Relatório de Atividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades"

Transcrição

1 Relatório de Atividades 2007 LIGA SOLIDÁRIA Relatório de Atividades 2007 Sede: Rua Capote Valente, Pinheiros cep: São Paulo - SP tel. : (11) fax: (11)

2 Índice 02 Nossos Parceiros 04 Equipe 06 Apresentação 07 Princípios Organizacionais 08 Abrangência 10 Trabalho Desenvolvido 32 Sustentabilidade DIVULGAÇÃO 34 Gestão Financeira 38 Voluntariado 40 Conheça quem colabora com a Liga 44 Como Colaborar 46 Prêmios e Registros Oficiais 48 Contatos 50 Informações sobre parcerias e contribuições

3 Nossos Parceiros Fundação prada de assistência social 2 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

4 Equipe ORIENTADOR ESPIRITUAL Dom Odilo Scherer Arcebispo Metropolitano de São Paulo ASSISTENTE ECLESIÁSTICO Monsenhor Dario Benedito Bevilacqua DIRETORAS EXECUTIVA (Gestão ) Presidente Maria Luiza d Orey Espírito Santo 1ª Vice-Presidente Ana Carolina Monteiro de Barros Matarazzo 2ª Vice-Presidente Maria Stella Moura Abreu Barroso de Siqueira 3ª Vice Presidente Maria Rita Tostes da Costa Bueno Diretora Secretária Katalin Willy Diretora Financeira Rosalu Ferraz Fladt Queiroz Diretora Executiva Maria Dulce Müller Carioba Sigrist Maria Helena Rodrigues Netto Figueiredo CONSELHO EXECUTIVO José Eduardo Dias Soares Reynaldo Quartim Barbosa Figueiredo CONSELHO FISCAL Titulares: Carlos Antônio Rossi Rosa Fábio Whitaker Vidigal Rosiane Pecora Suplentes: Carlos Lopes Craide João da Cruz Vicente de Azevedo Luiz Otávio Reis de Magalhães DIRETORAS VOLUNTÁRIAS Antonina Vaz Guimarães Leme Elizabeth Wells Thompson Scalamadré Feliciana Toledo Carvalho Dias Giselda Maria Botelho Junqueira Nani Margot Joan Naegeli Prada Margot Leopoldo e Silva de Carvalho Maria Apparecida Monteiro da Silva Diniz Maria de Lourdes Lopes Dias Soares Maria de Lourdes Netto Velloso Maria Lúcia Madureira Padula Maria Luiza Guedes da Silva Carvalho Marina Assumpção Lassance Mônica Zender Etchenique EQUIPE TÉCNICA Superintendente Alvino de Souza e Silva Captação de Recursos Marcia Pastore Comunicação Alessandra Batista Financeiro Idio Fernandes Informática Gilmar Pereira da Silva Jurídico Hamilton Chacon Recursos Humanos Daniel Rocha Suprimentos Wilson Alencar Figueiredo Voluntariado Priscila Rodrigues Diretor Educandário Dom Duarte Mario Martini Coordenadora de Espiritualidade Lucy Maria Gregori de Lima Coordenadora Administrativa dos CEI s Centros de Educação Infantil Satiko Motoyama Narita Coordenadora Pedagógica dos CEI s Centros de Educação Infantil Nancy Coutinho Gestora dos Colégios Santa Amália Mirza Laranja 4 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

5 Apresentação Princípios Organizacionais Reflexão, Compreensão e Ação 2007 foi rico em reflexões, profundas compreensões e importantes ações. Constatamos, em primeiro lugar, que apesar de um trabalho importante com atendimento técnico e competente a pessoas diretamente, a Liga ainda era pouco percebida pelo seu trabalho social eficiente e profissional. Diante da imperiosa necessidade de ser melhor conhecida como entidade pluralista, que atende a diversos segmentos da sociedade, tomou a decisão de procurar o apoio de especialistas em comunicação para desenvolver a marca Liga Solidária, que de forma simples e direta representa o sentido amplo de sua atuação. E isto sem abrir mão da força de seu nome tradicional, que há 85 anos permanece como referência em trabalho social na cidade de São Paulo. A nova marca facilita também o acesso aos mais diversos setores onde atua, sejam as provedoras de recursos, regulares e potenciais, sejam nossos colaboradores voluntários ou não, seja o nosso público-alvo. Foram atualizados e profissionalizados os departamentos de voluntariado e de comunicação facilitando o entendimento exterior e interior do processo social da Liga. Considerando de suma importância o papel sóciopolítico do Terceiro Setor, nos envolvemos no Fórum de Educação Infantil (FEI) que defende, entre outros itens, período integral de 10 horas para as crianças dos CEI s garantindo uma jornada completa de trabalho para as mães. Buscando ampliar a organização interna dos CEI s - Centro de Educação Infantil, antes denominados creches, estamos em processo de implantação de uma unidade, paradoxalmente diversificada e não engessada, de métodos e pensamentos administrativos e pedagógicos. Estendemos a eles por meio do Programa Crescer, a mesma política nutricional já implantada em todos os programas da Liga. Como resultado da transferência da creche São Cesário, estamos inaugurando dois novos CEI s no Complexo Educacional Educandário Dom Duarte (EDD), localizado no Jardim Educandário, com o dobro de crianças, perfazendo assim um atendimento de 670 crianças no EDD e 920 no total da Liga. No final de 2007 deu-se a municipalização dos Abrigos e aumento do convênio o que viabilizou a continuação desse programa referencial, mas que corria o risco de acabar. Nos impressiona a demanda de crianças da comunidade para participarem do Programa Socioeducativo I.D.E.A.L que educa e alimenta crianças durante as 4 horas que não estão na escola, tirandoas da rua. Agora nos resta o desafio da viabilização desta necessidade. Crescendo com a crítica de um parceiro, o Programa Qualificação Profissional investiu este ano numa avaliação permanente de seu processo educacional e na empregabilidade de seus alunos dando um salto qualitativo ao seu trabalho. Fruto da imersão e aprendizado nos vários programas sociais realizados no EDD, surgiu a proposta de criação de um Fórum de Reflexão para discutir o potencial deste espaço. Serão convidados a participar, lideranças comunitárias, educadores do EDD e parceiros da sociedade civil e acadêmica. Contamos com o programa Religar, que se abre para a comunidade através da Ação Família, (1053 famílias), para nos ajudar na compreensão do nosso papel de educadores que se propõe a conscientizar estas pessoas de seu valor e de sua dignidade. Toda essas ações foram produto, sem dúvida, da compreensão, reflexão e ação, mas também de uma dedicação e generosidade de todos os envolvidos neste processo. Missão Contribuir com ações socioeducativas para conscientizar crianças, jovens e adultos de sua dignidade e de seu potencial transformador. Visão Procurar excelência nos trabalhos sociais desenvolvidos, pela eficácia e ética na gestão, pela qualidade e viabilidade econômica dos seus projetos, por meio de parcerias estratégicas. Otimizar o patrimônio, assegurando consistência com a demanda social. Compartilhar, em rede, conhecimento educacional. Valores Princípios Cristãos Ética Sustentabilidade Credibilidade Qualidade Responsabilidade 6 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

6 Abrangência Abrigo Solidário IV Jd. Rosa Maria 20 crianças e jovens de 0 a 18 anos Abrigo Solidário V Pinheiros 20 crianças e jovens de 0 a 18 anos A Liga Solidária é uma organização social sem fins lucrativos, criada há 85 anos por D. Duar te Leopoldo e Silva, primeiro arcebispo de São Paulo, e um grupo de senhoras católicas. CEI Casa da Infância do Menino Jesus Ipiranga 180 crianças de 4 a 6 anos CEI Santo Antônio Saúde 66 crianças de 4 meses a 3 anos CEI Primavera Inicialmente, este grupo tinha o objetivo de se dedicar aos problemas que diretamente interessavam à criança, à juventude e à mulher. CEI Primeiros Passos Jd. Educandário 200 crianças de 1 a 3 anos CEI São Cesário Tatuapé 94 crianças de 3 a 6 anos Programa Religar Jd. Educandário 180 crianças de 4 a 6 anos Jd. Educandário 1600 pessoas Adultos e suas famílias Programa Qualificação Profissional Atualmente, a Liga Solidária desenvolve programas sociais de educação e cidadania para crianças, jovens e adultos em situação de risco social. Jd. Educandário 150 jovens de 15 a 18 anos São pessoas beneficiadas diretamente e cerca de pessoas indiretamente. E.D.D. Programa Crescer Jd. Educandário 586 mil refeições servidas / ano De todo o atendimento social realizado pela Liga, 88% é desenvolvido no Complexo Educacional Educandário Dom Duarte (EDD), localizado no Jardim Educandário. Abrigo Solidário I, II e III Jd. Educandário 20 crianças e jovens de 0 a 18 anos (cada abrigo) Programa I.D.E.A.L. Jd. Educandário 370 crianças e jovens de 6 a 15 anos O Jardim Educandário é um dos 27 bairros do distrito Raposo Tavares, situado na periferia da zona oeste do município de São Paulo. O distrito Raposo Tavares tem habitantes, dos quais 15 mil estão distribuídos nas regiões de alta e muito alta vulnerabilidade (5, 6)1. A Liga desenvolve ações sociais em mais 4 bairros de São Paulo: Tatuapé, Saúde, Ipiranga e Pinheiros. 1 Conforme descrição do nível de vulnerabilidade medida pelo Índice Paulista de Vulnerabilidade Social da Fundação SEADE, Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

7 Trabalho Desenvolvido A Liga Solidária desenvolve um trabalho que nasce da crença de que a educação é, por excelência, o meio de construção e de expressão da verdadeira cidadania, com programas sociais de educação e cidadania para crianças, jovens e adultos em situação de risco social. Seu projeto educacional é voltado para a construção gradual do conhecimento e preparo para o trabalho, em sintonia com os Parâmetros Curriculares Nacionais, com os Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Eixos de trabalho Abrigo a crianças e adolescentes órfãos ou em situação de risco social; Acompanhamento pós-desabrigamento; Atendimento em período integral, educação e alimentação para bebês e crianças; Educação continuada com suporte escolar; Formação profissional; Atendimento psicossocial; Fortalecimento do convívio social de famílias com alto grau de vulnerabilidade social; Programa de inclusão e melhoria de auto-estima para a Terceira Idade; Alfabetização de jovens e adultos; Prevenção à violência doméstica, abuso e exploração sexual contra a criança e o adolescente; Acompanhamento dos indicadores de saúde e informação sobre conceitos nutricionais básicos. Estrutura do Atendimento Social A Liga Solidária realiza atendimento social, em: 5 CEI s (Centros de Educação Infantil) 5 Abrigos 8 Programas Socioeducativos 10 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

8 CEI s - Centros de Educação Infantil Objetivo: O que é: Espaço de educação que oferece atendimento em período integral, com atividades que favorecem o desenvolvimento físico, emocional, intelectual e social das crianças, com 5 refeições supervisionadas por nutricionistas. Investe na parceria com as famílias das crianças e na formação continuada da equipe de funcionários. O atendimento diferenciado de 10 horas diárias permite a inserção das famílias das crianças no mercado de trabalho. Garantir às crianças experiências afetivas e estimulantes, geradoras do autoconhecimento, do ser, do conhecer, do conviver e do fazer, respeitando os Referenciais Curriculares Nacionais para a educação infantil. São cinco Centros de Educação Infantil em São Paulo: CEI Primeiros Passos e CEI Primavera, no Jardim Educandário CEI Santo Antonio, na Saúde CEI São Cesário, no Tatuapé CEI Casa da Infância do Menino Jesus, no Ipiranga Inovações: Encontros mensais técnico-pedagógicos para reflexão conjunta sobre as competências básicas dos envolvidos no processo educacional de 780 crianças respeitando demandas e necessidades de cada um dos grupos; Capacitação mensal dos gestores para o fortalecimento da proposta de atendimento às famílias; Participação como membro diretivo do F.E.I. Fórum de Educação Infantil um movimento articulado da sociedade civil na luta das políticas públicas. Como membro do F.E.I., participou de vários movimentos populares tais como: alterações de itens de portarias publicadas, por considerá-los inadequados ou impraticáveis, melhoria na qualidade e quantidade da distribuição dos alimentos nos CEI s. Realizações: Origem do Investimento Social 35% Contrapartida Liga 65% Convênio Público beneficiado: 720 crianças Faixa etária: de 4 meses a 6 anos Convênio: Secretaria Municipal de Educação Custo médio mensal: R$228,00 por criança Readequação dos convênios e melhoria da eficiência; Participação na palestra Educação e Inovação, com Bernardo Toro, no I Congresso Internacional de Inovação em Educação - São José dos Campos SP; Implantação do Projeto Nutrição Infantil pelo Programa Crescer, que levou os conceitos da educação nutricional para a promoção da alimentação saudável no espaço escolar, aos 5 Centros de Educação Infantil da Liga Solidária; Durante o ano foram realizados eventos envolvendo as crianças e suas famílias, cujo objetivo foi o fortalecimento da parceria escola-família. O maior evento foi a Festa Junina; Festa do Dia das Crianças, evento que reuniu as crianças dos 5 CEI s, dos Abrigos e do Programa I.D.E.A.L. no Teatro do Educandário, com apresentação de palhaços e muitas brincadeiras. Todas as crianças participaram de um almoço após o evento, e receberam saquinhos surpresa. 12 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

9 Abrigos Solidários O que é: Atendimento em regime residencial a crianças e jovens em situação de risco pessoal e/ ou social, cujos direitos básicos foram violados ou ameaçados. A Liga Solidária, atenta ao futuro dos jovens de 18 anos em situação de desabrigamento e sem vínculos familiares, desenvolve uma ação complementar ao abrigo, denominada Núcleo Solidário. Objetivos: Promover o restabelecimento dos vínculos familiares e a participação das crianças e dos adolescentes na vida da comunidade, por meio do acolhimento em ações pedagógicas; Priorizar a adoção na impossibilidade da volta à família; Acompanhar o processo de autonomia dos jovens após o desabrigamento. São 5 Abrigos Solidários: três localizados no Jardim Educandário, um no Jardim Rosa Maria e um em Pinheiros*. Origem do Investimento Social 34% Convênio 5% Instituto Camargo Corrêa 61% Contrapartida Liga O destino de 23 crianças e jovens desabrigados no ano de 2007 foi: 48% Voltaram para as famílias Público beneficiado: 100 crianças e jovens de ambos os sexos, em 5 abrigos Faixa etária: de 0 a 18 anos 4% Adoção Convênio: Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Parceria Financeira: Instituto Camargo Corrêa Custo médio mensal: R$2.257,00 por criança/jovem abrigado Demanda: 60 crianças/adolescentes em lista de espera por ano 35% Programa Núcleo Solidário 13% Outros* *(Encaminhados a outras instituições, paradeiro ignorado, optou em morar sozinho ao completar 18 anos) *Em dezembro de 2007, a pedido da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, a Liga assumiu em caráter emergencial o gerenciamento do Abrigo Pinheiros, com 20 crianças e adolescentes, que em 2008 passa a fazer parte definitivamente da estrutura da Liga. Realizações: Estreitamento do relacionamento com as famílias: atendimento individualizado às famílias, em visitas domiciliares, culminando em grandes vitórias de aproximação de famílias e crianças abrigadas. Participação da equipe de profissionais do abrigo em seminários e palestras sobre a questão do abrigamento, com o objetivo de discutir estratégias e conceitos para a integração dos jovens na comunidade, refletir sobre práticas do atendimento em abrigos, capacitar os profissionais envolvidos e melhorar seu desempenho no trabalho: - I Seminário Pró-Convivência Familiar e Comunitária do Distrito Federal; - IV Conferência Regional e V Conferência Lúdica da Criança e do Adolescente do Butantã; - I Encontro Municipal de Abrigos de Crianças e Adolescentes promovido pelo CMDCA/SP; - Seminário sobre o Sistema Único da Assistência Social (SUAS); - Programa Abrigar do Instituto Camargo Corrêa; - Rede Nossas Crianças da Fundação Abrinq; - Encontros de Abrigos da Região Oeste; - Núcleo da Criança e Adolescente da PUC (NCA PUC/SP). Avaliação do trabalho realizado pelos educadores, com a observação da evolução de cada criança quanto ao rendimento escolar, relacionamento interpessoal e capacidade de transmitir emoções. Núcleos Solidários São a concretização do início da vida autônoma dos jovens, que estão em processo de desabrigamento. Em 2007, 8 jovens oriundos dos abrigos da Liga que criaram vínculos entre si constituíram 3 núcleos. Sob orientação dos profissionais da Liga cada jovem residente no núcleo passa a mobilizar-se em direção à sua autonomia, por meio de ações como: busca do próprio sustento; identificação de uma casa para ser alugada; estabelecimento de um contrato de aluguel com os devidos compromissos; estímulo para a organização de uma poupança individual; estabelecimento de acordo mútuo entre os participantes; gerenciamento dos contratos estabelecidos; administração da economia doméstica; fortalecimento de vínculos sociais na comunidade em que o Núcleo encontra-se localizado, dentre outros. 14 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

10 Programa I.D.E.A.L. (I=Informação, D=Desenvolvimento, E=Educação, A=Artes, L=Lazer) Realizações: O que é: Complementação à educação formal para crianças e jovens, em períodos de 4 horas. O programa tem seu diferencial na capacitação continuada dos educadores de referência, que mantêm os projetos Qualidade de Vida e Cultura da Paz, por meio de leitura, escrita e brincadeiras, com todos os grupos atendidos. O educador de referência conhece as dificuldades e capacidades de cada criança, e transmite aos outros professores tais percepções, para que estes possam realizar atendimentos personalizados, a fim de contribuir com o fortalecimento da identidade da criança. Educadores ministram oficinas de culinária, capoeira, teatro, ballet, música, artes e informática. Objetivo: Promover o desenvolvimento das capacidades bioló gicas, psíquicas e sociais das crianças e jovens, por meio da educação, para a formação de indivíduos conscientes, responsáveis por suas escolhas, e capazes de modificar o meio em que vivem. Promoção do envolvimento das famílias na educação de seus filhos; Estímulo do desenvolvimento das habilidades e competências, legitimando atitudes positivas frente à aquisição do conhecimento; Acompanhamento aos estudos; Incentivo à conquista gradual da autonomia; Desenvolvimento de hábitos e atitudes para uma convivência social saudável das crianças e jovens, respeitando diferenças e incentivando a compartilhar diferentes modos de sentir, pensar e agir; Valorização do saber cultural da comunidade beneficiada, conhecimento de suas raízes, resgate da memória coletiva por meio de diferentes linguagens (teatro, dança, capoeira, artes plásticas); Valorização do meio ambiente, cuidando do planeta e conquistando qualidade de vida; Aquisição de hábitos saudáveis de higiene e de prevenção, em relação à saúde; Incentivo e organização de práticas esportivas; Garantia do espaço para brincar; Validação de encontros quinzenais com as famílias, no projeto de construção da participação dos responsáveis na educação dos filhos, por meio de técnicas de psicodrama, teatro, etc; Passeios realizados: MASP Concerto Sinfônico da Banda do Exército, VII Festa Nacional do Índio em Bertioga, Teatro Aliança Francesa, Instituto Unibanco, Parque Aquático Triângulo Azul, Museu da Marinha; Realização de diversas apresentações culturais durante o ano, como peças de teatro, ballet, coral, capoeira e pintura. Após os eventos realizados, crianças, jovens e educadores se reúnem para discutir sobre o evento e trocar experiências vivenciadas, como forma de avaliação. A partir destas avaliações as atividades são revistas e aprimoradas. Origem do Investimento Social 35% Convênio 62% Contrapartida Liga Público beneficiado: 370 crianças e jovens Faixa etária: de 6 a 15 anos Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Custo médio mensal: R$ 257,00 por criança/jovem Demanda: 1413 crianças/jovens em lista de espera 16 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

11 Programa Qualificação Profissional (Q.P.) O que é: Cursos profissionalizantes nas áreas de assistente administrativo, suporte técnico em informática, gastronomia e cabeleireiro. Todos os alunos participam de atividades complementares (informática, teatro, projeto de vida com ênfase nos temas transversais) que fortalecem o desenvolvimento integral de suas potencialidades. Origem do Investimento Social 49% Contrapartida Liga 14% Instituto Votorantim 30% Convênio 7% Fundação Prada Objetivos: Proporcionar capacitação técnica; Fortalecer o desenvolvimento integral de suas potencialidades; Contribuir com a empregabilidade e o desenvolvimento do espírito empreendedor dos alunos. 26% dos jovens que freqüentaram os cursos no Programa Q.P., em 2007, estão trabalhando Público beneficiado: 150 jovens Faixa etária: de 15 a 18 anos Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Parceria Financeira: Fundação Prada e Instituto Votorantim Custo médio mensal: R$382,00 por criança/jovem Demanda: 222 jovens em lista de espera Realizações: Novas parcerias estabelecidas com instituições e empresas a fim de viabilizar a empregabilidade dos jovens; Cada curso realizou, em média, duas visitas técnicas a feiras e eventos onde os alunos tiveram contato com a realidade do mercado de trabalho, como por exemplo, as visitas dos alunos do curso de Gastronomia à Feira da Boa Mesa e ao Mercado Municipal de São Paulo, e a ida dos alunos de Estética à Feira Cosmetic Cosmética; Para exercitar todo o conteúdo desenvolvido no curso, foram realizados eventos que possibilitaram aos alunos colocar a teoria estudada em prática: - II Feira do Trabalhador: Orientados e assessorados pelos educadores do programa, os jovens. organizaram oficinas abertas à comunidade, que envolveram alunos de todos os cursos, como auxílio na confecção de currículos, emissão de carteira de trabalho, preparo de doces e pratos rápidos, além de exposições; - III Mostra Gastronômica: Oportunidade para mostrar ao público o conhecimento adquirido durante o curso, com alimentos produzidos pelos alunos. Além de uma exposição realizada pelos jovens sobre a história da gastronomia, possibilitou aos alunos um trabalho de pesquisa intenso; - Dia da Beleza: Importante evento promovido em parceria com a ONG Escreve Beleza Brasil, que ofereceu serviços gratuitos de beleza à comunidade. O evento contou com a presença de 543 pessoas e foi realizado por profissionais de beleza, com auxílio de alunos do Q.P.; - III Desfile de Penteados: oportunidade de expor durante o ano; - I Workshop Empresa Júnior: evento realizado pelo Curso de Assistente Administrativo, onde os alunos apresentaram empresas fictícias, criadas para mostrar as idéias, a criatividade e o espírito empreendedor desenvolvidos pelos jovens durante as aulas; - II Concurso de Dramaturgia de Curta Duração, promovido pelo Núcleo de Artes Cênicas do Programa Qualificação Profissional com o objetivo de incentivar a literatura dramática, proporcionar oportunidade de desenvolvimento de aptidões e descobrir novos talentos; Estreitamento do relacionamento com pais e responsáveis dos jovens atendidos, o que melhorou o suporte familiar aos alunos; Série de sete palestras sobre o mercado de trabalho, que ofereceu aos jovens a oportunidade de entrar em contato com empresários e profissionais atuantes; Monitoramento efetivo dos ex-alunos, a fim de conhecer o percentual de empregabilidade dos jovens em anos anteriores; Participação em encontros mensais no Fórum da Criança e do Adolescente do Butantã FOCA; Participação na Rede de Educação do Butantã, promovida pelo Instituto Unibanco, para promover a aproximação da Liga com escolas de ensino médio onde os jovens atendidos estudam. 18 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

12 Programa Religar Parceria com famílias e comunidade PROGRAMA RELIGAR PARCERIA COM FAMÍLIAS E COMUNIDADE Núcleo de Atendimento Comunitário Núcleo de Relações Sociais e Comunitárias Programa MOVA - Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos Grupo de Convivência de Idosos - Grupo Serenidade Núcleo de Formação e Capacitação Programa Ação Familiar - Viver em Comunidade Pólo de Prevenção à Violência Doméstica contra a Criança e o Adolescente O que é: Programa de fortalecimento das relações familiares e comunitárias, com atividades desenvolvidas e organizadas a partir das demandas sociais apresentadas pelas famílias que freqüentam o EDD e pela comunidade do distrito Raposo Tavares. Objetivos: Possibilitar que as famílias se beneficiem da educação como bem social, e exerçam sua cidadania de forma significativa, consciente e transformadora, com autonomia para acompanhar e estimular o desenvolvimento afetivo e cognitivo de seus filhos; Auxiliar no fortalecimento da auto-estima na estrutura familiar; Oferecer e contribuir com alternativas de geração de renda. O Religar é responsável por outros quatro programas específicos: Ação Família Viver em Comunidade MOVA Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos Grupo de Convivência de Idosos Grupo Serenidade Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, Abuso e Exploração Sexual Contra a Criança e o Adolescente Além desses programas, realiza ações em três diferentes núcleos: Núcleo de Atendimento Comunitário: Em um Plantão Psicossocial, desenvolve atividades de orientação e encaminhamento nas áreas da saúde, educação, jurídica, benefícios sociais, entre outros serviços de necessidade da comunidade. Núcleo de Formação e Capacitação: Promove a ampliação do universo de conhecimento dos participantes e abrange diferentes ações: artesanato, arte-culinária, horta-escola, terapia comunitária, capacitação de equipes, informática, customização e costura. Núcleo de Relações Sociais e Comunitárias: Busca, por meio de eventos e jogos, palestras e encontros, estabelecer articulação, organização e integração comunitária. Realizações: participantes nas reuniões socioeducativas. As reuniões têm o objetivo de contribuir com a troca de experiências entre os presentes, reconhecimento de seus direitos e deveres, Origem do Investimento Social Público beneficiado: 1600 famílias Faixa etária: adultos Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Parceria Financeira: Instituto Camargo Corrêa Custo Médio Mensal: R$ 46,00 por adulto 20 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório % Contrapartida Liga 39% Convênio 15% Instituto Camargo Corrêa ampliação da convivência e estreitamento das relações familiares e comunitárias; participantes nas oficinas de artesanato, arte culinária, horta-escola, costura e informática.

13 Programa Ação Família Viver em Comunidade DIVULGAÇÃO O que é: Programa que promove o fortalecimento, a emancipação e a inclusão social de 1053 famílias em condições vulneráveis, da cidade de São Paulo. A Liga é uma das organizações sociais que gerenciam um dos Centros de Referência do Ação Família (CRAF s). Cada CRAF tem uma equipe composta por Assistente Social, Psicólogo e Agente de Proteção Social (APS). Objetivo: Fortalecer o convívio social e a participação comunitária na região, estimulando a economia solidária e promovendo fortalecimento e autonomia da família. As famílias integrantes do programa participam de cursos, palestras, oficinas e eventos para fortalecer suas potencialidades em três dimensões: Vida em família, Família na comunidade e Vida de direitos e deveres. As dimensões são abordadas a partir de exemplos do dia-a-dia e articuladas com os eixos de saúde, educação, trabalho, justiça, habitação, cultura, lazer e esportes. Além disso, a promoção de direitos e deveres e o empreendedorismo são valores transversais, que perpassam todas as dimensões do programa. No CRAF são realizados: atendimentos individuais; visitas domiciliares; reuniões socioeducativas; oficinas de capacitação em culinária, artesanato e informática; atividades de convivência e implantação de comissão local. Após um estudo apurado da área de atuação do CRAF, os Agentes de Proteção Social foram distribuídos em 4 áreas de atendimento. A sistematização na distribuição por tamanho da região, características dos agentes e relacionamento entre eles, foi determinante para oferecer às famílias atendimento personalizado e notável melhoria desse atendimento. Realizações: visitas domiciliares realizadas no ano pelos APS s, para identificar as necessidades da família e iniciar um processo de construção de vínculos com o programa; 33 visitas técnicas ao ano de especialistas das áreas de psicologia, assistência social, nutrição, entre outras, às famílias, identificadas pelos APS s, com necessidades de atenção especial e orientação qualificada; pessoas estiveram presentes nos eventos realizados, que têm como objetivo promover o encontro das famílias, além de fortalecer os vínculos familiares com a comunidade e com o programa; Foram realizadas quatro avaliações qualitativas realizadas junto às famílias, com resultado de 95% de satisfação em relação ao conteúdo trabalhado nas reuniões socioeducativas. Com o propósito de fortalecer os vínculos familiares com a comunidade e com o programa, e promover o encontro das famílias, em 2007 foram organizadas 4 importantes ações, nas quais estiveram presentes pessoas: - Festa de confraternização das famílias com oficinas para crianças, corte de cabelo, tran- ça, apresentação de dança de rua, capoeira, contadores de histórias e clown; - Festa do Circo proporcionou diversão para as crianças da comunidade Morada do Sol, região que não oferece muitas opções de lazer; - Passeio com algumas famílias ao Teatro Aliança Francesa, para assistir ao espetáculo De lá para cá. O evento foi uma oportunidade de oferecer acesso à cultura para as famílias do programa, já que a maioria dos presentes, assistiu a uma peça e esteve em um teatro pela primeira vez; - Construção de um painel elaborado pelas famílias sobre o tema: Como eu vejo o Programa Ação família. A construção do painel tinha como objetivo perceber como a família entende as ações realizadas no programa e como ela se enxerga neste universo. Por meio de seus relatos, foi possível perceber que as famílias compreendem gradativamente os objetivos do programa e as ações e benefícios e oferecidos. Para algumas famílias, as oficinas são percebidas como fonte de geração de renda, e para outras como um espaço de convivência. Todos demonstraram que se sentem bem em participar do programa, e valorizam a oportunidade de ampliar sua rede de amigos. 22 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório DIVULGAÇÃO

14 Pólo de Prevenção à Violência Doméstica contra a Criança e o Adolescente DIVULGAÇÃO A Liga, juntamente com a SMADS, capacita continuamente a equipe de APS s que está à frente do programa. A preparação desses profissionais é essencial para o atendimento de todas as das famílias, e para o engajamento destas no programa. O trabalho e o olhar atento de profissionais bem preparados é fundamental, já que algumas famílias necessitam além do atendimento de rotina, de um acompanhamento contínuo e diferenciado. Durante o atendimento periódico das famílias, surgiu a necessidade de criar atividades direcionadas às crianças das famílias beneficiadas, para que os pais pudessem usufruir as atividades propostas pelo programa. Para tanto, foi criado o atendimento indireto com foco em atividades lúdicas direcionadas às crianças que freqüentavam o programa junto com seus pais, ou por não terem com quem ficar, ou por encontrarem no programa uma forma de recreação e diversão. Para atender esta demanda que se apresentou, o atendimento a essas crianças foi incluído no processo de atendimento de suas famílias. Parcerias efetuadas em 2007: - UBS Unidade Básica de Saúde São Jorge - acompanha os atendimentos do programa e fornece orientações importantes para que a família possa usufruir os serviços prestados; - Tenda do Senhor; - Associação dos Moradores do Jardim São Jorge; - Núcleo Socioeducativo Uirapuru - cedem espaços para as reuniões quinzenais, o que favorece a participação das famílias participantes do programa devido a proximidade com o seu local de moradia e nos aproxima da comunidade. O que é: Programa de sensibilização e capacitação de educadores e de grupo de famílias na prevenção, reconhecimento, orientação, intervenção e enfrentamento do problema da violência doméstica, abuso e exploração sexual. Objetivo: Fortalecer as redes comunitárias para sustentar a mudança de atitude das crianças, jovens e suas famílias frente às situações de violência, por meio da multiplicação do conhecimento a respeito do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente. Realizações: Capacitação e sensibilização de 322 pessoas para o tema da violência em 12 encontros anuais, a fim de contribuir para a mudança de atitude das crianças, jovens e suas famílias frente às situações de violência; Acompanhamento e supervisão dos casos identificados; Atendimento sistemático aos 16 grupos de 23 crianças e jovens do Programa I.D.E.A.L., com atividades semanais monitoradas por um profissional habilitado; Trabalho em rede para continuidade e fortalecimento das parcerias de encaminhamento (Polícia Militar, Unidade Básica de Saúde), que possibilitam o atendimento adequado às crianças e adolescentes que estão enfrentando problemas de violência doméstica. 24 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

15 Programa MOVA Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos Grupo de Convivência de Idosos Grupo Serenidade O que é: Programa de alfabetização permanente que beneficia 49 pessoas da comunidade. Objetivo: Encorajar os alunos na busca da auto-superação, para que possam utilizar o domínio dos códigos da escrita, da leitura e dos números como instrumentos auxiliares para a transformação do meio em que vivem e restauração de sua dignidade. O que é: Programa de atendimento a pessoas a partir de 60 anos, com atividades de: ginástica, fisioterapia preventiva, artesanato, coral, dança, horta-escola comunitária, além de eventos diversos. Objetivo: Promover a inclusão dos idosos na sociedade, visando a melhoria da qualidade de vida em grupo e o envelhecimento saudável. Realizações: Realizações: O aumento da freqüência dos alunos, por meio do fortalecimento do vínculo professoraluno, permitiu um ambiente harmonioso, produtivo e com continuidade no processo de aprendizado; O olhar atento do professor permitiu o trabalho diferenciado segundo as particularidades encontradas em cada aluno, uma vez que o grupo é bastante heterogêneo; Melhoria da auto-estima de cada aluno, por meio de identificação das dificuldades, e encorajamento para a continuidade dos estudos; Facilidade de acesso à cultura com leitura de jornais, revistas, crônicas, letras de músicas, linguagem artística e musical, entre outros; Aulas de reforço para auxílio aos recém matriculados no curso e aulas de reforço específicas de Matemática, disciplina em que os alunos apresentaram maior dificuldade de aprendizado; Atividades diferenciadas como palestras, filmes, visita a museus, piquenique, entre outros, contribuem para a sociabilidade do aluno, a troca de experiências e funcionam como instrumento de aprendizado. Participação de uma representante dos idosos do Grupo Serenidade no GCMI - Grande Conselho Municipal do Idoso, como uma das 45 conselheiras eleitas. Esta conselheira tem o papel de informar os idosos sobre todas as novidades apresentadas pelo conselho, e levar idéias, sugestões, propostas e necessidades do grupo às reuniões do conselho; Participação do Grupo Serenidade no JORI Jogos Regionais dos Idosos nas modalidades de: vôlei adaptado, dança de salão, coreografia e jogos de mesa. O evento possibilitou uma grande participação, mobilização e integração dos idosos freqüentadores do programa e exigiu por parte de todos disciplina e flexibilidade para participar em horários alternativos, treinamentos, ensaios e confecção de figurinos; Inclusão da atividade de vôlei adaptado, a pedido dos idosos; Roda de conversa quinzenal, para a troca de experiências e a integração entre os idosos; Inclusão da atividade de teatro com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento cultura; Nas atividades propostas no programa foi observada a evolução dos idosos em disposição física, aumento do humor, diminuição da depressão, descoberta de habilidades e talentos, integração grupal, maior sociabilidade, enfim, motivação. 26 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

16 Programa Crescer Alimentação e Acompanhamento Nutricional O que é: Programa de acompanhamento dos indicadores de saúde dos freqüentadores do EDD e das crianças atendidas nos 5 Centros de Educação Infantil (CEI s), por meio de avaliação antropométrica, controle de pressão arterial e glicemia. Além disso, promove a informação e a conscientização da comunidade e dos educadores sobre os conceitos nutricionais básicos. Fornece refeições que têm os componentes básicos de uma dieta saudável e equilibrada. Realiza também visitas periódicas nas casas das crianças e jovens beneficiados pelo programa, controle de estoque e armazenamento, atendimento nutricional individualizado, elaboração do custo de alimentos perecíveis e não-perecíveis, orientação e cardápio de dietas especiais de acordo com a patologia apresentada (para anemia, desnutrição, obesidade, etc). Objetivo: Suprir a carência alimentar de crianças, jovens e adultos, prevenir o desenvolvimento de distúrbios alimentares do público beneficiado e contribuir para a aquisição de nova cultura de alimentação saudável. Realizações: cafés da manhã servidos por mês; almoços mensais; lanches; refeições servidas indiretamente (Porcionadas na cozinha central e elaboradas nos Abrigos Solidários I, II e III) Valorização e sensibilização da equipe, por meio de treinamentos, geraram maior motivação, comprometimento, interesse e prazer na realização da alimentação. Atendimento: 586 mil refeições servidas em 2007 Público alvo: pessoas atendidas pelos diversos programas socioeducativos do EDD e crianças de todos os CEI s. Parceria financeira: Fundação Prada Custo médio mensal: R$2,00 por refeição Origem do Investimento Social 20% Fundação Prada 80% Contrapartida Liga 28 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

17 Projeto Nutrição Infantil O Projeto Nutrição Infantil foi criado para implantar a educação nutricional, nos 5 Centros de Educação Infantil da Liga Solidária, estendendo assim, o atendimento já realizado nos programas socioeducativos. A educação nutricional consiste na promoção da alimentação saudável no espaço escolar, com ações de estímulo, apoio e proteção à adoção de hábitos alimentares saudáveis. O projeto tem o objetivo de prevenir o desenvolvimento de distúrbios alimentares das 720 crianças atendidas nos 5 CEI s da Liga, assegurando-lhes quantidade necessária e qualidade da alimentação, por meio da educação nutricional e da formação continuada e valorização das equipes envolvidas. Após pesquisa realizada antes da implantação do projeto foi identificado um total de 20% das crianças com problemas de sobrepeso/obesidade, 7% com desnutrição atual e 6% com desnutrição pregressa. A partir desse diagnostico, o cardápio foi reestruturado para atender as necessidades individuais destas crianças, além de oferecer, se necessário, suplementos alimentares nos casos de desnutrição. Para a realização do projeto, o envolvimento da equipe de profissionais administrativos e de cozinha de todos os CEI s, com a equipe de nutrição dos programas socioeducativos foi fundamental. Atividades realizadas: Visitas técnicas aos 5 CEI s, feitas por uma equipe de estagiárias de Nutrição, com supervisão semanal da equipe de Nutrição da Liga; Avaliação antropométrica nas 718 crianças atendidas nos 5 CEI s, que forneceu dados para a análise do crescimento dos indivíduos, e de problemas nutricionais como desnutrição e sobrepeso / obesidade; Apresentação do estado nutricional das crianças para a coordenação de cada CEI; zinhas dos CEI s para higiene e manipulação de alimentos, e desenvolvimento de manual de procedimentos técnicos e materiais de apoio; Trabalho de conscientização com os pais das crianças para estender os conceitos da educação nutricional para suas casas; Capacitação dos profissionais dos CEI s envolvidos no projeto, para identificação dos principais distúrbios alimentares na infância; Elaboração de cardápio balanceado, dentro do planejamento de custos e compras; Treinamento da equipe de produção das co- Realização de cursos de capacitação com material didático, oferecidos pelo Projeto Nutrir da Nestlé, aos coordenadores do Programa Cres cer e equipe da cozinha. Duração de dois dias, com aula prática e teórica para atualização, integração de equipe, multiplicação de conhecimento e introdução do conceito de alegria na alimentação. 30 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

18 Sustentabilidade Em 2007, a Liga Solidária caminhou a passos largos para melhorar a sua estabilidade econômica e intensificar o impacto social nos programas em que atua. As principais decisões estratégicas foram colocadas em prática pela diretoria da organização, em concordância com os seus conselhos: consultivo, financeiro e imobiliário, com a aprovação do conselho fiscal e da assembléia geral. O primeiro fato relevante a destacar foi a desmobilização de parte do patrimônio da Liga para a constituição de um fundo de investimento exclusivo, que visa a melhoria do retorno financeiro sobre o patrimônio. O resultado líquido desta aplicação vai complementar a entrada de recursos de longo prazo para o atendimento social. Criou-se também o Comitê da Terceira Idade, para tratar das questões ligadas aos Residenciais para Terceira Idade, importante braço provedor de recursos da Liga. Para viabilizar seu trabalho social, a Liga Solidária conta com diferentes frentes de captação de recursos: Convênios com o poder público Estadual e Municipal; Parcerias com empresas privadas; Doações de pessoas físicas e jurídicas; Eventos; Campanhas; Outro fato foi o início do programa de administração dos recursos humanos por competências, que dará uma grande contribuição no desenvolvimento e valorização dos colaboradores da organização. Como parte dessa realização, a Liga investiu R$110 mil em bolsas de estudos para seus funcionários. As novas parcerias consolidadas com empresas privadas e outras organizações da sociedade civil, também contribuíram para que a Liga pudesse expandir o atendimento social na comunidade do distrito Raposo Tavares. Dessa forma, acreditamos que a prática constante e efetiva dos nossos valores em todas as ações que desenvolvemos, é um diferencial estratégico para atingirmos a sustentabilidade. Alvino de Souza e Silva Superintendente Unidades Provedoras. As unidades provedoras constituem uma estrutura interna geradora de receitas próprias. O superávit obtido nestas unidades, por meio da prestação de serviços a terceiros, é integralmente aplicado nas ações sociais da Liga Solidária. Em 2007, as unidades provedoras geraram 19% das receitas das unidades de atendimento social, e 40% foram provenientes de convênios com o poder público Estadual e Municipal. Os 41% restantes foram obtidos por meio de doações, projetos em parceria com empresas da iniciativa privada, receitas financeiras, aluguéis, eventos e campanhas. São seis as unidades provedoras: Lar Sant Ana Residencial para idosos independentes, com atividades físicas e culturais; Recanto Monte Alegre Residencial para idosos dependentes, com assistência médica geriátrica e enfermagem 24 horas; Colégio Santa Amália 1 - Ensino Infantil, Fundamental e Médio, Colégio Santa Amália 2 - Ensino Infantil Bilíngüe (Inglês) e Ensino Fundamental, Plaza 50 Apartamentos para locação e Residência Capote Valente - Flat Residência. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 45% Receitas Próprias * Bazares, campanhas e eventos 2002 Origens dos Recursos % Receitas Aluguéis 16% Receitas Financeiras 3% Receitas Outros* 19% Receitas Provedoras 4% Parcerias Privadas 10% Donativos e Contribuições 40% Convênios Governamentais Sustentabilidade (% de recursos próprios no investimento social) Aplicação dos Recursos % CEI s 25% Abrigos Solidários % Qualificação Profissional 12% Programa Crescer 13% Programa I.D.E.A.L 10% Programa Religar 32 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

19 Gestão Financeira Per capita X Convênio (R$) No ano de 2007, a Liga Solidária continuou a viver seu grande desafio: ajustar seus objetivos sociais aos novos tempos, melhorando a eficácia de sua ação social, adaptando sua atuação às novas técnicas pedagógicas, buscando eficiência na administração e nas formas de obtenção de recursos junto aos governos, empresas, pessoas, bem como procurando otimizar o retorno de suas próprias Unidades Provedoras e agora, com uma nova visão, também do seu patrimônio imobilizado. E tudo isso mantendo seu compromisso original de contribuir efetivamente para a construção de uma sociedade mais justa, por meio do acolhimento e dedicação. Merecem referência as reformas das instalações e atualização técnica-operacional do atendimento de idosos, tanto no Lar Sant Ana, como no Recanto Monte Alegre e Plaza 50. Como também, a atualização pedagógica e funcional no Colégio Santa Amália I, no bairro da Saúde, que já adaptado aos conceitos modernos de cursos de Ensino Fundamental e Médio, tem competido com sucesso na demanda escolar da região, mantendo as linhas básicas de formação pessoal e espiritual. Por outro lado, cabe destacar o novo enfoque adotado pela Liga para otimizar a rentabilidade do seu patrimônio, praticamente todo imobilizado, mas com algumas unidades sub utilizadas do ponto de vista social. Este novo enfoque levou à decisão, ratificada em Assembléia Geral, de aproveitar o momento favorável do mercado e transformar parte do patrimônio imobiliário, representada pelo imóvel da Rua Cantagalo, no Tatuapé, em patrimônio financeiro, com a venda desse terreno e transferência das ações sociais e pedagógicas que eram desenvolvidas nesse imóvel, para outros locais, com grande ampliação e enorme vantagem operacional (C.E.I. São Cesário para o Complexo Educacional Educandário Dom Duarte, e o Colégio Santa Amália II para novo local no Tatuapé). A venda permitiu monetizar cerca de 20% dos bens imobilizados da Liga, criando um ativo financeiro relevante e uma fonte permanente de rendimento que, expurgado da inflação, passou a constituir receita operacional da organização. E, a exemplo de outras instituições, inclusive internacionais, que zelam pela manutenção de seus patrimônios, a Liga está constituindo com o ativo financeiro obtido na operação, um Fundo administrado por especialistas e custodiado em instituições financeiras de 1ª linha, com normas rígidas de gestão e segurança, de forma a preservar o valor real do patrimônio inicial e atender a função de nova unidade provedora, proporcionando rendimento permanente para suas ações sociais. Cabe ressaltar ainda o sucesso obtido em processo administrativo junto à Prefeitura Municipal de São Paulo, que finalmente reconheceu a imunidade tributária da Liga, fato que solucionou todas as pendências de IPTU, algumas muito antigas, que constituíam contingências de elevado valor. Portanto, no ano de 2007, as ações sociais da Liga continuaram com tendência crescente em todos os seus campos de atuação. Os desafios de atualização técnica, pedagógica, administrativa e de equilíbrio financeiro foram enfrentados com decisão e dinamismo, já tendo apresentado resultados visíveis no ano findo, tanto do ponto de vista qualitativo como quantitativo. Mas são desafios permanentes que a Liga continuará enfrentando com amor e dedicação, buscando a eficiência, na sua missão de contribuir de forma solidária com a sociedade de São Paulo. Alguns gráficos de desempenho econômico financeiro do exercício estão adiante explicitados, informando os aspectos que consideramos mais relevantes. Estaremos sempre à disposição de nossos (as) associados (as) para quaisquer outras informações. CONSELHO EXECUTIVO Folha de Pagamento em Relação às Receitas (%) 90% 80% 70% 60% % 50% 40% 30% % 10% Abrigos Solidários Qualificação Profissional Despesas Receitas CEI s (683 Colaboradores) Programa I.D.E.A.L. Programa Religar Programa Crescer Custo Real Convênio Contrapartida Liga Receita X Despesas (em milhares de R$) Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

20 Gestão Financeira Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Demonstrações do Superávit ou Déficit Exercícios Findos em 31 de dezembro Em reais Receitas das atividades Receita das provedoras % Convênios público % Convênios privados % Notas explicativas Variação Aumento de ocupação nos residenciais - Renegociado aumento dos valores per capita - Efetivação de novas propostas de convênios com empresas Despesas com gratuidades-unidades de Atendimento Social Despesas de pessoal ( ) ( ) 26% Despesas operacionais ( ) ( ) 24% Despesas administrativas ( ) ( ) 34% Serviços de terceiros ( ) ( ) 3% Depreciação ( ) ( ) 1% - Aumento do atendimento social e readequação de quadro - Aumento do custo de alimentação, manutenção e serviços públicos - Despesas financeiras e divulgação da marca Liga Solidária Doações e contribuições % - Redução de doações de pessoas jurídicas ( ) ( ) 23% Receitas financeiras % - Receita obtida com aplicação do recurso da venda de imóvel Despesas totais Liga ( ) ( ) 13% Outras receitas operacionais % - Aumento nas receitas com eventos Superávit (Déficit) do exercício ( ) 366% Total receita operacional % Resultado Não Operacional Resultado líquido da venda de ativo imobilizado Receitas totais Liga % Despesas das atividades-unidades Provedoras Despesas de pessoal ( ) ( ) 14% - Aumento de quadro devido a aumento na taxa de ocupação. Despesas operacionais ( ) ( ) 9% - Aumento de taxa de ocupação Despesas administrativas ( ) ( ) -15% - Desconto de mensalidades em 2007 passou a reduzir a receita Serviços de terceiros ( ) ( ) 5% Depreciação ( ) ( ) -14% - Venda de imóvel em 2007 ( ) ( ) 9% 36 Liga Solidária - Relatório 2007 Liga Solidária - Relatório

RESUMO INSTITUCIONAL 2012

RESUMO INSTITUCIONAL 2012 RESUMO INSTITUCIONAL 2012 A Liga Solidária é uma organização social sem fins lucrativos criada há 89 anos. Atualmente, atende mais de 3.200 pessoas. A ONG desenvolve programas sociais de educação e cidadania

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde. Angela C. Lucas de Oliveira 2006

AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde. Angela C. Lucas de Oliveira 2006 AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde Angela C. Lucas de Oliveira 2006 Perfil nutricional de crianças menores de 5 anos usuárias das Unidades de Saúde da SMS 1991 a 2005

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José Mostra de Projetos 2011 Centro Educativo Passionista Maria José Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Objetivo geral do projeto O objetivo do projeto Circo-Escola na Bahia é oferecer às crianças e jovens de Serra Grande um espaço privilegiado para que possam desenvolver atividades

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014 EXECUTADOSFINALIDADES ESTATUTÁRIAS Finalidades Estatutárias: a) Assistência, promoção e valorização das pessoas e grupos de pessoas menos favorecidas, promoção da saúde, desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

Fraternidade Espírita. Protótipo de projeto em fase final de

Fraternidade Espírita. Protótipo de projeto em fase final de Projeto Protótipo de projeto em fase final de elaboração 1 2 PROPOSTA SÓCIO-EDUCATIVA PROGRAMA DE SOCIALIZAÇÃO INFANTO-JUVENIL Projeto Crianças de Luz 1) Dados Cadastrais: Fraternidade Espírita Lar de

Leia mais

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M Jardim das Paineiras Campinas/SP - Brasil - CEP.: 13.091-107 Fone.(19) 3255-8350 e-mail: falecom@ssnjcamp.org CNPJ: 67.170993/0001-10 Site: www.ssnjcamp.org SERVI O SOCIAL

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa LEI Nº 950 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAR PESSOAL PARA ATENDIMENTO AOS PROGRAMAS PETI, API, PROJOVEM E BOLSA FAMILIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

1) Campanha do Agasalho

1) Campanha do Agasalho Junho 2014 1) Campanha do Agasalho Todo ano a Cruz Vermelha de São Paulo realiza a Campanha do Agasalho para ajudar comunidades carentes a enfrentar o frio do inverno em nossa região. Em 2014, os locais

Leia mais

Projeto Voz do Batuque

Projeto Voz do Batuque Mostra Local de: Maringá PR Projeto Voz do Batuque Categoria do projeto: I Projetos em Andamento Nome da Instituição/Empresa: Instituto Morena Rosa de Responsabilidade Sócio Ambiental, Cultural e Desenvolvimento

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Objetivo: Como previsto pelo estatuto da entidade, Art 2º, tem por finalidade a proteção e o amparo à crianças na faixa etária de 0 (zero)

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADE 2014 EXECUTADOSFINALIDADES ESTATUTÁRIAS Finalidades Estatutárias: a) Assistência, promoção e valorização das pessoas e grupos de pessoas menos favorecidas, promoção da saúde, desenvolvimento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

IX Jornada de Estágio de Serviço Social

IX Jornada de Estágio de Serviço Social INSTITUTO MUNDO MELHOR LIMA, Angélica P.F 1. MATOS, Fernanda Edi 2. PREUSS, Lislei T. 3. Apresentador: Angélica Perlin Ferreira de Lima (Estágio II) Resumo: No Instituto Mundo Melhor (IMM), o Serviço Social

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS Missão Priorizar o atendimento às crianças, adolescentes, idosos e a família em situação de vulnerabilidade social através do esporte educacional,

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA ENTIDADE: Casa de Nazaré Centro de Apoio ao Menor 1.2. Endereço: Rua Coronel Timóteo nº 350 1.3. Bairro: Cristal 1.4. Região CORAS: 05 1.5.

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social: MOLDURA MINUTO FRANCHISING LTDA Nome fantasia: MOLDURA MINUTO Data de

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PROJETO BOQUINHA ALEGRE

PROJETO BOQUINHA ALEGRE PROJETO BOQUINHA ALEGRE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A instituição Casas Lares Humberto de Campos é uma entidade, na modalidade de associação, sem fins lucrativos, mantida pelo Grupo Educacional e Assistencial

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Hospital do Coração Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Rosa Bosquetti Coordenadora de Enfermagem Unidade Coronariana O Hospital O Hospital O Hospital HCor: missão, visão e valores

Leia mais

CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES Trajetória de sucesso no apoio ao desenvolvimento de crianças e jovens de comunidades

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DA SAFRATER 01 A 04/2009 - R$

DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DA SAFRATER 01 A 04/2009 - R$ TIÃOZINHO PRESTANDO CONTAS E AGRADECENDO Caro(a) Associado(a): Segue abaixo o Demonstrativo do Resultado Operacional de nossas atividades em 2008. Quaisquer informações ou esclarecimentos adicionais poderão

Leia mais

Relatório de Atividades. Março 2009

Relatório de Atividades. Março 2009 2008 Relatório de Atividades Liga Solidária 86 anos contribuindo com a educação e cidadania na cidade de São Paulo 1 Nossa Missão Contribuir com ações socioeducativas para conscientizar crianças, jovens

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Asilo. São Vicente de Paulo. Há 88 anos atendendo à população de Curitiba e Região. Socialização e atendimento humanizado.

Asilo. São Vicente de Paulo. Há 88 anos atendendo à população de Curitiba e Região. Socialização e atendimento humanizado. Socialização e atendimento humanizado A tipificação Nacional dos Serviços Socioassistencias estabelece que o atendimento no Asilo São Vicente de Paulo é de Proteção Social Especial de Alta Complexidade.

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Rede Solidária Anjos do Amanhã

Rede Solidária Anjos do Amanhã Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Rede Solidária Anjos do Amanhã Voluntariado Beneficiando crianças e adolescentes com direitos violados Como funciona a Rede Solidária Como se tornar

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS I - ABERTURA GERAL Três de Maio, próspero município, com 24 mil habitantes, predominantemente descendentes de alemães, italianos e poloneses, na região noroeste do Rio Grande do Sul, foi emancipado em

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CRECHES E DA EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Conforme garante

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC).

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC). Manual do Aluno OBJETIVO A Faculdade do Pará implantou o Programa de Treinamento Profissional (PTP) para que você possa realizar ações práticas, desde o primeiro período do curso, ligado a profissão que

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE BAIÃO-PA. Secretária Eliana do Couto da Rocha JANEIRO - 2015 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Projeto Cardume CMDCA

Projeto Cardume CMDCA Projeto Cardume CMDCA Objetivo: Estabelecer rede de proteção integral a criança e ao adolescente,, bem como suas famílias, reunindo ações governamentais e atividades das organizações da sociedade civil,

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PROGRAMA Nº- 042 PALCO SOBRE RODAS Projeto inspirado no clássico modelo de teatro itinerante, através da montagem de um palco móvel que percorre os bairros da cidade, levando cultura. Levar o Palco sobre

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010 ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2010 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

106 anos. educação de vanguarda. Para ler a realidade e escrever o futuro. A história de uma

106 anos. educação de vanguarda. Para ler a realidade e escrever o futuro. A história de uma 106 anos Publicação da Coordenadoria de Comunicação Social do Instituto Metodista Izabela Hendrix - imprensa@metodistademinas.edu.br Informativo do Colégio Metodista Izabela Hendrix - Outubro 2010 A história

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

Veja o resultado da sua contribuição

Veja o resultado da sua contribuição Resultados 2014 Veja o resultado da sua contribuição Beneficiados 25 municípios 44 instituições 6.705 crianças e adolescentes Mobilização Valor total arrecadado: R$ 1.421.122,00 Fundos Municipais dos Direitos

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Dentre todas as coisas que se pode doar a alguém, existe uma que é a mais valiosa: o tempo. E é isso que um voluntário faz. Disponibiliza seu tempo e sua energia para ajudar o próximo,

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO - recepcionar e atender ao público usuário dos programas, projetos e serviços da assistência, procurando identificá-las, tomando

Leia mais