UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ONIVALDO CASSIANO JUNIOR ESTEIRA ERGOMÉTRICA PARA TREINAMENTO COM VIBRAÇÃO DINÂMICA (TVD)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ONIVALDO CASSIANO JUNIOR ESTEIRA ERGOMÉTRICA PARA TREINAMENTO COM VIBRAÇÃO DINÂMICA (TVD)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ONIVALDO CASSIANO JUNIOR ESTEIRA ERGOMÉTRICA PARA TREINAMENTO COM VIBRAÇÃO DINÂMICA (TVD) Mogi das Cruzes, SP 2010

2 UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ONIVALDO CASSIANO JUNIOR ESTEIRA ERGOMÉTRICA PARA TREINAMENTO COM VIBRAÇÃO DINÂMICA (TVD) Dissertação apresentada à Universidade de Mogi das Cruzes, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Biomédica. Área de concentração: Instrumentação Biomédica Orientador: Prof. Dr. Flávio Cezar Amate Mogi das Cruzes, SP 2010

3 FINANCIAMENTO FICHA CATALOGRÁFICA Universidade de Mogi das Cruzes - Biblioteca Central Cassiano Junior, Onivaldo Ergométrica para treinamento com vibração dinâmica (TVD) / Onivaldo Cassiano Junior f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Biomédica) - Universidade de Mogi das Cruzes, 2010 Área de concentração: Instrumentação Biomédica Orientador: Profº Drº Flavio Cezar Amate 1. Treino vibratório 2. Ativação neuro muscular 3. Esteira ergométrica I. Amate, Flavio Cezar CDD

4

5 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Marli Lopes Cassiano e Onivaldo Cassiano (in memória), que sempre me apoiaram financeiramente e emocionalmente se não fosse o apoio deles, eu não teria começado e nem terminado este sonho que se tornou realidade.

6 AGRADECIMENTOS Aos meus irmãos Fernando Henrique Cassiano e Enio Roberto Cassiano, a Josiane Cristina do Amaral que muito me ajudou, a Vanessa Cavalcanti Henriques pela sua compreensão e meus amigos Diogo, Diego, Tailan, Alexandre, Yuke, Caio, Terige, Helio, Alessandro, Felipe, Jaqueline, Meire e Rico. Aos professores Fumagalli, Jean, Luiz Carlos e, principalmente, ao meu orientador Prof. Flávio com quem muito aprendi nestes dois anos.

7 RESUMO Desde a segunda metade dos anos 80 tem-se desenvolvido um fica de treinamento baseado na utilização dos estímulos vibratórios visando melhor desempenho da musculatura humana. Neste tipo de treinamento ocorre uma modificação do reflexo tônico determinado por uma contração muscular reflexa por meio de uma plataforma vibratória, onde indivíduo permanece em uma posição estática sobre placas de vibração com frequências que variam de 15 a 44 Hz, deslocamentos de 3 a 10 mm e aceleração de 3,5 a 15 g. Neste trabalho foi desenvolvido um protótipo de uma esteira ergométrica para treinamento com vibração dinâmica (TVD). A aplicação de um treinamento vibratório beneficia as funções do organismo relacionadas ao sistema muscular, endócrino, cardiovascular e ósseo contribuindo para qualidade de vida na melhor idade. O equipamento desenvolvido utiliza uma esteira ergométrica motorizada adaptada com uma plataforma vibratória composta por um motovibrador que produz movimentos sinusoidais perpendicular a base onde o indivíduo realiza a caminhada. A avaliação do protótipo foi realizada através de um modelo matemático do equipamento e comparado com os dados adquiridos pelos instrumentos de medidas, acelerômetro e relógio comparador, divididos da seguinte forma: força g, frequência, mensuração da amplitude, estabilidade estrutural e resistência do protótipo. A execução dos testes de estabilidade e resistência mostrou que o protótipo teve uma baixa variação da força g no desvio padrão e a amplitude máxima foi de 3 mm, o que é aceitável e contempla os limites das pesquisas realizadas e pré estabelecidos pela norma que regula trabalhos com vibração para seres humanos. De acordo com os resultados obtidos não houve variações significativas da frequência e amplitude durante os testes executados. A composição dos métodos de exercícios, vibração de corpo inteiro e uma atividade aeróbica como a caminhada pôde ser executada de forma fácil e segura. Palavras chave: Treino Vibratório, Ativação Neuromuscular e Ergométrica. Esteira

8 2 ABSTRACT Since the second half of the 80 has developed a training is based on the use of vibratory stimuli by better performance of the human musculature. In this type of training is a modification of the tonic reflex determined by a reflex muscle contraction through a vibrating platform, where the individual remains in a static position on vibrating plates with frequencies ranging from 15 to 44 Hz, displacement from 30 to 10 mm and acceleration from 3.5 to 15 g. We have developed a prototype of a treadmill for training with dynamic vibration (DTV). The application of a vibrating training benefits the body's functions related to the muscular system, endocrine, cardiovascular and bone contribute to better quality of life in age. The developed device uses a motorized treadmill fitted with a vibrating platform consists of a vibration motor that produces sinusoidal movements perpendicular to the base where the individual performs the walk. The evaluation of the prototype was performed using a mathematical model of the equipment and compared with data acquired by measurement instruments, dial gauge and accelerometer, divided as follows: g force, often measuring the range, structural stability and resistance of the prototype. The tests of stability and strength showed that the prototype had a low g force variation on the standard deviation and the maximum amplitude was 3 mm, which is acceptable and considers the limits of research conducted and pre-established norm that regulates the work with vibration in humans. According to the results no significant variations in the frequency and amplitude during test runs. The composition of the methods of exercise, whole body vibration and an aerobic activity such as walking could be performed easily and safely. Keywords: Vibration Training, Neuromuscular Activation and Treadmill

9 2 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01: Modelo de Plataforma Vibratória com praticante de exercícios físicos Figura 02. Diagrama esquemático ilustrado da regulação da rigidez durante a estimulação da vibração Figura 03. Reflexo de estiramento. 1. Sinal aferente (sensorial) de fibra muscular intrafusal. 2. Sinal eferente (motor) direcionada para as fibras musculares extrafusal. 3. Sinal de motor (eferente) dirigida ao antagonista inibitória. 4. Sinal eferente (motor) até as fibras musculares intrafusal para manter a forma alongada a parte central do fuso Figura 04. Diagrama de corpo livre Figura 05: Esquematização da estrutura da mola Figura 06. Modelo simplificado de transdutor de aceleração com apresentação dos feixes Figura 07: Detalhes do módulo de comunicação Figura 08: Ilustrativo das dimensões do Motovibrador Figura 09: Esteira Athletic Advanced Figura 10: Base da estrutura da esteira (A). Parte lateral da estrutura com fixação dos coxins (B) Figura 11: Base de caminhada de madeira Figura 12: Travessas (calhas) fixadas nas laterais da estrutura da esteira para ostentação da base Figura 13: Molas (A) colocadas nas travessas laterais com apoio de borracha (B) Figura 14: Suporte do motovibrador, fixado na base de madeira (vista inferior) Figura 15: Coxim de amortecimento (A) das vibrações e fixação das travessas Figura 16: Travessa lateral (A), Coxim de amortecimento (B) e Estrutura da esteira (C) unidos Figura 17: Amortecedores de vibração VIBRA STOP STANDARD (A), Haste de regulagem de altura (B)

10 2 Figura 18: Modelo do sinal adquirido pelo osciloscópio durante dos testes Figura 19: Participante caminhando com vibração da plataforma Figura 20: Participante realizando o teste de vibração Figura 21: Acelerômetro MMA7260Q Freescale fixado em baixo da plataforma Figura 22: Imagem do osciloscópio digital Tektronix TDS Figura 23: Relógio comparador colocado na base de madeira Figura 24: Inversor de Frequência CFW-08 WEG (CLP) Figura 25: Sinal adquirido durante o teste (caminhada juntamente vibração) a 20 Hz Figura 26: Sinal adquirido durante o teste (caminhada juntamente vibração) a 25 Hz Figura 27: sinal adquirido durante o teste (caminhada juntamente vibração) a 30 Hz Figura 28: sinal adquirido durante o teste (caminhada juntamente vibração) a 35 Hz

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Resultados de F 0 conforme variação de Amplitude, Frequência e Aceleração Tabela 2: Teste dos participantes (Frequência e Aceleração g) Tabela 3: Amplitude da plataforma vibratória (só equipamento) Tabela 4: Teste funcional da plataforma vibratória... 57

12 SUMÁRIO RESUMO...1 ABSTRACT...2 LISTA DE ILUSTRAÇÕES INTRODUÇÃO OBJETIVO CONCEITOS TEÓRICOS TERMINAÇÕES NERVOSAS SENSITIVA (RECEPTORES) MOVIMENTOS VIBRATÓRIOS BASES TEÓRICAS DOS MOVIMENTOS VIBRACIONAIS VIBRAÇÃO POR RESSONÂNCIA CONTEXTUALIZAÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS INTRODUÇÃO FERRAMENTAS UTILIZADAS DESCRIÇÕES DAS FERRAMENTAS UTILIZADAS CÁLCULOS DO EQUIPAMENTO DESENVOLVIMENTO DO EQUIPAMENTO AVALIAÇÃO RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÕES...59 REFERÊNCIAS... 60

13 11 1 INTRODUÇÃO A caminhada é uma modalidade de atividade física de intensidade baixa a moderada que mais agrada as pessoas, e por ser de fácil realização é uma das atividades físicas mais praticadas no mundo. Com a prática da caminhada, sabe-se que ocorrem melhoras em várias funções do organismo, tais como: circulação, sistema cardiorrespiratório, sistema endócrino, sistema musculoesquelético e etc. Segundo Conroy e Earle (1994), o efeito do exercício sobre o tecido ósseo é localizado e depende da intensidade, tipo, frequência e duração da atividade física, sendo mais benéficas às atividades que suportem peso, como a caminhada ou corrida. Conforme Runge et al. (2000), a medicina geriátrica centra-se na independência funcional e na melhora da qualidade de vida dos idosos. Tratando as doenças e a prevenção ou minimização do declínio funcional causado por doenças ou pela idade. Para a geriatria a mobilidade é funcional e o funcionamento muscular é fundamental para a mobilidade. A osteoporose é considerada mundialmente, um problema de saúde pública que invalida ou incapacita grande número de pessoas, principalmente mulheres nas últimas décadas da vida, sendo uma enfermidade multifatorial que, à parte do papel dos estrógenos, os fatores de risco mais importantes são ambientais (falta de atividade física e inadequada ingestão de cálcio) e, portanto, facilmente modificáveis (MATSUDO e MATSUDO, 1991). Segundo Zerbini (1998), a osteoporose é uma doença ósseo-sistêmica, caracterizada pela diminuição da massa óssea e deterioração da micro arquitetura do tecido ósseo com o conseqüente aumento da fragilidade do osso e suscetibilidade de fraturas. Numerosos estudos indicam que a atividade física de alto impacto, ou que exija alta produção de força, pode ter um efeito benéfico na DMO, devido à deformação desse tecido, ocorrida durante a atividade (CADORE et al., 2005). Conforme os resultados do Berlin Aging Study (1996), os déficits de mobilidade, andar e equilíbrio foram considerados como determinantes mais importantes da dependência funcional e a função muscular dos membros

14 12 inferiores foi considerada, a componente individual mais importante para a competência locomotora. Segundo Cadore et al. (2005), deve se centrar na potência muscular o produto força x velocidade e na velocidade da produção de força. Então sempre que um membro esta para se mover este gera potência, produto da força com a velocidade. A força gerada pelos músculos está fortemente ligada ao desenvolvimento de massa óssea e de força óssea, tal como o paradigma de Utah (RUNGE et al., 2000). Portanto, a força muscular, está ligada tanto à força óssea como às quedas. Sendo que a função muscular tem sido considerada como um dos principais fatores de risco para quedas e faturas de quadril nos idosos. A incidência de fratura da anca aumenta exponencialmente com a idade. Na literatura científica podemos constatar que mais de 90% das fraturas da anca resultam de uma queda. Não é possível entender as denominadas fraturas da anca osteoporóticas debatendo apenas os fatores relacionados com os ossos sem prestar atenção nas quedas. Desde a segunda metade dos anos 80, tem-se desenvolvendo uma forma de treinamento baseado na utilização dos estímulos vibratórios, utilizadas pela primeira vez em treinamentos russos. Neste tipo de treinamento ocorre uma modificação do reflexo tônico vibratório que determina uma contração muscular reflexa originado de um estímulo local do músculo e seu tendão mediante vibração (NAZAROV e SPIVAK, 1985). O treinamento vibratório de corpo inteiro (VCI) é um dos tipos de exercício que está sendo testado atualmente em desportos, geriatria e reabilitação. Ele é transmitido para o corpo através de estímulos mecânicos onde estimulam por sua vez os receptores sensoriais, mais provavelmente os fusos musculares. Isto conduz a uma ativação dos motoneurónios alfa e inicia contrações musculares comparáveis ao reflexo tônico vibratório. Os aspectos biomecânicos da terapia e treino vibracionais são frequentemente utilizados no mundo da medicina no tratamento e prevenção de diferentes tipos de doenças e lesões. Nessas terapias é utilizado um tipo de plataforma e o usuário permanece total ou parcial sobre ela. O emprego deste método vem obtendo sucesso no tratamento da osteoporose, artrose,

15 13 esclerose múltipla, reumatismo e lesões por esforço repetitivo. Tem também grandes potencialidades para a reabilitação, assim como para requalificação das capacidades físicas dos menos jovens. Pesquisas científicas sobre os efeitos locais da tecnologia vibratória assim como os da Vibração Integral do Corpo (Whole Body Vibration) estão sendo realizadas por todo o mundo recorrendo a plataformas vibratórias. Uma quantidade crescente destes estudos e as suas conclusões têm sido publicados em importantes jornais médicos dedicados à investigação clínica científica. Portanto, fica evidenciado a importância do estímulo vibratório para aceleração do corpo, podendo assim melhorar a força funcional (estabilidade, resistência e condição física), produzir a contração muscular, e consequentemente, estimular o aumento da osteogênese e sua densidade óssea. Desta forma, um treinamento com vibração dinâmica (TVD) composto por uma esteira ergométrica que contemple a execução de caminhada, pode beneficiar as funções do organismo relacionadas aos sistemas muscular, endócrino, cardiovascular e ósseo do indivíduo.

16 OBJETIVO Desenvolver um protótipo de esteira ergométrica vibratória para auxiliar no treino de caminhada.

17 15 2 CONCEITOS TEÓRICOS 2.1 TERMINAÇÕES NERVOSAS SENSITIVA (RECEPTORES) Consciente ou inconscientemente sabemos onde se encontram nossos músculos quando se movimentam, devido a sinais de receptores encontrados nos próprios músculos, na pele e nas articulações. Sendo, essas percepções sensoriais são conhecidas como capacidade proprioceptiva (FONSECA, FERREIRA e HUSSEIN, 2007). No âmbito do sistema sensoriomotor, a propriocepção é um termo usado erroneamente, pois, tem sido usado de forma incorreta como sinônimo dos termos: cinestesia, sentido de posição articular, somatossensação, equilíbrio e estabilidade articular reflexa (RIEMANN e LEPHART 2002). Para esses pesquisadores, o termo somatossensórial é mais global e incluem todos os mecanorreceptores, termosceptores e informações dolorosas da periferia os nociceptores. A informação consciente somatossensorial leva à sensação de dor, temperatura e às sensações conscientes das submodalidades de propriocepção. A informação do meio externo é utilizada para: as sensações e as percepções; a manutenção da vigília; controle dos movimentos; regulação da função dos órgãos internos. Estas informações são utilizadas para manutenção por muitas vezes da produção de movimentos reflexos e fundamental para manutenção dos parâmetros fisiológicos do organismo (CINGOLANI e HOUSSAY, 2004). O contato inicial com meio externo ou interno nos sistemas sensoriais se faz por meio dos receptores que são estruturas especializadas em transformar um tipo de energia física ou química em energia eletroquímica, através de um processo de transdução (CINGOLANI e HOUSSAY, 2004). A sensibilidade somática é originada de informações provenientes de uma variedade de receptores distribuídos pelo corpo, e tem quatro modalidades principais: tato discrimitivo (necessário para o reconhecimento do

18 16 tamanho, da forma e textura e movimentação de objetos na pele), propriocepção (a sensação de posição estática e dos movimentos dos membros e do corpo), nocicepção (a sinalização de dano tecidual ou irritação química, normalmente percebida como dor e coceira) e sensação térmica (calor e frio) (KANDEL, SCHWARTZ E JESSELL 2003). Shumway e Woollacott (2003) traduzem a propriocepção como um termo usado para a regulação da postura total (equilíbrio postural) e postura segmentar (estabilidade articular), bem como para o início de muitas sensações periféricas conscientes (sentidos musculares). Portanto, a propriocepção descreve corretamente, a informação aferente originada de áreas periféricas internas do corpo, que contribuem para o controle postural e estabilidade articular. Considerando a percepção consciente da propriocepção, esta pode ser subdividida em dois tipos: sentido de posição estática, ou seja, a percepção consciente da orientação das diferentes partes do corpo, umas em relação às outras; e o sentido da velocidade do movimento, chamado de cinestesia ou de propriocepção dinâmica (GUYTON, 2002). Os dois termos são muitas vezes tratados como sinônimos e são usados frequentemente para cobrir todos os aspectos dessa percepção, estática ou dinâmica (SMITH, 1989). A avaliação da propriocepção consciente tem conduzido, de forma incontestavelmente, à maioria das confusões a respeito da interpretação desse tipo de propriocepção em indivíduos suspeitos de terem decréscimo da informação proprioceptiva, originada de fontes articulares, seguida de lesão ortopédica e traumatológica. É preciso ter cautela para diferenciar entre as fontes de propriocepção (musculares, cutâneas ou articulares) e as sensações conscientes de propriocepção (RIEMANN e LEPHART, 2002). As informações proprioceptivas inconsciente são críticas para os ajustes dos movimentos articulares (LUNDY, 2000). Essas informações servem para que certas áreas do SNC (Sistema Nervoso Central) atuem nos movimentos que estão acontecendo e em seu planejamento, para ajustar o tônus, força muscular e a amplitude dos movimentos (SHUMWAY e WOOLLACOTT, 2003). Os sinais proprioceptivos são gerados em vários tipos de receptores sensitivos que residem nos músculos, tendões, fácias, articulações (cápsula e

19 17 ligamentos) e pele em resposta aos movimentos do corpo e à tensão nessas estruturas (PECCIN e PIRES, 2003). Esses receptores sensitivos, denominados mecanorreceptores, funcionam como transdutores biológicos, capazes de converter a energia mecânica da deformação física em potenciais de ação nervosos que geram informações proprioceptivas (VOIGHT e COOK, 2003). O aumento da deformação pode ser codificado por um aumento na descarga aferente ou pelo aumento do número de receptores ativados. Esses sinais fornecem informações sensoriais sobre as forças internas e externas que atuam na articulação, nos músculos e tendões (LEPHART, 2002). Neurologistas diferenciam duas classes diferentes de sensações somáticas: epicritíca e protopática. Sensações epicríticas envolvem aspectos críticos do tato e são medidas por receptores encapsulados. Essas sensações incluem capacidade de detectar o contato sutil da pele e localizar a posição do estímulo, discernir vibração, determinar sua frequência e amplitude, verificar pelo toque detalhes espaciais como textura de superfícies e o espaçamento entre dois pontos tocados simultaneamente (KANDEL, SCHWARTZ e JESSELL, 2003). Ainda que a descarga dos receptores varie de acordo com a distorção mecânica, os mecanorreceptores também podem basear-se em sua velocidade de descarga. Logo após o início do estímulo, os receptores de adaptação rápida param de enviar descargas, enquanto os receptores de adaptação lenta continuam a emitir descarga enquanto mantém o estímulo. Os mecanorreceptores são capazes de se adaptar, sempre que forem estimulados (LEPHART, 2002). Os mecanorreceptores das articulações respondem à deformação mecânica da cápsula e dos ligamentos. As terminações de Ruffini, encontradas na cápsula articular, são ativadas em todas as posições articulares, mesmo em repouso, sendo mais sensíveis à movimentação passiva que a ativa. São considerados receptores estáticos e dinâmicos, segundo suas características de baixo limiar e adaptação lenta. Os corpúsculos pacinianos possuem uma grande capsula que é presa à pele de modo flexível, e permite que o receptor seja sensível à vibração ocorrida vários centímetros de distância (VOIGHT e COOK, 2003).

20 18 Outra característica dos corpúsculos pacinianos é a resposta ao movimento dinâmico, já que são inativos no repouso, mas ativos assim que iniciado o movimento. Estes são receptores de baixo limiar e adaptação rápida, (VOIGHT e COOK, 2003). Os receptores do ligamento são semelhantes aos órgãos tendinosos de Golgi, sinalizando tensão. Estes receptores apresentam um moderado limiar mecânico e sua adaptação ocorre de forma lenta quando estimuladas mais frequentemente por estímulos nocivos (PECCIN e PIRES, 2003). Numa articulação, a disposição dos receptores não é uniforme e pode refletir a localização de pressões durante o movimento. Alguns pesquisadores consideram que a maioria destes receptores são ativados próximo à amplitude completa do movimento, por esse motivo, não produzem um sinal inteligível relacionado à posição da articulação e cinestesia (SHUMWAY e WOOLLACOTT, 2003). Para Machado (2007), os neurônios sensitivos ou neurônios aferentes, são àqueles situados na superfície e responsáveis por receber os estímulos e conduzir os impulsos ao centro nervoso. Já os neurônios motores eferentes são os neurônios localizados no gânglio e especializados em conduzir o impulso do centro nervoso até o efetuador, ou seja, o músculo. A conexão de um neurônio sensitivo com o neurônio motor se faz através de uma sinapse localizada no gânglio e o elemento básico de um arco reflexo simples, ou seja, um neurônio aferente com seu receptor, um centro onde ocorre a sinapse e um neurônio eferente que se liga ao efetuador, no caso, os músculos (MACHADO, 2007). Através das grandes vias aferentes, os impulsos nervosos originados nos receptores periféricos são levados aos centros nervosos supra segmentares. A conexão deste receptor, por meio das diferentes fibras especifica, com uma área específica do córtex, permite o reconhecimento das diferentes formas de sensibilidade (MACHADO, 2007). Para Douglas (2002) quando se refere a equilíbrio, pode-se apontar uma situação na qual o corpo adota uma determinada posição em relação ao espaço, o qual a cabeça é dirigida para cima e a face para frente com ereção do corpo todo com o intuito de posicionar a cabeça na parte alta. Essa posição em pé é a posição ortostática ou ereta, sendo assim, mesmo um

21 19 comportamento cotidiano como a manutenção da posição ereta, ao contrário do que parece, é uma tarefa complexa que envolve um complexo relacionamento entre informação sensorial e atividade motora (BARELA, 2000). Enoka (2000) afirma que um sistema está em equilíbrio mecânico quando a somatória de forças que atuam sobre ele é igual a zero, entretanto essa não é uma tarefa fácil. Barela (2000) afirma que mesmo quando uma pessoa que procura manter-se em pé o mais estável possível, ocorrem oscilações constantes para a manutenção da posição (bípede), decorrentes da dificuldade em manter os muitos segmentos corporais alinhados entre si sobre uma base de suporte restrita, utilizando um sistema muscular esquelético que produz forças que variam ao longo do tempo, portanto os segmentos corporais controlados pela ação muscular são incapazes de permanecer em orientações constantes. Bankoff (1992) cita que existe uma relação entre equilíbrio e as posições posturais, onde a manutenção do equilíbrio corporal postural se modifica numa fração de milésimos de segundo. Em relação ao equilíbrio e manutenção do equilíbrio corporal postural, pequenas diferenças são significativas em função da oscilação, durante a marcha, a locomoção e também nas posturas estáticas. Outros fatores importantes para a manutenção do equilíbrio corporal são as informações proprioceptivas. Para Ganong (1998) a orientação do corpo no espaço também depende de impulsos de proprioceptores nas cápsulas das articulações. Tais proprioceptores enviam dados sobre a posição relativa das várias partes do corpo e impulsos de exteroceptores cutâneos, especialmente os de tato e pressão. Isto é, os ajustamentos de equilíbrio adequado devem ser feitos sempre que o corpo se angula no tórax, no abdome, ou em qualquer outro local. Todas essas informações são algebricamente somadas no cerebelo e na substância reticular e núcleos vestibulares do tronco cerebral, determinando ajustes adequados nos músculos posturais (GUYTON, 2002). Guyton (2002) descreve também que as sensações exteroceptivas são importantes na manutenção do equilíbrio, por exemplo, as sensações de pressão nas plantas dos pés podem expressar: se o seu peso está distribuído de maneira igual entre os dois pés e se seu peso está mais para frente ou para trás em seus pés. Outro exemplo citado por Guyton é a manutenção do equilíbrio quando uma pessoa está correndo, a pressão do ar contra a parte

22 20 anterior do seu corpo mostra que a força se opõe ao corpo em uma direção diferente da que é causada pela força gravitacional, como resultado, a pessoa inclina-se para frente para se opor a ela. Bankoff (1992) cita que existe uma relação reflexa de sensibilidade com a velocidade do olho durante os movimentos de condução das passadas na locomoção humana, e que estão diretamente ligadas também com a manutenção da postura corporal, onde informações provenientes de captores sensitivos externos, como os situados no pé são importantes para a manutenção do sistema tônico-postural. A informação proprioceptiva mais importante, necessária à manutenção do equilíbrio, é a proveniente dos receptores articulares do pescoço, pois quando a cabeça é inclinada em determinada direção pela torção do pescoço, estes receptores fazem com que o sistema vestibular dê ao indivíduo uma sensação de desequilíbrio, isto se deve ao fato de eles transmitirem sinais exatamente opostos aos sinais transmitidos pelo sistema vestibular, no entanto quando todo o corpo se desvia em uma determinada direção, os impulsos provenientes do sistema vestibular não são opostos aos que se originam nos proprioceptores do pescoço, permitindo que nessa situação a pessoa tenha uma percepção de alteração de equilíbrio do corpo inteiro (GUYTON, 2002). 2.2 MOVIMENTOS VIBRATÓRIOS A vibração é um estímulo mecânico caracterizado por um movimento de oscilação, onde os parâmetros biomecânicos que determinam sua intensidade são a amplitude, a frequência e a magnitude das oscilações. A amplitude do movimento oscilatório determina o deslocamento de pico a pico (em mm) a frequência é representada pela taxa de repetição dos ciclos da oscilação (medida em Hz), e a aceleração indica a magnitude da vibração (força g) (CARDINALE e BOSCO, 2003). O treinamento vibratório de corpo inteiro (VCI) é um tipo de exercício que foi concebido com o objetivo de estimular os músculos através dos reflexos espinais (RITTWEGER, MUTSCHELKNAUSS e FELSENBERG, 2003).

23 21 Os principais efeitos do treinamento vibratório no corpo inteiro tem sido estudado em pessoas que se exercitam sobre placas de vibração (Figura 01) que produzem movimentos sinusoidais (CARDINALE et al., 2003). As frequências utilizadas para o exercício variam de 15 a 44 Hz, os deslocamentos de 3 a 10 mm e os valores da aceleração de 3,5 a 15 g (onde g é a força do campo gravitacional ou 9,81 m/s). Assim, proporciona uma vibração com perturbação do campo gravitacional durante o tempo de curso da intervenção. A influência da carga gravitacional sobre o desempenho muscular é de suma importância. Em condições normais, os músculos condicionados a ação diária da gravidade são capazes de manter suas capacidades de desempenho. Quando a carga gravitacional é reduzida (micro gravidade), uma diminuição acentuada na massa muscular e na capacidade de geração de força é observada (DUCHATEAU e ENOKA, 2002). Em contrapartida, um aumento da gravidade (hipergravidade) aumentará na transversal área e capacidade de geração de força muscular. Figura 01: Modelo de Plataforma Vibratória com praticante de exercícios físicos. Fonte: (Power Plate International Limited 2010)

24 22 Os movimentos sinusoidais oscilatórios nos músculos ou tendões causam pequenas e rápidas mudanças no comprimento da unidade músculotendínea (BOSCO, CARDINALE e TSARPELA, 1999a). Estas rápidas mudanças no comprimento são detectadas pelos proprioceptores, principalmente os fusos neuromusculares. O fuso neuromuscular é responsável pela detecção do nível inconsciente do alongamento muscular, assim quando recebem a informação da vibração acabam modulando a rigidez muscular através da atividade muscular reflexa e tentam amortecer as ondas vibratórias (Figura 02). Tendo como resultado um reflexo conhecido como reflexo miotático, que produz uma contração das estruturas (NISHIHIRA et al., 2002), e, esta se traduz em um aumento do potencial evocado pelos motoneurônios dos músculos submetidos à vibração (KOSSEV et al., 2001). Figura 02. Diagrama esquemático ilustrado da regulação da rigidez durante a estimulação da vibração. Fonte: (CARDINALE e BOSCO, 2003)

25 23 Tudo isso pressupõe, como já foi observado, que a ativação de circuitos espinhais ao reflexo miotático (RITTWEGER, MUTSCHELKNAUSS e FELSENBERG, 2003), resulta uma maior sincronização das unidades através de seus neurônios motores α. Além disso, os neurônios motores γ também são estimulados (CARDINALE e BOSCO, 2003) mantendo a forma alongada dos fusos musculares, tornando-os mais sensíveis. Isso melhora a eficiência do sistema neuromuscular uma vez que o estímulo tenha desaparecido. Já os antagonistas também são encorajados e afetados por uma diminuição no seu potencial motor. Isso poderia fazer o processo de cocontração menor, facilitando as forças de frenagem em movimentos explosivos (CARDINALE e BOSCO, 2003). 1 Ia у 2 α 3 α Figura 03. Reflexo de estiramento. 1. Sinal aferente (sensorial) de fibra muscular intrafusal. 2. Sinal eferente (motor) direcionada para as fibras musculares extrafusal. 3. Sinal de motor (eferente) dirigida ao antagonista inibitória. 4. Sinal eferente (motor) até as fibras musculares intrafusal para manter a forma alongada a parte central do fuso Fonte: (GARCÍA-ARTERO et al., 2006). Habitualmente a consequência da aplicação de um estímulo vibratório produz um estado de maior eficiência neuromuscular (BOSCO et al., 2000), que permite aumentar os rendimento dos movimentos voluntários. Isto indica que o efeito da estimulação vibratória parece limitar-se às estruturas medulares que coordenam o nível de reflexo dos movimentos (figura 03) aumentando o potencial motor (KOSSEV et al., 2001), juntamente com o aumento da frequência de sinal eletromiográfico após a exposição prolongada a vibração (RITTWEGER, MUTSCHELKNAUSS e FELSENBERG, 2003).

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas FISIOLOGIA PSICOLOGIA NEROFISIOLOGIA Introdução ao sistema sensorial Receptores sensoriais Prof. Leonardo dos Santos PERCEBEMOS

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Laura Baeta Pereira Barbosa RESPOSTA AGUDA DA VIBRAÇÃO MECÂNICA LOCALIZADA NA CAPACIDADE FÍSICA FORÇA MUSCULAR

Laura Baeta Pereira Barbosa RESPOSTA AGUDA DA VIBRAÇÃO MECÂNICA LOCALIZADA NA CAPACIDADE FÍSICA FORÇA MUSCULAR Laura Baeta Pereira Barbosa RESPOSTA AGUDA DA VIBRAÇÃO MECÂNICA LOCALIZADA NA CAPACIDADE FÍSICA FORÇA MUSCULAR Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Universidade

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Como sentimos o mundo?

Como sentimos o mundo? Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Como sentimos o mundo? Introdução à Fisiologia Sensorial Qual mundo é o verdadeiro? - Cada um percebe uma obra musical de maneira diferente - Diferenças

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Paulo Sergio Chagas Gomes, Ph.D. http://www.crossbridges.com.br. Declaração de Conflito de Interesse

Paulo Sergio Chagas Gomes, Ph.D. http://www.crossbridges.com.br. Declaração de Conflito de Interesse Treinamento Com Cargas Vibratórias Paulo Sergio Chagas Gomes, Ph.D. http://www.crossbridges.com.br Declaração de Conflito de Interesse O Laboratório Crossbridges recebeu apoio das seguintes instituições:

Leia mais

!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* 1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1

!#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0*  1ê#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1 ! *!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* "#$%&'!(#!)$*#$+,&-,.!/'(#0,*#1!#!"-2$3-,4!5'3-,-4!670-3,(,4!8!")"5! )$*#$+,&-,!9-'1:(-3,!;!1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;?@** < '! =>,(&-1#4%&#!

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE I Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO SOB O PONTO DE VISTA ANATÔMICO. CÉREBRO ENCÉFALO... CEREBELO MESENCÉFALO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Pós-Graduação a Distância

Pós-Graduação a Distância Pós-Graduação a Distância Mecanismos de controle motor Professora Ana Carolina Menegatti 1 SUMÁRIO Controle motor 3 PARTE I 3 1. Conceito de controle motor: 3 2. Fatores do individuo, tarefa e ambiente

Leia mais

Resolução de Provas 2009

Resolução de Provas 2009 Resolução de Provas 2009 01.No bebedouro doméstico representado na figura, a água do garrafão virado para baixo, de boca aberta, não vaza para o recipiente onde ele se apóia, devido à pressão atmosférica.

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Lista de Exercícios de Física

Lista de Exercícios de Física Lista de Exercícios de Física Assunto: Dinâmica do Movimento Circular, Trabalho e Potência Prof. Allan 1- Um estudante, indo para a faculdade, em seu carro, desloca-se num plano horizontal, no qual descreve

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA Medula, Tronco Encefálico & Córtex Motor Cerebelo e Núcleos da Base Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Padrões Básicos de Movimentos do Corpo Movimento de

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

de energia anteriores representa a forma correta de energia.

de energia anteriores representa a forma correta de energia. 1 a fase Nível II Ensino Médio 1ª e 2ª séries LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova dest ina-se exclusivamente a alunos das 1ª e 2ª séries do ensino médio. Ela contém vinte e cinco questões.

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS (Sherrington) CORTEX MOTOR Movimentos voluntários e ajustes antecipatórios NÚCLEOS DA BASE E CEREBELO Iniciação, modulação, coordenação, refinamento e aprendizado motor

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador:

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: Uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nestes termos Associação Internacional para

Leia mais

Definições de Sinais e Sistemas

Definições de Sinais e Sistemas Definições de Sinais e Sistemas O que é um Sinal? O que é um Sistema? Visão Geral de Sistemas Específicos Processamento de Sinais Analógicos Versus Digitais Definições de Sinais e Sistemas 1 O que é um

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

Revisão de Física Vestibular ITA 2011

Revisão de Física Vestibular ITA 2011 Vestibular ITA 011 Questão 1 Um cilindro oco, feito de material isolante, é fechado em uma das extremidades por uma placa metálica fixa e na outra por um pistão metálico bem ajustado livre para se mover.

Leia mais

O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO Introdução 4 Alimentadores de Carregamento Móvel Descargas Vibratórias Mesa de knock-out Resfriadores de fundição 6 8 10 12

Leia mais

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA 1. Procedimento de segurança, em auto-estradas, recomenda que o motorista mantenha uma distância de 2 segundos do carro que está à sua frente, para que, se necessário, tenha

Leia mais

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questão Qual é a melhor atividade física para o aumento da densidade óssea em todo o corpo? Natação? Corrida? Tênis?

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais