Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen"

Transcrição

1 Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Curso Superior de Tecnologia de Manutenção Industrial CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - São Paulo - SP SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Industrial Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Rua Monsenhor Andrade, 298 Brás São Paulo SP Telefone: (11)

2 SUMÁRIO 1. A FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO SIMONSEN ATOS AUTORIZATIVOS DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO CORPO DOCENTE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA DE GRADUAÇÃO 5.1 Organização acadêmica Perfíl profissional do Tecnólogo de Manutenção Industrial Organização curricular Avaliação INFRAESTRUTURA 6.1 Geral Laboratórios e oficinas específicas BIBLIOTECA ENCARGOS FINANCEIROS

3 1- A FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO SIMONSEN Em 2 de agosto de 1943, a Escola SENAI do Brás iniciou suas atividades em dois locais próximos ao atual endereço. As aulas teóricas eram ministradas num galpão na própria Rua Monsenhor Andrade. Quando em 1944, o Engº Roberto Mange, Diretor Regional do SENAI de São Paulo, enviava ao Departamento Nacional o seu relatório anual, constavam em suas páginas o relato das providências tomadas por aquela Diretoria para a construção da então chamada Escola SENAI Central e Sede do Departamento Regional conforme se observa no trecho transcrito a seguir: Para a construção do prédio destinado à Escola SENAI Central e Sede do DR, foi organizada uma concorrência de plantas e fachadas, (...) que foi julgada pelo próprio Conselho Regional do SENAI, lavrou-se com a firma Severo Villares & Cia., classificada em primeiro lugar, o contrato para a execução dos projetos definitivos da Escola Central e de mais quatro escolas. No terreno adquirido no setor 1, à Rua Monsenhor Andrade, acha-se quase concluída a construção de uma oficina e diversas instalações auxiliares com área total construída de metros quadrados, cujo custo, até fins de 1943, foi de Cr$ ,00. Tendo sido iniciada a construção do atual edifício em 1944, em junho de 1946 já apresentava condições para funcionamento parcial. Em meados de 1947, a unidade do Brás começou a operar integralmente no atual endereço. A inauguração oficial, momento em que passou a se chamar Escola SENAI Roberto Simonsen, aconteceu em 5 de abril de Quase tão antiga quanto o próprio SENAI, a Escola SENAI Roberto Simonsen já nasceu com grandes proporções para o atendimento das largas demandas que caracterizavam São Paulo como centro econômico e como pólo tecnológico do País. A história desta Unidade confunde-se com a história da própria entidade pois, até meados da década de 60, a Escola permaneceu como sede administrativa do Departamento Regional do SENAI de São Paulo. Esta primogenitude acarretou uma assumida responsabilidade que a tornou um modelo para a implantação de outras unidades do sistema. Os mais diversos cursos e programas de treinamento já fizeram parte da lista de produtos ofertados por esta Unidade, sendo que, em suas origens, enfocou principalmente os cursos para formação da mão-de-obra básica para as empresas pois, encontrando-se em processo de expansão e desenvolvimento na época, careciam de profissionais qualificados. A partir de 1971, com a implantação do Curso Técnico de Máquinas e Motores (atual Curso Técnico de Mecânica), buscou atender a então crescente demanda por técnicos em nível de 2º grau. Atualmente, além de ofertar o Curso Técnico de Mecânica, possui também os Cursos de Técnico de Mecatrônica, Técnico de Eletroeletrônica e Técnico de Telecomunicações, em sintonia 3

4 e alinhamento com as necessidades e avanços da comunidade industrial e do crescente setor de serviços. Agora, com uma forte e moderna base tecnológica instalada e recursos humanos de elevada competência, a Escola SENAI Roberto Simonsen tem condições de iniciar sua inserção em um nível mais elevado, passando a ofertar o Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Eletromecânica na Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 2. ATOS AUTORIZATIVOS Credenciamento da instituição: Resolução Conselho Regional RE/CR nº 7, de 25/11/2011, que homologa o Ato Ad Referendum nº 3, de 1º/11/2011. Autorização do curso: Resolução Conselho Regional RE/CR nº 8, de 25/11/2011, que homologa o Ato Ad Referendum nº 4, de 1º/11/ DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Diretor: Prof. João Roberto Campaner Coordenador Pedagógico: Prof. Nivaldo Ferrari 4. CORPO DOCENTE Docente Professores Unidade Curricular Formação Acadêmica Titulação Regime de Trabalho Imário Vieira Metodologia do Trabalho Científico Administração de Empresas Mestre Parcial Davinson Mariano da Silva Tecnologia Eletroeletrônica Tecnólogo em Materiais, Processos e Componentes Eletrônicos Mestre Parcial Rita de Cassia Sartori de Araujo Cálculos Matemáticos e Física Aplicada Matemática e Ciências Especialista Parcial Rogério Issamu Yamamoto Desenho Técnico Organização Industrial Tecnologia Mecânica Tecnólogo em Mecânica de Precisão Mestre Parcial 4

5 5. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA DE GRADUAÇÃO - CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL 5.1 Organização Acadêmica Titulação: Tecnólogo em Manutenção Industrial Carga Horária Total: horas horas de estágio supervisionado Regime de Matrícula: Semestral Integralização Curricular: 6 semestres letivos Duração do Semestre: 100 dias letivos Nº de Alunos por Classe: 40 Período: Noturno 5.2 Perfil Profissional do Tecnólogo em Manutenção Industrial I COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Competência Geral Planejar, implementar e supervisionar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Relação das Unidades de Competência Unidade de Competência 1: Planejar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Unidade de Competência 2: Implementar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Unidade de Competência 3: Supervisionar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. 5

6 Unidade de Competência nº 1: Planejar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Elementos de Competência 1.1 Identificar a política de manutenção: 1.2 Diagnosticar a realidade da planta industrial: 1.3 Dimensionar recursos humanos, materiais e financeiros: 1.4 Priorizar ações de manutenção: Padrões de Desempenho Analisando as diretrizes da empresa; Analisando o sistema de produção; Verificando o modelo de manutenção adotado; Verificando a disponibilidade de recursos humanos, materiais e financeiros; Analisando histórico dos equipamentos; Consultando manuais técnicos; Verificando condições de máquinas e equipamentos; Criando banco de dados; Integrando a manutenção ao processo; Identificando necessidades de manutenção; Estabelecendo a relação custo-benefício da manutenção; Analisando a disponibilidade dos recursos humanos, materiais e financeiros; Elaborando relatórios técnico-financeiros; Selecionando os modelos de manutenção; Especificando as ações de manutenção; Alocando recursos humanos, materiais e financeiros; Selecionando estratégias; Elaborando cronogramas; Negociando aprovação do plano de manutenção. 6

7 Unidade de Competência nº 2: Implementar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Elementos de Competência 2.1 Organizar equipes de trabalho: Padrões de Desempenho Identificando necessidades de serviço; Identificando as competências dos recursos humanos; Atribuindo funções; Identificando necessidades de serviço; 2.2 Organizar recursos materiais: Providenciando os materiais necessários; Inspecionando os materiais especificados; Controlando a disponibilidade de sobressalentes; Confirmando a disponibilidade do processo para manutenção; Negociando a parada de máquinas; 2.3 Executar atividades de manutenção: Identificando o tipo de manutenção; Seguindo os procedimentos; Tomando decisões em função de não conformidades inesperadas; Registrando atividades realizadas; 7

8 Unidade de Competência nº 3: Supervisionar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Elementos de Competência Padrões de Desempenho Comparando indicadores; Investigando causas; 3.1 Analisar os resultados da manutenção: Identificando oportunidades de melhorias; Elaborando relatórios; Definindo objetivos e metas; Definindo prioridades; Analisando as qualificações do pessoal; Identificando necessidades de recursos humanos; 3.2 Coordenar equipes: Encaminhando profissionais para treinamento; Selecionando candidatos; Definindo tarefas e atribuições; Acompanhando desempenho de pessoas e equipes; 3.3 Negociar com clientes e fornecedores: Justificando por meio de indicadores; Qualificando profissionais; 8

9 INDICAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES AO PERFIL PROFISSIONAL Unidades de Competência Unidade de Competência nº 1: (UC1) Planejar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Unidade de Competência nº 2: (UC2) Implementar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Unidade de Competência nº 3: (UC3) Supervisionar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Conhecimentos - Informática (Pacote Office textos, planilhas, gráficos, banco de dados, apresentações, etc); - Princípios de Administração; - Princípios de eletricidade e de mecânica; - Fundamentos da manutenção industrial; - Relações interpessoais; - Controle estatístico do processo; - Leitura e interpretação de desenho técnico (eletromecânico) - Cálculos matemáticos; - Física aplicada e Química tecnológica; - Comunicação oral e escrita; - Logística industrial; - Planejamento da Manutenção; - Normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. - Eletrotécnica (máquinas elétricas); - Eletrônica (analógica, digital e de potência); - Linguagem de programação; - Controladores programáveis; - Drivers; - Redes industriais; - Tecnologia dos materiais; - Resistência dos materiais; - Elementos de máquinas; - Tecnologia Mecânica; - Processos de fabricação; - Pneumática e eletropneumática; - Hidráulica e eletrohidráulica; - Ensaios tecnológicos; - Técnicas de Manutenção; - Tribologia e Lubrificação; - Interpretar e aplicar Normas Técnicas. - Normas e legislação ambiental; - Normas técnicas; - Normas regulamentadoras; - Normas da qualidade; - Gestão de pessoas; - Técnicas para melhoria da produtividade (kaizen, just in time, 5 S, poka yoke, troca rápida, kamban, etc.); - Administração geral; - Custos industriais. 9

10 Perfil da qualificação profissional de nível tecnológico O perfil da qualificação profissional de nível tecnológico Programador de Manutenção Eletromecânica está contido no perfil do tecnólogo em Manutenção Eletromecânica e compreende a Unidade de Competência UC1 como a seguir demonstrado. Unidade de Qualificação: Programador de Manutenção Eletromecânica Competência Geral: Planejar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Unidade de Competência que agrupa: UC 1 - Planejar a manutenção eletromecânica seguindo as normas técnicas, ambientais, da qualidade e de segurança e saúde no trabalho. Contexto de Trabalho da Qualificação: de acordo com o item II do perfil profissional do Tecnólogo em Manutenção Eletromecânica, naquilo que se aplica. 10

11 5.3 Organização Curricular Quadro de Organização Curricular do Curso LEGISLAÇÃO UNIDADES CURRICULARES SEMESTRES CARGA HORÁRIA TOTAL 1 º 2 º 3 º 4 º 5 º 6 º AULAS METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTIFICO DESENHO TÉCNICO CÁLCULO MATEMÁTICO ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL FÍSICA APLICADA QUÍMICA TECNOLÓGICA Lei Federal n o 9394/96 Resolução CNE n o 3/2002. TECNOLOGIA ELETROELETRÔNICA TECNOLOGIA MECÂNICA MANUTENÇÃO MECÂNICA MANUTENÇÃO ELETROELETRÔNICA PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO AUTOMAÇÃO E CONTROLE TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PROJETOS DE MELHORIA GESTÃO DA MANUTENÇÃO TOTAL DE AULAS TOTAL DE HORAS Estágio Supervisionado 400 TOTAL DE HORAS DO CURSO 2800 LIBRAS-Língua Brasileira de Sinais (optativa à distância) 60 (*) duração da aula: 50 minutos 11

12 5.4 - Avaliação A avaliação do aproveitamento leva em consideração o contínuo desempenho do aluno nos vários aspectos das experiências de aprendizagem e: realiza-se mediante o emprego de instrumentos diversificados, de conformidade com a natureza dos objetivos da avaliação; efetua-se com preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos; tem por objetivo cada uma das unidades de ensino, de cada unidade curricular. Concluído o estudo de cada unidade de ensino, atribuir-se-á ao aluno uma nota, expressa em número inteiro de 0 (zero) a 100 (cem), que traduzirá seu desempenho na unidade avaliada. Ao final de cada período de avaliação previsto no calendário escolar, as notas relativas às várias unidades de ensino cumpridas serão sintetizadas numa única, que representará, em cada unidade curricular objeto de avaliação, o desempenho do aluno no período avaliado. A nota mínima exigida para que o educando possa prosseguir os estudos, ou concluí-los, será 50 (cinqüenta). Promoção É considerado concluinte de estudos ou promovido para o semestre subseqüente o aluno que, ao final do período letivo, obtiver em cada unidade curricular, nota final igual ou superior a 50 (cinqüenta). Recuperação A recuperação, parte integrante do processo de ensino, deverá ser entendida como orientação contínua de estudos e criação de novas situações de aprendizagem, proporcionadas pelo próprio docente. A recuperação deverá ocorrer: I continuamente, na ação permanente em sala de aula, pela qual o docente a partir da ação educativa desencadeada, criará novas situações desafiadoras e dará atendimento ao educando que dele necessitar, através de atividades diversificadas; II periodicamente, em períodos definidos no calendário escolar. 12

13 Retenção Será considerado retido na semestre, ao término de cada período letivo, o aluno que não apresentar freqüência mínima de 75% em cada unidade curricular ou não obtiver nota final igual ou superior a 50 (cinqüenta) em mais do que duas unidades curriculares. O aluno retido poderá cursar apenas a(s) unidade(s) curricular(s) objeto da retenção, valendo-se do recurso de aproveitamento de estudos em relação às unidades curriculares nas quais foi aprovado. Freqüência É obrigatória a freqüência de alunos e professores, salvo nos cursos de educação a distância. O controle de freqüência ficará sob a responsabilidade da secretaria acadêmica, não havendo abono de faltas. Aproveitamento de Estudos Os conhecimentos adquiridos pelo aluno, por meio formal ou não-formal, poderão ser aproveitados, mediante análise de comissões de docentes e especialistas em educação especialmente designadas pela Direção, atendidas as diretrizes constantes do Projeto Pedagógico. Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrado por meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino. 6. INFRAESTRUTURA 6.1 Geral A Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen utiliza, compartilhadamente, os ambientes de ensino da Escola SENAI Roberto Simonsen, instalada na Rua Monsenhor Andrade nº 298, Bairro do Brás, São Paulo, num terreno com cerca de m 2 sendo que apenas m 2 são ocupados com edificações, havendo portando extensa área livre para circulação e acomodação dos alunos em seu tempo livre. 13

14 O edifício principal com 6 pavimentos, possui uma área útil total de m 2 onde se encontram as salas de aulas, as oficinas e laboratórios específicos. Também há ambientes destinados à administração e aos serviços de apoio. Detalhadamente, os espaços estão assim divididos: Dependências Quantidade Sala de Direção 01 Salas de Coordenação (técnica, pedagógica, administrativa) 05 Sala de Docentes (instrutores, técnicos de ensino e professores) 04 Salas de Aula convencionais - 5º andar 12 Salas de Aula convencionais - 4º andar 03 Salas de Aula convencionais - 3º andar 04 Salas de Aula convencionais - 2º andar 15 Salas de Aula convencionais - 1º andar 01 Ambientes especializados 42 Oficinas de Formação Profissional 08 Sanitários 34 Pátio Coberto / Área de Lazer / Convivência 03 Setor de Atendimento / Tesouraria 01 Praça de Alimentação 01 Auditórios 01 Sala de Áudio / Salas de Apoio - biblioteca 01 14

15 Recursos audio-visuais disponíveis Item Observações Quant. Televisores Alguns são fixos e outros montados em rack s móveis 6 Vídeos cassete Instalados junto com televisores em rack s móveis 6 Aparelho DVD Instalados junto com televisores em rack s móveis 6 Retroprojetores Alguns são dedicados e outros são de uso comum 6 Projetor Multimídia Disponíveis para uso em comum 25 Projetores de Slides Pouco utilizado hoje em dia superado por recursos mais modernos 01 Câmeras de vídeo Captura de imagens microscópicas e do fenômeno da usinagem 02 Máq. Fotográfica Para registro de eventos, exposições trabalhos de alunos, etc. 03 Quadro Branco Todas as salas são equipadas com quadro branco 77 Flip-charts Confeccionados em madeira pela própria escola Laboratórios e oficinas específicas Lab. de Logística e Planejamento da Manutenção sala 528 Área: 54 m 2 Software para Logística Interna da Produção Witness Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 01 Televisor 29 pol. Colorido -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) Sala ambiente para Desenho Técnico sala 515 Área: 72 m 2 Qtde Especificações 36 Pranchetas p/ desenho tipo A-2420 com régua paralela e banqueta de altura ajustável 01 Conjunto de modelos didáticos p/ exercícios de desenho -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) 15

16 Laborat. de Manutenção Mecânica e Lubrificação sala 525 Área: 90 m 2 Qtde Especificações 03 Aparelhos para medição e análise de Vibrações 01 Moto-variador mecânico Varibloc SEW mod. VUF11DZ80K 01 Moto-redutor de engrenagens cônicas c/ eixo oco NORD mod. SK9012.1AX 01 Moto-redutor de eixos paralelos maciços NORD mod. SK382.V71L 01 Alinhador a laser PRUFTECHNIK mod. Rotalign 01 Kit para análise de óleo Solotest mod Conj. de teste e manutenção de bombas PARKER mod. HPUBR Conj. didático p/ montagem e desmontagem de rolamentos SKF mod. TMDS 9/1 03 Painéis didáticos de Sistema de Lubrificação SONED 01 Frezadora vertical Jog Borer Perrin 01 Mini compressor de ar Schulz mod. MST 01 Conjunto de Ferramentas manuais para operações de manutenção 01 Conjunto de Instrumentos de medição direta p/ controle dimensional e geométrico 01 Quadro branco 01 Prensa Hidráulica 01 Torno mecânico 01 Bancada de teste de compressores 01 Aparelho didático para medição de força centrífuga 01 Kit didático para análise de vibrações 01 Kit de montagem e desmontagem de rolamentos SKF -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) 16

17 Laboratório de Linguagem de Programação sala 508 Área: 54 m 2 Sistema Operacional Windows + pacote básico do MS Office + Software C++ Builder da Borland Qtde Especificações 10 Microcomputador 01 Microcomputador (servidor de rede) 01 Impressora jato de tinta colorida Epson mod. Stylus Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Lab. de Pneumática e Eletropneumática sala 433 Área: 72 m 2 Software para Estudo e Simulação de Circuitos Pneumáticos PneuSIM Qtde Especificações 10 Microcomputador 02 Painel simulador Pneumático FESTO mod. DSBEPH (acompanha elementos pneumát.) 01 Simulador Pneumático e Eletro-pneumático Bellows (acompanha elementos pneumát.) 02 Painel p/ ensaios e montagem de Pneumática PARKER (acompanha elementos pneumát.) 12 Elementos pneumáticos em corte FESTO 04 Módulo didático com CLP - Controlador Lógico Programável FESTO 01 Conjunto de transparências de elementos e sistemas pneumáticos FESTO 01 Conjunto de símbolos pneumáticos fixados em lâminas magnéticas 01 Projetor multimídia 01 Lousa interativa magnético -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) 17

18 Lab. de Hidráulica e Eletrohidráulica sala 431 Área: 72 m 2 Qtde Software para Estudo e Simulação de Circuitos Hidráulicos HidroSIM Especificações 10 Microcomputador. 01 Painel simulador de Hidráulica FESTO mod. PHEH 2002 (acompanha elementos hidrául.) 01 Conjunto didático de hidráulica PARKER HPUBR 4145 (acompanha elementos hidráulicos) 01 Painel p/ ensaios e montagem de Hidráulica PARKER (acompanha elementos hidráulicos) 02 Conjunto de válvulas e atuadores hidráulicos p/ montagem de circuitos 01 Unidade de treinamento REXROTH mod. UHS 01 Conjunto de transparências de elementos e sistemas hidráulicos 01 Conjunto de símbolos hidráulicos fixados em lâminas magnéticas 01 Projetor multimídia 01 Lousa interativa magnético -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Microcontroladores sala 311 Área: 54 m 2 Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 10 Painel p/ montagens experimentais Shakolmiko mod. PL Kit de microprocessadores H.Eletro 10 Kit didático de microcontroladores BIT-9 mod. 8031C 01 Fonte de alimentação estabilizada SINCLER mod. SPS D 01 Apagador de EPROM s ELTRON mod. DL Multímetro digital portátil MINIPA mod. ET Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) 18

19 Laboratório de Eletrônica de Potência sala 422 Área: 54 m 2 Qtde Especificações 01 Microcomputador 01 Impressora 02 Conjunto didático p/ estudo de circuitos retificadores monofásicos 04 Conjunto didático de sensores p/ ensaios BIT-9 04 Conjunto didático DIGIPLAN Conjunto didático p/ estudo de conversores e acionamentos trifásicos TELEMECANIQUE 18 Motores diversos p/ ensaios de acionamento (servos, CA, CC) 10 Osciloscópios duplo traço MINIPA MO Geradores de funções MINIPA MG Fonte de alimentação DAWER mod. FCC 3003 D 08 Chave de partida suave (soft start) WEG mod. SSW05 09 Inversor de freqüência WEG CFW B 03 Módulo de tiristores PowerTrans mod. PWT 08 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Máquinas Elétricas sala 422 Área: 54 m 2 Qtde Especificações 01 Microcomputador 01 Conjunto p/ experimentos de máquinas elétricas Dr. Max Clemenz 01 Conjunto didático p/ ensino de máquinas elétricas Lab-Volt 01 Conjunto p/ estudo de acionamentos trifásicos 01 Conjunto didático p/ estudo de conversores 02 Conjunto didático de servomecanismos CA 02 Conjunto didático de acionamentos CA / CC WEG 06 Transformador 600V Willkason 03 Instrumentos diversos p/ medidas elétricas 24 Motores elétricos diversos p/ ensaios em eletricidade 19

20 -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Instalações Elétricas sala 418 Área: 54 m 2 Qtde Especificações 01 Microcomputador 01 Impressora 06 Treinador eletroeletrônico Probit 04 Painel elétrico duplo Suplitec 02 Conjunto didático p/ ensino de eletricidade 10 Conjunto para montagem de Comandos Elétricos 16 Protoboard SHAKOMIKO mod. PL Motores elétricos de diversos tipos de bobinagem, acionamento e controle 12 Estação de soldagem MEGURO mod. MCT / MHG 10 Multímetro digital ICEL mod. MD Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Lab. de Controladores Lógicos Programáveis sala 416 Área: 72 m 2 Software para Programação e Simulação de Automação por CLP (Siemens e Altus) Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 10 Controlador Lógico Programável CLP Altus mod. Piccolo 05 Manipulador eletropneumático de peças c/ 3 eixos 05 Controlador Lógico Programável CLP Siemens CPU 312 C 01 Projetor multimídia -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) 20

21 Laboratório de Eletrônica Digital sala 424 Área: 72 m 2 Qtde Especificações 09 Microcomputador 01 Impressora 10 Osciloscópio analógico 20 MHz INSTRUTHERM 60 Instrumentos diversos para medidas elétricas (multímetros, voltímetros, amperímetros) 10 Matriz de contatos Protoboard TKN mod. TL Fonte de alimentação de 0 a 30 V. DAWER mod. FSCC Gerador de Funções MINIPA mod. MFG Variador de tensão AC tipo VARIAC 270 VA mod. AUJE 05 Transformador de isolação 600 V Willkason 10 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Informática Básica sala 407 Área: 54 m2 Qtde Especificações 17 Microcomputador 01 Multimídia 01 Lousa interativa -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Eletrônica Analógica sala 412 Área: 72 m 2 Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 10 Osciloscópio analógico 20 MHz INSTRUTHERM 60 Instrumentos diversos para medidas elétricas (multímetros, voltímetros, amperímetros) 21

22 10 Matriz de contatos Protoboard TKN mod. TL Fonte de alimentação de 0 a 30 V. DAWER mod. FSCC Gerador de Funções MINIPA mod. MFG Variador de tensão AC tipo VARIAC 270 VA mod. AUJE 05 Transformador de isolação 600 V Willkason 10 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Informática e Desenho CAD sala 409 Área: 72 m 2 + Software para desenho AutoCAD 2000 da Autodesk + Software para desenho em eletroeletrônica EPlan Qtde Especificações 21 Microcomputador 01 Impressora 01 Televisor colorido 29 pol. -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Informática e Desenho CAD sala 405 Área: 72 m 2 + Software para desenho AutoCAD 2000 da Autodesk + Software para desenho em eletroeletrônica EPlan Qtde Especificações 17 Microcomputador 01 Multimídia -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) 17 Microcomputador Laboratório de Redes (config. de software) sala 331 Área: 54 m 2 Sistema Operacional Windows + Sistema Operacional Windows Server Qtde Especificações 11 Microcomputador 02 Servidores 01 Impressora 01 Switch para redes 02 Roteador SISCO 22

23 01 Projetor multimídia -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Lab. de Cabeamento Estruturado e Redes (hard) sala 333 Área: 72 m 2 Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 02 Roteador SISCO 04 Patch Panel 01 HUB para 8 conexões 01 Switch 03 Bastidor de 21 pol. 12 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates de crimpar, prensa terminal. Etc) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Eletrônica sala 319 Área: 54 m2 Qtde Especificações 01 Microcomputador com processador Pentium II MHz HD 3,2 Gb 64 Mb de memória RAM monitor SVGA de Osciloscópio analógico 20 MHz INSTRUTHERM 60 Instrumentos diversos para medidas elétricas (multímetros, voltímetros, amperímetros) 10 Matriz de contatos Protoboard TKN mod. TL Fonte de alimentação de 0 a 30 V. DAWER mod. FSCC Gerador de Funções MINIPA mod. MFG Variador de tensão AC tipo VARIAC 270 VA mod. AUJE 05 Transformador de isolação 600 V Willkason 10 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ventiladores, mesas, cadeiras e armários) 23

24 Laboratório de Eletricidade sala 321 Área: 54 m 2 Qtde Especificações 11 Microcomputador 01 Impressora 10 Osciloscópio analógico 20 MHz INSTRUTHERM 60 Instrumentos diversos para medidas elétricas (multímetros, voltímetros, amperímetros) 10 Matriz de contatos Protoboard TKN mod. TL Fonte de alimentação de 0 a 30 V. DAWER mod. FSCC Gerador de Funções MINIPA mod. MFG Variador de tensão AC tipo VARIAC 270 VA mod. AUJE 05 Transformador de isolação 600 V Willkason 10 Conjunto de ferramentas manuais (chaves diversas, alicates, pinças, etc.) -- Outros itens de conforto e utilidade (persianas, ar condicionado, mesas, cadeiras e armários) Laboratório de Ciências sala 217 Área: 108 m 2 Qtde Especificações 06 Bancada especial p/ laborat. de ciências (c/ pia, água, gás, esgoto, energia e banquetas) 01 Capela para confinamento de reações químicas mod. DCE Microscópio biológico binocular Olympus mod. CH30-II 01 Lava olhos de parede c/ cuba de 250 mm 06 Balança de Roberval com jogo de pesos (capacidade 1kg) 01 Balança analítica de pratos com amortecedor 01 Armário com vidraria para laborat. de ciências 24

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Automotivos CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - SÃO PAULO - SP SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE. Curso Superior de Tecnologia em Fabricação Mecânica CATÁLOGO. - Informações Acadêmicas -

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE. Curso Superior de Tecnologia em Fabricação Mecânica CATÁLOGO. - Informações Acadêmicas - FACULDADE DE TECNOLOGIA ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE Curso Superior de Tecnologia em Fabricação Mecânica CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - São Carlos - SP Endereço: Rua Cândido Padim, 25-Vila Prado 1 2 SUMÁRIO

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Ítalo Bologna

Faculdade de Tecnologia SENAI Ítalo Bologna Faculdade de Tecnologia SENAI Ítalo Bologna 1. INFRA-ESTRUTURA Salas de Aulas A FATEC IB possui 22 salas de aulas climatizadas, sendo 10 com capacidade para acomodar, confortavelmente de 50 (cinqüenta)

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Gaspar Ricardo Júnior. Curso Superior de Tecnologia de Fabricação Mecânica. - Informações Acadêmicas -

Faculdade de Tecnologia SENAI Gaspar Ricardo Júnior. Curso Superior de Tecnologia de Fabricação Mecânica. - Informações Acadêmicas - Faculdade de Tecnologia SENAI Gaspar Ricardo Júnior Curso Superior de Tecnologia de Fabricação Mecânica CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - Sorocaba- SP SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial

Leia mais

LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA

LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA 1. Descrição Física O laboratório deve dispor de estrutura mínima de uma área igual ou superior a 58m2; com pé direito de 3,5m, piso em material isolante, resistente

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL 1. INFRAESTRURA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL A Faculdade

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO (De acordo com a Resolução CNE/CEB nº 4/99, atualizada pela Resolução CNE/CEB nº 1/05, e pela Resolução CNE/CEB

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: INDÚSTRIA

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: INDÚSTRIA Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Aprendizagem Industrial: Mecânico de Instalações Industriais SÃO PAULO janeiro

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS

II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS. Campus Presidente Epitácio.. - Infraestrutura física atual 03 (m ) (acréscimo em m por ano) Descrição Qtde. 0 0 06 07 08 para 08 (m ) Almoxarifado 88,

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOÓGICA DE PELOTAS CNPJ 88288105000139 Nome da Unidade Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Nome de Fantasia CEFET-RS Esfera Administrativa Federal Endereço Praça

Leia mais

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com.

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com. Promoção Válida /janeiro 2011 /fevereiro 2011 das normas internacionais, Garantia de 1 ano Assistência Técnica Própria Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72

Leia mais

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Linha FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Alta performance nos trabalhos manuais As ferramentas estacionárias são indicadas para trabalhos domésticos, artesanatos, carpintarias, marcenarias,

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Políticas de Gestão do

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO (De acordo com a Resolução CNE/CEB nº 4/99, atualizada pela Resolução CNE/CEB nº 1/05, e pela Resolução CNE/CEB

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Etec Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

Manual de Referência Técnica Elevac 200

Manual de Referência Técnica Elevac 200 Apresentação O Elevador Pneumático Elevac, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM

INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM Com uma área construída de mais de 20.000m 2, a FEZER conta com equipamentos de usinagem computadorizados e convencionais dos mais variados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS 1. Descrição Física Este espaço se configura o ambiente ideal para a realização de aplicações práticas de materiais e revestimentos, bem como trabalhos artesanais,

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: Educação Profissional: Nível da Qualificação: Área Tecnológica: Competência Geral: Requisitos de Acesso: MONTADOR E REPARADOR DE COMPUTADORES

Leia mais

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

Informativo Bibliográfico

Informativo Bibliográfico Informativo Bibliográfico nº. 1-2011 Automação Eletropneumática Nº de Chamada: 62-5:681.5 B697a Escola SENAI "Oscar Rodrigues Alves" Biblioteca BONACORSO, Nelson Gauze; NOLL, Valdir.Automação Eletropneumática.11

Leia mais

Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração

Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração Equipamentos com sistemas de medição eletrônicos e computadorizados, que fazem do alinhamento, balanceamento e montagem de rodas operações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO Comissão Própria de Avaliação Institucional: Representante Docente: Fábio Nazareno Machado-da-Silva Representante Técnico-administrativo: Diego Martins Braga Representante

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA PERNAMBUCANA DE PAULISTA PAULISTA/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA, DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910 PD 60 SISTEMA DE TROCA UNITÁRIO Prensadora de terminais com sistema de Troca Unitário Prensa todos os tipos de mangueiras, de 3/16'' ate 2'' de diâmetro interno para 1, 2 e 4 espirais Concluída a operação

Leia mais

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 3. Organização da Aula 3. Sistema de Medição e Metrologia. Contextualização. Profa. Rosinda Angela da Silva

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 3. Organização da Aula 3. Sistema de Medição e Metrologia. Contextualização. Profa. Rosinda Angela da Silva Sistemas de Medição e Metrologia Aula 3 Profa. Rosinda Angela da Silva Organização da Aula 3 Equipamentos de medição A importância dos equipamentos Os equipamentos mais conhecidos Uso e cuidados Utilizando

Leia mais

PROGRAMA TRAINEE DOCENTE SENAI RS 2012 1- OBJETIVOS

PROGRAMA TRAINEE DOCENTE SENAI RS 2012 1- OBJETIVOS PROGRAMA TRAINEE DOCENTE SENAI RS 2012 1- OBJETIVOS 1.1- Objetivo Geral Incrementar qualitativamente a Educação Profissional do SENAI, por meio da preparação didática - pedagógica dos trainees docentes,

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 1) TANQUE DE INOX 3) REATOR / BATEDEIRA/ HOMOGENIZADOR 4) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 6) FUSOR 5) REATOR

2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 1) TANQUE DE INOX 3) REATOR / BATEDEIRA/ HOMOGENIZADOR 4) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR 6) FUSOR 5) REATOR 1) TANQUE DE INOX Agitação lateral por hélice naval. Variação de velocidade eletrônica. Saída do produto por válvula, na parte inferior. 2) REATOR / BATEDEIRA / HOMOGENIZADOR Estrutura de aço SAE 1.020,

Leia mais

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY

041 - ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY ETEC PROFESSOR BASILIDES DE GODOY São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO,

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC.

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC. I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina Sistemas CNC Professor Rogério Campos Semestre / Módulo 5º semestre Período Noturno Módulo 3FM5A Carga Horária Semanal: 4

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Treinamento Branqs Automação, 2007 Elaboração: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes Aprovação: Fernando José Cesilio Branquinho Branqs Automação Ltda. Rua do Comércio, nº

Leia mais

Manual de Referência Técnica

Manual de Referência Técnica Manual de Referência Técnica Apresentação O Elevador Pneumático ELEVAC, fabricado pela MHM,indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 0 Etec PAULINO BOTELHO Código: 09 Município:São Carlos EE: Eixo Tecnológico:Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca Eixo tecnológico Controle

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 OBJETIVO Participar de atividades de planejamento, supervisão e execução de projetos específicos

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC A EMPRESA Linha de tornos CNC Linha de centros de usinagem Controle final e Expedição Linha de segundas operações Ambiente de trabalho agradável Vista geral do galpão principal Ferramentaria e afiação

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR Apresentação Fundada em 1990, em Joinville/ SC, a K&L iniciou suas atividades com serviços de manutenção em instrumentos de medição da área dimensional. O rápido reconhecimento permitiu investimentos em

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO II

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO II MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração Coordenação-Geral de Aquisições RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO II Processo: 03110.1444/24-25 Interessado: Coordenação

Leia mais

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy - São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S O desenvolvimento de cada atividade prática dá-se com auxílio de apostilas de atividades práticas, manuais dos equipamentos e de segurança e tutoria, além do professor da disciplina e de um técnico em

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Redes de Computadores Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação, ofertado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE PLANO DE CURSO 1 Características do Curso Nível: Capacitação de nível médio Nome: Eletricista Força e Controle Carga horária: 240 horas Número de vagas: 20 2 Pré-requisito

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

catálogo de PRodutos

catálogo de PRodutos catálogo de PRodutos Linhas de trabalho Equipamentos como os fabricados pela eixomaq reduzem o esforço físico, tornando a jornada de trabalho muito mais prática e produtiva, além de, na maioria das vezes,

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA Sala de Aula A instituição disponibiliza equipadas com todos os recursos multimídias necessários, que são estes: Projetor

Leia mais