também que as classificações e o interesse dos alunos aumentam consideravelmente no último ano da Licenciatura, composto apenas por estágios de aprendizagem. Nestes estágios com (30+30) ECTS, os resultados apontam para uma melhoria da classificação geral dos alunos (a maioria com classificação acima de valores), que resulta de uma avaliação muito positiva pelos orientadores externos, do trabalho profissionalizante que a maioria dos alunos realiza nos seus locais de estágio. CAPÍTULO II. RESULTADOS SOBRE ABANDONO ESCOLAR E SOBRE A EMPREGABILIDADE 2.1. ABANDONO ESCOLAR Pode se considerar que a taxa de abandonos durante os últimos anos de funcionamento do curso é praticamente inexistente. CAPÍTULO III. RESULTADOS AGREGADOS DOS INQUÉRITOS AOS ESTUDANTES Com o objetivo de conhecer a opinião dos alunos acerca da organização e funcionamento da Licenciatura em Fisioterapia, foi realizado um inquérito aos alunos do primeiro, segundo e terceiro anos da Licenciatura. No modelo do inquérito pedagógico preenchido pelos alunos, a escala de classificação do desempenho docente é: Muito Fraco (0 24%); Fraco (25 49%); Bom (50 74%); Muito Bom ( 75%) e Excelente ( 90%).

22 Apresentam se de seguida os resultados globais dos inquéritos realizados no final do 2º semestre de 2012/2013 aos alunos (Figuras 9 11). 1º ANO CURSO FISIOTERAPIA O próprio já foi informado dos resultados obtidos. 2º ANO CURSO FISIOTERAPIA O próprio já foi informado dos resultados obtidos. 3º ANO CURSO FISIOTERAPIA O próprio já foi informado dos resultados obtidos. A análise dos resultados da atividade pedagógica dos docentes revelou o seguinte: 1. Todos os docentes apresentaram uma avaliação positiva superior a 75,6%. 2. No primeiro ano da Licenciatura em Fisioterapia verificou se que o desempenho da atividade docente foi regra geral bastante positivo com: a. No primeiro semestre 3 docentes obtiveram classificação de Excelente, e todos os restantes a classificação de Muito Bom. 3. A avaliação do segundo ano da Licenciatura confirmou a avaliação positiva obtida pelo corpo docente: a. No primeiro semestre 4 docentes obtiveram classificação de Excelente, e todos os restantes a classificação de Muito Bom. 4. No terceiro ano o perfil do desempenho pedagógico por parte dos docentes foi mantido. a. No primeiro semestre 1 docente obtive classificação de Excelente, e todos os restantes a classificação de Muito Bom.

23 5. Na análise das médias do desempenho pedagógico dos docentes no 1º semestre, verifica se uma melhora nas percentagens em relação ao ano de 2011/2012, sendo esta melhora significativa no 3º ano. A análise anterior revela um desempenho bastante positivo dos docentes a lecionar na Licenciatura de Fisioterapia. Os dados referentes à avaliação dos docentes do 2º semestre não foi disponibilizada para análise. Por último será importante ressaltar que a direção não teve acesso aos inquéritos realizados pelos alunos do quarto ano, devido a que os docentes (orientadores) afectos aos alunos são elementos externos ao pessoal docente do. CAPÍTULO IV. IDENTIFICAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES PROBLEMÁTICAS, REFLEXÃO SOBRE AS POSSÍVEIS CAUSAS E SUGESTÕES DE MEDIDAS CORRETIVAS A INTRODUZIR. 4. IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES PROBLEMÁTICAS Na Figura 12, encontram se sumariadas as unidades curriculares da Licenciatura em Fisioterapia que apresentaram reprovações.

24 FIGURA 12. PERCENTAGEM DE REPROVAÇÕES DAS UNIDADES CURRICULARES DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA (VERDE 3º ANO, AMARELO 2º ANO, VERMELHO 1º ANO).

25 Na análise global do curso, verificou se a existência de 22 unidades curriculares nas quais se verificaram reprovações, no entanto, há que registar uma diminuição significativa de 13 unidades curriculares em relação ao ano de 2011/ SUGESTÃO DE MEDIDAS CORRETIVAS As unidades curriculares em que as classificações obtidas não são tão satisfatórias são: Anatomia de Superfície, Anatomofisiologia I, Patologia Geral, Fisioterapia em Condições Músculo Esqueléticas I, Fisioterapia em Condições Músculo Esqueléticas III, Fisioterapia em Condições Músculo Esqueléticas IV. As outras unidades apresentaram percentagens de reprovação inferiores a 20%. As propostas apresentadas para melhoria de resultados pelos docentes e pela coordenação de Curso são: Anatomia de Superfície os resultados menos positivos desta disciplina fazem nos recomendar uma reavaliação do conteudo programático da mesma, a técnica de avaliação e o método de ensino aplicado. Anatomofisiologia I Sendo uma disciplina de tronco comum, o número de alunos que frequenta as aulas teóricas é mais elevado do que o habitual para o curso. O acompanhamento mais personalizado que se verifica noutras disciplinas, dificilmente se consegue em turmas com um número elevado de alunos. Patologia Geral Sendo uma disciplina de tronco comum, o número de alunos que frequenta as aulas teóricas é mais elevado do que o habitual para o curso. O acompanhamento mais personalizado que se verifica noutras disciplinas, dificilmente se consegue em turmas com um número elevado de alunos.

26 Fisioterapia em Condições Músculo Esquelética I: uma possível explicação reside no facto de os alunos ainda não terem tido prática clínica suficiente que lhes permita integrar conceitos de avaliação e tratamento mais abrangentes e complexos. Sugere se uma reapreciação do programa curricular no que se refere aos momentos de ensino clínico. Fisioterapia em Condições Músculo Esqueléticas III os resultados menos positivos desta disciplina fazem nos recomendar uma reavaliação do conteúdo programático da mesma, a técnica de avaliação e o método de ensino aplicado, não esquecendo que a prática clínica se torna imperiosa para a aquisição completa dos conhecimentos que se pretendem transmitir. Fisioterapia em Condições Músculo Esqueléticas IV os resultados menos positivos desta disciplina fazem nos recomendar uma reavaliação do conteúdo programático da mesma, a técnica de avaliação e o método de ensino aplicado, não esquecendo que a prática clínica se torna imperiosa para a aquisição completa dos conhecimentos que se pretendem transmitir. CAPÍTULO V. DESTAQUE DE BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS O objetivo principal da avaliação é a aquisição de elementos necessários para um processo de revitalização e de qualificação da atuação universitária, elevando o nível de produção, serviços e qualidade. Para que isso seja possível, a avaliação deve permitir identificar as boas práticas pedagógicas que o curso sintetiza. Foram referidos como pontos fortes o relacionamento entre os docentes e a componente funcional do departamento consubstancializada numa dinâmica centrada em partilhas pedagógicas e cientificas e parcerias pedagógicas e protocolos para rentabilização de recursos humanos e materiais.

27 Outros pontos positivos identificados foram: o interesse mostrado pelos alunos nas aulas laboratoriais (PL), a participação na discussão de casos clínicos, a realização de minitestes como componentes da avaliação contínua, a divisão dos alunos em pequenos grupos de trabalho (4 5 estudantes), o ensino baseado em software de simulação/visualização e PBL. Como pontos a melhorar foram referidos aspectos logísticos como escassez de recursos didáticos e trabalho de equipa ainda incipiente no desenvolvimento de projetos. De notar que bastantes docentes não preencheram nas fichas das UC s, as boas práticas suscetíveis de divulgação, limitando se apenas a apresentar os dados quantitativos das classificações obtidas pelos estudantes. CAPÍTULO VI. PONTOS FORTES E FRACOS DO CURSO Na Tabela 5 encontram se sistematizados os pontos fortes e fracos atribuídos à Licenciatura em Fisioterapia do. TABELA 5. PONTOS FORTES E FRACOS DA LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Pontos fortes Boa relação Direção do Curso/alunos e Docentes/alunos o que proporciona a rápida resolução de problemas e um ambiente saudável e de colaboração; Excelente dedicação de alguns docentes aos alunos. Excelentes instalações, equipamentos e ambiente de trabalho. Participação ativa por parte dos alunos em muito assuntos relacionados com o curso; Pontos fracos Falta de motivação dos alunos nos anos iniciais do Curso Pouca disponibilidade de alguns elementos do corpo docente. Qualificação do Corpo Docente Poucas atividades de extensão curricular

28 Na avaliação dos pontos fortes e dos pontos fracos do curso, a comissão de Autoavaliação concorda com alguns dos que já constavam do relatório de Autoavaliação anterior, a saber: a) pontos fortes: bom ambiente académico, motivação do corpo docente, articulação com o meio envolvente, b) pontos fracos: produção científica ainda escassa, limitações em equipamentos, recursos informáticos e acervo bibliográfico ainda insuficientes. CAPÍTULO VII. SUGESTÕES DE RECOMENDAÇÕES (PLANOS DE RETROAÇÃO PARA MELHORIA). Podemos considerar que os objetivos de Autoavaliação da Licenciatura em Fisioterapia do foram atingidos. No que aos processos e ao funcionamento concreto do Curso diz respeito encontramos, como pensamos que ficou patente ao longo do presente relatório de Autoavaliação, um conjunto de aspectos que reputamos como muito positivos e também alguns estrangulamentos a que urge estar atento. Verificou se uma melhoria no que concerne à qualidade do trabalho que envolve os docentes e alunos, quer no que respeita à melhoria da qualidade das relações humanas, e do processo de ensino/aprendizagem. As taxas de sucesso escolar dos estudantes, quando medidas através do rácio alunos aprovados/alunos examinados, podem ser consideradas boas. Por outro lado, a estruturação horários considera, a gestão de tempos para evitar grandes espaços sem aulas. A estrutura de coordenação do curso, que inclui um Diretor de Licenciatura e o Vice Presidente do Conselho Científico, parece também funcionar bem, não se tendo detetado problemas a este nível, estando as tarefas de coordenação bem cobertas e claramente distribuídas no seu âmbito e competências.

29 Foi também possível identificar ao longo do presente relatório alguns estreitamentos a nível dos processos e funcionamento concreto do Curso de Licenciatura. Os principais estreitamentos parecem situar se, a nível do equipamento informático e das salas de aula. Apesar de algumas iniciativas neste sentido, ainda há uma ausência de uma plataforma e learning onde alunos e docentes possam criar páginas que permitam aos alunos ter acesso aos conteúdos programáticos, matéria lecionada, análise estatística das classificações, análise dos inquéritos realizados, entre outros. As bases de dados bibliográficos atualmente disponíveis são muito limitadas, recomendando se a instauração da biblioteca online e aumento do acerbo bibliográfico da biblioteca. Foram detetadas algumas situações com carácter mais pontual que requerem também atenção. Por um lado, parecem existir algumas situações pontuais de disciplinas que necessitem de pequenos ajustes nos seus conteúdos programáticos e por outro, uniformizar o nível de exigência que em alguma das unidades curriculares possa ser inferior. A ausência de oferta de Cursos de Especialização, de atualização e formação contínua ligadas ao curso de Licenciatura em Fisioterapia, deverá ser uma das áreas de intervenção urgente por parte da Direção de forma a assegurar a progressão dos Licenciados em termos de pós graduações conferentes a grau. Neste ponto será também importante considerar oportunidades de internacionalização através da participação de estudantes e professores no programa de mobilidade internacional Sócrates/Erasmus. A realização dos inquéritos de opinião deverá ser expendida aos recémlicenciados, aos licenciados, aos docentes e as entidades empregadoras, para se analisarem pontos mais específicos nos indicadores de opinião e empregabilidade. Promover um contato mais regular com hospitais, clínicas e insituições cooperantes para a melhoria das condições de estágio (alunos e orientadores). A Direção de Curso e/ou Docentes deverão encaminhar para o Gabinete de Apoio do Aluno, os alunos do primeiro ano ou os alunos do programa maiores de 23 anos, que apresentem necessidades especiais para que lhes sejam facultadas: orientação escolar, apoio psicológico, inserção profissional dos alunos, entre outros. Ainda neste ponto, os docentes deverão disponibilizar se para oferecerem apoio pedagógico sistemático pelos professores responsáveis pelas disciplinas e/ou colaboradores que lecionem sessões semanais de estudo assistido. Contudo, constatamos

30 também que os docentes continuam com uma sobrecarga de trabalho letivo o que impede que este desenvolvam trabalhos de investigação que todos consideram pertinente para a promoção e o desenvolvimento de um Instituto que se pretende ativo, atualizado e competitivo no atual contexto do Ensino Superior Politécnico Universitário.

31 CONCLUSÃO Pretende se com a análise deste relatório melhorar ainda mais a opinião geral dos alunos, melhorando o funcionamento e a organização do curso, os quais têm sido alvo de monitorizações que determinaram a evolução ao longo dos sucessivos anos letivos. Devese atingir um equilíbrio adequado entre as componentes teórica e prática, bem como integrar cada vez melhor as várias disciplinas para garantir a interdisciplinaridade dos conteúdos programáticos. Neste sentido, propõe se a submissão deste relatório a uma avaliação por parte duma comissão externa.

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto. Índice... 1. Introdução... 1. Provas Escritas... 2

BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto. Índice... 1. Introdução... 1. Provas Escritas... 2 BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto Índice Índice... 1 Introdução... 1 Provas Escritas... 2 Questões de Seleção de Uma ou Mais Opções Pré-definidas... 2 Provas em Plataformas

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA PG.02.05/A Página 1 de 13 O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redação do Decreto Lei n.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Curso de Licenciatura em Higiene Oral

Curso de Licenciatura em Higiene Oral 2/2015 14 09 18 Conselho Pedagógico 14 04 7 18 Regimes de precedências, frequência e de faltas 1 - Regime de precedências Curso de Licenciatura em Higiene Oral 1º Ano/2º Semestre 2º Higiene Oral II Higiene

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias

Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias Preâmbulo O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) aprovado

Leia mais

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência.

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência. DIRETIVAS DA SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (SADD) Ano letivo 2012/2013 A Secção de Avaliação do Desempenho Docente, no cumprimento do estipulado no Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Suzano, 2014 CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUCAÇÃO FÍSICA ENGENHARIA AMBIENTAL FARMÁCIA FISIOTERAPIA NUTRIÇÃO Índice Assunto Página ARTIGO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE SAÚDE DO ALTO AVE LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA. 1º Ano /1º Semestre QUADRO N.º 1 ÁREA CIENTÍFIC TIPO UNIDADES CURRICULARES

INSTITUTO SUPERIOR DE SAÚDE DO ALTO AVE LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA. 1º Ano /1º Semestre QUADRO N.º 1 ÁREA CIENTÍFIC TIPO UNIDADES CURRICULARES 1º Ano /1º Semestre QUADRO N.º 1 Anatomofisiologia I Psicologia I Introdução à Profissão I Antropologia Social Opçao1: Língua Gestual ou Língua Estrangeira ou Higiene e segurança no trabalho Estudos do

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Em consonância

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA 1 OBJETIVO Padronização e estruturação das normas técnicas, deveres e direitos das partes envolvidas e diretrizes do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA Amândio Antunes Fernando Costa Joaquim Neiva Santos Apresentação 2 1. Introdução 2.

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO Preâmbulo De acordo com o artigo 7.º da Lei nº 51/ 2012, de 5 de setembro, o aluno tem direito a: d) «ver reconhecidos e valorizados

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI.

REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI. REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do ISMAI Preâmbulo O Curso do 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do Instituto Superior

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO 24-07-2012 1 ÍNDICE 1.POLÍTICADEGARANTIADAQUALIDADE...1 2.SISTEMADEGARANTIADAQUALIDADE...2 2.1. ESTRUTURA DA GESTÃO DA QUALIDADE...3 2.2. AUTOAVALIAÇÃO...5

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GARÇA 2011 INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso é um componente curricular obrigatório para os cursos de Graduação, assim sendo a Direção da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACIC FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE CIENCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACIC FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE CIENCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACIC FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE CIENCIAS CONTÁBEIS SALVADOR/ 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

Regulamento. Iniciação à Prática Profissional Licenciatura em Educação Básica. Capítulo I Observação e Intervenção Educativa

Regulamento. Iniciação à Prática Profissional Licenciatura em Educação Básica. Capítulo I Observação e Intervenção Educativa Regulamento Iniciação à Prática Profissional Licenciatura em Educação Básica Capítulo I Observação e Intervenção Educativa 1. Âmbito geral 1.1. A licenciatura em Educação Básica da Escola Superior de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE

AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE (de acordo com o Decreto Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro) AVALIAÇÂO Como uma

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação FICHA TÉCNICA EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação TÍTULO Anuário 2014 AUTORIA Observatório do Sistema Educativo da RAM / Gabinete do Secretário EDIÇÃO Observatório do Sistema Educativo da

Leia mais

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Educação Física Bacharelado em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular possivelmente seja uma das mais ricas experiências do acadêmico que optou pelo Curso de Bacharelado em Educação Física. As situações

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Regulamento de Estágios 2º Ciclo em Psicologia da Universidade da Beira Interior Artigo 1.º

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE Regulamento do Programa de Monitoria Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU 2014-2015 Campus Universitário de Viseu Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Código de Conduta e de Boas Práticas

Código de Conduta e de Boas Práticas Código de Conduta e de Boas Práticas Preâmbulo Aos membros da comunidade académica da Universidade de Lisboa (docentes e investigadores, trabalhadores não docentes e não investigadores, bolseiros de investigação,

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS LAVRAS, 2014 CAPÍTULO I Da natureza Art. 1º - O Estágio Supervisionado do

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 CAPÍTULO I Da Definição e Finalidades. Artigo 1 - O Estágio Supervisionado constitui-se no desenvolvimento, pelo aluno, de atividades práticas, exercidas mediante

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO A Associação de Trabalhadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (ATFCUL) coloca ao dispor de todos os associados a partir de Fevereiro 2016 um Ginásio para

Leia mais