Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso"

Transcrição

1 Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso Ederson Luis posselt Eloy Maury Metz Resumo Analisando o fluxo de veículos em um semáforo entre a Rua Julio de Castilhos e Ernesto Alves na cidade de Santa Cruz do Sul no Estado do Rio Grande do Sul, percebeu-se um gargalo no cruzamento nos horários de pico. Trata-se de um semáforo de três tempos com tempos iguais para todas as direções, porém com fluxo diferenciado. Para otimizar o semáforo, foram realizadas simulações no software Arena 10 da empresa Rockwell. Introdução Semáforos são indispensáveis nas cidades, principalmente em cruzamentos de grande fluxo. Através de sinais luminosos são indicadas as preferências para os veículos. Essas preferências são alternadas entre os sentidos do cruzamento em intervalos pré- programados. Atualmente existem semáforos inteligentes, capazes de perceber a intensidade do trânsito e ajustar os intervalos de tempos para a obtenção da passagem do maior número de veículos no menor intervalo de tempo. Como ponto desfavorável a esse tipo de sinaleira está associado o custo elevado, isso se deve ao fato da necessidade de sensores para a percepção de veículos e um software inteligente. Para a execução do presente projeto, foi analisando o fluxo de veículos em um semáforo entre a Rua Julio de Castilhos e Ernesto Alves na cidade de Santa Cruz do Sul no Estado do Rio Grande do Sul. Essa sinaleira apresenta um gargalo nos horários de maior pico (ao meio dia e final de tarde). O objetivo desse projeto é dimensionar os tempos dos semáforos de forma a aumentar o fluxo de veículos. Esse projeto não irá propor alterações nas vias e nem alteração dos semáforos atuais, apenas ajustes nos intervalos de preferência. Para otimizar o semáforo, serão apresentadas simulações no software Arena 10 da empresa Rockwell que comprovem o ganho em relação ao padrão atual.

2 Na Figura 1, é possível visualizar o cruzamento analisado. As imagens do cruzamento foram obtidas através do software Google Maps e Google Earth da empresa Google. Figura 1 - Cruzamento entre a Rua Julio de Castilhos e Enrnesto Alves Método Para iniciar o projeto de otimização do semáforo foi necessária a coleta de dados no cruzamento. A Figura 2 apresenta as direções possíveis e os semáforos. Figura 2 - Estrutura dos semáforos presentes no cruzamento analisado

3 Analisando a Figura 2, pode-se descrever as seguintes características: (A) Sentido livre a direita com cuidado; (B) Sentido frontal com controle de sinaleira; (C) Sentido com sinaleira à esquerda; (D) Sentido com sinaleira à esquerda; (E) Sentido frontal com controle de sinaleira; (F) Sentido Livre a Direita com cuidado; (G)Sentido com sinaleira à esquerda; (H)Sentido frontal com controle de sinaleira; (I) Sentido Livre a Direita com cuidado. Conhecendo os sentidos da via, a próxima etapa é a análise da configuração dos tempos das sinaleiras. A Tabela 1 apresenta os tempos de cada uma das sinaleiras. Facilmente observa-se que os tempos são iguais para todas. Esse fato fortalece a idéia de que os tempos devem ser diferenciados pelo fluxo de veículos, fato que não ocorre atualmente. Tabela 1 - Tempo para cada cor de sinal por sinaleira SINALEIRA 1 SINALEIRA 2 SINALEIRA 3 VERDE AMARELO VERMELHO Fonte: Informações obtidas através de observação Simulando a situação atual do semáforo durante o período de uma hora. Os dados utilizados referem-se ao horário de pico na sinaleira, que ocorre entra as 18 e 19 horas.

4 Na figura 3 é possível visualizar a programação realizada para simular os semáforos no software Arena. Cada uma das três sinaleira aparece no programa, com as suas respectivas saídas para a direita e em frente e para a esquerda. Figura 3 - Aplicação implementada no software Arena O número de veículos que passa nesse cruzamento no horário de pico em uma hora é de Na figura 4 é apresentado o relatório de espera média na fila e o tamanho da fila. O tempo vária entre 13 e aproximadamente 15 segundos de espera, dependendo do sentido que o veículo esse seguindo.

5 Figura 4 - Relatório do tempo médio de espera e o tamanho médio de fila Para validar o projeto, foram executados testes de tempos a fim de otimizar o tempo de espera e o número de veículos na fila. Optou-se por determinar que cada sinaleira fique 15 segundos aberta e 30 segundos fechada. Os resultados dessa simulação são exibidos na Figura 5. Figura 5 - Resultados do sistema com o ajuste no tempo

6 Comparativo entre as opções de tempo para o semáforo A tabela abaixo apresenta um comparativo entre os resultados obtidos com a configuração da sinaleira em 20 segundos e a configuração proposta de 15 segundos. Observado a tabela, pode-se observar que houve uma melhora entre 30 a aproximadamente 40 % entre a solução proposta e a atual. Esse melhora foi percebida tanto no tempo de espera na fila quanto no tamanho das filas. Tabela 2 - Comparativo entre a configuração original e a proposta Proposta de 15 segundos Configuração original Aproveitamento Tempo médio de espera Ernesto Alves Sentido Norte Tempo médio de espera Ernesto Alves Sentido Sul Tempo médio de espera Júlio de Castilhos sentido Lest 10,05 segundos 13,33 segundos 11,18 segundos 15,03 segundos 10,70 segundos 14,92 segundos 32,6% 34,4% 39,4% Tamanho da Fila Ernesto Alves sentido Norte 0,87 número de 1,15 número de 32,2% Tamanho da Fila Ernesto Alves sentido Sul 2,47 número de 3,33 número de 34,8% Tamanho da Fila Júlio de Castilhos sentido Leste 0,92 número de 1,28 número de 39,2%

7 Conclusão Após realizar os testes, foi possível constatar a importância de uma configuração otimizada das sinaleiras. Na maioria das cidades existe um descaso com esses detalhes, porém, alguns segundos em várias sinaleiras, podem causar um grande congestionamento e um aborrecimento por parte dos motoristas. O objetivo do trabalho foi alcançado, a medida em que foi possível melhorar o tempo de espera e o tamanho das filas sem realizar nenhuma obra no percurso urbano, e nem alterar os fluxos do trânsito. Fica como sugestão para as autoridades responsáveis pelo trânsito, a importância de estudarem os cruzamentos, identificarem os horários de pico e dimensionarem os tempos das sinaleiras de forma a obterem os melhores resultados. Para realizar essa tarefa, os responsáveis podem se valer de softwares de simulação como o utilizado nesse trabalho.

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS.

Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS. Avaliação do desempenho de rotas de tráfego utilizando informações coletadas através de GPS. Vinícius de Magalhães 1 ; Marcelo Vinícius de Magalhães Ribeiro 2 1 Empresa de Transportes e Trânsito de Belo

Leia mais

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7.1 Etapas de programação A programação do semáforo deve ser elaborada de acordo com as etapas apresentadas a seguir. Vale lembrar que esta

Leia mais

DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO

DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E PROCESSOS INDUSTRIAIS Fundamentos de Instrumentação para Controle de Processos RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO Ederson Luis Posselt,

Leia mais

Interseções. Lastran/Ufrgs

Interseções. Lastran/Ufrgs Interseções Lastran/Ufrgs 1 Noções Gerais Interseção é o local onde 2 ou mais vias se interceptam. Local de grande número de acidentes: 53% dos acidentes em vias rurais; 78% dos acidentes em vias urbanas;

Leia mais

CAPÍTULO 08 SEMÁFOROS PARTE II

CAPÍTULO 08 SEMÁFOROS PARTE II CAPÍTULO 08 SEMÁFOROS PARTE II DIMENSIONAMENTO DE SEMÁFOROS ISOLADOS O bom desempenho do tráfego, em termos de fluidez e segurança, está diretamente relacionado com a regulagem dos semáforos existentes

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO GOOGLE MAP MAKER

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO GOOGLE MAP MAKER TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO GOOGLE MAP MAKER 2 Sumário 1. INÍCIO... 3 2. ADICIONAR VIAS... 4 3. EDITAR NOME DA VIA... 8 4. EDITAR NUMERAÇÃO DA VIA...12 5. EDITAR SENTIDO DA VIA...16 6. BOAS PRÁTICAS DE MAPEAMENTO...

Leia mais

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS O Sistema SEVEN PLUS foi configurado para possibilitar sinalização do paciente no Posto de Enfermagem, de acordo com as Normas Técnicas da ABNT NBR 5410 e da Agência Nacional

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 SISTEMAS DIGITAIS Fluxogramas Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 Fluxogramas Em vez de diagramas de estado ou de tabelas de estados/saídas,

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV

Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV Sónia Mendes, Carla Ladeiro e Paula Pereira Abstract O controlo de acessos a instalações é uma área da segurança electrónica em franca expansão, sendo cada

Leia mais

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração.

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Sua impressora permite que você se comunique em cores. As cores chamam a atenção, indicam respeito e agregam valor ao material ou às informações impressas. O uso de cor aumenta o público leitor e faz com

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Daniel Vieira de Melo Carlini São José dos Campos, 17 de Novembro de 2014 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório

Leia mais

Sistema inteligente de controle de tráfego de Santo André

Sistema inteligente de controle de tráfego de Santo André TRÂNSITO URBANO AN P Sistema inteligente de controle de tráfego de Santo André Klinger Luiz de Oliveira Sousa Secretário de Serviço e Trânsito - SSM de Santo André - SP E-mail: klosousa@santoandre.sp.gov.br

Leia mais

Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento

Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento MANUAL DE INSTRUÇÕES Reclamação da Candidatura Eletrónica Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento Tipo de candidato Externo e LSVLD Nos termos do Aviso n.º 3597-K/2016, publicado

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 8 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo. Tipos

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

SP 01/06/92 NT 145/92. Conceitos Básicos na Operação de Semáforo. Núcleo de Estudos de Tráfego - NET. Objetivo

SP 01/06/92 NT 145/92. Conceitos Básicos na Operação de Semáforo. Núcleo de Estudos de Tráfego - NET. Objetivo SP 01/06/92 NT 145/92 Conceitos Básicos na Operação de Semáforo Núcleo de Estudos de Tráfego - NET Objetivo O objetivo do presente trabalho é relatar alguns conceitos básicos na operação de semáforos apresentados

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos PowerPoint 2003 Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos Introdução Utilizamos o PowerPoint para serviços de criação de apresentações diversas.

Leia mais

SP 01/12/78 NT 027/78. Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário. Eng.º Mauro Mazamatti. Introdução

SP 01/12/78 NT 027/78. Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário. Eng.º Mauro Mazamatti. Introdução SP 01/12/78 NT 027/78 Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário Eng.º Mauro Mazamatti Introdução O projeto MULV tem por objetivo estudar a influência que diferentes larguras de faixa de tráfego

Leia mais

1. Introdução 2. Lógica difusa

1. Introdução 2. Lógica difusa 1. Introdução A substituição de fontes de energia convencionais por fontes de energia renováveis, tem crescido de forma ascendente nos últimos anos. Esta assertiva deve-se em parte, a conscientização em

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TÍTULO DO TRABALHO: TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TEMA VIII: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOME DOS AUTORES: João Carlos Lopes Valter Luis Dulci Prof. Dr.

Leia mais

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos 1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos Conceitos Objectivos/ Competências Agricultura controlada 3º Ciclo 8º Ano Geografia Território

Leia mais

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal Darwin Portal Documentação Darwin Portal Versão 2.0.0 Outubro/2015 1. Introdução... 2 2. Darwin Portal, Requisitos de Acesso e Visão Geral... 2 3. My Darwin... 6 3.1. Operação... 6 3.2. Veículo... 7 3.3.

Leia mais

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Data: 21/10/2013 até meia-noite Dúvidas até: 09/10/2013 Faq disponível em: http://www2.icmc.usp.br/~mello/trabalho07.html A estrutura

Leia mais

Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle

Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle Superintendência de Aeronavegabilidade Agência Nacional de Aviação Civil Responsável: Mário Igawa, Gerente Geral de Aeronavegabilidade

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô

PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô 1. Feed em tempo real das câmaras a bordo do robô Uma das principais características do introbot é a sua capacidade de operação em locais remotos, podendo os mesmos ser

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO Ana Carla Costa Andrade 1, André Laurindo Maitelli 2, Carla Wilza Souza de Paula Maitelli 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam o espaço disponível mais eficientemente, são uma alternativa

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

PADRÕES DE PARCELAMENTO DA CIDADE LESTE DE SANTA MARIA: APLICAÇÃO DA METODOLOGIA 1

PADRÕES DE PARCELAMENTO DA CIDADE LESTE DE SANTA MARIA: APLICAÇÃO DA METODOLOGIA 1 PADRÕES DE PARCELAMENTO DA CIDADE LESTE DE SANTA MARIA: APLICAÇÃO DA METODOLOGIA 1 CERVO, Fernanda 2, CHAGAS, Vinícius Westphalen 2, FALKOWSKI, Liz Carlize 2, VESCIA, Jenifer 2, POZZOBON, Bruna 2, SILVA,

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá MiniLabEletroMag-RA Raryel C. Souza, Claudio Kirner DMC Depto. de Matemática e Computação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá e-mails: {raryel.costa, ckirner}@gmail.com 1 Visão geral Alguns conceitos

Leia mais

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Patrick Pedreira Silva patrick.silva@usc.br Universidade Sagrado Coração, Centro de Ciências Exatas

Leia mais

NOVA PAULISTA - UMA QUEBRA DE PARADIGMAS NO TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS DE PEDESTRES.

NOVA PAULISTA - UMA QUEBRA DE PARADIGMAS NO TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS DE PEDESTRES. NOVA PAULISTA - UMA QUEBRA DE PARADIGMAS NO TRATAMENTO DAS TRAVESSIAS DE PEDESTRES. Wlamir Lopes da Costa; Marcelo Espel; Lili Lucia Bornsztein; Ager Pereira Gomes. CET - Companhia de Engenharia de Tráfego

Leia mais

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*)

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) Rafael Domingos G Luís Universidade da Madeira/Escola Básica /3 São Roque Departamento de Matemática Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) A difusão de calculadoras gráficas tem levado

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. SEMAFÓROS CENTRALIZADOS 3 3. O SISTEMA EM TEMPOS FIXOS 4 3.1. O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA EM TEMPOS FIXOS 4

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. SEMAFÓROS CENTRALIZADOS 3 3. O SISTEMA EM TEMPOS FIXOS 4 3.1. O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA EM TEMPOS FIXOS 4 O controle semafórico centralizado e a operação de campo Prof. João Cucci Neto 2012 SUMÁRIO Assunto Página 1. APRESENTAÇÃO 3 2. SEMAFÓROS CENTRALIZADOS 3 3. O SISTEMA EM TEMPOS FIXOS 4 3.1. O FUNCIONAMENTO

Leia mais

SGAA AGV Gerar Senha de atendimento

SGAA AGV Gerar Senha de atendimento Histórico da Revisão Data Final Versão Descrição Autor Nome Objetivo Prioridade Procedimento para gerar senha de atendimento do SGAA através da AGV Mostrar quais os passos um usuário pertencente ao canal

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior)

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Procad Softwares para Layout Rua dos Cinamomos - 517 - Cinqüentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos

ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos SMART CITY A cidade do futuro Smart City é o conceito de cidade moderna e sustentável, onde

Leia mais

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos.

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos. Visão Geral VISÃO GERAL Esse material abordará o acesso ao AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) da Proativa do Pará, com intenção de ilustrar os aspectos na visão do Aprendiz. Essa abordagem dedica-se

Leia mais

(44) 3267-9197 maringa@absalarmes.com.br - E-mail www.absrastreamento Site MANUAL DO USUÁRIO

(44) 3267-9197 maringa@absalarmes.com.br - E-mail www.absrastreamento Site MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 01 - ACESSO PELA INTERNET... 3 02 - VISUALIZAÇÃO... 4 03 - FERRAMENTAS... 5 04 - ATALHOS... 7 05 - VISUALIZAÇÃO COMPACTA... 8 06 - RELATÓRIOS DE PERCURSO...10 07 - RELATÓRIO DE VELOCIDADE...15

Leia mais

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional?

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Mauricio R.Suppa (GESTAL Ltda) Marcos Iuquinori Terada (GESTAL Ltda) Afim de se obter o máximo aproveitamento

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Estudo de Casos 57. 5.1. Estudo de Caso 1: Velocidade Intervalar e Espessura da Camada

Estudo de Casos 57. 5.1. Estudo de Caso 1: Velocidade Intervalar e Espessura da Camada Estudo de Casos 57 5 Estudo de Casos Neste capítulo são relatados três estudos de caso com sismogramas de referência sintéticos que têm como objetivo avaliar o modelo proposto. Na descrição dos estudos

Leia mais

Nova União CONSULTORIA EMPRESARIAL

Nova União CONSULTORIA EMPRESARIAL Nova União CONSULTORIA EMPRESARIAL A EMPRESA A NOVA UNIÃO CONSULTORIA EMPRESARIAL FOI CRIADA PARA ATENDER AS EMPRESAS QUE NECESSITAM DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. OFERECEMOS A NOSSOS CLIENTES UM AMBIENTE

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO ISSN 1984-9354 UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO Jonathan Velasco da Silva (Instituto Federal Fluminense) Dalessandro Soares Vianna (Universidade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Aperfeiçoamento da Candidatura Eletrónica CONCURSO INTERNO E EXTERNO CONTRATAÇÃO INICIAL / RESERVA RECRUTAMENTO Ano Escolar 2015/2016 NOS TERMOS DO AVISO N.º 2505-B/2015, PUBLICADO

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A

Manual de Instruções TELEMETRIA. MANU-7310-TLP Rev. A Manual de Instruções TELEMETRIA MANU-7310-TLP Rev. A MANUAL DE INSTRUÇÕES TELEMETRIA STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS CNPJ: 91.495.499/0001-00 AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS

Leia mais

ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS

ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS Edson Roberto da Silva Michelon (USP) edichelon@gmail.com

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD 1 XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD Juliana Adabo Atizani Siemens LTDA. Brasil Paulo Roberto Antunes de

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

Modem e rede local. Guia do usuário

Modem e rede local. Guia do usuário Modem e rede local Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração do ATPDraw com o TOpReDE

Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração do ATPDraw com o TOpReDE XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração

Leia mais

Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2. Versão 1.0

Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2. Versão 1.0 Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2 Versão 1.0 Conteúdo 1. Histórico 1 1.1 Solicitantes 1 1.2 Equipe envolvida 1 2. Conhecedor de domínio e descrição de usuário 1 2.1 Sumário dos

Leia mais

1 EDUCAÇÃO INFANTIL NATUREZA E SOCIEDADE O TEMPO PASSA... Guia Didático do Objeto Educacional Digital

1 EDUCAÇÃO INFANTIL NATUREZA E SOCIEDADE O TEMPO PASSA... Guia Didático do Objeto Educacional Digital Guia Didático do Objeto Educacional Digital NATUREZA E SOCIEDADE 1 EDUCAÇÃO INFANTIL O TEMPO PASSA... Este Objeto Educacional Digital (OED) está relacionado ao tema da Unidade 4 do Livro do Aluno. NATUREZA

Leia mais

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br Análise de Pontos de Função Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br 1 Não se consegue controlar o que não se consegue medir. 2 Bibliografia "Function Point Analysis: Measurement Practices for

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

APOSTILA ZELIO SOFT 2

APOSTILA ZELIO SOFT 2 APOSTILA ZELIO SOFT 2 Prof. Maycon Max Kopelvski Fev/2010 rev.01 Página 1 de 20 1) Clique no ícone para abrir o programa Zelio Soft 2 2) Abrirá a tela inicial do Programa: Clique em Criar um novo programa.

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

1 COMPOSIÇÃO DO SISTEMA

1 COMPOSIÇÃO DO SISTEMA Índice 03 1 COMPOSIÇÃO DO SISTEMA 03 1.1.1 Central 04 1.1.2 Tela Touch Screen 04 1.1.3 Telefone Sem Fio 05 1.1.4 Painel de Mensagem 05 1.2 Estação de Leito 06 1.2.1 Expansão de Leito 06 1.2.2 Acionador

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

Tutorial. Exportando mapas para KML. Versão 1.0 16/01/2009. Autores: Natalia Estevam, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Exportando mapas para KML. Versão 1.0 16/01/2009. Autores: Natalia Estevam, Vitor Pires Vencovsky Tutorial Exportando mapas para KML Versão 1.0 16/01/2009 Autores: Natalia Estevam, Vitor Pires Vencovsky 1. Introdução O tutorial tem como objetivo fornecer informações básicas para exportar os mapas gerados

Leia mais

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia Balizamento São situações normalmente indicadas por balizamento os perigos naturais, limites laterais dos canais, zonas de acidentes marítimos importantes e novos perigos. São sinais de balizamento: sinais

Leia mais

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 Módulo 6 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 7.4 - Aquisição 7.4.1 - Processo de aquisição A organização deve garantir que o produto

Leia mais

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos.

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Iniciamos mais um curso de dez módulos grátis. Nele apresentaremos as possibilidades de captura fotográfica diferenciada e que marcará para sempre sua viagem.

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Storage Management CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de armazenamento, aumente a produtividade

Leia mais

SP 01/11/86 NT 112/86. Algumas Considerações Sobre Travessias e Brechas no Fluxo Veicular. Jaques Mendel Rechter. Introdução

SP 01/11/86 NT 112/86. Algumas Considerações Sobre Travessias e Brechas no Fluxo Veicular. Jaques Mendel Rechter. Introdução SP 01/11/86 NT 112/86 Algumas Considerações Sobre Travessias e Brechas no Fluxo Veicular. Jaques Mendel Rechter Introdução O problema da brecha no fluxo veicular, que possibilita a travessia da via pelo

Leia mais

SUPERVISOR. Guia do usuário VERSÃO 2.4.12

SUPERVISOR. Guia do usuário VERSÃO 2.4.12 VERSÃO 2.4.12 SUPERVISOR Guia do usuário Como utilizar supervisor WeON Acompanhe em tempo real o desempenho da sua equipe de atendimento e atue de forma pró-ativa. Adicione e remova dinamicamente membros

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Sistema Ativo de Segurança Automotiva

Sistema Ativo de Segurança Automotiva Sistema Ativo de Segurança Automotiva Manual de Utilização Conteúdo HOME Página inicial 3 Última posição 3 Rastrear 5 Relatórios 6 Histórico de Posições 6 Localização 7 Faturamento 7 Monitoramento 9 Alerta

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE

Leia mais

Validação e Proteção de dados no Excel

Validação e Proteção de dados no Excel Validação e Proteção de dados no Excel 1 2 Introdução O Excel tem um conjunto de ferramentas que permitem a restrição do erro e a proteção dos trabalhos e ficheiros. A validação de dados pode ser configurada

Leia mais

Como fazer busca de imagem no Google?

Como fazer busca de imagem no Google? Como fazer busca de imagem no Google? Passo 1: Acesse o endereço do Google e depois clique na opção Imagens, que fica na barra superior da página Passo 2. Digite a palavra que procura. Observe que o Google

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

Manual de Comunidades RIPALC

Manual de Comunidades RIPALC Manual de Comunidades RIPALC Última atualização 13 de março de 2012 1 Sumário 1. Como se autenticar no site?...3 2. Como funcionam as comunidades?...4 3. Como participar de um Fórum (Painel de Discussão)?...6

Leia mais